1.1. O que existe no Universo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1. O que existe no Universo"

Transcrição

1 Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 1 O UNIVERSO COMPETÊNCIAS 1.1. O que existe no Universo - Estrutura e formação do Universo - As estrelas: nascimento, vida e morte - Localização de astros na Esfera Celeste Descrever sumariamente a constituição do Universo. Caraterizar a Via Láctea e o Grupo Local. Saber situar a Terra no Universo. Distinguir o Modelo Geocêntrico do Modelo Heliocêntrico. Descrever sumariamente a formação do universo. Identificar os acontecimentos que descrevem o nascimento, a vida e a morte das estrelas. Descrever o movimento diurno do Sol. Saber orientar-se pelo Sol e pela sombra de uma vara, durante o dia. Descrever o significado e a importância das constelações. Orientar-se pelas estelas, durante a noite. Observar o céu, recorrendo a mapas celestes. Reconhecer o significado e a importância das coordenadas, altura e azimute, para localizar um astro no céu. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 2 A origem do Universo Estrutura e formação do Universo e do Sistema Solar Edwin Hubble Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 3 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 4 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 1

2 A origem do Universo Com origem numa pequena massa muito densa e quente após uma explosão Como está organizado o Universo Galáxias O Universo é formado por biliões de galáxias. Uma galáxia é um enorme aglomerado de estrelas, entre as quais existem grandes quantidades de gases e poeiras. As galáxias apresentam aspectos e tamanhos diferentes, e por isso podem classificar-se de acordo com a sua forma. Espiral Elíptica Irregular Núcleo central do qual partem braços com estrelas de diferentes idades. Têm forma esférica ou elipsoidal e são as galáxias mais comuns. Não apresentam contornos definidos e são ricas em gases e poeiras. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 5 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 6 Como está organizado o universo Galáxias A Via Láctea é a nossa galáxia. É apenas uma entre as cerca de 100 mil milhões de galáxias no Universo, todas elas com milhares de milhões de estrelas. Como está organizado o universo Galáxias As galáxias que se encontram mais próximas da Via Láctea são : Numa noite de céu limpo podemos ver parte da Via Láctea como uma faixa esbranquiçada. Este brilho resulta das mais de 200 mil milhões de estelas que formam a nossa galáxia. Pequena Nuvem de Magalhães Grande Nuvem de Magalhães Andrómeda A Via Láctea é uma galáxia com forma espiral. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 7 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 8 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 2

3 Como está organizado o Universo Como está organizado o Universo Galáxias Enxames de galáxias agrupam-se em Via Láctea Grupo Local Super enxame local Grupo Local Super enxames agrupam-se em Superenxame local Via Láctea Sistema Solar Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 9 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 10 Como está organizado o Universo Além das galáxia o que mais existe no Universo? Quasares galáxias muito novas, com aspeto de uma estrela muito brilhante, devido aos seus núcleos bastante luminosos. Afastam-se da Via Láctea a grande velocidade. Sistemas planetários - constituídos por uma estrela central à volta da qual orbitam outros astros, como o nosso sistema planetário o Sistema Solar. Planetas astros que não emitem luz visível e que orbitam em torno de uma estrela. Formação do sistema Solar O Sistema Solar formou-se há cerca de cinco milhões de anos, a partir de uma nuvem interestelar de gás e poeiras em rotação, conhecida por nebulosa solar. Contracção da nebulosa Passou a rodar mais rapidamente Zona central tornou-se muito quente e começou a formar-se o Sol. Formação de planetóides que continuaram a crescer dando origem aos planetas telúricos. Os restos dos planetóides poderão ter dado origem aos cometas e aos asteróides. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 11 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 12 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 3

4 O que é uma estrela Estrela - Corpo celeste que possui luz própria, sendo, por isso, um corpo luminoso. As estrelas: nascimento, vida e morte A luz das estrelas é produzida por transformações que ocorrem no seu interior. Estas transformações fazem com que as estrelas se vão modificando durante a sua longa vida de milhões de anos. São imensas massas de gás que se encontram a elevadíssimas temperaturas, libertando grandes quantidades de energia por radiação Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 13 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 14 O que é uma estrela NASCIMENTO DAS ESTRELAS Nas galáxias além de estrelas, há enormes quantidades de gases e poeiras que parecem nuvens, umas escuras nebulosas difusas, outras brilhantes nebulosas planetárias. VIDA DAS ESTRELAS Durante a sua existência as estrelas sofrem reacções nucleares no seu interior, fabricam a sua própria energia: O gás existente nestas nuvens é o hidrogénio; É das nebulosas difusas que nascem as estrelas. O hidrogénio é transformado em hélio, libertando-se muita energia: HIDROGÉNIO HÉLIO + ENERGIA O nascimento de uma estela ocorre quando há uma contracção de hidrogénio gasoso e das poeiras existentes na nebulosa, aquecendo. No núcleo dá-se início a reacções nucleares que libertam muita energia. A energia produzida no núcleo das estrelas até à superfície e é irradiada para o espaço como luz e calor, por isso é que as estrelas brilham. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 15 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 16 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 4

5 O brilho das estrelas depende do seu tamanho! QUANTO MAIOR A ESTRELA MAIS QUENTE E MAIS BRILHANTE SERÁ! VIDA DAS ESTRELAS Estrela Estrelas maiores que o Sol Temperatura muito superior a ºC; Brilho branco-azul; Maior temperatura; Tempo de vida: apenas milhões de anos. Estrelas do tamanho do Sol Temperatura inferior a 5 000ºC; Brilho amarelo; Temperatura média; Tempo de vida: cerca de dez mil milhões de anos. Estrelas menores que o Sol Temperatura à superfície inferior a 5 000ºC; Brilho laranja ou avermelhado; Maior tempo de vida. Maior Tamanho Maior Temperatura Menor tempo de vida Maior Brilho Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 17 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 18 Quando se esgota o seu combustível - gás hidrogénio - deixam de se dar no interior das estrelas, no núcleo, as reacções nucleares responsáveis pela produção de calor e luz, pelo que a estrela morre. ESTRELA DE MENORES DIMENSÕES ESTRELAS DO TAMANHO DO SOL ESTRELA DE GRANDES DIMENSÕES Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 19 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 20 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 5

6 ESTRELA MENORES QUE O SOL Se a massa da estrela for cerca de cinco centésimos da massa do Sol, a estrela passa por uma fase de anã castanha tornando-se, posteriormente, uma anã negra. ESTRELA DE GRANDES DIMENSÕES Começa-se a esgotar o seu combustível, o núcleo central contrai-se e as camadas exteriores expandem-se ESTRELA DO TAMANHO DO SOL Começa-se a esgotar o seu combustível, o núcleo central e as camadas exteriores expandem-se Gigante vermelha Super - Gigante Dá-se uma contracção formando-se uma pequena estrela que ao fim de um certo tempo acaba por perder totalmente o seu brilho Anã branca Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 21 Ocorrem explosões muito violentas e as camadas exteriores espalham-se no espaço. As estrelas em explosão tornam-se muito brilhantes Supernovas Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 22 Espontaneamente, o núcleo das supernovas pode sobreviver como: Corpo celeste muito denso, formado por muita matéria concentrada num volume muito pequeno; Surge da morte de uma estrela de grandes dimensões; Supernovas Uma estrela de neutrões ou pulsar, se a estrela que a originou era de 2 a 8 vezes maior do que o Sol. Estrela de neutrões Um buraco negro, se a estrela que a originou era mais do que 8 vezes maior do que o Sol. Buraco negro Buraco negro Quanto maior é a estrela que lhe dá origem, maior é o buraco negro que forma. Atrai tudo o que está próximo, por isso a região à sua volta é um sugadouro de matéria e até da luz. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 23 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 24 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 6

7 Localização de astros na Esfera Celeste Nebulosa cabeça de cavalo. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 25 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 26 O que é uma constelação? Uma constelação é um conjunto/grupo de estrelas, na mesma região do céu, que parecem não mudar de posição umas em relação às outras e que, quando unidas por traços imaginários parecem formar desenhos ou figuras imaginárias no céu. O que é uma constelação? Existem muitas constelações e enquanto algumas se mantêm visíveis ao longo do ano, umas vão desaparecendo e outras aparecendo na esfera celeste. A representação das constelações pode ser encontrada em mapas celestes, que são diferentes de mês para mês e de hemisfério para hemisfério. As estrelas de uma constelação podem estar em zonas muito distantes do espaço e apresentar movimento umas em relação às outras movimento detectável apenas ao final de milhões de anos. As constelações têm alguns nomes relacionados com crenças e mitos antigos, e algumas foram batizadas pelos antigos navegadores durante a época dos descobrimentos. Esfera celeste esfera imaginária onde é projectada a luz das estrelas (roda cerca de 15º /h) Mapa celeste São uma ferramenta que nos permite prever que constelações podemos observar ao longo de um ano. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 27 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 28 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 7

8 Que constelações são mais conhecidas no hemisfério Norte? Ursa maior Touro Ursa menor Podemos localizar uma estrela utilizando como referência uma constelação. Para localizarmos a Estrela Polar (Polaris) tomamos como referência a constelação URSA MAIOR Cefeu É a constelação mais fácil de encontrar; É de grande importância para os habitantes do hemisfério norte; É a partir desta constelação que podemos localizar a constelação URSA MENOR, na cauda da qual está a Estrela Polar; Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 29 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 30 Possibilita a orientação nocturna no hemisfério norte; Só é vista pelos habitantes do hemisfério norte; Não é muito brilhante; Encontra-se junto ao pólo norte celeste; Parece estar sempre na mesma posição. ESTRELA POLAR (Polaris) Traçar uma recta imaginária entre as duas Guardas da Ursa Maior; Prolongar cinco vezes a distância existente entre as Guardas Quando olhamos para esta estrela temos à nossa frente o ponto cardeal Norte (N); retaguarda o ponto cardeal Sul (S); direita o ponto cardeal Este (E); esquerda o ponto cardeal Oeste (O). Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 31 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 32 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 8

9 Questão: E no hemisfério sul, qual é a estrela que serve de orientação nocturna? Que constelação serve de referência? Resposta: No hemisfério sul é mais difícil localizar uma estrela que sirva de orientação nocturna, pois não existe uma estrela equivalente à Estrela Polar. Durante a noite, observam-se várias constelações, como é o caso da constelação Cruzeiro do Sul ou Crux, que tem a forma de cruz e cujo braço maior aponta para o pólo sul celeste. Resposta: (continuação) desenhas, mentalmente, uma linha que una as duas estrelas do braço maior da cruz. Prolongas a distância que une as duas estrelas cerca de quatro vezes e meia. O ponto cardeal sul está na direcção do pólo sul celeste encontrado no céu. Quando olhamos para esta constelação temos à nossa frente o ponto cardeal Sul (S); retaguarda o ponto cardeal Norte (N); esquerda o ponto cardeal Este (E); direita o ponto cardeal Oeste (O): Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 33 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 34 Limitações deste método de orientação: É pouco rigoroso; requer que o tempo não esteja nublado; Em espaços como as cidades, a observação é dificultada pelos prédios e pela poluição luminosa. Movimento aparente das estrelas O que se move? As estrelas ou os Planetas? Se observarmos o céu e as estrelas todas as noites durante um mês, vamo-nos apercebendo de que, as estrelas que se vêem, mudam de posição desde o início até ao final da noite. Para ultrapassar as dificuldades de orientação, sempre que se viaje para locais desconhecidos, é importante levar uma bússola e um mapa da região, ou utilizar o GPS (Sistema de Posicionamento Global), método bastante mais eficaz recentemente desenvolvido. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 35 Movimento aparente das estrelas, porque na realidade é o planeta que está em movimento, e não as estrelas. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 36 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 9

10 Movimento aparente das estrelas Em que sentido roda a Terra? Movimento aparente das estrelas Orientação Diurna No hemisfério norte, ao meio dia, o Sol atinge a sua altura máxima, encontrando-se sempre A nossa sombra indica o polo norte ao meio dia solar. sobre o ponto cardeal sul. A Terra gira no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, isto é, no sentido direto, de Oeste para Este. Cada objeto celeste, no seu movimento diurno, vai ocupando posições diferentes no espaço. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 37 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 38 Coordenadas Celestes Coordenadas Celestes Vistas da Terra, as estrelas parecem agrupar-se formando constelações. Os nomes das constelações, em muitos casos, derivam de lendas antigas. A Estrela Polar pertence à constelação Ursa Menor e indica o ponto cardeal Norte (no hemisfério Norte). A partir do Cruzeiro do Sul é possível localizar a estrela Sigma Octantis, que indica o ponto cardeal SUL (no hemisfério Sul). Nem todos os astros são tão fáceis de encontrar no céu como a Estrela Polar. Por isso, os astrónomos definiram um modo de localizar qualquer astro no céu: as Coordenadas Celestes. As Coordenadas Celestes são duas: a altura e o azimute. Altura (h) Azimute (A) É a distância angular (varia entre É a distância angular (varia entre 0º e 90º) entre a linha do 0º e 360º), entre o horizonte e o astro, que nos prolongamento de um astro no indica a posição do astro acima horizonte e o ponto cardeal SUL, da linha do horizonte. no sentido dos ponteiros do relógio. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 39 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 40 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 10

11 Coordenadas Celestes Coordenadas Celestes Exemplo 1: Considera as seguintes estrelas e responde: a) Qual das estrelas se vê quando estamos virados para Norte? b) Qual é a estrela mais próxima do horizonte? c) Qual das estrelas se consegue ver quando estamos virados para Sul? Exercício Completa: Um astro pode ser localizado no céu a partir das suas. A indica a posição que o astro ocupa acima do, e pode variar entre 0º e 90º. O indica a posição do astro relativamente ao ponto cardeal, e pode variar entre 0º e 360º. Estrela Altura Azimute A 30º 90º B 40º 180º C 50º 0º Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 41 Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade Docente Marília Soares 42 Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 11

1.1.2 Observação do céu

1.1.2 Observação do céu Ciências Físico-químicas - 7.º ano de escolaridade No final desta apresentação deverás ser capaz de: Indicar o que são constelações e dar exemplos de constelações visíveis no hemisfério Norte. Associar

Leia mais

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I 1. Exemplos de astros com luz própria são: A. o Sol e a Lua. B. as estrelas e a Lua. C. as estrelas. 2. As galáxias são formadas por: A. apenas estrelas. B. estrelas e planetas.

Leia mais

1 O Universo. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade. Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 1. 1.1. O que existe no universo

1 O Universo. Ciências Físico-Químicas 7º ano de escolaridade. Ano letivo 2011/2012 Docente: Marília Silva Soares 1. 1.1. O que existe no universo Conteúdos 1.1. O que existe no universo - A origem e constituição do Universo - - As Estrelas Ciências Físico-Químicas 7º ano 2 A origem do Universo A origem e a constituição do Universo A origem do Universo

Leia mais

Universo Competências a atingir no final da unidade

Universo Competências a atingir no final da unidade Universo Competências a atingir no final da unidade Constituição e origem do Universo. Como é constituído globalmente o Universo. Saber mencionar e distinguir objectos celestes como galáxia, supernova,

Leia mais

Correção do TPC. Astronomia É a Ciência que estuda o Universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução.

Correção do TPC. Astronomia É a Ciência que estuda o Universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Sumário 1. Constituição do Universo Correção do TPC. A organização do Universo - O sistema planetário, as galáxias, os quasares, os enxames e os superenxames. - A nossa galáxia - A Via Láctea, a sua forma

Leia mais

Universo 1.1 Constituição do Universo

Universo 1.1 Constituição do Universo Planetas Sol Via láctea Galáxias Estrelas Planetas, estrelas e sistemas planetários Planetas Estrelas ESO/Digitized Sky Survey 2 Sol Alpha Centauri não têm luz própria; movem-se sempre à volta de estrelas;

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 1

Ficha de Avaliação Sumativa 1 Ficha de Avaliação Sumativa 1 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

O que existe no Universo

O que existe no Universo Ciências Físico-Químicas - 7º ano O que existe no Universo M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza O que existe no Universo? Universo Planetas Sol Via láctea Galáxias Estrelas Como sabemos o que existe?

Leia mais

2ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Física e Química 7ºAno

2ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Física e Química 7ºAno 2ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Física e Química 7ºAno Ano Letivo: 2017/18 Data: 14 Nov Prof: Paula Silva Nome: Nº. Turma: 7ºH Avaliação: Professor: E. Educação: 1. Ao longo dos tempos a humanidade

Leia mais

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57)

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Astros do Sistema Solar: a sua origem e os seus astros (Pp. 64 a 70) Objetos celestes do Sistema Solar Teoria da Nebulosa Solar Sistema Solar Sol Planetas

Leia mais

Modelo geocêntrico: Terra no centro do Universo. Corpos celestes giravam ao seu redor. Defensores: Aristóteles e Cláudio Ptolomeu.

Modelo geocêntrico: Terra no centro do Universo. Corpos celestes giravam ao seu redor. Defensores: Aristóteles e Cláudio Ptolomeu. SISTEMA SOLAR Modelo geocêntrico: Terra no centro do Universo. Corpos celestes giravam ao seu redor. Defensores: Aristóteles e Cláudio Ptolomeu. Permaneceu até o século XV. Modelo heliocêntrico: Sol no

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação Físico Química Ano Lectivo 2007/ 2008 N. º NOME: TURMA: B CLASSIFICAÇÃO 1. O Rui e a Sofia são alunos do 7º ano. Depois

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35. Importância do conhecimento da esfera celeste

A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35. Importância do conhecimento da esfera celeste 1.4- A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35 Importância do conhecimento da esfera celeste Esfera celeste Constelação Mapa celeste Orientação pelas estrelas Coordenadas celestes horizontais:

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Critérios de Correção 1. 11 pontos 1.1. Opção A 1.2. Opção

Leia mais

3.1. Terra e Sistema Solar (1)

3.1. Terra e Sistema Solar (1) 1 Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 3 PLANETA TERRA (1) Movimentos dos planetas Órbitas dos planetas Prof. Marília Silva Soares Unidade 3 PLANETA TERRA Competências No final desta

Leia mais

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013 Curso de Iniciação à Astronomia e Astrofísica do Observatório Astronómico de Lisboa Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso.............................

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

Enxames de estrelas Nebulosas e Galáxias

Enxames de estrelas Nebulosas e Galáxias 6 Enxames de estrelas Nebulosas e Galáxias 1 Nebulosas de Emissão A luz que incide na nuvem (em geral raios uv) é absorvida e depois emitida na forma de luz visível (em geral vermelha) A nebulosa da Lagoa

Leia mais

Sistema Solar e nossa Galáxia

Sistema Solar e nossa Galáxia Sistema Solar e nossa Galáxia Galáxia Uma galáxia é um enorme aglomerado de estrelas, planetas, gás e poeiras ligados pela força da gravidade, assim como pela ainda pela pouco conhecida matéria escura.

Leia mais

Universidade da Madeira. A escala do Universo. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 26 de abril de 2017

Universidade da Madeira. A escala do Universo. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 26 de abril de 2017 A escala do Universo Laurindo Sobrinho 26 de abril de 2017 1 1 O Sistema Solar Universidade da Madeira 2 Sol Terra http://umbra.nascom.nasa.gov/sdac.html http://www.msss.com/earth/earth.html 700 000 Km

Leia mais

CAPÍTULO 03 O Universo..

CAPÍTULO 03 O Universo.. CAPÍTULO 03 O Universo.. 03/03/2016 6º Ano B Profº Delsomar de Sousa Barbosa Páginas: 34 a 40 Itens 01 a 03. Estrutura Temática Astros do universo. Planetas Satélites Estrelas Distâncias no Espaço. Sistemas,

Leia mais

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via Láctea O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via-Láctea Hoje sabemos que é a galáxia onde vivemos - Há 100 anos não sabíamos disso! - Difícil estudar estando

Leia mais

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang?

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang? Escola Físico-Química 7. Ano Data Nome N.º Turma Professor Classificação 1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo. 1.1. Quando terá ocorrido o Big Bang?

Leia mais

Estrelas J O NAT HAN T. QUARTUCCIO I N S T I T U T O D E P E S Q U I S A S C I E N T Í F I C A S A S T R O L A B

Estrelas J O NAT HAN T. QUARTUCCIO I N S T I T U T O D E P E S Q U I S A S C I E N T Í F I C A S A S T R O L A B Estrelas J O NAT HAN T. QUARTUCCIO I N S T I T U T O D E P E S Q U I S A S C I E N T Í F I C A S A S T R O L A B Em uma noite escura, em um lugar afastado da poluição luminosa, olhamos para o céu e vemos

Leia mais

A nossa Galáxia parte II

A nossa Galáxia parte II A nossa Galáxia parte II UM MODELO BÁSICO PARA A FORMAÇÃO DA GALÁXIA (a) Nuvens da gás colapsam pela influência de sua própria gravidade e começam a formar estrelas as primeiras estrelas e aglomerados

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias Introdução à Astrofísica Lição 27 No reino das Galáxias Chegamos em uma parte do curso onde iremos, de uma maneira mais direta, revisar o que vimos até agora e olhar para novos conceitos. Iremos tratar

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 2

Ficha de Avaliação Sumativa 2 Ficha de Avaliação Sumativa 2 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

22-11-2015. As estrelas formamse a partir da contração dos gases e poeiras existentes nas nuvens interestelares

22-11-2015. As estrelas formamse a partir da contração dos gases e poeiras existentes nas nuvens interestelares A Via Láctea e a vida das estrelas 1.3- As estrelas e a sua evolução Pp. 24 a 29 Evolução estelar Nuvens interestelares Estrela Estrelas na sequência principal Gigante vermelha Nebulosa planetária Anã

Leia mais

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas.

1. Classifica as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas corrigindo as falsas. B. As nebulosas são grandes nuvens de gases e poeiras cósmicas. Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Teste de Ciências Físico - Químicas 7.º Ano Ano Lectivo 08/09 Duração do Teste: 45 minutos Data: 06 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho Nome N.º Turma Prof. Classificação

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Estrelas Rogemar A. Riffel Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transformação de elementos através de reações nucleares,

Leia mais

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Aula 1 Estrutura do Universo Interações fundamentais O Universo geocentrismo vs heliocentrismo Nicolau Copérnico Tycho Brahe Galileu e Galilei Ptolomeu afirmava

Leia mais

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA MÓDULO: CA IAA Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2017 Conteúdo Objectivos

Leia mais

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea NÓS E O UNIVERSO 1 O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia A Via Láctea VIA LÁCTEA OUTRAS GALÁXIAS Andrómeda Grande Nuvem de Magalhães Pequena Nuvem de Magalhães SISTEMA SOLAR S M V T M J S U N

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Via Láctea. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Via Láctea. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Via Láctea Prof. Tibério B. Vale Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII):

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 Ficha Informativa n.º 2 Sistema Solar Nome: Data: / /2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Origem, evolução e morte das estrelas

Origem, evolução e morte das estrelas Origem, evolução e morte das estrelas As estrelas formam-se a partir de nuvens de gás e poeiras, Instabilidades de diversa ordem podem levar ao colapso gravitacional de zonas mais densas... http://www.physics.unc.edu/

Leia mais

PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO

PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO 2016-17 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS PARTE 2: FÍSICA 7º ANO DE ESCOLARIDADE III O Planeta Terra Período de rotação da Terra - É o tempo que a Terra demora a dar uma volta

Leia mais

O Lado Escuro do Universo

O Lado Escuro do Universo O Lado Escuro do Universo Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia, Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil Em 400 anos Telescópio Espacial Hubble (2.4m) Telescópio de Galileu (lente

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Leia atentamente todas as questões. A questão 1 é de escolha múltipla. Nas restantes questões

Leia mais

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Agosto de 2013

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Agosto de 2013 Apresentado por Joice Maciel Universidade Federal do ABC Agosto de 2013 Formação das Galáxias Evolução Distribuição das Galáxias Galáxias ativas Formação das Galáxias A maioria das galáxias se formaram

Leia mais

ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS

ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS ESTRELAS ANÃS SUAS ORIGENS 1 PALAVRAS CHAVES ANÃS CASTANHAS ANÃS VERMELHAS ANÃS BRANCAS ANÃS PRETAS 2 ESTRELAS ORIGEM As estrelas formam-se no interior de nuvens de gás g s e poeiras por ação a gravitacional

Leia mais

Evolução Estelar. Profa. Jane Gregorio-Hetem IAG/USP

Evolução Estelar. Profa. Jane Gregorio-Hetem IAG/USP Evolução Estelar Profa. Jane Gregorio-Hetem IAG/USP Ciclo de vida do Sol colapso colapso colapso nuvem glóbulo protoestrela Sol estável por 10 bilhões de anos anã negra esfriamento anã branca colapso gigante

Leia mais

Nome: Ano: Turma: Nº.: Grupo I. 1 Big Bang Defendia a terra como o centro do Universo.

Nome: Ano: Turma: Nº.: Grupo I. 1 Big Bang Defendia a terra como o centro do Universo. PGA - Prova Global do Agrupamento Departamento de Ciências Físicas e Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Silves Sul Naturais Físico-Química 7ºano Prova: A Nome: Ano: Turma: Nº.: Data:

Leia mais

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Os Astros do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver:

Leia mais

Universidade da Madeira. Estrelas. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 05 janeiro 2015 NASA

Universidade da Madeira. Estrelas. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 05 janeiro 2015 NASA Estrelas Laurindo Sobrinho 05 janeiro 2015 NASA 1 Luminosidade e brilho aparente Luminosidade (L) - energia emitida por uma estrela por unidade de tempo. Brilho aparente (b) fluxo de energia por unidade

Leia mais

3.1. Terra e Sistema Solar (2)

3.1. Terra e Sistema Solar (2) 1 Ciências Físico-químicas - 7º de escolaridade Unidade 3 PLANETA TERRA (2) Sucessão dos dias e das noites Estações do Ciências Físico- Químicas 7º Ano de Escolaridade Docente: Marília Silva Soares Prof.

Leia mais

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos.

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos. Sumário 3 - Como se formou o Sistema Solar? Constituição do Sistema Solar. - Os planetas do Sistema Solar. - Outros astros do Sistema Solar. Formação do Sistema Solar Considera-se que o Sistema Solar teve

Leia mais

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF

Evolução Estelar. Introdução à Astronomia Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF Evolução Estelar Introdução à Astronomia 2015.2 Prof. Alessandro Moisés Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza SBF http://www.univasf.edu.br/~ccinat.bonfim http://www.univasf.edu.br/~alessandro.moises

Leia mais

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Julho de 2013

Apresentado por Joice Maciel. Universidade Federal do ABC Julho de 2013 Apresentado por Joice Maciel Universidade Federal do ABC Julho de 2013 O que é? Composição Gás interestelar Poeira interestelar Nuvens moleculares Formação de estrelas O que é? Mais conhecida como meio

Leia mais

Grandes estruturas no Universo. Roberto Ortiz EACH/USP

Grandes estruturas no Universo. Roberto Ortiz EACH/USP Grandes estruturas no Universo Roberto Ortiz EACH/USP A luz se propaga com velocidade finita. Portanto, quanto mais distante olhamos, há mais tempo foi gerada a imagem... Olhar para longe significa olhar

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Galáxias Rogemar A. Riffel Galáxias x Estrelas Processos de formação e evolução das galáxias não tão bem conhecidos como das estrelas Por que? Complexidade dos sistemas

Leia mais

Thaisa Storchi Bergmann

Thaisa Storchi Bergmann Thaisa Storchi Bergmann Membro da Academia Brasileira de Ciências Prêmio L Oreal/UNESCO For Women in Science 2015 3/11/16 Thaisa Storchi Bergmann, Breve história do Universo, Parte II 1 Resum0 da primeira

Leia mais

29-09-2011. Sumário. O Universo. Como nos podemos orientar com a ajuda das estrelas? Constelações. 05 e 06 29/09/2011

29-09-2011. Sumário. O Universo. Como nos podemos orientar com a ajuda das estrelas? Constelações. 05 e 06 29/09/2011 Sumário Conclusão da lição anterior. Correção do TPC. Figuras no céu estrelado: as constelações. Mapas celestes. Orientação pelas estrelas: pelo Sol e pela Estrela Polar. Atividade experimental: Será possível

Leia mais

1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO

1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO 1. DAS ESTRELAS AO ÁTOMO 1.1 A arquitectura do Universo 1.1.4. Organização do Universo 1.1.5. Reacções nucleares e a sua aplicação 1.1.4. Organização do Universo PARTE 1 COMO ESTÁ ORGANIZADO O UNIVERSO?

Leia mais

Galáxias

Galáxias Galáxias http://astro.if.ufrgs.br/galax/index.htm Maria de Fátima Oliveira Saraiva Departamento de Astronomia - IF-UFRGS Via Láctea A Via Láctea não é mais do que um conjunto de inúmeras estrelas distribuídas

Leia mais

Unidade Arquitectura do Universo. 1.1 Nascimento e Estrutura do Universo. 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo

Unidade Arquitectura do Universo. 1.1 Nascimento e Estrutura do Universo. 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo Unidade 1 1. Arquitectura do Universo 1.1 Nascimento e Estrutura do Universo 10º Ano Física e Química A Adaptado de Florbela Rêgo A coisa mais incompreensível acerca do nosso Universo é que ele pode ser

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. O universo observável contém tantas estrelas quanto grãos de areia somando

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

Universidade da Madeira. Grupo de Astronomia. Nós s e o Universo. (c) 2009/2014 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira

Universidade da Madeira. Grupo de Astronomia. Nós s e o Universo. (c) 2009/2014 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Nós s e o Universo 1 (c) 2009/2014 da Universidade da Madeira A Terra, a Lua e o Sol 2 Sol Terra http://umbra.nascom.nasa.gov/sdac.html http://www.msss.com/earth/earth.html 700 000 Km 6 370 Km 3 O raio

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. 100 trilhões de km (10 12 km) Betelgeuse gigante vermelha (velha e massiva)

Leia mais

Luminosidade (L) perda de energia não são estáticas evoluem à medida que perdem energia para o espaço

Luminosidade (L) perda de energia não são estáticas evoluem à medida que perdem energia para o espaço Estrelas A estrutura das estrelas e a geração de energia Propriedades das estrelas. A evolução das estrelas Morte estelar estrelas anãs, estrelas de neutrões e buracos negros 1_1 Fontes de energia das

Leia mais

Decima Quarta Aula. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho

Decima Quarta Aula. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho Decima Quarta Aula Introdução à Astrofísica Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) pdf das aulas estará em http://cosmobook.com.br/?page_id=440 ! Capítulo 14!! A Nossa Galáxia - Descrição

Leia mais

Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 4 03/11/2016

Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 4 03/11/2016 Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 4 03/11/2016 Nome: Identificação USP: I- Meio Interestelar (MIS) 1- O tipo mais complexo de molécula encontrado no MIS e o mais comum, são: (0,5) a) Aminoácido, H

Leia mais

OBSERVAÇÕES DO UNIVERSO E ORIENTAÇÃO NO CÉU O

OBSERVAÇÕES DO UNIVERSO E ORIENTAÇÃO NO CÉU O OBSERVAÇÕES DO UNIVERSO E ORIENTAÇÃO NO CÉU O céu noturno Zênite Céu Alfa Centauri A e B z Cen a Cen Próxima Aglomerado Aberto Caixa de Jóias (NGC 4755) b Cen e Cen b Cru Mimosa g Cru Rubídea d Cru Pálida

Leia mais

As galáxias estão-se a afastar umas das outras. O Universo encontra-se em expansão. Recordando. Atenção às Páginas do MANUAL

As galáxias estão-se a afastar umas das outras. O Universo encontra-se em expansão. Recordando. Atenção às Páginas do MANUAL 1.2- Teoria do Big Bang, galáxias e enxames de galáxias Pp. 18 a 23 Evolução e organização do Universo Teoria do Big Bang Radiação cósmica de fundo Radiotelescópios Telescópios espaciais Enxames de galáxias

Leia mais

2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu

2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu 2. Alguns conceitos e convenções na relação da Terra com o Céu Luís Cunha Depº de Física Universidade do Minho Esfera Celeste Equador Celeste Equador Pólo Norte Celeste Pólo Sul Celeste Pólo Norte Pólo

Leia mais

FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO

FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO FORMAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS NO UNIVERSO Eder Cassola Molina Universidade de São Paulo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Departamento de Geofísica Elementos Químicos número atômico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

3º CICLO DO ENSINO BÁSICO FÍSICO-QUÍMICA 7º ANO

3º CICLO DO ENSINO BÁSICO FÍSICO-QUÍMICA 7º ANO GRUPMENTO DE ESCOLS D BTLH 160301 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO FÍSICO-QUÍMIC 7º NO 1º TESTE DE VLIÇÃO Ficha daptada Duração: 50 minutos Modalidade: Prova escrita Data: 18/ 10/2016 Nome: N.º Turma Classificação:

Leia mais

ORIENTAÇÃO O QUE É? Operação ou conjunto de operações pela quais fica apto a determinar, observar e seguir uma direcção.

ORIENTAÇÃO O QUE É? Operação ou conjunto de operações pela quais fica apto a determinar, observar e seguir uma direcção. ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO O QUE É? Operação ou conjunto de operações pela quais fica apto a determinar, observar e seguir uma direcção. ORIENTAÇÃO PROCESSOS RIGOROSOS: -Orientação com carta e bússola PROCESSOS

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1 Flavio D Amico damico@das.inpe.br estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato A Constelação de Orion e as 3 Marias super Betelgeuse:

Leia mais

CONSTELAÇÕES. Autor: Viviane Lopes da Costa

CONSTELAÇÕES. Autor: Viviane Lopes da Costa CONSTELAÇÕES Autor: Viviane Lopes da Costa Contexto: Esta aula se insere no decorrer do curso de ciências para a 5 a série (3 o ciclo do Ensino Fundamental). Os alunos já deverão ter tido contato com os

Leia mais

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL Sol Planetas principais (giram diretamente à volta do Sol) Planetas secundários ou satélites (giram à volta de outros planetas) Planetas anões (Plutão, Ceres, Xena)

Leia mais

O Surgimento e Desenvolvimento De Uma Anã Branca

O Surgimento e Desenvolvimento De Uma Anã Branca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FÍSICA Mestrado Profissional em Ensino de Física Vitor Cossich O Surgimento e Desenvolvimento De Uma Anã Branca IMAGEM: Concepção artística do sistema

Leia mais

Decima Quinta Aula. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho

Decima Quinta Aula. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho Decima Quinta Aula Introdução à Astrofísica Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) pdf das aulas estará em http://cosmobook.com.br/?page_id=440 Baseado no livro Universe, Roger A. Freedman

Leia mais

Prof. Eslley Scatena Blumenau, 22 de Agosto de

Prof. Eslley Scatena Blumenau, 22 de Agosto de Grupo de Astronomia e Laboratório de Investigações Ligadas ao Estudo do Universo Prof. Eslley Scatena Blumenau, 22 de Agosto de 2017. e.scatena@ufsc.br http://galileu.blumenau.ufsc.br A esfera celeste

Leia mais

O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides. e cometas que giram ao redor do Sol.

O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides. e cometas que giram ao redor do Sol. Leandro e João O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides e cometas que giram ao redor do Sol. O Sistema Solar é composto por 8 planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 16: Forma da Via Láctea

Astrofísica Geral. Tema 16: Forma da Via Láctea ema 16: Forma da Via Láctea Outline 1 Forma e dimensões 2 Componentes da Galáxia 3 Anatomia da Galáxia 4 Bibliografia 2 / 37 Outline 1 Forma e dimensões 2 Componentes da Galáxia 3 Anatomia da Galáxia 4

Leia mais

Os Planetas do Sistema Solar (observação: para ir junto da maquete)

Os Planetas do Sistema Solar (observação: para ir junto da maquete) Os Planetas do Sistema Solar (observação: para ir junto da maquete) EIXO PRINCIPAL TEXTO GERAL DA MAQUETE Os planetas e planetas anões do Sistema Solar são de longe o mais bem estudado sistema planetário,

Leia mais

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011 Tópicos Especiais em Física Vídeo-aula 5: astrofísica estelar 09/07/2011 Propriedades fundamentais das estrelas Formação estelar Evolução estelar Estágios finais das estrelas Estrelas: o que são? Enormes

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Lição 25 A Morte das Estrelas

Introdução à Astrofísica. Lição 25 A Morte das Estrelas Introdução à Astrofísica Lição 25 A Morte das Estrelas Nós já falamos a respeito da evolução das estrelas com massas próximas a do Sol. Vimos que no fim de suas vidas, essas estrelas formarão as nebulosas

Leia mais

Galáxias: Via Láctea. 1a parte: propriedades gerais. Sandra dos Anjos IAGUSP. Histórico: Modelos da Galáxia

Galáxias: Via Láctea. 1a parte: propriedades gerais. Sandra dos Anjos IAGUSP. Histórico: Modelos da Galáxia Galáxias: Via Láctea 1a parte: propriedades gerais Histórico: Modelos da Galáxia Estrutura, Forma e Dimensões da Via-Láctea - Bojo, Disco, Halo e Barra - A Região Central Sandra dos Anjos IAGUSP www.astro.iag.usp.br/aga210/

Leia mais

Astronomia. O nosso Universo

Astronomia. O nosso Universo Astronomia O nosso Universo O sistema solar Distância entre a Lua e a Terra: 384.000 Km (aprox. 1 seg-luz Velocidade da luz (c) : 300.000 Km/s Distância média entre a Terra e o Sol: 146 milhões Km (aprox.

Leia mais

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante 2º ano D Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante A Terra é o terceiro planeta do Sistema Solar a contar a partir do Sol e o quinto em diâmetro. Os oitos planetas que compõe o Sistema Solar são Mercúrio, Vênus,

Leia mais

Nível 1. 2º ano Incrível

Nível 1. 2º ano Incrível Nível 1 2º ano Incrível Júlia Nóbrega, Nayara Rebecchi e Mariana Peligrinelli 2º ano Incrível O que é o Sistema Solar? O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides e cometas que giram ao redor

Leia mais

Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal

Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Evolução Estelar: Pós-Seqüência Principal Tibério B. Vale Veja mais em: http://astro.if.ufrgs.br/estrelas/node14.htm Evolução Final das Estrelas O destino final

Leia mais

Introdução ao Céu Profundo. Guião para Stellarium

Introdução ao Céu Profundo. Guião para Stellarium Introdução ao Céu Profundo Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Atividade Céu profundo uma visita guiada. Serão mostrados, nesta visita guiada, alguns dos diferentes tipos objectos do céu profundos

Leia mais

Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela

Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela O sistema solar é um conjunto de planetas, asteroides e cometas que giram ao redor do Sol. O nosso sistema solar é constituído por oito planetas: Mercúrio, Terra, Marte,

Leia mais

Ficha de Trabalho n.º 4

Ficha de Trabalho n.º 4 Ficha de Trabalho n.º 4 Disciplina: CFQ Componente de Química Ano/Turma Selecção de Conteúdos de Química 10 ano do exame 715 Data / / Professor: 1. (ENES 1ª Fase 2007) Leia atentamente o seguinte texto.

Leia mais

I. Espaço. 2.1 Astros do Sistema Solar. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza

I. Espaço. 2.1 Astros do Sistema Solar. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Físico-Química - 7º ano M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Novo O Sistema Solar formou-se, segundo se pensa, pela contração de uma nuvem de matéria em rotação, há cerca de 4,6 mil milhões de anos.

Leia mais

Evolução Final das Estrelas

Evolução Final das Estrelas Introdução à Astrofísica Evolução Final das Estrelas Rogemar A. Riffel Destino das estrelas O destino final das estrelas, depois de consumir todo o seu combustível nuclear, depende de duas coisas: 1) Se

Leia mais

Galáxias Tipos e Classificação Eduardo Brescansin de Amôres, Isabel Guerra Aleman (IAG-USP)

Galáxias Tipos e Classificação Eduardo Brescansin de Amôres, Isabel Guerra Aleman (IAG-USP) Observatórios Virtuais - Atividade: Galáxias Tipos e Classificação 1 Galáxias Tipos e Classificação Eduardo Brescansin de Amôres, Isabel Guerra Aleman (IAG-USP) No céu à noite, quando estamos longe das

Leia mais

Estrelas Parte I. Victoria Rodrigues 10/05/14

Estrelas Parte I. Victoria Rodrigues 10/05/14 Estrelas Parte I Victoria Rodrigues victoria_souzarodrigues@hotmail.com 10/05/14 Sumário Parte I O que são? Nascimento estelar; Evolução Parte II Evolução: Estrelas maiores que o Sol; Aglomerados estelares;

Leia mais

Origem, evolução e morte das estrelas

Origem, evolução e morte das estrelas Origem, evolução e morte das estrelas Laurindo Sobrinho 24 de novembro de 2012 1 As estrelas formam-se a partir de nuvens de gás e poeiras... 2 ... Em particular no interior de nebulosas escuras. http://www.physics.unc.edu/

Leia mais

I. Espaço. 2.2 Os planetas e as características que os distinguem. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M.

I. Espaço. 2.2 Os planetas e as características que os distinguem. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Físico-Química - 7º ano que os distinguem M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Novo Dimensões dos planetas Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em

Leia mais

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia (ou Via-Láctea) é um grande sistema estelar contendo cerca de 2 x 10 11 estrelas, incluindo o Sol, ligadas gravitacionalmente. As estrelas (e demais componentes)

Leia mais

O movimento dos planetas, visto da Terra

O movimento dos planetas, visto da Terra O movimento dos planetas, visto da Terra Quando são visíveis da Terra, os planetas não acompanham as estrelas (a palavra planeta vem da palavra grega vagabundo ). Em relação às estrelas, os planetas não

Leia mais