UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA / UNAMA PA CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA / UNAMA PA CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA / UNAMA PA CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALBINO LUTIANNI ROSAS MOREIRA JOKEHOOLDYSON OLIVEIRA BATISTA ANÁLISE COMPARATIVA DE CASAS POPULARES COM SISTEMA EM ALVENARIA DE TIJOLO CERÂMICO REVESTIDO, BLOCO DE CONCRETO, ESTRUTURA EM AÇO, MADEIRA E SOLO CIMENTO. Belém PA 2009

2 ALBINO LUTIANNI ROSAS MOREIRA JOKEHOOLDYSON OLIVEIRA BATISTA ANÁLISE COMPARATIVA DE CASAS POPULARES COM SISTEMA EM ALVENARIA DE TIJOLO CERÂMICO REVESTIDO, BLOCO DE CONCRETO, ESTRUTURA EM AÇO, MADEIRA E SOLO CIMENTO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora da Universidade da Amazônia/UNAMA - PA, Curso de Engenharia Civil. Orientador: Prof. Ms. Antonio Massoud Salame BELÉM PA

3 ALBINO LUTIANNI ROSAS MOREIRA JOKEHOOLDYSON OLIVEIRA BATISTA ANÁLISE COMPARATIVA DE CASAS POPULARES COM SISTEMA EM ALVENARIA DE TIJOLO CERÂMICO REVESTIDO, BLOCO DE CONCRETO, ESTRUTURA EM AÇO, MADEIRA E SOLO CIMENTO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora da Universidade da Amazônia/UNAMA - PA, Curso de Engenharia Civil. Orientador: Prof. Ms. Antonio Massoud Salame BANCA EXAMINADORA: Prof Instituição: Data: Prof Instituição: Data: Prof Instituição: Data: BELÉM PA

4 Dedicamos esse trabalho a todas as pessoas que de alguma forma contribuíram para o nosso sucesso, principalmente nossos pais. 4

5 AGRADECIMENTOS As nossas famílias, pela força, incentivo, confiança, amor, dedicação durante toda esta caminhada, sem a qual, jamais teríamos chegado tão longe. Agradecemos também aos nossos amigos pelo companheirismo e incentivo nos dado durante toda essa caminhada rumo a graduação. Agradecemos ao nosso orientador, o Professor Ms. Antônio Massoud Salame, pela orientação, confiança e principalmente paciência depositada neste trabalho 5

6 RESUMO Não só no Brasil, mas em todo o mundo o déficit habitacional se faz presente como um grande problema a ser resolvido. Há falta de moradia ou moradia de péssimas qualidades vem se tornando constantes não só nos países subdesenvolvido como também nos desenvolvidos. No intuito de tentar amenizar este problema mundial. Fazem-se necessários estudos de novos materiais e novas técnicas construtivas, para se achar as melhores soluções que possam proporcionar uma melhor qualidade de vida. Este trabalho realiza um estudo de caso para uma casa popular térrea de 36 m² comparando os custos da estrutura e vedações, para paredes em tijolo cerâmico revestido, estruturado em concreto, paredes e estrutura em blocos de concreto, estrutura em aço com paredes em tijolo cerâmico, estrutura e vedações em madeira e solo cimento estruturado em concreto. Conclui que a solução mais econômica é solo cimento e bloco de concreto, ambos não revestidos. Porém ao analisarmos a opção com revestimento (chapisco, reboco e pintura) a mais econômica é a alvenaria em tijolo cerâmico. 6

7 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1: Tipo de blocos cerâmicos...05 Figura 2.2: Tijolos cerâmicos de 8 e 6 furos...05 Figura 2.3: Execução de alvenaria. Primeira fiada...06 Figura 2.4: Execução de alvenaria. Primeira fiada...07 Figura 2.5: Nivelamento e prumo...07 Figura 2.6: Tipo de blocos de concreto...10 Figura 2.7: Colocação da linha para alinhamento e nivelamento...11 Figura 2.8: Molhando a superfície do pavimento...11 Figura 2.9: Colocação da primeira fiada...12 Figura 2.10: Demonstração estrutural da moradia...14 Figura 2.11: Perfis / Colunas...16 Figura 2.12: Modelo de Casa em madeira...16 Figura 2.13: Produção e Armazenagem de tijolos de solo-cimento...19 Figura 3.1: Planta Baixa...21 Figura 3.2: Planta de Cobertura...22 Figura 3.3: Vista Frontal...22 Figura 3.4: Gráfico Percentual de Custo da Alvenaria em tijolo cerâmico revestida...25 Figura 3.5: Gráfico Percentual de Custo do Bloco de concreto não revestido...26 Figura 3.6: Gráfico Percentual de Custo do Bloco de concreto revestido...28 Figura 3.6: Gráfico Percentual de Custo da Estrutura Metálica...29 Figura 3.7: Gráfico Percentual de Custo da residência em Madeira...30 Figura 3.8: Gráfico Percentual de Custo Solo Cimento...31 Figura 4.1: Gráfico de custo global...32 Figura 4.2: Gráfico de custo por M²

8 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1: Dimensões dos blocos de vedação e estruturais...04 Tabela 2.2: Dimensões padronizadas dos blocos de concreto...09 Tabela 2.3: Espessura mínima das paredes dos blocos de concreto...10 Tabela 2.4: Dimensões dos perfis...14 Tabela 2.5: Nomenclatura de peças de madeira serrada...17 Tabela 2.6: Tipos de tijolos de solo-cimento...18 Tabela 3.1: Planilha de custo alvenaria em tijolo cerâmico revestido...24 Tabela 3.2: Planilha de custo bloco de concreto não revestido...26 Tabela 3.3: Planilha de custo bloco de concreto revestido...27 Tabela 3.4: Planilha de custo estrutura metálica...29 Tabela 3.5: Planilha de custo da residência em madeira...30 Tabela 3.6: Planilha de custo solo cimento...31 SUMÁRIO CAPÍTULO I

9 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO METODOLOGIA...02 CAPÍTULO II APRESENTAÇÃO DOS POSSIVEIS MATERIAIS UTILIZADOS PARA CASAS POPULARES BLOCO CERÂMICO Apresentação do material Composição do material Produto de mercado Dimensões e peso Procedimentos executivos Vantagens Desvantagens BLOCO DE CONCRETO Apresentação do material Composição do material Produto de mercado Dimensões e peso Procedimentos executivos Vantagens Desvantagens ESTRUTURA EM AÇO Apresentação do material Composição do material Dimensões e peso Procedimentos executivos Vantagens Desvantagens MADEIRA Apresentação do material Produto de mercado

10 2.4.3 Dimensões Vantagens Desvantagens SOLO CIMENTO Apresentação do material Composição do material Dimensões e peso Procedimento executivos Vantagens Desvantagens...20 CAPÍTULO III ESTUDO DO CASO APRESENTAÇÃO DO PROJETO MODELO CONSIDERAÇÕES GERAIS QUANTITATIVOS GERAIS DO PROJETO Paredes e vedações Revestimento de paredes Pilares de amarração e percintas LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DE MATERIAL E CUSTO Alvenaria em tijolo cerâmico revestido Bloco de concreto Estrutura em aço Madeira Solo cimento...31 CAPÍTULO IV ANALISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES...32 CAPÍTULO V CONCLUSÕES...34 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA...35 LISTA DE ANEXOS Anexo I

11 Anexo II...38 Anexo III...39 Anexo IV

12 CAPÍTULO I 1. INTRDUÇÃO 1.1 JUSTIFICATIVA O Brasil apresenta um alto déficit habitacional. Existem milhões de famílias que não possuem condições habitacionais adequadas. Nas grandes e médias cidades é muito comum a presença de favelas e cortiços. Encontramos também pessoas morando nas ruas, embaixo de viadutos e pontes. Nestes locais, as pessoas possuem uma condição inadequada de vida, passando por muitas dificuldades. acesso à internet (janeiro de 2009). Diversas propostas já foram estudas para solucionar, ou pelo menos amenizar, este grave problema que assola o país. Alguns programas foram criados como Projeto Moradia, PROHAB Programa de Habitação Social, Habitação 1.0, mas estes programas acabam se enfraquecendo com a baixa eficiência produtiva. (MARSON 2003). Grandes esforços estão sendo feitos no sentido de se conseguir construir mais, a custos menores e com maior velocidade, mas estes ainda são insuficientes. Analisando a cultura da construção civil no Brasil, que tem como foco a construção em concreto armado, verifica-se que as construções em aço, solo cimento e outros materiais alternativos são pouco usuais. Porém com a renovação da Engenheira Civil a cultura da construção civil vem sendo alterada melhorando com isso as construções e assim viabilizando a aplicação de novos métodos construtivos com materiais alternativos com o menor custo e uma maior produtividade. Com a utilização de novos materiais tenta-se estimular programas que visem acabar com a falta de moradia no país podendo resolver esse problema que não afeta só aquele que não têm abrigo, mas sim toda a população em geral. 12

13 1.2 OBJETIVO Temos como objetivo estudar e analisar os diversos materiais tantos convencionais como os alternativos com o intuito de construir mais, a custos menores e com maior velocidade. Identificar uma solução de menor custo para construção de casas populares, definindo assim um projeto que possa melhorar as condições habitacionais e diminuir o déficit habitacional que tanto assola nosso País. 1.3 METODOLOGIA A metodologia empregada será avaliar utilização de diversos materiais que possam ser utilizados na construção de uma casa popular de 36 m². Os materiais que serão estudados para esse trabalho são: Os blocos cerâmicos, blocos de concreto, estruturas em aço, madeira, e solo cimento. Tendo como finalidade também analisar a suas características como: Composições, produtos de mercado, dimensões, peso, procedimento executivos, custo por m², vantagens e desvantagens. Depois, realiza um estudo de caso para um projeto piloto de uma residência de 36m² onde será levantado o quantitativo de material utilizado para: alvenaria, estrutura, revestimento e pintura. Como suas composições para cada etapa, levando em consideração nas composições valores da mão de obra, encargos sociais e o material utilizado. Após analises comparativas de custos dos demais materiais estudados, constatar o material mais barato a ser empregado na construção do projeto piloto. CAPÍTULO II 13

14 2.0 APRESENTAÇÃO DOS POSSÍVEIS MATERIAIS UTILIZADOS PARA CASAS POPULARES 2.1 BLOCO CERÂMICO Apresentação do material De acordo com Bauer (1992), a indústria da cerâmica é uma das mais antigas do mundo, devido a sua facilidade em abundancia de matéria prima a argila. Conforme NBR 8042 os blocos cerâmicos são componentes da alvenaria que possuem furos prismáticos ou cilíndricos perpendiculares as faces que os contém. Segundo Petrucci (2003), podemos classificar os blocos cerâmicos em blocos comuns maciços, blocos comuns furados e blocos especiais furados. A sua fabricação se dá por extrusão, onde a massa de argila ja limpa é pressionada através do molde que dará a forma da seção transversal. Com a coluna extrudada obtida, passa por um cortador, onde se tem a dimensão do componente, perpendicular a seção, transversal. Posteriormente os blocos são submetidos a secagem e a queima é feita com a temperatura entre C e C. Nelson Ely Filho acesso à internet (janeiro de 2009) Composição do material Os blocos cerâmicos são elementos construtivos bastante utilizados em alvernarias (vedação, estrutural ou portante). Podendo apresentar furos de varios formatos, sendo paralelos a qualquer um dos eixos. Sendo normalmente compostos de argila. Nelson Ely Filho acesso à internet (janeiro de 2009) Produtos de mercado 14

15 No Brasil os dois tipos de blocos cerâmicos mais utilizados na construção civil são: blocos de vedação destinados a execução de paredes, com a capacidade de suportar seu peso próprio e pequenas cargas, geralmente utilizados com os furos na horizontal, e o bloco estrutural ou portantes, que além de exercerem função de paredes, podem ser utilizados em edificações podendo substituir pilares e vigas de concreto devido a sua elevada resistência mecânica são geralmente utilizados com os furos sempre na vertical. Nelson Ely Filho acesso à internet (janeiro de 2009) Conforme a Ceramica Vermelha e Ceramica tropical (2009) que fornecem tijolos cerâmicos para todo o estado do Pará. Os tijolos mais usados são: tijolos de 6 furos e 8 furos. Sendo que os de 6 furos são mais utilizados para alvernaria convencional e os de 8 furos para edificações Dimensões e Peso Conforme Reis (2008), os blocos cerâmicos são fabricados com formas e dimensões variadas, conforme as normas: NBR 8042 Bloco Cerâmico para alvenaria: Formas e Dimensões NBR Tabela 2.1: Dimensões dos blocos de vedação e estruturais De acordo com Bauer (1992), os blocos cerâmicos possuem massa Fonte: NBR 8042 Bloco cerâmico para alvenaria: forma e dimensões. 15

16 específica média de 1,7 kg/dm³, para os tijolos maciços. Já os tijolos furados apresentam uma massa especifica média de 1,1 kg/dm³, porém as variações são grandes. Na Figura 2.1 e Figura 2.2 mostramos alguns tipos de blocos cerâmicos comercializados no Brasil. Figura 2.1: Tipo de blocos cerâmicos Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) Figura 2.2: Tijolos cerâmicos de 8 e 6 furos Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) 16

17 2.1.5 Procedimentos Executivos. Nas construções de pequeno porte, as paredes são assentadas diretamente a partir das fundações, podendo ser sobre radier, baldrame ou sobre a parte superior das vigas (cintas) de concreto armado que amarram as sapatas de fundação. Depois de escolhido a forma de assentamento, são assentados os blocos de canto, para poderem servir de apoio a uma linha a ser esticada entre eles, com pregos fixados na argamassa das juntas para servir de guia para colocação dos tijolos da primeira fiada de alvenaria, verificando-se o nivelamento (horizontal) com um nível de bolha, apoiado na régua de pedreiro, procedendo-se desta forma para todos os cantos, cruzamentos e extremidades. (Edmundo Rodrigues) Execução de Alvenaria acesso á internet (janeiro 2009) São então levantadas, primeiramente, prumadas guias, com o cuidado e ficarem perfeitamente verticais (de prumo), e com os blocos colocados de forma que as juntas de cada fiada fiquem desencontradas. São então assentadas as fiadas seguintes, uma a uma até a altura desejada. (Edmundo Rodrigues) Execução de Alvenaria acesso á internet (janeiro 2009) A argamassa de assentamento utilizada é de cimento e areia no traço 1:8. A Figura 2.3 e a Figura 2.4 mostra a execução da primeira fiada de alvenaria. Figura 2.3: Execução de alvenaria. Primeira fiada. Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) 17

18 Figura 2.4: Execução de alvenaria. Primeira fiada. Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) A Figura 2.5 tem como função mostrar como é feito o nivelamento e prumo da alvenaria com bloco cerâmico. Figura 2.5: Nivelamento e prumo. Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) 18

19 2.1.6 Vantagens Os blocos cerâmicos podem apresentar várias vantagens tais como leveza, bom isolamento termico e acústico, facilidade de assentamento, permitir a utilização de componente pré- moldados etc Desvantgem Apesar das dimensões serem normativas nem todas as fabricas apresentam esse controle de qualidade em relação as dimensões e a queima do do bloco cerâmico. 2.2 BLOCO DE CONCRETO Apresentação do material São blocos utilizados para a construção de paredes de vedação e também em paredes estruturais. O bloco de concreto apresenta a mesma função dos Blocos cerâmicos porem com características diferenciadas. Os blocos prémoldados são fabricados utilizando concreto, que é lançado em fôrmas, gerando o formato do bloco desejado. O processo difere do bloco cerâmico, no qual a argila é moldada no formato desejado, e depois o bloco é queimado até endurecer. Material de Construção acesso á internet (janeiro 2009) De acordo com a NBR 6136 os blocos de concreto vazados devem atender as seguintes classes: a) Classe AE para o uso em geral como em paredes externa acima ou abaixo do nível do solo, podem ser expostas á umidade ou intempéries, e que não recebem revestimento de argamassa de cimento; b) Classe AB limitados ao uso acima do nível do solo, em paredes externas com revestimento de argamassa de cimento, para proteger contra intempéries e paredes não expostas às intempéries. 19

20 2.2.2 Composição do material Conforme a NBR 6136 os blocos vazados para alvenaria estrutura são constituídos basicamente de cimento Portland, agregado miúdo e água Produtos de mercado Atualmento podemos enconctrar dois tipos de blocos de cocncreto, os bloco de vedação que são aqueles para alvenaria sem função estrutural e os blocos estruturais que são utilizados para alvenaria estrutural Dimensões e Peso Os blocos de concreto possuem dimensões reais e normatizadas conforme NBR Porem seu peso é variado dependendo do tipo de bloco e o MPA. Tabela 2.2: Dimensões padronizadas dos blocos de concreto. Tolerância de + 3mm Fonte: NBR 6136 Bloco Vazado de Concreto Simples Para a Alvenaria Estrutural. A espessura mínima das paredes dos blocos também é normatizada. 20

21 Tabela 2.3: Espessura mínima das paredes dos blocos de concreto (A) Média das medidas das três paredes no ponto mais estreito. (B) Soma das espessuras de todas as paredes transversais do bloco dividido pelo comprimento do bloco Fonte: NBR 6136 Bloco Vazado de Concreto Simples Para a Alvenaria Estrutural. Podemos verificar alguns tipos de blocos de concreto conforme a Figura Procedimentos Executivos. Figura 2.6: Tipo de blocos de concreto. Fonte: acesso á internet (janeiro 2009) Os procedimentos executivos dos blocos de concreto se assemelham com os dos blocos cerâmicos, podendo ser assentados diretamente a partir da fundação, sobre radier, baldrame ou sobre parte superiores de vigas (cintas). 21

22 Após a escolha de fundação inicia-se o posicionamento da linha conforme mostra a Figura 2.7 para garantir o nivelamento e o alinhamento das fiadas. Figura 2.7: Colocação da linha para alinhamento e nivelamento. Fonte: Associação brasileira de cimento Portland Alvenaria com blocos de concreto práticas recomendadas acesso á internet (janeiro 2009) Após a colocação da linha, molha-se a superfície do pavimento na direção da parede a ser levantada antes da aplicação da argamassa (Figura 2.8). Figura 2.8: molhando a superfície do pavimento. Fonte: Associação brasileira de cimento Portland Alvenaria com blocos de concreto práticas recomendadas acesso á internet (janeiro 2009) 22

23 Depois de feito isso aplicar a argamassa de assentamento na largura aproximada do bloco, iniciando-se o assentamento da primeira fiada sempre verificando o prumo e o alinhamento da alvenaria conforme a Figura 2.9. Depois de colocado a primeira fiada aplica-se novamente a argamassa nas paredes longitudinais, transversais e septos dos blocos. Os blocos são colocados de forma que as juntas de cada fiada fiquem desencontradas. São então assentadas as fiadas seguintes, uma a uma até a altura desejada. Figura 2.9: Colocação da primeira fiada. Fonte: Associação brasileira de cimento Portland Alvenaria com blocos de concreto práticas recomendadas acesso á internet (janeiro 2009) Vantagens Os blocos de concreto apresentam como vantagens menor exigência de argamassa para seu assentamento em relação aos blocos cerâmicos, maior rapidez de assentamento de possuírem dimensões maiores que os blocos cerâmicos, redução do uso de formas e armaduras e maior resistência que o tijolo comum e o solo-cimento. Fonte: acesso á internet (Fevereiro 2009). 23

24 2.2.7 Desvantagens Menor conforto térmico em relação ao bloco cerâmico e o solo-cimento, além de serem elementos mais caros se comparados aos blocos cerâmicos. Fonte: acesso á internet (Fevereiro 2009) 2.3 ESTRUTURAS EM AÇO Apresentação do material Segundo Petrucci (2003) aço é todo produto siderúrgico obtido por via liquida com teor de carbono inferior a 2%. Ainda recebe a classificação de que ele é o mais importante e versátil das ligas metálicas. O uso do aço na construção segundo a Revista Brasileira do Aço (agosto/2003) é uma das alternativas para diminuir o déficit habitacional brasileiro que nos dias atuais é algo em torno de 6,7 milhões de unidades, um problema que anseia por solução imediata. O impacto positivo de equacionar esta questão social não termina apenas nisso. Construir moradias gera empregos, cria e distribui renda. Por conta disso, o mercado da construção civil se mostra um dos mais atraentes para idéias inovadoras, descomplicadas e acessíveis Composição do material De acordo com a NBR 6215, aço carbono é aquele que não contém elementos de liga isto é, apenas teores residuais de Cr = 0,20%, Ni = 0,25% etc e no qual os teores de Si e Mn não ultrapassem limites máximos de 0,60% e 1,65% respectivamente Produtos de mercado dimensões e peso Os produtos em aço têm pesos, tamanhos e formas bem variadas. Vamos ressaltar aqui somente os produtos usados na parte estrutural para vedação no projeto que são os perfis em formato de u. Na Figura 2.10 observamos onde 24

25 foram usados estes perfis. Dimensões encontram-se na tabela 4, o peso total deste kit metálico é 580 kg, conforme a empresa que o fabrica. Figura 2.10: Demonstração estrutural da moradia. Fonte: Usiminas Habitação de Interesse Social (Março 2003) Tabela 2.4: Dimensões dos perfis Item Quantidade Dimensão (mm) C1 2 peças 100 x 40 x 2944 C2 2 peças 100 x 40 x 2944 C3 2 peças 100 x 80 x 4043 C4 2 peças 100 x 80 x 2800 V1 1 peça 100 x 50 x 6100 V2 1peça 100 x 50 x 6100 V3 1 peça 260 x 100 x 5900 Fonte: Usiminas Habitação de Interesse Social (Março 2003) Procedimentos executivos. Conforme a empresa Usiminas (2003) autora do projeto adotado, o kit metálico é executado logo após o termino da laje de piso e as fundações da casa. Depois desta etapa inicia-se a montagem das peças (perfis) que consiste basicamente em parafusar as mesmas na laje uma a uma, de acordo com a empresa é necessários apenas uma equipe formada por 3 pessoas para a execução deste kit. 25

26 2.3.5 Vantagens Segundo a CBCA (Centro Brasileiro de Construção em Aço) o sistema construtivo em aço apresenta vantagens significativas sobre o sistema construtivo convencional: Liberdade no projeto de arquitetura; Maior área útil; Flexibilidade; Compatibilidade em outros materiais; Menor prazo de execução; Racionalização de materiais e mão-de-obra; Alívio de cargas nas fundações; Desvantagens Algumas desvantagens deste sistema de acordo com a revista Arquitetura & Construção são: Necessidade de amarração devido à esbelteza das peças; Contração e dilatação constantes; 2.4 MADEIRA Apresentação do material Conforme Petrucci (2003) devido à facilidade de obtenção e de adaptação, a madeira é provavelmente o mais antigo material de construção utilizado pela humanidade. Apresentando massa especifica baixa e grande resistência mecânica, facilidade de trabalho e bom isolamento térmico. De acordo com sua classificação Petrucci (2003) afirma que ela pode ser madeiras finas, Madeira duras ou de lei, madeiras resinadas e por fim madeiras brandas. 26

27 2.4.2 Produtos de mercado Conforme a classificação de Petrucci (2003) podemos encontrar madeiras finas utilizadas em marcenarias como louro, açoita cavalo, cedro, vinheiro, já nas madeiras de lei que são empregadas em portes e vigas, temos grapia, angico, cabriúva, madeiras resinadas utilizadas exclusivamente em construções temporárias temos o pinho e as madeiras brandas de pequena durabilidade más apresenta uma grande facilidade de trabalho a tímbauva. Tipos de madeiras que podem ser utilizadas para pilares, caixilhos e peças estruturas para cobertura; São elas Abiurana, Agelim, Aroeira, Cumaru-Cetim, Maçaranduba, Mata-Mata, Mirindiba, Pau D arco, Sucupira e Tatajuba. de madeira; acesso á internet (Fevereiro 2009) Segundo Simóveis (2009) fabricante de kit de casas pré fabricadas em madeira. Seus kits apresentam pilares em madeira maciça de 12 x 12 cm aparelhadas com goibetes de encaixe para estrutura conforme Figura Paredes em madeira maciça composta de tábuas aparelhadas de 2,5 cm de espessura e comprimentos variados. A Figura 2.12 mostra um modelo de casa pré fabricada de madeira. Figura 2.11: Perfis / Colunas. Fonte: Simóveis indústria e comércio (Março 2009) Figura 2.12: Modelo de Casa em madeira. Fonte: (Março 2009) Dimensões 27

28 Conforme Petrucci (2003) A madeira obedece às seguintes dimensões fixadas pela PB-5R; Tabela 2.5: Dimensões da madeira serrada Nome da peça Dimensões cm Área (cm²) Pranchões 15,0 x 23,0 345,0 Pranchões 10,0 x 20,0 200,0 Pranchões 7,5 x 23,0 172,5 Vigas 15,0 x 15,0 225,0 Vigas 7,5 x 15,0 112,5 Vigas 7,5 x 11,5 86,3 Vigas 5,0 x 20,0 100,0 Vigas 5,0 x 15,0 75,0 Caibros 7,5 x 7,5 56,3 Caibros 7,5 x 5,0 37,5 Caibros 5,0 x 7,0 35,0 Caibros 5,0 x 6,0 30,0 Sarrafos 3,8 x 7,5 28,5 Sarrafos 2,2 x 7,5 16,5 Táboas 2,5 x 23,0 57,5 Táboas 2,5 x 15,0 37,5 Táboas 2,5 x 11,5 28,8 Ripas 1,2 x 5,0 6,0 Fonte: Materiais de Construção - Madeira Vantagens A madeira apresenta diversas vantagens como, ser um excelente isolante térmico, fácil de trabalhar, versatilidade podendo ser produzida peças de dimensões variadas e boa resistência mecânica Desvantagens Vulnerabilidade aos agentes externos, durabilidade limitada, quando não são tomadas medidas preventivas, dimensões limitadas nas formas alongadas, de seções transversais reduzidas. 2.5 SOLO CIMENTO Apresentação do material Segundo o engenheiro Efren Filho da EMARC (Escola Média de Agropecuária Regional da Ceplac) Uruçuca-BA o solo-cimento é um material obtido 28

29 através da mistura homogênea de solo, cimento e água, em proporções adequadas e que, após compactação e cura úmida, resulta num produto com características de durabilidade e resistências mecânicas definidas. Este material de construção vem suprir boa parte das necessidades de instalações econômicas na maioria das regiões rurais e suburbanas no Brasil Composição do material Conforme o engenheiro Efren Filho (2008) a mistura ideal para a produção de solo-cimento é 30% silte e argila 70% areia. Para a fabricação do tijolo em solo cimento conforme a empresa Safira Engenharia o traço utilizado por esta é de 1:8, ou seja 1 saco de cimento para 8 latas de solo devidamente selecionado Dimensões e Peso No mercado Brasileiro de acordo com a professora Drª Maria Augusta (2003) são encontrados diversos tamanhos e modelos de tijolos de solo-cimento. Estes são escolhidos de acordo com o projeto, mão de obra, materiais e equipamentos locais e outras condicionantes específicas. A tabela 9 relaciona alguns tipos destes tijolos. Tabela 2.6: Tipos de tijolos de solo-cimento Tipo Dimensões Características 5 x 10 x 20 cm Assentamento com consumo de Maciço comum argamassa similar dos tijolos 5 x 10 x 21 cm maciços comuns. 5 x 10 x 21 cm Assentamento com encaixes Maciço com encaixes com baixo consumo de 5 x 11 x 23 cm argamassa 5 x 10 x 20 cm Assentamento a seco, com cola branca ou argamassa bem Tijolos com dois furos e 6,25 x 12,5 x 25 cm plástica. Tubulações passam encaixes pelos furos verticais. 7,5 x 15 x 30 cm Elemento empregado para 5 x 10 x 20 cm Canaletas execução de vergas, reforços estruturais, cintas de amarração 29

30 6,25 x 12,5 x 25 cm 7,5 x 15 x 30 cm e passagens de tubulações horizontais. Fonte: æ ensaios Tijolos de solo-cimento por Maria Augusta Justi Pisani Em visita feita a Safira Engenharia, uma empresa local, podemos verificar os tijolos de solo cimento fabricados pela mesma. A empresa trabalha com tijolos nas dimensões 12 x 12,5 x 30 cm. A empresa revelou que teve um bom desempenho com os tijolos em solo cimento, o problema foi com a prensa adiquirida para a fabricação dos mesmo, pois a fornecedora não deu o apoio técnico preciso para repor peças desgastadas. A Figura 2.13 mostra etapas da produção e armazenagem dos tijolos no canteiro de obra da empresa citada. Figura 2.13: Produção e Armazenagem de tijolos de solo-cimento. Fonte: Safira Engenharia 30

31 2.5.4 Procedimentos executivos Conforme visita feita no canteiro de obras da empresa Safira engenharia foi observada que a execução de tijolos de solo cimento em quase nada muda em relação à alvenaria com tijolos cerâmicos, com exceção é claro que na obra com tijolo de solo cimento não acontece o quebra-quebra comum na construção com tijolo cerâmico, pois nos lugares onde poderia ocorrer tal evento utiliza-se somente a metade do tijolo de solo cimento que é previamente fabricado. Os outros passos são comuns aos da tradicional alvenaria em tijolo cerâmico Vantagens De acordo com a empresa Tijoleco Tijolos Ecológicos (2009) as vantagens do uso de tijolos de solo-cimento são significativas quanto ao preço final da obra: O custo final da obra pode ser reduzido em cerca de 20%. Redução substancial no desperdício de material, especialmente concreto e massa de assentamento. Redução de cerca de 50% no tempo da construção. Aceita aplicação de reboco, pintura, gesso, grafiato, etc. diretamente sobre o tijolo Desvantagens Conforme a revista Téchne (ed. 85/abril 2004) ao contrário do concreto, cujos materiais que o compõe (areia e brita) são facilmente obtidos com a pureza e os atributos físicos e químicos requeridos, o solo é altamente variável. A presença de substâncias deletérias para o processo de cimentação, como o húmus, cloretos e sulfatos inviabilizam a aplicação do solo. Em qualquer jazida, essas variações ocorrem tanto no sentido horizontal como vertical. A solução desses problemas é dispendiosa por requerer pessoal qualificado e constantes análises de material. Por isso, grandes empresas da construção desistiram de industrializar o solo-cimento e o solo-cal. 31

32 Capitulo III 3.0 ESTUDO DE CASOS 3.1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O projeto estudado é de uma casa térrea de 36m² de área, constituída de 2 (dois) quartos de 6,50m² cada, sala de 11,37m², cozinha de 4,5m² e banheiro com 1,98m², conforme Figura 3.1. A Figura 3.2 mostra a projeção da cobertura e na Figura 3.3 é demonstrada uma vista frontal do projeto proposto. 32

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE COMPOSIÇÃO ANALÍLITICA DE PREÇOS UNITÁRIOS CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE SÃO MIGUEL - 69/13,8 kv - 5,0/6,25 MVA DESCRIÇÃO

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural

CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural CONSUMO DE MATERIAIS Explorando as vantagens da Alvenaria Estrutural Prof. Marco Pádua Neste sistema conhecido como Autoportante os pilares são substituídos por blocos de concreto estruturais vazados preenchidos

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES COHAB-MG Versão 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES HISTÓRICO DAS REVISÕES VERSÃO DATA DESCRIÇÃO 01 01/06/07 Emissão inicial SUMÁRIO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 7 1 SERVIÇOS INICIAIS... 12 1.1 Locações... 12 2 FUNDAÇÕES...

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 4 - ALVENARIA APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada,

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto

O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC O Custo das Alternativas de Substituição do Telhado de Cimento Amianto Alexandre Lee Orientador: Vanderley

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

Por que utilizarmos paredes de concreto

Por que utilizarmos paredes de concreto Seminário: Por que utilizarmos paredes de concreto Engenheiro Geraldo Antonio Cêsta Diretor Técnico da Rodobens Negócios Imobiliários ÍNDICE GERAL DA PALESTRA 1. NECESSIDADE DO MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL

Leia mais

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 1 SERVIÇOS GERAIS 1.1 ADMINISTRAÇÃO PROJETOS COMPLEMENTARES e "as

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado PROJETO BÁSICO Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção de Prédio para Almoxarifado, obedecerá as Especificações, e seus Anexos, aos

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE Prefeitura do Campus

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE Prefeitura do Campus UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE Prefeitura do Campus Data: 10/03/2013 TAXAS: BDI= 23,08% LS= 86,74% e 48,18% ORÇAMENTO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DO PRÉDIO DESTINADO AO PROJETO RONDON LOCAL: CAMPUS UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014.

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

4 - ALVENARIA. Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

4 - ALVENARIA. Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade 4 - ALVENARIA APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GERDAU GG 50 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 50. Produzido

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL Alvenaria Ministério Estruturalda Educação 18:04 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Versão 2013

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO HISTÓRICO O uso da alvenaria é a mais antiga forma de construção empregada pelo homem. 2 HISTÓRICO Pirâmides do Egito

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Especificações 1- DESCRIÇÃO BÁSICA 2- TERRENO 3- FUNDAÇÃO

Especificações 1- DESCRIÇÃO BÁSICA 2- TERRENO 3- FUNDAÇÃO Especificações 1- DESCRIÇÃO BÁSICA As Casas Pré-Fabricadas em concreto PRATICASAREAL / PORTO REAL são instaladas em terreno plano compactado, com fundação direta por coluna e estruturada em colunas de

Leia mais

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME Gesso O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato de cálcio hidratado.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais