ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL"

Transcrição

1 ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1

2 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos que definem os procedimentos para importação e exportação de capitais. 2

3 Lei n.º 5/97, de 27 de Julho Lei n.º 5/05, de 29 de Julho Dec. Presidencial 35/11, de Lei cambial Lei do sistema de pagamentos de Angola UIF-Unidade de informação financeira Dec. Presidencial 273/11, de Regulamento sobre a Contratação de Prestação de Serviços de Assistência Técnica Estrangeira ou de Gestão Lei n.º 34/11, de Aviso n.º 2/12, de 9 de Março Lei n.º 2/12, de 13 de Janeiro Lei Branqueamento de capitais Prazos para execução de transferências e remessas de valores Aviso n.º 20/12, de 12 de Abril Estabelece os procedimentos e mecanismos a adoptar nas operações cambiais de petróleos e prospecção Aviso n.º 13/13, de 31 de Julho Novos procedimentos para a realização de operações cambiais de invisíveis correntes 3

4 1) Conceito de residente cambial Pessoas singulares QUESTÕES MAIS FREQUENTES RELACIONADAS COM O NOVO REGIME CAMBIAL cidadãos com residência legal e habitual diplomatas e familiares Empresas: se o domicílio, sede ou direcção efectiva estiver localizado em Angola 2) Obrigatoriedade de recebimento em kwanzas a partir de 1 de Julho de 2013 Trabalhadores residentes cambiais em Angola deverão passar a receber a respectiva remuneração em Kwanzas 4

5 QUESTÕES MAIS FREQUENTES RELACIONADAS COM O NOVO REGIME CAMBIAL Taxa de câmbio a usar pelas empresas para a conversão dos salários taxa câmbio divulgada pelo BNA Levantamento de valores depositados em moeda estrangeira após 1 de Julho de 2013 Podem continuar a ser movimentados 5

6 QUESTÕES MAIS FREQUENTES RELACIONADAS COM O NOVO REGIME CAMBIAL Reembolso dos empréstimos obtidos em moeda estrangeira São aceites fundos em quaisquer moedas Recusa de recebimentos de pagamentos em moeda nacional Não podem ser feitas cobranças em moeda estrangeira sem autorização expressa do BNA Constitui crime 6

7 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR Decreto Presidencial n.º 273/11, de 27 de Outubro Regulamento sobre a Contratação de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão Vem limitar a contratação deste tipo de serviços, particularmente quando se trate de sociedades com projecto de investimento aprovado pela ANIP 7

8 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 1. Objecto e âmbito de aplicação Considera-se como contrato de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão a relação jurídico-obrigacional que tem por objecto a aquisição a entidades colectivas não residentes, de serviços administrativos, científicos e técnicos especializados necessários para manter, melhorar ou aumentar a capacidade produtiva, quer de bens quer de serviços, bem como o aumento do nível de formação profissional dos trabalhadores que exigem dos seus executantes conhecimentos que não podem ser obtidos no país 8

9 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 1. Objecto e âmbito de aplicação aplica-se a todos os contratos de prestação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão celebrados por empresas angolanas excluem-se da aplicação deste regime os contratos de tecnologia e a contratação individual de especialistas contratação de serviços de assistência técnica estrangeira ou de gestão por parte de empresas que actuem no sector petrolífero e diamantífero. 9

10 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 2. Regime Menos de KZ (aproximadamente 1 milhão de USD) Só há necessidade de dar conhecimento ao Ministério da Economia Nota: questão do prazo de execução inferior a 12 meses deixa de estar prevista no Aviso 13/13 10

11 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 2. Regime Mais de KZ (aproximadamente 1 milhão de USD) Sujeito a licenciamento prévio junto do BNA 11

12 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 2. Regime Nota importante Empresa constituída ao abrigo da ANIP - Exige-se parecer favorável do Min. Economia 12

13 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 3. Pressupostos da contratação a) Os serviços a contratar envolverem tal complexidade e especialização que não possam ser obtidos em Angola; b) Os serviços a contratar enquadrarem-se na realização de programas pré-determinados que envolvam conhecimentos especializados, dentro de prazos fixados; c) A contratação dos serviços implique significativas vantagens para a empresa ou serviço contratante, bem como para a economia nacional; d) O objecto dos serviços a prestar contribua de forma decisiva para o desenvolvimento económico do país. 13

14 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 4. Conteúdo obrigatório dos contratos a) Redigidos em língua portuguesa b) Conter um conjunto de elementos como Identificação Definição detalhada do objecto Especificação dos resultados Programa de trabalhos Cronograma das acções a desenvolver Trabalhadores estrangeiros envolvidos Prazo global 14

15 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR ( ) Obrigatoriedade de fornecer todas as informações relevantes e a documentação técnica a utilizar na prestação dos serviços; Obrigatoriedade de apresentar um relatório de execução Lei angolana aplicável; Forma e órgãos de resolução de litígios Outras cláusulas relevantes de modo a que o contrato não seja impreciso, indeterminado, ininteligível, confuso ou ambíguo. 15

16 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 4. Cláusulas proibidas a) Objetos vagos, imprecisos, indeterminados ou complexos b) Preços exorbitantes, indeterminados, aleatórios ou compósitos c) Cláusulas que reflitam um manifesto desequilíbrio entre as responsabilidades das partes; d) Restrições à livre utilização, pela parte nacional, das informações técnicas; e) Cláusulas que estabeleçam a prorrogação automática do contrato; f) Cláusulas atentatórias da soberania nacional; g) Cláusulas lesivas da ordem pública interna. 16

17 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 5. Valor do contrato a) fixar um preço global pelos serviços a prestar b) ser decomposto 6. Prazo a) Não superior a 36 meses b) Condições excepcionais possível prazos superiores c/ autorização Mim. Economia 17

18 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAIS PARA O EXTERIOR 7. Renovação ou prorrogação a) sujeita às mesmas formalidades que a celebração do contrato inicial, b) pedido de renovação ou prorrogação deve ser acompanhado do relatório de execução do contrato anterior. c) cláusulas que prevejam a prorrogação automática do contrato são expressamente proibidas 18

19 Alterações à legislação cambial angolana Operações de invisíveis correntes (Aviso n.º 13/13) 19

20 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto O Banco Nacional de Angola (BNA) procede à simplificação dos procedimentos para a realização de operações cambiais, nomeadamente a realização de pagamentos e transferências para o exterior. 20

21 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Estabelece novas regras e procedimentos a ser observados na realização de transações relacionadas com viagens e transferências no pagamento de serviços e rendimentos para o exterior. 21

22 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Aumenta-se para o valor de KZ (aproximadamente 1 milhão de USD) o limite geral para as transferências para o exterior, relativas a serviços dispensados de licenciamento prévio pelo BNA. Logo, transações decorrentes de contratos de prestação de serviços de valor superior a KZ estão sujeitos à prévia autorização do BNA. 22

23 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Quando a entidade beneficiária seja empresa prestadora de serviços ao setor petrolífero e /ou com contrato programa celebrado com o Ministério dos Petróleos: Limite passa para KZ (aproximadamente 3 milhões de USD). 23

24 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Contrato de Prestação de Serviços É possível efetuar pagamentos antecipados até ao valor de 15% do contrato desde que os mesmos estejam contratualmente previstos; O apuramento do valor do contrato em KZ é feito na data de registo no SINOC, com base no câmbio médio publicado pelo BNA. 24

25 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Contrato de Prestação de Serviços Documentos obrigatórios: (I) Contrato assinado pelas partes (II) Prova documental dos poderes de quem assina o contrato (III) Certidão de Registo Comercial ou documento equivalente visado pelo Consulado de Angola do Pais de Origem (IV) Cartão de Contribuinte ou documento equivalente. 25

26 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Mantém-se que para as operações com o mesmo ordenador, natureza e fim, e que no período de um 1 ano beneficiem da mesma entidade, são consideradas parcelas de um mesmo contrato, Estão sujeitas a licenciamento prévio do BNA quando o seu somatório ultrapasse os limites referidos 26

27 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto É determinado um prazo geral para liquidação de operações de invisíveis correntes 360 dias contados a partir da data de prestação dos serviços. 27

28 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Limites para as operações ordenadas por particulares: KZ ( USD) para operações relacionadas com viagens (ou KZ para menores de 18 anos); KZ ( USD) para transferências relacionadas com apoio familiar e outras de carácter privado Nenhum limite para transferências relacionadas com fins de educação e saúde, quando sejam pagas diretamente ao estabelecimento de ensino/saúde 28

29 Operações relacionadas com Viagens Os limites referidos incluem: O movimento internacional dos cartões eletrónicos (Visa Crédito e Visa Debito), transferências bancárias e vendas de notas ao abrigo de viagens (art.º 16º, alínea 1). Cartões. Os plafonds máximos atuais por cartão para utilização no estrangeiro não sofrem qualquer alteração Crédito limite máximo USD , Débito USD ). 29

30 Quanto a transferências: Operações relacionadas com Viagens Em caso de solicitação específica é possível efetuar uma só transferência no valor do limite anual com a apresentação de um único bilhete de viagem - não poderá, neste caso, o cliente fazer qualquer compra de moeda ou utilização do cartão no estrangeiro nesse mesmo ano civil. As transferências só podem ser feita exclusivamente para a conta do ordenador no estrangeiro - art.º 17º, alínea 2. 30

31 Operações relacionadas com Viagens Na venda de Moeda Estrangeira ao Balcão: Maiores de Idade só pode ser vendido o valor de USD 15 mil em notas por viagem -art.º 17º, alínea 3. Menores de Idade - só pode ser vendido o valor de USD 5 mil em notas por viagem - art.º 17º, alínea 3. 31

32 Conteúdo Obrigatório do Contrato Mantêm-se as regras quanto à articulação do regime cambial com o Regulamento sobre a Contratação de Serviços de Assistência Técnica Estrangeira ou de Gestão, os contratos: - contratos devem ser redigidos em língua portuguesa. 32

33 Conteúdo Obrigatório do Contrato Não devem conter: Objetos vagos, imprecisos, e indeterminados; Preços exorbitantes, indeterminados, aleatórios ou compósitos; Cláusulas que reflitam um manifesto desequilíbrio entre as responsabilidades das partes; Restrições à livre utilização, pela parte nacional, das informações técnicas; Cláusulas que estabeleçam a prorrogação automática do contrato; Cláusulas atentatórias da soberania nacional; Cláusulas lesivas da ordem pública interna. 33

34 Conteúdo Obrigatório do Contrato Elimina-se a proibição de cláusulas que estabeleçam referências a prestações características de outro tipo de contratos, designadamente royalties. O preço dos contratos não deve ser calculado com base em percentagens do volume de negócios ou de vendas, exceto nos casos em que a prática internacional assim o permita. Quando o valor a liquidar não ultrapassar KZ (cerca de 10 mil USD), a simples fatura poderá ser admitida sem necessidade de contrato. 34

35 Documentos a apresentar à Instituição Financeira Bancária artigo 7.º do Aviso Elementos de Identificação Documentos Comprovativos Pessoas Singulares Nome completo e assinatura; Data de nascimento; Nacionalidade; Tipo, n.º, data e entidade emitente do documento de identificação; Morada. Residentes: Bilhete de identidade, ou documento equivalente; Autorização de Residência em Angola; Não Residentes: Passaporte ou documento equivalente com comprovativo de permanência legal em Angola. 35

36 Documentos a apresentar à Instituição Financeira Bancária artigo 7.º do Aviso Elementos de Identificação Documentos Comprovativos Pessoas Coletivas (Ordenadores e Beneficiários) Denominação Social; Objeto; Endereço da Sede. Numero de Identificação Fiscal Nome completo e assinatura da pessoa mandatada para assinar o contrato ou documento equivalente; Tipo, n.º, data e entidade emitente do documento de identificação da mesma pessoa Documento que dá poderes a entidade para assinar o contrato ou documento equivalente. Certidão do registo comercial ou outro documento público equivalente. Cartão de Contribuinte Fiscal; Documento equivalente (caso de não residente). Residentes: Bilhete de Identidade ou documento equivalente; Autorização de residência em Angola. Não Residentes: - Documento de identificação emitido por entidade pública. Documento formal emitido pelo órgão social competente da entidade coletiva dando poderes para assinar. 36

37 Documentos a apresentar à Instituição Financeira Bancária artigo 7.º do Aviso Fora os documentos obrigatórios para todos os pedidos (assinalados na Tabela), os documentos específicos a entregar nos variados atos, contratos e transações, a que se refere o Aviso em análise, podem ser analisados no ANEXO publicado no N.º 149 do Diário da República, I série, em 6 de Agosto de

38 Registo no SINOC Todos os contratos de invisíveis correntes aprovados pelo BNA antes da implementação do SINOC devem ser ali registados controlo das operações de pagamento ao exterior. Para efeito do registo do montante dos contratos, as Instituições Financeiras Bancárias devem solicitar aos seus clientes informação dos montantes original e atual em dívida, sendo o valor global do contrato o saldo em dívida por liquidar ao exterior. 38

39 Registo no SINOC Para contratos em vigor, sem especificação do valor global, deve ser considerado um valor previsional até ao seu término. Toda a informação adicional a ser obtida junto aos clientes deve ser prestada por meio de carta - fará parte dos documentos a anexar no registo. O BNA fará a verificação da informação prestada com a existente nos seus arquivos, podendo solicitar elementos suportes da mesma e a alteração dos registos em caso de inconsistências. 39

40 Registo no SINOC Artigo 11.º n.º 4 do Aviso 13/13 A não submissão ao BNA, no prazo de 15 dias, da informação adicional sobre os contratos de invisíveis correntes requerida via SINOC, dará lugar a anulação automática dos mesmos. 40

41 Aviso n.º 13/13 de 6 de Agosto Transferência dos salários e demais remunerações auferidas por colaboradores estrangeiros vinculados a empresas angolanas para o exterior do país: Limite de KZ (1 milhão de USD) para efeitos de dispensa da obrigação de licenciamento junto do BNA. 41

42 Não Residentes Cambiais Com o Aviso, passam (estes) a ter o poder de transferir os montantes que constam dos seus contratos de trabalho, quando depositados pelo empregador na conta salário, junto da instituição onde o mesmo se encontra domiciliado - art.º 19º. A transferência dos seus rendimentos deverá ser realizada, mediante apresentação do (I) contrato de trabalho e (II) recibo de salário. 42

43 Novos Procedimentos do Balcão do BNA Se o cliente do BNA, para efetuar uma transferência para o estrangeiro, efetuar depósito de valor superior a USD 15 mil, o mesmo deverá ser feito por uma transação específica de Milleteler (o talão pré impresso inclui uma declaração que deverá ser sempre assinada pelo cliente). Se o cliente do BNA possui apenas cartão de Credito Visa já só poderá pedir a transferência e compra de moeda estrangeira no valor total de USD 150 mil. Se o cliente do BNA possui apenas cartão de Debito Visa Internacional já só poderá pedir a transferência e compra de moeda estrangeira no valor total de USD 190 mil. Se cliente possuir ambos os cartões, já só poderá pedir a transferência e compra de moeda estrangeira no valor total de USD 150 mil 43

44 Novos Procedimentos do Balcão do BNA Os pedidos de transferência e venda de nota solicitados à DF via Mapa de Invisíveis Correntes. continuam a ser Após receção do pedido, a DF irá validar o valor da transferência solicitada, tendo em conta todos os movimentos já efetuados durante o ano e o limite legal agora estabelecido. Se cliente pretender efetuar o cancelamento do(s) cartão(ões), deve entrar em contacto com o Diretor Comercial/NAR. Para a venda de Notas para viagem urgente ou no próprio dia é necessário contactar o Diretor Comercial. 44

45 OBRIGADO Braga, 13th November

Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro. Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11. de 27 de Outubro

Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro. Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11. de 27 de Outubro Publicado no Diário da República, I série, n.º 208 de 27 de Outubro Projecto de Decreto Presidencial N.º 273/11 de 27 de Outubro Considerando a manutenção do desenvolvimento económico e social que o País

Leia mais

AVISO N.º 13 /2013 de 31 de Julho

AVISO N.º 13 /2013 de 31 de Julho Publicado no Diário da República, I série, nº 149, de 06 de Agosto AVISO N.º 13 /2013 de 31 de Julho ASSUNTO: PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES Havendo necessidade

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS EM VIGOR EM 31 DE MAIO DE 2012 ANGOLA www.bancokeve.ao À memória do Dr. Francisco Luemba 7 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 13 LEI CAMBIAL LEI Nº 5 / 97, DE 27 DE JUNHO

Leia mais

aware ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5

aware ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5 ANGOLAN DESK Abril 2012 N.5 ANGOLAN DESK EDITORIAL Com a presente Aware vimos dar conta da enorme produção legislativa que se verifica em Angola, procurando acompanhar o crescimento económico deste país,

Leia mais

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias

Politica Cambial. AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias Politica Cambial AVISO N.º 19/12 Pagamentos de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias 1 AGENDA 1. AVISO N.º 19/12 PAGAMENTOS DE IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS. 2. REGISTO

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril Considerando que incumbe ao Banco Nacional de Angola (BNA) definir a regulamentação aplicável às operações cambiais previstas na Lei nº 2/12, de 13 de Janeiro de 2012,

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 30 de Setembro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 PREÇÁRIO Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 Caixa Geral de Depósitos, SA Sede Social: Av. João XXI, 63 1000-300 Lisboa Portugal Capital Social: 5.900.000.000 CRCL e NIP C 500960046 www.bnu.tl Sucursal

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

AVISO N.º 19/2012 de 19 de Abril

AVISO N.º 19/2012 de 19 de Abril AVISO N.º 19/2012 de 19 de Abril Havendo necessidade de se actualizar a regulamentação da Lei n.º 5/97, de 27 de Junho, Lei Cambial -, no que se refere às normas em vigor sobre as operações cambiais de

Leia mais

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências.

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. RESOLUCAO N. 003568 RESOLUCAO 3.568 --------------- Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

AVISO N.º 09/2015. Artigo 1.º (Objecto)

AVISO N.º 09/2015. Artigo 1.º (Objecto) Publicado no Diário da República, I série, nº 53, de 20 de Abril AVISO N.º 09/2015 ASSUNTO: SISTEMA DE PAGAMENTOS - Prazos de Execução e de Disponibilização de Fundos Aplicáveis aos Movimentos de Depósitos

Leia mais

QUANTO QUER POUPAR E QUANDO QUER RECEBER

QUANTO QUER POUPAR E QUANDO QUER RECEBER POUPANÇA Escolha o Prazo ESCOLHA QUANTO QUER POUPAR E QUANDO QUER RECEBER Simplifica 41.000. Queria liberdade para escolher o prazo da sua poupança? Gostaria de saber quanto vai receber? Gostaria de comparar

Leia mais

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banif Banco de Investimento, SA contém o Folheto

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto AVISO N.º 21/2012 De acordo com o disposto na Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional (Convenção de Palermo) de 2000, aprovada pela Assembleia Nacional, através da Resolução

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ENTIDADES DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA E DE COMPRA E REVENDA DE IMÓVEIS, BEM COMO ENTIDADES CONSTRUTORAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações:

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações: RESOLUÇÃO Nº 3.568 Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 186, de 08 de Outubro AVISO N.º 07/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 186, de 08 de Outubro AVISO N.º 07/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 186, de 08 de Outubro AVISO N.º 07/2014 ASSUNTO: VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA Havendo necessidade de se definir a regulamentação aplicável às operações cambiais

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni.

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em www.bni. Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01 de Outubro de 2015 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 8 de Janeiro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, SA. Sede: Avenida Dr. Mário Soares (Tagus Park), Edifício 10, Piso 1, 2744-002 Porto Salvo. Pessoa coletiva n.º 501 836 926, matriculada sob esse número

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 1. OBJECTIVO ADVOGADOS O presente Guia visa concretizar os pressupostos para o cumprimento dos

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 26 DE MARÇO DE 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

PREÇÁRIO. ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas

PREÇÁRIO. ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas PREÇÁRIO ANEXO I Tabela de e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 13 AGOSTO 2014 Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Sol S.A. e em www.bancosol.ao. O Precário

Leia mais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais 1. DEFINIÇÕES 1.1. Para os efeitos do presente Contrato, entende-se por:» I.C.A.E.: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado ;» Seguradora: ;» Tomador de Seguro: a Entidade que celebra o Contrato

Leia mais

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00 DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número Kz: 220,00 relativa a anúncio e assinaturas do «Diário da República», deve ser dirigida à Imprensa Nacional E.P., em Luanda, Rua

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

Condições Gerais EUROVIDA PPR

Condições Gerais EUROVIDA PPR Artigo Preliminar Entre a Eurovida, Companhia de Seguros S.A. e o Tomador de Seguro identificado nas Condições Particulares celebra-se o presente contrato de seguro individual que se regula pelas presentes

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015 Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS ata de Entrada em vigor: 01-EZ-2015 Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 16-OUT-2015 O Preçário

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

INSTRUTIVO Nº 04 /03 de 7 de Fevereiro

INSTRUTIVO Nº 04 /03 de 7 de Fevereiro INSTRUTIVO Nº 04 /03 de 7 de Fevereiro ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL OPERAÇÕES DE INVISÍVEIS CORRENTES Convindo estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das transacções e transferências que se

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO Índice O que é o cartão de crédito? Ficha de Informação Normalizada (FIN) Modalidades de reembolso Custo do crédito Taxas máximas Livre revogação Contrato

Leia mais

Referência : 400010_EUR_20131116_001

Referência : 400010_EUR_20131116_001 CAIXACADERNETA Referência : 400010_EUR_20131116_001 Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda CaixaCaderneta pessoas singulares Empresários em nome individual (ENI) que abram

Leia mais

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente,

Lisboa, 15 de janeiro de 2013. Estimado(a) Cliente, Lisboa, 15 de janeiro de 2013 Estimado(a) Cliente, Informamos que o Preçário será atualizado nos termos a seguir indicados, com entrada em vigor a partir do dia 23 de abril de 2013, com exceção das comissões

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2014 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores 2009 Cartilha de Câmbio Envio e recebimento de pequenos valores Apresentação O Banco Central do Brasil criou esta cartilha para orientar e esclarecer você, que precisa negociar moeda estrangeira, sobre

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

STANDARD BANK ANGOLA

STANDARD BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK ANGOLA Banco ANEXO I Tabela de e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 03 de Março de 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Negócio Clientes Empresa e Empresários em Nome Individual. Depósito à Ordem remunerado, que possibilita o acesso a um limite de crédito

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO EURUSD Range (Denominado em Euros) Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO EURUSD Range (Denominado em Euros) Série I Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados Perfil de Cliente Recomendado ATLANTICO

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

BANCO CENTRAL DE VENEZUELA

BANCO CENTRAL DE VENEZUELA BANCO CENTRAL DE VENEZUELA AVISO OFICIAL O Banco Central de Venezuela, em exercício das faculdades que lhe conferem os artigos 21 (numeral 26) e 50 da Lei Especial que o rege, em concordância com o disposto

Leia mais

INVESTIMENTO GARANTIDO 2011 CONDIÇÕES GERAIS

INVESTIMENTO GARANTIDO 2011 CONDIÇÕES GERAIS INVESTIMENTO GARANTIDO 2011 CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) COMPANHIA - A entidade seguradora, GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A., com o NIPC

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008.

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008. RESOLUÇÃO Nº 3265 01/07/2008. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de Dispõe sobre o Mercado de Câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA Instituição Financeira Bancária ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01/06/2015 Este Preçário pode ser consultado nos balcões e locais

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais 2015 Enquadramento A recuperação, tratamento e organização de acervos documentais com relevante interesse histórico,

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais