Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia"

Transcrição

1 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Capítulo I Dos Objetivos e Da Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia da UTFPR, doravante denominado PPGFA, está estruturado na modalidade stricto sensu, de natureza acadêmica no nível de mestrado. Parágrafo Único: O programa de Pós-Graduação em Física da UTFPR apresenta uma área de concentração em Física e quatro linhas de pesquisa sendo 1) Física da Matéria Condensada; 2) Física Atômica e Molecular; 3) Física Nuclear e 4) Cosmologia e Astrofísica. Art. 2 - O Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia da UTFPR tem por objetivo formar recursos humanos qualificados a criar novos conhecimentos científicos; executar atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação; definir, propor, coordenar e executar projetos de pesquisa e/ou desenvolvimento dentro das áreas de concentração, em nível local, nacional ou internacional; interagir com o setor produtivo, através das diversas diretorias e órgãos da UTFPR, na ampliação e qualificação do parque industrial envolvido nas áreas de conhecimento e de atuação do PPGFA. Art. 3º- O PPGF oferece curso de Mestrado, de acordo com a legislação vigente. Parágrafo 1º As atividades de Pós-Graduação "stricto sensu" compreendem disciplinas, seminários e atividades de pesquisa, além de outras ações que venham a ser definidas por seu Colegiado. Parágrafo 2º O PPGFA é organizado em linhas de pesquisa, que reúnem disciplinas e atividades afins e que congregam docentes, pesquisadores, e estudantes para objetivos comuns de ensino e pesquisa avançados e que configuram sua vocação científica e tecnológica.

2 Parágrafo 3º Os recursos humanos e materiais necessários ao desenvolvimento das atividades de ensino e pesquisa em âmbito mais restrito nas diversas áreas de conhecimento concentram-se em projetos de pesquisa que podem envolver uma ou mais linhas de pesquisa. Capítulo II Da Administração Art. 4º - O PPGFA será coordenado por um Colegiado, por um Coordenador e por um Coordenador Adjunto, de acordo com as competências estabelecidas neste Regulamento, que cumprirá mandato de dois anos, permitida uma recondução. Art. 5º - O Colegiado será formado pelos docentes permanentes e colaboradores do PPGFA e pela representação discente. Parágrafo único O representante discente, dentre aqueles estudantes regulares com residência mínima de um ano no PPGFA, deverá ser indicado pelo conjunto dos estudantes regulares matriculados no PPGFA, tendo mandato de 1 (um) ano, permitida uma recondução. Art. 6º - O Colegiado reunir-se-á sempre que convocado pelo Coordenador do PPGFA ou por solicitação de 1/3 (um terço) dos seus membros, e deliberará por maioria simples dos presentes. Art. 7º - Compete ao Colegiado: I Elaborar a lista tríplice de candidatos a Coordenador e Coordenador Adjunto a ser apresentada aos órgãos superiores da Instituição; II alterar o Regulamento do PPGFA, para posterior análise pelos órgãos superiores; III estabelecer as diretrizes gerais do PPGFA; IV pronunciar-se, sempre que convocado, sobre matéria de interesse da Pós-Graduação; V julgar os recursos interpostos de decisões do Coordenador; VI deliberar sobre o credenciamento e descredenciamento de docentes do PPGFA;

3 VII assessorar o Coordenador em tudo o que for necessário para o bom funcionamento do PPGFA, do ponto de vista didático, científico e administrativo; VIII definir o mecanismo de encaminhamento das Dissertações para as Bancas Examinadoras; IX estabelecer o processo para a designação dos componentes das Bancas Examinadoras das dissertações; X aprovar o elenco de disciplinas, suas respectivas ementas e cargas horárias; XI atribuir créditos por atividades realizadas que sejam compatíveis com a área de conhecimento e os objetivos do PPGFA, nos termos do seu Regulamento; XII avaliar o PPGFA, periódica e sistematicamente; XIII deliberar sobre mecanismos empregados na transferência e seleção de estudantes, aproveitamento e revalidação de créditos obtidos em outros cursos de pós-graduação "stricto sensu", dispensa de disciplinas, trancamento de matrícula, readmissão e assuntos correlatos; XIV propor aos órgãos superiores ações relacionadas ao ensino de pósgraduação; XV deliberar sobre casos de interesse do PPGFA não explicitados neste Regulamento. Art. 8º - O Coordenador do PPGFA presidirá o Colegiado, tendo exclusivamente voto de qualidade. Parágrafo 1º o Coordenador será substituído em todos os seus impedimentos pelo Coordenador Adjunto; Parágrafo 2º é vedado o acúmulo do cargo de Coordenador do programa com outros cargos administrativos. Art. 9º - Caberá ao Coordenador do PPGFA: I dirigir e coordenar todas as atividades do PPGFA; II elaborar o projeto de orçamento do PPGFA segundo as diretrizes e normas vigentes; III representar o PPGFA interna e externamente à UTFPR nas situações que digam respeito a suas competências;

4 IV articular-se com os órgãos superiores para acompanhamento, execução e avaliação das atividades do PPGF; V enviar Relatório Anual de atividades aos órgãos competentes; VI homologar atas de Dissertações; VII estabelecer a distribuição das atividades didáticas do PPGFA. Capítulo III Do Corpo Docente Art. 10º - As atividades de pesquisa e pós-graduação do PPGFA serão conduzidas por Docentes Permanentes, Docentes Colaboradores e Outros Participantes. Art. 11º - Os Docentes deverão ter o título de Doutor ou equivalente, dedicarse à pesquisa, ter produção científica continuada e relevante e serem aprovados pelo Colegiado. Parágrafo 1º um docente credenciado no Programa como Professor Permanente poderá ser credenciado nesta mesma categoria em, no máximo, mais dois programas de Pós-Graduação; Parágrafo 2º Serão classificados como Outros Participantes profissionais que não se enquadram na categoria de Docentes Permanentes ou Docentes Colaboradores, mas que colaboram esporadicamente com as atividades técnico-científicas do PPGFA. Art. 12º - Os parâmetros para credenciamento e recredenciamento (permanência do docente no programa) de docentes serão baseados nos critérios de avaliação do CA-Física/Astronomia, considerando sempre os últimos quatro anos. Parágrafo 1º O credenciamento de docentes Permanentes ocorrerá em fluxo continuo. O professor devera solicitar formalmente o credenciamento ao Colegiado apresentando um projeto de pesquisa, currículo Lattes atualizado e estar vinculado a um grupo de pesquisa do Departamento de Física. Parágrafo 2º Para o credenciamento de docente Permanente, o mesmo devera ter projeto de pesquisa homologado na instituição, ter orientações ou co-orientações em andamento ou concluídas (TCC, IC ou pós-graduação) e média de um artigo (publicado ou aceito) por ano no quadriênio de forma a

5 obter pelo menos 100 pontos em produção relevante no CA-Física/Astronomia no quadriênio, com pontuação fornecida pela tabela: Artigo QUALIS A1 100 pontos/artigo Artigo QUALIS A2 80 pontos/artigo Artigo QUALIS B1 50 pontos/artigo Artigo QUALIS B2 30 pontos/artigo Artigo QUALIS B3 ou INFERIOR 20 pontos/artigo Parágrafo 3º Para o recredenciamento como docente Permanente, o mesmo deverá, além de atender o critério disposto no parágrafo 2º do artigo 12, ter uma orientação de mestrado no programa em andamento ou concluída. Parágrafo 4º O credenciamento, ou recredenciamento, de docente na categoria Colaborador será avaliado pelo Colegiado analisando sua produtividade, infraestrutura para pesquisa e proposta de projeto de pesquisa a ser vinculado ao programa. Parágrafo 5º - O credenciamento nas categorias Docentes Permanentes e Colaboradores terá validade de 4 (quatro) anos, podendo ser renovado mediante aprovação do Colegiado. Art. 13º - Os requisitos para o enquadramento dos docentes nas categorias Docentes Permanentes, Docentes Visitantes e Docentes Colaboradores e as suas competências são aquelas definidas pela portaria da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES nº 174, de 30 de dezembro de Art. 14º - O estudante de Mestrado terá um orientador, que constará de uma relação organizada anualmente pelo PPGFA: Parágrafo 1º A critério do Colegiado, poderá ser designado um coorientador; Parágrafo 2º No caso de orientador vinculado a outra Instituição, deverá ser designado um co-orientador credenciado no PPGFA como Docente permanente; Parágrafo 3º Os orientadores e co-orientadores devem possuir o título de Doutor. Capítulo IV Do Regime Acadêmico

6 Art. 15º - A admissão de estudantes no PPGFA deverá estar condicionada à existência de Docentes Permanentes e/ou Docentes Colaboradores com carga de orientação disponível. Parágrafo 1º A seleção dos estudantes será realizada por meio de avaliação escrita, entrevista e análise de duas cartas de recomendação. As datas da avaliação e agendamento das entrevistas assim como os tópicos que compõem o programa da avaliação escrita serão divulgados em edital público. Parágrafo 2º Os processos de readmissão de estudantes deverão ser avaliados pelo Colegiado. Art. 16º - A critério do Colegiado, e com a anuência do orientador, o trancamento de matrícula no PPGFA é concedido uma única vez, por um período máximo de 6 (seis) meses, respeitando o prazo máximo de duração do curso e demais requisitos. Parágrafo Único Na ocasião da solicitação do trancamento, o tempo de integralização remanescente deve ser maior ou igual à duração do trancamento solicitado. Art. 17º - Em relação ao regime acadêmico, os estudantes do PPGFA são classificados em duas categorias distintas: regular e especial. Parágrafo 1 O estudante regular é todo estudante selecionado e matriculado em condições normais e que pode se dedicar integralmente ao Programa. Parágrafo 2 O estudante regular deve cursar um mínimo de duas disciplinas por período letivo, até integralizar os créditos em disciplinas necessários à obtenção do título. Parágrafo 3 O estudante especial é aquele que, reunindo as condições acadêmicas exigidas no processo seletivo, é selecionado nesta condição e submete-se a regras específicas determinadas pelo Colegiado. Parágrafo 4 O estudante especial deverá, até 12 meses após o ingresso no Programa, solicitar sua conversão para estudante regular, sendo neste caso dispensado da exigência de dedicação integral. Art. 18º - A integralização dos estudos necessários ao Mestrado será expressa em unidades de crédito.

7 Parágrafo 1º Um crédito equivale a 15 (quinze) horas de trabalho acadêmico efetivo. Parágrafo 2º A atribuição de créditos por outras atividades complementares será definida por resolução do Colegiado. Parágrafo 3º Não serão atribuídos créditos às atividades desenvolvidas na elaboração de Dissertação. Art. 19º - O Colegiado avaliará a validade dos créditos em disciplinas cursadas pelos estudantes, quando os créditos tiverem sido obtidos em prazos superiores ao da duração do respectivo curso. Art. 20º - Créditos obtidos pelo estudante em outros programas de pósgraduação "stricto sensu" reconhecidos pela CAPES, poderão ser aceitos para os cursos do PPGFA segundo critérios estabelecidos por resolução do Colegiado. Art. 21º - Os professores responsáveis pelas disciplinas deverão avaliar o desempenho dos estudantes utilizando os seguintes conceitos: A Excelente B Bom C Regular D Insuficiente E Desistente I Incompleto Parágrafo 1º Para outras atividades, ou para disciplinas obtidas em programas de pós-graduação externos à UTFPR, será atribuído conceito V (validado), exceto aqueles obtidos em disciplinas de programas de pósgraduação com os quais existam acordos específicos. Parágrafo 2º Serão considerados aprovados, em determinada disciplina ou atividade, os estudantes que nela obtiverem os conceitos A, B ou C. Parágrafo 3º O conceito I (Incompleto) será atribuído pelo professor ao estudante que não houver ainda completado os requisitos de uma disciplina ou atividade dentro do respectivo período letivo, sendo o resultado da avaliação correspondente transferido para o próximo período. Parágrafo 4º O estudante que obtiver conceito D ou E em alguma disciplina poderá repeti-la em outro período letivo; entretanto ambos os resultados

8 constarão de seu histórico escolar e serão utilizados para o cálculo do coeficiente de rendimento. Art. 22º - O aproveitamento global do estudante nas disciplinas cursadas será determinado pelo seu coeficiente de rendimento (CR), calculado pela seguinte fórmula: CR = Σ(Vi. Ci) / ΣCi onde Vi é o valor numérico correspondente ao conceito obtido (A corresponde a 10, B corresponde a 8, C corresponde a 6, D corresponde a 4 e E corresponde a zero) e Ci é o número de créditos associado à mesma. Parágrafo Único Disciplinas e atividades com conceitos I ou V não possuirão valor numérico associado e seu número de créditos não será utilizado no cálculo do CR. Art. 23º - O prazo limite para cancelamento de disciplinas ou atividades é préfixado em 2/3 (dois terços) da duração de cada período letivo. Art. 24º - Para o curso de Mestrado, o estudante deverá obter 24 (vinte e quatro) créditos em disciplinas ou atividades, assim distribuídos: I - no mínimo 20 créditos em disciplinas; II - no máximo 4 créditos em outras atividades. Art. 25º - O prazo mínimo de duração do curso de Mestrado será de 12 (doze) meses. Os estudantes deverão completar todos os requisitos do curso de Mestrado no prazo de 24 (vinte e quatro) meses. Parágrafo 1º Em casos excepcionais, por solicitação do respectivo orientador e com a aprovação do Coordenador, poderá ser concedida ao estudante de Mestrado uma prorrogação de até 6 (seis) meses, desde que o prazo máximo incluindo trancamento não ultrapasse 30 meses. Art. 26º - O estudante será desligado do curso caso ocorra uma das seguintes condições: I - não se inscrever em disciplina ou atividades em algum período letivo, caracterizando abandono; II - apresentar CR menor que 6,0 (seis) em qualquer período letivo; III - apresentar CR acumulado (a partir do final do segundo período letivo) inferior a 7,0 (sete); IV - ultrapassar o prazo máximo de duração do curso, conforme Art. 25; V - mediante solicitação justificada de seu orientador.

9 Capítulo V Das Bancas Examinadoras Art. 27º - As Bancas Examinadoras de Dissertações de Mestrado serão constituídas de, no mínimo 3 (três) doutores, sendo pelo menos um deles de outra Instituição. Parágrafo 1º O orientador poderá fazer parte da Banca Examinadora. Parágrafo 2º - A apresentação e avaliação da Dissertação de Mestrado são atos públicos formais que deverão ter data, local e horário, prévia e amplamente divulgados e no qual os integrantes da banca examinadora poderão argüir o candidato sobre o tema da Dissertação e apresentar eventuais sugestões para sua complementação ou modificação. Art. 28º - A Dissertação ou Tese será considerada aprovada, aprovada com exigências ou reprovada segundo a avaliação da maioria dos membros da Banca Examinadora. Parágrafo 1º No caso da Dissertação ser aprovada com exigências a Banca Examinadora deverá registrar em ata as alterações solicitadas, o prazo e o(s) examinador(es) que ficará(ão) responsável(eis) pela aprovação final. Parágrafo 2º A banca examinadora fixará um prazo não superior a 90 (noventa) dias para que o candidato que obteve a aprovação de sua Dissertação "com exigências" efetue no trabalho escrito as modificações exigidas. Parágrafo 3º Caso o(s) avaliador(es) considere(m) cumpridas as exigências apresentadas, emitirá(ão) um parecer favorável que será submetido à homologação do Coordenador do PPGFA. Parágrafo 4º Se o parecer for homologado, o Coordenador providenciará a lavratura, no livro de atas, do termo de aprovação final da Dissertação. Capítulo VI Dos Títulos e Diplomas Art. 29º - Para a obtenção do grau de Mestre em Física é necessário: I - ter sido aprovado nas disciplinas e atividades exigidas no Art. 24; II - demonstrar suficiência na língua inglesa;

10 III - desenvolver e apresentar Dissertação compatível com as características da área; IV - ser aprovado nos termos do Art. 28 e entregar a versão final, impressa para divulgação pública, de sua Dissertação de Mestrado no prazo de 30 (trinta) dias a partir de sua aprovação final. Parágrafo Único Em casos excepcionais o prazo descrito no item IV poderá ser, a critério do Coordenador, prorrogado por mais um mês. V - ter publicações técnico-científicas conforme estipulado em resolução do Colegiado; Art. 30º - Para estudantes estrangeiros será exigida também proficiência em língua portuguesa. Art. 31º - Os títulos obtidos no PPGFA apenas poderão ser outorgados após a homologação da versão final da Dissertação. Parágrafo Único Nenhuma declaração, histórico de conclusão ou cópia da ata correspondente à apresentação da Dissertação serão fornecidos ao candidato antes de ser entregue a versão impressa final de sua Dissertação. Art. 32º - Os diplomas de Mestre em Física serão assinados, no mínimo, pelo Dirigente máximo da Instituição e pelo Diplomado. Art. 33º - Deverão constar nos diplomas de Mestrado o título concedido e a linha de pesquisa em que o mesmo foi obtido. Capítulo VII Das Disposições Gerais e Transitórias Art. 34º - A matrícula de estudantes, inscrição em disciplinas, trancamento e cancelamento de matrícula e demais atos da vida acadêmica do PPGFA serão efetivados pela Secretaria da UTFPR, que manterá um arquivo permanente de todos os documentos gerados, expedidos e recebidos relativos à vida acadêmica de seus estudantes. Art. 35º - As formas de atuação, os procedimentos técnicos e administrativos do PPGFA serão complementados por Resoluções de seu Colegiado, observando o disposto neste Regulamento. Parágrafo único - A Coordenação manterá registro atualizado das Resoluções vigentes. Art. 36º - Os casos omissos no presente Regulamento serão decididos pelo Colegiado e sujeitos à apreciação dos órgãos superiores da UTFPR.

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Regimento do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA MESTRADO E DOUTORADO Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO 22 REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Capítulo I: Das Finalidades. Art.l - O Programa de Pós-Graduação em Matemática do Instituto de Matemática da UFRJ, a seguir designado por Programa, se destina a:

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA R E S O L U Ç Ã O Nº 019/2015-CI/CCA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro e disponibilizada na página: www.cca.uem.br, no dia 05/05/2015. Elisângela

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 033/2012-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 18/04/2012. Aprova alteração da nomenclatura do Programa de Pós-graduação em

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA CAMPO GRANDE MS Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) Dispõe sobre as normas de organização e funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Reabilitação

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO (em azul, disposições estabelecidas no Regimento Geral da Pós-Graduação da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E TITULOS ARTIGO 1º - O Programa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional (PROPUR), vinculado ao

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES MESTRADO TÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, em nível de Mestrado acadêmico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos -

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015.

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Capítulo I Das Disposições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O PPG-CR de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 1 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-graduação stricto sensu

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA CAPÍTULO III

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ JANEIRO / 2007 SUMÁRIO TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETOS 3 TÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA 5 CAPÍTULO

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL 1 / 9 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A - IPT REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I - Das Finalidades 1.1 - Os Programas de Mestrado Profissional do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO 1ª Versão Abril/2014 FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Metrologia e Qualidade, doravante denominado PPGMQ, destina-se a

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina. TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação

Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina. TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, TÍTULOS E DURAÇÃO DOS CURSOS STRITO SENSU ARTIGO 1 - O Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/2014 Revoga a Resolução 05/2009 do Consepe, aprova e dá nova redação ao Regulamento

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS - TURMA 2015 - Art.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE.

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. TÍTULO I FINALIDADES Art. 1º - O Centro Setorial de Produção Industrial

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 94/2011/CONEPE Aprova alteração no nome do Núcleo de Pós- Graduação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, alterado para incorporar as modificações nas Normas Gerais de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ANEXO À RESOLUÇÃO 02/2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA 1 TÍTULO I DO OBJETIVO DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Patologia tem por objetivo qualificar

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E POLÍTICAS PÚBLICAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E POLÍTICAS PÚBLICAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR INSTITUTO DE TECNOLOGIA INSTITUTO TRÊS RIOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA)

IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA) IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA) I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURA DO PROGRAMA Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de

Leia mais