RELATÓRIO ANUAL 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL 2013"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL 2013

2 Relatório Anual 2013

3 04 Economia de Macau 5 06 Principais Actividades do BNU no Exercício de Resultados e Evolução do Balanço 8 Resultados 8 Margem Financeira 8 outros Proveitos 9 Produto Bancário 9 custos Operacionais 10 Provisões 10 Proposta de Aplicação de Resultados 10 Balanço - Evolução e Estrutura 11 Depósitos de Clientes 12 Recursos de Instituições de Crédito 12 Rácio de Adequação do Capital Actividade 15 Banca de Retalho 16 Private Banking e Clientes Institucionais 17 Banca de Empresas 17 Banca de Grandes Empresas 17 cartões 18 Marketing 19 Recursos Humanos 20 organização e Sistemas 20 tesouraria 21 organização e Procedimentos Órgãos Sociais Demonstrações Financeiras Accionistas com Participação Qualificada Participações Principais Políticas Contabilísticas introdução 35 Políticas Contabilísticas Significativas 35 Reconhecimento de Receita 35 empréstimos e Adiantamentos a Clientes 36 carteira de Títulos e Acções 36 instrumentos Financeiros Derivados Extrapatrimoniais 36 imóveis e Equipamento 37 locação 37 o Banco como Locatário 37 Renda de Terrenos e Imóveis 37 imparidade 38 Fiscalidade 38 Moeda Estrangeira 39 custos com Benefícios de Reforma 39 Provisões 39 caixa e Equivalentes de Caixa Síntese do Parecer dos Auditores Externos Parecer do Fiscal Único Contactos Mais Importantes 44 ÍNDICE 3 Macau Economy

4 Economia de Macau 04

5 Economia de Macau No ano de 2013, a economia de Macau continuou o seu bom desempenho, mantendo o mesmo ritmo de desenvolvimento do ano anterior, registando um crescimento de 11,9%, em termos reais, estimulado principalmente pela exportação de serviços, investimento e consumo privado, num contexto em que as taxas de juro continuam em níveis historicamente muito baixos. O abrandamento que se tem vindo a verificar do crescimento da economia chinesa pode afectar Macau, já que o território, que é a capital mundial do jogo ao mesmo tempo que têm vindo a ganhar importância os sectores de feiras e exposições e de retalho, está muito dependente do exterior, designadamente do número de turistas que visita a cidade, sendo na sua maioria, provenientes da China Continental. Não obstante este fenómeno, o sector do jogo e turismo, bem como as actividades conexas nomeadamente feiras e exposições e destino de compras, deverá continuar a crescer de forma sustentada, tendo este sector apresentado um comportamento favorável, com a receita bruta do jogo a subir 18,6% em 2013, o que se deveu principalmente ao aumento total de visitantes chegados ao território em 4,4%. Destaca-se o aumento de turistas da China Continental de 10% e a subida de 6,6% das despesas per capita dos mesmos, de acordo com dados registados em Por outro lado, tanto a despesa em consumo privado como a despesa do Governo cresceram ambas 6,3% em A taxa de desemprego manteve-se nos mesmos níveis do ano anterior, ascendendo a 1,8% no final de 2013, fazendo com que o mercado de trabalho continue praticamente numa situação de pleno emprego, o que implica uma pressão em termos de aumento de salários e maiores dificuldades por parte das empresas em obter recursos humanos. Em simultâneo, a taxa de inflação atingiu 5,5% em 2013, não obstante ter vindo a dar sinais de abrandamento nos últimos meses do ano, em alguns produtos. No que se refere ao investimento, registou-se em 2013, um aumento de 4,7%, para o qual contribuíu fundamentalmente o investimento privado. Relativamente à exportação de mercadorias, registou-se um aumento de 11,4%, enquanto que a exportação de serviços teve um aumento de 12%, impulsionadas pelo crescimento das despesas dos visitantes. Neste contexto positivo da economia local, o sector da banca beneficiou da expansão económica registada em Macau, embora os negócios bancários continuem a ser mais competitivos, por força dos principais bancos locais que procuram conquistar quota de mercado, o que tem vindo a ter efeitos imediatos em termos de quebra na rentabilidade das operações. Economia de Macau 5

6 Principais Actividades do BNU no Exercício de Macau Economy

7 Principais Actividades do BNU no Exercício de 2013 O Banco Nacional Ultramarino, S.A. representa o Grupo CGD em Macau, continuando a desenvolver a sua actividade de banca comercial e simultaneamente a ser um dos bancos com responsabilidade pela emissão de moeda em Macau, num contexto em que a circulação monetária tem vindo a aumentar. O BNU continuou a apresentar um bom desempenho ao nível do crescimento do seu volume de negócio, beneficiando do bom clima económico que a RAEM (Região Administrativa Especial de Macau) atravessa, pese embora a já referida intensificação da concorrência no sector bancário, com o consequente impacto nas margens, na captação de depósitos e na concessão de crédito a particulares. crédito, 33,4% contra 11,5%, respectivamente. A margem financeira do BNU teve um bom desempenho em 2013, registando um aumento de 20,6% em termos anuais, por força da subida do volume de negócio. Os proveitos líquidos de comissões registaram um incremento de 11,7 %. A rede de agências do BNU foi ampliada de 14 para 18 agências no corrente ano. De referir ainda a redução do rácio de crédito vencido de 0,8% para 0,3%, enquanto a cobertura do crédito vencido por provisões aumentou em 2013 de 183,5% para 503,3%. No ano de 2013, o volume de negócio do BNU cresceu 26,5%, com preponderância do crescimento dos recursos de clientes sobre o do Principais Actividades do BNU no Exercício de

8 Resultados e Evolução do Balanço Resultados Os destaques da actividade do BNU em 2013 foram o aumento no volume de negócios e a expansão das operações do Banco em várias das suas áreas de negócio-chave. O nível das taxas de juro interbancárias de quase zero por cento, também afectou a rendibilidade do Banco, dado que o seu balanço é caracterizado por níveis de liquidez muito elevados. O Resultado Líquido do Banco atingiu 402,6 milhões Patacas em 2013, traduzindo-se num aumento de 23,1% em relação aos 327 milhões registados em 2012, devendo-se essencialmente ao aumento de 20,6% na margem financeira. Os outros proveitos aumentaram 7,5% em Os custos operacionais registaram um aumento de 9,1%, um valor superior à taxa de inflação de 5,5% registada em 2013, devendo-se essencialmente à abertura de quatro novas agências durante o ano. Considerando-se a evolução favorável do rácio de créditos vencidos, as provisões para o crédito vencido foram mais baixas em 2013, com um decréscimo de 20,2% das provisões líquidas quando comparado com o ano anterior. Margem Financeira A margem financeira foi 20,6% superior à do ano anterior, ascendendo ao montante de 522,7 milhões Patacas, o que significa um aumento de 89,3 milhões Patacas em relação ao valor de 433,3 milhões Patacas, registado em Não obstante o aumento de 23,9% nos juros e proveitos equiparados, os juros e custos equiparados também registaram um aumento de 28,7%, como consequência da intensificação da concorrência, tendo em vista a captação de depósitos de clientes. Resumo da Demonstração de Resultados em milhares Patacas VARIAÇÃO ABSOLUTA PERCENTUAL A prime rate manteve-se inalterada em 5,25% ao longo do ano. Margem Financeira 522, ,355 89, O aumento na margem financeira Outros Proveitos 258, ,731 18, foi determinado por um maior volume Produto Bancário 781, , , de aplicações interbancárias e crédito Custos Operacionais 306, ,789 25, a clientes. Cash Flow 512, ,491 82, Resultados antes de Impostos e Provisões 475, ,296 81, Resultado Líquido 402, ,049 75, Principais Actividades do BNU no Exercício de

