FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS NATHALIA OLIVEIRA MALACHIAS THAIS CRISTINA SIQUEIRA CAMARGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS NATHALIA OLIVEIRA MALACHIAS THAIS CRISTINA SIQUEIRA CAMARGO"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS NATHALIA OLIVEIRA MALACHIAS THAIS CRISTINA SIQUEIRA CAMARGO MODELAGEM DE FERRAMENTA PARA APOIO AO MONITORAMENTO DE QUEIMADAS NA AMAZÔNIA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 2010

2 NATHALIA OLIVEIRA MALACHIAS THAIS CRISTINA SIQUEIRA CAMARGO MODELAGEM DE FERRAMENTA PARA APOIO AO MONITORAMENTO DE QUEIMADAS NA AMAZÔNIA Trabalho de graduação apresentado à Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnólogo em Banco de Dados. Orientador: Prof. Carlos Garcia SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 2010

3 NATHALIA OLIVEIRA MALACHIAS THAIS CRISTINA SIQUEIRA CAMARGO MODELAGEM DE FERRAMENTA PARA APOIO AO MONITORAMENTO DE QUEIMADAS NA AMAZÔNIA Trabalho de graduação apresentado à Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnólogo em Banco de Dados. ELTON OLIVEIRA FERREIRA EDUARDO SAKAUE CARLOS GARCIA, ME / / DATA DE APROVAÇÃO 3

4 Dedicamos este trabalho aos nossos pais, familiares e amigos. Sem esquecer dos nossos colegas de classe e de nossos professores. 3

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente a Deus por dar-nos força e a oportunidade de realizar o curso; a Fatec pelos recursos tecnológicos oferecidos, aos seus docentes pela oportunidade de aprendizado que tivemos; aos colegas de sala pelo companheirismo vivido e não só pelas lições profissionais, mas também da vida pessoal; aos nossos familiares que foram nosso ponto de referência nos momentos difíceis. 4

6 Respeito a todas formas de vida. Arca Brasil 5

7 RESUMO A proteção de florestas contra queimadas deve ser um trabalho contínuo, uma vez que constituem perigo constante a sociedade. Assim, a prevenção deve ser praticada constantemente, a fim de evitar que o incêndio atinja proporções incontroláveis, incorrendo em perdas de vidas e danos patrimoniais. O trabalho realizado expõe os problemas das queimadas florestais e as necessidades existentes através da elaboração da modelagem de um sistema que monitore as queimadas e acione as brigadas de incêndios. Foi realizado um estudo sobre SIG (Sistema de Informação Geográfica) e Web Service. Palavras-chave: Incêndio florestal. Web Service. SIG. SMS. 6

8 ABSTRACT Protecting forests against fire should be a continuous work, since they are constant danger to society. Thus, prevention should be practiced constantly in order to prevent the fire reaching unmanageable proportions, incurring losses of lives and damage to property. The work exposes the problems of forest fires and existing needs through the development of a modeling system that monitors the trigger fires and fire brigades. Applying concepts of Web service, using a georeferenced base area provided by INPE and concepts of GIS. Key-words: Wildfire. Web Service. GIS. SMS. 7

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Comparação dos focos detectados no Brasil nos anos de 2009 e Figura 2 - Arquitetura de um Sistema de Informação Geográfica Figura 3 - Arquitetura Dual Figura 4 - Arquitetura Integrada Figura 5 Representação Matricial Figura 6 Representação Vetorial Figura 7 - Tabela de dados descritivos e dados geográficos Figura 8 - Arquitetura da TerraLib Figura 9 - Associação entre as componentes espaciais e descritivas no SPRING Figura 10 - Web Service Funcionamento Figura 11 - Papéis e operações dos componentes da arquitetura Web Services Figura 12 - Fornece a conexão do WSDL Figura 15 Arquitetura Geral do Sistema Figura 16 - Caso de Uso Figura 17 Diagrama de Sequência: Consulta Dados Figura 18 - Diagrama de Sequência: Envia SMS Figura 19 - Diagrama de Classes

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS UML: Unified Modeling Language INPE: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais IBAMA: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis MMA: Ministério do Meio Ambiente SIG: Sistema de Informação Geográfica CAD: Computer-aided Design SGBD: Sistema Gerenciador de Banco de Dados IPTU: Imposto Predial e Territorial Urbano SQL: Structured Query Language XML: Extensible Markup Language HTTP: Hypertext Transfer Protocol 9

11 SUMÁRIO 1. 0 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO ESPECÍFICO METODOLOGIA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Banco de Dados Georreferenciado SIG (Sistema de Informação Geográfica) Geoprocessamento História do Geoprocessamento Descrição geral de SIG Componentes de SIG Tipos de dados SIG Arquiteturas SIG Tratamento dos dados geográficos Tecnologias de SIG Representação Geométrica Conceitos Básicos Armazenamento dos dados Banco de Dados Geográficos Terralib - biblioteca para o desenvolvimento de SIG SPRING - Exemplo de aplicação SIG Considerações Finais

12 3. 0 Web Service Conceito de Web Service Arquitetura WSDL XML Estrutura XML Características: SOAP UDDI Registry Utilizando Web Service Vantagens e Desvantagens dos Web Services Vantagens Desvantagens Considerações Finais As Queimadas Florestais Incêndio Florestal Causas dos Incêndios Danos Detecção e Localização do incêndio Torres de vigilância Métodos de Combate ao Fogo As Brigadas de Incêndio As Unidades de Conservação Necessidades Encontradas Considerações Finais

13 5. 0 Proposta de Solução - Modelagem de sistema Modelagem de sistema Visão Geral Tecnologia Utilizada Requisitos do sistema Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Arquitetura do sistema Caso de Uso Análises dos Casos de Uso Selecionar Municípios Consultar Dados Receber Alertas via SMS Diagramas de Sequência Diagrama de Classes Conclusões do Capítulo Considerações Finais Contribuições Conclusão Trabalhos Futuros

14 1. INTRODUÇÃO 1. 1 MOTIVAÇÃO Em termos de diversidade e extensão, não há no planeta região comparável à Amazônia, a maior floresta tropical do mundo. No entanto, esse tesouro nacional, se encontra em situação crítica: milhares de desmatamentos e queimadas. A floresta amazônica brasileira permaneceu completamente intacta até o início de 1970, porém, os índices de desmatamento vêm aumentando desde 1991 com o processo de desmatamento num ritmo muito rápido. A criação de gado ainda é a causa predominante, as fazendas de médio e grande porte são responsáveis por cerca de 70% das atividades de desmatamento. Os impactos do desmatamento incluem a perda de biodiversidade, a redução da ciclagem da água e da precipitação e contribuições para o aquecimento global (PHILIP M. 2005). No Brasil, assim como na América do Sul, o homem é o maior causador das queimadas, principalmente na região Amazônica. O país está entre os 10 maiores poluidores do mundo, com mais de queimadas e nuvens de fumaça detectadas anualmente através de satélites, e também devastando anualmente em média cerca de 20 mil km2 de florestas naturais. (Fonte: sigma. cptec.inpe.br 18/03/10 11:30) Infelizmente as queimadas estão aumentando excepcionalmente no País, provocando inúmeros problemas para todo o planeta. Segundo dados divulgados pelo INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, no mês de julho de 2010, o Brasil tinha mais do que o dobro de focos de fogo observados no mesmo mês do ano passado (Figura 1). E neste sentido a detecção e a prevenção assumem importância especial a fim de evitar perdas de vidas e danos patrimoniais. O INPE, trabalhando em conjunto com o IBAMA/PROARCO, desenvolve tecnologias e aplicações para a detecção de queimadas. O acesso as informações coletadas 13

15 pelos satélites estão disponíveis na internet, onde há também oferecimento gratuito de alguns serviços de monitoramento online específicos. A partir desses dados disponibilizados gratuitamente pelo INPE, o desenvolvimento de um sistema operacional que exiba informações detalhadas via web dos municípios situados na região Amazônica e que acione as brigadas mais próximas através de dispositivos móveis, criaria um vínculo mais forte e recorrente aos usuários na detecção das queimadas, tornando o serviço mais imediato e com maiores índices de prevenção. Baseado em tecnologias de baixo custo, esse sistema, serviria como uma grande ferramenta de proteção para a biodiversidade encontrada na região Amazônica, tornandose assim, um método essencial para ajudar os usuários a encontrar intuitivamente e produtivamente a informação pretendida. Figura 1 - Comparação dos focos detectados no Brasil nos anos de 2009 e 2010 (sigma.cptec.inpe.br/queimadas/queimamensal 25/05/10 17:30). 14

16 1. 2 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Propor a modelagem de requisitos de um sistema que visa melhorar a detecção de focos de queimadas dos municípios situados na região Amazônica. Disponibilizando os focos de queimadas via interface web e que acione as brigadas mais próximas dos focos detectados através de dispositivos móveis OBJETIVO ESPECÍFICO Os objetivos específicos do presente trabalho são: a) Apresentar conceitos sobre Georreferenciamento, SIG e Banco de Dados Geográfico; b) Estudar a forma de comunicação entre Web Services (Cliente e Servidor); c) Adotar padrões de engenharia de software para a modelagem do sistema; d) Modelar um sistema que exiba focos de queimadas da região Amazônica e que acione a brigada mais próxima da queimada detectada pelo sistema; e) Empregar a utilização de envio de dados via SMS para dispositivos móveis METODOLOGIA Para o desenvolvimento da presente pesquisa, fez-se um levantamento bibliográfico sobre Sistemas de Informações Geográficas e de Web Services. O cumprimento dos objetivos propostos foi baseado na obtenção de dados precisos. Para isso, foram utilizados os dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 15

17 Foi realizada também, a modelagem do software apresentando a descrição e arquitetura geral do sistema, especificação e os requisitos, os diagramas UML: caso de uso, de sequência e de classe ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Este trabalho está dividido em cinco capítulos, estando assim distribuídos: No Capítulo 1, encontra-se a introdução, a motivação e os objetivos a serem alcançados com o desenvolvimento do trabalho. No Capítulo 2 é apresentado um estudo sobre Sistemas de Informação Geográfica. Apresenta uma breve definição e a história do Geoprocessamento. Mostra a descrição, os componentes, arquiteturas e tecnologias de um SIG. No Capítulo 3 é abordado o tema Web Services. No Capitulo 4 encontra-se informações sobre as queimadas e incêndios florestais. No Capítulo 5 apresenta informações sobre o desenvolvimento da modelagem do sistema. São descritas a especificação do sistema, a arquitetura geral do sistema, os diagramas de caso de uso, de seqüência e de classe. No Capítulo 6 trata das considerações finais sobre o trabalho e sugestões para trabalhos futuros. 16

18 2. Banco de Dados Georreferenciado O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos de Sistema de Informação Geográfica. Está subdividido em sessões que traçam um breve histórico de Geoprocessamento. As sessões posteriores tratam o conceito de SIG, a descrição, os componentes, arquiteturas e tecnologias SIG (Sistema de Informação Geográfica) Geoprocessamento O Geoprocessamento é uma área que influencia diferentes disciplinas do conhecimento de fenômenos ambientais e urbanos, tais como Cartografia, Análise de Recursos Naturais, Transporte, Comunicações, Energia e Planejamento Urbano e Regional. Tendo como objetivo manipular informações geográficas através de recursos computacionais e matemáticos. A partir do momento que o lugar é importante para um determinado problema de um sistema informatizado, então a ferramenta de trabalho a ser utilizada é o geoprocessamento, ou seja, sempre que houver a pergunta onde, haverá uma oportunidade da utilização da tecnologia SIG. (Câmara, 2001) A tecnologia de geoprocessamento envolve a interligação de tecnologias destinadas à captação, organização e desenho de mapas, técnicas de manipulação numérica de imagens digitais e à aquisição, armazenamento, análise e apresentação de referenciados espacialmente História do Geoprocessamento Segundo Câmara (2001), a evolução do Geoprocessamento ocorreu da seguinte maneira: 17

19 Na década de 50, a Inglaterra e os EUA começaram as primeiras tentativas de automatizar parte do processamento de dados com características espaciais. Porém, havia muita dificuldade na área de informática na época. Os primeiros Sistemas de Informações Geográficas surgiram no Canadá, nos anos 60, como parte de um programa do governo para criar um inventário de recursos naturais. Como não existiam soluções comerciais prontas para uso, cada interessado precisava desenvolver seus próprios programas, o que denominava o custo de produção, manutenção e reprodução desses sistemas muito elevados. Ao longo dos anos 70, houve a evolução da tecnologia e dos computadores, surgindo hardwares compatíveis com a ferramenta que agora era nomeada de Sistemas de Informações Geográficas. Foi também nessa época que ocorreu a criação do sistema CAD (Projeto Auxiliador por Computador), melhorando a forma de trabalho de diversas áreas como a engenharia, agronomia, geografia e arquitetura, mas ainda, poucas organizações utilizavam dessa tecnologia. O Sistema de Informação Geográfica começa a ter um acelerado crescimento nos anos 80, se beneficiando com os avanços da microinformática e da criação de centros de estudos sobre o assunto. Nos decorrer dos anos 80, com a evolução tecnológica a ferramenta SIG se popularizou no âmbito organizacional e comercial, como instrumento para tomada de decisão em diversas áreas de atuação Descrição geral de SIG O termo Sistema de Informação Geográfica (SIG) é aplicado para sistemas que tratam computacionalmente informações geográficas. Devido a sua grande gama de aplicações, há no mínimo três grandes maneiras para sua utilização (Câmara, 1995): a) Como ferramenta para produção de mapas; 18

20 b) Como suporte para análise espacial de fenômenos; c) Como um banco de dados geográficos, com funções de armazenamento e recuperação de informação espacial. O SIG se caracteriza por permitir coletas de informações espaciais (provenientes de dados cartográficos, dados de censo e cadastro urbano e rural, imagens de satélite, redes e modelos numéricos de terreno), a utilização de algoritmos de manipulação e análises, o armazenamento a topologia de mapas e apresentação espaciais em diversas projeções. Uma das principais diferenças entre o SIG para um sistema de informação convencional é sua capacidade de armazenar tanto os atributos descritivos como as geometrias dos diferentes tipos de dados geográficos. Por exemplo, ao cadastrar um lote para um sistema urbano, um SIG guarda, além das coordenadas da área do lote (informação geométrica), a descrição do proprietário e o valor do IPTU (informação descritiva) Componentes de SIG O SIG é composto, de uma forma abrangente, por: a) Interface é o nível mais próximo do usuário, que define como o sistema é operado e controlado; b) Inclusão e integração de dados; c) Funções de análise e consulta espacial é o nível intermediário, ocorrem consultas e processamento de dados; d) Plotagem de dados; 19

21 e) Armazenamento e recuperação de dados é o nível interno do sistema, que oferece armazenamento, gerencia do banco de dados geográficos, e a recuperação de dados e atributos. As funções de processamento de um SIG operam de uma forma geral, em uma área de trabalho em memória principal. A ligação entre os dados e as funções é feita por mecanismos de seleção ou consulta que definem restrições sobre o conjunto de dados. A Figura 2 ilustra o relacionamento dos principais componentes (Câmara, 1999): Figura 2 - Arquitetura de um Sistema de Informação Geográfica Tipos de dados SIG O SIG representa uma dualidade básica para o armazenamento dos objetos geográficos: para cada objeto, o SIG necessita armazenar os atributos e representações gráficas associadas a ele (Câmara, 1995). a) Dados temáticos: descreve a distribuição espacial de uma grandeza geográfica, expressa através regiões geográficas definidas por um ou mais polígonos, como os mapas de pedologia e a aptidão agrícola de uma região. 20

22 b) Dados cadastrais: Um dado cadastral distingue-se de um temático, pois cada um de seus elementos é um objeto geográfico, que possui atributos e pode estar associado a várias representações gráficas. c) Redes: cada objeto geográfico (e.g: cabo telefônico, transformador de rede elétrica, cano de água) possui uma localização geográfica exata e está sempre associados a atributos descritivos presentes no banco de dados. d) Imagens de sensoriamento remoto: Obtidas por satélites, fotografias aéreas ou "scanners" aerotransportados, as imagens representam formas de captura indireta de informação espacial. e) Modelos numéricos de terreno: O termo modelo numérico de terreno (ou MNT) é utilizado para denotar a representação quantitativa de uma grandeza que varia continuamente no espaço Arquiteturas SIG Tratamento dos dados geográficos Segundo Câmara (1999), a principal diferença entre os Sistemas de Informações Geográficas está na forma de gerenciamento dos dados geográficos. Há basicamente três diferentes arquiteturas de SIGs que utilizam os recursos de Sistema Gerenciador de banco de Dados: dual, integrada baseada em SGBDs relacionais e integrada baseada em extensões espaciais sobre SGBDs objeto relacionais. a) Arquitetura Dual A arquitetura dual utiliza um SGBD relacional para armazenar os atributos dos objetos geográficos (na forma de tabela) e guarda as representações geométricas destes objetos através de arquivos. 21

23 No modelo relacional, as linhas da tabela correspondem aos dados e as colunas correspondem aos atributos. Para cada entidade gráfica inserida no sistema é imposto um identificador único, através do qual é feita uma ligação lógica com seus respectivos atributos não-espaciais armazenados em tabelas de dados no SGBD. A principal vantagem desta arquitetura é poder utilizar os SGBDs relacionais disponíveis no mercado, no entanto, como as representações geométricas não são controladas pelo SGBD, ela dificulta questões de otimização de consultas, gerência de transações e controle de integridade e de concorrência. Exemplos de sistemas comerciais baseados em estratégia dual são o ARC/VIEW, MGE e o SPRING. A figura 3 ilustra o funcionamento da Arquitetura Dual: Figura 3 - Arquitetura Dual b) Arquitetura Integrada para Gerência de Dados A arquitetura Integrada armazena tanto o componente espacial com a parte alfanumérica em um SGBD. Utiliza-se dos próprios recursos do SGBD para manipulação de dados espaciais, como gerência de transações, controle de integridade e concorrência. 22

24 Existem duas formas para a arquitetura integrada: baseada em SGBDs relacionais e baseada em extensões espaciais sobre SGBDs objeto-relacionais. O primeiro tipo de arquitetura, baseada em um SGBD relacional, uitliza BLOBs, campos longos, para armazenar os dados. Porém, essa arquitetura não é capaz de capturar a semântica dos dados, os métodos de acesso e otimização de consultas devem ser implementados pelo SIG e apresenta limitações da linguagem SQL para a manipulação dos dados espaciais. O outro tipo consiste em utilizar extensões espaciais desenvolvidas sobre SGBDs objeto-relacionais (SGBDOR). Estas extensões permitem armazenar, acessar e analisar dados espaciais de formato vetorial. É a mais adequada para tratar dados complexos, como dados geográficos. A figura 4 ilustra o funcionamento da Arquitetura Integrada: Figura 4 - Arquitetura Integrada 23

25 Tecnologias de SIG Atualmente há uma grande variedade de ofertas de SIG, entre elas estão: a) SIG Desktop - ambiente para monousuários com interfaces amigáveis e com crescente funcionalidade. b) SIG Distribuído - armazenam os dados espaciais em ambiente multi-usuário com ênfase em controle de acesso e manutenção de integridade. c) Servidores Web: utilizados para publicação e acesso dados geográficos via Internet e com ênfase em eficiência de acesso e interfaces de navegação Representação Geométrica Conceitos Básicos a) Ponto: entidade geográfica que pode ser localizada a partir de um par de coordenadas XY; b) Linha: definido por no mínimo dois pares de coordenadas xy (dois pontos); c) Arco: definido como uma série de coordenadas (x,y), formando segmentos de linhas; d) Polígono: pode ser entendido como um conjunto de arcos que se fecham, servem para representar uma área de mesmo atributo. 24

26 Armazenamento dos dados Há duas grandes classes de representações geométricas: representação vetorial e representação matricial (Câmara, 1999). a) Representação Matricial: Nesta representação, o espaço é representado como uma matriz P(m, n) composto de m colunas e n linhas, onde cada célula possui um número de linha, um número de coluna e um valor correspondente ao atributo estudado e cada célula é individualmente acessada pelas suas coordenadas. Vantagens: apresenta uma estrutura de dados simples, é compatível com dados obtidos por Scanner ou Sensor Remoto e os procedimentos de análises espaciais são simples. Desvantagens: requer grande espaço de armazenamento, a satisfação final do produto depende da resolução do pixel, transformação de sistemas de projeção mais complexos e maior dificuldade em apresentar relações topológicas. A figura 5 a seguir demonstra a representação Matricial: Figura 5 Representação Matricial 25

27 b) Representação Vetorial: No modelo vetorial, a localização e a aparência gráfica de cada objeto são representadas por um ou mais pares de coordenadas. Este tipo de representação não é exclusivo do GIS: sistemas CAD e outros tipos de sistemas gráficos também utilizam representações vetoriais. Vantagens: pouco espaço de armazenamento, facilidade nas representações de relações topológicas, permite criação de overlays sobre as imagens. Desvantagens: estrutura de dados mais complexa, software e hardware necessários são mais caros, análise espacial mais complexa. A figura 6 a seguir demonstra a representação Vetorial: Figura 6 Representação Vetorial 26

28 2.1.8 Banco de Dados Geográficos Um Banco de Dados Geográfico é o repositório de dados de um SIG, ou seja, é o local onde os dados geográficos ficam armazenados e podem ser recuperados: seja como imagens, vetores, grades ou ainda em formato descritivo (atributo não espacial) É a integração, numa única base de dados, que armazena tanto a geometria como os atributos do objeto geográfico (Câmara, 1999). 2006): A Figura 7 demonstra um exemplo de Banco de Dados Geográficos (TerraLib, Figura 7 - Tabela de dados descritivos e dados geográficos 27

29 Na tabela BairrosSP, possui os dados descritivos/alfanuméricos dos bairros como nome, população e área e na tabela de Polygons1, possui os dados geográficos em relação à localização dos bairros no mapa. Os bancos de dados geográficos possuem uma vasta variedade de utilizações, entre elas os sistemas de navegação de veículos; informações sobre redes de distribuição de empresas de serviços públicos, como de energia elétrica, telefone e abastecimento de água; e informações de utilização da terra para ecologistas e estrategistas Terralib - biblioteca para o desenvolvimento de SIG TerraLib (Vinhas, 2005) é uma biblioteca desenvolvida pela Divisão de Processamento de Imagens (DPI) do INPE, Funcate e a Tecgraf da PUC-RIO, escrita em linguagem C++, para a construção de aplicativos geográficos de arquitetura integrada. É distribuída como software livre e com o código fonte aberto. A arquitetura da biblioteca é mostrada na Figura 8: Figura 8 - Arquitetura da TerraLib 28

30 A TerraLib armazena os dados geográficos (vetoriais e matriciais) em SGBDs, seguindo o conceito de arquitetura integrada. Através dos drivers, um banco de dados TerraLib pode ser criado em diferentes tipos de SGBDs, comerciais ou livres, com ou sem extensão espacial. Os SGBDs suportados pela biblioteca são: PortgreSQL, PostGIS, MySQL, Oracle, Oracle Spatial, SQL Server e Microsoft Access SPRING - Exemplo de aplicação SIG O nome SPRING é um acrônimo de "Sistema de Processamento de Informações Georeferenciadas, e foi desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE com funções para processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno, edição, importação, exportação e consultas a um banco de dados geográficos. É distribuído como software livre para os sistemas operacionais Linux e Windows (GeoBRASIL, 2006). O SPRING foi desenvolvido seguindo a arquitetura dual.portanto, em um banco SPRING o dado geográfico é armazenado separadamente, sua componente espacial em arquivos no formato ASCII-SPRING e sua componente descritiva em SGBDs. Os SGBDs suportados pelo SPRING são: Access, MySQL e Oracle. No formato ASCII-SPRING, cada tipo de entidade (pontos, linhas, linhas 3D, etc) é armazenado em um arquivo diferente, refletindo o modelo conceitual do SPRING (GeoBRASIL, 2006). A Figura 9 demonstra a associação entre os componentes no SPRING: 29

31 Figura 9 - Associação entre as componentes espaciais e descritivas no SPRING Considerações Finais Foram abordados conceitos de tecnologias para tratamento de informações geográficas: Banco de Dados Geográfico, SIG e Georreferenciamento. No próximo capítulo serão abordados conceitos de Web Service para o entendimento do sistema. 30

32 3. Web Service O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de Web Service. O capítulo está dividido em sessões que descrevem o conceito, sua arquitetura, utilização e vantagens e desvantagens do Web Service Conceito de Web Service Web Services são softwares que oferecem serviços a aplicações remotas, denominadas consumidoras, utilizando a internet como canal de comunicação. Com base na definição do W3C (Word Wide Web Consortium), Web Services são aplicações auto contidas, que possuem Interface baseadas em XML e que descrevem uma coleção de operações acessíveis através de rede, independentemente da tecnologia usada na implementação do serviço (W3C, 2006, p. on line). O Web service possui uma interface que através de protocolos padrões de internet disponibiliza várias operações pela da rede, através da troca de mensagens. A interface do Web Service encapsula os detalhes da implementação do serviço, possibilitando assim que este serviço seja utilizado de forma independente da plataforma na qual foi desenvolvido. Assim, a funcionalidade dos serviços pode ser reutilizada sem que haja preocupação com a implementação. A arquitetura dos Web Services é baseada na interação de três componentes: Provedor de Serviços, Consumidor de Serviços e Registro dos Serviços. A interação destes personagens envolve as operações de publicação, consulta e ligação (KREGER, 2001). Aplicações consumidoras e Web Services podem ser desenvolvidos em diferentes plataformas, utilizando diferentes linguagens de programação, pois utiliza padrões: XML (Extensible Markup Language), SOAP (Simple Object Access Protocol), HTTP, WSDL (Web Service Description Language), UDDI (Universal Description Discovery and Integration). 31

33 O XML usa atributos e nomes de tags descritivos para descrever o conteúdo de um documento e para exibi-lo em um navegador Web, é necessário que haja uma folha de estilo para transformá-lo em HTML. XML é, portanto, crucial para os Web services, pois é a base para a troca de informações. Figura 10 - Web Service Funcionamento Na arquitetura de um Web Service, como ilustra a Figura 10, o Fornecedor realiza a implementação e a instalação dos componentes necessários a execução do Web Service; o Cliente é o responsável pela aplicação capaz de interagir com o Web Service, através da troca de mensagens SOAP, assim é o cliente o responsável por se conectar ao serviço, enviar as mensagens SOAP e receber os dados vindos do Web Service; o responsável pelas Informações sobre os Serviços é um mecanismo baseado em padrões que permite a 32

34 classificação, catalogação e o gerenciamento do Web Service, para que ele possa ser localizado e utilizado por outros sistemas Arquitetura A arquitetura de um Web Service inclui tecnologias capazes de: trocar mensagens, descrever Web Services, publicar e descobrir descrições Web Services. Permite que a integração de sistemas seja realizada de maneira padronizada. Já que é preciso organização num cenário cercado por uma grande variedade de diferentes aplicativos, fornecedores e plataformas. Na arquitetura, a descrição de um serviço cobre todos os detalhes necessários para que haja interação entre os serviços, incluindo o formato das mensagens, protocolos de transporte e localização (Oliveira, 2006). Figura 11 - Papéis e operações dos componentes da arquitetura Web Services 33

35 A arquitetura de Web Services apresentado na Figura 11 está baseada nas interaçõe s entre um Provedor de Serviço para disponibilizar um serviço, um Solicitante de Serviço que faz uso do serviço e um Registro de Serviço onde os provedores publicam as descrições dos serviços. Ela é composta pelos seguintes elementos: a) WSDL (Web Services Description Language) para descrever os serviços; b) SOAP (Simple Object Access Protocol) utilizado para publicar, localizar e invocar um Web Services em um registro; c) UDDI (Universal Description, Discovery and Integration), um registro que é acessado por clientes para localizar os serviços de que necessitem WSDL Web Services Description Language é um documento escrito em XML que além de descrever o serviço, especifica como acessá-lo e quais as operações ou métodos disponíveis; ele define parâmetros, tipos de retorno e assinatura do serviço XML O XML define as regras para marcação de um documento, o fechamento apropriado de tags, a distinção entre maiúsculas e minúsculas, o aninhamento correto de elementos, etc. O documento XML funciona juntamente com uma série de tecnologias que permitem que programadores manipulem documentos XML acompanhando cada especificação. Essas tecnologias incluem a imposição da estrutura do documento, como o DTD (Document Type Definition) e o XML Schema; recuperação de dados como o Xpath (XML Path), DOM (Document Object Model) e SAX (Simple API for XML); transformação de documentos como o XSLT (Extensible Stylesheet Language Transformation). O XML é ideal para comunicação entre redes heterogêneas porque suas propriedades baseadas em texto tornam-o independente de plataformas 34

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 3 ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Gilberto Câmara Gilberto Ribeiro de Queiroz 3.1 DESCRIÇÃO GERAL O termo Sistemas de Informação Geográfica (SIG) é aplicado para sistemas que realizam

Leia mais

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública Alan Peixoto Medeiros Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008 Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento Lúbia Vinhas 13/05/2008 Desejo saber estatísticas sobre áreas queimadas. Desejo fazer análises por localização, por classes de uso ou ainda por seleção

Leia mais

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 Plataforma TerraLib Lúbia Vinhas E.F.Castejon, K.R.Ferreira, J.P.Garrido, L.T.Hara, A.M.V.Monteiro, M.Motta, G.Ribeiro EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 DPI Divisão de Processamento de Imagens

Leia mais

Geoprocessamento e Padrões OGC

Geoprocessamento e Padrões OGC Geoprocessamento e Padrões OGC Martin Pereira 36 slides Agenda Geoprocessamento Definição Histórico SIG OGC Definição Importância Histórico Padrões Slide 2 de 36 Geoprocessamento Definição Disciplina do

Leia mais

Apresentação. Maio de 2014

Apresentação. Maio de 2014 Apresentação Maio de 2014 Desafios para a disponibilização da geoinformação para o Monitoramento Ambiental Moderno Case: Ibama Objeto Auxiliar a promoção de um Monitoramento Ambiental Moderno apoiado por

Leia mais

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE MARCOS LEÃO 1, DAVID PRATA 2 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação; Campus de Palmas; e-mail: leão@uft.edu.br PIBIC/UFT

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção Defesa Civil Do Paraná Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção 2º Subgrupamento de Bombeiros/4ºGB Toledo PR 6 de agosto de 2013 1 Conceitos Fogo COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR Incêndio: Fogo

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG

Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG Henrique de Oliveira Graduando em Sistemas de Informação Fernando Roberto Proença Mestre em Ciência

Leia mais