Prosa. Editora Literária Prosa,.º 5. Força do Exemplo (PARTE II)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prosa. Editora Literária Prosa,.º 5. Força do Exemplo (PARTE II)"

Transcrição

1 Prosa Editora Literária Prosa,.º 5 Força do Exemplo (PARTE II) Maria Galito 2001

2 III Fecha-se a porta do autocarro que arranca a caminho de Atenas. Estou um tanto ansiosa. Mas que posso esperar? A capital grega aninha-se numa pequena península triangular, chamada Ática. Hoje em dia é o coração de um país que faz parte da União Europeia e enxerga longe, pois muito embora algumas dificuldades, procura ultrapassá-las com renovada energia. Para além do que a sua Atenas será sempre Atenas, o berço da civilização europeia; o seu carácter simbólico persiste, porque somos instruídos desde tenra idade em muitos dos seus princípios milenares; e nem sempre nos apercebemos. Um pouco de História, portanto, é indispensável. Para recordar. Vejamos. Atenas atingiu o seu expoente máximo no período clássico que talvez possamos compreender entre os séculos V e IV a. C no qual era a mais importante das Cidades-Estado gregas. Uma Cidade-Estado considerava-se fruto de um percurso histórico humanocivilizacional como quem evolui da ignorância para a sabedoria, depois de ponderadas as vantagens de uma vida em comunidade. De facto, uma polis não era um país mas também não se limitava ao conceito estrito de cidade. Uma Cidade-Estado envolvia uma zona mais ou menos ampla que incluía as vilas e aldeias em redor; onde vivia uma população que, em caso de guerra, podia abrigar-se dentro da polis; um sistema de defesa considerável, que dispunha de uma fortaleza e de um renque de muralhas, para além de guerreiros experientes na arte da guerra. Atenas também tinha um sistema de defesa mas a sua grandiosidade e poder militar, no Egeu, só parecia rivalizar com Esparta. E os seus sucessos são quase lendários. Quem não ouviu falar de Péricles, o mais famoso dos chefes de Estado de Atenas, reeleito estratega catorze anos seguidos, do ano de a. C? Ou das batalhas de Maratona (em 490 a. C) ou Salamina, dez anos depois? Célebre é a vitória de Samotrácia, uma estátua alada já sem cabeça, que o Museu do Louvre costuma pôr em evidência. Mas Atenas era muito mais do que um poder militar; florescia através de uma intensa actividade comercial, e sabia investir no âmbito da Política, das Ciências Naturais, da História, da Filosofia, da Literatura e das Artes. Atenas também viveu uma evolução política. Depois de acabar com as suas monarquias, abraçou oligarquias, com políticos como Drácon e Sólon; tiranias, como a de Pisístrato; ou projectos democráticos, com homens de Estado como Clístenes e depois Péricles. Aliás, aos atenienses devemos a descoberta da Democracia. Durante o período democrático, Atenas atribuía todos os poderes aos seus cidadãos. Mas a definição excluía os estrangeiros (os metecos) e os escravos; e também as mulheres, o que não me deixa nada contente! A Assembleia Popular e o Senado constituíam o corpo legislativo do Estado e, se nos primeiros tempos, havia principalmente um Areópago, um tribunal composto por todos os antigos arcontes, as suas funções judiciárias passaram depois para os chamados tribunais do Povo. Tanto os arcontes (em número de nove, que podiam rever leis ou assumir obrigações religiosas, consoante a sua função), como os estrategos (que eram dez e eram comandantes supremos das forças que combatiam em terra ou no mar), eram eleitos anualmente. Maria Galito 39

3 Ou seja, Atenas respirava uma organização e uma hierarquia definidas, capazes de assombrar as sociedades suas contemporâneas. A política cultural de Péricles estendeu-se a todas as manifestações do pensamento e do engenho humanos. Mesmo nas artes, os nomes perduram. Fídias e Praxíteles (na escultura), Ésquilo, Sófocles e Eurípedes (na Tragédia) ou Aristófanes (na Comédia). Ou Sócrates, Platão e Aristóteles, na Política e na Filosofia. Eles acreditavam que, para alcançar a Sabedoria, teria de existir uma participação activa dos cidadãos na Cidade, em prol da virtude e da educação da alma quer esta fosse imortal como apregoava Platão, ou mortal como pensava Aristóteles. Servindo a cidade conquistava-se a felicidade. O objectivo era manter a cidade e o indivíduo intimamente ligados, contribuindo para o bem comum e, portanto, para a vida boa de todos os cidadãos. Para o que também contribuía conhecerem-se a si próprios, distanciando-se da Opinião, visando a Verdade Absoluta universal, harmoniosa e justa. - Pelo que o dinheiro corrompia o espírito? Comenta o meu pai, antes de gozar Pois, pois. A cidade era dirigida pelos ricos proprietários que, como tinham escravos para executar as suas tarefas, se podiam dedicar ao ócio de não fazer nenhum. E de criticar a riqueza (que não lhes faltava). - Oh, pai! Contesto Dedicavam-se à filosofia. Retribui-me uma esclarecedora expressão facial. Insisto, contando com os dedos E à história, à matemática, à arquitectura, à escultura. Resolve prosseguir o seu raciocínio: - Diga-se o que se disser, e há que chamar as coisas pelos nomes!, a cidade era bélica, esclavagista e misógina. Elogiava-se a virtude humana mas vivia-se a inveja, a discriminação e a intolerância, que nada têm a ver com as apregoadas Felicidade, Temperança e Justiça. E quanto à Coragem, podia talvez resumir-se a rivalidades crónicas, pelo que as guerras eram mais que muitas. Cruzo os braços, engolindo em seco. E volto-me para a janela. Atenas surge a pouco e pouco dum cerrado nevoeiro de escapes de carros e motas. Vêse rasgada por publicidade agressiva, colada ou mal arrancada das paredes. A manhã parece ter perdido o sol e as suas ruas fazem-me recordar o Pireu. A guia mandou-nos sair do autocarro, quase no meio de uma rua a fervilhar de carros. Levo as minhas pernas para local mais seguro, antes de seguir a pastora do nosso rebanho. Nas bilheteiras, os meus pais são obrigados a pagar para poder entrar com máquina de filmar e de fotografar, como se a Acrópole não fosse ao ar livre. Porque na Grécia paga-se por tudo e por nada. E lá vai a guia! Subo por um caminho de pedra, atropelada por centenas de turistas que sobem e descem pelo mesmo caminho. Mal dá para ver que, à direita, se aninha o Ódeão de Herodes Atticus onde cantou Maria Callas. Não há tempo, pelos vistos. Não se espera pelos turistas que realmente têm curiosidade pela paisagem. Todos correm qual os perseguisse uma manada de elefantes esbaforidos! Tanto que chego à Acrópole cansada, revoltada e absolutamente irritada! Nesse estado de espírito, sento-me. Portanto, subi a Acrópole mas não encontrei a felicidade. Aliás, estou mais infeliz do que nunca. Maria Galito 40

4 Enterrada nas pedras seculares da Acrópole, num dos degraus do canto oeste, onde se ergue a monumental entrada do recinto sagrado, coloco a cabeça sobre as mãos de um braço que se aninha no joelho. E respiro fundo. A nossa guia masca descaradamente a mesma pastilha elástica com que começou a viagem. A que lhe rebola na boca ou se aloja lateralmente, entre os dentes. Atrás de mim, um conjunto de colunas às quais se chegam a partir de uma subida em ziguezague, e um rio de japoneses que escutam uma guia turística aparentemente mais conscienciosa. Rodo o olhar para uma entrada em pedra, enorme, colossal, gigantesca. Não percebo. Nas aulas de História ouvia-se que, ao contrário da tradição egípcia, os gregos construíam templos em função das pessoas e não dos deuses. Mas se assim é, porque me parece esta estrutura tão grande? A colina da frente até tem uns arbustos que lhe negam a total aridez, mas no morro da Acrópole quase não se avista verde. Não sei que dizer. Sinto-me como uma gota de água numa pedreira. Acho que estou em estado de choque. O nosso pai foi o primeiro a sentar-se e parece não!, está entediado de morte. Desde que chegou que não pára de bocejar. Joana também se senta, cansada das pernas: - Está tanto calor... suspira, passando a mão suavemente pela testa Devíamos ter vindo na Primavera. Já a nossa mãe está absolutamente fascinada com as linhas da Acrópole: - Já repararam bem para a graciosidade das paredes, para a delicadeza das colunas, para cada pormenor? Pergunta a arquitecta, de olhinhos brilhantes. Estudar no papel ou no computador é muito diferente de estar aqui, a observar a realidade. Verdadeiramente impressionante... Joana apressa-se a concordar: - De facto, nunca pensei, mas isto é muito bonito. Leonor foi a única que ouviu a guia até ao fim: - Sabiam que ouviremos um espectáculo de luzes e som, a partir daquela colina? Informa, espetando o braço, qual imperador romano, na direcção pretendida. - És sempre tão discreta... ironizo. Nem comenta, insistindo em explicar de olhos esbugalhados: - Há lá um anfiteatro. O jogo de luzes será feito a partir daqui, da acrópole. ão é extraordinário? Passo a mão pela cara, alongando a pele em todos os sentidos. - Posso saber porque estás tão contente? - E o teu desânimo deve-se a quê, posso saber? É a minha vez de não lhe fazer caso. Levanto-me para reunir a comitiva: - A guia já subiu. Vamos ver o Pártenon. Desta vez acompanho o nosso pai, que se levantou e sobe as escadas até ao Propilon. Passamos a fazer parte de uma serpente policolor e multicultural, que vai desde sabe-se lá onde até sabe-se lá... meu Deus!, vai até lá a baixo. Será que todos os turistas se concentraram à mesma hora no mesmo sítio? O pai aconselha-me a parar. Saímos da fila, para estacionar à sombra e assim escapar ao tórrido sol de Agosto. A vista é privilegiada, sobre um dos templos mais carismáticos de sempre. Maria Galito 41

5 - Com que então aquele é que é o Pártenon de Atenas... murmura o nosso pai. Deve ser a primeira vez que demonstra algum tipo de entusiasmo em toda a viagem. São corredores e corredores de colunas que parecem correr para frente, ultrapassando as barreiras da velocidade para, de repente, estancarem como um leão que, com a juba eriçada, perscruta de pé, assente nas patas. Entre os segundos que desfilam, uma sucessão de imagens desfilam à minha frente, de cores muito fortes e vivas, qual adornadas por tochas acesas na escuridão da noite. Tão reais que um homem parece cair ao chão depois de uma corrida extenuante; para dizer uma palavra, uma só palavra pela qual justificou perder a vida. E ali, uma multidão de fiéis que se reúnem em torno de um velho filósofo que caminha descalço; e além, entre as colunas esguias, a colossal estátua de Atena, a patrona da cidade. Abro e fecho os olhos. Agora, o mesmo Pártenon, mas nele vibra a energia dos pedreiros e artesãos cujas mãos o erguem do pó, encavalitados nas pedras para talhar a mármore, ou com pincéis regados de tinta vermelha e azul. A azáfama é imensa, mal havendo tempo para descansos, e as formas na pedra renascem a luta de Peleu contra os Centauros, a Guerra de Tróia, as batalhas de Atenienses contra as Amazonas, e dos Deuses Olímpicos contra os Gigantes. Não me lembro, mas hoje, ao acordar, devo ter batido com a cabeça nalgum sítio. A mãe preocupa-se em ler o panfleto que lhe rebola nas mãos. Trouxe-o das bilheteiras, eu e a Leonor temos um igual. Segundo consta da prosa, o Parténon terá sido primeiro construído no século VI a.c., mas só se tornou no sol de Atenas a partir de 448 a.c., aquando da sua inauguração no Festival Panatinaico, que se deu próximo da 85ª Olimpíada da era antiga. Conta a tradição que os seus arquitectos foram Iktinos e Kallikrates, embora a supervisão tenha ficado a cargo de Fídias também ele responsável pela estátua da deusa Atena, trabalhada a ouro e pedras preciosas, que figurava no interior do edifício. - Ao todo, terá setenta metros de comprimento por trinta e um metros de largura, ao longo do qual se mantêm séries e séries de colunas dóricas, mas o conjunto resulta numa agradável afirmação de simplicidade e harmonia. Respira, deslumbrada com o que vê. E pensar que o fizeram há tantos séculos, quando não havia praticamente nada para os auxiliar no trabalho. Leonor parece concordar, decidindo contribuir, com a sua larga experiência na matéria: - Sabia que vinha ver ruínas. Mas o Pártenon, mesmo destruído, tem algo de imaterial que nos prende; que nos obriga a encará-lo, a observá-lo com redobrada atenção. Ao que aponta um outro templo, fervilhante de entusiasmo. Reviro os olhos, perdendo a paciência: - Tem colunas irónicas? Atiro-lhe, ao desafio. - Iónicas. Foi o que eu disse. Insiste, colocando-me o panfleto à frente do nariz. Como se eu não soubesse. Viro-me para ela, decidida a pôr uns pontos nos is: - És demasiado materialista para te pores com invenções, Leonor. Resumo. Mas ela reclama contra o que considera uma afronta ignominiosa. Abano a cabeça, retirando da bolsa a garrafa da água Tu tens é sede. Acompanhamos o grupo pelo circuito previamente estipulado pela guia. Leonor ainda não desistiu: Maria Galito 42

6 - Em Creta tínhamos a Mãe Terra, a senhora da fertilidade, dos segredos femininos, a deusa suprema da religião antiga. Agora temos Atena, a deusa da inteligência, da determinação, da força e da virtude. Ouviste o que a guia disse? Alguém ouviu? Em Creta elaboravam-se pequeninas estátuas em terracota mas em Atenas a deusa era imensa, com doze metros de altura repletos de ouro e marfim. E sorrindo Tal era o respeito! A senhora de Coimbra, que segue ao lado da filha e da nossa mãe, caminho junto a nós. A que nos surpreende ao comentar: - As mulheres eram muito discriminadas na Grécia Clássica. Nenhuma de nós teria sido feliz acaso tivesse nascido na época de Péricles ou de Aristóteles. Fazemos uma cara incrédula. A filha, cujo nome não recordo, vem em sua defesa: - A minha mãe é professora de História e de Geografia. E acreditem-me, já ouvi o suficiente sobre os gregos para concordar com ela. A professora desprende as duas mãos que conservava juntas, tencionando prosseguir com o seu raciocínio: - Os atenienses dos séculos V, IV, III a. C. confinavam as mulheres em Gineceus, locais reservados dentro das próprias casas. Eles argumentavam que as suas mães, mulheres e filhas, eram seres inferiores; que, ou não sabiam pensar e decidir, ou deveriam limitar-se a ter filhos. A mulher não seguia para a guerra e não participava na vida activa da cidade, logo, não tinha direito ao estatuto de cidadã. A mãe de família tinha quase tão poucos direitos como uma escrava. Toda a mulher devia casar e quanto mais cedo melhor, embora o casamento, mais que um compromisso político, pudesse chegar a ser uma farsa. Isto acontecia na maior parte dos casos, não em todos obviamente. - Mas isso é horrível! Exclamamos quase em uníssono, à primeira oportunidade, numa pausa menos curta do seu discurso. A filha da professora dá mostras de irritação, soprando os cabelos. A mãe humedece os lábios, talvez tentado encontrar algo de diferente para o seu discurso. Prossegue dizendo: - Sócrates e Platão, embora mais favoráveis ao papel das mulheres em sociedade, teorizaram a propósito de uma cidade ideal, em que homens e mulheres da classe superior deveriam eliminar o casamento, como qualquer outro tipo de vínculo ou propriedade, para que os filhos passassem a ser de todos e não de um par específico. Quando a criança fosse excedentária ou portasse algum tipo de deficiência, seria morta; quando saudável, entregue ao Estado, o responsável máximo pela sua educação. As mulheres, tendo perdido o papel de mãe e esposa, já teriam tempo para instruir-se e desempenhar iguais funções à dos homens na cidade. Ao que a filha decide acrescentar, cruzando os braços: - A teoria de Platão terá sido inspirada na real cidade de Esparta. A mãe lá se obriga a concordar: - Pois, quer dizer... mas... até que, depois de tantas hesitações, explica É preciso ver que as mulheres espartanas eram conhecidas pela sua valentia. Desde pequenas que tinham uma preparação física semelhante à dos homens, para poderem dar à pátria filhos fortes e saudáveis. Mas quem ia para a guerra eram os homens. Sendo a guerra constante, eram elas quem, a maior parte do tempo, dirigiam os terrenos e a cidade. O casamento existia mas era um conceito diferente do nosso. Homens e Maria Galito 43

7 mulheres mal se viam, partilhando o leito em sítios mal iluminados e durante pouco tempo. Chegava a haver partilha. Às vezes acontecia que um grupo de irmãos, ao invés de ter cada qual uma mulher, tinham todos a mesma. As mulheres espartanas eram igualmente famosas pela sua ferocidade. Tirteu, um ateniense ao serviço de Esparta, escreveu a dada altura: «Ao ver o filho, que fugia do combate a toda a pressa e entrava em casa sem escudo, uma espartana correu ao seu encontro, enterrou-lhe a lança no coração e pronunciou, ante o seu cadáver, estas palavras viris: «raça estranha a Esparta, vai para o Inferno, já que renegaste a tua pátria e a tua mãe», pois na própria véspera do combate lhe declarara «Volta com o teu escudo ou sobre o teu escudo». - Para a sociedade espartana, a cobardia, de quem quer que fosse, era a maior das humilhações. Remata a filha, que agora já me lembro chamar-se Cláudia. - Nem sei o que é pior, se Esparta se Atenas! Exclamo, atordoada. A professora de História prossegue: - Os lacedemónios ou espartanos eram, de facto, muito difíceis; duros, austeros, fechados sobre si próprios; julgavam-se a elite das elites e obedeciam cegamente a um conjunto de leis ou regras atribuídas a Licurgo, o homem que havia reformado Esparta por alturas do IX a.c. e puxando pelo nariz, como se assim recordasse melhor as palavras Por exemplo, lembro-me de uma vez ter lido qualquer coisa como: «(...) são necessárias poucas leis àqueles que falam pouco». E, ao que parece, não gostavam de estar sempre a criar leis se as de Licurgo eram consideradas suficientes. E falavam dramaticamente pouco. Entramos na fila para o museu. O nosso pai, conversa numa das poucas sombras do recinto com pessoas que fizeram connosco o cruzeiro, mas não vieram no nosso autocarro. Não parece interessar-se por ver mais estátuas. Viro-me para a professora, tentando indagar a sua opinião sobre: - A Guerra de Tróia de que falava Homero. Era uma sociedade mais minóica, mais ateniense ou mais espartana? Mas temo a resposta axiomática. A nossa mãe resolve atalhar, em minha defesa: - Tenha paciência. A minha filha encantou-se com as lendas de Tróia. Depois do que a Eduarda acabou de explicar, a pergunta para ela faz todo o sentido. A professora que agora sei chamar-se Maria Eduarda sorri, evitando ser tão peremptória quanto antes. Não que eu lho tenha pedido. Eu só quero saber a verdade. - Entre o apogeu minóico e o governo de Péricles em Atenas, houve dois grandes períodos: o micénico e o arcaico. A Guerra de Tróia pertence ao primeiro, Homero ao segundo. Vários séculos os separam. Ao que, qual estivesse perante um júri capaz de sentenciar a sua resposta, evita pronunciar-se com certezas Posso apenas especular. Enfim, os micénicos foram grandes imitadores dos minóicos, pelo menos do ponto de vista cultural. Mas daí a concluir a propósito da sociedade da época, é menos linear. Até porque ninguém sabe ao certo quando se deu a referida guerra ou se o poeta, no seu produto final, não misturou lendas de várias guerras ou catástrofes naturais das várias Tróias. Muito do que se conta é ambivalente e contém elementos de diferentes épocas, por isso... a hesitação soa a falso, ao acrescentar sem contemplações Eu não aprecio especialmente a Ilíada ou a Odisseia. Homero passa o tempo a glorificar os heróis que combatem junto às muralhas de Príamo e um conjunto de peripécias pelas quais Odisseu passou antes de regressar a casa (na Maria Galito 44

8 ilha de Ítaca). Mas deve ter visto a minha cara, pelo que se devotou a um sorriso mais diplomata Também é possível que não seja isenta nesta matéria. E virandose para mim, pisca o olho Gostarias de ter vivido nos tempos de Tróia? Respondo-lhe com sinceridade: - Agradeço todos os dias ter vindo ao mundo quando e onde nasci. Meia hora depois de aguentar em pé na fila para entrar no museu entramos finalmente. A nossa mãe fixa-se na estátua de Procne, embora a Leonor se mostre incapaz de entender porquê, pois os séculos mutilaram-lhe metade da cabeça, além das sérias deformações nos braços e pernas. - Que olhar desolado... diz a nossa mãe, observando a peça cuidadosamente. A maioria concorda. Até o casal de advogados parece petrificado, por mais que a fila de pessoas nos empurre para a frente. - O autor é Alcamedes, discípulo do próprio Fídias. Leio, ocultando a história da personagem retractada no mármore. Caminho no sentido da outra sala do museu. Leonor segue-me, pegando no panfleto para melhor acompanhar as obras que vai observando. O museu recolhe um conjunto exemplar de obras de grandes artistas gregos da antiguidade. Nele respira a História, numa das mais elegantes demonstrações do realismo humano. A Grécia adorava o corpo, insistindo em aperfeiçoar a forma de o moldar na pedra. E um dos mais brilhantes exemplos é o relevo na mármore que representa Nike, a deusa da vitória, a calçar uma sandália. Uma verdadeira preciosidade. - Quem foi o autor desta maravilha? Interroga a nossa mãe, fascinada. - Aqui não diz. Queixa-se a Leonor, revirando o panfleto. - Era certamente um grande escultor. Reforça a advogada, sorrindo. - É a peça mais bonita. Opina Joana. Solenemente. Também gosto. Mas talvez me desperte mais a curiosidade este simpático trabalho de 570 a.c., chamado Moschophoros, representando um homem a carregar um bezerro em cima dos ombros. O destino do doce animal é o sacrifício mas o duo tem uma cara tão harmoniosa, e os olhos do jovem parecem tão puros, que mais parecem ir os dois dar um inocente passeio pelos campos. Ou este meio corpo da Kore de Chios, do final do século VI a.c. Tal como a estátua de Moschophoros espelha leveza; é uma cara alegre, descomplexada. E o penteado é um rendilhado extraordinário, que lhe cai em múltiplas tranças. Num dos bustos masculinos de 500 a.c., as várias tonalidades de castanho da barba transmitem grande realismo através de uma imagem serena. E reconheço valor à pensativa Atena, com a sua cabeça apoiada no cabo da lança, uma mão na anca e um pé completamente no chão. Que problemas a preocuparão? Ao descer à cidade, a guia leva-nos numa visita aos locais mais significativos da Atenas moderna. Ali está o Estádio Panatinaicos na Avenida do imperador Constantino, onde em 1896 se realizaram os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna. Depois, sempre dentro do autocarro, passamos pela mansão do actual Primeiro-ministro; onde não é o governante nem a casa que despertam a atenção, mas os guardas; ou melhor, aqueles dois homens que empunham uma arma enquanto vestem colete preto bordado à mão, uma saia muito curta, branca e de folhos, acompanhada de sapatos pretos com pompons. Maria Galito 45

9 - Vão dançar ballet hoje à noite? É a pergunta maldosa da Leonor. Bato-lhe com a mão no braço: - Não digas isso. É o fato tradicional deles. Seguem-se as praças Syntagmatou (Praça da Constituição, centro político da cidade) e a Omónia (Praça da Concórdia) onde foram edificados três belos edifícios do século XIX à luz do estilo clássico ateniense da era de Péricles. Sei que um deles é a Universidade e o outro a Biblioteca Nacional. Mas é no coração da Praça da Constituição que brilha um verdadeiro tratado! A estátua do corredor. Uma junção de peças horizontais, que parecem esvoaçantes; como se uma pessoa, ao correr desalmadamente depressa, se desintegrasse de peito aberto, ultrapassando as barreiras do corpo, da força de vontade, da luz, do pensamento. Encanta pelo arrojo; por ser totalmente diferente. Encantada, peço aos meus pais para lá passarmos esta tarde, depois de almoço. O pedido é aceite. Ao que tem início a ronda pelos hotéis da cidade. A guia consulta a lista e chama os nossos nomes, à medida que vamos chegando ao destino; relembrando que logo, à hora de jantar, voltaremos a sair todos juntos Somos deixados no hotel e o almoço é tomado num pequeno restaurante ali perto. A visita particular à cidade tem início por volta das duas da tarde. Ao contrário do que seria de esperar o calor é perfeitamente suportável. As ruas transversais estão desertas mas não é Domingo. Há muito lixo pelos cantos. As paredes decompõem os cartazes publicitários e a maior parte das lojas estão fechadas. Não sei porquê. Leonor recebe uma mensagem escrita no telemóvel, vindo logo ter comigo: - É o Rámon. Está com as irmãs e o pai numa esplanada na Praça Syntagmatou. Não era onde tu querias ir? Vamos lá ter. Vamos? Insiste, agarrando-se a mim. Resultado, sem contar aos nossos pais que quer voltar a ver Rámon, convence-os a seguir em frente, rumo à dita praça da Constituição, por eu ter manifestado interesse em observar melhor a estátua que me entusiasmara esta manhã. Enfim, nada que me surpreenda. Encontramos Rámon pouco depois, muito bem sentado com a família na esplanada de uma pequena mas bonita pastelaria. Saudamo-los. Eles fazem uma grande festa por nos ver. Enquanto os meus pais e as minhas irmãs arranjam cadeiras, afasto-me um pouco para apreciar a estátua que ilumina toda a praça. Enorme! Altíssima. Apesar de mais uma estátua do que uma pessoa, agora que estou perto ao contrário da ilusão que dava, enquanto caminhávamos pela avenida permaneço fascinada. Pelo movimento que incute. Qual lufada de ar fresco. O empregado de mesa já serve as bebidas entretanto foram pedidas. Sento-me, perguntando pela carta de gelados. As duas catalãs estão de dieta, tal como a Leonor, mas a Joana mandou vir um gelado que propõe dividir comigo. Aceito. Hoje em dia, não pode comer nada para não engordar. Meio mundo anda com a mania das dietas! E meio mundo a comer em excesso. Mas é quando Rámon diz à Leonor que não precisa preocupar-se com dietas, por já ser a mais bela entre as mulheres, que resolvo gracejar: - Vives para cá dos Pirenéus, mas tens parla pie de francês. E virando-me para a mana Não te deixes levar, Leonor, que ele diz isso a todas. E antes que Rámon tenha tempo de falar, acrescento, minando-lhe a resposta. Claro que a beleza Maria Galito 46

10 depende dos olhos que a vêem. E ele parece estar a ser muito sincero. Pisco o olho à Leonor. Rámon deixa-se rir. Vozes conhecidas irrompem à retaguarda. Volto a cabeça. É aquele senhor inglês com quem o nosso pai se deu tão bem durante a viagem a Rodes. Se a memória não me falha, estava com a mulher na Acrópole esta manhã. Chamava-se... como é que era mesmo? Bom, Dr. Finley e é médico acaba de se apresentar aos nossos amigos catalães. Senta-se a meu lado, com a mulher. São os dois muito ruivos. Vou a levar um pedaço de gelado à boca, quando o nosso pai se lembra de me aconselhar a praticar o meu inglês. Empalideço. O problema até nem é falar inglês, mas o que deverei dizer ao senhor, santo Deus? E ele parece ter tanta vontade de falar comigo, como nada. Engulo em seco. E deixo-me estar, sossegada, expectante. Perante a minha hesitação, Dr. Finley acaba por ser ele próprio a fazer as perguntas da praxe: como me chamo, o que quero ser quando for grande, se tenho gostado da viagem à Grécia. Pondero antes de responder. - I m Sancha 1. Começo por dizer. Mas o olhar foge-me para a mesa; para os copos, para as taças de gelado, para os guardanapos. Enrolo as mãos. Até que me decido. Erguendo a cabeça pergunto, moderada mas incisivamente, a sua opinião sobre o que de mais importante me lembrava ter lido no jornal, antes de visitarmos Santorini. Ao fazê-lo, embasbaco o Dr. Finley. O meu pai pisca-me o olho. - Sancha, my darling, you surprise me 2. Confessa, pronunciando Saxa, que é mais russo. I didn t know these subjects interested young girls like you 3. Finjo-me desentendida, mantendo o sorriso nos lábios: - Young girls? What do you mean? 4 e pedindo a boa pronúncia do meu nome And please, I m not Saxa but Sancha. Means holly in Latin and it s the name of both a Portuguese saint and a Portuguese heroine 5. Desperto um sorriso maroto ao meu pai pois eu soube dizer tudo com elegância mas firmeza de carácter. O próprio Dr. Finley não se aborrece: - Has character, your daughter 6. Comenta, ainda mais surpreendido. - Yes, I m very pride of her 7. Sorri o pai, em resposta. As palavras que me disse em Santorini, fazem agora todo o sentido. Dr. Finley não se dispõe a cortar a harmonia familiar. Pelo contrário, resolve colaborar: - Well, than let s talk some more 8. - Thank you. I must practice my English 9. Agradeço, também com um sorriso Maybe I can teach Dr. Finley some words in Portuguese, in return? 10 1 «Chamo-me Sancha.» 2 «Sancha, minha querida, surpreendes-me.» 3 «Não sabia que estes assuntos interessavam a jovenzinhas como tu». 4 «A jovenzinhas? Como assim? 5 «E por favor, não sou Saxa mas Sancha. Significa sagrada em Latim e é o nome de uma santa portuguesa e de uma heroína portuguesa.» 6 «Tem carácter, a sua filha.» 7 «Sim, tenho muito orgulho nela.» 8 «Bom, então vamos falar um pouco mais.» 9 «Obrigada, preciso praticar o meu inglês.» Maria Galito 47

11 Solta uma gargalhada o que não é de todo comum ver ingleses fazer. E colocando a mão no braço do meu pai: - You know, old chap, you have a little devil here 11. Regressamos os cinco ao hotel. Num largo, com uma estátua no meio, um mar de pombos debica bagos do chão. A nossa mãe adora pássaros. Aproxima-se para que pousem nos seus ombros. Um pombo menos atrapalhado aproveita inclusivamente para aterrar na sua cabeça. Aproveito para fotografar o momento. Joana quase os espanta todos, quando vai ter com a mãe. Desolada, começa a andar atrás deles com um rebuçado, a única coisa doce que encontrou no bolso. - Eles não comem isso. Diz-lhe a Leonor, sem que a outra faça caso. Num momento de relaxamento, a nossa mãe resolve fazer-se à fotografia, andando um pouco mais depressa entre os pombos que levantam voo, esboçando o seu belo sorriso, quando o nosso pai a recebe nos braços com um beijo na testa. Não teve nada de piegas, foi simplesmente bonito. E poderei recordá-lo, de hoje em diante, sempre que quiser. Depois de umas tantas ruas, um ruído preenche-nos os ouvidos. Atrás de nós formam-se magotes de gente; pessoal irado e revoltado, com punhos cerrados no ar, ostentando cartazes vermelhos e brancos com gordas letras gregas, numa manifestação de discórdia contra o governo. Desfilam, curiosamente, pela Omónia acima. A nossa mãe preocupa-se: - Vamos embora, meninas, não queremos problemas. Os trabalhadores ocupam rapidamente a praça, levantando bem alto palavras de ordem. Gritam as suas razões, demonstram textualmente o seu desagravo contra o governo. Muitos são os braços esticados no ar e magotes de gente parecem não parar de chegar, de marchar, abraçados uns aos outros. O corpo policial surge de um canto e carros da polícia começam a aparecer de tudo quanto é lado, enquanto os nossos pais nos levam rapidamente para o hotel. Subimos pelo elevador, combinando encontrar-nos daqui a hora e meia, pois o autocarro virá buscar-nos. E ainda temos de tomar banho. Enquanto elas combinam com a mãe, atravesso o nosso quarto, abro a porta e avanço para a varanda, espreitando os movimentos na rua lá em baixo. Leonor veio atrás de mim: - Achas que vai haver violência? Pergunta, de olhos em riste. Lá em baixo, cada qual clama para seu lado. O coro de vozes é poderoso, a revolta angustiada. Do outro lado, os polícias constroem um muro para travar o avanço dos enfurecidos. Chegam reforços de ambos os lados. Lá vêm carros apinhados de defesas. Os que atacam surgem a pé. - Eles não estão organizados. Declaro, apercebendo-me da debilidade do ataque que conquista em barulho mas peca em estratégia. Não sei quem tem razão, mas os trabalhadores não demorarão a voltar para casa. E não haverá feridos. Vais ver. Bem dito bem feito. Em dez minutos a praça fica deserta. 10 «Talvez eu possa, em troca, ensinar-lhe umas palavras em português.» 11 «Sabe, velho amigo, tem aqui um pequeno diabo.» Maria Galito 48

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos ÁREA DA AUTONOMIA Ser autónomo ao nível da alimentação Preparar o seu lanche: barrar fatias de pão Descascar fruto: banana Esmagar a banana Comer o iogurte sem apoio ACTIVIDADE 1: Quais são os frutos iguais?

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

ADORADOR X GUERREIRO

ADORADOR X GUERREIRO ADORADOR X GUERREIRO Texto Chave ISamuel 16:17-18 17 E Saul respondeu aos que o serviam: Encontrem alguém que toque bem e tragam- no até aqui. 18 Um dos oficiais respondeu: Conheço um filho de Jessé, de

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

O QUE SE SABE SOBRE A MIOPATIA?

O QUE SE SABE SOBRE A MIOPATIA? 1 TODO O MUNDO É DIFERENTE, NINGUÉM É PERFEITO Toda a gente é diferente; ninguém é perfeito. Se olhares á tua volta, verás crianças que têm problemas nos olhos e que usam óculos; outras, que ouvem mal;

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás.

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás. Bloco Mauricio Diogo Vejo um bloco de mármore branco. A rocha dura. A rocha é dura. O mármore tem textura. É duro. Resistente. Sincero. Tem caráter. Há mármore rosa, bege, azul, branco. O escultor doma

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

Entrevista com Aires Alves

Entrevista com Aires Alves 1 Entrevista com Aires Alves Hélder Bértolo (Professor da Faculdade de Medicina de Lisboa) e Maria Lúcia Batezat Duarte Transcrição: Maria Lúcia Batezat Duarte 1 38 anos técnico de computador - cego congênito

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido FADE IN: INT. CASA DE BANHO - DIA Um homem fala para a câmara. É, 28 anos, magro e mortiço. Queres casar comigo? Não fica satisfeito com o resultado.

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Tudo parece impossível até que seja feito. - Nelson Mandela

Tudo parece impossível até que seja feito. - Nelson Mandela 0 1 Tudo parece impossível até que seja feito. - Nelson Mandela Este é um guia que pode realmente transformar a vida das pessoas. É uma revolução sem violência e que estamos lutando contra um grande inimigo

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia.

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Foge da Terrorlândia Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Apesar de tudo isso, Dora está ansiosa para ver Paco novamente, e tais pensamentos fazem-la ainda mais animada com a festa.

Apesar de tudo isso, Dora está ansiosa para ver Paco novamente, e tais pensamentos fazem-la ainda mais animada com a festa. O AMOR DA FLORESTA O sol sobe acima da floresta Amazônica e as árvores enormes perenes, permitem raios de luz para passar entre suas folhas e pintar o chão da floresta em sombras sarapintadas. Em uma das

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga Novela Copyright by GESINAS 1 Gorom-Gorom "Vamos, por favor, eu vou mostrar Gorom- Gorom", gritou o menino a um casal

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: Apoio: Patrocínio: Realização: O BOI, O MACACO E O PORCO Copyright 2000, virtualbooks.com.br Todos os direitos reservados a Editora Virtual Books Online M&M Editores Ltda.É proibida a reprodução do conteúdo

Leia mais

Neste mês Festinclã 2001

Neste mês Festinclã 2001 Neste mês Festinclã 2001 No ano de 2001, a atividade estadual de Guias teve como tema Cantando a Vida. Os clãs de São Paulo soltaram a criatividade e o talento que incluiu além das tradicionais músicas

Leia mais

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego De Creta a Micenas As Origens do Mundo Grego 1 O início da História Entre os séculos XX a.c. e XVI a.c., floresceu em Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante civilização, que influenciou a desenvolvida

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 RITUAL DE INÍCIO Proposto e conduzido pelo professor Adriano Cypriano (Zazen: cinco minutos de silêncio, escuta e respeito a si

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA VOLUME 1, EDIÇÃO 1 DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 NESTA EDIÇÃO: A MARIA CASTANHA 2 A TURMA DO 2.º 2.ª 3 O DIA DE S.MARTINHO 4 O PÃO NA NOSSA ALIMENTAÇÃO A TURMA DO 1.º 2.ª 5 6 O ENSINO ESPECIAL 7 SOLIDARIEDADE

Leia mais