INSTITUTO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO JORNADA PAULISTA DE DIREITO COMERCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO JORNADA PAULISTA DE DIREITO COMERCIAL"

Transcrição

1 INSTITUTO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO JORNADA PAULISTA DE DIREITO COMERCIAL GRUPO I Empresa e estabelecimento Presidente: Rodrigo Castro Relatores: Luiz Antonio Alves de Souza Walfrido Jorge Warde Jr.

2 Proposta de Enunciado 1.01 Proponente: Prof. Dr. Newton Silveira Enunciado: O artigo 68, 3º, da Lei de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre o conceito de locais de frequência coletiva, deve ser interpretado com a seguinte observação ao seu final exceto quando tais locais estejam interditados ao público em geral para uso ou evento privado. Justificação: O ECAD Escritório Central de Arrecadação e Distribuição de Direitos Autorais vem insistindo na cobrança de direitos autorais pela execução de músicas em festas de casamentos. Para justificar essa cobrança, o ECAD se utiliza do disposto no artigo 68, da Lei 9.610/98, segundo o qual sem prévia e expressa autorização do autor e titular, não poderão ser utilizadas obras teatrais, composições musicais ou lítero-musicais e fonogramas em representações e execuções públicas. O que aqui interessa é saber o que dispõem os 2º e 3º, do art. 68 da Lei 9.610/98, que define o conceito de execução pública e apresenta rol exemplificativo dos locais de frequência coletiva. Nos termos da lei, considera-se execução pública a utilização de composições musicais, mediante a participação de artistas, remunerados ou não, ou a utilização de fonogramas e obras audiovisuais, em locais de frequência coletiva. O rol que enumera os locais de frequência coletiva, por sua vez, não é taxativo, mas exemplificativo e pouco explicativo, e por essa razão dá azo a inúmeras interpretações subjetivas, entre elas o fato de se entender que o espaço de eventos onde é realizada festa de casamento é local de frequência coletiva. De acordo com Walter Morais, in Artistas e Intérpretes e Executantes, a execução pública não é a ocorrida em lugar público necessariamente, pois o artista pode executar para o público a partir de um ambiente privado[...]; pode, por outro lado, atuar em lugar público uma execução não pública, como a pessoa que canta ou declama num parque ou numa

3 praia para um círculo privado. Tampouco se trata de um critério numérico ou quantitativo; pública não é necessariamente a execução dirigida a uma multidão de pessoas, porque o artista que interpreta para uma multidão de convivas não realiza com isso uma execução pública. Por essas razões, a importância de se entender o 3º com a observância exceto quando tais locais estejam interditados ao público em geral para uso ou evento privado. Indicação de Jugados da Justiça Paulista: EMENTA: DIREITOS AUTORAIS. Festa de casamento realizada em salão alugado no clube local, com música operada por DJ. Aplicação do art 46, VI, da Lei 9610/98. Hipótese de isenção. Recesso familiar, independentemente da grandiosidade da festa ou do local do evento. Restrição a participação. Ausência de finalidade lucrativa, ainda que indireta. Sentença mantida (Apelação nº /2, Relator o Desembargador TEIXEIRA LEITE, j. em 14/5/2009, por maioria de votos); EMENTA: ECAD Festa de casamento em bufê de luxo, restrita a convidados Alegação, aceita pela sentença, de que se trataria de simples prolongamento da residência de quem contratou os serviços, assim não sendo devidos direitos autorais pela reprodução de obras musicais Descabimento, pelas razões constantes do corpo do voto. Apelo provido, para julgar improcedente a ação. (Apelação nº Relator Des. Luiz Ambra. 8ª. Câmara de Direito Privado do TJ/SP. Nº de registro do acórdão Julgado em v.u.) EMENTA: COBRANÇA. DIREITOS AUTORAIS. ECAD. ESPAÇO DISPONIBILIZADO PARA LOCAÇÃO PELA RÉ, PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS COMEMORATIVOS. CASAMENTOS, FESTAS DE ANIVERSÁRIO, ETC. EVENTOS PRIVADOS, SEM ACESSO AO PÚBLICO GERAL OU VENDA DE INGRESSOS. EXTENSÃO DO LAR. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA MANTIDA. APELAÇÃO NÃO PROVIDA. 1. Ação de cobrança de direitos autorais movida pelo ECAD. Sentença de improcedência. Manutenção. 2. Hipótese em que todos os contratos apresentados pela ré demonstram que ela apenas disponibiliza à locação um espaço (tipo chácara) para realização de eventos, sendo que a utilização de aparelhagem de som, buffet, filmagens, etc., fica a cargo exclusivo dos locatários, porquanto não disponibilizados pela ré/apelada. 3. Caso que não se confunde com aqueles envolvendo hoteis, academias, bares, etc., que utilizam a reprodução de obras musicais como incremento dos serviços prestados, para atrair clientes e aumentar a aferição de lucro, ou de casas de shows, buffets, salões, etc., que disponibilizam ou reproduzem diretamente obras musicais como parte dos serviços prestados. 4. Realização de eventos privados (como casamentos, aniversários e confraternização de empresas, etc.), sem acesso ao público geral ou venda de ingressos. Mera circunstância de terem sido realizados em um imóvel locado que não altera sua natureza jurídica privada. Extensão do lar. Precedentes. 5. Autor/apelante que não se incumbiu do ônus de comprovar que os eventos realizados pelos locatários tenham ultrapassado esse limite de eventos privados. Art. 333, II, CPC.

4 6. Apelação do autor não provida. (Apelação nº Relator Des. Alexandre Lazzarinni. 6ª. Câmara de Direito Privado do TJ/SP. Julgado em Votação Unânime. Acórdão registrado sob nº ) EMENTA: PRELIMINARES - Ilegitimidade ad causam - Legitimidade ativa e passiva - Partes guardam pertinência subjetiva com o débito objeto da ação - Preliminares rejeitadas. DIREITOS AUTORAIS - Ação declaratória de inexigibilidade de débito relativo a direitos autorais - Obras musicais reproduzidas em festa de casamento da apelada - Sonorização em evento de natureza íntima - Ausência de execução pública e de finalidade lucrativa (art. 46, VI, da Lei nº 9.610/98) - Litigância de má-fé não caracterizada - Sentença que reconheceu a inexigibilidade de pagamento por violação aos direitos autorais mantida - Recurso desprovido. (Apelação nº ª. Câmara de Direito Privado do TJ/SP. Relator Des. Mendes Pereira. Julgado em 07/11/2012. Votação unânime. Acórdão registrado sob nº ).

5 Proposta de Enunciado 1.02 Proponente: Comissão Científica Enunciado: A Junta Comercial não pode examinar o mérito do documento apresentado para arquivamento, mas exclusivamente o atendimento às formalidades legais. Justificativa: a competência da Junta Comercial (Lei n /94) não compreende a aferição do mérito dos documentos apresentados para arquivamento, mas apenas o exame do cumprimento das formalidades legais.

6 Proposta de Enunciado 1.03 Proponente: Comissão Científica Enunciado: O desarquivamento de documento registrado na Junta Comercial depende de ordem judicial. Justificativa: uma vez arquivado o documento pela Junta Comercial não dispõe esta de competência para, de ofício ou a pedido do interessado, proceder ao seu desarquivamento ou cancelamento do ato de registro. Eventuais vícios só poderão ser apreciados pelo Poder Judiciário e não pela própria autoridade administrativa, tendo em vista a natureza registraria do ato praticado e os efeitos produzidos.

7 Proposta de Enunciado 1.04 Proponente: Paulo Brancher Enunciado: Provedor de Serviços de Internet não pode ser responsabilizado por conteúdo de terceiros hospedado em seus servidores. Responsabilidade deve ser buscada do autor direto do dano. Justificação: A massificação do acesso à Internet e a existência de tecnologias que permitam que o usuário gere conteúdo publicável e acessível indistintamente, resultou em número relevante de demandas judiciais em todo o território nacional. O provedor de serviços de internet (assim definido de modo genérico) é a entidade que armazena o conteúdo gerado por seus usuários, de modo que tem papel fundamental na identificação de autoria de eventual ilícito. No entanto, há que se delimitar a responsabilidade do provedor, no sentido de que este não pode ser considerado como co-autor do ato ilícito, meramente por armazenar referido conteúdo. Sabe-se ser impossível o controle sobre a legalidade de todo o conteúdo gerado e armazenado nos servidores do provedor de acesso. Ele serve apenas de meio. Ademais, não pode o provedor de acesso ser censor do direito de livre manifestação. Os julgamentos abaixo, todos do Tribunal de Justiça de São Paulo, demonstram a sensibilidade dos Desembargadores a respeito do tema, confirmando que a responsabilidade deve ser buscada diretamente do autor do dano. Indicação de julgados dso Tribunal de Justiça de São Paulo que sirvam de referência à discussão da proposta de enunciado Apelação Relator(a): João Pazine Neto Comarca: São Paulo Órgão julgador: 3ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 27/08/2013 Data de registro: 28/08/2013 Outros números: Ementa: Apelação. Ação de Indenização por danos. Preliminares afastadas. Ré que é responsável pela mera hospedagem de s pessoais de usuários, sem que se possa a ela atribuir a obrigação de fiscalizar as mensagens encaminhadas. Responsabilidade que deve ser buscada do autor direto do dano. Sentença reformada. Preliminares rejeitadas. Recurso provido Apelação Relator(a): Alexandre Lazzarini Comarca: Araras Órgão julgador: 6ª Câmara de Direito Privado

8 Data do julgamento: 06/06/2013 Data de registro: 10/06/2013 Outros números: Ementa: AÇÃO INDENIZATÓRIA. INTERNET. PÁGINA DIFAMATÓRIA NO "ORKUT". DANOS MORAIS. AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE DO PROVEDOR DE SERVIÇOS. IMPOSSIBILIDADE DE CONDENAÇÃO DA RÉ NA DIVULGAÇÃO DE IP. DECURSO DO PRAZO PRESCRICIONAL PARA O AJUIZAMENTO DE AÇÃO CONTRA O VERDADEIRO CAUSADOR DO DANO. APELAÇÃO DO AUTOR NÃO PROVIDA E APELAÇÃO DA RÉ PROVIDA. 1. Ação indenizatória movida em face de provedor de conteúdo, em razão da criação de página difamatória no "Orkut". 2. Sentença de parcial procedência, apenas para condenar a ré a fornecer dados de "IP" ("Internet Protocol") e informar quanto tempo a página ficou no ar, sob pena de multa diária. Recursos de ambas as partes. 3. Inexistência de responsabilidade civil do provedor pelos danos morais. Ausência de dever de controle prévio acerca das informações divulgadas pelos usuários dos serviços. Precedentes. 4. Sentença que comporta reparo para afastar a condenação da ré em fornecer os dados de IP do usuário, ante o longo tempo decorrido desde a data da ciência quanto à referida página (agosto/2009), bem como em informar quanto tempo a página ficou disponível, eis que, pelas alegações das partes, ocorreu logo depois. 5. Decurso do prazo prescricional de 3 anos estabelecido para o ajuizamento da ação indenizatória contra o verdadeiro causador do dano (art º, V, CC). 6. Apelação do autor não provida e apelação da ré provida Apelação Relator(a): Giffoni Ferreira Comarca: São Paulo Órgão julgador: 2ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 04/06/2013 Data de registro: 06/06/2013 Outros números: Ementa: Dano moral. Ação de Indenização. Suposta ofensa na internet em página pessoal criada por terceiro e hospedada pela ré. A GOOGLE é mera recipiendária de informes, sem responsabilidade por seu conteúdo. Recurso da ré provido. Sentença reformada Apelação Relator(a): James Siano Comarca: Santo André Órgão julgador: 5ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 22/05/2013 Data de registro: 22/05/2013 Outros números: Ementa: AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER C.C. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. Comunidade com fotografia da autora criada com o intuito de difamá-la (Orkut). Sentença de improcedência, com antecipação de tutela determinando à ré a retirar a comunidade do ar e identificar seu autor. Data da Distribuição: 23/08/2007; Valor da causa: R$ ,00. Apela a autora sustentando que foi concedida tutela para a exclusão de imagens e referências indevidas à sua pessoa do site de relacionamento Orkut; a sentença é citra petita; insiste no dano moral e na responsabilidade objetiva da ré. Cabimento parcial. A disponibilização de perfil não autorizado da autora gera responsabilidade civil ao provedor, quando este toma

9 conhecimento do fato e persiste no comportamento de mantê-las. Não há demonstração de que a autora tenha comunicado o fato ao réu e pedido providências. Responsabilidade do provedor de hospedagem não caracterizada. Pedido procedente com relação à obrigação de fazer, para excluir seu perfil. Recurso provido para julgar parcialmente procedente a ação Apelação Relator(a): Giffoni Ferreira Comarca: São Paulo Órgão julgador: 2ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 05/03/2013 Data de registro: 09/03/2013 Outros números: Ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL. Indenização por dano moral. Ofensas pela Internet. Ação visando responsabilizar o provedor. Descabimento, visto se tratar de mero hospedeiro, sem controle prévio do conteúdo das páginas. Recurso improvido Embargos Infringentes Relator(a): Salles Rossi Comarca: São Paulo Órgão julgador: 8ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 06/02/2013 Data de registro: 08/02/2013 Outros números: Ementa: VOTO DO RELATOR EMENTA EMBARGOS INFRINGENTES - INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS Internet Danos que, segundo a autora, decorrem de manifestação proferida por terceiro em site mantido pela ré (intitulado blogger) Improcedência decretada pela r. sentença (reformada pela maioria) Ausência, no entanto, de ato ilícito imputável ao provedor/hospedeiro do site (que não pode responder pelo teor de reclamações proferidas por terceiros) - Requerida que apenas permite o acesso dos usuários mediante a ferramenta de busca que disponibiliza na rede, não podendo ser responsável pelo conteúdo das notícias (reclamações) ali veiculadas Precedentes Se tal não bastasse, o teor da matéria/reclamação não reúne o condão de ensejar dano moral indenizável - Improcedência mantida Embargos infringentes acolhidos Apelação Relator(a): Neves Amorim Comarca: São Paulo Órgão julgador: 2ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 18/12/2012 Data de registro: 18/01/2013 Outros números: Ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL CERCEAMENTO DE DEFESA NÃO OCORRÊNCIA. DANOS MORAIS INEXISTÊNCIA DO DEVER DE CONTROLE PRÉVIO DE CONTEÚDO INDENIZAÇÃO EMPRESA RÉ APENAS OFERECE ESPAÇO NA INTERNET AUSÊNCIA DE RESPONSABILIDADE DO PROVEDOR DE SERVIÇOS PELAS INFORMAÇÕES DIVULGADAS, MORMENTE SENDO POSSÍVEL A IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO CONTEÚDO SENTENÇA MANTIDA. PRELIMINAR REJEITADA. RECURSO IMPROVIDO.

10 Embargos Infringentes Relator(a): Gilberto de Souza Moreira Comarca: Cubatão Órgão julgador: 7ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 28/11/2012 Data de registro: 20/12/2012 Outros números: Ementa: EMBARGOS INFRINGENTES AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS Identificação do responsável pelas mensagens ofensivas no curso do processo, mediante imediato acatamento de ordem judicial para tal finalidade. Desnecessidade de prévia fiscalização do conteúdo das informações disponibilizadas no Orkut. Iterativa jurisprudência. Reparação que deverá ser perseguida contra o causador do dano. EMBARGOS INFRINGENTES REJEITADOS Apelação Relator(a): Caetano Lagrasta Comarca: Osasco Órgão julgador: 8ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 28/11/2012 Data de registro: 06/12/2012 Outros números: Ementa: Responsabilidade civil. Ofensas proferidas em site da internet. Responsabilidade do autor das ofensas e do provedor que não tomou providências após a devida notificação. Valor da indenização majorado. Julgamento do apelo. Agravo de instrumento prejudicado. Recurso da requerida não provido e provido o da autora Apelação Relator(a): Fábio Podestá Comarca: São Paulo Órgão julgador: 5ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 08/05/2013 Data de registro: 12/08/2013 Outros números: Ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL NA INTERNET - AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER - Ilegitimidade passiva da ré afastada - Autor que pleiteia a exclusão de endereços eletrônicos que contêm informações inverídicas e ofensivas associadas ao seu nome no site de busca da ré - Páginas de sites diversos e também da rede de relacionamento "Orkut" - Ré que é parte legítima para figurar no pólo passivo da demanda - Extinção afastada - Aplicação do art. SIS, parágrafo 3, do CPC. Autor alega responsabilidade da ré como "controlador negligente" - Ré que é mera provedora de pesquisa, não é responsável pelo conteúdo das informações veiculadas pêlos sites vinculados à Revista Época, Isto É, Terra, Planalto, etc. -Google Search apenas divulga os resultados das pesquisas, não filtra o conteúdo, tampouco armazena nos seus servidores, apenas facilita o acesso - Precedente do STJ. Páginas de relacionamento do "Orkut" - Responsabilidade da ré como provedora de hospedagem de conteúdo - Dever de retirada de texto ou mensagem quando da ciência do conteúdo ilícito - Mensagens impugnadas pelo autor que não revelam informações

11 inverídicas - Operação da Policia Federal no INSS por suspeita de fraude -Autor envolvido na investigação criminal - Ampla divulgação pela imprensa falada, escrita e virtual - Interesse Público das Informações - Manifestação dos usuários da rede de relacionamento que não implicam ato ilícito - Livre manifestação do pensamento - Direito assegurado pela Constituição Federal. Insurgência contra a fixação dos honorários advocatícios - Verba Elevada - Necessária a Redução - Ausência de Dilação Probatória - Fixação com base na equidade. Apelo provido para anular a sentença - Preliminar de ilegitimidade passiva afastada - Aplicação do art. SIS, parágrafo 3o, do CPC - Improcedência da ação.

12 Proposta de Enunciado 1.05 Proponente: Comissão Científica Enunciado: A Empresa Individual de Responsabilidade Limitada pode ser constituída por pessoa jurídica. Justificativa: O art. 980-A do Código Civil, que disciplina a empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI), não restringe à pessoa natural o direito de constituir esta modalidade de pessoa jurídica. A Instrução Normativa 117 do DNRC, ao impedir a constituição de EIRELI por pessoas jurídicas, é ilegal.

13 Proposta de Enunciado 1.06 Proponente: Maurício Andere von Bruck Lacerda Enunciado: A Empresa Individual de Responsabilidade Limitada EIRELI não é sociedade unipessoal, mas um novo ente, distinto da pessoa do empresário e da sociedade empresária. Justificação: Seguindo uma tendência mundial, já verificada em outros ordenamentos jurídicos de tradição romano-germânica, como, por exemplo, nas leis portuguesa e alemã, o ordenamento jurídico brasileiro recepcionou por meio do advento da lei , que altera dispositivos do Código Civil Brasileiro com a criação de uma nova modalidade de pessoa jurídica, a possibilidade do exercício da empresa, de forma individual e com responsabilidade limitada. A nova figura possibilita que os riscos inerentes ao exercício da empresa sejam, em regra, dissociados do patrimônio pessoal do sujeito responsável pela gestão da atividade na medida em que prevê a necessidade de constituição de um capital mínimo e afasta a necessidade de constituição de sociedades pro forma para atender ao requisito da pluralidade de membros cujo objetivo precípuo é o de garantir a limitação de responsabilidade dos sócios, sendo que, frequentemente, se verifica que um destes sócios mantém-se completamente alheio ao cotidiano da sociedade. Não obstante as críticas que possam ser levantadas a respeito do tratamento sui generis conferido à referida figura, em especial se observadas as denominadas sociedades unipessoais em realidades jurídicas estrangeiras, o fato é que o formato jurídico atribuído à EIRELI não interfere no tratamento conferido à sociedade pela lei brasileira (art. 981CC), em especial no que se refere ao caráter transitório da sociedade unipessoal, salvo no caso das conhecidas sociedades subsidiárias integrais, previstas pelo artigo 251 da Lei e não se confunde com a figura do Empresário Individual (art. 966 e seguintes do CC). A presente proposta de enunciado reforça o teor do enunciado nº3 aprovado na I Jornada de Direito Comercial (CJF) e do enunciado 469 aprovado na V Jornada de Direito Civil (CJF), ambos resultantes de propostas enviadas pelo autor. Indicação do julgado do TJ/SP: Apelação nº , da Comarca de Adamantina, em que é apelante/apelado ALINE CRISTINA PERINI, são apelados/apelantes EDUARDO DE JESUSBOCARDI e LÚCIA HELENA DE OLIVEIRA.

14 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo. Desembargadores JOSÉ REYNALDO (Presidente sem voto), LIGIA ARAÚJO BISOGNI E ROBERTO MAC CRACKEN. RICARDO NEGRÃO (Relator) Julgado em São Paulo, 6 de maio de 2013 EMENTA: SENTENÇA Nulidade Alegação de que sócia de fato é a autora Aline Cristina Perini e não a pessoa jurídica Aline Cristina Perini ME, como consignado na sentença Improcedência Empresária individual é pessoa natural que exerce individualmente a atividade empresarial, constituindo-se, portanto, ente único, dotado de único patrimônio Nulidade inexistente Apelação improvida nesse tocante ILEGITIMIDADE AD CAUSAM Alegação de que corréu não é sócio de fato Improcedência Prova documental e confissão do corréu nesse sentido Legitimidade passiva reconhecida Apelação improvida Dispositivo: negam provimento ao apelo dos réus e dão provimento ao recurso da autora.

15 Proposta de Enunciado 1.07 Proponente: Comissão Científica Enunciado: O art do Código Civil é norma cogente, de sorte que não se admite, no contrato de trespasse, seja afastada, com efeitos perante terceiros, a sucessão do adquirente do estabelecimento, nem a solidariedade do alienante Justificação: Podem os contratantes dispor acerca da responsabilidade da sociedade empresária no contrato de trespasse, segundo os interesses que justificam o negócio. Essa disposição não afeta terceiros, os credores da sociedade alienante, que contam com o estabelecimento (ou seus elementos) para a efetivação da responsabilidade patrimonial. Decidiu a 19ª Câmara de Direito Privado do TJSP, no julgamento da Apelação nº , rel. o Des. Ricardo Pessoa de Mello Belli: 3. Responsabilidade do adquirente de fundo de comércio Responsabilidade pelo pagamento dos débitos anteriores à transferência, desde que regularmente contabilizados, nos termos do art do CC Demonstração da anterioridade dos débitos e da circunstância de não estarem eles contabilizados à época do negócio que tocava aos embargantes Sem relevo a circunstância de o instrumento contratual não haver indicado, supostamente, todos os débitos remanescentes à época do trespasse. Consta do corpo do v. acórdão Daí que, em absoluto, a responsabilidade dos apelantes se restringiria aos débitos mencionados no item 4 do contrato de trespasse, haja vista que, independentemente de obrigações anteriores constarem ou não expressamente especificadas no instrumento contratual, integrariam elas tal responsabilidade, se contabilizadas na escrituração da pessoa jurídica, nos termos do sobredito art do CC Invocou-se ainda a doutrina de MARCELO GAZZI TADDEI, referido por MÔNICA ÉLLEN PINTO BEZERRA ANTINARELLI, e que, segundo a decisão, foi Retirado de acessado em : O art do Código Civil não admite exceção, tem natureza cogente, não havendo espaço para a autonomia de vontade das partes restringir os interesses dos credores. Cláusula que contraria o disposto no art não terá validade.

16 Proposta de Enunciado 1.08 Proponente: Comissão Científica Enunciado: Não é suficiente, para fins de caracterização da sucessão prevista no art do Código Civil, a mera instalação do empresário em lugar antes ocupado por outro, no mesmo ramo de atividade. Justificação: Pressuposto da sucessão é a alienação do estabelecimento. O mero ocupante de um lugar, que antes já fora sede de sociedade empresária, não é, só por isso, sucessor do empresário anterior, à falta do contrato de trespasse. Decidiu a 16ª Câmara de Direito Privado do TJSP, no julgamento do AI nº , j.17/4/2012, rel. o Des. Jovino de Sylos: Ação de cobrança decorrente de contrato de fornecimento de gás natural encanado pretensão da companhia de gás credora de responsabilidade por sucessão não ocorrência responsabilidade que só se manifesta quando uma pessoa natural ou jurídica adquire de outra o fundo de comércio ou o estabelecimento comercial, industrial ou profissional; a circunstância de que tenha se instalado em prédio antes alugado à devedora, não transforma quem veio a ocupá-lo posteriormente, também por força de locação, em sucessor ilegítimo inconformismo agravo improvido.

17 Proposta de Enunciado 1.09 Proponente: Comissão Científica Enunciado: Pratica concorrência desleal, na modalidade denigração, o empresário que, em veículo de comunicação, atribui a concorrente conduta criminosa, como a de sonegação fiscal, crime contra a administração pública e outros. Justificação: Segundo o artigo 10 bis, 2, da Convenção da União de Paris, constitui ato de concorrência desleal qualquer ato de concorrência contrário aos usos honestos em matéria industrial ou comercial. Afasta-se do uso honesto, despede-se da correção profissional, o empresário que atribui ao seu concorrente a prática de ato ilícito, no afã de vencer a disputa pelo mercado. O países integrantes da Convenção de Paris deverão proibir, particularmente, as falsas alegações no exercício do comércio, suscetíveis de desacreditar o estabelecimento, os produtos ou a atividade industrial ou comercial de um concorrente (10 bis 2º). A lei interna tipifica como crime de concorrência desleal falsa afirmação, ou falsa informação, em detrimento de concorrente, com o fim de obter vantagem (incisos I e II do art. 195 da Lei 9.279/96). Por se tratar de infração penal, com muito mais razão a denigração é ilícito civil. Decidiu a 6ª Câmara de Direito Privado do TJSP, no julgamento da Apelação n , rel. o Des. Francisco Loureiro: INDENIZAÇÃO Danos morais Réus que adquiriram horário na programação da emissora de TV requerida e passaram a transmitir atração cujo único objetivo era denegrir a imagem da pessoa jurídica autora Programa produzido pelos requeridos (que pertencem ao grupo Dolly, concorrente direto da demandante no mercado de refrigerantes), dedicou-se exclusivamente a veicular acusações contra a Coca-Cola de sonegação fiscal, crimes contra a Administração Pública e uso de substância entorpecente em seus produtos, entre outras Reportagens e entrevistas que, apesar de apresentarem, em tese, interesse público, violaram os deveres de veracidade e de continência que são inerentes às matérias jornalísticas Nítido intuito difamatório do programa televisivo, com conotação de concorrência desleal Responsabilidade pelos danos causados à imagem da autora que se estende à emissora ré, não obstante o programa tenha sido produzido por terceiro que adquiriu espaço em sua grade Responsabilidade por fato de terceiro, cabendo à emissora, diante do evidente conteúdo ilícito do programa e notificada pelo ofendido, tomar providências imediatas para fazer cessar a agressão Evidentes danos morais causados à empresa autora, que teve sua reputação e credibilidade abaladas perante os consumidores Indenização fixada adequadamente em R$ ,00, se considerados o dolo dos agentes, a gravidade das acusações, o porte das empresas rés, e o prejuízo de ordem extrapatrimonial experimentado pela demandante Correta distribuição da sucumbência Recursos não providos.

18 Proposta de Enunciado 1.10 Proponente: Comissão Científica Enunciado: Pratica concorrência desleal, na modalidade parasitismo, o empresário que fabrica o mesmo produto de seu concorrente, usando embalagem idêntica ou assemelhada. Justificação: Segundo o artigo 10 bis, 2, da Convenção da União de Paris, constitui ato de concorrência desleal qualquer ato de concorrência contrário aos usos honestos em matéria industrial ou comercial A necessidade de distinção de produtos no mercado leva o empresário a confeccionar embalagens que possam atrair o cliente. Afasta-se do uso honesto o empresário que usa embalagem idêntica ou semelhante à de outro, a ensejar desvio de clientela, independentemente de confusão em que possa incidir o consumidor. Nesse sentido tem decidido o Tribunal de Justiça de São Paulo: AÇÃO DE ABSTENÇÃO DE USO CUMULADA COM INDENIZAÇÃO. Ré que apresenta seus produtos com rótulo em imitação do rótulo do produto "H2OH!" de titularidade das autoras. Depósito do pedido de registro de marca que já á apto a ensejar a tutela do artigo 130, III da Lei nº 9.279/96. Rótulo do produto "Cachoeira" que, analisado em seu conjunto, permite concluir pela imitação da marca da autora, em exploração indevida do prestígio alheio. Perícia conclusiva no sentido da imitação. Prática de concorrência desleal da ré que, por meio da imitação da marca das autoras, promove desvio de clientela, já que atuam no mesmo mercado e comercializam o mesmo produto. Nítida remissão da embalagem da ré à marca líder de mercado, em manifesta prática de parasitismo. Vedação ao enriquecimento sem causa. Inviabilidade da indenização em face da não comprovação do dano sofrido na fase de conhecimento. Ação improcedente. Recurso parcialmente provido (6.ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, no julgamento da Apelação , rel. o Des. Francisco Loureiro). PROPRIEDADE INDUSTRIAL Tutela antecipada. Verificação dos conjuntos de embalagens, tomando em conta formatos, cores e padrões gráficos, reveladores, a um primeiro exame, compatível com este momento processual, de confusão aos consumidores e parasitismo. Inadmissibilidade de produtos concorrentes, que já têm marcas nominativas semelhantes, com indicação de origem geográfica, manterem a similitude em cores, embalagens e padrões gráficos. Proteção ao trade dress, com o escopo de vedar a concorrência desleal. Provimento em parte do recurso, para determinar a abstenção de

19 utilização de embalagens, cores e formatos de letras que, no conjunto, evoquem o produto da autora (Decidiu a 1.ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, no julgamento do Agravo Regimental , Rel. o Des. Francisco Loureiro). PROPRIEDADE INDISTRIAL. AÇÃO DE ABSTENÇÃO DE USO CUMULADA COM INDENIZAÇÃO. Ré que, indevidamente, apresenta seus produtos com marca que incorpora parte essencial de marcas consagradas titularizadas pelas autoras. Marca "Bombril" e família de produtos com o sufixo "BRIL" que gozam de fama e prestígio construídos ao longo de décadas de investimento em publicidade. Prática de concorrência desleal da ré que, por meio da imitação da marca das autoras, promove desvio de clientela, já que atuam no mesmo mercado de produtos de limpeza. Concorrência parasitária, ademais, pela exploração indevida do prestígio alheio na promoção dos próprios produtos de limpeza. Nítida remissão da embalagem da ré à marca líder de mercado, em manifesta prática de parasitismo. Vedação ao enriquecimento sem causa. Inviabilidade da indenização em face da não comprovação do dano sofrido na fase de conhecimento. Marca "MAGIC BRILHO", contudo, que não incide em prática ilícita, vez que não há remissão às marcas das autoras e que o termo "BRILHO" constitui mero designativo de ação esperada do produto. Recurso adesivo da ré não conhecido face à ausência de interesse recursal, em virtude de a ação ter sido julgada improcedente. Ação improcedente. Recurso da ré não conhecido. Recurso das autoras parcialmente provido (Decidiu a 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, no julgamento da Apelação , rel. o Des. Francisco Loureiro). PROPRIEDADE INDUSTRIAL - Embalagens de creme de leite - Inegáveis semelhanças entre as três embalagens em exame comparativo - Concorrência desleal a ser apreciada por dois ângulos distintos, o da potencialidade de levar o consumidor a erro e o do parasitismo e apropriação do prestígio da marca concorrente - Desnecessidade da ré alterar as embalagens de seus produtos para tornálos semelhantes, em cor, composição, frutas e imagens, com a precedente embalagem da autora, líder de mercado - Ausência de danos indenizáveis - Recurso provido em parte, para o fim de determinar a abstenção da ré de fabricar e comercialização de produtos com embalagens semelhantes, sob pena de incidência de multa diária ( Decidiu a 4ª Câmara de direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, no julgamento da Apelação , rel. o Des. Francisco Loureiro).

20 Proposta de Enunciado 1.11 Proponente: Comissão Científica Enunciado: O prazo de caducidade de registro de marca, previsto no art. 143, II, da Lei 9.279/96 (interrupção do uso da marca por mais de cinco anos consecutivos), não se interrompe nem se suspende pela decretação da falência. Justificação: É preciso estar o Administrador Judicial advertido de que deve tomar providências para a proteção da marca de sociedade falida. O simples eclodir da quebra não tem nenhum significado sobre o curso do prazo em que a marca entra em desuso. Decidiu a 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, no julgamento do AI , ao apreciar a questão envolvendo a marca MAPPIN, em acórdão da relatoria do Desembargador José Francisco Loureiro: FALÊNCIA Registro de marca Prazo decadencial de caducidade do registro, previsto no art. 143, II, da L /96 que não se interrompe ou se suspende pela decretação da quebra Necessidade de o síndico promover os atos conservatórios do registro e de pagar as respectivas taxas, diante da ausência de isenção prevista em lei Cancelamento do registro, todavia, que se subordina a prévia comunicação do juízo da falência, diante dos interesses em jogo em uma execução coletiva - Impossibilidade de perda de ativo intangível da massa, de expressivo valor, tal como ocorre no caso concreto, sem prévia e necessária comunicação ao juízo falimentar, para que possa o síndico adotar as providências tendentes a preservar os interesses da comunidade de credores Determinação judicial de restauração do registro já coberta pela preclusão Impossibilidade de reabertura do prazo recursal em razão de seguidos pedidos de reconsideração formulados pelo INPI - Correta determinação de restauração do registro. Recurso não conhecido, por intempestivo.

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério) Acrescenta o 8º ao art. 68 da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, a fim de vedar a cobrança de direitos autorais sobre a execução pública de composições

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000505961 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos destes autos do Apelação nº 0201240-56.2008.8.26.0100, da Comarca São Paulo,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000450602 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0112846-73.2008.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA MULLER DE BEBIDAS, são apelados

Leia mais

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido:

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido: 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº 0008742-88.2010.8.19.0024 APELANTE: ALESSANDRO DA COSTA FONTES APELADA: GOOGLE INTERNET

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 515 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000960048 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2248161-04.2015.8.26.0000, da Comarca de Guarulhos, em que são agravantes DECOLAR.COM LTDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2014.0000228388 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2020604-60.2014.8.26.0000, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é agravante BOMBRIL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL NONA CÂMARA CÍVEL Apelação nº 0455812-71.2011.8.19.0001 Apelante: RADIO PANAMERICANA SA Apelado: HI MIDIA SA Relator: Desembargador ROBERTO DE ABREU E SILVA DIREITO AUTORAL. USO INDEVIDO DE MARCA. VIOLAÇÃO

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000032304 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000527-46.2013.8.26.0664, da Comarca de Votuporanga, em que é apelante SEBASTIÃO DE PIERRE SOBRINHO, é apelado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000776067 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1105784-52.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante LOJAS CEM S/A, é apelado RECLAME AQUI MARCAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000481719 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002045-56.2007.8.26.0543, da Comarca de Santa Isabel, em que é apelante ORNAMENTAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS

Leia mais

0130935-08.2012.8.26.0100 - lauda 1

0130935-08.2012.8.26.0100 - lauda 1 fls. 1 SENTENÇA Processo Físico nº: 0130935-08.2012.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Propriedade Intelectual / Industrial Requerente: Estok Comercio e Representações Ltda Requerido: Google

Leia mais

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182.

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0102487-25.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Espécies de Contratos Requerente: Valdirene Aparecida de Marchiori Requerido: Google Brasil Internet Ltda

Leia mais

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE AGRAVO DE INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. AGRAVADO: ADILAR MARCELO DE LIMA RELATOR ORIGINÁRIO:

Leia mais

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE.

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. Apelação cível. Prestação de serviços. Contratação de pacote turístico. Autora que cancelou a viagem poucos dias antes do embarque

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000634892 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2150710-76.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA,

Leia mais

Nº 70047907696 COMARCA DE PORTO ALEGRE MILÃO TURIS HOTEL LTDA. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos.

Nº 70047907696 COMARCA DE PORTO ALEGRE MILÃO TURIS HOTEL LTDA. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos. Apelação cível. Propriedade industrial e intelectual. Ação declaratória de nulidade. Desnecessidade de prova pericial. O magistrado é o destinatário da prova e está autorizado a indeferir a realização

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E MAIA DA CUNHA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E MAIA DA CUNHA. PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000482093 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0167281-64.2012.8.26.0000, da Comarca de Santos, em que é agravante RINALDI PRODUÇÕES

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

-2 wmmm PODER JUDICIÁRIO

-2 wmmm PODER JUDICIÁRIO -2 wmmm PODER JUDICIÁRIO / «J K 1 M A r^s\ n w\ Ãn TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO A C URDA U ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *02788103* 6264 Propriedade industrial - Marca - Lei 9.279/96,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 359 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000557534 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1043649-38.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMIL SAÚDE S/A, é apelado FELLIPE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000724329 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4000515-21.2013.8.26.0451, da Comarca de Piracicaba, em que são apelantes MÔNICA RODRIGUES DE FARIA e MONIQUE

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente), RUI CASCALDI E FRANCISCO LOUREIRO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente), RUI CASCALDI E FRANCISCO LOUREIRO. fls. 230 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000468138 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0016918-41.2012.8.26.0590, da Comarca de São Vicente, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000091762 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0020463-94.2008.8.26.0482, da Comarca de Presidente Prudente, em que é apelante REFRIGERANTES MARAJA S

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000373304 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0008132-86.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante/apelado ANDRE PASQUALINI, é apelado/apelante

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA. ACÓRDÃO Registro: 2015.0000723861 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2173891-09.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante RICARDO MORAND DE LIMA, é

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000073026 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0145148-24.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ASSEFAC ASSESSOR FACTORING LTDA sendo apelados

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.02.056078-1,

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000216806 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0196471-72.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SOCIORTHO COMERCIO

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MIGUEL BRANDI (Presidente) e LUIZ ANTONIO COSTA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MIGUEL BRANDI (Presidente) e LUIZ ANTONIO COSTA. Registro: 2013.0000631745 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9134487-70.2008.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são apelantes SHELL BRASIL LTDA e REDE CRISTAL SAO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2014.0000671514 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1005199-16.2014.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ENNES DISTRIBUIDORA DE EXTINTORES,

Leia mais

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA Gina Copola (abril de 2.013) I - A doutrina pátria tem se debruçado com afinco nos últimos anos sobre o controvertido tema relativo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2015.0000379206 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2015.0000379206 ACÓRDÃO fls. 143 Registro: 2015.0000379206 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2064455-18.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2013.0000002706 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0173190-15.2011.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MAXCASA IV EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA, são

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 425 S52-4/8-00, da Comarca de. CRUZEIRO, em que é apelante CARLOS EDUARDO LOPES sendo

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 425 S52-4/8-00, da Comarca de. CRUZEIRO, em que é apelante CARLOS EDUARDO LOPES sendo TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIEUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO ^ REGISTRADO(A) SOB N *01052893* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério)

PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério) Acrescenta o 8º ao art. 68 da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, a fim de vedar a cobrança de direitos autorais sobre

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 2008.72.01.003023-7/SC AUTOR : REAL PLASTIC LTDA/ ADVOGADO : ROBSON BELLI CAVALLI : ANDRESA AMORIM RÉU : FORZA IND/ DE PLASTICOS LTDA/ ADVOGADO : SANDRO

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20120111781267ACJ

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000527400 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0010031-52.2012.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 Registro: 2016.0000053604 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0000973-35.2012.8.26.0292, da Comarca de Jacareí, em que é apelante RUSTON ALIMENTOS LTDA, é apelado JOSAPAR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DECISAUW ^ N0 ACÓRDÃO \\ll\w "»"»'" lo3046968* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n 990.10.048613-6, da Comarca de São Paulo, em

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9).

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9). AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5029780-43.2013.404.7000/PR AUTOR : ETEVALDO VAZ DA SILVA ADVOGADO : LEONILDA ZANARDINI DEZEVECKI RÉU : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

*02099563* k. ", ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. *"* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da" Comarca de.

*02099563* k. , ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. ** APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da Comarca de. 1 PODER jydiciario TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Ç - - ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA Q - -. ACÓRDÃO"' REGISTRADO(A)SOBNo S ' i imin mu mil um mu mil uni um mi mi I '

Leia mais

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO CÍVEL. LICITAÇÃO E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. CGTEE. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS JURÍDICOS ESPECIALIZADOS NAS ÁREAS TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. TÉRMINO DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. AUSÊNCIA

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

i mil um um um um um um mu mi m *02665723*

i mil um um um um um um mu mi m *02665723* PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i mil um um um um um um mu mi m *02665723* Vistos, relatados e

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1235733-8, DE FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 20ª VARA CÍVEL RELATOR

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1235733-8, DE FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 20ª VARA CÍVEL RELATOR AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1235733-8, DE FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 20ª VARA CÍVEL RELATOR : DES. GAMALIEL SEME SCAFF AGRAVANTE : MARIANO E SILVA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO COM REVISÃO Nº 563.854-0/5 RIBEIRÃO PIRES Apelantes: LE Rouge Comércio e Importação Ltda. DJ Boys Comércio e Importação Ltda. Apelados : Agostinho Barreiros Dias Maria Ernestina Garcia Dias LOCAÇÃO.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2012.0000427047 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0046302-90.2010.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante/apelado PREFEITURA MUNICIPAL DE OSASCO, é

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000166668 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0203107-50.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante VERSAILLES INCORPORADORA SPE LTDA, são

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00, da Comarca de

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO x ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 122 Registro: 2014.0000513173 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1104017-13.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante TAM LINHAS AEREAS S/A, é apelado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

As sentenças judiciais, ao se prenderem à Lei, favorecem o autor

As sentenças judiciais, ao se prenderem à Lei, favorecem o autor As sentenças judiciais, ao se prenderem à Lei, favorecem o autor Folha de S. Paulo obrigada a Indenizar fotógrafo Recentemente, ação de indenização por ausência de crédito em fotografia, publicada como

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda. Certo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

BOLETIM JURÍDICO INFORMATIVO

BOLETIM JURÍDICO INFORMATIVO BOLETIM JURÍDICO INFORMATIVO Ano 03 nº 15 - Novembro/ 2.006 I INFORMAÇÕES GERAIS II Congresso Internacional de Direito Autoral A Associação Brasileira de Direitos Autorais ABDA realizou, no Hotel Intercontinental

Leia mais