Análise e Diagnose de Diesel Geradores Operando com Óleo de Dendê in natura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise e Diagnose de Diesel Geradores Operando com Óleo de Dendê in natura"

Transcrição

1 Análise e Diagnose de Diesel Geradores Operando com Óleo de Dendê in natura Pimentel, Valéria S. B.; Belchior, Carlos P. R. Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Tecnologia- bloco G sala 204 Cidade Universitária/Rio de Janeiro Fax: (21) ; Tel.: (21) ; RESUMO Este trabalho refere-se a análise do desempenho de geradores operando com óleo de in natura. Baseado em testes de durabilidade, desempenho e emissões realizados em um -gerador de injeção direta durante 350 horas de teste [1, 2, 3], foram realizado testes de desempenho em motor de injeção indireta ASTM CFR Cetano, com alterações no débito de combustível, taxa de compressão e avanço de injeção, buscando-se o melhor desempenho do motor com esse combustível. Os resultados obtidos nos testes apontam para a possibilidade de utilização do óleo de como combustível para -geradores, com modificações introduzidas nos motores. ABSTRACT This work refers the analysis of the performance of generators operating with crude palm oil. Based on previous tests of durabilities, performance and emissions accomplished in a -generator of direct injection for 350 hours of test [1, 2, 3], complementary tests were accomplished in motor of indirect injection ASTM CFR Cetano, with alterations in the debit of fuel, compression rate and injection time, providing for the best performance of the motor with that fuel. A comprehensive analysis of the results obtained in these tests indicates the possibility of use of the palm oil as fuel for -generators, with modifications introduced in the motors. INTRODUÇÃO A Comunidade Econômica Européia investiu, com sucesso, na pesquisa de combustíveis alternativos vegetais, entre eles o bio de óleo de colza. Na Malásia e EUA foram realizados experimentos bem sucedidos com palma e soja, respectivamente. Na Alemanha, mais de quinhentos postos urbanos de combustíveis já oferecem o bio [16]. Com relação ao óleo vegetal in natura, entretanto, as pesquisas têm um desenvolvimento mais lento. A Alemanha desenvolveu um motor, especialmente destinado a utilização desse tipo de combustível, que por não ser produzido em série, nem em alta escala, apresenta preço elevado inicial e de manutenção. Atualmente, existem pesquisas no desenvolvimento de dispositivos de conversão, na Alemanha, para alteram o motor original para uso de óleo vegetal como combustível. A utilização de óleo vegetal in natura será grande utilidade em comunidades isoladas, como as do norte do país, onde a eletrificação é feita através da utilização de -geradores. Devido aos altos custos de derivados do petróleo e do seu transporte, o custo da energia elétrica tornase proibitivo, prejudicando o desenvolvimento da região devido à falta de energia elétrica contínua e confiável. Justifica-se então um estudo para a utilização do óleo vegetal in natura como combustível, já que, a extração do mesmo é dominada pelos moradores dessas regiões, não necessitando de uma estrutura tecnológica de alto grau de complexidade. Além disso, o Brasil dispõe de uma enorme diversidade de plantas oleaginosas nativas e de condições climáticas favoráveis para

2 se tornar um grande produtor de combustíveis à base de óleos vegetais. OBJETIVO O objetivo do teste em um motor ASTM CFR Cetano foi analisar, de maneira mais controlada, o efeito que algumas variáveis, tais como, taxa de compressão, débito de combustível e avanço de injeção, têm sobre a combustão do óleo de em motores e, consequentemente, sobre as emissões e o desempenho do motor. Com base nos melhores resultados dos testes de durabilidade/desempenho do motor MWM [1, 2 e 3], os testes no motor ASTM CFR cetano, foram realizados com o óleo de aquecido a 85 o C. O resultado desses testes levou a um maior conhecimento da influencia dessa variáveis desempenho do motor, levando a sugestões de adaptações nos geradores, possibilitando um melhor desempenho deste combustível in natura. APPARATUS No desenvolvimento do trabalho, foi utilizado um motor ASTM CFR Cetano que consiste em um motor monocilíndrico de injeção indireta com taxa de compressão variável (ver figura 1) montado em uma base estacionária. O motor opera em rotação fixa controlada por um motor elétrico síncrono. Este motor elétrico age como motor de partida e como um meio de absorver a potência, a velocidade constante, quando a combustão está ocorrendo. Como a viscosidade do óleo de é maior que a do óleo a temperatura ambiente, foram realizadas algumas alterações no sistema de alimentação de combustível do motor CFR, para que se pudesse operar o motor com óleo de a 85 o C. A alimentação de combustível passou a ser feita através de dois tanques de combustível interligados, um para o e outro para fabricado em de aço inox equipado com uma resistência elétrica. A tubulação de alimentação, isolada termicamente, ligava-se diretamente a uma bureta calibrada para permitir a medição volumétrica de consumo de combustível. O débito de combustível utilizado foi o indicado pela norma ASTM D 613 [4], de 13 ± 0.2 ml/min (60 s ± 1 s por 13 ml). Para determinação da potência efetiva produzida pelo motor, foi empregado um dinamômetro hidráulico da marca Land & Sea Inc. com capacidade para 20 kw e rotações até 100 revoluções por segundo, projetado para ser instalado diretamente no eixo do motor. Este dinamômetro é conectado a um microcomputador através de um módulo de aquisição de dados, permitindo o registro de dados. Figura 1 Bancada de teste Motor ASTM CFR Cetano O motor CFR vem equipado com sensor de temperatura do óleo lubrificante e com termômetros para possibilitar um controle de temperatura em vários pontos do motor, tais como: - temperatura do ar de admissão que pode ser controlada através de um termostato instalado no painel do motor ligado a uma resistência elétrica instalada no coletor de admissão; - temperatura da água de arrefecimento do cabeçote e temperatura da água de arrefecimento do motor - o motor CFR opera com dois circuitos de água de arrefecimento, um aberto e outro fechado. O aberto é utilizado para resfriar o bico injetor e o circuito fechado é utilizado para resfriar o bloco e cabeçote do motor. Para ter um controle mais preciso da temperatura, esses termômetros foram substituídos por termopares tipo J. Somados a esses termopares foram instalados outros termopares para registrar e controlar a temperatura dos gases de escape, do óleo de no tanque de combustível e na entrada da bomba injetora. Em composição ao sistema de medição de temperatura, foi empregada uma placa de aquisição de dados de fabricação da Omega que utiliza uma temperatura de referência interna do próprio equipamento (Tempbook) para a leitura do termopar. O motor CFR vem equipado com um medidor de atraso de ignição Ignition Delay

3 Meter que é um medidor transistorizado que mede o atraso de ignição, através de sensores de pressão e de posição. Este instrumento também mede o avanço de injeção através de um sensor instalado no bico injetor que indica o instante de início de injeção de combustível e, com o auxílio dos sensores de posição instalados no volante do motor, registra o ângulo de início de injeção de combustível. Para que fosse possível gerar curvas de pressão versus ângulo do eixo de manivela, foi utilizado um sistema de aquisição de dados composto de um medidor do ângulo do eixo de manivela da AVL 364 Angle Encoder (1) com resolução de 0.1 o, instalado no eixo do motor. Os pulsos gerados por esse instrumento passam por um convertedor de pulso (2) e uma fonte (3) ligados a uma placa/softwear de AVL 617 Indimeter(4). Um sensor de pressão 6021 da Kistler (5) foi instalado no local do transdutor de pressão do medidor de atraso de ignição. Os sinais do sensor passam por um amplificador de carga conectado a placa AVL 617. Através desses sinais esse sistema realizava o cálculo da pressão máxima do ciclo, o ângulo de pressão máxima e a pressão média indicada do ciclo. Figura 2 Sistema de Medição da Pressão versus Ângulo do Eixo de Manivela A medição das emissões de gases poluentes foi realizada por um analisador de quatro gases (CO, CO 2, HC e NO x ). Este analisador determina as concentrações de HC, CO e CO 2 através do método de absorção de infravermelho. As análises das emissões de NO x são determinadas através de um detetor químico-luminescente. A medição de opacidade foi realizada através de opacímetro de fluxo total que não mede a massa das partículas emitidas, apenas uma estimativa dos níveis de emissão mássica. A opacidade do motor operando com e foi medidas mas como o motor operou sem carga, os valores emitidos foram menores que a precisão do instrumento, por isso não constam neste trabalho. PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTO O planejamento de experimento é uma ferramenta importante para a orientação de testes com o objetivo de reduzir o tempo e custo do trabalho experimental [5]. Com esse objetivo elaborou-se um programa experimental, no qual foi definido quais, como e em que seqüência as variáveis deveriam ser medidas, tentando-se identificar quais as mais importantes no processo e aquelas que poderiam ser minimizadas, avaliandose a uniformidade dos erros nas diversas regiões de experimentação. Especificamente com relação aos testes, o planejamento orientou a definição do grau de dependência entre as variáreis fundamentais, que poderiam afetar o funcionamento. O planejamento de experimento estabeleceu a quantidade de réplicas e a forma de replicações e como os dados seriam analisados [5]. Baseado nas características das variáveis a serem medidas optou-se por empregar o planejamento fatorial, que ó o mais eficiente para experimentos com mais de dois fatores, no intuito de minimizar o número de teste e réplicas a serem realizadas (tamanho da amostra). Os testes normais de média e variância foram implementados para determinação de um programa de teste mínimo [6]. Os requisitos básicos para o estabelecimento de um programa de testes visaram atender os objetivos acadêmicos chegando a proposta final de realizar um trabalho experimental, onde uma analogia entre os desempenhos do motor operando com óleo e de e pudesse ser realizada, através de ensaios em condições semelhantes de operação. Com o objetivo de propor modificações em -geradores para que os mesmos possam operar com óleo de in natura com melhor desempenho, e como o motor CFR possibilita a modificação da taxa de compressão, do débito de combustível e do avanço de injeção, optou-se por definir essas variáveis como as de controle. Cada uma dessas variáveis foi estudada separadamente, já que a realização da combinação de todas elas levaria a tempo e custo elevados de testes. Definiu-se, dessa forma, as variáveis independentes para o estabelecimento de um planejamento fatorial, visando números mínimos de teste e de réplicas.

4 As faixas escolhidas para os testes com cada combustível foram função das faixas usualmente adotadas em operação de motores e também em função da sensibilidade do CFR. PROCEDIMENTO DE TESTE O procedimento de teste desenvolvido teve como base o método de teste padrão para qualidade de ignição de combustíveis pelo método cetano, desenvolvida pela ASTM sob o código D 613. Esse método descreve o teste para determinação da qualidade de ignição de combustíveis. O número de cetano de um combustível é determinado pela comparação de sua qualidade de ignição com as de um de combustível de referência, de conhecido número de cetano sob condições padrão de operação. Esta comparação é feita pela variação da taxa de compressão necessária para que uma amostra de combustível atinja 13 graus de atraso de ignição, ou seja, um combustível de pior qualidade necessita de uma taxa de compressão maior para que seu atraso de ignição atinja 13 graus. As condições padrão de operação são: Rotação: 900 ± 9 rpm; Avanço de injeção: 13 graus antes do PMS Pressão de abertura do injetor: 10.3 ± 0.34 MPa Débito de combustível: 13 ± 0.2 ml/min Temperatura da água de arrefecimento do injetor: 38 ± 3 C Temperatura da água de arrefecimento do motor: 100 ± 2 C Pressão do óleo lubrificante: 0.17 a 0.20 MPa Temperatura do óleo lubrificante: 57 ± 8 C Temperatura do ar de admissão: 66 ± 0.5 C Baseado nessas informações, o procedimento visa estabelecer uma metodologia de testes que possibilite a comparação de desempenho entre o óleo e o óleo de sob as mesmas condições de teste, e a identificação da influência da taxa de compressão, débito de combustível e avanço de injeção no desempenho do motor e emissões de poluentes. Para atingir estes objetivos foram realizados testes que tinham como metodologia a fixação de 3 das 4 variáveis da citadas acima variando-se apenas uma delas por vez. A variável alterada era testada em 3 pontos distintos, estipulados, de acordo com o interesse da pesquisa e das possibilidades de operação do motor. A rotina de teste seguiu a seguinte seqüência de operação: Diariamente era realizada uma rotina de inspeção, onde era verificado e registrado o estado geral do motor, temperatura ambiente, pressão atmosférica e temperatura do combustível, além do registro das outras variáveis citadas anteriormente. A partida do motor era dada com óleo permanecendo nessa condição (aquecimento) durante 30 minutos, para que fossem atingidas as condições ideais de funcionamento. Esse critério foi usado para atenuar os problemas causados pela pior atomização e vaporização do combustível quando o motor está frio, levando a formação de depósito. Após o aquecimento, iniciava-se o primeiro ciclo de teste seguindo o seguinte procedimento: 1. Verificar e ajustar a temperatura do ar de admissão; 2. Medir e ajustar o débito de combustível, através da bureta calibrada e cronômetro; 3. Verificar e ajustar o avanço de injeção; 4. Verificar e ajustar o atraso de ignição através da variação da taxa de compressão do motor; 5. Depois de estabilizadas as condições de teste os valores eram registrados. Para proteção do motor, o tempo de teste para cada determinação com óleo de era restrito à no máximo 30 minutos [7], intercalados por 15 minutos operando com óleo. Após o término dos testes diários, o motor permanecia funcionando durante 30 minutos com óleo para promover uma limpeza no sistema de injeção. Esse cuidado era tomado para evitar a solidificação do combustível na tubulação, causando entupimento após o desligamento do motor. DESCRIÇÃO DOS TESTES Os teste no motor CFR Cetano foram realizados em etapas distintas. A primeira etapa consistiu no enquadramento do motor e determinação do número de cetano dos combustíveis. O enquadramento do motor foi realizado através de vários testes com combustíveis de altíssima pureza que calibram o motor estabelecendo uma escala de número de cetano. Depois de estabelecida essa escala, iniciou-se os testes para determinação do número de cetano do óleo e do óleo de.

5 A determinação do número de cetano do óleo de foi mais complicada do que do, devido a dificuldade de se manter constante a temperatura ao longo do teste (85 o C) sendo necessário realizar vários teste de confirmação. Na determinação eram registrados os valores dos micrômetros de controle de débito de combustível, e de avanço de injeção e os valores da posição do volante do pistão da pré-câmara. Esses valores foram usados como padrão de desempenho, isto é, o motor operando com óleo nas condições padrão (13 graus de avanço/13 graus de atraso/13 ml/min de débito/ 66 C ar de admissão) foi utilizado como referência. Estabelecida esta condição, iniciou-se a segunda fase de testes que compreendeu na determinação dos parâmetros de desempenho e emissões do motor e levantamento de curvas características. Para a determinação dos parâmetros de desempenho e emissões de poluentes foram realizados testes que tinham como metodologia a fixação de 3 das 4 variáveis da condição padrão, com o motor operando com, variando-se apenas uma delas. A variável alterada era testada em 3 pontos distintos, estipulados, de acordo com o interesse da pesquisa e das possibilidades de operação do motor. avanço de injeção: 11, 13 e 15 graus antes do PMS. Essa faixa de avanço de injeção corresponde à faixa usual de operação dos motores [8]; débito de combustível: 13, 14 e 16 ml/min. Inicialmente foram definidas faixas maiores de variação de débito de combustível, entretanto, foram constatados problemas de depósito no pistão da pré-câmara alterando, inclusive, a taxa de compressão. Dessa forma optou por faixas menores de variação de débito. taxa de compressão: 11.91:1, 12.39:1 e 13.86:1. Inicialmente, também, foram definidas faixas maiores de variação de taxa de compressão, entretanto, foi observado que com taxas maiores forçava-se o motor e com taxas menores não ocorria a combustão. Dessa forma optou por faixas menores de taxa de compressão. Em cada uma dessas condições os teste eram realizados registrando-se as alterações no atraso e avanço de injeção, emissões de poluentes, e potência efetiva. Os testes com o óleo de utilizaram como referência os dados do motor operando com, isto é, os valores registrados nos micrômetros de ajuste do débito de combustível e avanço de injeção, bem como, os valores registrados no volante do pistão da pré-câmara e as temperaturas do ar de admissão eram os mesmos utilizados com o motor operando com óleo de. Essa medida foi tomada para que fosse possível perceber as diferenças no desempenho e emissões com o motor operando com os dois óleos. O levantamento das curvas características do motor foi realizado com o auxílio do sistema de medição de pressão de combustão em relação ao ângulo do eixo de manivela da AVL, onde foi possível registrar a influência que cada combustível sofre com a alteração dessas variáveis. ANÁLISE DOS RESULTADOS Nesse item são apresentados os gráficos de potência, temperatura dos gases de escape, consumo específico (sfc), e emissões. Analisando a figura 3, verifica-se como esperado um aumento progressivo da potência com o aumento do débito de combustível. Observa-se também que a potência desenvolvida com o óleo de é menor nas três faixas de débito de combustível, devido ao seu menor poder calorífico. Entretanto, é possível observar que aumentando-se a vazão volumétrica do óleo de em menos de 10% (vazão 14) atinge-se a mesma potência do motor quando utilizando óleo como combustível (vazão 13) Potência (kw) 3,5 3,3 3,1 2,9 2,7 2,5 VAZÃO 13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 Figura 3 Potência em função da Variação de Débito de Analisando o gráfico do consumo específico (figura 4), verifica-se que este é maior com menores débitos de combustível. Apesar do consumo específico do ser maior cerca de 11%, a potência do motor operando com o óleo de é menor. Uma observação interessante é que no motor CFR quando se regula o micrômetro do débito de combustível, o débito deveria

6 permanecer o mesmo não importando o tipo combustível, exceto por sua viscosidade. Entretanto, a vazão volumétrica do óleo de foi maior cerca de 5%. Como a viscosidade do óleo de a essa temperatura (85 o C) é um pouco maior que a do, a agulha do bico injetor se levanta antes do que com, provocando maior avanço de injeção, e fecha mais tarde [9]. combustível com o motor operando com foi maior. Uma possível explicação pela menor emissão de CO seria a presença do oxigênio na molécula do combustível. 0,16 0,12 Consumo Específico (g/kwh) VAZÃO 13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 CO(%) 0,08 0,04 0,00 VAZÃO13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 Figura 6- Monóxido de carbono em Função do Débito de Figura 4 Consumo Específico em função do Débito de Ao contrário do que ocorreu no motor MWM [1, 2 e 3] a temperatura dos gases de escape (figura 5) foi menor com o motor operando com o óleo de do que com o óleo. Devido ao maior avanço de injeção quando o motor opera com óleo de, a combustão ocorre mais cedo permitindo que os gases de exaustão saiam com temperaturas menores. Além disso, era esperado um melhor desempenho de óleo vegetais em motores de injeção indireta, devido sua maior turbulência dentro da câmara de combustão. CO2 (%) 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 VAZÃO13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 Figura 7- Dióxido de carbono em Função do Débito de Temperatura de Exaustão (C) VAZÃO 13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 HC (ppm) VAZÃO 13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 Figura 5- Temperatura dos Gases de Exaustão em Função do Débito de Da mesma forma, as emissões de CO, CO 2 e HC (figura 6, 7 e 8) com o motor operando com óleo de foram menor que com. Este fato não era esperado, devido a menor razão ar/combustível do, já que o consumo de Figura 8- Hidrocarbonetos em Função do Débito de As emissões NO x foram maiores (figura 9) com o do com o, devido a menor relação ar/combustível, já que a emissão de NO x aumenta com o aumento da relação combustível/ar [10]. Com o débito de 14 ml/min a emissão de NO x atingiu níveis maiores do que com o débito de 16 ml/min, isto pode ser explicado pelo menor atraso

7 de ignição (12.5) experimentalmente verificado do óleo de com este débito. motor operando com foi menor que com. NOx (ppm) VAZÃO13 VAZÃO 14 VAZÃO 16 Consumo Específico (g/kwh) Figura 9- Óxidos de Nitrogênio em Função do Débito de A influência da variação da taxa de compressão no desempenho do motor pode ser observada pela figura 10. Observa-se, como esperado, que a potência do motor aumenta com o aumento da taxa de compressão. Da mesma forma, verifica-se a menor potência desenvolvida pelo motor operando com óleo de, ao longo dessa variação, em relação ao óleo. Entretanto, é possível observar, como no caso da variação do débito de combustível, que aumentando-se a taxa de compressão, neste motor, em torno de 4%, a potência desenvolvida pelo motor operando com óleo de (taxa 12,36) fica próxima da do motor operando com óleo (taxa 11.91). Potência (kw) 3,5 3,0 2,5 2,0 Figura 10- Potência em Função Taxa de Compressão Através dos gráficos de consumo específico (figura 11), pode ser observado o pior desempenho do motor operando com óleo de, como esperado. A temperatura de exaustão (figura 12), com o motor operando com óleo, teve um ligeiro aumento com o aumento da taxa de compressão, fato já esperado devido o aumento da pressão e da temperatura do ar dentro do cilindro, com o aumento da compressão. Observa-se novamente que a temperatura de exaustão de do Figura 11- Consumo específico em Função Taxa de Compressão Temperatura de Exaustão (C) Figura 12- Temperatura dos Gases de Exaustão em Função Taxa de Compressão As emissões de CO e HC (figura 13 e 14) diminuíram com o aumento da taxa de compressão, com esperado já que o motor operando com taxas de compressão maiores a temperatura mínima de auto-ignição diminui com o aumento da densidade do ar, reduzindo o atraso de ignição. As emissões com óleo de apresentaram um percentual menor (como ocorrido no motor MWM [1, 2 e 3] operando com óleo de a 85 C). CO (%) 0,12 0,09 0,06 0,03 0 Figura 13- Monóxiodo de Carbono em Função Taxa de Compressão

8 HC (ppm) , com maior potência desenvolvida para o. É possível observar o aumento da potência com o aumento do avanço de injeção. O aumento do avanço de injeção de 11 para 13 graus para os dois combustíveis. Neste motor um avanço de injeção de 11 graus do PMS, faz com que a combustão se inicie depois do PMS, já que o atraso de ignição é de aproximadamente 13 graus), causando menores pressões máximas. Figura 14- Hidrocarbonetos em Função Taxa de Compressão As emissões CO 2 e NO x (figura 15 e 16) tiveram comportamento semelhantes nos dois combustíveis. A emissão de NO x aumentou com a taxa de compressão devido as maiores temperaturas de combustão com taxas maiores. Observa-se que com taxas de compressão maiores as emissões do motor operando com óleo de, tornam-se próximas as do, devido à diminuição do atraso de ignição. Potência (KW) 3,0 2,8 2,6 2,4 Figura 17- Potência em Função do Avanço de Injeção 8,8 CO2 (%) 8,5 O consumo específico (figura 18) foram piores no, apresentando melhor desempenho com avanço de 15 graus. 8,2 Figura 15- Dióxido de Carbono em Função Taxa de Compressão NOx (ppm) Figura 16- Óxidos de Nitrogênio em Função Taxa de Compressão As figuras 17 a 23 mostram os gráficos do desempenho do motor com a variação do avanço de injeção. Observa-se o comportamento similar da potência do motor operando com óleo e de Consumo Específico (g/kwh) Figura 18- Consumo Específico em Função do Avanço de Injeção A temperatura de exaustão (figura 19) apresenta uma tendência de aumentar com a diminuição do avanço de injeção, devido à combustão começar mais tarde se processando ao longo da expansão. As emissões de CO (figura 20) apresentaram níveis menores com tendência de diminuir com o aumento do avanço de injeção devido as maiores pressões e temperaturas de combustão. As emissões de CO 2 e HC (figuras 21 a 22) com o motor operando com óleo de apresentaram comportamento similar ao.

9 Temperatura de Exaustão (C) As emissões de NO x (figura 23) aumentaram com o aumento do avanço de injeção devido às maiores pressões e conseqüente temperaturas de combustão ocorridas nesse motor com o aumento do avanço de injeção. 700 Figura 19- Temperatura dos Gases de Exaustão em Função do Avanço de Injeção 0,12 0,09 NOx (ppm) CO (%) 0,06 0,03 Figura 23- Óxidos de Nitrogênio em Função do Avanço de Injeção 0 Figura 20- Monóxido de Carbono em Função do Avanço de Injeção CO2 (%) Figura 21- Dióxido de Carbono em Função do Avanço de Injeção HC (ppm) 9,1 8,9 8,7 8,5 8,3 8, Figura 22- Hidrocarbonetos em Função do Avanço de Injeção CONCLUSÕES Ao final do trabalho é possível concluir que a utilização do óleo vegetal, em particular o óleo que foi objeto da pesquisa, apresenta-se como uma das soluções viáveis em substituição aos combustíveis derivados de petróleo. O óleo vegetal mostra-se vantajoso principalmente pelo aspecto impacto ambiental, apesar da questão operacional em que é necessário adaptações de projeto no motor para um funcionamento regular e compatível com à do motor operando com óleo. A viscosidade do óleo de in natura a temperatura ambiente é muito alta para que seja possível a sua utilização como combustível sem maiores danos ao motor. Para atingir um valor de viscosidade próximo ao do óleo é necessário aquecer o óleo de a uma temperatura próxima dos 85 o C, o que resulta em melhores condições de operação do motor. Os testes no motor ASTM-CFR Cetano, realizados com o óleo de a 85 o C, foram muito importantes para indicar algumas modificações de projeto e operação do motor necessários a um desempenho similar ao do. Algumas das alterações de projeto e operação implementadas no trabalho experimental, não só afetaram o desempenho do motor mas também modificaram alguns dos valores de emissões esperados, muitas vezes confirmando a vantagem em se utilizar o óleo vegetal em relação ao óleo. As emissões de CO, CO 2 e HC foram menores com o motor operando com óleo de, já as emissões de NO x foram maiores.

10 O aumento da taxa de compressão, do avanço de injeção e do débito de combustível promoveram um aumento na potência do motor, entretanto, baseado nos fatores de correlação encontrados, as variáveis que tiveram maior influência no desempenho do motor, operando com óleo de in natura foram o avanço de injeção e o débito de combustível, sendo que esta última apresentou alta correlação com o aumento de potência. O aumento do débito de combustível fez aumentar o desempenho do motor no que se refere a potência e eficiência térmica e aumentar as emissões de CO 2, HC e CO (sendo menor para o ), tendo pouca influência sobre a emissão de NO x, para os dois combustíveis, entretanto as emissões de NO x com o motor operando com o foram o dobro do que quando operando com óleo. Aumentando-se o débito de óleo de em cerca de 10 % a potência do motor tornase próxima da do. O aumento na taxa de compressão fez aumentar o desempenho do motor no que se refere a potência e eficiência térmica e diminuir as emissões de CO 2, HC, CO, aumentando-se a emissão de NO x, para os dois combustíveis. Entretanto, somente com taxa de compressão mais baixa (11.91:1), é que houve uma aproximação da potência desenvolvida pelos dos combustíveis. O aumento do avanço de injeção neste motor, devido as sua características de operação, promove um aumento na potência na utilização dos dois combustíveis, sendo mais linear com o óleo de. As emissões de NO x e CO 2 aumentam e a de CO diminuem com o aumento do avanço. Com menores avanços de injeção do que os de referência, a potência desenvolvida pelo motor com os dois diferentes combustíveis apresentou valores próximos. em grupos geradores para eletrificação de localidades isoladas, VIII Congresso Brasileiro de Energia, 1999 [2] PIMENTEL, V. S. B., BELCHIOR, C. R. P., ALMEIDA, S. C. A., Diesel Generator adaptation for the use of palm oil fuel, 8 o Brazilian Congress of Thermal Engineering and Sciences, 0 [3]SOARES, G. F. W., VIEIRA, L. S. R., NASCIMENTO, M. V. G., Operação de um grupo gerador utilizando óleo vegetal bruto como combustível, AGRENER, 0 [4] STANDARD, Test Method for, Ignition Quality of Diesel Fuels by the Cetane Method, ASTM D 613 [5] MONTGOMERY, D. C., Design and analysis of Experiment, 3 a edition John Wiley & Sons, 1991 [6] BUSSAB, W. O., MORETTIN, P. A., Estatística Básica, 3 a edição, Atual Editora, 1986 [7] CLARK, Industrial and Marine Fuels, 1983 [8] BARSIC, J. N., LUMKE, A. L., Performance and emissions characteristics of a naturally aspirated engine with vegetable oil fuels, SAE , 1981 [9] HASSAN, M. et al, Indirect-Injection of preheated palm oil in reciprocating engine, Malaysia, 1993 [10] DEGOBERT, P., Automobiles and pollution, Institut Français du Pétrole Publications, 1995 PALAVRAS CHAVES Óleo vegetal; combustível alternativo; óleo de ; gerador. AGRADECIMENTOS Ao CEPEL/Eletrobrás e ao CENPES/ Petrobrás pela colaboração técnica ao longo dos testes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] PIMENTEL, V. S. B., BELCHIOR, C. R. P., ALMEIDA, S. C. A., Utilização de óleo de

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO

MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 4.816, de 17 de abril de 2007. Publicado no DOERJ de

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Parâmetros de performance dos motores:

Parâmetros de performance dos motores: Parâmetros de performance dos motores: Os parâmetros práticos de interesse de performance dos motores de combustão interna são: Potência, P Torque,T Consumo específico de combustível. Os dois primeiros

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

3 Bancada Experimental

3 Bancada Experimental Capítulo 3. Bancada Experimental -------------------------------------------------------------------- 29 3 Bancada Experimental Foi projetado e construído um aparato experimental para avaliar o desempenho

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES GMG - DEFINIÇÃO O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão

Leia mais

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Medições para o controle de Motores de Combustão Interna João Miguel Guerra Toscano Bravo Lisboa, 27 de Outubro de 2004 Introdução Tipos de motores Gestão Electrónica

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

Leia mais

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Antes que a unidade eletrônica de controle (Electronic Control Unit ECU) atue de forma precisa no motor, a ECU deve estimar com a maior de precisão possível

Leia mais

ANÁLISE E DIAGNOSE DE DIESEL-GERADORES OPERANDO COM ÓLEO DE DENDÊ IN NATURA" Valéria Said de Barros Pimentel

ANÁLISE E DIAGNOSE DE DIESEL-GERADORES OPERANDO COM ÓLEO DE DENDÊ IN NATURA Valéria Said de Barros Pimentel ANÁLISE E DIAGNOSE DE DIESEL-GERADORES OPERANDO COM ÓLEO DE DENDÊ IN NATURA" Valéria Said de Barros Pimentel TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO

DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO Carolina S. Michels Pasqualli 1 ; Daniela O. Marques 2 ; Ramón

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Aluna: Paula Calderón Nunes Orientador: Sérgio Braga Introdução A tecnologia FLEX-FUEL (ou FLEX), nasceu de pesquisas realizadas

Leia mais

PORTARIA Nº 38 DE 01 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 38 DE 01 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 38 DE 01 DE ABRIL DE 2014 Divulga os limites de emissões de gases e os procedimentos para a fiscalização de veículos do ciclo diesel e do ciclo otto, motociclos e assemelhados do ciclo Otto,

Leia mais

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V CAPITULO 56 BOSCH MOTRONIC M2.8-16V APLICATIVOS GM VECTRA GSI CALIBRA 2.0 16V COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 2.8 DO VECTRA GSI 2.0 E CALIBRA 2.0 16V Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC

Leia mais

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL José Valdemar Gonzalez Maziero; Ila Maria Corrêa Centro APTA de Engenharia e Automação A retomada de estudos sobre o uso de óleos vegetais como combustível,

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL... 203 ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA Armando José Dal

Leia mais

Motores a combustão interna

Motores a combustão interna Motores a combustão interna 1 Sumário Página 1. Histórico... 3 2. Definição de motores... 3 3. Tipos de motores... 4 3.1 Motores a combustão externa... 4 3.2 Motores a combustão interna... 4 4. Motores

Leia mais

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas.

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas. 1 3.0 Descrição do Funcionamento dos Motores O conjunto de processo sofrido pelo fluido ativo que se repete periodicamente é chamado de ciclo. Este ciclo pode acontecer em 2 ou 4 tempos. Figura 3: Nomenclatura

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

SIMULAÇÃO TERMODINÂMICA DE MOTORES DIESEL UTILIZANDO ÓLEO DIESEL E BIODIESEL PARA VERIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE DESEMPENHO E EMISSÕES

SIMULAÇÃO TERMODINÂMICA DE MOTORES DIESEL UTILIZANDO ÓLEO DIESEL E BIODIESEL PARA VERIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE DESEMPENHO E EMISSÕES SIMULAÇÃO TERMODINÂMICA DE MOTORES DIESEL UTILIZANDO ÓLEO DIESEL E BIODIESEL PARA VERIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE DESEMPENHO E EMISSÕES Gelson Carneiro de Souza Junior Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP 1. Previamente à inspeção, o veículo depois de recepcionado no Centro de Inspeção, deve ser direcionado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE ENGENHARIA AUTOMOTIVA SEMESTRE 2015.1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE ENGENHARIA AUTOMOTIVA SEMESTRE 2015.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE ENGENHARIA AUTOMOTIVA SEMESTRE 2015.1 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Código: EMB 5304 Nome: Motores de Combustão

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

São Paulo, 30 de Julho de 2012 DTE/DEAT/CIR/3.8475/12

São Paulo, 30 de Julho de 2012 DTE/DEAT/CIR/3.8475/12 Prezados senhores, De acordo com o disposto nos artigos 32 e 33 da Portaria SECEX nº 10, de 24 de maio de 2010, alterada pela Portaria SECEX nº 17, de 15 de setembro de 2010 do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA USO DO ÓLEO VEGETAL EM DIFERENTES TEMPERATURAS EM UM MOTOR ESTACIONÁRIO DE CICLO DIESEL Daniel Max

Leia mais

Controle do regulador de volume de combustível - faixa/funcionamento do circuito

Controle do regulador de volume de combustível - faixa/funcionamento do circuito Todos os códigos EOBD que começam por P seguidos de zero possuem um significado padrão independentemente da marca ou modelo de veículo. Para obter o significado dos códigos EOBD que não começam por P seguidos

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti CAPITULO 2 Potência e pressões médias de um motor de combustão Eng. Julio Cesar Lodetti Definição de Potência e rendimento A potência, é por definição função do torque fornecido sobre o virabrequim, e

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1 Motores alternativos de combustão interna Parte 1 Introdução Sistemas de potência utilizando gás: Turbinas a gás Motores alternativos (ICE, ICO) Ciclos a gás modelam estes sist. Embora não trabalhem realmente

Leia mais

ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO

ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO 1. Estabelecer as seguintes definições e critérios para veículos

Leia mais

Por muitos séculos a tração animal foi a única fonte de força utilizada para realizar trabalho.

Por muitos séculos a tração animal foi a única fonte de força utilizada para realizar trabalho. Por muitos séculos a tração animal foi a única fonte de força utilizada para realizar trabalho. A tração humana ou animal, foi muito utilizada em engenhos e em veículos para o transporte de pessoas e cargas.

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Instituto de Tecnologia - Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Carlos Alberto Alves Varella [1] [1] Professor. Universidade

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

PROPORÇÃO IDEAL DE BIODIESEL

PROPORÇÃO IDEAL DE BIODIESEL PROPORÇÃO IDEAL DE BIODIESEL Vicente Pimenta São Paulo 17/08/2011 vicente.pimenta@delphi.com 1 Considerações inicias 2 Há uma clara procura, em nível global, pela substituição dos combustíveis fósseis

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo DC

Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo DC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Medição de Potência de um motor utilizando um Dinamômetro composto de um Dínamo

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P CAPITULO 64 APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P VECTRA 2.0-8V - 97 VECTRA 2.0-16V - 97 KADETT 2.0-97 S10 2.2 VECTRA 2.2 COMO FUNCIONA O SISTEMA. Este sistema de injeção eletrônica é um sistema digital

Leia mais

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores:

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Compressores Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Alternativos Rotativos de parafusos Rotativos Scroll Rotativos de palhetas

Leia mais

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Agenda Regulamentação; Resultados dos testes de uso experimental e específico; Companhia

Leia mais

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995 RESOLUÇÃO CONAMA nº 15, de 13 de dezembro de 1995 Publicada no DOU n o 249, de 29 de dezembro de 1995, Seção 1, páginas 22876-22877 Correlações: Altera a Resolução n os 18/86 e 3/89 para os limites de

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

Informativo de Assistência Técnica Brasil

Informativo de Assistência Técnica Brasil Informativo de Assistência Técnica Brasil 010/12 29 Agosto 2012 AA/SBZ1-TSS Emitente: Mauricio Pimenta Destinatário Assunto Rede Bosch Diesel Center e Bosch Truck Service Lançamento do Sistema Bosch de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÓLEO VEGETAL PARA UM GRUPO GERADOR

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÓLEO VEGETAL PARA UM GRUPO GERADOR DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÓLEO VEGETAL PARA UM GRUPO GERADOR Gerson Haruo Inoue 1, Luciano Baião Vieira 2, Guilherme Ladeira Santos 3, Ricardo Capúcio Resende 4, Adílio

Leia mais

BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2

BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2 CAPÍTULO 52 BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2 APLICATIVO DA GM OMEGA 2.0 SUPREMA 2.0 OMEGA 3.0 SUPREMA 3.0 VECTRA 2.0 COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 1.5 Omega 2.0 e 3.0 Vectra 2.0 Como funciona injeção eletrónica

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

ENGINEERING FUNDAMENTALS OF THE INTERNAL COMBUSTION ENGINES,. WILLARD W. PULKRABEK, PEARSON PRENTICE HALL, 2004. ADMISSÃO DE AR + COMBUSTÍVEL

ENGINEERING FUNDAMENTALS OF THE INTERNAL COMBUSTION ENGINES,. WILLARD W. PULKRABEK, PEARSON PRENTICE HALL, 2004. ADMISSÃO DE AR + COMBUSTÍVEL 1 ADMISSÃO DE AR + COMBUSTÍVEL O sistema de admissão consiste de um coletor de admissão, uma válvula borboleta, válvulas de admissão e bicos injetores (ou carburador), estes últimos para adicionar combustível.

Leia mais

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 As Tecnologias Necessárias Luso Martorano Ventura São Paulo, 27 de outubro de 2009 Conteúdo Evolução

Leia mais

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos nova geração de motores a gasolina Guia de produtos VOLVO PENTA MOTORES MARÍTIMOS A GASOLINA O futuro está aqui. A Volvo Penta, líder absoluta em inovações náuticas, estabelece o novo padrão em tecnologia

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O 1/7 1 2 SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O motor do ciclo de dois tempos remonta aos primórdios da utilização dos motores do tipo à combustão

Leia mais

Componente curricular: Mecanização Agrícola. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Mecanização Agrícola. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Mecanização Agrícola Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Mecanização agrícola. 1. Motores agrícola. Agricultura moderna: uso dos tratores agrícolas.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Golf 1.6-2009 Apresentador Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino. Professor do Universo do Mecânico (UMEC). Consultor

Leia mais

Simulação de uma Usina Termelétrica

Simulação de uma Usina Termelétrica 70 3 Simulação de uma Usina Termelétrica Considerando os diversos aspectos já tratados nesta dissertação, fez-se necessário simular o comportamento termodinâmico de motores estacionários operando com Biodiesel,

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica 57 9 Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica Neste capítulo será apresentada a metodologia utilizada para análise

Leia mais

Medidor de Fluxo de Ar MAF

Medidor de Fluxo de Ar MAF Medidor de Fluxo de Ar MAF O medidor de massa de ar - MAF (Mass Air Flow) mede diretamente a massa do ar admitido. Está localizado na entrada da tubulação de admissão junto ao suporte do filtro de ar.

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

MOBPROG. Manual rápido de utilização

MOBPROG. Manual rápido de utilização MOBPROG Manual rápido de utilização Tempo de injeção e tempo morto.(r) Linha superior: medição do tempo de injeção lido da centralina do carro. Linha inferior: indicação do tempo morto do bico injetor

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Variação da potência de saída de um gerador em função da utilização de biodiesel de crambe e soja

Variação da potência de saída de um gerador em função da utilização de biodiesel de crambe e soja 1 Variação da potência de saída de um gerador em função da utilização de biodiesel de crambe e soja Luiz Inácio Chaves 1, Helton Aparecido Rosa 1, Samuel Nelson Melegari de Souza 1, Christiano Beloti Reolon

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81 Página 81 ESTUDO COMPARATIVO DE MODELOS ESTATÍSTICOS PARA REDUÇÃO DA VISCOSIDADE EM MISTURA DE BIODIESEIS DE MAMONA E SOJA, USANDO UMA METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA Fernanda Mansani da Silva 1

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

Desempenho de um Motor Diesel Operando no Modo Bi-Combustível Diesel-Álcool

Desempenho de um Motor Diesel Operando no Modo Bi-Combustível Diesel-Álcool esempenho de um Motor iesel Operando no Modo Bi-Combustível iesel-álcool Aluno: Fernando Ferrari Filho Orientador: Carlos Valois Maciel Braga Co-Orientador: Sergio Leal Braga Resumo A busca por combustíveis

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DE INSTRUÇÕES SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA O EQUIPAMENTO Com a entrada da Injeção Eletrônica de Combustível

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça as características e os procedimentos para manutenção e diagnóstico do sistema de injeção eletrônica dos motores 1.4 e 1.6 bicombustíveis

Leia mais

Perguntas mais Frequentes

Perguntas mais Frequentes Perguntas mais Frequentes 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

http://www.envenenado.com.br/preparacao/ POLIAS AJUSTÁVEIS

http://www.envenenado.com.br/preparacao/ POLIAS AJUSTÁVEIS http://www.envenenado.com.br/preparacao/ POLIAS AJUSTÁVEIS Aqueles que vêm acompanhando a nossa série de artigos sobre preparação devem ter notado que estamos em uma escala crescente de receitas e conceitos

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes. Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta Subgrupo INEA, ABRAGET, PETROBRAS CONAMA 382 e Turbinas a Gás Abrangência (1): Ficam aqui definidos os limites de emissão para poluentes

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO Os motores de combustão podem ser classificados como do tipo de COMBUSTÃO EXTERNA, no qual o fluido de trabalho está completamente separado da mistura

Leia mais