UM SERVIÇO DE PRESENÇA INSTÂNTANEA COM SUPORTE A GRUPOS DE INDÍVIDUOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM SERVIÇO DE PRESENÇA INSTÂNTANEA COM SUPORTE A GRUPOS DE INDÍVIDUOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UM SERVIÇO DE PRESENÇA INSTÂNTANEA COM SUPORTE A GRUPOS DE INDÍVIDUOS

2 JOÃO PESSOA 2008 MARCO VASCONCELOS ii

3 UM SERVIÇO DE PRESENÇA INSTÂNTANEA COM SUPORTE A GRUPOS DE INDÍVIDUOS Dissertação apresentada ao programa de Mestrado em Informática da Universidade Federal da Paraíba, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Informática. Linha de pesquisa: Computação Distribuída. Orientação: Guido Lemos de Souza Filho JOÃO PESSOA 2008 iii

4 V331s Vasconcelos, Marco Antonio Vieira Maia de. Um serviço de presença instantânea com o suporte a grupos de indivíduos / Marco Antonio Vieira Maia de. - - João Pessoa: UFPB, f. : il. Orientador: Guido Lemos de Sousa Filho. Dissertação (Mestrado) UFPB, CT, Programa de Pós Graduação em Informática. 1. Informática. 2. Mensagem instantânea. 3. Sistemas colaborativos. UFPB/BC CDU: 004(043)

5 MARCO VASCONCELOS Um Serviço de Presença Instantânea com Suporte a Grupos de Indivíduos Dissertação apresentada ao programa de Mestrado em Informática da Universidade Federal da Paraíba, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Informática. Linha de pesquisa: Computação Distribuída. Data de aprovação: / / Banca examinadora: Prof. Dr. Guido Lemos de Sousa Filho Orientador Prof a. Dr a. Tatiana Aires Tavares Orientadora Prof a. Dr a. Magdala de Araújo Novaes Universidade Federal da Paraíba Examinadora Prof. Dr. Lucídio dos Anjos Formiga Cabral Universidade Federal da Paraíba Examinador iv

6 Dedicatória Aos meus pais v

7 Agradecimentos Ao Doutor Guido Lemos pela oportunidade e (im)paciência. A sempre perseverante Tatiana. A minha família. A amiga de todas as horas Maine. Andrea e Expedito pela força no momento de fraqueza. Aos demais integrantes do quarteto fantástico: mestre Emerson, mestre Marcial e mestre Vital. A todo o pessoal do Lavid, A Tião e a toda a turma da Budegga. A Lu e a quem quer que tenha inventado a cafeteria elétrica. Obrigado, Senhor. vi

8 Os que só andam muito devagar podem avançar bem mais se seguirem sempre pelo caminho reto, do que os que correm e dele se afastam. René Descartes Discurso do Método vii

9 Resumo Hoje em dia, é notória a demanda por ferramentas computacionais para comunicação de grupos. Essa necessidade é deflagrada nas grandes organizações que trabalham com equipes geograficamente distribuídas. Por outro lado, usuários comuns também utilizam ferramentas de comunicação no seu dia-a-dia, especialmente, as ferramentas de comunicação on-line ou sistemas de mensagem e presença instantâneas (MPI). Um MPI permite que usuários possam inscrever-se mutuamente em suas respectivas listas de contatos para se manterem informados sobre suas mudanças de estado (presença) e trocarem mensagens curtas. Esse tipo de sistema tem sua principal vantagem na possibilidade de agilizar atividades colaborativas e de comunicação. Buscando facilitar o desenvolvimento de suítes de protocolos que forneçam tais serviços, o IETF desenvolveu uma série de padrões que descrevem modelos para tais sistemas. A partir desses modelos foram desenvolvidos os dois mais utilizados protocolos de MPI da atualidade: o SIMPLE e o XMPP. A despeito do objetivo de facilitar a comunicação entre pessoas, tanto o modelo do IETF quanto seus protocolos derivados carecem de um bom suporte ao tratamento de grupos de comunicação. Implementações como o XMPP, que possibilitam a criação de grupos, o fazem de uma forma limitada, não prevendo nenhum esquema que notifique seus integrantes acerca de possíveis mudanças no estado do grupo. Dentro desse contexto, o presente trabalho estende o conceito de presença do modelo conceitual proposto pelo IETF para a comunicação de grupos. É apresentado um novo modelo onde o conceito presença é aplicado a grupos e não a indivíduos. Além disso, utilizamos o modelo proposto em um sistema de videoconferência, o que permitiu testar as novas funcionalidades utilizando uma infra-estrutura de comunicação multimídia. Por fim, são discutidos os resultados oriundos de uma implementação dessa proposta em XMPP e com suporte a videoconferência. Palavras-chave Mensagem instantânea, presença instantânea, Sistemas Colaborativos, Percepção. viii

10 Abstract Nowadays, the demand for computer tools for group communication is remarkable. This need was triggered by the big organizations that work with a geographically varied staff. On the other hand, common users also use communication tools daily, specially, the online communication tools or instant messaging and presence system (MPI). A MPI allows the users to inscribe themselves in their respective contact list, in order to keep informed about their mutual status (presence) changes and to exchange short messages. The main advantage of this type of system is the possibility of speeding up collaborative and communication activities. For facilitating the development of the protocols suites that provide such services, the IETF developed a series of patterns that describe models for such systems. From these models, two of the most currently used MPI protocol were developed: the SIMPLE and the XMPP. Although the aim of these models is facilitating people communication, the IETF model, as well as its derived protocols, lacks a good support when dealing with communication groups. As the XMPP, implementations that makes possible to create groups do so in a limited manner. They do not foresee any schema that notifies their users about the possible changes occurred in the group status. Considering the described situation, the present work extends the concept of presence from the conceptual model proposed by the IETF for group communication. A new model is presented, in which the concept presence is applied to groups and not to individuals. Besides, we used the proposed model in a videoconference system, which allowed testing the new functionalities using multimedia communication infrastructure. Eventually, the results, which emerged from the implementation of this proposal in XMMP with videoconference support, were discussed. Key-words Instant Messaging, Instant Presence, CSCW, Awareness. ix

11 Sumário 1 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVA CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA GROUPWARE SISTEMAS DE VIDEOCONFERÊNCIA Sistemas de Videoconferência com Múltiplos Usuários Padrões para Videoconferência ITU-T H Session Initiation Protocol (SIP) Comparação entre SIP e H SISTEMAS DE NOTIFICAÇÃO Presence e Instant Messaging Serviço de Presença Serviço de Mensagem Instantânea (IM) PROTOCOLOS Zephyr Ferramentas do Cliente SIMPLE XMPP Discussão TRABALHOS RELACIONADOS OPENMEETINGS SISTEMA WANG E SHANG GIGA-COLAB ANÁLISE COMPARATIVA SERVIÇO DE PRESENÇA DE GRUPOS DE INDIVÍDUOS MODELO CONCEITUAL: PRESENÇA INSTANTÂNEA EM GRUPOS ARQUITETURA DO SERVIÇO MODELO FUNCIONAL DETALHES DE IMPLEMENTAÇÃO INTEGRAÇÃO COM O SISTEMA DCS x

12 4.6 SUPORTE A VÍDEO DE ALTA QUALIDADE ESTUDO DE CASO CONTEXTO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS xi

13 Lista de ilustrações Figura 1 Videoconferência broadcast Figura 2 Conferência multiponto descentralizada Figura 3 Videoconferência centralizada com Bridge/MCU Figura 4 Estabelecimento de uma sessão SIP entre dois usuários Figura 5 Exemplo de cabeçalho de uma requisição INVITE Figura 6 Estatística de utilização da Internet na América Latina por serviço Figura 7 Modelo do serviço de presença para Entidade de Presença / Fetcher Figura 8 Modelo de serviço de presença para Entidade de Presença / Assinante Figura 9 Arquitetura do serviço de mensagens instantâneas Figura 10 WindowGram do zwgc exibindo uma notificação de logon de um usuário Figura 11 Fluxos assinatura e notificação no protocolo SIP Figura 12 Seqüência de passos para assinatura de atualizações entre dois clientes XMPP Figura 13 Interface do Openmeetings Figura 14 Interface do sistema Wang e Shang Figura 15 Interface do sistema Giga-Colab Figura 16 (a) e (b) Arquitetura do serviço proposto Figura 17 Diagrama de Casos de Uso UML Figura 18 Relação entre as classes do cliente XMPP e do DCS para o cliente Figura 19 Integração entre as classes do servidor XMPP e do servidor DCS Figura 20 Organograma do Lavid Figura 21 Cadastramento de um novo grupo Figura 22 Lista de grupos cadastrados para o Lavid Figura 23 Cadastramento de uma nova reunião para o grupo Xtation Figura 24 Lista de reuniões para o grupo Xtation, inclusive já ultrapassadas Figura 25 Cliente em uma reunião xii

14 Lista de tabelas Tabela 1 Classificação de sistemas de groupware quanto à dimensão espaço-tempo Tabela 2 Principais métodos do SIP para estabelecimento de sessão Tabela 3 Classes de códigos de resposta do SIP Tabela 4 Formato do datagrama de notificação do Zephyr Tabela 5 Tipos de pacotes do protocolo de presença do XMPP Tabela 6 Comparação entre SIMPLE e XMPP Tabela 7 Comparativo entre as ferramentas analisadas Tabela 8 Comparativo entre o sistemas relacionados e o trabalho atual xiii

15 ABREVIATURAS Sigla 3G 3GPP ABTU ANS.1 AOL ATM CCITT CORBA CSCW GUI HTTP ICQ IETF IM InfraVIDA IP ISDN ITU JID LAVID MCU MPI QoS RFC RNP RTCP RTP RUTE SBTVD SIMPLE SIP SSL TCP TLS Significado 3 rt Generation 3 rt Generation Partnership Project Associação Brasileira de Televisão Universitária Abstract Syntax Notation One America On Line Asynchronous Transfer Mode Commite Consultatif International de Telegraphique et Telephonique Common Object Request Broker Architecture Computer Supported Cooperative Work Graphical User Interface Hypertext Transfer Protocol I Seek You International Engeneering Task Force Instant Messaging Infraestrutura de Vídeo Digital para Aplicações de Telemedicina Internet Protocol Integrated Services Digital Network International Telecommunication Union Jabber Identifier Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital Multipoint Control Unit Mensagem e Presença Instantânea Quality of Service Request for Comment Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Real Time Control Protocol Real Time Protocol Rede Universitária de Telemedicina Sistema Brasileiro de TV Digital SIP for Instant Messaging and Presence Leveraging Extension Session Initiation Protocol Security Sockets Layer Transport Control Protocol Transport Layer Security xiv

16 Sigla UA UDP URI VoIP W3C XML XMPP ZID Significado User Agent User Datagram Protocol Uniform Resource Identifier Voice over IP World Wide Web Consortium Extensible Markup Language Extensible Messaging and Presence Protocol Zephyr Identifier xv

17 1 INTRODUÇÃO Hoje em dia, é crescente a necessidade de ferramentas computacionais que suportem operações sobre grupos. Essa necessidade é latente nas grandes organizações que trabalham com equipes geograficamente distribuídas. Por outro lado, usuários comuns também utilizam ferramentas de comunicação no seu dia-a-dia, especialmente, as ferramentas de comunicação on-line como sistemas de mensagem e presença instantâneas (MPI). Dentro desse contexto, o presente trabalho estende o conceito de presença do modelo conceitual proposto pelo IETF 1 para a comunicação de grupos [15]. É apresentado um novo modelo onde o conceito presença é aplicado a grupos e não a indivíduos. Além disso, o modelo proposto é integrado a um sistema de videoconferência, o que permitiu testar as novas funcionalidades oferecidas utilizando uma infra-estrutura de comunicação multimídia. Por fim, são discutidos os resultados oriundos de uma implementação dessa proposta em XMPP 2 e com suporte a videoconferência. 1.1 MOTIVAÇÃO As ferramentas de comunicação constituem um aspecto essencial na implementação de ambientes virtuais multiusuário. Muitas vezes, o que torna esses ambientes diferenciados para os usuários não é a aplicação ou a interface do ambiente, mas sim a possibilidade de se comunicar com outros usuários, de compartilhar experiências e trocar informações. A videoconferência, prática que inicialmente era restrita ao ambiente de grandes corporações, está atualmente presente em diversas outras aplicações, como ensino à distância, telemedicina e comunicação pessoal. As razões para essa disseminação incluem o advento comercial da Internet, a grande potência dos computadores pessoais atuais e a popularização de periféricos de multimídia, como as câmeras de vídeo para Internet (webcam). Outro grande fator de disseminação da videoconferência é a padronização H.323 dada pelo ITU-T 3, que provê uma base tecnológica para comunicações de dados, áudio e 1 Internet Engeneering Task Force, entidade que produz e promove padrões abertos para uso na Internet 2 Extensible Messaging and Presence Protocol 3 International Telecommunication Union Telecommunication Standardization Sector, antigo CCITT, é um órgão de padronização de telecomunicações ligado às Nações Unidas [32]

18 17 vídeo em redes IP. Esta padronização permite interoperabilidade entre equipamentos e softwares de diferentes fabricantes em diferentes plataformas. Embora existam diversos clientes H.323 gratuitos, como o Microsoft NetMeeting [40] e o Ekiga[18], tipicamente sua configuração inclui parâmetros como endereço de Gatekeeper 4, largura de banda utilizada e codec (codificador) preferencial de áudio e vídeo. A definição desses parâmetros nem sempre é de fácil entendimento para o usuário comum. Além do mais, a realização de conferência multiponto H.323 é provida por sistemas, em hardware ou software, que custam alguns milhares de dólares. Além do custo, outro problema que chama atenção de pesquisadores hoje em dia é o gerenciamento das políticas para estabelecer a comunicação on-line em grupos que utilizam videoconferência. Políticas que tratam, por exemplo, dos problemas de percepção. A percepção denota como os participantes são notados numa sala virtual de bate-papo. É importante salientar que a comunicação só é possível a partir da percepção. Em um cenário unidimensional o texto (como <nome do usuário>) pode ser um mecanismo de percepção. Já em um ambiente com videoconferência, isto é, multimídia, a forma como os usuários são identificados no ambiente também pode ser multimídia. Desta forma, temos que administrar uma área de visualização limitada (tela de computador) para n participantes simultâneos que podem ser representados por uma imagem ou vídeo. Se por um lado é difícil se fazer representado em grupo multiusuário, também não é trivial mostrar aos demais participantes do grupo que um novo participante está online. Nesse caso, estamos falando de mecanismos de notificação capazes de avisar aos participantes grupos de comunicação online a entrada de novos participantes. O suporte a esses mecanismos é objetivo de um sistema de MPI, que permite que usuários possam inscrever-se mutuamente em suas respectivas listas de contatos para se manterem informados sobre suas mudanças de estado (presença) e trocarem mensagens curtas. Neste trabalho visamos o estudo, avaliação e a proposição de estratégias para implementação de mecanismos de notificação baseados em grupos para ferramentas de comunicação online. Para tanto, foi feito um estudo sobre o modelo proposto pelo IETF que embasa os principais protocolos e principais sistemas de MPI utilizados no mundo. Com base 4 Gatekeeper é um componente de uma rede H.323. Mais detalhes no capítulo 2

19 18 no estudo realizado foi elaborada uma proposta de extensão de tal modelo, visando a possibilidade de notificações que incluem grupos de usuários e suas atividades, proporcionando uma ferramenta que suporte uma completa percepção por parte dos usuários de suas tarefas e seus papéis a serem cumpridos dentro dos trabalhos do grupo. Por fim, chegou-se a uma implementação de referência deste modelo que foi integrado em um sistema de videoconferência H.323 desenvolvido pelo LAVID OBJETIVOS O objetivo principal deste trabalho é a implementação de mecanismos de notificação para comunicação de grupos em sistemas de videoconferência, ou seja, a implementação de serviços de notificação, criação e gerenciamento de grupos de usuários conectados em um sistema de videoconferência. Para atingir esse objetivo geral, foram definidos os seguintes objetivos específicos: Estudo de ferramentas de comunicação online baseados em vídeo com suporte a grupos de usuários simultâneos; Estudo de estratégias para percepção e notificação de grupos de usuários ao invés de indivíduos. Implementação de uma ferramenta para comunicação online integrada a um sistema de videoconferência; Implementação dos mecanismos de notificação; Desenvolvimento de casos de teste e avaliação. 1.3 JUSTIFICATIVA Ferramentas de comunicação para grupos de usuários têm sido desenvolvidos desde a década de 1990, especialmente dentro de trabalhos relativos a sistemas colaborativos. Dentro destes esforços, o conceito de percepção das atividades dos grupos tem sido valorizado como forma de aumentar a compreensão das tarefas desenvolvidas pelos diversos usuários envolvidos. Parte de tal funcionalidade é delegada a sistemas de notificação que levem aos 5 Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital [38]

20 19 envolvidos o conhecimento sobre atividades, mensagens e outros eventos que possam ocorrer sobre o grupo [47]. Alguns sistemas têm implementado esse tipo de funcionalidade, mas via de regra, todos começam seu desenvolvimento a partir do zero, baseados meramente em frameworks de apoio à percepção, sem contar com algum protocolo ou implementação na qual possam se basear. Por outro lado, sistemas de presença e mensagem instantâneas são largamente utilizados, tendo grande aceitação por parte dos usuários de computador, sendo um dos softwares mais utilizados enquanto estes estão conectados à Internet [14]. E mesmo a despeito de existirem diversos protocolos (abertos ou proprietários) para tais sistemas, a funcionalidade e interface com o usuário diferem muito pouco de um para outro. Uma das razões para tais semelhanças é o fato de que em maior ou menor grau, praticamente todos os sistemas de MPI modernos se baseiam no modelo definido pelo IETF nas RFCs 2778 a 2779, e 3859 a 3862, que estabelecem um modelo conceitual e funcionalidades comuns para sistemas desse tipo. Ocorre que tal modelo não suporta operações sobre grupos de usuários, mas sim sobre indivíduos. E a despeito de praticamente todos os clientes de MPI permitirem a criação de grupos, o fazem da perspectiva do usuário, meramente para melhor catalogação de sua lista de contatos. A extensão do modelo para suporte a grupos e notificação de atividades dos mesmos de uma perspectiva centralizada e sua conseqüente validação e implementação em um sistema de videoconferência, podem auxiliar na criação de sistemas colaborativos de maneira mais rápida e reutilizável, valendo-se de protocolos largamente testados e interfaces que já são intuitivas para a grande maioria dos usuários de computador. 1.4 CONSIDERAÇÕES FINAIS A principal contribuição deste trabalho foi a definição de um modelo flexível de notificação baseado nos protocolos de MPI baseados no modelo estabelecido pelo IETF, mas que inclui suporte a operações sobre grupos. Outra contribuição foi o desenvolvimento de uma implementação de referência para o modelo proposto, sobre o qual sistemas colaborativos podem ser facilmente construídos para propósitos específicos de comunicação síncrona via texto, áudio ou vídeo. Foram também desenvolvidas ferramentas de videoconferência multiplataforma com suporte a alta qualidade

21 20 (som e imagem), que minimizam o esforço de configuração necessário para que o usuário participe de uma videoconferência. 1.5 ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO Esta dissertação está organizada nos seguintes capítulos: No Capítulo 1 é feita uma introdução, são apresentados os objetivos e contribuições da dissertação. O Capítulo 2 apresenta a fundamentação teórica do trabalho alicerçada nas áreas temáticas de groupware, sistemas de videoconferência e sistemas de notificação, particularmente, sistemas de mensagem e presença instantânea. Esse capítulo também apresenta três diferentes protocolos para serviços de notificação: o pioneiro Zephyr, o SIMPLE e o XMPP. O Capítulo 3 apresenta os trabalhos relacionados descritos através de arquiteturas de referência e de sistemas com funcionalidades semelhantes ao sistema implementado para validação do modelo proposto. O Capítulo 4 apresenta a proposta de extensão ao conceito de presença para suportar o gerenciamento de grupos em sistemas de videoconferência. O Capítulo 5 apresenta uma implementação de referência para o serviço proposto onde utilizamos o protocolo XMPP para prover serviços de notificação de grupos em sistemas de videoconferência. Por fim, o Capítulo 6 apresenta as conclusões e trabalhos futuros.

22 21 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo apresentamos os conceitos básicos das principais áreas temáticas que fundamentam o trabalho ora proposto: sistemas de groupware, sistemas de videoconferência e sistemas de notificação e seus protocolos. 2.1 GROUPWARE O trabalho em grupo é uma forma eficiente de se aumentar a produtividade na realização de uma tarefa. O ser humano percebeu isso desde a pré-história, quando usando da cooperação, conseguia abater animais dezenas de vezes maiores que ele. Por outro lado, hoje em dia parte significativa dos trabalhadores das grandes cidades gasta horas do seu dia de trabalho em frente a um computador. Somando-se a isso o alto grau de conectividade dos computadores atuais, nada mais natural que levar para o ambiente computacional, esse modo de trabalho em cooperação que já era um sucesso desde a última era glacial. Sistemas de groupware, ou sistemas de suporte ao trabalho cooperativo (sistemas CSCW do inglês Computer Supported Cooperative Work) ou simplesmente sistemas colaborativos, auxiliam grupos de pessoas na comunicação, colaboração e coordenação de suas atividades. Groupware é definido por [19] como: sistemas baseados em computador que suportam grupos de pessoas engajadas em uma tarefa comum e fornecem uma interface para um ambiente compartilhado. Devido à complexidade e diversidade das aplicações de sistemas de groupware, há mais de uma forma de categorizá-los. A primeira delas é em relação à dimensão espaçotemporal. Em relação ao tempo, a interação pode ocorrer ao mesmo tempo ou em momentos distintos. Já com respeito ao espaço, dá-se o mesmo. Essas duas dimensões geram a matriz de classificação mostrada na Tabela 1. Mesmo Tempo Tempos Distintos Mesmo Lugar Interação cara a cara Interação assíncrona Lugares Distintos Interação síncrona distribuída Interação assíncrona distribuída Tabela 1 Classificação de sistemas de groupware quanto à dimensão espaço-tempo

23 22 Sistemas com tempo igual/local igual caracterizam uma interação cara a cara entre os participantes, acrescida de alguma ferramenta computacional para geração ou manipulação de informações em grupo. Um exemplo de sistema mesmo lugar/tempos distintos são programas no estilo do post-it [2], que possibilitam que usuários distintos de um mesmo computador possam trocar pequenos recados. Sistemas que utilizam uma abordagem lugares distintos/tempos distintos incluem listas de discussão e boletins eletrônicos. Sistemas classificados como mesmo tempo/lugares distintos incluem programas de edição colaborativa de documento. Por sua própria natureza, são sistemas que exigem maior poder computacional, devido ao fato de exigir sincronia, comunicação em tempo real e coordenação de atividades. Graças ao avanço nas áreas de computação e redes de comunicação, cada vez mais esses sistemas utilizam aplicações multimídia com o objetivo de melhorar as funcionalidades e experiências dos usuários no processo de colaboração [60]. De acordo com [39], existem sete dimensões de análise obtidas do estudo de sistemas colaborativos, de modo que cada dimensão representa um requisito ou decisão de projeto para a aplicação. São elas: interação, participação, visualização, notificação, coordenação, distribuição e suporte. Outro aspecto importante em sistemas de groupware é a percepção (do inglês awareness). A percepção reflete informação que os membros do grupo possuem sobre o conhecimento das atividades do grupo no passado (saber o que aconteceu), no presente (saber o que está acontecendo) e/ou no futuro (saber o que poderá acontecer) [47]. Entre as principais funções de um sistema de groupware identificadas por [11], estão as funções de suporte à decisão, troca de s e conferência. Esta última pode ocorrer via texto, vídeo ou ambos, e é de suma importância na agilidade conferida a sistemas de groupware, por reduzir o tempo necessário para reunir equipes separadas por grandes distâncias. Nesse contexto se inserem sistemas de videoconferência detalhados na sessão seguinte.

24 SISTEMAS DE VIDEOCONFERÊNCIA Videoconferência é a transmissão em tempo real de áudio e vídeo entre dois ou mais locais separados fisicamente. Não é um conceito novo, pois produtos como o picturephone [7] existem desde a década de Nesse sistema a videoconferência era realizada em salas especiais com equipamento dedicado. Devido ao alto custo destas primeiras soluções, ele foi adotado inicialmente por grandes corporações, devido às vantagens do barateamento dos custos de deslocamento de executivos e agilidade na tomada de decisões [11]. Hoje a videoconferência tem se difundido rapidamente, especialmente a chamada videoconferência pessoal (realizada através de um computador) e as razões para essa disseminação incluem o advento comercial da Internet, a grande potência dos computadores pessoais atuais e a popularização de periféricos multimídia, como câmeras. Além da comunicação pessoal e corporativa, pode-se encontrar a videoconferência presente em uma série de áreas de aplicações, como: Educação à distância, Teletrabalho, Telemedicina e Aplicações Jurídicas. A área de Educação à distância reflete uma modalidade de ensino na qual não há necessariamente interação física entre professor e aluno. Os mesmos podem estar separados pelo tempo (como em cursos por correspondência ou vídeo-aula) ou fisicamente e interagindo online. Neste segundo caso, a videoconferência é primordial para promover a interação entre professor e sala de aula, até mesmo integrando várias salas diferentes, permitindo a criação de grupos virtuais de educação [64] e possibilitando a presença virtual de mais de um professor, aumentando o intercâmbio de conhecimentos [43]. Tanto para pequenas quanto grandes organizações, o simples deslocamento de seus empregados de casa para o escritório dispende uma parte do tempo que poderia ser gasto com o trabalho. Para minimizar esse problema, muitas empresas têm adotado a prática de teletrabalho, onde os empregados dispõem da possibilidade de trabalhar parte do seu tempo em casa. Nesse contexto, a videoconferência aparece de maneira muito natural como suporte à interação trabalhador/empresa, melhorando a comunicação entre trabalhadores que estão em casa e os que estão no escritório, possibilitando ainda apresentações remotas e conferências entre um número arbitrário de pessoas lotadas em diferentes organizações [64].

25 24 Outra área que tem se beneficiado bastante com serviços de videoconferência é a Telemedicina, que compreende a oferta de serviços ligados ao cuidado com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico. A idéia principal é permitir que profissionais da saúde possam ter acesso a seus pacientes mesmo estando em locais distantes. Isso permite, por exemplo, que um especialista auxilie na consulta a um paciente que pode estar até mesmo em outro país. Nesse contexto, a videoconferência médica é uma das práticas de telemedicina mais comuns. Duas iniciativas acadêmicas brasileiras na área de telemedicina que merecem menção são a RUTE [49] e o projeto InfraVIDA [20]. O translado de presidiários até o fórum onde eles devem participar de audiências envolve além do custo do transporte (alguns fóruns podem estar a centenas de quilômetros do presídio), o custo da escolta, que cresce com a periculosidade do prisioneiro, acarretando aumento de gastos e problemas de segurança para os policiais e a população. A videoconferência tem sido encarada pelo sistema judicial como uma tecnologia adequada às suas necessidades de custo e segurança. Recentemente a lei brasileira passou a autorizar a realização de audiências por meio de videoconferência [48]. Nas próximas subseções serão abordados alguns dos principais conceitos de videoconferência, bem como serão introduzidos os dois mais utilizados padrões da indústria atualmente, o H.323 e o Session Initiation Protocol (SIP) [51] Sistemas de Videoconferência com Múltiplos Usuários Uma das formas de classificar videoconferências é quanto ao número de participantes envolvidos. Por participante, entenda-se o número de terminais de rede envolvidos na conferência, não o número de participantes humanos. Pela classificação do ITU-T [33], quanto ao tráfego, videoconferências são classificadas em: Videoconferência ponto-a-ponto; Videoconferência broadcast; Videoconferência multiponto: o Videoconferência multiponto descentralizada; o Videoconferência multiponto centralizada.

26 25 A videoconferência ponto-a-ponto envolve apenas dois participantes, trocando áudio e vídeo mutuamente. Constitui a forma mais simples de videoconferência e é análoga a uma chamada telefônica comum. A videoconferência broadcast denota uma conferência onde há um único transmissor de áudio e vídeo e muitos receptores, não havendo fluxo de controle ou mídia (áudio ou vídeo) bidirecional (Figura 1). Terminal Terminal Terminal Fonte Terminal Terminal Terminal Figura 1 Videoconferência broadcast Videoconferência multiponto envolve vários participantes que enviam e recebem áudio e vídeo ao mesmo tempo. Essa modalidade ainda é subdividida em: Videoconferência multiponto descentralizada [33]: Todos os participantes recebem e enviam áudio e vídeo de e para todos os outros. Idealmente, essa transmissão deveria se dar via multicast. Como na maioria dos casos a videoconferência envolve pontos distantes geograficamente e que obrigam o tráfego a passar por uma série de outras redes sobre as quais os participantes não têm controle, na prática é muito difícil se conseguir muticast em videoconferências que não envolvam redes locais ou pertencentes a uma mesma corporação. O modo mais comum de videoconferência muiltiponto descentralizada é obrigar cada participante a enviar áudio e vídeo para todos os outros de modo unicast. É fácil perceber que esse modelo tem graves problemas de escalabilidade, uma vez que cada novo participante adiciona n 1 novos fluxos multimídia na rede, onde n é o número de participantes após a entrada no novo usuário (Figura 2).

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Gelson Dias Santos, Valter Roesler UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT 3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT Este capítulo irá apresentar as propostas deste trabalho para que aplicações que utilizem CORBA como plataforma de comunicação possam atravessar firewalls/nat.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET VIDEOCONFERÊCIA E INTERNET Jonas Barros Maiara Matsuoka Wilson Carlos e-mail: maiara_sayuri@hotmail.com Redes Remotas de Computadores Prof. Tito Barbosa Redes Convergentes Prof. Esp. Marcelo Guido de Oliveira

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Generalidades sobre Serviços de Comunicação na Internet Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 1 - Sumário

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Este capítulo apresenta trabalhos relacionados ao problema da travessia de firewalls/nat por aplicações CORBA, alguns dos quais tiveram grande influência no desenvolvimento desta

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Visão Geral Desafio Solução Uma implementação SOA (Service Oriented Architecture) bem-sucedida

Leia mais