Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença. Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença. Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal"

Transcrição

1 Acessibilidade Boas práticas que marcam a diferença Ponto de situação da Acessibilidade em Portugal Francisco Godinho CERTIC/UTAD ( Web: Auditório da Microsoft, 29 de Janeiro de 2010

2 O que é a Acessibilidade no domínio das TIC? Acesso Universal Centro de Facilidade de Acesso (inclui Facilidade de Uso)

3 O que é a Acessibilidade no domínio das TIC? A Acessibilidade consiste na facilidade de acesso e de uso de produtos e serviços TIC por qualquer pessoa e em diferentes contextos. A Acessibilidade pode ser alcançada através de: a) aplicação dos Princípios do Design Universal ou Inclusivo; b) oferta de um leque variado de Produtos e Serviços (incluindo Produtos e Serviços de Apoio) que cubram as necessidades de diferentes populações; c) adaptação; e) meios alternativos de informação e/ou comunicação;

4 MeAC Measuring Progress of eaccessibility in Europe ( ) The eaccessibility gap

5

6 The eaccessibility Status Patchwork darker shading indicates better eaccessibility status

7 Alguns dos principais problemas no Acesso e na Acessibilidade de Aplicações Informáticas para PC Pouca prática em programação Acessível Ex. Software Educativo Leitores de Ecrã de qualidade para Windows muito caros Ainda não disponível: Reconhecimento de fala robusto para legendagem automática ou semi-automática de vídeos

8 Alguns dos principais problemas no Acesso e na Acessibilidade de Aplicações Informáticas para PC Software pouco intuitivo para idosos Sintetizador de fala com voz masculina muito cara

9

10 Acessibilidade dos Sítios Web da Administração Pública Central em Fev 2008 Dados da Presidência de Conselho de Ministros Conformidade para com as WCAG/W3C % dos sítios Web da Administração Pública Central em conformidade A para com as WCAG 1.0 Sem informação Sem informação

11 Acessibilidade dos Conteúdos Web dos Municípios Portugueses 2009 (Estudo qualitativo sobre a aplicação das WCAG 1.0 do W3C) Jorge Fernandes SUPERA Sociedade Portuguesa de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade Estudo realizado entre Julho e Agosto de 2009

12 Conformidade para com as WCAG/W3C % (5/294) das páginas de entrada dos municípios portugueses estão em conformidade A para com as WCAG 1.0, de acordo com os resultados recolhidos pelo examinator 4.1% (12/294) das páginas de entrada dos municípios portugueses estão em conformidade A para com as WCAG 1.0, quando analisados os resultados recolhidos pelo TAW. Nenhum dos dois validadores utilizados localizou páginas de entrada nos sítios Web municipais conformes com o nível AA das WCAG 1.0.

13 Afixação do símbolo de Acessibilidade à Web na primeira página dos municípios (2009) Dos 301 municípios com conteúdos online, 37,5% disponibilizam o símbolo de acessibilidade à Web. Constatou- se também que é prática generalizada a forma incorrecta como o símbolo é afixado na página. O procedimento correcto pode ser consultado em:

14 Este trabalho, realizado pelo Grupo de Trabalho Permanente "Negócio Electrónico", pretendeu analisar a acessibilidade dos sítios web das 1000 maiores empresas Portuguesas em volume de negócio. Autores: Ramiro Gonçalves ( ) UTAD Jorge Pereira ( ) Infosistema José Martins ( ) UTAD/Mindset Henrique S. Mamede ( ) UAberta Vítor Santos ( ) Microsoft

15 Este trabalho, está a ter continuidade na UTAD em colaboração com a APDSI para avaliação da situação relativamente à 2.ª versão das directrizes de Acessibilidade do W3C. Resultados previstos dentro de 3 a 4 meses.

16 86%

17 Terminais de Uso Público Situação em Portugal As caixas Multibanco com a opção de interface para utilizadores com deficiência visual foram introduzidas em 1996 com 4 operações: para alguns serviços: levantamentos; mudança de pin; pagamento de serviços; carregamento do porta-moedas electrónico. (Curiosamente na Wikipedia é referido que a primeira ATM do mundo adaptada para cegos teve origem no Canadá em 1997

18 Terminais de Uso Público Caixas Multibanco em Vila Real (Estudo da UTAD em 2006) 55 ATMs 10 modelos diferentes

19 Terminais de Uso Público com pouca Acessibilidade Venda de Bilhetes Aluguer de Vídeos Pagamento de Compras

20 The eaccessibility Status Patchwork darker shading indicates better eaccessibility status

21

22 Número NACIONAL de emergência por SMS Projecto SMS-Segurança, desenvolvido pela GNR em parceria com a Federação Portuguesa das Associações de Surdos [Julho 2008] Call Center da GNR Inclui pedidos para Bombeiros, GNR, PSP, INEM

23 Serviço de Intermediação para surdos Patrocinado em 2008/2009 por Actualmente Suspenso

24 Telemóveis com acessibilidade para a Deficiência Visual (com sistema operativo) Sistema Operativo Symbian Leitores de ecrã: Mobile Speak, Talks Ampliador: Zooms VODAFONE SAY Leitor de Ecrã Talks TMN - DIX Leitor de Ecrã: Mobile Speak ou Mobile Accessibility Sistema Operativo Windows Mobile Leitores de ecrã: Mobile Speak Pocket Pocket Hal Nota: há pouca informação técnica sobre a interoperabilidade com estes leitores de ecrã

25 Deficiência Auditiva TMN Picoloop Acessório para pessoas com aparelhos auditivos Deficiência da Fala EasyVoice (para o Skype) Deficiência Cognitiva Idosos Deficiência Motora

26

27 Acessibilidade da RTP Página 190 do Teletexto

28 Serviços de Acessibilidade na Televisão Portuguesa 21 de Agosto de 2003 Protocolo RTP SIC TVI LGP e Legendagem para surdos no teletexto na SIC e TVI Surge como contrapartida de redução de publicidade na RTP1 Protocolo actualizado em 15 de Fevereiro de O incremento de acessibilidade nos canais privados condiciona uma nova redução da publicidade na RTP1 1 de Dezembro º Emissão de áudio-descrição na RTP& RDP Programa de Estreia: A Menina da Rádio 3 de Dezembro de 2004 a TV Cabo introduz programação regular com áudio-descrição para cegos. Programa de Estreia: O Pátio das Cantigas

29 Protocolo RTP SIC TIV 2003 Programação Cultural e Apoio aos Públicos com Dificuldades Auditivas Os operadores SIC e TVI comprometem-se a emitir um mínimo de duas horas e meia, em cada semana, de programação de actualidade informativa, educativa, cultural ou recreativa ou rubricas integradas em programas dessa natureza, com língua gestual emitir de segunda a sexta-feira programas de ficção ou documentários com legendagem através de teletexto, não podendo a duração total desses programas ou documentários ser inferior a cinco horas/semana.

30 Serviços de Acessibilidade na Televisão Portuguesa Lei da Televisão - Lei nº 27/2007 Determina que a ERC deverá definir o conjunto de obrigações que permitam o acompanhamento das emissões por pessoas com necessidades especiais, nomeadamente através do recurso à legendagem, à interpretação por meio de língua gestual, à áudio-descrição ou a outras técnicas que se revelem adequadas, com base num plano plurianual que preveja o seu cumprimento gradual. 1 de Julho de 2009 ERC define obrigações das emissões para pessoas com necessidades especiais

31 Programa Plurianual ERC Período de 1 de Julho de 2009 a 31 de Dezembro de 2010 Os serviços de programas generalistas de acesso não condicionado livre deverão garantir: Para os cidadãos com deficiência visual: uma hora e trinta minutos semanais de programas de ficção ou documentários com áudio-descrição. Locução em língua portuguesa de excertos falados em língua estrangeira A SIC e a TVI impugnaram judicialmente o plano A estação de Queluz (TVI) interpôs ainda uma providência cautelar para suspendê-lo Lusa: 28 de Janeiro de 2010

32 Programa Plurianual ERC Período de 1 de Julho de 2009 a 31 de Dezembro de 2010 Os serviços de programas generalistas de acesso não condicionado livre deverão garantir: Para os cidadãos com deficiência auditiva: oito horas semanais de programas de ficção ou documentários com legendagem especificamente destinada a pessoas com deficiência auditiva, Deverão ainda garantir três horas semanais de programas de natureza informativa, educativa, cultural, recreativa ou religiosa com interpretação por meio de língua gestual portuguesa,

33 Desafios de Acessibilidade na TV Digital Equipamento fácil de usar Ligações ao equipamentos Controlos remotos Suporte a Serviços de Acessibilidade Gravação Acesso a Televisão Interactiva Acesso a informação no ecrã Aceso ao Guia de programação e aos menus de navegação Desenvolvimento de Tecnologias de Apoio Partilha de programas gravados

34 EC Report on the Public Consultation on web accessibility and other e- accessibility issues (2008)

35 EC Report on the Public Consultation on web accessibility and other e- accessibility issues (2008)

36 Algumas Iniciativas de Acessibilidade em curso na UTAD Projecto SmartVision: visão activa para cegos Avaliação de sítios Web das 1000 maiores empresas. Acessibilidade do Comércio Electrónico. Planos Autárquicos de Info-Acessibilidade Penafiel Guimarães Maia Rota Românico Vale Sousa Viseu Coimbra Palmela Portimão Vila Real de Santo António DSAI: International Conference on Software Development for Enhancing Accessibility and Fighting Info-exclusion Acessibilidade da Televisão Digital - Meo Acessibilidade do Computador Magalhães Sistema de Voto Acessível Introdução da Acessibilidade em unidades curriculares de programação de aplicações informáticas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL

ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL Enviado por: Eng.º Francisco Godinho Email: godinho@utad.pt Telefone: 259350376 Fax: 259350300 ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM

Leia mais

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade.

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade. ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL Documento Técnico 7 de Junho de 2007 1/13 Índice POPULAÇÃO-ALVO E ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS...

Leia mais

Fórum da Acessibilidade Web 2014

Fórum da Acessibilidade Web 2014 Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014

Leia mais

Alvaiázere INFOACESSIBILIDADE. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE

Alvaiázere INFOACESSIBILIDADE. Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere FASE II - PLANO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE Alvaiázere Plano Local de Promoção da Acessibilidade do Município de Alvaiázere INFOACESSIBILIDADE 8 284 8.1. WEB Depois de avaliada a acessibilidade do site da responsabilidade da Câmara Municipal de

Leia mais

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI PROTOCOLO RTP / SIC / TVI (Protocolo assinado pelos três operadores, em 21 de Agosto de 2003, e alterado pela Adenda ao Protocolo, de 15 de Fevereiro de 2005) VERSÃO CONSOLIDADA Entre: RÁDIO E TELEVISÃO

Leia mais

Estudo Conformidade dos sítios web da AP Central com as Web Content Accessibility Guidelines 1.0 do W3C

Estudo Conformidade dos sítios web da AP Central com as Web Content Accessibility Guidelines 1.0 do W3C Estudo Conformidade dos sítios web da AP Central com as Web Content Accessibility Guidelines 1.0 do W3C (análise comparativa 2008 / 2010) Jorge Fernandes / UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet Guia para utilizadores com necessidades especiais

Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet Guia para utilizadores com necessidades especiais Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet Guia para utilizadores com necessidades especiais 1 Agradecimentos ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal ACOP Associação

Leia mais

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Todos os Organismos da Administração Pública Central e Regional e as Câmaras Municipais dispõem de ligações à Internet.

Leia mais

Acesso à Informação por pessoas com necessidades especiais. Jorge Fernandes Jorge.fernandes@umic.pt UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Acesso à Informação por pessoas com necessidades especiais. Jorge Fernandes Jorge.fernandes@umic.pt UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Acesso à Informação por pessoas com necessidades especiais Jorge Fernandes Jorge.fernandes@umic.pt UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Janeiro 2010 Incapacidade para aceder à documentação

Leia mais

Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet

Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet Necessidades especiais Conheça as soluções adaptadas de telefone e Internet Guia para utilizadores com necessidades especiais Agradecimentos ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal ACOP Associação

Leia mais

Workshop Acessibilidade Web Ponto de Situação em Portugal

Workshop Acessibilidade Web Ponto de Situação em Portugal Workshop Acessibilidade Web Ponto de Situação em Portugal 19 de julho de 2012 Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garret Patrocínio Principal Apoios Parceiro Co-Financiamento Patrocinadores Globais

Leia mais

Fórum da Acessibilidade Web 2014

Fórum da Acessibilidade Web 2014 Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI Fórum da Acessibilidade Web 2014 27 de novembro de 2014

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI 2ª Conferência Internet, Negócio

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Mitos da Acessibilidade Web

Mitos da Acessibilidade Web SAPO Codebits 2008 Magda Joana Silva magdajoanasilva@gmail.com Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com limitações Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

³3HVVRDVFRPQHFHVVLGDGHVHVSHFLDLV $FHVVLELOLGDGH

³3HVVRDVFRPQHFHVVLGDGHVHVSHFLDLV $FHVVLELOLGDGH ³3HVVRDVFRPQHFHVVLGDGHVHVSHFLDLV $FHVVLELOLGDGH por &ULVSLP$OEHUWR&DOGHLUD7ULEXQD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra ctribuna@student.dei.uc.pt 5HVXPR Apresenta-se de forma

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Adaptação de materiais digitais Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Plano da sessão Tópicos Duração Documentos acessíveis: porquê e para quem. Diretrizes de acessibilidade Navegabilidade, legibilidade

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação Trabalho de Projecto O Mundo da TV

Tecnologias de Informação e Comunicação Trabalho de Projecto O Mundo da TV Dedicamos o trabalho a todos aqueles a que, neste país, fazem tudo para existir uma melhor televisão e àqueles que trabalham horas a fio para dar continuidade a uma emissão. Dedicamo-lo também àqueles

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Barreiras Virtuais no Governo Electrónico em Portugal

Barreiras Virtuais no Governo Electrónico em Portugal Barreiras Virtuais no Governo Electrónico em Portugal Ezequiel Silva 1, Joaquim Faias 1, Carla Teixeira Lopes 1 ezequielsilva@interportas.com, jfaias@estsp.ipp.pt, ctl@estsp.ipp.pt 1 Escola Superior de

Leia mais

2.9. SDH in the newspapers

2.9. SDH in the newspapers SDH in the newspapers 2.9.3. Mulheres Apaixonadas project 2.9. A SACI Acessibilidade Deficiência Educação Trabalho Índice "Mulheres Apaixonadas" com closed caption para Portugal Equipe da Escola Superior

Leia mais

Deliberação 4/2014 (OUT-TV)

Deliberação 4/2014 (OUT-TV) Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 4/2014 (OUT-TV) Plano plurianual que define o conjunto de obrigações relativas à acessibilidade dos serviços de programas

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações 03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI avaliação de acessibilidade e usabilidade de plataforma de e-commerce Tânia Rocha (trocha@utad.pt)

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.9.2005 COM(2005)425 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Info-acessibilidade

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4895. Resolução do Conselho de Ministros n. o 110/2003

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4895. Resolução do Conselho de Ministros n. o 110/2003 N. o 185 12 de Agosto de DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4895 Resolução do Conselho de Ministros n. o 110/ A Resolução do Conselho de Ministros n. o 135/2002, de 20 de Novembro, definiu o novo enquadramento

Leia mais

Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica

Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica Nº: 4/DSPCS DATA:

Leia mais

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ACESSIBILIDADE DA BVS MS ÀS PESSOAS

Leia mais

Guia de Referência do Formulário Online

Guia de Referência do Formulário Online 08 de Junho de 2009 Guia de Referência do Formulário Online Versão 2.0 Índice Introdução Glossário Que equipamento devo ter? Como aceder ao Formulário? Quais os dados que devo saber para preencher o formulário?

Leia mais

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO 2009 2010 MEDIDAS INTERSECTORIAIS: LICENÇAS, AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS E OUTROS CONDICIONAMENTOS ADMINISTR ATIVOS SIMILARES Identificar e inventariar todas as licenças, autorizações

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

PARECER TÉCNICO. Referência: parecer requisitos de acessibilidade em aparelhos de telefonia móvel 1. A ONCB: CONCEITO, ATUAÇÃO E OBJETIVOS.

PARECER TÉCNICO. Referência: parecer requisitos de acessibilidade em aparelhos de telefonia móvel 1. A ONCB: CONCEITO, ATUAÇÃO E OBJETIVOS. Inscrição do CNPJ / MF: 10.400.386/0001-82 Escritório Brasília SCS Quadra 1 Bloco B Sala 307 Brasília - DF Cep: 70308-900 E Telefone: (61) 3041-8288 E-mail: brasilia@oncb.org.br PARECER TÉCNICO Referência:

Leia mais

Manual de Registo de Certificados no. Microsoft Windows

Manual de Registo de Certificados no. Microsoft Windows Manual de Registo de Certificados no Microsoft Windows Manual de Registo de Certificados no Microsoft Windows Página 2 de 12 CONTROLO DOCUMENTAL REGISTO DE MODIFICAÇÕES Versão Data Motivo da Modificação

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Prémio de Literatura Infantojuvenil Inclusiva OGIMA - Todos Podem Ler Preâmbulo Considerando a) Os princípios de Educação Inclusiva vertidos na Declaração de Salamanca; b) Que

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

Prova de Conceito Segurança e Emergência

Prova de Conceito Segurança e Emergência Prova de Conceito Segurança e Emergência Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e

Leia mais

Produtos e serviços para deficientes visuais. Vista Geral de Produtos

Produtos e serviços para deficientes visuais. Vista Geral de Produtos Produtos e serviços para deficientes visuais Vista Geral de Produtos 2 BAUM Retec AG Especializados em produtos e serviços para deficientes visuais há mais de 30 anos. A BAUM Retec é uma empresa privada

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Sílvia Maria Gonçalves Tavares Morada Rua do Outeiro, nº250 Ameal 3750-303 Águeda Telemóvel +351 91 200 60 70 +351 96 299 36 29 Correio electrónico Nacionalidade

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Sociedade da Informação e do Conhecimento 04 de Novembro 2008 Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Banda larga presente em 86% dos agregados domésticos

Leia mais

Câmaras Municipais. Inquérito à Utilização dastecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

Câmaras Municipais. Inquérito à Utilização dastecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO Câmaras Municipais Inquérito à Utilização dastecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO Índice 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local

MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Da AP Central à AP Local Da AP Central à AP Local PAULO NEVES PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO 01 JULHO 2014 COMO OS CIDADÃOS VÊEM O SETOR PÚBLICO? 2 3 MAS SERÁ QUE PODEMOS FALAR NUMA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? 4 DIVERSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Projecto de Disaster-Recovery e Governação Electrónica

Projecto de Disaster-Recovery e Governação Electrónica CENTRO DE GESTÃO DA REDE INFORMÁTICA DO GOVERNO Projecto de Disaster-Recovery e Governação Electrónica 18 de Junho de 2008 Resumo da Apresentação O CEGER: Centro de Gestão da Rede Informática do Governo

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

Guia Rápido de Vodafone Conferencing

Guia Rápido de Vodafone Conferencing Guia de Utilizador Vodafone Guia Rápido de Vodafone Conferencing O seu pequeno manual para criar, participar e realizar reuniões de Vodafone Conferencing. Vodafone Conferencing Visão geral O que é uma

Leia mais

Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da. Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Média e Cidadania Velhas e Novas Questões

Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da. Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Média e Cidadania Velhas e Novas Questões Sessão de Encerramento da Conferência Internacional da Entidade Reguladora Para a Comunicação Social (ERC) Por uma cultura de regulação Média e Cidadania Velhas e Novas Questões Fundação Calouste Gulbenkian,

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

ACORDO DE AUTORREGULAÇÃO EM MATÉRIA DE CONCURSOS COM PARTICIPAÇÃO TELEFÓNICA

ACORDO DE AUTORREGULAÇÃO EM MATÉRIA DE CONCURSOS COM PARTICIPAÇÃO TELEFÓNICA ACORDO DE AUTORREGULAÇÃO EM MATÉRIA DE CONCURSOS COM PARTICIPAÇÃO TELEFÓNICA Entre, por um lado, Rádio e Televisão de Portugal, S. A., doravante abreviadamente designada por «RTP», e, por outro lado, SIC

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA. Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor

PROGRAMA. Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor PROGRAMA Objetivos: Avaliar a consciencialização dos alunos das capacidades e limitações das tecnologias de informação, perspectivando

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

Manual de Instalação Rápida do Cabo de Ligação de Dados CA-42

Manual de Instalação Rápida do Cabo de Ligação de Dados CA-42 Manual de Instalação Rápida do Cabo de Ligação de Dados CA-42 9234594 2ª Edição Nokia, Nokia Connecting People e Pop-Port são marcas registadas da Nokia Corporation. Copyright 2005 Nokia. Todos os direitos

Leia mais

online > Através de formulário > ComoCartãodeCidadão > Associação do Cartão de Cidadão 1. Aderir ao serviço

online > Através de formulário > ComoCartãodeCidadão > Associação do Cartão de Cidadão 1. Aderir ao serviço online 1. Aderir ao serviço > Através de formulário > ComoCartãodeCidadão > Associação do Cartão de Cidadão 2. Navegar no BAV 3. Consultar requisitos > Autenticação no BAV > Navegação nos menus > Localização

Leia mais

REGULAMENTO DE ACTIVIDADES BÁSICO (2º e 3º CICLOS) E SECUNDÁRIO (Válido até 31 de Maio de 2010)

REGULAMENTO DE ACTIVIDADES BÁSICO (2º e 3º CICLOS) E SECUNDÁRIO (Válido até 31 de Maio de 2010) REGULAMENTO DE ACTIVIDADES BÁSICO (2º e 3º CICLOS) E SECUNDÁRIO (Válido até 31 de Maio de 2010) Âmbito das Actividades As Actividades SeguraNet inserem-se no projecto com o mesmo nome, desenvolvido no

Leia mais

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador Manual do Utilizador Luis Panao 2015 INDICE Introdução 1 Funcionalidades 3 - Consultar 4 - Comunicar 7 - Financeiro 12 Ficha técnica 17 Luis Panao 2015 1 INTRODUÇÃO De acordo com o desafio deste projecto,

Leia mais

índice Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou na TV Fotos e Música Controlo Parental Compra de Canais

índice Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou na TV Fotos e Música Controlo Parental Compra de Canais índice 01 04 03 02 05 06 10 09 08 07 11 12 13 p.05 Boas-vindas / Vantagens p.06 p.08 p.11 p.12 p.13 p.14 p.15 p.16 p.16 p.18 p.19 p.19 Equipamentos Comando Ver TV Pausa TV Guia TV Gravador Videoclube Passou

Leia mais

Inovar com o Sistema VIVA

Inovar com o Sistema VIVA Inovar com o Sistema VIVA Novas Soluções de Venda de Títulos de Transporte OTLIS, ACE / Miguel Brito da Silva Agenda 1. O Consórcio OTLIS 2. O Sistema VIVA 3. Desafios OTLIS VIVA: melhorar a experiência

Leia mais

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ELEIÇÕES REGIONAIS 2 0 1 5 ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos para escolher quem nos vai representar e falar em nosso nome.

Leia mais

NE Report Digital 2011

NE Report Digital 2011 2011 Enquadramento O NE Report Digital é uma informação anual sobre o meio Internet, fornecido pelo Departamento de Research da Nova Expressão. O estudo tem como propósito uma análise evolutiva da utilização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenadoria de Educação a Distância MCONF RESULTADOS DO EXPERIMENTO 5 Endereço da Sala: http://mconf.rnp.br/webconf/unipampa.

Leia mais

CONTACTOS : Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril

CONTACTOS : Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril Objetivos: Compreender o conceito de "turismo inclusivo", o quadro normativo-legal que o suporta e a relevância estratégica do seu desenvolvimento para o sector do turismo, para os seus empresários e trabalhadores

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI Da Interoperabilidade

Leia mais

Serviços para o cliente residencial: que desafios?

Serviços para o cliente residencial: que desafios? Serviços para o cliente residencial: que desafios? Vitor Manuel Ribeiro PT Inovação, S. A. Conferência Habitação Digital ao Serviço o das Pessoas 21 de Outubro de 2005 Escola Superior de Tecnologia de

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

Leiria Região Digital

Leiria Região Digital U M A R E G I Ã O ONLINE COM A VIDA Leiria Região Digital Resultados 15 de Julho de 2008 Nerlei 1 Agenda Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência Objectivos do LRD Resultados do projecto

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO I1058 19.01.2016 Cartões de Crédito Particulares Agência/ OE Gestor Rede Ponto 24/ VISA Electron Private Exclusivo PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO DAKI Pronto a Usar EU Não protocolado REFERÊNCIA

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO. 3.ª edição. Preâmbulo

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO. 3.ª edição. Preâmbulo Prémio de Literatura Infantojuvenil Inclusiva Todos Podem Ler 3.ª edição Preâmbulo Considerando a) Os princípios de Educação Inclusiva vertidos na Declaração de Salamanca ; b) Que a aplicação de tais princípios

Leia mais

Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador

Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador O Banco de todos os momentos. Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador Índice 1. Introdução ao Mobile Banking BAI... 5 2. Regras de Segurança... 8 3. Guia

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS. Município da Miranda do Corvo

PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS. Município da Miranda do Corvo PLANO DE SOLUÇÕES INTEGRADAS DE ACESSIBILIDADE PARA TODOS Município da Miranda do Corvo A POPULAÇÃO É DIVERSA Vivemos numa sociedade estereotipada, desenhada para a maioria, que não tem em conta os direitos

Leia mais

Investir em Modernas Infraestruturas Associadas às TIC

Investir em Modernas Infraestruturas Associadas às TIC Investir em Modernas Infraestruturas Associadas às TIC Vale do Sousa Digital 18 de Abril de 2013 Vale do Sousa Digital Início 2005 Projeto Financiado pelo Programa Operacional da Sociedade do Conhecimento

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais