Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)"

Transcrição

1 Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)

2 PROCESSO LEGISLATIVO ACTUAL Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro: (Regime Jurídico de SCIE). Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro: (Regulamento Técnico de SCIE). Despacho do Presidente da ANPC nº 2074/2009, de 15 de Janeiro (Critérios Técnicos para Determinação da Densidade de Carga de Incêndio Modificada ). 2

3 PROCESSO LEGISLATIVO ACTUAL Portaria nº 64/2009, de 22 de Janeiro (Credenciação de Entidades pela ANPC para pareceres, vistorias, inspecções de SCIE). Portaria nº 610/2009, de 8 de Junho: (Sistema Informático SCIE compatível c/ RJUE) Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho (Registo da actividade de comercialização, instalação, manutenção de equipamentos de SCIE). Portaria nº 1054/2009, de 16 de Setembro : (Cobrança de Taxas). 3

4 ANPC: ASSEGURAR CUMPRIMENTO DO RJ-SCIE 1 NA PERSPECTIVA DOS PROCESSOS: a) Agilizar e simplificar o Licenciamento de Projectos e Obras em conformidade c/ RJUE (Lei n.º 60/2007 DL nº 555/99). b) Menor nº de Pareceres da ANPC sobre Projectos de SCIE. c) Menor nº de Vistorias da ANPC p/ Abertura Estabelecimentos. d) Maior nº Acções de Fiscalização da ANPC Pós-Licenciamento: (Inspecções Regulares, Planos de Segurança, Simulacros). 4

5 ANPC: ASSEGURAR CUMPRIMENTO DO RJ-SCIE e) Promover a Formação/Certificação de Especialistas em SCIE. f) Maior responsabilização dos Autores de Projectos (Arquitectura, SCIE, e restantes Especialidades), dos Empreiteiros, Directores de Fiscalização de Obra, Responsáveis pela manutenção das condições de SCIE. 5

6 ANPC: ASSEGURAR CUMPRIMENTO DO RJ-SCIE 2 NA PERSPECTIVA DOS RECURSOS (FINANC./ MAT./ HUMANOS): a) Possibilitar a captação de receitas (taxas, coimas) b) Melhorar a qualidade dos serviços prestados pela ANPC em SCIE (Funcionários, Técnicos Credenciados, Bombeiros). c) Aumentar o investimento em TIC (Gestão centralizada de processos. Consulta online dos processos. Articulação com o SI do RJUE. Disponibilizar informação técnica de SCIE no sítio da ANPC). 6

7 ANPC: ASSEGURAR CUMPRIMENTO DO RJ-SCIE 3 NA PERSPECTIVA DOS UTENTES: Aumentar o grau de Segurança Contra Riscos de Incêndio em Edifícios da população em geral. Aumentar o grau de satisfação dos utentes dos serviços prestados pela ANPC (CM, Promotores, projectistas, etc.) e melhorar a cultura de segurança da população em geral. 7

8 ASPECTOS MAIS RELEVANTES DO RJ-SCIE: Toda a regulamentação passou a estar reunida num único Diploma, o RJ-SCIE (DL nº220/2008 e Portarias complementares). Aplicável praticamente à totalidade dos usos dos edifícios, para o efeito classificados em 12 Utilizações - tipo e 4 Categorias de risco. Ajustado ao RJUE (Lei nº60/2007): pareceres e vistorias não obrigatórios. Fiscalização pós licenciamento. Cobrança de Taxas pelos serviços prestados pela ANPC ou Entidades credenciadas. Coimas /sanções acessórias por 8 incumprimentos.

9 NÚCLEO CERTIFIÇÃO FISCALIZAÇÃO Direcção Nacional de Planeamento de Emergência Unidade de Previsão de Riscos e Alerta O NCF NO PAÍS Braga V. Castelo Porto Aveiro Coimbra Leiria Santarém Vila Real Viseu Castelo Branco Bragança Guarda Portalegre Núcleo de Certificação e Fiscalização Lisboa Setúbal Évora Beja Faro 9

10 NÚCLEO CERTIFIÇÃO FISCALIZAÇÃO SEDE 7 Técnicos Francelino Silva Alexandra Santos Nuno Duarte Artur Santos José Justo António Granja José Pinto Maria Mil-Homens Sofia Baganha Elisabete Ribeiro Rita Correia Ana Paula Santos Mário Silva Grilo Filipe Mariquito João Carlos Faria Sandra Reis Maria A. Santos Paulo Figueiredo 18 CDOS - 21 Técnicos António Varela Paulo Calado Fernando João João Pinheiro João Crisóstomo José Seco Manuel Fonseca Olga Sampaio Susana Saleiro António Carneiro só SCIE outras UO e PEPAC 10

11 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Até ao final projectos de SCIE Desde Setembro de pedidos de parecer mensais ( valores anuais) 200 pedidos de vistorias mensais ( valores anuais) Existe uma diminuição efectiva do pedido de pareceres de projectos de SCIE. 11

12 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Sistema informático Portaria 610/2009 de 8 de Junho ISQ realizou estudo para apoio à elaboração do caderno de encargos (terminado em Maio) Concurso internacional até final de

13 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Registo de Entidades Portaria 773/2009 de 21 de Julho ANPC realizou várias reuniões de trabalho com a APSEI. ANPC iniciou o processo de registo de entidades ao abrigo da norma transitória. Desde Setembro de 2011 estamos a proceder à divulgação na página da ANPC das entidades. (500 pedidos de registo (200 publicados e 300 pendentes) 13

14 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Regime de Credenciação Portaria 64/2009 de 22 de Janeiro A ANPC Celebrou protocolo com a Liga para agilização deste processo Foram definidos e disponibilizados os conteúdos programáticos para as acções de formação referidas na portaria e que são requisitos para a credenciação Aguarda-se a assinatura de Protocolos com Câmaras Municipais 14

15 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Registo de Projectistas da 3ª e 4ª categorias de risco Assinaram-se protocolos com a OA, OE, OET. Nº de cursos homologados pela ANPC: - 128h - 21; 70h - 6; 90h - 5 Listagem dos técnicos da OA, OE e OET no âmbito do reconhecimento directo na página da ANPC: - OA - 60; OE - 210; OET 224 (reportado a 18/10/2011) 15

16 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS DOCUMENTOS TÉCNICOS DE APOIO Revisão das 23 notas técnicas existentes Adjudicadas a sua Revisão Disponíveis no sitio da ANPC a partir de 1 de Dezembro de

17 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 16 - Guia de Aplicação do Regulamento de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Escolares. 17

18 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Realização de quatro Reuniões da Comissão de Acompanhamento do RJSCIE. Foi enviada para publicação proposta de correcção de erros. Nomeadas 4 equipas de trabalho para revisão técnica de: Ficha de Segurança. Acessibilidades. Reacção ao fogo. Medidas de Autoprotecção. Realização de uma Acção de Formação sobre RT-SCIE, para os Técnicos do NCF. Realização de uma Acção de Formação sobre Medidas de Autoprotecção, Análise de Risco e Procedimentos Inspectivos, para os Técnicos do NCF. Elaboração de Manual de Medidas de Autoprotecção I volume. (disponível em Dezembro de 2011) 18

Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania

Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania Ministério da Administração Interna Secretaria-Geral Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania Encontro Arquivos da Administração Pública 2 e 3 julho Angélica Jorge/Cidália Ferreira

Leia mais

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE

Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Qualificação de autores de projeto/medidas de autoproteção e de técnicos responsáveis no âmbito da SCIE Alexandra Santos 1 QUALIFICAÇÃO DE AUTORES DE PROJETO/MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO E DE TÉCNICOS RESPONSÁVEIS

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Leia mais

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS DE CLASSIFICAÇÃO 24.06.2011 6ª. FEIRA Jogo nº 01 - VIANA CASTELO / AVEIRO Jogo nº 02 - HORTA / LISBOA Alcanena Jogo nº 03 - PONTA DELGADA / BRAGANÇA T.Novas Jogo nº

Leia mais

Aviso nº1/2013. Abertura de Procedimento Concursal para o Recrutamento de Formadores. Externos de Combate a Incêndios Florestais

Aviso nº1/2013. Abertura de Procedimento Concursal para o Recrutamento de Formadores. Externos de Combate a Incêndios Florestais Aviso nº1/2013 Abertura de Procedimento Concursal para o Recrutamento de Formadores Externos de Combate a Incêndios Florestais Nos termos do n.º 2 do Artigo 3.º do Regulamento Interno de Recrutamento,

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular ORDEM DOS ENGENHEIROS Colégio Nacional de Engenharia Electrotécnica Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Leia mais

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março Diploma Coloca as escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde pública sob a tutela exclusiva do Ministério da Educação e procede à reorganização da sua rede, bem como cria os Institutos Politécnicos

Leia mais

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março Diploma Coloca as escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde pública sob a tutela exclusiva do Ministério da Educação e procede à reorganização da sua rede, bem como cria os Institutos Politécnicos

Leia mais

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN.

CALENDÁRIO * * O calendário poderá estar sujeito a pequenas alterações. Por favor confirme a data. actualizada no site da OASRN. CICLO DE LEGISL AÇÃO NA PRÁTICA PROFISSIONAL 2009 CALENDÁRIO * FORMAÇÃO FORMADOR VISEU COIMBRA BRAGA AVEIRO L1 DL60/2007 (RJUE) Dr. Nuno César Machado 4 Junho 18 Junho 30 Abril 7 Maio L2 DL163/2006 (ACESSIBILIDADE)

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

1 - Elementos Caracterizadores do Curso

1 - Elementos Caracterizadores do Curso 1 - Elementos Caracterizadores do Curso 1.1. Denominação: O curso terá a seguinte designação: Formação na área específica de SCIE para elaboração de projectos e planos de 3ª e 4ª categoria de riscos Formação

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS REGIME JURÍDICO COIMBRA, 13 de Outubro de 2010 Mário Augusto Grilo - Eng.º Civil LEGISLAÇÃO ESTRUTURANTE Decreto - Lei nº 220/2008, de 12 de Novembro Regime Jurídico

Leia mais

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS e PER 1º SEMESTRE 2017 INDICE Análise - comparativos Insolvências Empresas Comparativo Geográfico 1º Semestre / Períodos Homólogos Insolvências

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal

Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal Gestão de Óleos Alimentares Usados (OAU) Rede de Recolha Seletiva Municipal 214-215 Índice 1. Enquadramento legal. 3 2. Pontos de recolha seletiva municipal. 3 3- Acordos Voluntários Erro! Marcador não

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º UNIDADE ORGÂNICA: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DIRIGENTE: LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL: 24 DE FEVEREIRO DE 2014 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - Promover

Leia mais

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO DE /05/2017.

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO DE /05/2017. RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO DE 2016 15/05/2017 www.elergone.pt Índice 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE COMERCIALIZAÇÃO DA ELERGONE EM 2016... 3 2.1 CONSUMO DA ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares

Medidas de Autoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares Câmara Municipal da madora Medidas de utoprotecção Utilizações Tipo IV - Escolares CID D E D M D OR madoraeduca Grafismo:.Galvão/GDC/GIRP - Impressão e acabamento: OG/GIRP Minuta Técnica para Elaboração

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS O DL 220/2008, que estabeleceu o regime jurídico de segurança contra incêndios (SCIE), diz que estão sujeitos a este regime todos os edifícios ou fracções autónomas, qualquer

Leia mais

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular 1- Projecto de Instalações Eléctricas Técnicos

Leia mais

NFPA APSEI INSPEÇÕES REGULARES LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS

NFPA APSEI INSPEÇÕES REGULARES LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS INSPEÇÕES REGULARES. LIÇÕES APRENDIDAS 1 Ditado Popular : Mais vale prevenir do que remediar (É melhor adotar previamente as medidas julgadas necessárias no sentido de reduzir a possibilidade de ocorrência

Leia mais

1º Organismo de inspecção acreditado em Portugal

1º Organismo de inspecção acreditado em Portugal INSTITUTO TECNOLÓGICO DO GÁS Fevereiro 2010 Instituto Tecnológico do Gás - ITG Associação privada sem fins lucrativos criada em 1976 pelas empresas petrolíferas e gasistas implantadas em Portugal Em 1980,

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 1 SÍNTESE Semana de No período em análise verificou-se um aumento gradual das temperaturas máximas observadas, atingindo-se os 3ºC,

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA

SISTEMAS DE SEGURANÇA Enquadramento das Instalação Eléctricas de acordo com Nova Legislação de Segurança Contra Incêndio em Edifícios João Paulo Rocha, Eng.º Tec. Elect. 1 Introdução INTRODUÇÃO 1 -Apresentação da 2 - Enquadramento

Leia mais

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Quanto ao nome do ficheiro: Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Anexos Conteúdo Nomenclatura do ficheiro Prestação de informação por perito Ficheiro de dados

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 1 SÍNTESE Semana de 1 a 16 de setembro Na semana em análise, verificaram-se temperaturas máximas altas com uma ligeira subida a partir

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares

Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Notas Técnicas ANPC vs Requisitos regulamentares Contextualização Nota Técnica n.º 09 [Sistemas de Proteção Passiva] Selagem de vãos Aberturas para passagem de cablagens e condutas Nota Técnica n.º 10

Leia mais

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO?

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? Nos dias 30 e 31 de Maio de 2011, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2011 do Ensino Secundário. O Parlamento dos Jovens

Leia mais

Prémios VALORFITO 2012

Prémios VALORFITO 2012 VALORFITO 2012 REGULAMENTO NOTA PRÉVIA Os Pontos de Retoma (PR s) VALORFITO são elementos essenciais e determinantes para o funcionamento do sistema e exercem as suas funções de forma inteiramente gratuita.

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S PER S OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de PER s registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por Sector de Atividade e

Leia mais

Dados históricos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Por setor de atividade. Por setor de atividade

Dados históricos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Por setor de atividade. Por setor de atividade Dados históricos Nascimentos Encerramentos Insolvências Fusões/ aquisições Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Por setor de atividade Por setor de atividade Por

Leia mais

Base de Dados das Empresas Novas Portugal

Base de Dados das Empresas Novas Portugal Base de Dados de Portugal É a Base de Dados das empresas e entidades Portuguesas mais completa e mais utilizada por profissionais em Portugal. Campos: NIF, Entidade, Morada, Localidade, Código postal,

Leia mais

Nova Rede de Urgências

Nova Rede de Urgências Nova Rede de Urgências Objectivos Reunião da Comissão Técnica com a Comunicação Social O processo de definição da Rede de Urgências A Comissão Técnica de Apoio ao Processo de Requalificação das Urgências

Leia mais

Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro

Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro Quadro Privativo do pessoal da Inspecção da Educação Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro A dinâmica já imprimida ao processo de reforma educativa, as exigências

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO AGOSTO 2013 Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde SÍNTESE do período entre 1 e 31 de AGOSTO

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES 3 Maio de 4 I INTRODUÇÃO As reclamações como indicador da qualidade das unidades prestadoras de cuidados, quer

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quarta-feira, 19 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS Decreto-Lei n.º 142/2010. D.R. n.º 253, Série I de 2010-12-31 Altera as normas de especificação técnica para a composição da gasolina e do gasóleo rodoviário,

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quinta-feira, 21 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção

Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Regime Jurídico da SCIE O desafio da Autoprotecção Lisboa 12 Novembro 2013 1 Regime Jurídico da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Medidas de Autoprotecção Enquadramento; A autoprotecção no RJ-SCIE

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS

ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS ACTOS PRÓPRIOS RESERVADOS E OUTROS ACTOS EM QUE PODEM INTERVIR OS ARQUITECTOS INSCRIÇÃO EFECTIVA ACTIVA NA ORDEM DOS ARQUITECTOS DECLARAÇÃO GENÉRICA EMITIDA PELA OA - Elaborar e apreciar estudos, projectos

Leia mais

Eleições dos delegados à Assembleia-geral da Federação Portuguesa de Judo Resultados ZONA AÇORES

Eleições dos delegados à Assembleia-geral da Federação Portuguesa de Judo Resultados ZONA AÇORES ZONA AÇORES Açores (SM) Açores (SJ) Ilha Terceira Eleitores 28 11 10 49 Votantes 21 9 6 36 Luís Paz 21 9 1 31 Delegado Eleito Mário Coelho 0 0 5 5 Açores (SM) Açores (SJ) Ilha Terceira Eleitores 136 52

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1. FINALIDADE O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para o Espetáculo Desportivo (artigos 8.º e 9.º do Decreto-Lei

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifício

Segurança Contra Incêndio em Edifício Segurança Contra Incêndio em Edifício Elaboração de Medidas de Autoproteção - Consultores de Engenharia, Lda tem como obje vo a prestação de serviços de engenharia nas áreas do projeto e da gestão de empreendimentos

Leia mais

PUBLICITAÇÃO DOS CONTRATOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, EM CUMPRIMENTO DO ART.º 38º DA LEI N.º 12-A/08, DE 27 DE FEVEREIRO

PUBLICITAÇÃO DOS CONTRATOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, EM CUMPRIMENTO DO ART.º 38º DA LEI N.º 12-A/08, DE 27 DE FEVEREIRO PUBLICITAÇÃO DOS CONTRATOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, EM CUMPRIMENTO DO ART.º 38º DA LEI N.º 12-A/08, DE 27 DE FEVEREIRO 2010 Contrato de prestação de serviços, através de contrato de tarefa, para Técnico

Leia mais

RELATÓRIO SIADAP

RELATÓRIO SIADAP UNIDADE ORGÂNICA: DIRIGENTE: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA: 5 DE MARÇO DE 2012 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - PROMOVER A URBANIZAÇÃO PROGRAMADA E ARTICULADA

Leia mais

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO

as 2017 EM ATUALIZAÇÃO 2017 EM ATUALIZAÇÃO CURSOS CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2017 Portfólio com 37 cursos de formação Mais de 2.900 formandos desde 2008 Mais de metade dos nossos formandos realizam mais do

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo regime instituído pelo Decreto-Lei nº 234/2007, de 19 de Junho Uso exclusivo da

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO A ANPC já publicou o a ultima versão dos esclarecimentos sobre os procedimentos para a implementação das medidas de autoproteção. http://www.proteccaocivil.pt/segurancacontraincendios/pages/planosdeseguranca.aspx

Leia mais

DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A. EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia. DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.

DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A. EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia. DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n. DATA: Quinta-feira, 3 de Dezembro de 1992 NÚMERO: 279/92 SÉRIE I-A EMISSOR: Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 272/92 SUMÁRIO: Estabelece normas relativas às associações inspectoras

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 212 SÍNTESE Semana de 25 de junho a 1 de julho Nos dois primeiros dias desta semana verificaram-se temperaturas máximas elevadas,

Leia mais

FORMADORES TAT/TS ACREDITADOS PELO INEM (239) (12JAN2012)

FORMADORES TAT/TS ACREDITADOS PELO INEM (239) (12JAN2012) FORMADORES TAT/TS ACREDITADOS PELO INEM (239) (12JAN2012) Nome do formador Distrito Formação Data RTAS Observações/situação Joaquim Cardoso Aveiro Médico Curso SAV ACREDITADO (of. 866 de 12JAN2012) Leandro

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 SÍNTESE do período entre 1 e 30 de JUNHO de 2013 As temperaturas observadas no mês de junho apresentaram-se

Leia mais

Manutenção em SCIE. Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases

Manutenção em SCIE. Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases Manutenção em SCIE Aplicado a Sistemas Automáticos de Deteção de Incêndios e Gases Carlos Nobre Manutenção Manutenção é a combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo supervisão,

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 54/2005 de 3 de Março Aprova o Regulamento do Número e Chapa de Matrícula dos Automóveis, Seus Reboques, Motociclos, Triciclos e Quadriciclos de Cilindrada Superior a 50 cm3 As actuais

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016 NÚMERO DATA 15/07/2016 TÍTULO 3.º RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2016 01 DE JANEIRO A 15 DE JULHO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016 01 DE JANEIRO A 15 DE JULHO 1/8 Informação

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

PPEC agosto 2017

PPEC agosto 2017 PPEC 2013-2014 agosto 2017 PPEC 2013-2014 IBD I6 Definição, Avaliação e Capacitação de Projetos de Eficiência Energética conducentes a contratos com Empresas de Serviços Energéticos (ESE) Divulgação Final

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS OBJECTO DE INQUÉRITO

ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS OBJECTO DE INQUÉRITO ACIDENTES DE TRABALHO MORTAIS OBJECTO DE INQUÉRITO (INFORMAÇÃO ACTUALIZADA A 31 DE OUTUBRO DE 2008) NOTA Os inspectores do trabalho realizam inquérito urgente e sumário para averiguar das causas de acidentes

Leia mais

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem.

ÂMBITO: Postos de Enfermagem Unidades ou Estabelecimentos de saúde privados, abertos ao público, onde se exerça a prática de enfermagem. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 86903 e 86906 CENTROS DE ENFERMAGEM ÂMBITO:

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos...

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos... ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 2014... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo os distritos... 6 4. Vítimas segundo a natureza do acidente... 7 5. Vítimas

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI 3 REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI DL nº 209/2008 de 29 de Outubro todas as adegas estão obrigadas ao licenciamento obras necessárias

Leia mais

Ref.ª Newsletter 04/2014

Ref.ª Newsletter 04/2014 Há 20 anos a contribuir para a segurança das empresas. Ref.ª Newsletter 04/2014 Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 220/2008, 12 de Novembro: Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em Edifício

Leia mais

Estudo de Insolvências Ano de 2008

Estudo de Insolvências Ano de 2008 Estudo de Insolvências IIC Ano de 2008 Estudo de Insolvências Ano de 2008 Análise Geral Os resultados de 2008 confirmaram a tendência de crescimento verificada em 2007, tendo-se registado um total de 2.785

Leia mais

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS Linha de Crédito PME Investe V Linhas Geral Outras Empresas Micro e Pequenas Empresas Montante global 500 M (Limite 1.400 M ) 250 M (Limite 600 M ) Montante máximo por

Leia mais

Desta forma, as entidades que pretendam desenvolver a actividade de certificação das ITED estão sujeitas a registo no ICP-ANACOM.

Desta forma, as entidades que pretendam desenvolver a actividade de certificação das ITED estão sujeitas a registo no ICP-ANACOM. Procedimentos de Registo de Entidades Certificadoras ANACOM, 2ª edição Julho de 2004 INTRODUÇÃO A certificação constitui uma peça fundamental do regime estabelecido pelo Decreto-Lei nº 59/2000, de 19 de

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos...

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos... ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 2014... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo os distritos... 6 4. Vítimas segundo a natureza do acidente... 7 5. Vítimas

Leia mais

2. DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA N.º 05/MANDATO

2. DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA N.º 05/MANDATO ---------------------ACTA N..º 03--------------------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009: ----------------------------------------------- ---------- No dia dezanove de Novembro

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS

FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS 2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 FORMAÇÃO E SIMULACROS SEGUNDO A REGULAMENTAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS

Leia mais

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro

Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro Envelhecimento Ativo: mudar o presente para ganhar o futuro - Seminário_Murça- Paula Cruz 19 Outubro 2011 Missão da EAPN Portugal Defender os direitos humanos fundamentais e garantir que todos tenham as

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 00 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Estabelecer um critério de classificação de todas as notas técnicas que permita listá-las. APLICAÇÃO ÍNDICE Para interpretar ou complementar

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

Tendências das Doenças Profissionais em Portugal. Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais

Tendências das Doenças Profissionais em Portugal. Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais Tendências das Doenças Profissionais em Portugal Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais Departamento Proteção contra os Riscos Profissionais Descrição Serviço do Instituto de Segurança

Leia mais

I Olimpíadas da Economia

I Olimpíadas da Economia I Olimpíadas da Economia Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre as I Olimpíadas da Economia (doravante

Leia mais

Ponte da Barca, Lurdes Barata

Ponte da Barca, Lurdes Barata Ponte da Barca,.0.0 Lurdes Barata Índice A Economia Social O Universo O sector Cooperativo O COOPJOVEM O enquadramento O que é Para quem Em que condições Os apoios Como funciona O que se pretende/quanto

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas António Augusto Araújo Gomes Henrique Jorge de Jesus Ribeiro da Silva Instituto Superior de Engenharia do Porto Segurança Contra Incêndio em Edifícios Regime Jurídico, Normas e Notas Técnicas Resumo 1.

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO 1 A 3 SETEMBRO 214 SETEMBRO 213 Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde ÍNDICE ÍNDICE... 2 SÍNTESE

Leia mais

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Seminário A Prevenção dos Riscos de Corrupção 1. A prevenção da corrupção A prevenção do fenómeno

Leia mais

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES Seminário Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos Lisboa Vice presidente Conselho Executivo Rui Santos Silva ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

GANEC - Gabinete de Análise Económica

GANEC - Gabinete de Análise Económica Serviços de Suporte Técnico aos Agrupamentos de Centros de Saúde GANEC - Gabinete de Análise Económica Viseu, 12 de Junho de 2007 Índice 1. Enquadramento 2. Modelo Proposto 3. Modelos Alternativos 4. Reorganização

Leia mais

Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos.

Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. PROVA FINAL DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 42/1.ª Fase/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC n.º ou BI n.º Emitido em Não

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO ASSOCIATIVO DA APSEI PARA AS MERCADORIAS PERIGOSAS. Maria João Conde

APRESENTAÇÃO DO PROJETO ASSOCIATIVO DA APSEI PARA AS MERCADORIAS PERIGOSAS. Maria João Conde APRESENTAÇÃO DO PROJETO ASSOCIATIVO DA APSEI PARA AS MERCADORIAS PERIGOSAS Maria João Conde 1 INTERVENÇÃO LEGISLATIVA E INSTITUCIONAL 1. A APSEI 2. Plano estratégico para a Segurança no Transporte de Mercadorias

Leia mais

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha

Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos. Orlanda de Meneses Cunha Experiência do Município de Albufeira Face ao RJSCIE Enquanto Entidade Gestora de Edifícios e Equipamentos Públicos Orlanda de Meneses Cunha 1 DPGU / Divisão de Edifícios e Equipamentos Municipais Faz

Leia mais

Estudo sobre as intenções de compra dos portugueses no regresso às aulas

Estudo sobre as intenções de compra dos portugueses no regresso às aulas Estudo sobre as intenções de compra dos portugueses no regresso às aulas Índice 3 4 13 32 37 Sumário executivo População escolar portuguesa inquirida Intenções de Preparação para o regresso às aulas Metodologia

Leia mais

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11 Estrutura 1. Enquadramento.. 3 2. Objectivos.. 5 3. Metodologia 7 4. Análise.. 11 2 1. Enquadramento 3 De uma forma geral no Ensino Superior e, em particular no Ensino Superior Politécnico, a discussão

Leia mais