ISSN CARACTERIZAÇÃO AGRO-SÓCIO-ECONÔMICA DE UNIDADES AGRÍCOLAS DE ASSENTAMENTOS DE MANAUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN CARACTERIZAÇÃO AGRO-SÓCIO-ECONÔMICA DE UNIDADES AGRÍCOLAS DE ASSENTAMENTOS DE MANAUS"

Transcrição

1 ISSN MINISTÉRIO DA PRODUTIVIDA DE E Q DA U I AL D E AGRICULTURA CARACTERIZAÇÃO AGRO-SÓCIO-ECONÔMICA DE UNIDADES AGRÍCOLAS DE ASSENTAMENTOS DE MANAUS Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Ocidental Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rodovia AM-010, Km 29, Caixa Postal 319,CEP Fone (092) Fax (092) Manaus, AM

2 República Federativa do Brasil Presidente Fernando Henrique Cardoso Ministério da Agricultura e do Abastecimento Ministro Francisco Sérgio Turra Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Diretor-Presidente Alberto Duque Portugal Diretores-Executivos Elza Ângela Battaggia Brito da Cunha Dante Daniel Giacomelli Scolari José Roberto Rodrigues Peres Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Ocidental Chefe Geral Eduardo Alberto Vilela Morales Chefe Adjunto Administrativo Hideo Hiramatsu Chefe Adjunto de Apoio Técnico Dorremi Oliveira Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento José Jackson Barcelar Nunes Xavier

3 Levantamento detalhado dos solos do IPEAAOc! "#. (IPEAAOc. $%&'()* +,),% " -. / 01 Land use practices in Ouro Preto do Oeste Rondônia, Brazil 2 )34'5 6)7%*'(&,)',' )6))%! 8# 2 )34' ()%& 9%7(%7: 9&),()% ";<= 1$ 1 / / >. ->/ 0 3' Amazônia : desenvolvimento, integração e ecologia. São Paulo5 $7)&)''? ;" )% 3' >')7%5 $ 8 # A / B > Aspectos sócio-econômico da atividade agropecuária desenvolvida por uma amostra de produtores no Estado do Amazonas 5 $C ;8 " # $C %,*'(%! Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Ocidental Ministério da Agricultura e do Abastecimento =="C!"; CARACTERIZAÇÃO AGRO-SÓCIO-ECONÔMICA DE UNIDADES AGRÍCOLAS DE ASSENTAMENTOS DE MANAUS >%+ '(%7 3' %7'D% 3' % '&,)*7 ') % 0),'(' 1 %7' >)'& ' % ;

4 EMBRAPA-CPAA. Documentos, 20 E'*#&7' 3'( #9&),DF% #%3'* '7 %&),)(3% G5 *97# *HI),)3'(& %3%6) == 2*! '&'J%'5 $A =!!!!=!K!! =!!"! ;= K!! == )E %(&5 " C = =,#%,#'*97#97 Tiragem5 "== 'E'*#&7' Comitê de Publicações %77'*) &)6')77')3'(' %'& 3 )&6 76%#&'(' 3% 7')3'(' %9'76& %(')7% $'H'77 3' )* 7)),' &)6')7 73%% '9()F% 3' %#' 3 )&6 &*)7 %( %6% ' 747'(L ')7%H 3% (% $7(L%&% )6M) 3' )* N4'& 7) %(' ')(' Suplentes $77'(% '7'H)L $()( 7,) Diagramação & Arte: &3')&% )* )&6 O > 3' 3'/ 3'/ 01 > Caracterização agro-sócio-econômica de unidades agrícolas de assentamentos de Manaus. 5 $C ; # $C %,*'(%!= =="C!"; 47),&(7 J*)&)7 P %,)%&%4) ',%I*), C $7)& P *H% I *97# '(7% 3' '?) 47%J&%7'(& 3 *HI),)3'(& * II Q(&% III +7)' ""; *97# ; #7%3DF% )*& #7',' 3' #%, )*#%7(M,),%*'7,)& #%7 '7'*,7)3% *) #7 9)(R,)?' #7 6'3 J&( 3' %74)HDF% #7%3DF% ',%*'7,)&)HDF% %,)3 J&( 3' )J7C'(7(7 3'?3 7'(7)4'* % 3''6%&6)*'(% S,)%C',%I*),% 3% #7%3(%7' % '(*'(% '(33% < EQUIPE QUE PARTICIPOU NA APLICAÇÃO DOS QUESTIONÁRIOS '?)3%7' 3 $5 3' % '&,)*7 ') % >%+ '(%7 3' & %7'D% 0),'(' 1 %7' 7) 3% %,%77% )?')7 BIBLIOGRAFIA $ '#7(*'(%,)%& 3' 7%3DF% )'7& 7%T'(% $. Folha SA Manaus: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra )% 3' >')7% ;!; # 7%T'(% $ '6(*'(% 3' ',7% (7) ; B >/ 3 Pesquisa em nível de propriedade: o caso da tecnologia de arroz em várzea amazonenses 5 $C ;" <# $C %,*'(%! > 3' /.1. >/ U. 1 / 0 / / 1 $ 3 / 0 / $$ Validação e transferência de tecnologia no cerrado: novo enfoque %)M5 < "# E#'7)*'(DF% %,*'(% Solos do Distrito Agropecuário da SUFRAMA #

5 8 *)%7) 3% #7%3(%7' '(7'6)(3% 6'3'* ' #7%3(% 3)7'(*'(' #7 %,%*+7,)% 3' % '(7'4* '* 6V7)% #%(% 3,)33' % #7 6)H)L% % 3)7'(*'(' #7 %,%*)3%7 )('7*'3)V7)% ('* (DF% 3),7'( '' '(*'(% 4'7&*'(' F%,%*'7,)(' )(&3% '* #'7*'7,3% % L%(+)?' &4* 6'H' JH'* ',%*'3 3' #%&# 3' J7( 3)7'(*'(' &4 #7%3(%7' J&( 3' %74)HDF% #7%3DF% ',%*'7,)&)HDF% %,)3 J&( 3' )J7C'(7(7 3'?3 (),%*% '(73 6),)) ' (7#%7(' )*,%*% #%&Q(), 4%6'7*'() #7 #7'D% 3' #7%3(% 7'*'* *)%7' &)*)(DW' 'J7'(3 #'&% #7%3(%7' % '(*'(% '(33% Propostas de soluções *)%7) 3% #7%3(%7' 3*)('?' *)(% #7%9&'* '(7(7) '7)* J,)&*'(' 7'%&6)3% (76+ 3 %74)HDF% 3' #7%3(%7' ' 3' #%&Q(), 4%6'7*'()?' #'7*)()'* )('* 3',7+3)(% 9)3)3% *'&L%7) 3 )J7C'(7(7 3 '(73 6),)) ' 3% (7#%7(' )*,%*% 47() 3' 6'3 ' 3' #7'D%,%*'7,)&)HDF% 3% #7%3(% 47Q,%& *9+*,7'3)(*?' * )(R,) (+,), *) 'J),)'(' ' #'?) 6%&(3 #7 %,%(7%&' 3 6%7C3'C97E ' #7 47%)3X(7) '7)* %&DW'?',%(7)9)7)*,%)3'76'&*'(' #7 %&DF% 3% #7%9&'* (+,),% ' #7 % 3''6%&6)*'(% 3 47),&(7 7'4)%& SUMÁRIO OZ < OZ OZ ; OZ = [ 8 < CONCLUSÕES ),'% ',%I*),% + % #7),)#& J(%7 3' *)47DF% 3% #7%3(%7' #7,#)(& 'K% %(7% '(*'(% J74*'(DF% 'K% 47'4DF% 3' &%(' + 7'&(3% ((% 3,%*#7 3' &%(' 3T,'(',%*% 3 3)6)F% 3% &%(',%* J*)&)7' % 6'3 3' #7(' 3% &%(',%*% &('7()6 3' 6)9)&)H7 % 7'((',&()6% 3' 9)(R,) ' 3' '#+,)' #'7'' J%7* *) J7'?Y'(' % )('* 3' % 3 ('77 3% '(*'(% '(33%

6 9)E J'7()&)33' (7& 3% %&% 3' ('77 J)7*' 'E)4' ()&)HDF% 3' 39% #7 *('7 % *'(7 #7%3DF% 3,&(7 )*#%7(M,) 3'' )*% J%) 3*)()3 #%7,'7, 3' 8\ 3% #7%3(%7'?' ()&)H* '('7,% #7 39DF% 3',&(7 #'7'' 3'*) #7%3(%7',%* *'% #%' 'K%,%L',)*'(% 3',&77* 7,)H,%6 3 J7(')7,%*% J%7* 3' 39DF% Limitações dos sistemas de produção *)%7' 3)J),&33' % 3''6%&6)*'(% 3 47),&(7 ' 3% #7%3(%7' % '(*'(% 6&)3% #%3'* '7 7'*)3 '* &)*)(DW' (+,), ' '(7(7) i) técnicas 9)E J'7()&)33' (7& 3% %&% J%) )3'()J),3 #%7!\ 3% #7%3(%7',%*% #7),)#& &)*)(DF% % % 3 ('77 '?(% 8\,%)3'7% J&( 3' '*'(' ' *3 J&( 3' %7)'(DF% (+,), %97' *'T% 3'?3% 3 #&( ' 3% %&% 7'*) % #7%9&'* *) +7)% &'6(3% #'& *)%7) 3% #7%3(%7' (7% #7%9&'* &'6(3% J%7* )J%7*DW' (+,), 3'J),)'(' %?' )'E)('(' ' % (?' 3' #74 ' 3%'D *) )*#%7((' J%7* 97%, 3 9')7 97%, 3 476)%& ' 6%7C3'C97E %,#DH')7% ii) estruturais,7+3)(% 47Q,%& + * J(%7?' )('7J'7' 3)7'(*'('?))DF% 3% J(%7' 3' #7%3DF% ' % 3''6%&6)*'(% 3 ()6)33' 3 )33' 47Q,%& 33% &'6(3% *%(77*?','7, 3' < \ 3% #7%3(%7' '(7'6)(3%, ()6'7*,'%,7+3)(% 77& 3'?&?'7 '#+,)',%(7 #' \?' ()&)H7* '#%73),*'(' '7, 3' 8"\ 3% #7%3(%7',%)3'77*,%*'7,)&)HDF% * 3% #7%9&'* *) +7)% V7' 3% '(*'(% 3'6)3% % #7'D% 9)E% ' G,%3)DW' #7',V7) 3 '(73 ' 3% )('* 3' (7#%7(' 3)#%Q6'& #'!\ 3% #7%3(%7' '(7'6)(3% 3',&77* #%)7 (7#%7(' #7S#7)% % 3'*) ()&)H* (7#%7(',%&'()6% % #4* J7'(' "

7 ! TABELA 6. ()33' 3' )*) ' J7'?YR,) 7'&()6 \ #%7,('4%7) 3',7)DF%,%*)33' 3' % *),Q#)% 3' Criação N o de lotes Freqüência N o de animais Médio Mínimo Máximo Total &)L! ;\ ""8 8 == 8= (% =; < \!"8 8 ;= ; Q% =; < \ =! ; <8 Fatores de produção *)%7) 3 )33' 47Q,%& #7''(% 9)E% Q6'& 3',#)(&)HDF% ' #7%3DF% 6) #7)%7)(7)*'(' ('3'7 ',')33' 3 J*Q&) ' % *'7,3% 3' #7%3(% #7,%*% % (7& '4)7 F% #%(3% % J(%7'?' *) )J&',)* 3',)F% #%7 3'('7*)3% )('* 3' % 3 ('77 i) mão-de-obra J%7D 3' (79&L% '*#7'43 % #7%,'% #7%3()6% + 9),*'(' J*)&)7 6)(%?' ;\ 3% #7%3(%7' 'E'7,'* ()6)33' '*,%(7(DF% 3' '76)D% #7),)#&,7,('7Q(), 3 )33' 47Q,%& J*)&)7' %*'(' 8\,%(7(* *F%C3'C%97 #7 'E',DF% 3' ()6)33' ('*#%7V7),%*% #7'#7% 3' V7' ' #&()% '&(3% )*)&7' J%7* ',%(73%,7,('7)HDF% 3' )33' 47Q,%& 3% *),Q#)% 3',#7 B ] ;" ' A ] B ;8 ii) insumos )*% 47Q,%& )('7J'7'* 3)7'(*'(' *)%7 % *'%7 #7%3()6)33' 3,&(7 ' 3% )*) '7, 3' \ 3% #7%3(%7',%*#7* ' ()&)H* &4* )*% '* #7%#7)'33' #7),)#&*'(' 7DF% J7'&% 'K%,%,'(73% #7 6' < \/ )'(),)3 'K% J4),)3 8\/ *'3),*'(%,%*% 6,) ()9)S(),% 3')J'((' ' %(7% 8\ ' '('7,% 3' 4&)L ' 39%?Q*),% 8\ CARACTERIZAÇÃO AGRO-SÓCIO-ECONÔMICA DE UNIDADES AGRÍCOLAS DE TRÊS ASSENTAMENTOS DE MANAUS INTRODUÇÃO >%+ '(%7 3' %7'D% 3' % '&,)*7 ') % 0),'(' 1 %7'! >)'& ' %! ('(9)&)33' 3 'E#&%7DF% 3% 7',7% (7) #7 #7%3DF% 3' &)*'(% ' 7'3 + % 473' 3'J)% 3 #'?) ' 3% #7%3(%7' *HI),% )(DF% #7'('3)3 'E)4' #7'6)*'(' * &'6(*'(% #7(),)#()6% 3,%3)DW' 47%CS,)%C',%I*), 3 #7%#7)'33' 77) #7 3'J))DW' 3' 3'*3 (',%&S4),,%*#(Q6'),%*,#,)33' 3' (79&L% 3% #7%3(%7' 7'4)F% *HI), 47),&(7 3% #'?'% #7%3(%7' + '* 3X6)3 &(7#3 ' '* 7'(9)&)33' ',%I*), * #7?' ' 'E',(' * #7%47* 3' 3''6%&6)*'(% ('*C'?' #7 %97)4(%7)*'(' #%7 *,%L',)*'(% 3 7'&)33' 3 V7' '7'* ()4)3 *,%*#L*'(% )),)&?' (74 (% (%3% % #7%9&'* ' %&DW' #%Q6') #7?' ' %9('L 7'&(3% #%)()6% #7V(), *),%** + 47),&(7 *)47(S7) #7 #7%3DF% 3' &)*'(% 9V),% #7 9)(R,),%()() * (73)DF% *)&'7 3 *)%7) 3 #%#&DW' )3Q4'?' J%) )*)&3 #'& #%#&DW',9%,& 74)3 3% #7%,'% 3',%&%)HDF% 3 7'4)F% L97( ;" 7'4)W' (7%#),),*&%C' * X*'7% )4)J),()6% 3' #7%47* *&,%,'9)3% ' *& %7)'(3% )*#%7((' #' #7 %,#DF% 3 7'4)F% F% L%6' #7'%,#DF%,%* ('(9)&)33' 3% )('* %*)3' et al < 9, 3' %&DW' 3'6' '7 3)7)4)3 % ')% 3% #7%3(%7' 'E#7'% (76+ 3' * 3)4S(),% #7(),)#()6%?' )('47' #'?)3%7' 'E(')%)( ' 4'(' 3' 3''6%&6)*'(% 4 % 47 %, 3 *97# *HI),)3'(& )E %(& " =C!= C! 4 % 47 % *97# *HI),)3'(&

8 % #',(% 3 #7%3DF% 3' &)*'(% 7'#7''(()6)33' 3% *),Q#)% 3' + *)(% #'?' '* 7'&DF% )*#%7(M,),%*%,#)(& '(3& ',%*% 3'('(%7 3 *)%7) 3 #%#&DF% '(3&,'7, 3' 8=\ )%#' #'7 3)% % *),Q#)% ('* #7(),)#DF% 47),&(7,%* V7' #7%3()6 7%3%6) $ 8 C $% 0)( ' == C (,%()7,%(7)9)3%,%* #7%3DF% 3' %6% J7( **F% 1^)),)(7% ',#D ' 'E(7()6)*% 3' *3')7 &+* 3)% &4 #7%T'(% 3',%&%)HDF% 3% J%7* )*#&(3% '(73 6),)) 3' 7%3%6) % #7%,'% 3' #'?) ' 3''6%&6)*'(%,7,('7)HDF% 3% )('* 3' % 3 ('77 ' 3% J(%7' 3'('7*)(' (%*3 3' 3',)F% 3% #7%3(%7',%()() * )*#%7((' J'77*'( #7 )3'()J),DF% 3' 3'*3 (',%&S4),?' #%* %&,)%7 #7%9&'* % *'&L%77 % % 3% 7',7% 3)#%Q6') % #7%T'(% 3',%&%)HDF% 3% (79&L% 3),(',7,('7)HDF% 47%C%,)%C',%I*), 3 )33' 47Q,%& 3' (7R,%*)33' '(3 7%3%6) == *),Q#)% 3' (79&L% J%) 'E',(3% '* 97)& 3'! ),)&*'(' % '(*'(% 3% 4 $7, ' 4 $7, )(3% % &%4% 3 7%3%6) == (73 C(,%()7 J%7* 6))(3% #%7 * '?)#' *&()3),)#&)7 3' (+,),% 3 #'?) ' 3 'E('F%,%*)33' 4 $7, ' 4 $7, J%7* 7'&)H3% #' * %3'% 3'6)3% % #'?'% X*'7% 3' #7%3(%7' ' *)%7 X*'7% 3',')7% %*'(',%*)33' 3' J%7* #&),3%?'()%V7)% #7 &'6(*'(% 3 )J%7*DW' 3'6)3% % *)%7 X*'7% 3' #7%3(%7',%*)33' J%7*,7,('7)H3 #%7 %9'76DW' 3',*#% ' V&)' 3' 33% #7)*V7)% ' ',3V7)%,%&'( 3' 33% #7)*V7)% J%) '*#7'43 *'(%3%&%4) 3' ],%* &4* *%3)J),DW' '?)#' *&()3),)#&)7 %,)% %3')% '?'()%V7)% #7 %9('7 )J%7*DW' %97' #7%,'3R,),%*#%)DF% 3 J*Q&) ',%&7)33' )(DF% J3)V7) )(R,) (+,), )('* 3' % 3 ('77 J(%7' 3' #7%3DF% ' &)*)(DW' X*'7% 3' '(7'6)(3%,%*)33' J%) 3'J))3% #'&% (%(& 3' #7%3(%7' ',%(73% #7%#7)'33' '?' F% '7*,')7% % #7%3(%7' 3' J)& 3' '* % (%(& J%7* #&),3% 8?'()%V7)%,%*)33' 3' 33% J%7* &)3%,%* 9' '* '((Q(), 3',7)()6 J7(),&(7 ' %(7,&(7 #'7''?' 4'7&*'(' J%7** % Q()% #7%#7)'33' #7''(7* *)%7' *+3) 3' V7' #&(3 7'#',()6*'(' L ' " L *'%7 *+3) 3' V7' #&(3 J%) #7,&()6% 3' 9)(R,) %#DF% #%7 '#+,)' #'7'' 7'4)%) ' #%7,&(7 &)*'(7' J%),%** % )('* 3' #7%3DF% '(33% #7'3%*)3% %,&()6% 3',#D ' *3)%, TABELA 5. 7' (%(& 3' *( ' 3',&()6% L ' J7'?YR,) 7'&()6 \ #%7,('4%7) 3',&()6%,%*)33' 3' % *),Q#)% 3' Discriminação N o de lotes Freqüência Área (ha) (%) Média Mínima Máxima Total 7' 3' &()6% 8 == ;;< == " 8!"8 9)(R,) " "!<= =<= == = 8" == ="= "== 8!=< (7 #'7''! ; "=; == 8; ""; (4'* = C C C!=== E(7()6)*%_ = <= C C C C 7' 3' ( = "!=!== "=== "!== *extrativismo de carvão e madeira. Produção animal #7%3DF% )*& V7' 3' '(*'(% +,%()(Q3 #7),)#&*'(' #'&,7)DF% 3' 6' 4&)L,)#)7 ' #(% ' Q% 9'& 6),&(7,')7 + #7),)#& J%(' 3' #7%('Q )*& ((% #'&% X*'7% 3' 9),%?(% #'&% X*'7% 3' #7%3(%7' '6%&6)3% #'7 3 3)J),&33' ',%(73 V7' 3' ('77 J)7*' #7 #7%3DF% 3' 47F% #7(),&7*'(' *)&L% &)*'(% '',)&,7)DF% 3' 6' '7, 3' ;\ 3% #7%3(%7',7)* 4&)L,)#)7 ' < \,7)* #(% '3% % X*'7% *+3)% 3' 9),% %9'763% 3' "" #7 4&)L '!" #7 #(%,7)DF% 3' Q% #7''(% X*'7% *+3)% 3' %6' )*) ' J7'?YR,) 3' < \ #7%3DF% )*& '*9%7 'T,%*#%'(' #7)*V7)% )33' J*)&)7' 6&)3 #7',' 3' #%, )*#%7(M,),%*'7,)& #%7 '7'*,7)3% *) #7 9)(R,)?' #7 6'3

9 = Assistência técnica e associativismo % #7%3(%7' '(7'6)(3% *'(3' J)7*% 7','9'7 )(R,) (+,), '?(% %(7 *'(3' 3',&7%?' '*9%7 F% 7','9*?)?'7 %7)'(DF% (+,), 7',%L','* )*#%7(M,) #7 *'&L%7 3''6%&6'7 ()6)33' #7%#7)'33' * 7'&DF% % %,)()6)*%,'7, 3' ;\ #'7(','* &4* ()#% 3' %74)HDF% 4'7&*'(' %,)DF%,%*)(V7) ( *%3&)33' *)%7) 3%,% (7( *) 3' ()6)33',&(7) ' 3' &H'7?' G?'& 7'&,)%3,%* #7%3DF% ',%*'7,)&)HDF% 3,&(7 CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE USO DA TERRA Produção vegetal % (%(& 3' <!;=L 7'J'7'(' % 8 &%(' *%(73% <;\ + V7' 7',%9'7( #%7 *( ' 8!\,%77'#%3' V7' 3 #'&% #7%3(%7' '3%!!\ 3'()3%,&()6% 67)3% \ %(7 ()6)33' 9'J')(%7),7)DW' ' V4,%77'(' ' #' 8\ G #(4'* 7'#7''(3 #%7 #' * #7%3(%7?' #%)!= L 3' #(4'* Á r e a d e M a t a d e C u lt iv o FIG. 87'&()6 % \ 3% % 3 ('77,%*)33' F% 2 2 % *),Q#)% 3' O u t r o s 1 6 % P a s t a g e m 4 % V7' 3',&()6% J%7* #'?' '* 7'&DF% G 'E('F% 3% &%(' ' 3 V7' 7''763,%* *(,%* *+3) 3' ;;< L ' &)*)(' )J'7)%7 3' ==L ' #'7)%7 3' " 8L,&()6% 3' 9)(R,) ' 3' '#+,)' #'7'',%()(Q7* ()6)33' *) J7'?Y'(' #7),)#&*'(' #'&% X*'7% 3' #7%3(%7' '6%&6)3% "\ ' ;\ 7'#',()6*'(' 'E(7()6)*% 3',76F% ' *3')7 (*9+* + 'E#7')6%,%*,'7, 3' <=\ 3% #7%3(%7' '(7'6)(3% 9'& < Á r e a CARACTERIZAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS V7' '* '(3% )('47 * #7%T'(% 3',%&%)HDF% 3*))(73% #'&% '3% % &%(' 3' (*L%,%77'#%3'(' = L '(*'(% '(F% %97' %&% 3' ('77 J)7*',%*% *)%7) 3 7'4)F% F% 3' 9)E J'7()&)33' (7& F% #%7(3% #7%3DW' '&'63 4'7&*'(',&)J),3%,%*% (%%&% *7'&% ('E(7 #'3, K!/ $7)& ; '(*'(% F% 3%(3% 3' * #%&Q(), #7S#7) 3','F% 3% &%(' #'&% * #'7 3)% 8"\ 3% #7%3(%7' '(7'6)(3% )J%7*7* F% #%)7 3%,*'(DF% 3' #%' 3 ('77,%(7 8"\?' 3',&77* ('7 ()(&DF% 3' #%' #7%,'% 3' %,#DF% )),),%* % 7','9)*'(% 3 ('77 % #7%47* 3' '(*'(% ' '* '4)3 #%3' %,%77'7 (7J'7R,) ' 6'3 3% &%(' 4'7&*'(' #7 ('3'7 3'*3 3' V7' #7 )*#&(DF% 3' Q()% #7 J)& 3' '* % '(*'(% 3' %3I) 47'4DF% 3' &%(' ('6' 7HW' *) '*#7''3'3%7?' 3' % J%7* 3',%77'(' 3%,'% %9()3%,%* % &%(' %7)4)& % #'&,L'43 3' %6 #'%,%* *)%7,#,)33' #7,%*#77 6V7)% &%(' ' )3 J74*'(DF%,3 #'& ',')33' 3% #7%3(%7 6'3'7 #7(' 3% ' &%(' #7 #%3'7 6)9)&)H7 % 7'((' '3&%^2) ] &'! )(DF% J3)V7) + * #',(% )*#%7((' '7,%)3'73% #7%*%DF% 3% 3''6%&6)*'(% 3 47),&(7 6)(%?' ()(&DF% 3 ('77 #%3' 'E'7,'7 ##'& J3*'(& '&'DF% 3' '#+,)' '7'*,&()63 7%3(%7' '* (Q(&% '(7)* *) )('7'3% % #&()% 3',&(7 ('*#%7V7) '?(% % #7%#7)'(V7)%?' 3*))(7* ' #7S#7)% &%(' )6'()7)* '*,&(7 #'7*'(' 974R,) (%(& 3% &%(' '(33% J%) 3' <!;= L 3)(7)9Q3% '* "!== L )3 '* *( '!"8 L 3' 9'J')(%7) ',&()6% &+* 3' * %9'76DF% 3' #(4'* V7' *+3) 3% &%(' J%) 3' 8=! L J),3% % &)*)(' '(7' L = L 9'&

10 ; TABELA 1. 7' 3% &%(' '(33%,%*)33' 3' % *),Q#)% 3' N o de Área (ha) Discriminação lotes Média Mínima Máxima Total 7' 3' *( = "!=!== "=== "!== 7' ()&)H3 8 ;;< == " 8!"8 (4'* = C C C!=== 7' (%(& 8 8=!= == === <!;= V7' 3% &%(' 4'7&*'(' F% )J%7*' '(7'((% &4 &%(' #7''76* % (*L% %7)4)& '?(% %(7% %J7'7* 47'4DW' 3' * % *) &%(' 3T,'(' ' %(7% J74*'(7*C' '* &%(' *'%7',7'3)(C'?' 67)DF% % (*L% 3 V7' 'T 7'J&'E% 3% #7%9&'* 'J7'(3% #7),)#&*'(' '* 7'&DF% G #%97'H 3% %&% 3' ('77 J)7*'?' 3'',%7T* % #7%3(%7' #'7*','7'* % '(*'(% CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES Procedência e escolaridade 7'&(3% )3),7*?','7, 3' =\ 3% '(7'6)(3% F%,)3% 7'4)F% *HI), ' #7%,'3'(' #7),)#&*'(' 3' (7R (3% #7%E)*3*'(' 8"\ 3% *H%!\ 3%,7' ' \ 3% 7V 9'&! TABELA 2. 7%,'3R,) 3% #7%3(%7' '(7'6)(3%,%*)33' 3' % *),Q#)% 3' Procedência N o de produtores Freqüência relativa (%) Amazônia *H%,7' 7V 10 " 71,3 8!;!8 Nordeste 2 14,3 Outras 2 14,3 47 3' ',%&7)33' '(V,)* 3 &J9'()HDF% #7 *) 3' =\ 3% #7%3(%7' '3%?' <=\ (R* #' % #7)*')7% 47 ),%*#&'(% ','7, 3' "<;\ F% &J9'(% % '*)C&J9'()H3% 9'& " TABELA ' ',%&7)33',%*)33' 3' % *),Q#)% 3' Escolaridade N o de produtores Freqüência relativa (%) &J9'(%K'*)C&J9'(% < "<; &J9'()H3% = 47 ),%*#&'(% <== = 47! = 47 ),%*#&'(% Idade, composição da família e tempo de ocupação do lote )33' *+3) 3% #7%3(%7' J%) 3' <" %,%* &)*)(' *Q)*% 3'! ' *VE)*% 3'! % X*'7% (%(& 3' #'% *%73% % 8 &%(' *%(73% ),&)3% % *'*97% 3 J*Q&),7)D *'%7' 3' 8 % ' % 47'43% J%) 3'!!,%* *+3) 3' #7%E)*3*'(',),% 3)(7)9Q3% '* * 3%) L%*' * *&L'7 ' 3 (7R,7)D *'%7' 3' 8 % ('*#% *+3)% 3' %,#DF% 3% &%(' J%) )J'7)%7 '(' % #' 3%) 3% #7%3(%7' '(7'6)(3% %,#* % &%(' LV *) 3' = % #7%66'&*'(' #%7 (7(7C' 3' * #7%T'(% 3' '(*'(% 7','(' ' (*9+* #'&% #7%9&'* 3' 7%(()6)33',7,('7Q(),% 3% '(*'(% 7'4)F% 9'& 8 TABELA 4. 33' *+3) 3% #7%3(%7',%*#%)DF% 3 J*Q&) ' ('*#% 3' %,#DF%,%*)33' 3' % *),Q#)% 3' Discriminação Idade do Produtor Número de Homens Número de Mulheres Menores de 14 anos Anos no Local %(& C!! " ; C +3) <" "! 8 VE)*%! 8 " 8 Q)*%! = = "

ISSN 0103-6238 CADEIA PRODUTIVA DA MANDIOCA NO AMAZONAS. Patrocínio

ISSN 0103-6238 CADEIA PRODUTIVA DA MANDIOCA NO AMAZONAS. Patrocínio Patrocínio MINISTÉRIO DA PRODUTIVIDA DE E Q DA U I AL AGRICULTURA D E ISSN 0103-6238 CADEIA PRODUTIVA DA MANDIOCA NO AMAZONAS Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal

Leia mais

ISSN Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO

ISSN Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO ISSN 1517-4557 Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO Dourados-MS 1999 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área

Leia mais

ISSN X EM 1998/99. Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski

ISSN X EM 1998/99. Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski ISSN 1516-845X RESULTADOS DE ANÁLISES DE SOLO REALIZADAS PELO LABORATÓRIO DA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE EM 1998/99 Henrique de Oliveira William Marra Silva Luiz Alberto Staut João Ronaldo Novachinski Dourados,

Leia mais

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Complexos Regionais Amazônia: Baixa densidade demográfica e grande cobertura vegetal. 2 3 Complexos Regionais Nordeste: Mais baixos níveis de desenvolvimento

Leia mais

A CULTURA DO MILHO IRRIGADO

A CULTURA DO MILHO IRRIGADO A CULTURA DO MILHO IRRIGADO República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Presidente Ministério da Agricultura e do Abastecimento Marcus Vinícius Pratini de Moraes Ministro Empresa Brasileira

Leia mais

Relatório de Viagem - Avaliação dos Planos de Recuperação de Ricinocultura...

Relatório de Viagem - Avaliação dos Planos de Recuperação de Ricinocultura... Relatório de Viagem - Avaliação dos Planos de Recuperação de Ricinocultura... 1 2 Relatório de Viagem - Avaliação dos Planos de Recuperação de Ricinocultura... República Federativa do Brasil Fernando Henrique

Leia mais

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS 1 A construção do espaço geográfico de 1500 a 1930 A ocupação da Amazônia não despertava tanto interesse

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03

Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03 59 ISSN 1679-0472 Outubro, 2002 Dourados, MS Foto: arquivo Embrapa Agropecuária Oeste Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03 Geraldo Augusto de Melo Filho

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS

ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS ESTUDO DIRIGIDO 5º PERÍODO PROFº GUSTAVO BARCELOS QUESTIONAMENTOS 1- Diferencie Amazônia Legal e Amazônia Internacional. 2- Caracterize o clima equatorial quanto a temperatura e umidade. 3- Explique o

Leia mais

O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região.

O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região. O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região. Diretoria ABIDIAS JOSÉ DE SOUSA JUNIOR Presidente AUGUSTO AFONSO MONTEIRO DE BARROS Diretor de Ações Estratégicas EVANDRO BESSA DE LIMA FILHO Diretor

Leia mais

Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Anais da XII Jornada de Iniciação Científica da Adauto Maurício

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Agosto de 2016 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Agosto de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel

Leia mais

Avaliação de Diferentes Tubos de Acesso para Medição da Umidade do Solo Através do Uso de Sonda de Nêutrons

Avaliação de Diferentes Tubos de Acesso para Medição da Umidade do Solo Através do Uso de Sonda de Nêutrons 0 Documentos Número, 59 ISSN 0104-6187 Novembro, 1998 Avaliação de Diferentes Tubos de Acesso para Medição da Umidade do Solo Através do Uso de Sonda de Nêutrons Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 228 Perfil da Pesquisa Agropecuária Voltada

Leia mais

Mesa Redonda Desafios da captação de água de chuva no Semi-Árido brasileiro

Mesa Redonda Desafios da captação de água de chuva no Semi-Árido brasileiro Mesa Redonda Desafios da captação de água de chuva no Semi-Árido brasileiro Luiza Teixeira de Lima Brito Embrapa Semi-Árido Campina Grande-PB, 05 a 07 de maio de 2009 Nordeste Brasileiro Grande diversidade

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros Costeiros Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A CULTURA DA MANGABA

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros Costeiros Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A CULTURA DA MANGABA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros Costeiros Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A CULTURA DA MANGABA Embrapa Brasília, DF 2015 Coleção Plantar, 73 Produção

Leia mais

Coleta de parasitos em peixes de cultivo

Coleta de parasitos em peixes de cultivo Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amapá Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Universidade Federal de Santa Catarina Coleta de parasitos em peixes

Leia mais

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal SETEMBRO 2016 O QUE É A EMATER-DF? Empresa Pública, criada em

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

maracujazeiro Guia de plantas e propágulos de

maracujazeiro Guia de plantas e propágulos de Guia de plantas e propágulos de maracujazeiro No Brasil, o maracujá-amarelo, também chamado de maracujáazedo, ocupa posição de destaque na fruticultura tropical, sobretudo na agricultura de pequeno porte.

Leia mais

Estoques de carbono e emissões de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira

Estoques de carbono e emissões de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio Ambiente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Estoques de carbono e emissões de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A PESQUISA ETNOBOTÂNICA COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DA PERCEPÇÃO LOCAL SOBRE O MEIO AMBIENTE Larissa Santos de Almeida;

Leia mais

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada

Peixe Defumado. 2 a edição revista e atualizada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Peixe Defumado 2 a edição revista e atualizada Joana Maria Leite de Souza Ociléia de Araújo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Morfologia, Classificação e Levantamento de Solos Código da Disciplina: AGR255 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 4 período Faculdade responsável: Agronomia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO' AGRíCOLA DAS TERRAS DO CAMPO EXPERIMENTAL DE OURO PRETO. D'OESTE - RONDÔNIA

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO' AGRíCOLA DAS TERRAS DO CAMPO EXPERIMENTAL DE OURO PRETO. D'OESTE - RONDÔNIA Núrnero.Zü. ISSN 1517-2201 ~~. Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento, Novembro,1999 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO' AGRíCOLA DAS TERRAS DO CAMPO EXPERIMENTAL DE OURO PRETO. D'OESTE - RONDÔNIA E~ REPÚBLICA

Leia mais

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012 CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO PED E DESENHO DE NOVOS INDICADORES E LEVANTAMENTOS Site Sistema PED Projeto Sistema PED 2012 Meta C: Aprimorar sistema de divulgação e disponibilização das informações

Leia mais

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Resgate de Tradições Hortaliças não convencionais Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Conhecendo um pouco sobre as hortaliças não convencionais No decorrer dos milênios, os seres

Leia mais

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul.

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul. PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - PARTE 1 ============================================================================================= 01- Analise

Leia mais

Geomorfologia Estrutural. Hélio Mário de Araújo Ana Claudia da Silva Andrade

Geomorfologia Estrutural. Hélio Mário de Araújo Ana Claudia da Silva Andrade Geomorfologia Estrutural Hélio Mário de Araújo Ana Claudia da Silva Andrade São Cristóvão/SE 2011 Geomorfologia Estrutural Elaboração de Conteúdo Hélio Mário de Araújo Ana Claudia da Silva Andrade Hermeson

Leia mais

Descritores. morfoagronômicos ilustrados para Passiflora spp.

Descritores. morfoagronômicos ilustrados para Passiflora spp. Descritores morfoagronômicos ilustrados para Passiflora spp. Onildo Nunes de Jesus Eder Jorge de Oliveira Fábio Gelape Faleiro Taliane Leila Soares Eduardo Augusto Girardi Editores Técnicos Empresa Brasileira

Leia mais

Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus. Setembro 2011

Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus. Setembro 2011 Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus Setembro 2011 PÁGINA 2 BOLETIM INFORMATIVO SET/11 Nesta edição 1 O saldo de emprego em setembro é de 209 mil postos. 2 Em Manaus, o saldo de

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO D'OESTE - RONDÔNIA.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO D'OESTE - RONDÔNIA. ISSN 1517-2201 ~4'"Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento Novembro,1999 AVALIAÇÃO DA APTIDÃO AGRíCOLA DAS TERRAS DO CAMPO EXPERIMENTAL DE OURO PRETO. D'OESTE - RONDÔNIA. ISSN 1517-2201 Documentos

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 75.387,76 398.166

Leia mais

SUPERVISOR: Fátima Edília BOLSISTAS: Jusciana do Carmo Marta Claudino

SUPERVISOR: Fátima Edília BOLSISTAS: Jusciana do Carmo Marta Claudino UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA ESTADUAL MASCARENHAS

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE Daniel de Almeida Papa1, Virgínia de Souza Álvares2 e Daniela Popim Miqueloni3 1Eng. Florestal,

Leia mais

ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO

ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO C E N Á R I O S - A G R O N E G Ó C I O 2 3 CRESCIMENTO POPULACIONAL

Leia mais

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural 7º Seminário Estadual de Agricultura O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural Deputado Estadual José Milton Scheffer Vice-Presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da ALESC Território

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus. Outubro 2011

Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus. Outubro 2011 Boletim informativo do Mercado de Trabalho Formal de Manaus Outubro 2011 PÁGINA 2 BOLETIM INFORMATIVO OUT/11 Nesta edição 1 O saldo de emprego no Brasil em outubro é de 126.143l postos. 2 O saldo de outubro

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS Documentos, 3 Dourados-MS, 1999 ISSN 1516-845X XII REUNIÃO DE PESQUISADORES EM CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS 23 e 24 de junho de 1999 Corumbá, MS CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

Leia mais

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre Laranja: Acre importa cerca de 400 toneladas por ano. Mercado local consome mais laranja do que o Estado produz. Esta edição do boletim de preços traz uma análise sobre a produção de laranja no Acre. Os

Leia mais

INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA PESQUISA E PLANEJAMENTO AGRÍCOLA

INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA PESQUISA E PLANEJAMENTO AGRÍCOLA Arroz e Feijão INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA PESQUISA E PLANEJAMENTO AGRÍCOLA 1999 Silvando Carlos da Silva Luciano de Souza Xavier José Cardoso Pelegrini Francisco Aristides David Embrapa Arroz e Feijão

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E RENDA DA ERVA-MATE CULTIVADA

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E RENDA DA ERVA-MATE CULTIVADA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E RENDA DA ERVA-MATE CULTIVADA Honorino Roque Rodigheri * Sergio Henrique Mosele ** 1 INTRODUÇÃO A erva-mate (liex paraguariensis St. Hi~, que já foi um dos principais produtos das

Leia mais

KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA

KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Kit medidor de sementes partidas de soja Francisco

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Manual de Laboratório

Manual de Laboratório Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manual de Laboratório Análises Físico-químicas de Frutas e Mandioca Luciana

Leia mais

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre Preço de farinha de mandioca aumenta 240% Nesta edição, o Boletim de Preços destaca o aumento do preço médio pago pela saca de farinha de mandioca no Vale do Juruá, AC, que variou 240% entre junho/2012

Leia mais

EXAME NACIONAL DE CURSOS Relatório-Síntese Anexo. Engenharia Civil

EXAME NACIONAL DE CURSOS Relatório-Síntese Anexo. Engenharia Civil EXAME NACIONAL DE CURSOS Relatório-Síntese 2000 Anexo Engenharia Civil Tiragem: 190 exemplares MEC Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4 o andar, sala 431 CEP 70047-900 Brasília-DF Fone: (61)

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO. Fundação João Mangabeira

POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO. Fundação João Mangabeira POLÍTICAS PÚBLICAS: ELEMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA DE GOVERNO Fundação João Mangabeira Brasília, 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) P418 Pensando e organizando a campanha

Leia mais

República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Presidente

República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Presidente Evaristo Eduardo de Miranda Eduardo Caputi Carlos Fernando Assis Paniago República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Presidente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Marcus

Leia mais

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz Não é possível exibir esta imagem no momento. II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz 1 Longo e grave histórico de conflitos( ES e BA ) Relacionamento com comunidades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Governadora do Estado ROSALBA CIARLINI SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, DA PECUÁRIA E DA PESCA SAPE.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Governadora do Estado ROSALBA CIARLINI SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, DA PECUÁRIA E DA PESCA SAPE. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Governadora do Estado ROSALBA CIARLINI SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, DA PECUÁRIA E DA PESCA SAPE. Secretário TARCÍSIO DANTAS BEZERRA INSTITUTO DE ASSISTENCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA CONSELHO TÉCNICO ADMINISTRATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA CONSELHO TÉCNICO ADMINISTRATIVO DATA: 08/12/2016 HORÁRIO: 09:00 h LOCAL: Sala 03, Bloco 03 PAUTA 1. Modificação de período de Disciplinas: Nº. do Processo Proponente 1.1 23082.018572/2016-53 MARIANY SOUZA DE BRITO (COORDENAÇÃO DO CURSO

Leia mais

Instituições e Políticas Públicas

Instituições e Políticas Públicas Instituições e Políticas Públicas Raízes nº 18 Edição especial temática, dedicada ao XVIII ENCONTRO NACIONAL DA APIPSA, realizado em Campina Grande - PB, entre 25 e 29 de novembro de 1996. Organizadores:

Leia mais

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011.

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 2 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada

Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio. Tiragem Limitada Estatísticas e Indicadores do Ensino Fundamental e Médio Tiragem Limitada República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Ministério da Educação e do Desporto - MEC Paulo Renato Souza Secretaria

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pós-colheita de Hortaliças

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pós-colheita de Hortaliças Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Pós-colheita de Hortaliças Embrapa Informação Tecnológica Brasília, DF 2007 Coleção Saber,

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

GEOGRAFIA 7 0 ANO UNIDADE 4 REGIÃO NORTE. Slides X SAIR. Atividades integradas. Alfabetização cartográfica. Inforresumo CADERNO 2

GEOGRAFIA 7 0 ANO UNIDADE 4 REGIÃO NORTE. Slides X SAIR. Atividades integradas. Alfabetização cartográfica. Inforresumo CADERNO 2 GEOGRAFIA 7 0 ANO UNIDADE 4 REGIÃO NORTE LUIZ CLÁUDIO MARIGO/OPÇÃO BRASIL Slides Capítulo 1: Aspectos gerais e físicos Capítulo 2: Ocupação da região Norte Capítulo 3: Expansão urbana e população tradicional

Leia mais

Agricultura Familiar

Agricultura Familiar Agricultura Familiar Raízes nº 17 Edição especial temática, dedicada ao XVIII ENCONTRO NACIONAL DA APIPSA, realizado em Campina Grande - PB, entre 25 e 29 de novembro de 1996. Organizadoras: Maria de Nazareth

Leia mais

PESQUISA EM ANDAMENTO

PESQUISA EM ANDAMENTO ISSN 1413-0157 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 163, km 253,6 - Trecho Dourados-Caarapó km 5 Caixa Postal

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais dos Municípios da Região de Porto Velho SIM

Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais dos Municípios da Região de Porto Velho SIM Síntese Informativa de Indicadores Socioeconômicos e Educacionais dos s da Região de Porto Velho SIM Porto Velho, Fevereiro de 2016 1 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono -Plano ABC- Por: José Guilherme Tollstadius Leal Diretor do Departamento de Sistemas de Produção

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA)

REQUERIMENTO. (Do Sr. CARLOS SOUZA) REQUERIMENTO (Do Sr. CARLOS SOUZA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, por meio do Ministério da Integração Nacional e do Ministério da Fazenda, sugerindo a criação de incentivos para exportação

Leia mais

ri) (õ) TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE FD-080 _---FD-080--~---- PORTO VELHO - RO

ri) (õ) TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE FD-080 _---FD-080--~---- PORTO VELHO - RO FD-080 (õ) ri) MlNlST~RIG REFORMA I EMPRESA E EMBRAPA CEN1RODl CPAF-Rond 1993 _---FD-080--~---- - TRAÇAO ANIMAL VANTAGENS DO USO NA PEQUENA PROPRIEDADE PORTO VELHO - RO 1993 ENERGIA ANIMAL APLICADA NA

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Abril de 2014 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Abril de 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA CONTROLE DE CONTAMINAÇÃO EM FLUXO LAMINAR

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA CONTROLE DE CONTAMINAÇÃO EM FLUXO LAMINAR Ministério da Agricultura e do Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia-CNPAB ISSN 0104-6187 PROTOCOLO OPERACIONAL PARA CONTROLE DE

Leia mais

Análise das dinâmicas populacional e do desmatamento em Florestas Tropicais. Taise F. Pinheiro Seminários em População, Espaço e Ambiente

Análise das dinâmicas populacional e do desmatamento em Florestas Tropicais. Taise F. Pinheiro Seminários em População, Espaço e Ambiente Análise das dinâmicas populacional e do desmatamento em Florestas Tropicais Taise F. Pinheiro Seminários em População, Espaço e Ambiente Teorias Vigentes Neo-Malthusiana: foco na deteriozação e disponibilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS SEPN W3 Norte, Qd. 515, Lt. 02, Bl. B, Ed. Ômega, 1º andar, Sala

Leia mais

Calendário Acadêmico. Pró-Reitoria de Ensino 2015/1

Calendário Acadêmico. Pró-Reitoria de Ensino 2015/1 Calendário Acadêmico Pró-Reitoria de Ensino 2015/1 1.º semestre 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Janeiro 1 Feriado nacional: Confraternização Universal

Leia mais

Lista de Recuperação de Geografia 2013

Lista de Recuperação de Geografia 2013 1 Nome: nº 7ºano Manhã e Tarde Prof: Francisco Castilho Lista de Recuperação de Geografia 2013 Conteúdo da recuperação: Divisão regional do Brasil,população brasileira urbanização brasileira, formas de

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS Aziz Ab Sáber (1924) Floresta Tropical pluvial-úmida Tropical:próxima ao Equador, estabilidade climática Pluvial: chuvas intensas e regulares ao longo do ano

Leia mais

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as Parte 1: Técnicas de irrigação Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de técnicas artificiais, de forma complementar ou total, com o objetivo de suprir as necessidades d hídricas

Leia mais

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Seminário de Integração e Missão de Supervisão DEZEMBRO-2010 COAGRE/DEPROS/SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROJETO:

Leia mais

O Território Brasileiro Atual II

O Território Brasileiro Atual II L.E. Semana 1 Sábado O Território Brasileiro Atual II Caracterização do território: fusos horários e divisão regional Fusos horários Fusos horários Características Decreto nº 2.784, de 18 de junho de 1913.

Leia mais

Autores de trabalhos e Fonte de Dados

Autores de trabalhos e Fonte de Dados Autores de trabalhos e Fonte de Dados Autores de trabalhos publicados: Embrapa: Eliseu Alves, Geraldo Silva e Souza, Eliana Gonçalves Gomes, Geraldo Martha, Renner Marra FGV-RJ: Daniela de Paula Rocha

Leia mais

MELÃO. Pós-Colheita. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura e do Abastecimento

MELÃO. Pós-Colheita. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura e do Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura e do Abastecimento MELÃO Pós-Colheita Ricardo Elesbão Alves Organizador Embrapa Comunicação para Transferência

Leia mais

Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas

Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas Alessandra de Carvalho Silva Editora

Leia mais

ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS)

ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS) ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS) Inclui a ADIN nº 4.357, de 2 de abril de 2013, do Supremo Tribunal Federal, que declara inconstitucional

Leia mais

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos Roteiro Executivo Extrato Geral do CAR Benefícios do CAR Capacitação e Formação de Técnicos Recursos Investidos Recursos e Projetos Captados pelo MMA para apoio à execução do CAR e PRA Arquitetura do SICAR

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

Termos para indexação: cartografia do bioma Cerrado; Legendas Cerrado

Termos para indexação: cartografia do bioma Cerrado; Legendas Cerrado INTEGRAÇÃO DAS CARTAS DE SOLO EXISTENTES NA REGIÃO DO CERRADO BRASILEIRO Aracelly dos Santos Castro 1, Luana Cristine da Silva Jardim Pinheiro 1, Éder de Souza Martins 1, Hércules Antônio do Prado 2 (

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

Um Jeito Gostoso e Divertido de Conhecer o Leite

Um Jeito Gostoso e Divertido de Conhecer o Leite Criação e Realização I REVISTA EM QUADRINHOS Disponível também em desenho animado Um Jeito Gostoso e Divertido de Conhecer o Leite E não se esqueçam, crianças e mamães: no primeiro ano de vida o aleitamento

Leia mais

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967).

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967). Prof. Clésio Revolução de 1930 implementação das indústrias de base e fortalecimento das indústrias de bens de consumo (Sudeste); Governo JK (1956-1961) concentração espacial da indústria no Sudeste

Leia mais

Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB

Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB Diagnosis socioeconomic, environmental and physical conservation of the settlement Oziel Pereira

Leia mais

... Procuradoria-Geral da República

... Procuradoria-Geral da República . Procuradoria-Geral da República Visita de Sua Excelência a Conselheira Procuradora-Geral da República Vila Real e Chaves 3 de Abril Bragança e Mirandela 4 de Abril.......... Programa Caretos de Podence

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre

Boletim de preços de produtos agropecuários e florestais do Estado do Acre Acre: produção de milho aumenta 11% em relação à safra anterior A safra 2013 de milho no Acre registrou crescimento na quantidade produzida, 11%, e na área plantada, 5% em relação a 2012. No total, foram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL LABORATÓRIO DE PÓS-COLHEITA, INDUSTRIALIZAÇÃO E QUALIDADE

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Complexo Regional da Amazônia (processo de ocupação) Século XVII - XVIII Drogas do Sertão Final do século XIX - início do século XX

Leia mais

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO 0110113 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AGRONÔMICA PIRACICABA 22/02/2016 ATRIBUIÇÕES Biológicas (23%) 1. Biologia Geral 2.

Leia mais

~J',164x" Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA

~J',164x Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA .-...--~'" ) ~J',164x" Marcelo Guimarães Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, para a obtenção de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007 Presidente

Leia mais

PESQUISA E TECNOLOGIA EM --

PESQUISA E TECNOLOGIA EM -- PESQUISA E TECNOLOGIA EM -- REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Fernando Henrique Cardoso MINISTÉRI0 DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO Ministro Francisco Sergio Turra EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA

Leia mais