1ª PARTE: Língua Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª PARTE: Língua Portuguesa"

Transcrição

1 1ª PARTE: Língua Portuguesa A LIÇÃO DA VENEZUELA AO BRASIL Há alguma coisa fundamentalmente errada quando a Venezuela demonstra estar mais avançada do que o Brasil em algum ponto. Mas foi isso que ocorreu na semana passada, com os venezuelanos chocados com o assassinato de Mônica Spear, ex miss e atriz de enorme popularidade. Ela e o marido foram mortos a tiros por assaltantes na frente da filha de cinco anos. O presidente venezuelano Nicolás Maduro convocou os governadores e os prefeitos das principais cidades do país para anunciar a busca de um novo modelo que combata verdadeiramente a criminalidade. Mas o mais marcante, o gesto que colocou a Venezuela à frente do Brasil na disposição de conter a criminalidade, foi o aperto de mãos entre Maduro e o chefe da oposição, Henrique Capriles. Eles puseram de lado uma hostilidade profunda e selaram um pacto contra o banditismo, reconhecendo que o combate ao crime é um interesse nacional acima das ideologias e das disputas partidárias. Nós brasileiros também estamos em estado de choque com as cenas de barbárie vindas do Maranhão, onde bandidos degolaram, escalpelaram e esquartejaram rivais em uma penitenciária, enquanto seus comparsas na rua incendiaram uma menina de seis anos que viajava com a mãe em ônibus urbano. A desnorteadora diferença em relação à Venezuela é que aqui a presidente Dilma Rousseff nem se tocou. Pior ainda, preocupada em não ferir as suscetibilidades de seus aliados locais do clã Sarney, que há décadas dominam a política maranhense, não disse palavra sobre os episódios degradantes. Premida pelos protestos de junho do ano passado, a presidente propôs pactos para resolver todos os problemas nacionais nas áreas dos transportes, da saúde, da educação, da política e da economia. Por vagos, inconsequentes, esses pactos sumiram no ar sem deixar rastro. Deseja se mais sorte ao pacto entre governo e a oposição na Venezuela. Mas não é esse o ponto. A questão que se coloca teimosamente é: por que nunca no Brasil foi proposto um pacto nacional contra o crime? Porque a cada demonstração de vitória da barbárie contra a civilização, como a da semana passada no Maranhão, as autoridades se escondem atrás de uma cortina de fumaça de eufemismos e se recusam a encarar o fato de que os bandidos declararam guerra aos brasileiros e estão vencendo. Bastaria a cena da menina tentando em vão livrar se das chamas acesas pelos bandidos no Maranhão para que, nem que fosse por intenção meramente eleitoreira, o mundo oficial brasileiro, a começar pela presidente da República, demonstrasse justa indignação. Seriam aplaudidos se, a exemplo da Venezuela, todos tivessem se unido em um pacto nacional contra o crime seja ele cometido por bandidos, por policiais degenerados ou pelos responsáveis por sistemas prisionais que submetem os condenados a condições subhumanas em celas superlotadas. Não dá mais para fingir que o Brasil vive tempos de paz. Até a Venezuela acordou. In: Revista Veja. Editora Abril, Ed ano 47 n de janeiro de 2014, pag. 14 1

2 01. Porque a cada demonstração de vitória da barbárie contra a civilização.... O termo pode ser substituído, sem alterar o sentido, por: A) Banalidade. B) Egoísmo. C) Selvageria. D) Escárnio. 02. Porque a cada demonstração de vitória da barbárie contra a civilização.... O termo em destaque permanece acentuado após a reforma ortográfica. Dados os itens abaixo, qual permanece acentuado? A) Bocaiuva. B) Alcateia. C) Estoico. D) Saude a Presidente propôs pactos para resolver todos os problemas nacionais nas áreas dos transportes, da saúde, da educação, da política e da economia. O termo em destaque é classificado sintaticamente, por: A) Vocativo. B) Objeto direto. C) Aposto. D) Complemento nominal. 03. Uma leitura geral do texto permite nos inferir: I. Há uma forte dosagem de ironia na reflexão político/social; II. Por ser um texto jornalístico/especializado de uma revista renomada, há neutralidade sobre o tema abordado; III. O texto é um artigo de opinião em que o autor, através de analogias, convida o seu receptor a uma reflexão induzida. Dadas as proposições, é CORRETO afirmar: A) Todas estão corretas. B) I é correta e II e III estão erradas. C) I e II estão corretas e III está errada. D) I e III estão corretas e II está errada. 04. Dada a expressão: Eles puseram de lado uma hostilidade profunda.... O termo em destaque, sintaticamente, é classificado: A) Objeto direto. B) Sujeito simples. C) Adjunto adnominal. D) Complemento nominal. 2

3 2ª PARTE: Matemática Lógica 06. Assinale a opção na qual a proposição é VERDADEIRA, dado que o valor lógico das proposições P e Q é (V), e de R e S é (F). A) ~ P (~ Q ~ P) B) ( P Q) ( P R) C) ( P Q) (S ( P R)) D) ~ P (Q R) 07. Sejam P e Q proposições. Assinale a opção na qual a proposição é uma tautologia. A) P ((Q P) Q) B) P (P (P Q)) C) P Q P D) P P Q 08. Os animais abaixo estão divididos em grupos a partir de uma certa lógica. GRUPO 1: Garça, Bem te vi, Pardal. GRUPO 2: Canguru, Coala, Gambá. GRUPO 3: Baleia, Homem,???. Assinale a opção em que aparece o animal que falta no Grupo 3. A) Salmão B) Tarântula C) Pinguim D) Morcego 3

4 09. Quatro pessoas, João, Ana, Carlos e Maria foram acusados de terem comido o bolo que D. Célia fez para o lanche. Sabe se somente um deles comeu o bolo, que três deles mentem e, apenas um diz a verdade. Todos foram interrogados. Segue abaixo as declarações: RASCUNHO Ana comeu o bolo! disse João Maria não comeu o bolo! disse Ana Maria e João estavam no quintal quando o bolo sumiu. disse Carlos Carlos não comeu o bolo! disse Maria. Com base nas declarações, assinale a alternativa CORRETA. A) Carlos mentiu e João comeu o bolo. B) João mentiu e Carlos comeu o bolo. C) Ana mentiu e Maria comeu o bolo. D) Maria disse a verdade. 10. Dizer que O céu não é azul ou o sol é amarelo é, do ponto de vista lógico, o mesmo que dizer: A) Se o céu é azul, então o sol não é amarelo. B) Se o sol é amarelo, então o céu é azul. C) Se o céu é azul, então o sol é amarelo. D) Se o céu não é azul, então o sol não é amarelo. 4

5 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. Sobre o comportamento dos elementos estruturais de concreto armado, marque (V) para a alternativa Verdadeira e (F) para a Falsa. ( ) Em uma peça submetida à flexo torção, havendo flexão simples, a armadura resistente à torção é formada apenas por estribos. ( ) A ancoragem de uma barra da armadura de tração de uma viga começa no ponto onde teoricamente a tensão na mesma começa a diminuir. ( ) Para determinados valores da força normal, é possível dimensionar uma armadura longitudinal simétrica para uma peça submetida à flexão composta normal por meio de uma compressão centrada equivalente. ( ) Independentemente das dimensões da seção transversal, todas as barras da armadura longitudinal de viga contínua devem ser ancoradas por aderência utilizando o mesmo comprimento de ancoragem. Assinale a sequência CORRETA. A) F, V, V, F. B) F, F, V, F. C) V, V, F, V. D) V, F, F, V. 12. Assinale a ação correta a ser tomada, quanto às instalações elétricas provisórias do canteiro de obras. A) Existe rede monofásica no local: situação suficiente para a execução e entrega da obra. B) Não existe rede trifásica no local: não realizar a obra. C) Não existe rede no local da obra: não realizar a obra. D) Não existe rede no local da obra: verificar junto à concessionária local a extensão da rede. 13. Quanto à realização de sondagens para o estudo do solo, analise as afirmativas abaixo. 1) As sondagens devem ser, no mínimo, de uma para cada 200m 2 de área da projeção em planta do edifício, até 1200m 2 de área. 2) Para área de projeção entre 1200m 2 e 2400m 2, deve se fazer uma sondagem para cada 300m 2 que exceder a 1200m 2. 3) Para área de projeção acima de 2400m 2, deve se fazer uma sondagem para cada 400m 2 que exceder a 2400m 2. Está(ão) correta(s): A) 1, 2 e 3. B) 1 e 2, apenas. C) 2 e 3, apenas. D) 1 e 3, apenas. 14. Não é tipo de fundação superficial: A) Sapata. B) Caixão. C) Radier. D) Bloco. 15. Dos cuidados que devem ser tomados durante o recebimento e estocagem do aço no canteiro, é recomendado: A) Evitar o contato com os raios solares. B) Realizar o armazenamento em pilhas. C) Evitar o contato direto com o solo e as intempéries. D) Armazenar todo o aço em um único pavimento. 16. Uma viga retangular biapoiada com 6 metros de vão está submetida a um carregamento uniformemente distribuído de 40 kn/m ao longo de todo seu vão. A largura dessa viga é 15 cm. Para que a tensão máxima de compressão nessa viga seja 20 MPa, a altura da viga deve ser: 5

6 A) 30 cm B) 40 cm C) 50 cm D) 60 cm 17. Usando seus conhecimentos sobre Licitação, assinale a alternativa que define a modalidade de Tomada de Preço. A) É a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do instrumento convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência de, até, 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas. B) É a modalidade de licitação entre qualquer interessado para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou de remuneração aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial com antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias. C) É a modalidade de licitação entre interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação. D) É a modalidade de licitação entre qualquer interessado que, na fase inicial de habilitação preliminar, comprove possuir os requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital para a execução de seu objeto. 18. Ao escoamento de água por meio de tubos ou valas subterrâneas, denominamos: A) Galeria. B) Drenagem. C) Infiltração. D) Duto. 19. A planta de arquitetura que deve ser apresentada com dimensões do terreno de acordo com o Registro de Imóvel, contendo: cotas de afastamento da edificação ao limite do terreno e acessos da rua para calçada e da calçada para o estabelecimento a ser construído, é: A) Locação. B) Situação. C) Preliminar. D) Edificação. 20. Nos concretos executados com cimento Portland (classe C30), aplicados à estrutura de concreto armado em que a agressividade ambiental é da classe III, a relação água/cimento, em massa, deve ser: A) 0,55 B) < 0,40 C) 0,6 D) 0, A, e a(s)/o(s) são equipamentos de proteção coletiva. Assinale a alternativa que preenche as lacunas corretamente: A) Óculos de segurança, creme protetor, cinto tipo paraquedista. B) Plataforma de proteção, capacete, bota. C) Extintor de incêndio, luva, óculos de segurança. D) Plataforma de proteção, guarda corpo, assoalho em aberturas nos pisos. 6

7 22. O destino do esgoto sanitário deveria ser um sistema público, onde a água poluída seria tratada, evitando danos à natureza. Os elementos componentes do sistema de esgoto são muitos, dentre eles podem ser destacados: desconectores e caixas, ramais de esgoto, tubo de queda, caixa retentora de gordura, caixa de inspeção, subcoletor e coletor predial. Assim é correto afirmar que os desconectores são: A) Tubos destinados a possibilitar o escoamento de ar da atmosfera para o interior da instalação de esgoto e viceversa. B) Dispositivos providos de fecho hídrico destinado a vedar a passagem dos gases ao ambiente. C) Destinados a permitir a inspeção, limpeza e desobstrução das tubulações. D) Tubulação que recebe efluentes de ramais de descarga. 23. São elementos de uma tesoura, exceto: A) Lanternim. B) Frechal. C) Escora. D) Terças. 24. Após o dimensionamento de um sistema de abastecimento de água, percebeu se que, com a paralisação brusca do conjunto motor bomba, a sobrepressão gerada pelo golpe de aríete ultrapassava a pressão admissível de trabalho do tubo de PVC usado na linha de recalque. Se, ainda assim, for decidida a manutenção da tubulação de PVC, que dispositivo deve ser instalado na linha de recalque para se evitar o rompimento da tubulação quando ocorrer o golpe de aríete? A) Válvula de retenção. B) Válvula de alívio. C) Válvula globo. D) Válvula redutora de pressão. 25. Nas lajes maciças devem ser respeitados os seguintes limites mínimos para a espessura: I) 6cm para lajes de cobertura não em balanço. II) 7cm para lajes de piso ou de cobertura em balanço. III) 10cm para lajes que suportem veículos de peso total menor ou igual a 30kN. Em relação às afirmações acima, marque a alternativa correta: A) Apenas a afirmação I está correta. B) Apenas a afirmação II está correta. C) Apenas a afirmação III está correta. D) Apenas as afirmações II e III estão corretas. 26. Você está fiscalizando uma concretagem e sabe que para evitar a segregação dos materiais, um dos cuidados a serem tomados pelo engenheiro é o controle da altura máxima de lançamento do concreto, que não deve ultrapassar: A) 3,50 metros. B) 3,00 metros. C) 2,50 metros. D) 1,50 metro. 27. Segundo a norma ABNT NBR 9575:2010 (Impermeabilização Seleção e projeto), o projeto executivo de impermeabilização deve atender a alguns detalhes construtivos, entre estes, pode se citar: A) A inclinação do substrato das áreas horizontais deve ser definida após estudos de escoamento, sendo no mínimo de 1% em direção aos coletores de água. Para calhas e áreas internas, é permitido o mínimo de 0,5%. B) As tubulações hidráulica, elétrica, de gás e outras que passam paralelamente sobre a laje devem ser executadas sob a impermeabilização. 7

8 C) Deve ser previsto, nos planos verticais, encaixe para embutir a impermeabilização, para o sistema que assim o exigir, a uma altura mínima de 5cm acima do piso acabado. D) Os coletores devem ter diâmetro que garanta a manutenção da seção nominal dos tubos prevista no projeto hidráulico após a execução da impermeabilização, sendo o diâmetro nominal mínimo 50mm. 28. No caso das vigas, paredes de dois vãos, em que l é o comprimento do vão teórico e h a altura total da viga, a relação l/h deve ser menor que: A) 1,0 B) 1,5 C) 2,5 D) 2,0 29. Considerando os Sistemas de Esgotamento Sanitário, assinale a alternativa CORRETA: A) O Sistema Espinha de Peixe, o Sistema de Colunas e o Sistema Misto. B) O Sistema Único, o Sistema Separador Absoluto e o Sistema Misto. C) O Sistema Aeróbico e o Sistema Anaeróbico. D) O Sistema Único, o Sistema Duplo e o Sistema Misto. 30. Em uma instalação de esgoto é indispensável permitir o acesso às tubulações e a fácil desobstrução das mesmas. Quanto aos dispositivos de acesso à tubulação, assinale a alternativa incorreta: (NBR 8160 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário). A) A distância entre duas inspeções deve ser menor que 25m. B) Não há uma distância definida entre o vaso sanitário e a primeira inspeção. C) A distância entre o coletor público e a primeira inspeção deve ser menor que 15m. D) Caixa de gordura, caixa de inspeção e desconectores são considerados dispositivos de acesso à tubulação. 31. Considerando que o orçamento detalhado da obra é a mais importante ferramenta para o planejamento e o acompanhamento dos custos da construção, assinale o item que não representa documento necessário à sua execução. A) Memorial descritivo das especificações técnicas e de acabamento da obra. B) Projeto arquitetônico completo e projeto de cálculo estrutural. C) Projeto de instalações. D) Escritura de compra e venda e registro do imóvel. 32. Os trechos horizontais do sistema de coleta e transporte de esgoto sanitário devem possibilitar o escoamento por gravidade, sendo necessário, para isso, apresentar uma declividade constante. Assinale a alternativa que apresenta a declividade mínima para tubulações com diâmetro nominal igual ou superior a 100mm. A) 1% B) 2% C) 3% D) 4% 33. Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna da sentença a seguir: A espessura de uma laje não deverá ser menor que cm, em lajes. A) 8cm, em lajes de cobertura não em balanço. B) 9cm, em lajes de piso. C) 10cm, em lajes em balanço. D) 12cm, em lajes destinadas à passagem de veículos. 8

9 34. Assinale a alternativa INCORRETA: As instalações prediais de água fria devem ser projetadas de modo que, durante a vida útil do edifício que as contém, atenda os seguintes requisitos: A) Evitar níveis de ruídos inadequados à ocupação do ambiente. B) Preservar o nível e o volume de água disponível. C) Possibilitar manutenção fácil e econômica. D) Promover economia de água e de energia. 35. Assinale a única alternativa CORRETA sobre aditivos para concreto. A) Em temperaturas ambientais muito elevadas é aconselhável a utilização de Retardadores de Pega. B) Em geral os aditivos devem ser usados em proporções consideráveis de até 20% em relação a massa do concreto. C) Uma das desvantagens dos plastificantes é o aumento do consumo de água na mistura. D) Aceleradores de Pega, cujo elemento principal é cloreto de cálcio, são os mais indicados para utilização em concreto armado. 36. O ciclo de vida de um projeto obedece a uma sequência lógica de desenvolvimento do produto final. Cada fase gera produtos que são dados de entrada para as fases subsequentes. O ciclo de vida de um projeto é dividido em 4 estágios, que são: A) Estágio I (Execução), Estágio II (Concepção e viabilidade), Estágio III (Detalhamento do projeto e do planejamento) e Estágio IV (Finalização). B) Estágio I (Detalhamento do projeto e do planejamento), Estágio II (Execução) Estágio III (Concepção e viabilidade)e Estágio IV (Finalização). C) Estágio I (Concepção e viabilidade), Estágio II (Detalhamento do projeto e do planejamento), Estágio III (Execução) e IV (Finalização). D) Estágio I (Detalhamento do projeto e do planejamento), Estágio II (Concepção e viabilidade), Estágio III (Execução) e Estágio IV (Finalização). 37. Assinale a alternativa correta, considerando que, de acordo com a NBR a quantidade mínima de cimento por metro cúbico de concreto, para dosagem não experimental, em kg, é de: A) 245 B) 270 C) 315 D) Na sondagem do terreno de uma obra, o número de furos em função da área de projeção em planta no terreno, será: A) Obras entre 1200 e 2400m² 6 furos mais 1 furo para cada 300m² acima de 1200m². B) Obras com menos de 200m² mínimo 3 furos. C) Obras entre 200 e 400m² mínimo 4 furos. D) Obras até 1200m 2 1 furo para cada 200 m². 39. Você esta fiscalizando uma obra, que está em fase de elevação de estruturas de concreto. Portanto, o número de dias necessário à retirada das formas de faces laterais de uma viga de concreto comum, sem uso de aditivo, é: A) 3 B) 5 C) 7 D) O refluxo de água usada, proveniente de aparelho sanitário, para o interior de uma tubulação, devido a sua pressão ser inferior à pressão atmosférica, recebe o nome de: A) Separação atmosférica. B) Golpe de aríete. C) Retrossifonagem. D) Subpressão. 9

1ª PARTE: Língua Portuguesa

1ª PARTE: Língua Portuguesa 1ª PARTE: Língua Portuguesa A LIÇÃO DA VENEZUELA AO BRASIL Há alguma coisa fundamentalmente errada quando a Venezuela demonstra estar mais avançada do que o Brasil em algum ponto. Mas foi isso que ocorreu

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto de Bauru

Departamento de Água e Esgoto de Bauru Língua Portuguesa Leia a tirinha abaixo para responder às questões de 1 a 5: a) O novo papel de parede do quarto da personagem Mônica; b) O antigo papel de parede do quarto da personagem Mônica; c) O novo

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHARIA CIVIL

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHARIA CIVIL CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHARIA CIVIL 26. Os encargos sociais sobre a mão de obra são encargos obrigatórios exigidos pelas Leis Trabalhistas e Previdenciárias ou resultados de Acordos Sindicais adicionados

Leia mais

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS

A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS Hidr ulica Residencial A) GENERALIDADES: UNIDADES USUAIS 1 kgf/cm² = 10 m.c.a 1 MPa = 10 kgf/cm² = 100 m.c.a. 1 kgf/cm² = 14,223355 lb/pol² Etapas a serem executadas a de alvenaria, as instalações hidráulicas

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

1ª PARTE: Língua Portuguesa

1ª PARTE: Língua Portuguesa 1ª PARTE: Língua Portuguesa A LIÇÃO DA VENEZUELA AO BRASIL Há alguma coisa fundamentalmente errada quando a Venezuela demonstra estar mais avançada do que o Brasil em algum ponto. Mas foi isso que ocorreu

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA CIVIL

CURSO: ENGENHARIA CIVIL CURSO: ENGENHARIA CIVIL CONHECIMENTOS BÁSICOS: LINGUA PORTUGUESA 1. De acordo com a gramática da Língua Portuguesa, a Concordância é o processo sintático em que certas palavras se combinam. Tal combinação

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL Rodrigo Moysés Costa (1); Ubirajara Alvim Camargos (2) (1) Professor Doutor, Departamento

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA Elisa Furian elisafurian@outlook.com COBERTURAS Constituem estruturas de múltipla função que tem por objetivo:

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 M² Pavimento: térreo Área do Terreno: 450,00 M² INTRODUÇÃO Este documento técnico

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

1- DESENHO ARQUITETÔNICO

1- DESENHO ARQUITETÔNICO 28 1- DESENHO ARQUITETÔNICO 1.1 - Generalidades Podemos dividir os desenhos arquitetônicos em dois grupos: Desenhos Preliminares de apresentação e Desenhos para execução. Nos desenhos preliminares são

Leia mais

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas Métodos Dinâmicos maio/ 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Avaliação da capacidade de carga de estacas Método - Fórmulas

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto

Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Disciplina: Instalações Hidráulicas Instalações prediais de esgoto Prof. Ms. José Benedito Gianelli Filho Nesta Unidade da Disciplina, tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nas instalações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais