As estrelas formamse a partir da contração dos gases e poeiras existentes nas nuvens interestelares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "22-11-2015. As estrelas formamse a partir da contração dos gases e poeiras existentes nas nuvens interestelares"

Transcrição

1 A Via Láctea e a vida das estrelas 1.3- As estrelas e a sua evolução Pp. 24 a 29 Evolução estelar Nuvens interestelares Estrela Estrelas na sequência principal Gigante vermelha Nebulosa planetária Anã branca Supernova Estrela de neutrões Buraco negro Enxame de estrelas Atenção às Páginas do MANUAL Pg. 24 Entre as estrelas existem gases e poeiras Ciclo de uma estrela Constelação de Orionte Muitas vezes esses gases e poeiras formam grandes denominadas interestelares Nebulosa de Orionte Pg. 24 As estrelas formamse a partir da contração dos gases e poeiras existentes nas interestelares Por efeito dessa contração, a temperatura aumenta e, podem dar-se inicio a reações nucleares no interior da estrela em formação. Se as reações nucleares não chegarem a ter inicio forma-se uma anã castanha. Se as reações nucleares tiverem início forma-se uma estrela. 1

2 As famosas Pléiades (M45), na constelação de Touro, são um conjunto de estrelas muito jovens formadas a partir de uma nuvem interestelar. Estas estrelas ainda estão rodeadas por gases e poeiras. Quando as reações nucleares têm início forma-se uma estrela. Diz-se que a estrela entrou na fase de sequência principal. É na sequência principal que as estrelas permanecem a maior parte do tempo. A estrela começa a brilhar quando se iniciam as reações nucleares ABC Astronomia - Estrelas O Sol é uma estrela amarela e encontra-se na fase de sequência principal. Pg. 26 Na sequência principal: As estrelas de massa maior que a do Sol apresentam temperaturas elevadas estas estrelas são azuladas. As estrelas de massa menor que a do Sol apresentam temperaturas baixas estas estrelas são avermelhadas. As estrelas da sequência principal, após uma longa existência nesta fase, aumentam de tamanho, transformandose em estrelas que se designam por gigantes vermelhas. Pg. 26 Em resumo 2

3 As estrelas com menor massa acabam a sua evolução como anãs brancas envolvidas por uma nuvem de matéria chamada nebulosa planetária. Nas estrelas de maior massa, o núcleo colapsa numa violenta explosão designada por supernova Simulação Evolução das estrelas O núcleo da estrela, depois da explosão, contrai-se, girando cada vez mais rápido. Este núcleo, dependendo da sua massa, pode dar origem a dois objetos celestes diferentes: uma estrela de neutrões um buraco negro Estrela de neutrões rodeada por uma grande nuvem luminosa (de matéria expelida) Restos da estrela que se dispersam no espaço interestelar Pg. 28 Pg. 28 Pg. 28 Um buraco negro não é verdadeiramente um buraco mas, sim, um objeto extremamente denso A força de atração (gravitacional) exercida um buraco negro é tão intensa que nem a própria luz consegue escapar à sua influência Em resumo ABC astronomia Buracos negros Site do satélite Hubble Procurando buracos negros 3

4 As estrelas nascem nas nebulosas. Space School Sun As estrelas vivem de acordo com a sua massa. Vida e morte das estrelas As estrelas morrem mas não originam todas o mesmo. Nascimento Nebulosas (Nuvem de poeiras) Até 8 solares Mais de 8 solares Vida Período estável Período estável Parte final da vida Gigante Vermelha Supergigante Vermelha Anã branca e Nebulosa planetária Supernova Morte Estrela de Neutrões (Pulsar) Buraco Negro (Mais de 25 solares) massa temperatura brilho Menor tempo Pg. 28 Tal como as galáxias, as estrelas também podem aparecer agrupadas em enxames de estrelas Quasar Nebulosas Estrela Buraco negro Estrela de neutrões Objeto mais distante e mais luminoso que detetamos no céu com a ajuda de instrumentos. Nuvem de gás e poeiras a partir da qual se pode formar uma estrela. Corpo celeste luminoso, é uma fonte de luz e energia. É o que resta de uma estrela muito grande que ao morrer contrai e passa a sugar tudo à sua volta. É o que resta de uma estrela muito grande, mas não tão grande que desse um buraco negro As estrelas formam-se a partir da construção dos gases e poeiras existentes nas interestelares. As estrelas de menor massa (menores que oito vezes a massa do Sol) acabam a sua evolução como anãs brancas envolvidas por uma nuvem de matéria chamada nebulosa planetária. As estrelas podem aparecer agrupadas em enxames de estrelas. As estrelas passam a maior parte do tempo na fase de sequência principal e evoluem da mesma forma até atingir a fase de gigante vermelha. As estrelas de grande massa (maiores que oito vezes a massa do Sol) sofrem uma violenta explosão designada por supernova e, dependendo da massa, podem dar origem a uma estrela de neutrões ou a um buraco negro. 4

5 Manual: Verifica o que aprendeste Pg. 29 Aplica o que aprendeste, questão 2 e 3 (pg. 58 manual espaço; pg. 52 e 53 manual Terra no espaço) Caderno de atividades: questões das pp. 11 a 13 Ficha de apoio 3 Desenvolve competências: Debate em grupo 3 e 4 (pg. 54 e 55 manual espaço; pg. 48 e 49 manual Terra no espaço) Investiga 3 (pg. 55 manual espaço; pg. 49 manual Terra no espaço) Verifica o que aprendeste (S) Ficha de apoio Ficha de apoio (S) Ficha de trabalho Ficha de trabalho (S) 5

1. Nas questões seguintes seleciona a opção correta CIRCUNDANDO a letra correspondente:

1. Nas questões seguintes seleciona a opção correta CIRCUNDANDO a letra correspondente: Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Avaliação: Encarregado de Educação: Nome: Nº. Turma: 1.

Leia mais

Com a teoria do Big-Bang o Universo surgiu num estado de grande compressão com temperaturas e densidades muito elevadas. 07-11-2014.

Com a teoria do Big-Bang o Universo surgiu num estado de grande compressão com temperaturas e densidades muito elevadas. 07-11-2014. Sumário Das Estrelas ao átomo Unidade temática 1 Organização do Universo. Ciclo de vida de uma estrela. Reações em núcleos de estrelas de massa idêntica ao Sol e reações em núcleos de estrelas com massa

Leia mais

[Escolher a data] SISTEMA SOLAR. Cometas

[Escolher a data] SISTEMA SOLAR. Cometas Cometas São corpos celestes rochosos de pequenas dimensões, reduzida massa e órbitas elípticas muito excêntricas. Existem cometas de curto período (com períodos de translação inferiores a 700 anos) e de

Leia mais

Unidade 1. 1. Arquitectura do Universo. 1.2 Origem dos elementos químicos. 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo

Unidade 1. 1. Arquitectura do Universo. 1.2 Origem dos elementos químicos. 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo Unidade 1 1. Arquitectura do Universo 1.2 Origem dos elementos químicos 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo Física e Química A 10º ano Nebulosas Difusas Maternidade de estrelas Nuvens

Leia mais

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I 1. Exemplos de astros com luz própria são: A. o Sol e a Lua. B. as estrelas e a Lua. C. as estrelas. 2. As galáxias são formadas por: A. apenas estrelas. B. estrelas e planetas.

Leia mais

1 O Universo. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade. Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 1. 1.1. O que existe no universo

1 O Universo. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade. Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 1. 1.1. O que existe no universo Conteúdos 1.1. O que existe no universo - A origem e constituição do Universo - - As Estrelas Ciências Físico-Químicas 7º ano 2 A origem do Universo A origem e a constituição do Universo A origem do Universo

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 1

Ficha de Avaliação Sumativa 1 Ficha de Avaliação Sumativa 1 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Universo Competências a atingir no final da unidade

Universo Competências a atingir no final da unidade Universo Competências a atingir no final da unidade Constituição e origem do Universo. Como é constituído globalmente o Universo. Saber mencionar e distinguir objectos celestes como galáxia, supernova,

Leia mais

22-11-2015. No outono e inverno: Na primavera e no verão: As estações do ano (Pp. 95 a 101) Estações do ano. Manual

22-11-2015. No outono e inverno: Na primavera e no verão: As estações do ano (Pp. 95 a 101) Estações do ano. Manual As estações (Pp. 95 a 101) Estações Inclinação do eixo de rotação Solstício de inverno Solstício de verão Equinócio da primavera Equinócio do outono Inclinação dos raios solares Atenção às Páginas do MANUAL

Leia mais

A Forja da Matéria. Nucleossíntese. Núcleos: núcleo Synthesik: fabricação, construção. Gustavo F. Porto de Mello. UFRJ/Observatório do Valongo

A Forja da Matéria. Nucleossíntese. Núcleos: núcleo Synthesik: fabricação, construção. Gustavo F. Porto de Mello. UFRJ/Observatório do Valongo A Forja da Matéria Nucleossíntese Núcleos: núcleo Synthesik: fabricação, construção Gustavo F. Porto de Mello UFRJ/Observatório do Valongo Big Bang Big Bang Demócrito ~460-370 a.c. Leucipo ~450 a.c. Antiga

Leia mais

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via Láctea O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via-Láctea Hoje sabemos que é a galáxia onde vivemos - Há 100 anos não sabíamos disso! - Difícil estudar estando

Leia mais

CFQ 7. Ano Ficha de trabalho 1

CFQ 7. Ano Ficha de trabalho 1 CFQ 7. Ano Ficha de trabalho 1 UNIVERSO: O que existe no Universo Distâncias no Universo Elisabete Assunção, Set. 2012 1 2 Estrelas Planetas Cometas Asteróides Meteoróides Quasares e Satélites 3 Elisabete

Leia mais

Origem, evolução e morte das estrelas

Origem, evolução e morte das estrelas Origem, evolução e morte das estrelas As estrelas formam-se a partir de nuvens de gás e poeiras, Instabilidades de diversa ordem podem levar ao colapso gravitacional de zonas mais densas... http://www.physics.unc.edu/

Leia mais

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57)

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Astros do Sistema Solar: a sua origem e os seus astros (Pp. 64 a 70) Objetos celestes do Sistema Solar Teoria da Nebulosa Solar Sistema Solar Sol Planetas

Leia mais

Luminosidade (L) perda de energia não são estáticas evoluem à medida que perdem energia para o espaço

Luminosidade (L) perda de energia não são estáticas evoluem à medida que perdem energia para o espaço Estrelas A estrutura das estrelas e a geração de energia Propriedades das estrelas. A evolução das estrelas Morte estelar estrelas anãs, estrelas de neutrões e buracos negros 1_1 Fontes de energia das

Leia mais

2.ª Parte. Escola Secundária de José Saramago FQA 10º ano 2011/12 Marília Peres. Marília Peres 2

2.ª Parte. Escola Secundária de José Saramago FQA 10º ano 2011/12 Marília Peres. Marília Peres 2 2.ª Parte Escola Secundária de José Saramago FQA 0º ano 20/2 Marília Peres A origem dos Elementos Químicos Marília Peres 2 A matéria surgiu a partir dos fotões! Hoje sabemos que um fotão pode originar

Leia mais

FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO

FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO Eder Cassola Molina Universidade de São Paulo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Departamento de Geofísica Elementos Químicos número atômico

Leia mais

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang?

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang? Escola Físico-Química 7. Ano Data Nome N.º Turma Professor Classificação 1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo. 1.1. Quando terá ocorrido o Big Bang?

Leia mais

Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal

Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal Tibério B. Vale Veja mais em: http://astro.if.ufrgs.br/estrelas/node14.htm Evolução Final das Estrelas O destino final

Leia mais

Evidências para a teoria da "Grande Explosão"

Evidências para a teoria da Grande Explosão Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 10º Ano Turmas A e B Paula Melo Silva e Emília Correia 1. Leia, atentamente, o seguinte texto: Evidências para a teoria da "Grande Explosão" Ficha de Trabalho

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Estrelas Rogemar A. Riffel Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transformação de elementos através de reações nucleares,

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Critérios de Correção 1. 11 pontos 1.1. Opção A 1.2. Opção

Leia mais

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011 Tópicos Especiais em Física Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011 Propriedades fundamentais das estrelas Formação estelar Evolução estelar Estágios finais das estrelas Estrelas: o que são? Enormes

Leia mais

9 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

9 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 9 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 5 de Março de 2014 15:00 (Continente e Madeira) / 14:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões.

Leia mais

ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS

ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS 1 PALAVRAS CHAVES ANÃS CASTANHAS ANÃS VERMELHAS ANÃS BRANCAS ANÃS PRETAS 2 ESTRELAS ORIGEM As estrelas formam-se no interior de nuvens de gás g s e poeiras por ação a gravitacional

Leia mais

Correção do TPC. Astronomia É a Ciência que estuda o Universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução.

Correção do TPC. Astronomia É a Ciência que estuda o Universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Sumário 1. Constituição do Universo Correção do TPC. A organização do Universo - O sistema planetário, as galáxias, os quasares, os enxames e os superenxames. - A nossa galáxia - A Via Láctea, a sua forma

Leia mais

Evolução Final das Estrelas

Evolução Final das Estrelas Introdução à Astrofísica Evolução Final das Estrelas Rogemar A. Riffel Destino das estrelas O destino final das estrelas, depois de consumir todo o seu combustível nuclear, depende de duas coisas: 1) Se

Leia mais

1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO

1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO 1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO 1.1 A arquitectura do Universo 1.1.4. Organização do Universo 1.1.5. Reacções nucleares e a sua aplicação 1.1.4. Organização do Universo PARTE 1 COMO ESTÁ ORGANIZADO O UNIVERSO?

Leia mais

EVOLUÇÃO ESTELAR I. Estrelas de baixa massa 0,25 M M 2,5 M

EVOLUÇÃO ESTELAR I. Estrelas de baixa massa 0,25 M M 2,5 M EVOLUÇÃO ESTELAR I Estrelas de baixa massa 0,25 M M 2,5 M Maior parte da vida das estrelas sequência principal (SP) Característica da fase de sequência principal : 1) Fusão do H transformando-se em He

Leia mais

5.4 Evolução pós-sp: estrelas pequena massa

5.4 Evolução pós-sp: estrelas pequena massa AST434: C5-31/68 5.4 Evolução pós-sp: estrelas pequena massa O termo estrelas de pequena massa refere-se às estrelas que ocupam a zona inferior direita da Sequência Principal. Devido ao valor da massa

Leia mais

1.1. O que existe no Universo

1.1. O que existe no Universo Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 1 O UNIVERSO COMPETÊNCIAS 1.1. O que existe no Universo - Estrutura e formação do Universo - As estrelas: nascimento, vida e morte - Localização

Leia mais

Introdução ao Céu Profundo. Guião para Stellarium

Introdução ao Céu Profundo. Guião para Stellarium Introdução ao Céu Profundo Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Atividade Céu profundo uma visita guiada. Serão mostrados, nesta visita guiada, alguns dos diferentes tipos objectos do céu profundos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Introdução à Astronomia Complemento Forças Gravitacionais Diferenciais Prof. Rogério Riffel Precessão do Eixo da

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo Os fundamentos da Física Volume 1 Capítulo 0 Física Nuclear AS FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA Força nuclear forte Mantém a coesão do núcleo atômico. Intensidade 10 8 vezes maior do que a força gravitacional.

Leia mais

Origem, evolução e morte das estrelas

Origem, evolução e morte das estrelas Origem, evolução e morte das estrelas Laurindo Sobrinho 24 de novembro de 2012 1 As estrelas formam-se a partir de nuvens de gás e poeiras... 2 ... Em particular no interior de nebulosas escuras. http://www.physics.unc.edu/

Leia mais

A PRIMEIRA GERAÇÃO DE ESTRELAS Formação Estelar nos Primórdios do Universo. Simone Daflon CoAA-ON

A PRIMEIRA GERAÇÃO DE ESTRELAS Formação Estelar nos Primórdios do Universo. Simone Daflon CoAA-ON A PRIMEIRA GERAÇÃO DE ESTRELAS Formação Estelar nos Primórdios do Universo Simone Daflon CoAA-ON Olavo Bilac - Via Láctea "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso"! E eu vos direi, no entanto,

Leia mais

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF Evolução Estelar Introdução à Astronomia 2015.2 Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF http://www.univasf.edu.br/~ccinat.bonfim http://www.univasf.edu.br/~alessandro.moises

Leia mais

O Sistema Solar 20/3/2011. Centro Educacional Adventista do Gama CEAG

O Sistema Solar 20/3/2011. Centro Educacional Adventista do Gama CEAG 20/3/2011 Centro Educacional Adventista do Gama CEAG O nosso sistema solar consiste de uma estrela média, a que chamamos o Sol, os planetas Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno

Leia mais

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS PLANO DE ESTUDO DE CIÊNCIAS 2ª ETAPA 2º ANO EFII Dizem que é uma estrela de quinta grandeza. Mas, quando brilha aqui na Terra, Todos concordam: Sian, Roberto Angelo. Algumas histórias do céu- SP: Paulus,

Leia mais

Formação da Terra. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Licenciatura em Educação Básica. 1º Ano. Ciências da Terra e da Vida

Formação da Terra. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Licenciatura em Educação Básica. 1º Ano. Ciências da Terra e da Vida 1º Ano Ciências da Terra e da Vida Formação da Terra Docente: João Baptista Discente: Cátia Lopes nº53157 Vila Real, 8 de Abril de 2013 Índice 1- Introdução----------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

15-01-2016. Manual. Caderno de atividades: questões das pp. 42 e 43. Ficha de apoio 15. Pg. 120 Pg. 127 questões 10 e 11

15-01-2016. Manual. Caderno de atividades: questões das pp. 42 e 43. Ficha de apoio 15. Pg. 120 Pg. 127 questões 10 e 11 Peso e massa (Pp. 116 a 120) Peso e massa Massa Quilograma Balança Grandeza escalar Newton Dinamómetro Grandeza vetorial Aceleração da gravidade Atenção às Páginas do MANUAL Manual Pg. 120 Pg. 127 questões

Leia mais

Planetas são:

Planetas são: Características dos planetas (Pp. 71 a 78) Planetas do Sistema Solar Planeta Planeta anão Mercúrio Vénus Terra Marte Júpiter Saturno Úrano Neptuno Atenção às Páginas do MANUAL Manual Espaço Manual Pg.

Leia mais

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Estrelas Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Nesta apresentação há slides em branco que contem dicas sobre a aula sobre estrelas. Estas dicas são resultados das perguntas realizadas

Leia mais

ÁTOMOS E NÚCLEOS. núcleo carga elétrica positiva (+) eléctron carga elétrica negativa (-) mantido coeso por forças elétricas

ÁTOMOS E NÚCLEOS. núcleo carga elétrica positiva (+) eléctron carga elétrica negativa (-) mantido coeso por forças elétricas ÁTOMOS E NÚCLEOS Átomo = o núcleo envolto numa nuvem de eléctrons núcleo carga elétrica positiva (+) eléctron carga elétrica negativa (-) mantido coeso por forças elétricas Núcleo = sistema coeso de núcleons

Leia mais

Capítulo 17 ESTRUTURA DO UNIVERSO

Capítulo 17 ESTRUTURA DO UNIVERSO Capítulo 17 ESTRUTURA DO UNIVERSO Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo dos aglomerados de galáxias. Os tópicos abordados serão os seguintes: AGLOMERADOS DE GALÁXIAS COLISÕES DE GALÁXIAS O PROBLEMA DA

Leia mais

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho.

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho. CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2017 Conteúdo Este curso destina-se a qualquer pessoa interessada

Leia mais

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho.

CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME. Rui Jorge Agostinho. CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO: CA VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2016 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

O Ciclo de Vida das Estrelas

O Ciclo de Vida das Estrelas 1 de 5 27/11/2009 04:14 Página Inicial Voltar para Ciências e-mail O Ciclo de Vida das Estrelas J. R. Araújo Ao olharmos o céu durante a noite, vemos belas e pequeninas luminárias ao que chamamos de estrelas.

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade

Leia mais

O Universo: do Big-Bang à Misteriosa Energia Escura

O Universo: do Big-Bang à Misteriosa Energia Escura O Universo: do Big-Bang à Misteriosa Energia Escura Oswaldo Duarte Miranda http://www.das.inpe.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica 08 de fevereiro de 2010 Oswaldo D. Miranda O Universo A Divisão de

Leia mais

Galáxias. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo

Galáxias. Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Galáxias Karín Menéndez-Delmestre Observatório do Valongo Trabalho para entregar: Trabalho de campo entrevista de 2 pesquisadores (professores, pós- docs, colaboradores e/ou alunos de PG) extragalácccos

Leia mais

Capítulo 16 OUTRAS GALÁXIAS

Capítulo 16 OUTRAS GALÁXIAS 173 Capítulo 16 OUTRAS GALÁXIAS Em nosso Universo temos, além da nossa Galáxia, diversos outros tipos de galáxias, de formas, dimensões e estruturas diferentes. Neste capítulo estudaremos estas outras

Leia mais

6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 30 de Março de 2011 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias Introdução à Astrofísica Lição 27 No reino das Galáxias Chegamos em uma parte do curso onde iremos, de uma maneira mais direta, revisar o que vimos até agora e olhar para novos conceitos. Iremos tratar

Leia mais

Escola Secundária de José Saramago FQA 10º ano Marília Peres. resto do Universo também

Escola Secundária de José Saramago FQA 10º ano Marília Peres. resto do Universo também Escola Secundária de José Saramago FQA 10º ano Marília Peres Nós somos Química e o Nós somos Química e o resto do Universo também 1 Introdução «A coisa mais incompreensível acerca do nosso Universo é que

Leia mais

Elementos Gerais do Universo

Elementos Gerais do Universo Elementos Gerais do Universo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito de Universo. 3. Considerações Iniciais. 4. Universo: 4.1. Sobre a Origem do Universo; 4.2. Sobre a Origem do Sistema

Leia mais

Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna.

Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna. Das cosmovisões antigas à cosmologia moderna. Nós já vimos algumas imagens astronômicas, já conhecemos um pouco do céu, da luz, dos telescópios, E se você fosse desafiado a fazer um desenho do universo,

Leia mais

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Agosto de 2013

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Agosto de 2013 Apresentado por Joice Maciel Universidade Federal do ABC Agosto de 2013 Formação das Galáxias Evolução Distribuição das Galáxias Galáxias ativas Formação das Galáxias A maioria das galáxias se formaram

Leia mais

AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA. Ementa Detalhada

AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA. Ementa Detalhada 1 AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA 1 Telescópios 2 Radiação e estrutura do átomo 3 O Sol, nossa estrela 4 Planetas, asteroides e cometas do Sistema Solar 5 Exoplanetas 6 Bio-astronomia 7 Magnitude,

Leia mais

A ORIGEM DA VIDA. Hipótese autotrófica e heterotrófica

A ORIGEM DA VIDA. Hipótese autotrófica e heterotrófica A ORIGEM DA VIDA Hipótese autotrófica e heterotrófica HIPÓTESE AUTOTRÓFICA Necessidade de alimento Seres autotróficos: capazes de produzir o alimento necessário plantas clorofiladas e algumas bactérias

Leia mais

Evoluçao e Estrutura Estelar I (cap. 11)

Evoluçao e Estrutura Estelar I (cap. 11) Evoluçao e Estrutura Estelar I (cap. 11) AGA215 Elisabete M. de Gouveia Dal Pino Astronomy: A Beginner s Guide to the Universe, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 11) Introductory Astronomy & Astrophysics,

Leia mais

A ARQUITECTURA DO UNIVERSO. Nascimento e Estrutura do Universo

A ARQUITECTURA DO UNIVERSO. Nascimento e Estrutura do Universo A ARQUITECTURA DO UNIVERSO Nascimento e Estrutura do Universo Estrutura do Universo O Universo é tudo o que existe, existiu ou existirá! Superenxames Universo Espaço Intergaláctico Enxame Grupo Local Galáxias

Leia mais

Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS2010 - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 2.a PROVA 2012/1 - TURMA C - Profa. Maria de Fátima Saraiva

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

ESCOLA MAGNUS DOMINI

ESCOLA MAGNUS DOMINI ESCOLA MAGNUS DOMINI BURACO NEGRO: O MISTÉRIO DO COSMOS Amanda Braz Pires Fratti Tayla de Araujo Francis João Gabriel Xavier Llorente José Victor Silva Cavalini MARINGÁ 2016 1. INTRODUÇÃO Você já parou

Leia mais

Quando as estrelas morrem. Amanda Goldani Rodrigues Peixoto Administração Manhã

Quando as estrelas morrem. Amanda Goldani Rodrigues Peixoto Administração Manhã Quando as estrelas morrem Amanda Goldani Rodrigues Peixoto Administração Manhã amanda.goldani@hotmail.com Você já parou para se perguntar o que são as estrelas, se elas permanecerão iguais para sempre

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Leia atentamente todas as questões. A questão 1 é de escolha múltipla. Nas restantes questões

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 12: A morte das estrelas

Astrofísica Geral. Tema 12: A morte das estrelas ma 12: A morte das estrelas Outline 1 Evolução e morte estelar 2 Cadáveres estelares 3 Supernovas 4 Bibliografia 2 / 22 Outline 1 Evolução e morte estelar 2 Cadáveres estelares 3 Supernovas 4 Bibliografia

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Galáxias Rogemar A. Riffel Galáxias x Estrelas Processos de formação e evolução das galáxias não tão bem conhecidos como das estrelas Por que? Complexidade dos sistemas

Leia mais

Alex C. Carciofi. Aula 9. O Nascimento das Estrelas Evolução Estelar

Alex C. Carciofi. Aula 9. O Nascimento das Estrelas Evolução Estelar Alex C. Carciofi Aula 9 O Nascimento das Estrelas Evolução Estelar Formação Estelar As estrelas formam-se, evoluem e morrem. Trata-se de um processo contínuo e permanente que ocorre, em maior ou menor

Leia mais

As Vidas dos Estrelas

As Vidas dos Estrelas As Vidas dos Estrelas Alexandre Costa, Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M Ros International Astronomical Union Escola Secundária de Loulé, Portugal Universidad Tecnológica Nacional, Argentina Colegio

Leia mais

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas.

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas. Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Teste de Ciências Físico - Químicas 7.º Ano Ano Lectivo 08/09 Duração do Teste: 45 minutos Data: 06 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho Nome N.º Turma Prof. Classificação

Leia mais

O espaço interestelar é o local onde estrelas nascem e onde partes delas retornam quando morrem.

O espaço interestelar é o local onde estrelas nascem e onde partes delas retornam quando morrem. O espaço interestelar é o local onde estrelas nascem e onde partes delas retornam quando morrem. Meio interestelar: gás e poeira, distribuído de modo extremamente tênue através das regiões escuras entre

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. O universo observável contém tantas estrelas quanto grãos de areia somando

Leia mais

O Homem no Universo. Modelo Geocêntrico. Modelo Heliocêntrico

O Homem no Universo. Modelo Geocêntrico. Modelo Heliocêntrico O Homem no Universo Modelo Geocêntrico É um modelo matemático complexo da constituição do Universo. Foi desenvolvido por Ptolomeu, no séc. II d.c. com base nas ideias de Aristóteles. Considerava que a

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel.

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Estrelas Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transmutação de elementos

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor: 2,0 Nota: Data: / /2016 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 1º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente as questões

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1 Flavio D Amico damico@das.inpe.br estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato A Constelação de Orion e as 3 Marias super Betelgeuse:

Leia mais

ESTRUTURA E EVOLUÇÃO ESTELAR NEBULOSAS

ESTRUTURA E EVOLUÇÃO ESTELAR NEBULOSAS ESTRUTURA E EVOLUÇÃO ESTELAR NEBULOSAS Numa galáxia podem existir várias regiões de formação, consideradas berçários de estrelas, que são as nuvens de gás e poeira. protoestrela Em alguns pontos da nuvemmãe

Leia mais

Nível 1 2º ano Gentileza

Nível 1 2º ano Gentileza Nível 1 2º ano Gentileza Aída Sophie e Júlia Garcia 2º ano Gentileza O Sistema Solar é um conjunto de cometas, estrela comum, que nós chamamos de Sol, corpos celestes e seus planetas chamados Mercúrio,

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da final nacional PROVA EÓRICA 17 de abril de 2015 16H45 Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões. odas as respostas devem ser

Leia mais

AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA. Ementa Detalhada. 1 Telescópios 2 Radiação e estrutura do átomo 3 O Sol, nossa estrela

AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA. Ementa Detalhada. 1 Telescópios 2 Radiação e estrutura do átomo 3 O Sol, nossa estrela 1 AGA 0100 Astronomia: Uma Visão Geral I EMENTA 1 Telescópios 2 Radiação e estrutura do átomo 3 O Sol, nossa estrela 4 Planetas, asteroides e cometas do Sistema Solar 5 Exoplanetas 6 Bio-astronomia 7 Magnitude,

Leia mais

PARADOXOS DA TEORIA DA RELATIVIDADE CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Paulo Crawford.

PARADOXOS DA TEORIA DA RELATIVIDADE CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Paulo Crawford. CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA PARADOXOS DA TEORIA DA RELATIVIDADE MÓDULO: CAOAL TR Paulo Crawford Março de 2015 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

Parte 2. Escola Secundária José Saramago FQA 10º ano 2007/2008 Marília Peres

Parte 2. Escola Secundária José Saramago FQA 10º ano 2007/2008 Marília Peres Parte 2 Escola Secundária José Saramago FQA 10º ano 2007/2008 Marília Peres A expansão do Universo No início do século XX, descobriu-se que: as galáxias, na sua grande maioria afastam-se umas das outras;

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 3

Ficha de Avaliação Sumativa 3 Ficha de Avaliação Sumativa 3 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Galáxias. Maria de Fátima Oliveira Saraiva. Departamento de Astronomia - IF-UFRGS

Galáxias. Maria de Fátima Oliveira Saraiva.  Departamento de Astronomia - IF-UFRGS Galáxias www.if.ufrgs.br/~fatima/fis2009/galaxias.htm Maria de Fátima Oliveira Saraiva Departamento de Astronomia - IF-UFRGS Via Láctea A Via Láctea não é mais do que um conjunto de inúmeras estrelas distribuídas

Leia mais

Estrelas, Galáxias e Cosmologia EVOLUÇÃO ESTELAR3. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Jane C. Gregório Hetem. 3.1 Evolução das Estrelas

Estrelas, Galáxias e Cosmologia EVOLUÇÃO ESTELAR3. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Jane C. Gregório Hetem. 3.1 Evolução das Estrelas EVOLUÇÃO ESTELAR3 Jane C. Gregório Hetem 3.1 Evolução das Estrelas 3.1.1 Nascimento: onde são formadas as estrelas? 3.1.2 Vida: produção de energia e elementos químicos 3.1.2.1 Origem da energia termonuclear

Leia mais

Estrelas Parte II. Victoria Rodrigues 24/05/14

Estrelas Parte II. Victoria Rodrigues 24/05/14 Estrelas Parte II Victoria Rodrigues victoria_souzarodrigues@hotmail.com 24/05/14 Sumário Parte I O que são? Nascimento estelar; Evolução Parte II Evolução: Estrelas maiores que o Sol; Supernovas; Estrelas

Leia mais

Evolução Estelar Estágios Avancados

Evolução Estelar Estágios Avancados Evolução Estelar Estágios Avancados Cap. 12 Elisabete M. de Gouveia Dal Pino Chaisson & McMillan (caps. 12 e 13) Zeilik-Gregory-Smith (cap. 16 e 17) Apostila (Cap. 12) Massa: fator determinante para o

Leia mais

Estrelas norm ais e suas propriedades

Estrelas norm ais e suas propriedades Notas de aula Introdução à A stronom ia (AGA210) Estrelas norm ais e suas propriedades Ejnar H ertzprung H enry N. Russel Enos Picazzio Eles criaram uma das mais poderosas ferramentas da astronomia moderna:

Leia mais

O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol. Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?)

O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol. Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?) Relógios de Sol O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?) Ao longo de um dia, a sombra é máxima no nascer e no ocaso do Sol, e é mínima ao

Leia mais

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra Nome: Data: / / 1. Completa os espaços em branco, das afirmações que se seguem,

Leia mais

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas John R. Percy International Astronomical Union Universidad de Toronto, Canada Evolução das estrelas Nebulosa do Anel, uma estrela moribunda. Fonte:

Leia mais

Universidade Federal do ABC Ensino de Astronomia UFABC 2016 Aula 12:Estrelas parte II

Universidade Federal do ABC Ensino de Astronomia UFABC 2016 Aula 12:Estrelas parte II Universidade Federal do ABC Ensino de Astronomia UFABC 2016 Aula 12:Estrelas parte II Michelle Rosa e-mail: rosa-michelle@outlook.com Síntese Na aula anterior vimos que o meio entre as estrelas é formado

Leia mais

Grandes Ideias. As unidades estruturais do universo são as galáxias, formadas à cerca de 12 mil milhões de anos.

Grandes Ideias. As unidades estruturais do universo são as galáxias, formadas à cerca de 12 mil milhões de anos. PÁG: 1 / TEMA 1: ESPAÇO: 1. UNIVERSO: O Universo é constituído de tudo o que existe fisicamente, a totalidade do espaço e tempo e todas as formas de matéria e energia. O termo Universo pode ser usado em

Leia mais

I Curso Introdução à Astronomia

I Curso Introdução à Astronomia I Curso Introdução à Astronomia As estrelas e o Sol Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: As dimensões e as distâncias das estrelas: tamanho, forma, distâncias; Aspectos

Leia mais

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Criação de uma Apresentação - 90 min

Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint. Criação de uma Apresentação - 90 min Ficha orientada nº2 Apresentador Gráfico - Microsoft PowerPoint Objectivos: Criar uma apresentação Inserir um novo diapositivo Formatar texto Guardar uma apresentação Correr uma apresentação 1. Criar um

Leia mais

Capítulo 12 ESTÁGIOS FINAIS DA EVOLUÇÃO ESTELAR

Capítulo 12 ESTÁGIOS FINAIS DA EVOLUÇÃO ESTELAR 134 Capítulo 12 ESTÁGIOS FINAIS DA EVOLUÇÃO ESTELAR Vimos anteriormente que após chegar na seqüência principal, a estrela recém-nascida entra numa fase de certa estabilidade, ou seja, suas características

Leia mais

Tópicos de Física Contemporânea SANDRO FERNANDES

Tópicos de Física Contemporânea SANDRO FERNANDES Tópicos de Física Contemporânea SANDRO FERNANDES TENHO DÓ DAS ESTRELAS (FERNANDO PESSOA) Tenho dó das estrelas Luzindo há tanto tempo, Há tanto tempo Tenho dó delas. Não haverá um cansaço Das coisas, De

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação Físico Química Ano Lectivo 2007/ 2008 N. º NOME: TURMA: B CLASSIFICAÇÃO 1. O Rui e a Sofia são alunos do 7º ano. Depois

Leia mais