UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA - CURSO DE MESTRADO EM DIREITO - CURSO DE DOUTORADO EM DIREITO Este documento foi elaborado com base no Regimento da Universidade e nas diretrizes da Pós-Graduação Stricto Sensu e contém o regulamento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito, bem como de seus cursos de Mestrado Acadêmico e de Doutorado, e foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da Universidade Veiga de Almeida em 28 de abril de Sumário TÍTULO I Dos Objetivos Capítulo I - Das Disposições Gerais e dos Objetivos Seção I - Das Disposições Gerais Seção II - Do Trabalho para Concessão do Grau de Mestre e do Grau de Doutor Seção III - Do Título de Mestre Seção IV - Do Título de Doutor TÍTULO II Da Organização Capítulo I - Do Colegiado Capítulo II - Da Coordenação do Programa TÍTULO III Do Ensino Capítulo I - Da Admissão, Matrícula e Prazos de Conclusão do Curso de Mestrado e do Curso de Doutorado Seção I - Da Inscrição Seção II - Da Seleção Seção III - Da Matrícula 1

2 Seção IV - Do Trancamento de Matrícula Seção V - Da Prorrogação de Prazo de Conclusão do Curso Capítulo II - Dos Créditos e da Língua Estrangeira Seção I - Dos Créditos Mínimos Exigidos Seção II Do aproveitamento de créditos para o Doutorado Seção III Da Proficiência em Línguas para o Mestrado e para o Doutorado Capítulo III - Das Disciplinas, da Qualificação e do Desligamento do Programa Seção I - Das Disciplinas Seção II - Dos Conceitos em Disciplinas, da Avaliação e da Frequência Seção III Do Exame de Qualificação Seção IV - Do Desligamento Capítulo IV - Dos Orientadores Seção I - Das Normas Gerais Seção II - Do Co-Orientador Capítulo V - Do Aluno Especial e da Nova Matrícula Seção I - Do Aluno Especial Seção II - Da Nova Matrícula Capítulo VI - Das Comissões Julgadoras e do Julgamento das Dissertações e das Teses Seção I - Das Dissertações Seção II - Das Comissões Julgadoras Seção III - Do Julgamento das Dissertações de Mestrado Seção IV Do julgamento das Teses de Doutorado Disposições Gerais 2

3 TÍTULO I Dos Objetivos Capítulo I - Das Disposições Gerais e dos Objetivos Seção I Das Disposições Gerais Art.1 o O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito da Universidade Veiga de Almeida (UVA/RJ) expressa de forma clara e direta a associação entre ensino e pesquisa, enfatizando a utilização de metodologia científica e exercício de atividade técnico na área de Direito. O Programa consiste em dois níveis Mestrado e Doutorado em Direito. Art. 2 o - Área de Concentração é o campo especificado do conhecimento que faz parte de um programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Art. 3 o - As Linhas de Pesquisa são as áreas de acumulação científica em torno das quais se desenvolverão o ensino e a pesquisa pelos docentes nelas envolvidos. Art. 4 o A Dissertação de Mestrado e a Tese de Doutorado consistem em um trabalho orientado que evidencie capacidade de sistematização sobre o tema tratado, utilizando literatura atualizada, técnicas de investigação científica, originalidade e ineditismo, e que tenha relação com a área do Direito. Seção II - Do Trabalho para Concessão do Grau de Mestre e do Grau de Doutor Art. 5 o - O trabalho final de conclusão do curso de Mestrado, denominado doravante de Dissertação, será realizado sob a responsabilidade de um professor orientador, portador do título de doutor, deverá demonstrar domínio do objeto de estudo, além de consistência científica, e explicitar sua relação ou importância com o exercício na área em questão. O Trabalho final de conclusão do curso de Doutorado, denominado de Tese, deverá ser realizado sob a responsabilidade de um professor orientador do Programa, portador do título de doutor, e deverá demonstrar além de consistência científica, itens que denotem originalidade e ineditismo, além de contribuir para o avanço da ciência em questão. A forma e estrutura da Dissertação bem como da Tese deverão seguir as normas estabelecidas pela Universidade Veiga de Almeida, informadas aos alunos em meio digital e em sítio próprio na página eletrônica da UVA. Seção III - Do Título de Mestre Art. 6 o O título de Mestre em Direito será obtido, após a conclusão de todos os créditos do Programa, previstos para o curso de Mestrado, com a defesa da Dissertação e aprovação pela Banca avaliadora. 3

4 Seção IV Do Título de Doutor Art. 7º - O título de Doutor em Direito será obtido após a conclusão de todos os créditos do Programa, previstos para o curso de Doutorado, com a defesa da Tese e aprovação pela Banca avaliadora. TÍTULO II Da Organização Capítulo I Do Colegiado Art.8 o O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO da UVA será dirigido por um colegiado, formado pelo Corpo Docente e presidido pelo Coordenador, com representação discente na forma da lei. Art. 9º - O presidente do Colegiado participará das discussões e votações e, em caso de empate, dará o voto de qualidade. Art.10 - Nenhum membro do Colegiado terá direito a voto nas sessões em que se decida matéria de seu interesse particular. Art.11 - Caberá ao Colegiado do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO: a) definir o perfil do a ser formado e os objetivos gerais dos cursos; b) propor o currículo dos cursos e suas alterações para a aprovação pela Pró-Reitoria de Pós- Graduação, Pesquisa e Extensão; c) propor a programação dos cursos e o calendário escolar a serem enviados à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; d) aprovar as indicações feitas pelo Coordenador do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, dos orientadores, dos co- orientadores e dos professores que integrarão as comissões examinadoras das Dissertações e Teses; e) aprovar a relação de professores orientadores de Dissertação e orientadores de Teses; f) aprovar a composição das bancas de defesa de Dissertação e bancas de defesa de Tese, bem como de bancas de seleção, enviando-as à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão para homologação; g) homologar os pareceres da banca de pré-qualificação (quando houver) e de qualificação do projeto de Dissertação e do projeto de Tese; h) apreciar parecer do professor orientador de Dissertação e de Tese quanto à existência ou não das condições mínimas necessárias ao exame público; i) homologar pareceres da Comissão Examinadora de Dissertação, de Tese e de Seleção; j) apreciar o número de vagas para os exames de seleção do Programa, previstos para os cursos de Mestrado e de Doutorado, a ser aprovado pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; k) aprovar a proposta de Edital de Seleção de Candidatos, elaborada pelo coordenador do curso, para homologação da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; l) examinar e emitir parecer sobre processos de reingresso no Programa, de aluno com matrícula cancelada. m) examinar processos de transferência de alunos de Programa de Pós- Graduação de outras instituições para a UVA, obedecendo ao regulamento do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO. O aproveitamento de disciplinas cursadas noutras 4

5 instituições de Pós-Graduação reconhecidas nunca será superior a um terço das disciplinas exigidas pelo curso, e seu conceito será T (Transferido) ; n) homologar, conforme parecer da Comissão Examinadora, modificações e concessões de prazo para reapresentação de Dissertação ou Tese; o) Estabelecer critérios para matrícula em disciplinas isoladas; p) propor convênios com instituições e órgãos da área, para apreciação pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; Capítulo II - Da Coordenação do Programa Art A Coordenação do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO será exercida por um professor da UVA, portador do título de doutor ou equivalente e reconhecido como tal. Art Caberá ao coordenador do curso: a) representar o Colegiado do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO junto às autoridades e órgãos da UVA; b) convocar e presidir as reuniões do Colegiado; c) coordenar e supervisionar as atividades pedagógicas; d) elaborar a programação dos cursos, submetendo-a ao Colegiado; e) executar e fazer executar as decisões e normas emanadas dos órgãos superiores; f) organizar o Calendário Acadêmico do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO e de seus cursos e apresentá-lo à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão para a aprovação; g) elaborar o horário e calendário dos cursos de Mestrado e Doutorado e encaminhá-lo para a aprovação da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; h) promover e coordenar a organização de eventos, semanas de estudos, ciclos de debates e outros aprovados pelo colegiado do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO; i) constituir comissões ou grupos de trabalho de natureza pedagógica ou administrativa; j) submeter à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, a comissão que orientará a matrícula e a inscrição em disciplinas; k) analisar o fluxo de alunos e debater com a Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, o número de vagas que serão disponibilizadas para cada exame de seleção, nos cursos de Mestrado e de Doutorado; l) submeter ao colegiado do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO a relação de professores orientadores de dissertação e de tese, escolhidos pelas políticas estruturais; m) elaborar o relatório de cada um dos cursos, ao final de cada período letivo e fazer o planejamento do período seguinte, submetendo-o ao colegiado do PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO e à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; n) apreciar requerimento de mudança de orientador de dissertação ou de tese; o) encaminhar aos órgãos competentes sugestões, propostas e outros expedientes de interesse do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, instruindo devidamente os recursos interpostos das decisões do Colegiado; p) exercer outras atribuições de sua esfera de competência ou que lhe sejam delegadas pelos órgãos superiores da UVA. 5

6 q) indicar à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão os nomes dos professores a serem credenciados e/ou recredenciados no Programa, docentes e como orientadores; TÍTULO III Do Ensino Capítulo I - Admissão, Matrícula e Prazos de Conclusão do Curso Seção I - Da Inscrição Art. 14 É condição para a inscrição em qualquer um dos cursos que compõem o PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO o diploma de curso de graduação. Seção II - Da Seleção Art. 15 O acesso ao PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO deve ser feito através de critérios previamente definidos, pelo colegiado do curso, claramente estabelecidos e largamente divulgados, assegurando-se o ingresso de candidatos com maior potencial acadêmico e intelectual demonstrados na prova escrita, exame de proficiência em língua estrangeira, entrevista e análise de pré-projeto. 1 O aluno que não for aprovado no processo seletivo poderá inscrever-se no PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO como aluno especial e cursar até 2 disciplinas durante 2 períodos letivos, tendo que, ao final destes, prestar novo exame de seleção para que as disciplinas cursadas tenham aproveitamento de estudos a partir do seu ingresso no curso. Seção III - Da Matrícula Art. 16 O aluno do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO deverá efetuar a matrícula regularmente em cada período letivo, nas épocas e prazos fixados pela Coordenação do Curso, durante todo o período do curso de Mestrado ou Doutorado. Art É facultada a candidatura ao Curso de Doutorado os alunos com Diploma de Mestrado, que deverão se submeter ao processo de seleção a ser divulgado em Edital próprio a cada período de abertura de vagas. Seção V - Do Trancamento de Matrícula Art. 18 Em caráter excepcional será permitido ao aluno matriculado em qualquer um dos cursos do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO o trancamento da matrícula por um período letivo levado a aprovação da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Parágrafo único: São as seguintes as condições e normas fixadas pelo colegiado do curso para a concessão do trancamento de matrícula: 6

7 I - o requerimento para trancamento de matrícula conterá os motivos do pedido documentalmente comprovados; II - o requerimento, firmado pelo aluno e com manifestação favorável do orientador, será dirigido a Coordenação do curso para sua aprovação. III - não será concedido trancamento de matrícula durante a vigência de prorrogação de prazo para a conclusão da dissertação ou da tese, com exceção de casos de doença grave, a critério da Coordenação. Seção V - Do Prazo de Conclusão do Curso Art. 19 A prorrogação de prazo de conclusão do curso poderá ser concedida pela Coordenação, em caráter excepcional, para as providências finais de conclusão de dissertação, desde que o aluno já tenha sido aprovado no exame de qualificação. 1º O requerimento, firmado pelo aluno e com manifestação favorável do professor orientador, será dirigido a Coordenação contendo a justificativa do pedido e protocolado antes do vencimento do prazo máximo regimental. 2º O pedido de prorrogação será instruído com uma versão preliminar da dissertação ou da tese e de um cronograma indicativo das atividades a serem desenvolvidas pelo aluno no período de prorrogação. 3º - O prazo máximo de conclusão do Curso de Mestrado em Direito é de 24 meses. 4º - O prazo máximo de conclusão do Curso de Doutorado em Direito é de 48 meses. 5º A prorrogação, preenchidos os requisitos deste Regimento, poderá ser concedida por um prazo máximo de um período letivo, desde que não ultrapasse 30(trinta) meses, no caso do curso de Mestrado e 54 meses no caso do Doutorado. Capítulo II - Dos Créditos e da Língua Estrangeira Seção I - Dos Créditos Mínimos Exigidos Art. 20 A integralização dos estudos necessários ao Programa de Pós-Graduação em Direito será expressa em Unidades de Crédito e será definida em regulamentação própria do Colegiado dos cursos. Art. 21 O aluno do curso de Mestrado deverá integralizar, pelo menos, 39 (trinta e nove) unidades de crédito, ou seja, no mínimo, 585 (quinhentos e oitenta e cinco) horas de atividades programadas, no período máximo de 24 (vinte e quatro) meses. Art O aluno do curso de Doutorado deverá integralizar pelo menos 16 (dezesseis) disciplinas, totalizando 855 (oitocentos e cinquenta e cinco) horas, além da Prática de Ensino e Pesquisa, no período máximo de 48 (quarenta e oito) meses. Art no Curso de Mestrado, as disciplinas do curso são divididas em: a) obrigatórias; b) eletivas; c) de pesquisa e orientação de dissertação ou tese. Às disciplinas obrigatórias são destinadas 21 unidades de créditos; às disciplinas eletivas são destinadas 12 unidades de crédito; à disciplina de pesquisa e orientação de dissertação são destinadas 6 unidades de crédito. 7

8 Art no Curso de Doutorado serão considerados 45 (quarenta e cinco) créditos, sendo 24 (vinte e quatro) em disciplinas eletivas, podendo ser aproveitadas as disciplinas e créditos cursados no Mestrado. 30 (trinta) créditos em disciplinas obrigatórias e 3 (três) em Prática de Ensino e Pesquisa, totalizando 855 horas. Art O curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Direito exige do aluno a realização de no mínimo 855 (oitocentos e cinquenta e cinco) horas. Seção II Da Proficiência em Língua Estrangeira Art. 26 Os candidatos ao PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO deverão demonstrar proficiência em uma língua estrangeira (inglês ou francês), para o curso de MESTRADO, e em duas línguas, (inglês, francês, alemão ou espanhol), para o curso de DOUTORADO, de acordo com critérios estabelecidos pelo colegiado. Considera-se para proficiência em uma língua a aprovação do exame realizado no Mestrado. Parágrafo único: O aluno estrangeiro deverá demonstrar proficiência em língua portuguesa. Capítulo III - Das Disciplinas, da Qualificação e do Desligamento Seção I - Das Disciplinas Art Cada disciplina poderá ter até dois professores responsáveis, desde que possuam elementos curriculares que os habilitem para tal responsabilidade, aprovados pela Coordenação. Art O aluno matriculado no curso de Doutorado poderá computar até a totalidade das horas das disciplinas cursadas no curso de Mestrado para efeito de integralização das disciplinas do curso de Doutorado. Parágrafo único: Poderão ser autorizados pela Coordenação do curso professores colaboradores para ministrar partes específicas da disciplina. A autorização nestas condições: poderão participar dos cursos, professores, colaboradores devidamente previsto na proposta orçamentária do setor. Seção II - Dos Conceitos em Disciplinas, da Avaliação e da Frequência Art. 29 O aluno do Programa Pós-Graduação Stricto Sensu deverá atender às exigências de rendimento escolar e frequência mínima de 75% nas disciplinas Art. 30 O aproveitamento do aluno em cada disciplina será expresso em notas de 0 (zero) a 10 (dez). Parágrafo único: O aluno que obtiver conceito abaixo de 7,0 (sete) em qualquer disciplina deverá cursá-la novamente. Neste caso, como resultado final, será atribuído o conceito obtido posteriormente, quando da repetição da disciplina. Só será admitida a repetição de uma disciplina por semestre. 8

9 Seção III - Do Exame de Qualificação Art. 31 O aluno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu deverá submeter-se a exame de qualificação, de acordo com os critérios estabelecidos pela Coordenação do curso. Art. 32 O objetivo maior do exame de qualificação é avaliar a maturidade do aluno na sua linha de pesquisa e deverá, preferencialmente, ser realizado nas etapas iniciais dos trabalhos de dissertação e de tese, desde que tenha concluído os créditos mínimos exigidos pelo curso e aprovação no exame de proficiência em língua estrangeira. Parágrafo único: Os objetivos específicos e, em consequência, a forma do exame de qualificação deverão ser definidos pelo colegiado, que fixará os procedimentos e prazos para sua realização. Art. 33 No exame de qualificação o aluno será considerado aprovado ou reprovado, não havendo atribuição de conceito. 1 º Será considerado aprovado no exame de qualificação o aluno que obtiver aprovação da maioria dos membros da comissão examinadora. 2 º O aluno que for reprovado no exame de qualificação poderá repeti-lo apenas uma única vez. 3º O aluno do curso de Doutorado deverá submeter o desenvolvimento de sua pesquisa a um exame de qualificação entre o 20º e 24º mês, a contar da data de sua matrícula no Programa, perante uma Banca composta de três professores, incluído o orientador, devendo um dos membros pertencer à outra Universidade, que não a UVA. 4º O aluno do Doutorado que não conseguir aprovação no exame de qualificação terá o prazo de 4 (quatro) meses para submeter-se a novo exame eliminatório de qualificação. Art. 34 As comissões julgadoras do curso de Mestrado serão constituídas por 3 (três) examinadores, sendo membro nato e presidente o professor orientador do candidato. Dos outros 2 (dois) examinadores, um deverá pertencer ao corpo docente do MESTRADO DA UVA e o outro deverá ser um Professor Doutor de outra Instituição de Ensino. Art As comissões julgadoras do curso de Doutorado serão constituídas por 5 (cinco) examinadores, sendo membro nato e presidente, o professor orientador do candidato. Dos demais, dois deverão pertencer ao corpo docente do DOUTORADO da UVA, e dois membros, com título de Doutor, deverão pertencer a programas de pós-graduação stricto sensu de outras Universidades. Parágrafo único: Na falta ou impedimento do professor orientador, o colegiado designará um substituto que poderá ser o co-orientador. Art. 36 Não poderá submeter-se à defesa de dissertação ou tese o aluno que não tenha sido aprovado no exame de qualificação. Seção IV - Do Desligamento Art. 37 O aluno será desligado do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, se ocorrer uma das seguintes hipóteses: 9

10 I - obtiver conceito inferior a 7,0 (sete) em qualquer disciplina, por mais de uma vez. II - não efetuar a matrícula regularmente, em cada período letivo, dentro do prazo previsto no calendário escolar fixado pela coordenação de curso; III - for reprovado pela segunda vez no exame de qualificação; IV - não cumprir qualquer atividade ou exigência nos prazos regimentais; V exceder o prazo de conclusão do curso; VI - a pedido do interessado. Capítulo IV - Dos Orientadores de Dissertação e de Tese Seção I - Das Normas Gerais Art. 38 O candidato ao grau de mestre e ao grau de doutor terá um professor orientador, mediante prévia aquiescência da Coordenação do curso. Art. 39 Poderão ser designados como professores orientadores para os alunos ingressantes no PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, todos os professores do curso com título de Doutor. Art. 40 O professor orientador, juntamente com o aluno, estabelecerá o plano individual de estudos. Art. 41 Ao candidato é facultada a mudança de professor orientador, mediante a aprovação do colegiado de curso. Seção II - Do Co-Orientador de Dissertação e Tese Art. 42 O colegiado poderá aceitar a figura do co-orientador, obedecidos aos seguintes critérios: I- o co-orientador deverá ser portador de, no mínimo, título de doutor; II- o credenciamento para co-orientação será específico para um aluno, não implicando credenciamento pleno junto à linha de pesquisa; III - somente poderá ser indicado um único co-orientador por dissertação ou tese. IV- será admitida a figura do co-orientador que não pertença ao quadro da UVA, desde que aprovado sua inclusão pelo colegiado de curso, e pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Capítulo V - Do Aluno Especial e da Nova Matrícula Seção I - Do Aluno Especial 10

11 Art A aceitação do aluno especial fica a critério do colegiado e da coordenação do curso, ouvido o docente responsável pela disciplina. 1º A eventual passagem da condição de aluno especial para a de regular, com aproveitamento de créditos, além de depender da aquiescência do professor orientador, da coordenação do curso e do colegiado, somente poderá ocorrer desde que satisfeitas todas as exigências a que estão sujeitos os estudantes regularmente matriculados. 2º Caso o aluno especial se torne aluno regular do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, os créditos obtidos em disciplinas isoladas poderão ser utilizados; a critério do professor orientador, poderá ser limitado o aproveitamento desses créditos. Seção II - Da Nova Matrícula Art. 44 O aluno que for desligado sem concluir o Mestrado ou o Doutorado e for novamente selecionado na mesma área de concentração, terá seu reingresso considerado como nova matrícula. 1º Considera-se desligamento para fins do caput deste artigo quando ocorrer uma das hipóteses relacionadas no artigo 31 deste Regulamento. 2º A nova matrícula será provisória, ficando condicionada à aprovação do Colegiado de Curso, no prazo máximo de seis meses, contado a partir da data de reingresso quando o aluno será reavaliado quanto à aderência ao programa. 3º A solicitação de nova matrícula deverá ser instruída com os seguintes documentos: I - justificativa do interessado; II - manifestação do colegiado apoiada em parecer circunstanciado, emitido por um relator designado pela Coordenação de Curso; III - anuência do novo professor orientador; IV - plano de trabalho aprovado pelo novo professor orientador; V - histórico escolar completo do antigo curso. 4º O interessado, cujo pedido for aprovado, será considerado aluno novo. 5º O retorno mencionado no caput deste artigo será permitido uma única vez. 6º O não cumprimento das presentes normas implicará o cancelamento da nova matrícula. Capítulo VI - Das Comissões Julgadoras e do Julgamento das Dissertações, das Teses e do Título Seção I - Das Dissertações e Teses Art. 45 Após aprovação do professor orientador, as dissertações e teses serão entregues pelo aluno, à Secretaria do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, obedecendo aos prazos regimentais. O aluno do curso de Mestrado terá prazo de entrega da Dissertação até o 24º mês do curso, a contar da data de matrícula. O aluno de Doutorado terá até o 48º mês de curso, a contar da data de matrícula para entrega da Tese. Ambas, deverão ser entregues ao Coordenador e depositadas na Secretaria do Programa, dentro dos prazos estabelecidos. Art. 45 As dissertações e teses deverão ser redigidas em português com resumo em uma língua estrangeira (inglês ou francês), para fins de divulgação. Art. 46 O colegiado terá o prazo máximo de 30 (trinta dias), a partir do depósito da dissertação e da tese, para designar a comissão julgadora. 11

12 Parágrafo único: Após esse prazo, a designação da comissão julgadora, ou alteração da composição daquela já aprovada pelo colegiado é de competência do Coordenador de Curso. Art. 47 O prazo máximo para defesa da dissertação e da tese será de 60 (sessenta dias), contados a partir da aprovação da comissão julgadora pelo colegiado. 1º O não cumprimento do prazo estabelecido no caput resultará na perda do direito de defesa da dissertação ou da tese. 2º O disposto no parágrafo 1 o. Não será aplicado se for aprovado uma prorrogação de prazo para a defesa. 3º A prorrogação prevista no parágrafo 2º deve ser solicitada pelo colegiado de curso antes do vencimento do prazo mencionado no caput, instruída de: I- justificativa detalhada; II- indicação da Comissão Julgadora; III- prazo pretendido. Seção II - Das Comissões Julgadoras Art. 48 As comissões julgadoras de dissertação de Mestrado serão constituídas por 3 (três) examinadores, sendo membro nato e presidente o professor orientador do candidato. Dos outros 2 (dois) examinadores, um deverá pertencer ao corpo docente do MESTRADO DA UVA e o outro deverá ser um Professor Doutor de outra Instituição de Ensino. Art As comissões julgadoras de tese de Doutorado serão constituídas por 5 (cinco) examinadores, sendo membro nato e presidente, o professor orientador do candidato. Dos demais, dois deverão pertencer ao corpo docente do DOUTORADO da UVA, e dois membros, com título de Doutor, deverão pertencer a programas de pós-graduação stricto sensu de outras Universidades. Parágrafo único: Na falta ou impedimento do professor orientador, o colegiado designará um substituto que poderá ser o co-orientador. Art. 50 Caberá ao colegiado de curso, designar os membros efetivos e suplentes que, juntamente com o professor orientador, que deverão constituir a comissão julgadora. 1º Os membros das comissões julgadoras deverão ser portadores, no mínimo, do título de doutor. 2º Na composição da comissão julgadora poderá ser indicado especialista de Notório Saber, estranho ao corpo docente da UVA, aprovado, pelo menos, por dois terços dos membros do colegiado. Será permitida a participação de, no máximo, um mestre. 3º É vedada a participação do co-orientador em comissão julgadora da qual participe o respectivo orientador. 4º É vedada a participação de parentes até terceiro grau do candidato em comissão julgadora. 5º Na composição da comissão julgadora, um dos membros titulares, no mínimo, não deverá constar do quadro de docentes da UVA. 6º O colegiado de curso designará dois suplentes, um deles externo ao quadro de docentes da UVA. 7º O docente de fora da UVA que participe de comissão julgadora deverá possuir o título de doutor, independente da posição funcional que ocupe em sua Instituição. 8º O colegiado poderá fixar outras restrições para a composição das comissões julgadoras mencionadas nos parágrafos 5º e 6º. 12

13 Seção III - Do Julgamento das Dissertações e das Teses Art. 51 O julgamento da dissertação de mestrado e da tese de doutorado será realizado de acordo com os critérios previamente estabelecidos pelo respectivo colegiado de curso. Parágrafo único: A arguição será realizada em sessão pública, que não deverá exceder o prazo de três horas. Art. 52 Imediatamente após o encerramento da arguição, cada examinador expressará seu julgamento em sessão secreta, considerando o candidato aprovado, aprovado com restrições ou reprovado. Parágrafo único: Será considerado habilitado o candidato que for aprovado pela maioria dos examinadores. O candidato aprovado com restrições terá um prazo de 3 (três) meses para atender às exigências da banca. Art. 53 A comissão julgadora apresentará relatório de seus trabalhos à coordenação do curso para homologação, bem como assinará a ata de realização da sessão de defesa. Disposições Gerais Art. 54. Os casos não previstos neste Regulamento deverão ser objeto de deliberação pelo Colegiado do Curso. 13

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES MESTRADO TÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, em nível de Mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL 1 / 9 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A - IPT REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I - Das Finalidades 1.1 - Os Programas de Mestrado Profissional do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral

REGULAMENTO. Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGULAMENTO Capítulo I - Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PGFilo), vinculado

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL Recife, Pernambuco

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, alterado para incorporar as modificações nas Normas Gerais de Pós-Graduação

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E TITULOS ARTIGO 1º - O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA I - Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A CCP terá 6

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 006/2007

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 006/2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 006/2007 AUTORIZA A REFORMULAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA E APROVA A CRIAÇÃO DAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO EM CIRURGIA BUCO-MAXILO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO 1ª Versão Abril/2014 FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Metrologia e Qualidade, doravante denominado PPGMQ, destina-se a

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear NORMAS DO PROGRAMA TECNOLOGIA NUCLEAR I - DA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA Por se tratar de Programa único, a Comissão Coordenadora do Programa CCP é a própria Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO B. O. UFPE, RECIFE V. 41 Nº 13 ESPECIAL PÁG. 01

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD)

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Parte I - Disposições Gerais Título I - O Curso de Pós-Graduação REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Capítulo 1 -

Leia mais

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento Coordenação de Programas de Pós-Graduação Rua Mayrink Veiga, 09 17 e 18º

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 18/2009

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 18/2009 DELIBERAÇÃO Nº 18/2009 Autoriza a reformulação do Curso de Mestrado Acadêmico e a Criação do Curso de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Enfermagem, com a mesma Área de Concentração do Mestrado.

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E NÚCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E NÚCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E NÚCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. - O Programa de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Capítulo I: Das Finalidades. Art.l - O Programa de Pós-Graduação em Matemática do Instituto de Matemática da UFRJ, a seguir designado por Programa, se destina a:

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD Telefones: (55) 3332-0545 e (55) 3332-0351 - Endereço eletrônico: http://www.unijui.edu.br/ppgd Correio eletrônico: ppgd@unijui.edu.br PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem como objetivo geral a produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA TÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 009/2011

RESOLUÇÃO N.º 009/2011 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 009/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação Lato Sensu, MBA Executivo em Gestão Empreendedora.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 057, DE 18 DE MARÇO DE 2008. APROVA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA DA UEPG.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 057, DE 18 DE MARÇO DE 2008. APROVA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA DA UEPG. RESOLUÇÃO CEPE Nº 057, DE 18 DE MARÇO DE 2008. APROVA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA DA UEPG. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I: DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA

CAPÍTULO I: DOS OBJETIVOS E DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Regimento Interno do Programa de Pós- graduação em Geografia, complementares à Resolução 65/09 do CEPE, que estabelece as normas gerais dos Cursos de Pós-graduação Stricto Sensu, da Universidade Federal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS DE CATALÃO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Capítulo I Das Disposições

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) será composta por sete docentes (o coordenador, o suplente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CAMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 02/2008 Aprovada a nova redação do Regulamento e da Estrutura Acadêmica do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI MESTRADO e DOUTORADO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Coordenação do Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical REGIMENTO INTERNO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, nos níveis de Mestrado e Doutorado acadêmicos,

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais