UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TATIANE ANDERS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TATIANE ANDERS"

Transcrição

1 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TATIANE ANDERS CRIMES CONTRA CRIANÇAS NO BRASIL Santa Rosa (RS) 2013

2 TATIANE ANDERS CRIMES CONTRA CRIANÇAS NO BRASIL Monografia Final do Curso de Graduação em Direito, objetivando a aprovação no componente curricular Metodologia da Pesquisa Jurídica. UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. DEJ Departamento de Estudos Jurídicos. Orientador: MSc. Sérgio Luiz Fernandes Pires SANTA ROSA (RS) 2013

3 Dedico este trabalho à minha família, pelo incentivo, apoio e confiança em mim depositados durante toda a minha jornada.

4 AGRADECIMENTOS À minha família, que sempre esteve presente e me incentivou com apoio e confiança, principalmente a minha filha que me faz continuar sempre em busca do meu melhor. Ao meu orientador Sérgio Luiz Fernandes Pires, que me orientou durante todo este processo de aprendizagem. Aos meus amigos e colegas, que me deram apoio fazendo com que eu continuasse frente às adversidades, agindo sempre com boa vontade e generosidade.

5 Sem sonhos, a vida não tem brilho. Sem metas, os sonhos não têm alicerces. Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais. Sonhe, trace metas, estabeleça prioridades e corra riscos para executar seus sonhos. Melhor é errar por tentar do que errar por omitir! (Augusto Cury)

6 RESUMO A violência no Brasil é um caso que cada dia toma maiores proporções, e no caso da violência contra a criança, diariamente são feitas inúmeras denúncias. Existem quatro principais tipos de agressão e violência contra a criança que são a negligência ou abandono que é feita por parte dos genitores ou dos responsáveis pelos cuidados da mesma; a violência física que também tem nos genitores os principais agressores, a violência psicológica e a violência sexual, que segundo dados da OMS acontecem em sua grande maioria por parentes ou pessoas próximas à família ou à criança. De suma importância também, o desenvolvimento das leis tanto de proteção às crianças quanto de punição aos agressores, para que se possam ter índices menores dessa agressividade contra crianças que não sabem se defender e dependem das famílias para sobreviver. Palavras-chave: Agressão; Crianças; Proteção.

7 ABSTRACT Violence in Brazil is a case that takes each day more fully, and in the case of violence against children, are daily made numerous complaints. There are four main types of aggression and violence against children that are neglect or abandonment that is made by the parents or carers of the same; physical violence who also have parents in the main aggressors, psychological violence and sexual violence, which according to the WHO happen mostly by relatives or people close to the family or the child. Also of paramount importance, the development of laws to protect children so much punishment to the perpetrators, that they may have lower rates of such aggression against children who can not defend themselves and families depend on to survive. Keywords: Aggression; Children; Protection.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO PRINCIPAIS CRIMES TIPIFICADOS NO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Históricos de criação e alterações do Estatuto da Criança e do Adolescente Principais crimes contra a criança e seus enquadramentos TIPOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADA CONTRA CRIANÇAS Violência física Violência sexual Violência psicológica Negligência ou abandono ABUSO SEXUAL Definição Principais Modalidades de Abuso Sexual Pedofilia Estupro de Vulnerável Exploração Sexual Perfil do Agressor...34 CONCLUSÃO...37 REFERÊNCIAS...38

9 8 INTRODUÇÃO A violência contra a criança é considerada um grave problema no Brasil. A escolha desse tema se deu para melhor aprofundamento no assunto, pois este problema é visto em meu ambiente de trabalho. Estudando mais profundamente, poderei prestar um melhor atendimento às crianças vítimas e dar melhor suporte para explicar-lhes quais são seus direitos e de que modo a lei os ampara. Quando se fala de violência contra criança nos traz uma grande indignação, pois trata de uma população que tem seus direitos básicos violados e não conseguem reagir, se defender frente a seus agressores. As crianças e adolescentes são explorados sexualmente, são usados como mão de obra complementar para o sustento de suas famílias ou para proporcionar lucro a terceiros, muitas vezes em regime de escravidão, são abandonados a própria sorte, tendo muitas vezes que usar a rua como meio de sobrevivência se tornando assim alvo fácil de ações violentas que comprometem sua saúde tanto física, como mental e acabam sendo vítimas de maus tratos e todos tipos de violência. Abordarei neste trabalho, o desenvolvimento nas leis de proteção à criança até a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente, os diversos tipos de violência sofridos pelas crianças: violência física, psicológica, sexual e a negligência ou abandono. Ainda um maior aprofundamento na questão do abuso sexual, suas modalidades e perfil do agressor.

10 9 1 PRINCIPAIS CRIMES TIPIFICADOS NO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE A violência contra criança e adolescente é considerada um grave problema, não só no Brasil, mas no mundo inteiro, um problema de âmbito mundial, que aumenta a cada dia, fazendo mais e mais vítimas. Esse assunto causa uma grande revolta, por se tratar de seres que são indefesos, que na maioria das vezes, nem sabem o que está acontecendo, deixando-os com traumas por toda a vida, tendo nesses atos, todos seus direitos violados. Nesse sentido, pode-se perceber que parte das crianças que sofrem abusos ou qualquer outro tipo de violência acaba fugindo de casa, por medo que essa violência volte a acontecer e, se refugiam nas ruas, tornando-se assim, alvo fácil de mais ações violentas. 1.1Históricos de criação e alterações do Estatuto da Criança e do Adolescente Falar sobre a evolução dos direitos da criança e do adolescente é uma tarefa difícil, pois ocorre de maneira lenta e gradativa ao longo do tempo. A origem do poder familiar ocorreu em Roma com o chefe de família, Pater Familias, o patriarca, ele exercia sobre o filho um verdadeiro direito de propriedade, assim sendo, em Roma as crianças eram tratadas apenas como coisas. Conforme GUERRA (2001), os anos seguintes, quais sejam, a Idade Média não alterou esta realidade, posto que naquela época apenas os adultos inseriam-se no contexto social. Na época da Revolução Industrial no século XVIII, as crianças tinham que trabalhar, havia a necessidade de mão de obra e tudo isso era para garantir o sustento da família, mas foi só na década de 1960 que surgiram inúmeros movimentos sociais em defesa dos direitos da criança e do adolescente, após a Segunda Guerra Mundial, o adolescente passou a ocupar uma posição determinada no cenário da violência quando a necessidade da

11 10 mão de obra feminina nas fábricas deixou as crianças em situação de abandono, e mais tarde se tornariam adolescentes violentos e revoltados formando gangues. Juridicamente, esse processo resultou na necessidade de ser repensada a forma de compreender a adolescência, pois as manifestações desta fase passaram a ocupar um espaço definido no cotidiano, nas instituições, na mídia e na sociedade. FOUCAULT apud FERREIRA (2006) relembra que apenas no século XX surgiram instrumentos ideológicos e legais, o que asseguraram proteção especial para crianças e adolescentes, tais como a Convenção de Genebra de 1924, mas foi com a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas que se solidificou a assistência especial aos mesmos. Seguindo a mesma linha temos, o Pacto de São José da Costa Rica que previu direito a proteção como sendo um dever da família, da sociedade e do Estado, provocando uma mudança histórica, em relação às questões ligadas a criança. Com a promulgação da Constituição Federal de 1988 que se introduziu no ordenamento jurídico nacional o denominado Sistema de Garantias do Direito da Criança e o Adolescente, o qual tem como finalidade primordial assegurar proteção integral ao menor. Em 13 de julho de 1990, foi promulgada a Lei nº que, nada mais é do que o Estatuto da Criança e do Adolescente adotando a chamada Doutrina da Proteção Integral, cujo pressuposto básico afirma que crianças e adolescentes devem ser vistos como pessoas em desenvolvimento, sujeitos de direitos e destinatários de proteção integral, o que se fez para seguir uma tendência mundial sobre o direito da criança e do adolescente recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que reconhece a criança e o adolescente como sujeito de direitos humanos, destinatários da doutrina da proteção integral e tem como prioridade absoluta as políticas públicas.

12 11 O Estatuto é uma lei que deve ser usada para proteger as crianças e adolescentes e ainda garantir a efetividade de seus direitos, o que não ocorria antes de sua criação e muito menos antes da Constituição Federal de O Estatuto da Criança e do Adolescente, em seus 267 artigos, garante os direitos e deveres de cidadania a crianças e adolescentes e determina a responsabilidade dessa garantia a todos os setores que compõem a sociedade, sejam família, Estado ou a comunidade. Ao longo de seus capítulos e artigos, o Estatuto discorre sobre as políticas referentes à saúde, educação, adoção, tutela e questões relacionadas a crianças e adolescentes autores de atos infracionais. São asseguradas todas as oportunidades voltadas para o bem estar e o desenvolvimento mental, espiritual, moral e social em condições plenas e com dignidade. 1.2 Principais crimes contra a criança e seu enquadramento Os crimes contra a criança e adolescente são inúmeros e DESLANDES apud LEITE (1994) definem o abuso ou maus-tratos como: Define-se o abuso ou maus-tratos pela existência de um sujeito em condições superiores (idade, força, posição social ou econômica, inteligência, autoridade) que comete um dano físico, psicológico ou sexual, contrariamente à vontade da vitima ou por consentimento obtido a partir de indução ou sedução enganosa. Existem quatro tipos de violência praticados contra criança e são elas: física, sexual, psicológica e negligência ou abandono. A violência física é qualquer ação, única ou repetida, não acidental cometida por um agressor adulto (ou mais velho que a criança ou o adolescente), que lhes provoque dano físico; violência sexual é toda a ação que envolve ou não o contato físico, não apresentando necessariamente sinal corporal visível. Pode ocorrer a estimulação sexual sob a forma de práticas eróticas e sexuais (violência física, ameaças, indução, voyerismo, exibicionismo, produção de fotos e exploração sexual); violência psicológica é toda forma de rejeição, depreciação, discriminação, desrespeito, cobrança ou punição exagerada e utilização da criança ou do adolescente para

13 12 atender às necessidades psíquicas dos adultos e negligência ou abandono é a omissão dos pais ou responsáveis quando deixam de prover as necessidades básicas para o desenvolvimento físico, emocional e social da criança e do adolescente. LEITE, (2008) Com a última reforma legislativa, surgiu a Lei /09 que trouxe importantes alterações ao ordenamento penal. Entre essas alterações tem-se a alteração da denominação do Título VI do CP brasileiro, onde abandonou-se a designação Dos crimes contra os costumes e adotou-se o título Dos crimes contra a dignidade sexual, traduzindo a preocupação do legislador com a dignidade sexual, como projeção da própria dignidade da pessoa humana. Com a adoção da Teoria da Proteção Integral, reconhecendo as crianças e adolescentes à condição de sujeitos de direito, estes vieram a deter prerrogativas constitucionalmente garantidas, das quais pode-se citar: O Direito à dignidade onde a Constituição Federal em seu artigo 1º, alude entre os fundamentos do Estado Democrático de Direito, ao lado da soberania, e da cidadania, o direito à dignidade da pessoa humana. A criança e o adolescente são pessoas humanas, então se torna redundante o artigo 227 da Constituição Federal, quando coloca a dignidade, como dever da família, da sociedade e do Estado. O Direito ao respeito, trazendo o princípio da dignidade da pessoa humana inclui, em si, o respeito. No Direito à liberdade é àquele mencionado no artigo 5º, caput, que agora se estende à criança e ao adolescente. GRECO (2009, p.4) explica, de forma sucinta, as principais diferenças entre a antiga e a nova redação trazida pela Lei /09: Através dessa nova redação, foram unidas as figuras do estupro e do atentado violento ao pudor em um único tipo penal, que recebeu o nome de estupro (art. 213). Além disso,

14 13 foi criado o delito de estupro de vulneráveis (art. 217-A), encerrando-se a discussão que havia em nossos Tribunais, principalmente os Superiores, no que dizia respeito à natureza da presunção de violência, quando o delito era praticado contra vítima menor de 14 (catorze) anos. Além disso, outros artigos tiveram alteradas suas redações, abrangendo hipóteses não previstas anteriormente pelo de aumento Código Penal; foi ampliado um capítulo (VII), prevendo causas de pena. O Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos tem como pena reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos, e continuando o texto esclarece que incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência, tornando-se assim vulnerável. No 3o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave, a pena é de reclusão, de 10 (dez) a 20 (vinte) anos e no 4o Se da conduta resultar morte, a pena passa a reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos. Segundo GRECO (2009, p.64) o tipo não exige que a conduta seja cometida mediante o emprego de violência ou grave ameaça, basta que o agente tenha conjunção carnal ou que pratique com a criança ou adolescente qualquer outro ato libidinoso. A lei não considera o consentimento da vítima, pois não admite que alguém menor de quatorze anos tenha discernimento para consentir ou não com a conjunção carnal, portanto, o sujeito que pratica tal conduta deve responder pelo crime. Cabe salientar que o art. 234-A do diploma penal, nos termos da redação dado pela nova lei, determina duas hipóteses como causa de aumento da pena: a primeira prevê a o aumento em caso do crime resultar em gravidez e a segunda, no caso de ser transmitida à vítima doença sexualmente transmissível.

15 14 Demonstra-se, dessa forma que a preocupação do legislador procura reprimir, punindo com maior severidade, a ação de pedófilos que engravidam ou transmitem doenças às suas vítimas. Foi modificado o art. 218 do Código Penal e a nova redação mudou significativamente seus elementos, uma vez que o tipo penal prevê o delito quando o agente induz alguém, menor de catorze anos a satisfazer a lascívia de outrem. Para satisfazer a lascívia, GRECO (2009, p.86) entende que é aquele comportamento que não imponha a vítima, menor de catorze anos, à prática de conjunção carnal ou de outro ato libidinoso. A lascívia, segundo o autor, é sinônimo de sensualidade, luxúria, concupiscência e libidinagem. Sem dúvida alguma a Lei de 7 de agosto de 2009 trouxe, mudanças significativas para a proteção das crianças e adolescentes, busca não deixar impunes aqueles pedófilos que vêm praticando atos de violência de todos os gêneros contra indivíduos vulneráveis e em fase de desenvolvimento. A Lei nº de 13 de junho de 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente tem como princípios buscar proteger e resguardar as crianças e adolescentes das mais diversas formas possíveis de violência perpetradas contra elas em amplos aspectos. O art. 5º do ECA dá continuidade à doutrina da proteção integral, estabelecendo os direitos específicos inerentes á universalidade dos seres humanos. No Art. 5º, o ECA reforça que: Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direito fundamentais. Para DEL-CAMPO E OLIVEIRA (2009, p.144), o Estatuto não utilizou a expressão situação irregular, empregada pelo Código de Menores de 1979,

16 15 para afastar da legislação expressões que conotam a discriminação, como menor abandonado ou delinquente, afirma ainda que: O Estatuto utilizou uma fórmula mais genérica, traçando no art. 98 parâmetros para a configuração de hipóteses em que o menor encontra-se em situação de risco, merecedor de medida protetiva (art. 101 do ECA), em oposição ao adolescente em conflito com a lei, destinatário das medidas sócioeducativas. O art. 225 do Estatuto da Criança e do Adolescente dispõe sobre os crimes praticados contra a criança e o adolescente sem prejuízo do disposto na legislação penal, frisando ainda no art. 227 do Estatuto que os crimes definidos neste, são de ação pública incondicionada, ou seja, tomando conhecimento do fato, o Ministério Público deve promover sua imediata apuração. De acordo com DEL-CAMPO E OLIVEIRA (2009, p.156) a finalidade do art. 240 do Estatuto: é de coibir a pedofilia e a exploração sexual de crianças e adolescentes, teve sua redação substancialmente alterada pela Lei nº de 12 de novembro de 2003, não apenas para aumentar as penas anteriormente previstas, mas também com o objetivo de incriminar outros comportamentos. Quem praticar o crime mencionado no Art. 240 do ECA Produzir ou dirigir representação teatral, televisiva, cinematográfica, atividade fotográfica ou de qualquer outro meio visual, utilizando-se de criança ou adolescente em cena pornográfica, de sexo explicito ou vexatória, sofrerá pena de reclusão, de dois a seis anos, mais multa. Continuando se aplica a mesma pena a quem incorre no crime descrito em seu 1º -... contracena com criança ou adolescente. O 2º descreve pena de reclusão de três a oito anos, para se o agente comete o crime no exercício de cargo ou função; se o agente comete o crime com o fim de obter para si ou para outrem vantagem patrimonial.

17 16 Cabe reforçar que não há necessidade de que a obra seja efetivamente levada a público, é suficiente que a criança ou adolescente participe do ensaio ou filmagem. A produção ou direção devem ser relacionadas com representação teatral, televisiva, cinematográfica, atividade fotográfica ou de qualquer outro meio visual. DEL-CAMPO E OLIVEIRA (2009), vêm ressaltar ainda que o artigo visa proteger a criança ou o adolescente, independente de sexo, que participa ou contracena nas cenas pornográficas, de sexo explicito ou vexatórias. O artigo 241 do ECA busca coibir a pedofilia também pela internet, o meio pelo qual se verifica a grande facilidade de acesso e de prática desta conduta tão horrorizante, in verbis: Art Vender ou expor à venda fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente: a pena é de reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, e multa. É importante lembrar também que o legislador considerou correto incriminar também, a conduta das pessoas que de algum modo, asseguram o acesso à internet, ou seja, os provedores, donos de lan houses, cyber cafés ou mesmo pessoas que permitam a utilização do equipamento para divulgação destas imagens pela rede mundial de computadores ou internet. A Lei /2008 alterou o Estatuto da Criança e Adolescente com o fim de aprimorar combate à pedofilia, e criou os artigos 241-A, 241-B, 241-C e 241-D, que punem as seguintes condutas: Art. 241-A. Oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer meio, inclusive por meio de sistema de informática ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente: Pena - reclusão, de 3(três) a 6(seis) anos, e multa. 1o Nas mesmas penas incorre quem:

18 17 I - assegura os meios ou serviços para o armazenamento das fotografias, cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo; II - assegura, por qualquer meio, o acesso por rede de computadores às fotografias, cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo. 2o As condutas tipificadas nos incisos I e II do 1o deste artigo são puníveis quando o responsável legal pela prestação do serviço, oficialmente notificado, deixa de desabilitar o acesso ao conteúdo ilícito de que trata o caput deste artigo. Lei /2008 Essa pena tem o intuito de combater a produção, venda e distribuição de pornografia infantil, bem como criminalizar a aquisição e a posse do material. Também pratica o delito a pessoa que proporciona os meios para armazenamento em sites de relacionamento ou qualquer outra página na internet que disponibilize aos internautas às imagens ou vídeos. A existência das imagens, já caracteriza a infração penal, não exigindo que alguém tenha tido acesso. Art. 241-B. Adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente: Pena- reclusão, de 1(um) a 4(quatro) anos, e multa. 1o A pena é diminuída de 1 (um) a 2/3 (dois terços) se de pequena quantidade o material a que se refere o caput deste artigo. 2o Não há crime se a posse ou o armazenamento tem a finalidade de comunicar às autoridades competentes a ocorrência das condutas descritas nos arts. 240, 241, 241-A e 241-C desta Lei, quando a comunicação for feita por: I - agente público no exercício de suas funções; II - membro de entidade, legalmente constituída, que inclua, entre suas finalidades institucionais, o recebimento, o processamento e o encaminhamento de notícia dos crimes referidos neste parágrafo; III - representante legal e funcionários responsáveis de provedor de acesso ou serviço prestado por meio de rede de computadores, até o recebimento do material relativo à notícia feita à autoridade policial, ao Ministério Público ou ao Poder Judiciário. 3o As pessoas referidas no 2o deste artigo deverão manter sob sigilo o material ilícito referido. Lei /2008 Toda pessoa que mantém material obsceno infantil, responde pelo tipo penal em questão. É punida ainda, a pessoa que monta imagens de crianças e

19 18 adolescentes, simulando a sua participação em cenas pornográficas ou ainda falsifica ou modifica fotografias e vídeos. Art. 241-C. Simular a participação de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica por meio de adulteração, montagem ou modificação de fotografia, vídeo ou qualquer outra forma de representação visual: Pena - reclusão, de 1(um) a 3(três) anos, e multa. Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas quem vende, expõe à venda, disponibiliza, distribui, publica ou divulga por qualquer meio, adquire, possui ou armazena o material produzido na forma do caput deste artigo. Lei /2008 A pessoa que comercializa, disponibiliza, adquire ou guarda fotografia ou qualquer outra forma de representação visual montada, mesmo que a falsificação seja facilmente perceptível. Art. 241-D. Aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, criança,com o fim de com ela praticar ato libidinoso: Pena - reclusão, e 1(um) a 3(três) anos, e multa. Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre quem: I - facilita ou induz o acesso à criança de material contendo cena de sexo explícito ou pornográfica com o fim de com ela praticar ato libidinoso; II - pratica as condutas descritas no caput deste artigo com o fim de induzir criança a se exibir de forma pornográfica ou sexualmente explícita. Lei /2008 A lei acima descrita tem como objetivo a censura ao assédio à criança como ato de preparação para o estupro ou a prática de qualquer ato libidinoso. Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 (dezoito) anos ou que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone: Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos. 1 o Se o crime é praticado com o fim de obter vantagem econômica, aplica-se também multa. 2 o Incorre nas mesmas penas: I - quem pratica conjunção carnal ou outro ato libidinoso com alguém menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos na situação descrita no caput deste artigo; II - o proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se verifiquem as práticas referidas no caput deste artigo.

20 19 3 o Na hipótese do inciso II do 2 o, constitui efeito obrigatório da condenação a cassação da licença de localização e de funcionamento do estabelecimento. É importante verificarmos que este artigo do CP trata principalmente da conduta de submeter à criança ou o adolescente à prostituição ou a outra forma de exploração sexual, punindo inclusive àqueles que são responsáveis pelo local em que seja verificada a submissão da criança ou adolescente a esta prática. DEL-CAMPO E OLIVEIRA (2009), afirmam que são comuns os relatos de famílias que, visando o favorecimento econômico de determinada pessoa, forças seus filhos menores a satisfazer a lascívia do suposto benfeitor. Assim, o tipo penal se aplica apenas àqueles que induzem ou estimulam a prostituição infanto-juvenil e não àquele que dela se vale. Por fim, o 2º determina, como efeito obrigatório extrapenal da condenação, a cassação da licença de funcionamento do estabelecimento no qual foi cometido o referido crime. Importante ainda salientar que a lei /09 revogou, expressamente, a lei 2.252/54, que previa o crime de corrupção de menores, criando, por outro lado o art. 244-B no Estatuto da Criança e do Adolescente, que versa, in verbis: Art. 244-B. Corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 (dezoito) anos,com ele praticando infração penal ou induzindoo a praticá-la: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro)anos. 1º Incorre nas penas previstas no caput deste artigo quem pratica as condutas ali tipificadas utilizando-se de quaisquer meios eletrônicos, inclusive salas de bate papo da internet. 2º As penas previstas no caput deste artigo são aumentadas de um terço no caso de a infração cometida ou induzida estar incluída no rol do art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990.

21 20 O artigo determina que haverá corrupção de menores quando o agente praticar na presença do menor ou induzi-lo a praticar uma infração penal. De acordo com GRECO (2009, p.92), o que se procura evitar com a tipificação acima elencada é que o menor seja iniciado na criminalidade, corrompendo a sua formação geral. 2 TIPOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADA CONTRA CRIANÇAS A violência contra a criança está cada dia mais presente em nosso cotidiano, e o mais grave é que se tem um perfil do agressor para que se possa fazer uma prevenção para que isso deixe de acontecer. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), 2002, a violência é conceituada como: Uso intencional de força física ou do poder (real ou em ameaça), contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou uma comunidade que resulte ou possa resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de desenvolvimento ou privação. Portanto podemos considerar violência qualquer forma de agressão seja física ou psicológica, agressão esta que resulte em qualquer dano a pessoa. Podemos destacar como os principais tipos de violência: a violência física, a violência sexual, a violência psicológica e a negligência ou abandono que serão agora discutidas uma a uma trazendo as principais considerações sobre as mesmas, tipificando-as e trazendo meios de punição. 2.1 Violência física A violência doméstica pode ser definida como sendo aquela que tem por objetivo ferir, lesar ou causar dano a criança e é conceituada por Azevedo e Guerra, 2001 como:

22 21 todo ato ou omissão, praticado por pais, parentes ou responsáveis contra crianças e/ou adolescentes que, sendo capaz de causar dano físico, sexual e/ou psicológico à vítima, implica numa transgressão do poder/dever de proteção do adulto e, por outro lado, numa coisificação da infância, isto é, numa negação do direito que crianças e adolescentes têm de ser tratados como sujeitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento. Tanto a criança quanto o adolescente estão em constante desenvolvimento, e para isso é preciso que eles tenham um ambiente familiar saudável, sem sofrer agressões dos adultos, que não lhes seja negada a possibilidade de um desenvolvimento sem nenhuma espécie de dano, seja físico ou psicológico. Pois, como afirma Weiss (2004, p.23): aspectos emocionais estariam ligados ao desenvolvimento afetivo e sua relação com a construção do conhecimento a expressão deste através da produção escolar (...). O não aprender pode, por exemplo, expressar uma dificuldade na relação da criança com sua família; será o sintoma de que algo vai mal nessa dinâmica. Todo o desenvolvimento da criança está relacionado ao ambiente que ela vive, inclusive seu aprendizado que quando estiver em defasagem geralmente estará relacionado com algum problema familiar pelo qual a criança esteja passando. Com base em Guerra de Azevedo (2001), pode-se conceituar a violência física como aquela que: corresponde ao emprego de força física no processo disciplinador de uma criança, é toda a ação que causa dor física, desde um simples tapa até o espancamento fatal. Geralmente os principais agressores são os próprios pais ou responsáveis que utilizam essa estratégia como forma de domínio sobre os filhos.

23 22 Ainda segundo Guerra e Azevedo (2001), existem alguns indicadores orgânicos na criança e adolescente que podem nos mostrar quando devemos desconfiar que a criança esteja sofrendo algum tipo de violência física: - Desconfia dos contatos com adultos; - Está sempre alerta esperando que algo ruim aconteça; - Tem mudanças severas e freqüentes de humor; - Demonstra receio dos pais (quando é estudante procura chegar cedo à escola e dela sair bem mais tarde); - Apreensivo quando outras crianças começam a chorar; - Demonstra comportamentos extremos: agressivo, destrutivo, excessivamente tímido ou passivo, submisso; - Apresenta dificuldades de aprendizagem não atribuíveis a problemas físicos; - Revela que está sofrendo violência física. Estes são apenas alguns dos sintomas que podem ser percebidos, que indiquem que a criança está sofrendo agressões físicas. A criança deve ser protegida para que possa ter um pleno desenvolvimento, e este papel cabe principalmente aos pais ou aos responsáveis pela criação e educação da criança, estes que muitas vezes fazem exatamente o contrário do que deveriam, acabam agredindo, machucando e deixando além de marcas no corpo, a rebeldia e a vontade de vingança nestas crianças que talvez ao cansarem de apanhar acabarão se defendendo de seus agressores. 2.2 Violência sexual A violência sexual é conceituada por Guerra e Azevedo (2001), que são grandes estudiosas sobre o assunto como sendo: todo o ato ou jogo sexual entre um ou mais adultos e uma criança e adolescente, tendo por finalidade estimular sexualmente esta criança/adolescente, ou utilizá-lo para obter satisfação sexual. É importante considerar que no caso de violência, a criança e adolescente são sempre vítimas e jamais culpados e que essa é uma das violências mais graves pela forma como afeta o físico e o emocional da vítima. Como afirmam as autores, a violência sexual, provavelmente seja a que mais deixa marcas na criança e no adolescente e mais importante do que

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera o art. 241-D da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), para tornar crime a conduta

Leia mais

O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM

O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM ARTIGO O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM Fabiane Klazura Rosas Pedagoga. Concluinte do Curso de Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) 1 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) Acrescenta inciso IV ao 1º e 3º ao art. 241 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 Estatuto

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

Quando suspeitar de abuso sexual Mesa-redonda Infanto-puberal. Dr Tarcísio Crócomo

Quando suspeitar de abuso sexual Mesa-redonda Infanto-puberal. Dr Tarcísio Crócomo Tarcísio Crócomo Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Médico. Perito Legista, Professor de Medicina Legal. Ex-Diretor Geral do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (RJ). Autor do livro

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil Violência Física contra Crianças e

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

1. Questionamento: 2. Fundamentos:

1. Questionamento: 2. Fundamentos: 1. Questionamento: Preciso saber em qual dispositivo legal se encaixa o seguinte caso: Um senhor induziu um menor, com 12 anos de idade, a praticar ato sexual com animal (ovelha), porém não há indícios

Leia mais

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO 1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir

Leia mais

Sinais no comportamento ou provas imateriais

Sinais no comportamento ou provas imateriais 46 CRAMI - ABCD Abuso Sexual Indicadores na Conduta da Criança/Adolescente Sinais corporais ou provas materiais Enfermidades psicossomáticas, que são uma série de problemas de saúde sem aparente causa

Leia mais

Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência.

Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência. Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência. VIOLÊNCIA INFANTOJUVENIL: COMO VOCÊ PODE AJUDAR? Esta cartilha objetiva esclarecer pais, educadores,

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO 1 Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO 2 O Fórum da Comarca de Jauru/MT em cumprimento a determinação emanada da Coordenadoria da Infância e Juventude do Tribunal

Leia mais

11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido

11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A VIOLÊNCIA INFANTIL FRENTE AO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO

Leia mais

O abuso sexual ocorre em diferentes culturas e classes sociais. Em função do contexto em que aparece, pode ser classificado como:

O abuso sexual ocorre em diferentes culturas e classes sociais. Em função do contexto em que aparece, pode ser classificado como: Sumário Apresentação 2 O que é abuso sexual? 3 Como se manifesta 4 Conseqüências 4 O perfil do abusador 6 Como abordar 6 A Revelação 6 Avaliando a Criança 7 Tratamento 8 Como encaminhar uma situação de

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes TRABALHO INFANTIL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões O que

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Crimes Sexuais Estupro e Pedofilia www.faesa.br mportante: Serviços especializados em crimes sexuais: Ÿ Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa Um país que quer ser grande tem que proteger quem não terminou de crescer. Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha ducativa PRSIDNT DA RPÚBLICA Luiz Inácio Lula

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO A. PREÂMBULO I CONSIDERANDO que o Brasil é signatário da Declaração dos Direitos da Criança,

Leia mais

O Código Penal dá tratamento moralista aos crimes sexuais e reflete claramente as relações de gênero de sua época:

O Código Penal dá tratamento moralista aos crimes sexuais e reflete claramente as relações de gênero de sua época: 61 O Código Penal dá tratamento moralista aos crimes sexuais e reflete claramente as relações de gênero de sua época: Não se nota preocupação dos legisladores com a proteção de crianças e adolescentes

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Criança com deficiência

Criança com deficiência Criança com deficiência Não espero pelos outros. Começo eu mesmo. Como toda criança, a criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisa também brincar com outras crianças

Leia mais

ANÁLISE DA PEDOFILIA NA INTERNET SOB O ASPECTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

ANÁLISE DA PEDOFILIA NA INTERNET SOB O ASPECTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA 1 ANÁLISE DA PEDOFILIA NA INTERNET SOB O ASPECTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Raphaella Karla Martins de Lima 1 INTRODUÇÃO A internet é o meio de comunicação que mais revolucionou e trouxe benefícios tecnológicos

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher

Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher 1 Relações de gênero: são relações de poder que criam desigualdades, subordinações, posições e valores diferenciados para mulheres e homens. Tais relações

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos, conselheiros tutelares e

Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos, conselheiros tutelares e Cartilha Denuncie o abuso e a exploraçao sexual contra crianças e adolescentes Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos,

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

PROTEGER É PRECISO FIQUE ALERTA, DENUNCIE! Todos juntos contra a violência sexual em crianças e adolescentes. Procure o Conselho Tutelar e Disque 100.

PROTEGER É PRECISO FIQUE ALERTA, DENUNCIE! Todos juntos contra a violência sexual em crianças e adolescentes. Procure o Conselho Tutelar e Disque 100. PROTEGER É PRECISO Todos juntos contra a violência sexual em crianças e adolescentes FIQUE ALERTA, DENUNCIE! Procure o Conselho Tutelar e Disque 100. PROTEGER É PRECISO 1 2 PROTEGER É PRECISO Todos são

Leia mais

PEDOFILIA, ABUSO SEXUAL e PORNOGRAFIA INFANTIL - Breves Considerações -

PEDOFILIA, ABUSO SEXUAL e PORNOGRAFIA INFANTIL - Breves Considerações - PAINEL II crescimento das redes sociais e violação de direitos PEDOFILIA, ABUSO SEXUAL e PORNOGRAFIA INFANTIL - Breves Considerações - Flúvio Cardinelle Oliveira Garcia Delegado de Polícia Federal São

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL INTRODUÇÃO A cada hora, dez mulheres foram vítimas de violência no Brasil em 2012 Violência é: 1 É o uso intencional da força física ou poder, real ou em ameaça contra

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O crime de divulgação de pornografia infantil pela Internet Breves Comentários à Lei 10.764/03 Demócrito Reinaldo Filho Foi publicada (no DOU do dia 13/11) a Lei Federal 10.764,

Leia mais

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes A Organização das Nações Unidas instituiu 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência

Leia mais

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

1 de 5 18/10/2010 17:48

1 de 5 18/10/2010 17:48 1 de 5 18/10/2010 17:48 Noções sobre o Estupro RODRIGO DA SILVA BARROSO, Advogado. E-MAIL rodrigosbarroso@terra.com.br Noções Basicas e Gerais sobre o Crime de Estupro. Ultimamente estou sendo muito questionado

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 Danielli Regina Scarantti 2, Lurdes Aparecida Grossmann 3. 1 Projeto de extensão Cidadania Para Todos realizado no curso de Graduação em

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

29/10/2014. Violências. Conceito de Violência: Tipologia de Violência: (Ministério da Saúde, 2002). Conceito de violência física:

29/10/2014. Violências. Conceito de Violência: Tipologia de Violência: (Ministério da Saúde, 2002). Conceito de violência física: Conceito de Violência: Violências Ma. Maiara Pereira Cunha Disciplina Psicologia da Educação II Uso intencional de força física ou poder, sob a forma de ameaça ou real, contra si mesmo, outra pessoa ou

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET A internet está cada vez mais presente na vida de crianças e adolescentes Atualmente, milhões de usuários estão conectados à internet em todo o mundo,

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO Mônica Barcellos Café Psicóloga na Aldeia Juvenil PUC Goiás Movimento de Meninos e Meninas de Rua de Goiás VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Todo ato ou omissão praticado

Leia mais

O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL

O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS INFANTO- JUVENIS NO BRASIL Adriana Preti Nascimento "Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ VIOLÊNCIA INFANTIL DOMÉSTICA: FORTE INFLUÊNCIA NO APRENDIZADO 2015 GISLAINE DOS SANTOS WEINFURTER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ VIOLÊNCIA INFANTIL DOMÉSTICA: FORTE INFLUÊNCIA NO APRENDIZADO 2015 GISLAINE DOS SANTOS WEINFURTER VIOLÊNCIA INFANTIL DOMÉSTICA: FORTE INFLUÊNCIA NO APRENDIZADO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GISLAINE DOS SANTOS WEINFURTER VIOLÊNCIA INFANTIL DOMÉSTICA: FORTE INFLUÊNCIA NO APRENDIZADO CURITIBA 2015

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Tatiane Mahfond Bueno VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Tatiane Mahfond Bueno VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Tatiane Mahfond Bueno VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE CURITIBA 2011 Tatiane Mahfond Bueno VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL 2 OBrasil tem uma legislação ampla sobre a proteção da criança e do adolescente e a proibição do trabalho infantil. Vamos conhecê-la? A Constituição Federal

Leia mais

ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Marcas para a vida toda

ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Marcas para a vida toda ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Marcas para a vida toda Ministério Público Federal Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul Assessoria de Comunicação Social Texto: Danilce Vanessa

Leia mais

Mário Roberto Hirschheimer Núcleo de Estudos da Violência Contra Crianças e Adolescentes da SPSP Câmara Técnica de Pediatria do CREMESP Tipos de violência Violência doméstica (intra familiar ou maus tratos)

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS. Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller

O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS. Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller Rede Social é um grupo de pessoas/empresas conectadas através da internet e de interesses em comum. Esse grupo forma

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

"PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS"

PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS "PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS" SINAIS DE VIOLÊNCIA FÍSICA deve-se suspeitar dos casos

Leia mais

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa Um país que quer ser grande tem que proteger quem não terminou de crescer. Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana

Leia mais

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL Pelo presente instrumento, na forma do artigo 5º, 6º, da lei n.º 7.347/85, alterado pelo artigo 113 da Lei n.º 8.078/90, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Da Sra. Jô Moraes) Prevê o pagamento, pelo Poder Público, de danos morais e pensão indenizatória aos dependentes das vítimas fatais de crimes de violência sexual e violência

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O PAPEL DO PROFESSOR NA DETECÇÃO, PROTEÇÃO E PREVENÇÃO

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O PAPEL DO PROFESSOR NA DETECÇÃO, PROTEÇÃO E PREVENÇÃO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O PAPEL DO PROFESSOR NA DETECÇÃO, PROTEÇÃO E PREVENÇÃO VALÉRIA ROSSI SAGAZ - UEPG¹ PROFª DRª MARIA VIRGÍNIA B. BERGER² mauricio.sagaz@ig.com.br Resumo

Leia mais

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 MACHADO, Adiles Dias 2 ; KAEFER, Carin Otilia 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; 1 Resultado de discussões realizadas no Projeto

Leia mais

Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes Quebrando Tabus Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes Maio de 2008 Lauro Monteiro Médico Pediatra Editor do Observatório da Infância www.observatoriodainfancia.com.br Importância de Vitória Vésperas

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 370, de 2008, do senador Papaléo Paes, que altera o Código Penal, para incluir o crime de induzir

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

(Apensos: PL 5822/2013; PL 6630/2013; PL 6713/2013; PL 6831/2013; e PL 7377/2014)

(Apensos: PL 5822/2013; PL 6630/2013; PL 6713/2013; PL 6831/2013; e PL 7377/2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 5.555, DE 2013 (Apensos: PL 5822/2013; PL 6630/2013; PL 6713/2013; PL 6831/2013; e PL 7377/2014) Altera a Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana

Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Violência Sexual PIBID -Temas Transversais Unipampa campus Uruguaiana Termos Utilizados Abuso Sexual; Violência Sexual doméstica; Prostituição; Tráfico para fins sexuais (interno e externo); Pornografia

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.555, DE 2013 (Apensos: PL 5822/2013; PL 6630/2013; PL 6713/2013; PL 6831/2013; e PL 7377/2014) Altera a Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Família Feliz! Família Feliz!

Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Família Feliz! Família Feliz! Fique Ligado... Pólo de Prevenção à Violência Doméstica, e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes O que você acabou de ver são situações que estão presentes em muitas famílias. Estas situações podem

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia

Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia Segurança contra a pedofilia Orientações aos pais 1 2 Prevenção ao abuso sexual infantil Pedofilia 3 4 1 Nunca Atitudes preventivas deixe seu filho dormir fora de casa ainda que seja em casa de parentes

Leia mais

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Lívia Rodrigues 1 Ana Beatriz de Melo Holanda, 2 Natiane Muliterno da Cunha

Leia mais