Aplicação da Medida TfIdf em Bancos de Dados Relacionais para Ordenação de Consultas por Termos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação da Medida TfIdf em Bancos de Dados Relacionais para Ordenação de Consultas por Termos"

Transcrição

1 Aplicação da Medida TfIdf em Bancos de Dados Relacionais para Ordenação de Consultas por Termos Daniel Pereira Lima 1, Naziane Alves Pinto 2, Carla Oran Fonseca de Souza 3, Francisca Sancha Azevedo da Silva 4 Centro Universitário do Norte UNINORTE Manaus AM Brazil Abstract. In Relational Database (RDB), indexes are structures used for improving the performance of data search. In the Information Retrieval (IR) area, there are also structures of search optimization, known as inverted indexes. Besides search optimization, another source in IR is the ordination of result according to their relevance. A way of calculating this relevance is using Tfidf measure. The goal of this paper is to apply the concepts of inverted index and the Tfidf measure in RDB, with the objective of allowing the optimization and ordination of searches for key-words. Resumo. Em Bancos de Dados Relacionais (BDR), os índices são estruturas utilizadas para melhorar a performance de busca de dados. Na área de Recuperação de Informação (RI) também existem estruturas de otimização de busca, conhecida como índices invertidos. Outra fonte de estudos em RI além da otimização de busca, é a ordenação dos resultados de acordo com a relevância dos mesmos. Uma forma de calcular essa relevância é por meio da medida Tfidf. Este artigo tem por objetivo aplicar os conceitos de índice invertidos e a medida Tfidf em BDR, com o intuito de permitir a otimização e ordenação de buscas por termos. 1. Introdução Dentro da área de banco de dados (BD) existem recursos de software, cujo propósito é auxiliar na manipulação de grandes volumes de dados garantindo a segurança das informações e permitindo armazenar, modificar e extrair informações conforme as especificações pré-definidas. Esses recursos são conhecidos como Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD). Esse tipo de software disponibiliza mecanismos para otimização de consultas, os quais são chamados índices e são responsáveis por tornar as consultas mais eficientes, melhorando assim o desempenho do SGBD. Segundo Barão et.al. (2009), a criação de índices é uma forma das bases de dados melhorarem a performance, por meio da localização mais ágil dos dados que interessam aos usuários. A área de Banco de Dados não é a única que dedica esforços para pesquisa e implementação de estruturas de otimização de buscas de dados. No campo da Recuperação da Informação (RI) também existem estruturas para essa finalidade como é o caso dos índices invertidos, o qual melhora a performance das consultas baseadas em palavras-chaves. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

2 Visto que a necessidade do usuário final é obter a resposta de suas consultas de uma forma rápida e eficiente e que o resultado seja realmente o que se esteja buscando, é possível unir as características de busca oferecidas pela área de RI aos recursos disponibilizados pelo SGBD. Além disso, é possível agregar ainda mais valor a essas buscas por meio da ordenação das respostas encontradas de acordo com a projeção adequada das colunas e a relevância das mesmas em relação aos parâmetros da busca. Na literatura são apresentados vários métodos para melhorar a ordenação das respostas ao usuário, dentre eles, encontra-se o Modelo Vetorial, o qual utiliza uma medida de similaridade TfIdf para permitir o cálculo de relevância dos resultados retornados. Assim, o objetivo deste trabalho é aplicar em banco de dados relacionais a estrutura de índice invertido associada à medida TfIdf, com o intuito de otimizar o processo de busca por palavras-chaves, além de permitir a ordenação dos resultados de acordo com a sua relevância para a busca. 2. Referencial Teórico 2.1 Recuperação de Informação Devido à grande necessidade de armazenamento dos dados, o processo de recuperação dos mesmos tornou-se cada vez mais importante e desafiador. Para lidar com esses desafios surge a área de Recuperação da Informação. Segundo Silberschatz (2006), Recuperação de Informação (RI) é uma área da Ciência da Computação que busca soluções para consultas a dados textuais não estruturados. Já o processo de recuperação de informação consiste em localizar documentos relevantes, com base em um critério de busca (palavra-chave ou termo) fornecido pelo usuário. Um dos principais problemas tratados pelos modelos de Recuperação da Informação é dizer quais documentos são mais relevantes para a busca realizada. Em outras palavras, retornar os documentos que têm a maior chance de conter as informações que o usuário espera encontrar. Para isso, foram definidos os modelos de recuperação de informação. Para Miranda (2003), modelos de recuperação de informação são formas que definem como o sistema irá fazer os cálculos de relevância dos documentos. Para tanto, de um modo geral, os modelos de RI propõem a associação de um valor aos documentos candidatos, os quais podem ser as respostas para o que se está buscando. No resultado de uma pesquisa, tais documentos são ordenados com base nesse valor e os que estão no topo são de maior relevância para a busca do usuário. Os principais modelos utilizados em Recuperação da Informação são Booleano, Vetorial e Probabilístico. Nesse trabalho, foram empregados os conceitos utilizados no Modelo Vetorial, o qual é descrito a seguir. 2.2 Modelo Vetorial Segundo Dantas (2002), no modelo vetorial, as distâncias entre um documento e a consulta indicam seu grau de similaridade, ou seja, documentos que possuem os Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

3 mesmos termos acabam sendo colocados em uma mesma região do espaço e, em teoria, tratam de assuntos similares. Para cálculo dessa similaridade entre documentos, é utilizado o cosseno, conforme fórmula apresentada abaixo. Para Matos (2009), no modelo vetorial os resultados são ordenados de acordo com o grau de similaridade, ou seja, os termos informados pelo usuário no processo de busca devem constar na coleção de documentos disponíveis. Com isso, os documentos que tiverem o maior grau de similaridade estarão no topo do ranking e, portanto, terão maior relevância para o resultado da busca realizada. Uma parte importante desse cálculo é a chamada medida Tfidf, a qual é usada para calcular os pesos dos termos buscados nos documentos, a partir da frequência em que os mesmos ocorrem em tais documentos e da raridade dele na coleção. O cálculo dessa medida é dado pela fórmula apresentada a seguir: W i,d = tf x idf = tf i,d x log(n/df i ) Onde, tf i,d é a frequência do termo i no documento d, ou seja, a quantidade de vezes que o termo i aparece no documento d; log(n/dfi), onde n é o número de documentos na coleção e dfi é a quantidade de documentos da coleção em que o termo i ocorre. Como o objetivo desse trabalho é obter a estrutura de uma consulta e não os dados da consulta, foi possivel utilizar os valores retornados pela medida Tfidf para ordenar os resultados das consultas estruturadas e precisas em bancos de dados relacionais. Portanto, essa ordenação leva em consideração o peso dos termos na coleção de dados analisados e, consequentemente, a sua relevância para a busca. Destaca-se que esse processo de ordenação realiza um somatório do Tfidf quando mais de um termo buscado ocorre no mesmo atributo. 2.3 Índices Invertidos Na área de recuperação de informação, os índices invertidos são muito utilizados para a otimização do processo de busca. De acordo com Harman et. al. (1992), os índices invertidos contêm, para cada termo ou palavra-chave, um apontador para cada documento que contém tal palavra. Assim, levando-se em consideração o seguinte conjunto de textos, onde d[n] representa o documento no qual cada palavra ocorre: d[0] = curso de matemática d[1] = exercícios de matemática Ao construir o índice invertido para cada termo existente nos textos apresentados, tem-se que ocorrem nos seguintes documentos: curso = {0} de = {0, 1} matemática = {0, 1} exercícios = {1}. Dessa forma, ao realizar uma busca pelo termo matemática, sabe-se que o mesmo encontra-se nos documentos d[0] e d[1]. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

4 3. Trabalhos Relacionados Na literatura há diversos trabalhos disponíveis referentes à Recuperação de Informação, tais como Costa et. al. (2010), no qual é feita a análise do comportamento do método TFIDF em documentos de especificação de requisitos de software. Os testes demonstraram que na aplicação do modelo vetorial foram obtidos resultados com considerável similaridade conceitual entre os documentos analisados. Outra fonte bastante relevante para pesquisadores interessados no tema é o trabalho de Filho (2001), o qual realiza buscas por páginas Web utilizando um robô para varrer as páginas que contenham um determinado assunto que está sendo buscado. Essas páginas são indexadas no banco de dados e através do modelo vetorial são retornadas as páginas relevantes para o usuário. Outro trabalho relevante é o de Pereira (2012), o qual trata-se de um estudo de caso avaliando a performance da indexação dos arquivos, fazendo comparações entre os métodos de busca utilizando índices invertidos e os métodos utilizando os índices tradicionais (Hash e Btree) de banco de dados relacionais. O presente artigo utilizou a estrutura de indexação de arquivos proposto nesse trabalho, para obter uma performance mais rápida e eficaz na indexação dos termos e assim tornar as buscas mais rápidas. Ressalta-se que o presente trabalho difere-se dos demais, pois é um estudo a respeito da medida TfIdf, aplicada ao índice invertido proposto por Pereira (2012), visando o retorno de consultas estruturadas, as quais são ordenadas pela medida. Assim reduzindo o esforço do desenvolvedor sem que o mesmo tenha conhecimento prévio da estrutura da base de dados. 4. Metodologia de Pesquisa Primeiramente foi realizado um levantamento bibliográfico para compreensão dos conceitos empregados em Recuperação de Informação, especialmente relacionados a índices invertidos e medida Tfidf. Além disso, como a proposta do trabalho em questão é a aplicação prática de tais conceitos ao Modelo Relacional de Banco de Dados (MR), foi necessário fazer um mapeamento dos mesmos para os conceitos usados em MR. Uma vez feita a fundamentação teórica da pesquisa e o mapeamento dos conceitos, foi possível desenvolver o Modelo Proposto, por meio da implementação da estrutura de índice invertido e do algoritmo para cálculo da medida TfIdf em banco de dados relacional, para garantir a eficácia na ordenação dos resultados de busca. Para a avaliação do modelo de busca proposto nesse trabalho, foi utilizada pesquisa experimental. Para tanto, foram executados experimentos para avaliar dois aspectos: a performance de execução das buscas com e sem o uso do modelo proposto com índice invertido; e a ordenação do resultado das buscas de acordo com a relevância da medida Tfidf. Destaque-se que o método desenvolvido foi padronizado para fazer buscas somente em bases de dados que contenham atributos do tipo texto. Em relação à performance, foram levados em consideração três variáveis, conforme apresentadas no Quadro 1 para a avaliação dos experimentos. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

5 Quadro 1 - Variáveis usadas na avaliação dos experimentos. Critério Massa de dados na base de dados Quantidade de termos buscados Frequência dos termos buscados na base de dados Entradas Avaliadas 1000, e registros 01, 02 e 03 termos Não ocorre na base de dados Ocorre em metade dos atributos Ocorre em todos os atributos Nos experimentos relacionados à ordenação das consultas, foi utilizada a métrica MRR - Mean Reciprocal Rank, a qual é tradicionalmente utilizada para medir a qualidade da lista de respostas previstas de um sistema de RI. Finalmente, ressalta-se que as massas de dados utilizadas para realização dos experimentos foram extraídas do site archive.ics.uci.edu/ml/datasets.html e foram importados para o SGBD PostgreSQL 9.2, o qual foi usado nos experimentos. A configuração da máquina emprega nos testes foi Windows 7 Ultimate 64 bits, Processador Intel Core i5 2,67 Ghz, 4 GB de memória e 500 GB de HD. 5. Modelo Proposto Para a composição do modelo de busca proposto nesse trabalho foi fundamental definir uma estrutura composta por tabelas, funções e triggers, que possibilitassem a implementação de um índice invertido, bem como para a realização dos cálculos necessários da medida Tfidf. Assim, esta seção tem o propósito de apresentar a estrutura definida. 5.1 Mapeamento dos Conceitos Como o trabalho emprega conceitos da área de RI em banco de dados, foi necessário traçar um mapeamento entre essas áreas de conhecimento, especialmente no que diz respeito às definições de documentos e coleção de documentos, as quais não existem em BD. Assim, ficou estabelecido que um documento em banco de dados corresponderia a um atributo e a coleção de todos os documentos seria mapeada para o total de atributos do tipo texto existente em toda a base de dados. Desta forma, o cálculo da medida Tfifd representa, nesse caso, o peso de um determinado termo nos atributos que fazem parte da coleção. 5.2 Estrutura de Índices Invertidos Os índices invertidos utilizados em RI foram implementados nesse trabalho, como um conjunto de tabelas relacionadas, as quais têm por objetivo armazenar os termos inclusos na base de dados e os atributos nos quais tais termos foram inseridos. A Figura 1 ilustra a estrutura desenvolvida, a qual foi baseada no modelo definido por Pereira (2012). Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

6 Figura 1 Estrutura de índice invertido do Modelo Proposto. Destaca-se que nesse trabalho, foi adicionada a frequência de cada termo (nb_termo_frequencia) em um determinado documento (atributo) e o valor da medida Tfidf (nb_tfidf), a qual representa o peso do termo no atributo (documento) identificado na coluna id_atributo. Essas alterações em relação à estrutura proposta por Pereira (2012), foram necessárias para otimizar a busca e o processo de ordenação do resultado por relevância. 5,3 Implementação do Cálculo da Medida Tfidf O cálculo da medida TfIdf nesse trabalho foi implementada na forma de triggers. Assim, supondo uma base de dados com a estrutura apresentada na Figura 2, o modelo proposto requer uma trigger de inclusão, uma de exclusão e uma de alteração para cada tabela. Figura 2 - Representação das tabelas da base de dados. Essas triggers têm por finalidade disparar as funções que irão povoar as tabelas ilustradas na Figura 1, calculando a frequência dos termos e a medida TfIdf dos mesmos. Foram implementadas 6 funções, as quais são: fn_insere_termo_atributo (), fn_termo (), fn_atributo (), fn_termo_frequência (), fn_excluir_termo () e fn_tfidf (). A função principal fn_insere_termo_atributo () recebe os parâmetros passados pela trigger, que são: o valor do atributo, esquema, tabela e o próprio atributo. A mesma é responsável por realizar a separação do valor do atributo em termos (cada palavra corresponde a um termo) e inserir na estrutura de índice invertido do modelo proposto. Está função passa parâmetros de entrada para todas as funções citadas anteriormente, possibilitando a verificação do esquema, tabela, atributo, termo e calcular a frequência do termo e o valor do Tfidf. Exceto a fn_excluir_termo (), pois está é acionada quando é feita a exclusão de um termo e assim decrementar o valor do tf e recalcular o tfidf. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

7 Para um melhor entendimento do fluxo de processamento descrito, a Figura 3 ilustra como as triggers e as funções são disparadas. De acordo com a ilustração, quando um registro, contendo atributo do tipo texto é inserido, alterado ou excluído, as triggers vinculadas à tabela que está sendo manipulada são disparadas. Essas triggers invocam a função principal do modelo proposto e esta, por sua vez, chama as demais funções para atualização das tabelas tb_termo, tb_atributo e tb_termo_frequencia. Figura 3 Fluxo de processamento do modelo de busca proposto. 6. Resultados Experimentais Os dados obtidos durante os experimentos relacionados à avaliação de performance foram tabulados e apresentados na forma de gráficos do tipo barras, a fim de permitir a visualização comparativa entre o modelo de busca proposto e o modelo de busca tradicional. Os experimentos realizados foram agrupados levando-se em consideração as variáveis apresentadas no Quadro 1. Os nove tipos de experimentos que foram realizados são descritos no Quadro 2 Quadro 2 Experimentos realizados. Experimento Massa de Dados Qtde de Termos Frequência dos Termos Experimento , e Não ocorre na base de dados Experimento , e Ocorre em metade dos atributos Experimento , e Ocorre em todos os atributos Experimento , e Não ocorre na base de dados Experimento , e Ocorre em metade dos atributos Experimento , e Ocorre em todos os atributos Experimento , e Não ocorre na base de dados Experimento , e Ocorre em metade dos atributos Experimento , e Ocorre em todos os atributos A Figura 4 apresenta o tempo médio, em segundos, coletado durante a execução dos três primeiros experimentos, os quais utilizaram como entrada da busca apenas um (01) termo fornecido pelo usuário. Pelos gráficos, pode-se observar que a performance do modelo proposto foi melhor que do modelo tradicional. Essa diferença de performance é mais notória para a massa de dados de registros. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

8 Figura 4 Resultado dos experimentos realizados com a busca de um termo. Em relação aos experimentos realizados com a busca de dois (02) termos fornecidos pelo usuário, o modelo proposto também demonstrou ser mais eficiente que o modelo tradicional, conforme pode ser analisado pelos gráficos ilustrados na Figura 5. De acordo com os dados coletados, o desempenho do modelo proposto foi em média 49,30% melhor quando os termos não existiam na base, 48,20% quando os termos pesquisados existiam em metade da coleção de atributos da base e 50,60% quando os termos podiam ser encontrados em todos os atributos da base. Figura 5 Resultado dos experimentos realizados com a busca de dois termos. Finalmente, o modelo proposto também apresentou melhor eficiência quando realizadas buscas com três (03) termos passados por parâmetro. Assim como também ocorreu nos experimentos anteriores, nesses três últimos testes pode-se observar que a eficiência do modelo proposto torna-se cada vez melhor à medida que a massa de dados aumenta. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

9 Figura 6 - Resultado dos experimentos realizados com a busca de três termos. Quanto à análise da ordenação das respostas levando em consideração a medida Tfidf, os dados obtidos durante os experimentos foram apresentados de forma tabulada, permitindo a comparação entre as buscas realizadas com um (01), dois (02) e três (03) termos onde os mesmos ocorrem na metade dos atributos e em todos os atributos da base de dados, para uma massa de registros. O Quadro 3 mostra os critérios que foram usados para os experimentos. Quadro 3 Experimentos realizados na ordenação dos resultados. Experimento Massa de Dados Qtde de Termos Experimento Experimento Experimento O Quadro 4 apresenta a média coletada para a medida MRR durante a execução dos três experimentos, os quais utilizaram como entrada da busca um (01), dois (02) e três (03) termos fornecido pelo usuário. Essa medida indica que quanto mais próximo do valor 1, melhor a eficácia da ordenação calculada no modelo proposto. De acordo com os resultados obtidos, pode-se observar que a busca é mais eficiente quando os termos buscados ocorrem em um único atributo na base de dados. Já nos casos em que os termos buscados ocorrem em mais de um atributo, a eficácia chegou a 0,25. Quadro 4 Experimentos da ordenação dos resultados usando a medida TfIdf. 7. Considerações Finais Experimento da ordenação dos resultados usando a medida TfIdf Quantidade de termos Em 1 Em 1 ou mais buscados 1 termo atributo 1,0 atributos 0,33 2 termos 1,0 0,50 3 termos 1,0 0,25 A análise experimental realizada nesse trabalho procurou traçar um comparativo entre um novo modelo de busca proposto para bancos de dados relacionais e o modelo de Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

10 busca tradicional. Ressalta-se que essa proposta apresentada utiliza como recursos de otimização de pesquisa a estrutura de índice invertido e como mecanismo de ordenação dos resultados a medida Tfidf. Com os resultados obtidos, pode-se notar que em todos os experimentos realizados o novo modelo foi mais eficiente que o tradicional em relação ao tempo, em segundos, para localizar o termo buscado na base de dados. Destaca-se, que essa eficiência torna-se melhor à medida que a quantidade de registros aumenta. Como consequência, surge uma oportunidade de melhoria para o algoritmo de busca implementado quando for utilizado com massas de dados menores. Quanto aos resultados obtidos nos experimentos de ordenação utilizando a medida Tfidf, ficou evidenciado que quando empregado para a busca de um único termo, a ordenação das consultas estruturadas tem 100% de corretude. Porém, também se nota uma oportunidade de melhoria para esse algoritmo quando se busca termos em diversos atributos. Somando-se a isso, também é possível identificar como melhoria futura para o processo de ordenação do resultado por relevância, o uso de uma lista de stopwords, ou seja, um conjunto de termos que são muito frequentes nos textos e que não contribuem para o resultado da busca (ex.: de, para, com, onde, dentre outras). Portanto, podem ser descartados na execução da pesquisa. 8. Referências Bibliográficas BARÃO, Bruno et. al. Sistemas de Base de Dados, Análise do SGBD PostgreSQL. Universidade Nova de Lisboa, COSTA, Adriana Cássia da; JUNIOR, Custódio Gastão da SILVA; Similaridade entre Documentos de Especificação de Requisitos de Software Utilizando o Modelo Vetorial de Recuperação de Informação, DANTAS, Suzana. Introdução à Recuperação de Informação FILHO, Ivan Gesteira Costa; Framework Semi-Automatico de Classificação de Páginas Web; UFPE; Pernambuco, HARMAN, D. et. al. Inverted Files in Information Retrieval Data Structures & Algorithms. Prentice Hall, MATOS, Tauller Augusto de Araújo. Uma proposta de construção de índice invertido para recuperação de imagens baseada em conteúdo. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, MIRANDA, Oscar Gomes. Uma Estrutura de Índice Invertido em Blocos Baseada em uma B+-Tree. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, PEREIRA, Micila Sumária Medeiros. Modelo para Busca por Palavra-Chave em Bancos de Dados Relacionais Utilizando Listas Invertidas para Otimização da Pesquisa. Centro Universitário do Norte - UNINORTE. Manaus, SILBERSCHATZ, Abrahan; KORTH, Henry F; SUDARSHAN, S. Sistemas de Banco de Dados. Elsevier. Rio de Janeiro, Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Computação GEDAI-Grupo de Estudo e Desenvolvimento em Automação Industrial Documento de Requisitos Sistema WEB

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Ricardo Mendes do Nascimento. Ciência da Computação Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Figura. Sistema de Banco de Dados. Portanto, a assertiva C é a resposta da questão. Prof a. Patrícia Lima Quintão www.pontodosconcursos.com.

Figura. Sistema de Banco de Dados. Portanto, a assertiva C é a resposta da questão. Prof a. Patrícia Lima Quintão www.pontodosconcursos.com. Resolução da Prova de Conhecimentos de Bancos de Dados Olá, pessoal! A seguir destacamos a resolução da prova realizada em 17/06, para a área: Auditoria e Fiscalização, Campo de Atuação: Geral, da Controladoria-Geral

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/gbd2 UFU/FACOM/BCC Plano de Curso Ementa Arquitetura de um Sistema

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Microsoft Access XP Módulo Um

Microsoft Access XP Módulo Um Microsoft Access XP Módulo Um Neste primeiro módulo de aula do curso completo de Access XP vamos nos dedicar ao estudo de alguns termos relacionados com banco de dados e as principais novidades do novo

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS Miguel Airton Frantz 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO A proposta básica desse projeto consiste em criar uma base de conhecimento a partir

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Criação de um Arquivo Invertido para a Recuperação de Informação em Grandes Volumes de Texto

Criação de um Arquivo Invertido para a Recuperação de Informação em Grandes Volumes de Texto Criação de um Arquivo Invertido para a Recuperação de Informação em Grandes Volumes de Texto Rafael Rodrigo da Silva 1, Wender Magno Cota 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Faculdade Regional

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

ALTO DESEMPENHO UTILIZANDO FRAMEWORK HIBERNATE E PADRÃO JAVA PERSISTENCE API

ALTO DESEMPENHO UTILIZANDO FRAMEWORK HIBERNATE E PADRÃO JAVA PERSISTENCE API ALTO DESEMPENHO UTILIZANDO FRAMEWORK HIBERNATE E PADRÃO JAVA PERSISTENCE API Tiago Henrique Gomes da Silva Balduino 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagobalduino77@gmail.com

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Ernani Viriato de Melo V Jornada Científica 24/10/2006 Tópicos Abordados Motivação Imagens e Características PostgreSQL-IE:

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Armazenamento e Recuperação da Informação

Armazenamento e Recuperação da Informação Coleção UAB UFSCar Sistemas de Informação Organização e Recuperação da Informação Jander Moreira Armazenamento e Recuperação da Informação Armazenamento e Recuperação da Informação Reitor Targino de Araújo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS Professor:. Carga horária semanal: 4 HA Resumo dos assuntos abordados: - Teoria de banco de dados; - Modelagem de dados; - MS-Access; - Linguagem SQL; - PostgreSQL;

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO Dado, Informação e Conhecimento DADO: Estímulos captados pelos sentidos humanos; Símbolos gráficos ou sonoros; Ocorrências registradas (em memória, papel, etc.); Indica uma situação

Leia mais

Organizações Básicas de Arquivos

Organizações Básicas de Arquivos Estrtura de Dados II Organizações Básicas de Arquivos Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Introdução Armazenamento de pequeno volume de dados Distribuição simples dos

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação

Leia mais

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados 1 Assunto 1: Conceitos 1. BASE DE DADOS conjunto de dados armazenados logicamente conteúdo representa o estado atual de uma determinada aplicação modelo

Leia mais

Resultados Experimentais

Resultados Experimentais Capítulo 6 Resultados Experimentais Este capítulo é dedicado às avaliações experimentais do sistema CBIR. Os experimentos aqui realizados têm três objetivos principais: comparar os nossos resultados com

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos.

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. 1 1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Brasília, 14 de maio de 2010. A LTDA. vem, por meio deste documento,

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais