Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição Data Alterações em relação à edição anterior"

Transcrição

1 Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR ª Folha 1 DE 44 30/10/2015 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 31/07/2002 Edição inicial. 2ª 31/03/2003 3ª 18/10/2004 4ª 28/02/2005 5ª 07/04/2006 6ª 03/10/2006 7ª 10/06/2008 8ª 25/05/2009 9ª 23/09/ ª 27/05/ ª 22/07/ ª 29/10/2015 Padronização de cabos de ligação dos terminais de BT de transformadores à rede secundária, de cabos de cobre para instalações em atmosfera agressiva, e adequação dos desenhos à exigência de instalação dos condutores a 0,20 m do topo do poste. Padronização da caixa de derivação bifásica e estribos para ligação de unidades consumidoras. Padronização de estruturas de alinhamento, utilização de postes com esforços de 200, 400 e 600 dan e atendimento à Resolução ANEEL Nº 505/2001. Unificação da altura de luminária, alteração do critério de utilização da caixa de derivação e do estribo para ligação de consumidores, inserida tabela de aplicação do cabo multiplexado em função do transformador e critério de utilização de transformador monofásico para situações de circuito exclusivo de IP. Alteração da figura 35 do ANEXO A, retirando-se o medidor da estrutura IP-CM de comando de IP em grupo e modificação do título da estrutura para IP-C. Adequação ao novo formato do modelo no SGN, atualização das figuras 27, 28, 29, 30 e exclusão das figuras 31, 32, 33, 34 e 35. Retirada do circuito em Grupo de IP. Inclusão do critério de instalação do dispositivo para aterramento temporário. Substituição do código pelo código referente às Estruturas IP- LL7, IP-LL9 e IP-LL14. Atualização das Figuras 23, 24 e 25(Retirada do circuito de IP) e adequação das cotas; Alteração das unidades de medida de centímetro (cm) para metro(m) nas tabelas do ANEXO III; Adequação das definições à última edição da Resolução 414/ANEEL. Inclusão do código Conector Atr Aço Reta 35,0/HA 16,0mm²; incluído trafo 225kVA na tabela 1. Revisão geral, Substituição do conector código por , Atualização das listas de materiais das estruturas, As normas da ABNT, Inclusão dos itens 3.26, 3.41 e Atualizado as unidades de medidas e Adequação a NR 35, com a inclusão do código em todas as estruturas. Revisão geral, com adequação do texto ao Relatório de Diagnóstico - Objetivo IPND/2014; inclusão dos itens 3.44, , , , e 4.14; exclusão da figura 27 do ANEXO I. Revisão, atualização do texto e uniformização dos critérios entre Coelba, Celpe e Cosern.

2 Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR ª Folha 2 DE 44 30/10/2015 GRUPOS DE ACESSO Nome dos grupos Diretor-Presidente, Superintendentes, Gerentes, Gestores, Funcionários e Prestadores de Serviços. NORMATIVOS ASSOCIADOS Nome dos normativos VR Comissionamento de Redes de Distribuição Aérea e Subterrânea. VR Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste DT - 15 kv. VR Projeto de Rede de Distribuição Aérea com Condutores Nus - 15kV. VR Projeto de Rede de Distribuição de IP com Circuito Exclusivo. VR Trabalho em Altura em Construção e Manutenção de Linhas e Redes de Distribuição até 15 kv.

3 ÍNDICE Página 1. OBJETIVO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES ATERRAMENTO CABOS ISOLADOS MULTIPLEXADOS CONECTOR PERFURANTE PONTO SIGNIFICATIVO REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA MULTIPLEXADA BT RAMAL DE LIGAÇÃO UNIDADE CONSUMIDORA CRITÉRIOS CRITÉRIOS GERAIS CÁLCULO ELÉTRICO CONDUTORES CRITÉRIOS DE PROJETOS POSTE TRAVESSIAS CÁLCULO MECÂNICO REFERÊNCIAS APROVAÇÃO ANEXO I. ESTRUTURAS PADRONIZADAS ANEXO II. TABELAS ANEXO III. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES ANEXO III. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES ANEXO IV. AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES E EDIFICAÇÕES VR ª Edição 30/10/ de 44

4 1.OBJETIVO Estabelecer os critérios para elaboração de projetos de redes elétricas aéreas em tensão secundária de distribuição utilizando-se condutores multiplexados, isolados para 1 kv. 2.RESPONSABILIDADES Compete aos órgãos de planejamento, engenharia, suprimento, elaboração de projetos, construção, ligação, manutenção e operação do sistema elétrico cumprir e fazer cumprir este instrumento normativo. 3.DEFINIÇÕES 3.1Aterramento Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra. 3.2Cabos Isolados Multiplexados Cabos constituídos por um, dois ou três condutores isolados, utilizados como condutores fase, torcidos em torno de um condutor isolado com funções de condutor neutro e de elemento de sustentação. 3.3Conector Perfurante Conector destinado à conexão entre dois condutores isolados da rede de distribuição entre si, ou com o condutor de derivação da unidade consumidora. A conexão é obtida através de dentes metálicos que perfuram o isolamento e alcançam o condutor, estabelecendo o contato elétrico. 3.4Ponto Significativo Qualquer ponto da rede que cause descontinuidade elétrica (postes, mudança de bitola, seccionamento, conexões, cargas, etc.). 3.5Rede de Distribuição Aérea Multiplexada BT Rede de baixa tensão, operando com tensão máxima de 380 V, utilizando condutores encordoados, conhecidos comercialmente como multiplexados. 3.6Ramal de Ligação Conjunto de condutores e acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede da distribuidora e o ponto de entrega. 3.7Unidade Consumidora Conjunto composto por instalações, ramal de entrada, equipamentos elétricos, condutores e acessórios, incluída a subestação, quando do fornecimento em tensão primária, caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em apenas um ponto de entrega, com medição individualizada, correspondente a um único consumidor e localizado em uma mesma propriedade ou em propriedades contíguas. 4.CRITÉRIOS 4.1Critérios Gerais 4.1.1A rede secundária deve ser construída com cabos multiplexados formada por condutores fase de alumínio e condutor neutro em alumínio liga (CAL) isolado em XLPE (polietileno termofixo) para tensões 0,6/1 kv Nos projetos de melhoramento, adição de fase ou divisão de circuitos de transformadores de uma rede secundária convencional, os condutores nus devem ser substituídos por cabos multiplexados Os projetos de melhoramento devem aproveitar ao máximo os postes existentes da rede convencional. VR ª Edição 30/10/ de 44

5 4.1.4A menor seção de condutor admitida para rede secundária urbana é de 35 mm² e de 25 mm² para a área rural e circuitos de iluminação pública Os vãos da rede secundaria devem ter um comprimento máximo de 40 m, obedecendo-se à distancia mínima do condutor ao solo. Vãos máximos de 60 m podem ser previstos em áreas rurais com baixa densidade de carga onde não é exigida luminosidade homogênea ao longo da via pública Nas estruturas de passagem (tangente e ângulos até 60º) os condutores da rede secundária devem ser instalados em armação secundária de um estribo sobre um isolador roldana, sempre voltada para o lado da rua, ressalvando-se as situações especificas que não permitam este arranjo Os condutores neutros de todos os circuitos devem ser interligados entre si e deve ser instalada passagem no neutro para ligação das unidades consumidores conforme figuras 23 e 24 do Anexo I A armação secundária da rede multiplexada deve ser instalada a 7,30 m do solo, exceto nos postes de transformadores e equipamentos, onde deve ser fixada a 7 m, e em travessias onde deve obedecer à legislação específica Nas mudanças de seção ou derivação deve ser observada a sequência de fases no momento de conectar os dois segmentos da rede Nas estruturas trifásicas de ancoragem, o cabo neutro (mensageiro) deve ser fixado na manilha sapatilha com alça pré-formada de distribuição e nas estruturas de passagem com laço pré-formado de roldana. Nas estruturas monofásicas de ancoragem deve ser usada sapatilha em substituição à manilha sapatilha As amarrações dos ramais das unidades consumidoras devem ser fixadas no olhal parafuso com alça pré-formada de serviço, conforme figuras 23 e 24 do Anexo I Todas as conexões entre cabos isolados devem ser realizadas com conector perfurante. 4.2Cálculo Elétrico 4.2.1O dimensionamento dos circuitos elétricos da rede multiplexada deve ser efetuado de acordo com a potência do transformador, conforme Tabela 01, sendo a potência do transformador definida de acordo com o prescrito nas normas VR para circuitos urbanos e VR para circuitos rurais Os transformadores de 150 e 225 kva devem ser usados exclusivamente para atendimento de unidades consumidoras de uso coletivo Nas rede secundárias urbanas a menor potência de transformador deve ser de 45 kva, exceto para ligações de circuitos de iluminação ou cargas isoladas. Tabela 01 Dimensionamento de condutores ITEM POTÊNCIA DO TRANSFORMADOR (kva) TENSÃO SECUNDÁRIA (V) REDE MULTIPLEXADA (mm²) x x x x / x x ,5 3 x x 70 VR ª Edição 30/10/ de 44

6 x x x x /220 3 x x , x x Os transformadores devem ser localizados no centro de carga de forma que nenhum ponto do circuito possua, no horizonte do projeto, queda de tensão superior a 3,5% em circuitos novos e 5% em reforços ou melhoramentos de rede existente Na elaboração do cálculo de queda de tensão em redes multiplexadas devem ser utilizados os coeficientes da Tabela O cálculo da queda de tensão deve ser efetuado com as condições de carga e tensão atuais e futuras e com o circuito balanceado Independentemente da queda de tensão, nenhum ponto da rede de distribuição aérea multiplexada - BT pode situar-se eletricamente a mais de 400 m na tensão de 380/220 V e 200 m na tensão de 220/127 V. Para transformadores de 112,5 kva deve-se considerar 70% dessa distância Para circuitos eminentemente rurais, pode-se aumentar essas distâncias desde que a queda de tensão não ultrapasse os limites estabelecidos no item Tabela 02 Coeficientes para cálculo da queda de tensão Valores Unitários de Queda de Tensão em BT para 100 kva x m Condutores Multiplexados 4.3Condutores Tensão 220/127 V 380/220 V Nº fase 3F 2F 1F 3F 2F 1F , , ,1816 0,4086 1,1897 0,0609 0,1369 0, ,0970 0,2182 0,5820 0,0325 0,0731 0, ,0621 0,1396 0,3725 0,0208 0,0468 0, Os condutores padronizados para redes secundárias de distribuição devem ser isolados em XLPE (polietileno termofixo) isolados para 0,6/1 kv nas seções definidas na Tabela 03. Tabela 03 Condutores padronizados Item Código Descrição Cabo AS AL 1kV 1 x x 25 NI Cabo AS AL 1kV 3 x x 35 NI Cabo AS AL 1kV 3 x x 70 NI Cabo AS AL 1kV 3 x x 70 NI 4.3.2Os cabos com seção 1x25 + 1x25 mm² aplicam-se exclusivamente ao sistema monofásico e circuitos de iluminação pública. VR ª Edição 30/10/ de 44

7 4.3.3Os condutores devem ser identificados através de aproximadamente 2 voltas de fita adesiva nas cores abaixo, de acordo com a NBR8182: Fase A = Preta; Fase B = Cinza; Fase C = Vermelha; Neutro = Azul claro. 4.4Critérios de Projetos 4.4.1O circuito principal da rede de distribuição aérea multiplexada deve ser projetado, preferencialmente, sob o tronco dos alimentadores primários Quando a rede de distribuição aérea multiplexada for instalada em derivações, o circuito principal deve utilizar as ruas e avenidas de fácil acesso e com maior densidade de carga O projetista deve optar por ruas ou avenidas bem definidas e aprovadas pelas prefeituras Em sistemas trifásicos, a rede de distribuição aérea multiplexada deve ser trifásica no circuito principal e derivações até o fim do circuito, visando otimizar o equilíbrio das cargas As estruturas padronizadas na rede de distribuição aérea multiplexada estão definidas no Anexo I Em estruturas tangentes e ângulos de até 60º, devem ser projetadas estruturas de alinhamento, conforme figuras 01 e 02 do Anexo I, observando o disposto abaixo: a) Para ângulo até 15º, o neutro deve ficar externo ao isolador roldana fixado com laço pré-formado; b) Para ângulos entre 15º e 60º, o neutro deve ficar interno ao isolador roldana fixado com laço préformado Em final de linha, mudança de bitola, divisão de circuitos, saídas de transformadores, derivações, transição e travessias de rodovias e ângulos maiores de 60º, devem ser projetadas estruturas de amarração, conforme figuras de 03 a 22 do Anexo I Em divisão de circuitos os condutores fase devem ser seccionados nos postes adjacentes, ficando apenas o neutro continuo conforme figuras 07 e 08 do Anexo I Em estruturas de tangência a face de maior esforço do poste deve ser voltada para a rua Em caso de liberação de cargas em transformadores existentes, os carregamentos máximos são os limites térmicos no fim do horizonte do projeto O neutro da rede de distribuição aérea multiplexada deve ser aterrado com uma haste de 16x2400mm, conforme seguintes critérios: No transformador; Em todo final de linha; Nas mudanças de bitola de condutores; Em intervalos máximos de 200 m de outro aterramento ao longo da rede A rede de distribuição aérea multiplexada deve ser instalada do lado do sistema viário, exceto nos postos de transformação, quando devem passar por trás do transformador Quando não houver posteação, deve-se escolher o lado mais favorável para a implantação da rede, considerando o que tenha maior número de edificações, acarretando menor número de travessias. VR ª Edição 30/10/ de 44

8 4.4.14Em áreas urbanas sempre que possível, os postes devem ser implantados nos passeios nas divisas dos lotes, o mais próximo possível do meio-fio Em ruas com até 20 m de largura, incluindo-se o passeio, os postes devem ser projetados sempre de um mesmo lado (unilateral), observando-se a seqüência da rede existente, conforme figura a seguir. Posteação Unilateral Vão Básico L L = Máximo 20m A posteação bilateral alternada deve ser usada em vias com largura compreendida entre 20 e 25 m, sendo projetada com os postes contrapostos, aproximadamente, na metade do lance da posteação contrária, conforme figura abaixo. Posteação Bilateral Alternada Vão Básico L L = 20 a 25m A posteação bilateral frontal deve ser usada quando a largura da rua for superior a 25 m, tendo representação conforme figura abaixo. Posteação Frontal Vão Básico L L > Nos casos de arranjos que envolvam derivações da rede primária, uso mútuo de postes e travessias aéreas de vias, podem ser utilizados postes com esforço superior a 600 dan e altura superior a 9 m Em redes urbanas e rurais o ramal de ligação monofásico deve ser ligado no estribo (rabicho) conforme figuras 23 e 24 do Anexo I. Os ramais trifásicos com cabo acima de 35 mm² devem ser ligados diretamente na rede multiplexada. 4.5Poste 4.5.1Os postes padronizado para rede de distribuição multiplexada são de 9 m de altura para os esforços de 200, 400 e 600 dan, conforme Tabela 11 do ANEXO II. VR ª Edição 30/10/ de 44

9 4.5.2Nos postes padronizados no item 4.5.1, a fixação do condutor neutro deve situar-se a 0,20 m do topo do poste Devem ser usados postes de concreto DT ou circulares de fibra engastados conforme a fórmula: E = L/10 + 0,60 onde, L é o comprimento nominal do poste. 4.6Travessias 4.6.1Os cabos devem manter as distâncias mínimas a seguir, especificadas nas condições mais desfavoráveis de aproximação ou seja, na condição de flecha máxima: 5,50m - ruas e avenidas; 4,50m - entrada de prédios e demais locais de uso restrito a veículos; 3,50m - ruas e vias exclusivas a pedestres; As distâncias mínimas entre condutores e edificações devem obedecer ao Anexo IV. 4.7Cálculo Mecânico 4.7.1As trações de projeto foram calculadas para temperatura mínima igual a 5 C e vento máximo de 90 km/h na temperatura de 15 C Para o tensionamento dos condutores e o dimensionamento das estruturas devem obedecer aos valores da tabela 04 e as tabelas de flechas e trações de montagem do ANEXO III. Tabela 04 Trações de projeto TRAÇÕES DE PROJETO DOS CONDUTORES (dan) Condutor Tração Vão 40 m Tração Vão 60 m 1 x x 25 mm x x 35 mm x x 70 mm x x 70 mm Deve ser efetuado cálculo mecânico com base nas trações de projeto padronizadas para dimensionamento dos postes de amarração, ângulos e finais de linha Os pontos onde o cabo for desenrolado para ancoragem ou finais de linha devem ser amarrados com fio isolado de 1,5 mm² ou preferivelmente com as sobras dos cabos da rede, para evitar que o mesmo perca a sua formação original. 5.REFERÊNCIAS Os equipamentos e as instalações devem atender às exigências da última revisão das normas da ABNT, e resoluções dos órgãos regulamentadores oficiais, em especial as listadas a seguir: NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - parte 1: requisitos; NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - parte 2: padronização de postes para redes de distribuição de energia elétrica; NBR 8158 Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas, Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia; Elétrica Especificações; NBR 8159 Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas, Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia Elétrica Formatos, Dimensões e Tolerâncias Padronização; NBR 8182 Cabos de potência multipolares auto-sustentados com isolação extrudada de PE ou XLPE, para tensões até 0,6/1 kv Requisitos de desempenho; VR ª Edição 30/10/ de 44

10 NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. NR 35 - Trabalho em Altura. 6.APROVAÇÃO MARCOS ANTÔNIO TEIXEIRA NERI Gerente do Departamento de Engenharia - NEE VR ª Edição 30/10/ de 44

11 ANEXO I. ESTRUTURAS PADRONIZADAS Estrut. Descrição Figura IT-A Rede BT isolada trifásica Estrutura usada em tangência e ângulos de até 60º 01 IM-A Rede BT isolada monofásica Estrutura usada em tangência e ângulos de até 60º 02 IT-2 Rede BT isolada trifásica Estrutura intermediária c/2 amarrações, usada em tangência e ângulos 03 IM-2 Rede BT isolada monofásica Estrutura intermediária c/2 amarrações, usada em tangência e ângulos 04 IT-1 Rede BT isolada trifásica Estrutura usada em final de rede 05 IM-1 Rede BT isolada monofásica Estrutura usada em final de rede 06 ID-T Rede BT isolada trifásica Estrutura de divisão de área de transformador 07 ID-M Rede BT isolada monofásica Estrutura de divisão de área de transformador 08 ITA-1 Rede BT isolada trifásica Estrutura em tangência com uma derivação 09 IMA-1 Rede BT isolada monofásica Estrutura em tangência com uma derivação 10 IT-3 Rede BT isolada trifásica Estrutura de amarração com uma derivação 11 IM-3 Rede BT isolada monofásica Estrutura de amarração com uma derivação 12 ITA-2 Rede BT isolada trifásica Estrutura em tangência com duas derivações 13 IMA-2 Rede BT isolada monofásica Estrutura em tangência com duas derivações 14 IT-4 Rede BT isolada trifásica Estrutura de amarração com duas derivações 15 IM-4 Rede BT isolada monofásica Estrutura de amarração com duas derivações 16 TCI-T Transição de Rede Convencional para Rede Isolada Trifásica 17 TCI-M Transição de Rede Convencional para Rede Isolada Monofásica 18 2TCI-T Transição de Rede Convencional para duas derivações de Rede Isolada Trifásica 19 2TCI-M Transição de Rede Convencional para duas derivações de Rede Isolada Monofásica 20 3TCI-T Transição de Rede Convencional para três derivações de Rede Isolada Trifásica 21 3TCI-M Transição de Rede Convencional para três derivações de Rede Isolada Monofásica 22 IT-R Rede BT isolada trifásica Estrutura de Instalação de Estribo de Ligação de Consumidor 23 IM-R Rede BT isolada monofásica Estrutura de Instalação de Estribo de Ligação de Consumidor 24 I-ATR Rede BT Isolada Aterramento final de rede 25 Locação, no Poste, dos Materiais da Rede de Baixa Tensão 26 Dimensionamento dos parafusos da rede de BT em função do poste de MT 27 VR ª Edição 30/10/ de 44

12 FIGURA 01 - ESTRUTURA IT-A F-30 e A-2 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA M-13 I-3 A-15-1 F A-15-2 A-15-3 M-13 α α 15 (NOTA 01) 15 > α 60 (NOTA 02) NOTAS: 1 - FIXAR O CABO MENSAGEIRO NO LADO EXTERNO DO ISOLADOR ROLDANA; 2 - FIXAR O CABO MENSAGEIRO NO LADO INTERNO DO ISOLADOR ROLDANA. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-A A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,25 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,25 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,25 F Armação secundária aço 1estribo c/haste cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda VR ª Edição 30/10/ de 44

13 FIGURA 02 - ESTRUTURA IM-A F-30 e A-2 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA M-13 I-3 F A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 M-13 α α 15 (NOTA 01) 15 > α 60 (NOTA 02) NOTAS: 1 - FIXAR O CABO MENSAGEIRO NO LADO EXTERNO DO ISOLADOR ROLDANA; 2 - FIXAR O CABO MENSAGEIRO NO LADO INTERNO DO ISOLADOR ROLDANA. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-A A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,25 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,25 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,25 F Armação secundária aço 1 estribo c/haste cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda VR ª Edição 30/10/ de 44

14 FIGURA 03 - ESTRUTURA IT-2 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA F-22 M-3 F-25 F A-15-1 A-15-3 A-15-2 NOTAS: UTILIZADA TANTO EM ALINHAMENTO QUANTO P/ ÂNGULO DE 90. OU ALINHAMENTO 180 ÂNGULO 90 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-2 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,25 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,25 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Manilha sapatilha aço dan cda 02 F Olhal parafuso dan cda 02 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 02 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 *Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda 01/ Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. * Deve ser acrescentado um parafuso cabeça quadrada para estrutura com ângulo de 90º. VR ª Edição 30/10/ de 44

15 FIGURA 04 - ESTRUTURA IM-2 M-3 e A-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA F-25 F A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 NOTAS: UTILIZADA TANTO EM ALINHAMENTO QUANTO P/ ÂNGULO DE 90. OU ALINHAMENTO 180 ÂNGULO 90 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-2 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,25 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,25 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,25 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 M Alça pref serv. AL AS 25mm² cda 02 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 *Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda 01/ Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado; * Será acrescentado um parafuso cabeça quadrada para estrutura com ângulo de 90º. VR ª Edição 30/10/ de 44

16 FIGURA 05 - ESTRUTURA IT-1 M-3 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA F-30 e A-2 F-22 A-15-6 e A-15-3 A-15-6 e A-15-2 A-15-6 e A-15-1 F M-7 e M-12 O-8-1 A-15-6 e A-15-5 C-7 O-4 F-17 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-1 A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m A Fita isol. EPR Autofusão preta 19mm x 10m m C Cabo aço cobreado 2 AWG kg 2, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Haste terra cobre 16x2400mm cda 01 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 01 Condutor M Grampo aço fita ¾ cda 01 M Fita de aço inoxidável 19mmx25m m 0,6 O Conector atr aço reta 35,0/HA 16,0mm². cda 01 O-8-1 Tabela 08 Conector cunha para derivação cda 01 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

17 FIGURA 06 - ESTRUTURA IM-1 M-3 e A-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA F-30 e A-2 F M-7 e M-12 A-15-6 e A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 O-8-1 A-15-6 e A-15-5 C-7 O-4 F-17 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-1 A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m A Fita isol. EPR Autofusão preta 19mm x 10m m A Sapatilha cabo 9,5mm cda 01 C Cabo aço cobreado 2 AWG kg 2, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Haste terra cobre 16x2400mm cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 O Conector atr aço reta 35,0/HA 16,0mm².) cda 01 O Conector cunha est. cinza cda 01 M Alça pref serv AL AS 25mm2 cda 01 M Grampo aço fita ¾ cda 01 M Fita de aço inoxidável 19mmx25m m 0,6 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

18 FIGURA 07 - ESTRUTURA ID-T A-25 A-25 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA M-3 M-3 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA 200 F-25 NOTA F-25 O-12 O-12 NOTA: UTILIZAR O MESMO CABO MENSSAGEIRO DA REDE, DESENCORDOANDO O CABO MULTIPLEXADO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA ID-T A Sapatilha cabo 9,5mm cda 02 F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 02 Condutor O-12 Tabela 05 Conector perfurante isolado cda 02 Condutor VR ª Edição 30/10/ de 44

19 FIGURA 08 - ESTRUTURA ID-M A-25 A-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA M-3 M-3 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA 200 F-25 NOTA F-25 O-12 O-12 NOTA: UTILIZAR O MESMO CABO MENSSAGEIRO DA REDE, DESENCORDOANDO O CABO MULTIPLEXADO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA ID-M A Sapatilha cabo 9,5mm cda 02 F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 02 O Conector perfurante Isol. TR 16-70/DV 6-35mm² cda 02 VR ª Edição 30/10/ de 44

20 FIGURA 09 - ESTRUTURA ITA-1 A-15-1 A-15-2 A-15-3 M-3 F-22 F-25 F-3-1 e I-3 O-12 A-15-1 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA M-13 A-15-3 A-15-2 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA ITA-1 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Armação secundária aço 1 estribo c/haste cda 01 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 01 Condutor M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 Condutor O-12 Tabela 05 Conector perfurante isolado cda 04 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

21 FIGURA 10 - ESTRUTURA IMA-1 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 O-12 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA M-3 A-25 F-25 F-3-1 e I-3 M-13 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IMA-1 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,5 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Armação secundária aço 1 estribo c/haste cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 01 M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 O Conector perfurante Isol.TR 16-70/DV6-35mm² cda 02 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

22 FIGURA 11 - ESTRUTURA IT-3 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA A-15-1 A-15-2 A-15-3 F-25 F-22 M-3 A-15-1 A-15-3 A-15-2 F-30 e A-2 F-30-1 O-12 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-3 A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,5 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 03 F Olhal parafuso 5000 dan cda 03 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 03 Condutor O-12 Tabela 05 Conector perfurante isolado cda 04 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m-16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

23 FIGURA 12 - ESTRUTURA IM-3 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 F-25 M-3 e A-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA O-12 F-30 e A-2 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 F-30-1 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-3 A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,5 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,5 F Olhal parafuso 5000 dan cda 03 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 03 O Conector perfurante Isol. TR 16-70/DV 6-35mm² cda 02 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

24 FIGURA 13 - ESTRUTURA ITA-2 O-12 A-15-1 A-15-2 A-15-3 M-3 F-22 F-25 F-3-1 e I-3 M-13 A-15-1 A-15-2 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA M-3 O-12 A-15-1 A-15-2 A-15-3 A-15-3 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA ITA-2 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,75 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,75 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Armação secundária aço 1 estribo c/haste cda 01 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 02 Condutor M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 Condutor O-12 Tabela 05 Conector perfurante isolado cda 08 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

25 FIGURA 14 - ESTRUTURA IMA-2 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 O-12 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA M-3 A-25 F-25 F-3-1 e I-3 M-13 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 O-12 M-3 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IMA-2 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,75 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,75 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,75 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Armação secundária aço 1 estribo c/haste cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 I Isolador roldana porcelana R cda 01 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 02 M-13 Tabela 06 Laço preformado roldana cda 01 O Conector perfurante Isol. TR 16-70/DV6-35mm² cda 04 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

26 FIGURA 15 - ESTRUTURA IT-4 A-15-1 A-15-2 A-15-3 F-22 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA F-30 F-25 M-3 O-12 F-30-1 A-15-3 A-15-2 A-15-1 A-15-3 A-15-2 A-15-1 O-12 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-4 A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0, Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,5 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 03 F Olhal parafuso 5000 dan cda 03 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 03 Condutor O-12 Tabela 05 Conector perfurante isolado cda 04 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

27 FIGURA 16 - ESTRUTURA IM-4 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 F-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA F-30-1 M-3 e A-25 O-12 F-30 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 O-12 A-15-1, A-15-2 ou A-15-3 RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-4 A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,75 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,75 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,75 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 2,0 F Olhal parafuso 5000 dan cda 04 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 04 O Conector perfurante Isol.TR16-70/DV6-35mm² cda 04 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

28 FIGURA 17 - ESTRUTURA TCI-T F-25 F-30 A-15-6 e A-15-5 M-3 e F-22 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA O-8-1 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO; RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA TCI-T Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 01 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 01 Condutor O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 04 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

29 FIGURA 18 - ESTRUTURA TCI-M F-25 A-15-6 e A-15-5 F-30 M-3 e A-25 REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA O-8-1 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO; RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA TCI-M A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 0,5 F Olhal parafuso 5000 dan cda 01 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 01 O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 02 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

30 FIGURA 19 - ESTRUTURA 2TCI-T A-15-6 e A-15-5 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA F-25 M-3 e F-22 O-8-1 F-30 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE F-30-1 e A-2 NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA 2TCI-T A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 02 F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 02 Condutor O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 08 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

31 FIGURA 20 - ESTRUTURA 2TCI-M REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA A-15-6 e A-15-5 F-25 M-3 e A-25 O-8-1 F-30 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE F-30-1 e A-2 NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA 2TCI-M A Arruela quadrada aço 38 F18,00 cda 01 A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,0 F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 02 O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 04 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

32 FIGURA 21 - ESTRUTURA 3TCI-T A-15-6 e A-15-5 REDE TRIFÁSICA MULTIPLEXADA O-8-1 F-25 M-3 e F-22 F-30 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE F-30-1 NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA 3TCI-T Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,5 F Manilha sapatilha aço 5000 dan cda 03 F Olhal parafuso 5000 dan cda 03 M-3 Tabela 06 Alça preformada serviço AS cda 03 Condutor O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 12 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

33 FIGURA 22 - ESTRUTURA 3TCI-M REDE MONOFÁSICA MULTIPLEXADA A-15-6 e A-15-5 F-25 M-3 e A-25 O-8-1 F-30 F-30-1 REDE EXISTENTE ALUMÍNIO OU COBRE NOTAS: 1 - NAS CONEXÕES COBRE/ALUMÍNIO, COLOCAR O CONDUTOR DE COBRE EMBAIXO DO COND. DE ALUMÍNIO. RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA 3TCI-M A Sapatilha cabo 9,5mm cda Fio cobre 750 V 1,50 PT (Nota 1) m 1,5 F Olhal parafuso 5000 dan cda 03 M Alça pref serv AL AS 25mm² cda 03 O-8-1 Tabela 07 Conector cunha para derivação cda 06 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m-16 cda F-30-1 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv.m-16 cda Nota 1: Utilizado para amarração do cabo multiplexado. VR ª Edição 30/10/ de 44

34 FIGURA 23 - ESTRUTURA IT-R RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IT-R A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,5 A Fita isolante azul claro 19x20mm (Neutro) m 0,5 A Fita isol. EPR Autofusão preta 19mm x 10m m Nota 5 Opcional F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 O-12 Tabela 10 Conector perfurante isolado cda 04 Condutor C Cabo AS AL 1kV 3x35+1x35mm² NI m 1,0 Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M-16 cda VR ª Edição 30/10/ de 44

35 FIGURA 24 - ESTRUTURA IM-R RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA IM-R A Fita isolante vermelha 19x20mm (Fase C) m 0,5 A Fita isolante cinza 19x20mm (Fase B) m 0,5 A Fita isolante preta 19x20mm (Fase A) m 0,5 A Fita isolante azul claro 19x20mm (Neutro) m 0,5 A Fita isol. EPR Autofusão preta 19mm x 10m m Nota 5 Opcional F Olhal parafuso 5000 dan cda 02 O Conector perfur. Isol. TR 16-70/DV 6-35mm² cda 02 Condutor Ref. Código Descrição Unid. Qde. D B B-1,5 F-30 Tabela 09 Parafuso cabeça quadrada galv. M16 cda VR ª Edição 30/10/ de 44

36 FIGURA 25 - ESTRUTURA I-ATR M-7-1 e M-12-1 C-7 O-8-1, A-15-6 e A O-4 F (MIN) RELAÇÃO DE MATERIAL ESTRUTURA I-ATR A Fita isolante preta comum m Nota 1 A Fita isol. EPR Autofusão preta 19mm x 10m m Nota 2 C Cabo aço cobreado 2 AWG kg 2,2 F Haste terra cobre 16x2400mm cda 01 M Grampo aço fita ¾ cda 01 M Fita de aço inoxidável 19mmx25m m 0,6 O Conector atr aço reta 35,0/HA 16,0mm². cda 01 O-8-1 Tabela 08 Conector cunha para derivação cda 01 Condutor Nota 1: Utilizada para cobertura protetora externa da fita isolante autofusão (no neutro é opcional); Nota 2: Usar quantidade suficiente para recompor a isolação (no neutro é opcional). VR ª Edição 30/10/ de 44

37 FIGURA 26 - LOCAÇÃO DE MATERIAIS OLHAL - BT ARM. SEC. - BT OLHAL - BT CAIXA DE DERIVAÇÃO OLHAIS - RL OLHAIS - RL BRAÇO IP-LL7 BRAÇO IP-LL9 BRAÇO IP-LL VR ª Edição 30/10/ de 44

38 FIGURA 27 - DIMENSIONAMENTO DOS PARAFUSOS AT NÍVEL-1 (N-1) - OLHAL-BT BT NÍVEL - 6 (N-6) - BRAÇO IP-LL9/LL AT ARMAÇÃO SEC. - BT NÍVEL-2 (N-2) - OLHAL-BT NÍVEL-3 (N-3) - CAIXA DE DERIVAÇÃO BT NÍVEL-4 (N-4) - OLHAIS - RL NÍVEL - 7 (N-7) - BRAÇO IP-LL NÍVEL - 5 (N-5) - OLHAIS - RL Ref. Especificação Código Descrição Unid. Qde. B B-1,5 B-3 B-4,5 B-6 N-1 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-2 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-3 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-4 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-5 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-6 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M N-7 Tabela 09 Parafuso cab. Quad. Aço M VR ª Edição 30/10/ de 44

39 ANEXO II. TABELAS Tabela 05 CONECTOR PERFURANTE PARA ESTRUTURAS DE DERIVAÇÃO CABOS MULTIPLEXADOS (AL) (mm2) CONECTOR PERFURANTE Tronco Derivação Tipo Código 1 x x 25 1 x x 25 3 x x 35 3 x x 35 3 x x 70 3 x x 70 3 x x 70 3 x x 70 TR 16-70/DV 6-35mm² TR /DV mm² Tabela 06 ALÇA E LAÇO PREFORMADO CABOS MULTIPLEXADOS DESCRIÇÃO CÓDIGO (AL) (mm²) 1 x x 25 Alça preformada serviço AL AS 25mm² x x 35 Alça preformada serviço AL AS 35mm² x x 70 3 x x 70 Alça preformada serviço AL AS 70mm² x x 25 Laço preformado roldana AS 25mm² x x 35 Laço preformado roldana AS 35mm² x x 70 3 x x 70 Laço preformado roldana AS 70mm² Tabela 07 CONECTOR DERIVAÇÃO PARA ESTRUTURAS DE TRANSIÇÃO (REDE CONVENCIONAL/ REDE MULTIPLEXADA) TRANSIÇÃO REDE NUA BT PARA REDE MULTIPLEXADA 380/220 V REDE DISTRIBUIÇÃO (mm2) CONECTOR DERIVAÇÃO Convencional Multiplexada Tipo Código 16mm² (CU NU) 35mm2 (CU NU) 70mm² (CU NU) 4 AWG (25mm²) (AL NU) 1/0 AWG (50mm²) (AL NU) 1 x x 25 Conector Derivação tipo II Embalagem verde x x 35 Conector Derivação tipo I 1 x x 25 Embalagem cinza x x 35 Conector Derivação tipo VII 1 x x 25 Embalagem vermelho/branco x x 35 Conector Derivação tipo VI Embalagem branca/azul x x 70 Conector Impact AL 4/ x x 25 Conector Derivação tipo I 3 x x 35 Embalagem cinza 1 x x 25 3 x x 35 Conector Derivação tipo VII Embalagem vermelho/branco Conector Derivação tipo VI Embalagem branca/azul VR ª Edição 30/10/ de 44

40 Tabela 08 CONECTOR CUNHA PARA ESTRUTURA DE ATERRAMENTO CONDUTOR REDE TIPO CÓDIGO ATERRAMENTO MULTIPLEXADA 2 AWG (aço cobreado) 1 x x 25 Conector cunha est. cinza x x 35 3 x x 70 Conector cunha est. Branco/vermelho Conector impacto AL 2 2/0 (1/0 1/0 AWG) Tabela 09 PARAFUSOS PARAFUSO DE CABEÇA QUADRADA GALVANIZADO M-12 Dimensões em (mm) Item Código Dimensão da Dimensão da Dimensão Total Rosca (mín.) Rosca (máx.) PARAFUSO DE CABEÇA QUADRADA GALVANIZADO M-16 Dimensões em (mm) Item Código Dimensão da Dimensão da Dimensão Total Rosca (mín.) Rosca (máx.) Tabela 10 CONECTOR PERFURANTE PARA CONEXÃO DO RABICHO DE LIGAÇÃO REDE MULTIPLEXADA (AL) RABICHO (AL) CONECTOR PERFURANTE Tronco (mm²) Derivação Tipo Código 1 x x 25 25mm² 3 x x 35 3 x x 70 35mm² 3 x x 70 TR 16-70/DV 6-35mm² TR /DV 6-35mm² ITEM CÓDIGO Tabela 11 POSTES DE CONCRETO DUPLO T E R DE FIBRA RESIST. DIMENSÕES (mm) NOM. (Rn) (dan) Face A Face B COMP. NOM. L±0,05 (m) TIPO Face A Face B Topo a±5 Base A±5 Topo b±5 Base B± D B F±20 J±20 e±15 T+20-5 M± VR ª Edição 30/10/ de 44

41 TEMP 5 C 10 C 15 C 20 C 25 C 30 C 35 C 40 C 45 C 50 C ANEXO III. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo multiplexado 1x x 25mm² 1 kv COMPRIMENTO DO VÃO Tração 10m 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m T(daN) F (m) 0,02 0,04 0,07 0,11 0,17 0,24 0,33 0,43 0,56 0,71 0,87 T(daN) F (m) 0,02 0,04 0,08 0,13 0,19 0,27 0,36 0,48 0,61 0,76 0,93 T(daN) F (m) 0,02 0,05 0,09 0,14 0,21 0,30 0,40 0,52 0,66 0,81 0,99 T(daN) F (m) 0,03 0,06 0,10 0,17 0,224 0,34 0,44 0,57 0,71 0,86 1,04 T(daN) F (m) 0,03 0,07 0,12 0,19 0,27 0,37 0,49 0,62 0,76 0,92 1,09 T(daN) F (m) 0,04 0,08 0,14 0,22 0,31 0,41 0,53 0,66 0,80 0,97 1,14 T(daN) F (m) 0,05 0,10 0,17 0,25 0,34 0,45 0,57 0,71 0,85 1,02 1,19 T(daN) F (m) 0,06 0,12 0,19 0,28 0,38 0,49 0,61 0,75 0,91 1,06 1,25 T(daN) F (m) 0,08 0,14 0,22 0,31 0,41 0,53 0,65 0,80 0,95 1,12 1,31 T(daN) F (m) 0,09 0,16 0,24 0,34 0,45 0,56 0,69 0,84 1,00 1,17 1,35 Tproj. T(daN) TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo multiplexado 3 x x 35mm² 1 kv TEMP COMPRIMENTO DO VÃO Tração 10m 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m 5 C T(daN) F (m) 0,02 0,05 0,09 0,14 0,21 0,29 0,39 0,51 0,64 0, C T(daN) , F (m) 0,02 0,05 0,10 0,16 0,23 0,32 0,42 0,54 0,68 0,83 1,00 15 C T(daN) F (m) 0,03 0,06 0,11 0,17 0,24 0,34 0,44 0,57 0, ,04 20 C T(daN) F (m) 0,03 0,06 0,12 0,18 0, ,47 0,60 0,75 0,91 1,09 25 C T(daN) F (m) 0,03 0,07 0,13 0,20 0,28 0,39 0,50 0,64 0,79 0,95 1,13 30 C T(daN) F (m) 0,03 0,08 0,14 0,21 0,31 0,41 0,53 0,67 0,82 0,99 1,18 35 C T(daN) F (m) 0,04 0,09 0,15 0,23 0,33 0,44 0,56 0,71 0,86 1,03 1,22 40 C T(daN) F (m) 0,04 0,10 0,17 0,25 0, ,60 0,74 0,90 1,07 1,26 45 C T(daN) F (m) 0,05 0,11 0,18 0,27 0,38 0,50 0,63 0,78 0,94 1,12 1,30 50 C T(daN) F (m) 0,06 0,12 0,20 0,30 0,41 0,53 0,67 0, ,15 1,35 Tproj. T(daN) VR ª Edição 30/10/ de 44

42 TEMP 5 C 10 C 15 C 20 C 25 C 30 C 35 C 40 C 45 C 50 C ANEXO III. TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo multiplexado 3 x x 70mm² 1 kv COMPRIMENTO DO VÃO Tração 10m 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m T(daN) F (m) 0,02 0,05 0,09 0,14 0,20 0,28 0,37 0,48 0,61 0,76 0,92 T(daN) F (m) 0,02 0,05 0,09 0,15 0,22 0,30 0,40 0,51 0,65 0,79 0,96 T(daN) F (m) 0,02 0,06 0,10 0,16 0,23 0,32 0,43 0,55 0,68 0,83 1,00 T(daN) F (m) 0,03 0,06 0,11 0,17 0,25 0,35 0,46 0,58 0,72 0,88 1,05 T(daN) F (m) 0,03 0,07 0,12 0,19 0,27 0,37 0,48 0,61 0,76 0,92 1,09 T(daN) F (m) 0,03 0,08 0,13 0,21 0,30 0,40 0,52 0,654 0,80 0,96 1,14 T(daN F (m) 0,04 0,08 0,15 0,23 0,32 0,43 0,55 0,69 0,84 1,00 1,18 T(daN) F (m) 0,04 0,10 0,16 0,25 0,35 0,46 0,58 0,72 0,88 1,04 1,23 T(daN) F (m) 0,05 0,11 0,18 0,27 0,37 0,49 0,62 0,76 0,92 1,09 1,27 T(daN) F (m) 0,06 0,12 0,20 0,29 0,40 0,52 0,65 0,80 0,96 1,13 1,32 Tproj. T(daN) TEMP 5 C 10 C 15 C 20 C 25 C 30 C 35 C 40 C 45 C 50 C TABELA DE FLECHAS E TRAÇÕES Cabo multiplexado 3 x x 70mm² 1 kv COMPRIMENTO DO VÃO Tração 10m 15m 20m 25m 30m 35m 40m 45m 50m 55m 60m T(daN) F (m) 0,03 0,07 0,14 0,22 0,33 0,46 0,62 0,80 1,01 1,24 1,50 T(daN) F (m) 0,03 0,08 0,15 0,23 0,35 0,48 0,64 0,83 1,04 1,28 1,54 T(daN) F (m) 0,04 0,09 0,16 0,25 0,37 0,51 0,67 0,86 1,08 1,31 1,57 T(daN) F (m) 0,04 0,09 0,17 0,27 0,39 0,53 0,70 0,90 1,11 1,35 1,61 T(daN) F (m) 0,05 0,10 0,18 0,29 0,41 0,56 0,73 0,93 1,14 1,38 1,65 T(daN) F (m) 0,05 0,11 0,20 0,31 0,44 0,59 0,76 0,96 1,18 1,42 1,69 T(daN) F (m) 0,06 0,12 0,21 0,33 0,46 0,62 0,79 0,99 1,21 1,46 1,72 T(daN) F (m) 0,06 0,14 0,23 0,35 0,48 0,64 0,82 1,03 1,25 1,49 1,76 T(daN) F (m) 0,07 0,15 0,25 0,37 0,51 0,67 0,85 1,06 1,28 1,53 1,80 T(daN) F (m) 0,08 0,16 0,27 0,39 0,54 0,70 0,88 1,09 1,31 1,56 1,83 Tproj. T(daN) VR ª Edição 30/10/ de 44

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Estruturas Básicas 6.1. Estrutura Tangente com Isolador Roldana SI-1 6.2. Estrutura

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo. Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão Processo `Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos Código Edição Data VR01.02-01.07 2ª Folha

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.009 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO Página: 1 de 15 SUMÁRIO.001 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES E AMARRAÇÕES... 1.002 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA... 2.003 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA...

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO MPN-DP-/MN-002 MANUAL DE Página 1 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 MANUAL DE ADENDO 1 MPN-DP-/MN-002 Página 2 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Projeto de Rede de Distribuição de Iluminação Pública

Projeto de Rede de Distribuição de Iluminação Pública NOR.DISTRIBU-ENGE-25 1/30 1 OBJETIVO Apresentar os critérios básicos para projeto e construção de redes de iluminação pública. São fixados os critérios e a sistemática que os municípios devem obedecer,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.007 SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2.

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Banco Regulador de Tensão 6.1. Em Plataforma 6.1.1. Vista Lateral 6.1.2. Vista Frontal

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações e Ancoragens 6.1. Amarrações para Isoladores 6.2. Amarrações para Espaçadores

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL POSTE DUPLO T CÓDIGO PT.PN.03.13.0012 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-27/05/2011 27/05/2011

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 1000 (máximo) 1750 450 500 600 VISTA LATERAL 1800 12000 100 1000 150 7300 VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR (1) Sem escala. (2) Medidas em milímetros. (3) Deverá atender os

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4B 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:9.23 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas com Condutores Nus até 36,2 kv

Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas com Condutores Nus até 36,2 kv 1/63 15/12/26 1 OBJETIVO Esta norma padroniza as estruturas básicas, de redes aéreas com condutor nu, monofásicas, bifásica e trifásicas, utilizadas pelas distribuidoras nas tensões nominais de até 36,2

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 2ª EDIÇÃO ABRIL 2015 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS FICHA TÉCNICA Coordenação: José Cezar Nonato Participantes: Eleomar da Silva, José

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações em MT 7. Amarrações em BT 8. Cruzamento Aéreo em MT 9. Cruzamento Aéreo

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Projeto de Rede de Distribuição de IP com Circuito Exclusivo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.020 1ª Folha 1 DE

Leia mais

Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas (Multiplexada) Tipo: NTC-D-06

Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas (Multiplexada) Tipo: NTC-D-06 Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas Tipo: Norma Técnica e Padronização REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA SECUNDÁRIA

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO. 3 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 5. CONDIÇÕES GERAIS 6 6. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 7 Afastamentos Mínimos entre Condutores e

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND.

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND. Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas Norma 03/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional)

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão 15 kv em Condutores Nus (Convencional) DESENHO REVISÃO EMISSÃO Aldair Reis CREA-RJ

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Termos e definições 6. Condições Gerais 7. Engastamento 7.1. Engastamento Simples 7.2. Engastamento F1

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES...

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 05/11/2013 1 de 1 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 2 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Aterramento... 3 4.3 Distribuidora...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 18/10/2016 1 de 243 NT.31.2 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 REFERÊNCIAS... 5 6 CRITÉRIOS GERAIS... 6 6.1 Generalidades... 6 6.2 Afastamentos

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada BT poste DT Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.008 11ª Folha 1

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos PD-4.014 Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos Padrão de Distribuição - PD-4.014 REVISADO POR: Alexandre Amaral

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 05/11/2014 1 de 214 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 4 4.2 Aterramento... 4 4.3 Distribuidora...

Leia mais

Chave Fusível Religadora

Chave Fusível Religadora INSTALAÇÃO MONOFÁSICA: N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Aprov. Antônio C.Alves Página 1 de 5 ITEM QUANTIDADE C M MATERIAIS M4 02 02 ALÇA PREFORMADA OLHAL DE DISTRIBUIÇÃO A2 03 05 ARRUELA E14 01

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO COMUNICADO A Ampla Energia e Serviços S/A comunica que visando favorecer ao consumidor na construção de instalação para medição de energia em baixa

Leia mais

Instalações Básicas de Redes de Distribuição Compactas

Instalações Básicas de Redes de Distribuição Compactas ND-2.9 Diretoria de Distribuição e Comercialização Norma de Distribuição Instalações Básicas de Redes de Belo Horizonte Minas Gerais Brasil ND-2.9 Diretoria de Distribuição e Comercialização Norma de

Leia mais

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv ND 2.10 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv Belo Horizonte Minas Gerais Brasil ND-2.10 Classificação:

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1/8 1. Objetivo Estabelecer critérios básicos para a instalação de sistemas de aterramento das instalações e equipamentos utilizados em redes aéreas de distribuição. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv.

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Comunicado MS/PM - 053/2016 Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Prezados Senhores, A CEMIG D através da Gerência de Engenharia

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COMPACTA 36,2 KV 02

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COMPACTA 36,2 KV 02 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.01.001 02 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-12 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5 2. AMPLITUDE 5. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.2. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações...

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações... SUMÁRIO 1. Objetivo...2 2. Simbologia para Mapeamento...2 3. Simbologia para Projeto e Cadastramento...4 4. Nomenclatura... 10 5. Alterações... 13 Revisado: Gilnei Santos Aprovado: Leandro Silva Projetos

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia da Distribuição Folha de Controle

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0085 ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA NTE INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉNIA NTE - 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOÁSIOS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE SISTEMA DE DOUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉNIAS INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...4

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1.

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1. SUMÁRIO REGULADOR DE TENSÃO ESTRELA ATERRADO 23 kv...2 REGULADOR DE TENSÃO DELTA ABERTO 13,8 kv...7 REGULADOR DE TENSÃO DELTA FECHADO 13,8 kv... 11 ALTERAÇÕES... 15 Estruturas Instalações de Equipamentos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO. PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT Cuiabá, MT Maio / 2014 2 Assunto: PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-29/05/2014 09/06/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8 kv Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0049 ISOLADORES 1/19 1. FINALIDADE

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.022 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIUIÇÃO SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0002 ESTRUTURAS PARA REDES AÉREAS

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Especificação Sucinta de Caixa Modelo F5 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.198 2ª Folha 1 DE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉNIA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOÁSIOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO uiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO 1. OBJETIVOS...3 2. AMPO DE APLIAÇÃO...3 3. RESPONSABILIDADE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. O seu próximo cabo de rede. (43)

CATÁLOGO DE PRODUTOS. O seu próximo cabo de rede. (43) CATÁLOGO DE PRODUTOS O seu próximo cabo de rede. (43) 3029-1000 vendas@nextcable.com.br www.facebook.com/nextcable www.nextcable.com.br MULTILAN CAT5E UTP 24 AWG 2 PARES CMX Características Gerais: Descritivo:

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH

2 O cabo óptico CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH 1 Objetivo: Este manual tem o objetivo de auxiliar a instalação do CABO ÓPTICO DROP FIG.8 TUBO LOOSE FTTH Furukawa, especificando os acessórios e apresentando as principais recomendações para a instalação.

Leia mais

QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006

QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006 QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006 JUL /06 10740 Instalação do Canteiro vb 1,00 20.537,46 11.390,98 31.928,44 10742 Limpeza da faixa central com 3m de largura km 29,45 1,48

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.022 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Título do Documento: Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea.

Título do Documento: Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea. Título do Documento: Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Tipo: Norma Técnica e Padronização NORMA TÉCNICA E PADRONIZAÇÃO: CRITÉRIOS BÁSICOS PARA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COMPACTA (SPACER CABLE) 34,5 KV CÓDIGO PT.PN.03.13.0005 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 01-12/08/2011

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão - Processo Planejar, Ampliar e Melhorara a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras

Leia mais