Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença?"

Transcrição

1 Concretos antigos e modernos: Qual é a real diferença? Muitos estudiosos da arquitetura antiga são surpreendidos pela vasta diferença na qualidade entre as estruturas originais e os reparos mais recentes. Estudos recentes tentaram determinar porque as argamassas e os concretos antigos são mais duráveis do que os modernos. Muitos destes materiais que foram encontrados podem ser concreto geopolimérico reproduzido e pode ser um concreto apropriado para muitas finalidades modernas. Quando a história do concreto começou? Emery Farkas, então presidente da ACI, considerou esta questão no memorando ao seu Presidente em agosto 1985 intitulado How Old is Concrete? Engineering versus Chemistry : É um fato aceito que a origem do cimento Portland data antes do século XIX quando um pedreiro inglês, Joseph Aspdin, criou um produto cimentício que quando endurecido tornava-se similar à pedra do edifício localizado na ilha de Portland na Inglaterra. A história do concreto, entretanto, vem de tempos antigos. Os gregos e romanos usavam pedra calcária calcinada e mais tarde desenvolveram um cimento pozolânico pela união de cal e cinza vulcânica, conhecida por pozolana, que foi encontrada primeiramente próximo ao Porto de Pozzuoli, Itália. Mais tarde Henry L. Kennedy, um presidente da ACI em meados dos anos 50, tinha em sua mesa uma amostra de concreto pozolânico que tinha ficado submerso no porto de Pozzuoli por mais de 2000 anos. Há algum tempo, um artigo na revista Omni tratou de uma ideia fascinante que coloca a origem do concreto muito anteriormente De acordo com esta teoria [ ] para construir uma pirâmide [...] trabalhadores egípcios poderiam ter carregado a pedra calcária moída ao local de trabalho em baldes, misturado com sedimentos do rio Nilo necessários para a pasta de alumínio e silício, e os sais disponíveis no local adicionados como catalisadores para fazer a solução alcalina. Poderiam ter despejado os ingredientes em moldes de madeira e algumas horas no calor do deserto secariam a mistura. Isto poderia ter sido feito sem rampas maciças ou ferramentas complicadas Esta é uma teoria fascinante, mas é totalmente rejeitada pelos arqueólogos que sustentam o aspecto da engenharia contra a teoria da química. Quem quer que esteja certo, é interessante notar que o concreto pode ser muito mais antigo do que nós pensávamos e que em estruturas antigas poderiam ter sido engenharia ou química, enquanto nas construções atuais é a engenharia e a química, juntas, que criam estruturas modernas maravilhosas. A longevidade dos cimentos antigos O que impressiona muitos estudiosos da arquitetura antiga é a vasta diferença na qualidade entre as partes restauradas e as estruturas originais. As investigações das estruturas romanas do primeiro século d.c. revelaram que enquanto o concreto de cal e a argamassa destas estruturas permaneceram inalterados por condições severamente corrosivas, como fluxo de água ou maresia, concretos modernos feitos com cimento Portland sofreram grandes danos nas mesmas localidades e sob as mesmas condições. Sob determinadas circunstâncias climáticas, algumas estruturas de cimento Portland que têm somente dez anos estão sendo corroídas severamente, enquanto a 2000 anos estruturas nas mesmas condições permanecem inalteradas. Infelizmente, somente os cimentos e argamassas de monumentos sobreviventes podem ser 1

2 Argamassas e concretos de cal de estruturas romanas remanescentes não foram afetados por condições que têm intensivamente danificado o concreto moderno. investigados, visto que os monumentos feitos com argamassas ou cimentos pobres já não existem. O concreto ou opus caementitium descrito por Vitruvius, arquiteto e engenheiro romano do 1 século a.c. em seu trabalho intitulado de architectura, é geralmente suposto ser um material de origem romana. Os muros de cimento pozolânico da cisterna em Kameiros na ilha grega de Rodes, entretanto, construídos aproximadamente em 500 a.c., mostram que este tipo de material pode durar pelo menos 2500 anos. Uma comparação das restaurações antigas e modernas da grande esfinge no Egito demonstra como o material moderno danifica a restauração quando é comparado àquele da antiguidade. A argamassa moderna de gesso entre dez e cinquenta anos já estaria danificando uma restauração da esfinge. Por outro lado, os reparos feitos há 3500 anos com argamassa de gesso impediram o dano fazendo com que uma camada dura protetora se formasse na superfície. Por causa da qualidade inferior dos cimentos modernos, as restaurações na pirâmide de degraus em Saqqara, Egito, não são mais realizadas com cimento branco. Eu observei que os blocos de cimento fissurados nesta estrutura não tinham mais que quarenta anos. Não é esperado que estes blocos permaneçam intactos mais do que cem anos. Restaurações mais recentes, consequentemente, estão sendo feitas com blocos de pedra calcária. A restauração de pedra natural duraria ordinariamente por mais tempo, mas, como a esfinge, será também afetada adversamente pela argamassa moderna. A diferença química Somente nos últimos anos, estudos têm sido empreendidos para determinar porque as argamassas e os concretos antigos são mais duráveis do que suas reproduções recentes. Supôsse que a composição dos cimentos antigos é similar aos cimentos modernos, a principal diferença entre os cimentos antigos e modernos é um grau mais elevado de carbonatação da cal Ca(OH) 2 nos produtos antigos. A suposição é que este processo faz com que o cimento Portland se deteriore devido a uma modificação de volume significativo da matriz de cimento (aproximadamente 11 por cento). No cimento antigo, entretanto, este alto nível de carbonatação não foi deletério à durabilidade. A química não pode, consequentemente, ser a mesma. Uma investigação ótica de vários concretos e argamassas romanos conduziu Malinowsky a concluir que as pastas antigas consistiam de microcristais extremamente finos de calcita (CaC ) no tamanho de 1 a 5 mícrons. Também, a análise da difração de raios X de cimentos antigos da Grécia, Chipre, e Itália indicam que a calcita é a fase cristalina predominante dos cimentos antigos. Entretanto, o material amorfo dos raios X (silicatos e sílico-aluminatos) e dos raios X das fases zeolíticas criptocristalinas da analcina tipo Na 2 O. 2

3 Al 2.4SiO 2.2H 2 O acompanham a calcita microcristalina. Esta pesquisa supõe que, como no cimento Portland, a propriedade ligante dos cimentos antigos é devido à produção de hidratos dos silicatos de cálcio (gel C-S-H), que são principalmente precipitados coloidais amorfos e têm uma composição bastante variável. Como indicado previamente, entretanto, a química dos cimentos antigos não pode ser a mesma que do cimento Portland. A matriz antiga deve ser de uma natureza mais complexa. E, certamente, a análise química revela uma quantidade relativamente elevada de Al 2 + Fe 2 + SiO 2 nas argamassas antigas. Os estudos de cimentos romanos duráveis, que se concentram na pozolana, demonstram os benefícios dos materiais zeolíticos. Quando combinado com a cal, o cimento pozolânico converte-se na calcita, nos aluminatos de cálcio, nos hidratos do silicato de cálcio (do tipo C-S-H), nos sílico-aluminatos de cálcio, ou no hidrato da gelenita ou hidrogranada. As terras de Rhineland das montanhas de Eifel na Alemanha Ocidental, desempenharam um papel importante na preparação de argamassas de cal antigas para a construção romana na Alemanha; sob uma reação pozolânica tendo por resultado produtos finais de sílico-aluminatos de cálcio e as zeólitas de cálcio do tipo phillipsita (3CaO.3Al 2.10SiO 2.12H 2 O). Nós detectamos uma zeólita em um revestimento de uma pedra da pirâmide de Quéops, construída em aproximadamente 2650 a.c. Argamassas de cal que são mais antigas, como aquelas de Jericó no Vale do Rio Jordão, e Tel-Ramad, Síria, datam de 7000 a.c. e contêm até 40 por cento em peso da zeólita analcima. A presença de analcima em vários cimentos antigos confirma que esta zeólita é a fase final, estável da conversão hidrotérmica a longo prazo dos materiais zeolíticos. Embora o gel C-S-H seja o componente principal do cimento Portland e faça igualmente parte da composição dos cimentos antigos, nós pensamos que é errôneo concluir que este componente é responsável pela durabilidade. Os cimentos modernos que contêm o gel C-S-H deterioram-se sob condições em que os cimentos antigos, com um índice incerto do gel C-S-H, permanecem intactos. Em vez disso, são os sílico-aluminatos (materiais zeolíticos ou amorfos) que produzem a durabilidade a longo prazo. Nós sabemos que as argamassas geopoliméricas à base de sódio poderiam ter se deteriorado, porque não são resistentes ao gelodegelo. Aquelas estudadas, entretanto, que estão ainda intactas, são à base de potássio e cálcio. Classificação errônea Desde 1972, nós estamos envolvidos com o desenvolvimento e aplicações de ligantes zeolíticos e dos cimentos chamados geopolímeros. Os estudos comparativos de cerâmicas, cimentos, argamassas e concretos antigos demonstram a durabilidade excepcional dos produtos geopoliméricos. Os cimentos antigos foram classificados em duas categorias principais: Cimentos hidratados de pozolana-cal; Cimentos hidratados hidráulicos silicosos de cal. 3

4 Estas classificações são enganosas, entretanto, porque os cimentos deste tipo são precisamente produtos de qualidade inferior que estavam em uso quando o cimento Portland foi desenvolvido. Dos cimentos de cal que nós estudamos, datando de 7000 a.c., alguns são muito fracos e pulverulentos, enquanto outros têm a consistência de pedra calcária dura mesmo depois de 9000 anos. Análises químicas revelaram que os cimentos fracos são feitos essencialmente de cal recarbonatada; os cimentos duráveis contêm quantidades variadas de ingredientes silicosos e sílico-aluminosos, indicando que são cimentos hidratados silicosos de cal. A maioria dos estudos dos cimentos antigos de cal foi essencialmente realizada ótica e microscopicamente. Os estudos que usam seções finas concluíram que a cimentação era o resultado da recarbonatação da cal. De acordo com estes estudos, a durabilidade das argamassas de cal é essencialmente dependente da velocidade e da intensidade da recarbonatação da cal livre. Esta opinião caracteriza a maioria dos estudos sobre cimentos antigos. Mas a incerteza ainda prevalece sobre o porquê dos cimentos antigos de cal serem tão duráveis. Exames microscópicos detectam somente minerais altamente cristalinos. Minerais como as zeólitas criptocristalinas com as dimensões demasiadamente pequenas para serem vistas através de um microscópio ótico são negligenciados. Este problema foi resolvido usando a difração de raios X que indica que as argamassas de cal antigas contêm um sílico-aluminato sintético ou uma zeólita do tipo analcima. A quantidade de analcima varia de 10 a 40 por cento em peso. Nós concluímos que o agente de ligação primário não é a cal recarbonatada, mas preferivelmente a zeólita criptocristalina, analcima. Enquanto a recarbonatação ou o endurecimento da cal ocorrem lentamente, em vários dias ou meses, a geopolimerização da analcima pode ocorrer em algumas horas. Consequentemente, a cal recarbonatada parece atuar como uma carga inerte quando combinado com uma matriz geopolimérica de analcima. As categorias de classificação previamente usadas nos cimentos antigos são consequentemente inadequadas. Uma nova categoria chamada de mistura de geopolímerocal pode ser adicionada. Os cimentos antigos altamente duráveis de cal, classificados atualmente como cimentos silicosos hidráulicos hidratados de cal, não foram estudados com a finalidade de identificar uma matriz geopolimérica. A Tabela 1, lista os valores dos principais óxidos da mistura de geopolímero-cal de Tel-Ramad e de argamassas da Grécia antiga. A quantidade extraordinariamente baixa dos álcalis Na 2 O e K 2 O (1,55 por cento) misturada na cal de Tel-Ramad ativou a síntese de 40 por cento em peso de um composto geopolimérico constituído de uma mistura de geopolímero-cal. Este composto geopolimérico tem a seguinte fórmula: (0,1Na 2 O; 0,1K 2 O; 0,45CaO; 0,25MgO):Al 2 :4,27SiO 2 : 2,13H 2 O. Este composto é 94 por cento em peso de geopolímero do tipo analcima, e 6 por cento em peso de CaO:5SiO 2 :H 2 O (um pentâmero do gel C-S-H). A fabricação da mistura de geopolímero-cal envolveu a calcinação a 700 C (1300 F) da pedra calcária, da dolomita e dos solos cauliníticos, que 4

5 Misturas de cimentos geopoliméricos modernas possuem propriedades como ganho ultrarrápido de resistência, resistência natural ao sulfato, resistência ao gelo-degelo. são muito comuns em regiões mediterrâneas. O caulim calcinado (2SiO 2, Al 2 ), igualmente chamado de metacaulim, é conhecido por suas propriedades pozolânicas. A adição de natrão (Na 2 C ) ou de cinzas de plantas (K 2 C, Na 2 C ), e também sílica, produzem NaOH e KOH, que reagem fortemente com o caulim calcinado, produzindo um ligante geopolimérico do tipo analcima. A química do geopolímero, quando associada com o cimento Portland, rende materiais cimentícios com propriedades notáveis, tais como o ganho ultrarrápido de resistência, a resistência natural ao sulfato e a resistência ao gelo-degelo. As misturas de cimentos geopoliméricos modernos podem também oferecer estabilidade a longo prazo. A Tabela 2, compara os valores dos principais óxidos das argamassas pozolânicas antigas com a mistura de cimento geopolimérico-portland. Uma diferença entre os cimentos geopoliméricos antigos e modernos é a natureza dos álcalis que ativam a pega geopolimérica. Nos cimentos antigos uma troca iônica entre o Ca ++ e a zeólita natural da pozolana resultou em Na + e K + livres. Na fórmula moderna, os álcalis são adicionados à pasta. Mas nós achamos que para acelerar o tempo de pega, pequenas quantidades de álcalis foram adicionadas igualmente aos cimentos antigos. Os álcalis eram provavelmente carbonato de sódio (natrão) ou carbonato de potássio (derivado das cinzas de plantas), que reagem com a cal para produzir o NaOH ou o KOH na pasta. Os estudos realizados por Alexander demonstraram que uma quantidade tão pequena quanto um por cento de NaOH, equivalente a 0,64 Na 2 O, ativa a pega do cimento de pozolanacal. A geopolimerização deve, consequentemente, ter ocorrido antes da recarbonatação da cal. Pedra da pirâmide de geopolímero Um concreto feito com 90 por cento em peso de pedra calcária natural e 10 por cento em peso de uma mistura de geopolímero-cal do tipo Tel- Ramad pesaria aproximadamente 450 lb/yd³ (270 kg/m³), equivalentes a um concreto de média qualidade, e conteria uma quantidade muito baixa de ingredientes reativos. Não obstante, produz um concreto geopolimérico de pedra calcária. Com o tempo, a recarbonatação da cal não reativa transformará o Ca(OH) 2 em calcita. A análise da composição química não faz uma distinção entre os diferentes tipos de Ca ++ que constituem um concreto geopolimérico de pedra calcária. Além disso, a calcita natural e o Ca(OH) 2 recarbonatado e Ca ++, o último resultante dos sílico-aluminatos geopoliméricos, não são geralmente separados analiticamente. A Tabela 3, compara a análise química de amostras da pedra da pirâmide com a nossa análise da pedra calcária de Turah e de nosso concreto geopolimérico de pedra calcária. As pedras de revestimento das pirâmides construídas para os faraós Quéops, Quéfren, Teti, e Sneferu foram produzidas misturando um cimento combinado de geopolímero- 5

6 O revestimento das pedras das pirâmides foi produzido com uma mistura de cimento geopoliméricocal com cascalhos de pedra calcária. cal com resíduos de pedra calcária de Turah. A alvenaria do núcleo foi aglomerada usando resíduo local de pedra calcária de Gizé compreendida de conchas fósseis, na maior parte numulitas. Essas conchas numulíticas encontram-se distribuídas horizontalmente no leito rochoso, de acordo com a estratificação sedimentar natural. Nos blocos da pirâmide, entretanto, as conchas são orientadas aleatoriamente, como ocorreria ao aglomerar resíduos numulíticos de pedra calcária no concreto. Isto sozinho é prova substancial de que os blocos da pirâmide são concretos. Uma difração de raios X da fração clástica nãocarbonatada de pedra calcária de Gizé fornece dados adicionais para suportar isto. De acordo com Gauri, a fração não-carbonatada da pedra calcária numulítica, que constitui a parte principal da esfinge, contém argilas do tipo caulinita [Si 2 O 5, Al 2 (OH) 4 ] na escala de 0,5 a 4 por cento em peso da quantidade total de pedra calcária. Os resíduos de pedra calcária de Gizé, alguns dos quais foram gerados quando o leito rochoso foi escavado a fim de esculpir o corpo da esfinge, eram ideais para produzir blocos da pirâmide porque contêm a caulinita, uma argila altamente reativa de aluminossilicato natural. Desde 1972, eu tenho desenvolvido produtos baseados nas reações da caulinita com álcalis (NaOH, KOH), permitindo a síntese de minerais ou, mais especificamente, de rochas formadas por geopolímeros do grupo feldspatoide da hidrossodalita. Estas reações produzem materiais de construção de alta qualidade em temperaturas que estão dentro da escala de clima do Egito. Eu uso geralmente solos cauliníticos e lateríticos (fontes de alumina e de sílica) da África e outras partes do mundo. Geralmente, a adição a estes solos de um álcali, na quantidade de 3 a 6 por cento em peso, é suficiente para dar forma e curar tijolos resistentes à água, duráveis em temperatura ambiente. A estabilização de solos cauliníticos com a cal foi estudada. Uma pasta que consiste de água, cal [Ca(OH) 2 ], e natrão [Na 2 C ], produzindo o NaOH no local, produz uma pasta geopolimérica quando a pedra calcária caulinítica de Gizé é adicionada. Isto é confirmado por nossos estudos conduzidos com difração de raios X. Os espaçamentos d para os materiais não carbonatados das amostras analisadas, uma de Quéops e uma de Quéfren, equiparam-se ao dos seguintes geopolímeros: Hidrossodalita: Na n (Si-O-Al-O-) n Analcima: (Na,Ca,Mg) n (Si-O-Al-O-Si-O-) n Vários sílico-aluminatos de cálcio e sílicoaluminatos de sódio sintéticos, chamados caulim- Ca(OH) 2 e caulim-naoh. Os dados da análise de raios X indicam que o material não carbonatado nas amostras da pirâmide de Gizé é o resultado de uma reação da caulinita na pedra calcária de Gizé com os álcalis do NaOH e o Ca(OH) 2, ou seja, os espaçamentos indicam as reações químicas deliberadas que são geopoliméricas. Os resultados publicados das 6

7 análises por geólogos e geoquímicos altamente qualificados são surpreendentemente escassos, talvez resultante de dados pouco conclusivos. Investigações cooperativas estão sendo buscadas com a organização egípcia de antiguidades no Cairo a fim de estender nosso conhecimento sobre a avançada tecnologia do concreto egípcio. Conclusão No prefácio do seu livro Cement Replacement Materials, R.N. Swamy diz, a busca por ligantes alternativos ou materiais substitutos do cimento têm-se tornado um desafio para o desenvolvimento nacional e o planejamento futuro [...] do ponto de vista econômico, tecnológico e ecológico, materiais substitutos do cimento têm um papel incontestável a representar no futuro da indústria da construção. Estes materiais substitutos são pozolanas, escórias, sílica ativa condensada, cinza de casca de arroz e cinzas de combustível pulverizado. Com exceção da sílica ativa condensada, estes materiais se encontram disponíveis e foram usados há mil anos para produzir várias misturas de cimentos geopoliméricos altamente duráveis. A durabilidade dos geopolímeros é demonstrada pela longevidade das construções antigas, e esta propriedade é essencial para determinadas aplicações modernas. Por exemplo, depois que o acidente nuclear em Chernobyl foi contido, afirmouse que o reator danificado esteve isolado com segurança por séculos por um sarcófago (como foi chamado pela imprensa soviética) de concreto grosso. A usina enterrada vista como um templo maia antigo com suas fileiras de terraços. Supôs-se que a estrutura duraria por séculos. As condições climáticas difíceis, entretanto, acopladas com a quantidade enorme de calor armazenada dentro do próprio reator, levantam questões sérias sobre a estabilidade do concreto. O concreto usado para o enterramento é feito com cimento Portland, que é conhecido por se deteriorar muito rapidamente em circunstâncias hidrotérmicas. Uma restauração de cimento Portland nas banheiras romanas da Tibéria, perto do mar Tiberiano (mar da Galileia) em Israel é um exemplo. Enquanto a restauração com cimento Portland está sendo dramaticamente desgastada pelas nascentes de água termal, porque o efeito de lixiviação enfraqueceu a ligação pasta-agregado, a banheira de concreto romano de 2000 anos permanece intacta. As condições predominantes nas banheiras romanas são próximas àquelas esperadas que ocorram em Chernobyl: as altas temperaturas do reator combinado com a umidade elevada da chuva, da neve, e da água subterrânea podem significar um eventual desastre. E parece provável que a maioria, se não todos os reatores nucleares, terão que ser enterrados no concreto, uma vez que suas vidas úteis estão esgotadas. O candidato mais provável será um concreto que não tenha nenhuma mudança de volume o geopolímero. Dados de estudos de materiais de cimentos antigos podem ser extrapolados para demonstrar a longevidade dos materiais feitos com sílicoaluminatos ou materiais zeolíticos. As fases zeolíticas hidroxiladas foram desenvolvidas igualmente para que o encapsulamento de resíduos nucleares mantenha a estabilidade máxima em condições de armazenamento. 7

8 Resíduos radioativos absorvidos pelas zeólitas naturais são solidificadas usando o cimento Portland. As estruturas de concreto feitas de cimento geopolimérico ou de uma mistura de cimento geopolimérico e de Portland, que contenha fases zeolíticas naturais ou sintéticas, devem efetuar com segurança a eliminação a longo prazo de resíduos radioativos e outros resíduos tóxicos. As construções antigas podem servir para demonstrar a longevidade do concreto geopolimérico. Em um relatório recente que discute geopolímeros, o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA identificaram usos potenciais para os ligantes de aluminossilicatos que resultam na formação de aluminossilicatos alcalinos de cálcio ou zeólitas e hidrogranadas. Esta álcali-ativação de vários minerais, que nós chamamos de geopolimerização, melhora as propriedades dos cimentos. As propriedades únicas dos ligantes geopoliméricos incluem a alta resistência inicial, a baixa retração, a resistência ao gelo-degelo, a resistência ao sulfato, a resistência à corrosão e a baixa expansão de álcaliagregado. Além disso, os cimentos geopoliméricos possuem uma outra propriedade notável: usando agregados apropriados, objetos bonitos de pedras sintéticas podem ser criados, uma vez que o concreto geopolimérico tem a aparência e é tão duradouro quanto a pedra natural. A pesquisa química no Geopolymer Institute permitiu que nós reproduzíssemos cimentos, argamassas e concretos antigos. Nosso objetivo no Institute for Applied Archeological Science é usar este conhecimento, combinado com a informação ganha com a pesquisa científica e arqueológica para reviver e introduzir outra tecnologia antiga útil com a finalidade de melhorar a ciência e a tecnologia moderna. Nós acreditamos que podemos avançar tecnologicamente oferecendo produtos geopoliméricos que podem ser avaliados comparando-os aos produtos de cimento sobreviventes da antiguidade. Tabela 1 Análise química * mostrando os principais óxidos presentes nas amostras antigas de misturas de geopolímero e cal. * dos estudos de Langston e Roy. Tabela 2 Análise química * mostrando os principais óxidos presentes em argamassas pozolânicas antigas e uma mistura de cimento geopolimérico moderno. * dos dados de Langston e Roy Tabela 3 Análise química * mostrando os principais óxidos presentes nas pirâmides egípcias e nos concretos modernos de geopolímero-pedra calcária * Dados sobre as pedras das pirâmides, de Brown e Iskander, análise da pedra calcária de Turah, de Davidovits 8

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico

Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico Problemas práticos relativos à produção em massa do cimento geopolimérico No Geopolymer Camp, de 1 a 3 julho de 2009, em Saint-Quentin, França, o prof. Joseph Davidovits apresentou questões-chave sobre

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A AGLOMERANTES MINERAIS Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini e

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL A história da engenharia confunde-se com a história da própria

Leia mais

Geopolímero para principiantes

Geopolímero para principiantes Geopolímero para principiantes Prof. Joseph Davidovits... Inventei os geopolímeros em 1979, mas já havia começado em 1972. Nessa época, por causa da Cortina de Ferro; eu não sabia que outros colegas trabalhavam

Leia mais

Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos

Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos Seminário de Sustentabilidade da Cadeia Produtiva do Concreto Impacto Ambiental da Indústria Cimenteira e o Desenvolvimento de Novos Eco-Cimentos Mauricio Mancio mancio@ufrgs.br Seminário de Sustentabilidade

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL Vanderley M. John (1), Vahan Agopyan (2) (1) Prof. Dr., john@poli.usp.br (2) Prof. Titular, vahan.agopyan@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Construção

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Sumário. 1. Introdução. Geopolímeros: Novos materiais poliméricos inorgânicos

Sumário. 1. Introdução. Geopolímeros: Novos materiais poliméricos inorgânicos Geopolímeros: Novos materiais Joseph Davidovits Sumário Espetacular progresso tecnológico tem sido feito nos últimos anos através do desenvolvimento de novos materiais, como os geopolímeros, e novas técnicas,

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos

Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos Cimento Portland versus Ligantes Geopoliméricos Considerações econômicas sobre as implicações do mercado de carbono no custo dos concretos Sumário Com a entrada em vigor do Protocolo de Kyoto, teve início

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

22-07-2008. Lisiane Morfeo Tavares

22-07-2008. Lisiane Morfeo Tavares 22-07-2008 Lisiane Morfeo Tavares O potencial de fuga de CO2 constitui uma das grandes preocupações associadas com armazenamento geológico de CO2 capturado podendo promover contaminações e migração para

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o 1 INTRODUÇÃO Entre os diversos problemas enfrentados atualmente pelo setor industrial, um dos principais é a necessidade de minimizar, quando não é possível eliminar, os efeitos da agressão ambiental que

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em:

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em: Materiais de Construção Araujo, Rodrigues & Freitas 18 3. Aglomerantes 1. Definição e Uso Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove

Leia mais

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 121/192 Foto 39 - Ondulada refeitório. Perfil de alteração da BAS. Zona de corrosão, carbonatação e pouco carbonatada. Notar grãos de clínquer e fibras como inertes e

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Novos produtos semiindustriais

Novos produtos semiindustriais Novos produtos semiindustriais Patrik Boura - Czech Development Agency, Praga Eu tenho a honra de compartilhar com vocês os resultados que nós atingimos desde o ano passado, e eu acredito que vai trazer

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

Intemperismo tópicos gerais

Intemperismo tópicos gerais Universidade Federal de São Paulo Departamento de Ciências do Mar Curso de Bacharel em C&T Ciências do Mar Módulo: Geologia Geral Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.unifesp@gmail.com Intemperismo

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PAULO HENRIQUE MAXIMIANO DE OLIVEIRA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PAULO HENRIQUE MAXIMIANO DE OLIVEIRA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PAULO HENRIQUE MAXIMIANO DE OLIVEIRA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE RESÍDUO CERÂMICO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO FORMIGA MG 2014

Leia mais

CIMENTO *Fernando Antônio da Costa Roberto

CIMENTO *Fernando Antônio da Costa Roberto *Fernando Antônio da Costa Roberto A palavra CIMENTO é originada do latim CAEMENTU, que designava na velha Roma, espécie de pedra natural de rochedos e não esquadrejada. A origem do cimento remonta a cerca

Leia mais

Concretos geopoliméricos para proteção ambiental Por Joseph Davidovits, Douglas C. Comrie, John H. Paterson e Douglas J. Ritcey

Concretos geopoliméricos para proteção ambiental Por Joseph Davidovits, Douglas C. Comrie, John H. Paterson e Douglas J. Ritcey Concretos geopoliméricos para proteção ambiental Por Joseph Davidovits, Douglas C. Comrie, John H. Paterson e Douglas J. Ritcey Quando as usinas nucleares começaram a ser construídas em uma escala internacional,

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Refratários não formados

Refratários não formados Refratários não formados Os não formados são os que não apresentam forma física definida e são constituídos pelos concretos, massas de socar, plásticos e argamassas, que podem ser fornecidos em baldes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL "MATERIAIS POZOLÂNICOS" Autor: Rafael Mantuano Netto Orientador: Prof. Dalmo Lúcio M. Figueiredo Dezembro/2006 RAFAEL MANTUANO

Leia mais

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA

PAINÉIS CIMENTO-MADEIRA CIMENTO-MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR - DETF INRODUÇÃO HISTÓRICO 1914 > Áustria > partículas excelsior + aglutinante (óxido magnésio + cloreto magnésio) 1928 > Alemanha > início > uso cimento portland

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CONSTRUÇÃO CIVIL I PRODUTOS E APLICAÇÕES SILRES BS SEU ESPECIALISTA EM HIDROFOBICIDADE

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CONSTRUÇÃO CIVIL I PRODUTOS E APLICAÇÕES SILRES BS SEU ESPECIALISTA EM HIDROFOBICIDADE CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CONSTRUÇÃO CIVIL I PRODUTOS E APLICAÇÕES SEU ESPECIALISTA EM HIDROFOBICIDADE PRESERVANDO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CARACTERÍSTICAS PROTETORAS A marca da WACKER baseada em silicones

Leia mais

UFSM Dissertação de Mestrado

UFSM Dissertação de Mestrado 1 UFSM Dissertação de Mestrado EFEITOS DA ADIÇÃO DE CAL HIDRATADA EM CONCRETOS COM ALTOS TEORES DE ADIÇÃO MINERAL NA PENETRAÇÃO DE CLORETOS E NA SOLUÇÃO AQUOSA DOS POROS DO CONCRETO Márcia Dal Ri PPGEC

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland?

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND 1. HISTÓRICO 2. PRODUTO 3. FABRICAÇÃO 4. TIPOS 5. APLICAÇÕES 6. QUALIDADE 7. ITAMBÉ HISTÓRIA DO CIMENTO MURALHA DA CHINA PANTEON COLISEU ROMANO

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade TEOR DE UMIDADE sólido sem retração sólido com retração plástico líquido Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade A plasticidade do solo, ou limites de consistência, é determinada através

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

Ficha Técnica. Krystol Internal Membrane (KIM ) Código de Produto: K-300 (KIM), K-301 (KIM-HS), K-302 (KIM-AE)

Ficha Técnica. Krystol Internal Membrane (KIM ) Código de Produto: K-300 (KIM), K-301 (KIM-HS), K-302 (KIM-AE) Ficha Técnica Krystol Internal Membrane (KIM ) Código de Produto: K-300 (KIM), K-301 (KIM-HS), K-302 (KIM-AE) DESCRIÇÃO O Krystol Internal Membrane (KIM ) é uma mistura química na forma de pó seco, eficiente

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini Ambientes agressivos Téchne 196 - Julho 2013 Projetos de estruturas de concreto expostas a ambientes quimicamente agressivos exigem atenção especial para assegurar desempenho e vida útil à edificação Rodnei

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO

Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO Aditivos Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO Prof. José de Almendra Freitas

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 O QUE SÃO? - Material ativo e ligante - Em geral pulverulento (que se reduz a pó ou se apresenta em estado de pó) - PRINCIPAL FUNÇÃO: formar

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

CAL HIDRATADA E CAL VIRGEM

CAL HIDRATADA E CAL VIRGEM HISTÓRICO. A QUALLICAL foi fundada em 1982, e no ano de 1987 iniciou-se a hidratação para produzir CAL HIDRATADA DE ALTO TEOR DE CÁLCIO (Calcítica). A QUALLICAL desenvolveu seu processo de fabricação de

Leia mais

Coleguium -3ºEM 1ª etapa

Coleguium -3ºEM 1ª etapa Coleguium -3ºEM 1ª etapa CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA: - Desenvolvida às margens do Nilo, na África; - Organização social complexa e rica em realizações culturais; - Escrita bem estruturada; Hieróglifos na parede

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CIMENTO PORTLAND Acadêmicos: Ariany Cardoso Pereira Camila Silva Kloster João Luiz da Silva Sobrinho Tamiris Luiza Soares Lanini Úrsula

Leia mais

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO

MATERIAIS COMPONENTES DO CONCRETO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IFRS LABORATÓRIO DE ESTRUTURAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LEMCC TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS COMPONENTES DO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

GESSO 1 DEFINIÇÃO 2 DESIDRATAÇÃO DA GIPSITA

GESSO 1 DEFINIÇÃO 2 DESIDRATAÇÃO DA GIPSITA GESSO 1 DEFINIÇÃO É um aglomerante aéreo (endurece pela ação química do CO 2 do ar), obtido pela desidratação total ou parcial da Gipsita aglomerante já utilizado pela humanidade há mais de 4.500 anos,

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais