R E L A T Ó R I O E C O N T A S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E L A T Ó R I O E C O N T A S"

Transcrição

1 R E L A T Ó R I O E C O N T A S

2 RELATÓRIO DE GESTÃO

3 3

4 No cumprimento das obrigações legais e estatutárias, vem o Conselho de Administração apresentar à Assembleia Geral o Relatório de Gestão e Contas de 2009 da sociedade CME - Construção e Manutenção Electromecânica, SA. 1. INTRODUÇÃO O exercício de 2009 confirmou a CME como líder no mercado português da engenharia e construção de infra-estruturas e instalações com elevada componente tecnológica. Contrariando a tendência generalizada do sector para uma redução significativa de actividade, a Empresa apresentou um aumento de 11,3 % no volume de negócios. Apesar dos importantes constrangimentos que afectaram o mercado da construção e obras públicas em Portugal e da estagnação da Economia, a Empresa atingiu os seus objectivos na consolidação da liderança nas actividades que desenvolve e na obtenção de resultados que lhe permitem perspectivar, com a devida prudência, novos desafios, nomeadamente no mercado externo. Para a obtenção deste resultado, foi decisivo o desempenho de todos os colaboradores da Sociedade que, apesar das dificuldades inerentes à actual conjuntura, demonstraram uma notável capacidade para atingir os objectivos fixados. No segmento das actividades tradicionais, totalmente consolidadas técnica e economicamente, a empresa atingiu uma margem líquida antes de impostos de 6,3% o que evidência boas perspectivas de resultados para o ano de 2010, Nesta data, a CME possui já uma carteira contratada de cerca de 255 M. A actividade da CME em França, no sector do gás, mantém-se, por razões de natureza comercial, parqueada na ProCME. Durante o exercício de 2009, a CME deu continuidade ao processo de valorização dos seus Recursos Humanos, através da materialização integral do Plano Anual de Formação, no âmbito do seu Programa de Melhoria Contínua. 2. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO O sector de construção e obras públicas apresentou, em 2009, uma quebra significativa relativamente ao ano de Este facto, associado a uma retracção generalizada no investimento público e privado, teve um importante impacto no mercado da construção e manutenção de infra-estruturas de serviços públicos, em que a CME é claramente a primeira empresa do país. Todas as actividades sofreram uma degradação generalizada dos preços, gerada pela escassez de negócio e excesso de oferta, o que contribuiu decisivamente para o 4

5 enfraquecimento das empresas do sector. Durante o exercício de 2009, em consequência da difícil conjuntura do mercado, verificou-se o desaparecimento de um conjunto significativo de empresas, algumas delas com relativa importância neste sector de actividade. Paralelamente, tem vindo a registar-se uma dificuldade crescente ao nível das cobranças. É de salientar que se verifica, na resolução destes casos, uma tendência clara para o recurso à via litigiosa. Esta realidade tem conduzido à adopção de medidas preventivas suplementares, não só na definição dos mercados alvo, mas também na obtenção de garantias de recebimento. Neste cenário preocupante, a empresa deu seguimento ao redireccionamento da sua actividade para as áreas de negócio em que é líder, com uma selecção criteriosa de clientes, tendo em vista não só a consolidação da sua posição de liderança, mas também o alargamento do seu espectro de influência através da diversidade dos seus serviços. Esta estratégia permitiu diferenciar claramente a CME da sua principal concorrência que, afectada pelo clima de pessimismo envolvente, se mostrou pouco activa no âmbito da inovação. Nos mercados internacionais, a CME analisou algumas oportunidades sem, contudo, correr qualquer tipo de risco, nomeadamente no sector das redes de transporte de energia. 3. EVOLUÇÃO DAS VÁRIAS ACTIVIDADES NO MERCADO NACIONAL Electricidade Esta actividade apresentou uma redução significativa no investimento, sendo no entanto de registar um pequeno aumento na actividade de transporte de energia (REN), cujos reflexos se farão sentir sobretudo nos anos seguintes. Apesar da redução de investimento em alguns dos sectores onde tradicionalmente actua, a CME cresceu, nesta actividade, cerca de 6,4% relativamente a Para fazer face à quebra no investimento, a empresa continuou a conceber e desenvolver um importante conjunto de novos produtos e serviços, devidamente integrados, que contribuíram decisivamente para eliminar os efeitos da redução do negócio tradicional, com a vantagem de, claramente, se ter diferenciado da sua concorrência mais directa. No segundo semestre de 2009 foram lançados os concursos da EDP para a Empreitada Continua para 3 anos, com eventual prorrogação de mais 2, a iniciar em Fevereiro de Em Dezembro de 2009 foram adjudicados os referidos contratos, num valor anual de 30 M, o que equivale a um crescimento de 100% face à contratação anterior. Igualmente relevante foi o facto de, em 2009, a CME ter obtido cinco adjudicações, ao abrigo do contrato celebrado com a Solidal-Silec, no âmbito dos concursos de instalação de cabos subterrâneos de 220 KV lançados pela REN, actividade em que a CME é a única empresa nacional com experiência. Esta contratação ascende a 48ME para um prazo previsto de 3 anos, a iniciar em A CME iniciou os trabalhos integrantes do contrato celebrado em 2007, com a ENEOP - Agrupamento Eólicas de Portugal, para a construção de linhas eléctricas e subestações, destinadas à ligação à rede de centrais eólicas, prevendo-se que estes trabalhos 5

6 decorram até 2011 e atinjam um valor de 50ME. Gás O aumento do número de intervenções em carga em alta pressão e o fortalecimento da implantação junto das distribuidoras regionais de gás, proporcionou um aumento do volume de negócios de cerca de 46%. Com a obtenção de uma importante cota de mercado conseguida com a negociação dos novos contratos de manutenção e expansão de rede, de três e cinco anos, nas principais Distribuidoras da Grande Lisboa e do Grande Porto, e com a assinatura de um novo contrato trianual na Região Centro do País, a CME mantém a liderança nesta actividade, a nível nacional, e garante a sua estabilidade no futuro próximo. O aumento do volume de negócios da actividade em 2009 foi influenciado de forma determinante pelo nível da intervenção na rede de gás de alta pressão. Perspectiva-se a continuidade deste tipo de projectos nos próximos anos. Água O decréscimo do volume de negócios desta actividade, em cerca de 9%, ficou a deverse, essencialmente, à finalização e descontinuidade da construção de grandes adutoras, projectos em que a CME participou nos últimos anos. Apesar de não se perspectivarem obras significativas na rede de alta pressão, o lançamento de um novo concurso, pela EPAL, mais abrangente e onde a CME terá boas possibilidades de aumentar o seu volume de negócio e a reactivação do contrato plurianual com as Águas de Cascais, deixam antever boas perspectivas para Telecomunicações Conforme já perspectivado no ano passado, entre outros factores, o aumento generalizado do investimento realizado pelos operadores das redes fixas, a aposta de alguns operadores móveis no negócio do triple-play (voz, dados e TV) e ainda o aumento do investimento a que levou a cisão PT - ZON TV Cabo, fizeram com que as telecomunicações, na CME, tivessem mais uma vez apresentado uma taxa de crescimento significativa, de cerca de 40%. A empresa manteve e consolidou a sua liderança neste sector, para o que contribuíram decisivamente a qualidade da sua equipa técnica diversificada, a presença junto de todos os operadores nacionais de rede fixa e móvel, o aumento do volume de negócio com os principais fabricantes (vendors), a especialização técnica em todos os ramos desta actividade, a crescente atitude comercial e o constante esforço de inovação. A construção de redes de nova geração, iniciada em 2008, contribuiu, também, significativamente, para os valores de produção alcançados, embora com uma rentabilidade inferior à expectável. Também neste sector, a CME, tanto em projecto como em instalação, mantém a liderança do mercado, estando já envolvida neste tipo de projectos para todos os operadores do país. Prevê-se que o volume da actividade se mantenha até meados do segundo semestre de 2010, podendo, não se verificando alteração nos programas de investimento dos diferentes intervenientes, vir a reduzir significativamente já para o final do ano. Este horizonte levou a que a CME tivesse já iniciado um grande esforço de internacionalização, de modo a colmatar a previsível falta de investimento no mercado interno. 6

7 Instalações e ambiente O mercado das instalações teve um peso pouco significativo no volume de negócios, apesar de a CME ter crescido cerca de 65% nesta actividade. A Empresa continua a desenvolver um esforço técnico - comercial importante, tendo em vista a sua consolidação. O sector do ambiente contribuiu, de uma forma muito residual, para o volume de negócios da CME, tendo sofrido uma redução significativa (-70%) em A Empresa está atenta a oportunidades de negócio que surjam neste sector. Em 2009 iniciou-se um esforço comercial específico, junto do Grupo AdP, no sentido de perspectivar uma gama de actividades alargada, relacionada com o sector. A CME manteve a sua participação nos concursos para a Rede de Alta Velocidade para a construção de instalações eléctricas, com fortes perspectivas de sucesso. Manutenção A empresa tem vindo a adquirir competências no âmbito da manutenção integral de parques eólicos e foto voltaicos e infra-estruturas associadas. No âmbito das utilities, a CME reforçou fortemente a sua presença na área da operação de infra-estruturas, nomeadamente no sector da distribuição eléctrica, no qual implementou, com sucesso, serviços inovadores. Também a área da manutenção industrial foi fortemente prejudicada pela crise económica e financeira, tendo-se verificado uma forte retracção no volume de negócios. A CME continua a apostar neste sector e prevê para 2010 um conjunto de oportunidades no exterior. Projectos Especiais A CME concluiu os principais projectos integrados, na área da energia térmica, que foram nos últimos anos realizados em Portugal. Destes, destacam-se a instalação de dessulfuração na Central Térmica a carvão para a EDP, em Sines, a construção da Central de Cogeração de 82 MW para a Galp, também em Sines e a Central de Ciclo Combinado de Lares, de 860 MW, para EDP. A retracção no consumo de energia verificada no ano de 2009 teve como consequência a suspensão ou anulação dos investimentos programados nesta área, não se prevendo que em 2010 sejam retomados os projectos anteriormente planeados na área da produção, com excepção de projectos hídricos e dos que estão assentes em fontes renováveis. Prevê-se a reactivação, até ao final do 1º semestre de 2010, do projecto de cogeração, 7

8 de 41 MW, para a fábrica da Artenius, e a negociação da proposta apresentada para o ciclo combinado da GALP em Sines, com eventual adjudicação no 2º Semestre de A falta de investimento nesta área, em Portugal, leva-nos a perspectivar a internacionalização da actividade e a reorientação do negócio com o consequente redireccionamento dos recursos. As competências e experiência adquiridas nos projectos acima referidos permitem a abordagem do mercado exterior com confiança e risco controlado. No mercado nacional a CME incidirá a sua acção nos projectos multidisciplinares de menor dimensão que se perspectivam no âmbito da manutenção e ampliação de indústrias existentes. Mercado Externo Para fazer face ao difícil período que a Economia Portuguesa atravessa, a CME tem concentrado alguns dos seus esforços no crescimento da internacionalização das actividades que constituem o seu core business. Em Cabo Verde estão contratualizadas obras com o Governo de Cabo Verde, através da Electra, financiadas por entidades financeiras internacionais, que ascendem a aproximadamente 10 ME, com fortes possibilidades de o referido valor ser incrementado a curto prazo. Em França, a sucursal da CME iniciou a actividade de construção de linhas MAT para a RTE, encontrando-se em fase de qualificação. Desenvolveu ainda as actividades de construção de redes de distribuição e de subestações para a EDF, tendo participado muito activamente em reparações de avarias durante os meses de Janeiro e Fevereiro de Na Arábia Saudita, foi concluído o processo de constituição da empresa CME Al Arabia, participada pela CME e pela Al-Babtain, e obtida a qualificação junto da SEC para a construção de linhas eléctricas até 380 KV. Está ainda em fase de constituição, também na Arábia Saudita, a empresa ABL-CME, para fazer face ao mercado das telecomunicações e serviços de informação geográfica. A CME está já a participar em diversos concursos, em consórcio com o seu futuro sócio. No Chile, procedeu-se à constituição e instalação de uma empresa de Direito Chileno, participada integralmente pela CME, tendo por objecto as mesmas actividades da empresa mãe. A CME Chile focaliza-se, nesta fase inicial, nas actividades de telecomunicações e electricidade. Ainda no sector de electricidade, a empresa participou em concursos para a instalação de linhas de transporte de muito alta tensão e subestações da rede de transporte para a Sonelgaz, na Argélia, aguardando-se os respectivos resultados. No sector das telecomunicações, e para além do Chile, a CME iniciou, em 2009, o seu processo de internacionalização no Brasil, Angola e Arábia Saudita. A partir da presença da CME no mercado externo, nas suas actividades tradicionais, nomeadamente em Angola, Arábia Saudita, Chile e Brasil, está a ser analisada a possibilidade de internacionalizar, nesses mesmos países, a actividade de projectos especiais. Em Angola, a CME, através da sua participada INOTEC, iniciou a construção de uma central de produção de energia eléctrica de 50 MW, constituída por dois turbo geradores. O contrato foi assinado no inicio de 2009, com o valor de cerca de 100 8

9 milhões de USD. O projecto será concluído durante o 1º semestre de Em Angola, a CME tem participado em ofertas de serviços nas áreas da electricidade e energia, prevendo-se que se iniciem, em 2010, as actividades de águas e telecomunicações. 4. OPÇÕES ESTRATÉGICAS Reorientação do Negócio Para fazer face ao difícil período que a Economia Portuguesa atravessa, foi decidido concentrar todo o esforço de crescimento nas actividades que constituem o core business da sociedade, com especial enfoque nas áreas da electricidade, gás, água, telecomunicações, instalações, ambiente, energia e projectos integrados. Com a oferta de novos serviços, pretende-se uma maior penetração com o consequente aumento da nossa quota de mercado nestas actividades. Considerando a dimensão e importância no negócio eólico em Portugal, a CME está a desenvolver competências no sector, no âmbito da manutenção integral, oferecendo a garantia de eficiência de parques e manutenção integrada de redes eléctricas de baixa e média tensão associadas. No mercado externo, a empresa deu início a um processo de estudo de oportunidades a desenvolver com toda a precaução, medindo cuidadosamente os riscos associados. A procura incide principalmente em países desenvolvidos e países de destino de fundos internacionais para a realização de projectos específicos. Serviços Partilhados e Redução de Custos A CME utiliza a estrutura de serviços partilhados da ProCME, numa lógica de optimização de recursos, tirando partido dos métodos de gestão e processos de redução de custos instituídos no Grupo. Os custos gerais de produção foram devidamente controlados através de processos de melhoria contínua e da reorganização de unidades por especialização de negócio e clientes, o que permitiu um significativo aumento da eficiência. Com a internacionalização da CME, também as sociedades no exterior são funcionalmente geridas numa lógica de serviços partilhados. 9

10 5. INDICADORES DE GESTÃO 5.1 Evolução da Produção por Actividade (Milhares de uros) Evolução do Volume de Negócios por Actividades Actividade % Electricidade ,4% Gás ,0% Comunicações ,0% Instalações ,9% Água ,7% Ambiente ,9% Manutenção ,9% Projectos especiais ,7% 5.2 Produção por Actividade (Milhares de uros) Projectos Especiais Manutenção Ambiente Água Instalações Comunicações Gás Electricidade Evolução da Produção (Milhares de uros)

11 5.4 Indicadores Económicos e Financeiros (Milhares de uros) Rácio Volume de Negócios ,3% Meios Libertos S/ Activo Líquido 10,3% 8,7% -1,6pp Resultados Líquidos ,9% Activo Total Líquido ,1% Recursos Humanos ,0% Rotação dos Capitais Próprios 3,3 3,2-3,0% Autonomia Financeira 32,2% 30,6% -1,6pp Rendibilidade dos Capitais Próprios 14,0% 14,4% 0,4pp 5.5 Vendas e Prestações de Serviços / EBITDA / Resultado Líquido (Milhares de uros) Vendas e Prestações de Serviços EBIDTA Resultado Líquido Carteira de Encomendas

12 6. RECURSOS HUMANOS 6.1 Dados Gerais INDICADOR Número Médio de Colaboradores Idade Média Antiguidade Média Absentismo Taxa de Retenção Colaboradores Taxa de Turnover Horas de Formação Número de Acções Número de Participantes Investimento em Formação (M ) Anos 7 Anos 2,9% 75% 25% Anos 7 Anos 2,9% 88,5% 11,5% Áreas de Formação Onde Foi Realizado Maior Investimento ACÇÕES 2009 HORAS PARTICIPAÇÕES VALORES ( ) QSA QSA (15.718) QSA (6.559) * QSA ( ) Telecomunicações TEL (4.243) TEL (1.475) ** TEL (37.549) Electricidade / Energia E/E (3.522) E/E (264) *** GESTÃO ( ) QSA - Qualidade Segurança Ambiente TEL - Telecomunicações E/E - Electricidade / Energia * participações externas ** participações externas *** 70 participações externas 12

13 6.3 Repartição de Efectivos 16,39% Dirigentes (0,33%) Quadros Superiores (3,65%) 12,07% Quadros Médios (12,07%) 3,65% 0,33% 0,78% 2,66% Quadros Intermédios (16,39%) Profissionais Altamente Qualificados e Qualificados (53,93%) Profissionais Semi-Qualificados (10,19%) 10,19% 53,93% Profissionais Não Qualificados (2,66%) Praticantes e Aprendizes (0,78%) Mulheres - 9% Administrativos - 14% Homens - 91% Produção - 86% 13

14 7. RESPONSABILIDADE SOCIAL E MELHORIA CONTÍNUA Na CME queremos contribuir para uma sociedade mais equilibrada e coesa, assente nos princípios da sustentabilidade. Para isso, adoptámos como compromissos do nosso desenvolvimento sustentado:. A qualidade do nosso serviço;. A qualidade de vida dos nossos colaboradores e dos que interagem connosco;. A preservação do meio ambiente, nomeadamente através da prevenção da poluição e da conservação da biodiversidade;. O crescimento sustentado das empresas do Grupo ProCME;. O equilíbrio económico do Grupo e dos agentes com quem nos relacionamos. Este comprometimento é algo que vivemos no nosso dia-a-dia, na nossa actividade, e que pode ser comprovado pelo grau de cumprimento dos objectivos a que nos propomos nestas matérias. Considera-se que, no ano de 2009, os resultados foram satisfatórios, com excepção do índice de gravidade que atingiu um índice de 961quando o objectivo era obter um índice inferior a 600. Ainda assim, a redução significativa deste índice face ao ano anterior (em cerca de 15%, aproximadamente), deixa-nos confiantes de que estamos no bom caminho. Salienta-se ainda o registo do maior nível de satisfação de cliente alguma vez alcançado utilizando esta métrica (a média dos resultados dos questionários de avaliação da satisfação de Cliente, efectuados aos nossos Clientes ao longo do ano), bem como o alcance de todas as metas a que nos propusemos relativamente ao nosso desempenho ambiental. Destacamos ainda, relativamente a 2009, a renovação das certificações do nosso Sistema de Gestão Integrado segundo as normas de referência ISO 9001:2008 (Sistemas de Gestão da Qualidade), OHSAS18001:2007 (Sistemas de Gestão da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho) e ISO 14001:2004 (Sistemas de Gestão Ambiental). 14

15 OBJECTIVOS E DESEMPENHO 2009 Qualidade Objectivo Meta 1. Grau Satisfação Cliente > 85% 2. Prazo Resposta Reclamações 3. Prazo de Fecho de Reclamações 4. Desempenho Qualidade Desempenho 83% < 2 dias 2,3 < 15 dias 18 > 85% 91% Segurança Objectivo Meta 5. Índice de Gravidade 6. Índice de Frequência 7. Desempenho Segurança Desempenho < < 15 18,4 > 85% 86% Ambiente Objectivo Meta 8. Nº Reclamações Ambientais 9. Nº Acidentes Ambientais de impacte significativo 10. Desempenho Ambiental Objectivo Alcançado Desvio Aceitável Desempenho < 5% 1% < 5% 1% > 90% 92% Objectivo Não Alcançado 15

16 8. PERSPECTIVAS PARA 2010 O ano de 2010 decorrerá na linha de 2009, ao nível do investimento e crescimento económico. A CME vai dar continuidade à sua estratégia de focalização nas actividades dominadas, de forma a minimizar o risco que a diversificação do mercado actualmente apresenta. Face aos ténues indicadores de recuperação da economia nacional, para o exercício de 2009, a CME conta com:. Uma equipa estabilizada e altamente motivada;. Áreas da empresa especializadas bem definidas e com potencial;. Estabilização e racionalização de custos indirectos;. Um Orçamento para 2010, definidor de metas realistas, prevendo-se um moderado acréscimo de negócio em cerca de 3%, e uma melhoria ao nível do resultado de bruto de exploração.. Processos de cobrança com consequente redução da dívida vencida;. Accionistas que continuam a manifestar o seu apoio à equipa de gestão. Consideram-se factores críticos de sucesso para a continuação da expansão dos negócios:. A disponibilização de um apertado controlo das margens de contribuição dos negócios, bem como de todas as componentes de custo envolvidas;. A estabilização da actual equipa de colaboradores, através de mecanismos efectivos para a sua permanente formação, motivação e evolução de carreira na empresa;. O desenvolvimento de competências nos vários sectores que se considerem estratégicos;. O desenvolvimento do Programa Integrado de Melhoria Contínua, com reflexos importantes na produtividade, qualidade, segurança e comportamento ambiental da organização;. O envolvimento dos accionistas na concretização ou endosso de oportunidades de negócio para as diferentes áreas da empresa;. A continuidade de uma rigorosa gestão financeira. Em síntese, podemos definir as seguintes prioridades da gestão CME para o exercício de 2010:. Optimizar o desempenho qualitativo e quantitativo em todas as áreas de actividade;. Apostar em projectos de forte vertente ambiental;. Reforçar presença nas actividades tradicionais da empresa;. Reforçar a presença na actividade dos projectos integrados, nomeadamente no sector energético.. Reforçar a presença no mercado externo;. Melhorar resultados económicos e financeiros. Tendo como base a carteira de encomendas da empresa e a qualidade da mesma, prevê-se que 2010 decorra com normalidade e evidencie uma melhoria nos resultados 16

17 9. OUTROS ASPECTOS RELEVANTES. A empresa detém quatro sucursais localizadas em Espanha, França, Moçambique e Irlanda. As sucursais em Moçambique e Irlanda não tiveram actividade;. Não ocorreram, durante o exercício de 2009, quaisquer negócios entre a Sociedade e os seus administradores (art.397º do Código das Sociedades Comerciais);. A Sociedade não possui acções próprias;. O capital social da Sociedade é de , representado por acções, com o valor nominal de 5, detidas na sua totalidade pelo accionista ProCME. 10. REFERÊNCIAS ESPECIAIS Os resultados obtidos em 2009 resultam, fundamentalmente, do apoio e esforço conjunto de um vasto número de pessoas e organizações que connosco colaboram, directa ou indirectamente. Cabe pois, manifestar os nossos agradecimentos:. Aos nossos colaboradores que, durante todo o exercício, se dedicaram totalmente à empresa, contribuindo assim decisivamente para o êxito obtido;. Aos nossos clientes, por terem confiado na nossa capacidade;. Aos nossos fornecedores, que demonstraram grande capacidade para complementarem o nosso desempenho;. Às instituições financeiras, por toda a colaboração prestada;. Aos outros órgãos sociais da empresa, nomeadamente Assembleia Geral e Fiscal Único, pela disponibilidade sempre manifestada para colaborar com o Conselho de Administração. 11. PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS Propõe-se que o Resultado Líquido apurado no exercício, no montante de ,82, seja aplicado do seguinte modo:. Distribuição de dividendos, no montante de O restante, no montante de ,82, para resultados transitados. Lisboa, 10 de Março de 2010 O Conselho de Administração José António Reis Costa Eugénio Bartolome Llorente Gomez António Pais Pires de Lima 17

18 Anexo ao Relatório de Gestão Lista das acções de que são titulares em 31 de Dezembro de 2009, os membros do Conselho de Administração e Fiscal elaborada com base nos elementos prestados pelos mesmos (art. 447º, nº 5º do Código das Sociedades Comerciais).. Não Aplicável Lista de accionistas titulares, em 31 de Dezembro de 2009, de mais de 10% do Capital Social (art. 448º, nº4º do Código das Sociedades Comerciais):. CME PARTICIPAÇÕES SGPS, SA 100% 18

19 19

20 BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

21 21

22 BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE 2008 CONTAS POC ACTIVO Notas Activo Bruto (Montantes expressos em Euro) IMOBILIZADO Imobilizaçöes incorpóreas 431 Despesas de instalaçäo , , Propriedade industrial e outros direitos , , , ,56 441/6 Imobilizado em curso , , , ,56 Imobilizaçöes corpóreas 421 Terrenos e recursos naturais 10 e , , , Edifícios e outras construçöes 10 e , , , , Equipamento básico 10 e , , , , Equipamento de transporte 10 e , , , , Ferramentas e utensílios 10 e , , , , Equipamento administrativo 10 e , , , , Outras imobilizaçöes corpóreas 10 e , , , ,12 441/6 Imobilizado em curso 10 e , , , , , , ,29 Investimentos financeiros 4111 Partes de capital em empresas de grupo 10 e , , Empréstimos a empresas grupo 10 e Partes de capital em empresas participadas 10 e , , , , , ,44 CIRCULANTE Existências 36 Matérias-primas, subsidiárias e consumo 21 e , , , ,19 35 Produtos e trabalhos em curso 21 e , , , ,42 32 Mercadorias , , , , , , ,44 Dívidas de terceiros - Médio e L.Prazo 252 Empresas do grupo 16 d) , , , , , ,62 Dívidas de terceiros - Curto prazo 211 Clientes c/c , , , Clientes de cobrança duvidosa 21 e , , Outros accionistas (sócios) Adiantamentos a fornecedores , , ,36 24 Estado e outros entes públicos 48 b) , , , /8+221 Outros devedores , , , , , , ,15 Títulos Negociáveis 159 Outros títulos negociáveis , , , , , , , ,84 Depósitos bancários e caixa Depósitos bancários , , ,86 11 Caixa , , , , , ,76 Acréscimos e diferimentos 271 Acréscimos de proveitos 48 a) , , , Custos diferidos 48 a) , , , Activos por impostos diferidos , , , , , ,38 Total de amortizaçöes ,55 Total de ajustamentos ,54 TOTAL DO ACTIVO , , , , Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2008 Activo Líquido As notas anexas fazem parte integrante destas Demonstrações Financeiras O TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 22

23 (Montantes expressos em Euro) CONTAS POC CAPITAL PROPRIO E PASSIVO Notas CAPITAL PROPRIO: 51 Capital 36 e Reservas de reavaliação , ,28 Reservas 571 Reservas legais , Reservas livres , , Subsidio investimento ,26 59 Resultados transitados , ,27 Resultados transitados - regularização de excedentes , ,67 88 Resultado líquido do exercício , ,58 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,09 PASSIVO Provisões 292 Provisões para impostos Outras provisöes , , , ,87 Dívidas a terceiros - Médio e Longo Prazo 231 Dívidas a instituiçöes de crédito , , Fornecedores de imobilizado, c/c , , , ,66 Dívidas a terceiros - curto prazo Dívidas a instituiçöes de crédito , , Fornecedores c/c , , Fornecedores - Facturas em recepçäo e conferência , , Outros accionistas (sócios) , , Outros empréstimos obtidos 2.011,71 76, Fornecedores de imobilizado, c/c , ,54 24 Estado e outros entes públicos 48 b) , ,76 262/8+211 Outros credores , , , ,02 Acréscimos e Diferimentos 273 Acréscimos de custos 48 a) , , Proveitos diferidos 48 a) , , Passivos por impostos diferidos , , , ,84 TOTAL DO PASSIVO , ,39 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO , ,48 As notas anexas fazem parte integrante destas Demonstrações Financeiras O TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 23

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Rua São Gonçalo de Lagos, Pavilhão de Exposições em Torres

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade.

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade. RELATÓRIO DE GESTÃO No cumprimento das obrigações legais, vem a gerência, através do presente relatório de gestão, dar conhecimento aos sócios e terceiros, que com a empresa têm relações, de alguns aspectos

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras.

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras. 1º Semestre de Relatório e Contas 2008 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 12 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2 3

RELATÓRIO DE GESTÃO 2 3 RELATÓRIO E CONTAS 2011 2 RELATÓRIO DE GESTÃO 3 No cumprimento das obrigações legais e estatutárias, vem o Conselho de Administração apresentar à Assembleia Geral o Relatório de Gestão e Contas de 2011

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14

DC14 - Demonstração dos Fluxos de Caixa (1) Directriz Contabilística nº 14 DC14 Demonstração dos Fluos de Caia (1) Directriz Contabilística nº 14 Julho de 1993 Índice 1. Introdução 2. Objectivos 3. Definições 4. Componentes da Demonstração dos Fluos de Caia 4.1. Actividades operacionais

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória 5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Av. Tenente Coronel João Luis de Moura, Loja A cave

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 113 SONAE, SGPS, SA BALANÇOS CONSOLIDADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Notas ACTIVOS NÃO CORRENTES:

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais