Projecto de Rede Wireless

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto de Rede Wireless"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Curso de Especialização Tecnológica Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Relatório de Estágio no âmbito da Componente de Formação em Contexto de Trabalho Projecto de Rede Wireless José Santos Chelinho COIMBRA, 23 de Maio de 2012

2

3 Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Projecto de Rede Wireless 20/01/2012 a 15/05/2012 José Santos Chelinho Tm: Orientador: Anabela Simões Professor Adjunto, ISEC Tutor na Instituição: Pedro Couceiro Especialista de Informática, IPOCFG, EPE

4

5 Agradecimentos Este é o corolário de um trabalho desenvolvido ao longo dos dois últimos anos lectivos e, apenas possível, graças ao apoio de muitos intervenientes. Assim, e tentando não ser injusto com ninguém, deixo um agradecimento especial a todos aqueles que de alguma forma contribuíram e o tornaram possível. iii

6

7 Índice LISTA DE FIGURAS...VII LISTA DE TABELAS... IX NOMENCLATURA... XI 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO RELATÓRIO REDES WIRELESS BREVE RESUMO HISTÓRICO NORMAS ARQUITECTURA DAS REDES WIRELESS Modo Ad-Hoc Modo infra-estrutura ASSOCIAÇÃO A UMA CÉLULA (BSS) EXISTENTE SEGURANÇA EM REDES WIRELESS ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL ENQUADRAMENTO PESSOAL CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO PLANO DE TRABALHOS (CRONOGRAMA) LEVANTAMENTO DE EXISTÊNCIAS E NECESSIDADES SITE SURVEY FERRAMENTAS INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO PASSIVO ANÁLISE DE PROPOSTAS E AQUISIÇÃO DO EQUIPAMENTO ACTIVO INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPONENTES TESTES FINAIS CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA APÊNDICE...31 v

8

9 Lista de Figuras Figura 1: arquitectura de uma rede wireless...5 Figura 2: rede em modo ad-hoc...6 Figura 3: rede em modo infra-estrutura...7 Figura 4: campus hospitalar...9 Figura 5: subsistema de backbone do campus...13 Figura 6: cálculo e localização do novo AP...16 Figura 7: locais em que a área de cobertura exigia mais do que um AP...17 Figura 8: site survey...17 Figura 9: janela do access controller...26 Figura 10: janela de controlo de APs...27 Figura 11: testes finais locais e roaming...28 vii

10

11 Lista de Tabelas Tabela 1: cronograma de trabalhos...12 Tabela 2: distribuição de APs...18 Tabela 3: solução SMC proposta...20 Tabela 4: solução HP proposta...21 Tabela 5: identificação de locais e APs instalados...25 ix

12

13 Nomenclatura Abreviaturas ACSS AP BSS ESS FCC FTP IEEE IMRSI IPOCFG, EPE ISM MAC MIMO RIS SSID SSID VLAN WAN WECA WEP WFA WI-FI WLAN WPA WPA-PSK WWW Administração Central de Sistemas de Saúde Access Point Basic Service Set Extended Service Set Federal Communications File Transfer Protocol Institute of Electrical and Electronic Engineers Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Instituto Português de Oncologia Coimbra Francisco Gentil Industrial, Scientific and Medical Media Access Control Multiple-Input Multiple-Output Rede Informática da Saúde Service Set IDentifier Service Set IDentifier Virtual Local Area Network Wide Area Network Wireless Ethernet Compatibility Alliance Wired Equivalent Privacy Wi-Fi Alliance Wireless Fidelity Wireless Local Area Network Wi-Fi Protected Access WPA-Pre Shared Key World Wide Web xi

14

15 1 Introdução Os conteúdos descritos nestes relatório resultam do trabalho desenvolvido no âmbito do estágio do CET em Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos, do Departamento de Engenharia Informática e Sistemas do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra. O estágio foi desenvolvido no campus hospitalar do Instituto Português de Oncologia de Coimbra (IPOCFG) e consistiu na implementação de uma rede sem fios para o referido campus. 1.1 Estrutura do relatório O relatório encontra-se estruturado em 6 capítulos. No presente capítulo, baseado na metodologia de estudo de caso, descreve-se um histórico acerca das comunicações sem fios, bem como conceitos e princípios de acordo com os padrões internacionalmente estabelecidos. O capítulo 2 descreve o seu enquadramento na instituição e na equipa em que foi inserido. O estudo de caso da implantação da rede no campus, a caracterização do projecto e as diversas etapas do seu desenvolvimento, descrevem-se no Capítulo 3. Finalmente, no capítulo 4 apresenta-se a conclusão sobre o que considerou mais relevante. No final do documento apresenta~-se a lista da bibliografia consultada e uma lista de anexos relativos à estrutura dos edifícios. 1.2 Redes wireless breve resumo As redes sem fios IEEE , também conhecidas como redes Wi-Fi (Wireless Fidelity) ou simplesmente wireless, foram uma das grandes novidades tecnológicas dos últimos anos. Actualmente, são o padrão em ligações sem fio para redes locais. O facto de a grande maioria dos computadores portáteis novos saírem de fábrica já equipados com interfaces IEEE , a grande diversidade de dispositivos conectáveis, a mobilidade, a flexibilidade e o baixo custo de implementação influenciam positiva e significativamente a sua proliferação. 1

16 Como prova deste sucesso pode-se citar o crescente número de redes sem fios de acesso livre em locais públicos, tais como: bibliotecas, instituições de ensino, centros comerciais, parques, cafés, hotéis, etc. Subsistem, no entanto, algumas questões que limitam a sua utilização, como a privacidade, segurança, qualidade do serviço, complexidade dos protocolos de roteamento, entre outros. 1.3 Histórico As tecnologias de rede e as comunicações por ondas rádio cruzaram-se pela primeira vez no Projecto ALOHANET (University of Hawaii) e que consistia em ligar sete locais das 4 ilhas; Rádio amadores desenvolveram os TNCs (Terminal Node Controllers) para interligar os seus computadores por ondas rádio; Foi autorizada a utilização de três faixas de frequência pela Federal Communications Commission (FCC), organismo responsável pela regulamentação do uso do espectro de frequências; O Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) iniciou um estudo com vista à definição de um padrão para ligações sem fios; Foi aprovada a versão inicial da norma IEEE As taxas de transmissão nominal atingiam 1 e 2 Mbps; Foram aprovadas as normas IEEE b e a, que usam as frequências de 2,4 e 5 GHz e são capazes de atingir taxas nominais de transmissão de 11 e 54 Mbps, respectivamente. A norma b, apesar de atingir taxas de transmissão menores, ganhou fatias maiores de mercado do que a a devido às interfaces serem mais baratas e terem sido lançadas no mercado primeiro que a implementação da a. Também neste ano foi criada a Wireless Ethernet Compatibility Alliance (WECA), que se organizou com o objectivo de garantir a compatibilidade entre dispositivos de diferentes fabricantes; Surgiram os primeiros hotspots, áreas públicas onde é possível aceder à internet através das redes IEEE A WECA lançou a norma Wireless Fidelity (Wi-Fi) para testar a 2

17 aderência dos produtos às especificações; mais tarde o termo Wi-Fi tornou-se um rótulo de uso abrangente das tecnologias IEEE ; Os pesquisadores Scott Fluhrer, Itsik Mantin e Adi Shamir demonstraram que o protocolo de segurança Wired Equivalent Privacy (WEP) é inseguro; A WECA passou a chamar-se Wi-Fi Alliance (WFA) e lançou o protocolo Wi-Fi Protected Access (WPA) para substituir o WEP; Foi aprovada a norma IEEE g que, tal como a b, trabalha na frequência de 2,4 GHz, mas alcança até 54 Mbps de taxa nominal de transmissão A norma i aumentou consideravelmente a segurança, definindo melhores procedimentos para autenticação, autorização e criptografia; Foi aprovada a norma e, agregando qualidade de serviço (QoS) às redes IEEE Foram lançados comercialmente os primeiros pontos de acesso com pré-implementações da norma IEEE e; Surgiram as pré-implementações da norma n, que usa múltiplas antenas para transmissão e recepção, Multiple-Input Multiple-Output (MIMO), frequência: 2,4 GHz e/ou 5 GHz, taxa nominal de transmissão de até 600 Mbps; Foi aprovada a norma n. 1.4 Normas WLAN é uma rede local que usa ondas de rádio para fazer a ligação entre os diversos equipamentos que a constituem. Inicialmente, e devido aos elevados custos, apenas eram usadas como alternativa ao cabo em locais de difícil acesso, como as universidades, aeroportos e outros lugares públicos. Com a gradual diminuição dos preços do equipamento, verificou-se, também, a adesão de muitos particulares para partilha de ligação à internet em redes domésticas e, consequentemente, a sua vulgarização. 3

18 Dependendo da tecnologia utilizada e do receptor, podem atingir-se distâncias consideráveis. Deste modo, as WLAN combinam mobilidade do utilizador com conectividade, a velocidades elevadas em alguns casos. Existem diversas tecnologias envolvidas nas redes sem fios e cada uma tem as suas particularidades, as suas limitações e as suas vantagens. Actualmente, a principal é baseada no padrão que agrega um conjunto de normas de transmissão por rádio. Devido ao seu baixo custo e à não necessidade de licenciamento e grande fiabilidade, goza de enorme popularidade em todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos e Europa. São várias as normas da família Porém, nem todas directamente relacionadas com o próprio protocolo de rádio. Na Europa, as três mais comuns e fáceis de encontrar nos equipamentos são: b Aprovado pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc.), ocupando uma porção da banda ISM (Industrial, Scientific and Medical), entre 2,400 e 2,495 GHz. Possui uma capacidade máxima de transmissão de dados de 11 Mbps, com uma utilização real de cerca de 5 Mbps g Utiliza o mesmo espaço de frequência que a b (2,400 a 2,495 GHz) e tem a capacidade de transmissão máxima teórica de 54 Mbps, com uma utilização real aproximada de 22 Mbps. Pode diminuir para 11 Mbps, ou ainda menos, para garantir a total compatibilidade com a b n Em 2009, o IEEE aprovou oficialmente a versão final da norma n, que é hoje incluída como funcionalidade padrão em praticamente todos os computadores portáteis. Esta tem como principal característica o uso de uma tecnologia denominada MIMO (multiple-input multiple-output), capaz de aumentar de consideravelmente as taxas de transferência de dados através da combinação de vários canais de transmissão. Com isso é possível, por exemplo, usar dois, três ou quatro emissores e receptores para funcionamento da rede. As principais especificações incluem: espaço de frequência de 2,4 GHz e/ou 5 GHz, taxas teóricas de transferência disponíveis de 65 Mbps a 600 Mbps. 4

19 Mesmo que novos padrões, tais como a (também conhecida como WiMax), venham resolver alguns problemas observados hoje com o , têm ainda um longo caminho a percorrer até alcançarem a popularidade e o preço destes. 1.5 Arquitectura das redes wireless A arquitectura básica de funcionamento deste tipo de redes é o BSS (Basic Service Set) constituído por um simples grupo de estações que comunicam entre si. Possuem capacidade de cobertura para pequenas distâncias. Contudo, o padrão permite a junção de vários BSSs formando um ESS (Extended Service Set), aumentando assim a área de cobertura. Se a cada AP que integra o ESS for atribuído um mesmo SSID (Service Set Identifier - nome da rede), o utilizador pode movimentar-se em toda a sua área de cobertura sem ter que se preocupar com os diferentes APs a que está ligado e sem perda de sinal (roaming). Figura 1: arquitectura de uma rede wireless Um BSS pode funcionar em dois modos: 5

20 Modo Ad-Hoc Também chamado de ponto-a-ponto, permite a comunicação directa entre estações, sem o auxílio de um AP. Pode-se no entanto utilizar um AP exercendo apenas a função de repetidor e a sua finalidade única é a de aumentar o alcance da rede. As principais características são as limitações a nível temporal e espacial, permitindo assim, a sua criação e dissolução de uma forma simples, podendo ser realizadas por alguém que não possua grandes conhecimentos técnicos. Requer também pouco ou mesmo nenhum investimento, visto que, apenas é necessária uma estação para poder participar. Figura 2: rede em modo ad-hoc Modo infra-estrutura Distingue-se das anteriores pela utilização obrigatória de, pelo menos, um AP, que faz parte da infraestrutura da rede fixa, funcionando como uma ponte entre esta e a rede wireless. Este AP gere todo o tráfego e é um ponto de passagem obrigatório na comunicação entre todos os dispositivos (contrariamente ao modo Ad-Hoc em que as estações comunicam entre si). Faz-se anunciar na rede através de Quadros Beacon (Beacon Frames), que envia regularmente para a rede (normalmente a cada 100 ms). O objectivo principal é divulgar a rede (SSID) e algumas características, tais como os canais suportados, tecnologia usada, entre outras. 6

21 Figura 3: rede em modo infra-estrutura 1.6 Associação a uma célula (BSS) existente Quando uma estação pretende aceder a um BSS, quer seja porque foi ligada naquele momento, quer seja porque se encontrava em hibernação ou porque tinha acabado de entrar na zona do BSS, esta necessita de sincronizar informação com o AP, ou com outras estações se estiver a funcionar em modo Ad-Hoc. Existem dois métodos possíveis para a sincronização: o passivo e o activo. O primeiro consiste na espera por parte da estação, até receber um quadro Beacon enviada pelo AP. O outro resulta de um scan efectuado pela estação, para tentar encontrar um AP que esteja a transmitir. Uma vez encontrado o Access Point, o passo seguinte é o processo de autenticação. Esta consiste na troca de informação entre o AP e a estação, onde cada parte fornece a sua palavra-chave para ser identificada pela outra. Este processo deve terminar com as duas entidades certas de estarem a comunicar com quem realmente julgam, independentemente do processo usado para esse efeito. Após a estação se encontrar devidamente autenticada, inicia-se o processo de associação, onde se troca informação sobre as capacidades das estações e do BSS. Só após este processo estar terminado, é possível a transmissão e recepção de pacotes. 7

22 Uma estação móvel, que se encontre em deslocamento, a certa altura irá chegar à zona limite de cobertura da BSS, onde o sinal do AP já se encontra fraco. A estação usa a função de scanning para tentar encontrar outro AP pertencente ao mesmo ESS ou, então, informação de scannings anteriores. Uma vez encontrado um novo AP, o pedido de associação é feito e, caso seja aceite, este, através do ESS, irá informar a nova localização da estação ao AP antigo. Este processo é conhecido por roaming e permite às estações moverem-se entre BSSs, pertencentes ao mesmo ESS, sem perderem conectividade. 1.7 Segurança em redes wireless Não se pode negar que as WLAN s têm falhas de segurança, podendo estas ir de ligeiras a graves, dependendo, maioritariamente, do método utilizado na autenticação e encriptação dos dados (sistema aberto ou sistema de partilha de chaves). Num sistema aberto qualquer estação pode pedir autenticação. O AP que recebe o pedido pode conceder autorização a qualquer uma ou apenas aquelas que se encontrem numa lista predefinida. Num sistema de partilha de chaves somente as estações que tenham na sua posse uma chave válida poderão ser autenticadas e a informação encriptada (WPA/WPA2 com AES/TKIP). Não transmitir o SSID nos quadros Beacon, filtrar acessos através de MAC`s (Media Access Control), desactivar controlo remoto, manter o software actualizado, entre outros, são procedimentos que tornam as redes wireless mais robustas e seguras. 8

23 2 Enquadramento institucional O campus hospitalar do IPOCFG, situado em Coimbra, ocupa uma área de aproximadamente m 2 (104mx185m) repartida por cinco edifícios, acessos, jardins e outros. A Figura 4 apresenta uma vista superior do campus. Figura 4: campus hospitalar 9

24 2.1 Enquadramento pessoal Este relatório enquadra-se no trabalho desenvolvido pelo formando no Serviço de Informática do IPOCFG-EPE, no âmbito do estágio (componente de formação em contexto de trabalho CFCT), do Curso de Especialização Tecnológica em Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos leccionado pelo DEIS/ISEC. O estágio decorreu de 20/1/2012 a 15/5/2012, num total de 600 horas, e sob orientação de Pedro Couceiro, especialista de informática do IPOCFG, EPE. 10

25 3 Caracterização do estágio O IPOCFG, EPE, aproveitando o backbone existente no campus hospitalar, estabeleceu uma parceria com a Fundação Portugal Telecom no sentido de estudar a viabilidade e implementação de uma infra-estrutura que disponibilize aos utentes, visitas, Centro de Formação e Biblioteca, um serviço aberto de acesso wireless à internet. Os principais serviços a disponibilizar são: www, e FTP. Futuramente serão avaliadas outras opções. Prevê-se um acesso diário entre 100/150 utilizadores, num total de 200 a 250 horas de utilização, com especial incidência durante o período da manhã, até às 13 /14 horas. O desenvolvimento do projecto segue princípios básicos de segurança nos sistemas de comunicação, deve ter características de elevada disponibilidade, fiabilidade e tolerância a falhas. De forma a obter maior segurança na LAN institucional, e embora utilizando o subsistema de backbone existente, a WLAN funciona como plataforma própria e independente. Tendo em conta o investimento necessário para a sua implementação, o horizonte temporal para a infra-estrutura deverá ser o mais alargado possível, com boa capacidade de evolução e expansão, não só em termos de utilizadores, mas também em termos de volume e tipo de tráfego. As verbas envolvidas não foram divulgadas e, como tal, orçamentações não farão parte do objecto deste estudo. Nesta sequência, o formando foi integrado numa equipa multidisciplinar, com a finalidade de desenvolver o seu projecto de estágio. 11

26 3.1 Plano de trabalhos (cronograma) O estágio iniciou-se com a definição de um plano de trabalho e tempos necessários, conforme cronograma anexo: Tabela 1: cronograma de trabalhos Tarefas Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Levantamento de existências e necessidades Site survey Instalação de equipamento passivo Análise de propostas e aqui_ sição do equipamento activo Instalação e configuração de componentes Testes finais 3.2 Levantamento de existências e necessidades Todos os edifícios são compostos por vários pisos e encontram-se ligados entre si através de uma rede local em fibra óptica e que obedece a um modelo composto por seis níveis hierárquicos: Subsistema de acesso - Engloba os circuitos de comunicação com o exterior (ACSS); Subsistema de distribuição - Refere-se às ligações entre o subsistema de acesso até um dos nós do subsistema de núcleo; Subsistema de núcleo - Corresponde ao nível onde é realizada a interligação do conjunto dos nós principais da infra-estrutura; 12

27 Subsistema de backbone do campus - utiliza fibra óptica multimodo e é constituído por duas cablagens independentes de forma a garantir redundância nas comunicações. Os traçados afiguram uma topologia em anel; Subsistema de backbone de edifício bastidores com patch panel para ligação entre pisos através de cabo UTP Cat6. Em edifícios de menor dimensão utiliza-se apenas um patch panel para ligação aos postos de trabalho; Subsistema horizontal - Utiliza cabo UTP 5e para interligar cada posto de trabalho com o bastidor de piso/edifício. Este subsistema afigura uma topologia física em estrela. O Subsistema de acesso liga à ACSS (Administração Central de Sistemas de Saúde) através da RIS (Rede Informática da Saúde), a partir do edifício do Ambulatório e Administração. É, também, uma ligação em fibra com dois circuitos e sistema de failover para que, em caso de falha, os processos e serviços em execução não sofram interrupções. Figura 5: subsistema de backbone do campus 13

28 Relativamente a necessidades, definiram-se as áreas que devem possuir cobertura wireless : Edifício 1 Ambulatório e Administração: Piso 0 - Sala de espera da Aceitação de Doentes, Biblioteca e Centro de Formação; Piso 1 - Sala de espera das Consultas Externas; Piso 2 - Sala de espera das Consultas Externas; Piso 3 Conselho de Administração e Serviços Administrativos. Na área do piso 0, a Sala de Espera, Biblioteca e Centro de Formação, conquanto sejam áreas contíguas, verifica-se a existência de obstáculos, tais como paredes de betão, vidro, divisórias. O mesmo acontece no piso 3, Conselho de Administração e Serviços Administrativos. Edifício 2 Oncologia Médica e Laboratórios: Piso -1 - Sala de espera da Medicina Nuclear; Piso 0 - Salas de espera do Laboratório de Análises Clínicas e Hematologia; Piso 1 - Sala de espera da Gastro e Pneumologia; Piso 2 - Sala de espera do Hospital de Dia e consultas de Quimioterapia; Piso 3 Internamento de Quimioterapia. O piso 3 é composto por salas de internamento, vestiários, salas de trabalho e pensos de enfermagem, casas de banho, entre outros, logo a existência de obstáculos como betão, vidro, madeira, etc.. Edifício 3 Cuidados Paliativos e Hotel: Piso 2 - Cuidados Paliativos; Piso 3 - Hotel (piso3). Ambos os pisos se destinam a internamento, daí a existência de obstáculos como betão, vidro, madeira, etc.). 14

29 Edifício 4 Radioterapia: Piso 0 - Sala espera para tratamentos; Piso 1 - Internamento; Piso 2 - Ambulatório. Tanto no piso 1 como no piso 2 existem as condicionantes verificadas anteriormente nos espaços destinados a internamento (existência de obstáculos). Porque se trata de um serviço com aparelhagem sensível à RF, foi despistada qualquer hipótese de interferências, principalmente no piso 0 (localização dos equipamentos de radioterapia). Edifício 5 Cirurgia e Imagiologia: Piso 0 - Salas espera interior e exterior (Rx); Piso 1 - Internamento Urologia e ORL; Piso 3 Internamento de Cirurgia. Embora seja pequena a distância entre as salas de espera do piso 0 (poucos metros), entre ambas existem paredes, portas de madeira e vidro e caixa de elevadores. No piso 0 funciona a Imagiologia e, porque se trata de um serviço com equipamento sensível à RF, foi igualmente despistada qualquer hipótese de interferências. Os pisos 1 e 3 têm um ambiente próprio de internamento, já descrito anteriormente. De salientar que todos os edifícios são de construção relativamente recente, não existindo paredes de pedra excessivamente grossas, características de algumas construções mais antigas, que dificultam a propagação do sinal. 15

30 3.3 Site survey Na elaboração de um projecto de redes sem fios, o site survey é de primordial importância. Através de uma inspecção minuciosa às áreas a implantar a rede, foram analisados os requisitos mais importantes para um bom desempenho. Para tal, munimo-nos de plantas dos locais onde assinalámos os principais pontos de interesse: bastidores, pontos de rede e ligações existentes, tomadas eléctricas, onde necessário, paredes, vigas, janelas, escadas, aparelhos de ar condicionado, elevadores, etc. Uma vez que existem locais próximos de copas, cozinhas e secretariados, foi ainda prestada especial atenção à existência de microondas, humidade local e ventilação, telefones sem fios, entre outras. A medição/cálculo de cobertura pode ser efectuada de várias formas. Aquela que adoptámos, por acharmos a mais correcta, consistiu em colocar um AP no extremo da área a cobrir e ir afastando até onde o sinal permaneceu aceitável. Ao chegar a esse limite reposicionou-se o AP próximo do local e continuou-se a medição. Figura 6: cálculo e localização do novo AP Esta prática agiliza os testes iniciais, pois já mostra o alcance médio do sinal do equipamento e evita que o ponto de acesso tenha que ser reposicionado várias vezes. Em locais onde foi necessário utilizar mais do que um AP para cobrir a área desejada, este foi colocado, inicialmente, a cerca de 85% do raio medido do primeiro e configurado num canal diferente (1, 6 ou 11) para evitar interferências em áreas sobrepostas. Por exemplo: Se o sinal medido ficou bom até uma distância de 10 metros, o segundo AP foi colocado para testes a 18,5 metros de distância do primeiro (10m + 8,5m). 16

31 Figura 7: locais em que a área de cobertura exigia mais do que um AP 3.4 Ferramentas Na realização do site survey foram utilizados computadores pessoais, AP`s, cabos, e outros. A nível de software foi utilizado o inssider, gratuito para Windows, que permite a obtenção de informação relevante para esta finalidade: lista de redes wireless disponíveis na área, intensidade do sinal, canal, tipo de encriptação, etc. Figura 8: site survey As plantas dos edifícios com os resultados dos testes de cobertura de sinal encontram-se na página 31 como apêndice. 17

32 Os locais e número de APs a instalar são os descritos na seguinte tabela: Tabela 2: distribuição de APs Edifício Local Piso -1 Piso 0 Piso 1 Piso 2 Piso 3 Auditório 1 Biblioteca 1 Ambulatório e Administração Onc.Médica e Laboratórios Hotel e C.Paliativos Radioterapia Cirurgia e Imagiologia Hexágono 1 Sala Espera 1 Sala Espera 1 Sala Actos 1 S.Informática 1 Total 7 Medicina Nuclear 1 Patologia Clínica 1 Imunohemoterapia 1 Gastro 1 Hospital de Dia 1 Corredor 2 Total 7 Paliativos 2 Hotel 3 Total 5 Sala Espera 1 Corredor 2 Corredor 2 Total 5 Hall Rx 1 Sala Espera Rx 1 Urol. Corredor 2 UCI Corredor 1 Cir. Corredor 2 Ginec. Corredor 1 Total 8 Total geral 32 18

33 3.5 Instalação de equipamento passivo Devido à inexistência de tomadas ou cabos de rede em quase todos os locais onde foram colocados os APs, procedeu-se à sua instalação tendo em consideração os seguintes princípios genéricos: Normalização instalação de tomadas e cablagem UTP Cat.6, de acordo com as normas internacionais ISO/IEC e com a norma europeia EN 50173; Funcionalidade o backbone de infra-estrutura deverá suportar tecnologias de comunicação em rede local (Ethernet, FastEthernet, GigabitEthernet), bem como a possibilidade de interligação de acordo com as normas de comunicação série assíncrona (terminais não inteligentes, ligações a modems e impressoras); Capacidade no subsistema horizontal, instalação de cabos de par entrançado UTP, com largura de banda de 100 MHz em quatro pares, possibilitando comunicações a 1Gbps; Adaptabilidade capacidade da estrutura de rede em resistir e permitir a adaptação a mudanças nos equipamentos terminais, de modo a poder ser instalado qualquer outro equipamento informático; A passagem de cabos foi, de um modo geral, facilitada por calhas e condutas próprias já existentes e que se localizam sob tecto falso. Após colocação de toda a cablagem foram cravadas as fichas e, com um cable tester, testadas todas as ligações. 3.6 Análise de propostas e aquisição do equipamento activo Entendeu-se que para uma mais fácil e correcta análise de propostas e selecção de equipamento activo, este deveria obedecer aos seguintes critérios: Normalização os equipamentos a utilizar deverão respeitar as normas internacionais relativas a comunicação de dados e protocolos de comunicação; 19

34 Modularidade deverão ser utilizados equipamentos modulares ou de funcionalidade equivalente reconfiguráveis, de forma a poderem acompanhar modificações na infra-estrutura; Expansibilidade deverão ser utilizados equipamentos com capacidade vaga e margens para futuras expansões, de forma a acompanharem o crescimento da infra-estrutura; Funcionalidade os equipamentos deverão suportar as arquitecturas de comunicação TCP/IP, bem como todas as aplicações suportadas por estas; Disponibilidade os equipamentos deverão possuir características de tolerância a falhas, nomeadamente capacidades de auto-diagnóstico; Segurança os equipamentos deverão dispor de mecanismos de segurança que garantam protecção contra intrusões, escutas e outros ataques à segurança dos equipamentos, aplicações e informação; Facilidade de gestão os equipamentos deverão dispor da possibilidade de gestão e monitorização remota e permitirem login remoto para tarefas de manutenção e monitorização. Para selecção foram apresentadas duas propostas, constituídas por equipamentos das marcas SMC e HP. Tabela 3: solução SMC proposta Part-Number Equipamento Quantidade SMCE21011 EU SMCE21011 Wireless AP 300M 32 SMCGS8P-Smart SMCGS8P-Smart 8x10/100/1000 PoE Switch 4 SMC1GSFP-SX SMC1GSFP-SX Transceiver 1x1000BASE-SX 4 SMC6128PL2 24x100, PoE 2x1000+2Combo ES3528M-PoE: 24-Port Gb + 4 Combo G Switch 1 SMCWHSG14-G EU SMCWHSG14-G Hotspot gateway 1 20

35 Tabela 4: solução HP proposta Part-Number Equipamento Quantidade J9427B HP MSM410 WW Access Point 32 JD493A HP X124 1G SFP LC SX Transceiver 4 JD877A HP PoE Switch 4 JD864A HP G-PoE Switch 1 J9421A HP MSM760 Access Controller 1 Tendo em conta o descrito anteriormente e a garantia de qualidade, optou-se pelo pacote da HP. Características Access Point (J9427B) Descrição do produto: HP MSM410 Access Point WW Tipo de dispositivo: Ponto de acesso sem fios Dimensões (LxPxA): 15.6 cm x 13.2 cm x 4.9 cm Protocolo de Ligação de Dados: Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet, IEEE b, IEEE a, IEEE g, IEEE n (draft 2.0) Modo de comunicação: Half-duplex, full-duplex Características: Auto-uplink (auto MDI/MDI-X), tecnologia MIMO, apoio de Multimédia Wi-Fi (WMM), apoio Port Aggregation Protocol (PAgP) Algoritmo de encriptação: TLS, PEAP, TTLS, WPA-Enterprise, WPA2-Enterprise Método de autenticação: MS-CHAP v.2 Padrões de conformidade: IEEE 802.3, IEEE 802.3u, IEEE b, IEEE a, IEEE 802.3af, IEEE d, IEEE g, IEEE 802.1x, IEEE i, IEEE h, IEEE n (draft 2.0) Qtd antenas: 3 21

36 Directividade: Omnidireccional Consumo de potência em modo operacional: 8 Watt Power Over Ethernet (PoE): Sim Transceiver (JD493A) Transmissão duplex com a utilização de duas fibras multimodo A velocidade de transmissão de até 1,25 Gb / s (IEEE 802.3z 1000Base-FX) O intervalo de transmissão de até 2 km Conectores ópticos LC Switch (JD877A) Portas: 8 portas PoE 10/100 RJ-45 com detecção automática (10BASE-T tipo IEEE 802.3, 100BASE-TX tipo IEEE 802.3u, PoE IEEE 802.3af), Duplex: half ou full; 1 porta 10/100/1000 RJ-45 com funcionalidade dupla (10BASE-T tipo IEEE 802.3, 100BASE- TX tipo IEEE 802.3u, 1000BASE-T tipo IEEE 802.3ab); 1 porta de consola serial RJ-45 Memória e processador: Processador: BRCM a 133 MHz, 32 MB de SDRAM, tamanho do buffer de pacotes: 1 MB, 8 MB de flash Latência: Latência de 100 Mb: < 5 µs; Latência de 1000 Mb: < 5 µs Capacidade de routing/switching: 3,6 Gbps Caracteristicas de gestão: interface de linha de comando limitada; Navegador Web; SNMP Manager; IEEE Ethernet MIB Voltagem de entrada: 100 a 240 VAC Frequência de entrada: 50/60 Hz Segurança: UL 60950; IEC ; EN ; CAN/CSA-C22.2 Nº

Redes de Computadores

Redes de Computadores Projecto de cablagem estruturada Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Projecto de cablagem Metodologia 1. Definição de requisitos 2. Planeamento 3. Projecto 2 Exemplo Empresa

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas FICHA DE TRABALHO Nº3 José Vitor Nogueira Santos Topologia de Redes Fibra Óptica e Wireless - 0830 Mealhada, 2009

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação

WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação WL-5470POE Hi-Powered Ponto Acesso POE com oito Modos de Operação omo fornecedor e líder global de soluções WISP, AirLive compreende as aplicações dos ambientes dos operadores WISP. Como resultado, estamos

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Redes Wireless. 26/1/07 Rui Santos

Redes Wireless. 26/1/07 Rui Santos Redes Wireless 26/1/07 Rui Santos Índice Introdução Classificação das redes sem fios Padrões Wi-Fi Equipamento necessário Segurança Links 05-02-2007 2 Introdução http://pt.wikipedia.org/wiki/rede_sem_fios

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa

Ficha de Avaliação Sumativa Ficha de Avaliação Sumativa Nome: Nazmul alam Classificação: Nº: 11 Enc. Educação: Professor: 1. Numa LAN, qual tem melhor performance: IPX/SPX ou TCP/IP? IPX/SPX 2. Para que serve uma placa de rede? Estabelecer

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio

Redes Sem Fio. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Rede Sem Fio. 2.2. Zona de Cobertura. Tecnologias Atuais de Redes Redes Sem Fio 1. Introdução Geralmente, a forma mais rápida de se implementar uma rede de computadores é por meio da utilização de cabos, sejam eles de par trançado ou de fibra óptica. Para pequenas redes, com poucos

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Integração das LANs das Delegações Remotas

Integração das LANs das Delegações Remotas Câmara Municipal do Funchal Integração das LANs das Delegações Remotas 2011 Índice Índice... 2 1 Objecto do Concurso... 3 2 Caracterização da actual Infra-Estrutura das redes remotas da CMF... 3 3 Descrição

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 2 Redes Sem Fio Tecnologias Atuais de Redes - Redes Sem Fio 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Alcance Interferência Padrões Segurança Tecnologias Atuais de Redes - Redes

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Sistema de rede local sem fio Interference-Free da Extricom. Wireless On the Move

Sistema de rede local sem fio Interference-Free da Extricom. Wireless On the Move Sistema de rede local sem fio Interference-Free da Extricom Wireless On the Move On the Move Sistema de rede local sem fio da Extricom Aumente suas expectativas A arquitetura Interference- Free da Extricom

Leia mais

Manual de Configuração de Rede sem Fio.

Manual de Configuração de Rede sem Fio. IFBA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA Manual de Configuração de Rede sem Fio. 2010 T U R M A : 93631. IFBA - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Prof.: Rafael Reale Disciplina:

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC

IEEE 802.11a. IEEE 802.11b. IEEE 802.11a/b/g. IEEE 802.11g. IEEE 802.11n 23/09/2015. Histórico Funcionamento Padrões Equipamentos Wimax PLC Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Histórico Funcionamento Padrões Wimax PLC H I S T Ó R I C O Wire (cabo, fio) + Less (sem) IEEE 802.11a IEEE 802.11b IEEE 802.11g IEEE 802.11n Faixa 5GHZ

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Tecnologias de rede local ETHERNET Redes locais virtuais (VLAN) Redes locais sem fios 1 Redes ETHERNET CSMA/CD As redes ETHERNET (IEEE 802.3 / ISO 8802-3) foram

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens:

Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: Redes Sem Fio Instalação Na implantação de um projeto de rede sem fio existem dois personagens: O Projetista é o responsável: Cálculo dos link e perdas Site survey (levantamento em campo das informações)

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300

EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 EN2HWI-N3 Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 Introdução O Roteador Sem Fio para Jogos Online N300 fornece de alta velocidade com o padrão 802.11n, que realça a sua experiência em jogos online e multimídia.

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores. Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12)

Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores. Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12) Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12) Ricardo Costa nº5963 João Caixinha nº5946 Manuel Terlica nº5968 Pedro Rodrigues

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus

Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus Proposta de Implementação de hotspot wireless na Unipac -Campus Magnus Daniel Ferreira Silva 1, Luis Augusto Mattos Mendes 2 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 8: Segurança de Redes Sem Fio Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Uma Wireless LAN (WLAN) é uma rede local sem fio padronizada pelo IEEE 802.11.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

A.DUO. Dupla Banda Alta-Potência PoE AP Router. Rádios Duplos Hi-Powered Atheros

A.DUO. Dupla Banda Alta-Potência PoE AP Router. Rádios Duplos Hi-Powered Atheros A.DUO Dupla Banda Alta-Potência PoE AP Router Dupla Banda AP Router em Simultâneo 11a + 11a/b/g Rádios Alta-Potência 802.3af Porta PoE 108Mbps Atheros modos Super Turbo 7 Modos Operação Wireless Suporta

Leia mais

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Sumário: Novas Técnicas aplicadas na Ethernet Full-duplex na Ethernet Controlo de

Leia mais

Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso.

Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso. Devido ao contínuo aperfeiçoamento de nossos produtos e serviços, as especificações descritas a seguir estarão sujeitas a alterações sem prévio aviso. Antes de utilizar o equipamento verifique a disponibilidade

Leia mais

Transmissão através de pulsos elétricos. Pode ser não blindado (UTP unshielded twisted pair) ou blindado (STP shielded twisted pair).

Transmissão através de pulsos elétricos. Pode ser não blindado (UTP unshielded twisted pair) ou blindado (STP shielded twisted pair). CONCEITOS INICIAIS REDE: LINK: NÓ: PROTOCOLO: Conceitos iniciais Dois ou mais nós, interligados entre si através de um link de transmissão, utilizando protocolos de comunicação. Vantagens de uso de rede:

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação de Referência Switches Wireless LAN (Controlador de Rede sem Fio) Alguns itens apresentam opções de configuração, refletindo nos aspectos originais de preço e características da máquina Código

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Visão geral LigoPTP serie

Visão geral LigoPTP serie Visão geral LigoPTP serie Introdução Este documento descreve as características básicas e as principais da linha de produtos LigoWave LigoPTP. Para obter informações técnicas detalhadas, por favor, consulte

Leia mais

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Campus Virtuais Arquitectura de Roaming Nacional Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Versão 2.0 03 de Julho de 2009 Requisitos de uma solução nacional de roaming A implementação de uma solução de nacional

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Redes WI-FI COMO EVOLUIU A NORMA IEEE 802.11?

Redes WI-FI COMO EVOLUIU A NORMA IEEE 802.11? Redes WI-FI COMO EVOLUIU A NORMA IEEE 802.11? Wi-Fi: evolução e funcionamento Surgiu em 1995,pela empresa Ericsson, o Bluetooth, que permitiu transmitir dados entre vários dispositivos, mas sem fios. Este

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x.

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x. 1 Introdução A comunicação de dados por redes sem fio (Wireless Local Area Network - WLAN - Padrão IEEE 802.11b) experimenta uma rápida expansão tecnológica, proporcionando novas soluções para serem implementadas

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE DEPARTAMENTO DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES LICENCIATURA EM ENG. ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES ANO 2002/2003 REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE RESUMO DOS DOCUMENTOS Realizado por : Pedro Nuno

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME. Prezado(a) Sr(a) Giancarlo Bergamo Cecilio,

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME. Prezado(a) Sr(a) Giancarlo Bergamo Cecilio, POR FAVOR NÃO IMPRIMA ESTA PÁGINA. GRATO!!!!! PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC Curitiba, PR, 05 de NOVEMBRO de 2012. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME CNPJ: 11.195.926/0001-04 e-mail:

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

AULA 9: REDES SEM FIO

AULA 9: REDES SEM FIO AULA 9: REDES SEM FIO Objetivo: Detalhar conceitos sobre a aplicação, configuração, métodos utilizados para autenticação de usuários e segurança de acesso a redes sem fio. Ferramentas: - Emuladores de

Leia mais