FSC Forest Stewardship Council

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FSC Forest Stewardship Council"

Transcrição

1 FSC Forest Stewardship Council

2 Título: Código de referência do documento: FSC-POL V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009 Parte II: setembro de 2011 Contato: Diretoria do FSC para comentários: 2011 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Nenhum trecho deste trabalho protegido por direitos autorais do editor poderá ser reproduzido ou copiado sob qualquer forma ou por quaisquer meios (gráficos, eletrônicos ou mecânicos, inclusive fotocópia, gravação, gravação em fita magnética ou sistemas de recuperação de informação) sem permissão do editor, por escrito. As cópias impressas deste documento são apenas para referência. Favor consultar a cópia eletrônica no site do FSC (www.fsc.org) para se assegurar de que está consultando a versão mais recente. O Forest Stewardship Council (FSC) é uma organização não governamental independente, sem fins lucrativos, e foi criado para promover o manejo ambientalmente adequado, socialmente benéfico e economicamente viável das florestas do mundo todo. A visão do FSC é fazer com que as florestas do mundo todo atendam aos direitos e necessidades sociais, ecológicos e econômicos da geração atual, sem comprometer os das gerações futuras.

3 ÍNDICE A B C D Parte 1 Parte 2 Escopo Data Efetiva Referências Termos e definições Elementos da Política Implantação da Política Preâmbulo A missão do FSC é promover o manejo ambientalmente adequado, socialmente benéfico e economicamente viável das florestas do mundo todo. É cada vez mais reconhecido que a associação entre o FSC e os empreendimentos envolvidos em atividades florestais inaceitáveis é prejudicial à reputação do FSC e, em última instância, à sua capacidade de cumprir sua missão. Para lidar com essa questão, em março de 2007 o Conselho de Administração do FSC solicitou que o Centro Internacional FSC desenvolvesse critérios para a associação de terceiros com o FSC. Através desta política, o FSC espera ser capaz de identificar os empreendimentos que não estejam comprometidos com os fundamentos básicos do manejo florestal responsável e impedi-los de usar indevidamente sua associação com o FSC. É particularmente relevante, entre outras medidas, a concessão e manutenção das licenças de marca registrada do FSC e dos certificados FSC a empreendimentos a ele associados através da certificação FSC para manejo florestal, cadeia de custódia e/ou madeira controlada. Favor enviar comentários e sugestões sobre este documento para: FSC International Center - Directors Office - Charles-de-Gaulle Str Bonn, Germany Tel.: Fax:

4 A Escopo Esta Política fornece a posição adotada pelo FSC a respeito de atividades inaceitáveis dos empreendimentos que sejam ou desejem ser associados do FSC e os mecanismos de desassociação. B Data Efetiva A vigorar a contar da aprovação. C Referências Os seguintes documentos de referência são indispensáveis para a aplicação do presente documento. Para referências não datadas, a última edição do documento de referência (inclusive suas alterações) será aplicável. FSC-STD V1-0 EN FSC Sistema de Soluções de Controvérsias FSC-PRO Processamento de Reclamações Formais no Esquema de Certificação FSC FSC-PRO Due diligence e avaliações para associação com o FSC FSC-GUI Diretrizes para os Jurados avaliarem as reclamações contra a Política de Associação D Termos e definições Para fins desta Política, os termos e as definições estabelecidos em FSC-STD Glossário de Termos FSC e os abaixo especificados são aplicáveis: Associação A associação com o FSC é formalmente estabelecida por meio de qualquer das relações abaixo: - Membro ou associado do FSC - Relação contratual através de: Contrato de Credenciamento FSC, Contrato de Licença FSC, Acordo de Cooperação com o FSC, Acordo de Parceria com o FSC. Destruição de elementos de alto valor de conservação Danos significativos aos atributos que constituem altos valores de conservação, de modo que os mesmos deixem de existir ou não possam ser reparados. Conversão Florestal Remoção rápida ou gradual de florestas naturais, seminaturais ou outros ecossistemas arborizados, tais como matas e savanas, para atender a outras necessidades de uso da

5 terra, tais como plantações (ex.: para produção de papel e celulose, óleo de palma ou café), agricultura, pasto, assentamentos urbanos, indústria ou mineração. Esse processo normalmente é irreversível. Conversão significativa A conversão é considerada significativa em qualquer dos seguintes casos: Conversão de Florestas de Alto Valor de Conservação Conversão de mais de 10% das áreas florestais que estejam sob a responsabilidade do empreendimento nos últimos cinco anos Conversão de mais de ha de florestas sob a responsabilidade do empreendimento nos últimos cinco anos OBSERVAÇÃO: O descumprimento do limite de ha não leva à desassociação por si, mas resultará em investigação caso-a-caso por uma Comissão de Jurados independente. Ao julgar o caso, a Comissão irá considerar as circunstâncias locais, a escala da operação e os planos de continuidade da conversão. OBSERVAÇÃO: Para os fins desta política, o estabelecimento de uma infraestrutura auxiliar necessária à implantação dos objetivos do manejo florestal responsável (estradas de terra, trilhas de arraste, áreas de depósito de toras, etc.) não é considerado conversão. Direitos humanos Direitos estabelecidos na Declaração Universal de Direitos Humanos da ONU. Extração Ilegal de Madeira A extração de madeira em violação a quaisquer leis aplicáveis na localidade ou jurisdição, inclusive, entre outras, leis relacionadas com a aquisição de direitos de extração junto ao proprietário legítimo, métodos de extração utilizados e pagamento de todas as taxas e royalties pertinentes. Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho Adotada em 1998, a Declaração obriga os Estados Membros a respeitar e promover princípios e direitos em quatro categorias, independente de os mesmos terem ratificado as Convenções pertinentes. Essas categorias são: liberdade de associação e reconhecimento efetivo do direito à negociação coletiva; a eliminação de trabalhos forçados ou compulsórios, a efetiva abolição do trabalho infantil e a eliminação da discriminação com relação a emprego e ocupação. Para maiores informações, acessar: Envolvimento Envolvimento direto: Situações em que o empreendimento ou indivíduo associado é o principal responsável por atividades inaceitáveis. Envolvimento indireto: Situações em que o empreendimento ou indivíduo associado, com participação mínima ou poder de voto de 51%, está envolvido, na qualidade de

6 empresa controladora ou irmã, subsidiária, acionista ou Conselho de Administração, a um empreendimento diretamente envolvido em atividades inaceitáveis. Envolvimento indireto também inclui atividades realizadas por subcontratados agindo em nome do empreendimento ou indivíduo associado. Direitos tradicionais Direitos resultantes de uma longa série de ações habituais ou de costume, constantemente repetidas, as quais têm, por sua repetição e aquiescência ininterrupta, adquirido a força de lei dentro de uma dada unidade geográfica ou sociológica. Também conhecidos como direitos costumários (Princípios e Critérios do FSC). Também abrangem os direitos dos Povos e Tribos Indígenas, conforme estabelecido na Convenção 169 da OIT. PARTE I - ELEMENTOS DA POLÍTICA Aprovados pelo Conselho de Administração do FSC em sua 51ª Reunião, em julho de O FSC somente permitirá sua associação com empreendimentos que não estejam direta ou indiretamente envolvidos nas seguintes atividades inaceitáveis: a) Corte de madeira ilegal ou comércio de produtos florestais ou madeireiros ilegais b) Violação de direitos tradicionais e humanos em operações na área florestal c) Destruição de altos valores de conservação em operações na área florestal d) Conversão significativa de florestas em plantações ou uso não florestal e) Introdução de organismos geneticamente modificados em operações na área florestal f) Violação de qualquer das Principais Convenções da OIT 1 ¹ Conforme definido na Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho PARTE II - IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA 2 Due Diligence 2.1 Antes de celebrar sua associação com um empreendimento ou indivíduo, o FSC conduzirá um processo de due diligence de acordo com a norma FSC-PRO para avaliar a existência de evidência objetiva de que um empreendimento está direta ou indiretamente envolvido em qualquer das atividades inaceitáveis, conforme relacionado na Parte I, Cláusula 1ª.

7 2.2 O FSC somente irá celebrar uma associação com empreendimentos ou indivíduos que tenham sido aprovados no processo de due diligence para sua avaliação. 3 Investigações das alegações 3.1 Qualquer parte interessada, inclusive o FSC, pode apresentar reclamação formal contra um empreendimento ou indivíduo suspeito de estar envolvido em qualquer das atividades inaceitáveis, conforme relacionado na Parte I, Cláusula 1ª. 3.2 As reclamações podem ser apresentadas e processadas de acordo com os requisitos e regulamentos do Sistema de Soluções de Controvérsias do FSC. 4 Desassociação 4.1 A decisão de se desassociar do FSC somente poderá ser adotada pelo Conselho de Administração do FSC. 4.2 Após a decisão de desassociação, devem ser adotadas medidas para rescindir as relações contratuais com o empreendimento ou indivíduo no prazo de 30 (trinta) dias. 4.3 A decisão de desassociação não é passível de apelação. 4.4 Juntamente com a decisão de desassociação, o Conselho de Administração do FSC poderá especificar o prazo e as condições para renovação da associação com o FSC.

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR-40-005 POR. Forest Stewardship Council

DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR-40-005 POR. Forest Stewardship Council Forest Stewardship Council DIRETIVA DO FSC Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC Última atualização: 15 de Dezembro de 2014 CADEIA DE CUSTÓDIA CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de referência do

Leia mais

VERSÃO FINAL PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL

VERSÃO FINAL PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL NORMA FSC FSC-STD-01-001 V5-0 D5-0 / PORTUGUÊS 1 Princípios e Critérios da FSC para Manejo Florestal PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL 1 Tradução feita pelo Conselho Brasileiro

Leia mais

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT Forest Stewardship Council POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL-20-005 V2-0 PT 2013 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC FSC-STD-40-005 (Versão 2-1) 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos

Leia mais

DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR

DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR DIRETRIZ PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES QUALIFOR HISTÓRICO O Programa QUALIFOR é o programa acreditado pelo FSC do Grupo SGS. A SGS é uma empresa internacional especializada em testes, inspeção

Leia mais

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1 Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais Exemplo 1 Política de compra responsável produtos florestais Esta organização tem compromisso com a compra responsável de produtos florestais.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC 2011 Forest Stewardship Council A.C. Todos os direitos reservados Forest Stewardship Council NORMA FSC PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR Os termos e condições abaixo se aplicam aos benefícios e ferramentas disponibilizados pelo CURRÍCULO AGORA para inclusão

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil O FSC O FSC, Forest Stewardship Council, é uma organização independente, não-governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo. Fundado em 1993 como

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Sustainable Agriculture Network info@san.ag Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação Fazenda São Paulo Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola.

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Secretariado

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil Programa TSP Perguntas Frequentes 1. O que é o programa TSP? O programa TSP (do inglês Trademark Service Provider) foi criado no início de 2011 pelo FSC Internacional e diz respeito ao uso das marcas registradas

Leia mais

PADRÃO INTERNACIONAL FSC

PADRÃO INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 1-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR Forest Stewardship Council DIRETIVA FSC Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia Última atualização: 15 de Agosto de 2014 CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Diretiva para Certificação FSC em Cadeia

Leia mais

PADRÃO FSC. Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de Baixa Intensidade (SLIMF) VERSÃO 3-1

PADRÃO FSC. Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de Baixa Intensidade (SLIMF) VERSÃO 3-1 Forest Stewardship Council PADRÃO FSC Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de FSC-STD-BRA-03-2013 V3-1 PT VERSÃO 3-1 Julho, 2013 Título: Código de referência do documento:

Leia mais

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3 TERMOS DE USO Seja bem-vindo ao Carteira de Pedidos. Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo Carteira de Pedidos, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar ciente de

Leia mais

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes Secretária executiva do FSC, ONG que gerencia a principal certificação de florestas, diz que o desafio agora é ampliar atuação na Mata Atlântica

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC?

Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? Por que escolher ser um pequeno produtor certificado FSC? INTRODUÇÃO AO FSC O que é FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover o manejo responsável

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Cultivo(s): Cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) Data do Resumo Público:

Leia mais

FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA

FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA FOREVER LIVING PRODUCTS BRASIL LTDA. CONTRATO DE CREDENCIAMENTO COM PESSOA JURÍDICA Nome da Sociedade/Empreendedor Independente Pessoa Jurídica: Esta Pessoa Jurídica é uma: Sociedade de Responsabilidade

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Declaração de Apoio Contínuo Amostra

Declaração de Apoio Contínuo Amostra Geral Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: A: Declaração de apoio continuado pelo Diretor Executivo (CEO) Forneça uma declaração do diretor executivo da sua empresa expressando apoio

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

erythropappus) no Brasil (versão 1.0)

erythropappus) no Brasil (versão 1.0) Tipo de documento: Padrão RA Escopo: Brasil Situação do documento: Aprovado Data desta versão: 17 de setembro de 2012 Número da versão: 1.0 Período de consulta: Responsável pela aprovação: Pessoa de contato:

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais

Sustentabilidade. Certificações Ambientais Certificações Ambientais Introdução Cada vez mais, a sociedade exige que as empresas sejam ambientalmente responsáveis. A preocupação por uma correcta conservação do meio ambiente faz com que o mercado

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais

GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais 2011-12-31 União para o BioComércio Ético Em caso de diferencia com a versão original em Inglês, deve consultar esta ultima. GOV25 Condições

Leia mais

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR Forest Stewardship Council DIRETIVA FSC Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia Última atualização: 01 de novembro de 2012 CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Diretiva para Certificação FSC em Cadeia

Leia mais

Termos Gerais & Política de Compras da Fon

Termos Gerais & Política de Compras da Fon Termos Gerais & Política de Compras da Fon Definições Termos e Condições: Termos e Condições para a Venda de Equipamento (doravante denominado TCVE ). Fon Technology, S.L.: A Companhia que fornece ou vende

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 18 de abril de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

PADRÃO FSC. Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras VERSÃO 1-0

PADRÃO FSC. Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras VERSÃO 1-0 Forest Stewardship Council PADRÃO FSC Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras FSC-STD-BRA-01-2014 V1-0 PT VERSÃO 1-0 Abril de 2014

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO*

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* Convenção 151 SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Ambiental. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Ambiental. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Ambiental Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Temos forte atuação na gestão de pleitos perante as agências ambientais e o Ministério

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Ana Paula Grether Consultora da Gerência de Orientações e Práticas de Responsabilidade Social Gerência Executiva de

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra)

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) 1. ACEITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA Esta Ordem de Compra somente será aceita pelo PNUD mediante a assinatura por ambas as partes e fornecimento de acordo

Leia mais

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA A ActivTrades Plc é autorizada e regulada pela Financial Conduct Authority SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA Estes termos suplementares devem ser lidos em conjunto com o Contrato de Cliente da ActivTrades.

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio TERMOS DE USO Gestão eficiente do seu negócio SEJA BEM-VINDO AO SUASVENDAS! Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo SuasVendas, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015

Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015 Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015 Nós da 3M já reconhecemos há muito tempo nossa responsabilidade de preservar os recursos naturais e apoiar o

Leia mais

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL Leia atentamente todos os termos e condições do Contrato de licença (doravante referido como o Contrato ) entre a TOTAL IMMERSION

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS. Decreto n.º 13/2005 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha sobre Protecção Mútua de Matérias Classificadas, assinado em Lisboa em 22 de Dezembro de 2004 Atendendo ao desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam:

À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: 07 de julho de 2014 À Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) REF: Acordo Regional sobre o Princípio 10 As organizações brasileiras que subscrevem esse documento manifestam: Reconhecendo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

PROGRAMA/REFERENCIAL DO CURSO

PROGRAMA/REFERENCIAL DO CURSO Nome do curso Auditores Florestais PEFC e FSC Horário Designação e código UFCD Não aplicável Duração 09.00 às 19.00 horas 10.00 às 18.00 horas 87 horas Formador/a,, Luís Janicas, Paula Salazar, e Modalidade

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ. Y Soft Corporation, a.s.

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ. Y Soft Corporation, a.s. CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ Y Soft Corporation, a.s. N.º de versão do Contrato de Licença do Usuário Final: EULA V 5 Data do início da vigência desta versão do Contrato

Leia mais

Termos e condições de uso da Plataforma de Afirmações Online do FSC para Titulares de Certificados

Termos e condições de uso da Plataforma de Afirmações Online do FSC para Titulares de Certificados Termos e condições de uso da Plataforma de Afirmações Online do FSC para Titulares de Certificados Bem-vindo à Plataforma de Afirmações Online (Online Claims Platform, OCP) do Forest Stewardship Council

Leia mais