SUMÁRIO. José de Anchieta Junior - Governador do Estado Boa Vista-RR, (quarta-feira) 19 de Dezembro de 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. José de Anchieta Junior - Governador do Estado Boa Vista-RR, (quarta-feira) 19 de Dezembro de 2007"

Transcrição

1 SUMÁRIO Página Atos do Poder Executivo...01 Governadoria do Estado...01 Casa Militar...37 Casa Civil...37 Controladoria Geral do Estado...38 Secretaria de Estado da Gestão Estratégica e Administração...38 Secretaria de Estado da Saúde...38 Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Desportos...39 Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento...39 Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento...40 Secretaria de Estado de Segurança Pública...40 Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania...41 Secretaria de Estado da Infra-Estrutura...41 Comissão Permanente de Licitação...42 Polícia Militar do Estado de Roraima...43 Universidade Estadual de Roraima...43 Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia de Roraima...43 Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Roraima...44 Instituto de Terras e Colonização do Estado de Roraima...44 Assembléia Legislativa do Estado de Roraima...44 Ministério Público de Roraima...44 Defensoria Pública do Estado de Roraima...45 Outras Publicações...46 Esta edição circula com 46 páginas Atos do Poder Executivo Governadoria do Estado MENSAGEM GOVERNAMENTAL Nº 52 DE 18 DE DEZEMBRO DE EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA E EXCELENTÍSSIMOS SENHORES DEPUTADOS E DEPUTADAS ESTADUAIS Tenho a honra de encaminhar, por intermédio de Vossa Excelência, à elevada consideração dessa Casa de Legislativa, Projeto de Lei que visa modificar dispositivos da Lei nº 466, de 10 de novembro de 2004, alterando o Quadro de Distribuição do Efetivo da Polícia Militar do Estado de Roraima, constante do seu Anexo Único. Em primeiro lugar, vale ressaltar que se trata de reordenação na distribuição do efetivo de policiais militares, já previstos na Lei nº 345, de 27 de setembro de 2002, medida esta, conjunta às alterações na Lei Complementar nº 051, de 28 de dezembro de O projeto ora encaminhado, abre mais uma vaga para o Quadro de Oficiais Policiais Militares de Saúde (QOPMS), possibilitando que a Corporação realize concurso público, a fim de selecionar e recrutar tais profissionais que atuarão não só no atendimento dos policiais militares, mas também na necessária composição da Junta Médica de Saúde, e no atendimento das comunidades carentes, quando necessário. No Quadro de Oficiais da Administração Policiais Militares (QOAPM), integrado por policiais militares oriundos do Quadro de Praças Policiais Militares (QPPM), partindo daqueles que iniciaram a carreira na Corporação como Soldados PM, aumenta a base da pirâmide, isto é, os 1º e 2º Tenentes PM, de forma a garantir o acesso ao oficialato àqueles José de Anchieta Junior - Governador do Estado Boa Vista-RR, (quarta-feira) 19 de Dezembro de 2007 Roraima - ano XVII 723 que estão no ápice do Quadro de Praças Policiais Militares (QPPM). Já o Quadro Complementar de Oficiais Policiais Militares (QCOPM) é reordenado de forma a garantir o acesso até o posto de Tenente Coronel aos oficiais oriundos do Quadro de Praças Policiais Militares (QPPM) possuidores de graduação superior, tão necessária à vida da Corporação como são os cursos de Administração, Ciências Contábeis, Comunicação Social, etc. Da mesma forma, o Quadro de Oficiais Policiais Militares Músicos (QOPMM) possibilita o acesso ao oficialato superior àqueles que se dedicam à atividade social tão importante que é a Banda de Música da PMRR. Finalmente no quadro de Praças Policiais Militares Músicos (QPPMM) altera-se a quantidade de 3º Sargentos e de Cabos, além de se incluir 25 (vinte e cinco) Soldados, estes através de Concurso Público, o que possibilitará a re-oxigenação necessária no Quadro de Praças Policiais Militares Músicos da PMRR. Os dispositivos seguintes tratam dos requisitos necessários à promoção no Quadro de Oficiais Policiais Militares Músicos (QOPMM), critérios de indicação para o Curso de Capacitação ao Oficialato Superior (CCOS), e de ingresso no Quadro de Praças Policiais Militares Músicos (QPPMM) da Corporação. As modificações nos diversos Quadros de Oficiais e Praças da PMRR, certamente proporcionará uma reordenação mais adequada e justa, no sentido de prestar serviços de melhor qualidade à sociedade e de proporcionar acesso aos patamares superiores dos círculos hierárquicos, e ingresso na base da Corporação policial militar roraimense. Exposto dessa maneira, em suas linhas fundamentais, as razões de minha iniciativa, são esses os motivos pelo qual submeto o presente Projeto de Lei à elevada apreciação de Vossas Excelências. Palácio Senador Hélio Campos /RR, 18 de dezembro de JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR Governador do Estado de Roraima PROJETO DE LEI Nº DE 18 DE DEZEMBRO DE Altera os incisos I, II, III, IV, V, VII e IX, do Anexo Único, da Lei n 466, de 10 de novembro de 2004, que dispõe sobre o efetivo da Polícia Militar, constante da carreira Policial Militar, acresce dispositivos e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Os incisos I, II, III, IV, V, VII e IX, do Anexo Único, da Lei nº 466, de 10 de novembro de 2004, passa a vigorar com a seguinte redação: I Quadro de Oficiais Policiais Militares (QOPM) a) Coronel b) Tenente Coronel c) Major PM d) Capitão PM e) 1º Tenente PM f) 2º Tenente PM II Quadro de Oficiais Policiais Militares da Saúde (QOPMS) a) Tenente Coronel b) Major PM c) Capitão PM d) 1º Tenente PM III Quadro de Oficiais da Administração Policiais Militares (QOAPM) a) Major PM b) Capitão PM

2 PÁG. 02 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 c) 1º Tenente PM d) 2º Tenente PM IV Quadro Complementar de Oficiais Policiais Militares (QCOPM) a) Tenente Coronel b) Major PM c) Capitão PM d) 1º Tenente PM e) 2º Tenente PM V Quadro de Oficiais Policiais Militares Músicos (QOPMM) a) Major PM b) Capitão PM c) 1º Tenente PM d) 2º Tenente PM VI -... VII Quadro de Praças Policiais Militares (QPPM) a) Subtenente PM b) 1º Sargento PM c) 2º Sargento PM d) 3º Sargento PM e) Cabo PM f) Soldado PM VIII -... IX - Quadro de Praças Policiais Militares Músicos (QPPMM) a) Subtenente PM b) 1º Sargento PM c) 2º Sargento PM d) 3º Sargento PM e) Cabo PM f) Soldado PM (NR) Art. 2º Fica estabelecido o acesso ao Oficialato Superior, no Posto de Major QOPMM, aos Oficiais do Quadro de Oficiais Policiais Militares Músicos (QOPMM), na forma prevista nesta Lei. Art. 3º Constitui requisito obrigatório para a Promoção e Ocupação da vaga de Major QOPMM, de acordo com o inciso V, do art. 1º desta Lei, a conclusão com aproveitamento do Curso de Capacitação ao Oficialato Superior (CCOS) ou equivalente. Art. 4º A indicação para freqüentar o Curso de Capacitação ao Oficialato Superior (CCOS) será estabelecida pelo critério de Antiguidade dentre os Capitães QOPMM da ativa aptos para o Serviço Policial Militar. Art. 5º Constitui requisito obrigatório para a Promoção e Ocupação da vaga de Capitão QOPMM, de acordo com o inciso V, do Art. 1º desta Lei, os 1º Tenentes QOPMM obedecendo ao critério de Antiguidade. Parágrafo único. Os Capitães integrantes do Quadro de Oficiais Policiais Militares Músicos da Polícia Militar do Estado de Roraima, que completarem 29 (vinte e nove) anos e 6 (seis) meses de serviço, computado o tempo para inatividade, serão, mediante requerimento do interessado, promovidos ao posto imediatamente superior, desde que estejam habilitados, independentemente de vagas. Art. 6º Constitui requisito obrigatório para a Promoção e Ocupação da vaga de 1º Tenente QOPMM, de acordo com o inciso V, do art. 1º desta Lei, os 2º Tenentes QOPMM obedecendo ao critério de Antiguidade. Art. 7º Constitui requisito obrigatório para a Promoção ao Posto de 2º TEN QOPMM, de acordo com o inciso V, do art. 1º desta Lei, os Subtenentes QPPMM que tenham concluído com aproveitamento o Curso de Habilitação de Oficiais (CHO) ou equivalente obedecendo ao critério de Antiguidade. Art. 8º O ingresso no Quadro de Praças Policiais Militares Músicos da Polícia Militar do Estado de Roraima (SDQPMM), dar-se-á em conformidade com as normas e condições previstas nos artigos 10 e 11, da Lei nº 051, de 28 de dezembro de 2001, no que tange aos exames médico, físico, psicológico e de investigação psico-social, acrescidos dos exames de suficiência artístico-musical, na forma de prova teórica escrita, teórica oral, e prática instrumental atinente ao preenchimento das vagas, de acordo com o respectivo Edital. Art. 9º Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação. Palácio Senador Hélio Campos/RR, 18 de dezembro de JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR Governador do Estado de Roraima DECRETO Nº E DE 18 DE DEZEMBRO DE Aprova o Regulamento de Uniformes e Insígnias da Polícia Militar do Estado de Roraima. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Inciso III, do Artigo 62, da Constituição Estadual, D E C R E T A: Art. 1º Fica aprovado, por proposta do Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de Roraima, o Regulamento de Uniformes e Insígnias da Polícia Militar do Estado de Roraima (RUI-PMRR) e seus Anexos. Art. 2º O presente Regulamento de Uniformes não poderá sofrer nenhuma alteração em suas linhas gerais, dentro do prazo de cinco anos, contados da data de sua publicação. ESTADO DE RORAIMA DIÁRIO OFICIAL J O S É D E A N C H I E T A J U N I O R G O V E R N A D O R D O E S T A D O D E R O R A I M A S E C R E T A R I A D O L U C I A N O A L V E S D E Q U E I R O Z S e c r e t á r i o C h e fe d o G a b i n e t e C i v i l C e l. Q O P M E D I S O N P R O L A S e c r e t á r i o C h e fe d a C a sa M i l i t a r J O Ã O F É L I X D E S A N T A N A N E T O P ro c u r a d o r G e ra l d o E st a d o H A R O L D O E U R I C O A M O R A S D O S S A N T O S S e c r e t á r i o d e E st a d o d o P l a n e j a m e n t o e D e se n v o l v i m e n t o L U C I A N O F E R N A N D E S M O R E I R A S e c r e t á r i o d e E st a d o d a E d u c a ç ã o, C u l t u r a e D e sp o r t o s A N A L U C Í O L A V I E I R A F R A N C O S e c r e t á r i a d e E st a d o d a G e st ã o E st ra t é g i c a e A d m i n i st r a ç ã o M A R I A M A R L U C E M O R E I R A P I N T O S e c r e t á r i a d e E st a d o d o T ra b a l h o e B e m - E st a r S o c i a l G E R S O N C H A G A S S e c r e t a r i o d e E st a d o d a S e g u r a n ç a P ú b l i c a U Z I P E R E I R A B R I S O L A S e c r e t á r i o d e E st a d o d a J u st i ç a e d a C i d a d a n i a A N T Ô N I O L E O C Á D I O V A S C O N C E L O S F I L H O S e c r e t á r i o d e E st a d o d a F a z e n d a E U G Ê N I A G L A U C Y M O U R A F E R R E I R A S e c r e t á r i a d e E st a d o d a S a ú d e O R L A N D O R O D R I G U E S M A R T I N S J Ú N I O R S e c r e t á r i o d e E st a d o d a I n f r a -E st r u t u r a Á L V A R O L U I Z C A L E G A R I S e c r e t á r i o d e E st a d o d a A g ri c u l t u r a, P e c u á ri a e A b a st e c i m e n t o A D R I A N O F R A N C I S C O D O N A S C I M E N T O S e c r e t á r i o d e E st a d o d o Í n d i o R O B É R I O B E Z E R R A D E A R A Ú J O S e c r e t á r i o d e E st a d o d e A r t i c u l a ç ã o M u n i c i p a l e P o l í t i c a U r b a n a S É R G I O P I L L O N G U E R R A S e c re t á rio d e E s t a d o E x t r a o r d i n á ri o p a ra A s s u n to s I n te r n a c io n a is C A R L O S R O B E R T O A L B U Q U E R Q U E D I A S D A S I L V A S e c r e t á r i o d e E st a d o E x t r a o r d i n á r i o d e T e c n o l o g i a d a In f o r m a ç ã o W A L T E R B U S S D ir e to r d o D e p a r ta m e n to d e I m p r e n s a O fic ia l I R A N V I E I R A R O C H A G e r e n te d e N ú c le o d e P u b lic a ç ã o e A r te s G r á fic a s Y A N A B E S S A G O M E S G e r e n te d e N ú c le o d e C u s to s e D is tr ib u iç ã o J E N E R C A V A L C A N T E R A M A L H O R e v is ã o M A T É R I A S /P U B L I C A Ç Õ E S A s m a t é r ia s p a r a p u b li c a ç ã o n o D iá r io O fi c ia l, d e v e r ã o e sta r g r a v a d a s e m d i s c k e t s, n o p r o g r a m a M i c r o s o ft W o r d E x t e n s ã o D O C f o n t e T i m e s N e w R o m a n ta m a n h o 9 ( n o v e ), E stil o N o r m a l, P a r á g r a f o E x a ta m e n t e 9 p t, n ã o u tili z a r m a r c a ç ã o, n u m e r a ç ã o o u ta b u la ç ã o.o s a r q u iv o s n ã o d e v e m c o n t e r c a b e ç a l h o s n e m r o d a p é s, o s d i s q u e te s d e v e r ã o e s ta r d e v i d a m e n t e e ti q u e ta d o s, s e n d o q u e o c o n te ú d o d o m e sm o d e v e r á e sta r im p r e s so e m p a p e l o f íc io, p a r a s e r c a l c u la d o, c o n fe r i d o e p r o to c o la d o. O s m e s m o s d e v e r ã o s e r e n tr e g u e s à R u a C o r o n e l P in to, C e n tr o - B o a V i sta - R R. T e le f o n e s : ( ) / / C E P P R E Ç O S P A R A P U B L I C A Ç Õ E S E M P R E S A S P Ú B L I C A S - F U N D A Ç Õ E S E C O N O M I A M I S T A A U T A R Q U I A S P R E F E I T U R A S P r e ç o p o r c m d e c o lu n a R $ : O U T R A S P U B L I C A Ç Õ E S P r e ç o p o r c m d e c o lu n a R $ : P r e ç o p o r e x e m p la r R $ : 1,5 0 E x e m p la r a p ó s 3 0 d ia s R $ : 2,5 0 A S S I N A T U R A S S e m e str a l s e m r e m e s s a p o sta l R $ :1 2 0,0 0 S e m e str a l c o m r e m e s sa p o s ta l p a r a o u tr o s e s ta d o s r $ :2 0 0,0 0 As matérias publicadas no Diário Oficial, reproduzidas por qualquer meio de reprodução, para sua validade, deverão ser autenticadas pela Imprensa Oficial do Estado de Roraima R e c la m a ç õ e s s o b r e p u b l ic a ç õ e s : m á x im o a t é 1 0 d ia s.

3 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 03 Art. 3º Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário e, em especial o Regulamento de Uniformes da PMRR, aprovado e publicado no Diário Oficial nº 80, de 30/04/1985, do Governo do Território Federal de Roraima. Palácio Senador Hélio Campos/RR, 18 de dezembro de JOSÉ DE ANCHIETA JUNIOR Governador do Estado de Roraima REGULAMENTO DE UNIFORMES E INSIGNÍAS DA PMRR (RUI-PMRR) CAPÍTULO I Das Normas Gerais Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade prescrever os uniformes da Polícia Militar do Estado de Roraima, bem como regular sua posse, composição e uso. Parágrafo único. Fica estabelecida como cor padrão da Polícia Militar, o azul- petróleo-escuro (APE), devendo ser os tecidos os disponíveis no mercado nacional, obedecendo ao tingimento em fio, com as características estabelecidas nas Normas Técnicas Brasileiras. Art. 2 O uniforme é o símbolo da autoridade e seu uso correto é elemento primordial na boa apresentação individual e coletiva do policial militar, constituindo-se em importante fator para o fortalecimento da disciplina, desenvolvimento do espírito de corpo e bom conceito da Corporação na opinião pública. Art. 3 Constitui dever de todo policial militar zelar por seus uniformes e pela boa apresentação em qualquer ocasião. Art. 4 Os uniformes previstos neste Regulamento, bem como peças complementares, insígnias e distintivos nele estabelecidos ou regulados, são de exclusividade da Polícia Militar de Roraima e considerados de uso privativo. 1º Ficam vedadas a quaisquer pessoas, empresas ou instituições, o uso de insígnias, distintivos, uniformes ou peças complementares, cujas cores, formas ou modelos se assemelhem ou se confundam com os da Polícia Militar de Roraima. 2º É facultado ao policial militar na inatividade, o uso dos uniformes para comparecer a solenidades militares e quando autorizados, a cerimônias cívicas comemorativas de datas nacionais ou de atos sociais solenes de caráter particular. 3º A autorização de que trata o parágrafo anterior, será concedida pela maior autoridade policial militar do local onde resida o interessado, em qualquer Unidade da Federação; sendo a mesma de posto ou graduação inferior ao do inativo, este deverá solicitar autorização à autoridade hierarquicamente superior mais próxima. Art. 5 Cabe ao Governador do Estado de Roraima regulamentar a concessão de condecorações e méritos policiais militares, bem como a instituição de distintivos, estandartes, insígnias de comando e flâmulas a serem adotados pela Corporação. Art. 6º Ao Comandante Geral compete: I - criar ou modificar uniformes básicos, especiais, peças complementares e equipamentos; II - criar, modificar ou extinguir distintivos, estandartes, bandeiras e insígnias de Grandes Comandos, Diretorias, Unidades e Subunidades Policiais Militares; III - modificar detalhes dos uniformes e do material de confecção, de acordo com a evolução tecnológica ou as disponibilidades de mercado; IV - descrever peças dos uniformes e especificação do material usado na sua confecção, para se obter a máxima uniformidade de cores e qualidades; V - complementar os uniformes e designação de peças e equipamentos não previstos neste Regulamento, porém necessários aos policiais militares, quando empregados em situações especiais; VI - normatizar os uniformes para os deslocamentos do serviço para a residência e vice-versa; VII - regulamentar o uso de traje civil para os policiais militares, quando no desempenho de função que requeira esse traje; VIII - alterar de facultativo para obrigatório ou vice-versa, os uniformes constantes deste Regulamento. Art. 7 Aos Comandantes de Organizações Policiais Militares, até o escalão de Companhia Independente de Polícia Militar, cabem exercer a ação fiscalizadora junto às organizações públicas, privadas ou pessoas particulares individualmente, que usem uniformes, de modo que não permitam que estes possam ser confundidos com os previstos neste Regulamento. Art. 8 Não é permitido alterar as características dos uniformes, nem aos mesmos sobrepor peças, artigos, insígnias ou distintivos que não são previstos neste Regulamento ou outros não aprovados pelo Comandante Geral da Polícia Militar de Roraima. Parágrafo único. É admitido o uso de: I - crachá de identificação, quando exigido pela segurança orgânica, no âmbito do órgão considerado; II - telefone celular com capa preta lisa e sem adornos coloridos, preso ao cinto ou cinturão, no lado esquerdo, exceto nos uniformes de gala e cerimônia. Art. 9º É facultado, aos integrantes da Polícia Militar de Roraima, quando em curso fora ou à disposição de outras Co-irmãs, Forças Armadas Nacionais ou Estrangeiras, o uso do Uniforme da Corporação anfitriã. Parágrafo único. Para os integrantes de outras Co-irmãs, Forças Armadas Nacionais ou Estrangeiras, matriculados em curso de formação na PMRR, é obrigatório o uso dos uniformes previstos neste Regulamento, sendo facultativo para os demais cursos. Art. 10. Os policiais militares que comparecerem fardados a solenidades militares e a atos sociais, devem fazê-lo no mesmo uniforme. 1º A designação do uniforme para solenidades ou atos sociais da Corporação, é de competência do Comandante Geral e do Subcomandante Geral; e que deve ainda, ser estabelecida a correspondência entre o traje previsto para o civil e o uniforme determinado para outras Forças Policiais Militares, Forças Armadas Brasileiras ou Estrangeiras. 2 Em solenidades internas, é de competência dos Comandantes de Grandes Comandos, Unidades ou Subunidades Independentes a designação de uniformes para cada solenidade, em entendimento com o escalão superior no caso de participação deste na solenidade, bem como o traje correspondente aos civis. 3º Cabe ao Comandante, Diretor ou Chefe de OPM, regular o uso dos uniformes desportivos não previstos neste Regulamento. 4º Cabe ao Chefe da 1ª Seção do Estado Maior Geral autorizar, em caráter excepcional, o uso de uniformes pelos militares da reserva remunerada, quando nomeados prestadores de serviço temporário. Art. 11. Para os fins deste Regulamento, desde que não haja restrições expressas ao Aspirante a Oficial PM, aplicar-se-á as mesmas prescrições referentes ao Oficial PM. Art. 12. É vedado ao policial militar quando uniformizado, o uso não autorizado de de peças ou de uniformes das Forças Armadas, de outras Corporações Policiais Militares e de Forças Militares Estrangeiras. Art. 13. É de posse obrigatória os uniformes básicos referidos neste Regulamento, exceção feita às ressalvas nele consignadas. Art. 14. Para os policiais militares da ativa, os uniformes serão adquiridos em lojas autorizadas, mediante pagamento anual de Auxílio Fardamento, conforme estabelecido na Legislação em vigor. CAPÍTULO II Dos Uniformes Básicos Seção I Dos Uniformes Masculinos Art. 15. A presente Seção trata da classificação, posse, composição e do uso dos uniformes básicos masculinos que são os seguintes: I - Uniforme 1º A Uniforme de Gala Preto: a) posse facultativa para Oficial, Subtenente e Sargento; 1. túnica preta aberta; 2. camisa social branca plissada com colarinho duplo; 3. gravata horizontal preta (borboleta); 4. calça social preta com frisos laterais pretos; 5. cinto preto com fivela; 6. meia preta; 7. sapato preto; c) uso: em recepções de gala, solenidades oficiais, reuniões ou cerimônias em que se exija casaca, fraque ou smoking aos civis; II - Uniforme 1º B Uniforme de Gala Branco: a) posse facultativa para Oficial, Subtenente e Sargento; 1. túnica branca aberta; 2. camisa social branca plissada com colarinho duplo; 3. gravata horizontal preta (borboleta); 4. calça social preta com frisos laterais pretos; 5. cinto preto com fivela; 6. meia preta; 7. sapato preto; c) uso: em recepções de gala, solenidades oficiais, reuniões ou cerimônias em que se exija summer, black tie ou dinner jacket aos civis; III Uniforme 2º A Uniforme de Cerimônia Branco: a) posse obrigatória para Oficial e facultativa para Subtenente, Sargento, Cabo e Soldado; 1. quepe preto; 2. túnica branca aberta; 3. camisa social branca com colarinho duplo; 4. gravata vertical preto; 5. calça social ou culote social preto; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. meia preta; 8. sapato ou bota pretos; c) uso: em reuniões, solenidades ou atos sociais quando for exigido traje passeio completo ou formal aos civis, sendo facultado o uso da cobertura em ambientes cobertos; IV Uniforme 2º B Uniforme de Cerimônia APE:

4 PÁG. 04 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 a) posse obrigatória para Oficial, Subtenente, Sargento e facultativo para Cabo e Soldado; 1. quepe preto; 2. túnica APE aberta; 3. camisa social branca com colarinho duplo; 4. gravata vertical preta; 5. calça social ou culote social preto; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. meia preta; 8. sapato ou bota pretos; c) uso: 1. em reuniões, solenidades ou atos sociais quando for exigido traje passeio completo aos civis, sendo facultado o uso da cobertura em ambientes cobertos; 2. para Juízes Militares na composição do Conselho de Justiça Militar; V Uniforme 3º A Uniforme de Passeio APE: 1. quepe, gorro sem pala preto ou boina na cor da Unidade; 2. camisa meia-manga azul-claro; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça social ou culote social preto; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos (opcional); 7. meia preta; 8. sapato ou bota pretos; c) uso: 1. em trânsito, atividades internas e externas, apresentações, quando determinado, em solenidades e atos sociais em que seja permitido traje esporte aos civis; 2. será facultado o uso da camisa azul-claro e de cobertura na atividade administrativa interna; VI Uniforme 3º B Uniforme de Passeio de Cavalaria APE (competição): a) posse obrigatória para Oficial e Praça de Cavalaria; 1. boina ou capacete de hipismo pretos; 2. camisa manga longa branca; 3. camiseta meia-manga branca; 4. culote social preto; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos (opcional); 7. meia preta; 8. bota preta; 9. espora prateada; 10. pingalim preto (opcional para praça); 11. gravata vertical preto (facultativo); 12. jaqueta APE (facultativo); c) uso: 1. em trânsito, atividades internas e externas das Organizações Policiais Militares, apresentações, quando determinado, em solenidades e atos sociais em que seja permitido traje esporte aos civis; 2. em competições hípicas quando for exigida a casaca de hipismo aos cavaleiros civis; VII Uniforme 4º A Uniforme Operacional meia-manga APE: 1. gorro com pala preto; 2. boina na cor da Unidade; 3. camisa operacional meia-manga APE; 4. camiseta meia-manga preto; 5. calça operacional APE; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; c) uso: 1. em serviço interno ou externo, trânsito, formatura, solenidade e representação; 2. será facultado o uso da camisa APE em instrução, treinamento e serviço interno; 3. em outras situações somente com autorização do Comando Geral; VIII Uniforme 4º B Uniforme Operacional manga longa APE: 1. gorro com pala preto; 2. boina na cor da Unidade; 3. camisa operacional manga longa APE; 4. camiseta meia-manga branca; 5. calça operacional APE; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; c) uso: 1. em serviço interno ou externo, trânsito, formatura, solenidade e representação; 2. será facultado o uso da camisa APE em instrução, treinamento e serviço interno; 3. será facultado o uso da bota preta em policiamento com motocicleta; 4. em outras situações somente com autorização do Comando Geral; IX Uniforme 4ºC - Uniforme Operacional com Bermuda APE (bicicleta, balneário e embarcação): 1. gorro com pala preto; 2. capacete de ciclismo branco (bicicleta); 3. camiseta meia-manga ou manga longa branca; 4. camiseta meia-manga ou manga longa gola pólo branca (bicicleta); 5. calção de natação preto (balneário e embarcação); 6. bermuda APE; 7. cinto de náilon preto com fivela; 8. cinturão preto com complementos; 9. meia branca; 10. tênis preto; 11. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. em policiamento ostensivo geral de bicicleta, balneário e embarcação; 2. em trânsito, formatura, solenidade e representação; X Uniforme 5º A Uniforme de Treinamento Físico Militar: 1. camiseta meia-manga branca; 2. calção preto; 3. meia branca; 4. tênis preto; 5. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado. c) uso: 1. em treinamento físico militar e prática desportiva; 2. em atividades internas das Organizações Policiais Militares; XI - Uniforme 5º B Uniforme de Treinamento Físico Militar para Natação: 1. calção de natação preto; 2. óculos e touca de natação pretos; 3. sandália de borracha preta; 4. roupão ou toalha de banho branca (opcional); 5. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: em prática de natação, treinamento, instrução ou operação aquática; XII Uniforme 5º C Uniforme para Prática Desportiva e Representação: 1. camiseta meia-manga branca; 2. blusa de agasalho manga longa na cor azul-claro; 3. calça de agasalho na cor azul-claro; 4. meia branca; 5. tênis preto; c) uso: em deslocamento para treinamento físico militar, competição e representação; XIII Uniforme 5º D Uniforme de Treinamento de Defesa e Ataque: 1. tênis ou chinelo de borracha pretos; 2. camiseta meia-manga branca; 3. calção de natação preto; 4. calça de quimono branca; 5. blusão de quimono trançado branco; 6. faixa obi, na cor correspondente ao nível de adestramento do policial; c) composição alternativa: calça de agasalho na cor preta, em substituição ao conjunto quimono (calça, blusão e faixa); d) uso: 1. em atividades de treinamento policial de defesa pessoal; 2. em apresentação e competição desportiva. Seção II Dos Uniformes Femininos Art. 16. A presente Seção trata da classificação, posse, composição e do uso dos uniformes básicos femininos que são os seguintes: I Uniforme 1º A Uniforme de Gala Preto: a) posse facultativa para Oficial, Subtenente e Sargento; 1. túnica preta aberta; 2. camisa social branca plissada com colarinho duplo; 3. gravata horizontal preta (laço);

5 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG saia longa ou saia social preta com frisos laterais pretos; 5. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele); 6. sapato preto de salto médio; 7. carteira preta (opcional); c) uso: em recepções de gala, solenidades oficiais, reuniões ou cerimônias em que se exija casaca, fraque ou smoking aos civis; II - Uniforme 1º B - Uniforme de Gala Branco: a) posse facultativa para Oficial, Subtenente e Sargento; 1. túnica branca aberta; 2. camisa social branca plissada com colarinho duplo; 3. gravata horizontal preta (laço); 4. saia longa ou saia social preta com frisos laterais pretos; 5. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele); 6. sapato preto de salto médio; 7. carteira preta (opcional); c) uso: em recepções de gala, solenidades oficiais, reuniões ou cerimônias em que se exija summer, black tie ou dinner jacket aos civis; III - Uniforme 2º A Uniforme de Cerimônia Branco: a) posse obrigatória para Oficial e facultativa para Subtenente, Sargento, Cabo e Soldado; 1. quepe preto; 2. túnica branca aberta; 3. camisa social branca com colarinho duplo; 4. gravata vertical preta; 5. saia social preta; 6. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele); 7. sapato preto de salto médio; 8. carteira preta (opcional); c) uso: em reuniões, solenidades ou atos sociais quando for exigido traje passeio completo ou formal aos civis, sendo facultado o uso da cobertura em ambientes cobertos. IV Uniforme 2º B - Uniforme de Cerimônia APE: a) posse obrigatória para Oficial, Subtenente, Sargento e facultativa para Cabo e Soldado; 1. quepe preto; 2. túnica APE aberta; 3. camisa social branca com colarinho duplo; 4. gravata vertical preta; 5. saia social preta; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele); 8. sapato preto de salto médio; 9. bolsa preta (opcional); c) uso: 1. em reuniões, solenidades ou atos sociais quando for exigido traje passeio completo aos civis, sendo facultado o uso da cobertura em ambientes cobertos; 2. para Juízas Militares na composição dos Conselhos de Justiça Militar; V - Uniforme 3º A - Uniforme de Passeio APE: 1. quepe, gorro sem pala preta ou boina na cor da Unidade; 2. camisa meia-manga azul-claro; 3. camiseta meia-manga branca; 4. saia social ou envelope, calça ou culote social preto; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos (opcional); 7. meia-calça ou meia ¾ de náilon transparente (de cor natural da pele) ou meia preta; 8. sapato de salto médio ou bota na cor preta; 9. bolsa preta feminina (opcional); c) uso: 1. em trânsito, atividades internas e externas, apresentações, quando determinado, em solenidades e atos sociais em que seja permitido traje esporte aos civis; 2. será facultado o uso da camisa azul-claro e de cobertura na atividade administrativa interna; VI Uniforme 3º B - Uniforme de Passeio de Cavalaria APE (competição): a) posse obrigatória para Oficial e Praça de Cavalaria; 1. boina ou capacete de hipismo pretos; 2. camisa feminina manga longa branca; 3. camiseta meia-manga branca; 4. culote social ou culote de malha elástica feminino preto; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos (opcional); 7. meia de náilon preta; 8. bota preta; 9. espora prateada; 10. pingalim preto (opcional para praça); 11. gravata vertical APE (facultativo); 12. jaqueta APE (facultativo); c) uso: 1. em trânsito, atividades internas e externas das Organizações Policiais Militares, apresentações individuais ou coletivas e, quando determinado, em solenidades e atos sociais em que seja permitido traje esporte aos civis; 2. em competições hípicas quando for exigida a casaca de hipismo às amazonas civis; VII Uniforme 3º C - Uniforme de Passeio Gestante preto: a) posse obrigatória para Oficial e Praça feminino gestante; 1. quepe, gorro sem pala feminino preto ou boina na cor da Unidade; 2. camisa especial feminino (tipo bata) azul-claro ou vestido preto; 3. calça feminina preto para gestante; 4. meia-calça ou meia ¾ de náilon transparente (de cor natural da pele); 5. sapato ou sandália pretos de salto médio ou baixo; 6. bolsa preta feminina (opcional). c) uso: durante o período de gestação em todas as atividades das Organizações Policiais Militares; VIII Uniforme 4º A Uniforme Operacional meia-manga APE: 1. gorro com pala preto; 2. boina na cor da Unidade; 3. camisa operacional meia-manga branca; 4. camiseta meia-manga APE; 5. calça operacional APE; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; c) uso: 1. em serviço interno ou externo, trânsito, formatura, solenidade e representação; 2. será facultado o uso da camisa APE em instrução, treinamento e serviço interno; 3. em outras situações somente com autorização do Comando Geral; IX Uniforme 4º B - Uniforme Operacional manga longa APE: a) Posse obrigatória para Oficial e Praça; 1. gorro com pala preto; 2. boina na cor da Unidade; 3. camisa operacional manga longa APE; 4. camiseta meia-manga branca; 5. calça operacional preto; 6. cinto de náilon APE com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; c) uso: 1. em serviço interno ou externo, trânsito, formatura, solenidade e representação; 2. será facultado o uso da camisa APE em instrução, treinamento e serviço interno; 3. será facultado o uso da bota preta em policiamento com motocicleta; 4. em outras situações somente com autorização do Comando Geral; X Uniforme 4º C Operacional APE Bermuda (bicicleta, balneário e embarcação): 1. gorro com pala preto; 2. capacete de ciclismo branco; 3. camiseta manga longa branca; 4. camiseta meia-manga ou manga longa gola pólo branca (bicicleta); 5. top preto (bicicleta); 6. maiô olímpico na cor preta (balneário e embarcação); 7. bermuda preta; 8. cinto de náilon preto com fivela; 9. cinturão preto com complementos; 10. meia branca; 11. tênis preto; 12. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. em policiamento ostensivo geral de bicicleta, balneário e embarcação; 2. em trânsito, formatura, solenidade e representação; XI Uniforme 5º A Uniforme de Treinamento Físico Militar: 1. camiseta meia-manga branca; 2. top na cor preta; 3. bermuda feminina de elanca preta; 4. meia branca; 5. tênis preto;

6 PÁG. 06 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. em treinamento físico militar e prática desportiva; 2. em atividades internas das Organizações Policiais Militares; XII - Uniforme 5º B Uniforme de Treinamento Físico Militar para Natação: 1. maiô olímpico preto; 2. bermuda de lycra preta; 3. óculos e touca de natação pretos; 4. sandália de borracha preta; 5. roupão ou toalha de banho brancos; 6. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: em prática de natação, treinamento, instrução ou operação aquática; XIII Uniforme 5º C Uniforme para Prática Desportiva e Representação: 1. camiseta meia-manga branca; 2. top preto; 3. blusa de agasalho manga longa na cor azul-claro; 4. calça de agasalho na cor azul-claro; 5. meia branca; 6. tênis preto; c) uso: em deslocamento para treinamento físico militar, competição e representação; XIV Uniforme 5º D Uniforme de Treinamento de Defesa e Ataque: 1. tênis ou chinelo de borracha pretos; 2. camiseta meia-manga branca; 3. top preto; 4. bermuda de lycra preta; 5. calça de quimono branca; 6. blusão de quimono trançado branco; 7. faixa obi, na cor correspondente ao nível de adestramento da policial; c) composição alternativa: calça de agasalho na cor preta, em substituição ao conjunto quimono (calça, blusão e faixa); d) uso: 1. em atividades de treinamento policial de defesa pessoal; 2. em apresentação e competição desportiva. CAPÍTULO III Dos Uniformes Especiais - Masculinos e Femininos Art. 17. O presente Capítulo trata da classificação, posse, composição e do uso dos uniformes especiais masculinos e femininos, destinados às atividades funcionais e são classificados da seguinte forma: I Uniforme 6º A Uniforme Operacional verde-musgo de GATE: 1. boina ou balaclava pretos; gorro com pala de selva ou chapéu de selva verde-musgo; 2. capacete antibalístico preto; 3. camisa operacional manga longa verde-musgo; 4. camiseta meia-manga verde-musgo; 5. calça operacional verde-musgo; 6. cinto tático de resgate preto; 7. cinturão preto com complementos (opcional com colete tático); 8. meião preto; 9. coturno preto; 10. colete tático preto, padrão operações especiais; 11. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo do GATE em serviço interno ou externo, operação, treinamento, instrução, formatura, desfile ou representação; 2. será facultado o uso da camisa em instrução, treinamento ou serviço interno; 3. será facultado o uso do cinturão preto com complementos com o colete tático; II Uniforme 6º B Uniforme Operacional verde-musgo de Vôo: a) posse obrigatória para Oficial e Praça de Tripulação Aérea; 1. boina preta, gorro com pala ou capacete de vôo verde-musgo; 2. macacão operacional de vôo verde-musgo; 3. camiseta meia-manga APE; 4. coldre para vôo; 5. coturno preto; 6. meião preto; 7. luva de vôo verde-musgo; 8. cachecol de vôo na cor verde-musgo (opcional); 9. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: exclusivo por tripulação aérea, em instrução, treinamento ou operação; III Uniforme 7º A Uniforme Operacional Camuflado Urbano de Força Tática: 1. boina ou gorro com pala bordô; 2. camisa operacional manga longa camuflada urbano; 3. camiseta meia-manga cinza; 4. calça operacional camuflada urbano; 5. braçal vermelho padrão FT; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; 10. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo de Força Tática em serviço interno ou externo, operação, instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; 2. será facultado o uso da camisa em instrução, treinamento ou serviço interno; IV Uniforme 7º B Uniforme Operacional Camuflado Urbano de Canil: 1. boina ou gorro com pala pretos; 2. camisa operacional manga longa camuflada urbano; 3. camiseta meia-manga cinza; 4. calça operacional camuflada urbano; 5. braçal preto padrão Canil; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão preto com complementos; 8. meião preto; 9. coturno preto; 10. guia preta com enforcador de elos (opcional); 11. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo de Canil em serviço interno ou externo, operação, instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; 2. será facultado o uso da camisa em instrução, treinamento ou serviço interno; 3. será obrigatório o uso da guia com enforcador de elos na condução de semovente; V Uniforme 7º C Uniforme Operacional Camuflado Urbano de CDC: a) posse obrigatória para Oficial e Praça de CDC; 1. capacete de CDC preto; 2. camisa operacional manga longa camuflada urbano; 3. camiseta meia-manga cinza; 4. calça operacional camuflada urbano; 5. braçal vermelho para FT; 6. braçal preto para Canil; 7. cinto de náilon preto com fivela; 8. cinturão preto com complementos; 9. meião preto; 10. coturno preto; 11. guia preta com enforcador de elos (Canil); 12. bornal na cor preta padrão Operações Especiais; 13. escudo de CDC; 14. escudo antibalístico preto; 15. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: exclusivo para controle de distúrbios civis, em instrução, treinamento, desfile ou operação; VI Uniforme 8º A Uniforme Operacional de Selva verde-camuflado: a) posse obrigatória para Oficial e Praça no desempenho de atividade em área rural de selva; b) composição 1. gorro com pala de selva ou chapéu de selva nas cores verde-camuflado; 2. gandola manga longa de selva verde-camuflada; 3. camiseta verde-musgo; 4. calça operacional de selva verde-camuflada; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos; 7. faca de sobrevivência ou facão de selva com bainha preta; 8. meião preto; 9. coturno preto; 10. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo por policiais militares em campanha, instrução, treinamento ou operação em área rural de selva; 2. será facultado o uso da gandola em instrução, treinamento ou serviço interno; VII Uniforme 8º B Uniforme Operacional de Montanha verdecamuflado: a) posse obrigatória para Oficial e Praça no desempenho de atividade em

7 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 07 área de montanha; 1. capacete especial de montanhista ou gorro com pala de selva verdecamuflado; 2. gandola manga longa de montanha verde-camuflada; 3. camiseta meia-manga verde-musgo; 4. calça operacional de montanha verde-camuflada; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos; 7. meião preto; 8. coturno preto; 9. luva preta (opcional); 10. cadeira de náilon, de cabo ou fita preta (opcional); 11. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo por policiais militares em campanha, instrução, treinamento, formatura, desfile, representação ou operação em montanha; 2. será facultado o uso da gandola em instrução, treinamento ou serviço interno; VIII Uniforme 9º A Uniforme Operacional verde-camuflado Amazônico: a) posse obrigatória para Oficial e Praça de Polícia Ambiental; 1. chapéu tropical ou gorro com pala de selva verde-camuflado amazônico; 2. gandola manga longa verde-camuflada amazônico; 3. camiseta meia-manga verde-musgo; 4. calça operacional verde-camuflada amazônico; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos; 7. meião preto; 8. coturno preto; 9. faca de sobrevivência ou facão de selva com bainha preta; 10. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: exclusivo por policiais militares em serviço interno ou externo, campanha, instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; IX - Uniforme 9º B Uniforme Operacional verde-camuflado Amazônico de Embarcação: a) posse obrigatória para Oficial e Praça de Polícia Ambiental; 1. chapéu tropical ou gorro com pala de selva verde-camuflado amazônico; 2. camiseta meia-manga ou manga longa verde-musgo; 3. bermuda, tipo cargo, verde-camuflada amazônico; 4. cinto de náilon preto com fivela; 5. cinturão preto com complementos; 6. meia preta; 7. tênis preto; 8. calção de natação (masculino) na cor preta; 9. maiô olímpico (feminino) na cor preta; 10. colete salva vida verde-camuflada amazônico ou laranja; 11. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; c) uso: 1. exclusivo por policiais militares em campanha, treinamento, instrução e policiamento ostensivo de polícia ambiental de área fluvial e lacustre; 2. será facultado o uso do colete salva vida em trânsito e serviço interno; X - 10º A - Uniforme Operacional de Cavalaria APE: 1. boina ou gorro com pala pretos; 2. camisa operacional manga longa branca; 3. camiseta meia-manga APE; 4. culote operacional APE; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos; 7. meião preto; 8. espora prateada; 9. bota preta; c) uso: 1. exclusivo de policiais militares de cavalaria em serviço interno ou externo, instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; 2. será facultativo o uso da camisa em instrução, treinamento ou serviço interno; XI Uniforme 10º B Uniforme Camuflado Urbano de CDC de Cavalaria. 1. boina ou capacete pretos; 2. camisa operacional manga longa camuflada urbano; 3. camiseta meia-manga cinza; 4. culote operacional camuflado urbano; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão preto com complementos; 7. meião preto; 8. espora prateada; 9. bota preta; c) uso: exclusivo de policiais militares de cavalaria em atividade de instrução, treinamento ou operação de controle de distúrbios civis montado; XII Uniforme 10º C Uniforme Histórico de Cavalaria: 1. capacete dourado; 2. casaca azul; 3. dragona; 4. charlateira; 5. camisa branca de colarinho simples; 6. colarinho simples; 7. banda bordô; 8. banda vermelha; 9. culote social branco com listra nas laterais; 10. cinto de náilon APE com fivela; 11. cinto talabarte branco; 12. luva de suedine branca com canhão alto; 13. bota preta; 14. espora prateada; c) uso: exclusivo de policiais militares de cavalaria em guarda de honra, formatura, solenidade ou desfile; XIII Uniforme 11º A Uniforme Operacional de Trânsito APE: 1. gorro com pala branco; 2. camisa meia-manga APE; 3. camiseta meia-manga branca; 4. braçal branco; 5. calça ou culote operacional APE; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão branco com complementos; 8. meião preto; 9. coturno ou bota pretos; 10. outros equipamentos, conforme determinado; c) uso: exclusivo de policiais militares em policiamento ostensivo de trânsito urbano e rodoviário, instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; XIV Uniforme 11º B Uniforme Operacional de Trânsito Motociclista APE: 1. capacete branco de motociclista; 2. gorro com pala branco; 3. camisa manga longa APE; 4. camiseta meia-manga branca; 5. braçal branco; 6. calça ou culote operacional APE; 7. japona branca (escolta); 8. cinto de náilon preto com fivela; 9. cinturão branco com complementos; 10. luva de pelica branca (escolta); 11. luva sem dedo preta (policiamento); 12. meião preto; 13. coturno ou bota pretos; 14. outros acessórios e equipamentos, conforme determinado; 15. camisa manga longa branca (escolta); 16. gravata vertical preta (escolta); c) uso: 1. exclusivo de policiais militares em policiamento ostensivo de trânsito urbano e rodoviário com motocicleta e batedores, em instrução, treinamento, formatura, desfile ou representação; 2. será facultado o uso do capacete, da japona e da luva em instrução e serviço interno; XV Uniforme 12º A Uniforme de Passeio de Saúde Branco: 1. quepe APE ou gorro sem pala branco; 2. camisa meia-manga branca; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça social branca para masculino; 5. saia social ou calça social branca para feminino; 6. cinto de náilon branco com fivela; 7. meia branca para masculino; 8. meia-calça ou meia ¾ de náilon transparente (de cor natural da pele) para feminino; 9. sapato branco salto médio para feminino; 10. sapato branco para masculino; c) uso: 1. em atividades internas das organizações militares de saúde; 2. em qualquer local no exercício das atividades de saúde e afins; 3. será facultado o uso da camisa branca em serviço interno, instrução e

8 PÁG. 08 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 treinamento; XVI Uniforme 12º B Uniforme de Serviço Interno de Saúde Branco: 1. gorro sem pala branco; 2. vestia (jaleco) meia-manga branca; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça social branca para masculino; 5. saia envelope ou calça social branca para feminino; 6. cinto de náilon branco com fivela; 7. meia branca para masculino; 8. meia-calça ou meia ¾ de náilon transparente (de cor natural da pele) para feminino; 9. sapato branco salto médio para feminino; 10. sapato branco para masculino; c) uso: 1. em atividades internas ou externas das organizações militares de saúde; 2. em qualquer local no exercício das atividades de saúde e afins; XVII Uniforme 12º C Uniforme de Serviço Externo de Saúde APE: 1. gorro com pala preto; 2. vestia (jaleco) meia-manga branca; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça operacional preto; 5. cinto de náilon APE com fivela; 6. meião preto; 7. coturno preto; c) uso: exclusivo no exercício das atividades externas, instrução, treinamento e campanha; XVIII Uniforme 12º D Uniforme de Saúde Gestante Branco: a) posse obrigatória para Oficial e Praça feminino; 1. gorro sem pala branco; 2. camisa meia-manga especial (tipo bata) branca ou vestido branco; 3. calça para gestante branca; 4. meia-calça ou meia ¾ de náilon transparente (de cor natural da pele); 5. sapato ou sandália de salto baixo na cor branca; c) uso: em atividades internas das organizações militares de saúde, durante o período de gestação; XIX Uniforme 13º A Uniforme Solene de Guarda de Honra: a) posse facultativa para Oficial e Praça; 1. quepe preto; 2. túnica branca ou preta fechadas; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça social preta para masculino; 5. saia envelope preta para feminino; 6. cinto de náilon preto com fivela; 7. cinturão azul-ferrete com fivela dourada sem complementos; 8. meia preta para masculino; 9. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele) para feminino; 10. sapato preto salto médio para feminino; 11. sapato preto para masculino; 12. luva de pelica ou de suedine branca ou preta; c) uso: exclusivo em guarda de honra, formatura, desfile ou solenidade, quando determinado; XX Uniforme 13º B Uniforme Formal de Guarda Honra: 1. capacete branco ou preto ou gorro de pala preto; 2. camisa operacional manga longa APE; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça operacional APE; 5. cinto de náilon preto com fivela; 6. cinturão branco sem complementos; 7. talabarte branco; 8. cachecol branco; 9. braçal branco; 10. luva de pelica ou de tecido (suedine) na cor branca; 11. coturno preto; 12. cadarço branco; d) uso: exclusivo em guarda de honra, formatura, desfile ou solenidade, quando determinado; XXI Uniforme 13º C Uniforme Solene de Banda de Música: 1. quepe preto; 2. camisa manga longa azul-claro; 3. camiseta meia-manga branca; 4. calça social preta para masculino; 5. saia social preta para feminino; 6. gravata vertical preta; 7. jaqueta social preta; 8. cinto de náilon preto com fivela; 9. meia preta para masculino; 10. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele) para feminino; 11. sapato preto salto médio para feminino; 12. sapato preto para masculino; c) uso: exclusivo em apresentação, representação, solenidades internas ou externas, quando determinado; XXII Uniforme 14º A Uniforme de Garçom ou Garçonete: a) posse obrigatória para praça, quando determinado; 1. camisa manga longa branca de colarinho duplo; 2. gravata horizontal preta (borboleta) para masculino; 3. gravata horizontal preta (laço) para feminino; 4. calça social preta para masculino; 5. saia envelope preta para feminino; 6. cinto de náilon preta com fivela; 7. luva de suedine branca (opcional); 8. meia de náilon preta; 9. meia-calça de náilon transparente (de cor natural da pele) para feminino; 10. sapato preto salto médio para feminino; 11. sapato preto para masculino; c) uso: exclusivo em recepção, coquetel, almoço e jantar; XXIII Uniforme 14º B Uniforme de Manutenção e Mecânica: a) posse obrigatória para Praça; 1. gorro com pala preto; 2. camiseta meia-manga branca; 3. macacão de manutenção APE; 4. cinturão preto com complementos (opcional); 5. meião preto; 6. coturno preto; c) uso: exclusivo em atividades de manutenção, mecânica e operador de veículo pesado; XXIV Uniforme 14º C Uniforme de Serviços Gerais: a) posse obrigatória para Praça; 1. gorro com pala preto; 2. camiseta meia-manga branca; 3. bermuda APE; 4. cinto de náilon preto com fivela; 5. meia branca; 6. tênis preto; c) uso: exclusivo em atividades internas de serviços gerais; XXV Uniforme 14º D Uniforme de Serviço Voluntário Temporário: a) posse obrigatória para Serviço Voluntário Temporário; 1. gorro com pala preto; 2. camiseta meia-manga APE; 3. calça operacional preta; 4. cinto de náilon preto; 5. meião preto; 6. coturno preto; c) uso: exclusivo em atividades internas de serviços administrativos e guarda de instalações. CAPÍTULO IV Das Peças Complementares Art. 18. O presente Capítulo trata das peças complementares, que poderão compor os uniformes básicos e especiais que trata este Regulamento. 1º - As peças complementares compreendem os agasalhos, acessórios e equipamentos. 2º - As peças complementares descritas serão classificadas como: I - de uso pessoal: de posse e uso obrigatório pelo policial militar, que será adquirida sob suas expensas; II - de uso coletivo: de uso obrigatório pelo policial militar, que será adquirida ou fornecida pela Corporação. Seção I Dos Agasalhos Art. 19. A presente Seção trata das descrições de uso e posse dos agasalhos conforme abaixo especificado: I - capa de chuva impermeável: a) de uso coletivo, obrigatória para Oficial e Praça; b) será usada como proteção contra chuva, com todos os uniformes previstos neste Regulamento; II - capa de chuva impermeável para motociclista: a) de uso coletivo, obrigatória para Oficial e Praça na atividade de policiamento ostensivo; b) será usada como proteção contra a chuva, com todos os uniformes previstos para policiamento com motocicleta; III - capa de chuva impermeável para policiamento montado: a) de uso coletivo, obrigatória para Oficial e Praça na atividade de

9 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 09 policiamento ostensivo; b) será usada como proteção contra a chuva, com todos os uniformes previstos para Polícia Montada; IV - capa de proteção para cão: a) de uso coletivo, obrigatória para semovente; b) será usada em apresentação, representação ou desfile; V - capa para colete antibalístico: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça na atividade de policiamento ostensivo; b) será usada conjuntamente com as placas de proteção balística, com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento; VI - luvas: a) de uso pessoal para Oficial, obrigatória quando armado de espada; b) de uso coletivo, obrigatória para Oficial e Praça em serviço, operação, treinamento, desfile ou solenidade, quando determinado; c) será usada com os uniformes previstos neste Regulamento em treinamento, desfile, instrução, serviço ou operação policial militar; VII - roupa emborrachada (neoprene) para mergulho: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar. Seção II Dos Acessórios Art. 20. A presente Seção trata das descrições de uso e posse dos acessórios conforme abaixo especificado: I - alamar: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial, quando o desempenho da função exigir ou quando determinado; b) usado com os uniformes previstos neste Regulamento, nos tamanhos normal ou reduzido; II - algemas: b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; III - aparelho de orientação via satélite (GPS): b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; IV - apito: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça na atividade de policiamento ostensivo, solenidade, arbitragem e formatura; b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento; V - bolsa de hidratação (camelbak): a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; VI - bússola: a) de uso individual, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; VII - bracelete retrorrefletivo de sinalização: b) será usada com todos os uniformes em policiamento ostensivo; VIII - caneleira ou perneira: b) será usado como proteção contra impacto nos membros inferiores e sobre o uniforme; IX - canivete: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes previstos neste Regulamento, quando determinado; X - cantil: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XI - colete retrorrefletivo de sinalização: b) será usado com todos os uniformes em policiamento ostensivo; XII - colete tático multiuso: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XIII - colete tático padrão operações especiais: b) será usado com todos os uniformes operacionais especiais, previstos neste Regulamento; XIV - cotoveleira: b) será usada nos cotovelos como proteção contra impacto, sobre ou sob o uniforme; XV - faca de sobrevivência: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes previstos neste Regulamento ou quando determinado; XVI - facão de selva: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com os uniformes previstos neste Regulamento ou quando determinado; XVII - fiador de espada: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial; b) será usada em todas as situações previstas para o uso da espada, nas seguintes condições: 1. na cor dourada com os uniformes 1ºA, 1ºB e 13ºA ou quando usando alamar com os uniformes 2º A e 2º B; 2. na cor preta com os demais uniformes; XVIII - freio em oito: b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XIX - freio em oito de resgate: b) será usado com os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XX - guia com enforcador de elos: b) será usado com todos os uniformes operacionais especiais previstos neste Regulamento, na condução de semovente ou quando determinado; XXI - guia de espada: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial; b) será usada em todas as situações previstas para o uso da espada, nas seguintes condições: 1. na cor azul-ferrete com os uniformes 1ºA, 1ºB e 13ºA ou quando usando alamar com os uniformes 2º A e 2º B; 2. na cor preta com os demais uniformes; XXII - joelheira: b) será usado como proteção contra impacto nos joelhos, sobre ou sob o uniforme; XXIII - lanterna: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XXIV - máscara para mergulho: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XXV - mosquetão (mola de segurança): b) será usado com os uniformes previstos neste Regulamento, quando determinado; XXVI - nadadeira (pé-de-pato): b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XXVII - óculos de proteção: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usada com todos os uniformes previstos, em instrução, treinamento ou operação policial militar; XXVIII - protetor auricular: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usada com todos os uniformes previstos, em instrução, treinamento ou operação policial militar; XXIX - suspensório: a) de uso coletivo, obrigatório para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado com todos os uniformes operacionais especiais previstos neste Regulamento, quando determinado; XXX - tubo respiradouro para mergulho (snorkel): a) de uso coletivo, obrigatório para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar. Seção III Dos Equipamentos Art. 21. A presente Seção trata das descrições de uso e posse dos equipamentos conforme abaixo especificado: I - arreata de cavalaria: a) de uso coletivo, obrigatória para semovente; b) será usada em policiamento, apresentação, representação ou desfile; II - bastão policial ou tonfa: b) será usado com todos os uniformes previstos neste Regulamento; III - bornal: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; IV - cadeira de náilon, cabo ou fita tubular: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; V - capacete antibalístico: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste

10 PÁG. 10 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamento, quando determinado; VI - capacete de controle de distúrbios civis: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; VII - cilindro de oxigênio e válvula de respiração: a) de uso coletivo, facultativa para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado em instrução, treinamento ou operação policial militar, quando determinado; VIII - cinto com peso para mergulho: a) de uso coletivo, facultativa para Oficial e Praça, quando determinado; b) será usado em instrução, treinamento ou operação policial militar, quando determinado; IX - colete antibalístico: a) de uso coletivo, obrigatória para Oficial e Praça, na atividade de Policiamento Ostensivo; b) será usado com todos os uniformes previstos neste Regulamento, quando determinado; X - colete salva vida: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XI - escudo antibalístico: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XII - escudo de acrílico: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XIII - espada de Comandante Geral: a) de uso coletivo, obrigatória para Oficial na função de Comandante Geral; b) será usado com todos os uniformes previstos neste Regulamento; XIV - espada de Oficial: a) de uso pessoal, obrigatória para Oficial, Aspirante a Oficial e Aluno Oficial; b) será usado com todos os uniformes previstos neste Regulamento, quando determinado; XV - espada tipo sabre de cavalaria: b) será usado com os uniformes operacionais de cavalaria previstos neste Regulamento, quando determinado; XVI - máscara contra gás: b) será usado com todos os uniformes operacionais previstos neste Regulamento, quando determinado; XVII - mochila de campanha: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XVIII - rede de campanha: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XIX - saco preto de campanha: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar; XX - saco de dormir de campanha: b) será usada em instrução, treinamento ou operação policial militar. Seção IV Das Prescrições Diversas Art. 22. Compete ao Comandante, Chefe ou Diretor de OPM, normatizar as peças que deverão complementar os uniformes da Unidade, Seção ou Diretoria Policial Militar, atendendo a finalidade do serviço, policiamento ou especialização policial, e zelar para que os Policiais Militares estejam com o uniforme padronizado, de acordo com a previsão deste Regulamento. CAPÍTULO V Das Insígnias Art. 23. O presente Capítulo trata das prescrições relativas as insígnias usadas nos uniformes básicos, especiais e nas peças complementares. Parágrafo único. Para o uso das insígnias nos uniformes femininos, será observada a correspondência com as prescrições estabelecidas para os uniformes masculinos. Seção I Da Conceituação, Classificação e Composição Art. 24. Insígnia é a representação específica de determinado Posto, Função ou Graduação dentro da Corporação. Art. 25. As insígnias dos Postos, na Polícia Militar de Roraima, são assinaladas de acordo com a classificação seguinte: I - Oficial Superior: a) Coronel: três estrelas compostas, dispostas em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; b) Tenente Coronel: duas estrelas compostas e uma simples, dispostas distância máxima de 5 mm. em linha sobre a platina, luva ou retângulo removível; c) Major: uma estrela composta e duas simples, dispostas em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; II - Oficial Intermediário e Subalterno: a) Capitão: três estrelas simples, dispostas em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; b) Primeiro Tenente: duas estrelas simples, dispostas em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; c) Segundo Tenente: uma estrela simples, disposta em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; d) Aspirante a Oficial: uma estrela base, disposta em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível. Parágrafo único. As estrelas descritas neste artigo poderão ser de tamanho normal, reduzido ou miniatura e serão confeccionadas em metal, bordada ou plastificada. Art. 26. As insígnias de Funções de Comando, exercidos na Polícia Militar de Roraima, são assinaladas de acordo com a classificação seguinte: I - Insígnia de Comandante Geral: uma estrela de cinco pontas dourada (ouro) ao centro de um círculo vermelho (gules), uma elipse dupla contornada de prata (argenta) terminada em ponta, tendo em campo de azul (blau), 20 (vinte) estrelas de prata; na extremidade oposta da ponta da elipse e unida a esta uma faixa ondulada de azul (blau) com 07 (sete) estrelas de prata (argenta) sobrepostas às pontas sobre os ramos de louro (Lauros nobilis); na extremidade retilínea da platina, dentro do campo, circunscritas pelos ramos, encontram-se três estrelas compostas metálicas, na forma oficial, medindo 10 mm de diâmetro, em disposição triangular (1,2), tendo os bordos contornadas por ramos de louro (Lauros nobilis), dispostas sobre as platinas ou luvas do uniforme correspondente; II - Insígnia de Chefe da Casa Militar: três estrelas compostas, dispostas em linha sobre as platinas ou luvas, tendo os bordos contornados por ramos de louro (Lauros nobilis) com as folhas contínuas, bordadas com fio dourado nas platinas ou luvas, terminando os ramos na extremidade retilínea das platinas ou luvas em ponta, por uma pequena união de formato elíptico também bordado e na extremidade triangular estando as folhas apenas aproximadas; III - Insígnia de Subcomandante Geral: três estrelas compostas, dispostas em linha sobre as platinas ou luvas, tendo os bordos contornados por ramos de caimbé (Coussapoa asperifolia), com as folhas contínuas estilizadas, bordadas com fio dourado nas platinas ou luvas, terminando os ramos na altura mediana da terceira estrela; IV - Insígnia de Comandante: uma estrela de cinco pontas, dourada ou prateada, de tamanho único de 15 mm de diâmetro, com as seguintes características: a) em metal dourado ou bordado em fio dourado, para Comandante de Grande Comando de Policiamento; b) em metal prateado ou bordado em fio prateado, para Comandante de Unidade Operacional ou Subunidade Operacional Independente. Parágrafo único. Adquire direito permanente ao uso da insígnia que trata o Inciso IV deste artigo, o Oficial que contar mais de 06 (seis) meses contínuos de atividade de Comando, que usará apenas uma insígnia, independente do número de comandos exercidos. Art. 27. As Insígnias das Graduações, na Polícia Militar de Roraima, são assinaladas de acordo com a classificação seguinte: I - Cadete e Aluno de Curso de Habilitação de Oficial: a) Cadete: uma estrela base, inscrita dentro de um círculo, tendo barra ou barras horizontais que representam o ano de formação, dispostas em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; b) Aluno CHO: uma estrela base, inscrita dentro de um círculo, tendo o símbolo do Quadro de Habilitação correspondente, dispostos em linha sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; II - Subtenente: um triângulo eqüilátero vazado, disposto sobre as platinas, luvas ou retângulo removível; III - Sargento, Cabo e Soldado: a) Primeiro Sargento: cinco divisas, dispostas sobre o tecido, metal ou retângulo removível, formando dois conjuntos, sendo um superior de três divisas e outro inferior de duas divisas; b) Segundo Sargento: quatro divisas, dispostas sobre o tecido, metal ou retângulo removível, formando dois conjuntos, sendo um superior de três divisas e outro inferior de uma divisa; c) Terceiro Sargento: três divisas, dispostas sobre o tecido, metal ou retângulo removível; d) Cabo: duas divisas, dispostas sobre o tecido, metal ou retângulo removível; e) Soldado 1a Classe: uma divisa, disposta sobre o tecido, metal ou retângulo removível. Parágrafo único. As divisas de 1, 2 e 3 Sargento, Cabo e Soldado, bordadas em tamanho normal na cor cinza, serão completadas com a colocação do distintivo básico das Polícias Militares (garruchas cruzadas), do Quadro ou da Especialização do Policial Militar, na mesma cor da divisa, na abertura do ângulo da divisa mais inferior e correspondente a linha imaginária traçada pela união dos vértices das divisas e com

11 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 11 Seção II Das Regras de Uso Art. 28. As insígnias de Oficial, Cadete, Aluno Oficial e Subtenente, que trata este Regulamento serão usadas: I - metálica: a) em tamanho normal nas platinas das túnicas dos uniformes 1 A, 1 B, 2 A, 2 B, 13 A; nas platinas das jaquetas dos uniformes 3 B, 13 C e nas platinas dos uniformes de passeio 3 A, 3 C, 11 A, 12 A, 12 D; b) em miniaturas na gola esquerda da camisa azul-claro dos uniformes 3 B, 11 B, 13ºC e na lateral esquerda do gorro sem pala; II - bordada tamanho normal: nas luvas removíveis dos uniformes 4 A, 4 B, 10 A, 11 B (japona), 12 B, 12 C e 13 B; III - plastificada ou bordada reduzida: serão usadas na gola esquerda dos uniformes 6 A, 7 A, 7 B, 7 C, 8 A, 8 B, 9 A, 10 B e nas capas de proteção contra chuva, previstas neste Regulamento. Art. 29. As insígnias de Funções de Comando, exercidos na Polícia Militar de Roraima, que trata este Regulamento serão usadas: I - de Comandante Geral, Chefe da Casa Militar e Subcomandante Geral: a) nas platinas das túnicas, jaquetas e camisas dos uniformes de passeio; b) nas luvas removíveis dos uniformes operacionais; II - de Comandante: a) metálica: nas túnicas, jaquetas e camisas dos uniformes de passeio, colocadas acima do bolso esquerdo, em posição central ao conjunto de medalhas e distintivo internacional de especialização; b) bordada: nos uniformes operacionais, no lado direito e acima da tarjeta identificadora do policial militar, em posição central, acima do distintivo internacional de especialização. Art. 30. As insígnias de que trata o Inciso III do artigo 27 deste Regulamento serão usadas: I - metálica em miniatura: na gola esquerda da camisa azul-claro dos uniformes 3 B, 11 B, 13 C e na lateral esquerda do gorro sem pala; II - bordadas: no terço superior de ambas as mangas dos seguintes uniformes: 1 A, 1 B, 2 A, 2 B, 3 A, 3 B, 3 C, 4 A, 4 B, 10 A, 11 B (japona), 12 A, 12 B, 12 C, 12 D, 13 A, 13 B, 13 C e 14 B; III - plastificada ou bordada reduzida: na gola esquerda dos uniformes 6 A, 7 A, 7 B, 7 C, 8 A, 8 B, 9 A, 10 B e nas capas de proteção contra chuva, previstas neste Regulamento. Seção III Da Descrição e Confecção Art. 31. As insígnias que trata este Regulamento obedecem as seguintes descrições: I - insígnia de Comandante Geral: a) formato da platina: a platina tem formato retangular, terminando um dos lados menores em triângulo, no tamanho de aproximadamente 135 mm de comprimento por 60 mm de largura; será fixada sobre um suporte de material plástico, revestido de tecido na cor APE ou na cor do uniforme correspondente; terá uma tira plastificada ou de couro, medindo 15 mm de largura por 100 mm de comprimento, tendo uma das extremidades costurada no forro e a outra abotoada para fixação da mesma na presilha dos ombros; b) o campo da platina contém: 1. bordos contornados por ramos de louro (Lauros nobilis) com as folhas contínuas bordadas com fio dourado, terminando os ramos, na extremidade retilínea da platina, em ponta, por uma pequena união de formato elíptico; na extremidade triangular as folhas apenas estão aproximadas; 2. na extremidade retilínea da platina, dentro do campo, circunscritas pelos ramos, encontram-se três estrelas compostas metálicas, na forma oficial, medindo 10 mm de diâmetro, em disposição triangular (1,2); 3. completando o campo, uma elipse dupla contornada de prata (argenta) terminada em ponta, tendo em campo de azul (blau), 20 (vinte) estrelas de prata; no interior da elipse um círculo contornado de ouro, em campo de vermelho (gules) com uma estrela de 05 (cinco) pontas de ouro; na extremidade oposta da ponta da elipse e unida a esta uma faixa ondulada de azul (blau) com 07 (sete) estrelas de prata (argenta) sobrepostas às pontas sobre os ramos de louro; 4. próximo ao vértice, da parte triangular da platina, está inserido um botão metálico dourado pequeno de 15 mm, de formato chato, com o símbolo básico das Polícias Militares, tendo no interior uma estrela de cinco pontas, circundada por 21 (vinte e uma) pequenas estrelas, também de cinco pontas; c) as luvas para os uniformes operacionais serão confeccionadas no mesmo tecido e cor da lapela do uniforme correspondente, revestida de entretela e bordada nas cores descritas para as platinas; II - insígnia de Chefe da Casa Militar: a) formato da platina: a platina tem formato retangular, terminando um dos lados menores em triângulo, no tamanho de aproximadamente 135 mm de comprimento por 60 mm de largura; será fixada sobre um suporte de material plástico, revestido de tecido na cor APE ou na cor do uniforme correspondente; terá uma tira plastificada ou de couro, medindo 15 mm de largura por 100 mm de comprimento, tendo uma das extremidades costurada no forro e a outra abotoada para fixação da mesma na presilha dos ombros; b) o campo da platina contém: 1. bordos contornados por ramos de louro (Lauros nobilis) com as folhas contínuas bordadas com fio dourado nas platinas ou luvas, terminando os ramos na extremidade retilínea das platinas ou luvas em ponta, por uma pequena união de formato elíptico também bordado e na extremidade triangular estando as folhas apenas aproximadas; 2. na extremidade retilínea da platina, dentro do campo, circunscritas pelos ramos, encontram-se três estrelas compostas metálicas, na forma oficial com medida básica de 25 mm de diâmetro; 3. próximo ao vértice, da parte triangular da platina, está inserido um botão metálico dourado pequeno de 15 mm, de formato chato, com o símbolo básico das Polícias Militares, tendo no interior uma estrela de cinco pontas, circundada por 21 (vinte e uma) pequenas estrelas, também de cinco pontas; c) as luvas para os uniformes operacionais serão confeccionadas no mesmo tecido e cor da lapela do uniforme correspondente, revestida de entretela e bordada nas cores descritas para as platinas; III - insígnia de Subcomandante Geral: a) formato da platina: a platina tem formato retangular, terminando um dos lados menores em triângulo, no tamanho de aproximadamente 135 mm de comprimento por 60 mm de largura; será fixada sobre um suporte de material plástico, revestido de tecido na cor APE ou na cor do uniforme correspondente; terá uma tira plastificada ou de couro, medindo 15 mm de largura por 100 mm de comprimento, tendo uma das extremidades costurada no forro e a outra abotoada para fixação da mesma na presilha dos ombros; b) o campo da platina contém: 1. bordos contornados por ramos de caimbé (Coussapoa asperifolia) com as folhas contínuas, bordadas com fio dourado na platina ou luva removível, terminando os ramos na altura mediana da terceira insígnia; 2. na extremidade retilínea da platina, dentro do campo, circunscritas pelos ramos, encontram-se três insígnias composta metálica, na forma oficial com medida básica de 25 mm de diâmetro; 3. próximo ao vértice, da parte triangular da platina, está inserido um botão metálico dourado pequeno de 15 mm, de formato chato, o símbolo básico das Polícias Militares, tendo no interior uma estrela de cinco pontas, circundada por 21 (vinte e uma) pequena estrela, também de cinco pontas; c) as luvas para os uniformes operacionais serão confeccionadas no mesmo tecido e cor da lapela do uniforme correspondente, revestida de entretela e bordada nas cores descritas para as platinas; IV - insígnia de Comandante: a) uma estrela de cinco pontas, confeccionada de metal dourado ou prateado, de 15 mm de diâmetro, e terá um pino metálico para fixação ao tecido por meio de um prendedor; b) uma estrela de cinco pontas, confeccionada bordada em fio dourado ou prateado, de 15 mm de diâmetro, sobre um escudo circular com 25 mm de diâmetro, de tecido da cor predominante do uniforme, com acabamento nos bordos de 1 mm, da mesma cor do uniforme e aplicado por meio de velcro ou costura-; V - insígnias de Oficial e Aspirante a Oficial: a) insígnia base: uma estrela base, constituída de cinco pontas, que será confeccionada: 1. metálica: estrela base, de cinco pontas, repartida em dez triângulos, em medida básica de 27 mm de diâmetro e em miniatura de 10 mm de diâmetro, tudo na cor dourada; 2. bordada normal: estrela base, de cinco pontas vazada, de 30 mm de diâmetro, bordada nos contornos com friso de 3 mm, na cor branca, sobre â luva removível do uniforme correspondente ou na cor cinzamédio para os uniformes de saúde; 3. plastificada: estrela base, de cinco pontas vazada, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, que será aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: estrela base, de cinco pontas vazada, na cor cinzamédio ou preta, que será confeccionada com 11 mm de diâmetro, com frisos de 1 mm, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da estrela, que será aplicado por meio de velcro preto; b) insígnia simples: uma estrela simples, que se constitui do Brasão das Polícias Militares, contendo somente cinco estrelas em prata no seu campo azul, estando estas alinhadas com as pontas da estrela maior, sobreposto a um resplendor, de formato cruciforme, formado por trinta e seis lâminas convexas, e será confeccionada: 1. metálica: o Brasão das Polícias Militares será nas mesmas cores estabelecidas, com acabamento esmaltado e o resplendor será prateado, na medida básica de 25 mm e miniatura de 10 mm de diâmetros, respectivamente; 2. bordada normal: o Brasão das Polícias Militares nas mesmas cores descritas e o resplendor será na cor cinza-claro, no tamanho de 30 mm de diâmetro, sobre a luva removível do uniforme correspondente; 3. plastificada: será uma estrela simples, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm

12 PÁG. 12 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: será uma estrela simples, na cor cinza-médio ou preta, confeccionada com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da estrela, que será aplicado por meio de velcro preto; c) insígnia composta: uma estrela composta, que corresponde à insígnia simples onde o resplendor é dourado e se sobrepõe a outro resplendor igual, também dourado, cujas pontas sobressaem dos vértices externos do primeiro, de maneira a deixar visíveis somente vinte lâminas convexas, e será confeccionada: 1. metálica: o Brasão das Polícias Militares na mesma cor e acabamento da insígnia simples e o resplendor dourado, nas medidas básica de 25 mm e miniatura de 10 mm de diâmetros, respectivamente; 2. bordada normal: sendo o símbolo de Polícia Militar nas mesmas cores descritas e o resplendor na cor amarelo-ouro, no tamanho de 30 mm de diâmetro, sobre a luva removível do uniforme correspondente; 3. plastificada: a estrela composta será, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: a estrela composta será, na cor cinza-médio ou preta, confeccionada com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da estrela, que será aplicado por meio de velcro preto; VI - insígnias de Cadete, Aluno Oficial e Subtenente: a) insígnia de Cadete: constitui-se de uma estrela base dentro de um círculo, possui em sua base barra ou barras horizontais que representam o ano de formação do curso, e será confeccionada: 1. metálica: será constituída de uma estrela base de 28 mm de diâmetro, dentro de um círculo de 30 mm de diâmetro, possui em sua base uma ou mais barras horizontais de 40x5mm, dispostas na platina uma sobre a outra; a insígnia metálica em miniatura será constituída somente de uma estrela base vazada, dentro de um círculo de 15 mm de diâmetro; tudo em metal dourado; 2. bordada normal: será constituída de uma estrela base de 28 mm de diâmetro, dentro de um círculo de 30 mm de diâmetro, tendo em sua base, uma ou mais barras horizontais de 40x5mm, disposta uma sobre a outra; será bordada em linha na cor amarelo-ouro, sobre a luva removível do uniforme correspondente; 3. plastificada: será uma estrela base dentro de um círculo, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: será uma estrela base dentro de um círculo, na cor cinza-médio ou preta, confeccionada com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da estrela, que será aplicado por meio de velcro preto; b) insígnia de Aluno Oficial de Curso de Habilitação ou Curso equivalente: será constituída de uma estrela base dentro de um círculo, tendo em sua base, o distintivo do Quadro correspondente a Habilitação e será confeccionado: 1. metálica: a insígnia normal é constituída de uma estrela base de 28 mm de diâmetro, dentro de um círculo de 30 mm de diâmetro, possui em sua base o símbolo do Quadro correspondente a Habilitação, dispostos na platina; a insígnia metálica em miniatura será constituída somente de uma estrela base vazada, dentro de um círculo de 15 mm de diâmetro; tudo em metal dourado; 2. bordada normal: será constituída de uma estrela base de 28 mm de diâmetro, dentro de um círculo de 30 mm de diâmetro, tendo em sua base o símbolo do Quadro correspondente a Habilitação; será bordada em linha na cor amarelo-ouro, sobre a luva removível do uniforme correspondente; 3. plastificada: será uma estrela base dentro de um círculo, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: será uma estrela base dentro de um círculo, na cor cinza-médio ou preta, confeccionada com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da estrela, que será aplicado por meio de velcro preto; c) insígnia de Subtenente: será constituída de um triângulo eqüilátero vazado, com a seguinte descrição: 1. metálica: será um triângulo eqüilátero vazado, de tamanho normal com base de 25 mm, disposto sobre a platina e o tamanho miniatura será de base 15 mm, tudo na cor dourada; 2. bordada normal: um triângulo eqüilátero vazado, de tamanho normal com base 25 mm, com friso de 3 mm na cor branco, sobre a luva removível do uniforme correspondente ou na cor cinza-médio para os uniformes de saúde; 3. plastificada: será um triângulo eqüilátero, na cor cinza, com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 40x20 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro preto; 4. bordada reduzida: será um triângulo eqüilátero, na cor cinza-médio ou preta, confeccionada com 11 mm de diâmetro, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 40x20 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor do triângulo, que será aplicado por meio de velcro preto; VII - insígnias de Sargento, Cabo e Soldado: serão constituídas de divisas, solitária ou alocadas umas sobre as outras, formando um ângulo reto, com abertura voltada para baixo, sobrepostas em um escudete antigo, estilizado e reverso; serão confeccionadas: a) metálica: será constituída de divisa ou divisas sobrepostas, na cor prateada, em brocante, sobre um suporte formado por um escudete antigo de fundo azul, estilizado e reverso; medindo 1 mm de largura cada e distância de 1 mm entre as mesmas, formando um ângulo reto com abertura voltada para baixo, com 10 mm de lado, não possui o símbolo identificador na base, com as seguintes dimensões: 1. 1º Sargento: cinco divisas formando dois conjuntos, um superior de três e outro inferior de duas, sendo os conjuntos separados por 2 mm, medindo 15x23 mm; 2. 2 Sargento: quatro divisas formando dois conjuntos, um superior de três e outro inferior de uma, sendo os conjuntos separados por 2 mm, medindo 15x20 mm; 3. 3 Sargento: três divisas, medindo 15x16 mm; 4. Cabo: duas divisas, medindo 15x15 mm; 5. Soldado 1ª Classe: uma divisa, medindo 15x15 mm; b) bordada normal: será constituída por divisa ou conjunto de divisas, na cor cinza, para todos os uniformes operacionais sem finalidade de camuflagem e na cor cinza-médio para os de saúde; medindo 5 mm de largura cada e distância de 2 mm entre as mesmas, formando um ângulo reto com abertura voltada para baixo, com 45 mm de lado, sobrepostas em um escudete antigo, estilizado e reverso, conforme a seguir: 1. 1 Sargento: cinco divisas formando dois conjuntos, um superior de três e outro inferior de duas, sendo os conjuntos separados por 6 mm, medindo 70x115 mm; 2. 2 Sargento: quatro divisas formando dois conjuntos, um superior de três e outro inferior de uma, sendo os conjuntos separados por 6 mm, medindo 70x110 mm; 3. 3 Sargento: três divisas, medindo 70x95 mm; 4. Cabo: duas divisas, medindo 70x75 mm; 5. Soldado 1ª Classe: uma divisa, medindo 70x75 mm; 6. todas possuem sobre a bissetriz, o distintivo básico das Polícias Militares (garruchas cruzadas), distintivo de Quadro ou distintivo de Especialização correspondente à qualificação do policial militar; serão bordadas na cor cinza, sendo que o suporte deverá ser do mesmo tecido do uniforme, sobre o qual a divisa será aplicada; c) plastificada: a divisa será confeccionada nas mesmas dimensões descritas para as metálicas, na cor cinza, devendo ficar centralizada no suporte e confeccionada em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, sobre um suporte preto de tamanho 20x40 mm, com contorno externo de 1 mm na cor cinza, sendo aplicado por meio de velcro de cor preta; não possui o escudete e nem o símbolo identificador; d) bordada reduzida: a divisa será confeccionada nas mesmas dimensões descritas para as metálicas, na cor cinza-médio ou preta, devendo ficar centralizada no suporte retangular de 20x40 mm, de tecido da cor predominante do uniforme correspondente, com contorno externo de 1 mm na cor da divisa, que será aplicado por meio de velcro preto; Parágrafo único. As insígnias descritas neste artigo seguem linhas gerais de confecção, podendo ser adequadas em formato e dimensão, de acordo com as necessidades da correta aplicação nos uniformes. CAPÍTULO VI Dos Distintivos Art. 32. O presente Capítulo trata do uso e da descrição geral dos distintivos que são colocados sobre os uniformes básicos, especiais ou peças complementares que trata este Regulamento. Seção I Da Conceituação e Classificação Art. 33. Brasão é a representação heráldica da Corporação como um todo ou de qualquer das suas funções constituintes, marcadamente descritivas, calcada nos seus feitos gloriosos e nas raízes históricogeográficas da sua função e se classificam em: I - Brasão de Armas da Polícia Militar de Roraima; II - Brasão das Polícias Militares do Brasil; III - Brasão de Organização Policial Militar. Art. 34. Distintivo é a representação heráldica estilizada ou genérica de Posto ou Graduação, representação específica de Função, de um setor de atividade Policial Militar, própria da Corporação como um todo ou de

13 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 13 qualquer das suas frações constituídas e se classificam em: I - distintivo Básico das Polícias Militares; II - distintivo de Quadro ou Especialização Policial Militar, a saber: a) de Combatente; b) de Cavalaria; c) de Medicina; d) de Veterinária; e) d Odontologia; f) de administração; g) de Auxiliar ou Complementar; h) de Músico; i) de Auxiliar de Saúde; j) de Auxiliar de Veterinária; III - distintivo para cobertura, a saber: a) de quepe, boina, gorro de pala e chapéu; b) de capacete; c) de gorro sem pala; IV - distintivos identificadores, a saber: a) de Unidade da Federação; b) de Organização Policial Militar; c) de Especialização Policial; d) de Identificação do Policial Militar; V - distintivo de cursos, a saber: a) de Formação: 1. de Oficial; 2. de Sargento; 3. de Cabo; 4. de Soldado; b) Curso de Aperfeiçoamento: 1. de Oficial; 2. de Sargento; c) Curso de Altos Estudos: de Superior de Polícia; d) Curso de Habilitação de Oficial; e) Curso ou Estágio de Especialização. Parágrafo único. O Comandante Geral baixará Ato Normativo, regulamentando os Brasões e distintivos não descritos neste Capítulo. Seção II Da Descrição e Uso Art. 35. O Brasão de Armas da Polícia Militar do Estado de Roraima tem as seguintes descrições e regras de uso: I - o Brasão de Armas da Polícia Militar do Estado de Roraima, criado pelo Decreto nº 038/83, de 06/06/83, do Governo do Território Federal de Roraima e constitui-se de: um escudo português natural, fiambrado em amarelo-ouro, desdobrado em pala, dividido verticalmente em três partes, correspondente ao flanco destro na cor azul, ao flanco sinistro a cor vermelha e ao centro a cor branca. No coração do escudo, será sobreposto o distintivo-básico das Polícias Militares (duas garruchas cruzadas) na cor amarelo-ouro. Na parte interna, superior e inferior, do escudo, serão escritas, respectivamente, as palavras RORAIMA e POLÍCIA MILITAR. Os ornatos são peças componentes, pela parte externa do escudo e são descritos: encimando o escudo, um elmo rampante em amarelo-ouro com paquife da mesma cor; no bordo destro, posterior ao escudo, será colocado um insígnia com sua vestimenta característica, armado com uma lança; no bordo sinistro, posterior ao escudo, um Policial Militar, em atitude marcial, trajando o uniforme de serviço; No bordo inferior do escudo será colocado um listel em amareloouro, sobreposto a uma ramagem de cor verde, contendo as inscrições: 26 NOV NON NOBIS SED VOBIS 1975 ; II - o brasão será bordado em fio ou em pintura serigráfica, sobre um tecido azul-petróleo-escuro-ape, para todos os uniformes; III - será confeccionado nas mesmas cores acima descritas, no tamanho reduzido de 75x75 mm, sendo recortado todo conjunto no formato de um escudo, com a parte superior e inferior em ângulo convexo e as laterais em ângulo côncavo e com bordado de acabamento nos bordos de 2 mm, na mesma cor do tecido de fundo; IV - será fixado geometricamente, por meio de costura ou velcro, no terço superior do braço esquerdo dos uniformes de gala, passeio, operacionais básicos e especiais; V - será bordado ou em pintura serigráfica nas camisetas, na altura do tórax, na lateral esquerda. 1 O Brasão de Armas da Polícia Militar de Roraima, para todos os fins deste Regulamento, será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça, quando em missão ou curso fora do território roraimense, substituindo o Brasão da OPM. 2 De uso obrigatório nos uniformes de Gala, Cerimônia, Passeio, nas japonas e nas camisetas. Art. 36. Brasão das Polícias Militares do Brasil: I - o Brasão das Polícias Militares do Brasil, constitui-se de um círculo frisado de prata, carregado de vinte e seis estrelas de cinco pontas em prata em campo azul, tendo ao centro, sobre um campo vermelho frisado em ouro, uma estrela de cinco pontas, de raio igual ao campo, cinzelada e repartida em dez triângulos dourados, de tonalidades alternadamente clara e escura. O campo vermelho simboliza a Justiça, a estrela central, o Estado de Roraima, e as estrelas menores as Unidades da Federação; poderá ser metálico, bordado ou pintado sobre tecido ou adesivo de fundo branco ou transparente, respectivamente, observado as devidas proporções; II - como representativo da Polícia Militar do Estado de Roraima, trará a inscrição na parte Superior POLÍCIA MILITAR DE RORAIMA e na parte inferior PATRIMÔNIO DO POVO ; III - será obrigatoriamente usado na forma completa sem as inscrições externas nos capacetes, e somente a estrela singela, nas fivelas do cinto, cinturão e fiel retrátil ou quando determinado em outros locais. Art. 37. Os Brasões de OPM deverão ser regulamentados pelo Comandante Geral e serão usados nos seguintes uniformes: I - o Brasão da OPM será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça e será fixado geometricamente ou no máximo a 40 mm da costura da manga, por meio de costura ou velcro, no terço superior do braço esquerdo dos uniformes operacionais e especiais; II - a Organização Policial Militar que não dispuser de Brasão próprio, usará o Brasão da Corporação. Parágrafo único. Não será permitido o uso de Brasões de outras Corporações, Forças Armadas Nacionais, Estrangeiras ou Especializações, sem prévia autorização do Comandante Geral. Art. 38. O distintivo Básico de Polícia Militar de Roraima será descrito como segue: I - o distintivo comum às organizações congêneres do Brasil e se constitui de duas garruchas, de carregamento pela boca, com varetas, cruzadas na parte média dos canos, a da esquerda sobre a da direita, formando ângulo de cento e dezoito graus entre si; II - será confeccionado: a) em metal dourado para Oficial e prateado para Praça, nos tamanhos: grande de 30 mm; médio de 24 mm e pequeno de 20 mm; b) em material plastificado ou bordado reduzido para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem, no tamanho de 26x16 mm, sendo geometricamente distribuído num retângulo de 40x20 mm; será confeccionado em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, na cor cinza, com a mesma descrição do metálico, sobre um suporte preto ou bordado na cor cinza-médio ou preto, sobre tecido da cor predominante do uniforme correspondente, tendo o contorno de 1 mm na cor do distintivo, aplicado no uniforme por meio de velcro preto; III - O distintivo básico da Polícia Militar de Roraima será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça, da seguinte forma: a) nas túnicas: no tamanho grande, ficará fixado na parte central de ambas as golas, de modo que a base das garruchas diste 5 mm da linha da costura da lapela com a gola, e que o seu eixo maior fique paralelo à mesma linha da costura; b) nas camisas dos uniformes de passeio: no tamanho médio, será fixado na parte central de ambas as golas, na sua parte mediana, sobre a bissetriz do ângulo e com a linha de base voltada para o vértice tangenciando a linha da costura, ficando as coronhas das garruchas eqüidistantes das bordas do colarinho; c) na camisa azul-claro manga longa: na medida pequena, será fixado do lado direito do colarinho, na sua parte mediana, sobre a bissetriz do ângulo e com a linha de base voltada para o vértice tangenciando a linha da costura, ficando as coronhas das garruchas eqüidistantes das bordas do colarinho; d) nas camisas e gandolas dos uniformes especiais com finalidade de camuflagem: será plastificado ou bordado reduzido e será fixado do lado direito do colarinho, na sua parte mediana, sobre a bissetriz do ângulo e com a linha de base voltada para o vértice tangenciando a linha da costura, ficando as coronhas das garruchas eqüidistantes das bordas do colarinho. 1º. Os distintivos dos demais Quadros ou Especializações serão fixados da mesma forma descrita neste artigo, tomando-se por referência os seus centros geométricos, cujas linhas de base ficarão à mesma distância da costura do vértice do ângulo do uniforme correspondente. 2º. Nas camisas brancas manga-longa não levará distintivo Art. 39. Os distintivos de Quadro e Especialização Policial Militar são os seguintes: I - de Combatente: o distintivo do Quadro de Oficial e Praça de Carreira (QOPM, QPPM e QEPPM), ora designados como Combatentes, será o símbolo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso I do Art. 38 deste Regulamento, e será usado nas mesmas descrições e regras de uso previstas no Inciso III do mesmo artigo; II - de Cavalaria: o distintivo do Quadro de Cavalaria será o símbolo de Cavalaria, que se constitui de duas lanças cruzadas, com bandeirolas, formando ângulo de 120 graus, unidas por um laço ornamental e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos nos tamanhos: 1. básico: com lança de 35 mm de comprimento e bandoleiras de 12 mm de altura; 2. reduzida: lança de 26 mm de comprimento e bandoleiras de 9 mm de comprimento e 4 mm de largura; b) plastificado ou bordado reduzido: será confeccionado em material plastificado ou bordado reduzido para os uniformes especiais com

14 PÁG. 14 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 finalidade de camuflagem, no tamanho de 26x16 mm, sendo geometricamente distribuído num retângulo de 40x20 mm; será confeccionado em cloreto de poli vinil (PVC), pelo processo de moldagem a quente, na cor cinza, sobre um suporte preto ou será bordado na cor cinza ou preta, sobre um tecido da cor predominante do uniforme correspondente, tendo o contorno de 1 mm na cor do distintivo, aplicado no uniforme por meio de velcro preto; c) O distintivo de Cavalaria será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Cavalaria, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; III - de Medicina: o distintivo do Quadro de Medicina será o símbolo do Serviço Médico, que se constitui de uma espada na vertical, com o punho para baixo, envolta por uma serpente, cuja cabeça está alinhada com a ponta da espada e voltada para a esquerda e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficial e prateado para Praça, ambos em tamanho único de 8 mm de base por 28 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) O distintivo de Medicina será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Medicina, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; IV - de Veterinária: o distintivo do Quadro de Veterinário será o Símbolo de Serviço Veterinário, que se constitui um facho com uma serpente enleada em forma de V e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos em tamanho único de 13 mm de base por 28 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) O distintivo de Medicina Veterinária será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Medicina Veterinária, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; V - de Odontologia: o distintivo do Quadro de Odontologia será o Símbolo de Serviço Odontológico, que se constitui de uma haste enleada por duas serpentes e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos em tamanho único de 10 mm de base por 26 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo de Odontologia será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Odontologia, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; VI - de Administração: o distintivo do Quadro de Administração será o Símbolo de Serviço Administrativo, que se constitui de duas penas cruzadas e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos em tamanho básico de 25 mm de base por 23 mm de altura, tamanho reduzido de 17 mm de base por 21 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo de Administração será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Administração, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; VII - de Auxiliar ou Complementar: O distintivo do Quadro de Auxiliar ou Complementar será o Símbolo de Serviço Auxiliar ou Complementar, que se constitui de duas penas cruzadas, sobreposto por um sabre e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos em tamanho básico de 25 mm de base por 23 mm de altura, tamanho reduzido de 17 mm de base por 21 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo de Auxiliar ou Complementar será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro acima descrito, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; VIII - de Músico: o distintivo do Quadro de Músico será o Símbolo de Serviço Musical, que se constitui de uma lira com pé e será confeccionado: a) em metal dourado para Oficiais e prateado para Praças, ambos em tamanho único de 17 mm de base por 25 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo de Músico será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro descrito, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; IX - de Auxiliar de Saúde: o distintivo do Quadro de Saúde será o Símbolo de Serviço Saúde, que se constitui de uma cruz de braços iguais, em vermelho e será confeccionado: a) em metal com borda dourada para Oficiais e com borda prateada para Praças, ambos em tamanho único de 5 mm de base por 20 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo será usado obrigatoriamente por Oficial ou Praça do Quadro de Saúde, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento; X - de Auxiliar de Veterinária: o distintivo de Auxiliar de Veterinária será o Símbolo que se constitui uma cruz de braços iguais, em azul e será confeccionado: a) em metal com borda dourada para Oficiais e com borda prateada para Praças, ambos em tamanho único de 5 mm de base por 20 mm de altura; b) poderá ser confeccionado plastificado ou bordado reduzido, observando as devidas proporções, cores e formatos descritos na letra b) do Inciso II do artigo 38 deste Regulamento; c) o distintivo será usado obrigatoriamente por Oficial e Praça do Quadro de Saúde Veterinária, nas mesmas condições de uso do distintivo básico de Polícia Militar, descrito no Inciso III do Artigo 38 deste Regulamento. Art. 40. Os distintivos de coberturas são: I - os distintivos de Oficial para quepe, boina, gorro de pala e chapéu serão: a) o Brasão das Polícias Militares, com o círculo modificado para a forma elipsóide, carregado de 26 (vinte e seis) estrelas de prata, acrescido de um listel na sua base, tudo em um campo azul, carregado de caracteres na cor prata, contendo a legenda RORAIMA ; esse conjunto é circundado por folhas e frutos de louro dourados que se unem por um laço, na base do distintivo; o distintivo será de metal lavrado para o quepe e deverá ser composto de peças distintas e sobreposto, correspondente à estrela central, ao campo vermelho, ao elipsóide e às folhas de louro; para o gorro de pala será bordado em fio normal, com as mesmas cores características descritas; b) será confeccionado nas seguintes dimensões: 1. para quepe masculino será metálico, no tamanho de 90x70 mm; 2. para boina será metálico ou bordado, no tamanho de 55x40 mm, em cores para os uniformes operacionais e em tonalidades de cinza e preto para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem; 3. para o gorro de pala será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 55x40 mm; 4. para o quepe feminino será o brasão metálico para boina, no tamanho de 55x40 mm; 5. para gorro de pala, chapéu de selva ou chapéu tropical que tenham a finalidade de camuflagem, será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 55x40mm, nas tonalidades de cinza e preto; c) os distintivos de cobertura, exceto para o gorro sem pala e para o capacete, têm a seguinte regra de uso: 1. obrigatório nas coberturas, devendo ser fixados, sempre, em posição central, na frente das respectivas copas, com as seguintes particularidades: (a) os quepes masculinos, de maneira a cobrir 10 mm da cinta da base; (b) nos quepes femininos, 30 mm acima da linha de junção da pala com a copa; (c) os gorros de pala e chapéus, de maneira a cobrir 10 mm da base da pala. 2. os Oficiais Superiores ostentarão, sobre a pala dos quepes e gorros de pala, excetos para os de finalidade de camuflagem, dois ramos de louro com cinco folhas, medindo 150 mm cada um, bordados com fio dourado ou amarelo-ouro, respectivamente, representativos de sua posição hierárquica; 3. O distintivo de boina será fixado no quarto anterior do lado direito; II - os distintivos de Cadete e Aluno Oficial para quepe, boina, gorro de pala e chapéu serão: a) o Brasão das Polícias Militares, com o círculo modificado para a forma elipsóide, carregado de 26 (vinte e seis) estrelas de prata, acrescido de um listel na sua base, tudo em um campo azul, carregado de caracteres na cor prata, contendo a legenda RORAIMA ; esse conjunto é circundado por ramalhetes de folhas de louro dourados que se unem por um laço, na base do distintivo; o distintivo será de metal lavrado, para o quepe, devendo ser composto de peças distintas e sobreposto, correspondente à estrela central, ao campo vermelho, ao elipsóide e às folhas de louro; para o gorro de pala APE será bordado em fio normal, com as mesmas cores características descritas; b) será confeccionado nas seguintes dimensões: 1. para quepe masculino será metálico, no tamanho de 70x55 mm; 2. para boina será metálico ou bordado, no tamanho de 55x40 mm, em cores para os uniformes operacionais e em tonalidades de cinza e preto para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem; 3. para gorro de pala será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 70x55 mm; 4. para o quepe feminino será o brasão metálico para boina, no tamanho de 55x40 mm;

15 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG para gorro de pala, chapéu de selva ou chapéu tropical que tenha a finalidade de camuflagem, será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 70x55 mm, nas tonalidades de cinza e preto; III - os distintivos de Subtenente e Sargento para quepe, boina, gorro de pala e chapéu serão: a) uma elipse de fundo encarnado (vermelho) emoldurada por uma placa de metal dourado, recortados em linhas de resplendor com vinte e cinco lâminas; ao centro da elipse, em metal dourado, terá duas garruchas, de carregamento pela boca com varetas, cruzadas na parte média dos canos, formando ângulo de cento e dezoito graus entre si; terá um escudo inscrito com letras PM no centro, ficando a metade superior da letra P acima da M e a metade inferior desta, abaixo daquela, circundada por folhas de carvalho na cor prata; na base do distintivo, sobrepõe um listel azul que atravessa sobretudo, carregado de caracteres prateados, compondo o nome RORAIMA ; b) será confeccionado nas seguintes dimensões: 1. para quepe masculino será metálico, no tamanho de 80x60 mm; 2. para boina será metálico ou bordado, no tamanho de 45x40 mm, em cores para os uniformes operacionais e em tonalidades de cinza e preto para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem; 3. para gorro de pala será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 45x40 mm; 4. para o quepe feminino será o brasão metálico para boina, no tamanho de 45x40 mm; 5. para gorro de pala, chapéu de selva ou chapéu tropical que tenha a finalidade de camuflagem, será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 45x40mm, nas tonalidades de cinza e preto; IV - os distintivos de Cabo e Soldado para quepe, boina, gorro de pala e chapéu serão: a) uma elipse de fundo azul emoldurada por uma placa de metal dourado recortados em linhas de resplendor com vinte e cinco lâminas; ao centro da elipse, em metal dourado, terá duas garruchas, de carregamento pela boca com varetas, cruzadas na parte média dos canos, formando ângulo de cento e dezoito graus entre si; terá um escudo inscrito com letras PM no centro, ficando a metade superior da letra P acima da M e a metade inferior desta, abaixo daquela, circundada por folhas de carvalho na cor prata; na base do distintivo, sobrepõe um listel azul que atravessa sobretudo, carregados de caracteres prateados, compondo o nome RORAIMA ; b) será confeccionado nas seguintes dimensões: 1. para quepe masculino será metálico, no tamanho de 80x60 mm; 2. para boina será metálico ou bordado, no tamanho de 45x40 mm, em cores para os uniformes operacionais e em tonalidades de cinza e preto para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem; 3. para gorro de pala será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 45x40 mm; 4. para o quepe feminino será o brasão metálico para boina, no tamanho de 45x40 mm; 5. para gorro de pala, chapéu de selva ou chapéu tropical que tenha a finalidade de camuflagem, será bordado, para masculino e feminino, no tamanho de 45x40mm, nas tonalidades de cinza e preto; V - os distintivos para capacetes serão: a) para os de tipo americano, fritz e de motociclista: será o Brasão das Polícias Militares, para qualquer Posto ou Graduação, aplicado em adesivo na parte central, frontal, com 45 mm de diâmetro; b) para os capacetes especiais de CDC ou tropas especiais, será o Brasão das Polícias Militares, nas cores cinza e preto, aplicado em adesivo na parte central, frontal, com 45 mm de diâmetro; c) para o capacete de bicicleta será o Brasão das Polícias Militares, no tamanho reduzido de 30 mm de diâmetro, aplicado em adesivo na parte central, frontal; d) os distintivos de capacete serão fixados 15 mm acima da linha da junção da pala com a copa; VI - distintivo de gorro sem pala: será a insígnia metálica em miniatura correspondente ao Posto ou Graduação, descrito neste Regulamento, fixada no quarto anterior do lado esquerdo, ficando a 50 mm da linha central frontal e 50 mm da parte superior; Art. 41. Os Distintivos identificadores são: I - o distintivo identificador da Unidade da Federação será: a) compõe-se de uma faixa semicircular com 120 mm de comprimento e 30 mm de largura (raio igual a 80 mm), em campo APE, contendo a inscrição RORAIMA em caracteres maiúsculos, com 12 mm de altura, centralizados na faixa, na cor amarelo-ouro, para os uniformes básicos; em fundo de tecido da cor predominante do uniforme, com caracteres preto ou cinza-médio, para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem, sendo completados por bordaduras externa de 2 mm, na mesma cor; b) usado com os uniformes previstos, quando em missão ou curso fora do território roraimense; c) não serão usados nas camisas brancas e azul-claro manga longa, blusão de agasalho e blusão de quimono e nas camisetas, d) será aplicado por meio de costura ou velcro, a 10 mm abaixo da costura superior da manga direita dos uniformes, em substituição ao distintivo identificador de especialização policial; II - o distintivo identificador da Organização Policial Militar será: a) compõe-se de uma faixa semicircular com 120 mm de comprimento e 30 mm de largura (raio igual a 80 mm), em campo APE, contendo como inscrição abreviada ou por extenso da ORGANIZAÇÃO POLICIAL MILITAR em caracteres maiúsculos, com 12 mm de altura, centralizados na faixa, na cor amarelo-ouro para os uniformes básicos; em fundo de tecido da cor predominante do uniforme, com caracteres preto ou cinzamédio, para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem, sendo completados por bordaduras externa de 2 mm, na mesma cor; b) usado com os uniformes previstos; c) não serão usados nas camisas brancas e azul-claro manga longa, blusão de agasalho e blusão de quimono; d) será aplicado por meio de costura ou velcro, a 10 mm abaixo da costura superior da manga esquerda dos uniformes para as OPM que não possuírem Brasão com identificação própria regulamentada; III - o distintivo identificador de Especialização Policial será: a) compõe-se de uma faixa semicircular com 120 mm de comprimento e 30 mm de largura (raio igual a 80 mm), em campo APE, contendo como inscrição o nome básico da ESPECIALIZAÇÃO POLICIAL MILI- TAR em caracteres maiúsculos, com 12 mm de altura centralizados na faixa, na cor amarelo-ouro para os uniformes básicos; em fundo de tecido da cor predominante do uniforme, com caracteres preto ou cinza-médio, para os uniformes especiais com finalidade de camuflagem, sendo completados por bordaduras externa de 2 mm, na mesma cor; b) usado com os uniformes previstos; c) não serão usados nas túnicas, jaquetas, camisas brancas e azul-claro manga longa, camisas dos uniformes de passeio, blusão de agasalho, blusão de quimono e nas camisetas; d) será aplicado por meio de costura ou velcro, a 10 mm abaixo da costura superior da manga direita dos uniformes; e) quando não houver distintivo de OPM, poderá ser usado mais um identificador de especialização, na manga esquerda dos uniformes, geometricamente distribuídos com os demais previstos; IV - os distintivos identificadores do Policial Militar são: a) plaqueta identificadora: 1. retângulo em acrílico, na cor preta, medindo na largura máxima da pestana do bolso, com 3 mm de espessura o Posto ou Graduação abreviados, o nome de guerra do Policial Militar, ambos em letras brancas e do tipo sangüíneo e fator Rh em vermelho, tudo com fonte Arial, em negrito, de 8 mm de tamanho, todas maiúsculas; o retângulo dispõe de dois pinos metálicos no verso, com pontas, fixadas ao tecido por meio de dois prendedores; 2. de uso obrigatório para Oficial e Praça, sobre a pestana do bolso direito, com a borda superior tangenciando a costura superior das camisas dos uniformes de passeio, podendo também ser usada sobre a pestana do bolso direito da túnica dos uniformes 2º A, 2º B, e jaquetas dos uniformes 3ºB e 13ºC, nas mesmas condições de fixação, quando for conveniente a identificação; b) tarjeta identificadora: 1. retângulo em tecido, com fundo na cor predominante do uniforme correspondente, medindo na largura máxima da pestana do bolso, contendo o Posto ou Graduação abreviados, com o nome de guerra do Policial Militar, ambos bordados na cor branco para os tecidos APE, e na cor cinza-médio ou preto para os tecidos com finalidade de camuflagem, seguido do tipo sangüíneo e fator RH, bordado em vermelho, tudo com fonte Times New Roman, em negrito, de 10 mm de altura máxima e 6 mm de altura mínima; 2. o retângulo será fixado ao tecido por meio de costura ou velcro na cor preta, tangenciando a pestana do bolso direito das camisas e gandolas dos uniformes operacionais e especiais; 3. de uso obrigatório para Oficial e Praça; c) identificador das camisetas: 1. será bordado na altura do tórax, à direita do Brasão, contendo o Posto ou Graduação abreviados e nome de guerra, na cor preta para as camisetas brancas, cinza-médio ou preta para as camisetas dos uniformes especiais com finalidades de camuflagens, seguidos do tipo sangüíneo e fator Rh do Policial Militar em vermelho, tudo com fonte Times New Roman, em negrito, de 10 mm de tamanho; 2. todas as camisetas serão obrigatoriamente identificadas; V - identificador do macacão de vôo: gravado em letras na cor dourada em couro preto; tendo na parte superior à palavra POLÍCIA MILI- TAR, no meio o distintivo próprio da OPM e abaixo, na mesma linha, a abreviatura do Posto ou Graduação, seguido do nome de guerra, tipo sangüíneo e fator Rh do usuário, em conjunto único, tudo com fonte Times New Roman, em negrito, de 10 mm de tamanho; será colocado acima do bolso direito da parte frontal superior, por meio de costura ou velcro preto e de uso obrigatório para Oficial e Praça; Art. 42. Os Distintivos de Cursos serão usados na seguinte forma: I - o distintivo de Curso de Formação, Habilitação, Aperfeiçoamento ou Alto Estudo: a) metálico: será usado na mesma posição descrita, sobre o bolso direito das túnicas, jaquetas e camisas dos uniformes de passeio, que deverá dispor de pinos no verso para fixar ao tecido por meio de prendedores; b) bordado: será usado na intersecção das diagonais do retângulo formado

16 PÁG. 16 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 pela borda inferior da pestana, pelas bordas verticais e pela borda horizontal inferior do bolso esquerdo dos uniformes operacionais, que será fixado por meio de costura ou velcro preto; c) Será de uso obrigatório e permitido o uso de somente um desse distintivo, que corresponda ao curso de nível mais elevado; II - os distintivos de Curso ou Estágio de Especialização Nacional ou Internacional serão usados na seguinte forma: a) metálico: será usado acima do bolso superior direito das túnicas, das jaquetas e das camisas dos uniformes de passeio, simetricamente colocado, no formato de coluna até três, com seu bordo inferior no máximo a 5 mm, tangente ao bordo superior da pestana; o distintivo deverá dispor de pinos metálicos no verso, com pontas, para serem fixados ao tecido por meio de prendedores; b) bordado: será usado acima do bolso superior esquerdo das camisas dos uniformes operacionais e especiais, simetricamente colocado, no formato de coluna até três, com seu bordo inferior, no máximo a 5 mm, tangente ao bordo superior da pestana; o distintivo deverá ser fixado ao tecido por meio de costura ou velcro preto; c) o distintivo de curso ou estágio de especialização internacional será usado acima do bolso oposto ao nacional, nas mesmas disposições anteriores; d) será obrigatório e permitido o uso de até três distintivos de cursos ou estágios de especialização nacional, de livre escolha do Oficial ou Praça, dentre os cursos que houver concluído; e) será facultado e permitido o uso de até dois distintivos de curso ou estágio internacional, de livre escolha do Oficial ou Praça, dentre os cursos que houver concluído; III - nos uniformes especiais com finalidade de camuflagem: será autorizado o uso de distintivos de curso ou estágio de especialização nacional ou internacional, nas mesmas condições descritas no item anterior, desde que seja confeccionado em material emborrachado ou bordado em tonalidades de cinza e verde, que não apresentem cores, brilho ou luminosidade. Seção III Das Prescrições Diversas Art. 43. A fivela dos cintos de náilon, dos diversos uniformes, será em metal dourado para Oficial e prateado para Praça; terá ao centro, gravado em alto relevo o Brasão das Polícias Militares. Art. 44. Para os cinturões, será a fivela metálica ou plástica, com duas peças de encaixe, na cor preta, que terá o Brasão das Polícias Militares, lavrado em alto relevo na peça externa de fixação da fivela. Art. 45. A espora dourada será usada por Policial Militar possuidor do Curso de Equitação. CAPÍTULO VII Das Condecorações Art. 46. O presente Capítulo regula o uso das condecorações, observadas os preceitos aprovados em Regulamentos próprios. Paragráfo único. As condecorações da Polícia Militar de Roraima serão entregues nas datas de 21 de abril Dia de Tiradentes e 26 de novembro Aniversário da Corporação. Seção I Da Conceituação e da Classificação Art. 47. As condecorações constituem o reconhecimento público de Instituições Governamentais ou Privadas, Civis, Militares ou Policiais Militares, a integrante da Polícia Militar, como prêmio por feitos que mereçam destaque, compreendendo: I Ordem Honorífica; II Medalha de Mérito Militar e de Mérito Policial Militar; III Medalha Láurea de Mérito Pessoal; IV - Medalha Condecorativa. Art. 48. Ordem Honorífica é uma escala de honorificências em que se ingressa pelo grau mais baixo e se pode ascender na escala, até o mais alto. Possui um número limitado de agraciados e que, nos dias modernos, corresponde, também, à retribuição por relevantes serviços prestados, como ocorre com as demais condecorações. Art. 49. Medalha de Mérito Militar e de Mérito Policial Militar são instituídas por Organizações Militares e Políciais Militares com os mais diversos objetivos. Art. 50. Medalha Láurea de Mérito Pessoal é uma medalha prêmio que objetiva distinguir o Policial Militar por seus méritos pessoais. Art. 51. Medalha Condecorativa é a que patenteia o reconhecimento pelos bons serviços prestados, podendo ser de qualquer natureza. Art. 52. As condecorações de caráter militar são aquelas outorgadas pelas Forças Armadas Nacionais ou Estrangeiras, Polícias Militares ou Corpos de Bombeiros Militares, quando Instituições permanentes. Art. 53. As condecorações de caráter civil são aquelas de mérito cívico administrativo, profissional ou intelectual, nacionais ou estrangeiras, quando instituídas sob a forma de ordens permanentes e devidamente disciplinadas em Lei ou Regulamento. Art. 54. As condecorações deverão ser usadas com cuidado e sobriedade. Art. 55. É expressamente proibido o uso de medalhas e barretas recebidas em simpósios, congressos, datas comemorativas, instituições literárias ou científicas, competições desportivas ou qualquer outra espécie que fuja às orientações prescritas neste Regulamento. Seção II Das Definições Particulares Art. 56. As condecorações da Polícia Militar de Roraima, cujo uso é autorizado nos uniformes policiais militares, são as seguintes: I - destinadas a premiar a bravura policial militar: Medalha Cruz de Bravura Alferes Joaquim José da Silva Xavier; II - destinadas a agraciar os feridos em ação policial militar: Medalha Mérito Barão de Parima; III - destinadas a reconhecer o tempo de serviço policial militar prestado a Instituição: Medalha Dedicação Policial Militar; IV - destinadas a galhardear relevantes serviços prestados a Corporação: Medalha Forte São Joaquim; V - destinadas a premiar a aplicação aos estudos policiais militares ou da instrução policial militar: Medalha Mérito Intelectual Barão do Rio Branco; VI - destinadas a galhardear por ação ou operação policial militar: Medalha Mérito Operacional Cruzeiro do Sul; VII - outras, com aprovação da autoridade competente. Art. 57. Para efeito deste Regulamento ficam adotadas as seguintes definições particulares: I - venera: é a medalha propriamente dita, ou insígnia da condecoração, na cor bronze, prata ou ouro; II - fita: é uma faixa estreita de tecido de onde pende, geralmente, a venera; III - passador: é uma peça retangular de metal, integrante de algumas condecorações, por onde se atravessa a fita, pode simbolizar, em alguns casos, honrarias e tempo de serviço ou outros aspectos relevantes do portador; IV - medalha: é a condecoração composta de venera e fita; V - banda: é uma fita larga de tecido, usada a tiracolo, destinada a prender a venera de certa ordem honorífica, geralmente no grau de Grã-Cruz; VI - barreta: é uma peça de metal revestida de um ou mais pedaços de fita, ou esmaltada por faixas, correspondente a determinada condecoração; terá medidas estabelecidas na regulamentação da condecoração e, na sua falta, será confeccionada com 35 mm de largura por 10 mm de altura; VII - barreta de lapela: peça de metal dourado, representando a barreta comum em tamanho reduzido, provida de um botão para adaptação na lapela, com as dimensões de 16 mm de largura por 5 mm de altura; VIII - placa: é uma chapa de metal esmaltado sobreposta a uma peça de metal dourado ou prateado, usada por condecorados com certas ordens honoríficas, geralmente nos graus de Grande-Oficial e de Grã-Cruz; IX - colar: é uma dupla corrente, ornada com os elementos alegóricos, da qual prende a venera; X - comenda: é uma venera, usada pendente de uma fita representativa, em certas ordens honoríficas, nos graus de Comendador ou Grande- Oficial; XI - miniatura: redução da medalha, para ser usada na casaca civil e nos uniformes de gala; XII - roseta: laço ou botão de fita da respectiva condecoração, usado na botoeira da lapela do traje civil; XIII - diploma: documento em pergaminho conferido ao agraciado, para oficializar a honraria. Seção III Das Regras de Uso Art. 58. Para o uso das condecorações ficam estabelecidas as seguintes regras: I - das medalhas e ordens honoríficas: a) uso nos uniformes de gala, de cerimônia e de passeio; b) nos uniformes básicos operacionais e nos especiais, somente em paradas e desfiles militares comemorativos das grandes datas nacionais ou, mediante ordem, em atos e solenidades específicas; c) serão usadas do lado esquerdo do peito, respeitando-se o limite de três fileiras de medalhas, segundo a ordem de precedência e o alinhamento será sempre da direita para a esquerda e de cima para baixo, uma ao lado da outra, obedecendo ao alinhamento pelas medalhas e nunca pelas fitas, sendo que serão distanciadas 20 mm entre si e serão formadas como segue: 1) até cinco medalhas: uma só fileira, alinhada com o segundo botão; 2) de seis a dez medalhas: uma fileira de cinco, alinhada com o segundo botão e uma de cinco ou menos, acima desta; 3) de onze a quinze medalhas: uma fileira de cinco, alinhada com o segundo botão, outra de cinco, abaixo desta, e a terceira de cinco ou menos, acima da primeira; 4) nas túnicas a fileira base deverá se alinhar de maneira que a extremidade inferior das veneras tangencie o bordo inferior da pestana do bolso esquerdo; as demais, se houver, serão colocadas acima da descrita, as demais regras são as mesmas dos itens anteriores, inclusive quanto à formação das fileiras; d) uso proibido nos demais uniformes e circunstâncias; II - disposição e número de condecorações nos uniformes: a) colar: poderá ser usado juntamente com outras condecorações, devendo ser somente um colar de cada vez, o mesmo será colocado ao pescoço, por dentro das túnicas e na sua altura natural, sem necessidade

17 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 17 de suspendê-lo ou de diminuir o seu tamanho; b) banda: poderá ser usada somente uma, colocada a tiracolo do ombro direito para o quadril esquerdo, passando por sob a platina e por sob o cinto, quando houver; o ajuste da faixa deve ser feito de maneira que o laço fique 30 mm abaixo da cintura; o uso da placa respectiva é obrigatório; c) comenda: o uso será de acordo com o uniforme, como se segue: 1. nos uniformes com túnicas, será usada no máximo uma comenda; esta insígnia será usada no pescoço, presa por fita, que se coloca rente ao colarinho, por baixo da gola da camisa e por cima da gravata, ficando a fita ligeiramente coberta e a comenda exposta, para fora da túnica; 2. o uso da comenda obriga ao uso da respectiva placa; d) placa: o seu uso, quando fizer parte de bandas ou comendas, somente se fará em conjunto com as mesmas; caso contrário, em consonância com a regulamentação própria da condecoração, seu uso nas túnicas será limitado a quatro do lado esquerdo e duas do lado direito como segue: 1. lado esquerdo: a primeira placa, que será correspondente à banda ou comenda, quando for usada, posiciona-se sobre o bolso esquerdo, em correspondência aos distintivos de curso usados sobre o bolso direito; a segunda posiciona-se em pala, ou seja, abaixo da primeira e com seu ponto mais elevado coincidindo com a intersecção da vertical da primeira e da horizontal, alinhadas com o terceiro botão; havendo três placas, a disposição é em triângulo, ficando os pontos mais elevados da segunda e da terceira, tangentes à horizontal do segundo botão; havendo quatro placas, a quarta compõe-se, simetricamente, ao triângulo, formando uma cruz. 2. lado direito: a primeira placa posiciona-se 10 mm abaixo do bolso, alinhada com a vertical baixada pelo botão do mesmo; a segunda colocase na mesma vertical, a 10 mm abaixo da primeira; e) barretas: 1. uso obrigatório: nas túnicas dos 2º uniformes e nas camisas dos uniformes de passeio, colocados acima da pestana do bolso esquerdo; 2. uso proibido: (a) nos uniformes de gala e nos uniformes especiais; (b) nos demais uniformes; (c) simultaneamente, com o uso da medalha correspondente; 3. disposição das barretas nos uniformes obedecerá as seguintes prescrições: (a) a barreta solitária deve ficar centralizada, 2 mm acima do bolso superior esquerdo; (b) o conjunto de duas barretas deve ser colocado de forma semelhante à barreta solitária; (c) devem ser dispostas em precedência idêntica à estabelecida para as medalhas; (d) devem ser organizadas em fileiras de três colunas, até quinze barretas e acima desta quantidade serão organizadas em fileiras de quatro colunas, sendo o conjunto assim formado colocado de forma centralizada, 2 mm acima do bolso esquerdo da túnica; (e) quando for o caso, podem ficar superpostas à gola da túnica, sem contudo prendê-la; 4. o número máximo de uso permitido será: 24 (vinte e quatro) barretas 1º - O uso de condecorações concedidas por autoridades estranhas à Polícia Militar do Estado de Roraima, depende de registro e publicidade na Corporação, através da 1ª Seção do EMG, exceto quando a autoridade concedente for o Presidente da República Federativa do Brasil ou de Governadores de Estado da Federação ou do Distrito Federal. 2º - No caso de condecorações outorgadas por entidades civis não governamentais, legalmente instituídas e dotadas de reconhecimento público e governamental, pelo menos em nível estadual, além do disposto no parágrafo anterior, dependerá de prévia autorização do Comandante Geral da Polícia Militar. 3º - O uso de quaisquer condecorações somente será permitido após a respectiva solenidade de entrega, nos termos do regulamento da condecoração ou do Regulamento de Continências, Honras e Sinais de Respeito das Forças Armadas, e ainda, após a respectiva publicação em Boletim. 4º - O uso de colar, banda ou comenda, é mutuamente exclusivo; cada uma delas poderá, no entanto, ser usada em conjunto com medalhas. 5º - O uso de barretas das respectivas condecorações é mutuamente exclusivo. 6º - O uso de condecorações não previstas neste Regulamento fica permitido, exclusivamente, nas respectivas solenidades de entrega. 7º - Nas cerimônias de entrega de condecorações, o agraciado deverá usar apenas a que lhe for entregue. 8º - O uso das condecorações com trajes civis obedece as seguintes prescrições: I - com casaca, as condecorações serão usadas como nos uniformes de Gala; II - com traje civil completo, podem ser usadas as miniaturas ou as rosetas. Seção IV Da Precedência Art A disposição de medalhas nos uniformes, obedecerá às seguintes regras de precedência: I - condecorações nacionais de: a) bravura; b) ferimento em ação; c) campanha, cumprimento de missões e operações de guerra ou policiais militares; d) prêmio a atos pessoais de abnegação e destemor, com risco de vida, em tempo de paz, ou no cumprimento do dever; e) mérito; f) serviços relevantes; g) bons serviços militares; h) esforço nacional de guerra; i) serviços prestados às Forças Armadas ou Auxiliares; j) serviços extraordinários; k) mérito cívico; l) aplicação aos estudos policiais militares. II - outras condecorações de nível estadual; III - outras condecorações de nível municipal; IV - condecorações estrangeiras. Parágrafo único. Em solenidades sujeitas a cerimonial de outros países, as regras acima se alternam cabendo o destaque principal às condecorações do país promotor da solenidade. Art. 60. As condecorações de mérito obedecerão à seguinte precedência: I - militares: por ordem de recebimento, independentemente de grau; II - civis: por ordem de recebimento, independentemente de grau. Art. 61. As condecorações militares de mesma natureza terão a seguinte precedência: I - da Polícia Militar do Estado de Roraima: por ordem de grau e por ordem de recebimento; II - de outras Corporações co-irmãs: por ordem de recebimento, independentemente de seu grau; III - das Forças Armadas: por ordem de recebimento independentemente de seu grau. Art. 62. As condecorações do mérito militar ou mérito policial militar, quando outorgadas como prêmio à bravura pessoal ou coletiva em missões de guerra ou policiais militares, precederão a todas as demais. Art. 63. Nas solenidades do Dia de Tiradentes, o uso de condecorações nacionais será exclusivo. Art. 64. Nas solenidades da Marinha, do Exército, da Aeronáutica e de outras Forças Auxiliares, o policial militar deverá ostentar com destaque, se as possuir, condecorações da Corporação anfitriã. Art. 65. Mesmo dentro dos limites numéricos aqui estabelecidos, não é obrigatória a ostentação pelo policial militar, de todas as condecorações que possua, cabendo-lhe opção pelas de sua preferência, respeitadas as regras acima estabelecidas. Art. 66. O direito ao uso de condecorações de qualquer natureza ou grau, extingue-se pelas superveniências dos seguintes eventos: I - condenação irrecorrível por crime de deserção; II - condenação irrecorrível por qualquer crime de natureza desonrosa, ou ofensiva à dignidade profissional; III - condenação irrecorrível por atos incompatíveis com o sentimento, a dignidade ou ainda ofendido, por qualquer meio, a Corporação. CAPÍTULO VIII Das Prescrições Diversas Seção I Da Proibição e da Permissão do Uso de Uniformes Art. 67. O Comandante Geral poderá proibir definitivamente o uso dos uniformes da Polícia Militar pelo pessoal da reserva ou reformado, que fardado se apresentem incorretamente uniformizados ou tenham procedimento irregular. Art. 68. O militar das Forças Armadas Brasileiras ou de outras Corporações co-irmãs, em função comissionada ou à disposição da Polícia Militar de Roraima, no seu posto ou graduação, poderá usar o uniforme da Polícia Militar de Roraima, com as insígnias do posto ou graduação a que fizer jus. Art. 69. O policial militar em tratamento de saúde ou com problema físico que prejudique a estética, como, braço engessado, pé fraturado ou prescrição para usar chinelo ou peça diferente, após parecer médico e decisão do Comandante, Chefe ou Diretor, ficará dispensado do uso de fardamento. Art. 70. É facultado o uso de guarda-chuva ou sombrinha, para o policial militar transitar fardado, desde que não esteja de serviço, e as condições pluviométricas assim o exigirem. Parágrafo único. O guarda-chuva ou sombrinha deverão ser dobráveis, pretos e sem estampas. Art. 71. As peças estabelecidas neste Regulamento, como de uso facultativo, obedecerão às condições de uso determinadas por cada Comandante, Chefe ou Diretor, de modo que no emprego de uma Fração PM, Elementar ou Constituída, haja uniformidade na utilização dessas peças. Art. 72. Fica criada a Comissão Permanente para revisão e atualização do RUI-PMRR, subordinada diretamente ao Subcomandante Geral, que será presidida pelo Chefe da 3ª Seção do Estado Maior, e terá como integrantes natos o Comandante da CCSv/Ajudância Geral e o Chefe da 3ª Seção de cada Grande Comando, podendo a Comissão requisitar outros membros, se houver conveniência.

18 PÁG. 18 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Art. 73. As equipes esportivas podem usar em treinamento e competição, peças complementares e calçados especiais, quando autorizadas pelo Comandante, Chefe ou Diretor da OPM, cabendo as despesas correspondentes por conta do policial militar. Parágrafo único. Por ocasião de competições esportivas, as delegações e as torcidas podem usar em trânsito para as competições e durante as mesmas, uniforme especial autorizado pelo respectivo Comandante, Chefe ou Diretor de Organizações Policiais Militares. Seção II Do Uso e do Porte da Cobertura Art. 74. As coberturas devem ser usadas de forma a ficarem horizontalmente posicionadas. 1º O policial militar, armado ou não, ao se descobrir, deverá conduzir a cobertura entre o braço esquerdo e o corpo, com a copa para fora e a pala para frente. 2º O policial militar, armado ou não, usando o gorro sem pala, ao se descobrir, deverá conduzir a cobertura presa ao cinto ou cinturão do lado esquerdo frontal do corpo, com a insígnia voltada para frente e a copa para o lado externo. 3º O policial militar deverá se descobrir nas cerimônias fúnebres e religiosas ou no interior de templos e edifícios, ressalvando-se os casos de guarda de honra. 4º É facultado o uso da cobertura no interior de viatura policial militar, e em veículos particulares. 5º O uso da cobertura é dispensado nas áreas internas dos aquartelamentos, exceto para o serviço de Guarda. Art. 75. As cores das boinas de que trata este Regulamento são as seguintes: I - preta: Unidades Especiais de GATE, Canil e Cavalaria; II - bordôvermelha: Unidade Especial de Força Tática; III - azul-celeste: Academia de Policia Integrada. 1º na boina será usado o distintivo do posto ou graduação previsto neste Regulamento, podendo ainda, ser usado o distintivo da OPM, com autorização prévia do Comandante Geral. 2º A boina representa a Organização Policial Militar ou Fração dela, e será usada pelo policial que nela serve, não podendo ser usada por detentores de Curso de Especialização e que não seja efetivo na Unidade ou Subunidade. Seção III Da Correspondência com Uniformes das Forças Armadas e com Trajes Civis Art. 76. A correspondência entre os uniformes da Polícia Militar, Forças Armadas e os trajes civis encontram-se no Quadro Comparativo denominado de Anexo Charlie deste Regulamento. Seção IV Da Fixação das Peças e Condecorações Art. 77. A fixação de peças ao uniforme far-se-á por: I - peças de metal: serão fixadas ao uniforme sempre por meio de um ou dois pinos, tipos parafuso ou agulha, ajustados por meio de porca ou de prendedor de plástico, respectivamente; II - peças de tecido: poderão ser costuradas diretamente sobre o uniforme, ou fixadas por meio de contra peças de velcro, em qualquer caso, a peça deverá estar fixada ao longo de toda extensão dos seus bordos; III - a peça deverá ficar perfeitamente unida ao uniforme, evitando-se que fique caída, ou que forme ângulo com a superfície do tecido; IV - condecorações: a) as condecorações completas, com fita ou banda e venera serão fixadas conforme a sua regulamentação particular; b) as placas e barretas serão fixadas como as demais peças de metal; V - luvas removíveis: serão feitas do mesmo tecido do uniforme de modo a se encaixarem nas lapelas das ombreiras, que as manterão fixadas por botão próprio; VI - platinas: serão feitas do mesmo tecido do uniforme, com uma lapela na parte interior, fixa por botão, de modo a se encaixarem nos passadores das ombreiras; VII - retângulos removíveis: serão feitas de PVC ou tecido e serão fixadas ao uniforme por meio de velcro preto. Parágrafo único Fica proibido ostentando apenas as ligas de velcro no uniforme, com o respectivo distintivo. Seção V Das Bandeiras Reduzidas Art. 78. O policial militar ostentará a Bandeira Nacional reduzida, nas mesmas cores originais, devendo ser bordada ou sintética plastificada fixada por meio de costura ou velcro a 40 mm da costura da parte superior da manga direita das camisas de passeio, operacionais básicos e nas especiais sem finalidade de camuflagem; a 70 mm da costura da parte superior da manga direita das túnicas, jaquetas e japonas, quando em missão, viagem, representação ou curso no exterior, obedecendo as seguintes proporções de redução: comprimento de 80 mm e altura de 56 mm. Art. 79. O policial militar ostentará a Bandeira de Roraima reduzida, nas mesmas cores originais, devendo ser bordada ou sintética plastificada, fixada por meio de costura ou velcro a 40 mm da costura da parte superior da manga direita das camisas de passeio, operacionais básicos e nas especiais sem finalidade de camuflagem; a 70 mm da costura da parte superior da manga direita das túnicas, jaquetas e japonas, sendo vedado seu uso nas camisetas e no blusão de agasalho, obedecendo as seguintes proporções de redução: comprimento de 70 mm e altura de 46 mm. Parágrafo único. Quando o Policial Militar estiver em missão, viagem, representação ou curso policial militar no exterior, a Bandeira de Roraima reduzida será afixada na manga esquerda dos uniformes, em substituição ao Brasão da Corporação ou da Organização Policial Militar. Seção VI Da Espada e do Alamar Art. 80. A espada de Oficial é o símbolo da autoridade de que são investidos os Oficiais. 1º É de posse obrigatória para Oficiais, sendo seu uso, quando determinado, compondo os uniformes em formaturas, solenidades, desfiles, porta-bandeira e exéquias oficiais e obedecem as seguintes regras: I - quando determinado, com os uniformes básicos e especiais, em formaturas, solenidades, desfiles e exéquias oficiais, o uso com os demais uniformes é limitado a formaturas internas; II - é usada pelo Aspirante a Oficial nas cerimônias de declaração de Aspirante e de promoção ao primeiro Posto e pelo Aluno Oficial ou Subtenente habilitado a promoção ao primeiro Posto; III - é usada pelo agraciado, nas cerimônias de entrega de medalhas nacionais em presença de tropa armada; IV - as tropas especializadas devem restringir o uso da espada a situações especiais, a critério da autoridade competente; V - em desfiles motorizados, o Comandante do desfile e os Oficiais do seu Estado-Maior usarão espada quando assim for determinado; VI - é autorizado o seu uso em cerimônias religiosas de casamento; VII - não poderá ser usada em banquetes e recepções de caráter social. 2º Será obrigatório, para Oficiais da Corporação, declarados a partir da aprovação deste Regulamento, a posse da espada de lâmina adamascada, em aço inoxidável, copo vazado e cabo em ABS negro, com bainha em aço inoxidável, modelo de fabricação nacional, destinado exclusivamente às Polícias Militares. Art. 81. Alamar é a peça de posse obrigatória para Oficiais, quando o desempenho da função exigir, devendo ser fixado ao ombro esquerdo ou direito, conforme segue: I - os Oficiais farão uso do alamar no desempenho das seguintes funções: a) Adido Militar; b) Chefe Oficial da Casa Militar do Governo do Estado e c) Chefe do Estado Maior da Corporação; d) Assessor Militar do Tribunal de Justiça, Assembléia Legislativa Estadual e Ministério Público Estadual; e) Ajudante de Ordens; f) Oficial a disposição de autoridade nacional ou estrangeira, civil ou militar, como assistente ou ajudante de ordens; II - o alamar será na cor dourado no tamanho normal e azul-ferrete no tamanho reduzido; III - o alamar na cor dourado será usado nos uniformes 1ºA, 1ºB, 2ºA, 2ºB, 3ºB, 13ºA e 13ºC; IV - o alamar na cor azul-ferrete, será usado com os uniformes de passeio; V - os alamares serão usados em serviço e em atos sociais de caráter formal. 1º O alamar dourado será colocado preso ao ombro esquerdo e por ambas as extremidades, ao botão superior das túnicas, jaquetas e ao 3º botão do 13ºA. 2º O alamar azul-ferrete será colocado preso ao ombro esquerdo dos uniformes de passeio. 3º Os Oficiais da Casa Militar usarão os alamares preso ao ombro direito. 4º É vedado seu uso às Praças. Seção VII Da Identificação Nominal Art. 82. É obrigatório o uso de identificação de Posto ou Graduação abreviados, nome de guerra do Policial Militar, seguido do tipo sanguíneo e fator Rh, nos uniformes de passeio, operacionais ou especiais, abaixo discriminados, sendo facultativo nos uniformes de gala e cerimônia, e obedecerá aos seguintes critérios: I - nos uniformes de passeio, será usada a plaqueta de identificação de acrílico, sobre a pestana no bolso direito, fixada simetricamente de tal forma que a parte superior da plaqueta coincida com o remate da linha inferior da costura da pestana; II - nos uniformes operacionais e nos especiais, será usada a tarjeta de identificação, nas cores do tecido do uniforme correspondente, tangenciando a pestana do bolso direito e deverá ser fixada por meio de velcro ou costura, possibilitando sua transposição para o colete balístico ou colete tático, quando utilizado. Seção VIII Da Apresentação Pessoal Uniformizado Art. 83. Os policiais militares, quando uniformizados, devem usar cabelo de corte curto e barba raspada. É permitido o uso de bigode, devendo ser curto, sem ultrapassar as comissuras labiais. É proibido o uso de costeletas.

19 BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial PÁG. 19 Parágrafo único. O militar que tiver que usar características diferentes da que foi estipulado neste artigo, em virtude de estética ou motivo de saúde, deverá requerer autorização ao respectivo Comandante, Chefe ou Diretor, justificando seu pedido por receita ou prescrição médica. Art. 84. As policiais militares terão o cabelo classificado dentro dos padrões curto, médio ou longo. 1º Cabelo curto ou médio: quando seu corte não ultrapassar a linha superior da parte posterior da gola das camisas e gandolas. 2º Cabelo longo: quando ultrapassar a linha superior da parte posterior da gola das camisas e gandolas. 3º O cabelo médio quando usado solto deverá ser arranjado com o penteado que o mantenha baixo, de forma a se evitar armações exageradas. 4º O cabelo longo deverá ser usado com coque, trança ou rabo-decavalo pelas policiais militares, fardadas, observando-se o seguinte: I - a trança e o rabo-de-cavalo deverão ficar presos por uma liga elástica ou de tecido, na cor preta, não superior a 25 mm de espessura, no prolongamento das orelhas para a retaguarda da cabeça, aproximadamente 30 mm acima da nuca, não ultrapassando o máximo de 50 mm; II - a trança e o rabo-de-cavalo terão no máximo, 35 cm de comprimento, contados a partir da liga de fixação do cabelo; III - o coque deverá ser fixado por uma rede pequena, na cor preta, ou na cor do cabelo da policial militar. 5º O uso do coque, da trança ou do rabo-de-cavalo, fica autorizado com os uniformes de passeio, uniforme de serviço operacional nas atividades administrativas ou uniformes de treinamento físico militar. 6º As policiais militares nos serviços operacionais externos que necessitarem usar capacete deverão usar o coque ou a trança. 7º É obrigatório o uso de coque nas seguintes situações: I - formaturas, eventos e solenidades internas e externas onde a Corporação tenha participação ou representação; II - nos serviços operacionais externos; III - visitas e atividades de ensino, realizadas fora da escola de formação; IV - solenidades internas, externas e formaturas gerais. 8º Será obrigatório o uso do coque por todas as policiais militares e por todas as alunas matriculadas em Curso de Formação Policial Militar. 9º Por ocasiões de festas ou bailes, nos quais se usem uniforme de gala ou de cerimônia, será permitido o uso de penteados, desde que não deixe o cabelo completamente solto. 10. O penteado do cabelo curto, médio ou longo não deverão impedir o correto posicionamento da cobertura, quando prevista. 11. A policial militar que tiver que usar características diferentes da que foi estipulado neste artigo, em virtude de estética ou motivo de saúde, deverá requerer autorização ao respectivo Comandante, Chefe ou Diretor justificando seu pedido por receita ou prescrição médica. Art. 85. É permitido a apresentação individual das policiais militares com as unhas pintadas, nas cores claras e discretas, vedado às cores exóticas como azul, amarelo, preto, vermelho, alaranjado e afins, bem como adesivos ou desenhos artísticos. Parágrafo único. As unhas deverão estar sempre aparadas e relativamente curtas. Art. 86. É permitido a apresentação individual das policiais militares, com apenas um par de brincos, nas cores douradas ou prateadas, que não deve ultrapassar os lóbulos das orelhas. Parágrafo único. Não é permitido o uso de ornamento metálico perfurante tipo piercing. Art. 87. É permitido a policial militar feminino o uso de maquiagem em tonalidades claras e discretas. Art. 88. Compete ao Comandante, Chefe ou Diretor de OPM, fiscalizar a apresentação pessoal de todos os policiais militares quando uniformizados. Seção IX Das Alterações nos Uniformes Art. 89. As sugestões para criação, alteração ou extinção de uniformes ou peças complementares serão estudadas e encaminhadas, preliminarmente, pelo órgão técnico ou assessoria técnica. Parágrafo único. As propostas que forem submetidas à decisão do Comandante Geral deverão ser acompanhadas de pareceres circunstanciados. Art. 90. Para efeito de aplicação do Regulamento de Uniforme e Insígnias da Polícia Militar de Roraima, os uniformes, equipamentos e peças complementares serão confeccionados conforme a descrição constante do anexo Bravo do presente Regulamento. Art. 91. O Oficial e a Praça que tiver seu uniforme ou peça do mesmo inutilizado em ato de serviço poderão solicitar sua reposição, o que será feito gratuitamente de acordo com a legislação em vigor, após verificação sumária por parte de seu Comandante, Chefe ou Diretor e aprovação da autoridade competente. Art. 92 Fica autorizada a aquisição e confecção dos modelos das peças para amostra e consulta, da confecção de exemplares no formato digital e impresso, para padronização de todos os Uniformes. Art. 93. É expressamente proibido o uso de uniformes, peças deste, distintivos ou insígnias, iguais ou semelhantes aos estabelecidos no RUI- PMRR, por qualquer pessoa ou instituição que não seja integrante da Polícia Militar do Estado de Roraima. Art. 94 Fica estabelecido o prazo de dezoito meses, para transição, adequação e utilização dos novos Uniformes descritos no presente Regulamento. Parágrafo único. As normas e condutas de ordem geral terão aplicação imediata. Art. 95. Os casos omissos a este Regulamento serão solucionados pelo Comandante Geral da Corporação. REGULAMENTO DE UNIFORMES E INSIGNÍAS DA PMRR (RUI-PMRR) ANEXO ALFA CAPITULO I Disposições Gerais Art. 1º - O presente anexo, denominado de Anexo ALFA, trata da tabela dos uniformes da Polícia Militar de Roraima. Art. 2º - Fica estabelecida a ordem numérica ordinal para designação dos uniformes básicos e especiais da Polícia Militar de Roraima. CAPITULO II Tabela de Uniformes Art. 3º - A tabela dos uniformes da Polícia Militar de Roraima previstos no Regulamento de Uniforme e Insígnia serão os previstos conforme a seguir: TABELA DOS UNIFORMES DO RUI-PMRR CÓDIGO CLASSIFICAÇÃO DOS UNIFORMES BÁSICOS 1 UNIFORME DE GALA 1º A - Uniforme de Gala Preto (Masculino e Feminino). 1º B - Uniforme de Gala Branco (Masculino e Feminino). 2º UNIFORME DE CERIMÔNIA 2 A - Uniforme de Cerimônia Branco (Masculino e Feminino). 2 B - Uniforme de Cerimônia APE (Masculino e Feminino). 3º UNIFORME DE PASSEIO APE 3º A - Uniforme de Passeio APE (Masculino e Feminino). 3º B - Uniforme de Passeio de Cavalaria APE (Masculino e Feminino -Competições). 3º C - Uniforme de Passeio Gestante APE. 4º UNIFORME OPERACIONAL ORGÂNICO APE 4º A - Uniforme Operacional Meia-Manga APE (Masculino e Feminino). 4º B - Uniforme Operacional Manga Longa APE (Masculino e Feminino). 4º C - Uniforme Operacional com Bermuda APE (Bicicleta, Balneário e Embarcação Masculino e Feminino). 5º UNIFORME DE TREINAMENTO FÍSICO MILITAR 5º A - Uniforme de Treinamento Físico Militar (Masculino e Feminino). 5º B - Uniforme de Treinamento Físico Militar para Natação (Masculino e Feminino). 5º C - Uniforme Para Pratica Desportiva e Representação (Masculino e Feminino). 5º D - Uniforme de Treinamento de Defesa e Ataque (Masculino e Feminino). CÓDIGO CLASSIFICAÇÃO DOS UNIFORMES ESPECIAIS (Masculino e Feminino) 6 UNIFORME VERDE-MUSGO 6º A - Uniforme Operacional Verde-Musgo de GATE. 6 B - Uniforme Operacional Verde-Musgo de Vôo. 7º UNIFORME CAMUFLADO URBANO 7 A - Uniforme Operacional Camuflado Urbano de Força Tática. 7 B - Uniforme Operacional Camuflado Urbano de Canil. 7 C - Uniforme Operacional Camuflado Urbano de CDC. 8º UNIFORME VERDE CAMUFLADO 8 A - Uniforme Operacional de Selva Verde-Camuflado. 8 B - Uniforme Operacional de Montanha Verde-Camuflado. 9º UNIFORME VERDE CAMUFLADO AMAZÔNICO 9º A - Uniforme Operacional Verde-Camuflado Amazônico. 9º B - Uniforme Operacional Verde-Camuflado Amazônico de Embarcação. 10º UNIFORME DE CAVALARIA 10º A - Uniforme Operacional de Cavalaria APE. 10º B - Uniforme Camuflado Urbano de CDC de Cavalaria.. 10º C - Uniforme Histórico de Cavalaria. 11º UNIFORME APE DE TRÂNSITO 11º A - Uniforme Operacional de Trânsito APE. 11º B - Uniforme Operacional de Trânsito Motociclista APE. 12º UNIFORME DE SAÚDE 12º A - Uniforme de Passeio de Saúde Branco. 12º B - Uniforme de Serviço Interno de Saúde Branco. 12º C - Uniforme Operacional de Saúde APE. 12º D - Uniforme Gestante de Saúde Branco. 13º UNIFORMES DE GUARDA DE HONRA E BANDA DE MÚSICA 13º A - Uniforme Solene de Guarda de Honra. 13º B - Uniforme Formal de Guarda de Honra. 13º C - Uniforme Solene de Banda de Música. 14º UNIFORMES DIVERSOS 14º A - Uniforme de Garçom ou Garçonete. 14º B - Uniforme de Manutenção e Mecânica. 14º C - Uniforme de Serviços Gerais. 14º D - Uniforme de Serviço Voluntário Temporário.

20 PÁG. 20 Diário Oficial BOA VISTA, 19 DE DEZEMBRO DE 2007 REGULAMENTO DE UNIFORMES E INSIGNÍAS DA PMRR (RUI-PMRR) ANEXO BRAVO CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º O presente Anexo, denominado de Anexo BRAVO, trata da descrição das peças que compõem os uniformes básicos, especiais e as complementares. Art. 2º A descrição pormenorizada das peças não previstas neste Anexo será regulada por Normas Técnicas, sob responsabilidade da Comissão Permanente, previsto de acordo com o artigo 72 do RUI-PMRR. Art. 3º A confecção das peças deve obedecer às prescrições do presente Anexo, não sendo permitidas alterações, salvo se devidamente autorizadas pelo Comandante Geral. CAPÍTULO II Da Descrição das Peças dos Uniformes e das Complementares Seção I Dos Uniformes Básicos e dos Especiais Art. 4º As peças que compõem os uniformes básicos e especiais da Polícia Militar de Roraima obedecem a seguinte descrição e normas de confecção: I - balaclava preta: a) confeccionada em malha de fio de lã 100% ou em tecido sintético Nomex (resistente a fogo); b) de forma cilíndrica com 300 mm de altura, o topo é arredondado e a base é feito com malha ou tecido sanfonado com 90 mm de largura; c) na altura dos olhos tem uma abertura, sendo a parte superior dessa abertura em formato de pala; d) o forro é de tecido poliéster-algodão da mesma cor da malha de lã ou tecido; II - banda bordô: Do uniforme histórico de Cavalaria para Oficial e Subtenente é confeccionada de seda na cor bordô, com 3000 mm de comprimento e 150 mm de largura, tendo em cada extremidade uma borla em forma de pêra revestida de fio de ouro, com 60 mm de comprimento, inclusive o anel superior, e 30 mm em seu maior diâmetro, com um remate inferior, também em fio de ouro, com 4 mm de altura e 35 mm em seu maior diâmetro e terminando por uma franja, sendo: 1. para Oficial Superior: composta de doze canutões de fio de ouro, tendo cada um 180 mm de comprimento e 10 mm de diâmetro, presos em suas extremidades inferiores por um fio dourado; 2. para Capitão e Tenente: composto de canutões dourados; 3. para Subtenente: composta de canutilhos dourados e fios de seda vermelha; III - banda vermelha: pertence ao uniforme histórico de Cavalaria; para Sargento, Cabo e Soldado e de feitio idêntico ao descrito no item anterior, porém toda em algodão; IV - bermuda masculina: a) confeccionada em tecido tipos brim, terbrim ou rip stop, na cores azul-petróleo-escuro e verde-camuflada amazônico; b) corpo cortado em quatro panos, dois traseiros e dois dianteiros, unidos por costuras duplas, exceto na parte interna das pernas cujo fechamento é feito por costuras simples; c) possui quatro bolsos, com cantos inferiores oitavados, sendo dois laterais grandes, tipo cargueiro, no terço médio da coxa, pespontados com costuras duplas, chanfros nos ângulos inferiores, medindo aproximadamente entre 150 a 180 mm de largura e 185 a 215 mm de altura, duas pregas de 40 mm de largura cada, no meio do bolso, com pestanas retangulares, em tecido dobrado; e dois bolsos traseiros internos, medindo aproximadamente entre 140 mm à 170 mm de largura e 160 a 190 mm de altura; d) pestanas simples e oitavadas na parte inferior, medindo aproximadamente entre 150 a 180 mm de largura e 65 a 70 mm de altura, fechados por velcro de cor preto de 20 mm, em toda a extensão do bolso; e) cós inteiriço com sete passadores distribuídos de forma eqüidistantes; f) aberta na frente por uma braguilha dupla, fechada por fecho ecler de poliéster de cor preta, complementado por um botão plástico preto, na parte interna do cós; g) para o Ciclo Patrulha, terá uma faixa retrorrefletivo, na cor amarelo, nas laterais da bermuda, passando por cima dos bolsos, com largura de 40 mm, a altura começando abaixo do cós e seguindo em toda extensão da lateral; com tecido duplo de reforço no fundo, na parte interna das coxas (virilhas) até a região glútea; V - bermuda feminina: no mesmo tecido, cor e padrão da masculina, porém com cós abaixo do umbigo em 20 mm, com corte acinturada no molde feminino; VI - bermuda feminina para educação física: a) confeccionada em tecido de elanca, na cor preta, de corte justo, com o comprimento das pernas igual à altura do gancho; b) cintura arrematada por elástico; c) para Oficial terá duas listras de algodão na cor branca, de 10 mm de largura aplicadas nas laterais das coxas, no sentido vertical, centralizadas e separadas por 5 mm de distância uma da outra; d) para Subtenente e Sargento é idêntico ao do Oficial, somente com uma listra de cada lado; e) para Cabo e Soldado é idêntico ao do Oficial, porém sem listras; VII - blusa de agasalho para treinamento físico: a) confeccionada em tecido sintético acetinado na cor azul-celeste; b) tem mangas compridas e com punhos sanfonados com o mesmo tecido das mangas; c) faixas na altura do abdome de baixo para cima, da seguinte forma: listra azul-celeste, a primeira; vermelha, a segunda; amarela, a terceira e verde a quarta; d) a parte superior frontal, logo depois da quarta listra será branca, e terá o brasão da Corporação pintado ou bordado em cores, no lado esquerdo do peito; no lado direito, centralizado na mesma altura do brasão, terá o distintivo identificador do policial militar, previsto no RUI-PMRR, bordado em tecido de fundo da mesma cor e letras em preto, aplicado por meio de costura; e) com gola azul-celeste e fechada por fecho ecler de náilon branco, com dois bolsos laterais internos em corte reto; f) tendo nas costas, a inscrição POLÍCIA MILITAR, na cor branca, em arco, e na base do arco horizontalmente o nome RORAIMA, com fonte Arial, em negrito, tamanho 25 mm, dimensão e espaçamento normais; VIII - blusão de quimono: a) na cor branca, corte reto e simples, trançado nas mangas e na parte superior até a cintura; b) na parte inferior tecido duplo de algodão, com costura trançada em diagonal cruzada com cordão de algodão; c) com arremate frontal e da gola em peça única, com costuras múltiplas; d) arremate simples nas mangas e com costuras duplas; e) tecidos de reforço oval nas axilas, retangulares na altura dos ombros e costas, e na altura do peito; f) tem na lateral inferior um corte em V, sendo arrematado a bainha em costura simples; g) serão aplicados o brasão da Corporação na manga esquerda, a bandeira de Roraima reduzida na manga direita e a identificação na altura do peito do lado direito, todos no padrão regulamentar e devendo ser costurados; IX - boina: a) confeccionada em feltro de lã 100% ou tecido sintético e forrada em tecido de poliéster/algodão de cor preta, debruada com vaqueta cromada preta de 1,2mm de espessura, formando um tubo com 10 mm de diâmetro, onde corre um fitilho de náilon na cor preta, que se destina ao ajustamento da boina; b) de forma circular, na cor correspondente à característica da tropa, diâmetro variável de acordo com os tamanhos especificados, com aba do lado esquerdo presa por um botão de pressão; c) internamente possui um reforço em forma de semicírculo de 50 mm de altura e 80 mm de largura no quarto anterior do lado direito, destinado a receber, externamente, o distintivo de boina; d) a aba, no seu limite inferior, possui dois ilhoses de alumínio de cor preta, separados de 70 mm um do outro, no sentido transversal e a 40 mm da base, destinados a facilitar a circulação do ar; e) entre os ilhoses será aplicado o macho de um botão de pressão que, juntamente com a fêmea que é colocada a 10 mm da base, completam o acabamento da boina; X - bolsa feminina: a) confeccionada em couro, na cor preta, com tampa e fecho nas dimensões da bolsa; b) duas divisões internas e compartimento embutido com fecho ecler; c) a tampa é fechada por meio de dois botões de pressão com pinos metálicos, possuindo duas costuras paralelas na sua periferia; d) a alça a tiracolo é perfurada para permitir o ajuste por meio de fivela e ligada à bolsa por meio de duas argolas de metal dourado; e) a bolsa e a tampa têm as dimensões de 180 mm de altura e 240 mm de largura e a alça a tiracolo tem o comprimento máximo de 980 mm e 15 mm de largura; XI - botão de metal: a) nas cores amarelo-ouro ou dourado, de dois tamanhos denominados grandes e pequenos, com diâmetros de 22 mm e 15 mm, respectivamente; b) no formato chato e circular, de metal amarelo-ouro ou dourado, com 3 mm e 2 mm de espessura, com bordas arredondadas e um friso interno a 3 mm e 1 mm da borda, respectivamente, onde serão apostas vinte e seis estrelas de cinco pontas, ao centro deste uma estrela também de cinco pontas repartida em dez triângulos estampado em metal amarelo-ouro ou dourado; c) na parte traseira, terá fundo também de metal e ao centro desta uma alça de metal redondo em formato de elo, o qual será utilizado para fixação no tecido; d) para Oficial a cor dourado e amarelo-ouro para Praça; e) no formato abaulado e circular, de metal dourado e mesma descrições anteriores, para Cadete e Aluno a Oficial; XII - bota de couro: a) para a Cavalaria, na cor preta, confeccionada em vaqueta cromada, com forma anatômica; talão alto, rígidas e justas às pernas com cano

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto.

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto. Decreto nº 16.039, de 3 de maio de 2002. Dispõe sobre o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/ RN). O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando da

Leia mais

Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 18 de outubro 2012, 191º da Independência e 124º da República. Transc. D.O. n 25911 de 18/10/2012

Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 18 de outubro 2012, 191º da Independência e 124º da República. Transc. D.O. n 25911 de 18/10/2012 DECRETO Nº 1.400, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012. Aprova o Regulamento de Uniformes da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso RUPM/MT e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso

Leia mais

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado.

Art. 3º - Compete ainda, ao Comandante Geral estabelecer normas para aplicação do Regulamento ora aprovado. DECRETO N.º 18.063, de 06 de agosto de 1986 Aprova o Regulamento de Uniformes da Polícia Militar do Ceará e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso de suas atribuições legais que

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS DO RUCBMRN

DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS DO RUCBMRN CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMRN (RUCBM) ANEXO I DA PORTARIA Nº 153 GAB CMDO, DE 29 DE AGOSTO DE 2014. DESCRIÇÃO DOS UNIFORMES, INSÍGNIAS E DISTINTIVOS

Leia mais

SEÇÃO III DOS UNIFORMES DAS UNIDADES ESPECIALIZADAS

SEÇÃO III DOS UNIFORMES DAS UNIDADES ESPECIALIZADAS REGULAMENTO DE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA (RUPMPB) SEÇÃO III DOS UNIFORMES DAS UNIDADES ESPECIALIZADAS I - 8º UNIFORME CAVALARIA 8º UNIFORME A (8ºA) - CAVALARIA HISTÓRICO NEGO a) 8º UNIFORME

Leia mais

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DECRETO Nº29.482, de 03 de outubro de 2008. INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DO PROGRAMA RONDA DO QUARTEIRÃO E MODIFICA O DECRETO Nº18.063, DE 06 DE AGOSTO DE 1986 (REGULAMENTODE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES

REGULAMENTO DE UNIFORMES POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS ANEXO III REGULAMENTO DE UNIFORMES TÍTULO I Generalidades Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ICA 168-6/2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESSOAL-MILITAR RCA 35-2 REGULAMENTO DE UNIFORMES PARA OS MILITARES DA AERONÁUTICA (RUMAER) 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 43.430, DE 29 DE OUTUBRO DE 2004. (republicado no DOE nº 03, de 06 de janeiro de 2005) (vide abaixo publicação

Leia mais

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003

LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 LEI N 951, DE 18 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre as Normas do Cerimonial Público e Ordem de Precedência no Município de Bonito-MS., e dá outras providências. Autor: Luemir do Couto Coelho O Prefeito Municipal

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI COMPLEMENTAR Nº 272, DE 11 DE JUNHO DE 2007 - D.O. 12.06.07. Autor: Poder Executivo * Fixa o efetivo do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, e dá outras providências. (*Revogada pela

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E HISTÓRICO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E HISTÓRICO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E HISTÓRICO DA AERONÁUTICA Fl. nº 1 Rio de Janeiro, 13 de abril de 2005 ADITAMENTO AO BOLETIM DO COMANDO DA AERONÁUTICA Nº 068 Para conhecimento do Pessoal

Leia mais

Vitória, 13 de abril de 2010. Mensagem n º 060 / 2010. Senhor Presidente:

Vitória, 13 de abril de 2010. Mensagem n º 060 / 2010. Senhor Presidente: Vitória, 13 de abril de 2010. Mensagem n º 060 / 2010 Senhor Presidente: Encaminho à apreciação dessa Casa de Leis o anexo projeto de lei que tem por objetivo criar a Indenização para Aquisição de Fardamento,

Leia mais

DECRETO Nº 16.144, DE 27 DE JULHO DE 1994

DECRETO Nº 16.144, DE 27 DE JULHO DE 1994 DECRETO Nº 16.144, DE 27 DE JULHO DE 1994 APROVA o Regulamento de Uniformes da Polícia Militar do Amazonas e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

MATÉRIA INSTRUÇÃO GERAL UNIDADE DIDÁTICA III FARDAMENTO. ASSUNTO Uniformes e Distintivos do Exército

MATÉRIA INSTRUÇÃO GERAL UNIDADE DIDÁTICA III FARDAMENTO. ASSUNTO Uniformes e Distintivos do Exército MATÉRIA INSTRUÇÃO GERAL UNIDADE DIDÁTICA III FARDAMENTO ASSUNTO Uniformes e Distintivos do Exército OBJETIVOS - Identificar o uso de cada uniforme. - Descrever a composição dos uniformes mais usados. -

Leia mais

Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP

Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP COLETÂNEA DA Regulamento de Uniformes APLICÁVEL AO CBM/AP VOLUME 1 GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAPÁ Antônio Waldez Góes da Silva SECRETÁRIO ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO DA DEFESA SOCIAL Aldo Alves Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL

REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL 2014 REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE ALAGOAS Maceió-AL 1 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO NOVO REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CBMAL Presidente Cel. QOBM/Comb. Mat. 139983-4 - Adriano

Leia mais

ATO PGJ N.º 230/2010

ATO PGJ N.º 230/2010 ATO PGJ N.º 230/2010 REGULAMENTA AS ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas

Leia mais

DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006

DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006 1 DECRETO Nº 39.034, DE FEVEREIRO DE 2006 APROVA O REGULAMENTO DE UNIFORMES DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso:

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o Conselho Estadual dos Direitos do Idoso - CEI/SC - e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço saber a todos os habitantes deste Estado

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI COMPLEMENTAR N. 290, DE 28 DE JULHO DE 2014 Altera a Lei Complementar n. 164, de 3 de julho de 2006, que Dispõe sobre o Estatuto dos Militares do Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Maceió - Terça-feira 23 de maio de 2006 3

Maceió - Terça-feira 23 de maio de 2006 3 23 de maio de 2006 3 DECRETO Nº 3.192, DE 22 DE MAIO DE 2006. APROVA O REGULAMENTO DE UNIFORME DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS. ALAGOAS, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE 1 2 ANEXO I REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE PADRÃO DE ATENDIMENTO VAPT VUPT DO PROCON-GOIÁS FINALIDADE Art. 1º A Unidade Padrão de Atendimento Vapt Vupt do PROCON - Goiás tem por finalidade: I. Responsabilizar-se

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR REGULAMENTO DE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1ª EDIÇÃO 2012 1 RIO GRANDE

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO À PORTARIA Nº PM4-001/2.1/97 DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DAS PEÇAS DOS UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR 1 ÍNDICE UNIFORMES DE GALA Item Página I - G-1.1 "Masculino"

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PARELHAS RN, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PARELHAS RN, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 2303/2013, DE 26 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Criação e a Estrutura da Guarda Municipal, e dá outras providências. O PREFEITO DO RN, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI Nº 1529, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Cria os cargos públicos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias e institui o Plano

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE Nº 11/2014 PORTARIA COMANDANTE DO EXÉRCITO Nº 158, DE 6 DE MARÇO DE 2014. Altera o Capítulo

Leia mais

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 EMENTA: Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo Pago nas vias e logradouros públicos ora denominados ZONA AZUL no âmbito deste Município da Vitória de Santo

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.714, DE 25 DE ABRIL DE 2011 Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo pago, nas vias e logradouros públicos denominado Zona Azul São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo)

PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo) *C0051854A* C0051854A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo) Altera a Lei nº 9.998, de 17 de agosto de 2000, para autorizar o uso dos recursos do Fust - Fundo de Universalização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE NÍVEL MÉDIO PROFISSIONALIZANTE E DE GRADUAÇAO DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE NÍVEL MÉDIO PROFISSIONALIZANTE E DE GRADUAÇAO DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE NÍVEL MÉDIO PROFISSIONALIZANTE E DE GRADUAÇAO DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB Brasília DF março/2011 Pró-reitoria de Ensino PREN Pró-reitoria

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 008/2012 Dispõe sobre os militares do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL

ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL ESTADO DE PERNAMBUCO POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL SEXTA-FEIRA - RECIFE, - SUNOR Nº G 1.0.00.018 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 Regula os afastamentos temporários na PMPR O Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 Altera a Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000, para determinar que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabeleça o índice máximo de reajuste das contraprestações

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012 LEI Nº 890 DE 23 DE JANEIRO DE 2013 Dispõe sobre a criação da Secretaria de Estado da Cultura (SECULT); altera dispositivos

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.822, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.037 Dispõe sobre a Carreira e o Subsídio dos Bombeiros Militares do Estado do Tocantins, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana. RESOLUÇÃO CSA N.º 14/2009 APROVA O PLANO DE CARREIRA DO CORPO DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 7º,

Leia mais

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT

REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT REGULAMENTO DA COLAÇÃO DE GRAU DOS CURSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS FACIT MANTIDA PELA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTES CLAROS - FEMC TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º. O presente

Leia mais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

Anexo ao Decreto XXXXXXXXX. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Anexo ao Decreto XXXXXXXXX CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - O presente Regulamento contém as prescrições sobre os uniformes, peças complementares, insígnias e distintivos do Corpo de Bombeiros

Leia mais

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 179. Mossoró/RN, em 22 de Setembro de 2015. (Terça-feira)

P-1 BOLETIM INTERNO N.º 179. Mossoró/RN, em 22 de Setembro de 2015. (Terça-feira) RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR QUARTEL DO COMANDO GERAL 12º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR 01 P-1 BOLETIM INTERNO N.º 179 Mossoró/RN, em 22

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS

CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DO

Leia mais

EDITAL Nº 16/2012 PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR SUBSTITUTO POR PRAZO DETERMINADO

EDITAL Nº 16/2012 PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR SUBSTITUTO POR PRAZO DETERMINADO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Campus Santo Augusto EDITAL Nº 16/2012 PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

O Governador do Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII, do artigo 89, da Constituição Estadual,

O Governador do Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII, do artigo 89, da Constituição Estadual, P O D E R E X E C U T I V O DECRETO Nº 10.529 DE 29 DE OUTUBRO DE 2.001 D i s p õ e s o b r e a M e d a l h a I M P E R A - D O R D O M P E D R O I I n o C o r p o d e B o m b e i r o s M i l i t a r d

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.788 DE 25/09/2008 Dispõe sobre o estágio de estudantes, altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES)

UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) UNIFORME DE OFICIAL R/2 (ORIENTAÇÕES) PEÇA ESPECIFICAÇÃO USO AQUISIÇÃO OBSERVAÇÕES SAPATO Social preto, padrão militar, com cadarço. Preferencialmente em lojas militares Evitar uso de sapato social com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA Mantenedora Fasipe Centro Educacional Mantida Faculdade Fasipe - FASIPE REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA SINOP / MATO GROSSO CAPÍTULO I DA FACULDADE E SUAS FINALIDADES Art.1º - A biblioteca

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015. Série. Número 34

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015. Série. Número 34 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 50/2015 Aprova o Regulamento do Fardamento

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I. Seção I. Art. 2º - O Conselho Comunitário de Segurança Pública, terá a seguinte composição:

CAPÍTULO I. Seção I. Art. 2º - O Conselho Comunitário de Segurança Pública, terá a seguinte composição: LEI Nº 1.869/2002, DE 30 DE ABRIL DE 2.002. CRIA O CONSELHO COMUNITÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA E FUNDO COMUNITÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CONSIDERANDO a resolução nº 14, de 9 de junho de 2014, que trata do Programa Mais Educação;

CONSIDERANDO a resolução nº 14, de 9 de junho de 2014, que trata do Programa Mais Educação; No pcsa EDITAL Nº 020/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS E FORMAÇÃO DO CADASTRO DE RESERVA DOS MONITORES DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO, JUNTO ÀS UNIDADES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública 1. MATERIAL ESCOLAR BÁSICO - Caneta esferográfica azul, preta e vermelha; - lápis preto,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE TRANSFERÊNCIA E REOPÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º As vagas remanescentes existentes em cada curso da SLMANDIC serão preenchidas obedecendo a seguinte

Leia mais

COFFITO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL A N E X O I I R E S O L U Ç Õ E S C O F F I T O 2 0 7, 2 0 8, 3 7 7 E 3 7 8

COFFITO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL A N E X O I I R E S O L U Ç Õ E S C O F F I T O 2 0 7, 2 0 8, 3 7 7 E 3 7 8 COFFITO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL A N E X O I I R E S O L U Ç Õ E S C O F F I T O 2 0 7, 2 0 8, 3 7 7 E 3 7 8 RESOLUÇÃO Nº. 207/2000 RESOLUÇÃO n.º 207, DE 17 DE AGOSTO DE 2000

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI COMISSÃO DE PLANEJAMENTO E CRIAÇÃO DE NORMAS PARA INGRESSO E ACESSO A CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI. CARLOS HENRIQUE LIMA HENRIQUE RODRIGUES

Leia mais

R-5-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo REGULAMENTO DE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR. 3ª Edição. Tiragem: 1.000 exemplares

R-5-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo REGULAMENTO DE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR. 3ª Edição. Tiragem: 1.000 exemplares R-5-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo REGULAMENTO DE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR 3ª Edição Tiragem: 1.000 exemplares 1996 Setor Gráfico do CSM/MInt - 1 - POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 696 DE 2 DE OUTUBRO DE 2015. Produzindo efeitos Extingue e transforma cargos públicos e altera a Lei n o 10.683,

Leia mais

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente documento tem por objetivo estabelecer uma política de administração de cargos, salários e carreira

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências CAPÍTULO I DA CARREIRA Art. 1. Carreira Assistência à Educação

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Dispõe sobre o subsídio dos Militares do Estado e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ESTADO DA PARAÍBA Nº 14.621 João Pessoa - Domingo, 17 de Abril de 2011 Preço: R$ 2,00 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 32.101, DE 15 DE ABRIL DE 2011 Aprova o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011.

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. Aprova o Regulamento do Estágio de Estudantes junto à Agência Reguladora de Águas,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: I - direito civil, comercial, penal,

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

Lei Municipal nº 436/2008, de 04 de março de 2008. SÚMULA CRIA A GUARDA MUNICIPAL DE CARLINDA/MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Lei Municipal nº 436/2008, de 04 de março de 2008. SÚMULA CRIA A GUARDA MUNICIPAL DE CARLINDA/MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Lei Municipal nº 436/2008, de 04 de março de 2008. SÚMULA CRIA A GUARDA MUNICIPAL DE CARLINDA/MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CARLINDA, ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições

Leia mais

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE

FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE FUNDAÇÃO KARNING BAZARIAN FACULDADES INTEGRADAS DE ITAPETININGA CENTRO DE ATIVIDADES E EXTENSÃO PROGRAMA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS ESPECIAIS- PROAE Regulamento do Programa de Monitoria Capítulo I Das Disposições

Leia mais

REGULAME TO DE ESTÁGIO

REGULAME TO DE ESTÁGIO Serviço Público Federal I STITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊ CIA E TEC OLOGIA SUL-RIO-GRA DE SE - IFSul REGULAME TO DE ESTÁGIO CAPÍTULO I DA ATUREZA E DAS FI ALIDADES Art. 1 O estágio constitui-se na interface

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ.

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. (*) O Presidente do Conselho Universitário no uso de suas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. ESTABELECE NORMAS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE FEIRAS E EVENTOS COMERCIAIS, DE CARÁTER ITINERANTE E (OU) TEMPORÁRIO NO

Leia mais

Estado de Alagoas CONSELHO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA RESOLUÇÃO N 18/2010

Estado de Alagoas CONSELHO ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA RESOLUÇÃO N 18/2010 RESOLUÇÃO N 18/2010 Dispõe sobre regulamentação para uso de veículos oficiais de todos os órgãos e corporações vinculadas a Defesa Social. O, com fundamento no disposto no 5º do art. 6º do seu Regimento

Leia mais