normas de apresentação de projetos sumário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "normas de apresentação de projetos sumário"

Transcrição

1 sumário 1. ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS DE ESTRUTURA 2 INFRAESTRUTURA 2 Considerações 2 Fundação Direta 2 Fundações Profundas 2 Muros de Arrimo e Contenções 3 SUPERESTRUTURA EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO 3 Considerações 3 Lajes 3 Cargas Permanentes e Acidentais 4 Características do Concreto Estrutural 5 Características do Aço Estrutural 5 Cobrimentos Mínimos das Armaduras 5 SUPERESTRUTURA EM PRÉ-FABRICADOS CONCRETO 6 Considerações 6 Lajes 6 Cargas Permanentes e Acidentais 6 Características do Concreto Estrutural 7 Características do Aço Estrutural 7 Cobrimentos Mínimos das Armaduras 8 Solidarização das Ligações 8 Processamento da 9 Dimensões Estimadas das Peças Pré-moldadas 9 Fechamentos 9 SUPERESTRUTURA EM PRÉ-FABRICADOS AÇO 10 Considerações 10 Lajes 10 Cargas Permanentes e Acidentais 10 Características do Concreto Estrutural 11 Características do Aço Estrutural 11 Cobrimentos Mínimos das Armaduras 12 Ligações / conexões 12 Proteção passiva das s metálicas 13 ESTRUTURAS DE MADEIRA 13 Considerações 13 Cargas Permanentes e Acidentais 13 Tipos de madeira a serem utilizadas e Características 13 Ligações e apoios ANTEPROJETO 14 Considerações 14 PRODUTOS GRÁFICOS 14 APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS GRÁFICOS 14 INFORMAÇÕES DOS PRODUTOS GRÁFICOS 14 Locação das Fundações 14 Fôrmas das Fundações 14 Fôrmas dos Pavimentos e Coberturas 15 Fôrmas dos Muros de Arrimo e Contenções 15 ANÁLISE E LIBERAÇÃO DO ANTEPROJETO PROJETO EXECUTIVO 16 Considerações 16 PRODUTOS GRÁFICOS 16 APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS GRÁFICOS 16 INFORMAÇÕES DOS PRODUTOS GRÁFICOS 16 Locação das Fundações e dos Pilares 16 Fôrmas das Fundações 16 Fôrmas dos Pavimentos e Coberturas 17 Fôrmas dos Muros de Arrimo e Contenções 17 Estruturas Complementares - Metálicas / Madeira (telhados, escadas, brises) 17 Armações Fundações, Pavimentos, Coberturas e Arrimos / Contenções 17 Memória de Cálculo 17 Relação de Documentos Entregues 17 ANÁLISE E LIBERAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO 17 ANEXOS I a VIII 1

2 elementos para o desenvolvimento dos projetos de CONSIDERAÇÕES INFRAESTRUTURA A escolha do tipo de fundação e demais parâmetros que sejam necessários para o desenvolvimento do projeto devem ser feitas por especialista em solos, através de Parecer Técnico elaborado com base nas características do subsolo obtidas por sondagens do terreno e em função do entorno onde será implantada a Unidade Escolar. As cotas das faces superiores dos blocos e baldrames, 30 cm abaixo do piso acabado ou de acordo com as determinações do projeto de Hidráulica e Parecer Técnico de solos. Sempre que possível utilizar largura mínima para vigas baldrames de 20 cm, em função do cobrimento das armaduras. No caso de piso do em contato com solo, utilizar laje maciça. Para as áreas molhadas, compatibilizar com hidráulica, providenciando rebaixos necessários para passagem das tubulações. Para s pré-fabricadas de concreto, recomendamos comprimento de embutimento nos cálices dos blocos de fundação de 2 vezes a maior dimensão do pilar ou utilização de ranhuras nas paredes do pilar / cálice, permitindo a redução do comprimento conforme norma ABNT NBR Prever mais 3 cm para regularização. As paredes do cálice acima do corpo do bloco devem ter no mínimo 15 cm de espessura. Ver ANEXO 01. Adotar o mesmo RN utilizado para o levantamento topográfico e o projeto de arquitetura. FUNDAÇÃO DIRETA Tipos utilizados: sapatas isoladas, sapatas corridas e radier. Deverão ser dimensionadas em função das tensões máximas a serem aplicadas ao solo, constantes no Parecer Técnico de solos. As cotas de assentamento previstas no parecer devem ser confirmadas em obra por engenheiro especialista em solos e fundações. FUNDAÇÕES PROFUNDAS Tipos utilizados: Brocas de concreto (ficha de serviço S1) Estaca escavada mecanicamente (ficha de serviço S2) Estaca de reação para recuperação (ficha de serviço S3) Estaca Strauss (ficha de serviço S4) Estaca pré-moldada de concreto (ficha de serviço S5) Tubulão a céu aberto (ficha de serviço S6) Estaca raiz (ficha de serviço S7) Estaca tipo Hélice contínua (ficha de serviço S8) Para fundações em estacas ou brocas, os blocos de coroamento deverão estar travados em duas direções, exceto para apoio de baldrames ( quebra de vãos ). 2

3 elementos para o desenvolvimento dos projetos de Considerar as cotas de arrasamento 5 cm acima da face inferior dos blocos para brocas e estacas e 10 cm para tubulões. Os comprimentos das estacas e as cotas de assentamento dos tubulões e sapatas previstas no parecer devem ser confirmadas em obra por engenheiro especialista em solos e fundações. Espaçamento mínimo entre eixos de estacas: 3 vezes o diâmetro para estaca moldada in loco ; 2,5 vezes o diâmetro para estacas pré-moldadas ou de acordo com o parecer técnico. MUROS DE ARRIMO E CONTENÇÕES Tipos utilizados: mista (concreto e alvenaria armada) ate 2 metros de altura em concreto muros de gravidade especiais quando não for possível utilizar nenhuma das soluções anteriores. O tipo de fundação deve ser definido no Parecer Técnico de Solos. Prever eficiente sistema de drenagem de modo a evitar possíveis elevações de empuxo. As fundações da de contenção devem limitar-se às divisas do terreno. CONSIDERAÇÕES SUPERESTRUTURA EM CONCRETO MOLDADO IN LOCO Conjunto de elementos, tais como, pilares, vigas, lajes, em concreto armado moldado no local, destinados a manter a rigidez e estabilidade da edificação. Para as s com extensão acima de 30m, recomenda-se a previsão de junta de dilatação. Optar por sistema l independente das paredes. Alvenaria auto portante somente em casos especiais. Adotar largura mínima de 15 cm para vigas, pilares e paredes de concreto. LAJES Elemento l utilizado para pisos ou forros, apoiado geralmente em vigas. Utilizar preferencialmente vãos de 7,2m. Tipos utilizados: Laje mista com vigotas de concreto pré- moldado convencional (ficha de serviço S7) Laje pré-fabricada unidirecional com vigotas protendidas (ficha de serviço S8) Laje pré-fabricada unidirecional com vigotas treliçadas (ficha de serviço S9) Laje pré-fabricada pré-laje treliçada (ficha de serviço S11) Laje em concreto armado moldada in-loco para pisos em contato com solo e lajes de cobertura impermeabilizadas, sem utilização de telhados. 3

4 elementos para o desenvolvimento dos projetos de CARGAS PERMANENTES E ACIDENTAIS Cargas permanentes a serem consideradas acabamentos de piso, conforme definidos no projeto arquitetônico; impermeabilizações, conforme projeto próprio; alvenarias, conforme definidas no projeto arquitetônico; isolamento acústico e piso das quadras, conforme projeto arquitetônico e Componente FDE QE 28 / QE 31 - ver detalhes no ANEXO 06. concreto armado = 25 KN/m³ (250kg/m³) revestimento de piso = conforme material especificado em projeto paredes/ tipo com revestimento (kg/m²) sem revestimento (kg/m²) tijolo barro comum (um tijolo) 411,0 351,0 tijolo barro comum (½ tijolo) 245,4 185,4 tijolo cerâmico 8 furos (um tijolo) 240,2 180,2 tijolo cerâmico 8 furos (1/2 tijolo) 150,2 90,2 tijolo laminado (1/2 tijolo) 186,0 156,0 bloco de concreto (9x19x39 cm) 170,5 125,5 bloco de concreto (14x19x39cm) 203,5 158,5 bloco de concreto (19x19x39cm) 245,0 200,0 bloco cerâmico (9x19x39cm) 114,5 84,5 bloco cerâmico (14x19x39cm) 139,7 109,7 bloco cerâmico (19x19x39cm) 172,5 142,5 bloco cerâmico (11,5x19x39cm) 126,0 96,0 Foram consideradas as seguintes argamassas de revestimento: tijolo comum: chapisco, emboço, reboco (60 kg/m2); tijolo cerâmico: chapisco, emboço, reboco (60 kg/m2); tijolo laminado: chapisco, emboço, reboco (30 kg/m2, para apenas 1 face); bloco de concreto: emboço e reboco (45 kg/m2); bloco cerâmico: chapisco, emboço, reboco (30 kg/m2, para apenas 1 face). Pesos das argamassas, para cada face de parede: chapisco: emboço: reboco: 7,5 kg/m2 15 kg/m2 7,5 kg/m2 4

5 elementos para o desenvolvimento dos projetos de Cargas acidentais a serem consideradas Vento: Conforme NBR 6123 Sobrecargas: Ambiente Almoxarifado, depósito pedagógico, despensa da cozinha, quadra de esportes, sala de leitura e sala de uso múltiplo Galpão, refeitório, despensa da cantina, depósito de educação física Sala de aula e reforço, depósito de material de limpeza, circulações, cozinha e grêmio Ambientes administrativos, zeladoria, cantina, sanitários e vestiários Coberturas q = 5 KN/m² (500 kgf/m²) q = 4 KN/m² (400 kgf/m²) q = 3 KN/m² (300 kgf/m²) q = 2 KN/m² (200 kgf/m²) q = 0,5 KN/m² (50 kgf/m²) CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAL Valores mínimos a serem adotados para a resistência característica à compressão fck: no litoral: 30 Mpa (C30) em região urbana e rural: 25 Mpa (C25) em pólos industriais: 30 Mpa (C30) Verificar NBR-6118, em função da classe de agressividade ambiental Qualquer concreto com resistência inferior a 20 MPa não será considerado l, devendo atender às condições específicas para as aplicações correspondentes (pisos, lastros, etc.) Consumo mínimo de cimento: 350 kg de cimento / m3 de concreto preparado em obra ou grout 300 kg de cimento / m3 de concreto dosado em central Fator água / cimento máximo: 0,60 l / kg para concreto preparado em obra ou dosado em central (>= C25) CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL Tipos de Aço utilizados: Aço CA-50 (barras) Aço CA-60 (telas e barras) COBRIMENTOS MÍNIMOS DAS ARMADURAS em região urbana e rural: Infra- C 3,0 cm Super-: Laje C 2,0 cm Viga / Pilar C 2,5 cm em pólos industriais e litoral: Infra- C 3,0 cm (em meio fortemente agressivo C 4,0 cm) Super-: Laje C 2,5 cm Viga / Pilar C 3,0 cm em meios fortemente agressivos: Infra- C 4,0 cm Super-: Laje C 3,5 cm Viga / Pilar C 4,0 cm 5

6 elementos para o desenvolvimento dos projetos de CONSIDERAÇÕES SUPERESTRUTURA EM PRÉ-FABRICADOS CONCRETO Estas Especificações têm como objetivo definir as condições mínimas exigíveis para o projeto das s em concreto pré-moldado. LAJES As lajes serão do tipo pré-fabricada, painel alveolar de concreto protendido (ficha de serviço S10) CARGAS PERMANENTES E ACIDENTAIS Cargas permanentes a serem consideradas: capeamento 5 cm; acabamentos de piso, conforme definidos no projeto arquitetônico; impermeabilizações, conforme projeto próprio; alvenarias, conforme definidas no projeto arquitetônico; isolamento acústico e piso das quadras, conforme projeto arquitetônico e Componente FDE QE 28 / QE 31. Ver detalhes no ANEXO 06. concreto armado = 25 KN/m³ (250kg/m³) revestimento de piso = conforme material especificado em projeto caixilhos = 1 KN/m² (100kg/m²) paredes/ tipo com revestimento (kg/m2) sem revestimento (kg/m2) tijolo barro comum (um tijolo) 411,0 351,0 tijolo barro comum (½ tijolo) 245,4 185,4 tijolo cerâmico 8 furos (um tijolo) 240,2 180,2 tijolo cerâmico 8 furos (1/2 tijolo) 150,2 90,2 tijolo laminado (1/2 tijolo) 186,0 156,0 bloco de concreto (9x19x39 cm) 170,5 125,5 bloco de concreto (14x19x39cm) 203,5 158,5 bloco de concreto (19x19x39cm) 245,0 200,0 bloco cerâmico (9x19x39cm) 114,5 84,5 bloco cerâmico (14x19x39cm) 139,7 109,7 bloco cerâmico (19x19x39cm) 172,5 142,5 bloco cerâmico (11,5x19x39cm) 126,0 96,0 6

7 elementos para o desenvolvimento dos projetos de Foram consideradas as seguintes argamassas de revestimento: tijolo comum: chapisco, emboço, reboco (60 kg/m2); tijolo cerâmico: chapisco, emboço, reboco (60 kg/m2); tijolo laminado: chapisco, emboço, reboco (30 kg/m2, para apenas 1 face); bloco de concreto: emboço e reboco (45 kg/m2); bloco cerâmico: chapisco, emboço, reboco (30 kg/m2, para apenas 1 face). Pesos das argamassas, para cada face de parede: chapisco: emboço: reboco: 7,5 kg/m2 15 kg/m2 7,5 kg/m2 Cargas acidentais a serem consideradas: vento: Conforme NBR 6123 efeitos de variações volumétricas sobrecargas: Ambiente Almoxarifado, depósito pedagógico, despensa da cozinha, quadra de esportes, sala de leitura e sala de uso múltiplo Galpão, refeitório, despensa da cantina, depósito de educação física Sala de aula e reforço, depósito de material de limpeza, circulações, cozinha e grêmio Ambientes administrativos, zeladoria, cantina, sanitários e vestiários Coberturas q = 5 KN/m² (500kgf/m²) q = 4 KN/m² (400 kgf/m²) q = 3 KN/m² (300 kgf/m²) q = 2 KN/m² (200 kgf/m²) q = 0,5 KN/m² (50 kgf/m²) CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAL CONCRETO PRÉ-MOLDADO C40 fck 40 MPa, Ecs 30 GPa fckj 25 MPa (peças protendidas), Ecs 23,8 GPa fckj 15 MPa (peças armadas), Ecs 18,4 GPa CONCRETO MOLDADO NO LOCAL C25 fck 25 MPa, Ecs 23,8 GPa fckj 15 MPa, Ecs 18,4 GPa CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL ARMADURA ATIVA Aço CP-175 RB ou CP-190 RB 7

8 elementos para o desenvolvimento dos projetos de ARMADURA PASSIVA: Aço CA-50 (barras) Aço CA-60 (telas) PEÇAS EMBUTIDAS: Peças embutidas, não aparentes: Aços NBR 7007 MR250 (ASTM A36) Peças embutidas, aparentes: Aços resistentes à oxidação, tipo o NBR 5008 CGR 400 (ASTM A242) o NBR 7007 AR350 COR (ASTM A588) o e equivalentes de igual desempenho técnico Luvas de aço rosqueadas, cilíndricas, tipo direita/esquerda, para emendas de barras de aço, com resistência compatível à da barra a ser emendada. COBRIMENTOS MÍNIMOS DAS ARMADURAS Cobrimentos das armaduras para obras em cidades não litorâneas: C C 2,5 cm (vigas e pilares) 2,0 cm (lajes alveolares) Cobrimentos das armaduras para obras em pólos industriais e litoral: C C 3,0 cm (vigas e pilares) 2,5 cm (lajes alveolares) Cobrimentos das armaduras para obras em meios fortemente agressivos: C C 3,5 cm (vigas e pilares) 4,0 cm (lajes alveolares) SOLIDARIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES Pilares / blocos de fundação: Engastamento através de embutimento do pilar em cálice deixado no bloco de fundação. Concreto de enchimento com fck >= 25 MPa ou graute. Vigas apoio de piso e vigas de travamento / pilares: Devem ser garantidas ligações solidarizadas: ao nível da laje com luvas embutidas nos pilares e /ou furos passantes nos pilares intermediários, preenchidos com grout para garantir total aderência. 8

9 elementos para o desenvolvimento dos projetos de consolos dos pilares / dente gerber das vigas com chapas embutidas (insertos) em ambos os elementos, soldadas apos a montagem. Ver detalhes nos ANEXOS 02 e 03. Vigas de cobertura / pilares: Apoio sobre aparelhos de neoprene e pinos a serem dimensionados para resistir aos momentos volventes (tombamento). Ver detalhes nos ANEXOS 04 e 05. Projetos específicos de ção que garantam a estabilidade das paredes. Juntas de dilatação Para as s com extensão acima de 50m (8 módulos de 7,20m) é recomendável a previsão de juntas de dilatação PROCESSAMENTO DA ESTRUTURA Para o dimensionamento das armaduras deverá ser considerada a envoltória obtida através do processamento da em duas fases: 1ª. fase: isostática, processada com os carregamentos correspondentes ao peso próprio e sobrecarga de montagem 2ª. fase: hiperestática, solidarizada, processada com os carregamentos acidentais, paredes e revestimentos. DIMENSÕES ESTIMADAS DAS PEÇAS PRÉ-MOLDADAS Pilares: Fachadas: 30 x 60 Internos: 30 x 30 (até 1 pavimento) 30 x 45 (até 2 pavimentos) 30 x 60 (até 3 pavimentos) Lajes Alveolares: 15 cm, para vãos até 7,20 m 20 cm, para vãos maiores que 7,20 m e até 10,80 m e para quadras Vigas de apoio das lajes alveolares ( parte pré-moldada): 30 x 60 (vãos até 10,80 m, com continuidade nas duas extremidades) 30 x 70 (vãos até 10,80 m, com continuidade em uma só extremidade). 30 x 80 (vãos até 10,80 m, sem continuidade) As vigas com vão maior que 9m deverão ser protendidas. FECHAMENTOS Alvenarias: As alvenarias de fechamento deverão ser armadas e fixadas na conforme detalhes apresentados no ANEXO 07. Elementos vazados: Para elementos vazados e demais fechamentos especiais deverão ser apresentados projetos específicos de ção que garantam a estabilidade das paredes. 9

10 elementos para o desenvolvimento dos projetos de SUPERESTRUTURA EM PRÉ-FABRICADOS AÇO CONSIDERAÇÕES Estas Especificações têm como objetivo definir as condições mínimas exigíveis para o projeto das s em aço. Para as edificações devem ser projetadas s mistas, com interação completa concreto x aço através de conectores fixados nas vigas metálicas. Evitar especificações de perfis fechados ou compostos que dificultem a manutenção de algumas de suas faces; no caso de utilização, especificar os perfis compostos com afastamento mínimo de 2cm entre as faces. É vedado o uso de treliça de aço redondo. Indicar no projeto, nas conexões por atrito, que as áreas cobertas por parafusos não devem ser pintadas, devendo, além disso, estar isentas de graxa, óleo, irregularidades e escamas de laminação. Considerar a ancoragem das colunas nas fundações por meio de chumbadores rosqueados ancorados em barras de espera concretadas nas cavas dos blocos. Projetar as terças como vigas isostáticas, não se admitindo a concepção de terças atirantadas; considerar, quando existentes, as sobrecargas do forro e de luminárias. LAJES As lajes serão do tipo pré-fabricada pré-laje treliçada nervurada em ambas as direções (ficha de serviço S11), com as espessuras definidas no projeto executivo, vencendo vãos de 7,20x7,20m e/ou 7,20x10,80m. Deverão ser previstas mesas de compressão junto aos apoios com dimensões mínimas de 800mm. Ver detalhes no ANEXO 08 CARGAS PERMANENTES E ACIDENTAIS Cargas permanentes a serem consideradas: Peso próprio do concreto= 25 KN/m³ (250kg/m³) Peso próprio dos perfis de aço; Capeamento 5 cm; Acabamentos de piso, conforme definidos no projeto arquitetônico; Impermeabilizações, conforme projeto próprio; Alvenarias, conforme definidas no projeto arquitetônico e pesos específicos indicados em 3. isolamento acústico e piso das quadras, conforme projeto arquitetônico e Componente FDE QE 28 ou FDE QE 31. Ver detalhes no ANEXO 06. caixilhos = 1 KN/m² (100kg/m²) forro e de luminárias = conforme projeto arquitetônico Cargas acidentais a serem consideradas: Vento: Conforme NBR

11 elementos para o desenvolvimento dos projetos de Efeitos de variações volumétricas Sobrecargas: Ambiente Almoxarifado, depósito pedagógico, despensa da cozinha, quadra de esportes, sala de leitura e sala de uso múltiplo Galpão, refeitório, despensa da cantina, depósito de educação física Sala de aula e reforço, depósito de material de limpeza, circulações, cozinha e grêmio Ambientes administrativos, zeladoria, cantina, sanitários e vestiários Coberturas q = 5 KN/m² (500 kgf/m²) q = 4 KN/m² (400 kgf/m²) q = 3 KN/m² (300 kgf/m²) q = 2 KN/m² (200 kgf/m²) q = 0,5 KN/m² (50 kgf/m²) CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAL Valores mínimos a serem adotados para a resistência característica à compressão fck: - No litoral: 30 Mpa (C30) - Em região urbana e rural: 25 Mpa (C25) - Em pólos industriais: 30 Mpa (C30) Verificar NBR-6118, em função da classe de agressividade ambiental Qualquer concreto com resistência inferior a 20 MPa não será considerado l, devendo atender às condições específicas para as aplicações correspondentes (pisos, lastros, etc.) Consumo mínimo de cimento: kg de cimento / m3 de concreto preparado em obra ou grout kg de cimento / m3 de concreto dosado em central Fator água / cimento máximo: 0,60 l / kg para concreto preparado em obra ou dosado em central (>= C25) CARACTERÍSTICAS DO AÇO ESTRUTURAL Especificar perfis usuais fabricados pelas siderúrgicas brasileiras. Perfis e chapas: Conforme as normas relacionadas na ficha de serviço S1. Chumbadores: Aço ASTM A 36 ou SAE 1020 (galvanizado e pintado) Parafusos para ligações principais: Aço ASTM A 325 para ligações principais; Aço ASTM- A- 307 para ligações secundárias; 11

12 elementos para o desenvolvimento dos projetos de Soldas: Eletrodos E70XX, conforme norma AWS D Armadura para concreto l: Aço CA-50 (barras) Aço CA-60 (telas) COBRIMENTOS MÍNIMOS DAS ARMADURAS Cobrimentos das armaduras para obras em cidades não litorâneas: C C 2,5 cm (vigas e pilares) 2,0 cm (lajes alveolares) Cobrimentos das armaduras para obras em pólos industriais e litoral: C C 3,0 cm (vigas e pilares) 2,5 cm (lajes alveolares) Cobrimentos das armaduras para obras em meios fortemente agressivos: C C 3,5 cm (vigas e pilares) 4,0 cm (lajes alveolares) LIGAÇÕES / CONEXÕES Todas as conexões de montagem (na obra) deverão ser parafusadas, a menos que especificado em contrário nos desenhos de projeto. Ligações de extremidade de vigas simplesmente apoiadas deverão ser dimensionadas para absorver a reação devida à máxima carga admissível uniformemente distribuída sobre a viga considerada. As ligações a momento fletor deverão ser dimensionadas para a capacidade portante das vigas. Ligações em contraventamentos e nas barras de treliças deverão ser dimensionadas para resistir aos esforços indicados nos desenhos de projeto ou para 50% da capacidade resistente à tração ou para 30 kn ( o maior dos três valores). Conexões Parafusadas Os parafusos de alta resistência deverão obedecer à designação ASTM A325 e deverão ser utilizados de acordo com as Specifications for Structural Joints Using ASTM A325 or A490 Bolts, do AISC. Todas as conexões deverão possuir, no mínimo, dois parafusos. Conexões Soldadas Todas as soldas deverão obedecer às especificações Welding in Building Construction da American Welding Society (AWS). 12

13 elementos para o desenvolvimento dos projetos de PROTEÇÃO PASSIVA DAS ESTRUTURAS METÁLICAS O projeto / dimensionamento da proteção passiva das s metálicas, deverá ser de acordo com a Norma ABNT NBR-14432/2000, Decreto Estadual nº 476 de 31/08/2001 e Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros de São Paulo (ver fichas de serviço S5-02 a S5-06). ESTRUTURAS DE MADEIRA CONSIDERAÇÕES Estas Especificações têm como objetivo definir as condições mínimas exigíveis para o projeto das s em madeira. Utilizações mais correntes: s da cobertura de passarelas de ligação entre blocos e s de telhados. No caso de coberturas em telhas de barro, reforçar as terças de 6cm x 16cm, para vão de 3,60m. CARGAS PERMANENTES E ACIDENTAIS CARGAS PERMANENTES: peso próprio conforme tipo de madeira utilizada telhas conforme projeto arquitetônico e pesos específicos indicados pelo fabricante. forros e luminárias conforme projeto arquitetônico CARGAS ACIDENTAIS: vento: (conforme NBR 6123) montagem distribuída: 25 kgf/m 2 (0,25kN/m 2 ) montagem concentrada em qualquer posição: 100 kgf (0,1kN) TIPOS DE MADEIRA A SEREM UTILIZADAS E CARACTERÍSTICAS Ver ficha de serviço S1. Indicar no projeto que as peças de madeira devem ser isentas dos seguintes defeitos correntes: - desvio de fibras em relação ao eixo da peça superior a 1,0 cm a cada 10,0 cm. - presença de fraturas de compressão. - curvatura ao longo do comprimento superior a 1,0 cm em 200,0 cm. - rachas nos topos e racha anelar. LIGAÇÕES E APOIOS Em regiões de atmosfera agressiva (litoral e outras) evitar cobre-juntas em metal e parafusos. Ver ficha de serviço S1. 13

14 anteprojeto CONSIDERAÇÕES O anteprojeto de deve ser desenvolvido a partir do anteprojeto de arquitetura e do levantamento topográfico da área referente à Unidade escolar. Considerar soluções para possíveis interferências com existente e/ou configurações especiais do terreno. Deve abranger, além da Implantação no terreno, locação e dimensão de todas as peças is correspondentes às edificações apresentadas na arquitetura. Somente após a análise e liberação (com ressalvas ou total) do anteprojeto pelos técnicos da FDE, poderão ser iniciados os trabalhos referentes à fase seguinte: projeto executivo. Quando houver área contígua disponível para ampliação, prever nas extremidades blocos rebaixados, com previsão de cargas e alojamento para pilares futuros. PRODUTOS GRÁFICOS Devem seguir a ordem: Locação das fundações escala 1:100, 1:75 ou 1:50 Fôrmas das fundações escala 1:50 Fôrmas dos Pavimentos escala 1:50 Fôrmas da Cobertura escala 1:50 Fôrmas dos Muros de Arrimo e s adicionais escala apropriada INFORMAÇÃO DOS PRODUTOS GRÁFICOS Os produtos gráficos devem conter as informações descritas a seguir: LOCAÇÃO DAS FUNDAÇÕES O tipo de fundação deve ser definido através de Parecer Técnico emitido por especialista em solos, com base nos resultados de sondagens do terreno. A locação deve ser elaborada em relação aos eixos, compatíveis com o projeto de Arquitetura. Para as fundações em sapatas e tubulões, indicar as cargas atuantes, a tensão máxima admissível no solo e cotas de assentamento. Para as fundações em estacas e brocas, indicar as cargas atuantes, tipo, dimensões, capacidades, quantidades e cotas de arrasamento. As unidades devem ser numeradas e diferenciadas em função do tipo e da capacidade. FÔRMAS DAS FUNDAÇÕES Apresentar as Fôrmas Plantas, Cortes e Elevações - com todas as peças is: vigas baldrames, blocos de coroamento ou sapatas, piso do se houver, com as respectivas nomenclaturas, dimensões e níveis. Os eixos indicados nas Fôrmas devem estar compatíveis com o Projeto de Arquitetura. Apresentar detalhe ampliado, planta e elevação, dos blocos de coroamento ou sapatas, indicando dimensões e quantidades. 14

15 anteprojeto Indicar fck do concreto, consumo mínimo de cimento e fator água/cimento máximo. FÔRMAS DOS PAVIMENTOS E COBERTURAS Apresentar as Fôrmas - Plantas, Cortes e Elevações - com todas as peças is: lajes, vigas, pilares, escadas, brises, com as respectivas nomenclaturas e dimensões. Os eixos indicados nas Fôrmas devem estar compatíveis com o Projeto de Arquitetura. Indicar os níveis das peças is, compatibilizados com Projeto de Arquitetura. Para as lajes, indicar tipo, direção de apoio no caso de pré-fabricada, detalhes genéricos da seção e composição dos carregamentos atuantes. Indicar os reforços necessários nas lajes, no caso de sobrecargas localizadas. Nas paredes portantes, localizar e detalhar as s de amarração, tais como pilaretes e cintas. Quando houver telhado, nas plantas de cobertura, locar os pilaretes de apoio do telhado, indicando as variações das alturas em corte e fixação das terças. Indicar fck do concreto, consumo mínimo de cimento e fator água/cimento máximo. Para s de madeiras e metálicas: - plantas e elevações em escala conveniente - dimensão e seção de todas as peças - tipo de telha, tipo de madeira, tipo de aço; - esquema de contraventamentos; - detalhes dos apoios e fixações FÔRMAS DOS MUROS DE ARRIMO E CONTENÇÕES O anteprojeto do Muro de arrimo deve contemplar: - Planta, indicando a dimensão da, extensão e locando as diferentes seções transversais; - Seções transversais com os níveis e dimensões da, níveis dos terraplenos, detalhamento da drenagem necessária.; - Elevação longitudinal, quando necessário. O tipo e as características da fundação, definidos no Parecer Técnico de Solos, devem constar do anteprojeto de. ANÁLISE E LIBERAÇÃO DO ANTEPROJETO O anteprojeto será submetido à análise dos técnicos da FDE com o intuito de verificar a adequação do projeto em relação às principais diretrizes estabelecidas nos manuais técnicos para construções escolares, editadas pela FDE. Tem como objetivo também, estabelecer um controle de ordem econômica, orientando o projetista para a adoção de soluções is que impliquem em obras de custos os menores possíveis. Basicamente serão analisados os seguintes itens: - solução l proposta - esquema l definido e as implicações de ordem econômica; - dimensionamento de todas as peças is visando aspectos econômicos e executivos. 15

16 projeto executivo CONSIDERAÇÕES O projeto executivo deve ser desenvolvido considerando-se as observações mencionadas pela FDE quando do anteprojeto. Deve conter todas as informações necessárias para o perfeito entendimento do Projeto e execução da obra. Em todos os projetos is de concreto, devem constar na 1ª. Folha, os volumes de concreto da infra e super e respectivos peso de aço. PRODUTOS GRÁFICOS Devem seguir a ordem: Locação das fundações e pilares escala 1:100, 1:75 ou 1:50 Fôrmas das fundações escala 1:50 Fôrmas dos Pavimentos escala 1:50 Fôrmas da Cobertura escala 1:50 Fôrmas e Armações da escada escala 1:20; 1:25; 1:50 Fôrmas dos Muros de Arrimo e s adicionais escala apropriada Armação das Fundações escala 1:20 e 1:50 Armação dos Pilares escala 1:20 e 1:50 Armação dos Pavimentos escala 1:20 e 1:50 Armação da Cobertura escala 1:20 e 1:50 Armação dos Muros de arrimo e s especiais escala 1:20 e 1:50 Memória de Cálculo As escalas dos desenhos podem ser alteradas, desde que atendam a boa apresentação do projeto e os coordenadores estejam de acordo. APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS GRÁFICOS Todos os desenhos deverão ser feitos seguindo-se rigorosamente os itens constantes nas Normas de Apresentação de Projetos em Sistema Digital. INFORMAÇÕES DOS PRODUTOS GRÁFICOS Os produtos gráficos devem conter as informações discriminadas a seguir: LOCAÇÃO DAS FUNDAÇÕES Devem conter todas as informações já aprovadas no anteprojeto. Para tubulões, brocas e estacas, apresentar corte genérico com armações. FÔRMAS DAS FUNDAÇÕES Devem conter todas as informações já aprovado no anteprojeto, acrescentando maiores detalhes onde necessário. 16

17 projeto executivo FÔRMAS DOS PAVIMENTOS E COBERTURAS Devem conter todas as informações já aprovadas no anteprojeto, acrescentando detalhes executivos onde necessários, tais como: - detalhes de apoio das terças do telhado e fixações; - detalhes de amarrações das alvenarias auto portantes e elementos vazados; - indicação dos furos e tubulações embutidas no concreto e vazados para descidas de águas pluviais. FÔRMAS DOS MUROS DE ARRIMO E CONTENÇÕES Devem conter todas as informações já aprovadas no anteprojeto, acrescentando detalhes específicos que sejam necessários. ESTRUTURAS COMPLEMENTARES - METÁLICAS / MADEIRA (TELHADOS, ESCADAS, BRISES) Para as s complementares, conter todas as informações já aprovadas no anteprojeto, acrescentando detalhes específicos que sejam necessários, tais como fixações. ARMAÇÕES: FUNDAÇÕES, PAVIMENTOS, COBERTURAS E ARRIMOS / CONTENÇÕES Detalhar a armação de todas as peças is, denominando-as conforme as fôrmas. Desenhar o gabarito das peças com esquema e indicação de todas as armaduras. Representar as vigas com indicação dos eixos ou nomes dos apoios. Nas armaduras dos pilares, incluir armadura para SPDA (sistema de proteção contra descargas atmosféricas), conforme projeto de Elétrica. Indicar o tipo de aço utilizado e cobrimentos das armaduras. Listagem de ferros por folha. Indicar separadamente os resumos de ferro referentes à infra e à super. Indicar apenas as quantidades reais de material empregado, não considerando as perdas. MEMÓRIA DE CÁLCULO A Memória de cálculo deverá estar completa, com clareza de apresentação e devidamente organizada, incluindo: - parâmetros de cálculo - esquema l adotado - carregamentos atuantes e dimensionamento de todas as peças is: lajes, vigas, pilares, escadas, fundações, muros de arrimo e s especiais. - resumo de cargas nas fundações. ANÁLISE E LIBERAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO A FDE executará a análise dos produtos gráficos, verificando se todos os documentos foram entregues, na forma exigida e estejam compatíveis com todas as áreas técnicas pertinentes. A qualquer momento durante o andamento do projeto, a FDE poderá solicitar alterações que resultem em melhorias técnicas e / ou econômicas. Durante o andamento da obra, a FDE poderá solicitar ao responsável técnico esclarecimentos ou complementações do projeto que se fizerem necessários. 17

18

19

20

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO Serviço: 1ª FASE DO LABORATÓRIO DE ESCOAMENTOS DE MULTIFÁSICOS INDUSTRIAIS - ESTRUTURA E COBERTURA DATA: 9 de novembro de 2010 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DESCRIÇÃO UNID. QUANT. PREÇO MAT. (UNIT.)(R$)

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL

PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Proposta Nº: SC-PP-0208-2014 Belo Horizonte, 05 de junho de 2014. O.F. CARAN Ibiraçu/ES At.: Otaviano Caran Ref.: ORÇAMENTO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA PARA MÓDULO DIDÁDICO E MÓDULO ADMINISTRATIVO, A SER

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 M² Pavimento: térreo Área do Terreno: 450,00 M² INTRODUÇÃO Este documento técnico

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM RESERVATÓRIO ELEVADO, UM RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO E UMA CASA DE MÁQUINAS LOCAL DA OBRA: UNIDADE DE ENSINO DE JOÃO CÂMARA

OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM RESERVATÓRIO ELEVADO, UM RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO E UMA CASA DE MÁQUINAS LOCAL DA OBRA: UNIDADE DE ENSINO DE JOÃO CÂMARA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DO PROJETO DE EXPANSÃO Av. Sen. Salgado Filho, 1559, Natal/RN. FONE (084) 4005-2612 OBRA: CONSTRUÇÃO DE UM

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

ANEXO XII Memorial Descritivo

ANEXO XII Memorial Descritivo ANEXO XII Memorial Descritivo Para execução das obras, deverão ser observadas as Especificações Técnicas do Caderno de Encargos da PMPA. Foram elaboradas Especificações Técnicas Complementares, bem como

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 Carlos Henrique dos Santos 2 Rogério Eustáquio Cirilo 3 Ronilson Flávio Souza 4 RESUMO: Um dos fatores mais importantes durante

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: Centro de Referência de Assistência Social CRAS Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 m² Pavimento: Térreo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

Sistemas Estruturais para Mezaninos

Sistemas Estruturais para Mezaninos Sistemas Estruturais para Mezaninos Concepção Estrutural Alexandre Landesmann FAU-UFRJ UFRJ AMA & PIN Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ 27/03/2007 1 Funções... Suportar e conduzir as ações a verticais

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

- LAJES PRÉ-FABRICADAS

- LAJES PRÉ-FABRICADAS - LAJES PRÉ-FABRICADAS Originam-se das lajes nervuradas e das lajes nervuradas mistas, onde, em geral, as peças pré-fabricadas são empregadas para a formação das nervuras. Entre elas, colocam-se elementos

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

MEMORIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS

MEMORIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE CAICÓ Av. Cel. Martiniano, 993 Caicó (RN) CNPJ 08.096.570/0001-39 MEMORIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS QUADRA COBERTA; 1-SERVIÇOS PRELIMINARES Locação

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO. Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DA EMBRAPA ALGODÃO Item Discriminação 15 30 45 60 75 90 1 SERVIÇOS GERAIS 1.1 ADMINISTRAÇÃO PROJETOS COMPLEMENTARES e "as

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Nº: 2.0 ARQUITETURA E URBANISMO 2.1.1 2.1.1.1 DEMOLIÇÃO, RETIRADAS E REMOÇÕES 2.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS EXISTENTES 2.1.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS 161333 ICC - Salvador - Mão de Obra 53 2.1.1.1.2 REMOÇÃO

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL:

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: MEMÓRIA DE CALCULO: OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: Área Anexa ao Ginásio Municipal de Esportes Gerson Luis Milanesi Parapuã. Tipo de Projeto- Construção 54,06 m2 ART. 92221220110130074

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERÊNCIA: ESTRUTURA METÁLICA OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. LOCAL: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-PR. DESENHOS DE REFERÊNCIAS:

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO

TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO TERMO DE ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO COM FINS DE LICITAÇÃO Pelo presente termo, em cumprimento ao disposto no art. 38, da Lei Federal 8666/93 Lei das Licitações, DECLARO aberto o Processo Administrativo

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

2. MODULAÇÃO CONSTRUTIVA 1. INTRODUÇÃO

2. MODULAÇÃO CONSTRUTIVA 1. INTRODUÇÃO soluções concretas soluções concretas 1. INTRODUÇÃO 2. MODULAÇÃO CONSTRUTIVA Este manual técnico apresenta os sistemas pré-fabricados construtivos Munte, visando auxiliar aos profissionais de projeto e

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DATA agosto/2013 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.2 74209/001 Aquisição e assentamento de placas de obra em aço galvanizado. Abrigo Provisorio de madeira executado na obra para m² 6,00 157,35 944,10 1.3 01520.8.1.1

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

Concepção Estrutural de Edifícios

Concepção Estrutural de Edifícios de maneira geral, uma construção é concebida para atender a determinadas finalidades. a sua implantação envolve a utilização dos mais diversos materiais: o concreto armado, as alvenarias de tijolos ou

Leia mais