O DIREITO À INTIMIDADE E A AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE EL DERECHO A LA INTIMIDAD Y LA ACCIÓN DE INVESTIGACIÓN DE PATERNIDAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DIREITO À INTIMIDADE E A AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE EL DERECHO A LA INTIMIDAD Y LA ACCIÓN DE INVESTIGACIÓN DE PATERNIDAD"

Transcrição

1 O DIREITO À INTIMIDADE E A AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE EL DERECHO A LA INTIMIDAD Y LA ACCIÓN DE INVESTIGACIÓN DE PATERNIDAD Pedro Luis Piedade Novaes RESUMO Desde o advento da Constituição Federal de 1988 não se admite mais a qualquer distinção entre filiação legítima ou ilegítima, havendo igualdade entre os filhos (art. 227, 6º). Mesmo com os avanços trazidos pela nossa lei maior quanto à filiação, percebe-se que o Código Civil de 2002 somente prevê a presunção de paternidade aos filhos gerados no casamento. Fora da constância das núpcias, o filho pode ser reconhecido de forma voluntária, administrativa ou judicial. Neste último caso, a via cabível é a ação de investigação de paternidade, cujo procedimento é previsto na lei nº 8.560/94. Neste contexto, o presente trabalho visa analisar pontualmente a ação de investigação de paternidade, suas particularidades processuais e o direito à intimidade das partes litigantes (suposto pai, mãe e pretenso filho). PALAVRAS-CHAVES: DIREITO À INTIMIDADE. AÇÃO INVESTIGATÓRIA DE PATERNIDADE. SIGILO PROCESSUAL RESUMEN Desde el advenimiento de la Constitución Federal de 1988, y la igualdad de los niños (art. 227, 6), no se permite más la distinción entre filiación legítima e ilegítima. Mismo con los avances proporcionados por nuestro derecho con respecto a la filiación, se advierte que el Código Civil de 2002 sólo establece la presunción de la paternidad de los hijos concebidos en matrimonio. Fuera de la constancia del matrimonio, el hijo puede ser reconocido de forma voluntaria, administrativa o judicial. En este último caso, la acción adecuada es a la de investigación de paternidad, cuyo procedimiento está previsto en la Ley Federal nº 8560/94. En esto contexto, el presente estudio tiene como objetivo analizar la acción de investigación de la paternidad, sus peculiaridades procesales y el derecho a la intimidad de los demandantes (posible padre, la madre y el pretenso hijo). PALAVRAS-CLAVE: DERECHO A LA INTIMIDAD. ACCION DE INVESTIGACIÓN DE LA PATERNIDAD. SIGILO PROCESUAL 1. INTRODUÇÃO. O direito brasileiro sempre resolveu a questão relacionada à filiação pela presença do casamento, inspirando-se em dois brocardos latinos: (i) mater semper certa est (o simples fato do nascimento estabelece o vínculo jurídico entre a mãe e o filho); pater is est quem justae nuptiae demonstrant (presume-se a paternidade do marido, no caso de filho gerado por mulher casada). A filiação, segundo Maria Helena Diniz: É o vinculo existente entre pais e filhos. Vem a ser a relação de parentesco consangüíneo em linha reta de primeiro grau entre um a pessoa e aqueles que lhe deram a vida, podendo ainda (CC, arts a 1597 e 1618) ser uma relação socioafetiva entre pai adotivo e institucional e filho adotado * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

2 ou advindo de inseminação artificial heteróloga (2007, p ). Atualmente, não existe distinção entre filhos nascidos na constância do casamento ou fora deste. Entretanto, essa igualdade de condições entre filhos nem sempre foi assim. Antes da Constituição Federal, o Código Civil de 1916 distinguia os filhos em legítimos e ilegítimos, conforme os pais fossem ou não casados. Também havia previsão do filho adotivo que, nos termos do artigo 377 do mesmo Codex, só era permitido aos maiores de 50 anos, sem prole legítima ou legitimada, sendo que não se integrava o filho adotado, totalmente, na nova família, permanecendo ligado aos parentes consangüíneos [1]. O filho legítimo era aquele havido e concebido durante o casamento dos pais, sendo uma presunção de legitimidade disposta no artigo 338 do Código Civil de 1916 [2]. Já o filho ilegítimo era aquele concebido por pais não casados e que não chegavam a se casar. O filho ilegítimo poderia ser natural (quando os pais não tivessem impedimentos para o casamento) ou espúrio (quando os pais tivessem impedimentos para se casar). O filho ilegítimo espúrio poderia ser adulterino (filho de amantes) ou incestuoso (filho de parentes ou afins em linha reta). O filho espúrio, de acordo com o artigo 358 do Código Civil de 1916 [3], não poderia ser reconhecido, não tendo os direitos dos filhos legítimos ou naturais. Essas classificações e restrições, felizmente, desapareceram com a Constituição Federal de 1988, sendo que, mesmo não recepcionado pela novel ordem jurídica, o artigo 358 do Código Civil de 1916 foi revogado pela Lei n /89 (BRASIL, 2010a). Portanto, com o advento da Constituição Federal, tal distinção entre filhos legítimos e ilegítimos foi extirpada de nosso ordenamento jurídico, nos termos do artigo 227, 6º: os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação. Como bem ressalta José Sebastião de Oliveira: o constituinte pôs fim a uma das maiores heresias prestigiadas pelo Código Civil, ou seja, à punição dos filhos não havidos na constância do casamento, por evento natural em relação ao qual não possuíam nenhuma responsabilidade. Alijou-se, de vez, a diferenciação dos filhos através de expressões discriminatórias (ilegítimo, adulterino, espúrio, incestuoso, etc) (2002, p. 253). entre filhos: Nesta toada, o Código Civil de 2002 se adequou ao texto constitucional, estabelecendo a igualdade Art os filhos, havidos ou não da relação de casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação (BRASIL, 2010a). Sem desmerecer o avanço da Constituição Federal em relação à filiação, o Código Civil de 2002 continuou prevendo expressamente a presunção (relativa) de paternidade dos filhos nascidos durante a constância do casamento, conforme a redação de seu artigo 1597, continuando a se inspirar no direito romano: pater is est quem justae nuptiae demonstrant : * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

3 Art Presumem-se concebidos na constância do casamento: I - nascidos cento e oitenta dias, pelo menos, depois de estabelecida a convivência conjugal; II - nascidos nos trezentos dias subsequentes à dissolução da sociedade conjugal, por morte, separação judicial, nulidade e anulação do casamento; III - havidos por fecundação artificial homóloga, mesmo que falecido o marido; IV - havidos, a qualquer tempo, quando se tratar de embriões excedentários, decorrentes de concepção artificial homóloga; V - havidos por inseminação artificial heteróloga, desde que tenha prévia autorização do marido (BRASIL, 2010a). Os dois primeiros incisos citados se baseiam nos períodos mínimo e máximo de gestação viável, os quais são hoje de pouca valia, em virtude dos avanços da ciência, principalmente no exame de DNA, que possibilita definir a paternidade com a certeza necessária. Como bem observa Carlos Roberto Gonçalves: somente incide a presunção pater is est se houver convivência do casal. Com o desenvolvimento da ciência e a possibilidade de se realizarem exames que apurem a paternidade com certeza científica, especialmente por meio de DNA, cuja molécula contém o código genético pela herança cromossômica de cada indivíduo, prevalecerá a verdade biológica (2009a, p ). Já os incisos III a V do referido dispositivo legal são hipóteses de presunção de filhos concebidos na constância do casamento, todas elas vinculadas à reprodução assistida, da qual não há relação sexual para concepção, tema este interessantíssimo que não será tratado no presente estudo, pois não é o foco da pesquisa [4]. Como já visto acima, desde 1988 não há qualquer distinção entre filhos. Há, entretanto, diferenças sob o aspecto formal, persistindo ainda uma classificação prevista expressamente pelo Código Civil de 2002, quanto à origem: filhos havidos no casamento e filhos havidos fora do casamento. 2. DOS FILHOS HAVIDOS FORA DO CASAMENTO. FORMAS DE RECONHECIMENTO. Os filhos gerados na constância do casamento, como visto acima, presumem-se ser dos cônjuges, nos termos do artigo 1.597, CC/02. Vê-se que, malgrado as disposições do Código Civil de 2002 estarem em consonância com o artigo 227, 6º, da Constituição Federal (igualdade entre filhos), em especial o seu artigo 1.596, também mencionado acima, é nítida a diferenciação no reconhecimento de filho nascido na constância ou fora do casamento, já que estes não são beneficiados com a presunção legal de paternidade a que alude o artigo 1597, também supramencionado. Nos termos do artigo 1.607: O filho havido fora do casamento pode ser reconhecido pelos pais, conjunta ou separadamente. Em outras palavras, se gerados fora do âmbito das núpcias, tais filhos necessitam do reconhecimento dos pais. Para tanto, a doutrina subdivide o reconhecimento de filhos de três formas: voluntário, administrativo e judicial. Abrindo-se um parêntese, vale ressaltar que, sendo qualquer forma de reconhecimento de filho, * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

4 seja na constância ou não do casamento ou por via judicial (ação de investigação de paternidade), a sua eficácia é ex tunc, ou seja retroativa desde a data do nascimento, em virtude de seu caráter declaratório, gerando, inclusive efeitos erga omnes (alcança a todos). Esta força declaratória é tão forte que Caio Mario da Silva Pereira entende que uma vez pronunciada a declaração volitiva de reconhecimento, ela se desprende do foro interior do agente, para adquirir a consistência jurídica de um ato jurídico perfeito (1996, p. 66). O ato de reconhecimento de filho atinge, inclusive a denominada adoção à brasileira, quando a pessoa registra filho que sabe não ser biologicamente o seu. Neste sentido, é o precedente do Superior Tribunal de Justiça: Quem adota à moda brasileira não labora em equívoco. Tem pleno conhecimento das circunstâncias que gravitam em torno de seu gesto e, ainda assim, ultima o ato. Nessas circunstâncias, nem mesmo o pai, por arrependimento posterior, pode valer-se de eventual ação anulatória, postulando desconstituir o registro. Da mesma forma, a reflexão sobre a possibilidade de o pai adotante pleitear a nulidade do registro de nascimento deve levar em conta esses dois valores em rota de colisão (ilegalidade da adoção à moda brasileira, de um lado, e, de outro, repercussão dessa prática na formação e desenvolvimento do adotado). Com essas ponderações, em se tratando de adoção à brasileira a melhor solução consiste em só permitir que o pai adotante busque a nulidade do registro de nascimento quando ainda não tiver sido constituído o vínculo de socioafetividade com o adotado (RESP nº PB, Rel. Min. Massami Uyeda, julgado em 23/6/2009) (BRASIL, 2010b). A questão envolvendo a paternidade socioafetiva, de grande relevo no nosso direito, também não será tratada neste estudo, mas deixamos o registro de entendimento doutrinário de que esta deve ser predominante, inclusive, sobre a paternidade biológica [5]: além disso, merece ser observado que nem sempre a obtenção da verdade biológica, mesmo que ancorada em esmerada técnica, é o resultado justo para a ação de prova de filiação, bastado relembrar as hipóteses do parentesco fictamente criado pela denominada adoção à brasileira, quando alguém, sabidamente oriundo de progenitura diversa, é inserido no registro civil como filho de outrem, consolidando uma indisputável paternidade socioafetiva indiferente à ascendência consangüínea (OLIVEIRA FILHO, 2007, p. 339). Fechando-se o parêntese, passamos a analisar as três formas de reconhecimento de filho concebido fora do casamento: a voluntária, a administrativa e a judicial. O reconhecimento voluntário é aquele que se dá por vontade do genitor e está previsto no artigo 1.609, CC/02. Tal manifestação de vontade pode ocorrer nas seguintes hipóteses: a) registro civil: o pai vai ao cartório e registra o filho; b) testamento: pode reconhecer o filho por testamento, como ato de última vontade; c) escritura pública: o genitor vai ao tabelionato e reconhece o filho no Registro Civil; d) documento particular: o pai pode reconhecer o filho por um documento particular autêntico e e) declaração judicial: o filho pode ser reconhecido por meio de qualquer declaração, em qualquer processo judicial. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

5 Já o reconhecimento administrativo é regido pela lei nº 8.560/92 e ocorre quando a mãe registra a criança sem indicar o nome do pai; nestas condições, a genitora é obrigada a apontar o nome do suposto pai, assinando um termo, que é enviado ao Juiz-corregedor do Cartório, onde é instaurado um procedimento administrativo. Em seguida, notifica-se o suposto pai para comparecer em Juízo em 30 dias, para aceitar ou não o reconhecimento do seu pretenso filho. Em caso positivo, o juiz faz um termo e manda reconhecê-lo no cartório competente. Se não há o reconhecimento administrativo do suposto pai, o juiz manda os autos ao Ministério Público para que se promova uma ação de investigação de paternidade. Finalmente, temos a forma de reconhecimento judicial de filho, por intermédio da ação de investigação de paternidade, cujo rito é previsto pela Lei nº 8.560/92 e subsidiariamente, no Código de Processo Civil, que será abordado no item seguinte. 3. DA AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE ASPECTOS PROCESSUAIS Tal ação é imprescritível, salvo quanto aos efeitos patrimoniais da petição de herança (súmula nº 149, STF) (BRASIL, 2010c). A legitimidade ativa é do filho (direito personalíssimo, nos termos do artigo 27, da lei nº 8.069/90) [6]; se este é menor de idade, será representado pela mãe ou tutor. Entretanto a inadvertida propositura da ação em nome da representante legal não implica o reconhecimento forçoso da ilegitimidade, caso o pedido permita entrever, com clareza, que o proveito buscado se direciona ao filho (OLIVEIRA FILHO, 2007, p. 314). O Ministério Público também poderá ajuizar a ação, nos termos do artigo 2º, 4º, da lei nº 8.560/92. Tal legitimidade é extraordinária deferida aos membros do Parquet, na defesa dos interesses do investigando (Gonçalves, 2009b, p. 321). O nascituro também tem legitimidade ativa para propositura da ação de investigação de paternidade, desde que representado por sua genitora (art. 1609, parágrafo único, CC/02): o reconhecimento pode preceder o nascimento do filho ou ser posterior ao seu falecimento, se ele deixar descendentes. No que se refere à legitimidade passiva, a ação é intentada em relação ao suposto pai; se este é falecido, em face dos seus herdeiros. Se a mãe manteve relações sexuais com dois ou mais homens no período provável da concepção, poderá o filho promover a ação investigatória contra todos os supostos pais. Neste sentido, Zeno Veloso: tendo a mãe coabitado com vários homens durante o tempo possível da concepção do filho, a ação de investigação de paternidade pode ser intentada, separada ou conjuntamente, contra os mesmos (1997, p. 35). Em tese, é cabível nestas demanda a concessão de tutela antecipada quando, por exemplo, houver também cumulação de pedido de alimentos para o pretenso filho. Ressalte-se que mesmo que os artigos 5º da Lei 883/49 e 7º da Lei 8.560/92 prevejam o cabimento dos alimentos provisionais em favor do autor da investigatória de paternidade somente após a sentença procedente, nada impede a fixação, pelo juiz do caso, * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

6 em tutela antecipada, desde que presentes os requisitos legais estabelecidos pelo artigo 273 do Código de Processo Civil. É possível, inclusive, fixação de alimentos gravídicos (em favor do nascituro), nos termos do artigo 6º, da lei nº /2008, cabendo ao juiz do caso concreto verificar os requisitos legais para concessão da tutela antecipada: Art. 6º Convencido da existência de indícios da paternidade, o juiz fixará alimentos gravídicos que perdurarão até o nascimento da criança, sopesando as necessidades da parte autora e as possibilidades da parte ré. Parágrafo único. Após o nascimento com vida, os alimentos gravídicos ficam convertidos em pensão alimentícia em favor do menor até que uma das partes solicite a sua revisão (BRASIL, 2010a). É competente para processar e julgar a ação de investigação de paternidade o Juízo do domicílio do filho, nos termos do artigo 94 do Código de Processo Civil. Se houver cumulação de pedidos, envolvendo alimentos, prevalece o foro do autor da ação, matéria objeto de Súmula nº 01 do STJ [7]; se a cumulação do pedido envolver petição de herança, o foro é do juízo do inventário, pelo caráter universal da sucessão. Não pode haver desistência do pedido se o autor for menor de idade, pois há interesse de incapazes, devendo, inclusive, o Ministério Público atuar no feito como custos legis, caso não tenha ajuizado ele próprio a ação de investigação de paternidade (art. 2º, 4º, lei nº 8.560/92) (BRASIL, 2010a). O rito processual a ser seguido é o ordinário (artigos 282 e seguintes do CPC), já que este tipo de demanda requer produção de provas, observando-se, ao máximo, o princípio constitucional da ampla defesa e do contraditório. Citado, o suposto pai, se assim querendo, poderá contestar o pedido do autor (pretenso filho). Antes dos avanços da ciência, era comum a negativa do fato por parte do suposto pai, ou seja, argumentavase da inexistência de relação sexual com a genitora do requerente. Havia também a alegação da exceptio plurium concubentium (exceção do concubinato plúrimo), no sentido de que a mulher, na época da concepção, mantinha relações sexuais com outro(s) homem(ns). Entretanto, atualmente, com a possibilidade de realização de exame de DNA, a incerteza trazida aos autos pela exceção oposta pelo réu já não conduz, necessariamente, à improcedência da ação, pois mesmo comprovado o plurium concubentium, tal exame demonstrará, com elevado grau de certeza, quem é o verdadeiro pai. Os meios de prova admitidos em ação de investigação de paternidade são vários, tais como: posse do estado de filho ( nomem, tractatus, fama ) [8]; provas orais (testemunhas); documentos (exames prosopográfico foto do filho e suposto pai); exames hematológicos (exame de sangue); exame * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

7 odontológico; exame de DNA. Quanto a este último, é considerado atualmente a rainha das provas, ou seja, a mais importante neste tipo de ação. O DNA quer dizer ácido desoxirribunucléico, e tem por objeto a tradução do código genético que determina as características de cada indivíduo, sendo que tal exame permite a probabilidade de paternidade superior a 99%. O exame também afasta, em 100%, a paternidade, como observa Salmo Raskin: um resultado de exclusão significa com 100% de certeza que o suposto pai não é o pai biológico. Um resultado de inclusão vem acompanhado de probabilidade que o suposto pais seja o pai biológico, que são números acima de 99,99%, resolvendo inequivocadamente todas as disputas (1999, p. 37). Quanto à prova do DNA impende cautela na realização do exame, desde a escolha do laboratório até a escorreita redação do laudo, passando pela formação acadêmica do profissional. Sobreleva evitar, assim, uma sacralização ou divinização do DNA, que, repita-se, não se tornou prova exclusiva em tais ações (FARIAS, 2002, p. 91). Portanto, deve haver cuidado na verificação de uma regularidade na nomeação do perito incumbido do estudo, genético, na coleta, manuseios e conservação do material orgânico submetido à perícia no sentido de evitar questionamento sobre a idoneidade dos pesquisadores que realizaram a análise do exame de DNA (OLIVEIRA FILHO, 2007, p. 339). Se posteriormente, a ação é julgada improcedente, o suposto pai poderá tomar as seguintes providências: a) pedir em face da mãe a repetição do indébito, no caso de não se confirmar a paternidade requerida; b) ajuizar uma ação contra a mãe do menor, pleiteando danos morais e materiais, desde que presente a má-fé da genitora, ou seja, desde que esta tenha ingressado com a ação sabendo que o réu não era pai de seu filho. Neste sentido Fernando Simas Filho (1999, p. 464): a comunicação enviada pelo juiz ao suposto pai é pública e, só por esse fato, coloca o destinatário em má posição. Considerem-se que se for homem casado, sua família logo inquirirá a respeito do que, seu pai ou esposo, andou fazendo para ser chamado pelo juiz. Se for solteiro empregado ou funcionário, e recebe uma comunicação no emprego, poderá haver suspeitas provenientes de companheiros de trabalho e até do chefe. Notem bem que há a possibilidade de o destinatário não ser o pai da criança, contudo, a suspeita, por parte de familiares e colegas de trabalho, permanecerá. E. nesse caso, de quem esse homem se ressarcirá?. Aliás, esta última providência quase passou a ser dispositivo legal: o então artigo 10, da lei /2008 foi vetado pelo Presidente da República, cuja redação era a seguinte: em caso de resultado negativo do exame pericial de paternidade, o autor responderá, objetivamente, pelos danos materiais e morais causados ao réu. As razões do veto foram as seguintes: Trata-se de norma intimidadora, pois cria hipótese de responsabilidade objetiva pelo * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

8 simples fato de se ingressar em juízo e não obter êxito. O dispositivo pressupõe que o simples exercício do direito de ação pode causar dano a terceiros, impondo ao autor o dever de indenizar, independentemente da existência de culpa, medida que atenta contra o livre exercício do direito de ação. (BRASIL, 2010a). Nada obsta que o pretenso pai, demonstrando o abuso do direito de ação por parte da genitora do filho que não é seu, ingresse com ação por danos morais, conforme Viviani Giovanete Ramos Ferreira (2004, p. 413): Quando se propõe a ação de investigação de paternidade contra alguém que ela sabe não ser o pai da criança, tratando-se de hipótese de abuso do direito de ação. O imputado tem ação contra a mãe, para ser indenizado pelo dano que, eventualmente, tenha sofrido. Entretanto, se procedente o pedido, a sentença na ação de investigação de paternidade (ou maternidade) é de carga de eficácia declaratória e tem efeitos erga omnes. Ao reconhecer a paternidade, a sentença declara fato preexistente, qual seja, o nascimento (VENOSA, 2006, p. 273). Após esta breve explanação sobre aspectos processuais da ação de investigação de paternidade, cabe discorrer sobre o direito à intimidade do suposto pai e sua observância em demandas desta natureza. 4. DO DIREITO À INTIMIDADE DAS PARTES E O SIGILO PROCESSUAL O direito à intimidade é uma das garantias previstas expressamente no artigo 5º, X, CF: são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (Grifos nossos). Em linhas gerais, podemos afirmar que dentro da privacidade está abrangida a intimidade do ser humano: Poderíamos ilustrar a vida social como um grande círculo, dentro da qual um menor, o da privacidade, em cujo interior seria aposto um ainda mais constrito e impenetrável, o da intimidade. Assim, o conceito de intimidade tem valor exatamente quando oposto ao de privacidade, pois se se cogita da tirania da vida privada, aduz-se exatamente à tirania da violação da intimidade, como, por exemplo, o pai que devassa o diário da filha adolescente ou viola o sigilo de suas comunicações (ARAÚJO & NUNES JÚNIOR, 2009, p. 152). Jorge e Silva Neto: Nota-se que não é tão simples separar o que é privacidade e intimidade. Como assevera Manoel Não há como identificar, portanto, intimidade e vida privada, quando é certo que a primeira corresponde ao conjunto de informações, hábitos, vícios, segredos, doenças, aventuras amorosas, até mesmo desconhecidos do tecido familiar e dos amigos. Cogitandose de direito à intimidade, menciona-se a porção mais escondida da individualidade da * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

9 pessoa. Logo, tudo que puder ser mantido na esfera do segredo pessoal é tutelado pelo direito à intimidade. Subtrair ao conhecimento público o que se atém à porção secreta da pessoa é o modo encontrado para respeitar a individualidade do ser humano (2006, p. 190). Neste contexto, vale ressaltar outra garantia constitucional prevista no artigo 5º da Constituição Federal, qual seja, a publicidade dos atos processuais (inciso LX): a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da intimidade ou do interesse social o exigirem (grifos nossos). Em outras palavras, a Constituição Federal estabelece a possibilidade de restrição (mas não de eliminação) da publicidade (DIDIER JÚNIOR, 2008, p. 62), autorizando a elaboração de leis infraconstitucionais neste sentido. Conseqüentemente, o artigo 155 do Código de Processo Civil, foi recepcionado pelo artigo 5º, LX, ao estabelecer o sigilo processual para demandas específicas: Art Os atos processuais são públicos. Correm, todavia, em segredo de justiça os processos: I - em que o exigir o interesse público; II - que dizem respeito a casamento, filiação, separação dos cônjuges, conversão desta em divórcio, alimentos e guarda de menores. Parágrafo único. O direito de consultar os autos e de pedir certidões de seus atos é restrito às partes e a seus procuradores. O terceiro, que demonstrar interesse jurídico, pode requerer ao juiz certidão do dispositivo da sentença, bem como de inventário e partilha resultante do desquite. (Grifos nossos) (BRASIL, 2010a) Por ser demanda referente à filiação, a ação de investigação de paternidade deve correr em total sigilo processual, nos termos do artigo 155, II, do Código de Processo Civil. Cumpre esclarecer que este sigilo dos atos processuais não alcança as partes e seus procuradores, como expresso no parágrafo único do mesmo artigo 155, CPC, supramencionado. Neste sentido, o advogado não constituído nos autos não pode ter acesso às ações de investigação de paternidade, nos termos do artigo 7º, inciso XIII, da Lei nº 8.906/94: Art. 7º São direitos do advogado: (...) XIII - examinar, em qualquer órgão dos Poderes Judiciário e Legislativo, ou da Administração Pública em geral, autos de processos findos ou em andamento, mesmo sem procuração, quando não estejam sujeitos a sigilo, assegurada a obtenção de cópias, podendo tomar apontamentos; (Grifos nossos) (BRASIL, 2010a) Tais cuidados do legislador e do constituinte de 1988 quanto ao sigilo das demandas que envolvam a defesa da intimidade tem razão de ser, para que não haja exposição das partes litigantes, escancarando-se suas vidas privadas para a coletividade. E pelas circunstâncias que envolvem as ações de investigação de paternidade, há realmente grande constrangimento para as partes: a mãe, que já é cobrada pela sua família e pela sociedade pela sua prole sem genitor; do filho, que busca a sua verdade biológica; e do suposto pai, que * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

10 irá se defender de um fato que, se procedente, lhe ocasionará consequências patrimoniais e sentimentais, fato este agravado se o pretenso pai já é casado. Portanto, é necessária muita cautela e total sigilo neste tipo de ação, para preservar a privacidade de todas as partes litigantes. Afinal, a privacidade e a intimidade, são garantias constitucionais, as quais não podem ser violadas. Esta cautela é elogiada pela melhor doutrina: Aliás, toda precaução há de ser tomada contra a exaperação do princípio da publicidade. Os modernos canais de comunicação de massa podem representar um perigo tão grande como o próprio segredo. (...) Publicidade como garantia política cuja finalidade é o controle da opinião pública nos serviços da justiça não pode ser confundida com sensacionalismo que afronta a dignidade humana. Cabe à técnica legislativa encontrar o justo equilíbrio e dar ao problema a solução mais consentânea em face da experiência e dos costumes de cada povo (CINTRA, GRINOVER & DINAMARCO, 2001, p. 70). Assim, justifica-se a imposição de restrições para que estranhos, em determinadas circunstancias, não tenham acesso ao que se passa no processo (GONÇALVES, 2009b, p. 36), como ocorre nas ações de investigação de paternidade. Se porventura houver a quebra do sigilo processual em processos de natureza civil, há a tipificação de crime previsto no artigo 325, do Código Penal, punindo tanto o servidor público (caput) e o terceiro que obtiver a informação sob segredo de justiça ( 1º. I e II): Art Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa, se o fato não constitui crime mais grave. 1o Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: I permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e empréstimo de senha ou qualquer outra forma, o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou banco de dados da Administração Pública; II se utiliza, indevidamente, do acesso restrito. 2o Se da ação ou omissão resulta dano à Administração Pública ou a outrem: Pena reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa (BRASIL, 2010a). Há também no nosso ordenamento jurídico a previsão de sanções quando houver violação ao sigilo do processo penal e processo administrativo fiscal [9]; no âmbito da Justiça Federal, a resolução nº 58, de 25 de maio de 2009, do Conselho da Justiça Federal, estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação criminal sob publicidade restrita, no âmbito da Justiça Federal de primeiro e segundo graus. [10] (BRASIL, 2010d). Infelizmente, mesmo com tanto cuidado para preservar a não divulgação de dados dos processos * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

