SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?"

Transcrição

1

2 ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7

3 3 SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT Longline Environment iniciou actividade em 2005 para oferecer modelagem e serviços ambientais na área da aquicultura e pescas, com base em 20 anos de experiência em investigação e desenvolvimento tecnológico. A empresa oferece uma ampla gama de serviços de modelagem e soluções para as indústrias marinhas. PANORAMA DA AQUICULTURA A aquacultura é o sector alimentar que mais cresce a nível mundial. A expansão da indústria aquícola nos países de língua portuguesa, como o Brasil, Portugal, Moçambique, Angola e Cabo Verde torna o seguro aquícola essencial para proteger o maior activo financeiro da aquicultura - os organismos aquáticos. O aparecimento de médias e grandes produtoras de aquicultura tem estimulado a procura de seguros para obter protecção financeira contra prejuízos provenientes da morte do stock nas operações de cultivo de organismos aquáticos. COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? O seguro aquícola está disponível para operações de aquicultura em todo o mundo, existindo capacidade para segurar uma grande variedade de espécies. A Food and Agriculture Organisation (FAO) sublinha os seguintes benefícios fornecidos pelo seguro de aquícola: Protecção do capital investido; Protecção contra perdas dos animais provenientes de desastres naturais; Tranferência de parte do risco operacional; Melhoria do acesso ao capital de investimento e de financiamento; Acesso a estratégias de gestão de riscos e assistência oferecido pelo seguro aquícola.

4 4 ESPÉCIES ASSEGURADAS O seguro aquícola abrange todas as maiores espécies da aquicultura comercial: O cultivo de organismos aquáticos, incluindo peixes, moluscos, crustáceos e plantas aquáticas; Abrange espécies exóticas como as espécies nativas do Brasil; A tabela detalha algumas das espécies asseguradas. Peixe Moluscos Crustáceos Tilápia Mexilhão Camarão Cobia / Beijupirá Ostras Lagosta Atum Carpa Tambaqui Pintado Amêijoas Vieiras Abalone Holotúria (Sea Cucumber) Garoupa Bacalhau Salmão Barramundi Truta Robalo Pregado Corvina Pregado

5 5 RISCOS COBERTOS - Onshore (piscinas, viveiros de terra, sistema de recirculação) Morte dos animais por motivo de doença; Poluição proveniente de fontes externas; Artigos caidos do céu - Aeronaves e outros aparelhos aéreos; Predação; Enchentes, inundações e maremotos; Danos causados por tempestades (incluindo furacões, ciclones); Deslizamentos de terra, terramotos e erupções vulcânicas; Falhas estruturais, ruptura/bloqueio de qualquer parte do sistema de abastecimento de água; Seca, incêndio, explosão; Danos causados por baixa temperaturas, congelamento, geada; Avaria mecânica, danos de proveniente de máquinas e outras instalações; Desoxigenação e outras alterações na composição química da água, que possam causar danos. - Offshore (mar aberto, baías, estuários, albufeiras, reprezas, rios, etc) Morte dos animais por motivo de doença; Poluição proveniente de fontes externas; Artigos caidos do céu - Aeronaves e outros aparelhos aéreos; Predação; Tempestades, maremotos; Falha súbita e imprevista estrutural do equipamento; Congelamento, super-freeze, danos provinientes de um arrefecimento anormal; Desoxigenação, devido a actividade biológica ou a mudanças nas condições físicas ou químicas da água; Blooms de algas tóxicas (HAB s), vulgarmente denominados marés vermelhas; Danos causados por baixa temperaturas, congelamento, geada; Mudanças na concentração dos constituintes químicos normais da água - ph ou salinidade.

6 6 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? EXEMPLO DE SEGURO AQUÍCOLA Localização - Ceará, Brasil Espécie cultivada - Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) Sistema de cultivo - Tanque-rede de metal em albufeira Máximo valor mensal de stock (preço custo) - $500,000 USD Taxa do seguro aquícola - 5% Riscos cobertos - doença, inundações, temporais, furto Prémio anual a pagar = $500,000 USD x 5% = $25,000 USD O seguro aquícola é personalizado para cada cliente individual; O cliente elege os riscos que pretende cobrir e isso tem influencia no custo final; O prémio é uma percentagem do máximo valor mensal de stock na fazenda; A aquicultura é um sector volátil e portanto o custo do seguro aquícola depende da exposição ao risco, das normas de funcionamento e da experiência da exploração.

7 7 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? Disponível para o Brasil, Portugal, Moçambique, Angola e Cabo Verde; Aconselha-se a utilização de um corretor de seguros para obter uma cotação; Para contratar o seguro aquícola terá que preêncher um formulário de seguro; O formulário de seguro solicita informações sobre a localização da fazenda, dimensões, tipos de equipamentos utilizados, segurança, mapas e fotografias; Solicite mais informações através de CONTACTOS Longline Environment Ltd 2nd Floor, St John Street London, EC1V 4PW, United Kingdom t f facebook.com/longlineenvironment twitter.com/longlineenv

Farm. Aquacultura Offshore

Farm. Aquacultura Offshore Farm Aquacultura Offshore FARM Aquacultura Offshore 3 ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 FARM AQUACULTURE RESOURCE MANAGEMENT 3 FARM APLICADO 4 DESCRIPÇÃO DE FARM 5 DADOS DO CENTRO DE CULTIVO 7 CIÊNCIA 8 CONTACTOS

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE 1º Período: 21 de setembro a 17 de dezembro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Ano Letivo 2015/2016 Gestão de Conteúdos Ensino Básico Estudo do Meio / 4.º ano Domínios Subdomínios Conteúdos programáticos

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO IMPORTANTE Este Manual tem função meramente informativa, não substituindo, em hipótese alguma, as condições gerais e especiais da apólice. Da mesma

Leia mais

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Felipe Matias Red de Acuicultura de Las Américas (RAA/ FAO) Secretario Ejecutivo Fenacam, Novembro de 2014 Mudanças na Sociedade

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Apartado 145, 8500-998 Portimão, PORTUGAL Fax: +351 282798068; Telm: +351 917760979 Mail: secretariogeral.apa@gmail.com

Apartado 145, 8500-998 Portimão, PORTUGAL Fax: +351 282798068; Telm: +351 917760979 Mail: secretariogeral.apa@gmail.com Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 04 03 2014 N.º 91 Março Apartado 145, 8500-998 Portimão, PORTUGAL Fax: +351 282798068; Telm: +351 917760979 Mail: secretariogeral.apa@gmail.com

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO

Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO Pescas e Aquicultura na Região Centro BREVE CARACTERIZAÇÃO As distintas actividades das pescas têm uma representação expressiva na área de actuação da DRAPCentro: frota de pesca (local, costeira e do largo);

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

Projecto SOED. Relatório de Visita de Estudo ao Canadá 22 de junho - 14 de julho 2009 Eulália Mugabe

Projecto SOED. Relatório de Visita de Estudo ao Canadá 22 de junho - 14 de julho 2009 Eulália Mugabe Projecto SOED Relatório de Visita de Estudo ao Canadá 22 de junho - 14 de julho 2009 Eulália Mugabe Relatório de Estudo da Visita Canadá Por Eulalia Mugabe Antecedentes Foi com enorme prazer e alegria

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ccdr-n.pt/norte2020 24 DE MAIO DE 2013 VIANA DO CASTELO Principais Conceitos A competitividade das regiões deve

Leia mais

Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 07 01 2013

Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 07 01 2013 Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 07 01 2013 N.º 73 Janeiro 1. Assembleia-Geral da Associação (pág. 2 3) 2. 3º Seminário Aquícola (pág. 3) 3. Notícias de interesse ao sector (pág.

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS Aluno: Alex Marques Resende Curso de Zootecnia Relatório final apresentado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica/

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

O MERCADO DE PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO, 2010

O MERCADO DE PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO, 2010 O MERCADO DE PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO, 2010 IV SIMCOPE & 16ª Reunião da Rede Pan-Americana Santos /SP Setembro, 2010 Por: Renata Melon Barroso & Alexandre Cigagna Wiefels renatamelonbm@yahoo.com

Leia mais

Algarve: novos recursos, novos negócios

Algarve: novos recursos, novos negócios Algarve: novos recursos, novos negócios Paulo Zaragoza Pedro 22 de Novembro de 2012 Biblioteca Municipal Lídia Jorge - Albufeira No final de Março de 2011 são conhecidos os vencedores do 3º Concurso de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

LUZ ESPECTRO SOLAR E RADIAÇÃO PAR (PHOTOSYNTHETIC ACTIVE RADIATION)

LUZ ESPECTRO SOLAR E RADIAÇÃO PAR (PHOTOSYNTHETIC ACTIVE RADIATION) LUZ 2 ESPECTRO SOLAR E RADIAÇÃO PAR (PHOTOSYNTHETIC ACTIVE RADIATION) Espectro da radiação solar: luz visível entre 400-700 nm. A % de Luz dos vários comprimentos de onda que penetra em profundidade. A

Leia mais

Art. 2 O Registro Geral da Pesca contemplará as seguintes categorias de permissão e registro:

Art. 2 O Registro Geral da Pesca contemplará as seguintes categorias de permissão e registro: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 18 DE JANEIRO DE 2001 Nota: Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 3/2004/SEAP/PR O MINISTRO DE ESTADO,

Leia mais

Disciplina: Ciências Físico Químicas. Tema: Sustentabilidade na Terra. Realizado por: Alexandra Fernandes

Disciplina: Ciências Físico Químicas. Tema: Sustentabilidade na Terra. Realizado por: Alexandra Fernandes Disciplina: Ciências Físico Químicas Tema: Sustentabilidade na Terra Subtema: Os recursos naturais e a Realizado por: Alexandra Fernandes Mangualde, 16 de Junho de 2011 Índice Introdução A importância

Leia mais

O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO

O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO O MERCADO DE PESCADO EM SÃO PAULO Unidad Laboral de Referencia en Tecnología del Pescado - ULRTP Instituto de Pesca - APTA -Santos/ SP Brasil Agente financiador: INFOPESCA Equipe Executora Cristiane Rodrigues

Leia mais

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais:

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais: ANEXO VII (Anexo à Lei n o 6.938, de 31 de agosto de 1981) TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS E PRODUTOS COBRADOS PELO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DESCRIÇÃO

Leia mais

Aquaponia: IFPB Campus Sousa

Aquaponia: IFPB Campus Sousa Aquaponia: IFPB Campus Sousa O longo período de estiagem ocasionou a falta de água para produção de peixes no setor de Piscicultura do Campus Sousa. Diante desse desafio buscou-se uma forma de se produzir

Leia mais

Os recursos hídricos no Brasil e no mundo

Os recursos hídricos no Brasil e no mundo Os recursos hídricos no Brasil e no mundo DISPONIBILIDADE DE ÁGUA POR HAB./ANO NO MUNDO (ANA, 2005) Exemplos de países situados na parte superior da lista Ranking Continente País Recursos Hídricos

Leia mais

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas.

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Acessórios: são considerados acessórios os equipamentos originais de fábrica ou não: rádios

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

"Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA"

Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA "Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA" Adalto Bianchini Universidade Federal do Rio Grande Instituto de Ciências Biológicas Rio Grande, RS, Brasil adaltobianchini@furg.br

Leia mais

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Artur N. Rombenso, Viviana Lisboa y Luís A. Sampaio Introdução Cultivo de Cobia de 3 a 4 Kg. A maricultura no Brasil tem um modesto desenvolvimento

Leia mais

Desmitificando a genética

Desmitificando a genética Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho 2013 1 Este é o primeiro de uma série de artigos em que serão discutidos aqui na Panorama da AQÜICULTURA os conceitos e metodologias da área de melhoramento genético

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PROJECTO SOED RELATÓRIO DE ACTIVIDADES (Março Dezembro 2008) Por: Eulália Domingos Mugabe Florianópolis, 5 de Janeiro de 2009 RESUMO Durante o período compreendido entre Março e Dezembro de 2008, em Florianópolis,

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1.

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final Assunto: Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro Excelência, 1. PROCEDIMENTO (1) Por ofício de 4 de abril de 2011, as autoridades

Leia mais

Aqueles diplomas visavam especialmente regular a criação em explorações de salmão, truta e ostras.

Aqueles diplomas visavam especialmente regular a criação em explorações de salmão, truta e ostras. DL 112/2009 As regras zoossanitárias especificas para a colocação no mercado e a importação de paises terceiros dos produtos da aquicultura bem como as medidas comunitárias minímas de combate a certas

Leia mais

Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 18 09 2012

Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 18 09 2012 Redacção: APA Associação Portuguesa de Aquacultores Data: 18 09 2012 N.º 67 Setembro 1. Entrevista a Associados (pág. 2) 2. Workshop Fundo Europeu dos Assunto Marítimos e Pesca (pág. 3) 3. Notícias de

Leia mais

RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA. Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA. Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-2 RECURSOS NATURAIS

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

ANEXO 11. (Seguros) 1. FASE DE OPERAÇÃO. 1.1. Acidentes de Trabalho

ANEXO 11. (Seguros) 1. FASE DE OPERAÇÃO. 1.1. Acidentes de Trabalho Anexo 11 Seguros 1 ANEXO 11 (Seguros) 1. FASE DE OPERAÇÃO 1.1. Acidentes de Trabalho Deverá ser contratada uma Apólice de Seguro de Acidentes de Trabalho por Conta de Outrem por forma a garantir a responsabilidade

Leia mais

Boletim de previsão da apanha e captura de bivalves Semana 4, 20 a 26 de Janeiro de 2014

Boletim de previsão da apanha e captura de bivalves Semana 4, 20 a 26 de Janeiro de 2014 Condições atuais e previsões Ponto da situação Devido à presença de fitoplâncton produtor de toxinas marinhas ou de níveis de toxinas acima dos valores regulamentares estão interditas temporariamente,

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Novembro/2015 Belo Horizonte - MG

Novembro/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Novembro/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados da Produção de Pesca e Aquacultura

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) Requer o envio desta Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente para a recriação de Recifes Artificiais por meio de

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

ÍNDICE OBJETIVO DO PROGRAMA DEFINIÇÕES E COBERTURAS EXCLUSÕES ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES

ÍNDICE OBJETIVO DO PROGRAMA DEFINIÇÕES E COBERTURAS EXCLUSÕES ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES 02 ÍNDICE OBJETIVO DO PROGRAMA DEFINIÇÕES E COBERTURAS EXCLUSÕES 03 03 06 03 OBJETIVO DO PROGRAMA Este programa tem por objetivo prestar serviços de assistência emergencial, as residências através do sistema

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

PESCA E AQUICULTURA: METAS PARA SUSTENTABILIDADE

PESCA E AQUICULTURA: METAS PARA SUSTENTABILIDADE PESCA E AQUICULTURA: METAS PARA SUSTENTABILIDADE Autores: Eric Freitas Mazzei, Maik S.C. da Hora, Marcia Vanacor Barroso, Vitor Leonardo A.Rodrigues. Coordenadores: Eric Freitas Mazzei, Marcia Vanacor

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A CRIAÇÃO DE PEIXES EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA PEQUENOS PRODUTORES DO MUNICÍPIO

Leia mais

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições previstas posto no Art. 35 do Decreto

Leia mais

DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS

DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS Tania Maria Sausen GEODESASTRES-SUL / INPE-CRS tania@ltid.inpe.br geodesastres@crs.inpe.br CONCEITO DE DESASTRE De

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS

INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS INDÚSTRIA FITOFARMACÊUTICA LIDERA CERTIFICAÇÃO DE FATOS DE PROTECÇÃO PARA A APLICAÇÃO DOS SEUS PRODUTOS A protecção do aplicador na utilização de produtos fitofarmacêuticos está agora assegurada por um

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTOS. SP.

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTOS. SP. Revista Ceciliana Jun 4(1): 72-77, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTOS.

Leia mais

ANEXO CLASSIFICAÇÃO DOS DESASTRES QUANTO À INTENSIDADE

ANEXO CLASSIFICAÇÃO DOS DESASTRES QUANTO À INTENSIDADE ANEXO CLASSIFICAÇÃO DOS DESASTRES QUANTO À INTENSIDADE 1 - INTRODUÇÃO A intensidade dos desastres pode ser definida em termos absolutos ou a partir da proporção entre as necessidades de recursos e as possibilidades

Leia mais

AS TUAS ESCOLHAS O TEU FUTURO!

AS TUAS ESCOLHAS O TEU FUTURO! AS TUAS ESCOLHAS O TEU FUTURO! Serviço de Psicologia e Orientação ESTOU A TERMINAR O 9º ANO E AGORA? Cursos Científico- Humanísticos Cursos Profissionais CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS Condições de Acesso:

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos

Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos 1 Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos Por: Prof. Dr. Alexandre W.S. Hilsdorf wagner@umc.br Universidade de Mogi das Cruzes Laboratório de Genética de Organismos Aquáticos e Aquicultura

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Controlo dos impactes das catástrofes

Controlo dos impactes das catástrofes L Controlo dos impactes das catástrofes MEDIDAS DE PROTEÇÃO DOS ECOSSISTEMAS Fenómenos geológicos Sismos Vulcões Deslizamentos de terras Algumas medidas de prevenção e controlo de danos Ter uma atitude

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas.

Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas. Adegas & Lagares O prazer de provar! Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas. Garante os riscos que dão origem a perdas

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE - SEMA/MT Superintendência de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços - SUIMIS Número Roteiro Nome Roteiro Objetivo Roteiro

Leia mais

EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS

EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS ACCIONISTAS EMOSE ESTADO IGEPE GETCOOP VARIOS 31% 39% 20% 10% 2 LOCALIZAÇAO SEDE Av. 25 de Setembro nº. 1383 Maputo - Moçambique DEPENDÊNCIAS, BALCŌES E FRONTEIRAS OBJECTO

Leia mais

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente.

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente. ÁGUA O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008 1 Ciclo da Água 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008

Leia mais

carcinicultura brasileira

carcinicultura brasileira Dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira ITAMAR DE PAIVA ROCHA O leitor interessado em conhecer a dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira, seus números e suas principais

Leia mais

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Agosto de 2011 A Aquicultura

Leia mais

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA Prezado Segurado, Obrigado por contratar o seguro Empresarial. Ficamos honrados pela sua escolha. Nossa principal motivação é garantir a segurança e tranquilidade aos seus negócios, por isso disponibilizamos

Leia mais

Construção e Piscinas

Construção e Piscinas Construção e Piscinas Volume IV Piscinas um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Tecnico não pode ser reproduzido ou distribuido sem a expressa autorizacao de. 2 Índice Conceito básico...3

Leia mais

Projeto Roaz. Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático

Projeto Roaz. Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático Projeto Roaz Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático O ROAZ é uma embarcação autônoma, usada para o monitoramento, coleta de dados ambientais, ecobatimetria e levantamentos de topografia subaquática,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII Título do Podcast Área Segmento Duração Ecossistema, você sabe como diferenciá-lo? Ciências Ciências da Natureza II Ensino Fundamental 3 min 48 seg Habilidades:

Leia mais

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de trabalho nas actividades agrícolas. Por gado entende-se o

Leia mais

SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO. Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário)

SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO. Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário) ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO I.P. Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos SESSÃO DE DEBATE: NAVEGABILIDADE DO RIO TEJO Tema : PESCAS E APANHA NO TEJO ( Estuário) Lisboa, LNEC, 25 de

Leia mais

CONDIÇÕES DO SEGURO EDUCACIONAL UNICARIOCA

CONDIÇÕES DO SEGURO EDUCACIONAL UNICARIOCA CONDIÇÕES DO SEGURO EDUCACIONAL UNICARIOCA 1. DO SEGURO 1.1 OBJETIVO: O presente Seguro tem por objetivo garantir o pagamento de uma indenização ao beneficiário, até o limite das respectivas importâncias

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ÀS PESSOAS, SUAS BAGAGENS E OBJETOS PESSOAIS

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ÀS PESSOAS, SUAS BAGAGENS E OBJETOS PESSOAIS ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ÀS PESSOAS, SUAS BAGAGENS E OBJETOS PESSOAIS ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A) Entende-se por USUÁRIO, o associado, proprietário do título do Clube

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE PESCADOS AMAZÔNICOS S.A.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE PESCADOS AMAZÔNICOS S.A. INDÚSTRIA BRASILEIRA DE PESCADOS AMAZÔNICOS S.A. Comparativo do Processo Produtivo do Pescado Asiático com o Pescado Brasileiro na Aquicultura FENACAM Junho 2013 Cenário na Aquicultura Mundial Fonte: FAO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO O presente Termo indica as condições do Seguro de Proteção contra Perda ou Roubo de CARTÃO DE CRÉDITO oferecido pelo Banco

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

Carência vs. Desperdício Alimentar. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 22 de janeiro de 2016

Carência vs. Desperdício Alimentar. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 22 de janeiro de 2016 Carência vs. Desperdício Alimentar Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 22 de janeiro de 2016 Pessoas saudáveis dependem de sistemas alimentares saudáveis

Leia mais

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Rafael C. de Oliveira 71 O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Resumo: Atualmente a procura por produtos e derivados da pesca extrativista

Leia mais

PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE!

PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE! PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE! Índice Pescado 3 Um alimento nutritivo 4 Pescado faz bem à saúde 5 Qual o melhor 7 No tamanho certo 9 Quanto consumir 10 Aquacultura: quando o peixe não vem

Leia mais

Nome da unidade de monitorização Nome local ou de um ponto de referência. Tem conhecimento de que esta unidade seja uma área com designação especial?

Nome da unidade de monitorização Nome local ou de um ponto de referência. Tem conhecimento de que esta unidade seja uma área com designação especial? A INFORMAÇÃO GERAL A1 Código de País NUT III Bloco Unidade Ver mapa em: http://worldmap.harvard.edu/maps/cwsurveyunits A2 Nome da unidade de monitorização Nome no mapa Nome local ou de um ponto de referência

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

oikos 2014 www.oikos.pt

oikos 2014 www.oikos.pt Apresentação 1. Conhecer a OIKOS 2. Importância do Ambiente no trabalho da OIKOS 3. A nossa visão do Ambiente 4. Exemplos de Projetos 5. Os nossos planos para intervenção em Portugal Quem somos? Fundada

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Ocorrência no Mundo e no Brasil

Ocorrência no Mundo e no Brasil Manguezais m continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento de pesquisadores de todas

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais