PCB: PARTIDO EXILADO ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PCB: PARTIDO EXILADO (1964-1979)"

Transcrição

1 PCB: PARTIDO EXILADO ( ) Fabricio Pereira i Resumo: Este artigo aborda o exílio vivido por militantes do Partido Comunista Brasileiro (PCB) em razão da ditadura ( ). Faz isso através de memórias de militantes do partido no período analisado, registradas através do método da história oral. O artigo aborda dois temas principais: a influência das experiências de exílio nas trajetórias dos exilados e do próprio partido; e mais especificamente o papel do exílio conjunto do Comitê Central na radicalização das disputas partidárias que vieram à tona após a Anistia. A questão de fundo do artigo é se essas experiências de exílio exerceram algum papel na crise que acometeu o partido nos anos seguintes. Palavras-chave: Partido Comunista Brasileiro; ditadura; exílio; história oral. Key-words: Brazilian Communist Party; dictatorship; exile; oral history. Introdução Este artigo aborda o exílio vivido por parte significativa dos membros do Partido Comunista Brasileiro (PCB, até então a maior organização de esquerda do país) em razão da ditadura militar-tecnocrática ( ). Faz isso através de memórias de militantes do partido no período analisado, registradas ii através do método da história oral. Esses militantes vivenciaram a experiência do exílio em geral nos anos 1970, sendo que a maioria deles entre (momento de maior repressão ao PCB) e a aprovação da Lei da Anistia em 1979.

2 O artigo apresenta, através das entrevistas, diferentes experiências de exílio vivenciadas por militantes de base ou dirigentes, em países da América Latina, da Europa Ocidental e na URSS. Dentro das possibilidades, procura levantar evidências a respeito de dois eixos principais: a influência das experiências de exílio nas trajetórias dos exilados e do próprio partido; e mais especificamente o papel do exílio conjunto do Comitê Central (CC) na radicalização das disputas partidárias (que vieram à tona após a Anistia). Procura responder assim a uma questão mais geral: aquelas experiências de exílio teriam exercido algum papel na crise que acometeu o partido nos anos seguintes? Vale fazer uma rápida constatação acerca das fontes orais aqui utilizadas. Nelas destaca-se a semelhança de discursos entre a maioria dos entrevistados. Em vários momentos fica a impressão de que esses militantes pecebistas teriam vivido experiências semelhantes. As opiniões coincidentes, longe de representarem falta de reflexão por parte dos entrevistados ou forte coerção no interior da organização, levam a pensar na intensa e longa convivência de grupo vivida por esses entrevistados, o que levaria a certa unificação discursiva (às vezes inconscientemente). As opiniões coincidentes parecem advindas da convivência em grupo (que a maioria dos entrevistados mantém até os dias de hoje, no Partido Popular Socialista PPS). Aqui fica mais que nunca evidente que a memória é construída com o passar do tempo, por meio de diversas negociações e seleções. A espécie de memória coletiva desenvolvida por esses depoentes é um elemento constituinte do sentimento de identidade, (...) na medida em que ela é também um fator extremamente importante do sentimento de continuidade e de coerência de uma pessoa ou de um grupo em sua reconstrução de si iii. Antes de iniciar uma análise mais detida das experiências de exílio no PCB entre 1964 e 1979, faz-se necessária uma apresentação (ainda que sumária) do período abordado e da política de enfrentamento ao regime proposta pelo partido. Um partido exilado 1

3 O PCB viveu grande parte de sua trajetória proscrito mesmo em períodos democráticos. Basta dizer que, de sua fundação em 1922 até a legalidade advinda da redemocratização brasileira em 1985, o partido teve menos de três anos de atividade legal (somados diferentes períodos iv ). Assim, metaforicamente pode-se afirmar que o PCB sempre esteve exilado legalmente da sociedade que ele pretendia transformar ainda que na prática estivesse bem integrado a ela, e bem atuante ao longo da maior parte de sua trajetória. Mas, deixando o campo das metáforas e voltando à análise mais concreta (embora a situação de ilegalidade levasse muitos comunistas a se sentirem concretamente exilados em seu próprio país), os comunistas do PCB vivenciaram o exílio externo com maior intensidade e em maior número nos dois períodos ditatoriais pelos quais o Brasil passou no século XX: o Estado Novo varguista ( ) e a ditadura militar-tecnocrática ( ). Mas foi na última que o exílio (tanto de pecebistas quanto de integrantes de outras organizações de esquerda) chegou a números mais significativos v, e passou de atitude individual a política oficial de preservação do partido, com a retirada do CC do partido para o exterior (levada a cabo entre 1974 e 1975). A ditadura inaugurada em 1964 como reação à radicalização levada a cabo pelo Governo João Goulart e sua base de sustentação (sindicatos, movimentos sociais e forças de esquerda), logo abandonou seu caráter reativo (que, diga-se de passagem, garantiu-lhe a princípio grande base de apoio, em especial por parte das camadas médias atemorizadas pelo perigo vermelho ) e assumiu um perfil modernizador autoritário, baseado na hierarquia militar e nos setores tecnocráticos que ocuparam o aparelho estatal. A ditadura levou o capitalismo brasileiro a novos patamares, praticamente completando o processo de modernização capitalista conservadora, vivido pela sociedade brasileira. O modelo implantado pela ditadura levou a um acelerado crescimento da economia brasileira na virada dos anos 1960 para os 1970 o chamado milagre brasileiro. No entanto, 2

4 Os regimes ditatoriais modernizadores e não fascistas de que são exemplos clássicos, entre outros, o Brasil pós-64 e a Espanha franquista em seu segundo período apresentam uma contradição fundamental: desencadeiam forças que, a médio prazo, não podem mais controlar, ou, em palavras mais precisas, desenvolvem os pressupostos de uma sociedade civil que, progressivamente, escapa à sua tutela. vi Essas forças vivas da sociedade civil foram de fato escapando progressivamente da tutela do regime. Um claro exemplo disso é o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), criado em 1966 no contexto do bipartidarismo implantado pela ditadura. Na dinâmica imaginada por seus idealizadores, a situação bipartidária levaria à existência de um partido favorável ao regime (o que veio a ser a Aliança Renovadora Nacional ARENA) e outro de oposição consentida, que não o enfrentasse abertamente. Foi o que de fato aconteceu nos primeiros anos, mas progressivamente o MDB foi sendo apropriado pelas antigas e novas forças progressistas da sociedade, até assumir claramente um papel oposicionista e golpear fortemente o partido do regime nas eleições parlamentares de 1974 e A votação oposicionista se deveu em parte à desaceleração do milagre econômico (em pouco tempo ele se reverteria em recessão profunda). Mas houve também um real aumento da consciência acerca da validade da luta democrática, progressiva, aproveitando-se as brechas existentes em detrimento da luta revolucionária, defendida por um grande número de organizações guerrilheiras nos anos 1960, já desmanteladas pela repressão em meados dos anos Levantavam-se outras bandeiras de luta, como a da anistia para os presos e exilados políticos. Ao mesmo tempo, surgiram os primeiros sinais de vida nos movimentos sindical e estudantil desde 1968, e outros setores (como o movimento negro e o das mulheres) organizavam-se, não necessariamente pela primeira vez, mas certamente com mais força. Levava-se adiante dessa forma a luta pela democratização em termos diferentes dos propostos pelo regime a partir de O resultado final da longa transição democrática brasileira (que, para alguns analistas vii, teria se estendido de 1974 a 1989) acabaria sendo resultado da combinação dos interesses do regime e sua base 3

5 social com a luta democrática levada a cabo pelas forças progressistas com vantagem, no entanto, para os primeiros. O conjunto dos oposicionistas parecia dar razão em meados dos anos 1970 ao PCB. Praticamente desde o início da ditadura, o partido se definiu pelo enfrentamento pacífico àquele regime, adotando a tática da Frente Democrática. Os pecebistas deveriam se aliar a todos os que se opunham à ditadura. O partido defendia que a derrubada do regime deveria se dar através de soluções politicamente negociadas. viii A gênese dessa política foi assim descrita por um depoente: O partido convocou um congresso para reafirmar a nossa linha política, em cima de cisões, de quedas, o pessoal saindo para o exílio... Então a gente tentou organizar o [VI] congresso que foi realizado em 1967 e que referendou toda a nossa política de frente democrática, da questão já da Anistia, da Constituinte, nos documentos de 1967 já está explicitada toda essa política de abertura política, de se trabalhar através da sociedade, para derrotar politicamente a ditadura, e não para derrubar a ditadura (era um conceito diferente). A derrubada significa a luta armada, e a derrota significava para nós o envolvimento da sociedade, dos movimentos políticos, da população no sentido de isolar a ditadura e dar uma saída até negociada, como na realidade aconteceu ix. Tal política de um modo geral foi mantida ao longo de toda a ditadura, porém seu percurso não foi tão linear quanto os depoimentos colhidos nos dias de hoje podem sugerir. Sabe-se que essa linha política foi aprovada com dificuldades em 1967 (à custa de uma grande perda de contingentes na agremiação) e que permaneceu sendo questionada por alguns, até ser abertamente atacada por Luiz Carlos Prestes e seu grupo já no exílio e ruidosamente no retorno ao Brasil. Os anos 1970 foram especialmente difíceis para o PCB. Se antes o partido sofreu uma verdadeira sangria de seus quadros para as organizações da esquerda armada, a partir de 1974 se tornou (desmanteladas aquelas organizações) o alvo preferencial do 4

6 aparelho repressivo. O princípio do complexo processo de Abertura, a partir do governo de Ernesto Geisel, coincide com um aumento da perseguição aos pecebistas (parecendo interessar ao regime o enfraquecimento do partido para a garantia de um maior controle sobre a pretendida distensão): Entre o final de 1974 e o decorrer de 1975 o partido foi fortemente golpeado. Nove membros do Comitê Central foram assassinados pelos órgãos policiais. Uma parte da direção foi para o exterior x e o jornal oficial Voz Operária passou a ser editado fora do Brasil. Mas, a despeito das investidas da ditadura contra o PCB, os pecebistas, coerentes com a linha definida pelo VI Congresso, insistiam na manutenção da Frente Democrática para derrotar o regime e, através do caminho institucional legal, restabelecer a ordem democrática no país xi. Apesar de todas as dificuldades, muitos acreditavam que este era seu principal trunfo: O partido sofrera grandes baixas, possuía erros e debilidades, mas apesar de tudo sua orientação política vinha vencendo e inclusive se transformando em política concreta de um enorme arco de forças. Esta era sua grande e decisiva força. xii Outros pecebistas não pensavam dessa forma e a diversidade de concepções ficaria clara no exílio, tornando-se pública e irreversível na volta dos exilados com a Anistia. Nesse momento, o partido se dividiu claramente em três correntes: os autodenominados renovadores, que exigiam a democratização das instâncias partidárias e o arejamento do ideário comunista pela concepção da democracia como valor universal ; os chamados prestistas, agrupados em torno de Prestes, que defendiam o resgate do caráter revolucionário do partido e uma postura de enfrentamento aberto em relação à ditadura; e o centro, maioria (ao menos do CC) que acabou se configurando em contraposição às outras duas correntes, afastando-as do partido enquanto absorveu reivindicações de ambos os grupos. Tendo que reorganizar o partido em condições adversas, ainda na ilegalidade e paralisados por seus conflitos internos, os comunistas do PCB presenciaram o 5

7 nascimento de um moderno movimento operário progressista e de um partido socialista de novo tipo : respectivamente o chamado novo sindicalismo e o Partido dos Trabalhadores (PT). Com isso, o PCB perdeu definitivamente a hegemonia no movimento sindical progressista e nas esquerdas. Teve que conviver também com a crise que acometeu o mundo socialista e o pensamento marxista em geral. A derrocada do chamado socialismo real ( ) foi o golpe final em um combalido partido que, devido às experiências acumuladas nos anos anteriores, optou majoritariamente em 1992 pela sua transformação em uma nova agremiação, o Partido Popular Socialista (PPS) equilibrado entre referências a uma nova esquerda e a herança (absorvida seletivamente) de um rico passado. Alguns fatores estruturais ajudam a explicar de maneira mais ampla a crise e extinção do partido, tais como: a persistência de concepções e práticas não adaptadas à nova realidade social advinda da modernização capitalista conservadora; a relação com a transição negociada (à qual o partido se atrelou em posição subalterna) na qual predominaram interesses conservadores; e a crise e derrocada do mundo socialista. No entanto, será que essas motivações macro-históricas não poderiam ser enriquecidas por outros fatores, observáveis apenas se for lançado um olhar sobre as memórias e as trajetórias individuais de alguns atores desse processo? As múltiplas experiências do exílio A necessidade do exílio se colocou para alguns integrantes do PCB já no principio do regime, mas foi a partir do final dos anos 1960, quando a ditadura se fechou ainda mais, que o número de exilados do partido assumiu maiores proporções. Em 1971, seu principal dirigente, Prestes, seguiu para o exílio na URSS, enquanto muitos foram atraídos pela experiência socialista democrática vivenciada pelo Chile de Salvador Allende. Mas o caso do PCB tem uma especificidade dramática: o momento em que o regime começa sua distensão é o de maior repressão ao partido. 6

8 Consequentemente, quando de maneira geral o maior fluxo de exilados da esquerda armada e independentes se deu entre o final dos anos 1960 e os primeiros anos da década de 1970, o PCB enviou sua direção para o exterior mais tarde, entre 1974 e Além do CC, centenas de militantes do partido se disseminaram pelos mais diversos países nesse momento, configurando (agregados aos casos do pré-1974) uma grande diversidade de experiências no exílio. Deve-se chamar atenção para o papel exercido pelo país de destino e pelo contexto local na configuração de diferentes experiências no exílio. Isso pode ser constatado a partir do depoimento de entrevistados que vivenciaram experiências de exílio em países díspares como Chile, França e URSS. A experiência do Governo Salvador Allende ( ) atraiu um grande número de exilados brasileiros de maneira geral, e de pecebistas em particular. É significativo que alguns militantes do partido que mais tarde se destacaram como integrantes dos setores mais democráticos da agremiação tenham vivenciado a experiência chilena. É razoável supor que de alguma forma tal vivência guarda relação com o posicionamento político posterior desses depoentes (talvez modificando ou consolidando convicções). A opção pelo Chile (sé é que se pode falar em opção nesse contexto) pode indicar a simpatia pela opção da via democrática para o socialismo, ao mesmo tempo em que a experiência naquele país pode ter reforçado posicionamentos posteriores. De qualquer forma, a leitura feita por eles das razões da derrota da via chilena para o socialismo mostra como esses militantes puderam compreender o segundo golpe que presenciavam: Tinha as pessoas que iam para Moscou, outras foram para o Chile (o nosso caso)... E na época com os chilenos aconteceu o mesmo procedimento que havia ocorrido no Golpe de 1964 no Brasil. A gente ficou apoiando os chilenos que tinham uma visão aberta, democrática, mas havia outras forças também, como o MIR [Movimiento de Izquierda Revolucionaria], defendendo a luta armada, aquelas coisas todas... tinha 7

9 muita relação entre a cultura de 1964 e a cultura que a gente pegou lá no Chile xiii. Para um militante pecebista que tinha vivido o Golpe de 1964, as razões da derrota chilena pareciam as mesmas da brasileira excesso de radicalismo por parte de alguns setores da esquerda xiv. Outra pecebista, que também se exilou no Chile naquele período (essa integrante do CC), apresenta leitura semelhante: Toda vez que a gente reproduziu Cuba, China, entrou pelo cano! Então eu tinha noção de que isso ia acontecer. Tanto tinha que quando eu estava no exílio no Chile, eu senti que não ia dar. Ia à sede do partido e dizia: recuem, acumulem força porque vai haver um golpe, o partido vai ser golpeado. Aí o que eles disseram pra mim: que nada, que tinham rádio, televisão... Disse: eles vão fechar tudo! E fecharam... Se você não tem correlação de forças, se apanhou, tá apanhando, o que vai fazer? Vai ficar dando a cara pra bater? Mas tem gente que perde a lucidez, não vê a correlação de forças... Aí muita gente morreu xv. A mesma dirigente seguiria para a França após o Golpe de 1973 no Chile, tendo contato com o feminismo o que em boa parte determinou sua trajetória posterior e colaborou com seu afastamento do PCB no início dos anos 1980: quando eu fui pra Paris, eu formei as Mulheres Brasileiras no Exterior, aí vieram as mulheres que estudavam em Paris, não eram exiladas, e nós estávamos chegando no exílio. Aí nós começamos a trabalhar. Quando veio o golpe no Chile as mulheres foram para todos os países da Europa, e para os países de língua portuguesa, e formaram núcleos de mulheres lá, que ajudaram muito nesses lugares. Itália, Bruxelas, França... Então elas formaram esses núcleos por lá. E aí tinha essas feministas radicais, daquelas que botam espelhinho em baixo e ficam olhando como são por 8

10 dentro, essas coisas... [risos] Lá eu via, freqüentava passeatas, as lésbicas abraçadas... Eu não tenho preconceito, comecei a ler material, freqüentar, mas eu não tinha coragem ainda de me assumir como feminista no partido. Agora, quando chegou aqui, não deu jeito. Eu assumi quando eu saí! xvi Por fim, a URSS se colocou (como não poderia deixar de ser) como um destino preferencial para alguns comunistas do PCB a começar por Prestes, exilado lá desde Seu isolamento, até então numa espécie de exílio interno e a partir daí na URSS, poderia ter contribuído para a radicalização de suas posições (culminando no seu afastamento)? Um importante dirigente do partido (pessoalmente próximo de Prestes, mas que se manteve fiel à orientação oficial do partido) narra assim sua ida para a URSS, corroborando a tese da relação entre a experiência individual de Prestes e seu posicionamento político: de 1974 chegou numa situação muito boa, muito confortável para perceber as mudanças que poderiam já estar sendo feitas no Brasil depois que a gente saiu. Porque a mudança na massa já tinha se dado. Ela votou na oposição em Eu saí daqui em Quando cheguei lá, tinha um hotel só do partido. Tinha uns companheiros do Comitê Central, outros que não eram, mas estavam fazendo curso, tinha o pessoal também da Patrice Lumumba. Então eu fiquei com o Prestes ali. Dávamos um expediente, de duas até as seis horas da tarde, cinco dias da semana, de 1975 até (...) ele tinha uma opinião que não era a opinião da gente. A gente tinha saído daqui, quem chegou lá depois de 1974, depois das eleições (...) aí a gente já começou a procurar elaborar uma linha política mais abrangente, que não se restringisse àquele negócio da luta contra a ditadura, porque a gente já tinha perspectiva de que aquilo já estava em vias de ser vencido. Então ele começou a insistir na tese que ele levantava. Na verdade a tese era a seguinte: o fascismo na forma de ditaduras 9

11 militares ia se alastrar por toda a América Latina, essa era a estratégia do capitalismo mundial. xvii Ao exílio individual dos pecebistas, somou-se no biênio a difícil transposição de toda a direção remanescente do partido para diferentes países da Europa, vista naquele momento como a medida mais correta para a preservação física dos dirigentes que ainda não haviam sido assassinados pelo aparelho repressivo. Tal decisão extrema, passado tanto tempo, ainda gera polêmica. Acerca disso, é enriquecedor agregar ao trabalho a opinião de um dirigente pecebista que se recusou a sair do país. Ele explica a seguir seus motivos, criticando a decisão da maioria na época: Não quis sair do Brasil... Não foi por coragem não, é porque não sabia o que eu ia fazer no exterior. Não era jornalista, não era radialista, não era compositor nem nada, o que eu ia fazer? Tenho um filho até que vive lá, em Paris (tem uma mulher francesa), ele escrevia para mim: vem pra cá, que aqui você tem toda a guarida, sou cidadão francês, então não podem fazer nada com você aqui... Por causa do casamento. Não tem como fazer isso, ficar aí dependendo do meu filho, eu vou ficar aqui mesmo, porque eu lá não tinha como crescer e acontecer... Fiquei aqui, numa situação de clandestinidade muito difícil (...). Os companheiros saíram do país, da direção nacional. Alguns deles eu acho que era realmente necessário que saíssem, o Prestes por exemplo. Outros eu achava que não precisava terem saído, o Giocondo Dias [segundo na linha de sucessão de Prestes, e que acabou assumindo a secretaria geral com o afastamento deste] mesmo (e outros também não queriam que ele saísse). Depois, quando voltou do exílio, ele disse que eu tinha razão. Eu achava que ele deveria ficar aqui, ninguém precisava saber onde ele estava nem nada, mas só saber que ele estava no país já ia ser uma ajuda muito grande para nós aqui. Mas resolveram que ele devia sair e ele saiu. E ocorre que muitos deles no exílio tiveram uma situação muito mais complicada do 10

12 que se eles ficassem aqui, com as contradições que surgiram lá, as brigas, coisas que não tinham princípio nenhum... xviii O depoimento acima aponta para o acirramento das tensões e disputas na direção exilada. Outro dirigente (que viveu a experiência do exílio) defende, no entanto, a justeza daquela decisão, segundo ele necessária naquele contexto de pesada repressão ao partido: na volta, tivemos várias reuniões com o pessoal que havia ficado aqui, e numa das reuniões uma pessoa perguntou por que a gente não havia saído antes. Uma boa parte do CC caiu, foram presos, desapareceram, sobraram alguns que conseguiram sair. Aí perguntaram para mim, e eu disse: olha, nenhum de nós se ofereceu para sair. Nenhum! A gente não podia chegar para tanta gente, pessoas que a gente até trouxe para dentro do partido, ou concorreu para que a pessoa ficasse no partido, tanta gente fica aqui e a gente sai, todo mundo. Nós saímos de uma forma que se justifica. Ficava uma reserva de direção e se aqui caísse, aquela reserva depois voltava ao país para reorganizar o partido pegando as pontas que haviam sobrado, os filiados. Isso aí se justifica. xix Sejam quais forem os argumentos para justificar aquela decisão extrema, é inegável que o isolamento dos dirigentes na Europa contribuiu para o acirramento das disputas internas, que mesmo tendo suas raízes em disputas anteriores e refletindo posições presentes nas bases do partido tomaram novos contornos no exterior. É possível afirmar que o conjunto da militância (desarticulado no Brasil ou espalhado pelos mais diversos países) se surpreendeu com a profundidade das fissuras que acometiam a direção quando esta retornou ao Brasil o que se depreende pelo depoimento seguinte (do supracitado dirigente que recusou o exílio): Essa era a discussão que havia lá. Nós aqui não sabíamos bem dessa discussão. Viemos a saber 11

13 com mais clareza depois que os exilados chegaram. Até aí, se sabia que havia crise lá fora, séria, mas não sabíamos por que, qual era a causa. Depois que fomos saber xx. O retorno do exílio, evidentemente um momento festivo e ansiado, foi até mesmo antecipado por alguns militantes, que já avaliavam que o país passava por um momento de maior abertura (ainda que a anistia ainda não tivesse sido decretada): Voltei um pouco antes, voltei antes da Anistia inclusive. A gente percebia que já se estava num momento de abertura. Aí quando eu soube no exílio que tinha sido absolvido no Brasil do processo (do meu último processo), eu disse para os cubanos: Ah, agora acabou meu exílio, agora sou turista aqui, quero ir-me embora! Aí ficamos esperando, já tinham voltado alguns companheiros, a gente já sentia... uns ficavam presos um dia, dois, saíam. Aí fizemos o teste, e ficamos, não teve problema nenhum. Desembarcamos presos, sem documentação, não deram passaporte para nós, no exterior. Nós pedimos, mas nunca deram passaporte para nós. Os cubanos que fizeram um passaporte. Saímos de Cuba para o Panamá, e do Panamá pegamos um avião brasileiro e desembarcamos aqui com a carteira de identidade. Eles sabiam que a gente vinha, tanto que o próprio embaixador brasileiro viajou com a gente e quando chegou já foi encaminhando para a Polícia Federal... [risos] A gente passou a noite lá, e tal, depois saímos no dia de Natal, nós fomos liberados. Até tiramos um advogado nosso do partido da ceia natalina para acompanhar a gente lá... Até hoje ele me encontra e reclama: você me tirou da Ceia de Natal de 1978! [risos] xxi Outros preferiram aguardar a volta por meios legais, esperando mais alguns meses pela decretação de uma anistia que a todos parecia questão de tempo (o que de fato ocorreu em agosto de 1979): 12

14 Ainda fiquei um pouco lá no exterior, porque não queria entrar clandestina. Então eu tinha conseguido visto pra viver na França, mas achei que deveria vir para o Brasil. Então quando desci no aeroporto, eu desci com um gato na gaiola, um violão embaixo do braço (que eu tocava violão), eu desci com tudo que o partido não gostava! Eu entrei como uma pessoa comum. Com meu gato, com meu violão, entrei assim. xxii O retorno discreto de muitos contrastaria com a volta triunfal e festiva de alguns em especial de Prestes, recebido em sua chegada ao Rio de Janeiro por uma multidão de cerca de dez mil pessoas. No entanto, em pouco tempo as festividades seriam substituídas por uma acirrada luta interna que dilacerou o partido nos anos seguintes. Conclusão: as marcas do exílio As entrevistas deixam claro que, quando houve margem para opções, o lugar de exílio foi escolhido de acordo com os interesses e esperanças daqueles indivíduos (bem como a opção pela permanência no país). Além disso, as diversas experiências no exílio visivelmente marcaram de maneiras igualmente diversas aqueles indivíduos, em parte influindo no papel assumido por cada um deles nas disputas internas do partido ainda durante o exílio ou quando do regresso ao país. Portanto, se de alguma forma o exílio influiu na trajetória individual de tantos atores, apenas o determinismo mais ortodoxo poderia negar o seu papel (ainda que limitado) na trajetória posterior do partido. Para o historiador Edgard Carone, o PCB sempre se caracterizou pela regionalização de seus militantes, pois o seu mundo se limita às fronteiras de nossa sociedade (...), o grosso de seus militantes conheciam e conviviam com a realidade brasileira xxiii. Segundo ele, na década de 1970 tal tendência foi revertida. O exílio permitiu a muitos militantes um maior e mais demorado contato com os diferentes caminhos propostos pelo movimento socialista internacional (e algumas vezes com 13

15 experiências diversas de socialismo real ), certamente abalando ou reforçando convicções. Segundo Carone, as experiências de vida diversas pelas quais os pecebistas passaram naquele período (o secretário-geral Prestes sempre isolado por questões de segurança e exilado a partir de 1971; o restante da direção exilado em ; militantes espalhados por diversos países; e a maioria permanecendo no Brasil, desarticulada e sem contato direto com o exterior) guardariam relação com as divisões posteriores do partido. Há pertinência em tal argumentação. As bases para as divergências da virada dos anos 1970 para os anos 1980 parecem estar dadas desde antes, mas os acontecimentos relacionados ao exílio de alguma maneira influíram no conteúdo e na intensidade de tais divergências (e na seleção de certos atores para determinados papéis ). As diversas experiências no exílio (em especial o episódio do deslocamento do CC) marcaram até certo ponto a configuração que assumiram as lutas internas no partido e essas lutas tiveram seu peso na crise vivida pela agremiação. Quando se analisam memórias e trajetórias individuais, observamos motivações e orientações diversas das que costumam ser notadas por um olhar lançado às grandes estruturas. Uma nova perspectiva abre espaço para novas observações, que não necessariamente negam conclusões anteriores, mas sem dúvida as enriquecem. Um olhar desse tipo sobre a repressão ao PCB e sobre a experiência do exílio mostra que tais fatores (ainda que exercendo um peso secundário) podem ajudar a compreender a crise que levou à extinção do um dia autodenominado maior partido comunista do Ocidente. Bibliografia BRANDÃO, Gildo Marçal. A esquerda positiva: as duas almas do Partido Comunista 1920/1964. São Paulo: Hucitec, CARONE, Edgard. O PCB. Vol. 3 ( ). São Paulo: Difel,

16 CHILCOTE, Ronald. Partido Comunista Brasileiro: conflito e integração ( ). Rio de Janeiro: Graal, COUTINHO, Carlos Nelson. Democracia e socialismo questões de princípio e contexto brasileiro. São Paulo: Cortez, FERREIRA, Marieta de Moraes, AMADO, Janaína (orgs.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas LINZ, Juan e STEPAN, Alfred. A transição e consolidação da democracia. São Paulo: Paz e Terra, PANDOLFI, Dulce. Camaradas e companheiros: História e memória do PCB. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, POLLACK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro: vol. 5, n.º 10, SANTANA, Marco Aurélio. Homens partidos: comunistas e sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Unirio, SERNA, Miguel. Reconversão democrática das esquerdas no Cone Sul. Bauru: EDUSC, VIANNA, Luiz Werneck. Questão nacional e democracia: o Ocidente incompleto do PCB. Rio de Janeiro: IUPERJ, Série Estudos n.º 64, Notas i Professor Adjunto de Ciência Política e Sociologia da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). Doutor em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). ii Pelo autor para a realização da dissertação de Mestrado Utopia dividida crise do PCB ( ), defendida em 2005 no PPGHIS da UFRJ. 15

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção

POR QUE LIVRO 1 CRUZAMOS OS BRAÇOS. Coleção Coleção POR QUE CRUZAMOS OS BRAÇOS LIVRO 1 GREVES NO BRASIL (de 1968 aos dias atuais) DEPOIMENTOS DE LIDERANÇAS ÊNIO SEABRA JOSÉ IBRAHIN JOÃO PAULO PIRES VASCONCELOS JOSÉ FRANCISCO DA SILVA LUIZ INÁCIO

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação.

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Maria Guiomar da Cunha Frota Escola de Ciência da Informação da UFMG. Brasil Resumo O artigo

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO O AJUSTE DE CONTAS DA ESQUERDA COM A HISTÓRIA: O SOCIALISMO DEMOCRÁTICO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Marco Antonio Brandão FUNDEG Fundação Educacional Guaxupé (MG) INTRODUÇÃO

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

Para o presidente do PP paulista, estamos a um passo do confronto que poderá esmagar os partidos de oposição.

Para o presidente do PP paulista, estamos a um passo do confronto que poderá esmagar os partidos de oposição. ENTREVISTA: OLAVO SETÚBAL A Abertura parou Para o presidente do PP paulista, estamos a um passo do confronto que poderá esmagar os partidos de oposição. As preocupações do engenheiro Olavo Setúbal com

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA»

CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA» CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA» 1. ESCRITORA MARIA DE LURDES BELCHIOR VEIO DO RIO DE JANEIRO A LISBOA PARA ME DEFENDER Foi na época de minha volta à França que também

Leia mais

Sr. Siderley: 1968 a 1971

Sr. Siderley: 1968 a 1971 Transcrição do Depoimento do Sr. Siderley Corrocher para a Comissão da Verdade da Câmara municipal de Araras realizado no dia 22/11/2013 (duração: 26min57s). Ver. Breno Cortella: Então o senhor foi...

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937 História da ENESSO No Brasil, desde o período colonial podemos observar a participação dos estudantes na política do país, mesmo não possuindo um caráter organizado que só aconteceria no século XX. A primeira

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 22 O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 The Brazilian Democratic Movement Party (PMDB) and the challenges of the elections of 2010 Eliseu Padilha Deputado Federal (PMDB RS) e Presidente da Comissão

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Caderno de Redação. 3º ano Ensino Médio. Aluno(a):... 28/09/2011

Caderno de Redação. 3º ano Ensino Médio. Aluno(a):... 28/09/2011 Caderno de Redação 3º ano Ensino Médio Aluno(a):... 28/09/2011 Este Caderno de Redação segue as novas diretrizes estabelecidas pela portaria nº 109, emitida em 27/05/2009, no Diário Oficial da União, para

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde

8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde 8º Congresso da Fenafar discute sobre Assistência Farmacêutica e Saúde O que poderia sair, como linha de reflexão sobre saúde e assistência farmacêutica, de uma mesa composta por farmacêutico, economista,

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos ESTER BUFFA ANOS DE CHUMBO NA EDUCAÇÃO Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos Anos de Chumbo, época do endurecimento da repressão da ditadura militar,

Leia mais

09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo

09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo 09/10/2011-08h05 Movimentos refletem era de exclusão, diz sociólogo PUBLICIDADE ELEONORA DE LUCENA DE SÃO PAULO Movimentos que aparecem e desaparecem, fluidos e persistentes. Fragmentados, gravitam em

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Para Lúcia Stumpf, sua eleição para a presidência da UNE estimulou outras mulheres a ingressarem

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

socialismo sem feminismo

socialismo sem feminismo Não há socialismo sem feminismo As mulheres do PT se organizam internamente desde a fundação do partido. Apesar da política de cotas, de avanços programáticos e de representarem 43% do total de filiados,

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ. Valeria Valenzuela

ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ. Valeria Valenzuela ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ Valeria Valenzuela Calle Santa Fé (Chile/França, 2007. 167 min.) Direção e Roteiro: Carmen Castillo Echeverría Produção:

Leia mais

Juarez Mello,é Bacharel em Direito pela UNAMA desde 1984. Atua na

Juarez Mello,é Bacharel em Direito pela UNAMA desde 1984. Atua na ENTREVISTA JUAREZ RABELLO SORIANO DE MELLO ADVOGADO Uma visão atual do Direito coletivo do trabalho É melhor um acordo coletivo resolvido em mesa do que uma decisão proferida pelos Tribunais Advogado trabalhista

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

ENTREVISTA DO EX-PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO PARA A FOLHA DE S.PAULO, PUBLICADA NA EDIÇÃO DESTA SEGUNDA-FEIRA, 30/04/2012

ENTREVISTA DO EX-PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO PARA A FOLHA DE S.PAULO, PUBLICADA NA EDIÇÃO DESTA SEGUNDA-FEIRA, 30/04/2012 ENTREVISTA DO EX-PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO PARA A FOLHA DE S.PAULO, PUBLICADA NA EDIÇÃO DESTA SEGUNDA-FEIRA, 30/04/2012 Para FHC, corrupção é maior agora do que no período de seu governo Para

Leia mais

PACTO SOCIAL AMEAÇADO

PACTO SOCIAL AMEAÇADO PACTO SOCIAL AMEAÇADO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 26.03.1981 A elevação decisiva das taxas de inflação e a configuração clara de uma recessão econômica nos dois primeiros meses de 1981

Leia mais

MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL: A TRAJETÓRIA DE SÉRGIO AROUCA. Relatório de Atividades Sérgio Arouca 1967-1975

MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL: A TRAJETÓRIA DE SÉRGIO AROUCA. Relatório de Atividades Sérgio Arouca 1967-1975 PROJETO MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL: A TRAJETÓRIA DE SÉRGIO AROUCA Relatório de Atividades Sérgio Arouca 1967-1975 Rio de Janeiro, setembro de 2005 Projeto: PRODOC 914 BRA 2000 UNESCO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Para atender ao objetivo geral descrito, apontamos o seguinte objetivo específico:

Para atender ao objetivo geral descrito, apontamos o seguinte objetivo específico: 14 1. INTRODUÇÃO Como a comunicação é utilizada para mobilização social e captação de recursos na ONG Visão Mundial? (Terceiro Setor). O estudo tem como principal objetivo entender a dinâmica da comunicação

Leia mais