UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DESPORTIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DESPORTIVO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DESPORTIVO A Constitucionalização do Desporto e a Dicotomia do Direito Desportivo: Autonomia Desportiva e a Intervenção Pública RENATA JAMÚS DA COSTA PINTO RIO DE JANEIRO 2011

2 A Constitucionalização do Desporto e a Dicotomia do Direito Desportivo: Autonomia Desportiva e a Intervenção Pública Projeto de Monografia apresentado à AVM Faculdade Integrada, como requisito parcial para obtenção do título de Pós-Graduada em Direito Desportivo. Orientador: Prof. William Rocha. RENATA JAMÚS DA COSTA PINTO RIO DE JANEIRO 2011

3 Ao meu Pai, minha Mãe e meu Irmão, que me mantiveram sempre no caminho do bem.

4 Ao professor Martinho Neves de Miranda e demais mestres que nos orientaram neste curso de Pós-Graduação meus sinceros agradecimentos pela paciência e humildade em dividir conosco seus conhecimentos.

5 A pé e alegre sigo pela Estrada Real. Saudável e livre, o Mundo diante de mim. Walt Whitman

6 RESUMO PINTO, R. J. da Costa. A Constitucionalização do Desporto e a Dicotomia do Direito Desportivo: Autonomia Desportiva e a Intervenção Pública f. Ensaio Cientifico Instituto A Voz do Mestre, Analisam-se as questões relevantes envolvendo a Constitucionalização do Desporto, através do Artigo 6º e 217 da Carta Magna Brasileira. Para melhor compreensão do tema, a introdução volta-se à delimitação do objetivo e da metodologia adotados para a realização do estudo. Na segunda são apresentados os preceitos constitucionais que inseriram o Desporto na regulação Pública. Em seguida são analisadas as interpretações dadas aos artigos dispostos no ordenamento constitucional, sua importância e implicações. A terceira parte dedica-se à conclusão e recomendações finais, onde se pretende analisar de forma sucinta todo o conteúdo exposto. Palavras-Chave: Direito Constitucional do Desporto; Direito Público; Importância da Constitucionalização.

7 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO O Objetivo da Pesquisa O Modelo Metodológico Introdução REFERENCIAL TEÓRICO ACERCA DO TEMA Um Breve Histórico da Legislação Pública Desportiva A Constitucionalização do Desporto e sua Importância A Dicotomia do Direito Desportivo A autonomia desportiva A intervenção pública Autonomia x Intervenção CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 30

8 8 1 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO 1.2 O Objetivo da Pesquisa O presente estudo objetiva apresentar o modo como a esfera pública do universo jurídico se relaciona com o mundo privado que cerca o Direito do Desporto, além disso procurará mostrar como a autonomia desportiva e a intervenção pública no desporto, com o objetivo de promover políticas públicas e leis que resguardam direitos individuais, são complementares e não excludentes. Questões benéficas como a promoção governamental de políticas públicas graças a constitucionalização do desporto e a ingerência governamental através de leis que por vezes ferem a autonomia desportiva serão discutidas. A interpretação das leis que formam seu arcabouço jurídico, a ingerência histórica do Estado no Mundo Desportivo e a forma como os institutos do Direito Desportivo transitam entre a tênue linha que separa o quê é público do que é privado também fazerm parte do estudo. A apresentação far-se-á dentro do contexto do desporto profissional e do atleta profissional, tendo como marco divisor alguns fatos concretos e ponderações de renomados juristas sobre a interferência estatal no mundo privado do desporto e vice versa. Quando se fizer necessário a legislação pertinente será trazida à baila. 1.3 O Modelo Metodológico O artigo foi erigido através de um levantamento bibliográfico e documental que identificou as matérias doutrinárias feitas em obras dos doutrinadores e órgãos públicos ligados à matéria. Para isso, existe um elenco de obras, debates e acórdãos emitidos em

9 9 tribunais especializados que servirão de base para a sua construção. Através da leitura e comparação cientifica deste material serão destacados conceitos e suas explicações, divergências e pontos em comum. 1.4 Introdução No ano de 1990, na Bélgica, Jean Marc Bosmam, sem saber, fez ultrapassar uma barreira até então aparentemente intransponível no Direito Desportivo: a supremacia da decisão pública de um tribunal envolvendo um universo, até então eminentemente privado, como o do futebol. O jogador pediu sua desvinculação do clube pelo qual atuava. Contrariando as regras desportivas o Tribunal de Liége (Bélgica) declarou o atleta livre para assinar contrato com qualquer outra entidade de prática desportiva. A atitude de Bosmam e a decisão do tribunal geraram discussões a aceleraram um processo de desenvolvimento da relação público-privado no desporto. Depois dele outros casos vieram, estes apenas para corroborar a idéia de não podemos imaginar a existência de um Direito Desportivo sem a real e imprescindível interferência do Estado. Mesmo sendo de suma importância para a construção de uma legislação que podemos reputar como sendo exclusiva do desporto, não podemos afirmar que a regulação legal contemporânea se orienta por um monopólio jurídico do direito estatal mas sim pela relação conflitual entre vários quadros jurídicos, entre os quais o desportivo, e a normatividade estatal. Por isso, é interessante entender o Direito Desportivo através de uma abordagem pluralista, sem nunca destinar sua legislação fundamental a uma única fonte. O ponto primordial que devemos destacar para a relação Público-Privada existente no Desporto Nacional veio com a constitucionalização do mesmo através do artigo 217 da Carta Magna Nacional. Ao mesmo tempo em que destina autodeterminação aos entes desportivos, abre brechas para que o Estado interfira no mundo do Desporto,

10 10 seja através de Políticas Públicas, seja através de diretrizes infraconstitucionais para regular as relações jurídico desportivas. Em 1988, quando o Desporto passou a ser tema constitucional o embate públicoprivado sequer era levantado. Apenas anos depois com a chamada Lei Zico (Lei n /93) é que os primeiros embates começaram a se apresentar. A reforma da Lei Zico nos regalou a chamada Lei Pelé (Lei n /98), hoje ainda vigente, mas que à época gerou profundas discussões, posto que um dos seus artigos tratava exatamente de interferir na decantada Autonomia Desportiva, consagrada no Artigo 217, inciso I da CF. A Lei Pelé obrigava, e depois sugeria que as Entidade de Prática Desportiva assumissem a denominação jurídica de sociedades anônimas, as S/A s. Veremos ao longo do Referencial acerca do tema que essas questões serviram, e muito para desenvolver uma vasta, porém ainda pouca doutrina jurídico-desportiva nacional.

11 11 2 REFERENCIAL TEÓRICO ACERCA DO TEMA 2.1 Um Breve Histórico da Legislação Pública Desportiva O primeiro momento em que vemos o Desporto como tema de legislação pública data de Julho de 1938, através do Decreto nº 526m 1 que tinha como escopo discorrer sobre questões relacionadas com a atividade cultural do país. Vemos aqui uma clara fusão do desporto com a cultura. Inclinação essa que somente começou a ser abolida a partir de criação de órgão próprio para a regulação da atividade desportiva, como veremos adiante. O desprestígio do desporto era, então, evidente. A alínea destinada ao tema era a última do artigo 1º do referido decreto (grifo nosso): Art. 2º O Conselho Nacional de Cultura será o órgão de coordenação de todas as atividades concernentes ao desenvolvimento cultural, realizadas pelo Ministério da Educação e Saúde ou sob o seu controle ou influência. Parágrafo único. O desenvolvimento cultural abrange as seguintes atividades: a) a produção filosófica, ciêntífica e literária; b) o cultivo das artes; c) a conservação do patrimônio cultural (patrimônio histórico, artístico, documentário, bibliográfico, etc.) d) o intercâmbio intelectual; 1 BRASIL Decreto-Lei nº 526, de 1º de Julho de Diário Oficial da União. Seção 1. 05/07/1938. p Disponível em: <http://www6.senado.gov.br/legislacao/listapublicacoes.action?id=100871>acessado em: 22 de Maio de 2010.

12 12 e) a difusão cultural entre as massas através dos diferentes processos de penetração espiritual (o livro, o rádio, o teatro, o cinema, etc.); f) a propaganda e a campanha em favor das causas patrióticas ou humanitárias; g) a educação cívica através de toda sorte de demonstrações coletivas h) a educação física (ginástica e esportes); i) a recreação individual ou coletiva. Apenas com a criação da Comissão Nacional de Desportos, através do decreto nº 1056 de 19 de Janeiro de é que podemos efetivamente falar em um início da legislação pública desportiva. Ainda sim, foi algo extremamente superficial. Criou-se uma comissão que tinha a incumbência de fazer um minucioso estudo sobre o problema dos desportos no Brasil e apresentá-lo para o pentão presidente Getúlio Vargas em sessenta dias. Ocorre que esses dois meses duraram mais que dois anos e somente em 1941 foi promulgado o Decreto-Lei nº que eu seu escopo foi o responsável por estabelecer as bases da organização dos desportos em todo país. Álvaro Melo Filho tratou de definir este Decreto como aquele que: (...) cuidou dos mais variados aspectos, traçando o plano de sua estruturação, regulamentando as competências desportivas, adotando medidas de proteção, consagrando o princípio de que as associações desportivas exerciam atividades de caráter cívico, dispondo sobre a adoção das regras internacionais, proibindo o 2 BRASIL. Decreto-Lei nº 1056, de 19 de Janeiro de Diário Oficial da União. Seção 1. 21/01/1939. p Disponível em: < Acessado em 21 de Maio de BRASIL. Decreto-Lei nº 3199 de 14 de Abril de Diário Oficial da União. Seção 1. 18/04/1941. p. 1. Disponível em:< Acessado em 21 de Maio de 2010.

13 13 emprego de capitais no objetivo de aferimento de lucros, impondo a obrigatoriedade da atenção dos desportos amadores às associações que mantivessem o profissionalismo, de modo a evitar o efeito desportivo predatório 4. Se sucedeu a esse decreto o de número 3617 de 15 de Setembro de , que te a incumbência de estabelecer as bases para a organização do desporto unversitário no país. As bases para a inserção da matéria desportiva em sede constitucional continuaram através de decretos que tinham a mesma faceta de organizar e regulamentar a estrutura desportiva. Podemos citar os Decretos-Lei nº 5342 de 1943 que dispunha sobre a competência do CND e disciplinava algumas modalidades desportivas -, nº 7674 de 1945 que instituia a obrigatoriedade de um órgão fiscal para cada entidade ou associação desportiva e o de nº 8458 de 1945 que regulamentou o registro dos estatutos das associações desportivas. Estes decretos tiveram o condão de deixar um território legislativo montado para que a matéria fosse reconhecida em sede constitucional. Porém, a inserção do desporto no texto Magno nacional só ocorreu em No capítulo II que diz respeito a União o artigo 8º menciona em seu inciso XVII, alínea q 6 o seguinte texto: Art. 8º Compete à União: (...) XVII - legislar sôbre: 4 MELO FILHO, Álvaro. O Desporto: na ordem Jurídico-Constitucional Brasileira. São Paulo. Malheiros: BRASIL. Decreto-Lei nº 3617, de 15 de Setembro de Diário Oficial da União. Seção 1. 17/09/1971. p Disponível em :< Acessado em 21 de Maio de BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 24 de Janeiro de Disponível em:< Acessado em 21 de Maio de 2010.

14 14 (...) q) diretrizes e bases da educação nacional; normas gerais sôbre desportos; (...) Porém, a questão foi apenas uma tratativa de delegação de competência para legislar. Um prenúncio de que algo estaria por vir. Ocorre que, novamente, o desporto ficou adstrito a leis de oportunidade, ainda não fazendo parte de um projeto nacional. Somente com a Constituição Federal de 1988 o desporto foi previsto e reconhecido em norma constitucional. A constitucionalização efetiva do desporto é o que veremos no tópico a seguir. 2.2 A Constitucionalização do Desporto e sua Importância Importa dizer que, em 1975 com a Lei nº de 08 de Outubro foram inseridas normas gerais sobre o desporto, além dela a Lei nº de 02 de Setembro de 1976 trouxe as regras que regulavam as relações de trabalho do atleta profissional de futebol. Porém, como ressalta Emile p. J. Boudens: Com a promulgação da Constituição, a Lei no 6.251, de 1975 perdeu a razão de ser por absoluta incompatibilidade com os fundamentos do Estado democrático. Depois, foi formalmente revogada pela Lei n 8.672, Lei Zico, que entrou em vigor em julho de 1993, ou seja, depois de um vácuo legislativo de quase cinco anos. A Lei no 6.354, de 1976 sobreviveu ate 24 de marco de 1998, quando foi rendida pela Lei n 9.615, Lei Pele, sob o argumento de que o quadro legal existente não permitia tornar efetivo o dever constitucional do fomento das praticas desportivas (cf. Exposição de Motivos PL 3633, de 1997). Segundo este

15 15 documento, era notório o estado de desorganização da pratica desportiva no país. A normatização do desporto na Carta Magna de 88 chegou no momento em que o mesmo precisava de um respaldo constitucional, um pilar forte, para que a legislação infra-constitucional conseguisse se modernizar. Em que pese a enorme demora em ser reconhecido constitucionalmente, somente após 88 podemos falar em uma verdadeira evolução na legislação desportiva nacional. Para se entender a importância de termos a questão do Desporto inserida no contexto constitucional trazemos à baila breves definições dos nossos juristas sobre o Direito Constitucional. O mestre José Afonso Silva diz que a constituição é um sistema de normas jurídicas, escritas ou costumeiras, que regula a forma do Estado, a forma do seu governo, o modo de aquisição e o exercício do poder, o estabelecimento dos seus órgãos e o limite de sua ação 7. Daqui temos que ter em mente que a Constituição define a competência do estado e até onde ele pode alcançar (dentre outras coisas). Outro grande mestre, Luis Roberto Barroso, define constituição como sendo um sistema de normas. Ela institui o Estado, organiza o exercício do poder político, define os direitos fundamentais das pessoas e traça os fins públicos a serem alcançados 8. Dito isto, temos como entender o quê significam os dispositivos deposrtivos constitucionais (se é que assim os podemos chamar). A Constituição Federal de 88 constitucionalizou o desporto como norma jurídica, em seu artigo 217, abaixo transcrito: Art É dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não-formais, como direito de cada um, observados: 7 SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo, 8 ed. São Paulo: Malheiros, 1984, p BARROSO, Luis Roberto. Curso de Direito Constitucional, 13ª Edição, Editora Saraiva, pag. 39.

16 16 I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associações, quanto a sua organização e funcionamento; II - a destinação de recursos públicos para a promoção prioritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do desporto de alto rendimento; III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e o não-profissional; IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de criação nacional. 1º - O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, reguladas em lei. 2º - A justiça desportiva terá o prazo máximo de sessenta dias, contados da instauração do processo, para proferir decisão final. 3º - O Poder Público incentivará o lazer, como forma de promoção social. Diga-se de passagem que a inserção do Desporto no âmbito constitucional também representou o reconhecimendo de uma Jusitça Desportiva independente. Como bem nos mostra Álvaro Melo Filho a Carta Magna brasileira é a única do Mundo a reservar lugar para a criação e significação de uma Justiça Desportiva. Diz, o insigne mestre que a Justiça Desportiva Brasileira é a única no mundo a ter lugar resercado na Carta Magna de um país. E complemente: (...) tanto que, na Suiça, sede dos princípais entes diretivos do desporto mundial, na ausência de um dispositivo legal específico, a instauração de vias de direito internas e de órgãos judiciare nas federações desportivas lastreia-se no princípio da autonomia em que se funda o direito de associação. 9 9 MELO FILHO, Álvaro. Direito Desportivo. Temas Candentes de Justiça Desportiva. Revista Brasileira de Direito Desportivo Volume 16.. São Paulo. Ed. IOB, 2009, pp. 07.

17 17 A questão da autonomia desportiva é de certa forma tão interessante que em outros países do Mundo, na ausência de uma Justiça Desportiva independente, usa-se este princípio basilar para nortear questão de direito que venham a surgir entre entes desportivos. Ainda sobre o tema autonomia dentro da Justiça Desportiva vemos que o Art. 217, parágrafos 1 e 2 da Constituição Federal apresenta como deverão ser ingressados processos na Justiça Desportiva e em que momento poderão, entidades de prática depostiva e demais interessado, ingressar na chamada Justiça Comum. Art É dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não-formais, como direito de cada um, observados: 1º - O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, reguladas em lei. 2º - A justiça desportiva terá o prazo máximo de sessenta dias, contados da instauração do processo, para proferir decisão final. A opção pela constituição de uma Justiça Desportiva desatrelada do Poder Judiciário se deve a necessidade de dinamicidade, celeridade e tipicidades peculiares dos casos que envolvem o mundo do desporto. Apenas para finalizar o tema autonomia na Justiça Desportiva trazemos mais alguns ensinamentos do mestre Álvaro Melo Filho no que tange ao raio de incidência dos poderes de julgar da Justiça Desportiva. Antes, apresentamos dois aritgos, um do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) e outro da Lei 9.615/98 (a Lei Pelé). Art. 111 do CBJD A imposição das sanções de suspensão, desfiliação ou desvinculação, pelas entidades desportivas, com o objetivo de manter a ordem desportiva, somente serão aplicadas após decisão definitiva da justiça desportiva. Parágrafo único O procedimento para os efeitos do caput são os previstos nas alíneas c, incisos II, dos artigos 25 e 27, deste Código, mediante remessa de ofício.

18 18 Art. 48 da Lei 9.615/98 Com o objetivo de manter a ordem desportiva, o respeito aos atos emanados de seus poderes internos, poderão ser aplicadas, pelas entidades de administração do desporto e de prática desportiva, as seguintes sanções: (...) 2o As penalidades de que tratam os incisos IV e V deste artigo somente poderão ser aplicadas após decisão definitiva da Justiça Desportiva. Diante desses artigos, que personificam a questão da Autonomia Desportiva no âmbito da Justiça Desportiva, trazemos à baila os ensinamentos de Álvaro Melo Filho mais uma vez: A Justiça Desportiva tem, constitucional e legalmente, sua esfera competencial adstrita `a disciplina e às competições desportivas, não albergando as infrações à ordem desportiva, dotadas de índole adminsitrativa stricto sensu. Vale dizer, a Justiça Desportiva não tem poderes para atuar em derredor de infrações que se colocam no raio do direito de associação, por exemplo, eleições de dirigentes ou prestação de contas que estão na esfera interna corporis dos entes desportivos dirigentes privados, cuja impugnação, quando ocorrer, deve submeter-se à Justiça Comum, e nunca à Justiça Desportiva, pois se há infringência é sobre normas de estatuto social ou sobre legislação civil. 10 Este artigo, num só tempo, apresenta inúmeras questões importantes para o Desporto enquanto prática social de todo indíviduo, enquanto prática profissional, enquanto fato de natureza privada (autonomia) e enquanto aspirante a ramo jurídico independente. 10 MELO FILHO, Álvaro. Direito Desportivo. Temas Candentes de Justiça Desportiva. Revista Brasileira de Direito Desportivo Volume 16.. São Paulo. Ed. IOB, 2009, pp. 08.

19 A Dicotomia do Direito Desportivo A autonomia desportiva A autonomia desportiva é uma garantia constitucional, claramente disposta no artigo 217, inciso I da Constituição Federal. Deve o Estado respeitar e observar a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associações quanto à sua organização e funcionamento, ou seja, em poucas palavras o legislador originário inseriu o quê podemos chamar de princípio basilar do desporto nacional. Princípio é, por definição, mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce dele, disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas compondolhes o espírito e servindo de critério para sua exata compreensão e inteligência, exatamente por definir a lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico. Violar um princípio é muito mais grave do que transgredir uma norma. A desatenção ao princípio implica ofensa não apenas a um específico mandamento obrigatório, mas a todo o sistema de comandos. É a mais grave forma de ilegalidade ou inconstitucionalidade, conforme o escalão do princípio atingido, porque representa insurgência contra todo o sistema, subversão de seus valores fundamentais. Vemos, claramente, que a intenção foi a de conceder autonomia para que regras próprias, inerentes a cada modalidade desportiva, pudéssem ser criadas sem a interferência Estatal. A ideia foi dar liberdade para que ordenamentos jurídicos típicos desportivos surgissem do embrião constitucional. A legislação desportiva autônoma, desta forma, tem origem nos regulamentos (autônomos) das Federações que representam cada modalidade, porém não devendo se afastar da legislação desportiva estatal, que tem o condão de cumprir uma atividade harmonizante. Álvaro Melo Filho, em sua obra Direito Desportivo: Aspectos Teóricos e Práticos indica que:

20 20 o postulado constitucional (art.217,i) reforça um attribut de la liberté civile (Butler) outorgado, explicitamente, às associações desportivas, tendo como limites o respeito à ordem pública, às normas jurídicas fundamentais e ao direito de personalidade dos associados. 11 A razão de ser da autonomia desportiva é dar aos entes desportivos a capacidade de buscar soluções, fórmulas ou debates para resolver deus problemas. Desta forma, criase uma teia de relacionamentos, onde os entres trocam e dividem, compartilham e absorvem novas experiências. Assim, conseguem adequar suas peculiaridades na moldura jurídica que necessitam enquanto organização junto a uma atuação, que delimita sua forma de funcionamento. Sempre lembrando que devem ser resguardados os limites impostos pela legislação desportiva nacional e internacional (quando houver entidade internacional de prática desportiva que controle as regras de determinado jogo) A intervenção pública O contraponto para a Autonomia Desportiva é a Intervenção Pública. É imprerioso observar, porém, que esta intervenção estará ligada a tudo aquilo que não estiver contido na esfera autônoma que protege o desporto quando o tomamos em seu conceito restrito desporto enquanto modalidade particular de prática desportiva. Interessante notar que existe uma enorme camada dentro do universo desportivo que pode e deve ser abarcada pelo poder Estatal. Se observarmos a própria localização constitucional do tema, veremos que trata-se de um direito comum a todos os cidadão, e 11 MELO FILHO, Álvaro. Direito Desportivo. Aspectos teóricos e práticos. São Paulo. Ed. Thomson, 2006, pp. 28.

21 21 por isso, deve ser regulado e influenciado pelo poder Estatal. A seção III Do desporto está inserida no Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto. Ambos, seção e capítulo, estão no Título III da Constituição Federal Da Ordem Social. A ordem social, por disposição constitucional, diz respeito ao primado do trabalho, e tem como objetivo o bem-estar e a justiça social. Visto isso, percebemos que o fim maior do Desporto dentro do texto constitucional é pertencer a Ordem Social. Portanto, aqueles que se envolvem com o desporto, sejam atletas profissionais ou praticantes do esporte em alto rendimento, altetas amadores, atletas que praticam o esporte com a conotação educacional ou mesmo os torcedores, todos, possuem o direito ao olhar regulador, interventor e fomentador do Estado. Em um autêntico sistema de equilíbro vemos que a Intervenção Pública estará onde necessite haver uma força maior que resguarde o bem estar e a justiça social. Assim, por exemplo, nas relações do torcedor com a entidade de prática desportiva, deverá haver um texto legal estatal que regule as relações entre estes dois pólos detentores de direitos e deveres. O Estatuto do Torcedor, Lei número /2003 é a Lei Estatal que, inerferindo no mundo do desporto, sem ferir a autonomia desportiva, regular as relações entre torcedor e Mundo do Desporto. A Lei número /2006, conhecida como Lei de Incentivo ao Esporte, atraiu para si diversos olhares. Quase nenhum de reprovação, uma vez que, apesar de traçar normas e diretrizes que interferiram no universo desportivo, ela o fez tendo como fim almejado o objetivo constitucional de bem estar e justiça social. A lei de incentivo procurou estabelecer os pilares para a construção de políticas públicas específicas para cada tipo de prática desportiva: de alto rendimento, educacional ou para fins recrativos. A história da intervenção estatal no desporto foi extremamente combatida por conta da criação, em abril de 1942, através do Decreto-Lei número 3.199, do CND. Vivamos o período ditatorial de Getúlio Vargas, e o órgão por ele criado, integrante do então Ministério da Educação e Saúde, cujos membros indicados pelo Presidente da República tinham por atribuição, organizar e disciplinar a prática desportiva, reconhecendo-se nesta um eficiente processo de educação física e espiritual da juventude, bem como, uma alta expressão da cultura e da energia nacionais.

22 22 Ao longo da História, a ingerência estatal na atividade desportiva angariou antipatias doutrinárias e no próprio meio desportivo, não coincidentemente, à mesma medida em que o futebol profissional foi adquirindo contornos econômicos. O fim do CND, em 1993, com a entrada em vigor da Lei nº 8.672/1993, conhecida como Lei Zico, foi comemorada por muitos doutrinadores, como Álvaro Melo Filho que o intitulava como um órgão de atuação policialesca e, na condição de ferrenho defensor da autonomia desportiva, menciona: A propósito, é irrecusável que este Decreto-lei nº 3.199/41 nasceu objetivando o controle, pelo Estado, das atividades desportivas, menos talvezcom o intuito de promovê-las e dar-lhes condições de progresso, que pelanecessidade política de vigiar as associações desportivas de modo a impedir e inibir as atividades contrárias à segurança, tanto do ponto de vista interno, como externo. 12 Os defensores do afastamento estatal das atividades desportivas, rechaçando a intervenção característica dos regimes ditatoriais, buscam socorro no argumento de que a ingerência do Estado em tais períodos, dava-se como forma de controle da sociedade e não em razão do apelo social exercido pela prática desportiva, especialmente do futebol. É bom lembrar que existe uma diferença em Intervenção para o Bem Comum e outros tipos de intervenção, realizados em períodos que muitos países viviam um momento negro em suas histórias políticas. Como nos mostra o Professor Martinho Neves de Miranda em sua obra O Direito no Desporto : De fato, a história infelizmente registra a utilização do desporto com fins políticos (...). Basta recordar que os jogos Olímpicos de 1936, realizados em Berlim, testemunharam o empenho da 12 MELO FILHO, Álvaro. O Desporto na Ordem Jurídico-Constitucional Brasileira. São Paulo: Malheiros, 1995, p. 26.

23 23 Alemanha hitleriana em demonstrar a supremacia da raça ariana perante o Mundo. 13 Mais adiante o Professor Martinho conclui, porém, que é legal e dever do Estado ser ativo em determinados momentos. Ele nos explica: (...) quando se insere a organização desportiva no âmbito do patrimônio cultural brasileiro, está-se automaticamente trazendo o Estado para atuar nesse contexto pela dupla via do incentivo e da fiscalização, haja vista que a seção II, do capítulo III, do título VIII, da C.F., que cuida da questão cultural, confere ao Estado o papel tanto de estimulador dessas atividades, quanto de guardião do seu desenvolvimento, como forma de preservar a solidez de sua estrutura. O Brasil hoje vive uma Democracia. Em tese, e na prática, a busca é pela regulação e interferência naqueles pontos em que o Desporto interfere na vida de todos. No momento em que ele pode ser obsevardo na sua couraça mais SOCIAL e DIFUSA. Quando esta nuance surgir, junto com ela deverá estar a olhar regulador, asseguratório e fomentador Estatal Autonomia x Intervenção O Direito Desportivo que podemos chamar de privado tem sua origem, enquanto normatividade específica, na essência do próprio jogo e nas suas regras exclusivas de regulação da prática desportiva. Neste tema encontramos o caráter autônomo e privado do desporto para com o domínio público da vida social, fato que se consolidou com a sua evolução e constituição num fenômeno cada vez mais complexo, ou como indica o portugues Carlos Nolasco um sistema institucionalizado de práticas competitivas Neves de Miranda, Martinho. O Direito no Desporto. Lúmen Iuris. Rio de Janeiro pag 80 e NOLASCO, Carlos, As jogadas jurídicas do desporto ou o carácter pluralista do direito do desporto, Revista Crítica de Ciências Sociais nº60, 2001, pp

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/08/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Pais e Mestres do Colégio

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO PARA O ADVOGADO NO DIREITO DESPORTIVO

O MERCADO DE TRABALHO PARA O ADVOGADO NO DIREITO DESPORTIVO O MERCADO DE TRABALHO PARA O ADVOGADO NO DIREITO DESPORTIVO O Blog do Direito Desportivo da CAASP, escrito por este colega, presenteia os ilustres advogados, neste mês de agosto, marcado de comemorações

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

50 ANOS DO CASO LÜCH

50 ANOS DO CASO LÜCH Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ FORTALEZA 2008 2 Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ 1 1 Aluna: Bruna

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 LEGISLAÇÃO E NORMA LEGISLAÇÃO GENERALIDADE PRINCÍPIOS; NORMA ESPECIFICIDADE REGRAS; CONSELHO DE EDUCAÇÃO: - CONTROLE SOBRE O CUMPRIMENTO DA LEI; - NORMATIZADOR

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADI 4.439, QUE VERSA SOBRE O ENSINO RELIGIOSO NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADI 4.439, QUE VERSA SOBRE O ENSINO RELIGIOSO NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADI 4.439, QUE VERSA SOBRE O ENSINO RELIGIOSO NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS 1. A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4.439, ajuizada pela Procuradoria Geral da República

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO CONSULTORIA E ASSESSORAMENTO LEGISLATIVO ESTUDO TÉCNICO 1 Nº 2/2015/CAL/MD/CMRJ Assunto: Competência legislativa municipal para dispor sobre comercialização e consumo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa. Doutora pela PUC/SP Mestre pela UFC. Procuradora

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO)

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) Publicação: DODF nº 192 de 5/10/2000 PÁG.01 e 02. Regulamentada pelo Decreto nº 21.933, de 31/01/2001 DODF nº 23,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO N 324, DE 2005 Regulamenta o exercício da profissão de Relações Públicas, revogando a Lei nº 5.377, de 11 de dezembro de 1967, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal

O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal O Estudo da Proteção do Meio Ambiente Cultural Segundo a Constituição Federal Graziela Feltrin Vettorazzo Formada pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo em 2012, advogada atuando na área do

Leia mais

Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012.

Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012. Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012. ASSUNTO: Projeto de Lei do INSAES Senhor Secretário, - Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino agradece-lhe o convite e a oportunidade para

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Aluno: Luiz Fernando da Silva Sousa Coordenado pela professora Telma Lage Introdução Nosso grupo é voltado para o estudo dos direitos sociais com foco

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 COMBRAS ENGENHARIA LTDA. apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 37/2007, que tem por objeto a contratação de empresa

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

Regulamento Policiamento. Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016

Regulamento Policiamento. Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016 Regulamento Policiamento Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016 Índice 1. Introdução... 2 2. Estratégia para Redução de Custos...3 2.1 Policiamento

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística.

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. REGISTRO DE IMÓVEIS DE LAJEADO - RS Fluxograma constitucional-urbanístico-condominial e anotações Luiz Egon Richter 12 1 1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. A Constituição

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. Sumário TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 1 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL... 1 TÍTULO II DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)... 2 CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO... 2 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS...

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Nota Técnica. 1- Referência:

Nota Técnica. 1- Referência: Nota Técnica 1- Referência: Ofício SEDE Central/SEC 007/2013, do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais SindUTE/MG, requerendo tornar sem efeito o artigo 4º da Resolução SEE nº 2.253

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Presidente da República editou o Decreto nº 5555, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado

Leia mais

Nº 21282/2015 ASJMA/SAJ/PGR

Nº 21282/2015 ASJMA/SAJ/PGR Nº 21282/2015 ASJMA/SAJ/PGR Mandado de Segurança 30.687-DF Relator: Ministro Luiz Fux Impetrante: Ministério Público do Estado de São Paulo Impetrado: Conselho Nacional do Ministério Público MANDADO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE:

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE: RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO O CONSELHO SECCIONAL DO ESTADO DE RONDÔNIA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso de suas atribuições estatutárias, com base no que dispõe o art. 10, 1º da Lei

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS Domingos de Torre 17/01/2013. COMÉRCIO EXTERIOR. DIREITO ADUANEIRO BRASILEIRO. DO EXERCÍCIO

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CICLISMO DE ESTRARA CICLISMO DE VELÓDROMO- MOUNTAIN BIKE DOWN HILL BICICROSS CICLOTURISMO Termo de Filiação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução A judicialização das questões sociais Angela Benvenutti (UEPG) angelabenvenutti@hotmail.com Débora Viale Fernandes (UEPG) deborajviale@hotmail.com Orientador: Prof. Me. Alexandre Almeida Rocha (UEPG) professor.alexandre.rocha@gmail.com

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC Revalidações: - 12/03/2005-25/04/2007 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A presente Súmula de Recomendações aos Deputados Membros e em especial aos Relatores da

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Enquadramento das leis e dos regulamentos administrativos. Nota Justificativa. (Proposta de lei) 1. Necessidade da elaboração da presente lei

Enquadramento das leis e dos regulamentos administrativos. Nota Justificativa. (Proposta de lei) 1. Necessidade da elaboração da presente lei Enquadramento das leis e dos regulamentos administrativos (Proposta de lei) Nota Justificativa 1. Necessidade da elaboração da presente lei Com a execução aprofundada da Lei Básica da Região Administrativa

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais