Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica"

Transcrição

1 PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica Conceitos básicos A usina hidrelétrica Tipologia Energia hidráulica no Brasil slide 1 / 35

2 Geração hidrelétrica UHE de Itaipú 14 GW Brasil/Paraguai Fonte: EPE slide 2 / 35

3 Conceitos básicos da hidrologia: Ciclo hidrológico Fonte: USGS slide 3 / 35

4 Conceitos básicos de Hidrologia: Bacia hidrográfica Área da superfície do solo capaz de coletar a água das precipitações meteorológicas e conduzi-las ao curso d água. slide 4 / 35

5 Conceitos básicos de Hidrologia: Vazão em um curso d água. Exemplo de um fluviograma típico: Vazão mínima presente 95 a 100% do tempo slide 5 / 35

6 Conceitos básicos da hidrologia: Regularização de vazões slide 6 / 35

7 Hidrelétricas Princípio básico de funcionamento Energia/tempo = Potência = mgh m = massa que cai / seg g = aceleração da gravidade H = queda bruta Se a água que cai vem de um rio tem velocidade v constante: P = mgh + 1/2 mv 2 obs: 1/2 mv 2 em geral pode ser desprezada pois v é muita pequena P: Potência m: Vazão de massa M: massa m = dm/dt slide 7 / 35

8 Hidrelétricas Princípio básico de funcionamento m = m/q Q Q = volume de água que escoa através do tubo / seg PH = ghq g = aceleração da gravidade (9,81m/s2) = 1000kg/m3 Potência hidráulica (PH) = 9, HQ (W) Ou PH = 9,81 HQ (kw) Sendo: H em metros Q em m 3 /s P em kw slide 8 / 35

9 Hidrelétricas Características Rendimento ou eficiência: Indica a eficiência da conversão de energia. É a relação entre a energia útil obtida ( trabalho útil) e a energia total consumida. Energia Consumida Energia Útil Obtida (Trabalho Útil).. TOT H 0, 96 com 0, 97 0, 90 g 0, 94 0, 88 T H 0, 76 0, 87 TOT T g onde Pe Perdas Se consideramos a energia ou o trabalho por unidade de tempo, temos: Rendimento total de uma UHE: Rendimento ou eficiência = Potência útil / Potência consumida H g T - Rendimento do sistema hidráulico - Rendimento do gerador - Rendimento da turbina 9,81 H Q ( kw) TOT Potência elétrica slide 9 / 35

10 Então, a energia gerada depende: Energia gerada Da altura de carga H; da vazão de água Q; da eficiência dos diversos componentes. Por exemplo: - Para uma vazão constante de 3m 3 /seg ; - altura de 10m; -Rendimento hidráulico de 95% -Rendimento da turbina de 90% -Rendimento do gerador elétrico de 95% Ed Energia diária 9,81 H Q 24h H T g / Ed = 5737,23 kwh/dia dia slide 10 / 35

11 Fator de Capacidade (FC) de uma UHE Não sendo constante a vazão instantânea: Potência elétrica instantânea Ed Energia diária gerada i i 0 24 Pe (kw) Pe i dt i Curva diária de geração Potência instalada Potência máxima Potência média Fator de capacidade - FC FC = energia efetivamente gerada Máxima energia possível de ser gerada = i 24 i 0 Pe P max 24/ i dt i dia = Pmédia / Pmáxima Então: Ed Pmax FC 24h / dia horas slide 11 / 35

12 Exemplo: Uma usina hidrelétrica de 1 MW apresenta a seguinte curva diária de geração: Calcule: - Potência instalada - Potência máxima - Potência média - Fator de capacidade diário kw Qual a diferença entre capacidade ou potência instalada e potência máxima? horas A potência máxima instantânea pode ser igual à potência ou capacidade instalada? Quando isto acontece? slide 12 / 35

13 Hidrelétricas Principais componentes Barragens - represa Vertedouro Comportas porta de controle Condutos (duto) Chaminés de equilíbrio ou câmara de descarga Casas de força : turbina, gerador, válvulas, e demais equipamentos do sistema elétrico slide 13 / 35

14 Vista área da Usina de Itaipú barragem vertedouro Potência Instalada MW ou 14 GW slide 14 / 35

15 Turbinas hidráulicas Pelton Henry Borden Francis Itaipú Kaplan Andritz Hydro Bulbo (desenho) Jirau slide 15 / 35

16 Usina Henry Borden: 720m de queda 157m 3 /s 889 MW slide 16 / 35

17 Aplicação de Turbinas hidráulicas slide 17 / 35

18 Turbina Acoplamento do gerador na turbina slide 18 / 35

19 Usina de Itaipu - Conduto Forçado slide 19 / 35

20 Configuração de uma casa de força slide 20 / 35

21 Tipos de centrais hidrelétricas Quanto ao uso das vazões naturais 1- Central a fio d água slide 21 / 35

22 Tipos de centrais hidrelétricas Quanto ao uso das vazões naturais 2- Centrais de acumulação Vista aérea de Três Gargantas China slide 22 / 35

23 Tipos de centrais hidrelétricas Quanto ao uso das vazões naturais 3- Centrais reversíveis slide 23 / 35

24 Centrais Hidrelétricas - Reversíveis 24 Espanha MW MW Iberdrola: 650 p/ 852MW em plantas de 1640MW para armazenar energia Eólica slide 24 / 35

25 Tipos de centrais hidrelétricas Quanto à potência Quanto à altura de queda d água micro P < 100 kw mini 100 < P < 1000 kw pequenas 1000 < P < kw médias < P < kw grandes P kw baixíssima baixa média alta H < 10 metros 10 < H < 50 metros 50 < H < 250 metros H > 250 metros Quanto à forma de captação de água leito de rio ou de barramento desvio e em derivação slide 25 / 35

26 Central Hidrelétrica em Desvio Barragem Tomada d'água Rio Conduto forçado Conduto de adução Sob pressão ou a céu aberto Chaminé de equilíbrio Casa de máquinas Restituição da água NM NJ Barragem Chaminé de equilíbrio Tomada de água Conduto forçado Casa de máquinas NJ NM slide 26 / 35

27 Central Hidrelétrica em Desvio - Belo Monte slide 27 / 35

28 Energia Hidráulica no Brasil Potencial Hidráulico Brasileiro Fonte: EPE slide 28 / 35

29 Usinas Hidrelétricas no Brasil As 15 Maiores UHE Brasileiras Nome Potência (MW) Rio UF Belo Monte (em construção) Xingú PA São Luíz do Tapajós (projetada) Tapajós PA Tucuruí Tocantins PA Itaipú (parte brasileira) Iguaçú PR Jirau (em construção) Madeira RO Ilha Solteira Paraná SP Xingó São Francisco AL/SE Santo Antônio (em construção) Madeira RO Foz do Areia Iguaçú PR Paulo Afonso São Francisco BA Itumbiara Paranaíba GO/MG São Simão Paranaíba GO/MG Jupiá Paraná SP Porto Primavera Paraná SP Itaparica São Francisco BA Fonte: Total de UHEs em operação = 196 Capacidade instalada em UHE: 81,23 GW Total de PCHs em operação : 461 Capacidade instalada em PCHs: 4,60 GW slide 29 / 35

30 Sistema Interligado Nacional slide 30 / 35

31 Usinas Hidrelétricas no Brasil slide 31 / 35

32 Utilização da Energia das Marés Energia das Marés Origem no enchimento e esvaziamento alternados das baias e estuários. Usinas reversíveis podem ser usadas para bombear a água do mar para a baia ou vice e versa dependendo do tipo de usina. slide 32 / 35

33 Energia das Marés Usina La Rance - França 740 m de comprimento, 24 turbinas perfazendo 240MW; Concluída em 1967; 480GWh/ano (FC=25%) slide 33 / 35

34 Usina Maremotriz Usina La Rance - França Diferença útil de Maré: média 8.2m - máxima 13.5m Reservatório de 184,000,000 m3 slide 34 / 35

35 Impactos ambientais Usina Maremotriz Usina La Rance - França Especialistas ainda divergem quanto a problemas ambientais - Sedimentação slide 35 / 35

Aula 8 Fontes Convencionais Geração Hidráulica

Aula 8 Fontes Convencionais Geração Hidráulica PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 8 Fontes Convencionais Geração Hidráulica Conceitos básicos A usina hidrelétrica Tipologia Energia hidráulica no Brasil slide 1 / 30 Geração hidrelétrica

Leia mais

Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica

Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica Conceitos básicos A usina hidrelétrica Tipologia Energia hidráulica no Brasil slide 1 / 26 Geração hidrelétrica

Leia mais

Aula 3 Fontes Convencionais Geração Hidráulica e Térmica

Aula 3 Fontes Convencionais Geração Hidráulica e Térmica PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 3 Fontes Convencionais Geração Hidráulica e Conceitos básicos A usina hidrelétrica Tipologia Energia hidráulica no Brasil slide 1 / 32 Geração hidrelétrica

Leia mais

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação Sistema elétrico O sistema elétrico está formado pelo conjunto de estruturas e obras civis responsáveis por enviar energia elétrica aos consumidores O sistema elétrico está dividido em 3 partes principais

Leia mais

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Usinas Hidrelétricas. Prof. Marco Saidel

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Usinas Hidrelétricas. Prof. Marco Saidel PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Usinas Hidrelétricas Prof. Marco Saidel Geração hidrelétrica Conceitos básicos de hidrologia: Bacia hidrográfica Área da

Leia mais

BARDELLA Eclusas de Navegação Experiência e Referencias da Bardella AUDIÊNCIA PÚBLICA

BARDELLA Eclusas de Navegação Experiência e Referencias da Bardella AUDIÊNCIA PÚBLICA BARDELLA Eclusas de Navegação Experiência e Referencias da Bardella AUDIÊNCIA PÚBLICA Visão da Indústria sobre o Transporte Hidroviário Brasília, 19 de Março 2014 BARDELLA S/A INDÚSTRIAS MECÂNICAS 100%

Leia mais

Termodinâmica Aplicada I Lista de exercícios 1ª Lei para Volume de Controle

Termodinâmica Aplicada I Lista de exercícios 1ª Lei para Volume de Controle Termodinâmica Aplicada I Lista de exercícios 1ª Lei para Volume de Controle 1. Água evapora no interior do tubo de uma caldeira que opera a 100 kpa. A velocidade do escoamento de líquido saturado que alimenta

Leia mais

SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS.

SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS. SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS. FUNDAMENTOS DE HIDROSTÁTICA Hidrostática é o ramo da Física que estuda a força exercida por e sobre líquidos em repouso. Este nome faz referência ao primeiro fluido

Leia mais

Fenômenos de Transporte I Lista de Exercícios Conservação de Massa e Energia

Fenômenos de Transporte I Lista de Exercícios Conservação de Massa e Energia Fenômenos de Transporte I Lista de Exercícios Conservação de Massa e Energia Exercícios Teóricos Formulário: Equação de Conservação: Acúmulo = Entrada - Saída + Geração - Perdas Vazão Volumétrica: Q v.

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Usinas Termoelétricas As turbinas a vapor são máquinas que utilizam a elevada energia cinética da massa de vapor expandido em trabalho de

Leia mais

Bombas & Instalações de Bombeamento

Bombas & Instalações de Bombeamento 1. Definições 2. Grandezas envolvidas no cálculo das bombas 3. Cálculos da altura manométrica e potência de acionamento das bombas 4. Curvas 5. Cavitação 6. Arranjo de bombas Definições : as máquinas hidráulicas

Leia mais

Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias. Fotografia colhida do rio Amazonas e editada

Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias. Fotografia colhida do rio Amazonas e editada Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias Fotografia colhida do rio Amazonas e editada SEBASTIANISMO 1578 Alcácer Quibir Morte de D. Sebastião SEBASTIANISMO

Leia mais

Turbina eólica: conceitos

Turbina eólica: conceitos Turbina eólica: conceitos Introdução A turbina eólica, ou aerogerador, é uma máquina eólica que absorve parte da potência cinética do vento através de um rotor aerodinâmico, convertendo em potência mecânica

Leia mais

Usinas Hidrelétricas Reversíveis Sazonais: Benefícios para o Brasil

Usinas Hidrelétricas Reversíveis Sazonais: Benefícios para o Brasil Usinas Hidrelétricas Reversíveis Sazonais: Benefícios para o Brasil IVIG/COPPE/UFRJ - Julian Hunt HEDAIDI Mírian Adelaide Exemplos de UHR Usinas Hidrelétricas Reversíveis A primeira UHR foi construída

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 17 - Hidreletricidade. Sorocaba, Maio de 2016. Barragem

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 17 - Hidreletricidade. Sorocaba, Maio de 2016. Barragem Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 17 - Hidreletricidade Sorocaba, Maio de 2016. Barragem Parede normalmente construída

Leia mais

Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor

Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2015/05/17/erros-do-setoreletrico-chegam-na-conta-do-consumidor-181452.php

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2 UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2 Elevador/Macaco hidráulico (Hydraulic Jack) Aula 02 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Elevador/Macaco hidráulico (Hydraulic Jack) Elevador/Macaco

Leia mais

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Prof. Antonio Simões Costa Labspot - EEL A. Simões Costa (Labspot - EEL) Fontes Renováveis 1 / 24 Desenvolvimento Histórico da Energia Eólica (1) Primeira turbina

Leia mais

PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS

PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS O Brasil possui no total 4.466 empreendimentos em operação, totalizando 141.798.700 kw de potência instalada. Está prevista para os próximos anos

Leia mais

1.3.1 Princípios Gerais.

1.3.1 Princípios Gerais. 1.3 HIDRODINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL 1.3.1 Princípios Gerais. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1 - NOÇÕES DE HIDRÁULICA

Leia mais

Reguladores de Velocidade

Reguladores de Velocidade Reguladores de Velocidade Introdução O regulador de velocidade controla a velocidade da turbina e portanto a frequência da tensão do gerador síncrono; Para que a velocidade seja mantida no valor desejado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL CARNEIRO HIDRÁULICO Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Geração Termoelétrica a Gás Joinville, 02 de Maio de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Conceitos básicos de termodinâmica; Centrais Térmicas a Gás: Descrição de Componentes

Leia mais

SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA?

SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA? SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA? COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REGIÕES + AFETADAS Cenário Atual Fevereiro/2014 Sistema Cantareira (operação normal) Sistema Cantareira (operação

Leia mais

INJEÇÃO DE MICROCIMENTO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO EM BLINDAGEM DE USINAS HIDRELÉTRICAS

INJEÇÃO DE MICROCIMENTO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO EM BLINDAGEM DE USINAS HIDRELÉTRICAS COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A17 INJEÇÃO DE MICROCIMENTO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO EM BLINDAGEM DE USINAS HIDRELÉTRICAS

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola.

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola. 3.10 CARANGOLA Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Carangola são mantidos e operados pela autarquia municipal - Departamento de Águas e Esgotos - DAE 3.10.1 Sistema

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 2 Centrais hidrelétricas Lineu Belico dos Reis Geração hidrelétrica e os outros usos da água Aspectos básicos de hidrologia e regularização de vazões Tecnologias e

Leia mais

ENERGIA. (dependentes da luz solar) como produtores de energia e, portanto, a base de toda a cadeia alimentar.

ENERGIA. (dependentes da luz solar) como produtores de energia e, portanto, a base de toda a cadeia alimentar. Luz Solar ENERGIA Sabemos que o Sol é a fonte de toda energia luminosa responsável pela existência da vida na Terra. As mais diversas formas de energia são, de alguma maneira, originadas pela influência

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS. Função Densidade de Probabilidade para Ventos Extremos Tipo I (Gumbel) exp

DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS. Função Densidade de Probabilidade para Ventos Extremos Tipo I (Gumbel) exp II. DISTRIBUIÇÕES DE VENTOS EXTREMOS A seguir, são apresentadas as distribuições de probabilidade utilizadas no desenvolvimento dos mapas de ventos extremos para o Rio Grande do Sul, conforme descrito

Leia mais

Empreendimentos do Rio Madeira

Empreendimentos do Rio Madeira Empreendimentos do Rio Madeira Sistema de Transmissão Associado (Leilão ANEEL n 007/2008) Abordagem Conceitual AGENDA Introdução Aspectos Gerais Considerações sobre os Empreendimentos de Geração Considerações

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS -

LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS - LISTA DE EXERCÍCIOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE - ESTÁTICA DOS FLUIDOS - 1) Um reservatório de água possui formato cilíndrico com altura de 20m e diâmetro de 5m. Qual a pressão efetiva no fundo do reservatório

Leia mais

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO Avaliação Energética das Alternativas de Motorização das usinas do rio Madeira Santo Antônio e Jirau Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa:  Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Estudo Sobre energia solar e suas aplicações á inclusão social da população de baixa renda e ao programa Luz Para Todos. Palavras-chave: Energia solar, Aquecedor solar, Painel fotovoltaico

Leia mais

As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142)

As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142) As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142) Disciplina: Geografia Professora: Ana Maria Bandeira Turma: 1º ano, tarde As Águas da Terra Toda água presente planeta Terra compõe a Hidrosfera

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA Centrais Hidroelétricas A energia hidráulica encontra-se no mares, rios e reservatórios, sob a forma potencial e cinética e podem ser

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS SÃO MATEUS

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS SÃO MATEUS INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS SÃO MATEUS CRYSTIARA PAULA SANTOS DA SILVA, 2º MIV GABRIEL MILANEZ DUARTE, 2º MIV MATEUS DEPRÁ FRANÇA, 2º MIV CARNEIRO HIDRÁULICO ÁREA DE CONHECIMENTO: CIÊNCIAS

Leia mais

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Sistemas fotovoltaicos Geralmente são utilizado em zonas afastadas da rede de distribuição

Leia mais

Vestibular Nacional Unicamp 1998. 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998. Física

Vestibular Nacional Unicamp 1998. 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998. Física Vestibular Nacional Unicamp 1998 2 ª Fase - 13 de Janeiro de 1998 Física 1 FÍSICA Atenção: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão nos espaços reservados para as mesmas. Adote a aceleração da gravidade

Leia mais

GOLPE DE ARÍETE TRANSIENTE HIDRÁULICO

GOLPE DE ARÍETE TRANSIENTE HIDRÁULICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa GOLPE DE ARÍETE TRANSIENTE HIDRÁULICO 01. INTRODUÇÃO: Sempre que uma coluna

Leia mais

Modernização de UHEs. Tendências e Importância para o Sistema Interligado Nacional. SNPTEE - Foz do Iguaçu, 2015-10-19

Modernização de UHEs. Tendências e Importância para o Sistema Interligado Nacional. SNPTEE - Foz do Iguaçu, 2015-10-19 Modernização de UHEs Tendências e Importância para o Sistema Interligado Nacional SNPTEE - Foz do Iguaçu, 2015-10-19 Agenda 1. Experiência da VOITH com a Modernização de usinas 2. Breve história da geração

Leia mais

AULA A 1 INTRODUÇÃ INTR O ODUÇÃ E PERDA D A DE CARGA Profa Pr. C e C cília cília de de Castr o Castr o Bolina.

AULA A 1 INTRODUÇÃ INTR O ODUÇÃ E PERDA D A DE CARGA Profa Pr. C e C cília cília de de Castr o Castr o Bolina. AULA 1 INTRODUÇÃO E PERDA DE CARGA Profa. Cecília de Castro Bolina. Introdução Hidráulica É uma palavra que vem do grego e é a união de hydra = água, e aulos = condução/tubo é, portanto, uma parte da física

Leia mais

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA INTRODUÇÃO PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA Volume de entrada no setor Consumo autorizado Perda de água Consumo autorizado faturado Consumo autorizado

Leia mais

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis Aula energias renováveis Hidrelétrica - Desenvolvimento e uso - As usinas hidrelétricas - Turbinas - Sistemas de grande porte Driving the hydropower Hidrelétrica Vento Maré Queda na temperatura da água

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Engenharia, Meio Ambiente, Matéria e Energia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Lei da Conservação da Matéria Em qualquer sistema, físico ou químico,

Leia mais

2ºs anos Material de apoio Geografia

2ºs anos Material de apoio Geografia 2ºs anos Material de apoio Geografia Renováveis Não renováveis HIDRELÉTRICAS As usinas hidrelétricas (ou hidroelétricas) são sistemas que transformam a energia contida na correnteza dos rios, em

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

Máquinas motrizes com a finalidade de transformar a maior parte da energia de escoamento contínuo da água que atravessa em trabalho mecânico.

Máquinas motrizes com a finalidade de transformar a maior parte da energia de escoamento contínuo da água que atravessa em trabalho mecânico. Máquinas motrizes com a finalidade de transformar a maior parte da energia de escoamento contínuo da água que atravessa em trabalho mecânico. Primeira máquina motriz hidráulica: Rodas d água (Virtruvio,

Leia mais

TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo III: EstudoHidrenergético Parte 1. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo III: EstudoHidrenergético Parte 1. Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila TE033 CENTRAIS ELÉTRICAS Capitulo III: EstudoHidrenergético Parte 1 Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Uma usina hidrelétrica (UHE) afluência NA MÁX VOLUME ÚTIL barragem VERTIMENTO NA MIN VOLUME MORTO reservatório

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Química DQM Curso de Engenharia de Produção e Sistemas Fontes Alternativas de Energia DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento da energia elétrica utilizando recursos hidroenergéticos em pequena escala

Desenvolvimento da energia elétrica utilizando recursos hidroenergéticos em pequena escala 1 Desenvolvimento da energia elétrica utilizando recursos hidroenergéticos em pequena escala Desde o início da aplicação comercial da energia elétrica, no final do século XIX, ela é um fator determinante

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. 1 AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA OUTUBRO DE 2013 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

POR COMPETÊNCIAS E HABILIDADES. PROF.: Célio Normando

POR COMPETÊNCIAS E HABILIDADES. PROF.: Célio Normando POR COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 2 PROF.: Célio Normando CA 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis nos processos de

Leia mais

1594 funcionários 230 médicos 337 leitos Área Construída = 26,950 m2 Atendimento a 23 municípios (350.000 habitantes) Plano de saúde próprio com

1594 funcionários 230 médicos 337 leitos Área Construída = 26,950 m2 Atendimento a 23 municípios (350.000 habitantes) Plano de saúde próprio com Título Principal 1594 funcionários 230 médicos 337 leitos Área Construída = 26,950 m2 Atendimento a 23 municípios (350.000 habitantes) Plano de saúde próprio com 60000 associados. Geração média de 8 m³/h

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Medições de Vazões) AGOSTO/2012 3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 05 2. ATIVIDADES REALIZADAS... 13 2.1. Medições de vazão nos poços do sistema de

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - PRA FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LISTA DE EXERCÍCIOS - PRA FENÔMENOS DE TRANSPORTE LISTA DE EXERCÍCIOS - PRA FENÔMENOS DE TRANSPORTE A - Viscosidade 1. (Exercício 1.1, pág. 11, Brunetti) A viscosidade cinemática ν de um óleo é de 0,028 m 2 /s e o seu peso específico relativo r é de 0,85.

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA04A) º semestre 011 Terças de 10 às 1 h Quintas de 08 às 10h Análise dos Sistemas de Recalque Objetivos -Analisar as condições de funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UTILIZAÇÃO DE UM SENSOR BASEADO EM TUBO DE PITOT PARA MEDIR ESCOAMENTOS

Leia mais

6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência

6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência AULA 7 6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência Vamos pegar como primeiro exemplo uma residência térrea abastecida por um único reservatório superior. Esse reservatório vai atender um

Leia mais

Revista Brasileira de Energia, Vol. 20, Nº 2, 2º Sem. 2014, pp. 23-33 23

Revista Brasileira de Energia, Vol. 20, Nº 2, 2º Sem. 2014, pp. 23-33 23 Revista Brasileira de Energia, Vol. 20, Nº 2, 2º Sem. 2014, pp. 23-33 23 ANÁLISE DA OPERAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DAS BACIAS DOS RIOS MADEIRA E TOCANTINS E SUA RELAÇÃO COM CLIMA ATUAL E PROJEÇÕES FUTURAS

Leia mais

1º exemplo : Um exemplo prático para a determinação da vazão em cursos d'água

1º exemplo : Um exemplo prático para a determinação da vazão em cursos d'água 185 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos A partir deste ponto, procuramos mostrar através de 2 exemplos práticos a interligação da nossa disciplina com disciplinas profissionalizantes da Engenharia, além

Leia mais

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Agosto de 2012

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Agosto de 2012 Apresentação de Itaipu e Furnas Wilson Komatsu Agosto de 2012 Organização da Apresentação Introdução Itaipu Barragem Geração Furnas Transmissão CA Transmissão CC Observação: dados e imagens desta apresentação

Leia mais

TRABALHO. Fonte da imagem: UFC

TRABALHO. Fonte da imagem: UFC TRABALHO 1. (Adaptado) Cláudia é inventora imaginativa e cheia de idéias. Ela criou um aparelho que faz gráficos das forças aplicadas em blocos pela distância percorrida. Um bloco de 4,0 kg move-se em

Leia mais

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017 Apresentação de Itaipu e Furnas Wilson Komatsu Abril de 2017 Organização da Apresentação Introdução Itaipu Barragem Geração Furnas Transmissão CA Transmissão CC Observação: dados e imagens desta apresentação

Leia mais

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS TE- 033 Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer 1 Objetivo Apresentar os aspectos dos estudos hidrológicos correspondentes aos projetos de PCHs 2 Roteiro Estudos Hidrológico:

Leia mais

São Paulo, Brasil Dinamismo e dedicação à excelência

São Paulo, Brasil Dinamismo e dedicação à excelência São Paulo, Brasil Dinamismo e dedicação à excelência Voith Siemens Hydro parte do Grupo Voith A Voith estabelece padrões internacionais de tecnologia de fabricação de papel, transmissão de energia elétrica,

Leia mais

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω rof. José oberto Marques UMC CUSO BÁSCO DE ENGENHAA EXECÍCOS DE ELETCDADE BÁSCA 1) Um condutor de eletricidade de cobre tem formato circular 6mm de diâmetro e 50m de comprimento. Se esse condutor conduz

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 5 Sistemas eólicos de geração de energia elétrica Lineu Belico dos Reis O vento, movimento do ar na atmosfera terrestre, é principalmente gerado pelo maior aquecimento

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T06 Preços da energia - electricidade Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Objectivos da aula RESUMO TEMAS NÃO AGENDADOS MATÉRIA DA AULA: Preços da energia eléctrica

Leia mais

Choppers Conversores CC/CC. Professor: Cleidson da Silva Oliveira

Choppers Conversores CC/CC. Professor: Cleidson da Silva Oliveira Choppers Conversores CC/CC Professor: Cleidson da Silva Oliveira Choppers Conversores CC/CC São utilizados para converter uma fonte CC fixa em uma fonte CC variável; São amplamente utilizados em controle

Leia mais

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Geração

Leia mais

Variação na Curva do Sistema

Variação na Curva do Sistema Variação na Curva do Sistema Envelhecimento da Tubulação Variação dos níveis de Sucção e Recalque ou variação de Hg MOTIVAÇÕES: Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Associação de Bombas Inexistência

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

Transferência de energia sob a forma de calor

Transferência de energia sob a forma de calor Transferência de energia sob a forma de calor As diferentes formas de transferência de energia sob a forma de calor têm em comum ocorrerem sómente quando existe uma diferença de temperatura entre os sistemas

Leia mais

Apostila 2. Capitulo 8. Energia: O universo em movimento. Página 244

Apostila 2. Capitulo 8. Energia: O universo em movimento. Página 244 Apostila 2 Não é possív el exibir esta imagem no momento. Página 244 Capitulo 8 Energia: O universo em movimento LHC acelerador de partículas Utilizado para o estudo da energia. Definição? Não se define

Leia mais

Desafio de operação de unidades geradoras com restrição hídrica em uma grande usina. CEMIG GT

Desafio de operação de unidades geradoras com restrição hídrica em uma grande usina. CEMIG GT Desafio de operação de unidades geradoras com restrição hídrica em uma grande usina. Jeferson Inácio Lopes Dalton Rocha Amaral Marcelo de Deus Melo Aender de Paula Moura Eric Rodrigo de Moraes CEMIG GT

Leia mais

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do gradiente de pressão atmosférica, 9 2.4 A força de Coriolis,

Leia mais

Modelo metodológico para Avaliação Ambiental Integrada e as suas potencialidades para a conservação de peixes em Minas Gerais

Modelo metodológico para Avaliação Ambiental Integrada e as suas potencialidades para a conservação de peixes em Minas Gerais Modelo metodológico para Avaliação Ambiental Integrada e as suas potencialidades para a conservação de peixes em Minas Gerais Paulo dos Santos Pompeu pompeu@dbi.ufla.br www.dbi.ufla.br/ecopeixes Impactos

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL

ESCOAMENTO SUPERFICIAL ESCOAMENTO SUPERFICIAL Considerações Escoamento superficial pode ser compreendido, como o movimento das águas na superfície da terra em deslocamento, em função do efeito da gravidade. Esse escoamento é

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO OTIMIZADO DA VIABILIDADE DA UHE JIRAU

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO OTIMIZADO DA VIABILIDADE DA UHE JIRAU ESTUDOS DE VIABILIDADE UHE JIRAU - OTIMIZAÇÃO EPE APRESENTAÇÃO DO ESTUDO OTIMIZADO DA VIABILIDADE DA UHE JIRAU ESTUDOS DE VIABILIDADE UHE JIRAU - OTIMIZAÇÃO EPE ROTEIRO: 1- LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍOSTICAS

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL. Bacias hidrográficas

HIDROGRAFIA DO BRASIL. Bacias hidrográficas HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Bacia hidrográfica Bacia hidrográfica Hidrografia do Brasil características gerais Reflete as condições de umidade do clima do país; Os rios são perenes na maior

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS DAC N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 02/2010 ANEXO I PROJETO BÁSICO 2 ÍNDICE I PERFIL DA EMPRESA...3 II CONTEXTO...4 III SERVIÇOS...4 IV -

Leia mais

Apostila de Física 31 Hidrostática

Apostila de Física 31 Hidrostática Apostila de Física 31 Hidrostática 1.0 Definições 1.1 Conceito de Pressão Pressão Relação entre a intensidade da força que atua perpendicularmente e a área que ela se distribui. Uma força exerce maior

Leia mais

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH Nome: TODAS AS RESPOSTAS DEVERÃO SER JUSTIFICADAS Grupo 1 (7,5 valores) Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude

Leia mais

120 GW de capacidade de Geração GW médios de consumo. Crescimento anual de 3-5% no consumo

120 GW de capacidade de Geração GW médios de consumo. Crescimento anual de 3-5% no consumo Potencial Mineiro e Requisitos Ambientais e Legais no Processo de Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas - PCHs 120 GW de capacidade de Geração 50-55 GW médios de consumo Crescimento anual de 3-5%

Leia mais

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional Fortaleza, março de 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ITAIPU 1.ITAIPU

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA 26. Considere o desenho abaixo: Dentre as vista apresentadas a seguir, qual representa corretamente a elevação (vista frontal)? a) b) c) d) e)

Leia mais

2. Estudos Ornitológicos no Alto Rio Madeira Projeto Furnas/Avifauna Coordenador Dr. Mário Cohn-Haft, 2005

2. Estudos Ornitológicos no Alto Rio Madeira Projeto Furnas/Avifauna Coordenador Dr. Mário Cohn-Haft, 2005 Imagens e dados iniciais para um Estudo preliminar sobre as hidrelétricas projetadas e suas conseqüências para os moradores, atividades econômicas áreas de conservação e terras indígenas na bacia do rio

Leia mais

Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná. Autor do Projeto: Ivo Ribeiro

Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná. Autor do Projeto: Ivo Ribeiro Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Autor do Projeto: Ivo Ribeiro Proposta para Adoção de Novo Sistema de Selagem em Câmaras de Ajuste de Pesos Padrão das Classes M1, M2 e M3 Objetivo da Proposta

Leia mais

Tensão, Corrente e Resistência. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Tensão, Corrente e Resistência. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Tensão, Corrente e Resistência Prof. Ernesto F. F. Ramírez Sumário 1. Introdução 2. Tensão elétrica 3. Corrente elétrica 4. Resistência elétrica 5. Exemplo de circuito elétrico 6. Exercícios cios propostos

Leia mais

Suponha que a velocidade de propagação v de uma onda sonora dependa somente da pressão P e da massa específica do meio µ, de acordo com a expressão:

Suponha que a velocidade de propagação v de uma onda sonora dependa somente da pressão P e da massa específica do meio µ, de acordo com a expressão: PROVA DE FÍSICA DO VESTIBULAR 96/97 DO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (03/12/96) 1 a Questão: Valor : 1,0 Suponha que a velocidade de propagação v de uma onda sonora dependa somente da pressão P e da

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Pressão INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Unidades usuais de pressão. Conversão de Unidades de Pressão. Tipos de pressão. Quanto a referência utilizada

Pressão INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Unidades usuais de pressão. Conversão de Unidades de Pressão. Tipos de pressão. Quanto a referência utilizada Pressão É a razão entre a força exercida sobre uma superfície e a área desta superfície. INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Medidores de pressão Unidades SI P: pressão em N/m 2 = Pa = Pascal F: força normal (ortogonal)

Leia mais

1) Determine o peso de um reservatório de óleo que possui uma massa de 825 kg.

1) Determine o peso de um reservatório de óleo que possui uma massa de 825 kg. PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO ESCOLA DE ENGENHARIA Disciplina: Fenômenos de Transporte Professor: M. Sc. Felipe Corrêa Veloso dos Santos Lista de exercício pré-avaliação

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL (Desenvolvimento e Incentivos) Edvaldo Santana, Dr Aymoré de Castro Alvim Filho, Dr ANEEL 10/02/2009 Lisboa - Portugal SUMÁRIO Panorama Geral Caracterização do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

2. USINAS HIDROELÉTRICAS. Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas.

2. USINAS HIDROELÉTRICAS. Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas. 2. USINAS HIDROELÉTRICAS Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas. ORIGEM Moinho Hidrelétricas Em cada país essa energia varia consideravelmente, em função

Leia mais