REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL PROPUR/UFRGS I - DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional (PROPUR), vinculado ao Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, destina-se ao aprimoramento da formação de profissionais diplomados em arquitetura e urbanismo e em áreas afins, através de cursos de mestrado e doutorado, no campo dos estudos urbanos e regionais. Art. 2º - Os objetivos específicos deste Programa de Pós-Graduação são: I - qualificar profissionais diplomados para atuar no campo dos estudos urbanos e regionais, no âmbito acadêmico e da prática profissional; II - realizar estudos e pesquisas buscando uma melhor compreensão sobre o espaço urbano e o regional; III - manter intercâmbio com instituições congêneres locais, nacionais e internacionais, promovendo a troca de conhecimentos, pesquisas e informações; Art. 3º - Os cursos de mestrado e doutorado serão desenvolvidos nas áreas de concentração em: I - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL E PROCESSOS SOCIAIS e II - SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO EM PLANEJAMENTO E DESENHO URBANO. Parágrafo único. Serão dadas ênfases a áreas específicas dos estudos urbanos, no âmbito das concentrações acima definidas, de acordo com: a) a qualificação e aplicação dos docentes envolvidos nas atividades docentes. b) o interesse e a oportunidade em aspectos particulares dos estudos urbanos. c) a necessidade de ampliar determinados aspectos do conhecimento da realidade regional e nacional. II - DA ADMINISTRAÇÃO Art. 4º - A administração do Programa será exercida por: I um Conselho de Pós-Graduação II uma Comissão de Pós-Graduação III um Coordenador e um Coordenador Substituto Art. 5º - O Conselho de Pós-Graduação é constituído pelos Docentes do Programa pertencentes ao quadro funcional da UFRGS e pela representação discente nos termos da lei. Parágrafo único. O Conselho de Pós-Graduação, presidido pelo Coordenador, reunir-se-á no mínimo uma vez por semestre. O Conselho de Pós-Graduação reunir-se-á sempre que convocado pelo Coordenador do Programa, pela Comissão de Pós-Graduação ou por solicitação de 1/3 (um terço) dos seus membros, e deliberará por maioria simples, presente a maioria absoluta dos seus membros. Art. 6º - Ao Conselho de Pós-Graduação do Programa caberá: I - eleger o Coordenador, o Coordenador Substituto e a Comissão de Pós-Graduação, por voto secreto, de acordo com as normas vigentes na UFRGS; II - estabelecer as diretrizes gerais do Programa; III - realizar modificações no Regimento por iniciativa do próprio Conselho ou da Comissão de Pós-Graduação, para posterior homologação pela Câmara de Pós-Graduação; PROPUR, 14 de julho de

2 IV - deliberar, quando convocado pelo Coordenador ou por um terço de seus membros, sobre assuntos pertinentes ao Programa; V - julgar os recursos interpostos de decisões do Coordenador e da Comissão de Pós-Graduação; VI - deliberar sobre o descredenciamento de professores do Programa; VII - participar em decisões relativas a convênios e demais vínculos com outras instituições. Art. 7º - O Programa será dirigido por uma Comissão de Pós-Graduação e por um Coordenador, com funções executivas, deliberativas e normativas. Parágrafo único. O Coordenador será substituído pelo Coordenador Substituto ou por um dos membros da Comissão de Pós-Graduação em seus eventuais impedimentos. Art. 8º - A Comissão de Pós-Graduação será constituída por 4 (quatro) professores permanentes do Programa e pela representação discente, de acordo com as normas vigentes na UFRGS. 1º - Os membros da Comissão de Pós-Graduação têm mandato de 2 (dois) anos, no caso dos docentes, e de 1 (um) ano, no caso dos discentes, sendo permitida, em ambos os casos, uma recondução. 2º - A Comissão de Pós-Graduação poderá ter membros suplentes que substituirão os titulares em seus eventuais impedimentos. Art. 9º - São atribuições da Comissão de Pós-Graduação: I - assessorar o Coordenador em tudo o que for necessário para o bom funcionamento do curso, do ponto de vista didático, científico e administrativo; II - propor ao Conselho de Pós-Graduação modificações no regimento; III - homologar teses, dissertações e outros trabalhos de conclusão; IV - propor docentes para credenciamento pela Câmara de Pós Graduação, conforme os critérios de credenciamento do Programa; V - homologar o plano de ensino das disciplinas; VI - atribuir ou revalidar créditos obtidos, em nível de pós-graduação stricto sensu, em outras instituições ou cursos, dispensa de disciplinas, readmissão e assuntos correlatos; VII - deliberar sobre processos de transferência de alunos de mestrado ou doutorado para outros programas ou de alunos de outros programas para o PROPUR; VIII - aprovar o orçamento do Programa; IX- propor ao Conselho de Pós-Graduação o descredenciamento de docentes e orientadores; X - convocar reuniões, em complementação à ação do Coordenador, e aprovar decisões, por maioria simples; XI - indicar a Comissão de Bolsas, que deliberará quanto aos critérios de concessão de bolsas, sua concessão e cancelamento; XII - deliberar sobre os prazos de inscrição de candidaturas e data da eleição para a Comissão de Pós-Graduação; XIII - estabelecer normas para o bom funcionamento do Programa; XIV- julgar os recursos às decisões do Coordenador; XV - propor e aprovar convênios entre o Programa e outras entidades; XVI- avaliar o Programa, periódica e sistematicamente, em consonância com o Conselho de Pós- Graduação. XVII - Referendar os componentes das bancas examinadoras dos exames de qualificação e das dissertações e teses, propostos pelo orientador Parágrafo único - A Comissão de Pós-Graduação deliberará por maioria simples, presente a maioria absoluta dos seus membros. Art São atribuições do Coordenador: I - dirigir e coordenar todas as atividades do Programa; II - elaborar o projeto de orçamento para o Programa segundo diretrizes e normas dos órgãos superiores da Universidade e, quando for o caso, das agências de fomento; III - praticar atos de sua competência ou competência superior, mediante delegação; IV - representar o Programa interna e externamente à Universidade; V - delegar competência a docentes do Programa. PROPUR, 14 de julho de

3 VI - articular-se com a Pró-Reitoria respectiva para acompanhamento, execução e avaliação das atividades do Programa; VII - decidir ad-referendum, do Conselho e da Comissão em situações de emergência. Neste caso, o Conselho ou Comissão, segundo a sua competência, deverá apreciar a decisão. VIII - participar da eleição de representantes para a Câmara de Pós-Graduação; IX - enviar Relatório Anual de atividades para o Conselho da Unidade da Faculdade de Arquitetura; III - DO PESSOAL ADMINISTRATIVO E DA SECRETARIA Art O pessoal administrativo será admitido de acordo com as normas vigentes nesta Universidade. Art A secretaria, órgão executor dos serviços administrativos, será dirigida por um(a) Secretário(a), a quem compete: I - superintender os serviços de secretaria; II - manter em dia os assentamentos do pessoal docente, discente e administrativo; III - informar e processar todos os requerimentos de estudantes matriculados e de candidatos à matrícula; IV - registrar frequência e conceitos obtidas pelos alunos no sistema de pós-graduação desta Universidade (PÓS-GRAD); V - efetuar as inscrições dos candidatos a cursos oferecidos pelo Programa; VI - distribuir e arquivar todos os documentos relativos às atividades didática e administrativa; VII - coletar os elementos e preparar prestações de contas e relatórios; VIII - organizar e manter atualizada a coleção de leis, decretos, portarias, resoluções e circulares, etc., que regulamentam os Programas de Pós-Graduação, e, especificamente, o PROPUR; IX - receber e providenciar os pedidos de matrícula dos alunos do programa; X - manter em dia o inventário de equipamento e material do programa; XI - abrir e encerrar, assinando com o coordenador, todos os termos relativos a: matrículas, exames, históricos escolares, certificados, diplomas, etc. IV - DO CORPO DOCENTE Art. 13 As funções de docência e orientação serão exercidas por docentes portadores do título de Doutor ou credenciais equivalentes, que exerçam atividades de pesquisa e tenham produção científica continuada e relevante, observados os critérios de qualificação estabelecidos pelo Programa e pela Câmara de Pós-Graduação. Art. 14 Os integrantes do Corpo Docente deverão ter seus nomes aprovados pela Comissão de Pós-Graduação para posterior homologação pela Câmara de Pós-Graduação. Art Os docentes serão classificados em Docentes Permanentes, Docentes Visitantes e Docentes Colaboradores, por força do art. 6º da Resolução nº 10/2014 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CEPE, desta Universidade. Art Integram a categoria de Docentes Permanentes os docentes assim enquadrados pelo Programa e que atendam a todos os seguintes requisitos: I desenvolvam atividades de ensino regularmente na Graduação e na Pós-Graduação (oferta anual de, pelo menos, uma disciplina aos alunos do Programa); II participem de projeto de pesquisa junto ao Programa, com produção regular qualificada expressa por meio de publicações; III orientem regularmente alunos de mestrado e/ou doutorado do Programa; IV tenham vinculo funcional com a UFRGS ou, em caráter excepcional, enquadrem-se em uma das seguintes condições especiais: a) na qualidade de professor ou pesquisador aposentado, com termo de compromisso firmado com a UFRGS na condição de Docente Convidado; PROPUR, 14 de julho de

4 b) na qualidade de participante como Pós-Doutorando, com termo de compromisso firmado com a UFRGS; c) tenham sido autorizados, por acordo formal, entre a instituição de origem e a UFRGS, para atuar como docente do Programa; V mantenham regime de dedicação integral à UFRGS caracterizada pela prestação de quarenta horas semanais de trabalho. 1º - A critério da Câmara de Pós-Graduação, pode ser enquadrado como Permanente o docente que não atender ao estabelecido no Inciso I deste artigo devido ao seu afastamento para a realização de estágio pós-doutoral, estágio sênior ou atividade relevante em educação, arte, ciência e tecnologia, desde que atendidos todos os demais requisitos fixados por este artigo para tal enquadramento. 2º - Os docentes devem ser credenciados como Permanentes em apenas um Programa de Pós-Graduação. Em situações excepcionais e justificadas, o credenciamento como Docente Permanente em mais de um Programa pode ser aprovado pela Câmara de Pós-Graduação, desde que seja de conhecimento de ambos os programas. Art Integram a categoria de Docentes Visitantes os docentes ou pesquisadores com vínculo funcional com outras instituições que sejam liberados das atividades correspondentes a tal vínculo para colaborarem, por um período contínuo de tempo e em regime de dedicação integral, em projeto de pesquisa e/ou atividades de ensino no Programa, permitindo-se que atuem como orientadores. Parágrafo único O Docente Visitante deve ter sua atuação nesta Universidade viabilizada através do vínculo como professor visitante, nos termos da legislação vigente. Art Integram a categoria de Docentes Colaboradores os demais membros do corpo docente do Programa que não atendam a todos os requisitos para serem enquadrados como Docentes Permanentes ou Visitantes, mas participem de forma sistemática de atividades de pesquisa, ensino ou orientação de estudantes, independentemente da natureza de seu vínculo com a UFRGS. Art. 19 O desempenho de atividades esporádicas como conferencista, membro de banca de exame ou coautor de trabalhos não caracteriza um profissional como integrante do corpo docente do Programa. Art O credenciamento dos docentes nas categorias de Docente Permanente, Docente Visitante ou Docente Colaborador deve ser proposto pelo Programa de Pós-Graduação e aprovado pela Câmara de Pós-Graduação. Art O credenciamento de Docente Permanente, Docente Visitante ou Docente Colaborador tem validade de até 5(cinco) anos, podendo ser renovado pela Câmara de Pós-Graduação mediante proposta do Programa. Art. 22 Os docentes doutores ou de título equivalente deverão ter formação especializada compatível com a área de conhecimento para a qual está sendo solicitado seu credenciamento. Art. 23 Professores e pesquisadores de outras instituições que satisfaçam as exigências do caput do artigo 17 poderão ser credenciados como orientadores colaboradores, com ciência e concordância de suas instituições. Art. 24 Professores de outras instituições do Brasil ou do Exterior, que estejam atuando por tempo limitado na UFRGS e que satisfaçam as exigências do caput do art. 22, poderão ser credenciados como docentes visitantes por um período determinado. Art O descredenciamento de docente orientador será proposto pelo Conselho de Pós- Graduação do Programa, quando a atuação do orientador revelar um dos seguintes itens: I - baixa produtividade científica; II- não oferecimento de disciplina por mais de 2(dois) semestres consecutivos; III - comportamento não pertinente com a conduta ética e moral a que faz jus a categoria docente; PROPUR, 14 de julho de

5 IV - não cumprimento do exposto no art. 26 deste Regimento. Art. 26 Compete ao orientador: I - orientar o pós-graduando na organização e execução de seu plano de estudo e pesquisa e apoiá-lo continuamente em sua formação na pós-graduação; II - propor à Comissão de Pós-Graduação a composição das Bancas Examinadoras. Parágrafo único. O orientador poderá desistir de orientar um aluno do programa em qualquer época, desde que justifique por escrito à Comissão de Pós-Graduação. V - DO CORPO DISCENTE Art O Corpo Discente é integrado por alunos portadores de diplomas do curso de graduação em arquitetura ou em outras áreas afins, devidamente selecionados e matriculados na condição de aluno regular. Art O aluno interessado em cursar disciplina isolada - na categoria de aluno especial - poderá ser admitido, mediante aprovação pelo professor responsável pela disciplina, ou caso necessário, pelo Coordenador. I - O aluno especial terá direito a atestado de freqüência e aproveitamento dos respectivos créditos. II - O aluno especial poderá cursar até 2(duas) disciplinas e utilizar no máximo 8(oito) créditos, respeitada a validade dos mesmos, caso ingresse na categoria de aluno regular, mediante aprovação em processo seletivo. Parágrafo único. A categoria de aluno especial não cria expectativa de direito para futuras admissões através de seleção regular, que é a única forma de ingresso no programa. Art. 29 O aluno de mestrado ou doutorado terá um orientador, escolhido entre os docentes do programa por ocasião do processo seletivo, e durante os prazos estipulados pelo Regimento do Programa. 1º O orientador indicado deverá manifestar prévia e formalmente a sua concordância. 2º A critério da Comissão de Pós-Graduação, poderão ser designados um co-orientador e, em casos especiais, um segundo orientador para o mesmo aluno, respeitada a manifestação de interesse do orientador do Programa e a regulamentação específica estabelecida pela Câmara de Pós-Graduação. 3º O co-orientador é definido como sendo aquele docente ou pesquisador, com título de doutor, chamado a contribuir com competência complementar àquela do orientador, considerada necessária à realização do projeto acadêmico do aluno de pósgraduação. 4º O prazo máximo para designação e registro de co-orientador será: a) de até 12 (doze) meses contados a partir do ingresso do aluno de mestrado; b) de até 24 (vinte e quatro) meses contados a partir do ingresso do aluno de doutorado. 5º O aluno de mestrado ou doutorado poderá requerer mudança de orientador, até a aprovação do projeto de dissertação ou de tese, mediante requerimento justificado dirigido ao Coordenador, cabendo à Comissão de Pós-Graduação o julgamento do pedido. 6º Quando o orientador desistir de orientar um aluno do programa, dentro dos prazos de 24 e 48 meses estabelecidos para a conclusão, respectivamente, dos cursos de mestrado e doutorado, a Comissão de Pós-Graduação avaliará a possibilidade de indicação de um novo orientador. Art. 30 O aluno deverá se matricular semestralmente no respectivo curso em disciplinas e/ou em trabalho de tese ou dissertação, ficando a certificação da solicitação de matrícula sob a responsabilidade do orientador. 1º - A falta de matrícula em um (1) período letivo caracteriza abandono do curso, acarretando ao aluno o seu desligamento do programa. 2º - A readmissão de aluno no caso de perda de uma matrícula fica condicionada ao pronunciamento da Comissão de Pós-Graduação. PROPUR, 14 de julho de

6 3º - O abandono por dois períodos letivos regulares acarretará desligamento definitivo do aluno, sem direito à readmissão. Art A duração regular do curso de mestrado é de 24 meses e a do curso de doutorado é de 48 meses, sendo admitida a permanência máxima por 30(trinta) meses e 54(cinquenta e quatro) meses, respectivamente. 1º - Os alunos que não tiverem concluído o curso nos prazos estabelecido acima serão desligados do Programa por decurso de tempo. 2º - O aluno desligado por ter ultrapassado o prazo de permanência terá os créditos validados pelo período de cinco anos, no caso de aluno do mestrado, e de sete anos, no caso de aluno do doutorado, a contar da matrícula na disciplina. 3º - No período de validade dos créditos e mediante solicitação encaminhada à CPG, esta poderá aprovar o reingresso de aluno desligado do Programa desde que, no momento do desligamento: a) a apresentação e defesa da tese ou dissertação seja o único requisito ainda não cumprido pelo aluno para a obtenção do título; b) o professor orientador tenha informado à CPG, por escrito, sua disposição de prosseguir a orientação do trabalho do aluno desligado; Art Será desligado do curso o aluno que: I obtiver conceito D ou FF em mais de uma disciplina durante o curso; II não apresentar, para registro, um projeto de dissertação ou de tese, na forma do artigo 46 ou 52 deste Regimento, e nos prazos fixados pela Comissão de Pós-Graduação; III não submeter sua dissertação ou tese nos prazos estabelecidos neste Regimento. IV obtiver desempenho insuficiente, conforme justificativa detalhada do orientador a ser deliberada pela Comissão de Pós-Graduação. V for reprovado pela banca examinadora de dissertação/tese. VI - DA ADMISSÃO AO CURSO Art A seleção para ingresso no Programa obedecerá às especificações constantes nos editais de seleção, de acordo com a legislação vigente, norteando-se pelas seguintes normas gerais: I - Os alunos de mestrado serão selecionados com base no histórico escolar de graduação, no curriculum vitae, no exame de conhecimentos realizado através de entrevista individual, da prova escrita e no projeto de pesquisa. II - Os alunos de doutorado serão selecionados com base no histórico escolar do mestrado, no curriculum vitae, no exame de conhecimentos realizado através de entrevista individual, nas cartas de recomendação e no projeto de pesquisa. III - Os editais de seleção especificarão o número de vagas, a ser definido pela Comissão de Pós- Graduação, de acordo com a disponibilidade dos professores orientadores, a capacidade da infraestrutura e dos equipamentos do Programa. Art Os candidatos ao curso de mestrado e doutorado deverão satisfazer às exigências específicas para cada nível pretendido, constantes dos editais de seleção, divulgados periodicamente pelo Programa. Parágrafo único. A seleção dos candidatos será efetuada pela Comissão de Seleção designada pela Comissão de Pós-Graduação a quem será encaminhado o resultado para a devida publicação. Art Os alunos aprovados no exame de seleção deverão efetuar sua matrícula no curso dentro de prazos estabelecidos pelo Programa. VII - DO PROGRAMA E REGIME DIDÁTICOS DOS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO PROPUR, 14 de julho de

7 Art O currículo dos cursos deste Programa é integrado por disciplinas obrigatórias e eletivas, possibilitando ao aluno perfazer o mínimo exigido de 24(vinte e quatro) créditos, para o mestrado e de 36(trinta e seis) créditos, para o doutorado. 1º Os alunos inscritos para o doutorado e que obtiveram o título de mestre, poderão ter até 24(vinte e quatro) créditos validados, mediante solicitação do interessado e exame procedido pela Comissão de Pós-Graduação do Programa. 2º Alunos que tenham cursado disciplinas ministradas por docentes doutores em outros cursos de pós-graduação de mesmo nível poderão requerer aproveitamento de créditos, o qual será sujeito a exame e deliberação pela Comissão de Pós-Graduação. Art As disciplinas do Programa serão dimensionadas em unidades de crédito, de acordo com o tempo exigido para desenvolver os conteúdos programados. 1º - Cada unidade de crédito corresponde a 15(quinze) horas-aula e a atribuição de créditos por outras atividades compatíveis com as características da área de conhecimento será avaliada pela Comissão de Pós-Graduação, mediante solicitação do interessado; 2º - A cada disciplina poderá ser atribuído no máximo 4(quatro) créditos. 3º - Os créditos obtidos tem a validade de cinco anos, no caso de alunos de mestrado, e de sete anos, no caso de alunos de doutorado, a contar do início do semestre em que foi realizada a matricula na disciplina. 4º - Não serão atribuídos créditos às atividades de elaboração da dissertação ou tese. Art As atividades dos alunos de mestrado e doutorado compreendem disciplinas, pesquisas, produção científica e elaboração da dissertação ou tese, respectivamente. Art As disciplinas do Programa abordarão teorias, métodos, técnicas e experiências de pesquisa, planejamento e desenho urbanos, de acordo com a área de concentração e as ênfases dadas a aspectos particulares dos estudos urbanos. Art Estágio de Docência consiste em uma disciplina de 1(um) crédito, desenvolvida na forma de estágio supervisionado de docência, visando a preparar o aluno de pós-graduação para a docência. Caberá ao professor responsável pela disciplina na graduação da UFRGS acompanhar e avaliar o desempenho do aluno pós-graduando, cabendo ao Coordenador do Programa apropriar o conceito final. Parágrafo único. A disciplina a que se refere o caput deste artigo é obrigatória para os alunos bolsistas e eletiva para os demais. Art O ensino de cada disciplina será ministrado de acordo com os planos apresentados pelos docentes responsáveis pela disciplina, devendo conter elementos obrigatórios e opcionais. I elementos obrigatórios: código; título; número de créditos; carga horária; súmula; objetivos; conteúdo programático; métodos de trabalho (principais atividades); procedimentos e/ ou critérios de avaliação e bibliografia; docente responsável. II elementos opcionais: pré-requisitos. Parágrafo único. O plano de ensino de cada disciplina será apresentado no primeiro dia de aula do semestre em que for oferecida a disciplina e deverá ser obrigatoriamente entregue 1(uma) via na Secretaria do Programa para que fique à disposição dos alunos e ex-alunos. Art A avaliação do aproveitamento dos alunos em cada disciplina será feita pelo seu professor responsável, mediante a aplicação de provas, realização de seminários, trabalhos práticos ou teóricos, sendo o grau final expresso por meio dos conceitos, de acordo com as normas vigentes: A ótimo B bom C regular D insatisfatório FF falta de freqüência. PROPUR, 14 de julho de

8 1º - O aluno que obtiver o conceito 'C', no mínimo, em qualquer disciplina, fará jus aos créditos atribuídos à mesma. 2º - O conceito 'FF' será conferido a todo aluno que não obtiver um mínimo de 75% de frequência. 3º - O aluno bolsista do Programa que obtiver 3(três) conceitos C no conjunto das disciplinas terá sua bolsa cancelada. 4º O aluno bolsista que obtiver 1(um) conceito D ou FF em qualquer disciplina terá sua bolsa cancelada. 5º - O aluno bolsista do Programa que obtiver desempenho insuficiente, conforme justificativa detalhada do orientador a ser deliberada pela Comissão de Pós-Graduação, terá sua bolsa cancelada. Art O cancelamento de uma disciplina eletiva será possível, desde que requerido à Comissão de Pós-Graduação antes de transcorrido um terço do total de aulas da disciplina e desde que o aluno requerente tenha frequência na mesma nesse período. Art A obtenção do diploma de mestre ou de doutor está condicionada às seguintes exigências mínimas: I - estar matriculado no curso; II - ter completado um total de 24(vinte e quatro) créditos, no caso de mestrado, e 36(trinta e seis) créditos, no caso de doutorado, bem como todas as disciplinas obrigatórias do curso; III - ter sido aprovado em Exame de Qualificação IV - ter obtido o certificado de proficiência no idioma inglês, para o caso de mestrado e de inglês e mais outra língua estrangeira, para o caso de doutorado. A avaliação da prova de proficiência em língua estrangeira compete ao Instituto de Letras desta Universidade; V - ter submetido dissertação, para julgamento de banca examinadora, dentro do prazo máximo de 30(trinta) meses a contar do dia de sua matrícula de ingresso no curso de mestrado ou tese, no prazo máximo de 54(cinquenta e quatro) meses a contar do dia de sua matrícula de ingresso no curso de doutorado; VIII - DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Art A dissertação de mestrado será desenvolvida sob supervisão do professor orientador. Art. 46 O aluno, sob a supervisão de um professor orientador, elaborará um projeto de dissertação, o qual, uma vez aprovado em exame de qualificação por banca examinadora específica, terá registro de dissertação. 1º - O registro da dissertação será efetuado somente após a aprovação do projeto de dissertação e a obtenção de 2/3 dos créditos exigidos pelo curso. 2 o - Ao candidato que tenha sido reprovado no exame de qualificação será permitida, a critério da banca examinadora, a realização de um segundo exame, no período máximo determinado pelo Programa. Art A dissertação de mestrado somente poderá ser submetida para julgamento após seu autor ter obtido a totalidade dos créditos válidos exigidos pelo curso, ter efetuado o registro da dissertação, ter realizado o estágio de docência enquanto bolsista, ter sido aprovado no exame de proficiência no idioma inglês, e tal submissão ter sido aprovada pelo seu orientador. Art. 48 O aluno deverá providenciar o número de vias correspondente ao número de examinadores de sua dissertação e encaminhar à Secretaria do Programa, juntamente com o formulário para marcação de banca examinadora. Art A dissertação de mestrado será julgada por uma banca composta por, no mínimo, três (3) professores doutores, sendo pelo menos um externo ao Programa. 1º - Além dos membros referidos, o orientador presidirá a banca examinadora, não tendo direito a julgamento da dissertação. 2º - A conclusão do mestrado será formalizada em ato público, podendo possuir as seguintes modalidades: PROPUR, 14 de julho de

9 I defesa perante uma banca examinadora, com apresentação do trabalho e argüição dos membros da banca; II leitura de pareceres, sem a obrigatoriedade da presença da banca examinadora, no qual será dado conhecimento dos pareceres escritos dos examinadores aos presentes no ato público; III banca mista, nos casos de defesa e argüição, com a leitura de parecer de membro da banca com impossibilidade de comparecer à defesa. Art. 50 A Banca Examinadora da Dissertação de Mestrado atribuirá a classificação Aprovada, Aprovada com Correções ou Não Aprovada, conforme a avaliação majoritária dos membros da banca, com posterior registro em ata. 1º a aprovação ou reprovação deve ser baseada em pareceres individuais dados pelos membros da Banca Examinadora. 2º no caso de aprovação com correções, as modificações solicitadas pela Banca Examinadora deverão ser realizadas no prazo máximo de 90(noventa) dias, a contar da data do ato público, com a entrega da versão final da dissertação na Secretaria do Programa. 3º da reprovação da dissertação não caberá recurso. IX DA TESE DE DOUTORADO Art A tese de doutorado será desenvolvida sob supervisão do professor orientador, constituindo-se em trabalho inédito demonstrativo da autonomia do autor em definir e delimitar problemas, investigar e estudar suas dimensões e antecedentes, encaminhar descrições adequadas, concluir satisfatoriamente a partir delas e apresentar convenientemente o material produzido. Art O aluno, sob a supervisão de um orientador, elaborará um projeto de tese, o qual, uma vez aprovado em exame de qualificação por banca examinadora específica, terá registro de tese. 1º - O registro da tese será efetuado somente após a aprovação do projeto de tese e da obtenção de um mínimo de 2/3 dos créditos exigidos pelo curso. 2º - Ao candidato que tenha sido reprovado no exame de qualificação será permitida, a critério da banca examinadora, a realização de um segundo exame, no período máximo determinado pelo Programa. Art A tese de doutorado somente poderá ser submetida a julgamento após seu autor ter obtido a totalidade dos créditos válidos exigidos pelo curso, ter efetuado o registro da tese, ter realizado o estágio de docência enquanto bolsista, ter sido aprovado nos exames de proficiência em dois (2) idiomas, e tal submissão ter sido aprovada pelo seu orientador. Art O aluno deverá providenciar o número de vias correspondente ao número de examinadores de sua tese e encaminhar à Secretaria do Programa, juntamente, com o formulário para marcação de banca examinadora. Art A tese de doutorado será julgada por uma banca composta por, no mínimo, 3(três) professores doutores, sendo 2(dois) externos ao Programa e, pelo menos (1)um deles, externo à UFRGS. Parágrafo único. Além dos membros referidos, o orientador presidirá a banca examinadora, não tendo direito a julgamento da tese. Art A conclusão do doutorado será realizada em ato público, de argüição do candidato por parte da banca examinadora. Art A Banca Examinadora da Tese de Doutorado atribuirá a classificação Aprovada, Aprovada com Correções ou Não Aprovada, conforme a avaliação majoritária dos membros da banca, com posterior registro em ata. 1º a aprovação ou reprovação deve ser baseada em pareceres individuais dados pelos membros da Banca Examinadora. PROPUR, 14 de julho de

10 2º No caso de aprovação com correções, as modificações solicitadas pela Banca Examinadora deverão ser realizadas no prazo máximo de 90(noventa) dias, a contar da data do ato público, com a entrega da versão final da tese na Secretaria do Programa. 3º da reprovação da tese não caberá recurso. X - DOS TÍTULOS ACADÊMICOS Art O programa conferirá o grau de Mestre em Planejamento Urbano e Regional ou de Doutor em Planejamento Urbano e Regional e a concessão do diploma far-se-á através dos órgãos competentes da Universidade. 1º Para e expedição do diploma o aluno deverá entregar 1(uma) via impressa e 1(uma) via em formato eletrônico da dissertação ou tese para o acervo da Biblioteca Setorial da Faculdade de Arquitetura da UFRGS. 2º Caso a banca examinadora tenha solicitado reformulações e/ou correções, a Comissão de Pós-Graduação somente autorizará o processo de expedição do diploma mediante a declaração expressa do Orientador de que o aluno efetuou-as a contento, Art. 59 Os alunos desligados do Programa por não completarem as exigências para obtenção da titulação poderão solicitar Certificado de Conclusão de Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, em concordância com as normas da Universidade, desde que atendam aos seguintes requisitos: I comprovação do número de créditos exigidos para o Curso de Mestrado ou de Doutorado; II solicitação encaminhada à Coordenação, dentro do prazo de validade dos créditos; III apresentação de Monografia, sob a orientação de docente credenciado neste Programa, aprovada por Banca Examinadora, composta por membros internos do PROPUR. 1º - A análise das solicitações de Certificado de Especialista será realizada pela Comissão de Pós-Graduação, que também definirá previamente as características aceitáveis para a elaboração da monografia individual, tais como: a) o assunto deverá abranger a área de concentração e a linha de pesquisa escolhida pelo aluno ao ingressar neste Programa; b) o trabalho deverá conter no mínimo de 50(cinquenta) páginas e no máximo 100(cem) páginas; c) trabalhos apresentados para obtenção de créditos nas disciplinas do programa não podem ser utilizados para este fim; d) deverão ser observadas as normas da ABNT; 2º - Após exame final da documentação, a Comissão de Pós-Graduação emitirá parecer circunstanciado, submetendo o processo à Câmara de Pós-Graduação para homologação. 3º - Alunos que tenham sido bolsistas no curso de mestrado ou doutorado neste Programa poderão solicitar Certificado de Especialista mediante a devolução dos valores recebidos, devidamente corrigidos, a título de bolsa. Art Este regimento está sujeito às demais normas existentes e que vierem a ser estabelecidas para os programas de pós-graduação na UFRGS, em especial à Resolução vigente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Art Os casos omissos, duvidosos ou especiais serão resolvidos pela Comissão de Pós- Graduação, ouvidos os órgãos competentes da Universidade, sempre que julgar conveniente. XI - DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art Este regimento entrará em vigor na data de sua aprovação pelos órgãos competentes da UFRGS. Parágrafo único. A partir de sua vigência, todos os casos omissos e de colisão e inconsistência entre este regimento e o anterior serão resolvidos pela Comissão de Pós- Graduação.. PROPUR, 14 de julho de

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Regimento do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA MESTRADO E DOUTORADO Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O PPG-CR de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina. TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação

Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina. TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação Regimento do Programa da Pós-Graduação Em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina TÍTULO I Dos Objetivos e das Áreas de Atuação Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE.

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. TÍTULO I FINALIDADES Art. 1º - O Centro Setorial de Produção Industrial

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES MESTRADO TÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, em nível de Mestrado acadêmico

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Capítulo I: Das Finalidades. Art.l - O Programa de Pós-Graduação em Matemática do Instituto de Matemática da UFRJ, a seguir designado por Programa, se destina a:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015.

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD Telefones: (55) 3332-0545 e (55) 3332-0351 - Endereço eletrônico: http://www.unijui.edu.br/ppgd Correio eletrônico: ppgd@unijui.edu.br PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA)

IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA) IFGOIANO - CÂMPUS RIO VERDE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (PPGTA) I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURA DO PROGRAMA Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA R E S O L U Ç Ã O Nº 019/2015-CI/CCA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro e disponibilizada na página: www.cca.uem.br, no dia 05/05/2015. Elisângela

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E TITULOS ARTIGO 1º - O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 033/2012-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 18/04/2012. Aprova alteração da nomenclatura do Programa de Pós-graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem como objetivo geral a produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM INFORMÁTICA, NÍVEL DE MESTRADO,

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, TÍTULOS E DURAÇÃO DOS CURSOS STRITO SENSU ARTIGO 1 - O Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Física é oferecido pelo Departamento de Física da Universidade de Brasília

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA Capítulo I DOS OBJETIVOS Art. 1 O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia do Centro Universitário de Brasília é composto

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Coordenação do Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical REGIMENTO INTERNO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SUMÁRIO Capítulo I Das Finalidades... 03 Capítulo II Da Organização... 03 Capítulo III Das Atribuições... 04 Capítulo IV Do Corpo Docente...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES, CULTURA E LINGUAGENS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ JANEIRO / 2007 SUMÁRIO TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETOS 3 TÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA 5 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO B. O. UFPE, RECIFE V. 41 Nº 13 ESPECIAL PÁG. 01

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA Programa de Pós Graduação em Geografia Área de Concentração Geografia e Gestão do Território Av. João Naves de Ávila, 2121 Bl. H Sala 1H35 CEP

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, nos níveis de Mestrado e Doutorado acadêmicos,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) Dispõe sobre as normas de organização e funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Reabilitação

Leia mais