CAPÍTULO 2 TECIDO EPITELIAL

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 TECIDO EPITELIAL"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 TECIDO EPITELIAL 2.1 Células epiteliais: funções Os epitélios são tecidos que basicamente protegem o meio interno corporal e regulam as trocas que ocorrem entre o interior do corpo e o ambiente que o rodeia. Portanto, dizemos que os epitélios são basicamente tecidos de revestimento e proteção corporal que recobrem a parte externa do corpo e também as cavidades internas, os órgãos e canais internos. As principais funções dos tecidos epiteliais são: Os epitélios desempenham inúmeras funções como: - revestimento das superfícies corporais (externas e internas). Ex. pele - absorção de moléculas pelo organismo. Ex. células intestinais - secreção de substâncias. Ex. glândulas corporais - percepção de estímulos. Ex. neuroepitélio olfatório e gustativo - contração. Ex. células mioepiteliais. 2.2 Características gerais cito-histológicas dos epitélios O tecido epitelial possui: - células justapostas - ausência ou pouca quantidade de matriz extracelular - células apoiadas a uma estrutura não-celular denominada membrana basal - não possui vasos sangüíneos (avascularizado) - não possui inervação, exceto terminações nervosas (receptores sensoriais) que captam estímulos - regenera-se facilmente Tipicamente o tecido epitelial é composto por uma fina camada de matriz extracelular, que separa esse tecido do tecido que vem logo abaixo dele. Essa camada de matriz extracelular é conhecida como lâmina basal. A lâmina basal é sintetizada pelas células epiteliais e é composta por uma rede de filamentos proteicos finos que possuem glicoproteínas interligadas. A principal molécula presente na lâmina basal é o colágeno do tipo IV, uma proteína denominada laminina e moléculas proteoglicanas. A lâmina basal é uma estrutura que só pode ser observada em nível de microscopia eletrônica. A associação da lâmina basal com fibras reticulares forma uma estrutura conhecida como membrana basal. Ligados a esses filamentos existem junções celulares, que ligam as células epiteliais umas as outras. Se o epitélio é impermeável, predomina as junções oclusivas, entretanto se o epitélio é permeável, predominam as junções de adesão e junções comunicantes. Geralmente as células epiteliais têm uma forma poliédrica e são justapostas, existindo pouca quantidade de matriz extracelular e estão associadas ao tecido conjuntivo. A Figura 1 apresenta um esquema sintético relacionado à estrutura básica do tecido epitelial, enquanto a Tabela 1 apresenta uma síntese geral das características cito-histológicas do tecido epitelial. 20

2 TECIDO EPITELIAL Lâmina basal TECIDO CONJUNTIVO Porção apical Porção basal TECIDO CONJUNTIVO Fonte: hjaldanamarcos.bravepages.com/.../basal.htm Figura 1 Esquema geral da lâmina basal associada ao tecido epitelial. Tabela 1 Síntese das principais características cito-histológicas dos tecidos epiteliais Características citiológicas Quantidade de matriz extracelular Associação com o tecido conjuntivo Outras características Os epitélios são constituídos por células justapostas poliédricas Pouca quantidade Células epiteliais se aderem umas as outras através de junções celulares que variam conforme o tipo de epitélio. Praticamente todas as células epiteliais estão apoiadas sobre o tecido conjuntivo Os epitélios que revestem a cavidade dos órgãos ocos são denominados lâmina própria Lâmina basal Na superfície de contato entre as células epiteliais e do tecido conjuntivo existe uma estrutura denominada lâmina basal. Essa estrutura é somente visível através de microscopia eletrônica Componentes Secretados pelos tecidos que estão em contato com o tecido conjuntivo. Neste caso, tecido epitelial. Principais componentes: colágeno do tipo IV, glicoproteínas (laminina). Fixação A lâmina basal se prende ao tecido conjuntivo por meio de fibrilas de ancoragem constituídas por colágeno do tipo VII. Membrana basal Estrutura visível em microscopia ótica. Formada pela fusão de duas lâminas basais. Junções Os principais tipos de junções que são observadas no tecido epitelial são: junções de adesão, impermeáveis (zônulas de oclusão), junções comunicantes (gap) e desmossomos. 21

3 2.3 Tipos Estruturais de Epitélio: Epitélio de Revestimento Em termos histológicos, o tecido epitelial é dividido em dois grandes grupos: epitélio de revestimento e epitélio glandular. Inicialmente estudaremos os epitélios de revestimento. Ocorrência: revestem todas as superfícies e cavidades corporais internas. Exemplo: traqueia, cavidade gastrointestinal, útero, etc. Funções: revestimento, proteção, absorção e condução de substâncias Estrutura: possui uma membrana basal, formada por duas camadas de lâmina basal, que une o tecido epitelial com o tecido conjuntivo vizinho. Isso porque quase todos os tipos de tecido epitelial de revestimento estão em contato com o tecido conjuntivo. Substância intersticial ou matriz extracelular: como anteriormente exposto, o tecido epitelial praticamente não possui matriz extracelular. No caso, as células epiteliais são revestidas por uma camada muito fina de glicoproteínas que se chama GLICOCÁLIX. Estudos sugerem que estas glicoproteínas fazem parte de processos celulares importantes como pinocitose e adesão celular. Coesão entre as células epiteliais: apesar de não haver uma matriz extracelular bem caracterizada, as células epiteliais apresentam uma intensa adesão entre elas, sendo necessária uma força mecânica relativamente grande para separá-las. Essa coesão é dependente do tipo de tecido epitelial, mas geralmente é maior no tecido epitelial que forma a pele. Tal coesão é uma propriedade associada ao glicocálix. Parece que a presença de íons cálcio é importante para a manutenção da coesão destas células. Além disso, a adesão é reforçada pela presença de junções celulares, em especial, desmossomos. Forma das células: as dimensões e as formas das células epiteliais é bem variada. Geralmente podem ser classificadas nos seguintes tipos: pavimentosas (achatadas), colunares (cilíndricas) e cuboidais. Camadas celulares: o epitélio pode ser subdividido em dois tipos: epitélio simples, se for constituído por uma única camada de células, e epitélio estratificado, se existirem mais de uma camada de células. Existe um tipo especial de epitélio denominado epitélio pseudo-estratificado, que apesar de ser formado por uma única camada de células assentadas na membrana basal, apresenta células com núcleos dispostos em várias alturas dentro do citoplasma, dando a impressão de que existe mais de uma camada celular. Outro tipo de epitélio especial é o denominado epitélio de transição. Este epitélio tem a capacidade de mudar o formato das suas células de colunares para achatadas, o que permite a distensão do tecido sem que haja dano às células. Regeneração: as células epiteliais geralmente têm um tempo de vida relativamente curto. Por esse motivo, esse tecido está em constante renovação possuindo uma atividade mitótica contínua. A velocidade com que o tecido epitelial se renova é diversificada, podendo ser muito rápida ou mais lenta conforme o caso. Por exemplo, o epitélio que reveste os intestinos se renova a cada dias, Já o tecido que forma as glândulas salivares e as glândulas do pâncreas levam cerca de dois meses para se renovarem. Nos tecidos epiteliais estratificados, como presentes na pele, e pseudo-estratificados, como o presente na traqueia, são constantemente renovados através de uma camada interna de células-tronco situadas junto à lâmina basal. 22

4 2.4 Epitélios de Revestimento Os principais tipos de epitélio de revestimento e suas principais características são apresentados na Tabela 2. Tabela 2 Principais tipos de epitélio de revestimento Epitélio simples: - Com uma única camada de células Forma das células: existem três tipos de formatos celulares: pavimentoso (achatado), cúbico e prismático ou colunar. O núcleo das células é localizado no centro, é esférico ou oval. Tipos de tecidos: simples e estratificado Epitélio pavimentoso simples - uma única camada. Função: movimento de vísceras, transporte ativo, secreção de moléculas. Exemplos: revestimento dos vasos sanguíneos (endotélio), revestimento da cavidade pericárdica, pleural e peritoneal (mesotélio). Epitélio cúbico simples - uma única camada Função: revestimento e secreção. Exemplos: revestimento externo do ovário, dos ductos de glândulas, dos folículos da tireoide. Epitélio Estratificado - Epitélio com duas ou mais camadas celulares. Forma das células: (1) epitélio pavimentoso queratinizado (seco); (2) epitélio pavimentoso não-queratinizado; (3) cúbico; (4) de transição; (5) prismático ou colunar. Epitélio pavimentoso estratificado função de proteção, prevenção de perda de água, secreção, distensibilidade. Exemplos: queratinizado seco - epiderme (pele); não-queratinizado - boca, ureteres, canal anal; cúbico - folículos ovarianos, etc. Epitélio pseudoestratificado a lâmina basal, os núcleos das células dispõem-se em diferentes alturas - Embora seja formado de uma única camada celular que está em contato com criando a impressão que existe mais que uma camada celular. Exemplo: epitélio ciliado que reveste as vias respiratórias. Epitélio de transição - Epitélio cuja camada mais superficial é formada por células globosas que não são nem pavimentosas e nem cúbicas. A forma das células muda de acordo com o grau de distensão do tecido. Exemplo: bexiga, quanto mais cheia de urina as células epiteliais ficam mais achatadas. 23

5 Especializações presentes na membrana apical: a parte da célula epitelial oposta a que está ligada a lâmina basal pode apresentar especializações funcionais importantes. Entre essas, podemos citar: Micróvilos - estrutura formada por milhares de evaginações da membrana que tem uma forma similar a dedos. Essas estruturas aumentam muito a área de superfície celular favorecendo as trocas e absorção de substâncias. Estão presentes, por exemplo, no epitélio intestinal e dos rins. Cílios e Flagelos - estruturas com motilidade também podem estar presentes em certos epitélios. Os cílios são estruturas móveis em grande quantidade. O seu movimento é coordenado, provocando uma corrente de fluído em uma única direção. São importantes para a função de diversos órgãos como na traqueia. Nos mamíferos, incluindo o ser humano, somente os gametas masculinos (espermatozóides) são flagelados. Estereocílios - são constituídos por longos micróvilos sendo encontrados na região apical das células de revestimento do epidídimo, no sistema reprodutivo masculino. Entretanto, alguns autores subdividem o tecido epitelial segundo sua principal função. Esse tipo de divisão é útil principalmente em fisiologia. Considerando esta subdivisão, existem cinco tipos funcionais de tecidos epiteliais no organismo humano e que são abaixo caracterizados: Epitélio de Troca: esse tipo de epitélio é formado por células muito finas e achatadas que permitem que gases (CO 2 e O 2) passem através das células. Esse é o caso dos epitélios que revestem os vasos sanguíneos. Geralmente são formados por uma única camada de células achatadas, pavimentosas (endotélio) tecido epitelial pavimentoso simples. Epitélio de transporte: esse tipo de epitélio regula ativa e seletivamente as trocas de material não gasoso, como os íons e os nutrientes, entre o meio interno e externo. Esse é o tipo de epitélio que encontramos na cavidade do sistema gastrointestinal e nos rins. O epitélio de transporte possui características estruturais importantes. As células são mais espessas que o epitélio de troca, atuando como barreira ou como porta de entrada de algumas substâncias. As células do epitélio de transporte costumam ter forma cuboidal ou colunar. No epitélio de transporte, a parte da célula que está em contato com o meio externo (lúmen) possui projeções citoplasmáticas (microvilosidades) que aumentam a área de superfície de absorção. Chamamos a membrana celular que está voltada para o lúmen de membrana apical. A membrana plasmática da parte da célula que está voltada para o líquido extracelular do corpo é conhecida como membrana basolateral. Geralmente as células do epitélio de transporte estão firmemente unidas por junções de oclusão, isso significa que o conteúdo que se move para dentro do corpo obrigatoriamente tem de passar pelo interior da célula e não pelos espaços intercelulares. As maiorias dos epitélios de transporte possuem grande quantidade de mitocôndrias, já que existe necessidade de muita energia para realizar movimentos de moléculas através da membrana plasmática, tanto para entrar para o interior da célula quanto para sair. Geralmente o epitélio de transporte é do tipo epitelial cuboidal simples ou epitelial colunar simples. (Figura 2) 24

6 Lúmen do intestino ou rim Membrana apical Microvilosidades Junções oclusivas Membrana basolateral Líquido extracelular Tecido conjuntivo Figura 2 Esquema geral de um epitélio de troca mostrando a denominação da membrana plasmática, caso ela esteja voltada para o lúmen do órgão que o tecido recobre (membrana apical) ou para a parte interior do organismo (membrana basolateral). O epitélio de troca é um tecido comum nos intestinos e nos rins. As células geralmente são ligadas umas as outras por junções oclusivas, o que impede a passagem de material de fora do organismo para o seu interior no espaço intercelular. Essas junções formam uma barreira tornando o epitélio impermeável, e todas as substâncias para entrarem no organismo devem entrar nas células e serem expelidas para o líquido extracelular, onde podem ser capturadas e transportadas pelos vasos sangüíneos ou linfáticos. Epitélio ciliado: esse epitélio também reveste órgãos ocos possuindo cílios voltados para o lúmen dos mesmos. Esse tipo de epitélio é encontrado nas vias aéreas do sistema respiratório e parte do trato reprodutivo. Os cílios batem de modo coordenado e rítmico, o que faz com fluídos sejam movimentados através da superfície do tecido. Ou seja, esse tipo de epitélio serve como meio de locomoção de substâncias (como o muco) ou mesmo células dentro de alguns órgãos corporais. Geralmente o epitélio ciliado é do tipo epitélio simples colunar ciliado, como pode ser visto nas tubas uterinas. Epitélio protetor: esse tipo de epitélio tem como função principal impedir qualquer tipo de troca entre os meios interno e externo, com o objetivo de prevenir a desidratação corporal e também atuar como uma barreira contra a entrada de microorganismos. A epiderme que forma a pele, os tecidos que revestem a boca, faringe, esôfago, uretra e vagina são todos considerados epitélios de proteção. O tipo de tecido do epitélio protetor geralmente é tecido epitelial pavimentoso estratificado. As camadas celulares mais próximas da superfície podem ser queratinizadas, ou seja, as células apresentam-se mortas e com grande depósito de uma proteína denominada queratina, que cria uma barreira a perda de água, ou em contato com as células vivas que estão nas camadas mais profundas; ou as camadas celulares mais próximas da superfície podem ser não-queratinizadas, apresentando no tecido células que secretam grande quantidade de muco e criam assim uma barreira química que previne lesões no tecido, como ocorre na cavidade oral e vaginal. Denominamos mucosa o conjunto constituído de epitélio e tecido conjuntivo que reveste as ditas cavidades úmidas. O tecido conjuntivo das mucosas também é denominado de lâmina própria. 25

7 Epitélio secretor: esse epitélio é composto por células que têm a capacidade de produzir substâncias que são liberadas para fora das mesmas por um processo conhecido como secreção. As células secretoras são denominadas glândulas e podem tanto estarem dispersas no meio de outras células de tecido epitelial quanto podem constituir agrupamentos multicelulares. As especificidades do tecido epitelial glandular serão tratadas mais adiante. Tecido Epitelial e Saúde Metaplasia: em determinadas condições patológicas, certas células podem sofrer alterações originando um tecido diferenciado. Esse processo denomina-se metaplasia e é considerado irreversível. Exemplo: o epitélio pseudo-estratificado, que reveste a traqueia e os brônquios, em fumantes crônicos pode ser substituído por epitélio estratificado pavimentoso. Em certos casos de carência de vitamina A, o epitélio dos brônquios, bexiga e vários órgãos pode apresentar substituição de tecido epitelial estratificado mucoso para epitélio estratificado queratinizado. A metaplasia não é uma condição que acontece apenas no tecido epitelial, ela pode ocorrer em outros tecidos. 2.5 Epitélios Glandulares Os epitélios glandulares são constituídos por células especializadas que podem sintetizar, armazenar e secretar moléculas como proteínas (ex. pâncreas), lipídios (ex. adrenal e glândulas sebáceas), carboidratos complexos e proteínas (ex. glândulas sudoríparas, leite pelas glândulas mamárias). As moléculas produzidas pelas glândulas são armazenadas sob a forma de grânulos de secreção. As glândulas originam-se a partir de epitélios de revestimento, de cujas células se proliferam e migram para o tecido conjuntivo, no qual sofrem diferenciação e se transformam em glândulas específicas. Esse processo geralmente acontece durante a embriogênese. Classificação e caracterização das glândulas a) Quanto ao número de células as glândulas podem ser unicelulares ou pluricelulares. Um exemplo de glândulas unicelulares são as glândulas caliciformes, que estão presentes no intestino delgado e no trato respiratório. Um exemplo de glândulas multicelulares são as glândulas mamárias. b) Quanto à localização da secreção: as glândulas podem ser exócrinas ou endócrinas. Exócrinas mantêm uma conexão com o epitélio que deu origem a ela (Figura 3). Essa conexão é formada por ductos tubulares pelos quais as secreções são eliminadas. Assim, as glândulas exócrinas possuem uma porção secretora, que produzem compostos, e uma porção transportadora, que leva para fora da glândula os seus produtos. Existem dois tipos de glândulas enxócrinas: (1) Glândulas exócrinas simples: que possuem um único ducto. Esse ducto pode ainda ser simples ou ramificado. Exemplos: glândulas sudoríparas, gástricas, duodenais, intestinais. Dependendo da forma da porção secretora as glândulas exócrinas simples podem ser: tubulares, tubulares enoveladas, tubulares ramificadas ou acinosas (porção secretora esférica ou arredondada). (2) Glândulas exócrinas 26

8 compostas: possuem mais de um ducto. Essas podem ser tubulares e túbulo-acinosas. As glândulas túbulo-acinosas possuem longos canais ramificados e na extremidade de cada canal existe um ácino que é a região secretora da glândula. Exemplos: glândulas submaxilares e sublinguais (salivares), lacrimais, e porção exócrina do pâncreas. Existem dois tipos de secreção das glândulas exócrinas: serosa e mucosa. A secreção serosa é uma solução aquosa que pode conter enzimas. Exemplos de glândulas exócrinas que produzem secreção serosa incluem glândulas lacrimais, glândulas sudoríparas e glândulas produtoras de enzimas digestivas. Em termos cito-histológicos, as células serosas apresentam núcleo arredondado e claro, numerosos grânulos de secreção acidófilos (rosados) e visíveis na parte apical da célula. A secreção mucosa é um composto mais pegajoso por ser rico em glicoproteínas e proteoglicanas. Ou seja, produzem muco. As células mucosas se caracterizam pela presença de grânulos de secreção grandes e pouco corados que ocupam a maior parte do citoplasma, o que faz com que o núcleo fique posicionado na base da célula. Quando estes grânulos são secretados originam a camada de muco que irá proteger a superfície de alguns tipos de epitélio. O muco, de acordo com o tipo de glândula que é produzido, pode ter diversas funções: podemos destacar sua ação lubrificante (quando, por exemplo, deglutimos o alimento), como barreira protetora entre o epitélio e o meio externo e como armadilha para capturar microorganismos ou partículas estranhas ao corpo. Endócrinas a conexão com o epitélio é interrompida ao longo do seu desenvolvimento e diferenciação. Desse modo, tais glândulas não possuem ductos transportadores. Como essas glândulas não têm ductos, suas secreções são lançadas diretamente na corrente sanguínea. Geralmente essas glândulas produzem substâncias regulatórias importantes para a diferenciação e manutenção de muitas funções corporais (hormônios). As glândulas endócrinas podem ser classificadas em dois tipos: Vesicular: possui grande quantidade de capilares e suas células se arranjam sob a forma de vesículas (exemplo: glândula tireóide). Nas glândulas vesiculares o produto de secreção pode ser armazenado dentro da glândula. Cordonal: as células são arranjadas sob a forma de cordões e o produto de secreção é sintetizado e armazenado dentro das células (exemplo: glândula paratireóide, hipófise e adrenal). c) Quanto ao modo pelo qual os produtos de secreção deixam as células - existem três tipos de situação pelo qual os produtos sintetizados pelas glândulas deixam as células e que também podem ser utilizados para classificar as glândulas. Merócrinas - a secreção é liberada por meio de exocitose. Quando essas glândulas eliminam seus produtos elas permanecem histologicamente intactas e podem reiniciar outro ciclo de secreção. Exemplo: pâncreas, glândulas sudoríparas, salivares e lacrimais. Holócrinas - o acúmulo do produto dentro da célula causa a destruição da glândula. Assim, o produto é liberado junto com a glândula. Exemplo: sebáceas. A continuidade da secreção é mantida a partir da produção de novas glândulas que ficam no lugar das glândulas que morreram. Apócrinas - ocorre perda parcial da glândula secretora que se mistura a secreção produzida. O reinicio da secreção só acontece quando ocorre regeneração da parte apical celular que foi destruída. Exemplo: glândulas mamárias ou sudoríparas. 27

9 Figura 3 Esquema geral da formação embrionária de uma glândula exócrina. 2.7 Outras Especializações Importantes do Tecido Epitelial Existem diversos tipos de especializações que são observadas no tecido epitelial. Destacamos algumas delas a seguir. Os neuroepitélios são constituídos por células epiteliais com função sensorial, sendo encontrados nos órgãos da audição, da olfação e gustação. Os neuroepitélios geralmente estão associados ao epitélio de revestimento. Epitélios geralmente possuem ramificações nervosas (fibras nervosas) sensoriais que acabam em estruturas conhecidas como terminações nervosas livres. Essas terminações funcionam como receptores de dor, informando ao sistema nervoso central se o tecido está sofrendo alguma lesão. Existem células epiteliais que possuem função endócrina e parácrina com localização difusa, como ocorre no tecido intestinal. Tais células produzem e secretam hormônios como a serotonina (5- hidroxitriptamina), adrenalina e noradrenalina que podem atuar nas células vizinhas (função parácrina) ou em locais distantes (função hormonal). Já foram descritos mais de 35 diferentes tipos de células desse sistema difuso, localizadas nas mucosas do estômago, intestino delgado, grosso, aparelho respiratório, tireóide, hipófise e próstata. Existem células especializadas na secreção de hormônios esteróides, sendo encontradas em vários órgãos corporais. Os hormônios esteróides são sintetizados a partir da molécula de colesterol e produzidos, por exemplo, nos ovários (estrogênio e progesterona), testículos (testosterona), glândulas adrenais (cortisol), etc. Em termos histológicos, são células poliédricas ou arredondadas com núcleo central e citoplasma geralmente com numerosas gotículas de lipídios. Por serem produtoras de moléculas esteroidais, o reticulo endoplasmático liso geralmente é muito desenvolvido. Possuem mitocôndrias grandes e geralmente esféricas. O tecido epitelial também possui células especializadas que conseguem se contrair, denominadas células mioepiteliais. Essas células localizam-se entre a lâmina basal e as glândulas secretoras (sudoríparas, salivares e lacrimais). Citologicamente, são células com um núcleo central e longos 28

10 prolongamentos citoplasmáticos que envolvem a porção secretora das células glandulares, prendendo-se por junções celulares (desmossomos). Sua contração auxilia na liberação da secreção dessas glândulas. No seu citoplasma existem filamentos de actina e miosina, além de queratina (confirmando a sua origem epitelial). AS GLÂNDULAS SALIVARES As glândulas salivares (Figura 4) estão ao redor da boca humana e produzem a saliva, cuja função é de transformar amido presentes nos alimentos em compostos mais simples. Pequenas glândulas salivares são encontradas esparsas na mucosa da cavidade oral. Existem também três pares de glândulas salivares, chamadas de maiores: parótidas, submandibulares e sublinguais. A unidade morfofuncional dessas glândulas são os adenômeros. Os adenômeros possuem uma parte secretora, formada por células epiteliais glandulares, e por ductos intercalares, estriados e excretores. O conjunto todo é envolto por uma cápsula de tecido conjuntivo. As glândulas recebem a irrigação sangüínea, linfática e nervosa por um único lugar, denominado de hilo. São intensamente irrigadas pelos capilares sangüíneos. A saliva secretada pelas glândulas salivares contém água e glicoproteínas, entre elas a mucina, que lubrificam os alimentos e a boca, mantendo-a úmida. Outra substância presente na saliva é a ptialina, uma enzima protéica que digere amidos. Calcula-se que 70% do amido ingerido seja hidrolisado pela ptialina. Além de iniciar o processo digestivo, a saliva também auxilia na higiene oral de várias formas. Nela são secretados íons tiocianato e várias enzimas proteolíticas, a mais importante dessas enzimas é a lisozima que digere a parede de certas bactérias deixando-as mais vulneráveis. Essas substâncias químicas possuem uma ação bactericida. A saliva também contém anticorpos protéicos que destroem as bactérias presentes na boca inclusive as que provocam as cáries dentárias. O próprio fluxo salivar remove as bactérias e as partículas alimentares que poderiam servir de substratos para esses organismos patogênicos. A secreção de saliva é estimulada por vários fatores: a presença de alimentos na boca, estímulos olfativos, por exemplo, o cheiro dos alimentos. Essas mensagens são transmitidas às glândulas salivares via sistema parassimpático e simpático. A maior parte de saliva secretada na boca é produzida pelas glândulas submandibulares (~70%), 25% corresponde às glândulas parótidas e o restante, 5% por cento, provêm das sublinguais. A saliva também influencia o processo cariogênico. Investigações científicas em modelos experimentais (hamsters) em que as glândulas salivares foram extirpadas mostraram um aumento cinco vezes maior de carie em relação ao grupo que tinha as suas glândulas salivares intactas. Nos seres humanos a diminuição do fluxo salivar é conhecida como xerostomia e pode ser causado por: doenças (síndrome de Sjogren), irradiação (radioterapia), medicamentos, diabetes, doença de Parkinson, malformação das glândulas salivares, infecção viral aguda, estresse, depressão,etc. Glândula parótida Glândula sub-lingual Glândula sub-mandibular Figura 4 Localização anatômica das glândulas salivares 29

11 Estudo Dirigido (1) Cite as principais funções do tecido epitelial (2) Caracterize o tecido epitelial quanto aos seus aspectos cito-histológicos (3) Caracterize o tecido epitelial de revestimento quanto: 3.1 Ocorrência 3.2 Função 3.3 Estrutura 3.4 Matriz extracelular 3.5 Coesão entre as células 3.6 Regeneração (4) Dê um exemplo de tecido epitelial: 4.1 colunar simples 4.2 pseudo-estratificado 4.3 de transição 4.4 estratificado não-queratinizado 4.5 estratificado queratinizado 4.6 pavimentoso simples 4.7 cilindrico simples (4) O que são micróvilos? O que são cílios? Cite tecidos epiteliais que possuem estas estruturas. (5) Caracterize e cite um exemplo de: 5.1 Epitélio de troca 5.2 Epitélio de transporte 5.3 Epitélio protetor 5.4 Epitélio secretor (6) O que são metaplasias? Cite um exemplo. (7) Caracterize as glândulas exócrinas. Cite exemplo (8) Caracterize as glândulas endócrinas. Cite exemplo (9) Caracterize o modo pelo qual a secreção deixa as células glandulares. Cite exemplo. (10) O que são neuroepitélios? O que são células mioepiteliais? Cite exemplo. 30

TECIDO EPITELIAL. Tecido Epitelial FUNÇÕES :

TECIDO EPITELIAL. Tecido Epitelial FUNÇÕES : TECIDO EPITELIAL 2 Características principais dos quatro tipos básicos de tecidos Tecido Nervoso Epitelial Muscular Células Longos prolongamentos Células poliédricas justapostas Células alongadas contráteis

Leia mais

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE Prof : Cristiano Ricardo Jesse TIPOS DE EPITÉLIO - REVESTIMENTO CLASSIFICAÇÃO: Quanto a forma das células o epitélio estratificado (camada mais superficial) pode ser: - Pavimentoso

Leia mais

Tecidos estrutura geral

Tecidos estrutura geral Tecido Epitelial Tecidos estrutura geral Célula Meio extracelular Os tecidos em geral apresentam na sua organização básica: (1) células e (2) meio extracelular. Órgãos estrutura geral Componentes: Parênquima:

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser TECIDO EPITELIAL Professora Melissa Kayser Tecido Epitelial Introdução Tecido que reveste a superfície externa do corpo e as cavidades internas. Desempenha várias funções: Proteção do corpo (pele) Percepção

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Funções:

TECIDO EPITELIAL. Funções: TECIDO EPITELIAL Constituídoas por células poliédricas justapostas, entre as quais elas existe tem pouca substância extracelular. As células se aderem umas às outras por junções intercelulares. Funções:

Leia mais

Histofisiologia Tecido epitelial. Prof. Leonardo M. Crema

Histofisiologia Tecido epitelial. Prof. Leonardo M. Crema Histofisiologia Tecido epitelial Prof. Leonardo M. Crema Origem ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que reveste os vasos sanguíneos

Leia mais

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: epitélios sensoriais dos olhos; aparelho auditivo e

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Tecido epitelial: Origem. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso 26/09/2017 ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL. Tecido epitelial: Origem. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso 26/09/2017 ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: Epitélios sensoriais dos olhos; Aparelho

Leia mais

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estudo dos tecidos Parte 1. Professor: Alex Santos

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estudo dos tecidos Parte 1. Professor: Alex Santos BIOLOGIA Moléculas, células e tecidos Parte 1 Professor: Alex Santos Tópicos em abordagem Parte I Tecido epitelial I Conceitos fundamentais em histologia II Visão geral de classificação dos tecidos III

Leia mais

Tecido Epitelial. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido Epitelial. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido Epitelial Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tipos de epitélio Epitélio de revestimento Epitélio glandular Epitélio de revestimento Organizado em camadas que cobrem a superfície externa do corpo ou

Leia mais

HISTOLOGIA PROPEDÊUTICO Tecido Epitelial. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur

HISTOLOGIA PROPEDÊUTICO Tecido Epitelial. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur HISTOLOGIA PROPEDÊUTICO Tecido Epitelial Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur Absorção TECIDO EPITELIAL Funções Epitélios: intestinal, alveolar pulmonar, endotélio vascular, e epitélio

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Prof. Me. Leandro Parussolo

TECIDO EPITELIAL. Prof. Me. Leandro Parussolo TECIDO EPITELIAL Prof. Me. Leandro Parussolo Tecido Epitelial Introdução Tecido que reveste a superfície externa do corpo e as cavidades internas dos animais Desempenha várias funções: proteção do corpo

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Prof. Cristiane Oliveira

TECIDO EPITELIAL. Prof. Cristiane Oliveira TECIDO EPITELIAL Prof. Cristiane Oliveira Tecido Epitelial CLASSIFICAÇÃO 1. : Revestimento externo do corpo e revestimento interno das cavidades dos órgãos 2. EPITÉLIO GLANDULAR Constitui as glândulas:

Leia mais

Parte II A diversidade celular dos animais TECIDOS

Parte II A diversidade celular dos animais TECIDOS Parte II A diversidade celular dos animais TECIDOS Organismos multicelulares Vantagens: Conjunto de células TECIDOS Divisão de tarefas e funções Interdependência estrutural e funcional Células especializadas

Leia mais

UNIPAMPA Disciplina de Histologia, citologia e embriologia Curso de Nutrição TECIDO EPITELIAL. Prof.: Cristiano Ricardo Jesse

UNIPAMPA Disciplina de Histologia, citologia e embriologia Curso de Nutrição TECIDO EPITELIAL. Prof.: Cristiano Ricardo Jesse UNIPAMPA Disciplina de Histologia, citologia e embriologia Curso de Nutrição TECIDO EPITELIAL Prof.: Cristiano Ricardo Jesse CONSIDERAÇÕES INICIAIS Organismos Sistemas Órgãos Tecidos Células CONSIDERAÇÕES

Leia mais

HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br)

HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br) HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br) Tipos de tecidos Tecido Epitelial TECIDO EPITELIAL Características: avascular, formado por células justapostas, com pouca

Leia mais

De acordo com a forma como estas glândulas liberam suas secreções para o corpo, podem ser classificadas em dois grandes grupos:

De acordo com a forma como estas glândulas liberam suas secreções para o corpo, podem ser classificadas em dois grandes grupos: TECIDO EPITELIAL GLANDULAR CLASSIFICAÇÃO De acordo com a forma como estas glândulas liberam suas secreções para o corpo, podem ser classificadas em dois grandes grupos: - a.glândulas exócrinas liberam

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Prof. Cristiane Oliveira

TECIDO EPITELIAL. Prof. Cristiane Oliveira TECIDO EPITELIAL Prof. Cristiane Oliveira Tecido Epitelial Tecido que reveste a superfície externa do corpo e as cavidades internas dos animais Desempenha várias funções: proteção do corpo (pele) absorção

Leia mais

LÂMINA/MEMBRANA BASAL

LÂMINA/MEMBRANA BASAL LÂMINA/MEMBRANA BASAL Entre o tecido conjuntivo e as células epiteliais existe uma lâmina, chamada lâmina basal, secretada cooperativamente pelas células dos tecidos epiteliais e conjuntivos. Um dos elementos

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial HISTOLOGIA Tecido Epitelial Geralmente avascularizado Características Escassez de matriz extracelular Membrana basal: separa e prende o epitélio ao tecido conjuntivo Células justapostas com junções intercelulares

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Junções intercelulares HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 3 Vera Regina Andrade, 2015 São estruturas da membrana plasmática que contribuem para a adesão e comunicação entre as células Também podem ser vedantes,

Leia mais

II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento:

II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento: Capítulo 1: Parte 2 1 II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento: 1 - Epitélio Simples: são definidos como epitélios superficiais constituídos de uma única camada de células. São quase sempre encontrados

Leia mais

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia TECIDOS Professora Débora Lia Biologia TECIDOS HISTOLÓGICOS DEFINIÇÃO : Do grego, histo= tecido + logos= estudos. Tecidos = É um conjunto de células especializadas, iguais ou diferentes entre si, que realizam

Leia mais

Nome: GABARITO. Data: 25/03/2019. Avaliação Aspectos Biológicos do Ser Humano (Monitoria 2019)

Nome: GABARITO. Data: 25/03/2019. Avaliação Aspectos Biológicos do Ser Humano (Monitoria 2019) Nome: GABARITO Data: 25/03/2019 Avaliação Aspectos Biológicos do Ser Humano (Monitoria 2019) Prof. Ramão Luciano Nogueira Hayd 1. Desenhe e explique os tipos de tecido Epitelial. Tecido epitelial O tecido

Leia mais

Tecido epitelial. Junqueira, LC & Carneiro J. Histologia Básica.

Tecido epitelial. Junqueira, LC & Carneiro J. Histologia Básica. Tecido epitelial Junqueira, LC & Carneiro J. Histologia Básica. Tecido epitelial Distribuído pelo corpo recobrindo superfícies internas e externas Presente na maioria de glândulas Ancorados em matriz extracelular

Leia mais

Matriz extracelular e Tecido epitelial

Matriz extracelular e Tecido epitelial Matriz extracelular e Tecido epitelial Capítulo 20 - Fundamentos da Biologia Celular Alberts - 3ª edição Capítulo 4 Histologia Básica Junqueira e Carneiro Células são organizadas em tecidos Plantas tem

Leia mais

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA Histologia Estuda os tecidos do corpo e como estes tecidos se organizam para constituir órgãos. Introdução

Leia mais

Tipos de Epitélios Epitélio de Revestimento

Tipos de Epitélios Epitélio de Revestimento Tipos de Epitélios Epitélio de Revestimento Revestimentos da superfície externa e de cavidades do corpo Tipos de Epitélios Epitélio Glandular Tubular simples reta Tubular simples enovelada Alveolar simples

Leia mais

Tecido epitelial Capítulo 2

Tecido epitelial Capítulo 2 Tecido epitelial Capítulo 2 1 PROJEÇÕES CELULARES Os microvilos são evaginações digitiformes da superfície apical, com 50 a 100nm de diâmetro e 1 a 3 m de comprimento. Filamentos de actina dão-lhe sustentação.

Leia mais

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia Ramo da Biologia que estuda os tecidos; Tecido - é um conjunto de células, separadas ou não por substâncias intercelulares e que realizam determinada

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL Introdução HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL Vera Regina Andrade, 2015 Apesar de toda a complexidade, o organismo humano é constituído de 4 tipos básicos de tecidos Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecido

Leia mais

Profa. Dra. Thâmara Alves

Profa. Dra. Thâmara Alves Profa. Dra. Thâmara Alves O corpo humano está organizado em quatro tecidos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Células Matriz extracelular revestir superfícies secretar moléculas transportar

Leia mais

Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edna Cordeiro Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM

Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edna Cordeiro Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edna Cordeiro Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM Colégio Santa Cecília Disciplina: Biologia Série: 1º Ano-Ensino Médio Profª.: Edna Cordeiro MAIO/2019 Definição:

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecido epitelial Apresenta funções de revestimento, absorção de

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Cap.4 PLT

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial Cap.4 PLT HISTOLOGIA Tecido Epitelial Cap.4 PLT Células geralmente poliédricas (justapostas). Pouca substância extracelular Funções: - revestimento, - absorção, - excreção - secreção, - proteção, - sensorial. Avascular.

Leia mais

1º EM Biologia Professor João C4 H13, 14 TECIDO EPITELIAL

1º EM Biologia Professor João C4 H13, 14 TECIDO EPITELIAL 1º EM Biologia Professor João TECIDO EPITELIAL Introdução A histologia é o ramo da Biologia que estuda a formação, composição e função do tecidos vivos. O corpo de um organismo multicelular é constituído

Leia mais

Tecido Epitelial e Conjuntivo

Tecido Epitelial e Conjuntivo Tecido Epitelial e Conjuntivo Objetivos os estudantes deverão ser capazes de... - descrever as características (constituintes e sua organização) e funções gerais do epitélio de revestimento e do epitélio

Leia mais

2 Prova (conjuntivo, sangue, apoptose) Marta 4 Prova para quem faltou alguma prova anterior teórica com toda a matéria. 9 EXAME Marta.

2 Prova (conjuntivo, sangue, apoptose) Marta 4 Prova para quem faltou alguma prova anterior teórica com toda a matéria. 9 EXAME Marta. Junho 2012 4 Cels epiteliais e conjuntivas Marta 6 Membrana basal, tecido epitelial revestimento Marta 11 Prova (citoesqueleto e movimento celular, comunicação celular, matriz extracelular e tecido epitelial)

Leia mais

Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edina Cordeiro / Samia Lima Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM

Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edina Cordeiro / Samia Lima Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM Aulas Multimídias Santa Cecília Profª Edina Cordeiro / Samia Lima Disciplina: Biologia Série: 1º ano EM Colégio Santa Cecília Disciplina: Biologia Série: 1º Ano-Ensino Médio Profª.: Edna Cordeiro HISTOLOGIA:

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. FUNÇÕES BÁSICAS: revestimento e secreção

TECIDO EPITELIAL. FUNÇÕES BÁSICAS: revestimento e secreção TECIDO EPITELIAL FUNÇÕES BÁSICAS: revestimento e secreção EPIDERME DERME HIPODERME ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que

Leia mais

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota.

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota. Biologia Tecido Epitelial Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia TECIDO EPITELIAL (OU EPITÉLIO) Apresenta funções de revestimento, absorção de substâncias e proteção de diversas

Leia mais

PAVIMENTOSO: Vasos sanguíneos (endotélio), alvéolos pulmonares, membranas serosas (mesotélio): pleura, pericárdio e peritônio.

PAVIMENTOSO: Vasos sanguíneos (endotélio), alvéolos pulmonares, membranas serosas (mesotélio): pleura, pericárdio e peritônio. TECIDO EPITELIAL JUNQUEIRA, L.C.U. & CARNEIRO, J. Histologia Básica. 11ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 524p. Os epitélios originam-se embriologicamente de qualquer folheto embrionário, respeitando

Leia mais

Aula2 TECIDO EPITELIAL. Marlúcia Bastos Aires

Aula2 TECIDO EPITELIAL. Marlúcia Bastos Aires Aula2 TECIDO EPITELIAL META Apresentar o tecido epitelial descrevendo sua distribuição nos sistemas corporais, sua constituição, classifi cação e a relação com outros tecidos. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Tecido Epitelial de Revestimento

Tecido Epitelial de Revestimento Tecido Epitelial de Revestimento Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Tecido Epitelial Revestimento Secreção/ Glandular 2 1 Revestimento das superfícies corporais externas 3 Revestimento

Leia mais

Tecido Epitelial de Revestimento

Tecido Epitelial de Revestimento Tecido Epitelial de Revestimento Epitelial Revestimento Glandular Prof. a Dr. a Sara Tatiana Moreira Histologia e Anatomia Humana CB52D COBIO - UTFPR Campus Santa Helena 1 2 Tecido epitelial de revestimento

Leia mais

Histologia 19/11/2018. Tecido epitelial. Histologia

Histologia 19/11/2018. Tecido epitelial. Histologia Histologia Histologia Tecido epitelial Tecido conjuntivo Definição de tecido : conjunto de células da mesma origem embrionária que desempenham uma atividade específica; Células; Substância intercelular

Leia mais

Introdução a Histogênese:

Introdução a Histogênese: Introdução a Histogênese: origem embrionária dos tecidos Prof. Leonardo M. Crema Ovogênese Espermatogênese Diferentes níveis de organização Histologia Histologia Animal Tecido epitelial Prof. Leonardo

Leia mais

Classificação dos Tecidos Humanos: Tecido Epitelial e Tecido Conjuntivo

Classificação dos Tecidos Humanos: Tecido Epitelial e Tecido Conjuntivo Ciências Morfofuncionais 1 Faculdade Pitágoras Classificação dos Tecidos Humanos: Tecido Epitelial e Tecido Conjuntivo Prof. Mário Abatemarco Júnior Classificação dos Tecidos Humanos Existem 4 tipos básicos

Leia mais

Profª MSc Monyke Lucena

Profª MSc Monyke Lucena Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos, que se agrupam de acordo com sua função. É possível distinguir

Leia mais

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Conjunto de células semelhantes e interdependentes Condição básica da multicelularidade Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Origens embrionárias dos tecidos animais: Ectoderme Mesoderme

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Histologia. Disciplina que estuda a organização das células para formar os tecidos.

Histologia. Disciplina que estuda a organização das células para formar os tecidos. Histologia Disciplina que estuda a organização das células para formar os tecidos. Prof a. Gerdine gerdinesanson@hotmail.com https://sites.google.com/site/histomedvet/ Bibliografia JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO,

Leia mais

AULA PRÁTICA 03 TECIDOS EPITELIAIS - EPITÉLIOS GLANDULARES LÂMINA Nº 46 INTESTINO GROSSO - HE

AULA PRÁTICA 03 TECIDOS EPITELIAIS - EPITÉLIOS GLANDULARES LÂMINA Nº 46 INTESTINO GROSSO - HE AULA PRÁTICA 03 TECIDOS EPITELIAIS - EPITÉLIOS GLANDULARES As glândulas constituem o segundo tipo de tecido epitelial. Embora a secreção seja uma característica inerente ao citoplasma e, portanto toda

Leia mais

Sistema Respiratório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Agosto/2016

Sistema Respiratório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Agosto/2016 Sistema Respiratório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Agosto/2016 Introdução Sistema Respiratório Porção Condutora Fossas Nasais Nasofaringe Laringe Traqueia Brônquios Bronquíolos

Leia mais

Sandra Iara Lopes Seixas Professora Adjunta do Departamento de Morfologia da Universidade Federal Fluminense

Sandra Iara Lopes Seixas Professora Adjunta do Departamento de Morfologia da Universidade Federal Fluminense Atlas de Histologia Tecidual Módulo I Sandra Iara Lopes Seixas Terezinha de Jesus SirotheauSirotheau-Corrêa Atlas de Histologia Tecidual Módulo I Sandra Iara Lopes Seixas Professora Adjunta do Departamento

Leia mais

Tecido Epitelial. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Tecido Epitelial. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Tecido Epitelial Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS CARACTERÍSTICAS PROJEÇÕES CELULARES EPITÉLIO DE REVESTIMENTO EPITÉLIO GLANDULAR CÉLULAS EPITELIAIS ESPECIALIZADAS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências O corpo humano apresenta uma estrutura complexa, formada por vários órgãos que realizam suas funções em conjunto. Assim

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 47 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDO EPITELIAL

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 47 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDO EPITELIAL BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 47 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDO EPITELIAL Sistema Esquéletico Sistema Muscular Sistema Digestivo Sistema Respiratório TECIDOS ÓRGÃOS Sistema Circulatório Sistema Excretor Sistema

Leia mais

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estrutura e fisiologia da Membrana Plasmática - Parte 3. Professor: Alex Santos

BIOLOGIA. Moléculas, células e tecidos. Estrutura e fisiologia da Membrana Plasmática - Parte 3. Professor: Alex Santos BIOLOGIA Moléculas, células e tecidos Professor: Alex Santos Tópicos em abordagem: Parte 2 Transporte e especializações de membrana V Transporte através de membrana VI Especializações de membrana II Especializações

Leia mais

AULA PRÁTICA 02 TECIDOS EPITELIAIS: EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO

AULA PRÁTICA 02 TECIDOS EPITELIAIS: EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO AULA PRÁTICA 02 TECIDOS EPITELIAIS: EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO A característica morfológica básica do tecido epitelial é a proximidade entre as células, indicando a ausência de substância intercelular (exceto

Leia mais

TECIDO EPITELIAL MÓDULO 3 HISTOLOGIA

TECIDO EPITELIAL MÓDULO 3 HISTOLOGIA TECIDO EPITELIAL MÓDULO 3 HISTOLOGIA TECIDO EPITELIAL O TECIDO EPITELIAL é um dos quatro tipos de tecidos que formam o corpo humano. Suas células são tão unidas que existe pouca matriz extracelular (substância

Leia mais

Sistema Tegumentar. É o maior órgão sensorial do corpo humano, e o principal componente do sistema tegumentar.

Sistema Tegumentar. É o maior órgão sensorial do corpo humano, e o principal componente do sistema tegumentar. Sistema Tegumentar Acadêmica de Odontologia Thaiane Testa Introdução: O sistema tegumentar recobre o corpo, assim, protegendo-o contra o atrito, a perda de água, a invasão de microrganismos e a radiação

Leia mais

TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO

TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Medicina Veterinária 1º Período Disciplina: Histologia Básica e Embriologia www.faculdadevertice.com.br De acordo com a localização, o tecido

Leia mais

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS A pele ou tegumento cutâneo reveste externamente o corpo variando em cor e espessura nas diferentes regiões, assim como também na presença de pêlos, glândulas e unhas.

Leia mais

Histologia 2 - Resumo Tubo Digestório

Histologia 2 - Resumo Tubo Digestório Histologia 2 - Resumo Tubo Digestório - 2016-2 TUBO DIGESTÓRIO Tubo Digestivo Glândulas Associadas CAVIDADE ORAL LÍNGUA ESÔFAGO Lábio Mucosa Oral Dente Músculo Estriado Esquelético Papilas Gustativas Botões

Leia mais

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Utilização de novas tecnologias educativas: ambiente virtual para o estudo de histologia Renata Diniz Profa. Ms. Curso de Enfermagem

Leia mais

Sistema Respiratório. rio

Sistema Respiratório. rio Sistema Respiratório rio Constituição - Fossas nasais - Nasofaringe - Laringe - Traquéia - Brônquios - Bronquíolos Transporta, filtra, umedece e aquece o ar inspirado Constituição Porção respiratória ria

Leia mais

8 GLÂNDULAS ANEXAS DO SISTEMA DIGESTIVO

8 GLÂNDULAS ANEXAS DO SISTEMA DIGESTIVO 8 GLÂNDULAS ANEXAS DO SISTEMA DIGESTIVO Objectivo 1. Identificar as glândulas salivares parótida, submandibular e a sublingual, com base na sua estrutura histológica e no tipo de secreção que produzem.

Leia mais

Sistema Respiratório Acadêmica do curso de Medicina Veterinária Carolina Martins

Sistema Respiratório Acadêmica do curso de Medicina Veterinária Carolina Martins Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Instituto de Biologia Departamento de Morfologia HISTOREP Sistema Respiratório Acadêmica do curso de Medicina Veterinária Carolina Martins Introdução

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos que realizam a ingestão dos alimentos, sua digestão e a absorção dos produtos resultantes;

Leia mais

GLÂNDULAS DEFINIÇÃO TIPOS DE SECREÇÕES. São um conjunto de células especializadas que têm como finalidade produzir secreções.

GLÂNDULAS DEFINIÇÃO TIPOS DE SECREÇÕES. São um conjunto de células especializadas que têm como finalidade produzir secreções. DEFINIÇÃO São um conjunto de células especializadas que têm como finalidade produzir secreções. TIPOS DE SECREÇÕES Hormônios substâncias químicas que vão atuar em locais distantes da sua fabricação, tendo

Leia mais

Órgãos Associados ao Trato Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Outubro/2016

Órgãos Associados ao Trato Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Outubro/2016 Órgãos Associados ao Trato Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Outubro/2016 Glândulas Salivares Introdução Lubrificar/Umidificar Digestão Amilase e Lipase Lingual

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

CITOLOGIA. Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas. MSc Monyke Lucena

CITOLOGIA. Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas. MSc Monyke Lucena CITOLOGIA Membrana Plasmática: Especializações Citoplasma: Organelas MSc Monyke Lucena Membrana Plasmática -Especializações Microvilosidades: São expansões semelhantes a dedos de luvas, que aumentam a

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Instituto de Biologia Departamento de Morfologia SISTEMA RESPIRATÓRIO Sistema Respiratório Funç

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Instituto de Biologia Departamento de Morfologia SISTEMA RESPIRATÓRIO Sistema Respiratório Funç Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Instituto de Biologia Departamento de Morfologia SISTEMA RESPIRATÓRIO Sistema Respiratório Funções HEMATOSE Aquecimento, Umedecimento e Filtração

Leia mais

LISTA DE LAMINÁRIO HISTOLÓGICO

LISTA DE LAMINÁRIO HISTOLÓGICO 2017 LISTA DE LAMINÁRIO HISTOLÓGICO Produzido por: Karen Chaves Maysa Resende Técnicas do laboratório 10/07/2017 Adrenal Cápsula, Zona glomerular, Zona fasciculada, Zona reticulada e Medular. Artéria de

Leia mais

Ventilação e trocas gasosas nas vias aéreas

Ventilação e trocas gasosas nas vias aéreas Ventilação e trocas gasosas nas vias aéreas Componentes que direcionam a passagem do ar para dentro/fora formam a PORÇÃO CONDUTORA. cavidade nasal, seios nasais, nasofaringe, laringe, traquéia, brônquios,

Leia mais

Tecido epitelial Capítulo 2

Tecido epitelial Capítulo 2 Tecido epitelial Capítulo 2 1 INTRODUÇÃO As células, que são as menores unidades morfológicas e funcionais dos seres vivos, agrupam-se em tecidos, e estes, por sua vez, em órgãos. Tem-se quatro tipos principais

Leia mais

Tecido Epitelial. Autor: Diego Pereira de Araújo. Revisão: Lucas Jose Santos Mascarenhas

Tecido Epitelial. Autor: Diego Pereira de Araújo. Revisão: Lucas Jose Santos Mascarenhas Tecido Epitelial Autor: Diego Pereira de Araújo Revisão: Lucas Jose Santos Mascarenhas 2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Origem... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 Formato...3 Membrana Basal... 4 Junções... 5 Regeneração...

Leia mais

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Histologia Professora: Brenda Braga Histologia (Estudo dos Tecidos) Tecidos conjunto de células especializadas em realizar uma ou mais funções. Células-tronco São praticamente indiferenciadas

Leia mais

Aula: Histologia I. Serão abordados os temas sobre Células Tronco,Tecido Epitelial, Tecido Conjuntivo TCPD, Cartilaginoso e Ósseo.

Aula: Histologia I. Serão abordados os temas sobre Células Tronco,Tecido Epitelial, Tecido Conjuntivo TCPD, Cartilaginoso e Ósseo. Aula: Histologia I Serão abordados os temas sobre Células Tronco,Tecido Epitelial, Tecido Conjuntivo TCPD, Cartilaginoso e Ósseo. PROFESSOR: Brenda Braga DATA: 03/04/2014 Histologia (Estudo dos Tecidos)

Leia mais

25/08/2015. https://odontousp.wordpress.com/ APARELHO RESPIRATÓRIO Usado vezes por dia

25/08/2015. https://odontousp.wordpress.com/ APARELHO RESPIRATÓRIO Usado vezes por dia https://odontousp.wordpress.com/ APARELHO RESPIRATÓRIO Usado 23.000 vezes por dia 1 APARELHO RESPIRATÓRIO Usado 23.000 vezes por dia APARELHO RESPIRATÓRIO Usado 23.000 vezes por dia Funções: RESPIRAÇÃO

Leia mais

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina 1º bimestre Professora calina Aula 1 e 2 Tecidos biológicos Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecidos do corpo humano Tecido é um conjunto de células desempenham uma mesma função. semelhantes que Tecido

Leia mais

30/04/2018 TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO EPIDERME

30/04/2018 TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO EPIDERME TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO -Constitui superfícies externas e internas do organismo. - Células fortemente aderidas, escassa substância intercelular. - Proliferam-se tecido adjacente formando as glândulas.

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Sistema Respiratório Funções: Troca gasosa: Oxigenação do sangue venoso e eliminação de CO 2 pela expiração. Garantia de eficiência: Condução, filtração, aquecimento e umedecimento

Leia mais

Professora Lígia Cazarin

Professora Lígia Cazarin Tecidos do corpo humano Professora Lígia Cazarin Tecido Função Tipos de células 1.Epitelial 1.2 Glandular Matriz extracelular Localização 2.Conjuntivo 2.1 Propriamente dito 2.2 Cartilaginoso 2.3 Ósseo

Leia mais

:: ORGÃOS ASSOCIADOS AO TUBO DIGESTÓRIO ::

:: ORGÃOS ASSOCIADOS AO TUBO DIGESTÓRIO :: :: ORGÃOS ASSOCIADOS AO TUBO DIGESTÓRIO :: :: Glândulas Salivares :: SALIVA: fluídos com funções digestivas proteínas - amilase salivar e lipase salivar; lubrificante muco e água; protetora lisozima, lactoferrina,

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Vera Campos. Disciplina: Anatomia e Fisiologia. Programa Nacional de Formação em Radioterapia

SISTEMA DIGESTIVO. Vera Campos. Disciplina: Anatomia e Fisiologia. Programa Nacional de Formação em Radioterapia Disciplina: Anatomia e Fisiologia SISTEMA DIGESTIVO Vera Campos Programa Nacional de Formação em Radioterapia Sistema Digestivo O sistema digestivo é formado pelo tubo digestivo: Cavidade oral, Esôfago,

Leia mais

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele Tecido conjuntivo de preenchimento Pele derme epiderme Pele papila dérmica crista epidérmica corte histológico da pele observado em microscopia de luz Camadas da Epiderme proliferação e diferenciação dos

Leia mais

Histologia. Profª Andréa Roveré

Histologia. Profª Andréa Roveré Histologia Profª Andréa Roveré Tecido Epitelial TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO -Constitui superfícies externas e internas do organismo. - Células fortemente intercelular. aderidas, escassa substância

Leia mais

BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia

BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia BIOMEMBRANAS Disciplina: Citologia e embriologia Profª Dra. Adriana Junqueira a.soeiro.j@gmail.com 1.Sinonímia Plasmalema Membrana Citoplasmática 2.Conceito Separa o meio intracelular do extracelular,

Leia mais

Membrana Plasmática ou Celular Biomedicina Semestre

Membrana Plasmática ou Celular Biomedicina Semestre Membrana Plasmática ou Celular Biomedicina Semestre 1-2012 Profa. Luciana F. Krause Funções: Membrana Plasmática Envoltório do citoplasma; Delimita e contém os meios intra e extracelular; dando individualidade

Leia mais

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS TIPOS DE TECIDOS DO CORPO HUMANO O organismo humano é formado por quatro tipos básicos de tecidos: o epitelial, o conjuntivo, o muscular e o nervoso. Estes tecidos são formados

Leia mais

Aparelho reprodutor masculino

Aparelho reprodutor masculino Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Aparelho reprodutor masculino Aparelho reprodutor masculino Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves Anatomia do testículo Componentes do aparelho

Leia mais

Histologia Animal. Prof. Santhiago Dalcin

Histologia Animal. Prof. Santhiago Dalcin Histologia Animal Prof. Santhiago Dalcin Histologia Animal Após a fecundação do espermatozoide com o óvulo forma-se o embrião que sofre interruptas divisões ocorrendo diferenciação celular. No desenvolvimento

Leia mais

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica

Membrana Celular. Membrana Celular 08/03/13. Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana Celular Todas as membranas celulares apresentam a mesma constituição básica Membrana celular -Membrana plasmática -Endomembranas Membrana Celular Membrana plasmática: limite celular Sistema de

Leia mais

Tecidos Epiteliais e Conjuntivos

Tecidos Epiteliais e Conjuntivos Tecidos Epiteliais e Conjuntivos Aula ao Vivo O termo histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) refere-se ao estudo dos tecidos biológicos de animais e plantas, sua formação, estrutura e função.

Leia mais