IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES ZANETTI, L. M. G. F. (1), COSTA JR, L. L. (2), ITALIANO, W. L. (3), PALLA, V. L. (4), GALBIATTI, J. A. (5), PISSARRA, T. C. T. (6), HOJAIJ, A. (7), LOPES, L. G. (8), VENTURA, K. S. (9). (1) Departamento de Engenharia, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , ; (2) Departamento de Engenharia, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , ; (3) Diretor Presidente, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , (4) Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, Jaboticabal/SP, (16) , ou ; (5) Departamento de Engenharia Rural, UNESP Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , (6) Departamento de Engenharia Rural, UNESP Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , (7) Departamento de Tratamento de Água Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , (8) Departamento de Tratamento de Água, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , (9) Departamento de Engenharia, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Jaboticabal/SP, (16) , ; APRESENTADORA ZANETTI, L. M. G. F., Engenheira Civil (FEB), Especialização em Engenharia do Saneamento Básico (DeCiv UFSCar). Atua na área de Saneamento Ambiental. Serão necessários os seguintes equipamentos para a apresentação: Projetor multimídia com computador, Programa Power Point, Retro-projetor e vídeo cassete. Correspondência para: Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal R. Monte Alto, Bairro Santa Mônica - CEP Jaboticabal SP

2 OBJETIVO DO TRABALHO O programa de saneamento rural esgoto na Bacia Hidrográfica do Córrego Rico tem como objetivo desenvolver ações para a conscientização, orientação e implantação de um sistema de tratamento de esgoto eficaz e de baixo custo nas propriedades das áreas rurais localizadas na Bacia Hidrográfica do Córrego Rico, no município de Jaboticabal / SP. METODOLOGIA Caracterização da área do projeto O Serviço Autônomo de Água e Esgoto esta desenvolvendo um Projeto Global na Autarquia, denominado de Gestão Ambiental Integrada, que procura agregar as áreas de água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos. Os princípios básicos desse programa são a participação direta na gestão dos diversos projetos dos técnicos e da população através de um processo participativo. Um dos principais projetos da Gestão Ambiental Integrada é o projeto denominado, Gestão Hídrica no município de Jaboticabal Bacia Hidrográfica do Córrego Rico. O Projeto de Gestão hídrica de Jaboticabal, denominado Projeto Córrego Rico Limpo, foi desenvolvido objetivando reverter à degradação ambiental da bacia hidrográfica e melhorar a qualidade da água do Córrego Rico. A Bacia Hidrográfica do Córrego Rico está vinculada ao Comitê de Bacias do Rio Mogi Guaçu, segundo a Divisão hidrográfica do Estado de São Paulo (SÃO PAULO, 1974), localizada na porção centro-norte do Estado de São Paulo, região administrativa de Ribeirão Preto, compreendendo os municípios de Jaboticabal, Monte alto, Taquaritinga, Santa Ernestina e Guariba. A área de desenvolvimento deste programa compreende as propriedades rurais localizadas nas proximidades dos Córregos Rico e Tijuco no município de Jaboticabal. PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. O Projeto de Gestão hídrica de Jaboticabal teve início em março de 2002, com a elaboração do mapa básico da rede de drenagem da bacia e o mapa do uso e ocupação do solo, através de fotografias aéreas verticais (escala 1:35.000), para a avaliação ambiental. Através do mapa da Bacia, representado na figura 01, onde estão localizados os onze Postos de monitoramento situados nos Córregos Rico e Tijuco e as sedes das propriedades rurais, foi

3 possível desenvolver o trabalho de campo acompanhando os indicadores de qualidade da água e do sedimento com análises quinzenais. Figura 01: Mapa da Bacia Hidrográfica do Córrego Rico com os pontos de monitoramento e sede das propriedades rurais. Observou-se no monitoramento da água e sedimento dos córregos Rico e Tijuco, através de alguns parâmetros que definem o grau de poluição das águas, tais como, cor aparente e turbidez, amônia e nitrato, fósforo, matéria orgânica, alta concentração dos mesmos, acima do Volume Máximo permitido estabelecido pela Resolução CONAMA 20, estando também acima do limite estabelecido à contagem de coliformes totais e fecais para as águas dos dois Córregos. O resultado das análises indicou grande despejo de matéria orgânica, confirmando o lançamento de esgoto nos mananciais. As águas dos dois córregos sofrem a ação de despejo de poluente de formas pontual e difusa. Quanto à forma de poluição pontual, observa-se o lançamento individualizado de despejo de esgoto doméstico e animal in natura, lixões rurais. Em relação à difusa, isto é, sem ponto

4 específico, observa-se o uso de substâncias químicas provenientes da utilização na agricultura, como os agrotóxicos, usados no combate às pragas, doenças e plantas invasoras, tais como: raticidas, herbicidas, fungicidas e formicidas. No sentido de equacionar esses problemas foi criado o Programa de saneamento rural esgoto, nas propriedades da área da Bacia do Córrego Rico. Baseando-se nos dados das análises da água dos córregos na disposição dos esgotos, e pelo levantamento sócio econômico das propriedades, orientou-se para início do programa em uma primeira etapa de visitas às propriedades mais próximas às margens dos Córregos Rico e Tijuco. Para efetivar esse programa foi organizada e estruturada uma equipe de 03 funcionários e 01 veículo. A estratégia de ação foi à identificação destas propriedades, através de um mapeamento do levantamento sócio econômico. Foi elaborado um roteiro subdividido em propriedades relativas ao Córrego Rico e ao Córrego Tijuco. Para coleta de dados a serem utilizados na análise e orientação quanto à implantação do sistema de tratamento de esgoto mais adequado foi desenvolvida uma planilha com atributos da propriedade. Monitoramento da Qualidade dos Córregos Rico e Tijuco Os coliformes totais e fecais são grupos de bactérias indicadoras de contaminação por esgotos domésticos ou de resíduos de animais. As figuras 02 e 03 apresentam a contagem destas bactérias para as águas dos córregos monitorados. As contagens estão acima do limite estabelecido na Resolução CONAMA 20 do Ministério do Meio Ambiente e confirma dados anteriores que apontavam despejos de esgotos nesses cursos d água CR4 TJ4 CR3 TJ3 CR2 TJ2 CR1 TJ1 CCR CTJ CPT CR TJ VMP Figura 02: Coliformes totais (UFC/100 ml) na água dos Córregos Rico e Tijuco em período de seca (maio a agosto de 2002).

5 CR4 TJ4 CR3 TJ3 CR2 TJ2 CR1 TJ1 CCR CTJ CPT CR TJ VMP Figura 03: Coliformes fecais (UFC/100 ml) na água dos Córregos Rico e Tijuco em período de seca (maio a agosto de 2002). Em áreas rurais geralmente as edificações apresentam-se esparsas, e com o objetivo de proporcionar ao produtor uma melhoria do saneamento no meio rural cogitou-se a implantação de um sistema de tratamento de esgoto eficiente e de baixo custo. Com este intuito estão sendo realizadas pesquisas e algumas ações já foram desenvolvidas. Foi realizada visita à Fazenda Belo Horizonte, no município de Jaboticabal, a qual possui implantada há dois anos um sistema para tratamento de esgoto por biodigestor, desenvolvida pela EMBRAPA, NOVAES, A. P. et al (2002), onde se constatou o pleno funcionamento e eficácia da mesma, com utilização do efluente como adubo orgânico nas lavouras de laranja, conforme pode ser observado nas figuras 04 e 05. Este sistema de tratamento de esgoto por fossa séptica biodigestora está sendo apresentado aos proprietários, com orientação técnica, como uma das alternativas de implantação de tratamento do esgoto, uma solução simples e com um custo barato e ainda a possibilidade de aproveitamento do efluente na agricultura orgânica. Com o roteiro de propriedades foi feito um mapeamento com a demarcação das áreas, para localizar e facilitar o acesso às propriedades.

6 Figura 04: Fossa séptica tipo biodigestor implantada em uma propriedade rural no município de Jaboticabal Fazenda Belo Horizonte. Figura 05: Caixa de armazenamento do efluente utilizado na irrigação dos pomares da Fazenda Belo Horizonte, em Jaboticabal/SP. Para efetivar esse programa estão sendo procedidas algumas ações: visita as propriedades rurais para identificação dos pontos de lançamento de esgotos domésticos, preenchimento da planilha, esclarecimento aos proprietários e moradores da importância da implantação do sistema de tratamento de esgoto. Paralelamente às visitas está sendo agendada uma visita com os proprietários à Fazenda Belo Horizonte para um contato in loco com o sistema de tratamento por biodigestão já em utilização. As figuras 06 e 07 apresentam algumas propriedades e seus pontos de lançamento dos efluentes domésticos.

7 Figura 06: Residência de uma propriedade rural situada na Área de Preservação Permanente com lançamento de esgoto doméstico de 05 moradores diretamente no Córrego do Tijuco. Figura 07: Lançamento de esgoto doméstico de 06 moradores de uma propriedade rural em afluente do Córrego do Tijuco. execução de um protótipo deste sistema de tratamento para apresentação e orientação de construção aos proprietários, conforme pode ser observado no Anexo 01; confecção de uma cartilha instrutiva com informações sobre os problemas relacionados à disposição inadequada dos esgotos, prescrições para localização

8 adequada do sistema de tratamento, operação, manutenção e regras práticas para limpeza; elaboração de projeto, orientação e acompanhamento na execução da obra do sistema de tratamento, pelos técnicos do SAAEJ. RESULTADO E CONCLUSÕES Durante visitas às áreas da Bacia do Córrego Rico, foram detectadas duas propriedades nas margens do Córrego Rico, as quais lançavam os esgotos provenientes da criação de porcos em afluentes do Córrego Rico. Estes lançamentos provocavam alteração na qualidade da água, como mau cheiro, alteração no volume do lodo dos decantadores da ETA de Jaboticabal. A interrupção destes lançamentos possibilitou um menor consumo de produtos químicos propiciando um menor custo no tratamento e uma melhora considerável na qualidade da água. Portanto este programa de saneamento rural já apresentou resultados positivos em relação à degradação do meio ambiente, qualidade da água e custo financeiro. Com a continuidade das visitas foram sendo identificados pequenos lançamentos de esgotos domésticos provenientes de residências dos trabalhadores rurais, principalmente no Córrego do Tijuco. Conclui-se que a prevenção para que não haja disposição de esgotos em locais inadequados está no envolvimento da população rural, levando-lhes a conscientização do problema, informação e conhecimento sobre tratamento de esgoto eficaz, menos agressivo a área ambiental e de baixo custo, e é nisto que este programa pretende continuar atuando, possibilitando também a utilização de menos recursos financeiros e menor quantidade de produtos no tratamento da água para abastecimento, menor utilização da medicina curativa relacionada às doenças oriundas das excretas, proporcionando ao homem uma melhor qualidade ambiental e de vida.

9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATALHA, B. H. L. (1989). Série Manuais: fossa séptica. São Paulo: CETESB, 20p. BRASIL. (1999). Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de saneamento, 3ª ed., Brasília, 374 p. CAMPINAS. SANASA. (2002). Esgoto tudo o que você precisa saber, 46 p. CONDINI, P. (2001). Manuais Ambientais: a qualidade das águas. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 31 p. COSTA JUNIOR, L.L. (2002). Gestão hídrica no município de Jaboticabal. Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Artsigner Editores Ltda, 68 p. NOVAES, A. P. et al. (2002). Utilização de uma fossa séptica biodigestora para melhoria do saneamento rural e desenvolvimento da agricultura orgânica. Comunicado Técnico, São Carlos, n.46, p.1-5, maio.

10 ANEXO DESENHOS FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA A) APROVEITAMENTO DO EFLUENTE NA AGRICULTURA PVC 100mm 1000L 1000L 1000L B) SEM APROVEITAMENTO DO EFLUENTE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA LEGENDA 1- Válvula de retenção-pvc 100mm 2- Chaminés de alívio-tudo de PVC soldável 25mm 3- Curva 90º-longa PVC 100mm 4- "T" de inspeção-pvc 100mm 5- Fossa - caixa de Polietileno-1000L 6- Caixa coletora - Polietileno-1000L 7- Registro de esfera de PVC 50mm 8- Filtro de areia 9- Curva 90º longa PVC 50mm L 1000L VER DETALHE Tela de nylon fina (tipo mosquiteiro) Camada de areia fina lavada Camada de 10cm de pedra britada nº 1 Camada de 10cm de pedra britada nº 3 DETALHE FILTRO DE AREIA S.A.A.E.J SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE JABOTICABAL PROJETO: FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA LEILA M. G. F. ZANETTI Engenheiro WILSON LUIS ITALIANO Presidente ESCALA: s/ escala DATA: Fevereiro/2003 DESENHO: Danubia

11 FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA B) COM REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Aros sobrepostos 1 Cobertura < 0,50 Brita nº3 PVC - Ø 100mm i = 0,002m/m PVC - Ø 100mm i = 0,005m/m Camada de areia fina lavada Areia ou terra sem entulho compactada 0,15 0,15 2 0,10 3 VER DETALHE Camada de areia fina lavada Camada de 10cm de pedra britada nº 1 Camada de 10cm de pedra britada nº 3 Tela de nylon fina (tipo mosquiteiro) LEGENDA 1 - Válvula de retenção PVC 100mm 2 - Curva 90º longa PVC 50mm 3 - Registro de esfera PVC 50mm DETALHE FILTRO DE AREIA Tubo 50mm S.A.A.E.J SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE JABOTICABAL PROJETO: FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA LEILA M. G. F. ZANETTI Engenheiro WILSON LUIS ITALIANO Presidente ESCALA: s/ escala DATA: Fevereiro/2003 DESENHO: Danubia

12 FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA B) SEM REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Aros sobrepostos 1 Cobertura < 0,50 Brita nº3 PVC - Ø 100mm i = 0,002m/m PVC - Ø 100mm i = 0,005m/m Areia ou terra sem entulho compactada 0,15 0,15 0, L 2 3 LEGENDA 1 - Válvula de retenção PVC 100mm 2 - Caixa coletora - Polietileno-1000L 3- Registro de esfera de PVC 50mm S.A.A.E.J SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE JABOTICABAL PROJETO: FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA LEILA M. G. F. ZANETTI Engenheiro WILSON LUIS ITALIANO Presidente ESCALA: s/ escala DATA: Fevereiro/2003 Arquivo em: Leila - home\2003\desenhos\fossa séptica DESENHO: Danubia

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS ITALIANO, W. L. Secretário Interino de Obras e Serviços Públicos, Engenheiro Civil (DeCiv UFSCar), Mestre em Arquitetura

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA. Instalação, orientações e manutenção do sistema

FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA. Instalação, orientações e manutenção do sistema FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA Instalação, orientações e manutenção do sistema INTRODUÇÃO O Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro RIO RURAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA

REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA REÚSO DA ÁGUA REÚSO DA ÁGUA BASE LEGAL E NORMATIVA Resolução nº 54, de 28/11/05 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos -CNRH - Estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

SEMINÁRIO SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTOS EM COMUNIDADES ISOLADAS

SEMINÁRIO SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTOS EM COMUNIDADES ISOLADAS SEMINÁRIO SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTOS EM COMUNIDADES ISOLADAS Qual país da América Latina tem maior proporção de pessoas sem acesso a água potável na zona rural? O Brasil. Em 1990,

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG 1 FRANÇA, D.Z.; 1 LIMA, G.M.; 1 FREITAS, M.P.; 2 TORRES, J.L.R.; 3 FABIAN, A.J. 1 Tecnólogo em Gestão Ambiental pelo

Leia mais

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes Denise Fernandes Britto Prefeitura Municipal de Jaboticabal Objetivo Identificar as principais

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VII-027- A SAÚDE PÚBLICA E A QUALIDADE DA ÁGUA EM EDIFICAÇÕES NA CIDADE DE JOINVILLE Fernanda

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

GOIÁS ATUAÇÃO DAS EMPRESAS LIMPA-FOSSAS NA COLETA, TRANSPORTE E DISPOSIÇÃO FINAL DE ESGOTOS NÃO DOMÉSTICOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA.

GOIÁS ATUAÇÃO DAS EMPRESAS LIMPA-FOSSAS NA COLETA, TRANSPORTE E DISPOSIÇÃO FINAL DE ESGOTOS NÃO DOMÉSTICOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA. GOIÁS ATUAÇÃO DAS EMPRESAS LIMPA-FOSSAS NA COLETA, TRANSPORTE E DISPOSIÇÃO FINAL DE ESGOTOS NÃO DOMÉSTICOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA. Fernanda Posch Rios Eraldo Henriques de Carvalho Daniela Cristina

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-001 TRATAMENTO BIOLÓGICO DE ESGOTO COM ZONA DE RAíZES EXPERIÊNCIA DA PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de participação no mercado. O Grupo possui 19 unidades

Leia mais

ESTIMATIVA DA POLUIÇÃO DIFUSA NA BACIA DO CÓRREGO DA FAZENDA SANTA CÂNDIDA

ESTIMATIVA DA POLUIÇÃO DIFUSA NA BACIA DO CÓRREGO DA FAZENDA SANTA CÂNDIDA ESTIMATIVA DA POLUIÇÃO DIFUSA NA BACIA DO CÓRREGO DA FAZENDA SANTA CÂNDIDA Mayara Grilli Faculdade de Engenharia Ambiental Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maya_eng.ambiental@puccamp.edu.br

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013 Trav. Sálvio Oliveira 76 - Suissa - CEP : 49 050-700 - Aracaju/SE Ao Setor de Gestão de Concurso da AOCP Ref.: Impugnação do Concurso Q1/2013-DESO No Edital do Concurso Publico n 01/2013 de 30 de abril

Leia mais

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital PROJETO VIDA Recomposição e Preservação do Ambiente Vital Justificativas Considerando que os diversos tipos de plásticos levam 50, 100 ou mais anos para se decomporem; Considerando que 67,8 m3 por segundo

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

POLÍTICA PULBICA DE INVESTIMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO SAÍDA ADOTADA PELO MUNICIPÍO DE JABOTICABAL

POLÍTICA PULBICA DE INVESTIMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO SAÍDA ADOTADA PELO MUNICIPÍO DE JABOTICABAL POLÍTICA PULBICA DE INVESTIMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO SAÍDA ADOTADA PELO MUNICIPÍO DE JABOTICABAL Wilson Luis Italiano Secretário de Obras e Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Jaboticabal,

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

tecnologia Engenharia Agrícola y

tecnologia Engenharia Agrícola y tecnologia Engenharia Agrícola y Caetano Barreira / olhar imagem 64 z março DE 2015 A contribuição do campo Irrigação com água tratada de esgoto diminui a retirada dos mananciais e economiza fertilizantes

Leia mais

LODO DE ESGOTO: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

LODO DE ESGOTO: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL LODO DE ESGOTO: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL LODO DE ESGOTO: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL O esgoto que sai das residências é coletado nas redes de saneamento e destinado à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) para

Leia mais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais

Município de Além Paraíba. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Além Paraíba 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Além Paraíba possui um único distrito e quatro

Leia mais

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr /acqualimpbr ACQUALIMP, INOVAÇÃO ROTOPLAS. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título do Trabalho ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho Execução do Cadastro de Drenagem do Município de Santo André, por Administração Direta. Currículo do Autor Ceila Castilho

Leia mais

HOJAIJ, A. Biomédico (Faculdade Barão de Mauá), Especialização em Engenharia do Saneamento Básico (DECIV UFSCAR). Atua na área de Tratamento de Água.

HOJAIJ, A. Biomédico (Faculdade Barão de Mauá), Especialização em Engenharia do Saneamento Básico (DECIV UFSCAR). Atua na área de Tratamento de Água. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ETA DO SAAEJ LOPES, L.G.* Química com Atribuições Tecnológicas (FFCLRP USP), Mestre em Microbiologia (FCAV UNESP), Especialização em Engenharia do Saneamento Básico (DECIV

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Preserve a água e a vida

Preserve a água e a vida Preserve a água e a vida Informações básicas sobre a preservação dos recursos hídricos A consciência de toda sociedade sobre a importância da conservação dos recursos hídricos é fator imprescindível em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

R. Zico Grizzo, 237 Jaú, SP, CEP: 17.209-670 liscastro.jau@terra.com.br Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6155328746919136

R. Zico Grizzo, 237 Jaú, SP, CEP: 17.209-670 liscastro.jau@terra.com.br Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6155328746919136 LESLIE IVANA SERINO CASTRO R. Zico Grizzo, 237 Jaú, SP, CEP: 17.209-670 liscastro.jau@terra.com.br Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6155328746919136 Possui graduação em Administração

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos

Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos Uma análise sob o enfoque dos recursos hídricos Uirá Piá-Uaçu Oliveira Deák 1 João Luiz Boccia Brandão 2 1:Mestrando em Engenharia Hidráulica e Saneamento PPG/SHS EESC/USP 2:Professor Doutor da Escola

Leia mais