Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções"

Transcrição

1 Arquitetura de Computadores Conjunto de Instruções

2 Arquitetura do Conjunto das Instruções ISA (Instruction Set Architecture) Traduz para uma linguagem intermediária (ISA) os vários programas em diversas linguagens de alto-nível; Hardware executa as instruções do nível ISA. Programa em FORTRAN 90 Programa C Software Hardware Nível ISA Hardware

3 Nível ISA - é a interface entre o software e o hardware Pode-se ter hardware que executa diretamente programas escritos em Alto Nível? Isso não é uma boa idéia. Porque? Metodologia empregada pelos Arquitetos de Sistemas Aceita-se programas em diversas linguagens de Alto Nível Traduz-se a linguagem para uma linguagem intermediária - o nível ISA Constrói-se um hardware, com ou sem microprogramação, que executa instruções do nível ISA

4 O que leva uma ISA ser boa? Deve definir um conjunto de instruções que pode ser implementados com eficiência em tecnologias atuais e futuras, resultando em projetos efetivos em custo por várias gerações. Deve fornecer um alvo dado para o código compilado, ou seja, ela tem de contemplar os projetista de hardware (fácil de implementação com eficiência) e o projetistas de software (fácil de gerar bom código para ela).

5 Visão Geral do Nível O nível ISA define o aspecto da máquina para um programador de linguagem de máquina Para gerar código para o nível ISA o projetista do compilador deve conhecer: o modelo de memória da máquina quais os registradores estão implementados os tipos de dados e de instruções disponíveis

6 Também afetam a performance e deve ser visível ao projetista do compilador: se a máquina é microprogramada ou não se é projetada ou não em pipeline superescalar ou não Para algumas arquiteturas não existe uma documentação formal de especificação Fabricante não quer clones de sua máquina.

7 Para algumas arquiteturas o nível ISA é especificado por um documento formal. permitindo que diferentes implementadores construam máquinas distintas, rodando o mesmo software (chips funcionalmente idênticos com diferenças em preço e performance) O documento formal contém: seções normativas: que impõem requisitos que devem ser atendidos na implementação seções informativas: que ajuda o leitor a entender os requisitos sem entrar na definição formal conjuntos de testes: conjunto de testes específicos para se verificar a implementação em relação a especificação formal

8 O documento com as definições deve informar: O modelo de memória adotado Quantos e quais registradores estão implementados O que cada instrução faz O itens a seguir fornecem mais detalhes sobre esses tópicos

9 Modelos de memória Atualmente as memórias são formadas por grupos de 4 bytes (32 bits) ou de 8 bytes (64 bits) As palavras de 4 ou 8 bytes podem estar alinhadas ou não alinhadas com as fronteiras naturais da memória. O acesso a memórias alinhadas são mais eficientes. Porque? A leitura de 1 endereço arbitrário requer um hardware mais sofisticado e é mais caro Mesmo quando alinhadas, os acessos a memória podem ser não alinhados. manutenção de compatibilidade com arquiteturas antigas (máquinas de 8 ou 16 bits)

10 Fig: Uma palavra de 8 bytes. (a) Alinhada (b) Não Alinhada. Algumas máquinas exigem que as palavras da memória sejam alinhadas.

11 Registradores Memórias rápidas usadas em execução de instruções dentro do processador (objetivo é minimizar os acessos às memórias externas ao processador) Todos os processadores tem um conjunto de registradores visíveis no nível ISA Em geral, os registradores visíveis no nível de microarquitetura, não são visíveis para o nível ISA

12 Registradores Classificação - registros podem ser divididos grosseiramente em 2 categorias Registradores de propósito específicos cumprem funções específicas (ponteiro de pilha ) alguns só são usados pelo processador Registradores de propósito geral usados para armazenar variáveis locais e resultados intermediários

13 Registradores Códigos de condição são modificados a cada ciclo de máquina e indicam o estado do resultado do processamento da ULA. Exemplos: N - Igual a 1 quando o resultado da ULA for negativo. Z - Igual a 1 quando o resultado da ULA for zero. V - Igual a 1 quando o resultado da ULA gerou um overflow. C - Igual a 1 quando o resultado da ULA gerou um Vai-um (carry) para o bit mais à esquerda. A - Igual a 1 quando o bit 3 do resultado da ULA gerou um carry Auxiliar. P - Igual a 1 quando o resultado da ULA apresentar paridade par. Códigos de condição são utilizados por instruções de comparaçãoe desvio condicional.

14 Instruções O conjunto de instruções controlam tudo o que a máquina pode fazer Tipos de instruções típicas: LOAD, STORE - realizam o movimento de dados e instruções entre memória e registradores MOVE - realizam cópia de valores entre registros ADD, SUB, MULT,... - realizam operações aritméticas AND, OR, XOR,... - realizam operações lógicas EQ, NEQ, LEQ,... - realizam operações de comparação GOTO - operação de desvio

15 Tipo de Dados Se existe suporte de hardware para um determinado tipo de dado usuário não pode manipular dado em formato particular diferente do especificado (implementado) Se não existe esse suporte usuário tem maior flexibilidade para trabalhar com tipos diferentes ou próprios

16 Tipos de Dados Numéricos Inteiros Comumente de 8, 16, 32 e 64 bits, com sinal e sem sinal Muitas vezes representados em complemento de 2 Exemplo: Para o caso de 32 bits sem sinal temos 2 32 valores inteiros Exemplo: Para o caso de 32 bits com sinal temos os 2 31 valores inteiros mais o sinal

17 Tipos de Dados Numéricos Ponto Flutuante Comumente de 32, 64 e 128 bits, com sinal e sem sinal Considera-se o sinal, a parte inteira e a parte decimal Podem existir registradores específicos para esses tipos de dados

18 Tipos de Dados não Numéricos Textos ou alfanuméricos Tipicamente usados em processadores de texto, planilhas e banco de dados Códigos mais usados atualmente: ASCII (8 bits) e UNICODE (16bits)

19 Exercícios 1.O que é o nível ISA e qual a sua importância no projeto de um computador de uso geral. 2.Explique as 3 seções que geralmente são colocadas num documento formal de especificação do nível ISA. 3.Cite e explique: (a) uma vantagem e uma desvantagem em se usar modelos de memória alinhados. (b) uma vantagem e uma desvantagem em se usar modelos de memória desalinhados. 4.Qual a importância da especificação dos registradores do computador no nível ISA. Explique a diferença entre registradores de propósito geral e registradores de propósito específico. 5.Qual a diferença ente tipos de dados textos, ou alfanuméricos, codificados em ASCII e UNICODE. Você acha que um tipo pode ser convertido no outro? Explique.

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 11) Visão Geral do Nível ISA 8 Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos:

Leia mais

O Funcionamento do Processador

O Funcionamento do Processador O Funcionamento do Processador Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Os cinco componentes clássicos de um Computador - Controle O

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.1 CPU: Unidade de Processamento Central Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Unidade de Processamento Central (CPU): Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 02: Organização e Arquitetura de Computadores / Lógica Digital (Parte I) O conteúdo deste documento tem por objetivo

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva ARQUITETURA DE COMPUTADORES Professor: Clayton Rodrigues da Siva OBJETIVO DA AULA Objetivo: Conhecer a estrutura da arquitetura da Máquina de Von Neumann. Saber quais as funcionalidades de cada componente

Leia mais

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções...

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10 4 10. CPU (CENTRAL PROCESSOR UNIT) Como vimos no capítulo

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos de informática, de software e de hardware. Introduzir os conceitos relativos à representação

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010 Flávia Rodrigues STC5 _ Redes de Informação e Comunicação Silves, 26 de Abril de 2010 Vantagens e Desvantagens da Tecnologia Acessibilidade, quer a nível pessoal quer a nível profissional; Pode-se processar

Leia mais

http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis!

http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis! http://www.ic.uff.br/~boeres/fac.html! 1 Conteúdos: Debora, Edcarllos, livros! slides disponíveis! Unidade central de Processamento realiza operações básicas codificadas em 0s e 1s instrução contém código

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Tipos de Sistemas Operacionais De Sistemas Embarcados (PalmOS,WinCE,WinXPEmbbeded,Linux) Hardware simples, especifico

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

4 Sistema Computacional:

4 Sistema Computacional: 4 Sistema Computacional: Hardware: são os componentes e dispositivos eletrônicos que operando em conjunto com outros componentes ou mesmo individualmente realizam uma das funções de um sistema de computação.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 3ª. Lista de Exercícios

SISTEMAS OPERACIONAIS. 3ª. Lista de Exercícios SISTEMAS OPERACIONAIS INF09344 - Sistemas Operacionais / INF02780 - Sistemas Operacionais / INF02828 - Sistemas de Programação II Prof a. Roberta Lima Gomes (soufes@gmail.com) 3ª. Lista de Exercícios Data

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Parte I

Introdução à Programação de Computadores Parte I Introdução à Programação de Computadores Parte I Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Compreender os componentes básicos de um programa... Objetivos Bacharelado

Leia mais

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Arquitetura de von Neumann

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Arquitetura de von Neumann Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores Burks, Goldstine e von Neumann (1946): Arquitetura de von Neumann Concluído em 1952 - IAS (Institute for Advanced Studies) Computer Na proposta

Leia mais

Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Outubro 2011 1 / 16

Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Outubro 2011 1 / 16 Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores da FCUP Outubro 2011 Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE PARTICIPANTES Belo Horizonte - 1

Leia mais

Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM. Pipeline. Gabriel P. Silva. Gabriel P. Silva

Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM. Pipeline. Gabriel P. Silva. Gabriel P. Silva Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM Arquitetura de Computadores II Pipeline Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores que permite a sobreposição temporal

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4 Avaliando e Compreendendo o Desempenho Capítulo 4 Desempenho Mensurar, analisar e informar Fazer escolhas inteligentes Por que um hardware é melhor que outro para programas diferentes? Que fatores do desempenho

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Informática DISCIPLINA: Introdução à Organização

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Capítulo 1: Introdução O que é um sistema operacional? Componentes de um sistema operacional O que faz parte

Leia mais

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Departamento Acadêmico de Informática (DAINF) Algoritmos II Professor: Alex Kutzke (alexk@dainf.ct.utfpr.edu.br) Especificação do Primeiro Trabalho Prático

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Processamento de Dados aplicado à Geociências AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Software

Projeto de Desenvolvimento de Software Projeto de Desenvolvimento de Software Introdução a Engenharia de Software (continuação) Msc. Eliezio Soares eliezio.soares@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/elieziosoares Engenharia de Software Definição

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos Fundamentos de Programação Diagrama de blocos Prof. M.Sc.: João Paulo Q. dos Santos E-mail: joao.queiroz@ifrn.edu.br Página: http://docente.ifrn.edu.br/joaoqueiroz/ O processo de desenvolvimento (programação),

Leia mais

Oganização e Arquitetura de Computadores

Oganização e Arquitetura de Computadores Oganização e Arquitetura de Computadores Capítulo 14 e 15 Unidade de Controle Parte I Operação da Unidade de Controle 1 Micro-Operações Um computador executa um programa Ciclo: Busca/Executa Cada ciclo

Leia mais

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Capítulo 5 Nível ISA Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Compatibilidade com os níveis ISA anteriores!! => Pressão

Leia mais

Do alto-nível ao assembly

Do alto-nível ao assembly Do alto-nível ao assembly Compiladores Cristina C. Vieira 1 Viagem Como são implementadas as estruturas computacionais em assembly? Revisão dos conceitos relacionados com a programação em assembly para

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I AULA 09 Estruturas de Interconexão (Barramentos) II Existem algumas questões relacionadas ao desempenho do sistema e os barramentos que merecem ser destacadas. 1. a quantidade de dispositivos conectados

Leia mais

Data Path / Control Path Controle do MIPS

Data Path / Control Path Controle do MIPS Organização e Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Uniciclo A unidade de controle deve, a partir do código da instrução, fornecer os sinais que realizam as instruções na unidade operativa. Sequência

Leia mais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Sistemas Computacionais e Hardware Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Sistema Computacional O Computador e seus componentes Hardware 2 Unidade de entrada Unidade de saída Unidade de Processamento

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS CAPÍTULO 2 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Código BCD; Comparação entre BCD e Binário; Circuitos Digitais para BCD; Código Gray; Código ASCII; Detecção de erros pelo método de Paridade O que é um Código?

Leia mais

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1

Capítulo 6. Projeto de arquitetura. 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1. slide 1 Capítulo 6 Projeto de arquitetura slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Os tópicos abordados Decisões de projeto de arquitetura Visões de arquitetura Padrões de arquitetura

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

Figura 1 - Somador para dois números de 4 bits com extensores lógicos (EL) e Aritméticos(EA).

Figura 1 - Somador para dois números de 4 bits com extensores lógicos (EL) e Aritméticos(EA). Projeto de uma Unidade Lógico-Aritmética (ULA) Uma unidade lógico-aritmética (ULA) é responsável pelas operações lógicas e aritméticas básicas num processador. As operações aritméticas tipicamente realizadas

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

O Processador: Via de Dados e Controle

O Processador: Via de Dados e Controle O Processador: Via de Dados e Controle Ch5A Via de Dados e Controle Implementação da arquitetura MIPS Visão simplificada de uma arquitetura monociclo Instruções de memória: lw, sw Instruções lógicas aritméticas:

Leia mais

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto:

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto: Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 8 pontos de entrada digital +24 Vdc isolada e monitorada, é indicado para aplicações onde a situação de linha rompida necessita ser detectada

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

Banco de Dados. Modelo Entidade - Relacionamento. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Modelo Entidade - Relacionamento. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Modelo Entidade - Relacionamento João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Introdução O Modelo Entidade-Relacionamento (MER) é um modelo de dados de alto-nível

Leia mais

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA ACADÊMICA DE GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Construção

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Evolução e Desempenho dos Computadores Slide 1 Conceitos Arquitetura do Computador Refere-se aos atributos que são visíveis para o programador. Ex: conjunto

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann. Computador ISA

Arquitetura de Von Neumann. Computador ISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Arquitetura de Von Neumann Computador ISA Professor: André Luís Kirsten, Me. Eng. Revisão Um computador

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Sistemas Numéricos. Tiago Alves de Oliveira

Sistemas Numéricos. Tiago Alves de Oliveira Sistemas Numéricos Tiago Alves de Oliveira Sumário Sistemas Numéricos Binário Octal Hexadecimal Operações aritméticas binária e hexadecimal Operações lógicas binárias e decimais Representação Interna de

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Conceitos envolvidos: a) Memória de Dados (interna e externa) b) Memória de Programa (interna e externa) c) Operações aritméticas e lógicas d) Portas e) Endereçamento a Bit f) Contadores e Temporizadores

Leia mais

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Sistemas Digitais II Interface com o mundo analógico Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Objetivos Compreender a teoria de funcionamento e as limitações dos circuitos de diversos tipos de conversores

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA 1 COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA Os comandos de entrada e saída, na sua forma mais simplificada, possuem a seguinte estrutura:

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Use o para alterar as configurações da impressora que afetam os trabalhos enviados à impressora por uma porta serial (Serial Padrão ou Opção Serial ). Selecione um item de menu para obter mais detalhes:

Leia mais

Como Elaborar uma Proposta de Projeto

Como Elaborar uma Proposta de Projeto Como Elaborar uma Proposta de Projeto Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro tiago@iceb.ufoop.br TerraLAB Laboratório INPE/UFOP para Modelagem e Simulação dos Sistemas Terrestres Departamento de Computação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 8

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 8 ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 8 Índice 1. Modelagem de Dados - Continuação...3 1.1. Modelo Entidade-Relacionamento (MER) - II... 3 1.1.1. Entidades fortes e entidades fracas... 3 1.2. Dicionário

Leia mais

Análise de Requisitos

Análise de Requisitos Análise de Requisitos Análise de Requisitos O tratamento da informação é um requisito que fundamenta o processo de desenvolvimento de software antes da solução de tecnologia a ser aplicada. Cada projeto

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Programação para Internet I 4. XML. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet I 4. XML. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet I 4. XML Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Standard do W3C (www.w3c.org) Formato de ficheiros de texto derivado de SGML (Standard Generalized Markup Language)

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

APÊNDICE A Resumo Teórico

APÊNDICE A Resumo Teórico EPUSP - PS 35/355 - LABOATÓIO DIGITAL APÊNDIE A esumo Teórico E.T.M. e..s./5 (revisão). ONTADOES E EGISTADOES ontadores são circuitos seqüenciais que têm por principal objetivo armazenar o número de eventos

Leia mais

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma Controlador de DMA Gustavo G. Parma Controlador de DMA Transferência de um dado de um dispositivo I/O para a memória Iniciada pela CPU Transferência efetuada e terminada pelo controlador de DMA CPU pode

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória Ivan Saraiva Silva Hierarquia de Memória A Organização de Memória em um computador é feita de forma hierárquica Registradores, Cache Memória

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline -- Conflito de dados paradas e adiantamentos -- Conflito de controle detecção de desvios e descarte de instruções -- Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno

Leia mais

Plano de Projeto. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Plano de Projeto. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Plano de Projeto Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Modelos Empíricos Modelos de Estimativas de Custo e Esforço. Modelos Empíricos: Usam formulas empíricas para predizer esforço em

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa. Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em. Automação Industrial

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa. Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em. Automação Industrial UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Jhonathan Junio de Souza Tipos de códigos Binários Trabalho apresentado

Leia mais

Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos

Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos Cadeia Alimentar Figura Original Regra: Peixes maiores comem peixes menores Tubarões e Comidas O que é um tubarão? sistema de computação PC Mainframe comer: seguindo

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

Depois do estudo deste capítulo, o estudante deve ser capaz de:

Depois do estudo deste capítulo, o estudante deve ser capaz de: 1 Introdução 1.1 Objetivos: Depois do estudo deste capítulo, o estudante deve ser capaz de: Definir o modelo de Turing de um computador; Definir o modelo de von Neumann do computador; Descreve os três

Leia mais

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2)

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Professor: José Ronaldo Leles Júnior Turma: 2º ano do curso de Sistemas de Informação UEG Universidade Estadual de Goiás Campus Posse POO Paradigma Orientado

Leia mais

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA O Sistema Caça-Talentos tem o objetivo de aprimorar o negócio e fornecer um controle informatizado dos processos de captação dos alunos. Ele possui

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Princípios e Conceitos de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro

Princípios e Conceitos de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro Princípios e Conceitos de Desenho de Software Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro Revisando... Processo Unificado PRAXIS Processo unificado: Dividido em fases e fluxos Fases Concepção,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos

Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos Prática 5 Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa Circuito Decodificador BCD para Display de Sete Segmentos Um dos métodos mais simples para apresentação de dígitos alfanuméricos, em circuitos digitais, é

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

5838 Maquinação Introdução ao CNC

5838 Maquinação Introdução ao CNC 5838 Maquinação Introdução ao CNC Formador: Hélder Nunes 13 Valores Formanda: Ana Pernas Índice Introdução... 3 Enquadramento... 4 Vantagens vs Desvantagens do CNC... 5 Características de um sistema CNC...

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 SOFTWARE DE CONTROLE DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ Alex Daniel CASTANHA ¹; Bruno FERREIRA ² ¹ Estudante do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Os salários de 15 áreas de TI nas cinco regiões do Brasil

Os salários de 15 áreas de TI nas cinco regiões do Brasil Os salários de 15 áreas de TI nas cinco regiões do Brasil Entre 2011 e 2012, os salários na área de tecnologia da informação (TI) cresceram em média 10,78% um número animador, que pode motivar jovens estudantes

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Mídias Discretas. Introdução à Ciência da Informação

Mídias Discretas. Introdução à Ciência da Informação Mídias Discretas Introdução à Ciência da Informação Mídias Discretas Mídias discretas (estáticas) Texto Gráficos e Imagens Estáticas Caracteres são convertidos para uma representação com um número fixo

Leia mais

GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3)

GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3) 1 GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL GERENCIAMENTO ESTATÍSTICO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS (tópicos da aula 3) ANÁLISE DO PROCESSO Só é possivel monitorar um processo após conhecê-lo bem.

Leia mais

Manual Recálculo de Custo Médio

Manual Recálculo de Custo Médio Manual Recálculo de Custo DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila M G Gechele Doc. Vrs. 01 Revisores: Aprovado em: Setembro de 2013. Nota de copyright Copyright 2013 Teorema Informática, Guarapuava. Todos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Vinícius Pádua

BANCO DE DADOS. Vinícius Pádua BANCO DE DADOS O que é Banco de Dados? Introdução Para que serve um arquivo? Salvar, atualizar, recuperar,... Aplicativos e Arquivos Utilizam para salvar os dados mesmo após o programa fechar Estrutura

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-1 Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Marcelo Rubinstein Transparências do curso

Leia mais

Princípios de Engenharia de Software. Aula 6 Projeto de Software

Princípios de Engenharia de Software. Aula 6 Projeto de Software Princípios de Engenharia de Software Aula 6 Projeto de Software Projeto de Software Um projeto de software é uma descrição de estrutura de software a ser implementada, dos dados que são parte do sistema,

Leia mais