11 que envolvam segredo de justiça, como é o caso das ações de investigação de paternidade, nem sempre este rigor é vivenciado na prática, principalmente quando a acusação de filiação advém de uma personalidade famosa, situação esta que atiça a curiosidade da coletividade, fazendo com que os veículos de imprensa obtenham, sabe lá de que forma, informações sigilosas, geralmente utilizando como escudo a garantia do sigilo de fonte (art. 5º, XIV, in fine, CF). Inobstante, este dispositivo constitucional estabelece que é garantido o sigilo de fonte quando necessário ao exercício profissional. Portanto, se o jornalista invocar tal garantia para divulgação de um fato, sem que haja necessidade de resguardar a sua atividade profissional, haverá extrapolação da proteção constitucional. A dificuldade, na prática, será estabelecer se houve realmente esse excesso pelo profissional de imprensa. De qualquer sorte, a doutrina [11] e a jurisprudência [12] (BRASIL, 2010e) pátrias têm entendido que os direitos e garantias fundamentais não são absolutos, sofrendo limitações, mormente quando há interesse público relevante ou preservação da intimidade maior em conflito com o sigilo de fonte jornalístico. Ademais, não pode servir o sigilo de fonte jornalística como escudo para acobertar condutas ilegais, como é o caso de violação de sigilo processual para descobrir dados de ação de investigação de paternidade. Caberia, em tese, a responsabilização da empresa jornalística por danos morais causados pela divulgação indevida de dados da ação de investigação de paternidade, nos termos do artigo 5º, incisos V e X, CF. De qualquer forma, como já observado acima, não há qualquer celeuma na doutrina ou na jurisprudência quanto ao caráter sigiloso que deve recair em todos os processos que envolvam filiação, nos termos dos artigos 155, CPC e 5º, LV, CF, sendo que a sua violação deve ser enfrentada e punida com rigor pelo Poder Judiciário. 5. DA RECUSA DO SUPOSTO PAI A SE SUBMETER AO EXAME DE DNA Muito se discute se o suposto pai pode recusar a fazer o exame de DNA em ação de investigação de paternidade. Para os defensores desta conduta do réu, há pelo menos três fundamentos jurídicos: a) ninguém é obrigado a fazer prova contra si próprio (corolário do direito ao silêncio - art. 5º, LXIII, CF); b) garantia do direito à intimidade, já que o exame de DNA revelará o componente genético do indivíduo; c) violação ao direito à inviolabilidade do próprio corpo. Tais argumentos são rebatidos pelos seguintes argumentos: a) o interesse suposto pai em omitir a informação que seria necessária e suficiente para estabelecer a verdade sobre a paternidade é enfraquecido perante a relevância do direito do filho de saber sua origem genética, que traduz no princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, CF); b) no que se refere ao direito à intimidade, é cediço que a ação de investigação de paternidade segue em sigilo absoluto (art. 5º, LV, CF), devendo sempre ser respeitada essa garantia constitucional; c) o exame de DNA não gera qualquer sacrifício corpóreo considerável, não havendo violação à integridade física da pessoa que se submete ao mesmo, já que pode haver a coleta do dado por amostra de sangue ou mesmo de alguns fios de cabelo do investigado. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

12 De acordo com a pesquisa feita por Antonio Darienso Martins e José Sebastião de Oliveira (2006, p. 329), no direito comparado há previsão de condução coercitiva do suposto pai para a realização do exame de DNA: na França e na Alemanha é admitida a prova nestas condições porque aquelas legislações disciplinam que a sujeição da integridade do indivíduo está num plano inferior a um interesse coletivo decorrente da ordem pública (MARTINS & ZAGANELLI, 2000, p. 160). Em Portugal, o Superior Tribunal de Justiça órgão máximo do Poder Judiciário há precedente no sentido de que comparência sob custódia, da mãe do menor, acompanhada deste, no Instituto de Medicina Legal, para os exames de sangue, mesmo contra a vontade da mãe, não viola o direito à liberdade (MORAES, 2000, p. 228). No Canadá e nos Estados Unidos da América existem normas legais dispondo sobre a obrigatoriedade do exame de DNA em benefício da comunidade, que não pode tolerar o abandono de menores e a irresponsabilidade dos pais em nome de um suposto malferimento de direito fundamental, qual seja, o direito à integridade física (GAMA, 2001, p. 92). Quanto à invocação de intimidade para não sujeição ao exame de DNA, Humberto Theodoro Junior esclarece o seguinte: se a intimidade é tutelada como garantia fundamental, também goza do mesmo status a garantia de pleno acesso à justiça. Impedir o demandado que a verdade seja esclarecida em juízo é conduta que implicaria negativa ao direito fundamental de ter a justa e adequada prestação de tutela jurídica a que o Estado se obrigou perante todos, no terreno dos direitos fundamentais. (...) Na hipótese de exame médico pericial, a garantia de intimidade (intangibilidade corporal) é observada, porque a lei civil não o constrange à medida invasora da privacidade. O direito de recusar-se à perícia, portanto, lhe é assegurado. Do lado do investigante, a quem a garantia fundamental assegura justa composição do conflito e da plena defesa em juízo de seu direito subjetivo perante o investigado, a medida de implementação do seu direito de personalidade dá-se por meio da admissão da prova indiciária (presunção legal. Dessa maneira, portanto, os dois direitos fundamentais, do autor e do réu, são igualmente levados em conta pela lei civil e, segundo o princípio da razoabilidade, ambos são postos em atuação dentro do processo em que o exame médico seria necessário, mas não foi efetivado por deliberação unilateral de uma das partes (2005, p. 40). No nosso ordenamento jurídico podemos afirmar que é possível a recusa do suposto pai ao exame de DNA, em face à garantia de não produção de provas contra si mesmo, mas a consequência deste ato é a presunção juris tantum (relativa) de paternidade. O próprio Código Civil de 2002 dispõe isto nos seus artigos 231 e 232: Art Aquele que se nega a submeter-se a exame médico necessário não poderá aproveitar-se de sua recusa. Art A recusa à perícia médica ordenada pelo juiz poderá suprir a prova que se pretendia obter * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

13 com o exame (BRASIL, 2010a). Assim sendo, o Código Civil atual vem sintetizar os avanços jurisprudenciais citados anteriormente, no sentido de que a parte que se recusa imotivadamente a se submeter à perícia médica deve ter contra si o peso da presunção daquilo que o exame poderia provar (MARTINS, 2003, p. 4). No mesmo sentido: se o suposto pai não está obrigado a submeter-se ao exame, sua recusa não lhe traz conseqüência fatal, não passando de indução da presunção da paternidade a ele imputada, permitindo-lhe a produção de prova em contrário e exigindo a existência de outros elementos de convencimento e de sustentação para a procedência do reconhecimento da filiação biológica (MARTINS & OLIVEIRA, 2006, p ). Há quem entenda, entretanto, pela obrigatoriedade do exame de DNA em nosso direito através do princípio da proporcionalidade de valores, axioma do Direito Constitucional, a identidade de um filho há de preponderar sobre os direitos dos pais (SILVA, 2007, p. 28). Para Maria Helena Diniz limitar a obtenção da verdade sobre a paternidade ou maternidade é ato que não mais se coaduna com os avanços científicos capazes de determinar a real filiação. Por que, então, não exigir a efetivação do exame? (2007, p. 471). De qualquer forma, mesmo com a recusa à perícia médica, se existir outras provas capazes de contestar persuasivamente a alegação do autor, deverá o juiz, na motivação da sentença, buscar apoio nessas provas e decidir desfavoravelmente ao pedido formulado na inicial (MASCARENHAS, 2006, p. 8). No mesmo sentido, Carlos Roberto Gonçalves: é necessário frisar que ninguém pode ser constrangido a fornecer amostras do seu sangue para a realização da prova pericial. No entanto, a negativa do réu pode levar o juiz, a quem a prova é endereçada, a interpretá-la de forma desfavorável àquele, máxime havendo outros elementos indiciários (2009, p. 327) Este entendimento pela não obrigatoriedade da submissão do exame de DNA foi sumulado pelo Superior Tribunal de Justiça: Súmula nº 301: Em ação investigatória, a recusa do suposto pai a submeter-se ao exame de DNA induz presunção juris tantum de paternidade (BRASIL, 2010b). Recentemente a lei nº 8.560/92 foi alterada para incluir o artigo 2º-A, que dispõe: Art. 2º-A. Na ação de investigação de paternidade, todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, serão hábeis para provar a verdade dos fatos. (Incluído pela Lei nº , de 2009). Parágrafo único. A recusa do réu em se submeter ao exame de código genético - DNA gerará a presunção da paternidade, a ser apreciada em conjunto com o contexto probatório. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

14 (Incluído pela Lei nº , de 2009). (BRASIL, 2010a) Nem era necessário tal dispositivo legal, já que, como já explicitado acima, os artigos 231 e 232 do Código Civil já previam esta presunção relativa, sendo que este artigo 2º-A da Lei nº 8.560/92 veio apenas a acrescentar e especificar tal posicionamento nas ações de investigação de paternidade. Há, portanto, o entendimento pacífico de que a presunção de paternidade pela não realização do exame de DNA pelo suposto pai é relativa, merecendo ser desconsiderada quando contrariar outros elementos indiciários constantes dos autos, os quais deverão ser comprovados pelo réu. Aliás, a recusa na submissão ao exame de DNA não gera para o requerido efeitos criminais, como por exemplo, crime de desobediência (art. 330, CP) e nem a procedência do pedido inicial: não significa que a insubordinação da partes investigada ocasiona, por si, um juízo bastante de procedência do pedido, porque a recusa reforça a convicção do parentesco quando a ela se adicionam outros informes que, assim reunidos, são indicativos probatórios robustos para a revelação da ascendência biológica (OLIVEIRA FILHO, 2007, p. 359) Independentemente da realização ou não do exame de DNA, a importância desta prova nas ações de investigação de paternidade chegou a tal ponto que hoje se discute sobre a relativização da coisa julgada em processos que finalizaram sem a sua realização. Assim, parte da jurisprudência vem mitigando os efeitos da coisa julgada, permitindo a investigação da paternidade quando a anterior ação foi julgada improcedente por insuficiência de provas, sem o exame do mérito (RT 767/302). Neste contexto, nada impede que a parte interessada, dentro do prazo legal, ajuíze ação rescisória, nos termos do art. 482, II, CPC (documento novo capaz por si só de lhe assegurar pronunciamento favorável), justificando-se na busca da verdade real (TJSP, JTJ, LEx 220/275). Entretanto, findo o prazo de propositura de ação rescisória (2 anos art. 495, CPC), o Superior Tribunal de Justiça entende que não há mais como reabrir a questão, mesmo com a existência de exame de DNA contrário à decisão dos autos (REsp n SP, Rel. para acórdão Min. Ari Pargendler, 2ª Seção, DJe de ). Em sentido contrário, o TJSP já reconheceu a possibilidade de nova ação: RT 803/212 (garantir o direito ao respeito à dignidade humana, à identidade genética e à filiação). Para finalizar, há que se mencionar o projeto de lei 116/2001, de autoria do Senador Waldir Amaral, que pretende incluir o parágrafo único no art. 8º, parágrafo único, da lei 8.560/92: art. 8º. (...) Parágrafo único. A ação de investigação de paternidade, realizada sem a prova do pareamento cromossômico (DNA), não faz coisa julgada, que, se aprovado, será alvo de discussões intermináveis em nossa doutrina e jurisprudência. (BRASIL, 2010a) * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

15 De qualquer sorte, a recusa do suposto pai à submissão do exame de DNA gera a presunção relativa de paternidade, sendo que o ônus de prova em contrário é do próprio réu, o qual deverá trazer aos autos provas lícitas no sentido de derrubar a presunção de paternidade. 6. CONCLUSÃO A classificação entre filhos legítimos e ilegítimos em nosso direito não existe mais em face do artigo 227, 6º, CF. Entretanto, para fins de reconhecimento, os filhos havidos na constância do casamento presume ser dos cônjuges (art. 1597, CC), sendo que os gerados fora do casamento somente são reconhecidos pelo pai de forma voluntária ou administrativamente. Se o pai se nega a registrar o filho, a única via judicial cabível é a ação de investigação de paternidade. Tal demanda, por envolver reconhecimento de filiação, deve ser sempre processada sob segredo de justiça, a fim de preservar a intimidade das partes litigantes (mãe, filho e suposto pai), garantia esta prevista no artigo 5º, LV, CF e regulamentada pelo artigo 155, do Código de Processo Civil. Caso haja violação ao segredo de justiça, há previsão de crime (art. 325, CPP), além de responsabilização do funcionário público que divulgar dados do processo, bem como do veículo de imprensa que publicar dados relativos à intimidade dos litigantes. Apesar da importância da realização do exame de DNA nas ações de investigação de paternidade, o suposto pai não pode ser obrigado a realizá-lo (súmula nº 301, STJ); entretanto, a consequência lógica deste ato é a presunção relativa de paternidade, cujo ônus da prova em descaracterizar esta quasepaternidade é do próprio réu. De um lado, preserva-se o direito do suposto pai de não fazer prova consigo mesmo; de outro, garante-se a dignidade do pretenso filho de ter, pelo menos, a presunção de sua verdade biológica. NOTAS [1] Não será tratada pontualmente a questão do filho adotivo neste estudo. Para maior esclarecimento deste assunto, indicamos a leitura da obra de Maria Helena Diniz, obra citada, 2007, p ) [2] Código Civil de 1916 Art Presumem-se concebidos na constância do casamento: I - os filhos nascidos 180 (cento e oitenta) dias, pelo menos, depois de estabelecida a convivência conjugal (art. 339); II - os nascidos dentro nos 300 (trezentos) dias subseqüentes à dissolução da sociedade conjugal por morte, desquite, ou anulação. [3] Código Civil de 1916 Art Os filhos incestuosos e os adulterinos não podem ser reconhecidos. [4] Sobre reprodução assistida, recomendamos a leitura do livro de Juliane Fernandes Queiroz: Paternidade aspectos jurídicos e técnicas de inseminação artificial. Belo Horizonte: Del Rey, [5] Sobre paternidade socioafetiva, recomendamos a leitura do livro de Jacqueline Filgueras Nogueira: A filiação que se constrói: o reconhecimento do afeto como valor jurídico. São Paulo: Memória Jurídica Editora * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

16 [6] Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), lei nº 8.069/90. Art. 27. O reconhecimento do estado de filiação é direito personalíssimo, indisponível e imprescritível, podendo ser exercitado contra os pais ou seus herdeiros, sem qualquer restrição, observado o segredo de Justiça. [7] Súmula nº 01, STJ: O foro do domicílio ou da residência do alimentando é o competente para a ação de investigação de paternidade, quando cumulada com a de alimentos. [8] A posse do estado de filho implica três situações: nominatio (utiliza-se o nome do pai); tractus (é tratado pelo pai como filho); reputatio (todos enxergavam o sujeito como filho). [9] A título de exemplo: arts. 8º, 9º e 10 da Lei n , de 24 de julho de 1996; 5º e 7º, parágrafo único, da Lei n , de 5 de maio de 2005; 198, inciso I, da Lei n , de 25 de outubro de 1966; 1º, 4º, da Lei Complementar n. 105, de 10 de janeiro de 2001 e 153, 1º-A, do Código Penal. [10] Disponível em: [11] Os direitos fundamentais não são absolutos (relatividade), havendo, muitas vezes, no caso concreto, confronto, conflito de interesses. A solução ou vem discriminada na própria Constituição (ex.: direito de propriedade versus desapropriação), ou caberá ao intérprete, ou magistrado, no caso concreto, decidir qual direito deverá prevalecer, levando em consideração a regra da máxima observância dos direitos fundamentais envolvidos, conjugando com a sua mínima restrição (LENZA, 2008, p. 590). [12] Processo: , Sétima Turma do Tribunal Regional Federal da Quarta Região, data de publicação: DJ 05/10/2005, p. 1010; relator Desembargador Federal Néfi Cordeiro. REFERÊNCIAS ARAÚJO, Luiz Alberto David; NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Curso de direito constitucional. 13ª. Ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL, Presidência da República. Constituição Federal de 1988, Leis Complementares e Leis Ordinárias Federais. Disponível em <. Acesso em 03/02/2010a., Superior Tribunal de Justiça. Acompanhamento processual. Disponível em. Acesso em 04/02/2010b., Supremo Tribunal Federal. Acompanhamento processual. Disponível em. Acesso em 02/02/2010c., Conselho da Justiça Federal. Disponível em:. Acesso em 10/02/2010d., Tribunal Regional Federal da 3ª. Região. Acompanhamento processual. Disponível em. Acesso em 31/01/2010e. CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini & DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 17ª. Ed., São Paulo: Atlas, * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

17 DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de Direito Processual Civil: teoria geral do processo e processo de conhecimento. Vol. 1, 10ª. Ed., Salvador: Editora Jus Podivm, DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro, v. 5, 22a. Edição, Saraiva: São Paulo, FARIAS, Cristiano Chaves de. Investigação de Paternidade Um alento ao Futuro: Novo Tratamento da Coisa Julgada nas Ações relativas à Filiação. Revista Brasileira de Direito de Família, Porto Alegre: Síntese, IBDFAM, v.4, n.13, p , abr./jun FERREIRA, Viviani Giovanete Ramos. A Indenização por Dano Moral na Ação Investigação de Paternidade Revista Jurídica Cesumar, v. 4, n. 1, 2004, p GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da. Direito de Família brasileiro. São Paulo: Juarez de Oliveira, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. v. 6: direito de família. 6ª. Ed., Saraiva: São Paulo, 2009a. GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios. Novo Curso de Direito Processual Civil. Vol. 1. 6ª. Ed. São Paulo: Saraiva, 2009b. LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 12ª. Ed. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Antonio Darienso & OLIVEIRA, José Sebastião de. A prova na investigação de paternidade e a súmula nº 301 do STJ. In: Revista Jurídica Cesumar, v. 6, nº 1, p , MARTINS, José Renato Silva; ZAGANELLI, Margareth Vetis. Recusa à realização do exame de DNA na investigação de paternidade: direito à intimidade ou direito à identidade? In: LEITE, Eduardo de Oliveira (Coord.). Grandes temas da atualidade: DNA como meio de prova da filiação. Rio de Janeiro: Fosense, MARTINS, Marcus Vinicius Silva. Recusa à submissão a exame de DNA em processos de investigação de paternidade. Jus Navegandi, Teresina, ano 7, nº 64, abr Disponível em: Acesso em 08/02/2010. MASCARENHAS, Ana Carolina Fernandes. Recusa á prova pericial nas ações de investigação de paternidade e conhecimento de ascendência genética. Revista Forense. Julho-agosto de MORAES, Maria Celina Bodin de. O direito personalíssimo à filiação e a recusa ao exame de DNA: uma * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

18 hipótese de colisão de direitos fundamentais. In: LEITE, Eduardo de Oliveira (Coord.). Grandes temas da atualidade: DNA como meio de prova da filiação. Rio de Janeiro: Forense, OLIVEIRA, José Sebastião de. Fundamentos constitucionais do direito de família. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, OLIVEIRA FILHO, Bertoldo Mateus de. Alimentos e investigação de paternidade. 4ª. Ed. Belo Horizonte: Del Rey Editora, PEREIRA, Caio Mário da Silva. Reconhecimento de paternidade e seus efeitos. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Forense, RASKIN, Salmo. Manual prático do DNA para investigação de paternidade. Curitiba: Juruá, SIMAS FILHO, Fernando. Investigação de paternidade: peculiaridades, panorama atual, futuro. Repensando o direito de família: anais do I Congresso Brasileiro de Direito de Família. Belo Horizonte: Del Rey, SILVA, Raquel Veloso da Silva. Colisão de direitos fundamentais e aplicação do princípio da proporcionalidade na investigação de paternidade. Biblioteca Digital Jurídica STJ. Data da publicação: 12/06/2007. Disponível em: <http://bdjur.stj.gov.br/dspace/handle/2011/9980>. Acesso em 09/02/2010. SILVA NETO, Manoel Jorge e. Direito à intimidade e à liberdade de informação jornalística após a EC nº 45/04. Revista Brasileira de Direito Público (RBDP) nº 13, ano 04. Belo Horizonte: Editora Fórum, abr/jun 2006, p THEODORO JUNIOR, Humberto. A prova indiciária no novo Código Civil e a Recusa ao Exame de DNA. RDCPC, nº 33, jan./fev. 2005, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: direito de família. Vol. 6, 6ª. Ed., São Paulo: Atlas, VELOSO, Zeno. Direito brasileiro da filiação e paternidade. São Paulo: Malheiros, * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

Proíbe PRINCÍPIO DA. Confere CONCEITO FILIAÇÃO E A CF/88. discriminação opressão negligência exploração violência crueldade

Proíbe PRINCÍPIO DA. Confere CONCEITO FILIAÇÃO E A CF/88. discriminação opressão negligência exploração violência crueldade 1 DA FILIAÇÃO ARTS. 1.596 A 1.606 PRINCÍPIO DA IGUALDADE ENTRE OS S Proíbe Confere discriminação opressão negligência exploração violência crueldade mesmos direitos que os filhos havidos do casamento a

Leia mais

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP)

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) Paternidade Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) 10.4.2015 Poder Familiar -> Sujeitos: Pais (Pai e Mãe) E Filhos Menores! -> Objetivo: Exercício

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES C a r t i l h a E d u c a t i v a HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES Apresentação Com base no perfil constitucional de 1988, o Ministério Público age também como defensor dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Filiação e seus efeitos jurídicos Sérgio Gabriel* Sumário: 1. Introdução, 2. Dos filhos havidos no casamento, 3. Dos filhos havidos fora do casamento, 4. Da família natural, 5. Investigação

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ANULAÇÃO DE REGISTRO CIVIL. VÍCIO. LEGITIMIDADE ATIVA DO AVÔ REGISTRAL. DESCONSTITUIÇÃO DA SENTENÇA. PRECEDENTES DESTA CORTE E DO STJ. O pedido de anulação de registro civil de nascimento,

Leia mais

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania.

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. Silvio Maia da Silva Assessor do TJ-BA 21/03/2015 Atualmente surgem na cidade de Salvador

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

Data de publicação: 23/10/2015. Tribunal: TJMG. Relator: Alyrio Ramos. Chamada

Data de publicação: 23/10/2015. Tribunal: TJMG. Relator: Alyrio Ramos. Chamada #1 - Ação negatória de paternidade c/c anulatória de registro civil de nascimento. Adoção à brasileira. Ato jurídico perfeito. Prevalência da paternidade socioafetiva Data de publicação: 23/10/2015 Tribunal:

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS?

ALIMENTOS GRAVÍDICOS? ALIMENTOS GRAVÍDICOS? Elaborado em 07.2008. Maria Berenice Dias desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, vicepresidente nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 Douglas Phillips Freitas SUMÁRIO: I - Do Quantum dos Alimentos Gravídicos; II - Da Natureza dos Alimentos Gravídicos e Seus Aspectos Processuais; III - Do Ônus

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ADOÇÃO A BRASILEIRA A adoção à brasileira é caracterizada pelo reconhecimento voluntário da maternidade/paternidade, pelo casal (ou apenas um dos

ADOÇÃO A BRASILEIRA A adoção à brasileira é caracterizada pelo reconhecimento voluntário da maternidade/paternidade, pelo casal (ou apenas um dos ADOÇÃO ILEGAL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões. ADOÇÃO A

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 1.201.791 - SP (2013/0340189-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA : M O M DE B A : ADRIANA CHIECO E OUTRO(S)

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 FILIAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA PATERNIDADE E NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Guilherme Bruno Araujo1*(IC), Laila dos Santos

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.028.503 - MG (2008/0019188-3) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : A DE C A - MENOR IMPÚBERE : S M DE C : ANA LUISA BRANDÃO TEIXEIRA BANTERLI E OUTRO(S) : V G

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEGUNDA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0004016-43.2013.8.19.0064 APELANTE: LEONARDO FELÍCIO DA SILVA LIMA APELADA: LUDIMILA APARECIDA ANTÔNIO RELATORA:

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível.

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE CIVIL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. Trata-se de uma ação indenizatória proposta por José,

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

FILHOS EVOLUÇÃO ATÉ A PLENA IGUALDADE JURÍDICA

FILHOS EVOLUÇÃO ATÉ A PLENA IGUALDADE JURÍDICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume I FILHOS EVOLUÇÃO ATÉ A PLENA IGUALDADE JURÍDICA 231 MAFALDA LUCCHESE¹ O Direito Civil

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico,

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito de Família Direito de Família Direito de Família Regula as relações patrimoniais e morais decorrentes do casamento, das demais entidades familiares e da relação de parentesco. Entidade Familiar

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES NO PROCESSO PENAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I A INTIMAÇÃO DA SENTENÇA AO RÉU DISSONÂNCIA DA DOUTRINA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Conceito de família; Conteúdo e Conceito do Direito de Família; Natureza da Divisão; Divisão da matéria; Eficácia horizontal dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL

RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL decisão. 1 Esse direito/dever é ainda mais importante nas ações de investigação de RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL Este artigo traz a discussão sobre a relativização da coisa julgada

Leia mais

ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO

ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO ULISSES VIEIRA MOREIRA PEIXOTO 2015 EDITORA S UMÁRIO CAPÍTULO 1 FAMÍLIA DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO PESSOAL... 33 1. Casamento... 33 2. Capacidade para o casamento... 35 3. Impedimentos... 37 4. Causas

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados.

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados. 4* 'L, Á `4'INI ~nu Pd Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Des. Marcos Antônio Souto Maior ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001148-7/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR : Juiz

Leia mais

Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga

Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga Pedro Pontes de Azevêdo 1 SUMÁRIO 1 Introdução 2 Contornos legais da procriação assistida 2.1 Presunção de paternidade 2.2 Fecundação heteróloga:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl na MEDIDA CAUTELAR Nº 18.265 - SP (2011/0162752-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADOS EMBARGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : C G C : JAISON OSVALDO DELLA GIUSTINA MARCELO ANDRÉ FONTES E OUTRO(S)

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

MEDIDAS CAUTELARES. COMPETÊNCIA:

MEDIDAS CAUTELARES. COMPETÊNCIA: MATERIAL DE APOIO MEDIDAS CAUTELARES. COMPETÊNCIA: A ação acessória será proposta perante o juiz competente para a ação principal. No caso de cautelar preparatória, será feito prognóstico da competência

Leia mais

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA Espécies de parentesco e contagem de graus Parentesco CÓDIGO CIVIL/2002,

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO

SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO SIGNIFICADO DE BUSCA E APREENSÃO * Nayara Humberto Ferreira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo Busca e apreensão é o interesse de reaver a pessoa ou a coisa que encontra-se em poder

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência Alguns Princípios do Direito de Família Dignidade da pessoa humana; Solidariedade familiar; Pluralidade de entidades familiares; Igualdade entre

Leia mais

Relatório de Pesquisa 4.4.1

Relatório de Pesquisa 4.4.1 Relatório de Pesquisa 4.4.1 REQUISIÇÃO DE PRONTUÁRIO MÉDICO. SIGILO PROFISSIONAL. RELATIVIDADE. REQUISIÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. ORDEM JUDICIAL. O dever de sigilo não é absoluto, conforme as exceções

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO N. 0006328-24.2010.2.00.0000 RELATOR : CONSELHEIRO FELIPE LOCKE CAVALCANTI REQUERENTE : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL DO

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais