aware ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "aware ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5"

Transcrição

1 ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5

2 ANGOLAN DESK EDITORIAL Com a presente Aware vimos dar conta da enorme produção legislativa que se verifica em Angola, procurando acompanhar o crescimento económico deste país, modernizando-o e dotando-o de instrumentos adequados ao fluxo crescente de investimento estrangeiro. A produção legislativa a que nos referimos abarca sectores e matérias como a água, ambiente, crédito, laboral, transportes, administração, impostos, entre outros, com destaque para o novo Regulamento sobre a Contratação de Serviços de Assistência Técnica Estrangeira e o novo regime jurídico das sociedades de cessão financeira e sociedades de locação financeira. De salientar este enorme esforço que as autoridades Angolanas estão a fazer e que são o espelho de um país onde tudo está a acontecer ao mesmo tempo e a grande velocidade. Fernando Veiga Gomes, Advogado Sócio 1

3 Regulamento sobre a Contratação de Serviços de Assistência Técnica Estrangeira ou de Gestão Em 27 de Outubro foi publicado o Decreto Presidencial n.º 273/11, de 27 de Outubro, que veio aprovar o Regulamento sobre a Contratação de Prestação de Serviços de Assistência Técnica Estrangeira ou de Gestão (doravante, Regulamento), que entrou em vigor na própria data da sua publicação, ou seja, no dia 27 de Outubro. Na prática, o Regulamento vem limitar exponencialmente a contratação deste tipo de serviços, particularmente quando se trate de sociedades com projecto de investimento aprovado pela ANIP, visando, sobretudo, a protecção do interesse nacional, a promoção do desenvolvimento do mercado de trabalho e a racionalização dos recursos cambiais angolanos. Objecto e âmbito de aplicação especialistas, bem como a contratação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão por parte de empresas que actuem no sector petrolífero e diamantífero. Para efeitos de aplicação do Regulamento, considera-se como contrato de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão a relação jurídico-obrigacional que tem por objecto a aquisição a entidades colectivas não residentes, de serviços administrativos, científicos e técnicos especializados necessários para manter, melhorar ou aumentar a capacidade produtiva, quer de bens quer de serviços, bem como o aumento do nível de formação profissional dos trabalhadores que exigem dos seus executantes conhecimentos que não podem ser obtidos no país. Este Regulamento vem aplicar-se a todos os contratos de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão, que venham a ser celebrados pelas empresas angolanas, privadas ou mistas, excluindo-se os contratos de tecnologia e a contratação individual de 2

4 Porém, o regime aplicável será distinto consoante o seu preço global anual seja superior ou inferior a USD ,00. Assim, no caso de contratos cujo valor global seja inferior a USD ,00 (trezentos mil dólares) e cujo prazo de execução seja inferior ou igual a 12 meses, apenas há necessidade de dar conhecimento dos mesmos ao Ministério da Economia. Nos demais casos, ou seja, quando se trate de: a) contratos cujo valor global seja inferior a USD ,00 mas cujo prazo de execução seja superior a 12 meses; e b) contratos cujo valor global seja superior a USD ,00, a celebração do contrato está sujeita a aprovação de Comissão de Avaliação a ser constituída junto do Ministério da Economia. Seja qual for o preço global do contrato, quando a parte contratante seja uma empresa constituída ao abrigo de um projecto de investimento e a outra parte seja uma sua associada estrangeira, a celebração do contrato apenas poderá ocorrer mediante autorização da ANIP, após parecer favorável do Ministério da Economia. Pressupostos para a contratação Para que um contrato de prestação de serviços, cujo preço global exceda USD ,00, mereça a aprovação da Comissão de Avaliação, têm de estar verificados os seguintes pressupostos: a) Os serviços a contratar envolverem tal complexidade e especialização que não possam ser obtidos em Angola; b) Os serviços a contratar enquadrarem-se na realização de programas pré-determinados que envolvam conhecimentos especializados, dentro de prazos fixados; c) A contratação dos serviços implique significativas vantagens para a empresa ou serviço contratante, bem como para a economia nacional; d) O objecto dos serviços a prestar contribua de forma decisiva para o desenvolvimento económico do país. 3

5 Conteúdo obrigatório do contrato Para que sejam aprovados pela Comissão de Avaliação, os contratos a celebrar devem obrigatoriamente ser redigidos em língua portuguesa e conter os seguintes elementos: a) Identificação completa das partes contratantes, respectiva sede social e as entidades com poderes para as representar; b) Definição detalhada do objecto do contrato; c) Especificação dos resultados esperados e a garantia de que a forma da prestação e o conteúdo dos serviços é suficiente para a obtenção dos resultados previstos; d) Programa de Trabalhos; e) Cronograma das acções a desenvolver; f) Trabalhadores estrangeiros necessários (deverá ser indicada a identificação e perfil profissional de cada trabalhador, bem como o tempo de trabalho estimado, em função do Cronograma apresentado); g) Prazo global do contrato; h) Obrigatoriedade de a entidade contratante fornecer todas as informações relevantes e a documentação técnica a utilizar na prestação dos serviços; i) Obrigatoriedade de a entidade contratada apresentar um relatório de execução do contrato, incluindo a apresentação de recomendações relativas ao objecto contratado, aquando do termo do contrato; j) Indicação da lei angolana aplicável em cada momento da execução do contrato; k) Forma e órgãos de resolução de litígios sendo possível optar pela resolução de litígios através de Tribunal Arbitral, quaisquer conflitos que não sejam amigavelmente solucionados serão dirimidos pelo Tribunal da Província competente em razão da matéria; l) Quaisquer outras cláusulas que se mostrem relevantes de modo a que o contrato não seja impreciso, indeterminado, ininteligível, confuso ou ambíguo. São expressamente proibidas as seguintes cláusulas: a) Objectos vagos, imprecisos, indeterminados ou complexos; b) Preços exorbitantes, indeterminados, aleatórios ou compósitos; c) Cláusulas que reflictam um manifesto desequilíbrio entre as prestações recíprocas das partes; d) Restrições à livre utilização, pela parte nacional, das informações técnicas; e) Referências a prestações características de outro tipo de contratos, designadamente royalties; 4

6 f) Cláusulas que estabeleçam a prorrogação automática do contrato; g) Cláusulas atentatórias da soberania nacional; h) Cláusulas lesivas da ordem pública interna. Valor do contrato O contrato deve fixar um preço global pelos serviços a prestar, devendo no entanto ser decomposto, especificando, designadamente, as prestações que se refiram a: a) Operações de invisíveis correntes; b) Operações de mercadorias (quando seja o caso); Caso este limite não seja cumprido, o valor excedente será considerado como despesa desnecessária à actividade da empresa e, consequentemente, não dedutível para efeitos fiscais. Prazo Nos termos do Regulamento, os contratos devem ser celebrados pelo período de tempo considerado como razoavelmente necessário. Para este efeito, considerase como razoavelmente necessário o prazo que não seja superior a 36 meses. Em circunstâncias excepcionais, poderão os contratos ter um prazo de vigência superior, mas terão de ser devidamente justificados e estão sujeitos a autorização do Ministério da Economia. Renovação ou prorrogação dos contratos A renovação ou prorrogação dos contratos de prestação de serviços está sujeita às mesmas formalidades que a celebração do contrato inicial, devendo, no entanto, ser acompanhada do relatório de execução do contrato anterior. Ressalva-se que, conforme acima, são expressamente proibidas as cláusulas que prevejam a prorrogação automática do contrato. c) Demais elementos que colaborem para a formação do preço global. Note-se que o somatório do preço global de todos os contratos de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão celebrados com entidades não residentes não pode exceder 10 vezes o valor dos fundos próprios da entidade beneficiária dos serviços, ou seja, a entidade nacional. 5

7 Tramitação Antes da assinatura do contrato de prestação de serviços, a entidade residente deve submeter ao Ministério da Economia o processo relativo à intenção de celebrar um contrato de prestação de serviços com entidade não residente. Caso o pedido seja formulado de modo deficiente ou insuficiente, o Ministério da Economia notifica a entidade requerente para, em 8 (oito) dias úteis, suprir as irregularidades encontradas ou fornecer informações adicionais ou complementares. Uma vez aceite o pedido, a Comissão de Avaliação constituída disporá de 30 (trinta) dias úteis para analisar e decidir sobre o contrato apresentado. Findo este prazo sem que a Comissão de Avaliação se pronuncie, haverá lugar a deferimento tácito do pedido submetido. Caso a Comissão de Avaliação se pronuncie, emitirá um parecer final e comunicará a sua decisão à entidade residente que, em posse desse parecer favorável, poderá então assinar o contrato de prestação de serviços. Porém, no que respeita à liquidação, compete ao Banco Nacional de Angola definir os termos e condições em que a mesma se processará, o que até agora ainda não aconteceu. No final da execução do contrato, e para efeitos de controlo da sua execução por parte do Ministério da Economia, a entidade residente deverá apresentar àquele Ministério um relatório de execução do contrato no prazo de 45 (quarenta e cinco) dias após o termo do mesmo. Disposições finais e transitórias Os contratos de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão com entidades não residentes que estejam sujeitos aos termos deste Regulamento, mas não o cumpram em qualquer das suas disposições, são nulos, não produzindo quaisquer efeitos jurídicos. Os contratos de prestação de serviços que estejam em vigor à data da publicação deste Regulamento, mantêm-se válidos até ao seu termo mas deviam ter sido registados junto do Ministério da Economia no prazo máximo de 60 (sessenta) dias úteis após a entrada em vigor deste Diploma, ou seja, até dia 20 de Janeiro de Em qualquer um dos casos, a consequência mais directa e gravosa será, naturalmente, a dificuldade (senão mesmo, impossibilidade) de proceder à efectiva transferência do pagamento pelos serviços contratados. Após a assinatura, o contrato de prestação de serviços será registado nos termos da regulamentação cambial sobre invisíveis correntes. 6

8 Ficha Técnica do Contrato Em complemento deste diploma, a Comissão de Avaliação de Contratos de Prestação de Serviço de Assistência Técnica Estrangeira ou de Gestão fez publicar, no passado dia 8 de Março, no Jornal de Angola, um comunicado nos termos do qual os contratos sujeitos aos termos do Regulamento têm de ser acompanhados de uma Ficha Técnica do Contrato devidamente preenchida e de do-cumentação adicional, em formato electrónico. Assim, na Ficha Técnica do Contrato deve constar a seguinte informação: Relativamente à entidade contratante, deve ser indicado o NIF, endereço, representante legal, capital social e fundos próprios. No que respeita à entidade contratada, deve ser indicado NIF, endereço, representante legal e capital social. Quanto ao tero do próprio contrato, devem ser indicadas as seguintes informações: a) Definição do objecto do contrato; b) Especificação dos resultados esperados; c) Prazo global de execução do contrato, incluindo: data de assinatura, data de entrada em vigor e data de termo; d) Número total de trabalhadores da entidade contratante, discriminando o número de trabalhadores nacionais e trabalhadores estrangeiros, bem como os já contratados e a contratar ao abrigo do contrato; e) Número de identificação e perfil profissional dos especialistas a contratar; f) Programa de trabalho, Cronograma de acções e tempo de trabalho de cada um dos especialistas estrangeiros a contratar; g) Informações técnicas e demais documentação a prestar pela entidade contratada, se aplicável; h) Forma de prestação de contas ou de boa execução do contrato; i) Valor global do contrato, especificando o valor das mercadorias, se aplicável, bem como, outros elementos que entram na composição do preço; j) Forma de pagamento; k) Garantias; l) Taxa de penalização; m) Legislação aplicável; e n) Forma de resolução de litígios. As entidades contratantes constituídas ao abrigo da Lei do Investimento Provado, devem ainda indicar: a) O valor global do investimento; b) O investimento em meios monetário; e c) O investimento em bens de equipamentos e outros. A Fica Técnica do Contrato deve ser remetida à Comissão de Avaliação acompanhada do projecto de contrato a celebrar e dos seguintes documentos: a) Estatutos da entidade contratante; b) RENT; c) Comprovativo de situação fiscal regularizada (Modelo 1 de Declaração de Rendimentos). Marta Romano de Castro, Advogada Associada Maria Cabral de Azevedo, Advogada Associada 7

9 Regime jurídico angolano das sociedades de cessão financeira e sociedades de locação financeira Na sua versão original, a Lei das Instituições Financeiras, aprovada pela Lei n.º 13/05, de 30 de Setembro reconhecia já, como instituições financeiras não bancárias, as sociedades de cessão financeira (sociedades de factoring) e de locação financeira (sociedades de leasing). Porém, face à necessidade de regulamentar diversos aspectos deste tipo de sociedades foram publicados os seguintes regulamentos: (i) Regulamento sobre a actividade das sociedades de locação financeira, aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 65/11, de 18 de Abril; e (ii) o Regulamento sobre a actividade das sociedades de cessão financeira, aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 95/11, de 28 de Abril. Nos termos da lei as sociedades de cessão financeira (factoring) e as sociedades de locação financeira (leasing) são instituições financeiras não bancárias ligadas à moeda e ao crédito, sujeitas à jurisdição e supervisão do Banco Nacional de Angola. Nesta medida, cabe ao Banco Nacional de Angola regulamentar a actividade deste tipo de sociedades, consoante as necessidades que o mercado revele. Para que possam exercer a sua actividade em Angola, estas sociedades deverão cumprir determinados requisitos legais, não só de autorização de constituição, mas também de registo junto do Banco Nacional de Angola. espécie da sociedade, não podendo induzir o público em erro quanto ao âmbito das operações a que a instituição está autorizada a realizar. Assim, deverá ser incluída na firma a expressão cessão financeira ou locação financeira, de acordo com o caso, seguida da expressão Sociedade Anónima ou pela abreviatura S.A. correspondente. No mesmo sentido, o Banco Nacional de Angola publicou os Avisos n.º 14/2011, de 19 de Dezembro, n.º 15/2011, de 19 de Dezembro, n.º 16/2011, de 19 de Dezembro e n.º 17/2011, de 19 de Dezembro. Forma e Firma da Sociedade As sociedades devem adoptar a forma de sociedade anónima. A firma ou denominação social deve, obrigatoriamente, incluir uma designação que identifique a 8

10 Objecto Social Capital Social e Fundos Próprios O objecto social das sociedades está limitado às actividades legalmente previstas. Assim, as sociedades de cessão financeira terão por objecto exclusivo o exercício da actividade de cessão financeira, mediante a qual uma das partes (cessionário ou factor) adquire da outra (aderente) créditos a curto prazo, resultantes da venda de produtos ou da prestação de serviços a uma terceira pessoa (devedor), nos termos que sejam permitidos por lei. Por seu lado, as sociedades de locação financeira terão como objecto exclusivo o exercício da actividade de locação financeira podendo, acessoriamente: a) alienar, ceder a exploração, locar ou efectuar outros actos de administração sobre bens que lhes hajam sido restituídos, quer por motivos de resolução de um contrato de locação financeira, quer em virtude do não exercício pelo locatário do direito de adquirir a respectiva propriedade; b) locar bens móveis fora dos casos em que os bens lhes hajam sido restituídos no termo do contrato de locação financeira. O capital social mínimo das sociedades deverá ser integralmente realizado em moeda nacional no montante de AKZ ,00 (cinquenta milhões de kwanzas), não devendo os Fundos Próprios Regulamentares das sociedades ser inferiores a este valor. Na data da constituição das sociedades, o capital social mínimo deve estar integralmente realizado e depositado numa instituição financeira bancária domiciliada em Angola. Nos casos em que o capital social inicial seja superior ao mínimo legalmente previsto, é exigida a realização de, pelo menos, 50% do montante que exceda aquele valor mínimo, devendo o remanescente ser integralmente realizado no prazo de seis meses a contar da data de constituição da sociedade. Se a sede da sociedade se situar fora da Província de Luanda, o montante do capital social mínimo pode ser reduzido em 50%, ou seja, AKZ ,00 (vinte e cinco milhões de kwanzas). Porém, este benefício implica que a sociedade não possa abrir agências em Luanda antes de completar cinco exercícios económicos. Caso a sociedade o faça, perderá o benefício de redução do capital social, devendo realizar o montante mínimo de capital social acima referido de AKZ ,00. Administração das Sociedades O órgão de administração das sociedades deve ser constituído por um número ímpar de membros fixado pelos estatutos da sociedade, com o mínimo de três administradores, devendo a gestão corrente da sociedade ser confiada a, pelo menos, dois membros do órgão de administração. Para além de preencherem requisitos legais de idoneidade, disponibilidade e experiência profissional, os membros dos órgãos de administração da sociedade não podem, cumulativamente, e- xercer cargos de gestão ou desempenhar quaisquer funções em outras instituições financeiras bancárias ou não bancárias, salvo se existir uma relação de grupo entre as instituições em causa e a tal não se opuser o Banco Nacional de Angola. O não o cumprimento destes requisitos poderá levar à revogação da autorização para o exercício da actividade. 9

11 Estrutura de controlo accionista As participações directas e indirectas no capital social que impliquem o controlo das sociedades apenas podem ser detidas por: i. Pessoas singulares ou pessoas colectivas cujos controladores finais sejam pessoas singulares; ii. Instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Nacional de Angola ou por outra entidade de supervisão, nacional ou estrangeira. Caso se verifiquem alterações estatutárias, o Banco Nacional de Angola pode pedir às instituições financeiras em funcionamento, a apresentação de todos ou alguns documentos e informações, como se tratasse da instrução de um pedido de autorização inicial para o exercício da actividade. Recursos As sociedades apenas podem financiar a sua actividade através dos fundos próprios e dos seguintes recursos: i. Emissão de obrigações de qualquer espécie nos termos e condições fixados na Lei das Sociedades Comerciais, bem como de papel comercial; ii. Financiamentos concedidos por instituições bancárias, nomeadamente no âmbito do mercado interbancário, se a regulamentação aplicável a este mercado o permitir, bem como por instituições financeiras internacionais; iii. Obtenção de crédito dos fornecedores dos bens destinados à locação; iv. Suprimentos e outras formas de empréstimo e adiantamentos entre uma sociedade e os respectivos sócios; Rácio de Solvabilidade e Fundos Próprios Regulamentares O rácio de solvabilidade regulamentar corresponde à relação entre os fundos próprios regulamentares e o valor do património exposto aos riscos inerentes às operações realizadas pela instituição financeira, devendo ser igual ou superior a 10%, de acordo com os critérios legalmente determinados. Depende da autorização do Banco Nacional de Angola a transacção entre residentes de lotes de acções que, isolada ou cumulativamente, representem mais de 10% do capital social da sociedade, bem como quaisquer transacções de acções em que intervenham entidades não residentes. v. Operações de tesouraria, quando legalmente permitidas, entre as sociedades que se encontrem numa relação de domínio ou de grupo. 10

12 Prestações de Informações As sociedades deverão remeter ao Banco Nacional de Angola, trimestralmente, até 8 dias após o termo de cada trimestre o balancete reportando a posição global da instituição. Até ao dia 30 de Abril do ano subsequente, as demonstrações financeiras do exercício anterior deverão ser publicadas e remetidas ao Banco Nacional de Angola, bem como o Parecer de Auditoria Externa e, se for o caso, o Parecer do Conselho Fiscal. O incumprimento do prazo de envio das informações acima é punível por cada dia de atraso, sendo aplicável a cada documento uma multa correspondente a 1% do capital social mínimo definido para as sociedades de cessão financeira, dividido por 360 dias. Auditoria Externa As sociedades deverão submeter anualmente as suas demonstrações financeiras a uma auditoria externa, que será realizada por um auditor independente, que poderá ser uma empresa de auditoria devidamente autorizada ou perito contabilista devidamente inscrito na Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas. Note-se que a entidade responsável pela auditoria não pode exercer as suas funções na sociedade por período superior a quatro anos. Findo este prazo, a entidade auditora apenas poderá vir a auditar novamente a mesma sociedade após o decurso de igual prazo de quatro anos. Processo de Autorização para a Constituição da Sociedade A autorização para constituição de sociedades de cessão financeira (factoring) e de sociedades de locação financeira (leasing) deverá ser solicitada mediante requerimento dirigido ao Governador do Banco Nacional de Angola, em modelo oficial, acompanhado de diversos elementos referentes não apenas à sociedade a constituir e ao mercado alvo, como também referentes aos accionistas e às pessoas que assumirão cargos de gestão e fiscalização na sociedade. Não obstante o envio dos documentos considerados como obrigatórios, o Banco Nacional de Angola poderá ainda solicitar documentos adicionais, bem como convocar os accionistas e administradores para entrevista. Após a concessão de autorização para constituição, por parte do Banco Nacional de Angola, a sociedade deverá ser constituída no prazo de seis meses ou iniciar a sua actividade no prazo de doze meses, sob pena de caducidade da autorização, sem prejuízo de, por uma única vez, o prazo de início de actividade poder prorrogado até seis meses. Imposto do Selo Na sequência da publicação do novo Código do Imposto do Selo, no âmbito da Reforma Tributária angolana, as o- perações de locação financeira passarão a estar sujeitas a Imposto do Selo, nos seguintes termos: Operação: Locação financeira sobre bens imóveis, sobre o montante da contraprestação. Taxa: 0,3% Operação: Locação financeira e o-peracional de bens móveis corpóreos, integrando a manutenção e assistência técnica, sobre o montante da contraprestação. Taxa: 0,4% 11

13 No que respeita às operações de cessão financeira, a incidência do Imposto do Selo, para o que aqui releva, será a seguinte: Operação: Pela utilização de créditos, sob a forma de fundos, mercadorias e outros valores em virtude da concessão de crédito a qualquer título, incluindo a cessão de créditos, o factoring e as operações de tesouraria quando envolvam qualquer tipo de financiamento ( ), sobre o respectivo valor, em função do prazo: Marta Romano de Castro, Advogada Associada Maria Cabral de Azevedo, Advogada Associada i) Crédito de prazo igual ou inferior a um ano, por cada mês ou fracção. Taxa: 0,5% ii) Crédito de prazo igual ou superior a um ano. Taxa: 0,4%. iii) Crédito de prazo igual ou superior a cinco anos. Taxa: 0,3%. Nesta sede, cumpre ainda chamar a a- tenção para o facto de, sobre o valor das letras e livranças de valor superior a AKZ 100,00, dadas em garantia na assinatura dos contratos de locação financeira, por exemplo, incidir Imposto do Selo à taxa de 0,1%. 12

14 Novidades Legais Decreto Presidencial n.º 265/11, de 14 de Outubro, que aprova o regime jurídico das contas poupança-habitação. Decreto Presidencial n.º 272/11, de 26 de Outubro, que aprova o regime jurídico da cedência temporária de trabalhadores, bem como da actividade das empresas de trabalho temporário. Decreto Presidencial n.º 273/11, de 27 de Outubro, que aprova o Regulamento sobre a contratação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão. Decreto Presidencial n.º 287/11, de 1 de Novembro, que define os princípios e regras especiais geradoras da obrigação de taxas municipais. Decreto Presidencial n.º 293/11, de 15 de Novembro, que aprova o Protocolo Bilateral entre a República de Angola e a República Portuguesa sobre facilitação de vistos. Despacho n.º 1069/11, de 29 de Novembro, que aprova a actualização dos valores base correspondentes ao valor médio por metro quadrado dos prédios urbanos constantes das tabelas de avaliação aprovadas pelo Decreto Presidencial n.º 81/11, de 25 de Abril. Lei n.º 39/11, de 29 de Novembro, que procede à alteração da Lei da Organização e Funcionamento dos Órgãos da Administração Local do Estado, aprovada pela Lei n.º 17/10, de 29 de Julho. Lei n.º 35/11, de 16 de Dezembro, que autoriza o Titular do Poder Executivo a legislar sobre a revisão do Código do Imposto Industrial, do Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais, do Código do Imposto sobre o Rendimento do Trabalho e do Regulamento do Imposto do Consumo, no sentido de os ajustar à actual realidade económica e tributária do País, e a aprovar o Código do Imposto de Selo. Decreto Executivo Conjunto n.º 197/11, de 26 de Dezembro, que procede à criação do Tribunal Municipal de Camacuio, na província do Namibe. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11, de 30 de Dezembro, que aprova a revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais. Decreto Executivo n.º 179/11, de 8 de Novembro, que determina que as entidades empregadoras, que exercem a sua actividade em território nacional, devem, para assunção efectiva dos respectivos custos, constituir obrigatoriamente a provisão para o pagamento do prémio do seguro de Acidentes de Trabalho e de Doenças Profissionais, em cumprimento do Regime Jurídico dos Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais e define as regras aplicáveis à constituição desta provisão. Lei n.º 33/11, de 6 de Dezembro, que autoriza o Executivo a definir um Regime Especial de Isenção do Imposto sobre a Aplicação de Capitais aplicável aos juros de financiamento ou de suprimentos concedidos às entidades do sector público empresarial na execução do Programa Nacional de Habitação. Lei n.º 34/11, de 12 de Dezembro, que aprova a Lei de Combate ao Branqueamento de Capitais e do Financiamento do Terrorismo. 13

15 Novidades Legais (continuação) Decreto Legislativo Presidencial n.º 6/11, de 30 de Dezembro, que aprova o Código do Imposto do Selo e revoga o Diploma Legislativo n.º 3841/68, de 6 de Agosto, o Decreto n.º 7/89, de 15 de Agosto, o Decreto Executivo n.º 85/99, de 11 de Junho, igualmente o Decreto n.º 18/92, de 15 de Maio, o Decreto Executivo Conjunto dos Ministérios das Finanças e Justiça, e o Decreto Executivo n.º 71/04, de 9 de Julho, bem como a demais legislação contrária. Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/11, de 30 de Dezembro, que altera os artigos 1.º, 2.º, 8.º, 9.º, 11.º, 12.º e 14.º do Regulamento do Imposto de Consumo, aprovado pelo Decreto n.º 41/99, de 10 de Dezembro. Lei n.º 1/12, de 12 de Janeiro, que aprova a Lei sobre a designação e execução de actos jurídicos internacionais. Lei n.º 3/12, de 13 de Janeiro, que aprova a Lei de Bases das Associações Públicas. Lei n.º 6/12, de 18 de Janeiro, que aprova a Lei das Associações Privadas. Lei n.º 7/12, de 18 de Janeiro, que aprova a Lei do Cinema e do Audiovisual. Lei n.º 8/12, de 18 de Janeiro, que aprova a Lei do Mecenato. Aviso n.º 1/2012, do Banco Nacional de Angola, de 27 de Janeiro, que regula os termos e condições a que deve obedecer a entrada e saída de moeda nacional e de moeda estrangeira. Decreto Presidencial n.º 22/12, de 30 de Janeiro, que altera o Decreto n.º 9/05, de 18 de Março, que cria a Comissão de Mercado de Capitais e aprova o seu Estatuto Orgânico. Lei n.º 2/12, de 13 de Janeiro, que aprova a Lei sobre o regime cambial aplicável ao sector petrolífero. Esta Aware contém informação e opiniões de carácter geral, não substituindo o recurso a aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos. Para esclarecimentos adicionais contacte Angolan Desk: Visite o nosso site ABREU ADVOGADOS 2012 ( * ) LISBOA PORTO MADEIRA ANGOLA (EM PARCERIA) MOÇAMBIQUE (EM PARCERIA) CHINA (EM PARCERIA) 5 LISBOA SEDE * PORTO * MADEIRA * Av. das Forças Armadas, º Rua S. João de Brito, 605 E - 4º Rua Dr. Brito da Câmara, Lisboa, Portugal Porto Funchal Tel.: (+351) Tel.: (+351) Tel.: (+351) Fax.: (+351) Fax.: (+351) Fax.: (+351) ( * ) Actividade certificada nos locais indicados.

Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro. Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11. de 27 de Outubro

Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro. Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11. de 27 de Outubro Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11 de 27 de Outubro Considerando a manutenção do desenvolvimento económico e social que o País

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 Seminário: As Relações entre Portugal e Angola: O Investimento Angolano em Portugal 17 de Novembro de 2010, no Auditório da Abreu Advogados Reserve na

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril

Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril. Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril Publicado no Diário da República, I série nº 79, de 28 de Abril Decreto Presidencial N.º 95/11 de 28 de Abril O quadro jurídico-legal Geral das Instituições Financeiras, aprovado pela Lei n.º 13/05, de

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente SÉTIMA ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS No passado dia 12 de Julho de 2012 foi publicado o Decreto-Lei n.º 149/2012, que altera o Código dos Contratos Públicos ( CCP ), ajustando-o ao disposto

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio Decreto-Lei n.º 15/97/M de 5 de Maio Desenvolveram-se, nos últimos tempos, as sociedades dedicadas à entrega rápida de pequenos valores em numerário, entre diversos países e territórios, prestando serviços,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: AUDITORIA EXTERNA Considerando a importância da auditoria externa para o reforço da confiança

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO:

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril Considerando que incumbe ao Banco Nacional de Angola (BNA) definir a regulamentação aplicável às operações cambiais previstas na Lei nº 2/12, de 13 de Janeiro de 2012,

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho

INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho INSTRUTIVO N.º 04/2013 De 31 de Julho ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - REGRAS OPERACIONAIS Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente diploma regula a introdução no território nacional, de capitais, bens, de equipamento e outros,

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS EM VIGOR EM 31 DE MAIO DE 2012 ANGOLA www.bancokeve.ao À memória do Dr. Francisco Luemba 7 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 13 LEI CAMBIAL LEI Nº 5 / 97, DE 27 DE JUNHO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre: CONTRATO DE ARRENDAMENTO, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, titular do B.I. nº, emitido em _, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2014 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:,

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:, Convenção de Mediação Entre: I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º:, contribuinte fiscal n.º:, residente em: ; II. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA Considerando: A importância do sector do Cinema como vector de dinamização das expressões artísticas e de contribuição para o desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95:

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95: CCV Correios de Cabo Verde, SA Decreto Lei nº 9-A/95: Transforma a empresa Pública dos Correios e Telecomunicações CTT, em duas sociedades anónimas de capitais públicos. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação,

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO

PROGRAMA DO CONCURSO PROGRAMA DO CONCURSO Page 1 ÍNDICE 1.º Objecto do Concurso 3 2.º Entidade Adjudicante 3 3.º Decisão de contratar 3 4.º Preço base 3 5.º Esclarecimentos 3 6.º Prazo para apresentação das candidaturas 3

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013

DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 ANGOLA JANEIRO 2014 VISÃO GLOBAL, EXPERIÊNCIA LOCAL DESTAQUES LEGISLATIVOS DEZEMBRO 2013 AMBIENTE DESPACHO N.º 2746/13, MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIÁRIO DA REPÚBLICA Iª SÉRIE N.º 235, DE 6 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU

CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU [Imagem] CONTRATO DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO VISA KANDANDU Órgão Nº de Entidade (NDE) Dados do Titular Nome Nome a gravar no cartão Nº de Conta - - Declaro serem verdadeiras todas as informações prestadas.

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais