CNPJ /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CNPJ 00.954.288/0001-33"

Transcrição

1 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Às Instituições Associadas, Tendo o FGC completado, no exercício findo, oito anos de atividades, entendemos oportuno registrar aos nossos associados um breve histórico de nossa atuação, dos principais eventos ocorridos neste período, bem como do contexto econômico em que estivemos inseridos. O entendimento deste Conselho de Administração sobre a necessidade de revisão dos atuais encargos que o FGC impõe ao Sistema Financeiro Nacional e, em última instância, aos tomadores de recursos, levou-nos a pleitear junto ao Conselho Monetário Nacional - CMN a redução em 2/ 3 da atual contribuição mensal do sistema. Dessa forma, estaremos contribuindo com os esforços do governo na diminuição das atuais taxas de empréstimo aos tomadores finais, ao tempo em que o Fundo Garantidor de Créditos FGC estará assegurando os mecanismos adequados de fundeamento e patrimônio. 2. Contexto Macroeconômico e Sistema Bancário Brasileiro: O ano de 1994 é um importante marco na história econômica brasileira. Após décadas de inflação persistente e um conjunto de planos de estabilização sem resultados, o plano Real é implementado e consegue estabilizar o nível de preços. Essa mudança de ambiente implicou em um encolhimento significativo do setor bancário que passou a responder, já no ano de 1995, por 6,79% do PIB contra o pico de 15,61% apresentado em 1993, conforme explicitado na Figura 1. Figura 1 Participação Percentual do Sistema Financeiro no PIB 20 HISTÓRICO 1. Introdução: Em 31 de agosto de 1995, o CMN, através da Resolução 2.197, autoriza a constituição de entidade privada, sem fins lucrativos, destinada a administrar mecanismos de proteção a titulares de créditos contra instituições financeiras. Três meses depois, em 16/11/1995, a Resolução com nova redação dada pela Resolução detalha os Estatutos e Regulamentos do sistema brasileiro de garantia de depósitos. Está formalmente criado o Fundo Garantidor de Créditos - FGC. Até então, os únicos contratos de depósito segurados eram aqueles vinculados à caderneta de poupança, garantidos até o limite de R$ 5.000,00, através do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias - FGDLI. As demais captações não dispunham de garantia formal, dependendo, portanto, dos métodos de resolução de quebras bancárias adotados pelo Banco Central do Brasil, para serem ou não reembolsadas em caso de liquidações ou intervenções. Com a criação do FGC, ampliam-se o valor e a gama de depósitos segurados e se estabelece um sistema mais completo e transparente, além de financiado exclusivamente por recursos do próprio sistema. O FGC nasce com características bem definidas e apresenta hoje a mesma estrutura com a qual foi formalmente estabelecido em novembro de 1995, ou seja: Proteção explícita; Adesão compulsória; Cobertura limitada; Fundeamento privado ex-ante; Administração privada. A justificativa, porém, para que um sistema de garantia de depósitos fosse criado naquele momento passa pela necessidade premente de fortalecimento da rede de proteção ao sistema bancário, tanto na busca de minimização de custos econômicos e sociais que uma eventual corrida bancária significaria, mas também pela potencial ameaça aos ganhos alcançados com a então recente conquista de estabilidade econômica. E, fazendo uma retrospectiva, vê-se que o FGC desempenhou e vem desempenhando seu papel de forma exemplar, significando um avanço institucional para o Brasil no que concerne à estabilidade e proteção do sistema bancário. Os sistemas de garantia de depósito dependem, para seu bom desempenho, de uma condicionante importante que é a estrutura conjuntural que caracteriza a economia em que estão inseridos. Não só na sua constituição, mas também na sua performance contínua, a situação econômica do País em seus fatores micro e macroeconômicos são preponderantes na determinação do que seja um sistema eficiente de garantia de depósito. Para tanto, é necessário que a estrutura de recursos tenha flexibilidade suficiente que permita sua atualização e adaptação, podendo, desta forma, acompanhar as mudanças que o contexto econômico exige. Com a evolução do País e as significativas mudanças sofridas pela economia brasileira e principalmente pelo setor bancário nestes últimos anos, algumas alterações são necessárias para que assim possam adequar-se à necessidade de recursos do FGC e à nova realidade do País, minimizando os custos que ele impõe ao sistema. O sistema bancário brasileiro mostra-se saneado e a crise da segunda metade da década de 90 foi debelada. A regulação e a fiscalização bancária no Brasil vêm trilhando um processo de avanço e melhorias mundialmente reconhecidos. Esse novo retrato torna a contribuição fixa de 0,025% a.m. (correspondente a 0,30% a.a.) onerosa para o setor bancário e fonte de distorções no processo de intermediação financeira. Justificada que foi nos anos de crise e pela necessidade de capitalização do FGC e ampliadas recentemente as suas fontes alternativas de recursos (Resolução 3.161, do CMN, de 28/12/2003), hoje, o atual percentual da contribuição mensal deverá ser revisto, procurando minimizar as distorções que um sistema de proteção a depositantes pode causar no sistema bancário como um todo. Percentual (%) ANO Participação Dessa forma, a estabilização do nível de preços em meados da década de 90 significou, para o setor bancário brasileiro, uma necessidade de ajuste sem precedentes, tanto pelo novo ambiente econômico que se estabeleceu, quanto pela necessidade de se sanar situações de ineficiência que caracterizavam a operação bancária no Brasil, que até então não se mostravam em função dos expressivos ganhos vinculados às transferências inflacionárias. O custo desse ajuste mostra seus efeitos já ao final de 1994, com 7 bancos de pequeno porte sendo liquidados, além da quebra de um grande banco privado nacional de varejo. O entendimento do ambiente macroeconômico vigente à época de criação do FGC e da sua evolução ao longo desta última década, juntamente com a análise das mudanças ocorridas no setor bancário no Brasil, permite contextualizar a atuação do FGC ao longo desse período. Uma primeira análise deve se voltar para a evolução dos juros básicos da econômia brasileira. Em meados de 1994, a taxa Over-Selic anualizada atingia a faixa dos 56% e, embora tenha apresentado um período de redução, a taxa abre o ano de 1995 em patamar superior aos 46% a.a. e em trajetória ascendente. Foi nesse período que se definiu a alíquota de contribuição ao FGC em valor equivalente a 0,30% a.a. dos saldos garantidos. Já em meados de 1995, as taxas começaram a apresentar uma tendência de queda, movimento interrompido e revertido apenas por ocasião das crises da Ásia (97), da Rússia (98) e da crise cambial brasileira em 1999 (Gráfico 1). A redução da volatilidade das taxas veio a partir da adoção do regime de câmbio flexível e do sistema de metas para inflação, com conseqüências positivas para a economia como um todo, notadamente para o setor bancário. Fato é que chegamos, ao final de 2003, com uma Taxa Over-Selic definida pelo COPOM na última reunião do ano em 16,5% a.a., mantida na reunião ocorrida no último mês de fevereiro de Gráfico 1 Taxa Over-Selic Anualizada Percentual a.a ago/94 dez/94 abr/95 ago/95 dez/95 abr/96 ago/96 dez/96 abr/97 ago/97 dez/97 abr/98 ago/98 dez/98 abr/99 ago/99 dez/99 abr/00 ago/00 dez/00 abr/01 ago/01 dez/01 mês/ano Taxa Over-Selic abr/02 ago/02 dez/02 abr/03 ago/03 1

2 No que se refere ao sistema bancário, as mudanças quantitativas e qualitativas não foram menores se analisado o período em questão. Não só em termos de números de bancos, mas principalmente em relação à estrutura do sistema, as diferenças são evidentes. Passado o período de crise, com liquidações, intervenções, fechamentos, fusões e aquisições, o sistema bancário brasileiro apresenta um novo perfil. Um período de saneamento, acompanhado pela internacionalização do setor e redução da participação pública, fez surgir um sistema mais sólido e eficiente, concentrado em um menor número de bancos. No ano de criação do FGC, o setor bancário brasileiro era composto, entre bancos comerciais, múltiplos e caixas econômicas, de um total de 246 instituições bancárias. Grande parte delas oriundas de bancos comerciais e corretoras de valores, que se tornaram bancos a partir da reforma bancária de 1988 que incentivou a formação de bancos múltiplos no Brasil. A partir desse ano, o número total de instituições em funcionamento veio decrescendo, atingindo um total de 164 bancos em junho de 2003 (Tabela 1). Nesse processo de enxugamento, que reduziu em um terço o número de bancos atuando no País, somente no período 1996/2003, um total de 24 instituições foram liquidadas pelo Banco Central e tiveram seus depósitos honrados pelo FGC. Tabela 1 - Evolução no Número de Instituições Bancárias no Brasil Ano Nr. bancos A atuação direta do FGC tem, portanto, início justamente quando a crise do setor bancário brasileiro toma proporções maiores e exige do governo uma intervenção preventiva mais forte. Nesse ano, dá-se início à reestruturação e fortalecimento da rede de proteção ao setor financeiro, com linhas especiais de liquidez, como o PROER; ampliação dos poderes do Banco Central na determinação de transferência de controle acionário de bancos com problemas de solvência e avanços na estrutura de fiscalização e regulação bancária. Ao longo do ano de 1996, 5 liquidações são decretadas pelo Banco Central, num total de R$ mil em depósitos honrados pelo FGC. No ano seguinte, a situação se agrava ainda mais com a quebra de um outro grande banco privado nacional, o Bamerindus, que obriga o FGC a desembolsar mais de R$ 3 bilhões e exige um esforço financeiro que, embora à ocasião extremamente oneroso, hoje se vê totalmente equacionado. Os anos de 1997 e 1998 ainda exigiram desembolsos expressivos por parte do FGC, porém decrescentes: R$ mil e R$ mil, respectivamente. A partir daí, quebras pontuais e menos expressivas em termos de exigibilidades passaram a ser a regra, sem que grandes sobressaltos agregados ocorressem e, da mesma forma, sem maiores dificuldades de recursos por parte do FGC, que, no ano de 2003, prestou garantias no valor inferior a 7 milhões de reais, referentes à liquidação de um único banco (Figura 2). Todos esses valores citados são históricos. Figura 2 Valores Reembolsados e Nr. de Bancos Liquidados ( ) Valores (R$ bilhões) 3,0 2,0 1,0 0, Valores Ano Número de Bancos Nùmero de Bancos Por outro lado, no que concerne ao nível de capitalização do setor bancário no Brasil, um retrato positivo emerge: segundo dados do Banco Central, o Índice de Basiléia consolidado do SFN que mede o nível de capital ponderado pelo risco dos ativos atingiu 16,2% em junho de Esse percentual supera em mais de 5% o limite mínimo de 11% exigido pela normatização e reflete uma situação de solidez que difere completamente dos anos pós-real e portanto do momento de criação do FGC, quando várias instituições se mostravam desenquadradas. Isso tem como efeito imediato uma maior capacidade de suportar cenários de estresse, tanto em relação a riscos de crédito quanto a riscos de mercado, situação igualmente distinta da que caracterizou o início da operação do FGC. Foram anos de dificuldades para a economia brasileira em geral e para o setor bancário em particular. Uma nova realidade se delineou e não havia uma acomodação trivial a essa nova situação. A estabilidade do nível de preços, a apreciação da moeda nacional, a remonetização, a explosão do crédito. Taxas de juros nominais e reais elevadas, altos índices de inadimplência. Todos foram fatores que definiram um cenário inicial complexo e determinaram um processo custoso de resolução mas que acabou por culminar em um cenário de estabilidade, com um sistema bancário saneado e sólido, em que as dificuldades iniciais foram sendo superadas ao longo dos anos. Tem-se, portanto, que muitos dos fatores que determinaram o desenho inicial do FGC e com certeza contribuíram para que exercesse seu papel de forma exemplar nesses seus oito anos de atuação foram se modificando ao longo desse período, para o qual o FGC tem se mostrado atento, buscando se adequar aos avanços necessários à sua manutenção como um dos sistemas de garantia de depósito mais eficiente do mundo. 3. O FGC Ontem e Hoje: O FGC, nestes oito anos de atuação, apresentou mudanças apenas marginais no que se refere à sua estrutura organizacional e operacional. Por outro lado, quando se considera sua situação econômico-financeira, um quadro totalmente diferente é observado. Em termos operacionais, foi criado como um sistema pay-box clássico, tendo como única atribuição o pagamento dos depósitos classificados como garantidos e em caso de liquidação ou quebra de instituição financeira participante. Passados esses anos, o FGC continua com essa mesma classificação, mas se engajou em atividades mais amplas de resolução de quebras. Duas experiências bem sucedidas: a transformação de uma liquidação extrajudicial em ordinária; um acordo prévio de liquidação, além de várias outras ações em andamento, mostraram que a participação ativa do FGC em projetos de resolução pode significar um avanço expressivo em termos de minimização de perdas para o próprio FGC e soluções mais eficientes do ponto de vista econômico e social. No que se refere à sua situação financeira, o quadro difere completamente daquele que caracterizou a sua criação em Ao longo do primeiro ano de funcionamento, a receita líquida arrecadada pelo FGC atingiu 468,65 milhões de reais, frente a um desembolso para pagamento de depósitos superior a R$ 259 milhões. No ano subseqüente, quando o equilíbrio financeiro ficou ameaçado com a quebra de vários bancos, dentre eles o Bamerindus que representou um total de desembolso superior a 3 bilhões de reais, a receita líquida não atingiu 600 milhões de reais. A equalização desse desequilíbrio se deu, contudo, de forma tranqüila e transparente e, atualmente, a realidade do FGC se mostra completamente diferente: enquanto os desembolsos não chegaram a atingir 7 milhões de reais no ano de 2003, a receita líquida média mensal de contribuições atingiu a ordem dos 100 milhões de reais, que culminaram numa disponibilidade de caixa de R$ 4,5 bilhões em 29/02/ Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias - FGDLI: Em 03/12/2003, o Supremo Tribunal Federal considerou extinta, por falta de objeto, a ADIn de 1995, permitindo, dessa forma, que os recursos do FGDLI (patrimônio de R$ 1,5 bilhão em 31/12/2003) fossem transferidos para o FGC, providência essa ora em andamento junto ao Banco Central do Brasil. 2

3 5. Crédito Standby : Foi introduzido o conceito de total de acesso a recursos, nele compreendendo o nosso disponível acrescido de um limite de crédito (tipo standby) que está sendo obtido no mercado doméstico, entre as dez maiores instituições associadas. Com base em tal mecanismo, aliado aos nossos recursos próprios, projetamos a redução do percentual anual da contribuição das associadas, a qual será destacada ao final. Pelas características desse tipo de crédito (standby), se utilizado, imediatamente a contribuição retornaria ao mesmo nível anterior ou ao necessário para que o FGC pudesse recompor o seu caixa. De considerar que futuramente, havendo interesse ou necessidade, semelhante linha de crédito poderá também ser obtida junto a organismos multilaterais, possibilidade hoje contemplada em nosso Estatuto. 6. Acesso a Recursos: O quadro a seguir mostra nossa posição em 29/02/2004 (Valores em R$ milhões) Disponibilidades Patrimônio do FGDLI em incorporação (base 31/12/2003) Crédito standby doméstico Total de acesso a recursos em 29/02/ Fonte: FGC Vê-se, portanto, que o FGC hoje é uma outra instituição no que se refere a sua sustentabilidade como sistema garantidor de depósitos. Com recursos adequados, com eficiência administrativa, atuação objetiva e racionalização de custos, o FGC se destaca internacionalmente como um modelo a ser seguido por países que consideram a adoção de estruturas de garantia de depósito. É bem verdade que há necessidade de avanços contínuos no sentido de uma plena adequação à situação econômica do País e do próprio sistema bancário. Esta é uma preocupação constante da administração do FGC, na defesa de suas atribuições e sempre em consonância com as diretrizes das autoridades monetárias no que concerne à atuação da rede de proteção ao sistema financeiro nacional. 7. Final: Com base nos motivos expostos, pela experiência adquirida durante esse período e com os mecanismos de fundeamento adequados, estamos sugerindo ao Banco Central do Brasil, nos termos do artigo 22 do Anexo I à Resolução 3.161, de 28/12/2003 do Conselho Monetário Nacional, a redução do percentual da contribuição, dos atuais 0,025% a.m. (0,30% a.a.) para 0,00833 a.m. (0,10% a.a.). Essa medida será oportuna não apenas pela redução dos custos para nossas associadas após 8 (oito) anos da criação do FGC, como também poderá contribuir na redução da atual taxa de juros a consumidores e sinalizar de forma definitiva ao mercado, tanto interno como externo, a real situação de estabilidade do sistema financeiro nacional. VOLUMES DO SISTEMA Apresentamos quadro estatístico comparativo da evolução de produtos e de créditos sujeitos a garantia do FGC. TOTAL DO SISTEMA - COMPARATIVO DE DEZ/2002 E DEZ/2003 POR FAIXAS Dez/2002 Dez/2003 Faixas Número % Valores % Número % Valores % (Valores em R$) de Clientes do Total (R$ Milhões) do Total de Clientes do Total (R$ Milhões) do Total De a 0, , ,88% ,03% ,88% ,41% 5.000, , ,45% ,30% ,49% ,92% , , ,44% ,51% ,45% ,20% , , ,77% ,39% ,77% ,11% ,54% ,22% ,59% ,64% Acima , ,46% ,78% ,41% ,36% Totais ,00% ,00% ,00% ,00% Variação Dez/2002 a Dez/2003 6,30% 9,29% Valor Sujeito a Garantia Variação Dez/2002 a Dez/2003 2,14% COMPARATIVO POR PRODUTO (R$ Milhões) Dez/2002 % do Total Dez/2003 % do Total (Dez-2003/Dez-2002) Poupança ,75% ,97% 1,45% Depósitos à Vista ,24% ,12% 8,59% Depósitos a Prazo ,04% ,49% 15,97% Letras Hipotecárias ,80% ,30% 28,97% Letras de Câmbio 629 0,17% 463 0,12% (26,39%) Letras Imobiliárias 0 0,00% 0 0,00% 0,00% ,00% ,00% 9,29% / DECAD AGRADECIMENTOS Aos nossos participantes, ao público em geral e às autoridades monetárias de nosso País que nos honram com sua confiança, expressamos os nossos agradecimentos. 3

4 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO - Ativo Circulante Bancos conta-movimento Aplicações financeiras Contribuições a receber Adiantamentos diversos - 5 Despesas pagas antecipadamente Ativo realizável a longo prazo Títulos e créditos a receber Permanente Imobilizado Diferido DEMONSTRAÇÃO DAS RECEITAS E DESPESAS E DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL - EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Demonstração das receitas e despesas Receitas (despesas) de arrecadações Contribuições mensais Contribuições da RECHEQUE Despesas com serviços de arrecadação (4.952) (4.858) Receita líquida de arrecadação Receitas (despesas) operacionais Com garantias de créditos sub-rogados (1.690) (329) Gerais e administrativas (2.882) (2.357) Com pessoal (1.052) (548) Outras despesas operacionais (2.479) - Despesas financeiras (36.356) (34.580) Receitas financeiras Superávit do exercício Demonstração das mutações do patrimônio social Saldo inicial Superávit do exercício Saldo final Passivo Circulante Fornecedores Outras obrigações Salários e encargos sociais Obrigações em moeda naciona Exigível a longo prazo Obrigações em moeda nacional Patrimônio social Superávit acumulado DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS - EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Origens dos recursos Das operações sociais Superávit do exercício Depreciação e amortização Valor residual das baixas do permanente Aplicações de recursos No realizável a longo prazo Acréscimo do realizável a longo prazo No ativo permanente Imobilizado Diferido 35 9 Redução do exigível a longo prazo Aumento no capital circulante Ativo circulante No início do exercício No fim do exercício Passivo circulante No início do exercício No fim do exercício (21.490) Aumento no capital circulante NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E Contexto operacional: O Fundo Garantidor de Créditos - FGC é uma associação civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado, regida pelos termos da nova redação dada pela Resolução n.º 3.024, de 24 de outubro de 2002, do Conselho Monetário Nacional - CMN e pelas disposições legais e regulamentares, isenta de impostos, conforme disposto no artigo 4.º da Lei n.º 9.710/98, tendo por objetivo prestar garantia de créditos (depósitos à vista, depósitos de poupança, depósitos a prazo, letras de câmbio, letras imobiliárias, letras hipotecárias e letras de crédito imobiliário) às instituições dele associadas, nas hipóteses de: (a) decretação da intervenção, liquidação extrajudicial ou falência de instituição associada, (b) reconhecimento, pelo Banco Central do Brasil - BACEN, do estado de insolvência da instituição associada que, nos termos da legislação vigente, não estiver sujeita aos regimes referidos no item (a), e (c) ocorrência de situações especiais não enquadráveis nos itens (a) e (b), mediante prévio entendimento entre o BACEN e o FGC, observado o valor máximo garantido de R$ ,00 por pessoa contra a mesma instituição associada ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro e demais normas específicas do FGC. São instituições associadas ao FGC os bancos múltiplos, os bancos comerciais, os bancos de investimento, os bancos de desenvolvimento, a Caixa Econômica Federal, as sociedades de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, as companhias hipotecárias e as associações de poupança e empréstimo, em funcionamento no País, que: recebam depósitos à vista, a prazo ou em contas de poupança; efetuem aceite em letras de câmbio; captem recursos mediante a emissão e a colocação de letras imobiliárias, letras hipotecárias e letras de crédito imobiliário. Os recursos do FGC são provenientes de contribuições mensais ou extraordinárias das instituições financeiras, tomando-se por base a média mensal dos saldos diários das contas correspondentes às obrigações objeto de garantia, como descrito acima, e dos recursos provenientes do Fundo para Promoção do Uso Adequado do Cheque - FUNCHEQUE, atual Reserva para Promoção da Estabilidade da Moeda e do Uso do Cheque - RECHEQUE. A responsabilidade de cada associada é limitada às contribuições que estão obrigadas a fazer para o custeio da garantia. Os recursos para custeio da garantia a ser prestada pelo FGC, conforme determinado no seu estatuto social, são provenientes de: contribuições mensais ordinárias das instituições associadas, tomando-se por base os saldos de recursos captados por essas instituições ao final de cada mês até 2002 e com base nos saldos Tal patrimônio, no valor de R$ , 4

5 médios mensais a partir de 2003, como descrito anteriormente; recursos provenientes do Fundo para Promoção do Uso Adequadodo Cheque - FUNCHEQUE, atual Reserva para Promoção da Estabilidade da Moeda e do Uso do Cheque - RECHEQUE, decorrentes de cheques devolvidos sem provisão de fundos; recuperação de direitos creditórios oriundos das garantias prestadas, e resultado dos demais rendimentos do FGC. Se o patrimônio do FGC for insuficiente, serão utilizados recursos provenientes de: contribuições extraordinárias das instituições associadas até o limite de 50% das contribuições ordinárias; adiantamento pelas instituições associadas de até 12 contribuições mensais ordinárias; operações de crédito com instituições privadas, oficiais ou multilaterais; outras fontes de recursos mediante prévio entendimento entre o BACEN e a administração do FGC. Os recursos provenientes do Fundo de Garantia de Depósitos e Letras Imobiliárias - FGDLI e do FUNCHEQUE, atual RECHEQUE, após serem previamente utilizados na cobertura de créditos (poupança, exceto poupança rural, e letras imobiliárias) contra instituições que foram submetidas aos regimes de intervenção e/ou liquidação extrajudicial decretados no período compreendido entre 1.º de julho de 1994 e a data de constituição do FGC, seriam, conforme previsto quando da constituição do FGC, destinados a este. Em 24 de abril de 2003, entrou em vigor a Resolução n.º do Conselho Monetário Nacional, que revogou o inciso II do art. 5.º da Resolução n.º 2.197, de 31 de agosto de 1995, ficando, em conseqüência, excluída a referência à Reserva para Promoção da Estabilidade da Moeda e do Uso do Cheque (RECHEQUE) contida no parágrafo daquele artigo, ficando cancelada a transferência dos recursos da RECHEQUE anteriormente destinados ao FGC. Em 10 de dezembro de 2003, foi publicado no Diário Oficial da Justiça que a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADIN n.º /1995 foi prejudicada, tornando-se sem efeito a medida liminar que impedia a transferência dos recursos do FGDLI ao FGC, conforme prevista nas Resoluções 2.197/95 e 2.211/95 do CMN. Os recursos do FGDLI em 31 de dezembro de 2003, já disponíveis, ainda não integrados ao patrimônio do FGC, podem ser sumarizados como segue: (Não auditado) Ativo Títulos públicos federais Cédulas hipotecárias Crédito junto a repass. - ex-liquidandas Crédito junto a repass. - ex-liquidandas Provisões de crédito de liquidação duvidosa ( ) Créditos junto ao FCVS Créditos junto ao FCVS Ajuste op. valor presente ( ) Crédito junto ao FGTS 63 Liquidandas cr. depósito de poupança Créditos junto ao BACEN Ativo de compensação Controle de crédito a constituir Créditos inscritos em dívida ativa (Não auditado) Passivo Obrig. junto a recep. contas de poupança Obrigação por letras imobiliárias Obrigações junto a poupadores FGDLI - Obrig. inv. let. Economisa 109 Patrimônio líquido Resultados acumulados Passivo de compensação Controle de crédito a constituir Contrapartida de valores ativos em 31/12/2003, deverá ser transferido para o FGC no transcorrer do ano de 2004, após as providências a seguir: 1. Estabelecimento de rotinas para transferência do acervo patrimonial, incluindo: a. plano de contas e esquemas contábeis utilizados; b. descrição dos processos pendentes e dos já finalizados; c. histórico do FGDLI, compreendendo cópias de relatórios e pareceres; d. fornecimentos da documentação e dos elementos necessários aos trabalhos de auditoria externa; e. definição sobre procedimentos nas ações judiciais passivas e ativas; f. explicitação sobre a natureza jurídica da transferência do acervo patrimonial ao FGC, com limitação de responsabilidades sobre passivos contingentes, em valor não superior ao patrimônio transferido; g. forma de comunicação ao sistema financeiro e demais agentes envolvidos com o FGDLI em relação a duas questões: l) a própria extinção do FGDLI; II) a substituição do FGC exclusivamente para os fins de declaração de inexistência de dívidas junto ao FGDLI, prevista no Artigo 3.º, II, b, da Lei , de 21/12/ Manter os recursos em espécie do FGDLI aplicados junto ao DEMAB/ BACEN, em títulos públicos federais, até o final do processo de transferência. A Resolução n.º do Conselho Monetário Nacional, de 24 de outubro de 2002, alterou e consolidou as normas que dispõem sobre o estatuto e o regulamento do FGC, sendo as principais alterações descritas abaixo: (a) As contribuições mensais das instituições associadas, a partir de 2003, são efetuadas à alíquota de 0,025% do montante médio mensal dos saldos diários das contas correspondentes às obrigações objeto de garantia. (b) Os créditos titulados por associações, condomínios, cooperativas, grupos ou administradoras de consórcio, entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras, sociedades de capitalização e demais sociedades e associações sem personalidade jurídica e entidades assemelhadas, são garantidos até o valor de R$ ,00 na totalidade de seus haveres em uma mesma instituição associada. A Resolução n.º do Conselho Monetário Nacional, de 18 de dezembro de 2003, alterou dispositivos da Resolução n.º 3.024, tais como: (a) Fixação, em até 0,025% do montante dos saldos das contas correspondentes às obrigações objeto de garantia, da contribuição mensal ordinária das instituições associados ao FGC. (b) O percentual de contribuição ordinária das instituições associadas ao FGC será fixado pelo Conselho de Administração, mediante solicitação específica, devidamente fundamentada, apresentada ao Banco Central do Brasil, para exame e submissão à prévia autorização do Conselho Monetário Nacional, observado o percentual máximo mencionado no item (a). (c) Alterado o limite de suspensão temporária das contribuições de 5% para 2% sobre o total dos depósitos cobertos pela garantia. (d) Adiciona aos itens não cobertos pela garantia os depósitos judiciais acolhidos na esfera da Justiça Federal. (e) Autoriza contratação de operações de crédito com instituições privadas, oficiais ou multilaterais. 2. Principais práticas contábeis: (a) Apuração do superávit - O superávit é apurado pelo regime de competência. (b) Ativos circulante e realizável a longo prazo - Demonstrados ao custo e, quando aplicável, incluindo os rendimentos auferidos e deduzidos de provisão para ajuste ao valor de mercado ou de realização. (c) Permanente - Demonstrado ao valor de custo. A depreciação é calculada pelo método linear a taxas anuais, que levam em consideração a vida útil-econômica dos bens. (d) Passivos circulante e exigível a longo prazo - São demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo, quando aplicável, os encargos e as variações monetárias incorridos. 5

6 3. Aplicações financeiras: Referem-se, principalmente, a aplicações com lastro em Títulos Públicos Federais com compromisso de recompra pelo Banco do Brasil S.A. e pela Caixa Econômica Federal, sendo a totalidade garantida por taxas pós-fixadas idênticas à remuneração da taxa média do CDI. Instituição Saldo Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Contribuições mensais: As contribuições mensais das associadas do FGC são depositadas no primeiro dia útil do mês subseqüente, cujo saldo de contribuições a receber em 31 de dezembro de 2003 monta a R$ mil ( R$ mil). A contribuição ordinária, mensal, das associadas corresponde a 0,025% do montante dos saldos das contas correspondentes às obrigações objeto da garantia, calculada com base na média mensal dos saldos diários informados ao Banco do Brasil S.A., e debitada diretamente à conta de reserva bancária de cada instituição. A contribuição proveniente da RECHEQUE é obtida com base na taxa de serviço cobrada pelo executante, Banco do Brasil S.A., que efetua a transferência ao FGC. 5. Ativo realizável a longo prazo: Os títulos e créditos a receber referem-se substancialmente a direitos creditórios decorrentes do contrato de compromisso de compra e venda firmado entre o Girobank S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento - Em Liquidação Extrajudicial e a Pivot Bahia e Empreendimentos e Participações Limitadas, cedidos pelo Girobank ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC, como forma de recuperação de créditos sub-rogados. Os créditos têm a previsão de realização através de recebíveis decorrentes do loteamento de condomínio. 6. Obrigações em moeda nacional: O saldo atualizado em 31 de dezembro de 2003 no montante a R$ mil ( R$ mil) refere-se ao contrato com o Banco Bamerindus do Brasil S.A. - Em Liquidação Extrajudicial, sendo pago em parcelas mensais e sucessivas com vencimento até novembro de 2004, incidindo a variação acumulada da Taxa de Referência - TR. 7. Outras obrigações: Relativas aos recursos recebidos referente ao processo de liquidação do Banco BMD S.A. - Em Liquidação Extrajudicial, cuja realização como receita está vinculada a finalização do acordo entre BACEN, credores e acionistas controladores do BMD para pagamento integral dos credores. 8. Despesas com garantias de créditos sub-rogados: Referem-se, substancialmente, à prestação de garantia a clientes de instituições financeiras cuja liquidação extrajudicial ou intervenção foi decretada nos termos mencionados na Nota 1. Despesas (receitas) com garantias de créditos sub-rogados Banco BMD S.A Girobank S.A. Crédito, Financiamento e Investimento (ii) (4.732) - Banco BBC S.A. (i) (509) - Banco Royal de Investimentos S.A Banco Crefisul S.A Banco Interior de São Paulo S.A. (i) - (250) Banco Araucária S.A. - 2 Outros (i) Referente a garantias não exercidas pelos credores e retornadas ao FGC. (ii) Referente à recuperação total das garantias prestadas. Até 31 de dezembro de 2003, o FGC já efetuou pagamentos referentes às despesas com garantias de créditos sub-rogados aos clientes de instituições financeiras cuja liquidação extrajudicial ou intervenção foi decretada, no montante de R$ mil ( R$ mil). O FGC mantém esse mesmo saldo registrado em contas de compensação. 9. Outras informações - outras despesas operacionais: Referem-se às perdas decorrentes da perspectiva de não realização de contratos de Crédito Direto ao Consumidor, recebidos do Girobank S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento - Em Liquidação Extrajudicial, como parte da recuperação dos créditos sub-rogados, que estão vencidos e não liquidados e cujas garantias são de difícil realização. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Titulares Presidente: Antônio Bornia Fabio Colletti Barbosa Joaquim Francisco de Castro Neto Jorge Eduardo Levi Mattoso Roberto Egydio Setubal Suplentes Carlos Alberto Vieira Valdery Frota de Albuquerque Gustavo Adolfo Funcia Murgel Cássio Casseb Lima Paulo Guilherme Monteiro Lobato Ribeiro CONSELHO FISCAL Titulares Antonio Beltran Martinez Manoel Felix Cintra Neto Milton Almicar Silva Vargas Suplentes Alberto Corsetti Helio Ribeiro Duarte Tito Enrique da Silva Neto Antonio Carlos Bueno de Camargo Silva Diretor Executivo Carlos Henrique de Paula Diretor Luiz Armando Guarnieri Contador CRC 1SP /O-8 6

7 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Srs. Membros do Conselho de Administração FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS - FGC 1. Examinamos os balanços patrimoniais do Fundo Garantidor de Créditos - FGC em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e as correspondentes demonstrações das receitas e despesas, das mutações do patrimônio social e das origens e aplicações de recursos dos exercícios findos nessas datas, elaborados sob a responsabilidade de sua administração. Nossa responsabilidade é a de emitir parecer sobre essas demonstrações financeiras. 2. Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria aplicáveis no Brasil, que requerem que os exames sejam realizados com o objetivo de comprovar a adequada apresentação das demonstrações financeiras em todos os seus aspectos relevantes. Portanto, nossos exames compreenderam, entre outros procedimentos: (a) o planejamento dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o volume de transações e os sistemas contábil e de controles internos da entidade, (b) a constatação, com base em testes, das evidências e dos registros que suportam os valores e as informações contábeis divulgados e (c) a avaliação das práticas e estimativas contábeis mais representativas adotadas pela administração da entidade, bem como da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. 3. Somos de parecer que as referidas demonstrações financeiras apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do Fundo Garantidor de Créditos - FGC em 31 de dezembro de 2003 e de 2002, as receitas e despesas, as mutações do patrimônio social eas origens e aplicações de recursos dos exercícios findos nessas datas, de acordo com práticas contábeis adotadas no Brasil. 4. Conforme mencionado na Nota 1, o Supremo Tribunal Federal julgou extinta, por falta de objeto a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADIn nº / 1995 que impedia a transferência do patrimônio do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias - FGDLI ao FGC, que somente após a realização do processo de avaliação patrimonial e cumprimento das rotinas necessárias para a transferência descrita na nota 1, a ser concluído durante o ano de 2004, poderá ser transferido ao FGC. Auditores Independentes CRC 2SP000160/O-5 São Paulo, 19 de janeiro de 2004 Carlos Augusto da Silva Contador CRC 1SP197007/O-2 7

CNPJ 00.954.288/0001-33

CNPJ 00.954.288/0001-33 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - 2007 Senhores Participantes, Receitas e Despesas As receitas do Fundo Garantidor de Créditos - FGC são oriundas de contribuições de todas as Instituições do mercado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC.

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC. RESOLUÇÃO Nº 2211 Aprova o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do

Leia mais

Altera e consolida as normas que dispõem sobre o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC.

Altera e consolida as normas que dispõem sobre o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. RESOLUÇÃO 3.251 RESOLVEU: Altera e consolida as normas que dispõem sobre o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural.

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural. RESOLUÇÃO N 1861 Institui o regulamento do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias (FGDLI), fixa o limite de garantia, o percentual de contribuição, a atualização da garantia e a multa por

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

FGC Estrutura e Conjuntura Econômica Atual

FGC Estrutura e Conjuntura Econômica Atual FGC Estrutura e Conjuntura Econômica Atual (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista 1. Introdução Os sistemas de seguro depósito têm, para seu bom desempenho, uma condicionante importante que é

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013

REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013 REGULAMENTO DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS FGC ANEXO II Á RESOLUÇÃO nº 4.222 DE 23.05.2013 CAPÍTULO I Da Garantia Ordinária Art. 1.º São beneficiários da garantia ordinária prestada pelo Fundo Garantidor

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Relatório da Administração Às Associadas ao FGC, Junho / 2014 Missão Institucional Acontecimentos Relevantes Desempenho Financeiro O Fundo Garantidor de Créditos - FGC é uma associação civil sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 21 de março de 2003

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito (Abril 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista I Introdução O Grupo de Estudos de Seguro Depósito identificou algumas

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) PASSIVO

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Análise Situacional e Considerações de Implementação

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Análise Situacional e Considerações de Implementação Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Análise Situacional e Considerações de Implementação (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, I - Introdução A adoção

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista,

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Transição de Garantias de Ampla Abrangência para um Sistema de Seguro Depósito com Cobertura Limitada. (abril, 2002) Ana Carla

Leia mais

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - COOPJUD NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013. CONTEÚDO I. RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE Relatório de Auditoria das Demonstrações Financeiras do exercício findo em 31 de Dezembro de 2014. LAM AUDITORES INDEPENDENTES Abril / 2015 Campinas, 22 de Abril de 2015. À Diretoria

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. com Parecer dos Auditores Independentes DFC-81 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS PRO FORMA Índice Parecer dos Auditores

Leia mais

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S. Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.A) com Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito - O que significa DPEG? - O que é DPGE 1 e 2? Quais suas finalidades? Qual a diferença para o FGC? DPGEs são títulos de renda fixa representativos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 110896 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações das mutações

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 kpmg Caixa Econômica Federal Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 KPMG Auditores Independentes

Leia mais

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui:

a) O resultado é apurado segundo o regime de competência e inclui: 1 - A INSTITUIÇÃO E SUAS OPERAÇÕES. A ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO POUPEX, organizada sob a forma de sociedade civil, de acordo com as Leis nº. 6.855, de 18.11.1980, e 7.750, de 13.04.1989, e demais

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 AudiBanco - Auditores independentes SS Rua: Flores da

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA UNIÃO NO NORDESTE

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA UNIÃO NO NORDESTE 1. Contexto operacional NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 A Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da União no Nordeste FEDERALCRED

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo com Relatório dos Auditores Independentes - Central Sicredi PR/SP Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES)

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND (Administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES) FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E DE 2001 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO - FND Econômico e Social - BNDES) DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Cooperativa de Crédito dos Empresários Industriais Vinculados a FIEMG Ltda. - SICOOB CREDIFIEMG CNPJ - 07.469.260/0001-50

Cooperativa de Crédito dos Empresários Industriais Vinculados a FIEMG Ltda. - SICOOB CREDIFIEMG CNPJ - 07.469.260/0001-50 Cooperativa de Crédito dos Empresários Industriais Vinculados a FIEMG Ltda. - SICOOB CREDIFIEMG CNPJ - 07.469.260/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 de

Leia mais

GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS

GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais