Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Faculdade de Engenharia da Universidadee do Porto Qualidade de Serviço em chamadas VoIP Hélder Barroso Silva Dissertação realizada no âmbito do Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Major Telecomunicações Orientador: Prof. José Ruela Co-orientador: Eng. Filipe Sousa Junho de 2008

2 Hélder Barroso da Silva, 2008 ii

3 iii

4 iv

5 Resumo Esta dissertação tem como tema abrangente a qualidade de serviço, que no caso em estudo se refere à qualidade em chamadas VoIP. Pretende-se implementar/integrar uma funcionalidade que permita prever a qualidade de chamadas para uma dada lista de contactos. Essa qualidade está definida por três níveis, Bom, Aceitável e Mau. Inicialmente, foi feito um levantamento de ferramentas para permitir a selecção de forma consciente das mais adequadas para utilizar. Foi implementada uma arquitectura VoIP para permitir o estabelecimento de chamadas de forma a ser utilizada como cenário de teste. Os testes foram realizados numa rede sem fios, tendo como principio a manipulação do fluxo de tráfego para analisar o comportamento da rede a partir dos resultados obtidos pela aplicação realizada. Este teste permitiu a compreensão da utilidade da ferramenta implementada, do comportamento da rede e a forma como variam as métricas. Foi possível constatar que a rede tinha um comportamento aceitável até ao instante em que o tráfego na rede se aproxima do ponto de saturação, ficando com características bastante degradadas. Observou-se também que as métricas utilizadas para analisar uma rede não variam da mesma forma e algumas são melhores caracterizadoras do que outras. Esta implementação tem então uma aplicação prática, que pode evitar uma má utilização do serviço de VoIP ao informar os utilizadores da qualidade de serviço esperada. Por fim, foram sugeridos melhoramentos e novas funcionalidades para serem efectuados como trabalho futuro. v

6 vi

7 Abstract This dissertation addresses the problem of network quality of service, and in particular in the case under study the quality of VoIP calls. The goal is to implement / integrate a feature that allows predicting the quality of voice calls for a list of contacts. This quality is defined by three levels, Good, Acceptable and Bad. Initially, an inventory of tools was elaborated to allow the selection of the most appropriate to use. A VoIP architecture was defined to enable the establishment of calls to be used in scenario created for testing. Tests were performed in a wireless network, and the objective is the manipulation of traffic flows to analyze the behavior of the network from results achieved by the application. This test allowed understanding of the usefulness of the implemented tool, the behavior of network and how the metrics vary. It was possible to see that the network had an acceptable behavior until traffic approaches the point of saturation, where degradation becomes noticeable. It was also observed that the metrics used to characterize the network behaviour do not vary in the same way, and some are better than others for that purpose. This implementation then has a practical application that can prevent improper use of the VoIP service because users are informed of the expected quality of service. Finally, improvements and addition of new features were suggested as future work. vii

8 viii

9 Agradecimentos Esta dissertação é o culminar de todo um esforço, empenho e dedicação de acordo com o grande objectivo académico que representa. Durante a realização desta tese recebi a ajuda de algumas pessoas que foram extremamente importantes. Estou imensamente agradecido aos meus orientadores, Prof. José Ruela e Eng. Filipe Sousa por todo o empenho, disponibilidade e bons concelhos que sempre contribuíram. Agradeço a todos os meus companheiros que me ajudaram a percorrer este percurso académico. Tenho que agradecer também, a toda a minha família que sempre me incentivou, compreendeu e apoiou nos momentos mais delicados. ix

10 x

11 Índice 1 Introdução Objectivos Enquadramento Caracterização do Problema Estrutura Estado da Arte Conceitos abordados Protocolo IP P2P (Peer-to-Peer) Arquitectura tradicional dos serviços na Internet Arquitectura de uma rede Peer-to-Peer QoS Introdução QoS Modelos de QoS Modelo IntServ Modelo DiffServ Medidas de Qualidade de Serviço para redes IP Medidas Passivas Medidas Activas VoIP Introdução VoIP Tipos de ligações VoIP xi

12 Alguns problemas VoIP Algumas soluções VoIP Funcionamento do VoIP Protocolo de sinalização H Protocolo de sinalização SIP SDP (Session Dresciptor Protocol) Cabeçalho SIP Sessão SIP sem Proxy Sessão SIP com Proxy Trabalhos relacionados Ferramentas Introdução Ferramentas de medidas Activas Ferramentas de medidas Passivas Outras ferramentas Componentes VoIP Servidores VoIP Asterisk OpenSER Asterisk vs OpenSER Cliente VoIP Ekiga Definição de requisitos e especificação Introdução Cenário de comunicação VoIP Requisitos da aplicação de medidas Especificação da arquitectura Desenvolvimento e integração Introdução Fluxograma demonstrativo do funcionamento Principais funções implementadas xii

13 5.4- Integração dos componentes Asterisk Ekiga X-lite MGEN NTP Testes/Resultados Introdução Cenários de teste Testes efectuados Análise de resultados Conclusão/Trabalho futuro Conclusão Trabalho Futuro Anexo A Métodos e tipos de respostas SIP Referências xiii

14 xiv

15 Lista de figuras Figura Arquitectura TCP/IP [2]... 6 Figura Formato do Pacote IP[2] Figura Arquitectura Tradicional dos Serviços na Internet [3] Figura Arquitectura de uma rede Peer-to-Peer [3] Figura Reserva de Recursos [2] Figura Tráfego da Rede com medições Passivas [4] Figura Tráfego na rede com medições Activas [4] Figura VoIP Ligação PC-PC [6] Figura VoIP Ligação PC-Telefone [6] Figura VoIP Ligação Telefone-Telefone [6] Figura Protocolos de sinalização para VoIP [8] Figura Formato de um pacote RTP (dados) [2] Figura Conversão de um sinal analógico para digital Figura Pilha de protocolos do padrão H323 [9] Figura Modelo H Figura Chamada entre um PC e um telefone convencional [10] Figura Pilha de protocolos SIP Figura Mensagem SDP [14] Figura Métodos de estabelecimento de uma sessão SIP Figura Sessão SIP sem Servidor Proxy [17] Figura Sessão SIP com um Servidor Proxy [17] Figura H323 Beacon níveis de qualidade [19] Figura H323 Beacon opções [19] Figura Relação entre a predição e a real perda de pacotes [20] Figura Diferenças de QoS 1999 e 2002 [21] Figura Cenário de teste [79] Figura Classificação MOS [79] Figura Classificação MOS dos codecs [79] Figura Relação MOS com % perdas [79] xv

16 Figura Relação MOS e % perda, variando o tamanho dos pacotes [79] Figura Relação entre % perda com jitter [79] Figura Pathchirp [23] Figura STAB [24] Figura Exemplo do funcionamento do MGEN Figura MRTG [32] Figura Sistema recurso ao velho modelo de PABX/Softswitch [65] Figura Arquitectura com recurso ao Asterisk [65] Figura Ficheiro de configuração do OpenSER Figura Chamada efectuada entre dois softphones Ekiga Figura Interligação entre dois Ekigas durante um teste Figura Interligação do Ekiga com a nova funcionalidade implementada Figura Fluxograma demonstrativo do funcionamento do trabalho implementado Figura Exemplo de configuração efectuada no Ekiga Figura Exemplo de configuração do X-lite Figura Cenário de teste apenas com um dos clientes a suportar a previsão da qualidade de chamada Figura Cenário de teste com ambos os clientes a suportarem a previsão da qualidade de chamada Figura Variação do jitter na rede dependendo do tráfego injectado Figura Variação das perdas na rede mediante o tráfego injectado Figura Variação do atraso na rede mediante o tráfego injectado Figura Relação entre tráfego na rede e nível de QoS xvi

17 Lista de tabelas Tabela Modelo IntServ Tabela Modelo DiffServ Tabela Ferramentas para efectuar medições de parâmetros QoS Tabela 2.4- Comparação entre medidas Activas e Passivas Tabela Componentes do SIP Tabela SIP vs H Tabela Servidores VoIP Tabela Bibliotecas VoIP Tabela Clientes VoIP Tabela Sem tráfego adicional na rede Tabela Com tráfego adicional de 700 pacotes/s com 1024 bytes Tabela Com tráfego adicional de 900 pacotes/s com 1024 bytes Tabela Com tráfego adicional de 1100 pacotes/s com 1024 bytes Tabela Qualidade das chamadas VoIP para diferentes valores de tráfego na rede xvii

18 xviii

19 Lista de Abreviaturas ACK ARPANET EF FDDI HTTP IANA IAX IETF IP ISP ITU-T MCU Megaco MGCP NTP PSTN QoS RAS RSVP RTCP RTP SIP SLA SMTP TCP TOS UAC UAS UDP Acknowledgment Advanced Research Projects Agency Network Expedite Forward Fiber Distributed Data Interface HyperText Transfer Protocol Internet Assigned Numbers Authority Inter-Asterisk exchange Internet Engineering Task Force Internet Protocol Internet Service Provider International Telecommunication Union Multipoint Conferencing Unit Media Gateway Control Protocol Media Gateway Control Protocol Network Time Protocol Public Switched Telephony Network Quality of Service Registration, Admission and Status Resource ReSerVation Protocol RTP Control Protocol Real Time Protocol Session Initiate Protocol Service Level Agreement Simple Mail Transfer Protocol Transport Control Protocol Type of Service User Agent Client User Agent Server User Datagram Protocol xix

20 URI URL VoIP Uniform Resource Identifier Uniform Resource Locator Voice over Internet Protocol xx

21 1 1.1 Objectivos Capítulo 1 Introdução Este trabalho está inserido no âmbito da dissertação do Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores do major em Telecomunicações. O tema está orientado para qualidade de serviço (QoS), no caso particular do serviço de voz sobre IP (VoIP). Pretende-se desenvolver uma funcionalidade capaz de prever a qualidade de serviço de chamadas para qualquer um dos contactos existentes. O tema é interessante sob o ponto de vista de QoS, uma vez que VoIP é uma aplicação em tempo real que necessita de garantir certos níveis de qualidade. Este trabalho obrigou a um levantamento e avaliação de ferramentas a utilizar, pois não tinha o objectivo principal o desenvolvimento mas, sobretudo a integração de módulos de software. A previsão da qualidade das chamadas será baseada numa conversão dos valores de algumas métricas de QoS, para uma quantificação de um nível qualitativo, segundo critérios bem definidos. 1.1 Objectivos Para este trabalho de dissertação foi definido como objectivo principal a integração de uma ferramenta capaz de efectuar medidas de QoS numa aplicação que permita estabelecer ligações VoIP, de modo a ser possível prever individualmente a qualidade de chamada para os possíveis contactos. Para além do objectivo principal que é o de elaborar uma ferramenta capaz de quantificar a qualidade de uma ligação VoIP, outros objectivos acabam por ser inerentes a este tais como, adquirir os conceitos envolvidos, conhecer o meio em que o tema se insere, ter a noção do que já foi feito e do que ainda está por conceber ou desenvolver. Daí que seja necessário obter conhecimento das ferramentas que existem, das que são livres, das suas limitações e ainda compreender de que forma se podem complementar. É

22 2 Introdução também necessário um estudo acerca de servidores VoIP tal como de clientes que suportem o protocolo SIP. 1.2 Enquadramento Este trabalho baseia-se na análise da qualidade de serviço em VoIP. É uma tecnologia que está em grande expansão e que promete revolucionar toda a rede convencional de voz (PSTN). Esta tecnologia consiste na transmissão de voz através de pacotes, utilizando uma rede IP. Já existem imensas aplicações de Clientes, Servidores e Bibliotecas para VoIP e muitos mais ainda serão desenvolvidos, tal como vários protocolos. Para além de VoIP várias outras aplicações necessitam de garantir certos níveis de qualidade de serviço, tal como as aplicações que incluem vídeo. Geralmente, as aplicações em tempo real são as mais problemáticas relativamente à qualidade, daí requerem maiores cuidados. Por estes aspectos, o tema desta dissertação é muito importante na análise do impacto da qualidade de serviço nas ligações de voz pela Internet. 1.3 Caracterização do Problema Neste trabalho o problema abordado é referente à qualidade de serviço existente numa rede IP. Uma rede como a Internet tem como modelo base o best effort, logo não garante QoS, salvo a excepção de existir um acordo entre o cliente e o seu provedor de serviços Internet (ISP). Como a Internet não foi concebida para aplicações em tempo real, o modelo best effort era suficiente. Actualmente, já não é assim, parte da informação que circula na rede é tráfego com requisitos de tempo real, o que exige melhor qualidade de serviço. Todas as aplicações de tempo real, como é o caso de aplicações de voz ou vídeo, se tiverem problemas de atrasos, perdas ou jitter na entrega dos pacotes são alvo de degradação perceptível por parte do utilizador o que não é aceitável. Daí a necessidade de garantir certos parâmetros de qualidade de serviço. As aplicações que vão ser sujeitas a testes de qualidade de serviço são aplicações de voz VoIP, ou seja, com requisitos de tempo real o que implica uma muito maior exigência da parte da rede e consequentemente um fulcral controlo por parte das entidades responsáveis para garantir um nível de satisfação por parte dos clientes. Portanto, nesta dissertação vão ser efectuadas medições das métricas que caracterizam a qualidade de uma rede de modo a permitir qualificar o nível de QoS, numa ligação entre dois

23 3 1.4 Estrutura quaisquer clientes VoIP e se possível permitir a identificação de causas para possíveis problemas. 1.4 Estrutura Este relatório está organizado em sete capítulos bem definidos de forma a caracterizar todo o trabalho realizado de forma sequencial. Inicialmente, tem uma introdução para situar o contexto da dissertação expor os objectivos, o enquadramento do tema abordado, a caracterização do problema e a organização do conteúdo. O segundo capítulo aborda o Estado da Arte, e consiste em explicar os conceitos relacionados com o trabalho em causa e fazer referências a trabalhos relacionados com o mesmo. O terceiro capítulo faz referência a ferramentas úteis à dissertação. Foi feita uma pesquisa e uma lista de ferramentas e software que permitiu uma escolha consciente de quais utilizar. No quarto capítulo faz-se um levantamento da arquitectura utilizada para o funcionamento do VoIP, a interligação dos diferentes componentes que a compõem e ainda uma ligeira abordagem ao funcionamento do Ekiga com a nova funcionalidade implementada. O quinto capítulo corresponde à implementação, é uma das fases mais importantes do projecto, pois é onde o projecto ganha vida. Pretende-se descrever todo o trabalho que realmente foi realizado, com demonstração desde configurações da arquitectura da rede até ao código implementado. O objectivo é apresentar as etapas com a devida cronologia. O sexto capítulo da dissertação está reservado para a selecção de um cenário de teste adequado aos objectivos pretendidos, e os consequentes testes que o comprovem. Com os testes pretende-se comprovar a veracidade dos valores obtidos consoante a variação do tráfego injectado na rede, e provar a automatização do sistema para funcionar independentemente da localização dos utilizadores. E obviamente, comprovar o bom funcionamento da solução implementada. O sétimo e último capítulo é constituído pela conclusão, serve para fazer um balanço ao que foi feito, informar quais os conhecimentos que foram apreendidos e claro fazer uma introspecção e verificar se os objectivos foram ou não alcançados.

24 4

25 5 2.1 Conceitos abordados Capítulo 2 Estado da Arte 2.1 Conceitos abordados Protocolo IP A rede denominada de Internet, como a conhecemos actualmente, teve origem nos finais dos anos 60 do século XX, mais propriamente em O Departamento de Defesa Americano constituiu a ARPANET (Advance Research Projects Agency), que tinha como objectivo a interligação de computadores utilizados em centros de investigação com fins militares. Durante os anos 70, por razões de segurança a rede continuava a ser estritamente controlada pelos militares. Foi então dividida em dois grupos a MILNET, que era responsável pelas regiões militares e a nova ARPANET, que era responsável pelas não militares. Em 1970 teve origem o protocolo denominado de IP (Internet Protocol), tornava possível a interligação entre as redes comutando o tráfego de uma rede para outra. Com a inclusão do protocolo IP no UNIX, em 1982 várias universidades criaram as suas redes que por sua vez também foram ligadas à Internet [1]. O IP é um protocolo que permite a troca de informação sobre a forma de pacotes de uma máquina para outra, através da Internet. De um modo geral, quando um utilizador estabelece uma ligação à Internet, o ISP (Internet Service Provider) atribui um endereço IP público ao computador que o identifica de uma forma única em toda a rede. Quando um utilizador quiser enviar informação, ela é dividida em pequenos pacotes (pacotes IP) que contêm o endereço do destinatário e o seu. Os pacotes IP podem ter um percurso complexo até chegarem ao seu destino, pois vão passando por várias máquinas intermediárias. Cada pacote segue um caminho independente

26 6 Estado da Arte dos restantes, o que pode provocar uma chegada desordenadaa ao destino, isto é o que sair em primeiro lugar não é necessariamente o primeiro a chegar ao destino. O protocolo IP apenas entrega os pacotes, sendo por isso necessário recorrer a outro protocolo de nível superior TCP (Transmission Control Protocol) paraa os reordenar. Figura Arquitectura TCP/IP [2]. Figura Formato do Pacote IP[2].

27 7 2.1 Conceitos abordados Descrição dos campos pertencentes a um pacote IP [2]. Versão: IPV4 HLEN: Comprimento do cabeçalho Service type: usados em novas redes (QoS, DiffServ) Total Lengh: Comprimento total do datagrama ID: Identificação única do datagrama Flags: DF (Don t Fragment) MF (More Fragment) Fragment offset: Indica a posição de um fragmento em relação ao datagrama inicial TTL: Tempo de vida é dado pelo número máximo de routers pelo qual cada pacote pode passar Protocol: Usado para desmultiplexagem Header Checksum: Calculado sobre o cabeçalho Source IP adress: Endereço IP de origem Destination IP adress: Endereço IP de destino IP options: Registo de rota Registo de tempos Encaminhamento definido pela origem Data: Informação a ser efectivamente transmitida P2P (Peer-to-Peer) É a designação de um tipo de comunicação ponto a ponto entre dois utilizadores de uma mesma rede, normalmente a Internet. Os utilizadores criam a ligação através de um servidor ou mais servidores em que depois comunicam e fazem troca de dados entre si directamente. Os utilizadores têm iguais responsabilidades e importâncias, ou seja, não existe a relação de Cliente/Servidor mas sim estações, que tanto podem funcionar como Clientes como Servidores Arquitectura tradicional dos serviços na Internet Como podemos visualizar na figura 2.3, esta arquitectura funciona como Cliente/Servidor, ou seja, temos vários clientes e apenas um servidor que fornece toda a informação e ou serviços. A grande vantagem desta arquitectura é o Cliente não necessita de grande poder computacional, tornando o Cliente simples. O cliente é então denominado de passivo uma vez que requer serviços mas não os fornece. A grande desvantagem desta arquitectura reside no facto de a largura de banda disponível do servidor ser limitada, o que implica um número limitado de atendimento de clientes [3].

28 8 Estado da Arte Figura Arquitectura Tradicional dos Serviços na Internet [3] Arquitectura de uma rede Peer-to-Peer Como se pode ver nesta arquitectura (figura 2.4), ao contrário do modelo anteriorr em que todas as ligações estavam dependentes de um servidor, todas as estações estão ligadas directamente entre si. Neste modelo de comunicação as estações não são passivas, ao contrário do que sucedia no anterior, pois são capazes de fornecer e solicitar serviços. Portanto, a grande vantagem reside no facto de existir uma distribuição da responsabilidade de fornecimento de serviços por todas as máquinas envolvidas, sendo uma vantagem no caso de falha, uma vez que não está dependente de apenas uma estação, e também diminui drasticamente a falta de largura de banda uma vez que a informação é partilhada por todos os nós. A tecnologia P2P tem por isso a capacidade de maximizar os recursos de todos os dispositivos da rede, garante uma maior robustez na disponibilização de recursos a um custo reduzido. Figura Arquitectura de uma rede Peer-to-Peer [3].

29 9 2.1 Conceitos abordados QoS Introdução QoS O protocolo IP foi implementado e desenvolvido como um protocolo de comunicação com controlo de tráfego baseado no serviço do melhor esforço (Best-effort Service). O serviço Best-effort não prevê nenhum mecanismo de qualidade de serviço e portanto nenhuma garantia de atribuição de recursos da rede. Inicialmente, não se imaginava que a Internet se tornaria a grande rede que é, nem que iria suportar voz, dados e vídeo numa única infra-estrutura de redes de pacotes. Com o desenvolvimento de serviços de voz e vídeo em tempo real, houve a necessidade de desenvolver protocolos de QoS (Qualidade de Serviço) Modelos de QoS Para satisfazer as necessidades de aplicações de dados e aplicações com requisitos de tempo real foi necessário criar melhorias em relação ao modelo tradicional designado de melhor esforço, de forma a incluir diferentes níveis de QoS e capacidade de gerir a atribuição de recursos. Actualmente, existem dois modelos de QoS IP, o modelo de Serviços Integrados (Integrated Services - IntServ) e o modelo de Serviços diferenciados (Differentiated Services - DiffServ). Foram ambos desenvolvidos pela organização encarregue pelos protocolos da internet IETF (Internet Engineering Task Force) Modelo IntServ Este modelo aplica-se na qualidade de serviço fim a fim, ou seja, baseia-se na reserva de recursos alocados pelos routers para garantir que os fluxos de pacotes tenham todos os recursos necessários para a obtenção de um bom serviço. IntServ pode, por exemplo, ser utilizado para possibilitar a transmissão de vídeo e som sem interrupções. Fundamentalmente, é um serviço que garante a reserva de recursos para ligações individuais. O modelo IntServ necessita de um protocolo de sinalização para a reserva de recursos e que os routers mantenham a informação de estado por fluxo. Para a sinalização o protocolo RSVP (Resource ReSerVation Protocol) é o utilizado, embora não seja este o protocolo obrigatório.

30 10 Estado da Arte Modeloo Tabela Modelo IntServ. Classe de Serviço Descrição IntServ Best-effort Guaranteed Service Não há qualquer controle de qualidade de serviço, nem qualquer tipo de diferenciação de tráfego (privilégios). Garante a entrega dos pacotes com um atraso admissível e previamente definido. Controlled-Load Servicee O objectivo desta classe é que funcione como o serviço best-effort mas com a condição de ter carga controlada de maneira a ser mais eficaz. RSVP (Resource ReSerVation Protocol) Protocolo de sinalização para possibilitar a reserva de recursos por parte das estações de modo a garantirem niveis de QoS solicitados. A reserva de recursoss é realizadaa através de mensagens PATH, que constroem o caminho pelo qual as mensagens RESV podem passar a garantir os recursos necessários. Figura Reserva de Recursos [2].

31 Conceitos abordados IntServ Problemas Escalabilidade: Possibilidade de ocorrer uma sobrecarga de processamento e memória caso o número de fluxos seja demasiado, uma vez que a quantidade de informação de estado aumenta de forma proporcional ao número de fluxos. Complexidade dos routers: Todos os dispositivos têm de implementar RSVP, controle de admissão, classificação e escalonamento de pacotes. Para Guaranteed Service, a arquitectura tem de ser implementada de uma só vez Modelo DiffServ O diffserv opera sobre grandes volumes de dados ao contrário das reservas individuais utilizados pelo IntServ. A arquitectura DiffServ parte do princípio que domínios adjacentes tenham um acordo sobre os serviços que serão disponibilizados entre os mesmos. Este acordo denomina-se SLA Service Level Agreement. Estes acordos especificam que classes de tráfego serão servidas, que garantias são necessárias para cada classe, e qual o volume de dados para cada classe. No cabeçalho de um pacote IP, existe um campo chamado TOS (Type of Service) que pode representar o tipo do serviço utilizado. Tabela Modelo DiffServ DiffServ Classes de tráfego Best effort Assured Forward (AF) Descrição Não há qualquer controlo de qualidade de serviço, nem qualquer tipo de diferenciação de tráfego (privilégios). Inclui quatro classes de prioridade em que cada uma contém três níveis diferentes de prioridade de descarte. Expedite Forward (EF) Tráfego com maior prioridade

32 12 Estado da Arte Medidas de Qualidade de Serviço para redes IP Como já foi realçado, a rede IP sofreu um grande avanço não só a nível de crescimento de utilizadores mas também ao nível da diversidade do tipo de aplicações para o qual está a ser utilizada. Este fenómeno tornou imprescindível a existência de um controle do desempenho da rede, uma vez que são cada vez mais as aplicações em tempo real, o que não permite grandes falhas de serviço. Para se poder controlar e monitorizar a qualidade de serviço de uma rede é necessário obter valores de alguns parâmetros capazes de caracterizarr a rede de forma a sabermos o estado em que se encontra. A qualidade de uma rede pode por isso ser caracterizada por alguns parâmetros, tais como: atraso, perdas, diferença entree atrasos e largura de banda. Para se obter os valores destess e outros parâmetros equivalentes há duas maneiras distintas de se fazer, é possível fazer a medição de forma passiva ou activa Medidas Passivas As medidas passivas consistem em controlar e monitorizar o tráfego sem criar ou modificar nada na rede, isto é não se adiciona tráfego inútil à rede como se pode visualizar na seguinte figura. Figura Tráfego da Rede com medições Passivas [4]. Estas medições podem ser implementadas ao adicionar alguma inteligência na rede, de maneira a conseguir capturar e gravar as características e a quantidade dos pacotes que lá passam. Alguns exemplos de parâmetros que podem ser calculados à custa das medidas passivas: - Quantidade de bits/ pacotes transmitidos - Tempos de chegada ou tempos entree chegada dos pacotes - Níveis da fila dos buffers (que podem ser usados como indicadores de perdas ou atrasos nos pacotes) - Tipos de tráfego/ protocolo recebidos

33 Conceitos abordados Medidas Activas As medidas activas são uma outra forma de conseguir medições para as perdas (packet loss), atrasos (delay) e variação de atrasos (jitter) de pacotes na rede. Para se efectuar este tipo de medições é necessário injectar tráfego apropriadoo na rede para se notar as alterações ou mesmo valores calculados directamente, e daí perceber o seu comportamento [4]. Ao contrário das medidas passivas como se pode ver na seguinte figura existee tráfego adicional. Figura Tráfego na rede com medições Activas [4]. Medições que podem ser obtidas através do método activo: - Atraso (Delay) - Perdas (Loss) - Variação do atraso (Jitter) - Largura de banda (Bandwidth) Com o aumento da importância do desempenho das redes devido ao aumento do tráfego e às aplicações de tempo real têm sido implementadas muitas ferramentas capazes de fazerem as medições dos vários parâmetros. Embora num capítulo mais à frente se façaa uma referência mais detalhada, fica já o exemplo de algumas ferramentas open-source capazes de obter os vários valores dos parâmetros já referidos.

34 14 Estado da Arte Tabela Ferramentas para efectuar medições de parâmetros QoS Tipos de medidas Ferramentas Custo Passivas MRTG, Nagios, NetFlow, Statscout, whireshark Pathchirp, Fping, Mgen, Ping Plotter, MRTG, Pathchar, Activas Pathload, Pathrate, Iperf, H.323 Beacon, OWAMP, Traceroute, freeping, Napoleon, MCM, TRPR, RSVP. Open-source Open-source Tabela 2.4- Comparação entre medidas Activas e Passivas Medidas Vantagens Desvantagens Activas Passivas Consegue caracterizar melhor as métricas pois testa mesmo injectando tráfego próprio para testar o comportamento da rede. Não necessita de injectar tráfego adicional na rede. Ocupação de largura de banda provocada pelo tráfico injectado artificialmente Necessita de mais informação nos cabeçalhos dos pacotes para poder obter e armazenar a informação necessária VoIP Introdução VoIP VoIP (Voice over Internet Protocol) como a própria palavra explica é transmitir sinal de voz através de uma rede de dados usando o protocolo internet. A informação é transportada sobre a forma de pacotes quer dizer que é transmitido no formato digital e não analógico. Tornou-se rapidamente numa tecnologia muito popular devido à grande vantagem de ser grátis se usarmos software gratuito existente, porque desta forma estamos a fazer chamadas dispensando os serviços das companhias telefónicas. Outros factores também importantes para justificar este crescimento são nomeadamente o aumento de locais com acesso de banda larga e a melhoria de qualidade de serviço que é

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Voz sobre IP Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6

IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6 IPv6@ESTG-Leiria Projecto de VoIP em IPv6 Hugo Alexandre de Oliveira Eng. Informática e Comunicações 21 de Fevereiro de 2006 1 Sumário Enquadramento e Objectivos Introdução teórica Arquitecturas de telefonia

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Introdução ao Uso da Internet. Pedro Veiga

Introdução ao Uso da Internet. Pedro Veiga Introdução ao Uso da Internet Pedro Veiga Tópicos Breve História da Internet Estrutura da Internet Aplicações da Internet Infra-estrutura Internet da FCUL Como apareceu a Internet? A designação Internet

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis Autor: Orientador: Examinador: Examinador:

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Redes de Computadores. Revisões

Redes de Computadores. Revisões Redes de Computadores Revisões Classifique, com V ou F, as afirmações seguintes! A comunicação entre sistemas (ex: computadores), tendo em vista a execução de aplicações telemáticas, só é possível se existir

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

Construção de Redes de Voz sobre IP

Construção de Redes de Voz sobre IP Capítulo 1: Construção de Redes de Voz sobre IP 11 Capítulo 1 Construção de Redes de Voz sobre IP Arthur Callado, Gabriel Fernandes, Auristela Silva, Rodrigo Barbosa, Djamel Sadok, Judith Kelner. Abstract

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Antonio Ricardo Pereira Cavalcanti

Antonio Ricardo Pereira Cavalcanti Pós-Graduação em Ciência da Computação Avaliação de desempenho de VoIP através de modelos estocásticos utilizando distribuições poli-exponenciais Por Antonio Ricardo Pereira Cavalcanti Dissertação de Mestrado

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

VoIP: Falando Sobre IP

VoIP: Falando Sobre IP VoIP: Falando Sobre IP Introdução De Alexander Graham Bell à Telefonia IP Alexander Graham Bell ao telefone no lançamento do serviço telefônico entre Nova York e Chicago em 1892. Foto: NASA Introdução

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais