EXEMPLO DE ARQUITETURAS REAIS INTEL 8086 AULA 07 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXEMPLO DE ARQUITETURAS REAIS INTEL 8086 AULA 07 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade"

Transcrição

1 EXEMPLO DE ARQUITETURAS REAIS INTEL 8086 AULA 07 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda Null e Julia Labur. 1. Introdução A Intel Corporation tem produzido muitas arquiteturas diferentes, algumas das quais podem ser muito familiares. Contudo, seu primeiro chip popular, o 8086, foi introduzido em 1979 e foi usado no IBM PC. Ele usava dados de 16 bits e funcionava com endereços de 20 bits; portanto, ele podia endereçar um milhão de bytes de memória. A UCP do 8086 era dividida em duas partes: a unidade de execução, que incluía os registradores gerais e a UAL, e a unidade de interface de barramento, que incluía uma fila de instruções, os registradores de segmento e o apontador de instruções. O 8086 tinha quatro registradores de 16 bits de uso geral, denominados de AX (o acumulador principal), BX (o registrador base usado para estender o endereçamento), CX (o registrador contador) e DX (o registrador de dados). Cada um destes registradores era dividido em dois pedaços: a metade mais significativa era designada como metade alta (denotada por AH, BH, CH e DH) e a menos significativa era designada como metade baixa (denotada por AL, BL, CL e DL). Diversas instruções do 8086 requeriam o uso de um registrador específico, mas os registradores podiam também ser usados para outros propósitos. O 8086 também tinha três registradores apontadores: o apontador de pilha (SP stack pointer), usado como um deslocamento para acessar a pilha; o apontador base (BP base pointer), usado para fazer referência a parâmetros inseridos na pilha; e o apontador de instruções (IP instruction pointer), que continha o endereço da próxima instrução. Um programa em linguagem simbólica do 8086 era dividido em diferentes segmentos, blocos especiais ou áreas de memórias que continham tipos específicos de informações. Existia um segmento de código (para conter o programa). Um segmento de dados (para conter os dados do programa) e um segmento de pilha (para conter a pilha do programa). Para acessar essas informações em qualquer um destes segmentos, era necessário especificar o deslocamento deste item a partir do início do segmento correspondente. Portanto, eram necessários apontadores de segmento para armazenar os endereços dos segmentos. Estes registradores incluíam o registrador de segmento de código (CS code segment), o registrador de segmento de dados (DS data segment) e o registrador de segmento de pilha (SS stack segment). Existia também um quarto registrador de segmento, chamado de registrador de segmento extra (ES extra segment), que era usado por algumas operações de string para lidar com endereçamento de memória. Endereços eram especificados usando-se endereçamento com segmento e deslocamento, na forma xxx:yyy, onde xxx era o valor no registrador de segmento e yyy era o deslocamento. Em 1980, a Intel introduziu o 8087, que adicionou instruções em ponto-flutuante ao conjunto de instruções de máquina do 8086, bem como uma pilha mais larga, de 80 bits. Muitos chips novos foram introduzidos usando essencialmente o mesmo ISA (conjunto de instruções da arquitetura) que o 8086, incluindo o 80286, em 1982 (que podia endereçar 16 milhões de bytes), e o 80386, em 1985 (que podia endereçar mais de 4 milhões de bytes de memória). O era um chip de 32 bits, o primeiro da família de chips frequentemente chamados de IA 32 (Intel Architecture, 32 bits). Quando a Intel mudou do de 16 bits para o de 32 bits, os projetistas queriam que estas arquiteturas fossem compatíveis com versões anteriores, o que significaria que programas escritos para um processador mais antigo e menos poderoso poderiam ser executados nos processadores mais novos, mais rápidos. Portanto a Intel manteve a mesma arquitetura básica e o mesmo conjunto de registradores. (Novas características foram adicionadas a cada modelo subsequente, de modo que a compatibilidade com os novos modelos não era garantida.)

2 A convenção de nomes usada para os registradores 80386, que vinha vindo de 16 para 32 bits, devia incluir um prefixo E (que significava extended ) de modo que, em vez de AX, BX, CX e DX, os registradores se tornassem EAX, EBX, ECX e EDX. Esta mesma convenção era usada para todos os outros registradores. Entretanto, o programador poderia ainda acessar os registradores originais, AX, AL e AH, por exemplo, usando os nomes originais. A figura 01 ilustra como isso funcionava usando como exemplo o registrador AX. Figura 01: Registrador AX, desmembrado em partes. O e o eram máquinas de 32 bits com barramentos de dados de 32 bits. O adicionou uma memória cache de alta velocidade, que melhorou significativamente o desempenho. A série Pentium começou com o processador Pentium, que tinha registradores de 32 bits e um barramento de dados de 64 bits e adotava um projeto superescalar. Isto significava uma UCP com várias ULAs que podia despachar mais de uma instrução por ciclo de relógio (i.e., executar instruções em paralelo). O Pentium II adicionou a tecnologia MMX (não foi um grande sucesso) para lidar com multimídia. O Pentium III adicionou um melhor suporte para gráficos 3D (usando instruções em ponto-flutuante). Historicamente, a Intel usou uma abordagem CISC clássica ao longo de suas séries de processadotes. A sétima geração da família de UCPs da Intel intriduziu o processador Intel Pentium IV (também conhecido como Pentium 4). Este processador difere de seus antecessores de muitas maneiras distintas, muitas das quais estão além do escopo deste texto. É suficiente dizer que o processador Pentium IV possui frequências de relógio de 1.4 e 1.7 Ghz, usa não menos que 42 milhões de transistores para a UCP e implementa a microarquitetura NetBurst (microarquitetura é um termo usado para descrever a arquitetura abaixo do conjunto de instruções). O processador Pentium IV também introduziu hyperyhreading (HT). Threads são tarefas que podem executar independentemente uma da outra dentro do contexto do mesmo processo. Uma thread compartilha código e dados com o processo pai, mas possui os seus próprios recursos, incluindo uma pilha e um apontador de instruções. Visto que threads filhas compartilham com seu pai, as threads requerem menos recursos do sistema do que se cada uma fosse um processo separado. Sistemas com mais de um processador levam vantagem no processamento de threads via separação de instruções, de modo que várias threads podem ser executadas em paralelo no microprocessador. Entretanto, o HT da Intel permite que um único processador físico simule dois processadores lógicos (ou virtuais) o sistema operacional na realidade enxerga dois processadores onde existe somente um. O HT faz isso por meio de uma mistura de recursos de chips compartilhados, duplicados e particionados, incluindo registradores, unidades matemáticas, contadores e memória cache.

3 Arquitetura Interna do Microprocessador 8086 O fluxograma mostrado abaixo pode ser subdividido em duas partes, chamado de Unidade de Execução (UE) e Unidade de Interface de Barramento (UIB). Unidade de Execução (UE): A unidade de execução consiste em registradores de 16-bit AX,BX, CX e DX e ponteiros como SP(Stack Pointer), BP (Base Pointer) e finalmente registros de índice como SI (Source Index) e DI (Destination Index). Unidade de Interface de Barramento (UIB): O interfaceamento da UE com o barramento de dados e o barramento de endereços do sistema é feito pela Unidade de Interface de Barramento(UIB). A UIB é composta por 5 registradores de 16 bits e uma estrutura de armazenamento de dados tipo fila. Registradores: Os oitos registradores de uso geral da UE são descritos a seguir: AX: é o chamado ACUMULADOR (o X refere-se a extended ). O AX pode ser dividido em dois registradores de 8 bits: AL e AH, sendo AL formado pelo byte menos significativo (D0 a D7), enquanto AH é constituído pelo byte mais significativo (D8 a D15), podendo cada um deles ser acessado separadamente. BX: assim como o AX, o BX também pode ser dividido em BL e BH. É o chamado registrador

