José Theodoro Mascarenhas Menck

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Theodoro Mascarenhas Menck"

Transcrição

1 José Theodoro Mascarenhas Menck Doutor em História das Relações Internacionais pela UnB; Mestre em História Social, pela UnB; pós-graduação em Direito Romano pela Primeira universidade de Roma La Sapienza. Consultor legislativo da Câmara dos Deputados, Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo legislativo e Poder Judiciário. A Crise Política de 1868 e a Gênese do Manifesto Republicano de

2 Resumo Palavras-Chave Abstract Keywords O artigo discute a crise política do 2 o reinado que, em 1868, resultou na queda do gabinete liberal comandado por Zacarias de Gois e Vasconcelos, como fato fundamental da história brasileira, na medida em que ensejou, nas palavras de Sérgio Buarque de Hollanda, o crescimento da onda que iria derrubar a monarquia, abrindo espaço para a articulação do grupo político republicano. Elucida, ainda, a autoria do Manifesto Republicano de 1870 e a proveniência de alguns de seus mais importantes signatários. Crise política; gabinete liberal; conservadores; perda de credibilidade do regime; declínio da monarquia; propaganda republicana; Manifesto Republicano. The article discusses the political crisis that, in 1868, resulted in the collapse of the liberal cabinet led by Zacarias de Goes e Vasconcelos. The episode made possible the articulation of the Republican political group, contributing to the wave that, in the words of Sergio Buarque de Hollanda, would overthrow the monarchy two decades later. The text also elucidates the authorship of the Republican Manifesto of 1870, and briefly comments on the background of some of its most important signatories. Political crisis; liberal cabinet; conservative cabinet; loss of credibility of the regime; decline of the monarchy; republican propaganda; Republican Manifesto. 33

3 Introdução O ano de 1868, com a queda do gabinete liberal de 3 de agosto1, comandado por Zacarias de Gois e Vasconcelos, e com a conseqüente ascensão dos conservadores, deveria ser lembrado como uma data fundamental nos fastos da história política brasileira. Naquele ano, forçado pelas circunstâncias, D. Pedro II sacrificou definitivamente a credibilidade do regime político que, árdua e tenazmente, havia sido construído ao longo de todo o seu reinado por duas gerações de estadistas brilhantes. Regime político que havia garantido, em meio ao caos latino-americano, não apenas a estabilidade do país, mas a própria alternância do poder. Como já foi dito por Sérgio Buarque de Holanda, naquele momento, com aquela substituição do gabinete de 3 de agosto pelo de 16 de julho, começa a crescer a onda que vai derrubar a instituição monárquica. Ela viveria ainda alguns anos, às vezes até com o antigo brilho. Os homens mais lúcidos, no entanto, sabiam que o Império estava condenado. Em 1869 começa o seu declínio até chegar o queda em Ela já revelara seu potencial, o que tinha de positivo e negativo. Agora ia viver quase vegetativamente, pois eram sabidos os seus limites. A data de 1868 encerra o período do esplendor e abre o das crises que levarão à sua ruína.2 Embora pudessem então existir dúvidas sobre o seu real significado, ninguém, a começar pelo próprio Imperador, se iludia quanto aos riscos assumidos com a súbita mudança de política. O presidente do conselho que subia ao poder, o Visconde de Itaboraí, quando chamado a organizar o novo ministério, tinha ciência das dificuldades de que teria pela frente, tanto que, no programa com que se apresentou à câmara, chega mesmo a incluir a expressão: tarefa perigosa para definir sua missão. Mas, por que a substituição de um gabinete por outro, algo já então corriqueiro na vida política brasileira de então, se mostrou tão temerário? Quais foram as circunstâncias que levaram D Pedro a um ato que se revelou tão ominoso A primeira espada do Império e o terceiro gabinete Zacarias EEm 1868 estava em marcha a Guerra do Paraguai, o Marquês de Caxias se encontrava no comando do exército e, após debelar as invasões paraguaias no 1 No Império os gabinetes ministeriais eram conhecidos pela data em que eram nomeados. 2 História Geral da Civilização Brasileira, t. 2. O Brasil Monárquico, 3 o vol., Reações e Transações, pág. 107 e segs. 34 Cadernos ASLEGIS 37 maio/agosto 2009

4 sul do Brasil, o Comandante-em-chefe estava organizando e adestrando o exército brasileiro. Em verdade, Caxias estava dando forma e construindo o exército brasileiro. Nesta época, diversos jornais do Rio de Janeiro, inconformados com a aparente inatividade das tropas, passaram a criticar o comando de Caxias. Incomodado pelo que chamou de guerra de alfinetes, e atribuindo tal campanha de descrédito que dizia sofrer ao gabinete liberal do Conselheiro Zacarias, Caxias escreveu diretamente ao Imperador, impondo-lhe uma opção: ou se demitiria ele, alegando doença, para não parecer que pressionava o governo, ou se demitia o gabinete presidido por Zacarias. O Imperador ouviu o Conselho de Estado que, por maioria, opinou no sentido de se manter o princípio da hierarquia constitucional, por mais necessários, relevantes e indispensáveis que fossem os serviços do marquês. A autoridade civil do Presidente do Conselho de Ministros não podia ser coagida pelo poder da espada, nem mesmo pelo da primeira espada do Império. D. Pedro, entretanto, diante das difíceis circunstâncias criadas pela guerra, e da própria desorganização do exército, julgou altamente inconveniente a troca de comando das tropas. Julgou mesmo imprescindível a permanência do comandante-em-chefe, em cujo trabalho tinha plena confiança. O conselheiro Zacarias superava o marquês em ilustração e inteligência; no entanto, Caxias superava largamente o político bahiano em serviços prestados ao país e ao regime. Ademais, certas afinidades de temperamento parecem ter sido fatores que criaram, entre o general e o monarca, uma mútua confiança, que parece ter sido uma marca da relação dos dois. Se ao general faltava a curiosidade erudita e dispersiva que foi a característica principal do Imperador, teve, de sobra, a mesma prudência, a mesma paciência, a mesma moderação, e, até mesmo, poderíamos dizer, a mesma morosidade nas reações. O certo é que, o general e o Imperador, mutuamente se admiravam. A troca de gabinetes e a iracunda reação da Câmara dos Deputados Todos os pormenores da crise de 1869, inclusive a intransigente defesa da autoridade civil por parte do Conselho de Estado, encontram-se relatados nas atas do Conselho Pleno daquele conselho, publicada pelo Senado, em Diante da intransigência do general, senador conservador, Zacarias, o presidente do conselho liberal, não só optou por ceder, em face da necessidade da manutenção dos 3 Atas do Conselho de Estado; Brasília, Senado Federal, 1978, vol. VIII. Direção geral, organização e introdução de José Honório Rodrigues, prefácio de Pedro Calmon. Vide especialmente, atas de 2 a 30 de julho de Artigos & Ensaios 35

5 serviços de Caxias para o país, que enfrentava uma duríssima conjuntura de fazer a guerra depois de grave crise financeira, como se dispôs a dar à sua renúncia a aparência de uma dissensão do Gabinete com o Monarca, exatamente para caracterizar a obediência às praxes do regime. Esse pretexto veio com a escolha, pelo Imperador, de Sales Torres-Homem, o Visconde de Inhomirim, então um conservador convertido, para o Senado. Zacarias alegou não só a incompatibilidade política com o escolhido, mas também a mentira eleitoral. Ambas as razões, como pretextos, eram falsas, sem dúvida, mas salvavam o princípio do sistema parlamentar perante a face da Nação. Conhecendo a verdade, a Câmara, de maioria liberal, reagiu com inusitada violência. Primeiro, aprovou a moção redigida por José Bonifácio, o Moço, que é uma terrível arremetida contra a não observância dos usos parlamentares, chegando a comparar o Gabinete que substituiu o de Zacarias, a um bandido que, na calada da noite, penetra numa casa para saqueá-la. E, em seguida, passou a negar, a despeito das vicissitudes da guerra em que o país estava empenhado, até mesmo os créditos pedidos pelo Ministério para a continuação da luta, o que terminou provocando a sua dissolução. Os termos de moção dizem bem da indignação causada pela farsa montada para resguardar a aparência de normalidade da retirada do Gabinete, sem que fosse suscitada qualquer questão parlamentar: A Câmara vê com profunda mágoa e geral surpresa, o estranho aparecimento desse Ministério gerado fora de seu seio e simbolizando uma política nova, sem que uma questão parlamentar houvesse gerado a perda de seu predecessor. Deplorando esta circunstância singular, e ligada por sincera amizade ao sistema parlamentar à monarquia constitucional, a Câmara não tinha nem pode ter confiança em tal Gabinete. Em outro trecho a mesma moção declara: Hoje, do dia para a noite, um ministério cai no meio de numerosa maioria parlamentar e inopinadamente surgem ministrar como hóspedes inoportunos que batem fora de horas e pedem agasalho em casa desconhecida. A desmoralização do regime O ministério do Visconde de Itaborai se apresentou à Câmara no dia 16 de julho; no dia seguinte, 17 de julho, a Câmara aprova, por larguíssima diferença 36 Cadernos ASLEGIS 37 maio/agosto 2009

6 85 votos contra 10 a moção de desconfiança ao gabinete. Constitucionalmente segue-se, a 18 de julho, sessão do Conselho de Estado, especialmente convocado. Quando no dia 19, um domingo, sai o decreto de dissolução da Câmara, a notícia já não surpreende a ninguém. A manhã imediata oferece à corte o aspecto de uma praça de guerra, com grande concentração de tropa armada nas vizinhanças do Poço da cidade, contíguo à cadeia velha, sede da Câmara dos Deputados. A gravidade dos sucessos que acabavam de sacudir o país, tomando aparências de golpe de Estado, fazia-os matéria de todas as conversações e era motivo de críticas mordazes à monarquia e ao monarca. Um político liberal, já em vésperas de tornar-se republicano, Joaquim Saldanha Marinho, falou a propósito em estelionato político. Até mesmo alguns observadores estrangeiros, os mais familiarizados com o cenário do país, fizeram críticas acerbas ao rumo tomado pela nova situação política. Sérgio Buarque de Holanda 4 nos lembra que o irlandês William Scully que nas palavra do célebre historiador, tinha seu talher no orçamento do ministério decaído, e a quem coube papel nada irrelevante no desencadear da crise, quando publicamente desconceituou em seu jornal, o Anglo-Brazilian Times, a primeira espada do Império, fez coro com os órgãos mais iracundos da imprensa liberal, que viram na mudança política um mau agouro para o regime. Por sua vez, o plenipotenciário norte-americano James Watson Webb, que não hesitara pouco antes em polemizar com homens públicos brasileiros na mesma folha, apressava-se, num despacho para o Secretário de Estado em Washington, em dar como inevitável a próxima queda da monarquia brasileira. Chegava mesmo a insinuar mais tarde irá sustentá-la resolutamente a teoria de que ele, Webb, fora personagem fundamental no desfecho da situação, devido a sua atitude varonil no caso da canhoneira Wasp que, devendo ir tirar de Assunção o encarregado de negócios dos Estados Unidos, teve grande dificuldade para atravessar as linhas aliadas. Segundo essa curiosa explicação, resgatada do olvido por Sérgio Buarque de Holanda, 5 o Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos se tinha empenhado vivamente em evitar uma ruptura com Washington, mas esbarrara na oposição pessoal de D. Pedro II, que obstinadamente se decidira a sustentar Caxias, sem querer medir as conseqüências possíveis da teimosia. Uma coisa, porém, era certa, conforme o belicoso diplomata, e geral: um terceiro ocupante jamais se 4 História Geral da Civilização Brasileira, t. 2. O Brasil Monárquico, 5 o vol., Do Império à República, pág História Geral da Civilização Brasileira, t. 2. O Brasil Monárquico, 5º vol., Do Império à República, pág. 8. Artigos & Ensaios 37

7 sentaria no trono de D. Pedro II. Animo-me a uma profecia, ajunta, não darei 10 anos para que o Brasil se torne república 6 Exagerava o general (e exagerará ainda mais logo depois, quando admite que não se surpreenderia se a reviravolta acontecesse nos próximos 10 meses), mas só exagerava pela metade: estaria mais certo se alongasse para 20 anos o prazo fatal. Foi nesta época que tomou alenta o que Oliveira Lima disse ter sido a campanha demolidora do Império, quando passou a ser moda os políticos, de ambos os grêmios políticos, quando apeados do poder, investirem, com toda a eloqüência e furor de suas verves, contra o lápis fatal, contra o poder pessoal onipotente do Imperador. Octaciano Nogueira, ao comentar o Os Ataques ao Poder Pessoal 7 relembra-nos que o célebre discurso do senador liberal José Thomaz Nabuco de Araújo, denunciando a fraude do sistema eleitoral, foi pronunciado no Senado justamente no dia 17 de julho de 1868, comentando a ascensão do gabinete conservador do dia anterior. Discurso que entrou na história política nacional sob a denominação dos sorites, in verbis: Senhor Presidente, sou chamado à Tribuna por um motivo que, em minha consciência (talvez esteja errado), é muito imperioso. Este motivo, Senhores, é que tenho apreensões de um governo absoluto; não de um governo absoluto de direito, porque não é possível neste país que está na América, mas de um governo absoluto de fato.(...) Segundo uma expressão que em outros anos eu repetira, quando ascendeu ao poder o Ministério de 24 de maio, eu direi: Não é aqui que se fazem ou desfazem os Ministérios! (...) Senhores, havia no Parlamento uma maioria liberal, constituída pela vontade nacional; uma maioria tão legítima, tão legal, como têm sido todas as maiorias que temos tido no país... (...) Essa maioria tendia, por conseqüência, a crescer; o Ministério que a representava, decaiu, não por uma vicissitude do sistema representativo, não porque uma minoria se tornasse maioria, mas por diferenças que houve nas relações da Coroa com os seus Ministros. 6 General James W. Webb to the Honorable William H. Seward, Rio de Janeiro, July 22th 1868, MS. The National Archives, Washington, D. C.: Despatches from United States Ministers to Brazil. Micr. 121, Roll A Constituição de 1824, Constituições do Brasil, Brasília, Universidade de Brasília, 1987, vol. I, pág Cadernos ASLEGIS 37 maio/agosto 2009

8 Dizei-me: o que é que aconselhava o sistema representativo? O que é que aconselhava o respeito à vontade nacional? Sem dúvida que outro Ministério fosse tirado dessa maioria. Mas fez-se isto? Não, Senhores, e devo dizer, foi uma fatalidade para as nossas instituições; Chamou-se um Ministério de uma política contrária, adversa à política dominante, à política estabelecida pela vontade nacional: foi chamada ao Ministério uma política vencida nas urnas, que tinham produzido a maioria que se acha vigente e poderosa no Parlamento. Isto, Senhores, é sistema representativo? Não. Segundo os preceitos mais comezinhos do regime constitucional, os Ministérios sobem por uma maioria, como hão de descer por outra maioria; o poder Moderador não tem o direito de despachar Ministros como despacha empregados, delegados e subdelegados de polícia; há de cingir-se, para organizar Ministérios, de princípio dominante do sistema representativo, que é o princípio da maioria. Pois sem dúvida, Senhores, vós não podeis levar a tanto a atribuição que a Constituição confere à Coroa de nomear livremente os seus ministros; não podeis ir até o ponto de querer que nessa faculdade se envolva o direito de fazer política sem a intervenção nacional, o direito de substituir situações como lhe aprouver. Ora, dizei-me: não é isto uma farsa? Não é isto um verdadeiro absolutismo, no estado em que se acham as eleições no nosso país? Vede este sorites fatal, este sorites que acaba com a existência do sistema representativo: O Poder Moderador pode chamar a quem quiser na hora de organizar Ministérios, esta pessoa faz a eleição, porque há de fazê-la, esta eleição faz a maioria. Eis, aí está o sistema representativo do nosso país. O Manifesto Republicano de 1870 Evaristo de Moraes 8 com a autoridade de quem foi não apenas republicano histórico, mas ativo membro da Propaganda Republicana, ao relembrar as mais remotas origens do movimento republicano no Brasil não das idéias republicanas, cujas primeiras manifestações são encontráveis ainda na colônia, mas do movimento republicano organizado, declarou que foi a frustração que a inopinada troca de gabinetes em 1869, com o completo desrespeito das regras 8 Da Monarquia para a República ( ), 2º ed. Brasília, Ed. UnB, 1985, pág. 15. Artigos & Ensaios 39

9 então vigentes, impôs aos membros mais radicais do partido liberal que levou à cisão do mesmo, dando origem tanto ao partido liberal radical quanto ao partido republicano. As regras do jogo foram quebradas pelo monarca, o regime havia perdido sua credibilidade. Dos eventos de 1868 derivou não somente o largo programa dos liberaisradicais, que propunham o avanço do regime monárquico até os extremos do liberalismo democrático. Nasceu também a oportunidade para a organização política dos republicanos, até então dispersos e por consequência não levados a sério. Logo no ano seguinte, 1869, Joaquim Saldanha Marinho, influente político liberal, homem de confiança do regime, já que havia presidido duas importantes províncias em diferentes governos Minas Gerais e São Paulo, além de ter sido diversas vezes eleito deputado por Pernambuco. Despregando-se dos liberais, em companhia de Quintino Bocaiuva e de Salvador de Mendonça, cogitou da fundação de um clube republicano. Com esse objetivo, realizou Quintino várias conferências, transmitindo a impressão do que sentira nos Estados Unidos e na Argentina. Em 1870, fundase o clube, inicialmente com quinze sócios. Ocorre a idéia de um órgão de publicidade, e, efetivamente, a 3 de dezembro, surge A República, destinada a sair três vezes por semana. Nele, publica-se o Manifesto Republicano. Quanto à promessa de futuras transformações sociais, não vai o manifesto muito além do programa dos liberais- radicais. Muito se discutiu sobre a autoria do Manifesto Republicano de Evaristo de Moraes, em seu já citado livro 9, o atribui a Quintino Bocaiuva, segundo a constante afirmação dele e o testemunho dos seus companheiros mais chegados. Sérgio Buarque de Holanda se declara contrário à tese da redação do Manifesto por Quintino. No entanto, hodiernamente, como realça Evaristo de Moraes Filho no prefácio à segunda edição do livro de seu pai 10, parece desfeita qualquer dúvida, diante do documento que se encontra na Coleção Otoni, pertencente hoje à Biblioteca Nacional. Diz a anotação, do punho do próprio Cristiano terceiro signatário do Manifesto: O Clube Republicano foi fundado a 3 de novembro de 1870, à rua do Ouvidor n o 29, sobrado. O manifesto é feito pela pena de Quintino Bocaiuva. O debate, porém, é de somenos importância, já que importa somente o Manifesto como um todo ideológico. Em 1885, ao reimprimir o seu folheto 9 Idem, pág Ibidem, pág Cadernos ASLEGIS 37 maio/agosto 2009

10 sobre o Rei e o Partido Liberal, de 1869, assim se manifestou Saldanha Marinho sobre o Manifesto Republicano de 1870: Tratamos de nos desempenharmos de tão melindrosa tarefa e, coadjuvados eficazmente pelos talentosos e distintos jornalistas Quintino Bocaiuva e Salvador Mendonça, confeccionamos este manifesto, o qual, apresentado ao Clube em sessão solene, foi unanimemente aprovado, e com aplauso geral. E em confissão de Salvador de Mendonça: Quintino ditou o manifesto por inteiro e eu o escrevi, exceção feita do artigo A Verdade Democrática. Este artigo foi meu. 11 Dos signatários do Manifesto Republicano de 1870, muitos vinham do desempenho de cargos legislativos e executivos importantes, como, por exemplo, o próprio Saldanha Marinho; Aristides da Silveira Lobo; e Cristiano Benedito Otoni. Outros, mesmo já tendo ocupado cargos importantes, continuariam sua ascensão, ainda no regime monárquico, como, por exemplo, Lafayette Rodrigues Pereira, que em 1870 já havia sido presidente das províncias do Ceará e do Maranhão, mas que viria a ser presidente do conselho de ministros do gabinete de 24 de maio de Ocasião em que renegaria a necessidade de mudar o regime para poder avançar as instituições. Muitos outros terão de esperar o novo regime, para poderem ocupar cargos de destaques, como Quintino Bocaiuva, Ferreira Viana, Salvador de Mendonça, Rangel Pestana, e Flávio Farnese. A maioria, no entanto, mergulharia em um quase anonimato. 11 Ibidem, pág. 8. Artigos & Ensaios 41

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929.

GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. GORDO, Adolfo *gov. RN 1889-1890; const. 1891; dep. fed. SP 1891-1902 e 1906-1913; sen. SP 1913-1929. Adolfo Afonso da Silva Gordo nasceu em Piracicaba (SP) a 12 de agosto de 1858, filho de Antônio José

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. Denise Zandonadi dzandonadi@redegazeta.com.br O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. O presidente Luiz Inácio Lula da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 180 ANOS DO SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja

10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja 10.7 Pedro e a pedra; início das profecias sobre a Igreja Aula 53 A primeira vez que a Igreja é profetizada diretamente, está em Mateus: Mateus 16:13~18;... edificarei a minha igreja. V.18; no original

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

BIOGRAFIA DE JOAQUIM NABUCO

BIOGRAFIA DE JOAQUIM NABUCO BIOGRAFIA DE JOAQUIM NABUCO Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo nasceu em 19 de agosto de 1849, em um velho sobrado na Rua do Aterro da Boa Vista (atual Rua da Imperatriz Tereza Cristina), filho do

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

MANUELA DE SOUZA PEREIRA GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS COMPARADOS

MANUELA DE SOUZA PEREIRA GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS COMPARADOS 41 GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS Electoral governance in Latin America: Comparative constitutional devices Manuela de Souza Pereira Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 01.04.2016

C L I P P I N G DATA: 01.04.2016 C L I P P I N G DATA: 01.04.2016 DESTAQUE Limites da terceirização por concessionárias de serviços públicos A lei de concessões e permissões de serviços públicos (8.987/95) permite, no artigo 25, 1º, que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA CONSULTA N o 20, DE 2011 Consulta sobre incompatibilidade entre o exercício do mandato parlamentar e a atividade de apresentação de programa em emissora

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2011

PROCESSO SELETIVO 2011 PROCESSO SELETIVO 2011 Anos 06/12/2010 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

II SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS TRIBUNAL DO JÚRI E AUDITORIA MILITAR JUIZ ADEMAR VASCONCELOS TJDFT

II SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS TRIBUNAL DO JÚRI E AUDITORIA MILITAR JUIZ ADEMAR VASCONCELOS TJDFT II SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS TRIBUNAL DO JÚRI E AUDITORIA MILITAR JUIZ ADEMAR VASCONCELOS TJDFT Senhor Desembargador Presidente, desejo, nesta oportunidade, agradecer a V. Ex.ª a possibilidade

Leia mais

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912.

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. José Maria da Silva Paranhos Júnior nasceu no Rio de Janeiro

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO MAIO DE 2010 SEAI 05/2010 Brasília, junho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Mídia

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca A Revolução de 1930 e o 10 de novembro

Leia mais

O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia

O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia O SR. BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, hoje, 12 de maio, comemoramos o Dia Internacional do Enfermeiro. Na realidade, comemora-se hoje,

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos,

O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos, 1 O 127º ANIVERSÁRIO DE CRIAÇÃO DO PAVILHÃO NACIONAL Cel Claudio Moreira Bento Presidente da FAHIMTB A atual Bandeira Nacional foi criada há 127 anos, em 19 de novembro de 1989. Participamos das comemorações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADA NA COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS EM 28 DE JUNHO DE 2006 PARA INSTRUIR O PROJETO DE LEI DO SENADO Nº25, DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE O

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886)

A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886) A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886) Ricardo Pirola No dia 15 de outubro de 1886 foi aprova a lei que determinava o fim da pena de açoites no Brasil. 1 Os trabalhos

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017 O Manual está disponível para compra em livro impresso em inglês pela Casa Nazarena de Publicações (EUA). O Manual também é acessível on-line

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho XXXIII TEMPO ORDINÁRIO 14 novembro 2010 É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho Lc 21,5-19 Algumas pessoas comentavam sobre o Templo, enfeitado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2004/1 HISTÓRIA CURSO História Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão

Leia mais

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO!

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! Jorge Luiz Souto Maior (*) Tenho percebido que a discussão em torno das cooperativas de trabalho possui dois momentos: o primeiro, pelo qual o intérprete se posiciona

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os

O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os acontecimentos mais importantes do BB ao longo desse

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

A Deputada GORETE PEREIRA (PR-CE) pronuncia. discurso sobre o Dia Internacional da Mulher: Senhoras e Senhores Deputados,

A Deputada GORETE PEREIRA (PR-CE) pronuncia. discurso sobre o Dia Internacional da Mulher: Senhoras e Senhores Deputados, A Deputada GORETE PEREIRA (PR-CE) pronuncia discurso sobre o Dia Internacional da Mulher: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Queremos, mais uma vez, unirmos às manifestações pelo transcurso

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO JUNHO DE 2010 SEAI 06/2010 Brasília, julho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Eleições:

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Celebramos os 40 anos do 25 de Abril. Durante um ano celebrámos os valores de Abril de Liberdade, de Justiça, de Solidariedade.

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA

DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA A ASSEMBLÉIA GERAL, CONSIDERANDO que a Carta da Organização dos Estados Americanos reconhece que a democracia representativa é indispensável para a estabilidade, a paz

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA CONCEITO: Cidadão directamente eleito que representa a República Portuguesa e garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

P A R E C E R. Em junho de 2008 foi aprovada a PEC pela Comissão da Câmara dos Deputados que será submetida ao Plenário.

P A R E C E R. Em junho de 2008 foi aprovada a PEC pela Comissão da Câmara dos Deputados que será submetida ao Plenário. Indicação: 104/2005 Autor: Presidente do IAB Proposta de Emenda à Constituição nº 42/1995 da Câmara Relatora: Leila Maria Bittencourt da Silva Ementa: Proposta de emenda constitucional que determina a

Leia mais

IMPEACHMENT INGLÊS 1

IMPEACHMENT INGLÊS 1 IMPEACHMENT INGLÊS 1 Maurício Silva de Góes mau.1988@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar O impeachment no direito inglês era julgado pela Câmara dos Altos 2, ou seja, os

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Data: 08.11.2009 Duração: 05 horas Conhecimentos Específicos: Matemática: 01 a 05 Redação História: 06 a 10 Coloque,

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004

PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 PROJETO DE LEI N.º, DE 2004 (Do Sr. Roberto Magalhães) Dispõe sobre o domínio e posse de monumento religioso constituído da Igreja de N. S. do Carmo de Olinda e respectivo terreno. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno.

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Foi fundada no século VIII a.c., com a unificação de aldeias latinas e sabinos. Sua história política é dividida em 3 períodos:

Leia mais

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA EDIÇÃO 173 R E V I S TA D O MAIO E JUNHO DE 2014 HISTORIADOR EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA CHARLES MILLER O PAULISTANO QUE TROUXE O FUTEBOL PARA O BRASIL SÃO LUIZ DO PARAITINGA 245 ANOS

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Novembro / 2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Aluno(a):... 29/09/2015

Aluno(a):... 29/09/2015 Caderno de Redação 9º ano Ensino Fundamental Aluno(a):... 29/09/2015 Este Caderno de Redação segue as novas diretrizes estabelecidas pela portaria nº 109, emitida em 27/05/2009, no Diário Oficial da União,

Leia mais

Considerações acerca de fatos precursores à construção da nação uruguaia i

Considerações acerca de fatos precursores à construção da nação uruguaia i Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 Considerações acerca de fatos precursores à

Leia mais