9 Resultado e evolução do balanço Outros Proveitos Os outros proveitos, incluindo proveitos das operações financeiras, registaram em 2013 um aumento de 7,5%, situando-se em 258,8 milhões Patacas, o que corresponde a um acréscimo de 18,1 milhões Patacas em relação ao valor verificado em Produto BancÁrio A evolução na margem financeira e dos outros proveitos resultou num aumento de 15,9% nos proveitos operacionais líquidos, totalizando 781,5 milhões Patacas em 2013, um acréscimo de 107 milhões Patacas quando comparado com o exercício anterior Estrutura do Produto Bancário % As principais componentes desta rúbrica registaram a seguinte evolução: Os proveitos das operações financeiras diminuíram 2,1%, reflectindo um decréscimo nos resultados das transacções em moeda estrangeira. A margem financeira representou 66,9% dos proveitos operacionais líquidos em 2013, percentagem superior aos 64,3% registados em 2012, enquanto o peso dos outros proveitos atingiu 33,1% (35,7% em 2012) As comissões líquidas e proveitos líquidos de outras operações bancárias registaram um acréscimo de 10,3%, devendo-se, nomeadamente, ao acréscimo das comissões relativas a empréstimos sindicados, ao financiamento do comércio e ao negócio de banca- -seguros. As comissões líquidas, acrescidas dos proveitos líquidos de outras operações bancárias representaram 79,7% dos outros proveitos (77,7 % em 2012), enquanto os proveitos das operações financeiras representam 20,3%, dos outros proveitos (22,3% em 2012). Lucros em Operações Financeiras Comissões e Outros Proveitos (Liq.) Margem Financeira Principais Actividades do BNU no Exercício de

10 Custos Operacionais Os custos operacionais (incluíndo amortizações) cresceram 9,1% em 2013, valor acima da taxa de inflação, que foi de 5,5% no mesmo período. Neste contexto, os custos operacionais aumentaram 25,5 milhões Patacas em 2013, totalizando 306,2 milhões Patacas. As principais componentes dos custos operacionais são as seguintes: Os custos com o pessoal registaram um acréscimo de 10%, totalizando 180,7 milhões Patacas, para os quais contribuíram o aumento dos salários e outras remunerações, bem como os custos sociais e o aumento do número de empregados para 459 no final de 2013, um aumento de 5,3% em relação aos 436 empregados em 2012, devido, principalmente, à abertura de quatro novas agências. Os fornecimentos e serviços de terceiros aumentaram 9,8%, atingindo 87,2 milhões Patacas, devido, principalmente, à abertura de quatro novas agências. As amortizações registaram um aumento de 2,8%, devido aos novos equipamentos das quatro novas agências. Os custos com pessoal representaram, em 2013, 59% do total dos custos operacionais (58,5% em 2012), os fornecimentos e serviços de terceiros 28,5% (28,3% em 2012) e as amortizações 12,1% (12,9% em 2012). Provisões As provisões líquidas atingiram, em 2013, 16,5 milhões Patacas, um valor inferior ao valor de 20,7 milhões Patacas, registado em 2012, devido à recuperação de crédito vencido. O crédito vencido, a mais de 90 dias, correspondeu, em 2013, a 0,3% da carteira de crédito (0,8% em 2012). O grau de cobertura do crédito vencido por provisões atingiu 503,3% (183,5% em 2012). Proposta de Aplicação de Resultados Nos termos legais e estatutários, propõe-se para aprovação da Assembleia Geral Anual que o lucro líquido de 402,585, Patacas seja aplicado da seguinte forma: Para reserva legal, de acordo com o art. 60º do Regime Jurídico do Sistema Financeiro de Macau: 80,517, Patacas; Para distribuição de dividendos aos accionistas: 201,292, Patacas; Remanescente: 120,775, Patacas. Principais Actividades do BNU no Exercício de

11 Balanço - Evolução e Estrutura Em 2013, a estrutura financeira do BNU manteve-se sólida, apresentando um nível adequado de liquidez, de rendibilidade e de eficiência. Os activos do Banco registaram uma evolução positiva em 2013, com um aumento no crédito concedido e nas aplicações interbancárias, em linha com a expansão da carteira de depósitos do BNU ESTRUTURA DO ACTIVO % 57.3 BI MOP 50.0% EVOLUÇÃO DO ACTIVO % 64.8% Aplicações Interbancárias Os activos líquidos que, em 31 de Dezembro de 2013, eram de milhões Patacas, registaram um aumento de 27,9% quando comparado com o exercício anterior. O total do crédito concedido aumentou 11,5%, atingindo milhões Patacas, representando 29,6% do total dos activos (33,9% em 2012) Crédito Líquido a Clientes Caixa, Imobilizados e outros Activos Os depósitos de clientes aumentaram 33,4% em 2013, passando de milhões Patacas, em 2012, para milhões Patacas, em % 11.5% Tendo em vista esta evolução, verificou-se uma diminuição no rácio de transformação (crédito/depósitos) de 46%, em 2012, para 38% em As aplicações interbancárias representavam, no final de 2013, 50% do total dos activos, correspondente a um aumento de 11,2% relativamente a Estas aplicações aumentaram 64,8%, totalizando milhões Patacas % -4.2% Principais Actividades do BNU no Exercício de

12 Depósitos de Clientes Em Dezembro de 2013, o total dos depósitos de clientes atingiu milhões Patacas, o que corresponde a um aumento de 33,4% em relação ao exercício anterior, tendo os depósitos de clientes residentes aumentado 33,6%. Os depósitos à ordem e de poupança aumentaram 26,4%, representando, no final de 2013, 52,8% do total dos depósitos (55,7% no final de 2012) Estrutura do Passivo e da situação líquida % 57.3 BI MOP 2.3% -12.8% Evolução do passivo e da situação líquida % Recursos de Bancos Os depósitos a prazo totalizaram milhões Patacas em 31 de Dezembro de 2013, tendo registado um aumento de 42,2%, representando 47,2% do total dos depósitos (44,3% no final de 2012), para o que contribuiu, por parte do Banco, uma forte dinâmica comercial de cross selling e de competitividade, num contexto de aumento da poupança em Macau % 33.4% Depósitos de Clientes Provisões Recursos de Instituições de Crédito Dada a sua posição de elevada liquidez, o Banco recorre muito raramente ao mercado interbancário para financiar a sua actividade % 16.5% Outros Passivos Capitais Próprios Os Recursos de Instituições de Crédito totalizaram milhões Patacas, correspondente a um decréscimo de 12,8% face a Esta rúbrica totalizou 190 milhões Patacas, o que representa apenas 2,3% do total do passivo e da situação líquida. A rendibilidade do capital foi, em média, de 8,5%, valor inferior aos 9,6% registados em 2012, devido ao valor inferior do capital médio registado este ano, dado ter ocorrido um aumento do Capital Social em meados de A rendibilidade dos activos diminuiu, em média, de 0,85% em 2012 para 0,79% em % 10.4% 9.2% 15.2% Principais Actividades do BNU no Exercício de

13 Rácio de Adequação do Capital Devido ao forte aumento do total dos activos, o total do capital era, em 31 de Dezembro de 2013, de 5,055 milhões Patacas, valor superior aos 4,877 milhões Patacas de O rácio de adequação do capital, calculado de acordo com os Avisos N.º 012/93-AMCM e Nº 013-AMCM de 27 de Agosto de 2003, e as Circulares N.º 003/A/94 e N.º 004/A/94, da Autoridade Monetária de Macau foi, em 2013, de 24,2%, diminuíndo 4,3 pontos percentuais em relação a 2012, devido ao aumento de exposição do crédito total. 13 Principais Actividades do BNU no Exercício Macau BNU Highlights Economy de 2013

14 Actividade Macau Economy

15 Actividade Dando seguimento ao seu objectivo de explorar todas as oportunidades de negócio decorrentes do desenvolvimento da economia de Macau, o BNU continuou o seu processo de transformação, que já teve impacto significativo na actividade do Banco no corrente ano. O referido projecto tem sido progressivamente desenvolvido sob a orientação de Team Leaders, assumindo estes a responsabilidade pela implementação de todas as acções definidas num Plano de Execução. O modelo de gestão estabelecido pelo referido projecto inclui a sua monitorização constante por parte de um Gabinete de Gestão do Programa (PMO Project Management Office), cuja responsabilidade é a de coordenar todas as iniciativas previamente definidas. Qualquer desvio ou atraso será devidamente controlado, procedendo-se de seguida ás correcções consideradas necessárias, após análise e tomada de decisões, para que o calendário, previamente delineado, possa ser concretizado. Os resultados da implementação do projecto de transformação têm sido materializados e terão um impacto significativo na actividade do BNU nos próximos anos. Actividade 15

16 Banca de Retalho A actividade da banca de retalho em 2013 manteve a sua estratégia de expansão, através do aumento do número de clientes com uma média de rendimentos elevados, segmentado sob a marca Advantage e a cobertura da rede de agências, com a abertura de quatro novas agências três em Macau e uma na Taipa. Num mercado cada vez mais competitivo, registou-se um bom desempenho no crédito à habitação, no crédito ao consumo e nos depósitos de clientes, apoiados em campanhas comerciais, bem como no número médio de produtos, por cada cliente activo. O segmento de clientes com rendimentos mais elevados affluent, registou em média mais de 6,5 produtos por cada cliente activo, e o aumento de 38,7% do crédito concedido, contribuiu de forma significativa para o desempenho em 2013, provando o sucesso da estratégia de segmentação implementada. O prosseguimento da expansão de negócios e da estratégia em 2014, dentro de um mercado cada vez mais competitivo, continuará a exigir melhor qualidade de serviço, mais pessoal qualificado, maior diferenciação no segmento affluent e melhoria da eficiência nas operações e vendas. Actividade 16

17 Private Banking e Clientes Institucionais Com o sucesso da transformação do Private Banking para Private Banking e Clientes Institucionais em 2013, os activos sob gestão situaram-se, em média, acima dos dois dígitos para clientes institucionais e abaixo dos dois dígitos para clientes particulares. O foco dos negócios do Departamento centrou-se nas áreas de gestão de activos e de investimento. O objectivo do Departamento é a satisfação das necessidades dos clientes e a introdução de produtos e serviços de investimento inovadores. Banca de Empresas A Banca de Empresas reforçou a cooperação com as pequenas e médias empresas, como as empresas de engenharia, os comerciantes de retalho e outras empresas de Macau. O crédito e os depósitos da Banca de Empresas registaram crescimentos, respectivamente, de 34,6% e 15,1%. Em 2014, o principal alvo da Banca de Empresas será dedicar mais esforço às referidas categorias e incrementar o negócio com outros clientes potenciais, tais como promotores imobiliários. Como anteriormente, a Banca de Empresas também promoverá os cartões de crédito do Banco, o negócio de Acquiring e serviços de contas-ordenado para potenciar a oferta one-stop. As equipas da Banca de Empresas têm sido ampliadas, a fim de melhor servir os clientes que já têm contas no BNU, mas que não estão a utilizar toda a diversidade de produtos do Banco. Banca de Grandes Empresas A Banca de Grandes Empresas ainda é uma Direcção recente do Banco, encontrando-se no seu segundo ano de funcionamento. No ano de 2013, o negócio registou um bom crescimento, em especial, na área dos depósitos. A razão centrou-se no facto de as empresas hoteleiras e de jogo estarem a manter uma liquidez muito elevada. Assim estas empresas ligadas à indústria do jogo, preferem amortizar os empréstimos, de forma antecipada. No entanto, o volume de negócios dos outros clientes (grandes empresas) registou um crescimento positivo, tanto do lado dos depósitos como do crédito. O próximo ano constituirá uma fase crítica para Macau, definindo o caminho para o estabelecimento de grandes projectos de infraestruturas, ou seja, o Metro Ligeiro de Superfície, a ponte entre Hong Kong- -Macau-Zhuhai e mega projectos de novos casinos na área do Cotai. Neste contexto, o objectivo da Direcção da Banca de Grandes Empresas, em 2014, será seguir a evolução da economia de Macau, aumentando a carteira de crédito, captar novos clientes, bem como explorar novas áreas de negócio. Actividade 17

18 Cartões Para o ano de 2013, dois tópicos principais constituíram a orientação dos objectivos do Centro de Cartões. Estes dois temas, sempre prevalecentes neste início de século, foram a Modernização e a Segurança. Operando num mercado sempre em constante evolução, como em Macau, o objetivo tem sido manter o ritmo e permanecer na vanguarda da inovação. Tendo em conta estes princípios, focou-se, em primeiro lugar, nos Produtos de Cartões. Seguindo as especificações das Associações de Cartões, a Tecnologia Chip EMV foi implementada no âmbito dos Cartões, melhorando a segurança contra a fraude e permitindo transacções mais rápidas. Após o enorme sucesso que o BNU tem obtido, ao longo dos anos, com os cartões de débito, Maestro e UnionPay, introduziu-se novos cartões de débito na nossa gama de produtos. O cartão de débito, MasterCard, o primeiro a ser introduzido no mercado de Macau pelo BNU, traz, aos detentores de cartões, a conveniência e segurança de activação separada, para uso local e no exterior, numa base temporária ou permanente. A fim de consolidar a posição do BNU com as várias indústrias de Macau, expandiu-se e renovou-se o programa de Affinity Card, reforçando os acordos antigos e angariando novas organizações. Para fazer face à crescente procura de cartões do BNU, bem como à conversão, dos cartões antigos em novos, com a Tecnologia Chip EMV, a produção de cartões foi subcontratada a uma empresa para se poder aumentar a produtividade. Finalmente, tornou-se um importante objectivo fornecer um Serviço de Autenticação Online visando as compras pela internet através de cartões MasterCard ou VISA. O serviço One-Time Password foi implementado em meados de Este serviço estabeleceu ainda mais o nosso compromisso com a Modernização e a Segurança, proporcionando aos clientes tranquilidade num ambiente que está em constante evolução. Actividade 18

19 Marketing O departamento de Marketing foi reestruturado em duas áreas principais: Área de Retalho e de Promoção e Área de Empresas e Digital, que inclui o Gabinete de Comércio e Ligação para a promoção do comércio entre a China e os Países da Língua Oficial Portuguesa. Foi reforçada a promoção dos produtos e serviços mais estratégicos (69 iniciativas de marketing), e foram lançados novos produtos (20 novos produtos e serviços). Quanto ao negócio de cartões de crédito, foi implementado o pagamento trimestral dos pontos de bónus, sendo o cliente avisado por SMS; foi relançado o cartão de crédito BNU AMEX, com Travel Dollars, Double Bonus Points e outras campanhas; foram realizadas algumas promoções conjuntas com os casinos e outras empresas, assim como o Grande Sorteio do Cartão de Crédito BNU com 111 prémios, numa clara relação com a actividade dos 111 anos do BNU em Macau. No que concerne à banca de retalho, vários Road Shows ocorreram nas grandes empresas, tentando atraír as contas-ordenado e produtos de consumo. Também foi realizada uma campanha de crédito à habitação e promovida activamente a venda de produtos financeiros, nomeadamente de fundos de investimento. Na área de internet banking, foi introduzida uma discriminação positiva de alguns preços para transacções online e implementado o princípio de autenticação factor dual, através do uso do One-Time Password (OTP). Em relação a novos produtos, foram lançadas onze novas promoções de Depósitos a Prazo ao longo do ano para substituir os vencidos e atraír novos fundos; foi lançado um pacote para as PME (Pequenas e Médias Empresas); dois cartões Affinity (Universidade de Macau e CESL Ásia); o primeiro Cartão de Débito EMV MasterCard em Macau e produtos de seguros e investimento. O Banco começou a oferecer o serviço de Online Stock Trading e lançou o seu novo website. Actividade 19

20 Recursos Humanos A principal actividade dos Recursos Humanos durante o ano foi o recrutamento de pessoal para satisfazer as necessidades de desenvolvimento do Banco depois da abertura das quatro novas agências. A fim de atender à necessidade de recursos humanos do Banco, estamos a utilizar diferentes canais para recrutar pessoal, para além dos canais tradicionais, incluíndo a importação de quadros da China Continental e recrutamento de funcionários superiores através de Executive Search. Também foi colocado um imenso esforço no desenvolvimento do programa de formação, especificamente concebido para promover o sucesso dos funcionários e aumentar o valor global do Banco. Para atender à mudança do ambiente de negócios e ao desenvolvimento do Banco, o Manual do Pessoal foi actualizado e implementado em Junho de 2013, na sequência do desenvolvimento do novo Plano de Carreiras, em Organização e Sistemas O Banco continuou a investir fortemente na área da informática, a fim de reforçar a sua capacidade tecnológica com vista a melhorar o serviço aos clientes e promover novos produtos. Para concretizar o projecto de transformação organizacional, realizou-se uma ampla reorganização e automação das operações existentes que proporcionaram uma maior sinergia e redução de custos operacionais, não comprometendo a qualidade do serviço. Em 2013, a Banca Online foi ainda enriquecida com a introdução do Online Stock Trading (Negociação de acções online), que permite transacções múltiplas de acções para os clientes na região da Ásia-Pacífico e nos Estados Unidos. Para melhorar a segurança da banca self-service, todos os terminais ATM foram actualizados com a tecnologia Chip EMV. Ao mesmo tempo, os cartões de débito Maestro e UnionPay com banda magnética foram actualizados e substituídos, respectivamente, por cartões de débito MasterCard e UnionPay com chip. A fim de proteger os clientes de transacções fraudulentas, quando fazem compras online, o BNU implementou o serviço One-Time Password, através de SMS, para todos os cartões de crédito BNU Visa e MasterCard. A capacidade de processamento dos componentes-chave da infra-estrutura informática, o sistema central, o hardware e o software foram actualizados, a fim de lidar com o crescente volume de transacções. Também foi implementado um sistema completamente novo de gestão de documentos electrónicos para empresas a fim de melhorar e automatizar a gestão de informação. O site institucional também foi completamente renovado, apresentando um novo aspecto e uma navegação de fácil utilização, tendo sido actualizado com as últimas informações sobre os produtos e serviços bancários. Actividade 20

21 Tesouraria Perante uma conjuntura de taxas de juro baixas, prevalecente durante 2013, nos mercados financeiros em todo o mundo, a actividade da Tesouraria centrou-se na optimização dos proveitos e das aplicações interbancárias relativamente à liquidez do banco. Sem comprometer os níveis adequados de liquidez para enfrentar qualquer eventualidade do negócio quotidiano, a Tesouraria procurou maximizar empréstimos interbancários ao longo da curva de rendimentos, especialmente a curto e médio prazo, a fim de garantir os melhores níveis de retorno para impulsionar a rendibilidade e garantir a competitividade do BNU no mercado local. A Tesouraria também foi responsável pela criação de produtos financeiros para aplicação no retalho e na banca privada, que ajudaram na diversificação da oferta de produtos do BNU aos seus clientes. Entre os mais inovadores, foi lançado pelo BNU o primeiro produto ligado à moeda CNH (Offshore Renmimbi) em Macau. O que também merece uma atenção especial é o lançamento da plataforma Online Stock Trading do BNU, no qual a Tesouraria desempenhou um papel preponderante na pesquisa e no desenvolvimento, em conjunto com outras áreas do BNU. Num ano de desafios, relativamente ao serviço de correspondentes bancários, a Tesouraria assegurou a manutenção das capacidades do BNU em todas as atividades e mercados financeiros. Por último, a Tesouraria coordenou com os fornecedores, o regulador e as unidades comerciais do BNU, o fornecimento, a entrega e a distribuição das novas notas bancárias do Zodíaco da Serpente do Ano Novo Chinês e, no final de 2013, o re-abastecimento dos stocks das notas de denominação de 10 e 20 patacas. Organização e Procedimentos Em 2013, o Departamento de Organização e Procedimentos realizou uma série de avaliações relativas à carga e fluxo de trabalho, para fins de transformação, respectivamente, a redefinição do centro de cartões de crédito, a junção do centro de autorizações e centro de atendimento telefónico e estudo sobre a área de administração de créditos. O objectivo teve em vista identificar, na perspectiva global das operações/negócio do Banco, os recursos ideais necessários e as melhores práticas de trabalho para a unidade em questão. Ao longo do ano, o Departamento de Organização e Procedimentos também reviu os procedimentos e as políticas existentes e introduziu novos, devido ás necessidades de compliance, de operações e de negócio. Em Janeiro de 2013, foi criada uma equipa de trabalho formal para a Foreign Account Tax Compliance Act FATCA, imposta pelos Estados Unidos e liderada pelo Departamento de Organização e Procedimentos, como gabinete de gestão de projectos. A avaliação do impacto da FATCA foi feita em Agosto de 2013 e um roteiro de projectos também foi entregue para cumprir o calendário, em conformidade com a FATCA, para os próximos anos. Além disso, foram estabelecidos os procedimentos para o lançamento dos cartões EMV e OTP (One-Time Password), tendo em vista a conformidade com o padrão de segurança do mercado de negócio de cartões, bem como com o DMS (Digitalization of Management System/Digitalização do Sistema de Gestão), no sentido de melhorar a eficiência do funcionamento bancário, como um todo. Actividade 21

22 Órgãos Sociais Macau Economy

23 Mesa da Assembleia Geral Presidente Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente Vice-Presidente Liu Chak Wan Conselho de Administração Presidente CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A., Representado por Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador até 31 de Julho de 2013 e por Nuno Maria Pinto de Magalhães Fernandes Thomaz desde 1 de Agosto de 2013 Vice-Presidente: Pedro Manuel de Oliveira Cardoso Administradores Herculano Jorge de Sousa Alberto Manuel Sarmento Azevedo Soares desde 9 de Maio de 2013 Paul Tse See Fan desde 9 de Maio de 2013 Kan Cheok Kuan Pedro Miguel Canales Escudero António Luis Neto até 31 de Março de 2013 Comissão Executiva Presidente Pedro Manuel de Oliveira Cardoso Membros Kan Cheok Kuan Pedro Miguel Canales Escudero Fiscal Único Chui Sai Cheong Secretária da Sociedade Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa Órgãos Sociais 23

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. 09 Capítulo I. Resultados e Áreas de Actividade 6 Resultados e Evolução do Balanço 6 Actividade 11 Banca de Particulares 11 Banca de Empresas 12 Recursos

Leia mais

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. Relatório Anual Banco Nacional Ultramarino, S.A. 07 Capítulo I. Resultados e Áreas de Actividade 6 Resultados e Evolução do Balanço 6 Actividade 11 Banca de Particulares 11 Banca de Empresas 12 Recursos

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013

Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Banco BPI, S.A. Sucursal Offshore de Macau 2013 Síntese Financeira ao abrigo da Circular No. 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012 Síntese Financeira ao abrigo da Circular N.º 026/B/2012-DSB/AMCM de 16/11/2012

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (2.ª Época) Prestação de provas para registo como auditor de contas 22 de Novembro de 2014 Enunciado

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Relatório e Contas 2002

Relatório e Contas 2002 Relatório e Contas 2002 O Banco Nacional Ultramarino, que se estabeleceu em Macau em 1902, faz parte do Grupo Caixa Geral de Depósitos, o maior grupo financeiro português, e é um dos dois bancos emissores

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau

Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Caixa Geral de Depósitos, S.A. - Sucursal Offshore de Macau Divulgação de Informação Financeira Conforme Circular n.º 026/B/2012/DSB-AMCM ÍNDICE 1. ARTIGO 76º DO REGIME JURÍDICO DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F.

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F. RELATÓRIO E CONTAS Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado 31-12-2014 Promofundo F. E. I. I. F. 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O PROMOFUNDO Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais