FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA TECNÓLOGO EM ESTÉTICA E COSMÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA TECNÓLOGO EM ESTÉTICA E COSMÉTICA"

Transcrição

1 FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA TECNÓLOGO EM ESTÉTICA E COSMÉTICA DILMA DE SOUZA DOS NAVEGANTES KÁTIA REGINA LEAL CORRÊA MARIA DO CARMO SILVA DOS SANTOS A IMPORTÂNCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO Belém-PA 2013

2 FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA TECNÓLOGO EM ESTÉTICA E COSMÉTICA DILMA DE SOUZA DOS NAVEGANTES KÁTIA REGINA LEAL CORRÊA MARIA DO CARMO SILVA DOS SANTOS A INPORTÂNCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado as Faculdades Integradas Ipiranga como requisito obrigatório para obtenção de graduação no curso de Tecnólogo em Estética e Cosmética, na tipologia Monografia. Orientador: Profª. Tatiane Almeida de Freitas Lopes Belém-PA 2013

3 DILMA DE SOUZA DOS NAVEGANTES KÁTIA REGINA LEAL CORRÊA MARIA DO CARMO SILVA DOS SANTOS A INFLUÊNCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE LIPOASPIRAÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado as Faculdades Integradas Ipiranga como requisito obrigatório para obtenção de graduação no curso de Tecnólogo em Estética e Cosmética, na tipologia Monografia. Data: / / Dilma de Souza dos Navegantes: Nota Kátia Regina Leal Corrêa: Nota Maria do Carmo Silva dos Santos: Nota Banca Examinadora: Orientadora: Profª. Me Tatiane Almeida de Freitas Avaliador: Avaliador: Belém-PA 2013

4 Eu, Dilma, Dedico a meu marido Sergio Souza, amado, amigo e companheiro de todas as horas. Seu apoio e companheirismo constantes foram fundamentais nesta jornada. Eu, Katia, Dedico a minha mãe Lisete, meu porto seguro e fiel amiga de todas as horas. Quem sempre me deu toda força, apoio e incentivo em todos os sentidos. Eu, Maria do Carmo, Dedico este trabalho a pessoa mais importante da minha vida: minha querida mãe Maria Astrid, aquém amo e reconheço que sem o seu apoio eu não teria chegado até aqui. Obrigada por toda a dedicação e apoio proporcionado, devemos tudo isso a vocês!

5 AGRADECIMENTOS A Deus nosso supremo Criador e Senhor, por estar sempre presente nos iluminando, possibilitando que tudo se cumprisse de acordo com o planejado. A Ele toda a glória sempre! Aos nossos orientadores Prof. Luis Augusto Ruffeil e a Profª. Tatiane Almeida de Freitas, pela seriedade e alto astral com que conduziram o processo apesar das dificuldades. Obrigado pelo conhecimento compartilhado. A Profª. Izabel Corcovil pelo apoio fundamental em meio as dúvidas, que nos serviu de suporte durante esta jornada, ajudando-nos a levar esse trabalho à frente. Obrigada pela atenção dispensada. Aos amigos e colegas de sala, que de alguma forma ajudaram e vivenciaram o andamento desse trabalho, com os quais vivemos momentos especiais durante o curso. Foram três anos formidáveis que serão inesquecíveis! Eu, Dilma, agradeço a toda minha família, em especial a meu marido Sergio e minha irmã Diana, que acreditaram no meu trabalho e me ajudaram no que foi possível. Obrigada pelo apreço, estímulo e apoio em todos os momentos. Eu, Katia, agradeço, especialmente a meu esposo Antônio, a meus filhos Jorge e Kamila, pela paciência e compreensão nos momentos em que estive ausente, e pelo apoio nas dificuldades. Meu muito brigado a todos amigos e familiares que contribuíram direta ou indiretamente para que este sonho se tornasse realidade. Eu, Maria do Carmo, agradeço em especial a minha família, amigos e as minhas abnegadas irmãs em Cristo do Círculo de Oração que nunca deixaram de interceder por mim. Obrigada pelo incentivo, ajuda e orações dedicados. Por fim, agradecemos a todos que direta ou indiretamente colaboraram e por falha nossa não foram mencionados, nosso muito obrigado.

6 Muito mais que uma simples massagem, a drenagem linfática manual é reconhecida cientificamente como uma prática complementar benéfica, sendo muito apreciada no campo estético. Entre as muitas terapias manuais, à drenagem linfática ocupa posição de destaque no mundo todo, justamente pelos benefícios que pode proporcionar à pessoa que se submete a tal procedimento. Ary Elwing e Orlando Sanches

7 RESUMO A Drenagem Linfática Manual (DLM) é uma técnica de massagem que tem por objetivo drenar os líquidos orgânicos excedentes acumulados no interstício, devolvendo o equilíbrio hidrostático do organismo. Este método foi desenvolvido por Emil Vodder e sua esposa Estrid e publicado durante um Congresso em Paris em1936, a partir daí muitas pesquisas foram realizadas comprovando cientificamente sua eficácia, hoje a DLM é reconhecida no mundo inteiro como terapia complementar no tratamento de patologias edematosas. Pode ser utilizada tanto por Fisioterapeutas no tratamento de patologias, como por Esteticistas em tratamentos faciais, corporais e em pré e pós-cirúrgicos de cirurgias plásticas incluindo a Lipoaspiração. A utilização deste método, no pós-operatório de Lipoaspiração possibilita a obtenção de bons resultados, trazendo benefícios tanto estéticos quanto clínicos como a redução do edema. Este trabalho teve como objetivo principal, explicar a importância de se utilizar a Drenagem Linfática Manual no pós-operatório imediato de lipoaspiração, como recurso terapêutico principal ou complementar na prevenção e/ou minimização das intercorrências provenientes de traumas pós-cirúrgicos. Nesse aspecto enfatizamos ainda a importância da atuação conjunta do profissional tecnólogo em estética com o cirurgião plástico para uma evolução satisfatória da cirurgia. Para fundamentar este trabalho utilizamos uma pesquisa bibliográfica de natureza descritiva, tendo como objeto de estudo literaturas diversas, artigos científicos e sites. Com esta pesquisa, constatamos que a DLM, é uma terapia eficiente não apenas para redução de edemas provenientes de pós-cirúrgicos, mas também se mostra muito eficaz no tratamento de várias patologias geradas por distúrbios de Sistema Linfático. Portanto, é uma terapia que não oferece risco algum a quem recebe, desde que seja respeitado suas contra-indicações e que seja aplicada de forma correta. Palavras-chaves: Drenagem Linfática. Sistema Linfático. Lipoaspiração. Pós-operatório de Lipoaspiração.

8 ABSTRACT Manual lymphatic drainage (MLD) is a massage technique that aims to drain the accumulated surpluses in the interstitial fluids, returning the hydrostatic equilibrium of the organism. This method was developed by Emil Vodder and his wife Estrid and published during a Congress in Paris em1936, thereafter many searches were performed scientifically proving its effectiveness, today the DLM is recognized worldwide as a complementary therapy in the treatment of o edematous diseases. Can be used by physiotherapists in the treatment of pathologies, such as Beauticians in facials, body treatments and in pre-and post-surgery of plastic surgery including liposuction. Using this method, post-operative Liposuction makes it possible to obtain good results, bringing benefits to both aesthetic as such as reducing the clinical edema. This work had as main objective, explain the importance of using the Manual lymphatic drainage in the immediate postoperative period of liposuction, as main or complementary therapeutic resource in preventing and/or minimising complications from post-surgical trauma. In this regard, we emphasize the importance of joint actions of the professional technologist in aesthetics with a plastic surgeon for a satisfactory evolution of surgery. In support of this work, we use a bibliographic search of descriptive nature, having as object of study several literatures, scientific articles and websites. With this research, please contact that DLM is an efficient therapy not only for reducing swelling from surgery patients, but also very effective in the treatment of various pathologies generated by Lymphatic System Disorders. Therefore, it is a therapy, which does not risk who receive, provided that it is respected its contraindications and it is applied correctly. Keywords: lymphatic drainage. Lymphatic System. Liposuction. Post-op liposuction.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA REVISÃO DA LITERATURA PELE Camadas da pele Funções da Pele Importância da pele na avaliação estética ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA LINFÁTICO BREVE HITÓRICO SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA LINFÁTICO COMPONENTES PRINCIPAIS DO SISTEMA LINFÁTICO Canais pré-linfáticos Capilares linfáticos Vasos ou coletores linfáticos Gânglios, nódulos linfáticos ou Linfonodo A linfa PRINCIPAIS FUNÇÕES DO SISTEMA LINFÁTICO ALTERAÇÕES NO FUNCIONAMENTO DO SISTEMA LINFÁTICO Edemas Classificação Edemas originados de transtornos circulatórios Edemas originados por falhas linfáticas LIPOASPIRAÇÃO HISTÓRICO DEFINIÇÕES CRITÉRIOS PARA INDICAÇÃO A CIRURGIA INTERCORRÊNCIAS E COMPLICAÇÕS DO PÓS-OPERATÓRIO DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL (DLM) HISTÓRICO DEFINIÇÃO PRINCIPAIS MÉTODOS UTILIZADOS... 37

10 7.3.1 Método Vodder Método Leduc Método Godoy MANOBRAS EFEITOS DA DLM NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO BENEFÍCIOS E DESVANTAGENS CONTRA-INDICAÇÕES PAPEL DO ESTETICISTA NAS INTERCORRENCIAS DE PÓS-LIPOASPIRAÇÃO RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 52

11 10 INTRODUÇÃO Responsável pela drenagem do líquido intersticial, transporte de lipídios e pela produção de anticorpos que facilitam a resposta imune, o Sistema linfático exerce um papel preponderante e indispensável na manutenção da saúde de nosso organismo. Sua fisiologia está diretamente relacionado ao sistema circulatório auxiliando no bom funcionamento deste, a principal diferença entre estes sistemas é a ausência de um órgão bombeador central. No sistema circulatório o coração é o órgão bombeador, já no sistema linfático esta importante função é transferida a válvulas denominadas de Linfângions. Estas válvulas são controladas pelo sistema autônomo e tem por finalidade impedir o refluxo da linfa permitindo assim que esta siga somente em sentido unidirecional. Como já citamos, a drenagem de líquidos é uma das funções do sistema linfático ela ocorre naturalmente pois trata-se de uma função fisiológica do nosso organismo. Contudo, devido a diversos fatores internos ou externos esta função pode ser comprometida e em alguns casos até interrompida, resultando na retenção de líquidos pelo organismo que pode ser de forma localizada ou generalizada. Neste contexto surge a Drenagem Linfática Manual (DLM) que nos últimos anos teve sua importância reconhecida por toda comunidade científica a nível mundial. Criada por Emil Voldder e sua esposa Estrid Voldder em 1936, a DLM é uma técnica que tem como objetivo a estimulação das funções do sistema linfático, ela hoje está sendo uma das principais recomendações médicas nos períodos de pré e pós-operatório de cirurgias plásticas. As intervenções cirúrgicas são cada dia mais frequentes, conquistando mais adeptos em ambos os sexos nos diversos seguimentos sociais. Segundo pesquisa realizada pelo IBOPE no período de , o mercado de cirurgias plásticas no Brasil está em grande desenvolvimento, do o total de cirurgias realizadas por profissionais associados a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) nesse período, 69% das cirurgias realizadas foram estéticas e apenas 31% reparadoras. Ainda segundo a pesquisa 12% corresponde a lipoaspiração isolada e 17% a lipo associada a outras cirurgias, ocupando o segundo lugar do total de procedimento perdendo apenas pra Mamoplastia (IBOPE, 2009). De olho nesse mercado em grande expansão, o presente trabalho, através de uma revisão bibliográfica, de natureza descritiva pretende apresentar a Drenagem Linfática Manual como um importante recurso terapêutico no pós-operatório de lipoaspiração, ressaltando o papel do profissional da estética neste processo.

12 11 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Com a finalidade de reduzir o tempo de repouso, acelerar a recuperação do paciente e o desaparecimento dos edemas gerados pelo trauma cirúrgico, minimizando com isso, os incômodos por ele causados. O presente trabalho teve como objetivo principal, explicar a importância de utilizar a Drenagem Linfática Manual como recurso terapêutico imediato no pós-operatório de lipoaspiração. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Descrever a anatomia e fisiologia o Sistema Linfático. - Explicar as técnicas de Drenagem Linfática Manual mais utilizadas. - Analisar a importância da atuação conjunta do profissional tecnólogo em estética com o cirurgião plástico em todo o processo que envolve a cirurgia.

13 12 3 METODOLOGIA Para o cumprimento do objetivo proposto foi realizado uma Pesquisa Bibliográfica de natureza básica, abordagem qualitativa e objetivo exploratório. Tendo como objeto de estudo livros e artigos científicos gratuitos, que tratassem da temática em questão, publicados no período de 1986 a 2013, além de pesquisa em sites e bibliotecas de instituições públicas e privadas de ensino superior. As palavras-chaves utilizadas para pesquisa foram: Drenagem Linfática, Sistema Linfático, Lipoaspiração, pós-operatório de Lipoaspiração. Os textos que contribuíram para construção deste trabalho foram analisados a fim de obter informações consistentes à respeito da Drenagem Linfática Manual e sua aplicação no pós-operatório imediato de lipoaspiração, ressaltando sua eficácia e o papel do Esteticista na promoção resultados satisfatórios neste processo.

14 13 4 REVISÃO DA LITERATURA 4.1 PELE A Pele é o elemento fundamental na constituição do sistema tegumentar, e no que se refere a procedimentos estéticos trata-se do principal meio de contato do terapeuta com o cliente para da avaliação, uso de equipamentos sendo imprescindível para permeação de ativos cosméticos. Sendo dotada de uma estrutura extremamente complexa é fundamental que o profissional esteticista compreenda a fisiologia e anatomia pele procurando desenvolver ações que promovam o bom desempenho de suas funções. Segundo Thibodeau e Patton (2002), o Sistema Tegumentar compõe-se da pele e seus anexos, que são: glândulas sudoríparas e sebáceas, folículo piloso e unhas. Além disso, estão inseridos na pele, numerosos órgãos dos sentidos, microscópicos e altamente especializados. Pereira et al. (2013) afirmam que a pele consiste em um verdadeiro invólucro que reveste toda superfície do corpo, abrange uma área de 2m 2 que reveste todo o organismo, seu prolongamento é interrompido apenas nos orifícios onde estende-se através da mucosa, sua espessura dependendo da localização pode variar entre 1 a 4 milímetros, representando cerca de 15% do total de peso corporal. O peso da pele em um adulto é de 9 quilos ou mais, o que a torna o maior e mais pesado órgão do corpo humano, sua principal função é proteção e adaptá-lo ao meio ambiente (THIBODEAU e PATTON, 2002). Segundo Montagu (1988), como uma roupagem contínua e flexível a pele envolvenos por completo sendo o mais sensível de nossos órgãos, o primeiro meio de comunicação e um eficiente protetor. De acordo com o autor, a pele, mais especificamente a epiderme, cada vez mais vem sendo confirmada por numerosas pesquisas independentes que tem função imunológica, sendo reconhecido que a estimulação tátil tem efeitos profundos sobre o organismo, tanto campo fisiológicos quanto no comportamental. Portanto, conhecer as características anatômicas e fisiológicas deste importante sistema torna-se extremamente necessário para o sucesso de quase todos procedimentos estéticos, já que a maioria deles exigem um contato direto com a pele, que começa com a avaliação onde é feito a anamnese e segue até a conclusão da terapia proposta. Nos próximos tópicos deste capitulo estaremos conhecendo melhor a estrutura e a fisiologia deste importante órgão do sistema tegumentar, procurando enfatizar sua relação com o sistema linfático, já que boa parte da rede de capilares linfáticos encontram-se na pele.

15 Camadas da pele Sendo um elemento fundamental na constituição do sistema tegumentar a pele ou membrana cutânea é um órgão que apresenta-se em forma de folheto dividido em três camadas distintas de tecidos diferentes denominadas de epiderme, derme e a hipoderme, conforme mostra (Figura 1) a seguir (THIBODEAU e PATTON, 2002). FIGURA 1. Camadas da pele FONTE: Epiderme Sendo a camada mais superficial, permite contato com o meio externo sendo a principal barreira de defesa dos órgãos internos. Com uma espessura de 0,06 a 0,6 mm, constituída de um epitélio multiestratificado composto por células Malpighi (germinativas) e o estrato córneo (PEREIRA et al., 2013). É a camada que pode ser vista e tocada, não possui vasos sanguíneos e apresenta pouca quantidade de terminações nervosas, nela acontece todo processo de renovação celular (ATKINSON, 2000). Derme É a camada intermediária, apresenta-se como uma estrutura resistente e elástica, é constituída por fibras de colágeno, elatina e reticulínicas. Representa a segunda linha de defesa contra traumatismos, contém os anexos cutâneos, glândulas, vasos sanguíneos e linfáticos, nervos e terminações nervosas, tendo como principal função dar sustentação e nutrição à epiderme e seus anexos, além de auxiliar parcialmente na termoregulação (PEREIRA et al., 2013). Com uma espessura de 1 a 4 mm, está subdividida em: derme papilar, mais superficial e fina, e em derme reticular, mais profunda (PALERMO et al., 2012).

16 15 A derme apresenta pequenas projeções, chamadas de papilas, que se estendem até a epiderme, estas possuem terminações nervosas e vasos sanguíneos e linfáticos que garantem o fluxo do sangue e da linfa nas células da camada superior (epiderme) (ATKINSON, 2000). Localizados na pele logo abaixo da epiderme mais precisamente na derme estão os capilares linfáticos iniciais, eles não possuem válvulas e são responsáveis pela drenagem de uma área de 3 a 4 cm de circunferência, chamada de área linfática, nos pés e na mãos essa área cai pra 1,5 a 2 cm de circunferência (TURK e CAHALIN, 2007). Os capilares iniciais são canais vasculares de fundo cego distribuídos por toda pele, epitélios e órgãos, tem por finalidade capitar o excesso de líquido intersticial e proteínas do plasma permitido que entrem no sistema linfático para serem devolvidos a circulação (PRENTICE, 2002). Hipoderme A última e mais profunda camada da pele consiste basicamente de tecido adiposo, septos fibrosos e vasos e nervos de maior volume, com espessura variável dependente do biótipo do indivíduo. Especificamente sua função está relacionada a reserva de nutrientes, conservação da temperatura corporal e proteção mecânica de traumatismo externos (PEREIRA et al., 2013). O tecido adiposo é um tecido conjuntivo frouxo, no qual as células de adipócitos são especializadas no armazenamento de triglicerídeos, sendo encontrado em todos os locais onde se encontra tecido conjuntivo areolar, à medida que que sua quantidade aumenta com o ganho de peso, novos vasos sanguíneos vão sendo formados, por isso uma pessoa obesa tem muito mais vasos sanguíneos que uma pessoa magra, este tipo de situação pode elevar a pressão sanguínea entre os vasos fazendo o coração trabalhar mais (TORTORA e DERRICKSON, 2012). Segundo Bartmann (2010), é na hipoderme que se depositam a maior parte das células adiposas, causando a tão temida gordura localizada, que em algumas regiões como, abaixo da cicatriz umbilical, culotes, interno de coxa e glúteo, são difíceis de eliminar com dietas e exercícios, restando somente as cirurgias plásticas como principal recurso. Como podemos observar a maior parte da rede de capilares que forma o sistema linfático encontra-se na pele, mais precisamente na derme. Por isso, as manobras da drenagem linfática manual devem ser lentas e com suave pressão, obedecendo sempre o sentido da circulação, já que o principal objetivo da terapia é somente estimular a circulação linfática, caso contrário o que ocorrerá é a ativação da circulação sanguínea ésta por sua vez anulará a ação drenante das manobras.

17 Funções da Pele A pele é o maior e mais importante órgão do sistema tegumentar, sua função principal é de proteger os tecido subjacente das invasões por bactéria e agentes químicos nocivos, também desempenha o papel de regulador da temperatura corporal e sintetiza agentes químicos importantes, sendo um sofisticado órgão dos sentidos, que permite ao corpo responder a vários estímulos, como: dor, pressão, tato e mudanças de temperatura (THIBODEAU e PATTON, 2002). Devido à sua estrutura complexa, a pele pode exercer diferentes funções tais como: manutenção da sua própria integridade e do organismo, proteção de agressões e agentes externos, controle da temperatura, barreira, absorção de luz solar, metabolismo de vitamina D. Além disso, consideramos que a aparência, o toque, a maciez, os odores, a coloração e a sensibilidade são funções estética e sensoriais importantes para saúde psicossocial do indivíduo (HARRIS, 2003) Importância da pele para uma avaliação estética Marino e Dambry, (2012), afirmam que o primeiro contato do cliente com o profissional se dá através da pele, sendo o toque manual um instrumento de ação terapêutica de suma importância. De acordo com os autores, a pele é o órgão fundamental para uma avaliação estética, fato que justifica-se quando por meio da apalpação podemos observar a presença de cicatrizes, miogeloses, fibroses e retrações miofásciais. Podem ainda ser observados desiquilíbrios de origem orgânica e as alterações inestéticas mais frequentes relacionadas a pele como: alteração na coloração, textura, temperatura, tônus, hidratação, elasticidade, dor, vascularização entre outros. As alterações citadas podem se causadas por diversos fatores dentre eles temos: maus hábitos alimentares, sedentarismo, vícios e até situações psicicocomportamentais como medo, raiva, stress etc. (MARINO e DAMBRY, 2012). Neste aspecto cabe ao esteticista através de uma boa anamnese identificar uma possível causa para as alterações do tipo inestéticas e dentro de seu campo de atuação propor um protocolo terapêutico que possa solucionar ou minimizar o problema. Caso identifique uma alteração patológica é seu dever orientar o cliente a procurar um médico, já que não cabe ao esteticista tratar alterações de ordem patológica. Nos capítulos seguintes, abordaremos assuntos específicos ao tema proposto, procurando nos ater com mais detalhes as questões anatômicas, fisiológicas e alterações do sistema linfático onde a drenagem linfática manual pode ser utilizada com sucesso, enfatizando sua eficiente aplicabilidade no pós-operatório de Lipoaspiração.

18 17 5 ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA LINFÁTICO 5.1 BREVE HITÓRICO Pesquisas sobre o sistema linfático são relativamente recentes, porém, estudos sobre sua anatomia e fisiologia datam desde a antiguidade. De acordo com, Elwing e Sanches (2010), Hipócrates já falava sobre o sangue branco ; Aristóteles, Herófilos e Erasistrato mencionam em seus escritos certas estruturas anatômicas, que geram um fluido incolor. E Herófilos cita ainda, vasos que chegam em uma espécie de glândulas não definidas. Por muitos séculos a Igreja Católica proibiu as dissecações em cadáveres humanos, até que no século XVII, retomaram-se os estudos daí por diante muitas descobertas foram realizadas (RIBEIRO, SOUZA e MAGALHÃES, 2005). Segundo Garcia (2010), durante o século XVII, foi atribuído a descrição do sistema linfático a Gaspar Asellius, professor de anatomia em Pávia entre 1581 e 1627 que estudou os vasos linfáticos intestinais de um cão. Ainda mesmo século, em 1651, Jean Pecquet descobriu em cadáver humano, a existência do conduto torácico que na porção distal possuía uma espécie de bolsa que denominou de Cisterna de Pecquet ou Quilo. Os primeiros a relacionar todos os descobrimentos surgidos e considerar o sistema linfático vascular como uma unidade funcional, definindo os gânglios linfáticos e a linfa, foram o sueco Olf Rudbech e o dinamarquês Thomas Bartholin (RIBEIRO, SOUZA, MAGALHÃES, 2005). Mas somente por volta de 1652 que Tthomas Bartholin, apresentou um trabalho a Universidade de Leyden (Holanda) em março do mesmo ano, onde informou a existência dos vasos linfáticos, sendo-lhe por isso, atribuído o descobrimento do sistema linfático como um novo sistema circulatório (ELWING e SANCHES, 2010). Os fisioterapeutas Emil Vodder e Leduc, fizeram de suas vidas um constante estudo sobre o sistema linfático, estes entre outros não citados, fizeram descobertas significativas que permitiram grandes avanços nas pesquisas relacionadas a drenagem linfática fisiológica e manual (GARCIA, 2010). Nos últimos anos, o estudo dos vasos sanguíneos, arteriais e venosos (Angiologia), através de técnicas modernas de investigação tem alcançado níveis amplos de conhecimento. Na Medicina, em geral, aborda-se a fisiologia do sistema linfático de maneira simples, ficando pouco conhecido em sua estrutura e funcionamento. Atualmente, com os modernos avanços tecnológicos permitiu-se ampliar e conhecer com mais profundidade este sistema. Estes avanços é de grande importância para comunidade científica, espacialmente

19 18 para profissionais como cirurgiões plásticos, dermatologistas e esteticistas, cujo conhecimento mais detalhado da anatomia e fisiologia deste sistema torna-se fundamental para obter bons resultados em seus tratamentos (RIBEIRO, SOUZA e MAGALHÃES, 2005). Nos tópicos seguintes faremos uma abordagem simplificada da anatomia e fisiologia do sistema circulatório sanguíneo, nos prendendo de forma mais detalhada ao sistema linfático, foco principal da drenagem linfática manual. São sistemas distintos entre si, contudo, estão diretamente ligados sendo impossível entender a circulação linfática sem compreender o que ocorre na circulação sanguínea. 5.2 SISTEMA CIRCULATÓRIO O sistema circulatório sanguíneo está formado por um conjunto de canalização anexado ao coração que impulsiona o sangue por todo o corpo (RIBEIRO, SOUZA, MAGALHÃES, 2005). Este sistema consiste, do coração, que é a bomba muscular responsável por bombear o sangue através de um sistema fechado de artérias, veias e capilares para todo o corpo, afirmam Thibodeau e Patton, (2002) (Figura 2). A B FIGURA 2. Sistema circulatório sanguíneo e linfático. A: circulação sanguínea e linfática completa. B: microcirculação sanguínea e linfática em detalhe. FONTE: A: B: Subdivide-se em sistema arterial, venoso e linfático sendo os dois primeiros responsáveis pelo transporte de nutrientes para os tecidos e pela retirada dos resíduos metabólicos para eliminação. O sistema arterial através do capilar arterial conduz o sangue que sai do coração rico em O 2 e nutrientes para todo o corpo, com a finalidade de oxigenar e

20 19 nutrir os tecidos. O sistema venoso consiste em uma rede de capilar que recebe o sangue dos tecidos e conduz de volta ao coração e pulmão (ELWING e SANCHES, 2010). Nos vertebrados o sangue circula sempre no interior de vasos e tem várias funções, é um sistema vascular fechado onde em seu centro está o coração e em volta estão as veias e as artérias responsáveis pelo transporte do sangue no organismo. O coração realiza dois tipos de circulação, estas são conhecidas como grande e pequena circulação: na grande circulação o sangue sai do coração para os tecidos retornando ao coração, já na pequena o sangue que chega ao coração é enviado ao pulmão para ser oxigenado retornando ao coração para que este o bombeie novamente ao corpo (GARCIA, 2010). É na microcirculação onde tudo acontece, ela é formada por uma rede de capilares arteriais, venosos e linfáticos com cada possuindo uma função específica, ou seja, entrega de nutrientes às células e retirada de resíduos para eliminação (RIBEIRO, SOUZA e MAGALHÃES, 2005). 5.3 SISTEMA LINFÁTICO De acordo com Elwing e Sanches (2010), o Sistema Linfático é uma via acessória de circulação que está diretamente ligada ao Sistema Circulatório Sanguíneo, portanto, sem conhecer a Anatomia e a Fisiologia destes sistemas torna-se praticamente impossível entender a diferença entre o mecanismo de ação da drenagem linfática fisiologia e o da drenagem linfática manual ou mecânica. O Sistema Linfático anatomicamente é formado por: linfa, vias linfáticas (capilares linfáticos, vasos linfáticos, troncos linfáticos, ductos linfáticos) e os órgãos ou tecidos linfoides (tonsilas, linfonodos, baço e timo) (GARCIA, 2010) (Figura 3). FIGURA 3. Descreve a anatomia do Sistema linfático FONTE:

21 20 Os órgãos linfáticos abrigam células fagocíticas e linfócitos, as quais desempenham papel essencial no mecanismo defesa do organismo, os vasos linfáticos tem como função primordial transportar de volta para o sangue o liquido que escapou durante o processo circulatório sanguíneo (MARIEB e HOEHN, 2009). Este líquido, apesar de possuir a mesma composição, dependendo de sua localização recebe nomes distintos, ou seja, quando ainda encontra-se no interstício é chamado de liquido intersticial, depois de ser capitado pelos sistema linfático estando no interior dos vasos é chamado de linfa (APPLEGATE, 2012). Os sistemas circulatório e linfático, apesar de muito semelhantes anatomicamente a ausência de um órgão central bombeador como o coração torna-se a principal diferença entre eles, pois, no sistema circulatório cabe ao coração a responsabilidade de bombear o sangue a todo corpo, já no sistema linfático, a nobre função de bombear a linfa, permitindo que esta retorne novamente a circulação sanguínea cabe aos Linfângions (GUIRRO e GUIRRO 2004). Linfangions são válvulas de contração com mobilidade própria, que permitem a evacuação da linfa de forma ascendente para os ductos linfáticos ou torácico, estas válvulas configuram-se em uma verdadeira unidade motriz no processo fisiológico de drenagem linfática (GUIRRO e GUIRRO 2004). A (Figura 4) ilustra os vários linfangions que formam um capilar linfático. FIGURA 4. Linfângions FONTE: Formando uma rede de vasos que interligam os dois sistemas circulatório e linfático, os capilares sanguíneos são os mais numerosos e os menores do sistema sanguíneo, sendo responsáveis pela função mais específica deste, que é o intercambio dos elementos nutritivos com espaço intersticial e a capitação dos resíduos, mecanismo conhecido como Filtração e Absorção. O ponto onde o capilar arterial se converte em venoso permitindo com isso, o equilíbrio entre os processos de filtração e absorção é chamado de Iso- Ring, Anel Iso ou anel de isolamento (ELWING e SANCHES, 2010).

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA MASSAGEM APLICADA. Drenagem Linfática

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA MASSAGEM APLICADA. Drenagem Linfática Drenagem Linfática Trata-se de uma técnica de Compressão manual dos tecidos, que utiliza pressões intermitentes e tem como objetivo aumentar o fluxo da circulação linfática para tratamento de disfunções

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS

Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS Lin dema? VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA ENTENDA AS OPÇÕES TERAPÊUTICAS É plenamente possível que as mulheres aprendam a gerenciar o linfedema e possam manter uma vida normal com esta sequela do tratamento do câncer

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia de Cabeça e Pescoço 10 horas Sistema Tegumentar Epiderme: suas características,

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Objetivo da Aula Compreender os tipos e funções dos vasos sanguíneos. Adquirir a capacidade de aplicar este conhecimento na prática acadêmica e profissional da Educação

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage.

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. Jaqueline Gomes de Almeida Esteticista facial e corporal formada pelo Senac Santo André e Estudante de fisioterapia pela Fefisa.

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA Tuane Krupek 1 ; Louriane Panucci de Oliveira 1 ; Lilian Rosana dos Santos Moraes 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO

EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO BODY TALK SYSTEM - ENERGY MEDICINE O Body Talk System (BTS) estimula o corpo a curar-se. No mundo moderno, o estresse nosso de cada dia interfere no corpo e compromete a

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE)

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES ALUNO (A): PROFESSOR (A): Rubiana SÉRIE: 9ºano APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) Histologia é a ciência que estuda os tecidos do corpo humano, sua anatomia microscópica e sua

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

Trabalho Online 1-6 2. ENFISEMA EM FUMANTES É PROVOCADA POR UMA ENZIMA

Trabalho Online 1-6 2. ENFISEMA EM FUMANTES É PROVOCADA POR UMA ENZIMA Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A):LEANDRO 2ª SÉRIE TURMA: 210_ 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. Faça uma comparação entre músculo esquelético e músculo liso exemplificando sua

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Gomagem e Esfoliação Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Membrana que recobre toda a superfície corpórea Maior órgão do corpo humano (2m² e 4kg) Resistente e flexível

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL Cássia Vanessa Baseggio 1 Deborah Ariza 2 Naudimar Di Pietro Simões 3 Resumo: Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia é uma

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) A lipoaspiração é um método cirúrgico desenvolvido na Europa, particularmente na Suíça e França a partir de 1977. Foi apresentado pela primeira

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 16: Sistema circulatório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO As funções realizadas pela circulação do sangue são indispensáveis para o equilíbrio de nosso corpo e vitais para

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORES: Ludmila / Márcia DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Orientações gerais: Este trabalho

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

GORDURA LOCALIZADA. Após o tratamento, seja ele cirúrgico ou clínico, consegue-se bons resultados com redução significativa das medidas corporais.

GORDURA LOCALIZADA. Após o tratamento, seja ele cirúrgico ou clínico, consegue-se bons resultados com redução significativa das medidas corporais. ACNE Acne é o resultado da obstrução e inflamação dos poros da pele, que, por razões hormonais e emocionais, de repente, produzem sebo em excesso. Um desequilíbrio na descamação natural da pele leva ao

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Prof. Thais Regina Silva Domingues DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Thais Regina Silva Domingues Enfermeira da Estratégia Saúde da Família Pós-Graduanda

Leia mais

Estudo etiológico dos linfedemas baseado na classificação de Kinmonth, modificada por Cordeiro

Estudo etiológico dos linfedemas baseado na classificação de Kinmonth, modificada por Cordeiro SIMPÓSIO LINFOLOGIA Estudo etiológico dos linfedemas baseado na classificação de Kinmonth, modificada por Cordeiro An ethiological study of lymphedema based upon the Kinmonth classification as modified

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais