PLANO DE RECUPERAÇÃO PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE RECUPERAÇÃO PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO"

Transcrição

1 Capítulo: NOTA PRÉVIA PLANO DE RECUPERAÇÃO PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO CONSTRUÇÕES EUROPA AR-LINDO, S.A. Administrador Judicial Provisório: Nuno Albuquerque Tribunal Judicial de Braga 4º Juízo Cível Processo n.º 3729/14.2TBBRG

2 Capítulo: NOTA PRÉVIA ÍNDICE 1. NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA REQUERENTE ESTRUTURA JURÍDICA E OBJECTO SOCIAL CAPITAL SOCIAL, SÓCIOS E ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRADOR JUDICIAL PROVISÓRIO DATAS DO PROCESSO SITUAÇÃO PATRIMONIAL, FINANCEIRA E REDITÍCIA LÓGICA EVOLUTIVA DA EMPRESA E ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO PATRIMONIAL, FINANCEIRA E REDITÍCIA DO DEVEDOR; ANÁLISE DA SITUAÇÃO EXTERNA - ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ANÁLISE ECONÓMICO FINANCEIRA 2011 A SITUAÇÃO DA CONTABILIDADE E SISTEMA DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA SITUAÇÃO DOS CLIENTES SITUAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS SITUAÇÃO DOS TRABALHADORES SITUAÇÃO DOS CREDORES ACCIONAMENTO DE GARANTIAS ENQUADRAMENTO E OBJECTIVO DO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO CONTEÚDO DO PLANO DISPOSIÇÕES GERAIS AO PLANO DE RECUPERAÇÃO

3 Capítulo: NOTA PRÉVIA ESTRATÉGIA DE RECUPERAÇÃO EMPESARIAL DISPOSIÇÕES GERAIS LEGITIMIDADE VOTAÇÃO E QUÓRUM FINANCIAMENTOS E PRIORIDADE DE NOVOS CRÉDITOS FORNECIMENTOS A CRÉDITO CONDIÇÕES DOS PAGAMENTOS AOS CREDORES Conteúdo do Plano Relativamente à Satisfação dos Credores PROVIDÊNCIAS COM INCIDÊNCIA NO PASSIVO Redução dos créditos por perdão e moratória, nos seguintes termos: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.: Créditos comuns e privilegiados do Estado: Autoridade Tributária e Aduaneira Créditos garantidos: Bancos, Caixas Económicas e outros operadores financeiros: Créditos comuns: instituições bancárias e financeiras Fornecedores e credores diversos: Créditos referentes às garantias prestadas nos contratos de empreitada de obras: Créditos Laborais: Créditos Subordinados: Créditos Comuns decorrentes de leasing ou Locação financeira imobiliária / mobiliária / Renting / Aluguer de Longa Duração Créditos sob condição ÂMBITO PRINCÍPIO DA IGUALDADE

4 Capítulo: NOTA PRÉVIA 4.4. IMPACTO EXPECTÁVEL DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PRECEITOS LEGAIS DERROGADOS: EXECUÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO E SEUS EFEITOS: OUTRAS PROVIDÊNCIAS E INFORMAÇÕES: INCUMPRIMENTO FINALIDADE E MEDIDAS NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO, JÁ REALIZADAS OU AINDA A EXECUTAR OBJECTIVOS A ATINGIR PRESSUPOSTOS PARA A VIABILIDADE DA SOCIEDADE - ESTRATÉGIAS E ORIENTAÇÕES GERAIS ANEXOS

5 Capítulo: NOTA PRÉVIA 1. NOTA PRÉVIA Por sentença judicial proferida no Processo Especial de Revitalização nº 3729/14.2TBBRG, a correr termos no 4.º Juízo Cível do Tribunal Judicial de Braga, e por se verificarem os respectivos pressupostos processuais, foi admitido processo especial de revitalização da sociedade EUROPA AR- LINDO, S.A., sociedade comercial anónima, NIPC , com sede no, freguesia de Vimieiro, Braga. Para administrador judicial provisório foi nomeado o Dr. Nuno Albuquerque. Pela sociedade foi iniciado o procedimento a que alude o artigo 17.º-D, n.º 1 do CIRE. No Plano de Recuperação a apresentar à aprovação dos credores, a devedora deverá descrever a sua situação patrimonial, bem como perspectivas de viabilidade económica e financeira, tendo em consideração o seu plano de negócios. O Plano deverá, igualmente, visar estruturar a orgânica de funcionamento da empresa, os investimentos necessários, os recursos humanos necessários, a estratégia comercial a utilizar com vista a permitir a manutenção da actividade e a valorização do know-how intrínseco da empresa. Dessa forma ter-se-á que assegurar o mercado que a sociedade possui, valorizando a sua competência técnica e humana que se considera capaz de sustentar a sua atividade. Na base deste Plano terá que estar a manutenção da relação com os fornecedores e clientes de referência da sociedade e, dessa forma, permitir gerar um volume de negócios que perspetive a revitalização da devedora e, consequentemente, o cumprimento atempado de todos os seus compromissos. 5

6 Capítulo: INTROdução 2. INTRODUÇÃO 2.1. IDENTIFICAÇÃO DA REQUERENTE SOCIEDADE CONSTRUÇÕES EUROPA AR-LINDO, S.A. NIPC SEDE Lugar da Talharinha, Parque Industrial de Celeirós, 2ª Fase, freguesia de Vimieiro, Braga. MATRICULA Conservatória do Registo Comercial de Braga 2.2. ESTRUTURA JURÍDICA E OBJECTO SOCIAL Natur. Jurídica OBJECTO SOCIAL Sociedade Anónima Indústria de construção civil e obras públicas CERTIDÃO PERMANENTE: código de acesso CAE R3 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais) 2.3. CAPITAL SOCIAL, SÓCIOS E ADMINISTRAÇÃO CAPITAL SOCIAL ,00 (quatro milhões e seiscentos mil euros) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - DOMINGOS FERREIRA CORREIA, residente na Rua do Bom Jesus, nº 59B, Aflitos, Fenais da Luz, Ponte Delgada; 6

7 Capítulo: INTROdução - ARLINDO AUGUSTO XAVIER CORREIA, residente no Lugar de Santa Cruz, Vimieiro, Braga; - ROSA GONÇALVES FERREIRA, residente no Lugar de Santa Cruz, Vimieiro, Braga. FORMA DE OBRIGAR a) pela intervenção do seu Presidente ou Vice- Presidente, ou Administrador Único; b) um ou mais procuradores com poderes para o acto ADMINISTRADOR JUDICIAL PROVISÓRIO Nuno Carlos Lamas de Albuquerque NIF/NIPC: Rua Bernardo Sequeira, 78, 1.º - Apartado Braga Telef: DATAS DO PROCESSO Data da prolação do despacho de admissão do PER: Anuncio Portal CITIUS 15 de Julho de Lista Provisória de Credores - art.º 17º D, n.º, 3 publicada em

8 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia 3. SITUAÇÃO PATRIMONIAL, FINANCEIRA E REDITÍCIA 3.1. LÓGICA EVOLUTIVA DA EMPRESA E ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS A sociedade CONSTRUÇÕES EUROPA AR-LINDO, S.A. dedicou-se à indústria de construção civil e obras públicas. CAE R3 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). EVOLUÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS Total de Empregados Data 77 31/08/ /12/ /12/ /12/2011 Constata-se pois que o número de funcionários a laborar na empresa tem vindo a ser reduzido, num esforço de contenção de custos e adaptação à nova realidade da empresa. Com feito, desde o ano de 2011, a política de reajustamento ao nível do quadro do pessoal já proporcionou uma redução em cerca de um terço dos efectivos. 8

9 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia 3.2. DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO PATRIMONIAL, FINANCEIRA E REDITÍCIA DO DEVEDOR; ANÁLISE DA SITUAÇÃO EXTERNA - ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Portugal, durante a primeira década do séc. XXI, passou por duas recessões técnicas nos anos de 2003 e 2008 encontrando-se, actualmente, no contexto da maior crise financeira e económica mundial dos últimos 80 anos. Esta crise internacional deteriorou a economia mundial, levando a que economias avançadas entrassem em recessão e as economias de mercado emergentes revelassem um abrandamento significativo. Tais desenvolvimentos afectaram a economia portuguesa, quer pela sua forte integração económica e financeira, quer por fragilidades que condicionam a produtividade dos factores e restringem as condições de solvabilidade dos agentes uma perspectiva intemporal. Estes factores contribuíram, em 2008, para a desaceleração acentuada da economia portuguesa. Portugal voltou a registar um dos crescimentos mais baixos entre os países da área do euro e da União Europeia, iniciando no segundo semestre um período recessivo que se antevê como o mais profundo e prolongado das últimas décadas. O défice externo da economia portuguesa, em 2008, aumentou significativamente condicionado, por um lado pela quebra abrupta da procura externa e das exportações de bens e serviços sobretudo na parte final do ano contrastando com uma menor desaceleração das importações (considerando um quadro de virtual estabilização do crescimento consumo privado), e por outro, pela evolução desfavorável dos termos de troca, fruto do forte aumento anual (em média) do preço 9

10 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia das matérias-primas nos mercados internacionais, nomeadamente, do petróleo. Em termos macroeconómicos, esse aumento do défice externo reflecte a diminuição da taxa de poupança do sector privado e das Administrações Públicas e a manutenção do investimento em percentagem do PIB. Deverse-á referir que, após dois anos de significativo ajustamento estrutural, assistiu-se a uma inversão, em 2008, do processo de consolidação estrutural das contas públicas. Num quadro de elevada incerteza e aversão ao risco, as perspectivas para o crescimento a nível global têm vindo a ser marcadamente revistas em baixa. De acordo com as Contas Nacionais Trimestrais, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no primeiro trimestre de 2009, o PIB diminuiu 3,7 por cento. Tal comportamento deveu-se, essencialmente, à diminuição homóloga da procura interna, das exportações e das importações. Conforme revela a FEPICOP-Federação Portuguesa da Indústria da Construção na sua mais recente análise de conjuntura, entre 2010 e 2012, o Sector bateu, em todos os segmentos de produção, os recordes de quebra de que há registo. A procura de Habitação, por exemplo, caiu 50%, o investimento nos edifícios não residenciais protagonizou igual queda e o investimento público reduziu-se 43,5%. Na sequência destes factores, os Stocks de casas para venda no mercado dispararam, provocando um aumento substancial do crédito malparado na Banca, licenciaram-se menos 1,6 milhões de m2 de espaços destinados a turismo, comércio, escritórios e outros serviços, equivalentes a uma produção de cerca de 400 milhões de euros, e foram lançados menos 1,7 mil milhões de euros em obras públicas. 10

11 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Ato contínuo, a crise estrutural do tecido empresarial do Sector piorou. No período em análise, o número de insolvências duplicou, afetando novas empresas, enquanto o desemprego atingiu mais 110 mil trabalhadores. Por ter funcionado, durante décadas, como financiador de grande parte das obras realizadas no País, sendo obrigado a garantir para o efeito os meios financeiros necessários junto da Banca, a Construção endividou-se, tendo de lidar, presentemente, com compromissos de cerca de 44 mil milhões de euros. Mas, ao aumentar desta forma a sua exposição à crise financeira, o Sector tornou-se igualmente uma das suas maiores vítimas. Nos últimos dois anos, a Construção sofreu um corte violento no acesso ao crédito, na ordem dos 2,1 mil milhões de euros, o que coloca problemas acrescidos de tesouraria às empresas, mesmo que ainda economicamente viáveis. Face ao peso e gravidade dos números apurados e convicta de que o referido colapso pode ser evitado, a FEPICOP sublinha a necessidade premente de uma nova política e de um programa de emergência, que, por um lado, promova o investimento e, por outro, contribua para desendividar as empresas de construção ANÁLISE ECONÓMICO FINANCEIRA 2011 A 2014 A explicitação da actividade da empresa nos últimos anos resulta, de uma forma mais rigorosa, de uma análise à informação contabilística disponível da sociedade. 11

12 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Assim, é possível retirar e verificar a evolução do volume de negócios da requerente e dos respectivos gastos e perdas. EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Ano (até Julho) Volume de Negócios , , , ,09 Tendo em conta os valores constantes da Tabela supra, constata-se que o volume de negócios da sociedade diminuiu na ordem dos 52% entre os anos de 2011 e O mesmo se verifica em relação aos seus gastos e perdas, que entre os mesmos anos sofreram um aumento na ordem dos 41%, entre os anos de 2011 e Previsivelmente esta queda acentua-se no ano de 2014 devido às medidas de redução de gastos implementadas. EVOLUÇÃO DOS GASTOS E PERDAS Rubricas CMVMC(*) Fornecimentos e serviços externos Gastos com o Pessoal , , , , , , , , ,77 12

13 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Outros Gastos e Perdas , , ,20 Totais , , ,32 RESULTADOS LÍQUIDOS Ano Total , , ,03 Os resultados líquidos, referentes aos últimos exercícios económicos em que a sociedade apresentou contas, ou seja, 2011, 2012 e 2013 foram positivos. Balanços Históricos Imobilizado Corpóreo/ Activos Fixos Tangíveis Ano Total , , , ,39 A evolução do imobilizado corpóreo líquido ao longo dos últimos anos da sociedade mostra um valor constante. Outros Activos Financeiros 13

14 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Ano Total , , , ,31 Activos Intangíveis/ Investimentos Financeiros Ano Total 2.337,75 687,91 0,00 0,00 Inventários Ano Total , , ,91 Ao fazer uma análise à realidade da empresa, é de salientar o peso do activo circulante, em que as existências têm um peso relativamente pequeno, sendo que o maior peso se encontra nas dívidas de terceiros, as quais representavam no final do ano de 2013 mais de 37% do total do activo da empresa. Dívidas de Terceiros Ano Total , , , ,25 14

15 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Deste modo, verifica-se que a rubrica Dívidas de Terceiros apresenta um saldo significativo. Esta rubrica tem um peso acentuado na estrutura do activo da empresa. Disponibilidades Ano Total , , , ,01 Total do Passivo Ano Total , , ,49 O passivo da sociedade apresenta um valor significativo ao longo dos últimos três anos. De salientar que na relação de responsabilidades perante terceiros, as dívidas mais significativas são às instituições financeiras. Em segundo lugar surgem as responsabilidades assumidas perante fornecedores SITUAÇÃO DA CONTABILIDADE E SISTEMA DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA 15

16 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia A contabilidade tem de transmitir uma imagem verdadeira e apropriada da realidade económica e financeira da sociedade e tem de ser compreensível para o conjunto de entidades com as quais se relaciona, nomeadamente investidores, empregados, mutuantes, fornecedores, clientes, Estado e outros. Nos termos do art.115.º do CSC, as sociedades comerciais são obrigadas a dispor de contabilidade organizada nos termos da lei comercial e fiscal e não são permitidos atrasos na execução da contabilidade superiores a 90 dias. Da análise dos documentos juntos relativos aos exercícios de 2011 a 2013, verifica-se que a contabilidade da sociedade satisfaz os princípios de natureza comercial e fiscal e permitem apurar, àquela data, a respectiva verdadeira posição financeira. EXACTIDÃO DO BALANÇO APRESENTADO De acordo com o que foi verificado, concluímos que foram adoptados os procedimentos contabilísticos que decorrem do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). SITUAÇÃO DA ESCRITURAÇÃO COMERCIAL As contas dos exercícios de 2011 a 2013 foram depositadas na Conservatória do Registo Comercial, conforme determinado por lei. Por outro lado, é possível apontar as seguintes notas organizadas em conformidade com o POC e SNC. I. DERROGAÇOES AO POC E SNC 16

17 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Não resulta dos elementos facultados que as demonstrações financeiras do exercício não tenham sido elaboradas em conformidade com as disposições do SNC II. COMPARABILIDADE DE VALORES Não resulta dos elementos facultados que as demonstrações financeiras do exercício não sejam comparáveis com as contas do exercício precedente. III. CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS A) Existências/ Inventários As existências encontram-se valorizadas ao custo de aquisição, respeitando o princípio contabilístico do custo históric o. Imobilizações Corpóreas/ Activos Fixos Tangíveis Não resulta dos elementos facultados que as imobilizações corpóreas não tenham sido contabilizadas pelo respectivo valor de aquisição. Os valores apresentados no balanço não incluem reavaliações efectuadas ao abrigo dos diplomas legais bem como reavaliações extraordinárias, conforme referido nos diplomas legais utilizados na reavaliação de imobilizado. B) Imobilizações Incorpóreas / Activos fixos Intangíveis Não resulta dos elementos facultados que as imob ilizações incorpóreas não estejam relevadas pelo respectivo valor histórico de aquisição. 17

18 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia 3.5. SITUAÇÃO DOS CLIENTES Apesar da forte concorrência instalada no sector, a Requerente possui bons níveis de notoriedade e reconhecimento n o país onde se insere, que lhe conferem alguma tranquilidade a nível comercial por via de uma solidificada carteira de clientes. Não obstante a empresa ter de créditos sobre clientes um valor de cerca de ,25, em Julho de 2014, o valor de clientes com reais expectativas de recebimento, no imediato, é uma percentagem bastante inferior, havendo contudo uma sincera expectativa que esse valor aumente, substancialmente, caso a empresa se mantenha em funcionamento SITUAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS O imobilizado da Requerente é, na sua essência, constituído por equipamentos de apoio à respectiva actividade, nomeadamente máquinas, imóveis, viaturas entre outros. Numa perspectiva de continuidade, não é expectável, no curto prazo, que a empresa tenha necessidade de efectuar grandes investimentos em imobilizado SITUAÇÃO DOS TRABALHADORES A Requerente emprega actualmente cerca de 77 trabalhadores. 18

19 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Encontram-se por regularizar aos trabalhadores direitos laborais que constam da reclamação de créditos: foram reclamados créditos referentes a direitos vencidos no montante de ,38 e ,95 sob condição suspensiva (indemnizações e demais direitos que possam resultar de eventuais resoluções dos respectivos contratos) SITUAÇÃO DOS CREDORES O montante total dos créditos reconhecidos pelo Administrador provisório ascende a ,69, repartidos por 409 credores, que correspondem a fornecimentos, financiamento bancário, garantias bancárias e indemnização pela cessação dos contratos trabalho. Os créditos dos trabalhadores contêm uma componente já vencida ( ,43) e uma componente sujeita a uma condição suspensiva ( ,87), correspondendo esta última, às indemnizações e demais direitos que possam resultar de eventuais resoluções dos respectivos contratos ACCIONAMENTO DE GARANTIAS Em face do contínuo acompanhamento pós-venda por parte da sociedade às obras em curso e concluídas, não se perspectiva o accionamento de garantias bancárias de boa execução (técnicas). A empresa está atenta a todas as eventuais anomalias que possam vir a ocorrer e por essa razão não admite como provável o acionamento de tais garantias, pese embora o risco que continua a existir, associado muitas vezes a fatores exógenos às obras que não se podem controlar. 19

20 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia Acresce que existe grande probabilidade de muitas destas garantias bancárias virem a ser canceladas total ou parcialmente em face de alterações legislativas recentes sobre esta matéria, no âmbito das empreitadas de obras públicas ENQUADRAMENTO E OBJECTIVO DO PLANO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO A empresa sempre teve como principal actividade a indústria de construção civil e obras públicas. Desde a sua constituição que a atividade da sociedade CONSTRUÇÕES EUROPA AR-LINDO, S.A. foi crescendo de forma gradual e sustentada, acompanhando a evolução do sector e mantendo uma posição mediana em termos dimensionais. Apesar da empresa se encontrar inserida num mercado fortemente competitivo, sempre logrou obter resultados que lhe permitisse cumprir as suas obrigações para com a administração fiscal, trabalhadores, fornecedores e demais credores. Todavia, devido à crise que se faz sentir no sector da construção, a devedora passou a ter algumas dificuldades de tesouraria, e, com o abrandamento substancial da actividade económica nacional, foram agravando ainda mais. Com efeito, o abrandamento substancial da actividade económica do sector da construção civil, do qual a s CONSTRUÇÕES EUROPA AR-LINDO está totalmente dependente, do aumento dos custos de produção, da difícil conjuntura económica do país, que se fez sentir a partir de meados da presente década e que se tem vindo a acentuar gradualmente sobretudo no sector da 20

21 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia construção e imobiliário, teve como consequência directa a diminuição de adjudicação de novas empreitadas, públicas e privadas. Perante este cenário nada favorável, a empresa foi recorrendo a capitais alheios, pedindo financiamento junto da banca, no sentido de fazer face às necessidades de tesouraria. Todavia, a empresa deixou de conseguir cumprir as suas obrigações junto dos seus credores. É indelével que para tal concorreu os sucessivos incumprimentos por parte dos seus clientes que se arrastam há muito tempo, tendo sido obrigada a recorrer a um elevado nível de capitais alheios para fazer face às dificuldades de tesouraria, que tais incumprimentos geraram, fazendo com que os resultados financeiros onerassem de forma muito prejudicial os resultados operacionais. Perante a conjuntura supra descrita, a administração da sociedade promoveu diligências e levou a cabo todo um conjunto de acções e esforços para evitar a situação de ruptura financeira, quer por carência de meios próprios, quer por impossibilidade de obtenção de crédito, designadamente, junto de instituições bancárias também elas, em larga medida, afectadas pela crise económico-financeira internacional e nacional para equilíbrio da sua tesouraria, tais esforços não produziram, no imediato, os efeitos pretendidos para fazer face à crise instalada. Contudo, não obstante todos os esforços desenvolvidos não foi possível lograr esse acordo e permitir, desde logo, estabelecer um programa de apoio à tesouraria, através do restabelecimento e reforço de linhas de financiamento ba ncárias que permitissem à 21

22 Capítulo: situação patrimonial, financeira e reditícia mesma manter o regular pagamento de fornecimentos, impostos e outras obrigações. Foi no referido contexto que a sociedade, em conjunto com um dos seus credores e fornecedor, apresentou este PER, por se encontrar em situação económica difícil, estando impossibilitada de cumprir com a generalidade das suas obrigações vencidas. É convicção da administração que a aprovação de um Plano de Recuperação constitui, nas circunstancias atuais, o melhor cenário para, por um lado, evitar a liquidação da sociedade e, por outro lado e simultaneamente potenciar, não só a sua continuidade, como também a sustentabilidade da sua atividade e, desse modo e por essa via, melhor acautelar a satisfação dos interesses dos seus credores. O cenário de continuidade da atividade da empresa e de consequente implementação de um plano de reestruturação e revitalização da sua atividade e compromissos, será aquele que melhor salvaguarda os interesses dos credores, tendo em consideração a diversidade de interesses que lhes está inerente, na medida em que: a) Permite uma maior expectativa de recuperação de créditos; b) Assegura a continuidade da actividade de uma u nidade de relevante interesse económico e social; c) Permite manter um número importante de postos de trabalho. O presente Plano de Revitalização obedece, salvo melhor opinião, a todos os requisitos consignados no CIRE. 22

23 4. CONTEÚDO DO PLANO 4.1. DISPOSIÇÕES GERAIS AO PLANO DE RECUPERAÇÃO ESTRATÉGIA DE RECUPERAÇÃO EMPESARIAL Atendendo ao exposto anteriormente sobre o contexto histórico da sociedade e à sua situação patrimonial, financeira e reditícia, a manutenção da empresa, com o pagamento aos credores dos créditos reconhecidos no PER (Processo Especial de Revitalização), à custa dos rendimentos futuros, é sem margem de dúvidas, a melhor e mais vantajosa solução para os credores. Com a reestruturação do Passivo, via perdão parcial da divida e consolidação do remanescente, a sociedade recupera o equilíbrio financeiro e o fundo de maneio resultante é suficiente para evitar eventuais rupturas de tesouraria. A conjuntura económica atual não facilitará a tarefa de recuperação da empresa pelo que a estratégia assentará numa dinâmica comercial centrada no segmento da reabilitação associada à racionalização e rentabilização dos recursos e das competências. Desde o início do ano de 2011, a política de reajustamento ao nível do quadro do pessoal já proporcionou uma redução em cerca de metade dos efectivos, o que permite uma maior agressividade comercial dado dispor duma maior leveza e agilidade da estrutura. 23

24 DISPOSIÇÕES GERAIS O Plano de Recuperação tem em vista a recuperação e manutenção da empresa em atividade, estabelecendo -se de forma inequívoca os termos exatos para o pagamento dos créditos sobre a sociedade, nomeadamente no que respeita a prazos e condições, respeitando sempre o princípio de igualdade entre credores. O pagamento dos créditos sobre a sociedade, bem como a sua responsabilidade depois de findo o Processo de Revitalização, são regulados no presente Plano de Recuperação (artigo 17º - A, nº. 1 do CIRE). Na presente proposta de Plano de Recuperação é apresentado um cenário que consiste no perdão parcial e moratória dos créditos detidos pelos credores. Estão previstas algumas derrogações ao Código da Insolvência e Recuperação de Empresas [Decreto-Lei N.º 53/2004, de 18 de Março, com as alterações do Decreto-Lei N.º 200/2004, de 18 de Agosto]. A presente proposta de Plano de Recuperação é apresentada para ser votada pelos Credores, sendo que a mesma considera - se aprovada quando tiverem participado nas negociações encetadas pelo devedor credores cujos créditos representem, pelo menos, um terço do total dos credores cujos créditos tenham direito a voto (artigo 212º aplicável por força do artigo 24

25 17º.-F,nº 3º), carece da maioria qualificada de 2/3 dos votos emitidos para ser aprovada LEGITIMIDADE A presente proposta de Plano de Recuperação é da responsabilidade da Devedora e surge na consequência do Processo Especial de Revitalização, iniciado por esta. Não se prevê que qualquer pessoa que responda legalmente pelas dívidas da devedora, qualquer Credor ou grupo de Credores, cujos créditos representem pelo menos um quinto do total dos créditos não subordinados, que venham a ser reconhecidos por Sentença de Verificação e Graduação de Créditos, apresente uma Proposta de Plano alternativa, que possa ser objectivo de análise, discussão e votação pelos Credores VOTAÇÃO E QUÓRUM Nos presentes autos foram reconhecidos, créditos no montante total de ,69, encontrando-se atribuídos direitos de voto em igual número, cuja natureza se encontra melhor descrita na tabela seguinte. 25

26 DIREITOS DE VOTO Tipologia Reconhecido % Comum sem Condição Bancos e OIC's ,25 7,43% Outros ,95 15,44% Fazenda Nacional ,79 0,02% Locação Financeira Comum sob Condição ,76 0,99% Bancos e OIC's ,63 18,63% Locação Financeira Garantido sem Condição ,00 2,44% Bancos e OIC's ,83 51,06% Garantido sob Condição Bancos e OIC's ,56 1,60% Total ,77 97,61% Privilegiado sem Condição Fazenda Nacional ,43 0,21% Segurança Social , % Trabalhadores ,43 0,54% Privilegiado sob Condição Trabalhadores ,87 0,96% Total Privilegiado ,27 2,38% Subordinado Bancos e OIC's 3.872,65 0,01% Total Subordinado 3.872,65 0,01% 26

27 Totais ,69 100% A votação efectua-se por escrito, aplicando-se-lhe o disposto no artº 211º do CIRE com as necessárias adaptações e sendo os votos remetidos ao administrador judicial provisório, que os abre em conjunto com o devedor e elabora um documento com o resultado da votação (artº 17 F, nº 4). A proposta de plano de recuperação considera-se aprovada, quando recolher mais de dois terços da totalidade dos votos emitidos, não se considerando como tal as abstenções dos créditos com direito de voto, segundo a sentença de verificação e graduação de créditos. Devem ainda dar assentimento expresso ao plano de recuperação credores representantes de pelo menos metade dos créditos não subordinados. Todos os créditos conferem direito de voto, já que não existem créditos que não sejam modificados pela parte dispositiva do Plano FINANCIAMENTOS E PRIORIDADE DE NOVOS CRÉDITOS Terão prioridade sobre os créditos da devedora anteriores ao PER, os reclamados em novo Processo de Insolvência aberto no período de 24 meses após o trânsito em julgado da sentença de homologação do PER, bem como todos os créditos que se tenham destinado a financiar a actividade da Requerente e que, sejam constituídos nesse período com indicação do montante abrangido e confirmação pelo Administrador da Insolvência [Artigo 221º do CIRE]. 27

28 FORNECIMENTOS A CRÉDITO Como condição necessária para revitalizar a empresa será necessário negociar e obter junto dos fornecedores condições de fornecimentos a crédito. Os valores por fornecimentos correntes a crédito no período de 24 meses após o trânsito em julgado da sentença de homologação do PER, serão tratados com prioridade em relação aos demais créditos reclamados nos mesmos termos previstos em financiamentos e prioridade de novos créditos. 28

PLANO DE REVITALIZAÇÃO

PLANO DE REVITALIZAÇÃO PLANO DE REVITALIZAÇÃO O Plano de Recuperação deve indicar claramente as alterações dele decorrente para as posições jurídicas dos credores da devedora, porquanto, e analisada a viabilidade económica da

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 697/11.6 TYVNG 2º Juízo Insolvente: AV POWER REPARAÇÃO DE AUDIOVISUAIS, LIMITADA Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.115/13.0 TYVNG 1º Juízo Insolvente: JOSÉ MIGUEL CRUZ UNIPESSOAL, LIMITADA Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.)

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Visita efectuada à sede da insolvente em 03-12-2010 Publicação do extracto do anúncio na Imprensa

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 7.091/11.7 TBVNG 2º Juízo Cível Insolventes: ARMINDO JOSÉ SILVA LOPES E MARIA EMILIA ANDRADE TAVARES LEITE FERNANDES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO F. BENTO CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS, UNIPESSOAL, LDA TRIBUNAL DO COMÉRCIO DE LISBOA PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 1577/13.6 TYLSB 1º Juízo Índice 1. Identificação

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda.

V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais de Construção Civil e Terraplanagem, Lda. Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal do Judicial de Vila Nova de Famalicão 2º Juízo Cível Processo nº 1805/12.5TJVNF V/Referência: Data: Insolvência de A. F. Pereira - Comércio de Materiais

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 399/14.1 TBVNG 4º Juízo Cível Insolventes: JOÃO JOAQUIM SOUSA SOBRAL E ISABEL MARIA DOS SANTOS ROCHA SOBRAL Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO

Leia mais

PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO

PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO PROCEDIMENTO EXTRA JUDICIAL DE CONCILIAÇÃO (Dec. Lei n.º 316/98 de 20 de Outubro, alterado pelo Dec. Lei 201/04 de 18 de Agosto) REQUERIMENTO 1. Identificação do(a) requerente a) Nome b) Sede i. Morada

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações 9 de fevereiro de 2015 Foi publicado no passado dia 6 de fevereiro o Decreto-Lei n.º 26/2015, que introduz alter ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial (SIREVE), ao Código da Insolvência

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO. Tractocat Reparações de Máquinas Industriais, Lda

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO. Tractocat Reparações de Máquinas Industriais, Lda PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO * Tractocat Reparações de Máquinas Industriais, Lda TRIBUNAL DO COMÉRCIO DE LISBOA 3.º Juízo PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 185/14.9 TYLSB * Índice 1. Identificação

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.494/12.0 TBVNG 1º Juízo Cível Insolventes: ESMERALDA MARIA RIBEIRO CARVALHO GONÇALVES E ANÍBAL AUGUSTO RODRIGUES GONÇALVES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.514/12.4 TBVNG 6º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ ANTÓNIO PIRES DE SOUSA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda.

Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda. Vitermaco Compra de Imóveis para Revenda, Lda. Plano de Recuperação (Art.º 192º e segs. do CIRE) Tribunal Judicial de Porto de Mós 2º Juízo Proc.º 142/14.5TBPMS Junho de 2014 Índice 1. Enquadramento...

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art. 17º-A a 17º-I do CIRE

PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art. 17º-A a 17º-I do CIRE Carla Maria Gonçalves, Luís Daniel Gonçalves Portador do CC. nº 1234567-5ZY1, e do NIF 204 123 123, Portadora do CC nº 1234568-2ZY0, e do NIF 203 456 456, PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art.

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO MANUEL MENDES & FILHOS, LDA

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO MANUEL MENDES & FILHOS, LDA PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO * MANUEL MENDES & FILHOS, LDA COMARCA DE SANTARÉM Santarém Inst. Central Sec. Comércio J2 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 1173/14.0 T8STR * Página 1 ÍNDICE... 2

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 03-08-2010 1. INSOLVENTE:

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 195/12.0TBPNF Tribunal Judicial de Penafiel 3º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE) de Santos

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL Exposição e Propostas da FESETE à Reunião com o Senhor Ministro do Trabalho no dia 19 de Dezembro de 2008 1. Nota Introdutória: As ITVC, em resultado do seu enquadramento num mercado global, desregulado

Leia mais

SR2013Lda. Processo Especial de Revitalização PER. Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1. Proc. N.º 671/15.3T8OLH

SR2013Lda. Processo Especial de Revitalização PER. Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1. Proc. N.º 671/15.3T8OLH Lda Processo Especial de Revitalização PER Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1 Proc. N.º 671/15.3T8OLH Administrador Insolvência: Orlando José Ferreira Apoliano Carvalho Outubro de 2015

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA;

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA; FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIRC Artigo: 36.º e 41.º Assunto: Créditos incobráveis não abrangidos pelo art.º 41.º - consequências fiscais do seu desreconhecimento, Despacho de 2014-01-28, do Diretor-Geral

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR Entre: 1. BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL, S.A., com sede em Lisboa, na Av. 24 de Julho nº 74 a 76, com o capital social de EUR 104.000.000 (cento e quatro milhões

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DA PORTUGAL TELECOM, SGPS, SA. SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Pessoa Colectiva nº 502 028 351 Matriculada na Conservatória de Registo Comercial da Maia sob o nº 45 466 Capital Social

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados

Leia mais

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Através do presente diploma, procede-se à revisão e atualização de diversos aspetos do regime aplicável à classificação dos prazos das operações de crédito, aos juros

Leia mais

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça 30 de Outubro de 2014 Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça Lei n.º 20/14, de 22 de Outubro Aprovação do Código das Execuções Fiscais Foi publicada, no Diário da República do dia 22 de Outubro

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. * Celebram o presente Contrato de Mútuo que se rege pelas Cláusulas seguintes:--------------------------

CONTRATO DE MÚTUO. * Celebram o presente Contrato de Mútuo que se rege pelas Cláusulas seguintes:-------------------------- CONTRATO DE MÚTUO Primeira Contraente: --------------------------------------------------------------------------------------------------- CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DA COSTA AZUL, C. R. L., com sede

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 05-out-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições.

As autarquias locais devem dispor de recursos financeiros adequados ao exercício das suas atribuições. 12. FINANÇAS LOCAIS 12.1 A LEI DAS FINANÇAS LOCAIS O regime financeiro das freguesias está previsto na Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro Lei das Finanças Locais (LFL). Este regime, cuja primeira lei data

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

como a salvaguarda do interesse público de cobrança dos créditos tributários.

como a salvaguarda do interesse público de cobrança dos créditos tributários. Classificação: DIRECÇÃO DE SERViÇOS DE GESTÃO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS Of.Circulado n. o : 60.076 de 2010-07-29 Processo: 5580/2009 DGPCT Entrada Geral: N.o Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.a: EX.mos

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva

INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades. Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva INSOLVÊNCIA: Dificuldades e Oportunidades 24 de Fevereiro Salão Nobre da Câmara Municipal de Amares Nuno Albuquerque Paulo Ribeiro Barbosa Luís Paulo Silva 24-02-2012 1 DIAGNÓSTICO PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES. 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES. 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES PARTES: 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS E 2., com sede em, com o capital social de, Pessoa Colectiva número, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais