POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL V2-0 PT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT"

Transcrição

1 Forest Stewardship Council POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL V2-0 PT 2013 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados.

2 Título: Código de referência do documento: TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL V2-0 PT Data da aprovação: Contato para comentários: 30 Setembro FSC Director General FSC Global Development - Directors Office - Charles-de-Gaulle-Str Bonn, Germany +49-(0) (0) Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho coberta pelos direitos autorais da editora pode ser reproduzida ou copiada de qualquer forma ou por qualquer meio (gráfico, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravações, gravação em fitas ou sistemas de recuperação de informações) sem a permissão por escrito da editora. Taxa de administração anual (AAF) FSC-POL V2-0 PT 30 Setembro 2013 O Forest Stewardship Council (FSC) é uma organização independente, sem fins lucrativos, não-governamental criada para apoiar a gestão ambientalmente adequada, socialmente benéfica e economicamente viável das florestas do mundo. A visão do FSC é que as florestas do mundo atendem os direitos sociais, ecológicos e econômicos e as necessidades da geração presente sem comprometer as das gerações futuras. 2 de 13

3 Conteúdo A B C D E Objetivo Escopo Datas de vigência e validade Referências Termos e definições 3 de 13

4 A Objetivo O objetivo desta Política é descrever os princípios básicos para o estabelecimento da AAF para detentores de certificados FSC e o processo de gestão da AAF para certificadoras acreditadas pelo FSC. B Escopo Esta Política é obrigatória para os detentores de certificados FSC e certificadoras acreditadas pelo FSC. C Datas de vigência e validade Data de aprovação 30 de setembro de 2013 Data de publicação 01 de outubro de 2013 Data de vigência 01 de janeiro de 2014 Período de validade até 31 de dezembro de 2018 (ou até ser substituído ou retirado) D Referências Os seguintes documentos referenciados são relevantes para a aplicação deste documento. Para referências datadas, somente a edição citada se aplica. Para referências não datadas, a última edição do referido documento (incluindo emendas) se aplica. FSC-STD FSC Glossary of Terms FSC-STD Forest Management Evaluations FSC-ADV Labeling Products from Small and Community Producers E Termos e definições Para efeitos deste procedimento, aplicam-se os termos e definições estabelecidos no FSC-STD FSC Glossary of Terms, e os que seguem: Comerciante: Pessoa física ou jurídica que compra e vende madeira e / ou produtos florestais não-madeireiros e que toma posse legal dos bens. Os comerciantes não realizam quaisquer alterações a estes produtos, seja diretamente ou por meio de terceirização. 4 de 13

5 Faturamento: Receita total de uma organização derivada da prestação de bens e serviços, deduzida de descontos comerciais, VAT, e quaisquer outros impostos incidentes sobre tal receita (Dicionário de Negócios, Oxford University Press, 1996). No contexto da Taxa de Administração Anual, o volume de negócios refere-se aos produtos florestais (por exemplo, madeira serrada, painéis aglomerados, papel, produtos florestais não-madeireiros) e aos produtos que contenham componentes de madeira ou fibra. O termo não se refere a outros produtos 100% não-madeireiros (sem fibra) que as empresas possam produzir. O volume de negócios anual refere-se ao ano fiscal mais recentemente concluído. Florestas Naturais para Fins de Conservação: Unidades de Manejo que têm como objetivo de manejo a conservação de florestas naturais, com objetivos de conservação claros, e não comerciais. Nota de aplicabilidade: Esta categoria também pode ser utilizada para o cálculo da AAF no caso de áreas de floresta dentro de Unidades de Manejo que incluam tanto áreas produtivas quanto áreas de conservação, desde que tais áreas sejam excluídas das atividades de colheita comercial no plano de manejo florestal atual e também no planejamento de longo prazo da operação certificada. Florestas tropicais, temperadas, boreais: A definição destes tipos de floresta segue as categorias definidas pelo conjunto de dados de zonas de vida de Holdridge 1. Manejo Florestal Comunitário: Uma unidade de manejo em conformidade com os seguintes critérios de posse e gestão: Posse: O direito legal de gerir a unidade de manejo (por exemplo, título, contrato de arrendamento de longo prazo, concessão) é exercido em nível comunitário, e os membros da comunidade devem ser povos indígenas ou povos tradicionais 2. Manejo: A comunidade ativamente gerencia a unidade de manejo por meio de um esforço organizado (por exemplo, no âmbito de um plano de manejo florestal comunitário) OU a comunidade autoriza o manejo da floresta por outros (por exemplo, gestor de recursos, contratados, empresa de produtos florestais). 1 O conjunto de dados de zonas de vida de Holdridge pertence ao Instituto Internacional para Análise de Sistemas Aplicados (IIASA) em Laxenburg, Áustria. O conjunto de dados mostra as zonas de vida de Holdridge do mundo, uma combinação de tipos (ecológicos) de clima e vegetação, sob as condições climáticas atuais, ou "normais". O sistema tem uma resolução espacial de um grau e meio de latitude / longitude, e um total de 38 classes de zonas de vida. 2 Ver FSC-ADV V1-0 para a aplicabilidade da definição de povos indígenas e povos tradicionais. 5 de 13

6 Na hipótese de a comunidade autorizar o manejo da floresta por outros, o critério 1 E o critério 2 ou 3 devem ser atendidos: Critério 1: A instituição representativa da comunidade tem a responsabilidade legal pelas operações de colheita, E Critério 2: A comunidade realiza as operações de colheita, OU Critério 3: A instituição representativa da comunidade é responsável pelas decisões de manejo florestal, e acompanha e monitora as operações. NOTA: A floresta pode ser tanto localizada em uma floresta comunitária e / ou em lotes individualmente atribuídos, desde que o direito de usar a floresta seja comunitariamente exercido (por exemplo, este é o caso dos ejidos mexicanos, e das reservas de desenvolvimento sustentável brasileiras). Plantação: uma área florestal estabelecida por plantio ou semeadura com a utilização de espécie exótica ou nativa, muitas vezes com uma ou poucas espécies, espaçamentos e até mesmo idades regulares, e que não apresente a maioria das características principais e elementos chave de florestas naturais (adaptado de FSC- STD V5-0). Rescisão: Cancelamento voluntário do contrato de certificação tanto pelo organismo de certificação quanto pelo detentor do certificado, de acordo com as disposições contratuais. Retirada: A remoção pela certificadora da certificação do detentor do certificado. SLIMF: Uma unidade de manejo que seja "pequena" OU gerida com "baixa intensidade", conforme definido no FSC-STD SLIMF Eligibility Criteria. Suspensão: A suspensão temporária por ação administrativa, por parte de um organismo de certificação, da certificação de um detentor de certificado pendente de ação corretiva pelo detentor do certificado, ou da retirada formal da certificação pela certificadora. 6 de 13

7 1. Princípios gerais 1.1 A AAF é uma taxa anual cobrada pelo FSC das certificadoras acreditadas, calculada em uma base "por certificado". 1.2 O objetivo da AAF é dar suporte às operações centrais do sistema FSC, tanto em nível nacional quanto internacional, incluindo, entre outros: a) Mecanismos de governança do FSC envolvendo múltiplas partes interessadas; b) Desenvolvimento de políticas e padrões; c) Atividades de marketing e desenvolvimento de mercado; d) Proteção da marca; e) Comunicação e divulgação de informações; f) Estruturas de apoio descentralizadas em países ou regiões chave. 1.3 As certificadoras devem identificar a AAF em suas faturas para os detentores de certificados. 1.4 A Política de AAF será revisada anualmente (em cada ano calendário) e, se necessário, revisada para manter a consistência com qualquer nova estratégia e / ou política do FSC, ou para considerar a inflação. 2 Cálculo da AAF para certificados de Manejo Florestal (FM), Manejo Florestal/Cadeia de Custódia (FM/CoC) e Madeira Controlada (CW/FM) 2.1 O cálculo da AAF para certificados de FM, FM/CoC e CW/FM utiliza sete categorias diferentes que refletem o tipo de floresta 3, os objetivos do manejo, produtividade e escala. Uma taxa fixa de US$ 10 é gerada por cada certificado e uma taxa adicional por hectare é calculada em cima dessa taxa (ver Tabela 1). Taxas diferentes por hectare são aplicadas às diferentes categorias de manejo florestal. Certificados totalmente qualificados como SLIMF ou Manejo Florestal Comunitário são totalmente gratuitos, ou seja, suas áreas não devem ser incluídas no cálculo por ha e a taxa fixa por certificado não deverá ser aplicada. 3 A categoria de manejo florestal relevante para cada operação florestal certificada precisa ser determinada e cada certificado precisa ser classificado em uma destas categorias, pelas certificadoras. Veja a Seção E acima, para obter mais informações sobre as definições. 7 de 13

