DESEMPREGO, PRECARIEDADES E POBREZA NA EUROPA: FRACTURAS NACIONAIS E EUROPEIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPREGO, PRECARIEDADES E POBREZA NA EUROPA: FRACTURAS NACIONAIS E EUROPEIAS"

Transcrição

1

2 DESEMPREGO, PRECARIEDADES E POBREZA NA EUROPA: FRACTURAS NACIONAIS E EUROPEIAS PARTE I. SOBRE SEINE SAINT-DENIS, SOBRE O FILME 93: MEMÓRIA DE UM TERRITÓRIO I Uma primeira leitura sobre Saint-Denis terra de gente de trabalho I.2. Texto sobre 93: Memória de um Território I.3. Seine-Saint-Denis, por detrás do cenário I.4. Em tribunal, a história de um roubo por esticão que se torna trágico I.5. Zonas urbanas sensíveis, os indicadores no vermelho I.6. Para um punhado de traficantes I.7. Seine-Saint-Denis: Como chegámos aqui? I.8. Os subúrbios e o problema da integração, uma questão insolúvel? I.9. Contribuição do Departamento de Seine-Saint-Denis no âmbito da consulta pública sobre o Livro Verde sobre coesão territorial PARTE II. DA EUROPA À REGIÃO, AO BAIRRO, UMA LINHA DE CONTINUIDADE II.1. Comunicado de Imprensa, Eurostat II.2. Comunicado de Imprensa, Eurostat II.3. Os muros da repartição e a repartição da pobreza em França

3 PARTE III. MUROS DA REPARTIÇÃO, FRACTURAS SOCIAIS, FRACTURAS TERRITORIAIS III.1. Favorecer a solidariedade entre os indivíduos e os territórios III.2. Fracturas Sociais, fracturas territoriais III.3. Do subúrbio à metrópole III.4. A visão das cidades, dos bairros, do neoliberalismo à social democracia: As duas vias III.5. Muros da Repartição, Fracturas Territoriais, Fracturas Sociais III.6. As solidariedades territoriais III.7. Que lugar para o território no exercício das solidariedades III.8. Ile-de-France à prova das desigualdades e da segregação PARTE IV A EROSÃO DO ESTADO PROVIDÊNCIA VISTA ATRAVÉS DO SECTOR DA HABITAÇÃO

4 DESEMPREGO, PRECARIEDADES E POBREZA NA EUROPA: FRACTURAS NACIONAIS E EUROPEIAS PARTE I SOBRE SEINE SAINT-DENIS, SOBRE O FILME 93: MEMÓRIA DE UM TERRITÓRIO I Uma primeira leitura sobre Saint-Denis terra de gente de trabalho Béatrice Giblin Os acontecimentos, qualificados de violências urbanas ou motins, que tiveram lugar durante três semanas, no final de Outubro a meados de Novembro de 2005, em cerca de 300 comunas foram sentidas pela maioria de Franceses como uma crise muito grave. O que inquieta e revolta também, mais ainda do que a dezena de milhares de carros queimados é o incêndio de escolas maternas, de ginásios, de autocarros, com uma pessoa deficiente lá dentro, é o ataque a um carro de bombeiros enquanto que estes socorriam alguém e que tiveram que esperar para serem protegidos pela polícia para deixar o edifício onde tinham estado a intervir. O factor causa foi a morte por electrocussão de dois adolescentes que se tinham refugiado numa fábrica eléctrica para escapar a um controlo de polícia. Os apelos à calma das suas famílias nada fizeram. O absurdo da escolha dos alvos, os automóveis assim como as escolas eram daquele bairro, suscitou uma real incompreensão. No entanto os comentaristas têm procurado frequentemente as 3

5 causas deste comportamento na situação social desta parte da juventude francesa, maioritariamente procedente do Magrebe e da África negra. É assim vista como uma sub França (jogo de palavras ouvido nas emissões de France Culture na emissão Tout arrive, ou, por outras palavras, uma parte da sociedade que não teria encontrado o seu lugar, e as chamas teriam sido a expressão a sua cólera perante esta discriminação. Mas, para uma muito grande maioria dos Franceses, esta discriminação não é suficiente para se poder absolver os responsáveis dos motins pela responsabilidade. De acordo com as sondagens, 75% franceses de resto aprovaram a firmeza do ministro do Interior (de então), Nicolas Sarkozy, nomeadamente as expulsões de estrangeiros apanhados em flagrante delito durante os motins, o cessar-fogo, e mesmo o estado de emergência. Um outro sinal do apoio a esta política é muito forte aumento das adesões ao partido UMP durante os motins urbanos (Le Figaro, 21 de Novembro de 2005). Raramente, durante as três últimas semanas, não senti um desfasamento tão profundo entre o país virtual tal como é descrito pela dimensão de artigos e o país real, disse o ministro. A dicotomia dos discursos entre os responsáveis políticos e os meios de comunicação social ou, sobretudo, entre direita e esquerda, a acusarem-se mutuamente de não revelarem o real, é clássica. Para uma revista como a nossa (Heterodote), que tenta perceber e descrever o melhor possível o real e as suas representações, o desafio que põe esta aparente incompatibilidade entre as duas faces da realidade é importante. O nosso método de análise é uma via que procura tentar fazer compreender a complexidade do real atribuindo uma grande importância às rivalidades de poderes nos territórios, ou seja à dimensão mais concreta dos acontecimentos, mas também à interpretação destes factos 4

6 pelos diferentes tipos de actores rivais dos acontecimentos, ou seja à sua dimensão ideológica, a dimensão que frequentemente faz agir. Características geográficas Sabe-se que os motins urbanos desenrolaram-se em bairros classificados em zona urbana sensível (ZUS), onde se encontram concentrados o alojamento social (HLM maioritariamente) mas também compropriedades privadas (como os Bosquets à Montfermeil), construídos nos anos 60 e 70. Recordemos que, originalmente, estes grandes conjuntos foram construídos para responder à urgente necessidade de alojamentos das jovens famílias francesas e, seguidamente, para fornecer habitação aos trabalhadores imigrantes e às suas famílias que eram numerosos a viver em bairros de lata. Nessa época a comuna de Toulouse apresentava o Mirail da maneira seguinte: Toulouse arrancou, arrancou com o Mirail, Toulouse desenvolve para toda a França um urbanismo vivo à medida do homem. Mesmo os que foram construídos distantes do centro da cidade, como a Rose des Vents, em Aulnay-sous-Bois (Seine-Saint-Denis, alojamentos, pessoas, a três quartos de hora de autocarro da estação, separados da cidade por uma via larga nacional), foi à partida visto como um progresso, uma possibilidade para os seus habitantes [Bissuel, Blanchard, Hopquin, Rollot et Ternisien, 2005]. A rapidez da construção também criou situações difíceis gerir: Venissieux passa entre 1954 e 1964 de habitantes para quase habitantes. 5

7 Com a saída de uma parte primeiros residentes, estes alojamentos tornaram-se gradualmente o habitat dos mais pobres, principalmente das famílias imigradas. A situação social é a mais preocupante: taxa de desemprego entre os mais crescidos, taxas de populações estrangeiras claramente superiores à média nacional, como a percentagem de jovens com menos de 25 anos, com a taxa de insucesso escolar recorde, delinquência precoce em aumento, etc. A proporção de famílias que vivem de ajudas sociais (subsídios familiares, RMI, ajuda ao alojamento) é também superior à média nacional. A imagem destes grandes conjuntos só se degradou com a chegada das populações pobres, imigrantes ou não, pois que, a partir do fim dos anos 1960, certos erros de concepção começaram a ser criticados: o seu gigantismo, a sua instalação nos confins de territórios comunais sem a menor preocupação pelas relações possíveis com o centro preexistente, a ausência de transportes, de equipamentos colectivos, comércios, etc. No entanto, a sua situação degradou-se fortemente devido às consequências do choque petrolífero de 1973 sobre os empregos fracamente qualificados. Dos grandes conjuntos aos guetos As famílias operárias, numerosas neste alojamento social, por conseguinte foram mais atingidas pelo desemprego. Perante a degradação do emprego operário, em 1974 o presidente da República Valéry Giscard de Estaing e o Primeiro ministro Jacques Chirac decidiram proibir a entrada de novos trabalhadores imigrados, suspendem durante um ano o agrupamento familiar e autorizam-no outra vez para os que, instalados na França, ainda não tinham feito de vir a sua 6

8 família. Sabe-se que o encerramento das fronteiras é relativo e que o fluxo dos trabalhadores estrangeiros, embora enfraquecido, não é por ai eliminado. É por isso que, a partir da sua chegada ao poder em 1981, o governo de esquerda decide regularizar mais de trabalhadores clandestinos e concede a carta de estada por uma duração de dez anos, tomando assim as medidas que considera realistas e generosas. Assim, a crise transformou estes grandes conjuntos, que deviam ser o futuro do urbanismo moderno, em armadilha para as populações empobrecidas. Jérémy Robine [2004, p ] analisou o papel de SOS Racismo, no meio dos anos 1980, na emergência da palavra gueto para qualificar certos bairros do subúrbio, com o objectivo de aumentar o seu capital político sobre os jovens que ai residiam. Desde, o termo foi banalizado a e empregue por todos. Sabe-se que a situação social destes bairros, e mesmo a situação das cidades novas, se degradou com o desemprego e com a chegada de famílias estrangeiras cujos filhos têm frequentemente fracas qualificações. Se os bairros cuja população foi atingida pela crise social nem todos estiveram no Verão e Outubro de 2005 nos lugares onde se deram as violências urbanas, no entanto a relação entre crise social e motim existe: Clichy-sous-Bois onde o motim se iniciou, é a cidade mais pobre deste departamento (rendimentos fiscais anuais médios em 2000), e encontra-se entre as duas comunas mais abastadas de Seine-Saint-Denis (o Raincy e Coubron). Do mesmo modo, na cidade nova de Saint-Quentin-en- Yvelines, onde estão concentradas as indústrias de elevada tecnologia e serviços eficientes (Dassault, CEA,Bouygues, Decaux), as violências estalaram em Trappes, antiga cidade operária, de gentes dos caminhos de ferro, viu arderem 27 7

9 autocarros! Trappes está incluída no perímetro da cidade nova mas a sua população é bem diferente da de outras comunas, com 7% de quadros (em redor de 20% de quadros para o conjunto da cidade nova), 35% de operários, 51,5% lares não passíveis de impostos (1999). Em Rose des Vents em Aulnay, onde se tinham previsto 40 m2 de espaços verdes por habitação e locais agradáveis junto dos edifícios, e a insegurança transformou em sítios perigosos estes lugares previstos para serem tranquilos e conviviais. No entanto uma geografia fina dos acontecimentos (que está incompleta porque o número de factos relatados pelos meios de comunicação social tem-se gradualmente reduzido para não contribuir para a criação de um efeito bola de neve televisivo de que se aperceberam muito rapidamente) faz também aparecer zonas de uma calma singular enquanto que as famílias de imigrados são aí muito numerosas: Echirolles, Ile-d' Abeau, Roubaix, os bairros do norte de Marselha. E isto significa que a crise social não explica todo. É necessário para tanto que nos congratulemos atrás da calma de alguns bairros? De facto, pode-se colocar a hipótese que o controlo do bairro exercido pelos dealers da droga favoreceu a calma, estes que não foram sujeitos de modo nenhum à presença atenta da polícia; uma segunda hipótese assenta sobre a acção eficaz de grupos religiosos que terão conseguido impor aos jovens um comportamento conforme aos preceitos da religião. Mas também se pode ver a acção voluntariosa, conduzida ao longo do tempo, das equipas municipais. Quanto à calma dos bairros do norte de Marselha, explica-se talvez por vários factores: não se trata verdadeiramente de um subúrbio mesmo se estão afastados do centro e mais ou menos bem servidos; a tradição municipal, instaurada antes mesmo da Segunda Guerra mundial e sempre activa, é de utilizar os notáveis das 8

10 diferentes comunidades como elos de ligação e confiar-lhes mais ou menos a função do seu controlo; pode-se também supor que pôde jogar aqui o sentimento de pertença a Marselha, cidade cosmopolita desde há muito tempo, frequentemente desacreditada pelos não marselheses e, por reacção, defendida pelos seus habitantes. O papel dos jovens da cidade na degradação da imagem de certos bairros A concentração de populações jovens em grande dificuldade de inserção económica e social favorece obviamente problemas comportamentais (violências, alcoolismo, delinquência). A isto se acrescem as dificuldades ligadas às tensões provocadas pelo comportamento de uma minoria de entre eles, os jovens da cidade, muito maioritariamente rapazes (ainda que pode-se constatar a derivação comportamental de algumas jovens raparigas), bandos que fazem reinar um clima de insegurança, não somente ocupando o espaço público mas também controlando-o porque estão permanentemente na rua. Este clima de insegurança contribui fortemente, e sem dúvida mais que as dificuldades económicas e sociais, para a degradação das condições de vida dos habitantes. Contribui também para agravar o isolamento do bairro, dado que as únicas pessoas que aí vão, para além das que aí vivem, são as que aí trabalham. A maioria da população destes bairros sofre a lei imposta pelos jovens da cidade. Thomas Sauvadet [2004, p ] descreveu o processo pelo qual estes grupos se formam e se diferenciam dos outros habitantes da cidade, e como alguns deles exercem o poder no 9

11 interior do bando. É em parte o seu comportamento que contribui para a má reputação do bairro, e que leva pretendentes ao alojamento social a recusar os apartamentos que lhes são propostos. Os apartamentos vagos, a partida daqueles que o podem fazer, alimentam a representação, para os que lá continuam a habitar, de viverem em em bairros podres, a viverem fechados em toda a espécie de guetos, a serem rejeitados pelos outros, a serem desqualificados na procura de emprego devido ao sítio onde moram, etc. Para certo número destes jovens, pôr-se em vítima é uma maneira de existir (alguns entre eles adoptou o modo das calças sem cintura e mollet ao ar sem mesmo saber que isto é lembrar as roupas e a bola dos antigos prisioneiros espanhóis), mas é também o meio para não se considerarem responsáveis pelos seus actos dado que se trata da falta dos outro. Ser vítima confere um estatuto que se pode preferir ao dos pais que fizeram os trabalhos sujos de imigrantes. Não reivindicam serem franceses por inteiro, pelo menos para os direitos que isso confere, então porque é que deveriam satisfazer-se com os mesmos trabalhos que os seus pais? Seria uma humilhação. As primeiras vítimas destes bandos foram as jovens raparigas, como Sohane e Charazade, que foram queimadas vivas, uma em Vitry, e a outra em Noisy-le-Grand, por não se terem querido render ao desejo dos jovens rapazes; Samira Bellil contou o inferno das rotativas, ou seja as violações colectivas. Ora estes crimes estão relativamente pouco mediatizados, tanto mais que as vítimas temem apresentar queixa por medo das represálias a que elas e as suas famílias correm o risco de sofrer, e também por causa da pressão que exerce uma parte da população do bairro preocupada de calar os crimes destes jovens do bairro. Vítimas, são no entanto elas 10

12 e as suas famílias quem devem deixar o bairro porque, porque tendo apresentado queixa são consideradas como tendo traído entregando um dos jovens do bairro à polícia. A pobreza, o desemprego, a humilhação na escola não são, de forma nenhuma, circunstâncias atenuantes para os autores destes crimes. Recordemo-nos que a placa que comemora a morte de Sohane: À memória de Sohane, morta queimada viva, para que rapazes e raparigas vivam melhor na igualdade e o respeito. Sohane Benziane, , não pôde à primeira tentativa ser fixada sobre o relvado junto à torre cidadela Balzac onde vivia a jovem rapariga, em Vitry-sur-Seine. O presidente da câmara municipal comunista de Vitry tem receado que estas três palavras avivem as tensões (aquando da reconstituição dos factos, aplausos tinham acolhido Jamal Derrar, 19 anos, que espalhou gasolina sobre Sohane) e manchem mais ainda a imagem da sua cidade. Têm-se encontrado igualmente habitantes da cidade que preferiam que não se fala mais no asunto para não estigmatizar o seu bairro, mas sem dúvida também para evitar as represálias que teriam podido exercer os amigos de Jamal Derrar. A placa comemorativa foi fixada apenas em Outubro de Excertos de Béatrice Giblin, Fracture sociale ou fracture nationale? De la gravité des violences urbaines de l automne 2005, Hérodote, n 120, La Découverte, 1º Trim, I.2. Texto sobre 93: Memória de um Território Graças à força dos testemunhos recolhidos - de especialistas e de moradores - por Yamina Benguigui, a realizadora de 11

13 Memórias de Imigrantes, faz-se reviver a história de Seine- Saint-Denis e da sua sacrificada população. Primeiro a apresentação deste documentário; dentro de meia hora a conversa integral com a realizadora. Dois adolescentes acabavam de morrer para nada num transformador da Companhia de Electricidade EDF, em Clichy-sous-Bois. Os subúrbios inflamaram-se. A realizadora Yamina Benguigui organizou um debate sobre cidadania, no cinema Saint-André-des-Arts, em Paris, em torno do seu último documentário: O Telhado de vidro. Na sala, o nervosismo do público era evidente. Lá fora, a polícia cercava o bairro. E, depois, houve a carga dos polícias de choque, os CRS, no cinema. Os empurrões, os insultos e um grito mais forte que os outros: Tahya o 9-3!, Que viva o 9-3!. Não era Abaixo a polícia, nem uma reivindicação ligada a um país de origem. Não; era um grito de pertença a uma terra, recorda a realizadora. 9/3, memória de um território conta a história desta terra - o departamento de Seine-Saint-Denis que se tornou com o tempo o sismógrafo das tensões sociais em França. Uma história que vem desde bem longe. Do século XIX, em plena revolução industrial. O nordeste de Paris é escolhido como zona de implantação das fábricas poluentes e perigosas porque o vento de oeste impede que os fumos nocivos e os maus cheiros possam infestar a capital. Em poucas décadas, este quintal das traseiras de Paris vai tornar-se o primeiro pólo industrial europeu. E vai transformar-se num inferno, de tal modo é elevada aí a taxa de mortalidade, com a população amontoada em barracas e níveis incríveis de insalubridade e de poluição. A sequência da história é também muito funesta. Pôs em evidência a inépcia das decisões políticas que conduziram 12

14 ao acantonamento de populações inteiras em verdadeiros guetos, a uma urbanização desumana concebida em termos custos, a uma desindustrialização mal gerida que deixou os solos ultra-poluídos e que deixou ao completo abandono uma mão-de-obra pouco ou nada qualificada. Desta história de pó e de sangue, Yamina Benguigui teria podido fazer um repositório acusador implacável, à boa maneira de Michael Moore. Fiel ao seu método, preferiu voltar-se para as pessoas e para a sua memória. O testemunho vivido, para exprimir o que não é passível de descrição, a palavra de peritos, para orientar, validar, denunciar. Um filme que não agride o espectador, não desenvolve nenhum discurso político, mas que expõe, quase que tranquilamente, verdades brutais e incómodas. E isto aconteceu bem perto de nós. Isto passa-se na nossa terra. A falar, Yamina Benguigui é muito mais brutal que no seu filme. O departamento territorial 9/3 é um território sacrificado. O Estado orquestrou aí uma guetização social, em bairros sociais (HLM), uma guetização étnica. A política de urbanização foi um malogro total. Uma enorme fraude. Violento, mas não sem razão. O departamento territorial de Seine-Saint-Denis acumula péssimos indicadores em matéria de pobreza, desemprego, de mortes por SIDA e de taxa de mortalidade infantil. Cineasta militante, a realizadora propõe-se agora organizar debates públicos e pedir uma audiência ao Presidente da República. É necessário reparar o mal feito a este território. A prioridade deve ser dada à descontaminação dos solos. É necessário também legislar de forma a que as empresas que aqui se implantem recrutem no local pelo menos 30% do seu pessoal. É o único meio possível para que esta terra deixe de 13

15 ser o terceiro departamento territorial mais rico de França graças às empresas que nela se instalam, mas também o terceiro departamento territorial em termos de pobreza da população. Este apelo encontrará algum eco? Ao ouvi-la, isso é uma necessidade: Quando, durante anos, se acumulam carradas de sofrimento, de abandono e de marginalização, é necessária uma mudança radical. Seja o que for, o fundamentalismo nasce na pobreza e na miséria social. Se não se fizer uma mudança radical, o 9-3 tornar-se-á o pólo do terrorismo europeu. Texto disponível em I.3. Seine-Saint-Denis, por detrás do cenário Luc Bronner Quatro anos depois da crise dos subúrbios, desencadeada pela morte de dois adolescentes perseguidos pela polícia em Clichy-sous-Bois, a 27 de Outubro de 2005, o departamento territorial de Seine-Saint-Denis continua a ter uma situação excepcional. Apesar da multiplicação das proclamações ministeriais, este departamento territorial não recuperou o seu atraso em termos de emprego, de educação e de segurança. A novidade é que, ao lado das zonas extremamente pobres, se desenvolveram territórios em plena explosão económica. Daí uma pergunta crucial para este departamento territorial e para os seus 1,5 milhões de habitantes: como fazer coexistir os guetos sociais e étnicos com os territórios completamente mergulhados na competição económica mundial? 14

16 Radiografia em seis pontos e sem tabus do departamento territorial francês mais visitado por ministros. A imigração, como a enfrentar? Bobigny, segunda-feira, 19 de Outubro, 7 horas da manhã, 2 graus negativos. Como todos os dias da semana, cachos de homens esperam para ser contratados, em frente da entrada da Batkor, um armazém de artigos de bricolage situado junto da estrada Nacional 3. À vista e com o conhecimento de todos, cerca de trinta imigrantes clandestinos oferecem a sua mão-deobra às empresas da construção civil e aos particulares. A partir de 70 ou 80 euros por dia, como estucador, canalizador ou pedreiro. Ainda mais barato se os salários forem negociados. A maior parte dos candidatos espera horas, sem sucesso. Há demasiada concorrência: Não há muitos clientes mas há muita gente que quer ser contratada", lamenta Hassan, Turco, com cerca de quarenta anos, que tenta aquecer-se enquanto espera um eventual cliente. Ainda que o local seja bem conhecido da polícia e dos edis há anos, as intervenções não dão qualquer resultado: como a imigração nunca pára em Seine-Saint-Denis, porta de entrada no território francês com o aeroporto de Roissy, surgem novos candidatos todos os dias, seja de verão ou de inverno, à procura de ganhar a vida. E os últimos a chegar substituem os que acabam por conseguir encontrar empregos menos precários. Entre 1999 e 2006, apesar das medidas de restrição à imigração fixadas pelo Estado, o número de estrangeiros neste departamento territorial mesmo assim ainda subiu 22,4%, enquanto que, no mesmo período, o número de franceses 15

17 aumentou apenas de 3,7%. Em certas cidades, a proporção de estrangeiros excede já os 30%, ou seja, quase seis vezes a média nacional, como em Clichy-sous-Bois (37,2%) ou Aubervilliers (34,6 %). Estes são os dados oficiais. Porque as autoridades consideram que poderá haver entre e indocumentados em Seine-Saint-Denis, a maior parte não recenseados. Ou seja, o equivalente a cidades como Saint - Denis e Montreuil, a acrescentar à população oficial. O problema não é estancar os fluxos. É totalmente ilusório, é como querer parar um rio com as mãos. O problema é saber o que se pode fazer por estas populações. Ora, hoje, não temos meios suficientes para assegurar a sua integração", afirma o presidente da Câmara Municipal (PS) de Aubervilliers, Jacques Salvator. Consequência: nomeadamente em Aulnaysous-Bois, Villetaneuse, Clichy, Courneuve, Stains, Montfermeil, Aubervilliers, certos bairros transformam-se em guetos e já quase não restam aí nenhuns brancos. Há unicamente magrebinos e negros, e por vezes asiáticos. A particularidade deste departamento territorial acentua-se. Enquanto não houver solidariedade regional ou nacional no acolhimento da imigração, não vejo como se pode sair disto", lamenta Bénédicte Madelin, directora da Profission babnlieue, uma das figuras da vida associativa deste departamento territorial. Uma constatação confirmada pelo Insee: entre 1999 e 2006, Seine-Saint-Denis absorveu tantos estrangeiros quanto todos as outras zonas distritais de Ile-de- France juntas, à volta de Paris. 16

18 Os escritórios de quadros brancos, a face oculta do 9-3 As fachadas são discretas. Mas os interiores são elegantes e refinados e neles se cruzam japoneses e americanos, vindos para aí desenvolverem as suas actividades empresariais. Tal como em Singapura, New York, Pequim ou em Neuilly-sur- Seine, a cadeia de hotéis de luxo Marriott acaba de abrir um dos seus hotéis num edifício moderno de 150 quartos em Saint Denis, no coração do bairro Pleyel, não longe da futura cidade do cinema de Luc Besson. A um mínimo de 159 euros por noite, a cadeia destina-se à clientela dos homens de negócios que frequentam os bairros em redor do Estádio de França, uma das zonas mais dinâmicas da região parisiense. Desde há dez anos, o número de metros quadrados de escritórios disparou literalmente nesta zona, graças à transferência de empresas atraídas pelos baixos custos do imobiliário e pela importância das redes de transporte. Sai-se de décadas de marasmo ligado à desindustrialização", sublinha Stéphane Peu, Vice-Presidente da comunidade metropolitana de Plaine- Commune, que agrupa sete cidades à volta de Saint-Denis. Sociedades como a Generali, EDF, Société Générale, La Banque postale, por exemplo, transferiram para aquim, nos últimos anos, uma parte dos seus serviços. Ou seja, mais empregos do sector privado em dez anos, e isto apenas na área de Saint-Denis. Outros prevêem vir para aqui, mais cedo ou mais tarde, como a Orange (2 000 empregos, no início de 2010) e, talvez, a cadeia Radisson, para criar um enorme complexo hoteleiro em redor de um novo Palácio dos Congressos. É, em certa medida, a face oculta de Seine-Saint-Denis. Mas é também um novo desafio para os edis: como fazer coabitar 17

19 estes territórios em plena expansão com as zonas desfavorecidas, às vezes situadas a escassas centenas de metros? E como fazer com que os habitantes beneficiem do desenvolvimento desta Defense bis? As empresas vieram para Seine-Saint-Denis com os seus assalariados. Hoje, o desafio é que elas se virem para os viveiros locais de diplomados, nomeadamente para os nossos estudantes ", sublinha Francis Dubrac, o Presidente da Agência de Desenvolvimento deste departamento territorial. Um desafio considerável, tanto quanto estes novos bairros de actividades empresariais se assemelham hoje a enclaves. De manhã, entre as 8 e as 10 horas, o RER traz de Paris carruagens completamente cheias de quadros de colarinho branco, que regressam à noite pela mesma via; cruzam-se com os empregados de limpeza e de segurança, frequentemente negros ou magrebinos, que chegam à noite e regressam de manhã cedo, quando os escritórios se começam a encher. Um paradigma do poder da segregação étnica e social. Um sinal, também, do extraordinário atraso de Seine-Saint-Denis, o departamento territorial mais atrasado da França, em matéria de formação. Apenas 10% da população com mais de 15 anos dispõe de um diploma superior. Contra 38% em Paris. É um ponto em que nada, ou quase nada, mudou, desde há quinze anos ", lamenta Bénédicte Madelin. A consequência é lógica: as empresas que quereriam contratar diplomados locais são, por vezes, forçadas a voltar-se para outras regiões. Um departamento territorial em transfusão pública Um imenso estaleiro. Uma via nacional desviada, torres destruídas, outras reconstruídas. Espaços públicos 18

20 transformados. Em Aulnay-sous-Bois, como em 21 outras cidades de Seine-Saint-Denis, as gruas ocupam o céu e os trabalhadores atarefam-se num bailado de camiões. Aqui é uma demolição, ali são escavações, além são betoneiras a jorrar, mais além são reconstruções, tudo isto desde há meses, e ainda para vários anos. Os enormes estaleiros de renovação urbana vão mobilizar um pouco mais de 4 mil milhões de euros neste departamento territorial, daqui até Se os objectivos forem mantidos, quase alojamentos devem ser destruídos, devem ser reconstruídos, reabilitados, transformados em habitações, como se uma guerra silenciosa tivesse passado por ali. Nas cidades símbolos de Clichy-sous-Bois e de Montfermeil, onde os investimentos públicos atingem quase 500 milhões de euros, estão a decorrer transformações positivas. Isto excede as nossas esperanças. Todos vêem que as gruas invadiram os bairros e podem sentir que isto está a mexer", congratula-se o Presidente da Câmara Municipal (PS) de Clichy, Claude Dilain. Mas mal uma crise está em vias de ser resolvida, logo uma outra aparece: os co-proprietários de casas degradadas da baixa de Clichy, que não beneficiaram de nenhuma ajuda pública: É aí que vão dar todos os que não têm direito a habitação social. Os mais pobres, os indocumentados. Vêemse perante condições de vida intoleráveis e vêem, ainda por cima, que nos outros lados as coisas estão a mudar. De facto, a renovação urbana está longe de resolver tudo. Primeiro, porque mais de 80% dos apartamentos demolidos são reconstruídos no mesmo local, nos mesmos bairros, sem que a estrutura social da população evolua. Muda-se apenas a pintura dos guetos, na expressão de Yazid Sabeg, o Comissário para a diversidade. Em segundo lugar, porque, não 19

21 sendo reactualizados os financiamentos, muitos Presidentes de Câmaras Municipais duvidam da realização efectiva de todos os trabalhos programados. Por último, porque a renovação urbana também contribuiu para absorver uma boa parte dos créditos públicos. Às associações de solidariedade, em especial, continuam a faltar meios e têm de bater-se, no dia a dia, para conseguirem obter apoios financeiros. As comunas mais pobres não conseguem equilibrar os seus orçamentos a não ser reduzindo ao máximo as suas despesas. O próprio Conselho Geral, também com dificuldades de crédito, não está em melhor situação. A preparação do orçamento para 2010 revela-se kafkiana: com as quedas de receitas, devido à crise do imobiliário e às transferências de despesas do Estado para as colectividades, o Conselho Geral prevê que lhe faltam 100 milhões de euros num orçamento de 1,5 mil milhões. Um laboratório do futuro sem meios para o presente São mais de uma centena de professores a manifestarem-se à frente da sede da Inspecção do Ensino, em Bobigny, nessa quinta-feira 22 de Outubro de Professores que protestam contra a insuficiência dos meios na educação a nível nacional. A começar pela falta de professores substitutos. Hoje, há muitas turmas sem professor porque não há bastante substitutos", insiste François Cochain, secretário departamental do SNUipp, o sindicato principal do primeiro nível de ensino. Como muitos funcionários, os professores alarmam-se com o desfasamento entre o frenesim das proclamações ministeriais neste departamento territorial e os meios reais de que dispõem os serviços públicos. 20

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado Florbela Batalha Ramiro Marques (Orientação) 1. Introdução O Código Deontológico é um documento que reúne um conjunto de regras que

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Grupo Parlamentar PROJECTO-LEI N.º /X Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Exposição de Motivos Nas sociedades actuais a mobilidade das populações é cada vez maior. A política de transportes

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

dinha, a Alvorada, a Matinha, a Grota, a Chatuba, o Caracol, o morro da Baiana, o morro dos Mineiros, a Nova Brasília, a Pedra do Sapo, a Palmeiras,

dinha, a Alvorada, a Matinha, a Grota, a Chatuba, o Caracol, o morro da Baiana, o morro dos Mineiros, a Nova Brasília, a Pedra do Sapo, a Palmeiras, Introdução O Complexo do Alemão é um morro na zona norte do Rio de Janeiro, a cerca de quinze quilómetros do centro, que reúne cerca de quinze favelas, nas quais vive um número impressionante de pessoas:

Leia mais

Armados com cocktails molotov

Armados com cocktails molotov Chiado: graffitis de protesto contra o fascismo (Foto Cláudia Lima da Costa) Armados com cocktails molotov 2007/04/26 14:14 Jovens que se manifestaram contra o fascismo traziam também very ligths, paus

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro

Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro Venho a essa tribuna para discutir o tema da violência e a sua associação com o comercio ilegal das drogas, duas questões

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO?

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? Em 1984 legalizou-se o aborto em Portugal, mas os prazos dessa lei já foram alargados. Desde 1997 tornou-se legal abortar por razões de saúde da

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

O Cliente. E falando de afecto, as mulheres prostitutas, elas também tentam amar e ser amadas.

O Cliente. E falando de afecto, as mulheres prostitutas, elas também tentam amar e ser amadas. O cliente é proveniente de todas as classes sociais. O local onde procura a mulher é diferenciado. Varia consoante o seu poder de compra. Por exemplo numa zona pobre de prostituição, a clientela é constituída

Leia mais

Marcel Sévigny e Dimitrios Roussopoulos

Marcel Sévigny e Dimitrios Roussopoulos AS POTENCIALIDADES DO MUNICIPALISMO LIBERTÁRIO EM MONTRÉAL Marcel Sévigny e Dimitrios Roussopoulos Vários bairros de Montréal são ricos duma tradição de lutas urbanas. As organizações de toda a espécie

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP

MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sua Exa. Kevin Rudd MP DECLARAÇÃO AUSTRALIANA REUNIÃO PLENÁRIA DE ALTO NÍVEL DA ASSEMBLEIA-GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS (CIMEIRA DOS OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO)

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

A Kudumba Investments Lda. considera e respeita a todos os níveis, os DH proclamados internacionalmente.

A Kudumba Investments Lda. considera e respeita a todos os níveis, os DH proclamados internacionalmente. AREA DO PACTO GLOBAL PRINCIPIOS DO PACTO GLOBAL ACÇOES REALIZADAS IMPACTO ALCANÇADO ACÇOES PLANEADAS DIREITOS HUMANOS 1. Respeitar e proteger os direitos humanos; A Kudumba Investments Lda. considera e

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Bairro São Geraldo

Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Bairro São Geraldo CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLEGIO CENECISTA NOSSA SENHORA DOS ANJOS GRAVATAÍ - RS Trabalho Interdisciplinar: Desafios e possibilidades para uma vida melhor Bairro São Geraldo Nomes: Ana,

Leia mais

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Exm.º Sr. Presidente da Câmara Exmos. Srs. Vereadores Caros Colegas Ilustres presentes Relativamente à proposta 313 de 2014, que visa apreciar as Demonstrações

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO No passado dia 8 de Junho, o Secretário-Geral da UGT interveio na 105ª Conferência da Organização Internacional

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA Admite se o caráter mais ou menos estacionário da população portuguesa até meados do século XVII, ultrapassando um tanto, embora com altos e baixos, o milhão de habitantes.

Leia mais

Declarar guerra às alterações climáticas

Declarar guerra às alterações climáticas 1 / 5 Declarar guerra às alterações climáticas Todos os estudos recentes mostram que as alterações climáticas são mais rápidas e têm consequências mais graves do que se dizia há 5 ou 10 anos. A emissão

Leia mais

Colóquio "Desigualdades e Desemprego"

Colóquio Desigualdades e Desemprego Observatório das Desigualdades Colóquio "Desigualdades e Desemprego" Rosário Mauritti (rosario.mautitti@iscte.pt) ISCTE, 11 de Novembro de 2009 A precariedade laboral: uma definição um fenómeno complexo

Leia mais

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência OS NOVOS DESAFIOS DO MUNDO GLOBALIZADO: O TRABALHO FORÇADO E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * Carmen Sottas ** Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência de milhares de trabalhadores

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar)

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar) TESTEMUNHO CADERNO ESPECIAL JAMILA MADEIRA EURODEPUTADA Enquanto mulher, mas também deputada, como vê a presença feminina na Ciência em Portugal? A participação das mulheres nas várias vertentes da sociedade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR A evidente importância de um ensino condigno para crianças e jovens está a ser seriamente posta em causa por factores de violência

Leia mais

A Imigração em Portugal

A Imigração em Portugal Immigrant Language Learning A Imigração em Portugal Relatório síntese elaborado pela DeltaConsultores - Projecto financiado pela UE no âmbito do Programa Sócrates Luísa Falcão Lisboa, Fevereiro de 2002

Leia mais

Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19

Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19 Rectificada pela Declaração de Rectificação n.º 15/2002, de 26-3. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 14/2002 de 19 de Fevereiro Publicado no DR 42, Série I-A de 2002-02-19 Regula o exercício da liberdade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Todos os benefícios sociais numa só conta OGoverno Federal lançou o Cartão do Cidadão, em junho de 2002, um cartão amarelo, de plástico e magnético, como os usados

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

A TROIKA, OS AÇORES E O BLOCO FRANCISCO LOUÇÃ 485 29.07.2012. 03 REPORTAGEM Eliseu. 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira. 06 Maduro-Dias. 07 Fagundes Duarte

A TROIKA, OS AÇORES E O BLOCO FRANCISCO LOUÇÃ 485 29.07.2012. 03 REPORTAGEM Eliseu. 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira. 06 Maduro-Dias. 07 Fagundes Duarte WWW.DIARIOINSULAR.COM 485 29.07.2012 DIRETOR JOSÉ LOURENÇO JORNAL DIÁRIO ANO LX V Nº20541 0,60 FUNDADO EM 1946 TERCEIRA AÇORES 03 REPORTAGEM Eliseu 04 REPORTAGEM Nuno Ferreira 06 Maduro-Dias 07 Fagundes

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos 56 3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos Na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, há vários artigos que

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários 1. Durante a crise financeira,

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS DA ECONOMIA NACIONAL. 10 MEDIDAS IMEDIATAS

SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS DA ECONOMIA NACIONAL. 10 MEDIDAS IMEDIATAS SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS DA ECONOMIA NACIONAL. 10 MEDIDAS IMEDIATAS Contrariamente à propagandeada ideia que a crise começa a desanuviar-se, avolumam-se os indicadores de que o país pode seguir uma espiral

Leia mais

DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO

DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO DEMOLIÇÕES E REALOJAMENTO INSTITUTO PARA A CIDADANIA Perfil do Núcleo de Direitos Humanos da Matala O Núcleo de Direitos Humanos da Matala (NDHM), é uma associação de âmbito local, sem fins lucrativos,

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

CINE TEXTOS WELCOME. Título original: Welcome Realização: Philippe Lioret Género: Drama Classificação: M/12 Outros dados: FRA, 2009, Cores, 110 min.

CINE TEXTOS WELCOME. Título original: Welcome Realização: Philippe Lioret Género: Drama Classificação: M/12 Outros dados: FRA, 2009, Cores, 110 min. 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

Relatório sobre a. Escola EB 23 da. Trafaria

Relatório sobre a. Escola EB 23 da. Trafaria Relatório sobre a Escola EB 23 da Trafaria Trabalho Realizado por: Andreia Fonseca Gonçalo Heleno Joana Costa LEFQ Objectivos Este trabalho tem como principais objectivos Conhecer a organização da escola

Leia mais

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 Senhor Presidente Senhor Director-Geral Ilustres Delegados e Observadores

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 CRESCE O DESEMPREGO E O NUMERO DE DESEMPREGADOS SEM DIREITO A SUBSIDIO DE DESEMPREGO, E CONTINUAM A SER ELIMINADOS DOS FICHEIROS

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais