CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Direito da Faculdade Mineira de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais visa, precipuamente, à formação de pesquisadores e de pessoal para o magistério superior e demais carreiras jurídicas, através de cursos teóricos, voltados para a pesquisa científica, que proporcionem aprofundamento vertical em suas linhas de pesquisa, complementados com a realização de dissertação de mestrado ou tese de doutorado que demonstrem, respectivamente, a capacidade de exposição de um problema e a contribuição original do candidato nas seguintes áreas de concentração: I Direito Processual; II Direito Privado; III Direito Público; IV Teoria do Direito; V Direito do Trabalho. CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO Art. 2º - A Coordenação Didática do Programa será exercida por um Colegiado, composto nos seguintes termos: I - Pelo Coordenador do Programa, que o preside; II - Pelo Subcoordenador; III - Por um professor representante de cada linha de pesquisa do Programa; IV - Pela representação discente, observado o disposto no Regimento Geral da Universidade. 1 o A composição do Colegiado, à qual se referem os incisos I, II e III, será constituída de doutores integrantes do corpo docente permanente do Programa. 2º - Os membros docentes serão eleitos pelos professores do Programa e terão mandato de 3 (três) anos, sendo permitida a recondução. 3 o Dentre os membros docentes que comporão o Colegiado, os professores do Programa elegerão também o Coordenador e o Subcoordenador do Programa. 1

2 4º - O membro da representação discente terá mandato de 1 (um) ano, permitida uma recondução. 5º - A eleição de novos membros do Colegiado, visando a sua renovação, deverá ser convocada pelo Coordenador do Programa ou, em sua falta ou impedimento, por seu substituto, até 30 (trinta) dias antes do término do mandato dos membros em exercício. Art. 3º - São atribuições do Colegiado: I - propor a criação, reformulação ou extinção de disciplinas e linhas de pesquisa que julgue úteis ou inadequadas aos cursos, conforme o caso; II - aprovar semestralmente a programação das disciplinas; III - aprovar o nome dos orientadores, encaminhando-os à Pró-reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação para fins de credenciamento; IV - apreciar, diretamente ou através de comissão especial, e após manifestação do respectivo orientador, todo projeto de trabalho que vise a elaboração de tese ou dissertação; V - analisar e aprovar a designação de bancas para todas as atividades referentes ao Programa; VI - acompanhar as atividades do Programa; VII - estabelecer as normas acadêmico-administrativas do Programa ou propor-lhes modificações necessárias e submetê-las, quando for o caso, e após aprovação da Pró-reitoria de Pesquisa e Pósgraduação, à deliberação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão ou ao Conselho Universitário; VIII - conhecer das representações referentes ao ensino e à pesquisa que lhe forem dirigidas e decidir aquelas afetas à sua competência; IX - classificar os professores do Programa admitidos mediante processo de provimento interno ou de seleção externa como permanentes ou como colaboradores, mediante análise do respectivo curriculum vitae e de projeto de pesquisa; X - aprovar o credenciamento de participantes externos ao Programa; XI - submeter à aprovação do Reitor a proposta do número de vagas do Programa para o período seguinte, por intermédio da Próreitoria de Pesquisa e de Pós-graduação, que se pronunciará a respeito; 2

3 XII - efetivar todas as medidas necessárias para aprimorar as condições do curso, tendo em vista os parâmetros fixados pelo Comitê da Área de Direito da Coordenadoria de Aperfeiçoamento do Pessoal do Ensino Superior (CAPES); XIII - exercer o poder disciplinar na esfera de sua competência; XIV - exercer outras atribuições estabelecidas no Estatuto, no Regimento Geral, nas Diretrizes de Pós-Graduação e nos ordenamentos da Universidade. Art. 4º - O Coordenador e o Subcoordenador serão designados pelo Reitor, a partir de lista tríplice eleita pelo corpo de Professores Permanentes do Programa, e terão mandato de 3 (três) anos, permitida a recondução. Art. 5º - Compete ao Coordenador do Programa, sem prejuízo do estabelecido no Estatuto e no Regimento Geral da Universidade: I - convocar e presidir as reuniões do Colegiado; II - coordenar, no âmbito de sua competência, a execução do Programa, tomando as medidas que se fizerem necessárias ao seu bom andamento; III - executar as deliberações do Colegiado e gerir as atividades do Programa; IV - responsabilizar-se pela execução e remissão à Pró-reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação do relatório das atividades do Programa, de acordo com as instruções daquele órgão; V - prestar todas as informações requeridas pelos órgãos oficiais para fins de avaliação do Programa. Art. 6º - O Coordenador, o Subcoordenador e os demais membros docentes do Colegiado serão eleitos de acordo com as normas estabelecidas no Estatuto e no Regimento Geral da Universidade. CAPÍTULO III DA ADMISSÃO SEÇÃO I DA ADMISSÃO PARA O CURSO DE MESTRADO Art. 7º - Poderão candidatar-se às vagas do Programa de Pósgraduação em Direito, em nível de Mestrado, os portadores de diploma de curso de graduação em Direito e em áreas afins. 3

4 Art. 8º - O Processo de Seleção constará de entrevista, de natureza eliminatória e classificatória, prova escrita, de natureza eliminatória e classificatória, prova de língua estrangeira instrumental, de natureza eliminatória, análise de curriculum vitae, de natureza classificatória, e análise de proposta de trabalho, de natureza classificatória e eliminatória, contendo título, objetivos, justificativa, metodologia e a justificativa de pertinência do projeto à linha de pesquisa escolhida. Parágrafo único O Colegiado de Pós-Graduação poderá dispensar do exame de proficiência candidatos que obtiveram bom desempenho em provas de proficiência, comprovado por certificados emitidos por universidades estrangeiras, indicando no edital de seleção quais certificados serão aceitos. Art. 9º - A Banca Examinadora, composta de três professores doutores titulares e um suplente, indicará os candidatos que julgue aptos para realizar o curso, dentre aqueles que melhor atenderem aos critérios do Edital do Processo de Seleção, em ordem de classificação, atendido o disposto no edital e no regulamento de seleção. Art O preenchimento das vagas remanescentes da seleção poderá fazer-se, a critério do Colegiado, por via da transferência de estudantes provenientes de programas similares. SEÇÃO II DA ADMISSÃO PARA O CURSO DE DOUTORADO Art Poderão candidatar-se às vagas do Programa de Pósgraduação em Direito, em nível de Doutorado, os portadores de diploma de Mestre Acadêmico em Direito ou em áreas afins. Art O Processo de Seleção de doutorando constará de entrevista, de natureza eliminatória e classificatória, prova escrita, de natureza classificatória e eliminatória, 2 (duas) provas de língua estrangeira instrumental, de natureza eliminatória, análise do curriculum vitae, de natureza classificatória, e análise de projeto de tese, de natureza classificatória e eliminatória, contendo título, problema, hipótese, objetivos, justificativa, estado da arte, metodologia e a justificativa de pertinência do projeto à linha de pesquisa escolhida. Art. 13 Aplicam-se ao Processo de Seleção para o Curso de Doutorado as mesmas disposições referentes à seleção de mestrado. Art Excepcionalmente, poderá ser admitida inscrição de candidato ao doutorado sem que ele se submeta ao exame de seleção ou seja detentor do título de mestre, mediante o reconhecimento, pela comunidade acadêmica, de sua influência para a construção do conhecimento jurídico. 4

5 1 o O Colegiado do Programa de Pós-graduação em Direito analisará o pedido, apresentado pelo próprio candidato, e julgará, quanto ao mérito, o fato de ele possuir, no meio jurídico, reconhecimento fático que enseje a sua inscrição direta no doutorado. 2 o Para solicitar ao Colegiado que avalie se possui notoriedade que justifique seu ingresso direto no doutorado, o candidato deverá comprovar: I pelo menos 5 (cinco) citações em artigos distintos, publicados, nos últimos 5 (cinco) anos, em Revistas Científicas avaliadas como Internacionais pela CAPES para a área de Direito; II pelo menos 5 (cinco) artigos publicados, nos últimos 5 (cinco) anos, em Revistas Científicas avaliadas como Internacionais pela CAPES para a área de Direito; III pelo menos a publicação de 2 (dois) livros científicos nos últimos 6 (seis) anos, como autor único; IV a influência de seu trabalho acadêmico, por meio de cartas de recomendação expedidas por pelo menos 5 (cinco) professores do Programa; V se detentor do grau de mestre, pelo menos 10 (dez) anos ininterruptos de docência universitária em curso de Direito; VI se detentor apenas do grau de bacharel em Direito, pelo menos 20 (vinte) anos ininterruptos de docência universitária em curso de Direito. 3 o O preenchimento das condições previstas nos incisos do parágrafo anterior não é suficiente, por si só, para garantir o ingresso do candidato no doutorado, devendo o Colegiado avaliar se a qualidade dos trabalhos justifica tal prerrogativa. Art A concessão do ingresso direto não exime o candidato de indicar orientador ou de cursar os créditos necessários para a obtenção do grau de doutor em Direito pela PUC Minas, nem de pagar integralmente o curso de doutorado. Parágrafo único - Após sua matrícula, o candidato deverá submeter-se a exame oral especialmente realizado para avaliar seus conhecimentos, perante banca composta por pelo menos 5 (cinco) professores doutores, 2 (dois) dos quais externos à PUC Minas, ficando, se aprovado, dispensado de cursar as disciplinas do curso. 5

6 CAPÍTULO IV DO REGIME ACADÊMICO Art O regime acadêmico obedece às normas fixadas no Regulamento Geral dos Programas de Pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, às normas fixadas neste Regulamento e a outras normas da Universidade. 1 o É condição para o aluno obter o título de mestre: I cursar 04 (quatro) créditos na disciplina obrigatória comum Filosofia do Direito; II cursar 02 (dois) créditos na disciplina obrigatória comum Metodologia da Pesquisa Jurídica; III cursar 04 (quatro) créditos na disciplina obrigatória de sua área de concentração; IV cursar 04 (quatro) créditos na disciplina obrigatória de sua linha de pesquisa; V cursar 16 (dezesseis) créditos em disciplinas optativas de sua linha de pesquisa; VI ter sua dissertação aprovada por banca examinadora, nos termos deste Regulamento. 2 o É condição para o aluno obter o título de doutor: I - cursar as disciplinas constantes dos incisos I a IV do parágrafo anterior; II - cursar 08 (oito) créditos em 02 (duas) disciplinas de Tópicos Avançados de sua linha de pesquisa; III - cursar 08 (oito) créditos em Seminários de Pesquisa, a serem realizados na forma indicada pelo seu Orientador; IV - V - cursar 02 (dois) créditos em Exame de Qualificação, que evidencie o seu conhecimento sobre os temas, conceitos e autores principais de sua linha de pesquisa; cursar tantas disciplinas quantas se fizerem necessárias para integralizar 48 (quarenta e oito) créditos; VI - obter autorização de banca de pré-defesa para apresentar sua tese perante banca de defesa, nos termos deste Regulamento; 6

7 VII - ter seu trabalho aprovado por banca examinadora, nos termos deste Regulamento. 3 o A critério do Colegiado, disciplinas cursadas em outra instituição ou em nível de mestrado poderão ser aproveitadas para a integralização prevista no inciso V do 1 o e no inciso V do 2 o do presente artigo. 4 o A critério do Colegiado, e mediante pedido prévio justificado pelo Orientador, será autorizado o aproveitamento de créditos de disciplinas optativas cursadas em outras áreas de concentração do Programa ou de disciplinas cursadas em outros programas de pós-graduação ou em estudos orientados, nos termos do artigo o - A critério do Colegiado, disciplinas isoladas cursadas no Programa poderão ser aproveitadas até um máximo de 50% (cinqüenta por cento) do total de créditos a serem integralizados. 6 o As disciplinas a que se referem os incisos I, II, III e IV do 1 o e o inciso I do 2 o do presente artigo deverão ser cursadas, obrigatoriamente, no primeiro ano do aluno no Programa, a contar de sua primeira matrícula. 7 o - O aluno não-graduado em Direito deverá integralizar, além do mínimo necessário para defesa de seu trabalho, 16 (dezesseis) créditos em disciplinas do curso de Graduação em Direito, a título de nivelamento, indicadas pelo Colegiado de Pós-Graduação. 8 o Em caso de ingresso direto no doutorado, nos termos dos artigos 14 e 15, o aluno será dispensado das disciplinas, se aprovado em exame de qualificação especialmente realizado para esse fim. Art. 17 A cada disciplina cursada com aprovação correspondem créditos atribuídos na proporção de 1 (uma) para 15 (quinze) horas de aulas. Art A juízo do Colegiado do Curso, poderão ser atribuídos créditos a Estudos Especiais Orientados, até o máximo de 1/6 (um sexto) do número mínimo de créditos exigidos para a obtenção do grau de Mestre ou Doutor. 1º - A solicitação de Estudos Orientados deverá ser feita pelo estudante interessado, acompanhada do plano de estudos, elaborado e assinado pelo orientador, com os seguintes elementos: I - título ou principais tópicos do conteúdo; II - bibliografia básica; III - previsão de encontros para orientação e discussão; IV - trabalhos previstos; V - sistema de avaliação; VI - número de créditos. 7

8 2º - Ao término dos Estudos Especiais Orientados, deverá o Orientador apresentar relatório sucinto ao Colegiado, com todos os elementos que devem constar do Histórico Escolar do estudante. CAPÍTULO V DO REGIME DE APROVAÇÃO Art O sistema de aprovação repousa no duplo critério de assiduidade e rendimento. O rendimento escolar do estudante nas disciplinas será expresso em notas, em escala variável de 0 (zero) a 100 (cem) pontos, e conceitos, de A a E, de acordo com a seguinte escala de correspondência: I. de 90 a 100 A; II. de 80 a 89 - B; III. de 70 a 79 - C; IV. de 40 a 69 - D; V. de 0 a 39 - E. Parágrafo único Considera-se aprovado o aluno que obtiver pelo menos conceito C e comparecer a pelo menos 85% (oitenta e cinco por cento) das aulas de uma disciplina. Art A mesma avaliação mínima de 70 (setenta) pontos e respectivo conceito é exigida para a aprovação nos Estudos Especiais Orientados, nos seminários de doutorado e no exame de qualificação. CAPÍTULO VI DO REGIME DE ORIENTAÇÃO Art A orientação da dissertação ou tese final caberá a Orientador, escolhido pelo estudante, dentre os professores permanentes da linha de pesquisa em que produza seu trabalho, que possuam vaga de orientação. Parágrafo único - O aluno poderá, com anuência de seu Orientador e do Colegiado, indicar Co-orientador, tendo em vista as especificidades de seu projeto de pesquisa. Art O Orientador de dissertação ou tese deve ter o título de Doutor, ser aprovado pelo Colegiado e credenciado pela Pró-reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação. Parágrafo único - Para orientar tese de doutorado, o Orientador deverá possuir o título de doutor há pelo menos 04 (quatro) anos, e estar inserido, por tempo igual, em Programa de Pós-graduação Stricto Sensu, tendo pelo menos 02 (duas) dissertações de mestrado defendidas com sucesso sob sua orientação. Art O credenciamento de orientadores tem validade qüinqüenal, podendo ser renovado por proposta do Colegiado, mediante comprovação de produtividade no período e apreciação de seu recredenciamento pela Próreitoria de Pesquisa e de Pós-Graduação. 8

9 Art Cada professor pode orientar, no máximo, 6 (seis) estudantes em fase de dissertação e/ou tese, desde que vinculados à sua linha de pesquisa. CAPÍTULO VII DA DISSERTAÇÃO OU DA TESE Art O aluno poderá matricular-se em Tarefa Especial: elaboração de dissertação ou tese, em qualquer fase do curso, desde que apresente seu projeto de pesquisa, formalmente elaborado, aprovado pelo Orientador e homologado pelo Colegiado. Art A dissertação deve resultar de trabalho de pesquisa e revelar, da parte do estudante, atualização bibliográfica, domínio do tema, uso de metodologia adequada e capacidade de produzir texto científico bem estruturado. Parágrafo único Além de atender ao disposto no caput, a tese deverá demonstrar contribuição original do candidato à linha de pesquisa. Art O estudante só será admitido à defesa da dissertação ou tese, quando tiver cumprido todos os demais requisitos estabelecidos por este Regulamento. Parágrafo único - A defesa pública da tese de doutorado está condicionada à aprovação da mesma por banca de pré-defesa, realizada pelo menos 40 (quarenta) dias antes de defesa e composta pelo Orientador do candidato e por dois professores doutores, devendo, pelo menos um deles, ser da linha de pesquisa a que pertença o projeto do candidato. Art A defesa de dissertação ou tese será pública e far-se-á perante Comissão Examinadora constituída nos seguintes termos: 1 o A banca de mestrado será composta, pelo menos: I pelo Orientador do candidato, que é seu presidente; II por um professor permanente do Programa ligado à linha de pesquisa a que pertence o candidato; III por um professor doutor não pertencente aos quadros da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; IV por um suplente, que deve possuir o título de doutor. 2 o A banca de doutorado será composta, pelo menos: I - pelo Orientador do candidato, que é seu presidente; 9

10 II - pelos professores que integraram a banca de pré-defesa do trabalho, nos termos do parágrafo único do art. 27; III - por 2 (dois) professores doutores não pertencentes aos quadros da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; IV - por 2 (dois) suplentes, que devem possuir o título de doutor. 3 o Será considerado aprovado o candidato a mestre ou a doutor que obtiver nota mínima de 70 (setenta) pontos de cada um dos examinadores da banca, constituindo-se sua nota final na média simples desses resultados. CAPÍTULO VIII DA DURAÇÃO DO CURSO Art. 29 O curso terá a duração prevista no calendário. 1 o O prazo para defesa da dissertação de mestrado, a contar do ingresso do candidato, é de 24 (vinte e quatro) meses, admitida, excepcionalmente, a prorrogação por mais 06 (seis) meses, desde que requerida previamente ao término do prazo e por motivo relevante. 2 o O prazo para defesa de tese de doutorado é de 48 (quarenta e oito) meses. 3 o - No cômputo do prazo de duração do curso, não serão considerados os semestres em que o estudante tiver obtido trancamento global da matrícula, que será concedida em casos excepcionais CAPÍTULO IX DO DESLIGAMENTO DO ESTUDANTE Art. 30 Será desligado do Programa o estudante que, estando regularmente matriculado: I - deixar de obter créditos por 02 (dois) semestres consecutivos, salvo o caso daquele que, tendo cumprido o mínimo de créditos, estiver matriculado em tarefa especial; II - apresentar rendimento insuficiente, com reprovação em mais de uma (01) disciplina ou nota mínima em mais de 03 (três) disciplinas, observado o disposto no parágrafo único; III - deixar de depositar sua dissertação ou tese no prazo fixado pelo art. 29 do presente Regulamento; IV - for reprovado por 02 (duas) vezes em exame de qualificação ou 2 (duas) vezes na banca de pré-defesa; 10

11 V - descumprir o prazo a que se referem os 1 o e 2 o do art. 29 do presente Regulamento; VI - apresentar falta disciplinar grave. Parágrafo único: Em caso de reprovação em disciplina, o aluno poderá submeter-se a reavaliação perante banca designada pelo Colegiado. CAPÍTULO X DO CORPO DOCENTE Art. 31 O corpo docente é integrado por professores permanentes, colaboradores ou visitantes. 1 o - Entende-se por professor permanente aquele detentor do título de doutor e pertencente ao Quadro da Carreira Docente da Instituição, com regime de trabalho de 40 (quarenta) horas semanais, metade das quais, pelo menos, seja alocada junto ao Programa; 2 o - Entende-se por professor colaborador aquele detentor do título de doutor e pertencente ao Quadro da Carreira Docente da Instituição que não se enquadre nos requisitos fixados pelo 1.º do presente artigo; 3 o - Entende-se por professor visitante aquele detentor do título de doutor e não pertencente ao Quadro da Carreira Docente da Instituição que, a qualquer título, assuma orientação ou ministre aulas no programa; Parágrafo único Poderão ser credenciados junto ao Programa pesquisadores associados, detentor do título de mestre ou de doutor, pertencentes ou não ao Quadro da Carreira Docente da Instituição, para realizar atividades no Programa, excluídas as atividades de orientação e de condução de disciplinas. Art Os professores permanentes se ligam ao Programa mediante a aprovação de projeto que justifique sua incorporação, contendo: I - II - Curriculum Lattes; Justificativa de inserção em uma linha de pesquisa; III - Configuração da pesquisa que pretende realizar, com justificativa, estado da arte, objetivos, hipótese, metodologia e levantamento bibliográfico; IV - Atividades de pesquisa e de ensino que pretende realizar no Programa, inclusive com indicação de disciplinas que pretende lecionar, de integração entre a graduação e a pós-graduação e de cooperação internacional que pretende realizar; 11

12 V - Indicação de metas e resultados que pretende realizar, sobretudo em termos de produção bibliográfica e de inserção internacional que pretende produzir. 1 o - Os projetos dos professores permanentes articulam-se no interior de linhas de pesquisa, que se vinculam a uma área de concentração. As linhas de pesquisa devem indicar um recorte metodológico de pesquisa a partir da problemática estabelecida por uma área de concentração. 2 o - O projeto de pesquisa deverá ser elaborado para um período de 03 (três) a 05 (cinco) anos. 3 o Cada professor poderá estar vinculado a apenas uma linha de pesquisa. 4 o O ingresso do professor no Programa como professor permanente só poderá ocorrer 2 (dois) anos após a defesa de sua tese de doutorado e a publicação, após a defesa de seu doutorado, de, pelo menos, um livro, atendido o critério do Comitê da Área da CAPES de pontuação mínima em publicações qualificadas. CAPÍTULO XI DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art Aplicam-se, nos casos omissos, o Estatuto, o Regimento Geral da Universidade, o Regulamento Geral dos Programas de Pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e demais normas acadêmicas da Universidade vigentes. Art O atual colegiado terá seu mandato e composição idênticos aos previstos pelo ato do Reitor que o constituiu. Expirado o prazo, o novo colegiado será eleito nos termos do art. 2 o do presente Regulamento. Art 35 - Os professores permanentes do Programa deverão apresentar, em até 90 (noventa) dias após a aprovação deste Regulamento, os projetos de pesquisa a que se refere o art. 32 do presente regulamento. Art Ficam resguardados os direitos dos alunos regulares ingressados no Programa até 2006, podendo os mesmos optar por submeterem-se às novas regras que regem o Programa de Pós-Graduação em Direito. Art Este Regulamento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Conselho Universitário. Art Revogam-se as disposições em contrário. 12

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, alterado para incorporar as modificações nas Normas Gerais de Pós-Graduação

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES MESTRADO TÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, em nível de Mestrado acadêmico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ JANEIRO / 2007 SUMÁRIO TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETOS 3 TÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA 5 CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º Os Programas de Pós-Graduação stricto sensu compreendem 02 (dois) níveis de formação:

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º Os Programas de Pós-Graduação stricto sensu compreendem 02 (dois) níveis de formação: RESOLUÇÃO Nº 054/2012, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova o Regulamento da Pós-Graduação stricto sensu da FURB. O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Regimento do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA MESTRADO E DOUTORADO Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA Programa de Pós Graduação em Geografia Área de Concentração Geografia e Gestão do Território Av. João Naves de Ávila, 2121 Bl. H Sala 1H35 CEP

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA TÍTULO

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação Política da UFMG TÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

Regulamento do Programa de Pós-Graduação Política da UFMG TÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA Av. Antônio Carlos, 6627 Sala: 4115 4.º andar - Pampulha 31270-901 - Belo Horizonte

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO B. O. UFPE, RECIFE V. 41 Nº 13 ESPECIAL PÁG. 01

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 033/2012-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 18/04/2012. Aprova alteração da nomenclatura do Programa de Pós-graduação em

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO Campus Universitário - Trindade 88040-900 Florianópolis SC - Brasil Fone : (048) 3721-9287 / Fax (048)

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Física é oferecido pelo Departamento de Física da Universidade de Brasília

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O PPG-CR de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA R E S O L U Ç Ã O Nº 019/2015-CI/CCA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro e disponibilizada na página: www.cca.uem.br, no dia 05/05/2015. Elisângela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI MESTRADO e DOUTORADO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO (em azul, disposições estabelecidas no Regimento Geral da Pós-Graduação da

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ANEXO À RESOLUÇÃO 02/2010 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA 1 TÍTULO I DO OBJETIVO DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Patologia tem por objetivo qualificar

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA Capítulo I DOS OBJETIVOS Art. 1 O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia do Centro Universitário de Brasília é composto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE AGROPECUÁRIA CAMPO GRANDE MS Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Fisioterapia (PPGFt) da UDESC tem por objetivo a formação

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o. O Programa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, nos níveis de Mestrado e Doutorado acadêmicos,

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano MESTRADO REGULAMENTO 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA CAPÍTULO III

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem como objetivo geral a produção

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Engenharia Civil

Regulamento do Curso de Mestrado em Engenharia Civil MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Regulamento do Curso de Mestrado em Engenharia Civil Capítulo 1 - DA NATUREZA, DO ESCOPO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO ESPORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO ESPORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO ESPORTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós Graduação em Ciências do Esporte

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM INFORMÁTICA, NÍVEL DE MESTRADO,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, TÍTULOS E DURAÇÃO DOS CURSOS STRITO SENSU ARTIGO 1 - O Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º- O Curso de Especialização em Lingüística Aplicada, da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO BELO HORIZONTE 2015 2 TÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º O Programa

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII...

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII... ÍNDICE CAPÍTULO I...01 DAS FINALIDADES...01 CAPÍTULO II...01 DOS OBJETIVOS...01 CAPÍTULO III...02 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS...02 DO ENCAMINHAMENTO...02 DA ANÁLISE E DA APROVAÇÃO PRELIMINAR...03

Leia mais