8 Tabela 1: AAF para certificados de FM, FM/CoC e CW/FM Categorias de Manejo Florestal Taxa por Hectare (US$) SLIMF zero Floresta Natural - Manejo Florestal Comunitário zero Floresta Natural - Fins de conservação $ 0,0001 Floresta Natural - Tropical $ 0,0020 Floresta Natural - Boreal $ 0,0035 Floresta Natural - Temperada $ 0,0045 Plantações $ 0, Instalações de processamento primário ou secundário associadas a uma empresa de manejo florestal exigem um certificado CoC separado, se as condições dispostas na Seção 1.5 do FSC-STD V3 0 forem atendidas. Neste caso, será calculada uma AAF separada para a unidade de processamento de acordo com a estrutura de taxas CoC na Seção 3 abaixo. 2.3 Para o cálculo da AAF, as certificadoras podem considerar as áreas de conservação florestal que fazem parte de unidades de manejo maiores, na categoria "Florestas Naturais - fins de conservação". As áreas produtivas de tais unidades de manejo sob uso econômico e / ou comercial serão incluídas na categoria AAF por tipo de floresta relevante. 2.4 Certificados de manejo florestal de grupo serão cobrados uma taxa fixa de US$ 10,00 por membro do grupo e uma taxa por hectare adicional com base na soma das AAF individuais calculadas para cada membro do grupo de acordo com sua categoria correspondente. Certificados de membros do grupo que se classifiquem como SLIMF ou Manejo Florestal Comunitário são totalmente gratuitos, ou seja, suas áreas não devem ser incluídas no cálculo por ha e nenhuma taxa por membro deverá ser aplicada. 3 Cálculo da AAF para Cadeia de Custódia (CoC) 3.1 O cálculo da AAF para certificados COC foi desenvolvido utilizando 11 categorias diferentes 4 e baseia-se no volume financeiro de negócios anual de todos os produtos certificados e não certificados que contenham madeira ou componentes de fibra de madeira, de cada detentor de certificado. Para os efeitos desta Política, o volume de negócios anual refere-se ao ano fiscal mais recentemente concluído. 3.2 Estrutura de taxas CoC para empresas de processamento 4 As Classes de Taxa 10 e 10 + entrarão em vigor a partir de 01 de janeiro de 2015.Até então, a Classe 9 irá representar a Classe mais alta, sem limite máximo. 8 de 13

9 3.2.1 Para certificados CoC individuais e de múltiplas localidades, a taxa será calculada para cada categoria (ver Tabela 2) com base no faturamento anual agregado das localidades incluídas no âmbito do certificado. O cálculo da AAF para múltiplas localidades (coluna 4) deverá independer da semelhança ou diferença entre as atividades realizadas nos diferentes locais no âmbito do certificado. Tabela 2: AAF para certificados CoC individual e múltiplas localidades e comerciantes (em US$) Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Coluna 4 Coluna 5 Coluna 6 Comerciante Volume Anual de COC Múltiplas Comerciante Múltiplas Classe Negócios COC Individual Localidades Individual Localidades Classe 1 < $65 $65 $25 $25 Classe $270 $270 $100 $100 Classe 3 > 1-5 Milhões $530 $530 $200 $300 Classe 4 > 5-25 Milhões $1.070 $1.070 $400 $400 Classe 5 > Milhões $1.880 $1.880 $670 $670 Classe 6 > Milhões $4.000 $4.700 $1.000 $1.000 Classe 7 > Milhões $6.700 $ $2.000 $2.000 Classe 8 > Milhões $9.400 $ $4.000 $4.250 Classe 9 > Milhões $ $ $5.000 $6.000 Classe 10 > Milhões $ $ $7.000 $8.000 Classe 10+ > Milhões $ $ $ $ NOTA: As Classes de Taxa 10 e 10 + entrarão em vigor a partir de 01 de janeiro de Até lá, a Classe 9 irá representar a Classe mais alta, sem limite máximo Para certificados CoC de grupo, uma taxa fixa de US$ 20,00 será cobrada de cada membro do grupo, além de uma taxa geral correspondente ao volume de negócios anual agregado de todos os membros, conforme calculado para certificados COC individual na Coluna 3 (ver Tabela 2). 3.3 Estrutura de taxas CoC para comerciantes 9 de 13

10 3.3.1 A AAF para Comerciantes leva em conta que esta categoria de empresas pode ter um alto volume de negócios em relação a sua margem de lucro. Somente as operações que não realizam quaisquer alterações aos produtos comercializados, seja diretamente ou por meio de terceirização, são elegíveis para esta categoria. A coluna 5 da Tabela 2 apresenta as taxas dos certificados de Comerciantes individuais. A AAF para os comerciantes com certificado de múltipla localidade (multi-site) deve ser calculada com base no volume de negócios anual agregado das localidades incluídas no âmbito do certificado, através da aplicação da taxa na Coluna Estrutura de taxa CoC para certificado de projetos A AAF relacionada à certificação de projetos deve ser calculada como 0,01% (um centésimo de 1%) do custo total do projeto. 3.5 Estrutura de taxa CoC para detentores de certificados que não possuam um volume de negócios anual proveniente de produtos florestais e produtos que contenham componentes de madeira ou fibra Detentores de certificados CoC que comercializam ou produzem material ou produtos certificados, mas não os vendem, por exemplo, entrega grátis de catálogos certificados, embalagens certificadas para produtos que vendem, etc. não possuem um volume de negócios anual de produtos florestais e produtos que contenham madeira ou componentes de fibra, para basear o cálculo da AAF de acordo com a Seção 3.1. A AAF referente a tais detentores de certificado deverá seguir a mesma estrutura de taxas aplicada aos comerciantes de múltiplas localidades (Tabela 2, Coluna 6). A AAF é calculada com base no custo geral anual de compra de material e produtos certificados, em vez do volume de negócios anual de produtos florestais e produtos que contenham componentes de madeira ou fibra. 4 Gestão da AAF 4.1 A certificadora será responsável por fornecer ao FSC a informação relacionada aos seus certificados e a classe AAF associada, e deverá preencher os campos apropriados no banco de dados de certificados do FSC. A AAF deverá ser atualizada no banco de dados do FSC em uma base anual e com base na auditoria anual do detentor de certificado realizada pela certificadora. 10 de 13

11 4.2 A AAF será calculada automaticamente a partir do banco de dados do FSC utilizando a informação fornecida pelas certificadoras. O banco de dados está configurado de tal forma, que não é possível para o administrador da certificadora fechar a página, a menos que os campos relevantes da AAF tenham sido preenchidos. 4.3 O FSC enviará a fatura correspondente à AAF em uma base trimestral, conforme especificado na Tabela 3 (abaixo). As faturas da AAF terão o prazo de pagamento de dois meses a contar da data da fatura. Pagamentos vencidos da fatura da AAF estarão sujeitos a juros a partir da data de vencimento da fatura, à uma taxa de 1% ao mês. Faturas pagas dentro de seus prazos receberão um desconto de 2% e faturas pagas dentro do mesmo mês da fatura receberão um desconto de 5% para pagamento antecipado. Tabela 3: Cronograma de pagamento da AAF e descontos Trimestre Data da fatura 5% de desconto para pagamento até 2% de desconto para pagamento até 1 01 de fevereiro Final de fevereiro Final de março 2 01 de maio Final de maio Final de junho 3 01 de agosto Final de agosto Final de setembro 4 01 de novembro Final de novembro Final de dezembro Nota: Se uma fatura tiver de ser revisada devido a um erro cometido pelo FSC, a nova data da fatura revisada deverá definir a elegibilidade para um desconto. 4.4 As faturas AAF serão calculadas numa base trimestral, levando em conta a informação relativa à AAF disponível no banco de dados do FSC nas datas de determinação especificadas na Tabela 4 (ou no dia útil seguinte), e dividindo o resultado final por quatro. O cálculo trimestral permitirá que a AAF para cada trimestre seja ajustada com base apenas em rescisões ou saques e transferências (ver Seção 4.10), bem como novos certificados. As faturas AAF são baseadas nas informações referentes à AAF disponíveis no banco de dados do FSC para o ano calendário anterior, de tal forma que as atualizações feitas no ano calendário em curso não afetam a fatura AAF. Por esta razão, as certificadoras são obrigadas a fazer todas as alterações a informações referentes à AAF de detentores de certificado existentes antes da data de corte de 31 de dezembro do ano anterior. Tabela 4: Cronograma de pagamento de AAF e descontos 11 de 13

12 Trimestre Data de determinação 1 01 de janeiro 2 01 de abril 3 01 de julho 4 01 de outubro 4.5 As certificadoras são fortemente encorajados a incorporar a AAF em seus próprios sistemas, a fim de minimizar os custos administrativos. 4.6 As certificadoras são responsáveis por pagar todas as taxas calculadas pela Política AAF dentro dos prazos descritos acima. O pagamento da AAF ao FSC independe das arrecadações realizadas pelas certificadoras. As certificadoras são responsáveis por suas próprias modalidades de arrecadação e cobrança, independentemente do FSC e da AAF. A falha por parte de uma certificadora em cobrar taxas de seus clientes não constitui uma razão válida para o atraso no pagamento da AAF. 4.7 Se as certificadoras estiverem enviando faturas a seus detentores de certificados em outra moeda que não o dólar, os mesmos deverão aplicar a taxa de conversão vigente na respectiva data de emissão da fatura ou da proposta de serviço. Recomenda-se que as certificadoras utilizem o conversor de moedas fornecido por OANDA ( para este cálculo. Um encargo de até 4% para contabilizar os custos de conversão de moeda também poderá ser incluído. 4.8 Um certificado suspenso é considerado válido e, portanto, sujeito ao pagamento da AAF. Exceção: Um certificado que tenha sido suspenso devido à ausência de um "Contrato de Licença para o Sistema de Certificação do FSC" válido não estará mais sujeito à AAF. 4.9 Um detentor de certificado não deverá ser cobrado da AAF nem parte da AAF para o ano em que o certificado tenha sido retirado e/ou rescindido. A certificadora responsável deverá ser reembolsada pelo FSC Global Development, no montante correspondente à AAF que tenha sido paga em nome do detentor de certificado até a data da retirada e / ou rescisão do certificado Quando um certificado ativo (ou seja, um certificado que não está suspenso, revogado, rescindido ou expirado) for transferido de uma certificadora para outra, então a certificadora que assumir o certificado será responsável por determinar e recolher a AAF anual correspondente do detentor de tal certificado. A certificadora anterior deverá 12 de 13

13 reembolsar (o detentor do certificado) no montante correspondente à AAF arrecadado para o FSC que ainda não tenha sido pago em nome do detentor do certificado, por exemplo: no caso de quatro trimestres arrecadados, mas cobrado por apenas 2 trimestres a menos que a data de transferência se dê após a data de corte, reembolsar ao detentor do certificado o montante correspondente a dois trimestres de AAF. A certificadora anterior deverá ser reembolsada pelo FSC Global Development do valor da AAF que pagou em nome do detentor do certificado até a data de transferência do certificado. 13 de 13

Taxa de Administração Anual (AAF) FSC-POL-20-005 V2-4 PT

Taxa de Administração Anual (AAF) FSC-POL-20-005 V2-4 PT Taxa de Administração Anual (AAF) Título: Código de referência do documento: Taxa de Administração Anual (AAF) Aprovação: Diretor Geral do FSC Contato para comentários: FSC Global Development - Directors

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

PADRÃO INTERNACIONAL FSC

PADRÃO INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 1-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia de Seguros,

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Nota: A HPE vai empregar esforços razoáveis para enviar um aviso de cancelamento de qualquer Serviço de Solução de Aprendizagem, mas

Leia mais

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC 2011 Forest Stewardship Council A.C. Todos os direitos reservados Forest Stewardship Council NORMA FSC PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto

Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto Cadeia de Responsabilidade: Certificação de Grupo e de Projeto A Certificação da CdR Sistema de Certificação Florestal Sustentável: Baseado no conceito de Sustentabilidade, em que um proprietário, um gestor

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC Guia passo a passo Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC INTRODUÇÃO AO FSC O que é o FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE

REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE REGULAMENTO PROMOÇÃO: PREVER DÁ SORTE DADOS DA PROMOTORA DA PROMOÇÃO PREVER SERVIÇOS POSTUMOS LTDA Rua Dr. Saulo Porto Virmond, 223 Sala 01 Chácara Paulista / Maringá/PR CEP: 87005-090 CNPJ: 02.995.385/0001-08

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A ROSETTA STONE: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante designado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS ATENÇÃO: Ao selecionar a opção Eu aceito os termos de licença e uso do BomBirô

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 2-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO Pelo presente instrumento, de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62, com sede na Av. Engenheiro Luiz Carlos

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA

CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA 1. DAS PARTES NEODEL TECNOLOGIA E SOFTWARE LTDA, com sede à Rua Alvorada, no. 64 Conjunto 42, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São Paulo, SP, Cep: 04550-000,

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES ÍNDICE 1 Objetivo e campo de aplicação 2 2 Definições 2 3 Referências bibliográficas 2 4 Introdução 2 5 Disposições gerais 2 6 Tabela de Preços para Acreditação de Laboratórios 4 7 Tabela de Preços para

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Janeiro de 2007 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 2. CADASTRO DE PARTICIPANTES...

Leia mais

II. Celebração do contrato, as partes contratantes, limitações contratuais de responsabilidade e prescrição

II. Celebração do contrato, as partes contratantes, limitações contratuais de responsabilidade e prescrição Termos e condições gerais I. Âmbito de aplicação 1. Os seguintes termos e condições aplicam-se a qualquer uso de aluguer de quartos de hotel para alojamento, bem como todos os outros serviços e entregas

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, 29.8.2014 L 258/11 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 29 de julho de 2014 relativa a medidas respeitantes às operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (BCE/2014/34) (2014/541/UE) O CONSELHO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Auditoria Financeira

Auditoria Financeira Auditoria Financeira Processo de Uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O projeto BK Energia Itacoatiara contribui para a sustentabilidade

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO PIC Condições Gerais Cia Itaú de Capitalização GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE 1. Concessão da Licença: 2.1 - A LICENCIANTE, neste ato e pela melhor forma de direito, outorga ao LICENCIADO uma licença de uso, em caráter não exclusivo e intransferível,

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM")

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (última revisão em 25 de agosto de 2014) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM") Acesso simples

Leia mais

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis Derivativos de Balcão Opções Flexíveis Opções Flexíveis Proteção contra a volatilidade de preços O produto Opção flexível é um contrato em que o titular tem direito, mas não obrigação, de comprar (ou vender)

Leia mais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais

Critério para Comerciantes Mudanças Principais Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade Critério para Comerciantes Mudanças Principais O Critério para Comerciantes do Comércio Justo Fairtrade revisado é o resultado do projeto de revisão

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Smiles Banco do Brasil S.A. Pessoas Físicas Correntistas e Não-Correntistas Características do Cartão de Crédito Smiles

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova os Pronunciamentos Técnicos CPC 38, 39 e 40, do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que tratam do reconhecimento e mensuração, da apresentação e da evidenciação de instrumentos financeiros. A PRESIDENTE

Leia mais

DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL. Termos e Condições de Venda

DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL. Termos e Condições de Venda DEVOXX4KIDS SÃO PAULO - BRASIL Termos e Condições de Venda A Globalcode Treinamentos, organizadora do Devoxx4Kids São Paulo Brasil, regula a realização de inscrição e pagamento online, para as edições

Leia mais

Gen Ex ERON CARLOS MARQUES Secretário de Economia e Finanças

Gen Ex ERON CARLOS MARQUES Secretário de Economia e Finanças MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS PORTARIA N o 046 - SEF, DE 01 DE JULHO DE 2005. Estabelece Normas Complementares para Consignação de Descontos em Folha de Pagamento.

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /..DA COMISSÃO

ANEXO REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /..DA COMISSÃO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 8.10.2014 C(2014) 7117 final ANNEX 1 ANEXO REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /..DA COMISSÃO que completa a Diretiva 2013/36/UE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito

Leia mais

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação Texto consolidado da Convenção Internacional sobre a Limitação de Responsabilidade Relativa às Reclamações Marítimas, 1976, como emendada pela Resolução LEG.5(99), adotada em 19 Abril 2012 OS ESTADOS PARTE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Visão geral dos Termos e Condições Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Este contrato ( Contrato ou Descrição do Serviço ) é firmado entre o cliente ( você ou Cliente ) e a entidade Dell identificada

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Os contratos de mútuo, comumente realizados entre pessoas físicas e jurídicas, serão tributados, na fonte, pelo Imposto de Renda e pelo Imposto sobre

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC FSC-STD-40-005 (Versão 2-1) 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Vegetais de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.1 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Chevrolet Card de uso doméstico e/ou

Leia mais

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1)

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1) Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos () Março - 2014 Índice Título do documento 1. Auditoria de Movimentos (ECM) Introdução:... 3 2. Grupos de Usuário (ECM):... 3 3. Colaboradores... 4 4. Configuração

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais