1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA CONDIÇÕES GERAIS Nomenclatura das estruturas... 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA CONDIÇÕES GERAIS Nomenclatura das estruturas... 4"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA CONDIÇÕES GERAIS Nomenclatura das estruturas Estruturas básicas e suas variações Equipamentos: Configurações: Critérios de Escolha da Estrutura Afastamentos Mínimos Afastamento elétrico Afastamentos de espaçadores CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Sequência de fase Engastamento do poste Aterramento Aterramento definitivo Aterramento temporário ESTRUTURAS Estruturas básicas Estrutura CE Estrutura CE1A Estrutura CE1AB Estrutura CE Estrutura CE2L Estrutura CE2C Estrutura CE2CL Estrutura CE Estrutura CE Estrutura CE4C Estruturas Conjugadas Estrutura CE3-CE Estrutura CE2L-CE Estrutura CE2L-CE3 CF Estrutura CE2L-N3 CF Estrutura N1- CE3 CF Estrutura CE3.N3 PR Estrutura CE3.N3 SU PR Estruturas com Equipamentos Estrutura CE4 SU 2º Nível Estrutura CE4 SU Estrutura CE2L PR Estrutura CE2L TR Estrutura CE3 TR Estruturas Rede Compacta Página 1 de 63

2 5.4 Cruzamentos Conexões no Meio do Vão Rede Compacta x Rede Compacta Rede Compacta x Rede Nua AMARRAÇÕES, ANCORAGENS E CONEXÕES Tipos de Amarrações e Ancoragens Para aplicação ao cabo mensageiro Para aplicação ao cabo coberto Para aplicação do espaçador ao estribo do braço L Ilustrações de aplicação Conexões de Cabos Conexões e Acessórios Utilizados Acabamento das Terminações Capa protetora de Conector Tipo Cunha com Estribo ALTERAÇÕES VIGÊNCIA Estruturas Rede Compacta Página 2 de 63

3 1 INTRODUÇÃO Esta norma tem por objetivo padronizar as estruturas de rede de distribuição aérea trifásica com cabo coberto fixados em espaçadores poliméricos (Rede Compacta) na área de distribuição da RGE Sul, nas classes de tensão 15 e 25 kv. 2 TERMINOLOGIA Nesta norma foram adotados os termos técnicos segundo as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), complementados pelos termos a seguir: Anel de Amarração: Amarração em material a base de polímeros, com a função de fixar os cabos cobertos ao espaçador, separador ou isolador, da rede compacta. Braço Antibalanço: Acessório de material polimérico cuja função é a fixação dos espaçadores losangulares de modo a evitar a aproximação ou o distanciamento dos condutores da estrutura, bem como reduzir a vibração mecânica das redes compactas. Braço Tipo C: Ferragem, em formato de C, que é presa ao poste, com a finalidade de sustentação ou ancoragem das fases em condições de tangência, de ângulo, final de linha, derivações e conexão de equipamentos à rede. Braço Tipo L: Ferragem, em formato de L, que é presa ao poste, com a função de sustentar e fixar o cabo mensageiro da rede compacta, em condições de tangência ou com ângulos de deflexão de até 6º. Cabo Coberto: Cabo dotado de cobertura protetora de material polimérico visando à redução da corrente de fuga em caso de contato acidental não sustentado com objetos aterrados, bem como para permitir a redução dos espaçamentos entre condutores. Cabo Mensageiro: Cabo utilizado para sustentação dos espaçadores e separadores, e para proteção elétrica e mecânica da rede compacta. Espaçador: Acessório de material polimérico de formato losangular, cuja função é a sustentação e separação dos cabos cobertos da rede compacta ao longo do vão, mantendo o isolamento elétrico da rede. Estribo para Braço Tipo L: Ferragem complementar aos braços tipo L cuja função é a sustentação de espaçador junto ao braço. Laço de Amarração: Amarração de material polimérico ou metálico, de formato helicoidal, alternativa do anel de amarração, para a fixação dos cabos cobertos e mensageiro, respectivamente. Protetor de Cabo Mensageiro: Acessório de material polimérico, instalado sobre o cabo mensageiro, com a função de manter o isolamento elétrico, em pontos onde a rede compacta apresenta partes expostas em suas fases. Separador: Acessório de material polimérico de formato retilíneo vertical cuja função é a sustentação e separação dos cabos cobertos da rede compacta, em situações de conexão no vão, (flying-tap), mantendo o isolamento elétrico da rede. Suporte Horizontal Tipo J : Ferragem, em formato de J, que é presa ao poste, com a finalidade de sustentar as fases em isoladores de pino, nas estruturas que utilizam grampo de linha-viva, visando afastá-las de modo a permitir maior estabilidade e afastamento dos mesmos. Estruturas Rede Compacta Página 3 de 63

4 Suporte Z: Ferragem, em formato de Z, cuja função é a fixação das chaves fusíveis e/ou para-raios ao braço tipo C. 3 CONDIÇÕES GERAIS A rede compacta deve ser tratada como rede primária nua para todos os aspectos de segurança que envolva construção, operação e manutenção. Portanto, seus condutores e acessórios não podem ser tocados enquanto a rede não estiver desligada e devidamente aterrada, exceto na condição de linha viva, sob pena de colocar em risco a segurança dos envolvidos na tarefa e terceiros. As figuras apresentadas nesta Norma são orientativas. Na montagem das estruturas deve se utilizar os materiais ou os equipamentos de acordo com a tensão da rede a ser construída 15 ou 25 kv. As listas de materiais são referentes a materiais da rede compacta, não constando os materiais da rede de Baixa Tensão. 3.1 Nomenclatura das estruturas A codificação das estruturas CE deriva da designação Compacta em Espaçadores, seguindo de forma análoga os índices das estruturas das redes convencionais. Para tanto, na codificação das estruturas de rede compacta devem ser adotadas as seguintes siglas: Estruturas básicas e suas variações Na identificação das estruturas básicas deve acrescentar na sigla CE (compacta em espaçadores) a numeração 1(com estribo para espaçador), 2 (com isolador polimérico tipo pino), 3 (uma ancoragem de rede) ou 4 (duas ancoragens de rede). Para identificar as variações das estruturas básicas devem-se utilizar as letras: A (para braço antibalanço), C (braço tipo C ) e L (braço tipo L ). Segue as estruturas básicas e suas variações CE1 - Passante com braço tipo L e espaçador losangular; CE1A - Passante com braço tipo L, espaçador losangular e braço antibalanço; CE1AB - Passante com braço tipo L, espaçador losangular, braço antibalanço e afastador; CE2 - Passante com braço horizontal e isolador polimérico tipo pino; CE2L - Passante com braço horizontal, braço tipo L e isolador polimérico tipo pino; CE2C - Passante com braço tipo C e isolador polimérico tipo pino; CE2CL - Passante com braço tipo C, braço tipo L e isolador polimérico tipo pino; CE3 - Com uma ancoragem em perfil U ; CE4 - Com duas ancoragens de rede em perfil U ; CE4C - Com duas ancoragens de rede em braço tipo C Equipamentos: Configurações: CF - Chave fusível; SU - Seccionador unipolar (Chave Faca); TR Transformador; PR Para-raios; Para representar as configurações das estruturas a serem projetadas deve-se utilizar a seguinte codificação; Estruturas montadas em níveis diferentes: indicar as montagens das estruturas separadas por traço, na seguinte ordem, 1º nível-2º nível. Exemplo: CE2-N2. Estruturas montadas no mesmo nível e do mesmo lado: indicar somente a primeira montagem com a sigla CE e separá-las com um ponto. Exemplo: CE2.3 Estruturas montadas no mesmo nível e em lados opostos: indicar as duas montagens com a sigla CE e separá-las com um ponto. Exemplo CE2.CE3. Estruturas Rede Compacta Página 4 de 63

5 Estruturas com equipamentos indicar após a montagem a sigla do equipamento separada por um espaço. Exemplo: CE3 TR. 3.2 Critérios de Escolha da Estrutura Os padrões básicos de estruturas bem como arranjos e as suas respectivas codificações e aplicações estão ilustradas no item 5 desta norma. Outros arranjos podem ser obtidos a partir da combinação de estruturas básicas entre si (como, por exemplo, estruturas para redes duplas, triplas ou quádruplas) ou ainda em conjunto com estruturas de rede convencional, sendo que algumas das combinações mais usuais estão ilustradas em detalhe nesta norma. Para propostas de arranjos que não os apresentados nesta norma, devem-se obedecer ao que estabelecem os afastamentos mínimos entre circuitos e equipamentos conforme tabela 1 e tabela 2, a figura 1, bem como apresentar no projeto desenho detalhado com os respectivos afastamentos e o caminho a ser percorrido pelo condutor. Nota: Fica a critério da distribuidora, a aceitação da proposta do arranjo. 3.3 Afastamentos Mínimos Afastamento elétrico Os condutores cobertos devem ser considerados como condutores nus no que se refere a todos os afastamentos mínimos já padronizados para redes primárias nuas para garantir a segurança de pessoas. Os afastamentos mínimos que constam na Tabela 1, Tabela 2 e na Figura 1 são sempre relativos às partes energizadas e não ao ponto de fixação. Para prever o afastamento mínimo de edificações, muros, placas de publicidade etc, consultar a NTD 002. Nos casos de construção de circuitos múltiplos devem ser observados os afastamentos mínimos definidos para um mesmo circuito e entre circuitos diferentes bem como os afastamentos mínimos de segurança para trabalhos em redes elétricas de acordo com as legislações em vigor e a metodologia adotada pela RGE Sul. Os afastamentos entre condutores do mesmo circuito ou de circuitos diferentes, inclusive condutores aterrados, que não estão lustrados nesta norma, devem respeitar os afastamentos mínimos estabelecidos na Tabela 1, Tabela 2 e Figura 1. Tabela 1 Afastamento mínimos entre condutores de circuitos diferentes Afastamento mínimo (mm) Tensão U kv Tensão U kv (circuito Superior) (circuito inferior) U< Comunicação U < Chave fusível (ver nota) Nota: Estes afastamentos se referem aos ilustrados na figura 1. Estruturas Rede Compacta Página 5 de 63

6 Figura 1 Afastamentos mínimos Notas: 1. Dimensão necessária entre circuitos de rede compacta 2. Dimensão mínima necessária para garantir 1 metro do punho aberto até a BT 3. A altura mínima H da Tabela 3.correspondente a distância entre o solo e a flecha máxima indicada 4. A distância de 700mm pode ser utilizada quando a derivação não partir do braço tipo C 5. Dimensões em milímetro. Estruturas Rede Compacta Página 6 de 63

7 Tabela 2 Afastamento mínimo das partes energizadas à fase ou a terra em pontos fixos Tensão suportável Afastamento mínimo (mm) Tensão U (kv) nominal sob impulso atmosférico (kv) Fase Fase (Valor X) Fase-Terra (Valor Y) , Natureza do logradouro Tabela 3 Afastamento mínimo entre condutores e o solo Comunicação e cabos aterrados Afastamento mínimo (mm) Tensão - U - (kv) U 1 1 U 36,2 Vias exclusivas de pedestre em áreas rurais Vias exclusivas de pedestre em áreas urbanas Locais acessíveis ao trânsito de veículos em áreas rurais Locais acessíveis ao trânsito de máquinas e equipamentos agrícolas em áreas rurais Ruas avenidas Entradas de prédios e demais locais de uso restrito a veículos Rodovias federais Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis Afastamentos de espaçadores Para dimensionar a quantidade de espaçadores devem ser utilizados os critérios a seguir: Tabela 4 Afastamento do primeiro espaçador em relação a estrutura Estrutura Afastamento (m) Antes e após a estrutura CE1, CE1A CE1AB 5 a 7 Antes e após o braço tipo: C e J 8 a 10 Estrutura de Ancoragem 10 a 12 Após o primeiro espaçador o afastamento entre os espaçadores ao longo do vão pode variar de 5 a 7 metros, sendo este último o valor máximo permitido. A Tabela 3 apresenta a quantidade de espaçadores considerando o afastamento máximo de até 7m entre espaçadores. Estruturas Rede Compacta Página 7 de 63

8 Tabela 5 - Quantidade mínima de espaçadores por vão Espaçadores Espaçadores Vão (m) Vão (m) Entre CE1(A) e qualquer outra Entre CE1(A) e CE1(A) estrutura de ancoragem 7 a a a a a a a a 40 4 Espaçadores Espaçadores Vão (m) Entre CE1(A) e qualquer outra estrutura (tipo C ou J ) Vão (m) Entre estruturas do tipo C e J, e ancoragem 10 a a a a a a a e 43 4 Nota: Em saídas de subestações, até a primeira derivação de rede ou até um quilometro de rede, os espaçadores devem ser instalados em intervalos mínimos de 5 metros, com o objetivo de melhorar a suportabilidade mecânica da rede frente a níveis de curtos-circuitos elevados. 4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4.1 Sequência de fase Para que a sequência de fases seja mantida nos espaçadores ao longo da rede, é importante que a fase instalada no lado do poste permaneça sempre nesta posição. No caso de necessidade de mudança de traçado da rede (interferência com construção civil, mudança de poste para o outro lado da rua, etc.) devem ser realizadas transposições das fases A e C conforme a seguinte convenção. 4.2 Engastamento do poste Para o engastamento do poste da rede de distribuição compacta deve seguir a NTD Engastamento e Estaiamento 4.3 Aterramento Aterramento definitivo O mensageiro deve ser aterrado nas seguintes condições: a) Na malha de terra dos equipamentos; b) Em intervalos máximos de 300 m de outro aterramento ao longo da rede; c) Estruturas de transição; Estruturas Rede Compacta Página 8 de 63

9 d) Em finais de rede. Os aterramentos poderão ser executados com condutores de cobre rígido, 16mm², em substituição ao cabo de aço zincado 6,4 mm² desde que a descida seja devidamente protegida, para evitar roubo ou vandalismo. Nos locais onde persistirem partes expostas dos condutores fase, devem ser instaladas coberturas protetoras para o cabo mensageiro. Demais critérios para aterramento devem obedecer aos requisitos exigidos nas Normas Brasileiras aplicáveis Aterramento temporário O aterramento temporário deve ser instalado, preferencialmente, nas partes expostas das redes (terminais de equipamentos, conector derivação de grampo de linha viva, e outros) de tal forma que o local de trabalho esteja confinado à distâncias máximas de 300 m entre dois pontos aterrados. Nos trechos onde não houver partes expostas, devem ser previstos estribos de espera para os testes de ausência de tensão e instalação do conjunto de aterramento temporário. Os estribos para o aterramento temporário devem ser de 3/0 instalados conforme ETD da RGE Sul, um em cada fase A e C e 3 grampos na fase B com os devidos afastamentos entre fases e entre os estribos Figura 2 - Afastamento mínimo entre estribos Nota: 1. A cota A = 400 para regiões arborizadas e em casos de contatos acidentais com pequenos animais, nos demais casos A = 200 conforme critérios estabelecidos pela NTD Dimensões em milímetro. Estruturas Rede Compacta Página 9 de 63

10 5 ESTRUTURAS 5.1 Estruturas básicas Estrutura CE1 Estrutura passante com espaçador losangular sem a utilização de braço antibalanço. O uso desta estrutura exige a instalação de braço antibalanço a cada 200 metros de rede. Estruturas Rede Compacta Página 10 de 63

11 Lista de materiais CE1 Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT Descrição 2 - Cinta para poste circular 1 1 Espaçador losangular 2 - Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 3 Anel de amarração. 2 Parafuso de cabeça quadrada 1 1 Fio de alumínio coberto 500mm 1 1 Braço tipo "L". 2 Arruela quadrada 50x50x3mm 1 1 Estribo para braço tipo L 1 - Poste de concreto de seção circular 1 1 Parafuso cabeça quadrada M16x70mm - 1 Poste de concreto de seção DT Notas: 1. Esta estrutura é utilizada em tangência; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 11 de 63

12 5.1.2 Estrutura CE1A Estrutura passante, semelhante à estrutura CE1,com braço antibalanço que permite utilização em cruzamentos e deflexões horizontais de até 6 seja tracionando ou comprimindo o braço antibalanço. Estruturas Rede Compacta Página 12 de 63

13 Lista de materiais CE1A Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT 3 - Cinta para poste circular 1 1 Braço antibalanço 3 - Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 3 Anel de amarração Descrição - 3 Parafuso de cabeça quadrada 1 1 Fio de alumínio coberto 500mm 1 1 Braço tipo "L" - 3 Arruela quadrada 50x50x3mm 1 1 Estribo para braço tipo L 1 - Poste de concreto de seção circular 1 1 Parafuso cabeça quadrada M16x70mm - 1 Poste de concreto de seção DT 1 1 Espaçador losangular Notas: 1. Esta estrutura é utilizada em tangência, cruzamentos e em caso de ângulo de deflexão de no máximo de 6º, é utilizada no mínimo a cada 200 metros quando da estrutura CE1; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 13 de 63

14 5.1.3 Estrutura CE1AB Estrutura passante, semelhante à estrutura CE1A, com afastador que permite o afastamento da rede compacta semelhante a estrutura Beco (B) da rede convencional. Estruturas Rede Compacta Página 14 de 63

15 Lista de materiais CE1AB Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT Descrição 3 - Cinta para poste circular 1 1 Afastador de Braço tipo L 6 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 1 1 Braço antibalanço - 3 Parafuso de cabeça quadrada 3 3 Anel de amarração 1 1 Braço tipo "L" 1 1 Fio de alumínio coberto 500mm 1 1 Estribo para braço tipo L - 3 Arruela quadrada 50x50x3mm 1 1 Parafuso cabeça quadrada M16x70mm 1 - Poste de concreto de seção circular 1 1 Espaçador losangular - 1 Poste de concreto de seção DT Notas: 1. Esta estrutura é utilizada em tangência e em caso de ângulo de deflexão de no máximo de 6º, é aplicada quando não é possível manter o afastamento mínimo horizontal conforme critérios da NTD Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 15 de 63

16 5.1.4 Estrutura CE2 Estrutura passante com isoladores poliméricos em suporte horizontal e mensageiro fixado em olhal. Aplicada em estrutura com equipamentos com deflexão de 6º até 45º e com derivações. Estruturas Rede Compacta Página 16 de 63

17 Quantidade C NORMA TÉCNICA Descrição Lista de materiais CE2 Quantidade Descrição 3 Cinta para poste circular 3 Amarração para isolador de pino 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 Isolador polimérico tipo pino 1 Olhal para parafuso 3 Pino curto para isolador 2 Sapatilha 1 Suporte horizontal 2 Alça pré-formada de estai 1 Poste de concreto circular Notas: 1. Estrutura passante em suporte horizontal em tangência ou com ângulo de deflexão de 6º a 45º; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Em estruturas múltiplas em ângulo, deve ser instalado perfil U para fixação da cordoalha, para garantir o afastamento entre alimentadores. 4. Dimensões em milímetros. C Estruturas Rede Compacta Página 17 de 63

18 5.1.5 Estrutura CE2L Estrutura passante com isoladores poliméricos em suporte horizontal e, mensageiro fixado em braço tipo L. Aplicada em vão em tangência ou deflexão de até 6º, estruturas com equipamentos e ou derivações. Estruturas Rede Compacta Página 18 de 63

19 Lista de materiais CE2L Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT Descrição 4 - Cinta para poste circular 3 3 Isolador polimérico tipo pino 4 - Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 3 Pino curto para isolador - 4 Parafuso de cabeça quadrada 1 1 Suporte horizontal - 4 Arruela quadrada - 1 Poste de concreto duplo T 1 1 Braço tipo "L" 1 - Poste de concreto circular 3 3 Amarração para isolador de pino Notas: 1. Estrutura passante em suporte horizontal em tangência ou com ângulo de deflexão máxima de 6º; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 19 de 63

20 5.1.6 Estrutura CE2C Estrutura passante em braço tipo C com mensageiro fixado ao poste. Aplicada em vãos com deflexões de 6 até 45. Estruturas Rede Compacta Página 20 de 63

21 Quantidade C NORMA TÉCNICA Descrição Lista de materiais CE2C Quantidade Descrição 3 Cinta para poste circular 3 Amarração para isolador de pino 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 Isolador polimérico tipo pino 1 Olhal para parafuso 3 Pino curto para isolador 2 Sapatilha 1 Braço tipo "C" 2 Alça pré-formada de estai 1 Poste de concreto de seção circular Notas: 1. O mensageiro deve ser fixado em olhal quando houver uma deflexão de 6º até 45º; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Em estruturas múltiplas em ângulo, deve ser instalado perfil U para fixação da cordoalha, para garantir o afastamento entre alimentadores. 4. Dimensões em milímetros. C Estruturas Rede Compacta Página 21 de 63

22 5.1.7 Estrutura CE2CL Estrutura passante em braço tipo C com mensageiro fixado em braço tipo L. Aplicada em vãos em tangência, deflexões de até 6 e estruturas em cruzamentos. Estruturas Rede Compacta Página 22 de 63

23 Lista de materiais CE2CL Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT Descrição 4 - Cinta para poste circular 3 3 Isolador polimérico tipo pino 4 - Parafuso cabeça abaulada 3 3 Pino cruzeta metálica p/ isolador - 4 Parafuso de cabeça quadrada 1 1 Braço tipo "C". 4 Arruela quadrada - 1 Poste de concreto de seção DT 1 1 Braço tipo L 1 - Poste de concreto de seção circular 3 3 Amarração para isolador de pino Notas: 1. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 23 de 63

24 5.1.8 Estrutura CE3 Estrutura de ancoragem simples em Perfil U e isoladores de ancoragem poliméricos, em configuração triangular. Estruturas Rede Compacta Página 24 de 63

25 Lista de materiais CE3 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 3 Cinta para poste circular 1 Alça pré-formada de estai 2 Parafuso de cabeça abaulada M16x70mm 3 Gancho olhal 1 Fixador para perfil U 3 Isolador de ancoragem 1 Perfil U 3 Manilha sapatilha 3 Parafuso de cabeça abaulada M16x45mm 3 Amarração para isolador de ancoragem 4 Olhal para parafuso 1 Poste de concreto circular 1 Sapatilha Notas: 1. Nesta estrutura pode ser utilizado mão francesa em substituição do fixador para perfil U ; 2. As distâncias apresentadas são afastamentos mínimos; 3. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 25 de 63

26 5.1.9 Estrutura CE4 Estrutura com duas ancoragens com deflexão de até 60º, mensageiro fixado em olhal, com ou sem mudança de seção dos condutores. Estruturas Rede Compacta Página 26 de 63

27 Lista de materiais CE4 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 4 Cinta para poste circular 8 Olhal para parafuso 4 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 2 Sapatilha 2 Parafuso cabeça abaulada M16x45mm 2 Alça pré-formada de estai 3 Amarração para isolador de pino 6 Gancho olhal 3 Isolador de pino 6 Isolador de ancoragem 3 Pino curto para isolador 6 Manilha Sapatilha 2 Parafuso rosca dupla 6 Amarração para isolador de ancoragem 2 Fixador para perfil U 1 Poste de concreto circular 2 Perfil U Notas: 1. Para alinhamento ou deflexão de até 6º pode ser subtraído um perfil U. 2. Nesta estrutura pode ser utilizado mão francesa em substituição do fixador para perfil U ; 3. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 27 de 63

28 Estrutura CE4C Estrutura com duas ancoragens em braço tipo C, com mensageiro fixado em olhal, com isoladores de ancoragem polimérico na configuração triangular com isolador de pino para fixação das fases, que permite deflexão de até 60. Estruturas Rede Compacta Página 28 de 63

29 Lista de materiais CE4C Quantidade Descrição Quantidade Descrição 3 Cinta para poste circular 3 Pino curto para isolador 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 1 Braço tipo "C" 8 Parafuso cabeça quadrada M16x50mm 6 Gancho olhal 7 Olhal para parafuso 6 Isolador de ancoragem 2 Sapatilha 6 Manilha Sapatilha 2 Alça pré-formada de estai 1 Poste de concreto circular 3 Amarração para isolador de pino 6 Amarração para isolador de ancoragem 3 Isolador de pino Notas: 1. Estrutura indicada nos casos com ângulo de deflexão máximo de 60º onde há necessidade de afastamentos da testada de prédios, para estruturas múltiplas e quando for necessária mudança de seção de condutor; 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 29 de 63

30 5.2 Estruturas Conjugadas Estrutura CE3-CE3 Estrutura de ancoragem dupla em dois níveis com perfil U, que permite deflexão horizontal superior a 60, com ou sem mudança de seção nos condutores. Estruturas Rede Compacta Página 30 de 63

31 Lista de materiais CE3-CE3 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 6 Cinta para poste circular 6 Gancho olhal 4 Parafuso de cabeça abaulada M16x70mm 6 Isolador de ancoragem 2 Fixador para perfil U 6 Manilha Sapatilha 2 Perfil U 6 Amarração para isolador de ancoragem 6 Parafuso de cabeça abaulada M16x45mm 1 Poste de concreto circular 8 Olhal para parafuso 2 Amarração de isolador de pino 2 Sapatilha 2 Pino curto para isolador 2 Alça pré-formada de estai 2 Isolador polimérico tipo pino Notas: 1. Nesta estrutura pode ser utilizado mão francesa em substituição do fixador para perfil U ; 2. Estrutura indicada nos casos, com ângulo de deflexão superior a 60º; 3. Estrutura de ancoragem dupla em dois níveis com perfil U, que permite deflexão horizontal superior a 60, com ou sem mudança de seção nos condutores. 4. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 31 de 63

32 5.2.2 Estrutura CE2L-CE3 Estrutura passante com derivação em mesmo lado, em níveis diferentes, em ancoragem com perfil U, que permite deflexão horizontal superior a 90, com ou sem mudança de bitola dos condutores. Estruturas Rede Compacta Página 32 de 63

33 Lista de materiais CE2L-CE3 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 7 Cinta para poste circular 1 Perfil U 6 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 Parafuso cabeça abaulada M16x45mm 1 Conector cunha para cordoalha 4 Olhal para parafuso 1 Braço tipo L 1 Sapatilha 3 Conector cunha 1 Alça pré-formada de estai 3 Capa para conector 3 Gancho olhal 3 Amarração para isolador de pino 3 Isolador de ancoragem 3 Isolador polimérico tipo pino 3 Manilha Sapatilha 3 Pino curto para isolador 3 Amarração para isolador de ancoragem 1 Suporte horizontal 3 Parafuso cunha estribo 1 Fixador para perfil U 1 Poste de concreto circular Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 33 de 63

34 5.2.3 Estrutura CE2L-CE3 CF NORMA TÉCNICA Estruturas Rede Compacta Página 34 de 63

35 Quantidad e Descrição Lista de materiais CE2L-CE3 CF Quantidad e Descrição 6 Cinta para poste circular 2 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 6 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 10 Arruela quadrada 1 Conector cunha para cordoalha 4 Mão francesa plana 726mm 1 Braço tipo "L" 4 Olhal para parafuso 3 Conector cunha com estribo 1 Sapatilha 3 Grampo de linha viva 1 Alça pré-formada de estai 3 Capa para conector 3 Gancho olhal 3 Amarração para isolador de pino 3 Isolador de ancoragem 4 Isolador polimérico tipo pino 3 Manilha sapatilha 3 Pino curto para isolador 3 Amarração para isolador de ancoragem 1 Suporte horizontal 3 Suporte L para chave fusível 2 Sela para cruzeta 3 Chave fusível 2 Cruzeta polimérica 1 Poste de concreto circular 4 Parafuso rosca dupla Notas: 1. As conexões na rede devem ser com estribo e grampo de linha viva 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 35 de 63

36 5.2.4 Estrutura CE2L-N3 CF Estrutura passante com derivação em mesmo lado, em nível diferente, com chave fusível. Estruturas Rede Compacta Página 36 de 63

37 Quantidad e Descrição Lista de materiais CE2L-N3 CF Quantidad e Descrição 6 Cinta para poste circular 2 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 6 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 4 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 1 Conector cunha para cordoalha 10 Arruela quadrada 1 Braço tipo "L" 4 Mão francesa plana 726mm 3 Conector cunha com estribo 3 Olhal para parafuso 3 Capa para conector 1 Sapatilha 3 Amarração para isolador de pino 3 Gancho olhal 4 Isolador polimérico tipo pino 3 Isolador de ancoragem 3 Pino curto para isolador 3 Manilha sapatilha 1 Suporte horizontal 3 Amarração para isolador de ancoragem 2 Sela para cruzeta 3 Suporte L para chave fusível 2 Cruzeta polimérica 3 Chave fusível 4 Parafuso rosca dupla 1 Poste de concreto circular Notas: 1. As conexões na rede devem ser com estribo e grampo de linha viva 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 37 de 63

38 5.2.5 Estrutura N1- CE3 CF Estrutura com rede convencional passante com uma derivação compacta. Estruturas Rede Compacta Página 38 de 63

39 Lista de materiais N1 CE3 PR Quantidade Descrição Quantidade Descrição 4 Cinta para poste circular 3 Conector cunha com estribo 3 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 3 Grampo de linha viva 3 Amarração para isolador pilar 4 Olhal para parafuso 3 Isolador pilar 1 Sapatilha 3 Pino autotravante 1 Alça pré-formada de estai 3 Sela para cruzeta 6 Gancho olhal 3 Cruzeta polimérica 6 Isolador de ancoragem 4 Parafuso rosca dupla 6 Manilha sapatilha 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 6 Amarração para isolador de ancoragem 14 Arruela quadrada 3 Suporte L para chave fusível 2 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 3 Chave fusível 6 Mão francesa plana 726mm 1 Poste de concreto circular Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 39 de 63

40 5.2.6 Estrutura CE3.N3 PR Estrutura de ancoragem dupla, com transição da RDC para rede convencional. Estruturas Rede Compacta Página 40 de 63

41 Lista de materiais CE3.N3 PR Quantidade Descrição Quantidade Descrição 4 Cinta para poste circular 7 Olhal para parafuso 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 1 Sapatilha 3 Amarração para isolador de pino 1 Alça pré-formada de estai 3 Isolador polimérico tipo pino (ver nota) 6 Gancho olhal 3 Pino para isolador 6 Isolador de ancoragem 3 Sela para cruzeta 6 Manilha sapatilha 3 Cruzeta polimérica 6 Amarração para isolador de ancoragem 4 Parafuso rosca dupla 3 Suporte L para Para-raios 3 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 3 Para-raios 13 Arruela quadrada 1 Poste de concreto circular 2 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 3 Conector cunha com estribo 6 Mão francesa plana 726mm 3 Grampo de linha viva Notas: 1. A instalação de para-raios na transição fica a critério do estudo de proteção de sobre-tensão da rede. 2. As conexões dos para-raios na rede devem ser com estribo e grampo de linha viva 3. Se o condutor que passar pelos isoladores for de cabo nu utilizar isolador tipo pilar. 4. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 41 de 63

42 5.2.7 Estrutura CE3.N3 SU PR Estrutura de ancoragem dupla, com transição da RDC para rede convencional. Com chave faca instalada. Estruturas Rede Compacta Página 42 de 63

43 Lista de materiais CE3.N3 SU PR Quantidade Descrição Quantidade Descrição 4 Cinta para poste circular 6 Gancho olhal 3 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 6 Isolador de ancoragem 3 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 6 Manilha sapatilha 3 Sela para cruzeta 6 Amarração para isolador de ancoragem 3 Cruzeta polimérica 3 Chave faca (SU) 2 Parafuso rosca dupla 6 Conector cunha para SU 6 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 3 Conector cunha com estribo 11 Arruela quadrada 3 Capa para estribo 6 Mão francesa plana 726mm 3 Suporte "L" para para-raios 7 Olhal para parafuso 3 Para-raios 1 Sapatilha 1 Poste de concreto circular 1 Alça pré-formada de estai Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 43 de 63

44 5.3 Estruturas com Equipamentos Estrutura CE4 SU 2º Nível Estrutura de ancoragem dupla, com chave faca instalada em 2º nível. Estruturas Rede Compacta Página 44 de 63

45 Lista de materiais CE4 SU 2º Nível Quantidade Descrição Quantidade Descrição 5 Cinta para poste circular 6 Manilha sapatilha 6 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 6 Amarração para isolador de ancoragem 2 Parafuso cabeça abaulada M16x45mm 2 Sela para cruzeta 2 Parafuso rosca dupla 2 Cruzeta polimérica 2 Fixador para perfil U 4 Parafuso de cabeça quadrada M16x125mm 2 Perfil U 14 Arruela quadrada 8 Olhal para parafuso 4 Mão francesa plana 726mm 2 Sapatilha 2 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 2 Alça pré-formada de estai 3 Chave faca (SU) 6 Gancho olhal 6 Conector cunha para SU 6 Isolador de ancoragem 1 Poste de concreto circular Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 45 de 63

46 5.3.2 Estrutura CE4 SU Estrutura de ancoragem dupla, com chave faca instalada. Estruturas Rede Compacta Página 46 de 63

47 Lista de materiais CE4 SU Quantidade Descrição Quantidade Descrição 2 Cinta para poste circular 8 Olhal para parafuso 2 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 2 Sapatilha 2 Sela para cruzeta 2 Alça pré-formada de estai 2 Cruzeta polimérica 6 Gancho olhal 2 Parafuso rosca dupla 6 Isolador de ancoragem 2 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 6 Manilha sapatilha 4 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 3 Chave faca (SU) 10 Arruela quadrada 6 Conector cunha para SU 4 Mão francesa plana 1 Poste de concreto circular Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 47 de 63

48 5.3.3 Estrutura CE2L PR Estrutura passante, com para-raios Estruturas Rede Compacta Página 48 de 63

49 Lista de materiais CE2L PR Quantidade Quantidade Descrição C DT C DT Descrição 5 - Cinta para poste circular 3 3 Amarração para isolador de pino 6 - Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 3 3 Isolador polimérico tipo pino - 6 Parafuso de cabeça quadrada 3 3 Pino curto para isolador - 6 Arruela quadrada 2 2 Suporte horizontal 1 1 Braço tipo "L" 3 3 Suporte Z para para-raios 3 3 Conector cunha com estribo 1 - Poste de concreto circular 3 3 Grampo de linha viva - 1 Poste de concreto de seção DT 3 3 Capa para conector Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 49 de 63

50 5.3.4 Estrutura CE2L TR Estrutura passante em suporte horizontal, com chave fusível instalada em nível diferente, e instalação de TR (Transformador) com para-raios. Estruturas Rede Compacta Página 50 de 63

51 Lista de materiais CE2L TR Quantidade Descrição Quantidade Descrição 6 Cinta para poste circular 1 Cruzeta polimérica 2 Suporte para transformador poste circular 1 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm 5 Parafuso cabeça abaulada M16x70mm 5 Arruela quadrada 1 Braço tipo L 2 Mão francesa plana 726mm 3 Conector cunha com estribo 2 Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 3 Grampo de linha viva 3 Para-raios 3 Capa para conector 3 Terminal bimetálico 3 Amarração para isolador de pino 1 Transformador de distribuição 3 Isolador polimérico tipo pino 1 Poste de concreto circular 3 Pino curto para isolador 3 Suporte "L" para chave fusível 1 Suporte horizontal 3 Chave fusível 1 Sela para cruzeta 16 Metros de cabo 16mm² Nota: Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 51 de 63

52 5.3.5 Estrutura CE3 TR Montagem 1 Estrutura de ancoragem, com TR (Transformador), chaves e para-raios. Esta montagem é utilizada em fim de rede conforme os critérios da NTD 002. Estruturas Rede Compacta Página 52 de 63

53 Lista de materiais CE3 TR Montagem 1 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 6 Cinta para poste circular 1 Isolador polimérico tipo pino 2 Suporte para transformador em poste circular 1 Pino curto para isolador 1 Fixador para perfil U 1 Cruzeta polimérica 1 Perfil U 1 Sela 3 Parafuso de cabeça abaulada M16x70mm 1 4 Olhal para parafuso 2 Parafuso cabeça abaulada M16x150mm Parafuso cabeça quadrada M16x125mm 1 Sapatilha 2 Mão francesa plana 726mm 1 Alça pré-formada de estai 3 Arruela quadrada 3 Gancho olhal 3 Suporte "L" para chave fusível 3 Isolador de ancoragem 3 Chave fusível 4 Parafuso de cabeça abaulada M16x45mm 3 Para-raios 3 Manilha sapatilha 3 Terminal bimetálico 3 Amarração para isolador de ancoragem 1 Transformador de distribuição 3 Conector cunha com estribo 1 Poste de concreto circular 3 Grampo de linha viva 16 Metros de Cabo 16mm² 3 Capa para conector Nota: 1. Nesta estrutura pode ser utilizado mão francesa em substituição do fixador para perfil U ; 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 53 de 63

54 Montagem 2 Estrutura de ancoragem, com TR (Transformador) e para-raios. Esta montagem é utilizada quando é necessário instalar o transformador do lado oposto da via onde esta a rede. A estrutura C2 deve ser montada na derivação da rede conforme ilustrado na NTD 002. Estruturas Rede Compacta Página 54 de 63

55 Lista de materiais CE3 TR Montagem 2 Quantidade Descrição Quantidade Descrição 3 Cinta para poste circular 3 Manilha sapatilha 2 Suporte para transformador em poste circular 3 Amarração para isolador de ancoragem 1 Fixador para perfil U 3 Conector cunha com estribo 1 Perfil U 3 Grampo de linha viva 2 Parafuso de cabeça abaulada M16x70mm 3 Capa para conector 4 Olhal para parafuso 3 Para-raios 1 Sapatilha 3 Terminal bimetálico 1 Alça pré-formada de estai 1 Transformador de distribuição 3 Gancho olhal 1 Poste de concreto circular 3 Isolador de ancoragem 16 Metros de Cabo 16mm² 3 Parafuso de cabeça abaulada M16x45mm Nota: 1. Nesta estrutura pode ser utilizado mão francesa em substituição do fixador para perfil U ; 2. Dimensões em milímetros Estruturas Rede Compacta Página 55 de 63

56 5.4 Cruzamentos Conexões no Meio do Vão Rede Compacta x Rede Compacta Notas: 1. As estruturas a jusante ou a montante do cruzamento podem ser projetadas com estrutura CE1A, desde que observados critérios desta norma em especial a distância máxima de 15 metros entre o cruzamento e a estrutura mais próxima. 2. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 56 de 63

57 5.4.2 Rede Compacta x Rede Nua Nos cruzamentos aéreos com rede nua, a rede compacta deve ser instalada acima da rede convencional e as ligações deverão ser feitas com cabo coberto, observando-se a distância mínima entre condutores, por meio de curvatura dos cabos (vide foto abaixo), evitando que os mesmos possam se tocar. Notas: 3. A rede compacta deve cruzar por cima da rede nua. 4. Manter uma distância mínima de 800 mm entre a fase mais baixa da rede compacta e a rede nua. 5. Instalar um espaçador na rede compacta a 1,5m das fases externas da rede nua em ambos os lados e um no meio 6. Instalar estrutura de para-raios em cada poste adjacentes ao cruzamento da rede compacta. 7. Dimensões em milímetros. Estruturas Rede Compacta Página 57 de 63

58 6 AMARRAÇÕES, ANCORAGENS E CONEXÕES 6.1 Tipos de Amarrações e Ancoragens Nesta Norma foram previstas as amarrações e ancoragens básicas utilizando os seguintes acessórios: Para aplicação ao cabo mensageiro Laços pré-formados metálicos para amarração de espaçadores e separadores ao mensageiro; Alça pré-formada para ancoragem do cabo mensageiro; Fio de alumínio nu Para aplicação ao cabo coberto Grampos de ancoragem poliméricos para ancoragem; Anéis de elastômeros para amarração de espaçadores e separadores; Laço plástico pré-formado de topo, para amarração do isolador de pino polimérico; Fio de alumínio coberto Para aplicação do espaçador ao estribo do braço L Fio de alumínio nu Ilustrações de aplicação a) Laço pré-formado ou fio de alumínio para fixar o espaçador losangular Laço pré-formado Fio de alumínio Fio de alumínio b) Ancoragem simples para cabo coberto Estruturas Rede Compacta Página 58 de 63

59 c) Ancoragem simples para cabo mensageiro d) Ancoragem dupla cabo coberto Alça pré-formada Grampo de ancoragem Notas: 1. Não descascar a cobertura do cabo no ponto de ancoragem. 2. Evitar o seccionamento dos cabos se não houver mudança de seção. e) Ancoragem dupla de cabo mensageiro Estruturas Rede Compacta Página 59 de 63

60 f) Derivação com ancoragem de cabo mensageiro g) Amarração com anel de elastômero em isolador Topo Lateral Topo Lateral Nota: Em saídas de subestação até a primeira derivação de rede, as amarrações aplicadas ao cabo coberto devem ser de fio de alumínio coberto. 6.2 Conexões de Cabos As instalações básicas objeto desta norma utilizam conectores tipo cunha ou de compressão, aplicáveis à redes compactas. Em todas as conexões ou emendas nos condutores cobertos (cabos cobertos) onde forem utilizados conectores tipo cunha, deve ser usada uma capa protetora específica ou fita adesiva isolante com manta isolante sobreposta. Quando forem utilizados conectores de compressão, estes terão as suas partes metálicas cobertas com massa para isolamento elétrico e fita adesiva isolante ou, opcionalmente, poderão ser utilizados tubos contráteis, de forma a restabelecer a cobertura do condutor. As conexões do cabo coberto aos terminais dos equipamentos da rede compacta protegida devem ser realizadas conforme o mesmo padrão definido para a rede de distribuição aérea convencional (cabo nu). Estruturas Rede Compacta Página 60 de 63

61 Nota: Não é permitida emenda do cabo mensageiro no meio do vão Conexões e Acessórios Utilizados Na elaboração de conexões e emendas de cabos na rede compacta, são utilizados os seguintes materiais, conforme o caso: Luva de emenda para cabos de alumínio; Massa para isolamento elétrico; Fita adesiva isolante; Fita auto-aglomerante de alta tensão (auto-fusão); Tubo contrátil para cabos cobertos (a quente ou a frio); Fio de alumínio coberto para amarração; Conector tipo cunha, para cabos de alumínio; Conector tipo cunha com estribo, para cabos de alumínio; Conector terminal de compressão, para cabos de alumínio; Capa protetora, para conectores tipo cunha e estribo; Capa protetora, para conectores tipo cunha. a) Emenda de Cabos Quando do lançamento dos cabos cobertos não é permitida a utilização de emendas em meio de vão. Estas emendas são apropriadas apenas para conexões em situação de manutenção das redes compactas protegidas. Os pontos de emendas e conexões devem ficar em locais livres de contato com acessórios poliméricos. A recomposição da cobertura do cabo nas emendas e conexões, e a proteção das extremidades, têm caráter obrigatório. Para a conexão do cabo aos terminais de equipamentos não é obrigatório a recomposição da cobertura. Para proteção desta conexão podem ser utilizadas coberturas protetoras específicas para os terminais dos equipamentos, dede que não diminua a distancia de escoamento. Notas: 1. O restabelecimento da cobertura na emenda deve ser feito, preferencialmente, com tubo contrátil a quente ou a frio. O tubo deve ser aplicado conforme instruções do seu fabricante. 2. A cobertura da conexão também pode ser realizada com outros tipos de acessórios disponíveis no mercado, como por exemplo, capas de proteção, desde que apresentada proposta técnica para a distribuidora através do projeto. 3. O procedimento para isolamento é valido apenas para conectores ou luvas de emenda à compressão; no caso de conectores tipo cunha, utilizar preferencialmente a capa protetora específica. Estruturas Rede Compacta Página 61 de 63

62 b) Conexões no Cabo Mensageiro c) Conexões no Cabo coberto Estruturas Rede Compacta Página 62 de 63

63 6.2.2 Acabamento das Terminações Para o acabamento das terminações dos cabos de fase nos fins-de-linha, aplicar apenas as fitas autoaglomerante de alta tensão e a seguir a fita adesiva isolante: Capa protetora de Conector Tipo Cunha com Estribo Estes conectores serão utilizados para conexões de equipamentos que eventualmente necessitem serem desconectados para efeito de manutenção ou substituição em linha-viva ou em pontos de espera para aterramentos temporários. Nota: Recomenda-se que a cobertura protetora de estribo e conectores seja utilizada em regiões arborizadas e em casos de contatos acidentais com pequenos animais. 7 ALTERAÇÕES 1. Inserida no item a definição da nova estrutura CE1AB - na data 10/09/ Alterada afastamentos que constam na Tabela 1- na data 10/09/ Alterada os afastamentos na Figura 1 - na data 10/09/ Alterada a Tabela 4 - na data 10/09/ Alterada a Figura 2 - na data 10/09/ Inserida ilustração da nova estrutura na data 10/09/ Alterados os afastamentos das estruturas itens 5.2.2; 5.2.3; 5.2.4; na data 10/09/ Inserida nova montagem da estrutura CE3 TR - na data 10/09/ Inserida a alternativa de estrutura CE1A em cruzamento na data 10/01/ VIGÊNCIA Esta versão da norma substitui a versão 2.1 e passa a vigorar na data de 10/01/2016. Estruturas Rede Compacta Página 63 de 63

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 CONTROLE DE VERSÕES NTD 17 - MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 kv Nº.: DATA VERSÃO 0 03/09 Original

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 900 300 600 1000 máximo 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 900 100 11 metros = 1300 12 metros = 1300 800 450 350 11 metros =

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO NOVA COOPER POWER SYSTEMS DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem do religador automático

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO VIPER S SHANGHAI G & W ELECTRIC DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem do religador

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO TIPO ESV da COOPER POWER DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar as estruturas de montagem do religador automático

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO 1 de 6 1. OBJETIVO 1.1. A presente especificação tem por objetivo fixar as características técnicas e condições mínimas para aceitação dos serviços na execução de barreiras rígidas, em concreto armado,

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para passagem de Travessia Aérea, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Travessia. (Não

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

Manual de Instalação e Manutenção. Torniquete Hexa. revisão: 6 data de atualização:16/01/09

Manual de Instalação e Manutenção. Torniquete Hexa. revisão: 6 data de atualização:16/01/09 Manual de Instalação e Manutenção Torniquete Hexa revisão: 6 data de atualização:16/01/09 Índice 1 - Apresentação pg.03 2 - Dimensões principais e vão livre para manutenção pg.04 3.1. Identificação dos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 CONTROLE DE VERSÕES NTD 11 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV Nº.: DATA VERSÃO 01 12/2004 Original 02 03/2009 Revisão

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0007 ACESSÓRIOS E FERRAGENS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

Caixa de passagem Ex e / Ex tb

Caixa de passagem Ex e / Ex tb Tomadas/Plugs Painéis Caixa de passagem Ex e / Ex tb Segurança aumentada, tempo e jatos potentes d água. Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper

Leia mais

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO COMPACTA (REDE COMPACTA SPACER CABLE) VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3

Leia mais

Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO. II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA

Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO. II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA Clube Automovel de Lousada REGULAMENTO TÉCNICO II Edição TROFÉU DE RESISTENCIAS CLUBE AUTOMOVEL DE LOUSADA Aprovado em 18/02/2015 1 Os concorrentes, que pretendam, participar nas provas do Troféu de resistência

Leia mais

Índice. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11518 Instrução 1.1 Ronaldo Antônio Roncolatto 03/07/2008 1 de 13

Índice. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11518 Instrução 1.1 Ronaldo Antônio Roncolatto 03/07/2008 1 de 13 Índice 1. OBJETIVO...3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...3 3. TERMINOLOGIA...3 4. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...3 5. CONDIÇÕES GERAIS...4 6. TRANSFORMADOR...4 Condições Normais de Funcionamento... 4 Potências

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia.

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. 7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. Em primeiro lugar é preciso esclarecer o que significa e para que serve o aterramento do sistema elétrico. Ao contrário do que é usual considerar,

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

Subestação. Conceito:

Subestação. Conceito: Sistema Eletrosul Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da

Leia mais

arente Linha Aparente p a A h Lin

arente Linha Aparente p a A h Lin Linha Aparente Linha Aparente Linha Aparente Canaleta metálica... 03 Tampa de encaixe... 03 Tampa de pressão... 14 Canaleta meia-lua... 21 Poste condutor... 22 Tampa de encaixe A Linha Aparente da Valemam

Leia mais

built build to ANDAIMES MP

built build to ANDAIMES MP uilt build to ANDAIMES ANDAIMES MP Andaime_Multidirecional MP 150 Empresa Projetos Produtos Andaimes e coberturas ANDAIME Multidirecional MP O sistema multidirecional MP é a solução moderna que reflete

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO

ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO MARINGÁ 2016 ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO Elaborado por: Carmen Torresan * MARINGÁ 2016 Bibliotecária / CRB9

Leia mais

Escalas ESCALAS COTAGEM

Escalas ESCALAS COTAGEM Escalas Antes de representar objectos, modelos, peças, etc. Deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas no papel

Leia mais

DESCRIÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DAS IVZ s

DESCRIÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DAS IVZ s DESCRIÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DAS IVZ s Arquivo: Manual descritivo para implementação da infra-estrutura das IVZ Versão 02 Data: 23/11/2007 Implantação da Infra-estrutura de rede nas

Leia mais

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD

Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD Antes de iniciar qualquer manutenção ou operação mantenha o equipamento desligado das fontes de energia, retire os bits da máquina, em seguida meça o

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS SEGURANÇA Cada etapa de fabricação dos produtos é acompanhada por uma equipe especializada, que também presta assessoria e desenvolve soluções adequadas às necessidades dos clientes.

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer 1) DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO A plataforma elevatória por cremalheira está baseada no princípio de transmissão através de

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04 PREGÃO AMPLO 009/2003 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANATEL ER04 MINAS GERAIS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE

Leia mais

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala N.A. Data ABRIL/2010 Formato A - 4 Autor CREA ARQ. MÁRCIA SOLDERA 104.438 - RS Validador

Leia mais

GUIA GERAL DO PIX-DSX

GUIA GERAL DO PIX-DSX ADCP-80-354 GUIA GERAL DO PIX-DSX Sumário Página 1. TERMINAÇÕES COM WIRE WRAP...3 2. ENERGIA...4 3. ELEMENTO DE REDE (EQUIPAMENTO)...5 4. ROTEAMENTO DE JUMPER DE CONEXÃO CRUZADA...8 1390027 Rev A Página

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 4.1 Lavagem de redes existentes...3 4.2 Lavagem de redes novas...3 5. Materiais

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

PORTARIA DAAE Nº 0031/10 ANEXO I MANUAL DE INSTALAÇÃO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA

PORTARIA DAAE Nº 0031/10 ANEXO I MANUAL DE INSTALAÇÃO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA PORTARIA DAAE Nº 0031/10 ANEXO I MANUAL DE INSTALAÇÃO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA O Novo Padrão de Ligações Residenciais do DAAE facilita muito sua vida. Algumas vantagens que o Novo Padrão traz

Leia mais

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. Itamar Borges, Prefeito da Estância Turística de Santa Fé do Sul, Estado de

Leia mais

Instruções de segurança VEGAPULS PS61.D****D/H/K/ L/P/F/G/M/B/I****

Instruções de segurança VEGAPULS PS61.D****D/H/K/ L/P/F/G/M/B/I**** Instruções de segurança VEGAPULS PS61.D****D/H/K/ L/P/F/G/M/B/I**** NCC 15.0167 X Ex d ia IIC T6 T1 Ga/Gb, Gb 0044 Document ID: 50548 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 3 4 Condições

Leia mais

BIT 374 LAÇAMENTO PEUGEOT 3008

BIT 374 LAÇAMENTO PEUGEOT 3008 CIRCULAR REDE De : DIREÇÃO PEÇAS E SERVIÇOS Para : Rede de Concessionárias Data : 03/11/2010 Código Circular: 374 Depto 11/10 Página (s) : 07 Cc: Gerentes regionais Peças e Serviços Peugeot Direção PBRA

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 Lista de Figuras T.I. para o Dealer Suite: Servidores Figura 1 Tela Principal do ESXi...4 Figura 2 Tela VMware Player...5 Figura 3 Arquivo /etc/exports do

Leia mais

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 12: Equilíbrio do Corpo Rígido NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

Aristo Mig 4004i Pulse

Aristo Mig 4004i Pulse TM Origo Mig 5004i TM Aristo Mig 4004i Pulse Manual de peças de reposição TM Origo Mig 5004i 0404369 TM Aristo Mig 4004i Pulse 0786 ESAB se reserva o direito de alterar as características técnicas de seus

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

ANEXO I. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO (Registro de Preços Pregão Eletrônico)

ANEXO I. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO (Registro de Preços Pregão Eletrônico) ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO (Registro de Preços Pregão Eletrônico) 1. DO OBJETO - Fornecimento através do Sistema de Registro de Preços de material permanente Estantes, Armários e Roupeiros 2.

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO

APLICAÇÃO DE PLACAS IDENTIFICADORAS PARA EQUIPAMENTOS DA REDE AÉREA DE DISTRIBUIÇÃO 1. OBJETIVO Este Informativo tem como objetivo padronizar a aplicação de placa de identificação em equipamentos da rede aérea de distribuição de energia elétrica, de forma a garantir o melhor posicionamento

Leia mais

ÓRGÃOS ACESSÓRIOS DA REDE DE ESGOTO

ÓRGÃOS ACESSÓRIOS DA REDE DE ESGOTO SANEAMENTO II AULA 06 8 semestre - Engenharia Civil ÓRGÃOS ACESSÓRIOS DA REDE DE ESGOTO Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br POÇOS DE VISITA (PV) São utilizados para permitir o acesso de homens

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Emissão: MINEA/DNEE Dezembro 2010 Av. Cónego Manuel das Neves, 234 1º - Luanda ÍNDICE 1 OBJECTIVO...

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE LAJES PLANAS PROTENDIDAS: DETERMINAÇÃO DA FORÇA DE PROTENSÃO E PRÉ-DIMENSIONAMENTO DOS CABOS UM PROCESSO PRÁTICO 1.0 - INTRODUÇÃO Nos projetos de lajes protendidas, as armaduras a serem determinadas resultam

Leia mais