4 de BASE, pois pode ser usado como base de endereçamento para manipulação de tabelas. CX: também pode ser dividido em CL e CH. É chamado registrador de CONTAGEM, pois além de trabalhar com dados também é usado para contagens em instruções com LOOPS na manipulação de strings. DX: pode ser dividido em DL e DH. É chamado de registrador de DADOS, pois ele pode ser usado como uma extensão do AX em operações de multiplicação e divisão. SP: é o STACK POINTER ou ponteiro de pilhas, que aponta para o topo da memória do tipo pilha usada pelo BP: este registrador, que é chamado de BASE POINTER, é usado para endereçamento de memória (geralmente relacionado a pilha, ou seja, é uma registrador de base para a pilha). Pode conter o endereço inicial (base) de uma tabela que será manipulada pela CPU. SI: SOURCE INDEX (registrador de índice que aponta para a origem dos dados que serão movimentados) é usado para indexação de tabelas no endereçamento indireto. DI: DESTINATION INDEX (registrador de índice que aponta para o destino dos dados que serão movimentados). Assim como o SI, o registrador DI é utilizado para a indexação no endereçamento indireto. Registradores de Flags: O registrador de flags contém os seguintes principais bits: ZF (Zero Flag): indica se o resultado de uma operação aritmética é igual a zero (1) ou diferente de zero (0). Se numa operação os valores são iguais o ZF = 1. SF (Sign Flag): indica se o resultado de uma operação com sinal é positivo (0), em caso contrário (1). TF (Trap Flag): permite uma operação passo a passo para debug. IF (Interrupt Flag): indica se as interrupções estão habilitadas (1) ou não (0). DF (Direction Flag): para operações com strings, se D=0 os registradores de índice serão incrementados, caso contrário (D=1) serão decrementados. OF (Overflow Flag): indica um estouro da capacidade de armazenamento de um registrador. Registradores de Segmento: Os endereços dos segmentos são armazenados nos 4 seguintes registradores da UIB: CS (CODE SEGMENT): endereça o segmento onde devem estar as instruções a serem executadas pela CPU. SS (STACK SEGMENT): endereça o segmento que está reservado ao uso da PILHA ou STACK. DS (DATA SEGMENT): como o nome diz, acessa o segmento reservado aos dados manipulados pelo 8088.

5 ES (EXTRA SEGMENT): é usado para acessar outro segmento que conterá dados. Normalmente, é usado para manipulação de tabelas e strings. Instruções Aritméticas: ADD: Realiza a adição de dois dados e armazena o resultado no registrador da esquerda. add al, bl INC: Incrementa em 1 o registrador especificado. SUB: Realiza a subtração de um dado por outro e armazena o resultado no registrador da esquerda. sub al, bl DEC: Decrementa em 1 o registrador especificado. CMP: Faz a comparação entre dois valores. cmp al, 1 cmp ah, [var] cmp al, ah MUL/IMUL: para multiplicações não-sinalizadas utilizamos o comando MUL. Já para multiplicações sinalizadas, o comando usado é o IMUL. Ao contrário da soma, a multiplicação é feita sempre com o registrador AX (multiplicando), que irá possuir o resultado da multiplicação de 16 bits. mul bl mov bl, 3 imul bl DIV/IDIV: Realiza a divisão de valores. Para divisões não-sinalizadas, usamos o comando DIV. Já para multiplicações sinalizadas, o comando usado é o IDIV. div bl OBS.: Nesse caso, AL tem AX/BL e AH tem AX%BL.

6 Instruções Lógicas: AND: Executa a função E bit-a-bit. NOT: É o operando de negação, que executa a operação bit-a-bit. OR: É o operando lógico OU, que executa a operação bit-a-bit. XOR: Operando lógico do OU EXCLUSIVO, também bit-a-bit. Instruções de Controle: JMP: Salto incondicional para outra parte do programa. JE/JZ: Salta para outra parte do programa no caso do primeiro valor ser igual ao segundo. JL/JNGE: Salta caso o primeiro operador seja menor que o segundo (núm. sinalizados). JLE/JNG: Salta caso o primeiro operador seja menor ou igual ao segundo (núm. sinalizados). JB/JNAE: Salta caso o primeiro operador seja menor que o segundo (números não-sinalizados). JBE/JNA: Salta caso o primeiro operador seja menor ou igual ao segundo (núm. nãosinalizados). JO: Salta caso haja estouro de capacidade (overflow). JNE/JNZ: Salta se o primeiro valor for diferente do segundo. JNL/JGE: Salta se o primeiro valor for menor do segundo. JNLE/JG: Salta caso o primeiro seja menor ou igual ao segundo (núm. não-sinalizados). JNB/JAE: Salta se o primeiro valor não for menor que o segundo. JNBE/JA: Salta se o primeiro valor não for menor ou igual ao segundo. JNO: Salta se não houver estouro de capacidade. Instruções de Transferências de Dados: MOV: Move dados para registradores, ou dos registradores para a memória. mov AL, 30, move para AL o valor 30 Diretivas: DB: Definição de Byte (1 byte). DW: Definição de Word (2 bytes). HLT: usado para acabar com a execução (parar o processador).

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados CPU CPU Unidade Central de Processamento Função: leitura, escrita e processamento de dados Constituída por: dispositivos que gerem a entrada (leitura) e saída (escrita) de dados; registos (memórias auxiliares)

Leia mais

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086).

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086). Cap2.1 2. Arquitetura do microprocessador 8086 2.1 A família Intel iapx86 (ou 80X86) Processador Co-proc. Ano de introdução No. de bits No. de transistores Velocidade (MHz) 4004-1971 4 2.205-8008 - 1972

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Linguagem de Montagem e Linguagem de Máquina Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Conceitos básicos Linguagem/código

Leia mais

Arquitetura do 8086/8088

Arquitetura do 8086/8088 Arquitetura do 8086/8088 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Copyright (c) Walter Fetter Lages p.1 Introdução

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.1 CPU: Unidade de Processamento Central Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Unidade de Processamento Central (CPU): Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Aula 10 Processadores de Propósito Geral

Aula 10 Processadores de Propósito Geral Aula 10 Processadores de Propósito Geral Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 O que é um microprocessador? Máquina

Leia mais

Registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores.

Registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores. Esses espaços são parecidos com variáveis de uma linguagem de programação de alto nível, onde se guarda

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 11) Visão Geral do Nível ISA Antes de deixarmos o hardware (1) 8 2 Antes de deixarmos o hardware (2) 3 ISA (Instruction Set Architecture) Arquitetura

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Introdução a programação Assembly Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 5 de novembro de 2009 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/30 Assembly

Leia mais

A arquitectura IA32. A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador.

A arquitectura IA32. A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador. A arquitectura IA32 A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador. Tamanho da palavra Número de registos visíveis Número de operandos Endereçamento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem e Assembly André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem Todo programa para ser executado precisar ser convertido de linguagem fonte (alto nível) para um programa equivalente

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel

Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel Processadores 8086 Registradores: 16 bits 1978 Data bus:

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DE INSTRUÇÕES 1 CARACTERÍSTICAS DE INSTRUÇÕES DE MÁQUINA Quando um programador usa uma linguagem de alto-nível, como C, muito pouco da arquitetura da máquina é visível. O usuário que deseja programar

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções. Ronaldo de Freitas Zampolo

Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções. Ronaldo de Freitas Zampolo Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções Ronaldo de Freitas Zampolo Tópicos Introdução Visão geral do nível ISA Tipos de dados Formatos de instruções Endereçamento Tipos de instruções Fluxo de controle

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução Arquitetura de Computadores Ciclo de Busca e Execução Ciclo de Busca e Execução Início Buscar a próxima instrução Interpretar a instrução Executar a instrução Término Funções realizadas pela UCP Funções

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 11) Visão Geral do Nível ISA 8 Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos:

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

OTermo Assembly significa montagem, ou seja, linguagem

OTermo Assembly significa montagem, ou seja, linguagem Linguagem Assembly Roteiro N o 01 Fundação Universidade Federal de Rondônia, Núcleo de Ciência e Tecnologia, Departamento de Engenharia - DEE Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica - Disciplina de

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino As principais arquiteturas de processadores são: Von Neumann; Harvard. ARQUITETURAS AULA 06 28/10/2015

Leia mais

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de Arquitetura de Computadores Conjuntos de Instruções: modos de endereçamento e formatos Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Endereçamento Normalmente, os campos de endereço são

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Visão Geral 1 2 3 4 5 Introdução A Unidade de Controle O Ciclo de Instrução

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Aula 10

MICROPROCESSADORES. Aula 10 MICROPROCESSADORES Aula 10 Conteúdo 1. O QUE É UM PROCESSADOR? 2. HISTÓRICO 3. COMPONENTES 4. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 5. LINHA DE PROCESSADORES DA INTEL 6. LINHA DE PROCESSADORES DA AMD 7. REFERÊNCIAS

Leia mais

Conjunto de Instruções. Alisson Brito

Conjunto de Instruções. Alisson Brito Conjunto de Instruções Alisson Brito 1 1 O que é o Conjunto de Instruções? Instruction Set Architecture (ISA) Interface entre Programas e CPU A coleção completa de instruções reconhecidas pela CPU Programas

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

Para facilitar o entendimento das rotinas escritas em assembly, apresentadas em aula, estudar as seguintes instruções da linguagem assembly:

Para facilitar o entendimento das rotinas escritas em assembly, apresentadas em aula, estudar as seguintes instruções da linguagem assembly: FATEC-SP - Análise e Desenvolv. De Sistemas - Ambiente Operacional PÁG. 1 Para facilitar o entendimento das rotinas escritas em assembly, apresentadas em aula, estudar as seguintes instruções da linguagem

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Unidade Central de Processamento (CPU) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado nos slides do capítulo

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

A linguagem ASSEMBLY

A linguagem ASSEMBLY A linguagem ASSEMBLY Assembly é uma linguagem de baixo nível, chamada freqüentemente de linguagem de montagem É uma linguagem considerada difícil, principalmente porque o programador precisa conhecer a

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 CPU CPU Funções: Processamento; Controle Componentes: UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 Processador A função de um computador é executar tarefas

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I de Hardware e de Software 19/2/2007 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Introdução Conceituação

Leia mais

Conceitos Básicos Processador

Conceitos Básicos Processador Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Processador Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Organização da CPU Execução das Instruções RISC x CISC Paralelismo

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Alexandre Lucas Chichosz Discente do curso Engenharia da Computação Calwann de Souza Freire Discente do curso Engenharia da Computação Myke Albuquerque Pinto

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 25 Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Rodrigo Hausen 11 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/26 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Alexandre Lucas Chichosz Graduando em Engenharia da Computação, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Calwann de Souza Freire Graduando em Engenharia

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Fundamentos de Hardware e de Software 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Introdução Conceituação de SO Fundamentos de

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa DCC-IM/NCE UFRJ Pós-Graduação em Informática Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho Introdução Gabriel P. Silva Ementa Revisão de Organização de Computadores Hierarquia de Memória Memória Virtual Memória

Leia mais

Instruções. Maicon A. Sartin

Instruções. Maicon A. Sartin Instruções Maicon A. Sartin SUMÁRIO Introdução Instruções Formatos de instruções Conjuntos de instruções Execução de instruções Introdução a Linguagem de Montagem Introdução a Linguagem de Montagem Níveis

Leia mais

Instruções de Máquina

Instruções de Máquina Instruções de Máquina Operação básica (primitiva) que o hardware é capaz de executar diretamente Conjunto de bits que indica ao processador uma operação que ele deve realizar O projeto de um processador

Leia mais

Linguagem de Montagem Assembly

Linguagem de Montagem Assembly Linguagem de Montagem Assembly Especificações O programa em Assembly Fica sobre a camada do Sistema Operacional Efetua chamadas ao Sistema Operacional O montador Chama-se Assembler Traduz a linguagem de

Leia mais

Organização de computadores. Aula 05

Organização de computadores. Aula 05 Organização de computadores Aula 05 2 Níveis de um computador Computadores possuem uma série de níveis Cada um construído sobre seus antecessores Cada um representa uma abstração distinta com diferentes

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções Arquitetura de Computadores Conjunto de Instruções Arquitetura do Conjunto das Instruções ISA (Instruction Set Architecture) Traduz para uma linguagem intermediária (ISA) os vários programas em diversas

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 6: 1 2 3 A necessidade dos programadores escreverem código em linguagem de montagem tem mudado ao longo dos últimos anos: de um programador capaz de escrever

Leia mais

Estrutura do tema ISA do IA-32

Estrutura do tema ISA do IA-32 Análise do Instruction Set Architecture (2) Acesso a operandos no IA-32: sua localização e modos de acesso Estrutura do tema ISA do IA-32 1. Desenvolvimento de programas no IA-32 em Linux 2. Acesso a operandos

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama Arquitetura de Hardware Professor Eduardo Stahnke Arquiteturas Grande diversidade das arquiteturas de computadores Componentes básicos do computador Os Principais

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são:

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são: NEANDERWIN O NeanderWin é um simulador da máquina Neander, definida no livro do Raul F. Weber (UFRGS), Fundamentos de Arquitetura de Computadores, Ed. Sagra Luzzatto. A máquina original foi estendida aqui

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3 sumário 1 bases numéricas 1 1.1 introdução... 2 1.2 representação de números... 3 1.3 transformação entre bases... 4 1.3.1 método polinomial...4 1.3.2 método de subtrações...5 1.3.3 método das divisões...6

Leia mais

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção ARQUITECTURA DE COMPUTADORES O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção Podemos ver um computador de várias formas. Para um utilizador normalmente o computador é a aplicação

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

Organização de Memórias

Organização de Memórias Intel 8051 O Intel 8051 é um microcontrolador de 8 bits que pertence a família MCS-51 da Intel e foi lançado em 1977. É tido como o microcontrolador mais popular do mundo, pois é muito versátil e possui

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR Prof. Filippo Valiante Filho http://prof.valiante.info Estrutura do Computador Computador CPU (Central Processing Unit) Sistema de Armazenamento (Memórias) Sistema

Leia mais

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) UCP: Conceitos Básicos e Componentes FAC 1 / 34

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura de Computadores I Organização Básica do Computador Gabriel P. Silva Ementa Unidade 2: Organização Lógica e Funcional

Leia mais

X Y Z A B C D

X Y Z A B C D 29) A seguinte tabela verdade corresponde a um circuito combinatório de três entradas e quatro saídas. Obtenha a tabela de programação para o circuito em um PAL e faça um diagrama semelhante ao apresentado

Leia mais

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral Processador de uso geral 1. Introdução: Um sistema digital completo é constituído de uma unidade controle e o bloco operacional. Na figura a seguir alguns elementos externos necessários para completar

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador Capítulo 3 Organização Interna de um Computador 3.1 UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO A Unidade Central de Processamento - UCP (em inglês, Central Processing Unity - CPU) é a responsável pelo processamento

Leia mais

Conjunto de Instruções (ISA) I

Conjunto de Instruções (ISA) I Conjunto de Instruções (ISA) I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-10-16 José Costa (DEI/IST) Conjunto de Instruções

Leia mais

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é 1. A pastilha do processador Intel 80486 possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é organizado com mapeamento associativo por conjuntos de quatro

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão Estrutura e Funcionamento da CPU Adriano Maranhão 1 S Relembrando S Compiladores de linguagens ao fazer a conversão da linguagem de alto nível para chegar na fase da linguagem de baixo nível como assembly

Leia mais

x86 arquitetura e instruções básicas

x86 arquitetura e instruções básicas x86 arquitetura e instruções básicas 1 Família x86 Data CPU Palavra Endereço (bits) 1978 8086, 8088 1982 80186, 80188 1985 80386 1989 80486 1993 Pentium, Pentium MMX 1995 Pentium Pro 1997 Pentium II/III,

Leia mais

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

MÓDULO. Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação M 02

MÓDULO. Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação M 02 MÓDULO M 02 Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação OBJETIVOS Compreender o significado dos bits de estado no registrador de flags do 8086/88; Conhecer as representações

Leia mais

Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do Pilha e instruções de Pilha. 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET

Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do Pilha e instruções de Pilha. 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do 8051 2 - Pilha e instruções de Pilha 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET 4 - Interrupção 1 - Modos de Endereçamento do 8051 Os modos de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 11 Conjuntos de instruções: Modos de endereçamento e formatos slide 1 Diagrama do endereçamento imediato Instrução Opcode

Leia mais

William Stallings Organização de computadores digitais. Capítulo 11 Estrutura e função da CPU

William Stallings Organização de computadores digitais. Capítulo 11 Estrutura e função da CPU William Stallings Organização de computadores digitais Capítulo 11 Estrutura e função da CPU Encruzilhada na arquitetura de computadores 2004/2005 Antiga opinião Nova visão a energia é de graça, os transistores

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis são apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação dos computadores.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aula 1 Introdução Arquitetura e Organização 1. Arquitetura

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais