BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS"

Transcrição

1 BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Processo Administrativo OrdináriO no 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello PARECER DA GERÊNCIA JURÍDICA- GJUR-BSM PROCESSO ADMINISTRATIVO ORDINÁRIO N 66/2012 I~ ACUSADO: LUIZ FERNANDO PRUDENTE DE MELLO I. OBJETO. 1. O presente processo administrativo foi instaurado para apuração da conduta do acusado, o Sr. Luiz Fernando Prudente de Mello, (o "Acusado", qualificado às fls. 1 e 28), no contexto dos eventos referidos no Parecer de Acompanhamento de Mercado n 06/2010 (fls ) (o "Parecer da GAM"), elaborado pela Gerência de Acompanhamento de Mercado da BSM ("GAM"). 2. Diante dos elementos de autoria e materialidade existentes, a BSM instaurou o presente processo administrativo, descrevendo as infrações e acusações no Termo de Acusação (fls. 119) datado de 28 de dezembro de 2012, que foi enviado ao Acusado. 3. O Acusado recebeu o Termo de Acusação em 10 de janeiro de 2013 (fls. 22), sendo concedido prazo de 30 (trinta) dias para apresentação de defesa. Em 14 de março de 2013, o Acusado apresentou correspondência afirmando ter recebido a intimação apenas em 4 de março de 2013, por conta de inconsistência no endereço constante de cadastros (fls. 23/24). Na mesma correspondência, Tel.: (11) Fax: (11) Página 1 de 12~, ' GJURIVKF

2 BM&FilmSPA SUPt;RVlSÃODii"Mii"RCADOS Processo Administrativo Ordinário no 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello solicitou 30 dias adicionais para apresentação de sua defesa, a contar do recebimento do eventual deferimento de tal pedido, o que foi concedido (fls. 26). A defesa foi apresentada tempestivamente, em 12 de abril de 2013 (fls. 28/31). 4. O Acusado não apresentou proposta de termo de compromisso. I~ 11. MÉRITO Parecer GAM n 06/ Passa-se a analisar os fatos narrados no Parecer GAM n 06/2010 e no Termo de Acusação. 6. Referido parecer trata de um conjunto de operações no mercado de opções intermediadas pelo Acusado, preposto da Prosper S.A. Corretora de Valores e Câmbio ("Corretora"), ocorridas nos dias 16 de março, 5, 6 e 13 de junho de 2009, que têm como elemento comum a reespecificação de operações do Acusado para o investidor Marcos Yassuo Nanami ("Marcos") e que geraram um prejuízo global de R$ ,00 (quarenta e nove mil, setecentos e três reais) para o referido investidor 1 7. No pregão de 16 de março de 2009, 5 negócios de compra, envolvendo (dez mil) opções PETRD30, foram originados de ofertas inseridas no sistema Mega Bolsa sob o código da conta de titularidade do Acusado para, posteriormente, serem reespecificadas para o código da conta de Marcos. Tais operações foram executadas pelo terminal do então operador vinculado à Corretora, Sr. Marcelino José Rodrigues 2, representaram volume de R$ 7.185,00 (sete mil, cento e oitenta e cinco reais) e compuseram parte de day-trade que acarretou prejuízo de R$ 115,00 (cento e quinze reais) a Marcos 3 1 Conforme apresentado no Parecer GAM 6/2010, fls. 13/14. 2 Conforme explicado no Parecer GAM 6/2010, fls Conforme dados constantes do Parecer GAM 6/2010, especiflcarnente nas tabelas I e 2 (fls. 13/14). Te I. (11) Fax: (11) Pãgina 2 de 12 p GJUR/VKF

3 BM&FBOVESPA SUPÉRVIsAODE.MERCADOS Processo Administrativo Ordinário no 66/2012 Acusado; Lutz Fernando Prudente de Mello I~ 8. No pregão de 5 de maio de 2009, 1 negócio de compra e 1 negócio de venda, envolvendo (trinta mil) opções V ALEE34, foram originados de ofertas inseridas no sistema Mega Bolsa sob o código da conta de titularidade do Acusado para, posteriormente, serem reespecificadas para o código da conta de Marcos. Tais operações foram executadas pelo terminal do próprio Acusado, à época operador vinculado à Corretora, representaram volume de R$ ,00 (vinte e seis mil e setecentos reais) e compuseram integralmente day-trade que acarretou prejuízo de R$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos reais) a Marcos 4 9. No pregão de 6 de maio de 2009, 106 negócios de compra e 98 negócios de venda, envolvendo (um milhão, quatrocentos e quatro mil e quatrocentas) opções PETRE32, foram originados de ofertas inseridas no sistema Mega Bolsa sob o código da conta de titularidade do Acusado para, posteriormente, serem reespecificadas para o código da conta de Marcos. Tais operações foram executadas pelo terminal do Acusado, representaram volume de R$ ,00 (dois milhões, duzentos e onze mil, duzentos e cinquenta e três reais) e compuseram integralmente day-trade que acarretou prejuízo de R$ ,00 (vinte e cinco mil e treze reais) a Marcos 5 r 10. No pregão de 13 de maio de 2009, 62 negócios de compra e 42 negócios de venda, envolvendo (quatrocentos e cinquenta e quatro mil) opções PETRE30, foram originados de ofertas inseridas no sistema Mega Bolsa sob o código da conta de titularidade do Acusado para, posteriormente, serem reespecificadas para o código da conta de Marcos. Tais operações foram executadas pelo terminal do próprio Acusado, representaram volume de R$ ,00 (novecentos e trinta e seis mil, novecentos e setenta reais) e compuseram integralmente day-trade que acarretou prejuízo de R$ ,00 (vinte mil, quatrocentos e noventa reais) a Marcos A BSM concluiu que "os day-trades realizados nos pregões de 5, 6 e 13/05/2009 destacaram-se das demais operações de Marcos, tanto em quantidade de opções, volume financeiro e prejuízo" 7, 4 Conforme dados constantes do Parecer GAM 6/2010, especificamente nas tabelas I e 2 (fls. 13/14). 5 Conforme dados constantes do Parecer GAM 6/2010, especificamente nas tabelas I e 2 (fls. 13/14). 6 Conforme dados constantes do Parecer GAM 6/2010, especificamente nas tabelas I e 2 (fls. 13/14). 7 Fls. 16. Rua X:V de Novembro, 275, 8 andar Tel (11) Fax. (11) Página 3 de 12 GJUR/VKF lv )t ~

4 BSM"' BM&FBO\IESPA SUPEIIVISACJDEMERCADOS Processo Adrrllnistrativo Ordinário n 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello confonne evidenciado no gráfico incluído no Tenno de Acusação (fls. 7) e representaram "92,4% do prejuízo total do cliente" 8, considerando o período entre 12 de março e 23 de ourubro de Considerando o mesmo intervalo, 12 de março de 2009 a 23 de ourubro do mesmo ano, foram executadas pelo tenninal Mega Bolsa sob responsabilidade do Acusado (duas mil, quatrocentas e sessenta e quatro) operações, das quais 361 (trezentas e sessenta e uma) foram objeto de reespecificação. Assim, além dos 31 O negócios reespecificados para que passassem do patrimônio do 1 Acusado para Marcos, outros 51 negócios, envolvendo terceiros, também tiveram a conta de seu I titular alterada, totalizando 14,7% do total das operações. I 13. Ainda antes da conclusão do Parecer, a BSM questionou a Corretora sobre as operações e seguidas reespecificações, e recebeu como resposta que (i) todas as operações foram compatíveis com o perfil de Marcos; (ii) considerando todo o período no qual foi cliente da Corretora (deixou de sê-lo em 8 de abril de 2010), em apenas três dias sua conta corrente ficou devedora; (iii) Marcos foi atendido pelo Acusado (agente autônomo de investimento e assessor) durante todo o período em que manteve investimentos com a Prosper; (iv) Marcos operou em 54 pregões, tendo realizado day-trades em 25 deles, com resultado bruto positivo em 9, negativo em 12 e zerado em 4; (v) em 4 dos 25 pregões em que Marcos realizou day-trades, o Acusado "alterou ordens entre sua própria conta e a de Marcos"; (vi) à época dos fatos, o Acusado foi advertido pela Corretora, em razão da conduta identificada pela BSM e argumentou que suas ações decorreram de erros de indicação de comitente; (vii) posterionnente, em razão das falhas apontadas pela BSM e também de outras cometidas, a Corretora decidiu desvinculá-lo e descredenciá-lo; (viii) o limite operacional de Marcos, calculado em função do valor líquido de posição internada na Prosper, não foi extrapolado em nenhum momento; e (ix) não existiu a administração da carteira de Marcos, ou mesmo participação na decisão de investimento de tal cliente, pela Prosper ou por qualquer pessoa a ela vinculada. Enviou-se cópia dos registros de ordens gerados pelo sistema da Corretora após as reespecificações, extrato de contacorrente, notas de corretagem e ficha cadastral do cliente, contendo indicação de que "São consideradas válidas somente as ordens transmitidas verbalmente". 8 Fls. 13. Tel.: (1 1) Fax (11) Página 4 de 12 GJURJVKF

5 BSM#" BM&FBOIIESPA SUPERVISÃODE:MERCADOS Processo Administrativo Ordinário n 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Meilo I I 14. A BSM verificou que apenas em 1 dos 3 pregões em que operações foram reespecificadas da conta do Acusado para a conta de seu cliente Marcos, o Acusado manteve parte das operações de day-trade em seu próprio nome, sem transferir o prejuízo para Marcos de forma integral. O prejuízo total experimentado pelo Acusado com operações com os valores mobiliários já referidos em 5, 6 e 13 de junho de 2009 teria sido de R$ ,00 (cinquenta e nove mil, quatrocentos e quatro reais), porém toda a perda, exceto R$ 9.701,00 (nove mil, setecentos e um reais), teria sido transferida para Marcos, por meio de reespecificações das operações A respeito das ordens, em momento algum a Corretora ou o Acusado apresentou as gravações da transmissão de quaisquer ordens, registradas como do tipo administrada Infrações imputadas ao Acusado. 16. A respeito dos fatos narrados no Parecer GAM n 6/201 O, o presente processo administrativo foi instaurado para apurar se o Acusado infringiu 11 os itens I e JI, "d" da Instrução CVM n 8, de 8 de outubro de , combinado com o item , alínea "e" do Regulamento de Operações do Segmento Bovespa, editado pela BM&FBOVESPA em 16 de dezembro de , por "intermediar ofertas as quais eram reespecificadas para o código do cliente, colocando-o em indevida posição de desequilíbrio em face dos demais participantes da operação". f 9 Conforme explicado nos itens 17 e 18 do Parecer GAM (fls. 15/16). 10 O item do Regulamento de Operações- Segmento Bovespa, editado pela BM&FBOVESPA explica que "ordem administrada- é aquela que especifica somente a quantidade e as características dos Ativos ou direitos a serem comprados ou vendidos, ficando a execução a critério da Sociedade Corretora". 11 Fls. 8/9. 12 "I - É vedada aos administradores e acionistas de companhias abertas, aos intermediários e aos demais participantes do mercado de valores mobiliários, a criação de condições artificiais de demanda, oferta ou preço de valores mobiliários, a manipulação de preço, a realização de operações fraudulentas e o uso de práticas não eqüitativas. II -Para os efeitos desta Instrução conceitua-se como: (... ) d) prática não eqüitativa no mercado de valores mobiliários, aquela de que resulte, direta ou indiretamente, efetiva ou potencialidade, um tratamento para qualquer das partes, em negociações com valores mobiliários, que a coloque em uma indevida posição de desequilíbrio ou desigualdade em face dos demais participantes da operação." 13 "É vedado ao Operador de Pregão: (... ) e) executar ordem ou realizar qualquer negócio que contribua, direta ou indiretamente, para: a criação de condições artificiais de demanda, oferta e ou preço; manipulação de preço; a realização de operações fraudulentas e à prática não eqüitativa". Tel (11) Fax. (11) Página 5 de 12 GJURNKF 'X'

6 BM&FIOmPA SIIPERVISÃODEMERCADOS Processo Administrativo Ordinário no 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello Defesa do Acusado. 17. A defesa do Acusado é iniciada com narrativa do histórico de sua atuação no mercado financeiro e de valores mobiliários fazendo, inclusive, referência aos cursos e certificações obtidos em sua carreira e à inexistência de acusações em processos administrativos ou judiciais, em relação à sua atuação no mercado 14 I~ 18. Segue informando que deixou de atuar no mercado de valores mobiliários em 20 I O, e que a sociedade de agente autônomo da qual participa não tem vínculo com quaisquer instituições. 19. O próximo trecho da defesa cuida da síntese do termo de acusação, sendo tratada, em seguida, da imputação ao Acusado para, entre as fls. 31 e 34, aduzir suas razões de defesa, conforme resumido abaixo: (i) afirma que Marcos era investidor experiente, tinha patrimônio compatível com os negócios realizados e operava day-trades com regularidade, "embora os volumes movimentados tenham sido maiores nos dias 05, 06 e 13 de maio de 2009"; (ii) pondera que as operações realizadas envolviam riscos, conhecidos do cliente, e que "nos pregões dos dias 05, 06 e 13 de maio de 2009, ocorreram de fato maiores prejuízos, em razão da oscilação do mercado à época, devido à sorte de variáveis que está sujeito"; (iii) afirma ter a necessidade de reespecificação ocorrido em razão de erro de digitação do comitente de cada operação, pelo Acusado, e não por quaisquer irregularidades ou infrações; (iv) "erros fazem parte da rotina de um operador, considerando a necessidade de alta concentração e rapidez em sua atuação"; 14 Fls. 29. Tel.: (11) Fax: (11) Página 6 de 12 GJURNKF g.-

7 BSMt/ 8M&F80mPA SUPERVISAODE.MERCADOS Processo Administrativo Ordmário n 66/2012 Acusado Luiz Fernando Prudente de MeJlo (v) argumenta que todas as operações executadas foram originadas em ordens emitidas "pelos clientes", em conformidade com as determinações vigentes (vi) apresenta carta de Marcos (fls. 35), pela qual o investidor confirmaria que "emitiu todas as ordens das operações envolvendo ações e opções de ações executadas" e, ainda, que "está satisfeito com a execução das operações citadas, não tendo quaisquer reclamações contra o Sr. Luiz Fernando Prudente de Mello ou contra a Prosper Corretora"; e (vii) registra a ausência de qualquer queixa de Marcos em relação à atuação do Acusado, e afirma que Marcos liquidou normalmente todas as operações. II.IV. Análise da Defesa e caracterização das infracões imputadas. 20. A reespecificação "é, a rigor, meio de correção de falhas operacionais. E por isso seu uso é restrito a umas poucas situações, aquelas em que se comete erro na especificação originária, como no caso da atribuição de uma operação a um cliente que não a teria comandado" 15 f' I 21. Com efeito, nota-se que a vigente Instrução CVM n 505, de 27 de setembro de 2011 (posterior aos fatos ora apurados, portanto) veda expressamente a reespecificação de operações por intermediários residentes, exceto no caso de erros operacionais, os quais devem ser documentados e justificados 16 Em período anterior, no qual incluída a época dos fatos tratados no Parecer GAM e no presente processo administrativo, a Instrução CVM no 387, de 28 de abril de 2003 ("ICVM 387/2003"), então vigente, conferia às bolsas o dever de estabelecer regras de conduta aplicáveis aos participantes do mercado com seus clientes (artigo 3 ), o que legitimou o Regulamento de Operações a estabelecer em seu item , alínea "e" a vedação, aos operadores de pregão, entre os quais se inclui o Acusado, a qualquer contribuição ao "uso de práticas não equitativas; e a realização de operações fraudulentas". 15 Voto do Diretor Otavio Yazbek, no julgamento do Processo Administrativo Sancionador CVM n 05/2008, em 13 de dezembro de Artigo 23, 3. Tel (11) Fax: (11) Página 7 de 12),. GJURNKF )f

8 BM&FIIOVESPA SUPERVISADDEMEIKADOS Processo Administrativo Ordinário no 66/2012 Acusado Luiz Fernando Prudente de Mello 22. Assim, a utilização dos meios para reespecificação de operações (assim como de quaisquer mecanismos e ferramentas disponíveis para a atuação dos intermediários) deve ser pautada, de maneira estrita, pela observância dos deveres comportamentais relacionados no Regulamento referido, especificamente em seu item A utilização indevida de um expediente adequadamente previsto e regrado pelo ordenamento aplicável não pode ser resguardada pelo mercado ou quem a qualquer título supervisione tal mercado 17 É pacífico que "[i]nterpretar a possibilidade da reespecificação extraordinária e justificada, como uma carta branca para proceder à reespecificação de forma generalizada, seria um ataque frontal à integridade do mercado" Aparentemente, no caso, foi adotado expediente recorrente, já descrito inclusive pela doutrina: "Nesses casos, são realizadas operações de compra ou venda de contratos no mercado futuro, por exemplo, (... ) sem que sejam especificados os comitentes ou com a especificação posteriormente alterada. Caso o comportamento do mercado posteriormente à operação inicial seja favorável, isto é, alta do preço após a compra ou baixa do preço após a venda, é fechado um day-trade, e as duas operações, que em conjunto formam o day-trade, são especificadas para o agente da fraude ou para seus partícipes. Por outro lado, caso a evolução dos preços seja desfavorável em relação às operações realizadas, estas são especificadas para as vítimas da operação(... )." 19 r 24. A prática empreendida pelo Acusado resultou em um tratamento de desequilíbrio para o cliente, em negociações de valores mobiliários: a ele foram atribuídas operações resultantes de ofertas as quais não ordenara, colocando-o em desvantagem e desigualdade no mercado, especialmente perante o próprio Acusado. 17 Especificamente sobre o abuso da possibilidade de reespecificação, o Diretor Otavio Yazbek observou que '"Não se pode, assim, presumir que, por ser um determinado mecanismo regulamentado, seu uso seja sempre regular." (Voto no julgamento do Processo Administrativo Sancionador CVM n 05/2008, em 13 de dezembro de 2012) 18 Voto da Diretora Ana Dolores Moura Carneiro de Novaes, relatora no julgamento do Processo Administrativo Sancionador CVM n 05/2008, em 13 de dezembro de Cf. Santos, A. P., Osório, F. M. e Wellisch, J. S. M., Mercado de Capitais. São Paulo, Saraiva, 2012, pp Rua X.V de Novembro, 275, 8 andar Tel.: (11) Fax: (1 1) Página 8 de 12 GJUR/VKF

9 BM&F80VfSPA SIIPl'IIVISÃODfMERCADOS Processo Administrativo Ordinário n" 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello 25. Analisando-se os dados referentes às operações sob suspeita, é possível perceber que, a despeito de Marcos ter operado em 54 ( cinquenta e quatro) pregões, tendo realizado day-trades em 25 (vinte e cinco) deles, conforme indicado pela defesa, 92,4% do prejuízo sofrido ocorreu exatamente nas datas em que a reespecificação de operações oriundas inicialmente da conta do Acusado foi realizada Com efeito, nas datas em que Marcos foi responsável pelas próprias operações, sem qualquer reespecificação de operações, houve lucro ou, existindo prejuízos, foram consideravelmente inferiores 21 Também é possível perceber que as operações decorrentes de ordens formuladas por Marcos, sem especificações, envolveram menor número de negócios, quantidade de opções e volume fmanceiro operado. 27. Quanto à argumentação do Acusado a respeito da ausência de reclamações de Marcos à própria Corretora ou ao MRP e a alegada relação de confiança entre o cliente e o Acusado, parece útil analisá-la em conjunto com a informação prestada pela Corretora, que informou que o Acusado foi advertido pelo setor de compliance da Prosper e, posteriormente, desvinculado de tal Corretora" 2 r 28. Tal análise leva à conclusão de que a inexistência de reclamações de Marcos, que inclusive pode não ter consciência do expediente de reespecificações adotado nas operações indicadas no Parecer GAM, não é capaz de desqualificar a infração existente. Observa-se que, apenas após ser acionada pela BSM, e ainda independentemente de qualquer queixa do investidor, a própria Corretora informou que advertiu o Acusado pela conduta adotada. 29. Fosse a reclamação de Marcos essencial para a caracterização das práticas infracionais, não seria adotada qualquer medida pela Prosper (tardiamente) ou pela BSM. 30. Também o descredenciamento do Acusado, após a interpelação da BSM em 2010, é mais uma evidência do reconhecimento, inclusive pela Corretora, de que as reespecificações operadas não 20 Fls Conforme identificado nas operações retratadas às fls. 14, excetuando-se aquelas apontadas como objeto de reespecificação. 22 Fls. 15. Tel.: (11) Fax: (11) Página 9 de 12 ~ 1 GJURNKF

10 BSMt/ BM&FBOVESPA SUP.(RVI$ÃODEMERCADOS Processo Administrativo Ordinário n 66/2012 Acusado. Luiz Fernando Prudente de Mello estavam em linha com o comportamento esperado e deveriam ter sido objeto de medida impeditiva, ainda que não tivesse sido registrada qualquer manifestação de Marcos. 31. A mesma conclusão é aplicável em relação à declaração apresentada por Marcos ao Acusado: ainda que ele não tenha "quaisquer reclamações contra o Sr. Luiz Fernando Prudente de Mello ou contra a Prosper Corretora", não é possível eliminar a existência das infrações à vedação estipulada pela CVM 8/79 23 Inclusive porque a declaração do investidor é genérica e sem qualquer referência específica aos negócios objeto da reespecificação, não demonstra que ele tivesse conhecimento integral da estratégia implementada, feita à sua revelia e que lhe teria causado prejuízo, em beneficio exclusivo do Acusado, o que impede qualquer conclusão no sentido de repelir a acusação formulada. 32. Mesmo que inexistisse prejuízo ao cliente, a mera realocação de operações entre clientes da corretora de maneira planejada antecipadamente ou sistemática constitui prática irregula~ 4.De qualquer forma, Marcos sofreu prejmzo decorrente exclusivamente do expediente de reespecificações, equivalente a R$ ,00 (quarenta e nove mil, setecentos e três reais). 33. A explicação apresentada, de que as reespecificações foram motivadas por erros sistemáticos do Acusado não deve ser suficiente para descaracterizar a irregularidade imputada à Corretora. r ' ' 34. Assim como o pretexto de acúmulo de ordens, rejeitado em precedente da CVM 25, a justificativa de "erros de digitação" 26, em aproximadamente 15% das operações, não pode ser considerada plausível para legitimar as reespecificações efetuadas pelo Acusado no presente caso. Inclusive porque, em dois dos três pregões questionados, o Acusado supostamente não estaria operando tais valores mobiliários em nome próprio: ao final dos dias 6 e 13 de maio de 2009, a totalidade das operações concluídas com aquelas opções foi transferida para o cliente. Por sua vez, no 23 E no Regulamento de Operações do segmento BOVESPA, bem como no Oficio Circular Bovespa n. 58/2006-SG, que tratam da mesma infração: vedação a práticas não equitativas e fraudulentas, organizadas por falhas na especificação dos comitentes pelo intermediário. 24 "O uso de tal instrumento para a realocação sistemática de operações originadas de ordens registradas em nome de terceiros já é, sem prejuízo da relevante questão dos danos causados, irregular. Havendo intenção, aquele instrumento torna-se ainda o que permite a realização deilícitos." (Voto do Diretor Otavio Yazbek, no julgamento do Processo Administrativo Sancionador CVM n' 05/2008, em 13 de dezembro de 2012.) 25 Processo Administrativo Sancionador CVM n 05/2008, julgado em 13 de dezembro de Fls. 33. Tel.: (11) Fax: (11) Página lo do12 ~ GJURIVKF

11 BM&FBOllfSPA SUPERV/SÃODEMEIKADOS Processo Administrativo Ordinário n 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello dia 6 de maio de 2009, o Acusado sequer executou operações em nome próprio (excluindo as operações reespecificadas) 27 Resta pouco verossímil que o Acusado pudesse cometer o mesmo "erro" 28 tantas vezes se sequer desejasse operar aqueles valores mobiliários em nome, em tais dias, ou, mais improvável ainda, se sequer desejasse operar qualquer valor mobiliário, como supostamente apresentado em relação ao dia 6 de maio de Conclusivamente, "reespecificações devem ser vistas como exceções e não como uma prática generalizada para certos comitentes" 29 No caso, as reespecificações ocorreram de forma sistemática e significativa, envolvendo day-trades completos, caracterizando a prática vedada na ICVM 8/79, itens I e li "d", e no Regulamento de Operações do Segmento Bovespa, conforme indicado na acusação, o que não se deve tolerar. 36. É possível concluir, considerando as informações dos autos, que o Acusado, operador vinculados à Corretora à época dos fatos, adotou conduta diametralmente oposta à esperada. Devendo resguardar a observância da ICVM 8/79, e também seguir o "Comportamento Exigido do Operador", descrito no item 5.10 do Regulamento de Operações do Segmento Bovespa, editado pela BM&FBOVESPA em 16 de dezembro de 2008, o Acusado incorreu em práticas não equitativas, se beneficiando em detrimento do cliente da Corretora por ele atendido. I~ 111. CONCLUSÃO. 37. Ante o exposto, e considerando as infrações verificadas, sugerimos ao Conselho de Supervisão a aplicação de penalidade ao Acusado, conforme disposto no artigo 36, 2 da Instrução CVM n 461/07 e no artigo 30 do Estatuto Social da BSM. 38. Ressalte-se que a infração à ICVM 8/79 é, nos termos do item III de tal normativo, grave nos termos da Lei n /76. Anote-se também que, em consulta à base de dados CVM, confirmou-se 27 Conforme explicado no Parecer GAM n 6/2010, fls Item 26 da defesa, fls Voto da Diretora Ana Dolores Moura Carneiro de Novaes, relatora do Processo Administrativo Sancionador CVM 0 05/2008, julgado em 13 de dezembro de BM&.FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Tel.: (11) Fax: (11)

12 BM&FBO\IaPA SUPEIIVISÃDDEMERCADOS Processo Administrativo Ordinário n 66/2012 Acusado Luiz Fernando Prudente de Mello inexistência de registro de contrato entre o Acusado e a sociedade da qual participa não com qualquer Corretora. 39. Submetemos nosso parecer à consideração superior. São Paulo, 16 de janeiro de L~~e~ó Gerente Jurídico í~/' ~~ vlní;~~ Krüger Chalub Fadanelli Advogado De acordo com o parecer acima. Ao Conselho de Supervisão. Marcos José Rodrigues Torres Diretor de Autorregulação Tel.: (11) Fax: (11) Página 12 de 12 GJURNKF

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas 4º Congresso de Combate e Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo Marcos José Rodrigues Torres Diretor de Autorregulação

Leia mais

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias,

Leia mais

Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301

Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301 Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301 Julio Cesar Cuter Superintendente de Acompanhamento de Mercado 03.09.2015 Confidencial Restrita Confidencial

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Prevenção à Lavagem de Dinheiro Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Agenda A BSM Procedimentos de Análise Cases Comunicações à CVM Pontos de Atenção Arcabouço normativo da autorregulação Instrução

Leia mais

Memorando nº 34/2015-CVM/SMI/GME. Rio de Janeiro, 02 de abril de 2015. DE: GME Para: SMI

Memorando nº 34/2015-CVM/SMI/GME. Rio de Janeiro, 02 de abril de 2015. DE: GME Para: SMI Memorando nº 34/2015-CVM/SMI/GME DE: GME Para: SMI Rio de Janeiro, 02 de abril de 2015. Assunto: Recurso em Processo de Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos - Francislei Pessanha da Silva (reclamante)

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

MEMO/SMI/GME/N 91/2014. Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014. Para: SMI De: GME

MEMO/SMI/GME/N 91/2014. Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014. Para: SMI De: GME MEMO/SMI/GME/N 91/2014 Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014 Para: SMI De: GME Assunto: Recurso em Processo de Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos ( MRP ) Edenivan Ferreira de Sena e XP Investimentos

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

Processo Administrativo CVM nº RJ2013/0267. Reg. Col. nº 8723/2013. Relatório

Processo Administrativo CVM nº RJ2013/0267. Reg. Col. nº 8723/2013. Relatório Processo Administrativo CVM nº RJ2013/0267 Reg. Col. nº 8723/2013 Interessados: Mário Martins de Mello Neto XP Investimentos CCTVM S.A. Guia da Bolsa Agentes Autônomos de Investimento Ltda. Assunto: Recurso

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

Processo Administrativo nº 05/08

Processo Administrativo nº 05/08 Processo Administrativo nº 05/08 Envolvida: Alpes Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. Assunto: Cadastramento e Identificação de Investidores Não-Residentes Conselheiro-Relator: Eduardo

Leia mais

B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS

B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Processo de Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos no 27/2011 Felipe Augusto Aragão Evangelista x UM Investimentos S/A CTVM PARECER DA GERÊNCIA JURíDICA - GJUR

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 1 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BOVESPA TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. nº 4-3 com sede no Município de São

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.

GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340. GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 FATO RELEVANTE GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. ( Companhia ), em atendimento

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA Código do cliente: Assessor: F.P07.003.05 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

<><-1J.uJ5 ' _j anexo(s) Visto: (:,

<><-1J.uJ5 ' _j anexo(s) Visto: (:, \ 8M&F80VESPA 10 de junho de 2015 OF/BSM/DAR-0624/2015 A/C: SR. ÍcARO CORLAITI COUTINHO NASCIMENTO Rua Hilda Marchezine, no 163, cep.: 34000-000, Nova Lima, MG,ElJEoEXh) MOTOBOY( ) '~o:í!lado em:_~_

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM Esta Sociedade Corretora, em atenção à legislação vigente, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento, registro,

Leia mais

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 AVISO AOS ACIONISTAS PAGAMENTO DE JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO E DIVIDENDOS INTERMEDIÁRIOS EXERCÍCIO 2014 I A Diretoria da Telefônica Brasil S.A. ( Companhia ) comunica aos Senhores Acionistas, conforme

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 117, DE 3 DE MAIO DE 1990.

INSTRUÇÃO CVM Nº 117, DE 3 DE MAIO DE 1990. Dispõe sobre a carteira própria de valores mobiliários das sociedades corretoras e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão realizada

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Banco Modal S/A, ora designado Banco Modal, em atendimento ao disposto no art. 20, 4º e 31, caput, da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443 Acusados: Delta Hedge Empreendimentos e Consultoria Econômico-Financeira Ltda. Ementa: Não observância aos limites

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2008 APRESENTAÇÃO A BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) iniciou suas atividades em 1º de outubro de 2007, tendo a sua criação resultado do processo de desmutualização da BOVESPAe,

Leia mais

Processo Administrativo CVM nº RJ2013/3347. Reg. C ol. nº 9147/2014. Relatório

Processo Administrativo CVM nº RJ2013/3347. Reg. C ol. nº 9147/2014. Relatório Processo Administrativo CVM nº RJ2013/3347 Reg. C ol. nº 9147/2014 Interessados: Walter Macêdo Ramos Junior Banif C VC S.A. Assunto: Recurso contra decisão da BSM em procedimento de MRP Diretora Relatora:

Leia mais

MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE

MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE Workshop para Participantes da BM&FBOVESPA Monitoração 31/MARÇO/2014 de Operações, de Controles Internos e de Compliance Confidencial Restrita

Leia mais

ILMO. SR. DIRETOR DE AUTO-REGULAÇÃO DA BOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS

ILMO. SR. DIRETOR DE AUTO-REGULAÇÃO DA BOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS J.G.ASSIS DE ALMEIDA & AssocIADos SOCIEDADE DE ADVOGADOS www.aaalaw.com.br c' ' José Gabriel Assis de Almeida Rio de Janeiro: São Paulo: Cana Alves Petersen Corrêa tel:.5521 2242 1077 tel: +55 11 3525

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15.

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. Inclui, revoga e altera dispositivos na Instrução CVM nº 155, de 7 de agosto de 1991, na Instrução

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TECNISA S.A., OU A ELES REFERENCIADOS, POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A.

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. As normas de procedimento descritas a partir desta página, são para conhecimento do cliente, não sendo obrigatório o envio para a Credit Suisse Hedging-Griffo. NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2008/12088

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2008/12088 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2008/12088 Acusados: AGENTE BR Sociedade Corretora de Câmbio Ltda. Tulio Vinicius Vertullo Ementa: Administração irregular

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Prevenção à Lavagem de Dinheiro Prevenção à Lavagem de Dinheiro Rodrigo Soares Lopes Agosto/2011 Agenda Fases do Processo de Lavagem Testes Realizados Resultados Pontos de Atenção Cases Fases do Processo de Lavagem As 3 fases são independentes

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes USIMINAS RELAÇÕES COM INVESTIDORES Perguntas Frequentes 1. O que é código de negociação e quais são os códigos de negociação das ações da Usiminas? "Código de negociação" ou "ticker symbol" é um conjunto

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO)

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) A PAX CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, - doravante denominada simplesmente Corretora em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 04/2010

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 04/2010 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 04/2010 Acusados: Ementa: Decisão: Eduardo Mossé Marcus Meyhoras de Freitas R. Sirostky Consultoria e Planejamento Financeiro

Leia mais

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº RJ2002/5015. Americainvest Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº RJ2002/5015. Americainvest Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Voltar SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº RJ2002/5015 Indiciados : Adelcyr Alves da Silva Americainvest Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Eduardo de Souza Santos

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP 2012/228 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2013/10791

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP 2012/228 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2013/10791 PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº SP 2012/228 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2013/10791 RELATÓRIO 1. Trata-se de propostas de Termo de C ompromisso

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO Página 1 de 16 REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO O Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A., CNPJ nº: 92.702.067/0001-96 (doravante BANRISUL ), objetivando atuar na qualidade de Intermediário, conforme

Leia mais

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas,

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas, INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL S.A. PELO BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. (NOVA DENOMINAÇÃO SOCIAL DO BANCO SANTANDER S.A., EM FASE DE HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do Processo : Nº630042009-00 Origem : Fundo Municipal de Saúde de Rio Maria Assunto: Prestação de Contas Anuais de Gestão exercício de 2009 Instrução: 6ªControladoria Ordenador: Edimilson Batista Alves Procuradoria:

Leia mais

Gemini, Primus e Banco doravante também denominados, em conjunto, como Partes e, individualmente como Parte ;

Gemini, Primus e Banco doravante também denominados, em conjunto, como Partes e, individualmente como Parte ; PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DE GEMINI HOLDING S.A. E PRIMUS HOLDING S.A. PELO BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S.A. Pelo presente instrumento particular: (A) GEMINI HOLDING S.A., sociedade por

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 6º andar 04538-32 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 ) 288-4000 Fax: (55 ) 288-4074 Merrill Lynch S.A. Corretora

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda, ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03, de 28 de abril de

Leia mais

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil - CVM e

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 20º, 4º da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES Relatório Voto : REV - G.ICN - 00901/2011 PROCESSO TC/MS : 6107/2008 PROTOCOLO : 908430 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ALVORADA DO SUL ORDENADOR (A) DE : ARLEI SILVA BARBOSA DESPESAS CARGO DO ORDENADOR

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

A Corretora possui sob sua gestão atualmente 16 (dezesseis) clubes de investimento e 01 (um) fundo de investimento.

A Corretora possui sob sua gestão atualmente 16 (dezesseis) clubes de investimento e 01 (um) fundo de investimento. FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA INSTRUÇÃO CVM Nº 558, DE 26 DE MARÇO DE 2015 MUNDINVEST S.A. CORRETORA DE CAMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS VERSÃO 01/2015 - BASE 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1 - IDENTIFICAÇÃO DAS PESSOAS

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL MANUAL DE OFERTA AOS EMPREGADOS

BANCO CENTRAL DO BRASIL MANUAL DE OFERTA AOS EMPREGADOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES... 3 3. QUEM PODE ADQUIRIR AÇÕES DO BEP?... 4 4. COMO O BEP SERÁ VENDIDO?... 4 5. QUE VANTAGENS OS EMPREGADOS PODEM TER AO ADQUIRIR AÇÕES DA EMPRESA?...

Leia mais

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda.

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Regras e Parâmetros de Atuação nos Mercados Administrados pela BM&F BOVESPA e nos Mercados de Balcão. CNPJ 60.783.503/0001-02 A Safra Corretora de Valores e Câmbio

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA. LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: 06.948.969/0001-75 NIRE: 35.300.316.584 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 1 / 6 CAPÍTULO V DOS OPERADORES DE PREGÃO 5.1 DOS OPERADORES 5.1.1 O Operador é o profissional, especialmente credenciado perante a Bolsa, que representa a Sociedade Corretora no Recinto de Negociação

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO 1 ÍNDICE CAPÍTULO I. FINALIDADE DO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3 CAPÍTULO II. SUJEIÇÃO AO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.482, DE 31 DE MAIO DE 2007. Mensagem de veto Conversão da Mpv nº 340, de 2006 Efetua alterações na tabela do imposto de renda

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.116/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000299110-91 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.116/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000299110-91 Impugnação: 40. Acórdão: 20.116/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000299110-91 Impugnação: 40.010127343-31 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA José Nicolau Hein CPF: 011.127.406-00 Lucila de Oliveira Carvalho/Outro(s)

Leia mais

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição FICHA DE CADASTRO PESSOA FÍSICA Código Assessor Data: / / Informações Gerais Nome Completo Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF CPF Estado Civil Sexo Documento Apresentado (tipo) Nº

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 12/2010

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 12/2010 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº 12/2010 Acusados: Ementa: Decisão: Fernanda Ferraz Braga de Lima Gradual CCTVM S.A. João Marcos Cintra Gordinho Criação de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

2. BASE LEGAL Disposto no artigo 34 da Instrução CVM n.º 505 de 27.09.2011 e nas demais normas expedidas pela BM&FBovespa.

2. BASE LEGAL Disposto no artigo 34 da Instrução CVM n.º 505 de 27.09.2011 e nas demais normas expedidas pela BM&FBovespa. REGRAS E PARÂMETROS DA INTERMEDIUM DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer suas regras e parâmetros de atuação relativos ao recebimento, registro, recusa, prazo de validade,

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação Índice Introdução Regras e Parâmetros 1 - Cadastro 2 - Regras Quanto ao Recebimento de Ordens 3 - Regras Quanto ao Registro das Ordens de Operações 4 - Regras Quanto a Execução

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F

REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F Anexo 1 ao Ofício Circular 086/2005-DG REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins deste Regulamento define-se: 1. Arbitrador Cliente habilitado pela BM&F a atuar no WebTrading

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO nº : 49116/16/03/2010 1/SET. NÚMERO DE ORDEM : 0148/2011-CRF. PAT Nº 0099/2010-1ª URT. RECORRENTE : DAITEC EQUIPAMENTOS PARA ESCRITÓRIO LIMITADA.

Leia mais

A CVM. Proteção do investidor.

A CVM. Proteção do investidor. A CVM. Proteção do investidor. Proteção e Orientação ao Investidor Canal 1998-2014 (Jul) 2009 2013 Presencial 61.041 1.744 970 Telefônico 187.007 8.316 4.080 0800 582.697 17.995 9.109 Internet 154.260

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais