( MINUTA PARA AVALIAÇÃO) PROGRAMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS PLR 2015 COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "( MINUTA PARA AVALIAÇÃO) PROGRAMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS PLR 2015 COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP"

Transcrição

1 ( MINUTA PARA AVALIAÇÃO) PROGRAMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS PLR 2015 DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP REGRAS GERAIS

2 I - DISPOSIÇÕES LEGAIS O Programa PLR definido no presente Acordo tem como fundamento legal as disposições contidas no Artigo 7º, inciso XI, da Constituição Federal, e na Lei nº , de , modificada pela Lei nº , de A Participação nos Lucros ou Resultados não constitui base de incidência de nenhum encargo trabalhista ou previdenciário por ser desvinculada da remuneração nos termos da legislação vigente. II - DOS OBJETIVOS O Programa PLR visa a: a) fortalecer a parceria entre os empregados e a CODESP; b) estimular o interesse dos empregados na gestão e nos destinos da CODESP c) incentivo para o empregado extrapolar seus níveis clássicos de desempenho; d) obter compromisso dos empregados em relação aos resultados esperados; e) alavancar resultados por meio de metas de melhoria de produtividade e qualidade; III CONDIÇÕES ESTABELECIDAS PELA RESOLUÇÃO CCE Nº 10 PARA ELABORAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PLR A Resolução CCE nº 10 definiu algumas condições que devem ser observadas quando da discussão e proposição de programas de PLR pelas estatais federais. São elas: 1) a empresa estatal, anteriormente à apuração da parcela dos lucros ou resultados a ser distribuída aos seus empregados, deverá deduzir desses mesmos lucros ou resultados os recursos necessários para atender, no que couber: a) ao pagamento das suas obrigações fiscais e parafiscais; b) às suas reservas legais; c) às outras reservas necessárias à manutenção do seu nível de investimento e à preservação de seu nível de capitalização; e d) ao pagamento dos dividendos aos acionistas.

3 2) a parcela de lucro ou resultado a ser distribuída não poderá ser superior a 25% (vinte e cinco por cento) dos dividendos a serem pagos aos acionistas; 3) a empresa estatal, para firmar acordo com vistas à participação dos seus trabalhadores nos lucros ou resultados, deverá submeter previamente ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão a respectiva proposta, encaminhada por intermédio do respectivo Ministério setorial ao qual esteja vinculada, no caso, a Secretaria de Portos da Presidência da República, indicando claramente: a) a origem dos resultados ou lucros que dão margem à proposta de participação; b) O valor total que pretende distribuir; c) Os ganhos e índices de produtividade, qualidade ou lucratividade da empresa no período que ensejarem a participação; d) A avaliação das metas, resultados e prazos pactuados previamente para o período; e) A evolução dos índices de assiduidade; e f) Outros critérios e pré-condições definidos de acordo com as características e atividades da empresa estatal. 4) o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão poderá aprovar ou não, no todo ou em parte, a proposta, inclusive alterando suas condições, tendo em vista a execução da política econômica e social do Governo e da política para as empresas estatais; 5) a participação se dará mediante o pagamento, de uma só vez, em moeda corrente nacional ou em ações representativas do capital social da empresa estatal, ou um misto destas; 6) o pagamento se dará no mês imediatamente posterior à realização da Assembléia Geral Ordinária, condicionado ao efetivo pagamento dos dividendos aos acionistas; 7) no caso das empresas públicas, a distribuição de resultados se dará após a aprovação das contas pelo Conselho de Administração ou órgão equivalente; e 8) a participação dos empregados no ano de 2015 está condicionada a:

4 a) ter contrato de trabalho vinculado com a CODESP, independente da sua lotação, incluindo também os ocupantes de cargos comissionados e funções de confiança, durante o ano de 2015, vedada qualquer participação nos lucros ou resultados de mais de uma empresa estatal pertencente ou não ao mesmo grupo, conforme consta das Diretrizes e Recomendações do DEST (PLR 2014), no item 5, parágrafo VIII. Em ambos os casos serão considerados a proporcionalidade, ou seja, 1/12 avos por mês de atividade. b) farão jus ao percentual dos que estão em plena atividade produtiva os empregados afastados por licença médica, treinamentos, cursos, grupos de trabalho a serviço da CODESP e à disposição dos sindicatos; c) para o rateio do montante a ser distribuído entre os empregados, será considerada a proporcionalidade, conforme Nota Técnica nº 26/CGPOL/DEST/SE- MP, encaminhada a CODESP, através do Ofício Circular nº 063/DEST/SE-MP, de , ou seja, a distribuição deve sempre buscar a proporcionalidade em relação a remuneração percebida pelo empregado, de forma que aqueles que têm maior responsabilidade na empresa recebam parcela mais significativa, condicionado ao atendimento das metas pactuadas para a apuração do percentual a ser distribuído, conforme disposto neste programa. Assim sendo, a distribuição será de 70% (setenta por cento) linear e 30% (trinta por cento), tendo como referência o salário base ou cargo de confiança, conforme o caso, em consonância com o descrito nas Diretrizes e Recomendações do DEST (PLR 2014), no item 5, parágrafo III, letra c, obtida pelo quociente entre a aplicação de 6,25% sobre o lucro líquido (até o limite de 25% dos dividendos), condicionado ao atendimento das metas pactuadas para a apuração do percentual a ser distribuído, conforme disposto neste programa. IV IMPEDIMENTOS À DISTRIBUIÇÃO DE PLR 1) Aos empregados A Resolução CCE nº 10, definiu restrições aos programas de Participação dos Trabalhadores nos Lucros ou Resultados, no sentido de que a empresa estatal fica

5 impedida de distribuir aos seus empregados qualquer parcela dos lucros ou resultados apurados nas demonstrações contábeis e financeiras, que servirem de suporte para o cálculo, se: a) Houver registro de recebimento, a título de pagamento de despesas correntes ou de capital, de quaisquer transferências, diretas ou indiretas, de recursos do tesouro nacional; b) Possuir dívida vencida, de qualquer natureza ou valor, com órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta ou indireta, com fundos criados por Lei ou com empresas estatais, mesmo que em fase de negociação administrativa ou cobrança judicial; c) Tiver registrado prejuízos de períodos anteriores, ainda não totalmente amortizados por resultados posteriores; d) Os resultados positivos apurados decorrem de medidas excepcionais autorizadas pelo Governo; e) Houver pago aos seus empregados, a qualquer título, valores por conta de lucros ou resultados. 2) Aos Conselheiros É vedada a participação nos Programas de PLR de membros dos Conselhos de Administração e Fiscal das empresas estatais federais (Lei nº 9.292/96). V RECOMENDAÇÕES QUE DEVEM SER SEGUIDAS PARA ELABORAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PLR. Os Programas de PLR, de acordo com a Lei nº /2000, devem ser objetos de negociação entre os empregados e a empresa, mediante comissão acolhida pelas partes, integrada, também, por representante indicado pelo sindicato da respectiva categoria.

6 A proposta de PLR da CODESP deverá ser enviada, por intermédio da Secretaria de Portos da Presidência da República, em data fixada em ofício especifico, a que se refere à lucratividade, à produtividade, à qualidade e à assiduidade (metas desafiadoras). Em relação às metas, quando da sua fixação, deve ser observado o seguinte: sempre que elas sejam inferiores ao resultado efetivo alcançado pelo indicador no ano anterior, o Conselho de Administração deverá ser cientificado especificamente para que o assunto possa ser tratado em seu âmbito. Metas com valores inferiores ao resultado alcançado, portanto, deverão ser aprovadas pelo Conselho de Administração antes da formalização do Programa de PLR. Só haverá pagamento de PLR caso as metas estabelecidas no Programa sejam cumpridas. Além disso, a distribuição da PLR deve ocorrer somente quando as metas coorporativas forem atingidas, visto que o cumprimento delas é que alavanca o resultado da empresa. O montante a ser distribuído aos empregados deverá ser fixado em percentual do lucro líquido, pois assim, possibilitará que os ganhos do trabalhador possam ser maiores à medida que o lucro da empresa cresce. Dessa forma, quanto mais o empregado se esforça para que o lucro da empresa possa aumentar, mais ele receberá como recompensa por esse esforço. VI PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS DOS ADMINISTRADORES A participação dos dirigentes da empresa prevista no 1º do art. 152 da Lei das S.A., não se confunde com a participação dos empregados prevista na Lei nº /2000. A participação nos lucros dos administradores é facultativa e depende do seu estatuto e desde que seu total não ultrapasse a remuneração anual dos administradores nem um décimo dos lucros, prevalecendo o limite que for menor, tendo direito a ela, somente no exercício em que for assegurado o dividendo obrigatório aos acionistas.

7 Também a participação nos lucros dos empregados diz respeito a pessoas que ajudaram a conseguir os lucros na empresa, porém não são administradores ou sócios da última, mas tem regime de subordinação a ela. Por Administrador entende-se como sendo a pessoa que pratica, com habitualidade, atos privativos de gerência ou administração de negócios da empresa, e o faz por delegação ou designação de assembleia ou de diretor. VII TRATAMENTO FISCAL As participações nos lucros ou resultados atribuídos aos empregados, em conformidade com a Lei nº /2000, poderão ser deduzidas como despesa operacional, dentro do próprio exercício de sua constituição, aplicando-se, portanto, o regime de competência mesmo que o pagamento ocorra em períodos futuros (art. 3º, 1º) Ao contrário, as participações nos lucros atribuídas aos administradores da pessoa jurídica são indedutíveis e deverão ser adicionadas ao lucro líquido para efeito de apuração do lucro real (Lei nº 4.506, de 1964, artigo 45, 3º, e Decreto-Lei nº 1.598, de 1977, parágrafo único). VIII DO ACOMPANHAMENTO O acompanhamento da execução das metas determinadas para cada indicador do PLR 2015, será realizado pela Superintendência de Auditoria Interna, através de relatórios trimestrais, a serem enviados à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração da CODESP. Esses relatórios, após o conhecimento da DIREXE e CONSAD, ficarão disponíveis aos empregados, para que, empresa e empregados, possam adotar as medidas de correção que se fizerem necessárias.

8 PROGRAMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP 2015 INDICADORES E METAS

9 I - METAS DE RESULTADO I. 1 - METODOLOGIA Na elaboração da proposta de INDICADORES E METAS DE RESULTADOS, se tomou como base as séries históricas de movimentações de cargas, receitas e índices alcançados nos exercícios de 2012, 2013 e 2014 (realizado até novembro e previsto em dezembro), juntamente com o cenário projetado para o exercício de 2015, estabelecendo os seguintes parâmetros a serem considerados na determinação dos Indicadores Econômicos - Financeiros - Técnicos - Operacionais e de Mão de Obra. Receita Operacional Líquida = (Receitas Tarifárias + Receita Patrimonial Impostos) Receita Operacional = (Receitas Tarifárias + Receita Patrimonial) Despesas Correntes = Despesa Total do Exercício Despesas Operacionais = Despesa Total Despesas Financeiras ou Excepcionais Número de Empregados = Quantitativo de Pessoal em 31 de dezembro. Despesa com Pessoal e Encargos Sociais = (Despesa Total com Pessoal + Encargos Sociais) Patrimônio Líquido = (Patrimônio Líquido do Balanço (-) Créditos da União) Tonelada/ Empregado Carga de Treinamento

10 I. 2 INDICADORES 1 - APLICAÇÃO: Os indicadores aqui relacionados servirão de base para definição das metas e resultados para o exercício de Os resultados alcançados serão analisados detalhadamente quando do período da apuração da participação nos lucros da CODESP, mediante pontuação auferida item a item. 2 - PARÂMETROS CONSIDERADOS NOS CÁLCULOS DOS INDICADORES DAS METAS PROPOSTAS i. Foram adotados os valores da previsão atualizada, já considerando o reajuste de 31,7% nas Tabelas Tarifárias, do Programa de Dispêndios Globais PDG/2015, cuja revisão será encaminhada aos órgãos competentes; ii. Para 2015, a estimativa da CODESP é de alcançar uma movimentação de cargas em torno de 112,4 milhões de toneladas (previsão realista), o que representa incremento de 1,1% em relação a 2014 (111,2 milhões de toneladas). Obs.: O ano de 2013 foi um ano atípico na curva de crescimento da movimentação do Porto de Santos. Os 114 milhões de toneladas foi resultado de uma conjunção de fatores favoráveis no cenário nacional e internacional que não se repetiram no ano de 2014 e não deverão ocorrer em iii. Tendo em vista o aumento projetado para a movimentação de cargas, estima-se uma Receita Operacional Bruta (Tarifária + Patrimonial) de R$ 938,5 milhões. 3) DESCRIÇÃO INDICADORES ECONÔMICOS - FINANCEIROS a) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA / NÚMERO DE EMPREGADOS RME = ROL / NE RME = Receita Média por Empregado ROL = Receita Operacional Líquida NE = Número de Empregados vinculados

11 Indicador: R$ mil/ Empregados (quanto maior, melhor) Estabelece a receita operacional líquida média auferida por cada empregado considerando o contingente total. INDICADORES HISTÓRICOS Ano ROL NE RME Cabe registrar que, a melhora apresentada nos últimos anos decorre do incremento na movimentação de cargas no Porto de Santos, pois as tarifas portuárias, não haviam sido reajustadas desde maio de 2005 (crescimento do IPCA-IBGE no período de maio de 2005 até dezembro de 2014 = 64,0%). Identificação META PROPOSTA RME em R$ Pontuação Proposta 1 = 1 ponto Proposta 2= 2 pontos Proposta 3= 3 pontos Proposta 4= 4 pontos Meta Indic< <indic< <indic<549 Indic>549 b) DESPESAS OPERACIONAIS / RECEITA OPERACIONAL TP = DO / RO DO = Despesas Operacionais R0 = Receita Operacional TP = Taxa de Participação Unidade: Percentual (quanto menor, melhor) Mede a participação dos dispêndios da empresa em relação ao total da receita operacional. INDICADORES HISTÓRICOS Ano DO RO TP ,6% ,2% ,4% ,0%

12 Identificação META PROPOSTA TP das DO Pontuação Proposta 1 = 1 ponto Proposta 2 = 2 pontos Proposta 3 = 3 pontos Proposta 4= 4 pontos Meta Indic> 95,0% 95,0%>indic>88,0% 88,0%>indic>78,2% Indic< 78,2% média dos últimos 3 anos (DO=R$ / RO=R$ ) = 78,2% A meta proposta ficou inferior àquela definida para o ano de 2014, em função de: 1) Crescimento das despesas proporcionais a inflação do período. 2) Aumento da despesa com a inclusão dos valores referentes à dragagem de manutenção, no item Serviços de Terceiros, em função da não conclusão da licitação promovida pela Secretaria de Portos - SEP/PR. c) DESPESAS COM PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS/RECEITA OPERACIONAL TP = DPE / RO DPE = Despesas com Pessoal e Encargos Sociais RO = Receita Operacional TP = Taxa de Participação Unidade: Percentual (quanto menor, melhor) Mede os gastos com Pessoal e Encargos Sociais em relação à Receita Operacional. Na Previsão o dispêndio com Pessoal e Encargos Sociais monta em R$ 342,1 milhões, representando um aumento de 12,6% em relação a 2014 (R$ 304,0 milhões). INDICADORES HISTÓRICOS Ano DPE RO TP ,9% ,2% ,4% ,5% Identificaçã o META PROPOSTA TP do DISPÊNDIO Pontuação Prop.1= 1 ponto Prop.2 = 2 pontos Prop.3= 3 pontos Prop.4= 4 pontos Meta Indic=45,6% 45,6%>indic>41% 41%>indic>36,5% Indic< 36,5% A meta proposta ficou inferior àquela definida para o ano de 2014, em função de: 1) Crescimento das despesas proporcionais a inflação do período.

13 2) Aumento da despesa com a inclusão dos valores referentes à dragagem de manutenção, no item Serviços de Terceiros, em função da não conclusão da licitação promovida pela Secretaria de Portos - SEP/PR. d) PATRIMÔNIO LÍQUIDO PL = Patrimônio Líquido - Créditos da União Para Aumento de Capital Unidade: Percentual (quanto maior, melhor). Mede a variação do Patrimônio Líquido ano a ano, excluindo-se os créditos recebidos da União Federal, a título de aumento de capital (Investimentos). Descrição Ano PL Var(%) , , ,6 META PROPOSTA EM R$ PARA O PL Pontuação Prop.1= 1 ponto Prop.2= 2 pontos Prop.3= 3 pontos Prop.4= 4 pontos Meta Indic<1,0% 1,0%<indic<2,0% 2,0%<indic<3,5% Indic>3,5% INDICADORES TÉCNICO-OPERACIONAIS a) TONELAGEM MOVIMENTADA / EMPREGADO TMM = Tonelagem Média Movimentada Mensal NE = Empregados /Mês TME = Tonelagem Mensal Movimentada Por Empregado Unidade: Tonelada (quanto maior, melhor). Indica a tonelada média movimentada no Porto de Santos pelo contingente total, através da divisão TMM / NE.

14 INDICADORES HISTÓRICOS Ano TMM NE TME Identificação META PROPOSTA EM R$ PARA O PL Pontuação Prop.1= 1 ponto Prop.2= 2 pontos Prop.3= 3 pontos Prop.4= 4 pontos Meta Indic< <indic< <indic<6.193 Indic>6.193 Obs.: O ano de 2013 foi um ano atípico na curva de crescimento da movimentação do Porto de Santos. Os 114 milhões de toneladas foi resultado de uma conjunção de fatores favoráveis no cenário nacional e internacional que não se repetiram no ano de 2014 e não deverão ocorrer em Assim, propõem-se que a meta para o ano de 2015 esteja entre o realizado de 2014 (6.122) e o realizado de 2013 (6.246). (toneladas) b) ÍNDICE DE MOVIMENTAÇÃO DE CONTEINERES IMC = Índice de Movimentação de Conteineres MFC = Movimentação Física de Conteineres (toneladas) MFT = Movimentação Física Total do Porto de Santos Unidade: Percentual (quanto maior, melhor). Indica em percentual o acréscimo da tonelada por contêiner movimentado no Porto de Santos, através da divisão da MFC/MFT. INDICADORES HISTÓRICOS Ano MFC MFT IMC ,9% ,6% ,1% ,6%

15 Identificaçã o META PROPOSTA EM R$ PARA O PL Pontuação Prop.1= 1 ponto Prop.2= 2 pontos Prop.3= 3 pontos Prop.4= 4 pontos Meta Indic< 29,3% 29,3%<indic<34,7% 34,7%<indic<36,6% Indic> 36,6% INDICADOR INDIVIDUAL Com a intenção de obter a avaliação funcional dos colaboradores, instituímos a partir de 2010 indicador de desempenho individual. a) PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMAS DE TREINAMENTO Para o ano de 2015, a área de Recursos Humanos fixou um conteúdo mínimo para participação dos empregados em treinamentos específicos. Em virtude da real necessidade desses aperfeiçoamentos, estabeleceu-se que a participação dos colaboradores deveria ser incentivada mediante a apuração desta situação neste programa. Assim sendo, não foram considerados dados históricos para esse indicador, mas sim estabelecido um mínimo necessário. META PROPOSTA PARTICIPAÇÃO EM TREINAMENTO Identificação Prop. 1 Prop. 2 Prop. 3 Prop.4 Pontuação 1,0 pto 3 ptos 4 ptos 6 ptos Meta (nº de horas) 16<indic<18 18<indic<19 19<indic<20 Indic>20 II. CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO Foram definidas para cada indicador quatro metas propostas, que determinarão à pontuação auferida em cada indicador. A distribuição do valor do lucro (calculado conforme letra c do item 8 da parte III do PPLR Regras Gerais), deverá obedecer o escalonamento constante da tabela do item a abaixo. Desta forma, caso os indicadores coletivos não atinjam 19 pontos, independentemente dos indicadores individuais, não haverá distribuição de lucros aos empregados.

16 a) APURAÇÃO DOS INDICADORES COLETIVOS: Foram estabelecidos 6 (seis) indicadores coletivos com 4 escalas de aferição do resultado, variando de 1 a 4 pontos, os quais representarão em 80% (oitenta por cento) do valor a ser distribuído. Para efeito de apuração se tomou como base os 6 (seis) indicadores coletivos, tendo como consequência uma pontuação máxima de 24 (vinte e quatro) pontos, conforme tabela abaixo: TABELA DE APURAÇÃO DOS INDICADORES COLETIVOS PONTOS % DISTRIBUIÇÃO 19,0 50% < 22,0 até 20,0 75% < 24,0 até 22,0 99% Igual a 24,0 100% b) APURAÇÃO DO INDICADOR INDIVIDUAL O total de pontos do Indicador Individual é de 6, que representará 20% (vinte por cento) do valor a ser distribuído. Caso o empregado não cumpra integralmente suas metas individuais, receberá parcela referente aos 20% (vinte por cento), conforme tabela abaixo: TABELA DE APURAÇÃO INDIVIDUAL PONTOS % INDIVIDUAL 6,0 100,0 < 6,0 até 5,5 90,0 < 5,5 até 4,8 80,0 < 4,8 0,0

17 c) APURAÇÃO FINAL INDICADORES COLETIVOS E INDIVIDUAL Com base na soma obtida pela pontuação dos 6 (seis) Indicadores Coletivos, com escalas de 1 a 4 pontos e 1 (um) Individual, com escala de aferição do resultado variando de 1 (um) a 6 (seis) pontos, atingir-se-á um total de 30 (trinta) pontos, que estabelecerá o percentual final a ser efetivamente distribuído, conforme Tabela abaixo: TABELA DE APURAÇÃO FINAL PONTOS % DISTRIBUIÇÃO 30,0 100,0 < 30,0 até 27,0 90,0 < 27,0 até 24,0 80,0 < 24,0 0,0 III - CONDIÇÕES DE PRAZOS E REVISÃO VIGÊNCIA DO PROGRAMA: Exercício de 2015 DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS AUFERIDOS: Anual PRAZO PARA REVISÃO DO PROGRAMA: Semestral IV - COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO O acompanhamento da execução das metas determinadas para cada indicador do PLR 2015, será realizado pela Superintendência de Auditoria Interna, através de relatórios trimestrais, a serem enviados à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração da CODESP. Esses relatórios, após o conhecimento da DIREXE e CONSAD, ficarão disponíveis aos empregados, para que, empresa e empregados, possam adotar as medidas de correção que se fizerem necessárias. V - DIVULGAÇÃO E IMPLANTAÇÃO

18 A implantação do programa deverá ser precedida de uma reunião da Comissão nomeada com representantes dos empregados, para conclusão dos trabalhos e encaminhamento à Diretoria Executiva da CODESP, para a devida divulgação. Qualquer alteração no programa deve ser submetida à análise e aprovação da Secretaria de Portos e do Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão. VI - CONCLUSÃO A busca do cumprimento das Metas Propostas, objetiva redução de custos, melhoria dos níveis de produtividade, o que propiciará resultados financeiros satisfatórios à CODESP e aos seus empregados, com grandes possibilidades de vir a serem concedidos, ao final do exercício, dividendos aos acionistas e participação de lucros aos empregados. Assim sendo, a Comissão designada pela Resolução DP Nº , de 3 de outubro de 2014 e os Representantes dos SINDICATOS,, submetem o presente PROGRAMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADO DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2015, a ser atingido durante o exercício financeiro de 2015, à apreciação e aprovação da Diretoria da CODESP, sugerindo, caso aprovado, encaminhamento ao Conselho de Administração CONSAD, para homologação e posteriormente aos órgãos controladores (SEP-PR e DEST/MP). Santos, 15 de maio de Representantes da CODESP Representantes das Entidades Sindicais Regina Lopes de Almeida João Batista Andrade Lopes Antônio Carlos da Costa Edilson de Paula Machado Armando Meira Alves Junior Antonio Carlos da Mata Barreto

Parágrafo Segundo - É vedada, aos empregados, a participação nos lucros e resultados de mais de uma empresa estatal.

Parágrafo Segundo - É vedada, aos empregados, a participação nos lucros e resultados de mais de uma empresa estatal. O BANCO DA AMAZÔNIA S/A E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DO RAMO FINANCEIRO CONTRAF E OS SINDICATOS DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS SIGNATÁRIOS DO PRESENTE INSTRUMENTO, por seus

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014 SINDICATO DOS SECURITÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ/MF sob o nº 62.646.625/0001-82, neste ato representado por seu Presidente, Sr. Calisto Cardoso de Brito, CPF nº

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

PREÂMBULO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

PREÂMBULO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Acordo Coletivo de Trabalho, de âmbito nacional, celebrado entre o BANCO DO BRASIL S.A. e a CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DO RAMO FINANCEIRO CONTRAFI, as FEDERAÇÕES e os SINDICATOS DOS EMPREGADOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Participação dos empregados nos Lucros -PLR. Setembro de 2015

Participação dos empregados nos Lucros -PLR. Setembro de 2015 Participação dos empregados nos Lucros -PLR Setembro de 2015 Diretrizes Alinhamento ao planejamento estratégico: Estabilidade dos programas; Regras perenes; e indicadores alterados apenas quando há reorientação

Leia mais

Programas de Participação nos Lucros ou Resultados da ECT 2013/2014/2015

Programas de Participação nos Lucros ou Resultados da ECT 2013/2014/2015 ACORDO DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS DA ECT RELATIVOS À 2013, 2014 e 2015 Empresa: Representantes dos Empregados: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS, entidade pública federal da Administração

Leia mais

Programas de Participação nos Lucros ou Resultados da ECT 2013/2014/2015

Programas de Participação nos Lucros ou Resultados da ECT 2013/2014/2015 Clausula 01 - PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS OU RESULTADOS - PLR 2013 A ECT assegura aos seus empregados o pagamento de Participação nos Lucros ou Resultados PLR, referente ao exercício de 2013, como incentivo

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 A seguir reproduzimos as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINPROCIM e SINDPRESP, em relação a convenção anterior. REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de março

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO

Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO A Regra é a incidência do IR e das contribuições para

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado: VALE S/A, inscrita no CNPJ (MF) sob o n.º 33.592.510/0001-54,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PREÂMBULO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

PREÂMBULO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Acordo Coletivo de Trabalho de âmbito nacional celebrado entre o BANCO DO BRASIL S.A. e a CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DO RAMO FINANCEIRO CONTRAF, as FEDERAÇÕES e os SINDICATOS DOS EMPREGADOS

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2198/2001 INSTITUI O PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAÇU PDV A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM PLACAR 2011 Acordo Coletivo de Participação nos Resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados

Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Programa de Participação dos Empregados em Lucros ou Resultados Não integram o salário-de-contribuição para os fins desta Lei, exclusivamente: (...) j) a participação nos lucros ou resultados da empresa,

Leia mais

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735 LEI Nº 16.929 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DA PREFEITURA DO RECIFE PARA O EXERCÍCIO DE 2004. O POVO DA CIDADE DO RECIFE, POR SEUS REPRESENTANTES, DECRETA E EU, EM SEU NOME,

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bauru Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Bauru Estado de São Paulo Prefeitura Municipal de Bauru Estado de São Paulo Lei nº 2166, de 25 de setembro de 1979 Autoriza a criação da EMPRESA MUNICIPAL DE TRANSPORTES URBANOS DE BAURU EMTURB. OSVALDO SBEGHEN, Prefeito Municipal

Leia mais

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007.

LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais LEI Nº. 8.943, DE 15 DE JANEIRO DE 2007. Estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº:

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM102T7 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: II GLOSSÁRIO

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011 CLARO S/A, com sede em Porto Alegre, na Rua Gilberto Laste, nº 52, no Estado do Rio Grande do Sul, inscrita no CNPJ sob o n. 40.432.544/0101-00,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015

O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015 ANO. 2015 ELETRÔNICO - PORTAL DO SERTÃO 1 O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015 EstimaareceitaefixaadespesadoConsórciopúblicodeDesenvolvimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 100 II PLANO PU 36/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

PORTARIA PLANETÁRIO/PRE P Nº 005/2014 DE 21JANEIRO DE 2014.

PORTARIA PLANETÁRIO/PRE P Nº 005/2014 DE 21JANEIRO DE 2014. PORTARIA PLANETÁRIO/PRE P Nº 005/2014 DE 21JANEIRO DE 2014. Estabelece metas e indicadores de desempenho e fixa critérios de distribuição, no âmbito da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro -

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PORTARIA SFC Nº 40, DE 14 DE MARÇO DE 2001.

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PORTARIA SFC Nº 40, DE 14 DE MARÇO DE 2001. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PORTARIA SFC Nº 40, DE 14 DE MARÇO DE 2001. O SECRETÁRIO FEDERAL DE CONTROLE INTERNO, no uso da competência que lhe foi delegada pela Portaria

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP TORCIDA BRASIL MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02 CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo XI Aplicação do Imposto em Investimentos Regionais 001 No que se constituem os incentivos fiscais de aplicação de parte do imposto sobre a renda em investimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16

Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16 Remuneração variável e condução da estratégia empresarial 1/16 Remuneração de Diretor desvinculada de empregado Esforços e alcance das ações diferentes - Diretor é responsável por definir e conduzir a

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES Banco ABC Brasil S.A. ( Companhia ), vem a público comunicar

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PU 81.4 - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Mutações do Patrimônio Líquido Tópicos do Estudo Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados nos moldes da Lei das

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55 DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2011 E 2010 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2011 31/12/2010 ATIVO CIRCULANTE 2.888 3.606 DISPONIBILIDADE 1.105 1.213

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais