UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RANIERI ALVES DOS SANTOS T-LEARNING: UM AMBIENTE DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADO NA TV DIGITAL INTERATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RANIERI ALVES DOS SANTOS T-LEARNING: UM AMBIENTE DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADO NA TV DIGITAL INTERATIVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RANIERI ALVES DOS SANTOS T-LEARNING: UM AMBIENTE DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADO NA TV DIGITAL INTERATIVA Tubarão 2009

2 RANIERI ALVES DOS SANTOS T-LEARNING: UM AMBIENTE DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADO NA TV DIGITAL INTERATIVA Monografia de projeto de conclusão de curso apresentada à disciplina Projeto de Conclusão em Sistemas de Informação II, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Dr. Rafael Ávila Faraco Tubarão 2009

3 RANIERI ALVES DOS SANTOS T-LEARNING: UM AMBIENTE DE ENSINO A DISTÂNCIA BASEADO NA TV DIGITAL INTERATIVA Esta Monografia foi julgada adequada à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação e aprovado em sua forma final pelo Curso de Sistemas de Informação, da Universidade do Sul de Santa Catarina. Tubarão, Junho de Adriana Salvador Zanini Prof. Examinador Eder Cachoeira, Esp. Prof. Examinador Márcia Cargnin Martins Giraldi, M.Sc Prof. Examinador

4 Dedico este trabalho a todos os colegas e professores envolvidos nos anos da minha graduação, que ajudaram a transformá-los nos melhores de minha vida, à minha namorada que sempre esteve ao meu lado, e à minha família, que viabilizou em todos os sentidos a realização deste sonho.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pelo dom da vida, e por tudo que tem me proporcionado ao longo destes anos. Aos colegas, professores e funcionários do curso de Sistemas de Informação da UNISUL por terem fornecido uma experiência única em todos estes anos, auxiliando em muito para o meu crescimento profissional. Agradeço ao professor Rafael Ávila Faraco, meu orientador e coordenador do curso, grande incentivador e peça fundamental para qualidade deste trabalho por estar sempre disposto em colaborar. Ao professor Luiz Alfredo Soares Garcindo, pela experiência fornecida em favor dos projetos de conclusão de seus alunos. Às instituições em que fiz estágio, UNISUL, SENAI e Agênciadigital por colaborarem em muito no meu desenvolvimento pessoal e profissional, colaborando de certo com este trabalho, por auxiliarem em minha formação. Aos colegas de trabalho do Pólo de Desenvolvimento do SENAI de Tubarão e os ex-colegas da Branet Tecnologia por me ajudarem no momento crucial deste projeto.

6 Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino. A educação necessita tanto de formação técnica e científica como de sonhos e utopias. (Paulo Freire)

7 RESUMO Diante das atuais taxas de analfabetismo social e digital, e do grande abismo que divide os indivíduos que tem acesso à informação e os que não tem, é necessária a adoção de políticas inclusivas para solucionar tais fatos. Tendo em vista que apenas uma mínima porcentagem do país possui acesso a internet, e que quase que a totalidade da mesma possui televisão, o governo brasileiro instituiu um sistema de televisão digital gratuito. Para utilizar tal sistema este projeto propôs a utilização da modalidade de ensino a distância para atingir a todos com informação. Este trabalho abordou uma pesquisa, modelagem, desenvolvimento e avaliação de um modelo de ensino a distância interativo, baseado em mídias emergentes, como a TV digital e a web, implementado um protótipo onde o professor em sua interface web gerencia suas aulas veiculadas na TV digital ao seus alunos. Palavras-chave: Inclusão Digital, TV Digital Interativa, Ensino à Distância

8 ABSTRACT According to current rates of social and digital illiteracy, and the big chasm that divides those who have and those who have not access to information, needed is the adoption of inclusive policies to solve these facts. Due to the fact that only a small percentage of the country has internet access, and that almost all the same has TV, the Brazilian government instituted a system of free digital TV. To use this system this project proposed the use of means of distance education to attain all, with information. This job addressed a search, modeling, development and evaluation of a model of interactive distance education, based on emerging media such as the digital TV and the web, implemented a prototype where the teacher in their web interface manages their classes in digital TV broadcast to their students. Keywords: Digital Inclusion, Interactive Digital TV, Distance Learning

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Fórmula do soro caseiro... Figura 2: Funcionamento geral do projeto... Figura 3: Evolução da Televisão... Figura 4: Programa de TV Digital Interativa Americana... Figura 5: Transmissão e recepção digital... Figura 6: Divisão do som em surround... Figura 7: Cenário de Distribuição de Conteúdo... Figura 8: Diferentes modelos de set-top-box... Figura 9: Escolha de setor para Torcida Virtual... Figura 10: Escolha de cadeiras para Torcida Virtual... Figura 11: Veredito se o réu é culpado ou inocente... Figura 12: Escolha do jogo para loterias da caixa... Figura 13: Características EAD... Figura 14: Foto de uma Telessala corporativa... Figura 15: Ambiente Virtual de Aprendizagem da Unisul Virtual... Figura 16: Arquiteturas de EAD... Figura 17: Exemplo de uma estrutura de aplicação declarativa... Figura 18: Estrutura de navegação por contexto... Figura 19: Exemplo de código escrito em XHTML Transitional... Figura 20: Aplicação da Universidade de Stanford utilizando SMIL... Figura 21: Plataforma Java... Figura 22: Plataforma de Mídia Digital Java... Figura 23: Visão Geral do Sistema... Figura 24: Diagrama de casos de uso... Figura 25: Objetos do diagrama de seqüência... Figura 26: Diagrama de Seqüência Criar Aula... Figura 27: Diagrama de Seqüência Acompanhar Aluno... Figura 28: Diagrama de Seqüência Cadastrar Professor... Figura 29: Diagrama de Seqüência Cadastrar Aluno... Figura 30: Diagrama de Seqüência Assistir Aula... Figura 31: Diagrama de Seqüência Realizar Atividade

10 Figura 32: Diagrama de Seqüência Cadastrar Aluno... Figura 33: Diagrama de Domínio... Figura 34: Modelo de dados Conceitual... Figura 35: Esquema geral do modelo... Figura 36: Diagrama de pacotes... Figura 37: Diagrama de atividades... Figura 38: Diagrama de classes do pacote DAO... Figura 39: Diagrama de Entidade-relacionamento... Figura 40: Diagrama de classes do modelo... Figura 41: Camada de visão do sistema web... Figura 42: Camada de visão do sistema em TV digital... Figura 43: Diagrama de classes do controller web... Figura 44: Diagrama de classes do controle de TV Digital... Figura 45: Diagrama de Robustez Realização Criar aula e Cadastrar aula... Figura 46: Interface Realização Criar aula e Cadastrar aula 1... Figura 47: Interface Realização Criar aula e Cadastrar aula 2... Figura 48: Interface Realização Criar aula e Cadastrar aula 3... Figura 49: Diagrama de Robustez Realização Acompanhar Aluno... Figura 50: Interface Realização Acompanhar Aluno 1... Figura 51: Interface Realização Acompanhar Aluno 2... Figura 52: Diagrama de robustez Realização Cadastrar Professor... Figura 53: Interface Realização Cadastrar Professor... Figura 54: Diagrama de Robustez Realização Cadastrar Aluno... Figura 55: Interface Realização Cadastrar Aluno... Figura 56: Diagrama de Robustez Realização Assistir Aula... Figura 57: Interface Realização Assistir Aula 1... Figura 58: Interface Realização Assistir Aula 2... Figura 59: Diagrama de Robustez Realização Realizar Atividade... Figura 60: Interface Realização Realizar Atividade 1... Figura 61: Interface Realização Realizar Atividade 2... Figura 62: Tela do XleTView... Figura 63: Controle remoto utilizado no protótipo... Figura 64: Interface do sistema web

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Cenário atual... Gráfico 2: Estatística de buscas pelo termo EAD no site Google de 2004 a agosto de Gráfico 3: Evolução das buscas no decorrer do trabalho... Gráfico 4: Cronograma de implantação do sinal digital no Brasil... Gráfico 5: Linha do tempo comparativa das gerações de EAD

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Vantagens da TV digital... Quadro 2: Tabela de Permissões... Quadro 3RF1 Autenticar no sistema... Quadro 4 RF2 Criar e manter aula... Quadro 5 RF3 Criar e manter conteúdo... Quadro 6 RF4 Adicionar mídia... Quadro 7 RF5 Gerar aula completa... Quadro 8 RF6 Cadastrar testes... Quadro 9 RF7 Criar mensagem... Quadro 10: RF8 Enviar mensagens... Quadro 11: RF9 Fornecer acesso a aula... Quadro 12: RF10 Fornecer acesso aos testes... Quadro 13: RF11 Cadastrar usuários... Quadro 14: Caso de Uso Criar aula... Quadro 15: Caso de Uso Acompanhar Aluno... Quadro 16: Caso de Uso Cadastrar Professor... Quadro 17: Caso de Uso Cadastrar aluno... Quadro 18: Caso de Uso Assistir aula... Quadro 19: Caso de Uso Realizar Atividade... Quadro 20: Caso de Uso Cadastrar aula

13 LISTA DE SIGLAS ACATS - Adivisory Commitee on Advanced Television ATSC - Advanced Television Systems Committee BBC - British Broadcasting Corporation CGI - Comitê Gestor da Internet DAO - Data Access Object DiBEG - Digital Broadcasting Experts Group DVB - Digital Video Broadcasting EAD - Ensino a Distância FDD - Feature Driven Development ISDB - Integrated Services Digital Broadcasting PLC - Power Line Communication UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina UML - Unified Modeling Language USB - Universal Serial Bus USP - Universidade de São Paulo SBTVD - Sistema Brasileiro de Televisão Digital

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA ABRANGÊNCIA METODOLOGIA... 2 TELEVISÃO DIGITAL HISTÓRICO PADRÕES ATSC - Advanced Television Systems Committee DVB ISDB SBTVD CARACTERÍSTICAS DA TV DIGITAL Qualidade Mobilidade Interatividade FUNCIONAMENTO DA TV DIGITAL APLICAÇÕES DE TV DIGITAL CONSIDERAÇÕES FINAIS... 3 ENSINO A DISTÂNCIA HISTÓRICO Ensino a Distância No Mundo Ensino a Distância No Brasil GERAÇÕES DO ENSINO A DISTÂNCIA Visão de Taylor Visão de Moore e Kearsley Síntese das Visões MODALIDADES DE ENSINO A DISTÂNCIA Educação por Correspondência

15 3.3.2 Teleducação E-learning T-learning ARQUITETURAS DE ENSINO A DISTÂNCIA CONSIDERAÇÕES FINAIS... 4 PLATAFORMAS DE DESENVOLVIMENTO PARA TV DIGITAL DECLARATIVAS Linguagens NCL - Nested Context Language XHTML extensibile Hipertext Markup Language SMIL - Synchronized Multimedia Integration Language PROCEDURAIS Java Java TV API CONSIDERAÇÕES FINAIS... 5 MODELO PROPOSTO VISÃO GERAL DO SISTEMA MODELO LÓGICO Análise de Requisitos Casos de Uso Expansão dos Casos de Uso Criar Aula Acompanhar Aluno Cadastrar Professor Cadastrar Aluno Assistir Aula Realizar Atividade Cadastrar Aula Modelo de Domínio Modelo de Dados Conceitual MODELO FÍSICO Camada de Acesso aos Dados Camadas da Aplicação

16 Camada de Modelo Camada de Visão Interface Web Interface TV Digital Camada de Controle Realização dos Casos de Uso Realização Criar aula e Cadastrar aula Realização Acompanhar Aluno Realização Cadastrar Professor Realização Cadastrar aluno Realização Assistir aula Realização Realizar Atividade IMPLEMENTAÇÃO DO PROTÓTIPO CONSIDERAÇÕES FINAIS... 6 CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS... REFERÊNCIAS

17 1 INTRODUÇÃO Entre os grandes problemas sociais da atualidade um dos mais expressivos é a exclusão digital. Um indivíduo que não possui aptidões suficientes para realizar operações básicas em um computador e na internet, ou simplesmente não tem acesso às tecnologias acaba perdendo diversas oportunidades, a principal delas: o acesso à informação. Hoje em dia a informação tornou-se mais importante do que o próprio capital, pois dela depende o conhecimento, e sem conhecimento a vida das pessoas tende a não evoluir. E com a fusão dos mercados de mídias com o mercado das tecnologias da informação e comunicação, acelerada pela substituição dos componentes de aparelhos analógicos por digitais, resultou no que chamamos de convergência digital, que coloca o acesso às informações a apenas poucos cliques de distância. Com a disseminação da convergência digital formaram-se dois mundos, e um abismo que os divide: o acesso à informação. Um grupo é formado pelas pessoas que tem o acesso a toda essa tecnologia e um outro muito maior formado pelas que continuam sem o acesso às informações devido estarem à margem de todas essas tecnologias. Cenário Atual Lares com internet Lares com computador Lares com televisão 0% 20% 40% 60% 80% 100% Gráfico 1: Cenário atual Fonte: (CGI.br, 2008) 15

18 A realidade brasileira é bastante crítica pois menos de 28% das pessoas possuem computador, e 20% acesso à internet, mas em contraponto temos o fato de que 98% dos lares possuem pelo menos um aparelho televisor (CGI.br, 2008) como podemos observar no gráfico 1. Considerando este fato o governo brasileiro resolveu investir nesta área, e apostar no seu desenvolvimento provendo a inclusão da TV Digital aberta nos lares brasileiros. Os estudos sobre a adoção do padrão de veiculação da TV Digital no país reuniram diversos pesquisadores de inúmeras instituições do Brasil, que resultou no desenvolvimento de um padrão próprio, e em uma grande ênfase na funcionalidade mais interessante deste novo modelo de televisão: a interatividade. Novidade que irá revolucionar o nosso modo de assistir à televisão pois o telespectador agora passa a ter papel ativo na programação pois poderá intervir diretamente no que assiste, interagindo e colaborando diretamente com a programação veiculada. Com vistas a todas essas funcionalidades o governo pretende prover o acesso à TV Digital Interativa em todos os lares brasileiros, bastando aos telespectadores apenas adquirirem um aparelho específico para a recepção do sinal digital chamado set-top-box, que está em estágio de negociação com os fabricantes para fornecer preços mais acessíveis à todas as comunidades. Possuindo um aparelho televisor equipado com o set-top-box o telespectador terá em seu lar uma espécie de computador com recursos um pouco mais limitados, mas com acesso ilimitado a uma vasta rede mundial de informações ao alcance do seu controle remoto. Neste trabalho pretende-se atingir este alvo, proporcionando o acesso à informação por meio da televisão digital interativa. 1.1 OBJETIVO GERAL Desenvolver um ambiente de ensino à distância para a TV digital interativa 1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 16

19 Estudar a área de arquitetura e ferramentas destinadas ao desenvolvimento de aplicações interativas para a TV digital. Construir um modelo de ensino a distância baseado na TV digital. Criar um sistema de geração de conteúdos. Desenvolver o cliente para aplicações na TV Digital. Teste e avaliação do protótipo desenvolvido 1.3 JUSTIFICATIVA Com a rápida disseminação da informação por meio da tecnologia, muito do conhecimento adquirido deve-se aos meios criados com ela, pois tem auxiliando em muito na qualidade de vida das pessoas em diversos aspectos, por exemplo no aspecto saúde. Um grande exemplo disso é o soro caseiro, de acordo com Arns¹ em entrevista concedida a Becker², esta simples receita com um copo de água, duas colheres de açucar, e uma de sal veiculada na televisão pela pastoral da saúde salvou inúmeras vidas, mas por falta de acesso a esse meio várias outras vidas pereceram. Figura 1: Fórmula do soro caseiro Fonte: (THALAMUS, 2009) No aspecto educação temos como exemplo o Telecurso 2000 da Fundação Roberto Marinho, que em 2006 já tinha mais de 20 mil tele-salas, e atendia mais de 2 milhões de pessoas em todo o país (SANTONIERI, 2006). 17

20 Mas a pesquisa anual realizada pelo CGI (Comitê Gestor da Internet) sobre o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação no Brasil expõe um outro problema com relação a falta de acesso à informação (2007, p.117): 95% das companhias brasileiras com 10 ou mais funcionários possui computador. O percentual de posse do equipamento varia de acordo com o porte da empresa, sendo que o computador está presente em 94% das empresas com entre 10 e 49 funcionários, e em 100% das organizações com mais de 50 empregados. A incapacidade de operar um computador quando necessário acarreta também na dificuldade em alcançar oportunidades de emprego por parte dos incapacitados, e gera toda uma cadeia de problemas sociais. Com isso é possível observar a real importância do acesso à informação, e a necessidade de termos cada vez mais políticas de inclusão digital. E é justamente este o objetivo do sistema brasileiro de televisão digital de acordo com o Artigo 1º do Decreto 4.901(2003): Fica instituído o Sistema Brasileiro de Televisão Digital SBTVD, que tem por finalidade alcançar, entre outros, os seguintes objetivos: l) promover a inclusão social, a diversidade cultural do país e a língua pátria por meio ao acesso à tecnologia digital, visando a democratização da informação [...]Artigo 1º do Decreto (2003). E para prover inclusão digital por meio da TV digital interativa uma grande alternativa é fornecer acesso a aplicações de ensino a distância (EAD), modalidade de ensino que vem está em constante ascensão. O gráfico 2 apresenta a porcentagem de pesquisas pelo termo EAD na ferramenta de buscas Google Insight³ de janeiro de 2004 até maio de 2009, onde é visível o fato de que neste espaço de tempo nunca ouve tanto interesse para com o termo quanto agora. ¹ Zilda Arns Neumann é fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa. Detentora de vários títulos por suas ações sociais e uma indicação para o Prêmio Nobel da Paz. ² Valdecir Becker é Doutorando em Engenharia Elétrica e pesquisador sobre TV Digital Interativa, é autor juntamente com Carlos Montez do livro TV Digital Interativa: conceitos, desafios e perspectivas para o Brasil, da editora UFSC. 3 Google Insight é uma ferramenta de comparação da quantidade de buscas efetuadas na ferramenta principal de buscas do Google. Que pode muito bem utilizada para verificar visualmente fenômenos temporais. 18

21 Gráfico 2: Estatística de buscas pelo termo EAD no site Google de 2004 à 2009 Fonte: Google Insight (2009). Durante o desenvolvimento desde trabalho a relevância do termo foi monitorada pela ferramenta, e é visível a sua oscilação no gráfico 3. No início do trabalho, em agosto, o termo já possuía relevância recorde na ferramenta, no mês seguinte houve uma considerável subida, seguida de uma estável acalmada até novembro. Em dezembro houve uma baixa maior devido ao período de férias, mas retornou à tona nos próximos meses, transformando o mês de maio no recorde da ferramenta. Evolução das buscas no decorrer do trabalho AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI Gráfico 3: Evolução das buscas no decorrer do trabalho Fonte: Google Insight (2009). Portanto é possível observar a grande relevância do termo EAD hoje em dia, a importância desta modalidade para a educação atual, e toda a sua 19

22 potencialidade na inclusão digital através da TV digital interativa e a real necessidade do desenvolvimento de aplicações para tal fim. 1.4 ABRANGÊNCIA O presente trabalho envolve estudos sobre televisão digital, ensino a distância e as ferramentas e técnicas necessárias para o desenvolvimento de um protótipo funcional de um ambiente de ensino a distância que abrange as funcionalidades expressas na figura 2: Figura 2: Funcionamento geral do projeto Fonte: Elaborado pelo autor (2008) O funcionamento basicamente compreende uma interface web onde o professor munido de um computador comum ligado à internet irá preparar a sua aula, apresentando os seus conteúdos. A aula será enviada ao canal de aplicações da emissora que por sua vez irá transmitir ao aparelho receptor de TV digital de um aluno previamente cadastrado quando requisitada pelo mesmo, que deverá possuir o cliente da aplicação instalado no receptor. Após assistir a toda a aula o aluno será 20

23 submetido a um teste de auto-avaliação para examinar os conhecimentos obtidos com o programa, que será enviado para o canal de aplicações e salvo no sistema. O professor acessando sua interface web poderá ver as respostas dos seus alunos e ter o feedback de como foi a sua aula. Deste modo será possível uma interação entre o professor e o aluno proporcionada pelo protótipo desenvolvido e o sistema de televisão digital. O desenvolvimento do protótipo se concentrará na construção dos dois módulos do ambiente: o módulo cliente e o módulo servidor. O módulo servidor terá uma interface web acessada pelo professor e pela administração do curso onde será possível: Controlar o acesso dos alunos aos seus respectivos cursos Criar os conteúdos dos módulos de suas aulas Desenvolver os testes de aprendizagem que serão exibidos ao final Disponibilizar arquivos de apoio relacionados ao conteúdo ministrado Receber as respostas dos testes de aprendizagem Receber e enviar mensagens de alunos Visualizar relatórios estatísticos com relação ao rendimento nos testes E no módulo cliente acessado pelo aluno e instalado no seu receptor será possível: Visualizar os conteúdos dos cursos no qual o aluno tem acesso Realizar os testes de aprendizagem propostos pelo professor Enviar e receber mensagens de professores 1.5 METODOLOGIA A realização deste trabalho foi dividida em seis etapas sequenciais, divididas do seguinte modo: 21

24 Pesquisa exploratória: Realizar um estudo bibliográfico sobre os seguintes assuntos: TV digital, ensino a distância, arquiteturas, ferramentas e linguagens de desenvolvimento. Com referencial baseado em artigos livros e periódicos da área. Definição de tecnologias: Escolher e aprofundar os estudos nas tecnologias destinadas ao desenvolvimento do protótipo. Modelagem do sistema: Desenvolver o modelo de funcionamento do protótipo destinado ao ensino a distância. Desenvolvimento do sistema: Implementar o protótipo. Testes do sistema: Testar o protótipo. Avaliação do sistema: Avaliar os resultados 22

25 2 TELEVISÃO DIGITAL A TV como qualquer outro veículo de comunicação, é submetida a um constante aperfeiçoamento, já passou por várias fases e transições, e estamos passando pela mais crucial delas. Montez e Becker (2005, p.22) comentam: Desde o primeiro canal de TV, a BBC de Londres, fundada em 1936, a televisão já passou por várias mudanças. Além da cor, que deixou muito mais atraente ainda na década de 1950, também aumentou o número de canais, originando as primeiras escolhas ao telespectador. Com a TV digital as escolhas serão muito maiores, e as opções serão muitas, o usuário não irá apenas controlar os canais e o volume, vai estar no centro da cadeia televisiva, intervindo diretamente no que assiste. (BATISTA, 2006). Neste capítulo serão abordados os padrões dos sistemas de televisão digital utilizados atualmente, o histórico das gerações de televisão, as características e vantagens da TV digital frente à analógica e o funcionamento geral de um sistema de TV digital interativa. 2.1 HISTÓRICO A televisão no Brasil já passou por algumas gerações até o momento, ao chegar no Brasil trazida por Assis Chateaubriant por volta de 1950, a televisão era algo de luxo, poucos a possuíam, e era apenas cores preto e branco, com transmissão analógica. Com o passar do tempo a tecnologia especial avançou bastante, proporcionando a utilização de satélites para a transmissão do sinal terrestre de televisão, e em 1969 a Rede Globo de Televisão apresenta a chegada do homem à lua já com sinal via satélite. Após isto ocorreu a maior inovação da categoria até então: a recepção do sinal a cores, com isto a televisão se popularizou ainda mais (TV GLOBO DIGITAL, 2008). Mas nenhuma destas evoluções se compara a que estamos presenciando, onde o sinal passa a ser transmitido em formato digital, possibilitando a característica mais interessante de todas: a interatividade. 23

26 A figura 3 mostra a linha do tempo da evolução da televisão no Brasil: Figura 3: Evolução da Televisão Fonte: (TV GLOBO DIGITAL, 2008) Os sistemas de TV digital no mundo tiveram seus estudos iniciados em 1987 nos Estados Unidos, com o intuito de desenvolver novos conceitos para o serviço de televisão. Então foi criado o comitê ACATS (Adivisory Commitee on Advanced Television) (FERNANDES et al., 2004) que desenvolveu o primeiro sistema televisivo totalmente digital. No Brasil começou em 1999 o processo de avaliação técnica e econômica para a tomada de decisão sobre os padrões a serem adotados para a transmissão de televisão digital. Foi escolhido o CPqD para a prestação destes serviços devido ao elevado domínio técnico das tecnologias de compressão digital de áudio e vídeo. Em 2002 foi fundado o comitê do SBTVD, responsável pelos estudos que definiriam o padrão a ser adotado no país. Após estudos conduzidos juntamente com universidades e emissoras de televisão, o sistema foi apresentado no dia 13 de novembro de 2005 pelo Ministério das Comunicações. Após o período de estudos foram desenvolvidos os padrões que hoje permitem ao SBTVD a transmissão de conteúdo de altíssima qualidade para os telespectadores, possibilitando ao mesmo tempo a recepção móvel e portátil dos sinais de TV digital, nos mais diversos tipos de dispositivos, como celulares, minitelevisores, notebooks. Todos os estudos e implementações são sem custos ao telespectador, pois a TV digital no Brasil é aberta, livre e gratuito. O início das transmissões do SBTVD ocorreu no dia 02 de dezembro de 2007, em São Paulo. Depois foi a vez de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Goiânia, logo após as outras capitais e algumas outras cidades. Até a data de término deste trabalho as cidades com sinal de televisão digital no país eram as seguintes: São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Campinas (SP), Cuiabá (MT), Salvador (BA), Florianópolis (SC), Vitória (ES), Uberlândia (MG), São José do Rio Preto (SP), Teresina (PI), Santos 24

27 (SP) Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Fortaleza (CE). O gráfico 4 apresenta o cronograma de implantação de TV digital no país, esse cronograma, entretanto, não é tão rígido como foi o lançamento em São Paulo. Dessa forma, o início das transmissões em outras cidades está a cargo de cada uma das emissoras. Algumas emissoras já operam em sinal digital em algumas cidades, e outras estão se adequando aos padrões. Enquanto isso a TV analógica continuará funcionando por aproximadamente 10 anos, após isso todas as cidades já terão sinal digital, e todo o país usufruirá destes benefícios. (DTV, 2008). O gráfico 4 apresenta o cronograma oficial de implantação do sinal digital para sistema brasileiro de televisão digital no país: Gráfico 4: Cronograma de implantação do sinal digital no Brasil Fonte: (DTV, 2008) 2.2 PADRÕES Um sistema de televisão digital é composto por diversos dispositivos de hardware e software, oriundos de diversas marcas e fabricantes, com acessórios e vantagens distintos, por isso para haver uma consonância no sistema é necessária a adoção de padrões que regulamentem as operações do sistema de televisão digital. Por ser um assunto de suma importância para a TV digital, diversos órgãos se uniram para criar e regulamentar e especificar seus padrões (FERNANDES, et al. 25

28 2004). No momento existem três padrões mundiais de sistemas de televisão digital interativa conhecidos: o DVB-T da Europa, o ATSC dos Estados Unidos, o ISDB japonês e o SBTVD do Brasil. Cada um destes padrões adota especificações diferentes de sinal, modulação de dados, codificação e qualidade ATSC Advanced Television Systems Committee O Advanced Television Systems Committee (ATSC) é um comitê americano criado em 1982 composto por aproximadamente 170 membros que visavam regulamentar os padrões de televisão digital. Os padrões ATSC são utilizados desde 1998, inicialmente nos Estados Unidos, e posteriormente adotado pelo Canadá, Coréia do Sul e Argentina (ATSC, 2008). O ATSC tem taxa de transmissão de 19,8 Mbps e apresenta alguns problemas na recepção por antenas internas e não permite a recepção móvel (MONTEZ; BECKER, 2005). Figura 4: Programa de TV Digital Interativa Americana Fonte: (DTV, 2009) 26

29 2.2.2 DVB Digital Vídeo Broadcasting O Digital Video Broadcasting (DVB) é o padrão europeu criado por um consórcio composto por mais de 300 membros em setembro de 1993, que eram fabricantes de equipamentos, operadoras de redes, desenvolvedores de software, e emissoras de mais de 35 países, com o objetivo de especificar padrões mundiais para sistemas de televisão digital interativa, como a transmissão de sinal e os serviços de dados associados (DVB, 2008). Na realidade o DVB nada mais é do que um conjunto de documentos que definem os padrões de transmissão (MONTEZ; BECKER, 2005). Os documentos mais conhecidos são: o DVB-T que regulamenta a radiodifusão, o DVB-C responsável pela transmissão por cabo, o DVB-S sobre difusão via satélite, e o DVB- MHP que regulamenta o padrão de middleware. Para modulação dos dados o DVB utiliza o protocolo COFDM, que fornece uma taxa de transmissão que varia entre 5 e 31,7 Mbps (FERNANDES et al, 2004) ISDB - Integrated Services Digital Broadcasting O ISDB foi um padrão especificado em 1999 pelo grupo japonês DiBEG (Digital Broadcasting Experts Group), composto por diversas empresas e operadoras de televisão. O DiBEG tinha por objetivo promover e especificar o sistema de difusão terrestre de televisão digital no Japão (DIBEG, 2008). As taxas de transferência de dados do ISDB variam entre 3,65 à 23,23 Mbps, as suas grandes vantagens são a flexibilidade de operação e o potencial para transmissões móveis e portáteis, contudo a transmissão móvel é um serviço tarifado aos telespectadores interessados em assistir à TV digital com mobilidade (FERNANDES et al., 2004). 27

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, Av. Ussiel Cirilo, 225 São Paulo Resumo A TV é um importante

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL Ranieri Alves dos Santos 1 Vitor Freitas Santos 2 Marcos Paes Peters 3 Resumo: O presente trabalho apresenta uma abordagem interativa

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

INTERATIVIDADE EM TV DIGITAL E CRIAÇÃO DE APLICAÇÕES INTERATIVAS: RELATO DO PROJETO T-AUTOR E SUA APLICABILIDADE PARA A ÁREA EDUCACIONAL

INTERATIVIDADE EM TV DIGITAL E CRIAÇÃO DE APLICAÇÕES INTERATIVAS: RELATO DO PROJETO T-AUTOR E SUA APLICABILIDADE PARA A ÁREA EDUCACIONAL INTERATIVIDADE EM TV DIGITAL E CRIAÇÃO DE APLICAÇÕES INTERATIVAS: RELATO DO PROJETO T-AUTOR E SUA APLICABILIDADE PARA A ÁREA EDUCACIONAL Márcio Carneiro dos Santos 1 Resumo: O presente artigo descreve

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 RESUMO: A televisão é uma das principais fontes de informação, entretenimento e cultura. A

Leia mais

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Felipe S. PEREIRA 1, Danielle COSTA 2 1 aluno do curso de Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época.

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época. Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação), por vezes designada erradamente por ensino à distância, é a modalidade de ensino que permite que o aprendiz não esteja fisicamente presente em

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE Bauru, 05/2011 Valquiria Santos Segurado UNESP - valquiria.segurado@mstech.com.br Profª Drª Vânia Cristina Pires Nogueira

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Objetivo Apresentar os conceitos básicos para o desenvolvimento de sistemas para TV Digital.

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense.

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense. Padrões de Middleware para TV Digital Este tutorial apresenta o conceito de middleware para TV Digital, os atuais padrões de mercado e uma comparação entre eles, em termos de funcionalidades disponibilizadas.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital

Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital Flávia P. dos Santos, Cauane Blumenberg, Christian Brackmann, Paulo R. G. Luzzardi Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPEL) Rua Félix

Leia mais

Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD.

Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD. Educação televisiva: possibilidades do uso do SBTVD em EAD. Moacyr VEZZANI NETO 1 Elias Estevão GOULART 2 Resumo A televisão tem sido o principal meio de comunicação em massa no Brasil e possui alta inserção

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho discute os tipos de Middleware usados

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004

CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004 CHAMADA PÚBLICA MC/MCT/FINEP/FUNTTEL - 01/2004 QUALIFICAÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE APOIO A PROJETOS NO ÂMBITO DO SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL 1. OBJETIVO O GRUPO GESTOR

Leia mais

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL Fernanda Paulinelli Rodrigues Silva 1 Thiago José Marques Moura 1 Alice Helena de Sousa Santos 1 Marília de Barros Ribeiro 1 Guido Lemos de

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Felipe Martins de Lima Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Consulta.net Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Pequenas e médias agências de publicidade podem ter acesso a dados e relatórios de audiência de TV por meio do Consulta.net,

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Adriano Simioni, Valter Roesler Departamento de Informática Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos,

Leia mais

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital 1 Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital Eduardo Barrére Universidade Federal de Juiz de Fora eduardo.barrere@ice.ufjf.br Paula Marin Leite Universidade Federal de

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL Walkyria M. Leitão Tavares Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2001

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM Edivan Claudino Soares da Silva RESUMO O presente trabalho é fruto de uma adaptação do seminário de uma disciplina do Mestrado em Educação Brasileira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Sávio Luiz de Oliveira Almeida 1, Frederico Coelho 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil 2 Departamento de Ciência

Leia mais

O Modelo DX sumário executivo

O Modelo DX sumário executivo White Paper O Modelo DX sumário executivo INTRODUÇÃO 2 O MODELO BROADCAST 3 MODELO TRADICIONAL DE BROADCAST 3 O MODELO DX 4 NOVOS MODELOS DE RECEITA 5 O MODELO DX PARA TELAS COLETIVAS 6 1 www.dx.tv.br

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Tecnologia Broadcast ao serviço da educação

Tecnologia Broadcast ao serviço da educação reportagem Universidades Tecnologia Broadcast ao serviço da educação A Anhanguera Educacional conta com cerca de 40 estúdios de televisão com sinais via satélite para transmitir aulas a distancia para

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO

AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 21 2/2009 ISSN 1517-8471 Páginas 84 à 91. AS FERRAMENTAS DO ENSINO A DISTÂNCIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EFICÁCIA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DO ALUNO Marina Hideko

Leia mais

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital 2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital Neste capítulo, serão abordados os aspectos principais da tecnologia digital e suas conseqüências em termos de mercado consumidor (telespectadores).

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007

TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007 TV Digital e o lugar da Paraíba nessa revolução 03/06/2007 Deisy Fernanda Feitosa Kellyanne Alves Carlos Eduardo Batista* Este artigo é um breve estudo sobre o desenvolvimento e a implantação dos sistemas

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Municípios já podem realizar revisão cadastral dos beneficiários do PBF de 2010

Municípios já podem realizar revisão cadastral dos beneficiários do PBF de 2010 Nº 205 28 de janeiro de 2010 Municípios já podem realizar revisão cadastral dos beneficiários do PBF de 2010 Lista dos beneficiários que devem ter o cadastro atualizado já está disponível na Central de

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema Felipe Stutz de Matos, Wilhelm Santanna Julião, Neide Santos Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011.

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Sobre o Palestrante Tecnólogo em Sistemas para Internet. Pós-graduando MBA em Gestão de

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box

Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box Este tutorial apresenta detalhes de funcionamento de um Conversor de TV Digital Terrestre, também chamado de Set-top box ou terminal de acesso, incluindo

Leia mais

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa

Caso de sucesso. Impacto no Negócio. A Empresa Escola disponibiliza acesso wireless de qualidade para alunos, funcionários e visitantes, e contribui para um aprendizado cada vez mais dinâmico. Com o objetivo de aperfeiçoar a iniciativa BYOD (Bring

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA

INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA INTERAÇÃO: PILAR DA EAD CONTEMPORÂNEA Autor(a): Carmem Lúcia de Oliveira Marinho Coautor(es): Bernadete Cordeiro Moreira Pessanha Email: carmemmarinho@yahoo.com.br Introdução O ser humano é um ser social

Leia mais

QoSTVApp: Uma Aplicação Semântica para o SBTVD. Autores: Mailson S. Couto (IF Sertão) Vandeclécio L. Da Silva (UERN) Cláudia Ribeiro (UERN)

QoSTVApp: Uma Aplicação Semântica para o SBTVD. Autores: Mailson S. Couto (IF Sertão) Vandeclécio L. Da Silva (UERN) Cláudia Ribeiro (UERN) QoSTVApp: Uma Aplicação Semântica para o SBTVD Autores: Mailson S. Couto (IF Sertão) Vandeclécio L. Da Silva (UERN) Cláudia Ribeiro (UERN) Novembro, 2012 Roteiro 1) Introdução TV Digital 2) Qualidade de

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis.

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. M-Learning Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng. Fazion Sistemas mauro@fazion.com.br Unisul Virtual mauro.faccioni@unisul.br Novembro/2008 www.fazion.com.br

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Atualmente, não dá para falar em mídias digitais sem considerar o mobile. Se por um lado os acessos móveis ganham força,

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011.

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011. PANORAMA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO INTERATIVO NO MERCADO BRASILEIRO DE TELEVISÃO ABERTA EM 2011. Matheus Colen Fundação Armando Alvares Penteado, São Paulo, Brasil, matheus.cln@gmail.com Resumo: A interatividade

Leia mais

Tecnologias Interativas na Educacão. Dr. Renato M.E. Sabbatini Instituto Edumed Campinas, SP

Tecnologias Interativas na Educacão. Dr. Renato M.E. Sabbatini Instituto Edumed Campinas, SP Tecnologias Interativas na Educacão Dr. Renato M.E. Sabbatini Instituto Edumed Campinas, SP Prof.Dr. Renato M.E. Sabbatini Graduado e doutorado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL AULA: SUPORTE DIGITAL E RADIODIFUSÃO DIGITAL AULA II (PÁGINA 1) RADIODIFUSÃO DIGITAL Tecnologia que utiliza sinais digitais para transmitir informação através de ondas eletromagnéticas através da modulação

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização

Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização Autores: Elisabete Péres Queiroz de Paiva e Lays Batista Fitaroni Coordenação: Beatriz Stransky e Sílvia Dotta Introdução Neste texto iremos

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais