Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;"

Transcrição

1 Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias, que buscam verificar a aderência das instituições às normas do mercado e da própria bolsa. São verificados, por exemplo, a adequação dos processos do Participante e de sua infraestrutura tecnológica. Em fevereiro, foi iniciado o Programa de Auditoria Operacional de Participantes de Até junho, 30 Participantes haviam sido auditados, sendo que 18 Relatórios de Auditoria já haviam sido concluídos e outros 12 encontravam-se em elaboração. Auditorias operacionais 22% Relatório concluído % Elaboração de relatório Auditorias Pré-Operacionais 57% Agendadas 6 7% Em campo Ao longo do primeiro semestre, a BSM realizou 3 auditorias pré-operacionais. Tais auditorias são realizadas em instituições que tenham solicitado acesso aos ambientes da BM&FBOVESPA para verificar o atendimento aos requisitos operacionais, tecnológicos e financeiros estabelecidos nas regras de admissão de novo Participante à BM&FBOVESPA. Auditorias indiretas Além das auditorias operacionais diretas, em que uma equipe de auditores visita corretoras e escritórios de agentes autônomos a ela vinculados, a BSM realiza algumas auditorias indiretas, com a monitoração de atividades e procedimentos dos Participantes por meio das informações disponíveis nas bases de dados da BM&FBOVESPA, da CVM e outras informações do mercado. Esse tipo de auditoria vem sendo intensificado em virtude dos bons resultados atingidos em termos de detecção e prevenção de irregularidades. São realizadas, por exemplo, auditorias indiretas para verificar: ü ü ü o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; se a atuação de pessoas vinculadas e carteira própria está de acordo com o modelo de negócios do Participante (descrito em suas Regras e Parâmetros de Atuação); e a adequação dos procedimentos relacionados a operações de pessoas vinculadas ao Participante (por exemplo, a reespecificação de operações de pessoas vinculadas ao Participante para clientes e vice-versa ou a existência de operações de pessoas vinculadas a um Participante sendo executadas por outro Participante).

2 O permanente monitoramento propiciado por esse tipo de auditoria, bem como a adoção de medidas de enforcement por parte da BSM (como o envio de cartas-censura determinando a paralização da prática considerada irregular sob pena de adoção de medidas sancionadoras por parte da BSM) vem se mostrando bastante eficazes, como pode ser observado nos gráficos abaixo, em que se verifica considerável redução de práticas irregulares após a comunicação aos Participantes da identificação da irregularidade. Reespecificação de operações de pessoas vinculadas (Quantidade de operações por mês) Operações de pessoas vinculadas em outro Participante (Quantidade de operações por mês) % % fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 Operações de pessoas vinculadas executadas em identificação do comitente final (Quantidade de operações por mês) % Supervisão de Mercado fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 A supervisão das operações realizadas nos mercados da BM&FBOVESPA é efetuada diariamente, procurando identificar condições artificiais de demanda, manipulação de preços, práticas não equitativas e uso de informações privilegiadas. Busca-se, ainda, identificar o exercício irregular de atividades de distribuição e mediação de valores mobiliários, administração de carteira, comportamentos indicativos de lavagem de dinheiro e outras operações fraudulentas. A tabela abaixo demonstra os tipos e as quantidades de análises realizadas, bem como o número de relatórios gerados. Os relatórios referem-se a casos que apresentam fortes indícios de irregularidades e, em geral, originam processos administrativos na BSM. Supervisão de Mercados em números 1º semestre 2012 Tipos de análise Análises Relatórios Comportamento dos preços e da liquidez dos ativos e derivativos (condições artificiais de demanda, oferta ou preço, manipulação de preços, operações fraudulentas, práticas não equitativas etc) Participação dos investidores (operações fraudulentas, lavagem de dinheiro, exercício irregular de atividade no mercado de valores mobiliários etc.) Observância do regulamento operacional da BM&FBOVESPA e normas da CVM (IN CVM 168, 358 etc.). (1) 3 0 Solicitações da CVM e de outras entidades autorizadas ou departamentos da BSM Total

3 Ao longo do primeiro semestre, foram concluídos 87 relatórios. Destes, 41 foram encaminhados para a Gerência Jurídica da BSM para adoção de medidas sancionadoras contra os agentes envolvidos em operações irregulares. Relatórios de Acompanhamento de Mercado 41 Encaminhados para adoção de medidas de enforcement 47% 53% 46 Arquivados Comunicações ao COAF As atividades de fiscalização e supervisão desempenhadas pela BSM incluem aspectos relativos à prevenção à lavagem de dinheiro, incluindo minuciosa análise dos processos e dos sistemas implantados nas instituições com esta finalidade. A tabela abaixo apresenta o número de comunicações feitas, pela BSM, ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). Comunicações feitas ao COAF Área de origem * Acompanhamento de Mercado 17 9 Auditoria departicipantes Jurídico 2 6 Total * Dados referentes ao primeiro semestre Enforcement Para que as atividades de supervisão e fiscalização realizadas pela BSM sejam efetivas, é necessário que irregularidades acaso identificadas nessas atividades sejam objeto de medidas disciplinares e/ou educativas. Essa atividade disciplinar, conhecida como enforcement, visa aprimorar os padrões de conduta dos participantes e seus controles internos, bem como inibir a repetição das infrações. Diversos tipos de ações de enforcement podem ser adotadas, desde o envio de uma carta de recomendação para que a instituição aperfeiçoe seus procedimentos, até a instauração de processo administrativo, que pode resultar na aplicação de sanções ao envolvido. Medidas persuasivas: Cartas de Recomendação e Cartas Censura No primeiro semestre de 2012, a BSM intensificou a emissão de Cartas de Recomendação e de Cartas Censura, enviadas recomendando melhorias nos controles internos das instituições ou determinando a cessão de determinada prática considerada irregular. O aumento do número de cartas de recomendação ou censura está relacionada, entre outras coisas, à intensificação de auditorias à distância (indiretas), conforme descrito no item Auditoria. No primeiro semestre de 2012 foram emitidas mais de 600 Cartas de Recomendação ou de Determinação e Cartas Censura.

4 Medidas sancionadoras: Processos Administrativos Os Processos Administrativos são instaurados para apurar indícios de irregularidades. Os acusados têm amplo direito à defesa e os processos são julgados pelo Conselho de Supervisão da BSM, que pode aplicar as penalidades previstas em seu Estatuto Social (advertência, multa, suspensão, inabilitação e outras penalidades previstas nas normas da BM&FBOVESPA). No primeiro semestre de 2012, quatro processos foram finalizados. Um processo administrativo que envolvia indícios de lavagem de dinheiro foi concluído mediante aplicação de penalidades à corretora e ao operador envolvido. Em outros dois processos as corretoras foram absolvidas pelo Conselho de Supervisão. Por fim, um processo que envolvia manipulação de preços foi finalizado mediante a assinatura de Termos de Compromisso entre os acusados e a BSM. Resultado dos Processos Administrativos encerrados no primeiro semestre de 2012 Qtde de PADs Qtde de acusados Termos de Compromisso Julgamentos Penalidades Condenação Absolvição Advertência Multa Suspensão Inabilitação Outros 16 processos, cujas matérias estão descritas no gráfico abaixo, encontravam-se em andamento em 30 de junho de Matéria dos Processos Administrativos em andamento Suitability Falhas estruturais na Corretora (relatório de auditoria operacional) 25% 29% 4% 13% 17% 8% 4% Uso indevido de conexões automatizadas Manipulação de preços Inexecução ou infiel execução das ordens As decisões e os termos de compromisso celebrados em processos administrativos podem ser consultados na página da BSM, na rede mundial de computadores, no menu Supervisão de Mercado / Processos Adm. Concluídos. Administração irregular de carteira Lavagem de dinheiro Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos MRP Ao longo dos seis primeiros meses do ano, 38 reclamações foram direcionadas ao Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos. No mesmo período, 84 processos foram concluídos. Em 30 de junho, 73 reclamações encontravam-se em andamento. MRP - Reclamações recebidas, concluídas e em andamento * Estoque Inicial Reclamações recebidas Reclamações concluídas Estoque final * Dados referentes ao primeiro semestre

5 Dentre os principais problemas alegados pelos investidores nas 38 reclamações apresentadas em 2012 destaca-se a predominância de queixas sobre a atuação de agentes autônomos de investimento, problemas com home broker e custos de corretagem. Matéria de reclamações recebidas no MRP de 2012 Conta margem Falta de informação Outros 26% 5% 5% 11% Problemas no home broker 13% Cobrança indevida de corretagem 40% Atuação de Agente Autônomo Das 84 reclamações encerradas, 10 foram arquivadas por intempestividade ou ausência de requisitos e outras 4 foram encerradas por acordo entre as partes. Os 70 processos restantes foram julgados pelo Conselho de Supervisão. Os resultados das reclamações encerradas no primeiro semestre de 2012 encontram-se na tabela a seguir: Ano Arquivamentos Ausencia de requisitos Resultado das Reclamações ao MRP concluídas Desistência Acordo entre as partes Julgamentos Improcedência Procedência (Ressarcimento) Total Concluído Total ressarcido (R$mil) * * Dados referentes ao primeiro semestre Estoque de processos Conforme indicado anteriormente, a BSM iniciou o ano de 2012 com 119 reclamações em andamento junto ao MRP. Merece destaque o grande esforço efetuado pela área jurídica da BSM, que conseguiu, no primeiro semestre desse ano, elaborar os pareceres jurídicos de todas essas reclamações. Adicionalmente, o Conselho de Supervisão da BSM também tem feito grande esforço para julgar rapidamente os processos, de tal forma que, em 30 de junho, apenas 21 dos 119 processos do estoque encontravam-se pendentes de julgamento no Conselho de Supervisão. As decisões do Conselho de Supervisão podem ser consultadas na página da BSM, na rede mundial de computadores, no menu MRP / Processos MRP / Concluídos.

6 Relatório do 2º Trimestre de 2012 Aumento da eficiência O grande esforço empenhado tanto pela área técnica, responsável pela análise das reclamações e instrução dos processos, quanto pelo Conselho de Supervisão, pode ser percebido pela considerável redução dos prazos para emissão do Parecer jurídico e para julgamento dos processos. Atualmente, o prazo médio para instrução de um processo de reclamação de MRP está em 89 dias e o prazo médio para julgamento é de aproximadamente 38 dias. Tais números representam uma redução de mais de 40% em relações aos anos anteriores. Serviço de Atendimento ao Público O Serviço de Atendimento ao Público da BSM, que visa colher opiniões, críticas e sugestões sobre a atuação da BSM, da BM&FBOVESPA e de seus Participantes, atendeu, no primeiro semestre, 107 demandas, que abordavam os seguintes temas: Estatísticas do Serviço de Atendimento ao Público 14 Outros 13% 24 Supervisão de Mercado (GAM) 22% 64% 69 Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP) O Serviço de Atendimento ao Público da BSM pode ser acessado por meio de nossa página na internet (www.bsm-autorregulacao. com.br) ou pelo telefone (11) Revisão Normativa A BSM participa ativamente das discussões relativas a novas normas ou aperfeiçoamento das normas existentes. Conforme noticiado em nosso Boletim Normativo referente ao primeiro trimestre do ano, a BSM enviou comentários às audiências públicas que tratavam sobre o dever de verificação da adequação dos produtos e serviços ao perfil do cliente (suitability), bem como à audiência que visou aperfeiçoar as normas da CVM relativas à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. No segundo trimestre, a BSM enviou sugestão no âmbito da audiência pública CVM SDM nº 03/2012, que se propôs a instituir a atividade de Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. BSM - BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Rua XV de Novembro, 275-8º andar Centro CEP São Paulo SP Serviço de Atendimento ao Público: (11) ou

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2008 APRESENTAÇÃO A BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) iniciou suas atividades em 1º de outubro de 2007, tendo a sua criação resultado do processo de desmutualização da BOVESPAe,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 APRESENTAÇÃO O Brasil tem se destacado como um dos países que melhor vem enfrentando a crise que afetou o mercado financeiro internacional, a partir do 2º semestre de 2008.

Leia mais

ÓRGÃOS NORMATIVOS. Conselho Monetário Nacional CMN:

ÓRGÃOS NORMATIVOS. Conselho Monetário Nacional CMN: ÓRGÃOS NORMATIVOS Conselho Monetário Nacional CMN: Instituído pela Lei 4.595/64, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais do SFN. Suas principais funções definidas por lei são adaptar o volume

Leia mais

A CVM. Proteção do investidor.

A CVM. Proteção do investidor. A CVM. Proteção do investidor. Proteção e Orientação ao Investidor Canal 1998-2014 (Jul) 2009 2013 Presencial 61.041 1.744 970 Telefônico 187.007 8.316 4.080 0800 582.697 17.995 9.109 Internet 154.260

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

informa Societário &Mercado de Capitais DECISÕES DO COLEGIADO DA CVM nº 79 / 12 de julho de 2013

informa Societário &Mercado de Capitais DECISÕES DO COLEGIADO DA CVM nº 79 / 12 de julho de 2013 nº 79 / 12 de julho de 2013 informa Societário &Mercado de Capitais Nesta edição: Decisões do Colegiado da CVM Atualização Normativa Notícias Este Boletim é um informe destinado aos clientes e integrantes

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Prevenção à Lavagem de Dinheiro Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Agenda A BSM Procedimentos de Análise Cases Comunicações à CVM Pontos de Atenção Arcabouço normativo da autorregulação Instrução

Leia mais

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas 4º Congresso de Combate e Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo Marcos José Rodrigues Torres Diretor de Autorregulação

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

Processo Administrativo nº 05/08

Processo Administrativo nº 05/08 Processo Administrativo nº 05/08 Envolvida: Alpes Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. Assunto: Cadastramento e Identificação de Investidores Não-Residentes Conselheiro-Relator: Eduardo

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL 1. 1. Ética e Conduta 1.1 Ética O princípio maior visa atos respaldados em valores éticos, respeitando os direitos da corretora e dos clientes, visando honrar seus compromissos. O cliente está em primeiro

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET PESSOA JURÍDICA Código do cliente: Assessor: F.P07.003.05 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil Roberto Mendonça Pereira CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Alerta As opiniões aqui expostas são

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade 1 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade A A CVM E A ATIVIDADE DE AUDITORIA INDEPENDENTE: a regulaçã ção como instrumento de melhoria da qualidade da informaçã ção. 2 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC. Investimentos Irregulares

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC. Investimentos Irregulares Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC Investimentos Irregulares Apresentação A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) tem recebido, ao longo dos anos, um grande número de consultas e reclamações

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 1 / 6 CAPÍTULO V DOS OPERADORES DE PREGÃO 5.1 DOS OPERADORES 5.1.1 O Operador é o profissional, especialmente credenciado perante a Bolsa, que representa a Sociedade Corretora no Recinto de Negociação

Leia mais

Processo Administrativo CVM nº SP2013/107. Reg. C ol. nº 8674/2013

Processo Administrativo CVM nº SP2013/107. Reg. C ol. nº 8674/2013 Processo Administrativo CVM nº SP2013/107 Reg. C ol. nº 8674/2013 Interessados: SLW C orretora de Valores e C âmbio Ltda. Assunto: Recurso contra decisão da SMI que não conheceu recurso contra decisão

Leia mais

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil - CVM e

Leia mais

MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE

MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE Workshop para Participantes da BM&FBOVESPA Monitoração 31/MARÇO/2014 de Operações, de Controles Internos e de Compliance Confidencial Restrita

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO 1 ÍNDICE CAPÍTULO I. FINALIDADE DO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3 CAPÍTULO II. SUJEIÇÃO AO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Fiscal é

Leia mais

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Quais os serviços

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO CVM N o 529, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instituição da Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. O PRESIDENTE INTERINO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna

Leia mais

MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ACESSO DA BM&FBOVESPA Novembro 2015 Índice ÍNDICE REGISTRO DE VERSÕES 6 1. INTRODUÇÃO 7 1.1. OBJETO 7 2. PARTICIPANTES AUTORIZADOS 9 2.1. PARTICIPANTE DE NEGOCIAÇÃO PLENO 9 2.1.1. Categorias

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Banco Modal S/A, ora designado Banco Modal, em atendimento ao disposto no art. 20, 4º e 31, caput, da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

Nível 1. Governança Corporativa

Nível 1. Governança Corporativa Nível 1 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

<><-1J.uJ5 ' _j anexo(s) Visto: (:,

<><-1J.uJ5 ' _j anexo(s) Visto: (:, \ 8M&F80VESPA 10 de junho de 2015 OF/BSM/DAR-0624/2015 A/C: SR. ÍcARO CORLAITI COUTINHO NASCIMENTO Rua Hilda Marchezine, no 163, cep.: 34000-000, Nova Lima, MG,ElJEoEXh) MOTOBOY( ) '~o:í!lado em:_~_

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

CABEÇALHO: indicar a cidade e a data de assinatura do formulário.

CABEÇALHO: indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. CABEÇALHO: indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. RECLAMANTE: Nome ou Razão Social do investidor RECLAMADA: Razão Social do Participante da BM&FBOVESPA que deu origem ao suposto prejuízo

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros

Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros Prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo nos bancos brasileiros Principais obrigações impostas aos bancos Identificar e manter atualizados os dados cadastrais dos clientes

Leia mais

BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS

BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS BM&FBomPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Processo Administrativo OrdináriO no 66/2012 Acusado: Luiz Fernando Prudente de Mello PARECER DA GERÊNCIA JURÍDICA- GJUR-BSM PROCESSO ADMINISTRATIVO ORDINÁRIO N 66/2012

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM Esta Sociedade Corretora, em atenção à legislação vigente, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento, registro,

Leia mais

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA Seção I Finalidades Art. 40. As bolsas de valores devem manter Fundo de Garantia, com finalidade exclusiva de assegurar aos clientes de sociedade membro, até o limite do Fundo,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon 7A Ouvidoria no Mercado de Capitais Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Introdução

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

Novo Regulamento MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO

Novo Regulamento MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO Clubes de Investimento Novo Regulamento BM&FBOVESPA MINUTA EM FASE DE APROVAÇÃO 1 Pauta Características gerais Estatuto Registro do clube Assembleia Geral Administração Composição da Carteira Prestação

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 MINUTA PROPOSTA CVM Art. 1º As pessoas habilitadas a atuar como integrantes do sistema de distribuição, os analistas, os consultores e os administradores

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS NR-DC-NEG-3..03 1/17 CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO Ana Bezerra Diretora Corporativa Olympia Baptista Gerência de Controles Internos e Compliance

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A.

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS DA CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. As normas de procedimento descritas a partir desta página, são para conhecimento do cliente, não sendo obrigatório o envio para a Credit Suisse Hedging-Griffo. NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA ATUAÇÃO EM BOLSAS

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker

Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker É propósito da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS DIRETORIA EXECUTIVA 11/06/2013 11/06/2013 1 / 8 Assunto: CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. REGRAS E PROCEDIMENTOS As regras,

Leia mais

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO Página 1 de 16 REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO O Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A., CNPJ nº: 92.702.067/0001-96 (doravante BANRISUL ), objetivando atuar na qualidade de Intermediário, conforme

Leia mais

As posições mantidas na Conta-Clientes pela INSTITUIÇÃO junto à CETIP estão em fase de encerramento ou transferência.

As posições mantidas na Conta-Clientes pela INSTITUIÇÃO junto à CETIP estão em fase de encerramento ou transferência. Atualmente, a INSTITUIÇÃO somente atua, por conta própria, na negociação de valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários administrados pela CETIP, nos termos da INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A TERRA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( CORRETORA ), em atendimento ao disposto no art. 34º da Instrução CVM nº 505, e das demais normas

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO É propósito da ICAP do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda (doravante denominada ICAP ) atuar sempre no melhor interesse de seus clientes, e na manutenção da integridade do mercado,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO)

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) A PAX CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, - doravante denominada simplesmente Corretora em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

MEMO/SMI/GME/N 91/2014. Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014. Para: SMI De: GME

MEMO/SMI/GME/N 91/2014. Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014. Para: SMI De: GME MEMO/SMI/GME/N 91/2014 Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2014 Para: SMI De: GME Assunto: Recurso em Processo de Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos ( MRP ) Edenivan Ferreira de Sena e XP Investimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO LTDA MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Revisado em agosto/2013 Página 1/8 1. CRITÉRIOS BÁSICOS Em atendimento a Instrução CVM 497 de 03 de junho de 2011,

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Pesquisa Política de Divulgação e Negociação

Pesquisa Política de Divulgação e Negociação Pesquisa Política de Divulgação e Negociação Realizada com 551 Cias Abertas Registradas na CVM 1 Dezembro/2009 Escopo da Pesquisa 1) Pesquisa elaborada conjuntamente pela CVM e IBRI; 2) Conduzida pela

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Fundo 157 Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Apresentação Com frequência são

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

ATENDIMENTO AO PÚBLICO

ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E DEFESA AO INVESTIDOR (PRODIN) ATENDIMENTO AO PÚBLICO BOLETIM SEMESTRAL: 1º SEMESTRE 2011 Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Proteção e Orientação aos Investidores

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 16 ref: Setembro/2009 São Paulo,

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A.

R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A. 1 R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A. VERSÃO E APROVAÇÃO Emissão: Janeiro/2010 Revisão: 21/01/2013-13/03/2013 Válido

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação Índice Introdução Regras e Parâmetros 1 - Cadastro 2 - Regras Quanto ao Recebimento de Ordens 3 - Regras Quanto ao Registro das Ordens de Operações 4 - Regras Quanto a Execução

Leia mais

--,-----------------------------

--,----------------------------- Relatório dos Auditores Independentes para atendimento da Instrução n0461/07 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) relacionado ao Relatório de Prestação de Contas das Atividades realizadas pela BM&FBOVESPA

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

EASYNVEST - TÍTULO CORRETORA DE VALORES SA Regras e Parâmetros de Atuação (RPA)

EASYNVEST - TÍTULO CORRETORA DE VALORES SA Regras e Parâmetros de Atuação (RPA) Regras e Parâmetros de Atuação (RPA) (CORRETORA), com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.608-14º andar - Vila Olímpia, inscrita no CNPJ/MF sob nº 62.169.875/0001-79

Leia mais