Módulo O Pequeno Príncipe. Antoine de Saint-Exupéry

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo O Pequeno Príncipe. Antoine de Saint-Exupéry"

Transcrição

1 Módulo O Pequeno Príncipe Antoine de Saint-Exupéry 1

2 Módulo do Pequeno Príncipe Gostaria de ter começado essa história como nos contos de fadas. Gostaria de ter começado assim: Era uma vez um pequeno príncipe que habitava um planeta pouco maior que ele, e que tinha necessidade de um amigo... (p.18) Mas o livro O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, não começa como em um conto de fadas, mas sim com o narrador, um aviador, contando sobre o medo que ele sentia quando criança e a sua dificuldade em expressá-lo. Por não ter sido compreendido, se tornou um adulto solitário e sem amigos. Freqüentemente, a infância é romantizada e existe o mito da criança feliz. Muitas crianças, na realidade, se sentem como o aviador, e sofrem por não saber expressar seus medos. Quando sentimos medo e não somos compreendidos, nos fechamos para as relações e perdemos a possibilidade de viver plenamente. O mistério e a magia da vida surgem quando nossa alma nasce nos encontros e nas experiências reais. Incompreendido, o menino torna-se um adulto solitário que não acredita nas pessoas grandes. Ao dedicar o livro a um adulto, o aviador quer mostrar que quando fala das pessoas grandes com hostilidade, não está se referindo a todas elas, mas àquelas que, como ele, esqueceram a criança que existe dentro de si. A Léon Werth Peço perdão às crianças por dedicar este livro a uma pessoa grande. Tenho um bom motivo: essa pessoa grande é o melhor amigo que possuo. Tenho um outro motivo: essa pessoa grande é capaz de compreender todas as coisas, até mesmo os livros de criança. Tenho ainda um terceiro motivo: essa pessoa grande mora na França e ela tem fome e frio. Ela precisa de consolo. Se todos esses motivos não bastam, eu dedico então este livro à criança que essa pessoa grande já foi. Todas as pessoas grandes foram um dia criança mas poucas se lembram disso. Corrijo, portanto, a dedicatória: 2

3 A Léon Werth Quando ele era criança Quando fala das pessoas grandes, o aviador está falando de como ele as vê. O processo de ver o outro e a si próprio só terá início no encontro com o pequeno príncipe. A falta de comunicação fez com que o aviador, por não ter sido compreendido quando menino, estabelecesse relações superficiais e nelas permanecesse pela dificuldade de ficar consigo mesmo. Viveu desta maneira até o dia em que uma pane em seu avião o obrigou a fazer um pouso de emergência no Saara. No deserto, longe de outras pessoas, entrou em contato consigo mesmo e ouviu a voz do seu pequeno príncipe, dando início a um encontro entre o adulto que era e a criança adormecida dentro de si. Na contracapa do livro, há um pequeno texto de Amélia Lacombe que mostra a trajetória e a abertura do espaço interno para a criatividade e a imaginação, tão indispensáveis para a vida: O pequeno príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino. Percebemos na relação entre o aviador e o pequeno príncipe, dois grandes momentos: antes do encontro com a raposa, quando o pequeno príncipe, com sua atitude superficial, não consegue olhar para o mundo com simpatia, vendo apenas as aparências e estereótipos; e depois do encontro com a raposa, quando aprende a criar laços e se relacionar verdadeiramente com outras pessoas. Parte I Antes do encontro com a raposa 3

4 O aviador conta que, aos seis anos, ficou impressionado com uma gravura que viu em um livro e fez seu primeiro desenho: Certa vez, quando tinha seis anos, vi num livro sobre a Floresta Virgem, Histórias vividas, uma impressionante gravura. Ela representava uma jibóia engolindo um animal. (...) Dizia o livro: As jibóia engolem, sem mastigar, a presa inteira. Em seguida, não podem mover-se e dormem os seis meses da digestão. Refleti muito sobre as aventuras da selva e fiz, com lápis de cor, o meu primeiro desenho. O meu desenho número 1. (...) (p. 7) Assustado com o que vira, mostrava sua obra-prima às pessoas grandes e lhes perguntava se sentiam medo. Mas, para elas, a ilustração parecia um chapéu, e um chapéu não é nada assustador. Diante disso, o menino resolveu fazer o desenho número 2 em que o interior da jibóia estava representado, mas não obteve sucesso: As pessoas grandes aconselharam-me a deixar de lado os desenhos de jibóias abertas ou fechadas, e dedicar-me de preferência à geografia, à história, ao cálculo, à gramática. Foi assim que abandonei, aos seis anos, uma promissora carreira de pintor. (p. 8) Por não ter sido compreendido, o menino se fechou e viveu por longos anos de sua vida sem interesse pelas pessoas. A falta de comunicação fez com que se tornasse um homem arrogante e ressentido. Sem acreditar na criatividade e na 4

5 comunicação, desistiu de seguir o que pensava ser uma promissora carreira de pintor e escolheu uma profissão que lhe parecia mais técnica : Tive então que escolher outra profissão e aprendi a pilotar aviões. (p. 8). Manteve-se longe do contato humano: com seu avião poderia ver todos os lugares, mas sem permanecer de fato em nenhum deles. Ser aviador é uma linda profissão que, assim como todas as outras, exige imaginação, criatividade e amor, mas ele ainda não estava pronto para compreender que o problema não estava na sua profissão, mas nele mesmo. O aviador admite que, ao longo de sua vida, teve vários contatos, mas nunca um verdadeiro amigo: Vivi, portanto, só, sem alguém com quem pudesse realmente conversar, até o dia em que uma pane obrigou-me a fazer um pouso de emergência no deserto do Saara, há cerca de seis anos. Alguma coisa se quebrara no motor. E como não trazia comigo nem mecânico nem passageiros, preparei-me para executar sozinho aquele difícil conserto. Era, para mim, questão de vida ou morte. A água que eu tinha para beber só dava para oito dias. (p. 9) Quando adulto - mas ainda se comportando como uma criança que deseja ser adivinhada -, antes mesmo de iniciar uma conversa, o aviador mostrava seu desenho número 1 para testar as pessoas. Como elas não adivinhavam o medo que ele pensava estar expressando, aumentava sua mágoa e seu tom de superioridade, afastando as pessoas ainda mais: Quando encontrava uma que me parecia um pouco esclarecida, fazia a experiência do meu desenho número 1, que sempre conservei comigo. Eu queria saber se ela era na verdade uma pessoa inteligente. Mas a resposta era sempre a mesma: É um chapéu. Então eu não falava nem de jibóias, nem de florestas virgens, nem de estrelas. Colocava-me ao seu nível (p. 9) 5

6 Essa postura durou até o encontro com o pequeno príncipe. Caminharam juntos pelo deserto, por oito dias: Na primeira noite adormeci sobre a areia, a quilômetros e quilômetros de qualquer terra habitada. Estava mais isolado que um náufrago num bote perdido no meio do oceano. Imaginem qual foi minha surpresa quando, ao amanhecer, uma vozinha estranha me acordou. (p. 9) Ele estava a quilômetros e quilômetros de qualquer região habitada quando uma vozinha o despertou com o seguinte pedido: Desenha-me um carneiro... Era o pequeno príncipe, uma figura extraordinária que não parecia alguém perdido no deserto, pois não aparentava ter fome, sede, medo ou fadiga. Sem ousar desobedecê-lo, o aviador retirou do bolso papel e caneta, mas não foi um carneiro que desenhou: Como jamais houvesse desenhado um carneiro, refiz para ele um dos dois únicos desenhos que sabia: o da jibóia fechada. E fiquei estupefato de ouvir o garoto replicar: - Não! Não! Eu não quero um elefante numa jibóia. A jibóia é perigosa e o elefante toma muito espaço. Tudo é pequeno onde eu moro. Preciso é de um carneiro. Desenha-me um carneiro. (p. 12) Onde todos viam um chapéu, o principezinho viu a jibóia, e teve a coragem e a firmeza de dizer ao aviador que não queria jibóia nem tampouco elefante, pois sabia exatamente do que precisava: um carneiro. No sonho, através de um diálogo interno com o principezinho, o aviador conseguiu dizer não ao seu medo. Ele tenta desenhar o carneiro, mas sem sucesso e, depois de inúmeras tentativas, perde a paciência, desenha uma caixa e diz que o carneiro está dentro dela. O desenho da caixa ganha vida na imaginação do principezinho: ali caberia 6

7 qualquer carneirinho. Nesse momento, começa a surgir a idéia de que o essencial é invisível aos olhos: - Não! Esse já está muito doente. Desenha outro. Desenhei de novo. Meu amigo sorriu com indulgência: - Bem vês que isto não é um carneiro. É um bode... Olha os chifres... Fiz mais uma vez o desenho. Mas ele foi recusado como os precedentes: - Este aí é muito velho. Quero um carneiro que viva muito. Então, perdendo a paciência, como tinha pressa de desmontar o motor, rabisquei o desenho abaixo. E arrisquei: - Esta é a caixa. O carneiro está dentro. Mas fiquei surpreso de ver iluminar-se a face do meu pequeno juiz: - Era assim mesmo que eu queria! Será preciso muito capim para esse carneiro? - Por quê? - Porque é muito pequeno onde eu moro... - Qualquer coisa chega. Eu te dei um carneirinho de nada! Inclinou a cabeça sobre o desenho: - Não é tão pequeno assim... Olha! Adormeceu... E foi assim que conheci, um dia, o pequeno príncipe. (p.12) 7

8 Na relação com o pequeno príncipe, o aviador começa a perceber o mundo à sua volta e a se interessar verdadeiramente pelos outros: - De onde vens, meu caro? Onde é a tua casa? Para onde queres levar meu carneiro? (p. 14) É também neste contato com o principezinho que ele começa a recuperar a imaginação. Esta etapa também é marcada pelo início da sua percepção como uma pessoa grande. Ele, que até agora se acreditava superior a todos, começa a perceber que suas críticas aos outros se referiam também a si mesmo: Infelizmente, não sei ver carneiros através de caixas. Talvez eu seja um pouco como as pessoas grandes. Devo ter envelhecido. (p. 19) A couraça que evitava qualquer possibilidade de relacionamentos se desfaz nos diálogos com o principezinho. Esse encontro foi marcante e o aviador quer mantê-lo vivo em sua lembrança: Já faz seis anos que meu amigo se foi com seu carneiro. Se tento descrevê-lo aqui, é justamente porque não quero esquecê-lo. É triste esquecer um amigo. Nem todo o mundo tem amigo. E eu corro o risco de ficar como as pessoas grandes, que só se interessam por números. Foi por isso que comprei um estojo de aquarelas e alguns lápis. É difícil voltar a desenhar na minha idade, principalmente quando não se fez outra tentativa além das jibóias fechadas e abertas, aos seis anos! Experimentei, é claro, fazer os retratos mais fiéis que pudesse. Mas não tenho muita certeza de conseguir. Um desenho parece passável; outro, já é inteiramente diferente. Engano-me também o tamanho. Ora o principezinho está muito grande, ora pequeno demais. Hesito também quanto à cor de suas roupas. Vou arriscando, então, aqui e ali. Provavelmente esquecerei detalhes dos mais importantes. Peço que me perdoem. (p. 18) Aos poucos, o aviador vai conhecendo o principezinho. Descobre que ele vem de um planeta muito pequeno e que uma de suas atividades preferidas é ver o pôr-do-sol. O pequeno príncipe fica feliz em saber que os carneiros se alimentam de arbustos porque, assim, poderão comer os baobás quando estes ainda forem pequenos. O aviador não conseguia compreender porque isso era tão importante para o principezinho, mas após um grande esforço passa a entender: 8

9 De fato, no planeta do pequeno príncipe havia, como em outros planetas, ervas boas e más. Conseqüentemente, sementes boas, de ervas boas; e sementes más, de ervas más. Mas as sementes são invisíveis. Elas dormem nas entranhas da terra até que uma cisme de despertar. Então ela se espreguiça e lança, timidamente, para o sol, um inofensivo galhinho. Se for de roseira ou rabanete, podemos deixar que cresça à vontade. Mas quando percebemos que se trata de uma planta ruim, é preciso que a arranquemos imediatamente. Ora, havia sementes terríveis no planeta do pequeno príncipe... as sementes de baobá. O solo do planeta estava infestado. (p. 20) Os baobás são árvores grandes e ocas por dentro. Se um baobá cresce, nem mesmo uma manada de elefantes consegue destruí-lo, avisa o aviador. Mas o pequeno príncipe sabe como resolver o problema antes que as más sementes infestem seu planeta: - É uma questão de disciplina - disse mais tarde o principezinho. - Quando a gente acaba a higiene matinal, começa a fazer com cuidado a higiene do planeta. É preciso que nos habituemos a arrancar regularmente os baobás logo que se diferenciem das roseiras, com as quais muito se parecem quando pequenos. É um trabalho sem graça, mas de fácil execução. (p. 22) O principezinho fala a respeito da importância de saber discernir o que é bom do que é ruim e cuidar permanentemente para que as más sementes não tomem conta. Este é um trabalho rotineiro que exige disciplina e não requer muito esforço. Se não arrancamos esta plantinha no início, nunca mais a gente consegue se livrar dela, pois suas raízes penetram o planeta todo, atravancando-o. E, se o planeta for pequeno e os baobás, numerosos, o planeta acaba rachando. (p. 21) Como mostra o pequeno príncipe, o trabalho de prevenção é primordial para nos proteger tanto dos perigos internos quanto dos externos que fazem parte da 9

10 vida. É por ter consciência da importância do trabalho preventivo que o aviador faz um grande desenho para alertar as crianças sobre o perigo dos baobás: Não gosto de assumir o tom de moralista, mas o perigo dos baobás é tão pouco conhecido, e tão grandes são os riscos para aquele que um dia se perca num asteróide, que, ao menos uma vez, abro exceção e digo: Crianças! Cuidado com os baobás! Foi para advertir meus amigos de um perigo que há tanto tempo os ameaçava, como a mim, e do qual nunca suspeitamos, que tanto caprichei naquele desenho. (p. 22) Com a ajuda do carneiro, o aviador vai descobrindo cada vez mais sobre o pequeno príncipe. Ao saber que os carneiros comem arbustos, o principezinho fica muito assustado e com medo de perder a sua flor e pergunta para que servem os espinhos da sua rosa. O aviador, preocupado naquele momento com o problema do motor de seu avião, responde irritado: Espinhos não servem para 10

11 nada, são pura maldade das flores. (p.26) Diz que só se ocupa com coisas sérias, e que as flores não tem importância, e o principezinho fica muito indignado: - Conheço um planeta onde há um sujeito vermelho, quase roxo. Nunca cheirou uma flor. Nunca olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa senão contas. E o dia todo repete, como tu: Eu sou um homem sério! Eu sou um homem sério! E isso o faz inchar-se de orgulho. Mas ele não é um homem, é um cogumelo! (...) (p.27) E acrescenta: - Há milhões e milhões de anos que as flores fabricam espinhos. Há milhões e milhões de anos que os carneiros as comem, apesar de tudo. E não será sério procurar compreender porque perdem tanto tempo fabricando espinhos inúteis? Não terá importância a guerra dos carneiros e das flores? Não será mais importante que as contas do tal sujeito? E se eu, por minha vez, conheço uma flor única no mundo, que só existe no meu planeta, e que um belo dia um carneirinho pode liquidar num só golpe, sem avaliar o que faz, - isto não tem importância?! Corou um pouco, e continuou em seguida: - Se alguém ama uma flor da qual só existe um exemplar em milhões e milhões de estrelas, isso basta para fazê-la feliz quando a contempla. Ele pensa: minha flor está lá, em algum lugar... Mas se o carneiro come a flor, para ele é como se todas as estrelas repentinamente se apagassem! E isso não tem importância! (p. 28) Nesse momento tanto o principezinho quanto o aviador estão irritados. O aviador, preocupado com seu avião, não prestou atenção no que o principezinho estava dizendo. Ao não ser ouvido, o principezinho o chama de cogumelo e mostra toda a sua indignação com as pessoas que só se interessam por elas. Ele confrontou o aviador dizendo o que verdadeiramente pensava, e chorou ao ter que pronunciar palavras tão duras. Ao ver suas lágrimas, o aviador compreende o quanto ele é importante para o principezinho, e sente uma vontade imensa de 11

12 consolá-lo. Nesse instante, a falta de comunicação dá lugar a um entendimento profundo entre eles: Não conseguiu dizer mais nada. Imediatamente se pôs a soluçar. A noite caíra. Larguei as ferramentas. Ria-me do martelo, do parafuso, da sede e da morte. Havia numa estrela, num planeta, o meu, a Terra, um principezinho a consolar! Tomei-o nos braços. Embalei-o. E lhe dizia: A flor que tu amas não está em perigo... Vou desenhar uma pequena mordaça para o carneiro... Uma armadura para a flor... Eu... Eu não sabia o que dizer. Sentia-me desajeitado. Não sabia como atingi-lo, onde encontrá-lo... É tão misterioso, o país das lágrimas! (p. 28) Preocupado com os baobás, certo dia o principezinho observa um broto diferente dos outros, e decide vigiá-lo de perto. O pequeno príncipe, que assistia ao surgimento de um enorme botão, pressentiu que dali sairia uma aparição miraculosa, e após alguns dias, eis que, numa manhã, justamente à hora do sol nascer, ela se mostrou. O principezinho, então, não pôde conter o seu espanto: - Como és bonita! (p.29) Era envolvente, mas nada modesta. Tu poderias cuidar de mim... (p. 29), pediu a flor, e o pequeno príncipe, embora atordoado, obedeceu. Assim, ela logo começou a atormentá-lo com sua doentia vaidade. (p. 30), conseguindo que ele atendesse a todos os seus pedidos: que a regasse, que a protegesse das correntes de ar com um para-vento, que à noite a abrigasse sob uma redoma de vidro. Certa vez, pediu que fosse colocada sob a redoma de vidro pela noite, dizendo que nesse planeta fazia muito frio, ao contrário do lugar de onde viera. Subitamente calou-se, e o principezinho percebeu que ela estava mentindo, pois ele a vira nascer, então não pudera conhecer nada dos outros mundos. (p. 31) Desencantado, o principezinho, apesar da sinceridade do seu amor, logo começara a duvidar dela. Levara a sério palavras sem importância, e isto o fez sentir-se muito infeliz. (p. 31) Foi assim que o pequeno príncipe decidiu partir. Antes, pôs o planeta em ordem (p. 32): revolveu seus três vulcões, inclusive o inativo, afinal, nunca se sabe! ; arrancou os últimos rebentos de baobás e, por fim, despediu-se da flor. Surpreendeu-se com a ausência de censuras : esperava que ela o repreendesse, 12

13 mas isso não aconteceu. Ela compreendeu a importância da separação, ambos haviam sido tolos e precisavam conhecer a vida para aprender o verdadeiro significado do amor: - É claro que eu te amo - disse-lhe a flor. - Foi minha culpa que não perceberes isso. Mas não tem importância. Foste tão tolo quanto eu. Tenta ser feliz... Larga essa redoma, não preciso mais dela. - Mas o vento... - Não estou assim tão resfriada... O ar fresco da noite me fará bem. Eu sou uma flor. - Mas os bichos... - É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas. Dizem que são tão belas! Do contrário, quem virá visitar-me? Tu estarás longe... Quanto aos bichos grandes, não tenho medo deles. Eu tenho as minhas garras. (p. 34) No diálogo com o aviador, o principezinho reconhece que não sabia a importância do amor, e se entristece: - Não soube compreender coisa alguma! Devia tê-la julgado por seus atos, não pelas palavras. Ela exalava perfumes e me alegrava... Não podia jamais tê-la abandonado. Deveria ter percebido sua ternura por trás daquelas tolas mentiras. As flores são tão contraditórias! Mas eu era jovem demais para saber amá-la. (p. 31) A separação foi essencial para que o pequeno príncipe lembrasse o que havia vivido com a sua flor. Após a despedida, ele começou sua viagem visitando os asteróides mais próximos para desta forma ter uma atividade e se instruir. (p. 34) Esta foi uma viagem de muitos aprendizados. Foram seis os asteróides visitados pelo principezinho e, em cada um, conheceu uma pessoa diferente: o rei, o vaidoso, o bêbado, o empresário, o acendedor de lampiões e o geógrafo. Ao retratar cada um dos habitantes dos planetas que visitara, o principezinho nos 13

14 mostra estereótipos do que seja a pessoa humana. Pessoas grandes que, infelizmente, não encontraram um sentido na vida e vivem sós, cada uma em seu planeta de forma bem limitada. O rei O primeiro deles foi o asteróide habitado pelo rei que, assim que avistou o principezinho, exclamou alegre: Ah! Eis um súdito! (p. 35) Todo orgulhoso por, finalmente, encontrar um súdito, o rei passou a dar ordens sistemáticas ao pequeno príncipe: que bocejasse, que sentasse, que ficasse, que fosse embora. Não tolerava desobediência. Era um monarca absoluto. Mas, como era muito bom, dava ordens razoáveis. (p. 35) O monarca, ao mandar as pessoas fazerem o que elas já queriam fazer, encontrou uma forma de sempre ser obedecido e sentia-se muito importante com o seu método: O principezinho procurou com olhos onde sentar-se, mas o planeta estava todo atravancado pelo magnífico manto de arminho. Ficou, então, de pé. Mas, como estava cansado, bocejou. proíbo. - É contra a etiqueta bocejar na frente do rei, disse o monarca. Eu o -Não posso evitá-lo, disse o principezinho confuso. Fiz uma longa viagem e não dormi ainda... -Então, disse o rei, eu te ordeno que bocejes. Há anos que não vejo ninguém bocejar! Os bocejos são uma raridade para mim. Vamos, boceja! É uma ordem! -Isso me intimida... Eu não posso mais... Disse o principezinho todo vermelho. (p. 35) -Hum! Hum! Respondeu o rei. Então... Eu te ordeno ora bocejares e ora... 14

15 O principezinho, intrigado com o minúsculo planeta do monarca, o interroga: Majestade... sobre quem reinais? E o rei com um gesto simples, indicou seu planeta, os outros planetas, e também as estrelas. (p. 37) Sabendo que o rei reinava sobre todo o universo, o principezinho lhe pede para que ele ordene que o sol se ponha. E o rei lhe explica: - Se eu ordenasse a meu general voar de uma flor a outra como borboleta, ou escrever uma tragédia, ou transformar-se numa gaivota, e o general não executasse a ordem recebida, quem, ele ou eu, estaria errado? -Vós - respondeu com firmeza o principezinho. -Exato. É preciso exigir de cada um o que cada um pode dar - replicou o rei. - A autoridade se baseia na razão. Se ordenares a teu povo que se lance ao mar, todos se rebelarão. Eu tenho o direito de exigir obediência porque minhas ordens são razoáveis. (p. 37) Este rei estava sozinho em seu planeta. Ansioso por ter um súdito, propõe ao principezinho que seja seu Ministro da Justiça, mas o pequeno príncipe recusa dizendo que não há ninguém para julgar naquele lugar, ao que o rei responde: - Tu julgarás a ti mesmo respondeu-lhe o rei. É o mais difícil. É bem mais difícil julgar a si mesmo que julgar os outros. Se consegues fazer um julgamento de ti, és um verdadeiro sábio. - Mas eu posso julgar-me a mim próprio em qualquer lugar, replicou o principezinho. Não preciso, para isso, ficar morando aqui. -Ah! - disse o rei -, eu tenho quase certeza de que há um velho rato no meu planeta. Eu o escuto de noite. Tu poderás julgar esse rato. Tu o condenarás à morte de vez em quando: assim a sua vida dependerá da tua justiça. Mas tu o perdoarás cada vez, para economizá-lo. Pois só temos um. - Eu, respondeu o principezinho, eu não gosto de condenar à morte, e acho que vou mesmo embora. (p. 39) 15

16 Apesar dos argumentos do rei, o principezinho não ficou convencido a ficar em seu planeta, e prosseguiu a viagem. O Vaidoso O segundo planeta visitado pelo principezinho era habitado por um vaidoso que ficou feliz em ver um admirador, afinal, para os vaidosos, os outros homens são seus admiradores. (p. 40) Para esse tipo de homem, lidar com a crítica é muito difícil, eles só ouvem os elogios (p. 42). O principezinho não entende o que significa admirar: principezinho. -Não é verdade que tu me admiras muito? Perguntou ele ao -Que quer dizer admirar? -Admirar significa reconhecer que eu sou o homem mais belo, mais rico, mais inteligente e mais bem vestido de todo o planeta. - Mas só há você no seu planeta! -Dá-me esse gosto. Admira mesmo assim! -Eu te admiro, disse o principezinho, dando de ombros. Mas como pode isso interessar-te? E o principezinho foi-se embora. (p.42) O Bêbado Neste terceiro planeta, o pequeno príncipe conhece um bêbado que se encontrava silenciosamente acomodado diante de inúmeras garrafas vazias e diversas garrafas cheias. (p. 42). O bêbado confessa que bebe para esquecer que tem vergonha de beber, o que deixa o principezinho mergulhado numa profunda tristeza (p.42), pois 16

17 ele sabia que beber para esquecer não resolveria seus problemas. Este homem está preso em um ciclo vicioso do qual não consegue se livrar: -Eu bebo, respondeu o bêbado com ar lúgubre. -Por que é que bebes? Perguntou-lhe o principezinho. -Para esquecer, respondeu o beberrão. -Esquecer o quê? Indagou o principezinho, que já começava a sentir pena. -Esquecer que eu tenho vergonha, confessou o bêbado, baixando a cabeça. -Vergonha de quê? Investigou o principezinho, que desejava socorrê-lo. no seu silêncio. -Vergonha de beber! Concluiu o beberrão, encerrando-se definitivamente E o principezinho foi-se embora, perplexo. (p. 43) O Empresário No quarto planeta conhece um empresário que diz possuir estrelas e passa todo o tempo a contá-las. Este homem leva seu trabalho muito a sério: Eu sou um sujeito sério, Gosto de exatidão. (p. 45) Porém, apesar de possuir as estrelas, ele não sabe admirá-las. Pela primeira vez o principezinho lembra da flor que deixou em seu planeta: Eu disse ele, ainda possuo uma flor que rego todos os dias. Possuo três vulcões que revolvo toda semana. Porque revolvo também o que está extinto. A gente nunca sabe! É útil para os meus vulcões, é útil para a minha flor que eu os possua. Mas tu não és útil às estrelas... O empresário sente-se importante, mas o principezinho não se convence: -Como pode a gente possuir as estrelas? -De quem são elas? Respondeu, ameaçador, o homem de negócios. 17

18 -Eu não sei. De ninguém. -Logo são as minhas, porque pensei primeiro. -Basta isso? -Sem dúvida. Quando achas um diamante que não é de ninguém, ele é teu. Quando achas uma ilha que não é de ninguém, ela é tua. Quando tens uma idéia primeiro, tu a fazes registrar: ela é tua. E quanto a mim, eu possuo as estrelas, pois ninguém antes de mim teve a idéia de possuí-las. -Isso é verdade, disse o principezinho. E que fazes tu com elas? -Eu as administro. Eu as conto e reconto, disse o homem de negócios. É difícil. Mas eu sou um homem serio! O principezinho ainda não estava satisfeito. -Eu, se possuo um lenço, posso colocá-lo em torno do pescoço e levá-lo comigo. Se possuo uma flor, posso colher a flor e levá-la comigo. Mas tu não podes colher as estrelas. -Não. Mas eu posso colocá-las no banco. -Que quer dizer isto? -Isso quer dizer que eu escrevo num papelzinho o número das minhas estrelas. Depois tranco o papel a chave numa gaveta. -Só isto? - E basta... sério. - É divertido, pensou o principezinho. É bastante poético. Mas não é muito 18

19 O principezinho tinha, sobre as coisas sérias, idéias muito diversas das idéias das pessoas grandes. - Eu, disse ele ainda, possuo uma flor que rego todos os dias. Possuo três vulcões que revolvo toda semana. Porque revolvo também o que está extinto. A gente nunca sabe. É útil para os meus vulcões, é útil para a minha flor que eu os possua. Mas tu não és útil às estrelas... O homem de negócios abriu a boca, mas não achou nada a responder, e o principezinho se foi... As pessoas grandes são mesmo extraordinárias, repetia simplesmente no percurso da viagem. (p.46) O Acendedor de Lampiões O acendedor diz que executa uma tarefa terrível. Antes gostava desta tarefa, mas agora, como seu planeta gira muito rápido, não lhe sobra tempo para fazer outras coisas: - Eu executo uma tarefa terrível. No passado, era mais sensato. (...) O regulamento não mudou disse o acendedor. Aí é que está o problema. Mesmo com a mudança da realidade, o acendedor continua fazendo a mesma coisa e não pensa na possibilidade de mudar o regulamento. Existem pessoas, que como ele, não conseguem criar novas regras quando necessário. O principezinho vê um sentido no trabalho do acendedor, o que não aconteceu no seu encontro com as outras pessoas que conhecera até agora: Seu trabalho ao menos tem um sentido. Quando acende o lampião, é como se fizesse nascer mais uma estrela, ou uma flor. Quando apaga, porém, faz adormecer a estrela ou a flor. É um belo trabalho, tem sua utilidade. (p.47 ) E na tentativa de ajudá-lo, o pequeno príncipe faz sugestões para que o acendedor consiga mudar esta situação, que se tornara um tormento e o deixava infeliz: 19

20 -Sabes? Eu sei de um modo de descansar quando quiseres... -Eu sempre quero, disse o acendedor. Pois a gente pode ser, ao mesmo tempo, fiel e preguiçoso. E o principezinho prosseguiu: -Teu planeta é tão pequeno, que podes, com três passos, dar-lhe a volta. Basta andares lentamente, bem lentamente, de modo a ficares sempre no sol. Quando quiseres descansar, caminharás... E o dia durará quanto queiras. -Isso não adianta muito, disse o acendedor. O que eu gosto mais na vida é de dormir. -Então não há remédio, disse o principezinho. -Não há remédio, disse o acendedor. Bom dia. (p. 50) O principezinho pensa: No entanto, é o único que não me parece ridículo. Talvez porque é o único que se ocupa de outra coisa que não ele próprio. (...) Era o único com quem eu poderia ter feito amizade. Mas seu planeta é mesmo pequeno demais. Não há lugar para dois. (p. 50) O Geógrafo No sexto planeta vivia um geógrafo que nunca abandona sua escrivaninha. Não sabia nada sobre seu próprio planeta, afinal, este era um trabalho para exploradores. Entusiasmado com a chegada do principezinho, lhe pergunta sobre o planeta de onde vem: O geógrafo, de súbito, se entusiasmou: planeta! -Mas tu vens de longes. Tu és explorador! Tu me vais descrever o teu 20

21 E o geógrafo, tendo aberto o seu caderno, apontou o seu lápis. Anotam-se primeiro a lápis as narrações dos exploradores. Espera-se, para cobrir à tinta, que o explorador tenha fornecido provas. -Então? Interrogou o geógrafo. -Oh! Onde eu moro, disse o principezinho, não é interessante: é muito pequeno. Eu tenho três vulcões. Dois vulcões em atividade e um vulcão extinto. A gente nunca sabe... -A gente nunca sabe, repetiu o geógrafo. -Tenho também uma flor. -Mas nós não adotamos as flores, disse o geógrafo. -Por que não? É o mais bonito! -Porque as flores são efêmeras. -Que quer dizer efêmera? -As geografias, disse o geógrafo, são os livros de mais valor. Nunca ficam fora de moda. É muito raro que um monte troque de lugar. É muito raro um oceano esvaziar-se. Nós escrevemos coisas eternas. -Mas os vulcões extintos podem se reanimar, interrompeu o principezinho. Que quer dizer efêmera? -Que os vulcões estejam extintos ou não, isso dá no mesmo para nós, disse o geógrafo. O que nos interessa é a montanha. Ela não muda. -Mas que quer dizer efêmera? repetiu o principezinho, que nunca, na sua vida, renunciara a uma pergunta que tivesse feito. -Quer dizer ameaçada de próxima desaparição. 21

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo.

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo. I Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma figura magnífica num livro sobre a floresta virgem, chamado Histórias vividas. Representava uma jiboia engolindo uma fera. Esta é a cópia do desenho. O livro

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Roteiro para Leitura Dramática: O Pequeno Príncipe Antoine de Saint Exupéry

Roteiro para Leitura Dramática: O Pequeno Príncipe Antoine de Saint Exupéry Roteiro para Leitura Dramática: O Pequeno Príncipe Antoine de Saint Exupéry 1 A LÉON WERTH Peço perdão às crianças por dedicar este livro a uma pessoa grande. Tenho um bom motivo: essa pessoa grande é

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

2- Explique a diferença entre sistema nervoso central e sistema nervoso periférico.

2- Explique a diferença entre sistema nervoso central e sistema nervoso periférico. FICHA DA SEMANA 5º ANO A / B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

O Pequeno Príncipe Antoine de Saint-Exupéry

O Pequeno Príncipe Antoine de Saint-Exupéry O Pequeno Príncipe Antoine de Saint-Exupéry I Certa vez, quando tinha seis anos, vi num livro sobre a Floresta Virgem, "Histórias Vividas", uma imponente gravura. Representava ela uma jibóia que engolia

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama Page 1 of 6 Tudo Bem! Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar!

O livro por escrever. Poderiam ser o início de um livro Fosse eu capaz de as libertar! O livro por escrever Poderiam ser o início de um livro, estas palavras De um livro sem princípio nem fim Aquele espaço em que para me encontrar Teria de me ausentar por uma eternidade Afastar-me dos sons

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas

Modelos de Mensagens para Homenagens Mais Utilizadas 1012. Stylo Formaturas Produtora Agenciamento e Produção de Formaturas A jornada pareceu árdua e difícil... O desânimo tentou se apossar por vezes... Entretanto, o lembrar de suas faces preocupadas E tanto

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Festa da Avé Maria 31 de Maio de 2009

Festa da Avé Maria   31 de Maio de 2009 Festa da Avé Maria 31 de Maio de 2009 Cântico Inicial Eu era pequeno, nem me lembro Só lembro que à noite, ao pé da cama Juntava as mãozinhas e rezava apressado Mas rezava como alguém que ama Nas Ave -

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO 1 SUMÁRIO A História... 2 Vários pensamentos... 2 Ódio... 2 Pena de MIM... 3 Sem controle sobre a minha mente... 4 Tristeza Profunda... 4 Falta de compreensão... 5 A cura... 6 Basta este dia... 8 Um novo

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás.

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás. Bloco Mauricio Diogo Vejo um bloco de mármore branco. A rocha dura. A rocha é dura. O mármore tem textura. É duro. Resistente. Sincero. Tem caráter. Há mármore rosa, bege, azul, branco. O escultor doma

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO?

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus.

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita Areias 19 de Janeiro de 2005 Querida Mãezita Escrevo-te esta carta para te dizer o quanto gosto de ti. Sem ti, eu não teria nascido, sem ti eu não seria ninguém. Mãe, adoro- -te. Tu és muito importante

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo.

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. O PROFETA ELISEU Lição 64 1 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 2, 4, 5 (Base bíblica para a

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Neste mês Festinclã 2001

Neste mês Festinclã 2001 Neste mês Festinclã 2001 No ano de 2001, a atividade estadual de Guias teve como tema Cantando a Vida. Os clãs de São Paulo soltaram a criatividade e o talento que incluiu além das tradicionais músicas

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Encarte e letras disponíveis em www.encartedigital.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

Encarte e letras disponíveis em www.encartedigital.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigital.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro BRUNA KARLA NA ETERNIDADE Eyshila - MK EDIÇÕES ISRC BR MKP 1300644 Quero

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais